Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

"TERRA VERDE" PROTEGE AS CRIANÇAS

EPATV apresenta “Matriosca” como protetora das crianças

Lembram-se da “boneca russa” da Matrioska que reúne bonecas de tamanhos variados colocadas umas dentro das outras? Esta é a melhor imagem que resulta das jornadas que a Escola Profissional Amar Terra Verde (EPATV) acolheu hoje, dia 29 de Março, sob o lema “O Direito das Crianças: da prática ao superior interesse”.

IMG_3019.jpg

Esta imagem é sugerida pelo desenho feito por uma criança e apresentado pelo Juiz do Tribunal de Família e Menores de Mafra no encerramento das jornadas que encheram o auditório da EPATV - Escola que ostenta o Selo de Protetora de Crianças e Jovens. As várias pessoas (pai, mãe separados e os filhos) encaixam-se em harmonia, sem sofrimento e com respeito por todos, apesar de diferentes.

Joaquim Manuel da Silva entusiasmou o auditório quando veio ao encontro de algumas teses defendidas ao longo da manhã, especialmente a “dos relatórios que não servem ara nada, devido à situação emocional dos envolvidos numa situação de divórcio”.

Sendo assim, há que restabelecer equilíbrios, identificar as necessidades não atendidas e restaurar a harmonia em triângulo e não em V, deixando o/s filho/s de fora”. Este Juiz, com uma formação multidisciplinar na área da Psicologia, Psicanálise e Filosofia, lembrou que um conflito entre pai e mãe “trava o desenvolvimento cerebral de uma criança” e ouvir dizer que o pai ou mãe “não presta é um mau trato brutal, pior que um abuso sexual”.

Os pais, os professores, os técnicos e os juízes não devem ignorar que s “crianças têm doenças físicas e psíquicas que os podem marcar para a vida toda e a separação dos pais gera enorme stress. Pior só a morte de um filho”.

Joaquim Manuel Silva socorre-se da sua experiência profissional (900 casos de divórcios sem um julgamento) para regulação da parentalidade para exigir que os “juízes devem ter conhecimentos interdisciplinares para julgarem melhor, sabendo que apenas 95% dos nossos atos tem como origem o nosso inconsciente (conforme resulta das investigações de Carl Jung e Sigmund Freud, conferidas por António Damásio).

Ao Juíz resta resolver o conflito e restaurar a harmonia porque “todos os pais gostam dos seus filhos” e após a separação não acaba o “direito a ser pai ou ser mãe”. Deve estudar bem a família, pais, avós, tios, mas tem de sair do gabinete e “construir a rede e rentabilizar os meios”

A felicidade da criança é a prioridade do Juíz de Família e Menores, até porque, segundo William James, “o pássaro não canta porque está feliz; o pássaro está feliz porque canta”.

Mais, “o exercício da autoridade só serve quando ajuda a crescer” e o juiz deve promover os direitos de quem está numa situação de fragilidade porque “as pessoas só mudam quando estão à rasca”.

As jornadas foram organizadas pela Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Vila Verde e os palestrantes não defraudaram as expectativas de uma centena de participantes, profissionalmente ligados aos direitos da criança em situações de desenlace dos pais.

A sessão abriu com uma interpretação de um Exercício musical de Czerny por Maria João Borges, da Academia de Música de Vila Verde, seguindo-se a saudação do Diretor Geral da EPATV, Escola com Selo de Protetora dos Direitos das Crianças e Jovens, com manifesto carácter “inclusivo que recebe todos os jovens de Braga, Amares, terras de Bouro e de Vila Verde”.

A EPATV acolhe os “jovens que precisam mais porque o abandono escolar atinge em primeiro lugar as famílias mais carenciadas” e o nono lugar no ranking nacional de Escolas profissionais “é um trabalho de todos” para formar “bons seres humanos com valores e bons profissionais”.

Partindo do princípio que a Escola tem “de ser integradora”, o respeito pelos direitos das Crianças inclui o direito á educação e formação profissional”.

António Vilela, presidente da Câmara Municipal de Vila Verde elogiou o trabalho dos técnicos da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) e felicitou a EPATV pelo excelente trabalho desenvolvido porque condiz com o “centro primordial da ação municipal que está nas crianças e famílias”.

A presidente da CPCJ de Vila verde começou por afirmar que “não há qualidade humana sem desenvolvimento de qualidade” e agradeceu a disponibilidade da EPATV. Beatriz Santos agradeceu a disponibilidade dos palestrantes e do curso de Restauração e pastelaria da EPATV que serviu o almoço.

55575896_10157057783688116_7146015081560539136_n.jpg

55576133_10157057784448116_7345331414117646336_n.jpg

55576305_10157057784343116_548711123222790144_n.jpg

55595617_10157057784648116_1493521293172015104_n.jpg

55604054_10157057784483116_7033991794631114752_n.jpg

55842774_10157057784663116_534489434238746624_n.jpg

55901888_10157057784068116_8420042041005703168_n.jpg

56189887_10157057783713116_1563563009949827072_n.jpg