Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

EXECUTIVO MUNICIPAL DE PONTE DE LIMA VISITA QUINTA DO AMEAL

No âmbito da política de apoio às empresas instaladas no Concelho, o Executivo Municipal visitou, na passada quinta-feira, a Quinta do Ameal.

Visita Executivo Municipal Quinta do Ameal3

Dedicada há vários anos, à produção de vinhos brancos de casta Loureiro, a Quinta do Ameal produz, desde 2005, exclusivamente a partir de uvas cultivadas organicamente na própria quinta. 14 dos seus 30 hectares são cobertos por área cultivada de vinha.

Esta empresa exporta os seus vinhos para mais de 15 países, e é já referência mundial a nível da casta Loureiro. Nas palavras de Pedro Araújo, proprietário da Quinta, “a viticultura orgânica faz com que estes sejam vinhos únicos”.

Visita Executivo Municipal Quinta do Ameal2

“É o nosso objetivo, dar a conhecer aquilo que de melhor há no Concelho, na Região, e neste caso concreto, dar a conhecer aquilo que de melhor se faz no país”, referiu Victor Mendes, Presidente da Câmara Municipal de Ponte de Lima. “Ao longo dos últimos anos, esteve em marcha um processo de reconversão da área da viticultura, e hoje contamos com um produto que é reconhecido a nível nacional e internacional, e que está nos melhores restaurantes do mundo”, acrescentou.

Dedicada também ao turismo, que o autarca apelida “de qualidade”, a Quinta do Ameal “gera riqueza, e cria emprego”. Para o edil, “esta casta que nos distingue, tem um grande retorno económico para os agentes ligados ao setor, (…) o Loureiro do Vale do Lima, é uma casta com um potencial enorme, justificando o trabalho que procuramos fazer, nomeadamente com o Loureiro de Ponte de Lima ConVida”.

“A economia do Concelho assenta numa complementaridade de atividades”. É portanto necessário, nas palavras de Victor Mendes, “fixar investimento, de forma a dinamizar o tecido empresarial, e subsequente retorno na indústria.” Certo, é que “há cada vez mais empresas fixadas no Concelho”, fator “decorrente de incentivos municipais”.

“Cada vez há mais jovens com espírito empreendedor, aptos a abraçar este tipo de iniciativas, e para dar resposta com qualidade, a estes projetos enquadrados no desenvolvimento do território, é fundamental criar condições para os investidores, e qualificar cada vez mais os nossos ativos. Este é certamente o desígnio nacional, já que hoje não é possível enquadrar o desenvolvimento de um território sem apostar na formação de concidadãos, já que este é catalisador de riqueza, de emprego, e de investimento”.

“Este é um dos grandes projetos do Concelho que tivemos a oportunidade de visitar, como viremos a ter ainda a diversas outras empresas”, disse. Estas visitas in loco às unidades empresariais e aos respetivos projetos do concelho vão continuar, como forma de auscultar as dificuldades sentidas e as perspetivas de futuro, considerando o Executivo Municipal que são as suas competências, para a sustentabilidade e progresso do nosso tecido empresarial.

Visita Executivo Municipal Quinta do Ameal

PONTE DA BARCA ELEGE RAINHA DAS VINDIMAS

Barbara Franco foi coroada na noite de sábado e vai representar o concelho barquense na gala nacional

Barbara Franco foi coroada na noite de sábado, 3 de junho, Rainha das Vindimas de Ponte da Barca. A jovem destacou-se entre as 13 concorrentes que subiram ao palco para representar o concelho barquense. Ana Carolina Armada obteve o título de Primeira Dama de Honor, e Ana Sofia Marques venceu o título de Segunda Dama de Honor. Ana Filipa Esteves foi eleita Miss Simpatia, e Mara Sousa Miss Fotogenia.

CapturarRainhaVind

O espetáculo, que se realizou na Casa da cultura, contou com vários desfiles e momentos de animação com a atuação dos alunos da Academia DanceFuel, assim como uma dança folclórica por um grupo composto por um par de cada um dos Grupos Folclóricos do concelho, e momentos musicais com Sonus Sax, um duo de saxofone e voz, composto por jovens barquenses.

Com a eleição da Rainha das Vindimas de Ponte da Barca apurou-se a representante do Município ao concurso Rainha das Vindimas de Portugal organizado pela Associação de Municípios Portugueses do Vinho, que tem como objetivo fomentar entre as jovens a preservação e a promoção das tradições e da cultura rural mais genuínas do povo português, com destaque para o vinho.

Barbara Franco tem assim como missão a defesa da identidade histórico-cultural, patrimonial, económica e social do Concelho de Ponte da Barca como um território ligado à produção de vinhos de qualidade, na gala nacional que este ano vai decorrer em Setembro, no município de Águeda.

PRODUÇÃO DA ADEGA COOPERATIVA DE GUIMARÃES CONTA COM COLHEITA DE 593 TONELADAS DE UVAS

Época das vindimas em 2016 enche mais de 800 pipas do vinho “Praça S. Tiago”

Colheita das videiras deste ano assegurou 400 mil litros de vinho, em Guimarães. Tempo chuvoso na primavera limitou quantidades produzidas, mas um verão quente e seco ajudou a uma produção de elevada qualidade. 

Guimaraes_Adega_Cooperativa.jpg

A época das vindimas na Adega Cooperativa de Guimarães terminou com uma colheita de 593 toneladas de uvas que permitem, em 2016, uma produção de 400 mil litros de vinho, equivalentes a 800 pipas. «Temos um ano com muita qualidade», afirma o Presidente da instituição, José Sequeira Braga, depois de uma visita realizada pelo Presidente da Câmara Municipal, Domingos Bragança, durante a qual propôs a associação de imagens da cidade nos produtos vinícolas para reforçar a divulgação internacional de Guimarães. 

As boas condições climatéricas que se fizeram sentir em setembro e outubro permitiram concluir em quinze dias uma vindima com um universo de 250 hectares, distribuídos por 120 produtores ativos. «A primavera foi chuvosa e esse facto gerou algumas quebras na produção, contudo, o verão foi seco e permitiu uma excelente colheita! Ter um ano com grande qualidade permite satisfazer os nossos mercados e até reforçar o número de clientes», considera Sequeira Braga, indicando o Japão, França, Estónia, Polónia, Alemanha, Holanda, EUA e Brasil, além do circuito comercial português, como principais destinos do vinho com a marca “Praça S. Tiago”, a partir das castas loureiro, trajadura, pedemã, azal branco e tinto, vinhão, borraçal e espadeiro.

Domingos Bragança realçou a importância da Adega Cooperativa de Guimarães promover nacional e internacionalmente o vinho verde, «apreciado em todo o mundo», por privilegiar «a qualidade rigorosa e valorizar os excecionais recursos naturais» da região. «O mercado exige muito profissionalismo e o produtor agrícola vimaranense, com modernas técnicas agronómicas, cuida como ninguém do seu espaço para melhor servir quem nos procura», considerou.

Fundada em 1962 por 82 viticultores, a Adega Cooperativa de Guimarães estabeleceu-se em 1963 em Fermentões, com o objetivo de receber, vinificar e comercializar as uvas dos seus cooperadores. Devido às vantagens que a associação de produtores em cooperativas apresentava, a Adega Cooperativa rapidamente floresceu, agregando atualmente mais de 400 cooperadores do concelho de Guimarães, ocupando umas modernas instalações situadas na freguesia de Prazins Santo Tirs

AMARES APOSTA NA VINICULTURA

Amares continua a apostar na projeção dos seus vinhos

Amares recebeu, ontem, a visita de um grupo de 17 “winewritters”, “retailers profissionais” e amadores de diferentes partes do mundo (Portugal, Estados Unidos, Canadá, Brasil, Alemanha, Reino Unido, Suécia, Ucrânia, etc).

DSC07591.JPG

Durante a visita a uma das produções vinícolas do concelho – a Quinta D’Amares – os visitantes tiveram a oportunidade de conhecer um dos mais importantes mosteiros do concelho, o Mosteiro de Santo André de Rendufe, bem como, de observar o desenrolar da vindima e, finalmente, de saborear os petiscos típicos do concelho, acompanhados por uma prova dos vinhos produzidos pela Quinta D’Amares.

A iniciativa surgiu no âmbito do International Wine Lover Symposium 2016, através do qual a Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes proporcionou aos participantes no simpósio uma visita à Região dos Vinhos Verdes.

Durante dois dias os participantes percorreram as diferentes Sub Regiões da Região dos Vinhos Verdes entre elas a sub-região do Cávado onde se insere a Quinta D’Amares.

DSC07604.JPG

DSC07627.JPG

DSC07643.JPG

DSC07644.JPG

CERVEIRA RECUPERA TRADIÇÃO VINÍCOLA

“Vila Nova de Cerveira teve uma forte tradição vitivinícola que é preciso reacender”

O Município de Vila Nova de Cerveira e a Confraria dos Vinhos Verdes subscreveram, no passado sábado, um protocolo de colaboração em defesa da identidade, da cultura e da economia da região alto-minhota e, mais particularmente, do concelho cerveirense. Entidades relembraram a riqueza histórica de Cerveira associada à vitivinicultura e formalizaram uma parceria “perene e sólida” para o desenvolvimento futuro do setor.

Confraria 02

A Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira recebeu, pela primeira vez, a Confraria dos Vinhos Verdes que se associou à promoção do sável do rio Minho e lançou o desafio para a realização da iniciativa “Vinhos Verdes e Produtos Endógenos”, culminando com a assinatura de um protocolo de colaboração.

Proferindo uma mensagem de boas-vindas aos confrades, o autarca cerveirense mostrou-se satisfeito com a aproximação destas duas entidades e o trabalho que pode ser desenvolvido em conjunto. “Atualmente, Vila Nova de Cerveira não é uma terra com grande tradição vitivinícola, mas já o foi outrora, pelo que espero que, num futuro próximo, cerveirenses e não só, possam enveredar por essa via”, disse Fernando Nogueira. O edil evidenciou ainda as condições naturais propícias para o vinho, “um sector que potencia um grande desenvolvimento económico”.

O Grão-Mestre Dr. Mário Correia congratulou-se com a assinatura deste protocolo de colaboração que não só resolve “uma lacuna que a Confraria tinha em Cerveira ao nível de presença”, como revela um vasto trabalho já desenvolvido pela Confraria com o intuito de “ajudar Vila Nova de Cerveira a ser no futuro aquilo que foi no passado: um grande centro de produção vitivinícola”.

Assegurando que a ‘Vila das Artes’ tem o direito de “honrar o seu passado de cultura de vinho”, o Grão-Mestre assumiu o contributo da Confraria em reacender uma “guerra” para colocar Cerveira no lugar a que pertence. “Vila Nova de Cerveira está dentro do espaço geográfico da Região Demarcada, mas não está inserida por isso, e a partir desta investigação, há muito que mexer na Demarcação das Sub-Regiões de Vinho Verde”, afirmou.

Durante a palestra intitulada “O Vinho e a Vinha em Vila Nova de Cerveira ao longo da sua história”, o Dr. Gonçalo Maia Marques fez uma resenha histórica da ligação de Cerveira à produção vitivinícola, numa viagem ao longo de 800 anos, registando que a primeira grande referência documental é na Idade Média. Entre as várias caraterísticas relatadas, o vinho produzido em Vila Nova de Cerveira tinha um preço elevado, indicador de um “produto bom e sólido, com exportação”.

Confraria 01

PONTE DE LIMA VAI PRODUZIR SIDRA E OUTRAS BEBIDAS FERMENTADAS DE FRUTOS

Terra Incubadora de Empresas – Câmara Municipal de Ponte de Lima aprova candidatura “Produção de sidras e de outras bebidas fermentadas de frutos”

No âmbito do projeto Terra Incubadora de Empresas, que visa potenciar o surgimento de micro empresas na área da organização e promoção turística, a Câmara Municipal aprovou na reunião realizada a 30 de março, uma candidatura com a seguinte designação, “Produção de sidras e de outras bebidas fermentadas de frutos”, a laborar nas Antigas Instalações da Cooperativa de Estorãos, espaço da responsabilidade da Câmara Municipal.

O projeto, que visa acrescentar valor a este produto pretende recuperar e utilizar variedades tradicionais de maçãs. A autoria do projeto é das jovens Marlene Sofia Araújo e Patrícia Araújo Monte, que de acordo com a candidatura apresentada pretendem desenvolver uma gama de sidras de maçã, ambicionando no futuro avançar para uma segunda etapa, que dinamize e inove a formulação base de origem da sidra.

Partindo do projeto de recuperação da sidra, Sidra Lagoas, desenvolvido pela Área Protegida das Lagoas de Bertiandos e S. Pedro de Arcos, desde 2005, como forma de demonstrar a qualidade da bebida e viabilidade da sua comercialização, as promotoras, alunas da Escola Superior Agrária de Ponte de Lima do Instituto Politécnico de Viana do Castelo – ESA/IPVC, desenvolveram esta ideia com ajuda dos docentes da ESA/IPVC, ao abrigo do projeto Terra Incubadora.

A candidatura agora apresentada e aprovada tem como lema transformar esta ideia num negócio viável e é a consequência dos resultados obtidos pela candidatura executada ao abrigo da bolsa do passaporte para o empreendorismo do IAPMEI, para a qual as promotoras contaram com o apoio incondicional da Área Protegida das Lagoas de Bertiandos e S. Pedro de Arcos, nomeadamente ao nível de instalações e dos equipamentos e conhecimento imprescindíveis à transformação da maçã e à produção da sidra. Neste contexto, criaram uma parceria com o mesmo Enólogo da Sidra Lagoas e com a Escola de Hotelaria e Turismo para garantir a criação de um produto estável, conferindo-lhe segurança alimentar. Em simultâneo foi desenvolvida uma imagem e marca pela qual pretendem apresentar o produto ao mercado.

A última etapa do projeto prevê, através da recuperação de variedades tradicionais de maçã, lançar uma linha de sidras gourmet. Estas diferentes gamas de sidra, pretendem aumentar e diversificar o poder de escolha do consumidor em relação a linha de bebidas fermentadas de baixo teor alcoólico que existem neste momento no mercado.

Para consolidar e apoiar a dinamização do projeto, a Câmara Municipal de Ponte de Lima aprovou a celebração de um protocolo de parceria para a cedência das Antigas Instalações da Cooperativa de Estorãos. A assinatura do protocolo está agendada para o dia 8 de maio, às 15 horas na Antiga Cooperativa de Estorãos.

VILAVERDENSES JUNTAM-SE Á VOLTA DO ALAMBIQUE PARA RECORDAR COMO SE FAZ A AGUARDENTE

Único alambique licenciado em Vila Verde mostrou como se fabrica aguardente

O segundo Encontro com o Alambique no âmbito da Rota das Colheitas proporcionou um final de tarde rico na experiência do conhecimento que proporciona esta programação dedicada à ruralidade. A propriedade da família Antunes, onde está o único alambique licenciado em todo o concelho de Vila Verde, abriu as suas portas para partilhar com o mundo o aproveitamento do que restou das vindimas, para o transformar numa bebida que hoje é de culto: a aguardente.

1383335_462260733888885_772965933_n

Aconteceu este sábado, 26 de outubro, no lugar de Carves, na freguesia vilaverdense de Pico S. Cristóvão. Num final de tarde de sol morno típico do outono, a família Antunes abriu as portas da sua propriedade rústica, onde havia sinais claros de uma genuína dedicação à terra, para receber todos os que quisessem ver uma das raras atividades que derivam das colheitas: o fabrico de aguardente. Eram visíveis ainda espigas desfolhadas e armazenas em sequeiros tipicamente minhotos e outras alfaias agrícolas com sinais de utilização recente na quinta. No Lagar aguardava a prensa com os restos de bagaço (uvas espremidas da vindima e de onde já havia sido retirado o sumo do fruto) a aguardar a última transformação no Alambique do Sr. Antunes.

1381430_462260800555545_1082391236_n

Antes disso, o Grupo Folclórico de Vila Verde proporcionou uma pequena atuação no recinto da Quinta, a dezenas de visitantes, entre eles figuras da terra como o presidente da associação de freguesias de Vale do Homem, José Pimentel, o diretor do agrupamento de escolas de Moure, Armando Machado, entre outros ilustres, e os novos vereadores do recém eleito executivo municipal, Manuel Lopes, vice-presidente e responsável pelo pelouro da Qualidade, do Ordenamento e Gestão do Território, e Patrício Araújo, responsável pelo Pelouro do Ambiente, Desporto e Actividades Económicas, pela primeira vez a assistir juntos, ao lado do presidente do município, António Vilela, a uma atividade da Rota.

1378290_462257733889185_19263203_n

Com uma receção calorosa, os três fundiram-se entre os visitantes. António Vilela, à semelhança do ano anterior, mostrou-se um entusiasta desta prática, observando muito de perto a extração do bagaço para o cesto e depois, junto do alambique de cobre, na apreciação do produto final que gotejava para o recipiente metálico.

Enquanto o bagaço destilava e a aguardente era produzida, o lanche foi servido a cerca de uma centena de aficionados da atividade. Arroz 'a fugir do prato' feito com couves e feijão vermelho, tão característico desta época, acompanhado por pataniscas e sardinhas assadas ao vivo, num braseiro local. Tudo 'empurrado' com broa caseira (e por alguns embebida em aguardente) e vinho verde tinto produzido no concelho. O repasto animou as hostes e o convívio, trocando-se histórias antigas sobre a ruralidade de há décadas atrás.

1375924_462257957222496_1997964798_n

"Este ano a animação e o lanche foram maiores, com muito gosto para nós, mas o processo de fabrico da aguardente não difere. É assim desde sempre", referiu em jeito de rescaldo o empresário Luís Antunes, o elemento da família responsável pela inserção desta atividade na programação municipal Na Rota das Colheitas. "Há também mais pessoas novas a assistir, porque a divulgação e notoriedade da iniciativa foram maiores", acrescentou claramente feliz pelo sucesso da iniciativa. Vieram de várias zonas do Minho e inclusivamente de Vila Nova de Gaia: um casal de aficionados da ruralidade, com 'casa de férias' na freguesia de Coucieiro, espantados por ser uma atividade de acesso gratuito. "Todos os anos realizamos esta prática, que representa o fim do ciclo das vindimas. Já vivenciámos aqui a desfolhada, as vindimas, como também a Rota das Colheitas insere. Então porque não incluir esta atividade na programação, que é única no concelho?", atirou Luís Antunes justificando parte do sucesso e da adesão popular.

1184805_462258223889136_741167690_n (1)

"Isto é mais um ritual das colheitas, numa fase a seguir às vindimas, em que, do aproveitamento do bagaço, se produz a aguardente", comentou António Vilela, o autarca vilaverdense, salientando a relevância desta atividade na programação "este é o único alambique licenciado no concelho". A importância desta iniciativa insere-se num dos objetivos essenciais da programação, que é "perceber qual a origem dos produtos associados à ruralidade e como antigamente se produziam. Possibilitar a sua reprodução e vivência é a vantagem da Rota das Colheitas", acrescentou o presidente da Câmara Municipal de Vila Verde, em jeito de convite aos portugueses para aderirem às restantes iniciativas da programação, que ainda aguardam em Novembro, e relançando a edição 2014.

1013367_462258490555776_1341776476_n

1385448_462257973889161_1421729573_n

1384128_462253147222977_343501024_n

1381255_462257697222522_1667173240_n

1381223_462253553889603_1269374873_n

995206_462257007222591_1628617259_n