Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

SOALHEIRO TERRAMATTER CADA VEZ MAIS ARROJADO

Edição 2018 apresenta perfil diferente, fruto da inovação, da liberdade, da criatividade e da espontaneidade que a vinificação pouco interventiva permite.
De perfil cada vez mais vincado, o Soalheiro Terramatter 2018 afirma-se diferente das edições anteriores. Mais volumoso e mais untuoso, figura-se um vinho cada vez mais complexo e mais estruturado na boca. Um desafio ao paladar que eleva as potencialidades do território de Monção e Melgaço: a Origem do Alvarinho, a patamares de diferenciação pela qualidade e irreverência. Consensual? Nem sempre… Pura inovação? Claramente…

image003soalhhheire.png

“Esta mudança de perfil centra-se nas vinhas biológica, mas não se limita à variação do ano de colheita. É fruto da inovação, da liberdade, da criatividade e da espontaneidade que a vinificação pouco interventiva permite” afirmam os produtores. Acrescentado, “As uvas de qualidade permitem acompanhar mais facilmente a transformação do açúcar em álcool de forma espontânea. Os resultados? Serão certamente diferentes e surpreendentes. E o Terramatter 2018 é uma prova disso mesmo”.
De personalidade diferenciadora e estrutura elegante, mas que na boca se configura sumarenta, o Terramatter 2018 continua marcado pela cor mais intensa e sujeito a deposito caraterística de um vinho sem filtração, torna-se a harmonização perfeita para aperitivos, pratos de peixe e carnes brancas.
Pertencente à família dos Soalheiros Naturais, o Terramatter surge na edição 2014 como um Soalheiro ‘integralmente diferente’, numa reinterpretação das origens e um olhar para o futuro. Exclusivamente originário das vinhas Soalheiro, onde se recorre a conceitos de produção que valorizam a biodiversidade, trata-se de um Alvarinho de vindima precoce o que lhe permite conferir um teor alcoólico moderado.
Fermentação malolática parcial em barricas de castanho e este ano um dos ovos de cimento e terracota…
descubra como foi feito o Lote 2018 do Soalheiro Terramatter em www.youtube.com/soalheiro.

MONÇÃO E MELGAÇO LEVAM A LISBOA ALVARINHO E PRODUTOS REGIONAIS PARA SABOREAR NA 5ª EDIÇÃO DO ALVARINHO WINE FEST

8, 9 e 10 de junho, no Pavilhão Carlos Lopes (Lisboa)

O Pavilhão Carlos Lopes, em Lisboa, recebe a 5ª edição do Alvarinho Wine Fest, a 8, 9 e 10 de junho. Durante três dias vai ser possível apreciar mais de 100 vinhos da casta alvarinho e conhecer mais de 30 produtores da sub-região Monção e Melgaço.

alvarinhofestlis (1).png

O evento volta a valorizar a autenticidade dos dois territórios com novas combinações e experiências, onde também será possível degustar alguns dos melhores enchidos, queijos e outras iguarias do território. «Os nossos vinhos são muito bem acolhidos em Lisboa, temos tido nota disso desde a primeira edição e com um crescimento enorme», afirma o autarca de Melgaço, Manoel Batista.

alvarinhofestlis (2).jpg

Nesta edição, o “Wine Fest” vai duplicar o espaço de restauração em virtude do sucesso de 2018, que contou com cerca de 20 mil visitantes. A entrada é gratuita, mas quem quiser saborear os deliciosos néctares terá de comprar um copo à porta, pelo valor de 5€. A abertura acontece pelas 16h00.

alvarinhofestlis (1).jpg

Programa:

Sexta-Feira - 8 de junho

16h00 | Abertura

17h00 - 18h30 | Masterclass - Alvarinhos e Produtos Regionais

16h30-18h30 | Produtores à Prova com Sommelier

18h30-23h00 | Alvarinho Lounge Music

Domingo | 9 junho

12h00 | Abertura

15h00-18h30 | Masterclass - Alvarinho e Produtos Regionais

16h30-18h30 | Produtores à Prova com Sommelier

19h00 | Entrega de Prémios "Alvarinho Wine Fest 2019"

19h30-23h00 | Alvarinho Lounge Music

Segunda - 10 de junho

12h00 | Abertura

15h30-16h30 | Masterclass - Vinhos e Produtos Regionais

16h45-17h45 | Produtores à Prova com Sommelier

18h00 | Encerramento

29 produtores de Alvarinho: Adega de Monção; Adega do Sossego; Alvaianas; Casa de Canhotos Alvarinho; Alvarinho Casa de Midão; Casta Boa; Castros de Paderne, Cortinha Velha; Dona Paterna; Dom Ponciano; Encosta da Capela; Encosta dos Castelos Alvarinho; João Portugal Ramos vinhos; Lua Cheia em Vinhas Velhas; Memória a S. Marcos; Poema Alvarinho; Primos Inter Pares; Provam Produtores de Vinhos Alvarinho de Monção; Quinta da Pedra Alvarinho; Quinta das Pereirinhas; Quinta de Alderiz; Quinta de Santiago; Quinta do Regueiro; Quinta do Mascanho; Alvarinho Rebouça; Quinta de Soalheiro; Terras de Conclave; Valados de Melgaço; e Vale dos Ares.

7 produtores locais: Artesanali’s; Maravilha da Aveleira; Prados de Melgaço; Melgaço em Sabores; Lice Mirola; Talho do Manel; e Super Carnes Talho Monção.

Sob o mote A Origem do Alvarinho, o evento é organizado pela Cofina Media e pelos Municípios de Melgaço e Monção.

alvarinhofestlis (3).jpg

SOALHEIRO, DE PORTAS ABERTAS, CELEBRA A ORIGEM DO ALVARINHO

7 de junho, Dia da Sub-Região de Monção e Melgaço

Um dia especial que assinala a conquista dos produtores de Monção e Melgaço que viram reconhecida, pelos Vinhos Verdes, através da certificação e da atribuição de um selo de garantia, a exclusividade, autenticidade, origem e qualidade dos vinhos produzidos em Monção e Melgaço.

soalll (1).png

Orgulhosos no legado da Sub-Região Vinícola onde se inserem – Monção e Melgaço: a Origem do Alvarinho, o Soalheiro, primeira marca de Alvarinho de Melgaço, celebra o dia 7 de junho de Portas Abertas. A todos os que se quiserem juntar a eles e celebrar esta casta que os apaixona, o Soalheiro Team deixa o convite para desfrutar de uma proposta de Enoturismo com vista privilegiada para o vale do Rio Minho.

Também com um programa desenhado a pensar nos mais novos, nesse dia, cerca de uma centena de crianças das Escolas da região vão ter a oportunidade de sentir o território e conhecerem a tradição através de um conjunto de atividades lúdico-didáticas que os fará colocar as mãos na terra. Para os produtores esta é, sem dúvida,“a melhor forma de contribuir para que os mais novos aprendam a respeitar este tesouro que a natureza deu à região: as condições de excelência para produzir Alvarinho e ao, mesmo tempo, se tornem embaixadores orgulhosos das suas raízes”.

Sempre com foco no desenvolvimento da sua região: A origem do Alvarinho, o Soalheiro foi motor da criação de uma nova associação – Clube de Produtores de Monovarietais dos Vinhos Verdes – onde agrupam os mais de 150 produtores parceiros de produção da marca. Sendo a maioria desses produtores da sub-região pretendem igualmente motivar que este fenómeno se possa alargar à especificidade de outras sub-regiões dentro do Vinho Verde. A aposta tem sido clara: potenciar a melhoria contínua em todas as áreas: a certificação da vinha, a modernização da adega, a criação de ofertas turísticas de valorização da região, a internacionalização e a investigação tendo sempre a inovação, o inconformismo, a responsabilidade e a excelência como pilares orientadores.

TERROIR ÚNICO E PRIVILEGIADO PARA PRODUÇÃO DE ALVARINHO DÁ ORIGEM A SELO DE GARANTIA

O dia 7 de junho assinala uma conquista dos produtores da sub-região que viram reconhecida, através da certificação e da atribuição de um selo de garantia dentro da região dos Vinhos Verdes, a exclusividade, autenticidade, origem e qualidade dos Alvarinhos produzidos em Monção e Melgaço e a certificação de que a sub-região está na origem desta casta com características distintivas.

 “Esta sub-região da Região dos Vinhos Verdes é onde o Alvarinho tem origem e onde iniciou a sua evolução, o que aconteceu mesmo antes da existência de qualquer registo escrito. A origem do Alvarinho tem lugar entre o rio e a montanha. A presença do Alvarinho de Monção e Melgaço estende-se desde o vale do Rio Minho e dos seus afluentes, subindo na meia encosta da montanha, adaptando-se a diferentes tipos de terreno e alcançando razoáveis níveis de altitude. O Alvarinho desta sub-região está pouco exposto à influência do mar e tem, como uma das condições favoráveis ao seu desenvolvimento, a amplitude térmica na maturação, caracterizada por dias quentes e noites frias. Este fator contribui para a proteção dos aromas e para a persistência do sabor, retendo a sua frescura. Jovem ou mais adulto, este Vinho Verde preserva sempre o seu carácter ao longo dos anos. No seu terroir, o Alvarinho deu origem a vários estilos de vinhos, espumantes e aguardentes. Todos incorporam algumas das suas características mais vincadas, e aproveitam a experiência e conhecimento dos produtores locais para a sua conceção. Não obstante as suas particularidades, o Alvarinho de Monção e Melgaço está incluído na família alargada dos Vinhos Verdes.” – Saiba tudo sobre a origem do Alvarinho na brochura da CVRVV disponível em  https://www.soalheiro.com/pt/adega

soalll (2).png

ARCOS DE VALDEVEZ PROMOVE VINHOS DA CASTA VINHÃO

Município lança obra Loja de promoção dos vinhos de Arcos de Valdevez

A Câmara Municipal vai proceder à reabilitação de uma loja, situada no Campo do Trasladário, para criar um espaço de promoção do vinho verde, sobretudo da casta Vinhão, que deverá estar concluída no verão.

Vinhão-3-2 - Cópia.png

Este espaço, cuja remodelação está orçada em cerca de 50 mil euros, servirá também para promover outros produtos locais, ou seja, para além dos vinhos, de produtores e engarrafadores arcuenses, também disponibilizará os doces, e os produtos da terra. Os visitantes poderão provar e comprar vinho, sentar-se para comer um petisco ou comprar algum produto produzido no concelho.

Arcos de Valdevez possui atualmente 15 produtores de vinhão com marca própria.

O lançamento desta obra vai fazer-se no próximo dia 1 de Junho, no âmbito do evento Festivinhão, o qual acontece de 31 de Maio a 2 de Junho, no Jardim dos Centenários.

Vinhão-1 - Cópia.png

1 - Cópia.jpg

4 - Cópia.png

ALVARINHO WINE FEST: MONÇÃO E MELGAÇO LEVAM O VINHO A LISBOA AO PAVILHÃO CARLOS LOPES

Dias 8, 9 e 10 de Junho. Pavilhão Carlos Lopes, Lisboa

Os Municípios de Monção e Melgaço, em parceria com a “Cofina Media”, organizam, pelo quinto ano consecutivo, o “Alvarinho Wine Fest Monção/Melgaço”. O evento decorre nos dias 8, 9 e 10 de junho, no Pavilhão Carlos Lopes, em Lisboa, com entrada gratuita.

banner_1200x850monwine.png

Nesta iniciativa, celebra-se a genuinidade dos monovarietais de vinho Alvarinho com a presença de diversos produtores de Monção e Melgaço, aposta-se na tradição e requinte da culinária local com produtos das duas regiões e inova-se com novas combinações e experiências gastronómicas.

Tem como objetivo central a valorização da autenticidade do vinho Alvarinho produzido nos territórios de Monção e Melgaço, propondo, em paralelo, explorar novos conceitos de gastronomia agradáveis ao olhar e paladar.

Pretende-se que o “Alvarinho Wine Fest Monção/Melgaço” entre no coração dos lisboetas e dos turistas nacionais e internacionais que, neste mês de férias, visitam a capital portuguesa. A ideia traduz-se na concretização de uma experiência integrada e inesquecível a todos os visitantes.

MONÇÃO REALIZA 9ª FEIRA DO VINHO TINTO

Certame realiza-se no próximo fim de semana, 25 e 26 de maio, com provas de vinho tinto e degustação de produtos locais. No sábado, presença do Chef Cordeiro e do artista Toy. No domingo, manhã com Caminhada Tinto Color e tarde com música tradicional.

Festa do Vinho Tinto.jpg

Tangil, freguesia de montanha do concelho de Monção, promove no próximo fim de semana, dias 25 e 26 de maio, a 9ª Feira do Vinho Tinto. Além de expositores dispersos pelo espaço exterior da Casa do Povo de Tangil, o certame apresenta produtos locais, como presunto, chouriça ou broa, e um programa diversificado com animação musical e provas de vinho.

Organizado pela Junta de Freguesia de Tangil com apoio da autarquia local e colaboração de empresas locais, a abertura oficial do certame está marcada para a 15h00, englobando atuação da Banda Musical da Casa do Povo de Tangil. 

Durante a manhã, realiza-se o 9º Raid Rota da Pedra Solta. A partir das 16h30, o programa prevê showcooking com o Chef Cordeiro, provas de vinho verde tinto, atuação de charangas e verbena com o Grupo “Paralelos”. Pelas 23h00, Toy sobe ao palco para animar a festa.

No domingo, o certame abre às 10h00, com a abertura de exposição de desenhos “Vinha no Papel”, seguindo-se a Caminhada Tinto Color, com animação de Pedro Pagodes, e Showcooking com o Mini Chef Américo. No período da tarde, festival folclórico com agrupamentos de Merufe, Troporiz e Vilela e atuação de charanga.

Com este certame, a organização procura a divulgação dos produtos locais, a criação de um fim de semana animado para os residentes e visitantes e a valorização de um espaço de montanha com património secular e paisagens naturais admiráveis e relaxantes. 

SOALHEIRO PME EXCELÊNCIA PELO 3º ANO CONSECUTIVO - INOVAÇÃO E INCONFORMISMO ELEVAM O VALOR DA REGIÃO

O trabalho diário de uma equipa com ADN, empenho e dedicação fazem com que a empresa se posicione num ranking onde figuram quatro empresas nacionais do setor dos Vinhos Verdes, sendo a única a representar a casta que a apaixona: o alvarinho.

Sempre focado numa gestão cuidada, na excelência e na qualidade, nunca sendo o volume a primeira prioridade, o Soalheiro conquista o título de PME Excelência pelo terceiro ano consecutivo. Um reconhecimento da aposta da empresa no crescimento económico e ambiental sustentável do território onde se insere – a região dos Vinhos Verdes, em especial Monção e Melgaço: a origem do Alvarinho. O trabalho diário de uma equipa com ADN, empenho e dedicação fazem com que a empresa se posicione num ranking onde figuram quatro empresas nacionais do setor dos Vinhos Verdes, sendo a única a representar a casta que a apaixona: o alvarinho.

soalheiro team.jpg

Com um volume de faturação de 3,8 milhões de euros em 2018, o Soalheiro registou um crescimento de 25% no volume de faturação e de 67% face ao número de colaboradores face a 2017. Também a quota de exportação cresceu, em cerca de 14%, em 2018, representando mais de 40% do volume de negócios. O Soalheiro posiciona-se assim no top 10 de faturação e rentabilidade nos Vinhos Verdes e no top 3 de faturação e rentabilidade nos produtores de Monção e Melgaço – A Origem do Alvarinho. Estes números contribuem para a sustentabilidade económica, social e ambiental do tecido produtivo e empresarial da região, sendo um dos grandes objetivos do Soalheiro a procura não só o seu crescimento nacional e internacional, mas igualmente o crescimento global na valorização dos vinhos da região onde se insere.

“Estamos perante uma história de sucesso, bem estruturada e pensada.

O percurso dos vinhos portugueses é um percurso de inovação e qualificação do capital humano e o Soalheiro é um excelente exemplo disso”.

Ministro da Economia, Pedro Siza Vieira

Atualmente, são já vinte elementos que compõe o Soalheiro Team e que, diariamente, vestem a camisola e comungam com os valores da inovação, do inconformismo, da responsabilidade e da excelência, contribuindo para a evolução contínua e sólida do Soalheiro. Foi a paixão pela vinha e pelo vinho que os uniu e é o respeito pelo nosso Terroir que os realiza. Mas o compromisso do Soalheiro alarga-se ainda aos seus parceiros, com o objetivo de trazer prosperidade para a agricultura da região e para a economia local, baseada numa viticultura biológica profissionalizada e que complementa os rendimentos das famílias. A primeira marca de Alvarinho de Melgaço tem registado um crescimento nacional e internacional gradual e constante que contribui para que um conjunto de amantes do vinho continuem a descobrir o Vinho Verde de Monção e Melgaço - A Origem do Alvarinho e o grande potencial dos Vinhos Portugueses.

Com o objetivo de continuar a evoluir a empresa em termos de infraestruturas, equipamentos, enoturismo e conhecimento, o Soalheiro está a levar a cabo o segundo investimento de crescimento e valorização da Adega desde a sua criação. Trata-se de um projeto com financiamento aprovado pelo Programa de Desenvolvimento Rural 2020 (PDR 2020), num investimento global de 1 milhão de euros, em infraestruturas e equipamentos valorizado e destaca pelo Ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, aquando da sua visita ao município mais a Norte de Portugal: “Estamos perante uma história de sucesso, bem estruturada e pensada. O percurso dos vinhos portugueses é um percurso de inovação e qualificação do capital humano e o Soalheiro é um excelente exemplo disso”.

PROJETO GERMINAR: TRABALHO NA VINHA CAPACITA JOVENS COM DIFICULDADE INTELECTUAL PARA O EXERCÍCIO DA AUTODETERMINAÇÃO

Clube de Produtores Monovarietais do Vinho Verde, Soalheiro, L´Campo e APPACDM – Centro de Valença desenvolvem projeto social, em meio laboral, para promover integração social sustentável

Com o objetivo de promover a integração social de jovens e adultos com dificuldade intelectual e de desenvolvimento, nasceu o projeto Germinar que passa pela integração dos utentes, da Delegação de Valença da APPACDM - Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental, no trabalho na vinha de forma a promover o seu desenvolvimento pessoal, profissional e emocional sempre em função das competências ajustadas a cada perfil de integração. Trata-se de um projeto social encabeçado pelo Clube de Produtores de Monovarietais do Vinho Verde, promovido pelo Soalheiro, desafiado por um casal produtor de uvas que integra o Club de Produtores – a exploração vitícola L’Campo.

Projeto Germinar (2).jpg

O motor central do projeto é António Matos, que para além de produtor de uvas é também Técnico Superior de Serviço Social e está a fazer o acompanhamento in loco dos jovens que já iniciaram o trabalho nas vinhas. Para o gestor do projeto “o meio laboral é um grande veículo, catalizador da participação social, onde nos podemos sentir integrados como fazendo parte de algo, co-construtores da sociedade/realidade e de nós mesmos, um lugar onde pode emergir o sentimento de autorrealização”. Salientando, “este projeto, quer fazer germinar este sentimento nas pessoas”.

Projeto Germinar (5).jpg

A expetativa é, em breve, desenvolver um produto que possa autossustentar economicamente esta parceria. Pretende-se uma participação colaborante da sociedade, não numa logica de caridade, mas numa lógica de reconhecimento da qualidade do produto produzido com a participação destas pessoas, que de outra forma não teriam essa possibilidade. Para a Diretora da APPACDM – Centro de Valença, Helena Pereira, “este projeto é uma oportunidade de contribuir para o desenvolvimento de um conjunto de competências inerentes ao trabalho feito diariamente na instituição.  Capacitar para o exercício da autodeterminação destes jovens, principalmente focando um setor tradicional da nossa região, fará certamente a diferença no seu futuro”. Reforçando, “Um vinho que tenha no seu rótulo a génese do trabalho destes jovens, ao ser servido vai despertar consciências para a igualdade de oportunidades e capacidades e, acima de tudo, consciencializar para a contributo laboral válido que podem dar”.

Mas o desafio lançado não fica pelo trabalho na vinha. Os utentes da instituição irão ainda conceber o rótulo e a caixa para o produto final. “O que vamos dar é a energia inicial e ceder a estrutura. A nossa energia é o nosso trabalho. Queremos que o projeto cresça e possa em breve integrar mais gente. É uma obrigação das empresas partilhar o que corre bem com a sociedade. O apoio social deve ser algo inerente à política de desenvolvimento sustentável.” afirmam os produtores do Soalheiro.

Projeto Germinar (36).jpg

SOLAR DAS BOUÇAS APRESENTA NOVAS COLHEITAS E ESTRATÉGIA PARA O FUTURO

Decorreu na passada sexta-feira, dia 22 de fevereiro, a apresentação das novas colheitas da Quinta Solar das Bouças. O evento serviu ainda para apresentar o novo posicionamento da marca, tanto na vertente produtiva como na nova dinâmica da atividade turística.

Solar da Boua-23.jpg

As colheitas apresentadas, “Solar das Bouças Loureiro 2018” e “Solar das Bouças Alvarinho 2017” serviram de pretexto para a apresentação de estratégias para o futuro. “Queremos ter uma oferta premium em termos de alojamento, aliando uma forte vertente cultural, para que o Solar das Bouças possa ser uma marca na região”, anunciou António Ressurreição, administrador da sociedade.

A Quinta Solar das Bouças dispõe de 3 magnificas unidades de alojamento (2 casas e 1 solar) com piscina e uma propriedade que se estende ao longo de 37 hectares (22,5 de vinhas). Todos os alojamentos são disponibilizados em regime de exclusividade e estão totalmente equipados.

O Solar das Bouças remonta a meados do séc. XVIII, sendo o seu nome associado à excelência dos Vinhos Verdes que produz, torna-se num ponto incontornável da Rota dos Vinhos Verdes e do Turismo Minhoto.

Depois de um período de menor exposição, é pretensa da nova administração a recuperação do prestígio da marca Solar das Bouças e de fazer com aquele espaço seja «muito mais do que uma quinta de vinhos».

D5AAE8AD1B52442CB9CDE8254B6CAD07.jpg

Solar da Boua.jpg

Solar da Boua-8.jpg

LUÍSA SOBRAL VAI A VIZELA

‘Wine & Jazz’ traz Luísa Sobral a Vizela

Fruto da nova dinâmica de impulso implementada por este Executivo Municipal na área cultural, a Câmara Municipal de Vizela promove o evento Wine & Jazz, nos próximos dias 22, 23 e 24 de fevereiro, na Praça do Município - Fórum Vizela.

14650680_10157650049600046_3726461867809189964_n.jpg

A apresentação teve lugar no Q-Bica, Casa de Chá, na Praça do Município e o evento vai juntar música e vinho, numa parceria da Câmara Municipal com os produtores de vinho do Concelho.

Na apresentação, o Presidente da Câmara relembrou que este evento vem no seguimento do que a Câmara Municipal tem feito ao longo do último ano e meio, ou seja, uma aposta na realização de eventos que promovam a valorização do capital humano e social, assim como os recursos patrimoniais e culturais.

apres. wine & jazz.JPG

Victor Hugo Salgado destacou que a criação deste novo conceito no Concelho tem como objetivo criara alguma inovação e uma oferta cultural multifacetada, atingindo públicos distintos, mas sempre tendo por base aquilo que faz parte da identidade do Concelho, neste caso o vinho verde.

O Edil destacou ainda o vinho verde como parte de um triângulo dourado da gastronomia vizelense, aliado ao bolinhol e ao bacalhau.

O Wine & Jazz, para além do cartaz musical, contará com a presença dos três produtores de vinho verde de Vizela: as Caves Casalinho, os Vinhos Manuel Costa & Filhos e o Cinco Quintas, sendo que a cada um deles será destinado um dia para a apresentação e prova dos vinhos.

A cada uma destas apresentações seguir-se-á um concerto de jazz, sendo de destacar a noite de sábado, dia 23 de fevereiro, com o concerto de Luísa Sobral, que está de regresso aos palcos em 2019 com “Rosa”, o seu quinto álbum de originais. 

De destacar que a promoção do Wine & Jazz vem no seguimento da aposta da Autarquia na realização de eventos, potenciadora de desenvolvimento económico, social, cultural e turístico, em especial com o objetivo de promoção e divulgação de Vizela enquanto destino turístico.

cartaz wine jazz.png

SOALHEIRO 9% HARMONIZADO COM UM ARROZ CALDOSO DO MAR? IMPROVÁVEL, MAS PERFEITO!

João Mendes e Ivo Torres vencem desafio “Harmonização Improvável” na Escola de Hotelaria e Turismo de Viana do Castelo

image012soalh (1).jpg

Já são conhecidos os resultados do desenvolvimento de harmonizações improváveis pelos alunos da Escola de Hotelaria e Turismo de Viana Castelo e foram surpreendentes.Afinal o Soalheiro 9% tem um potencial que vai muito além das sobremesas…. Harmonizado com um arroz caldoso do mar? Sim. É possível. O júri ficou rendido com esta combinação perfeita e, acima de tudo, pouco habitual, apresentada pelos alunos João Mendes e Ivo Torres.

PICANTE DO PRATO, ACIDEZ DO VINHO E UM FINAL DOCE DE BOCA CRIAM CONTRASTE VANGUARDISTA

Numa disputa saudável, mas renhida, o júri foi desafiado a experienciar sensações que os fizeram voltar às raízes do Minho, mas que se destacavam pelo seu cariz vanguardista e espetacularidade visual. O prato apresentado pelos alunos vencedores foi uma dessas experiências. Um “arroz caldoso do mar”, servido como entrada, e harmonizado com um vinho habitualmente utilizado para sobremesas abriu as portas ao mote da improbabilidade ao qual os alunos tinham sido desafiados. Os alunos procuraram a ligação à região, pelo mar, pela pesca, numa associação perfeita de sabores. A duas semanas de ingressarem o mercado de trabalho, os alunos demonstraram ainda uma grande preocupação nos detalhes, que podem fazer a diferença na hora da escolha, com uma apresentação moderna com grande impacto para o consumidor.

image012soalh (2).jpg

OBRAS DE ARTE GASTRONÓMICAS AO VERDADEIRO ESTILO MASTERCHEF

image012soalh (3).jpg

Desafiar os paladares de um prato típico da região onde a escola está inserida com diferentes estilos de Soalheiro e consolidar conhecimentos enograstronómicos foi a proposta e os alunos criaram verdadeiras obras de arte gastronómicas ao verdadeiro estilo MasterChef. Ao longo do primeiro período, os alunos desenvolveram os seus projetos e agora chegou a altura de os apresentar a um painel de jurados. O evento, realizou-se nas instalações da Escola, e contou com a participação de 12 equipas compostas por alunos de cozinha e restaurante. O Júri, externo à escola, era composto por Carlos Fernandes, presidente da Confraria dos Gastrónomos do Alto Minho, Hélder Fernandes, Sous Chef do Monumental Palace e antigo aluno da escola e Lúcia Barbosa, responsável de Produção da Adega da Quinta de Soalheiro. Paralelamente, um júri, composto por professores da Escola, fez a sua análise integrada no processo de avaliação final dos alunos. Trata-se de um desafio que permitiu demonstrar que a gastronomia portuguesa é rica e variada e que pode ser combinada com perfis distintos de Vinho Verde, especificamente dentro da casta Alvarinho.

INOVAR A TRADIÇÃO COM CONSISTÊNCIA E QUALIDADE: O TESTEMUNHO DO JÚRI

“Trata-se de uma dinâmica de inovação com grande potencial para a nossa região. Para promover o nosso Minho.

Inovação pode ser algo totalmente novo ou migrar algo do passado. É uma conjugação que os faz levar para o mercado de trabalho a paixão pelo Minho.

A gastronomia não é só o prato que está ali, é toda a cultura que está envolvida”

- Carlos Fernandes, presidente da Confraria dos Gastrónomos do Alto Minho.

 

“Vinho e comida só funciona em pleno se for um trabalho em equipa.

E os alunos fizeram isso muito bem. Harmonizações muito mais do que improváveis, com muita qualidade”

- Lúcia Barbosa, responsável de Produção da Adega da Quinta de Soalheiro.

 

“Empenho, esforço e criatividade. Fomos surpreendidos com muitas das técnicas apresentadas.

Cada grupo se destacou à sua maneira e por isso estão de parabéns.

Verificamos muita técnica vanguardista, mas também muita simplicidade e respeito pelo produto”

- Hélder Fernandes, Sous Chef do Monumental Palace

image012soalh (4).jpg

VINHO É CULTURA: PARTIR À DESCOBERTA DE CHEIROS, MEMÓRIAS, LUGARES…

Consciente da importância da formação de base para a criação de profissionais de topo, a Quinta de Soalheiro desafiou a Escola de Hotelaria e Turismo de Viana Castelo para um projeto que permitirá uma educação sustentada dos seus alunos e que contribuirá certamente para criar embaixadores de Portugal e dos vinhos portugueses nos quatro cantos do mundo. O modelo base do projeto centra-se em visitas formativas ao terroir Monção e Melgaço: a origem do Alvarinho e Master Class sobre as especificidades dos Vinhos Portugueses, com especial incidência no Vinho Verde e na Casta Alvarinho, e os paralelismos destes com os vinhos do mundo. O Soalheiro, pela sua diversidade de gama, disponibiliza ainda um kit de formação composto por vinhos de todas as suas dimensões, um info kit explicativo da origem do terroir, Monção e Melgaço e da história do Alvarinho e Fichas Técnicas dos Vinhos. Este kit formação é utilizado de acordo com as necessidades das escolas e serve de ferramenta de trabalho para professores e alunos nas ações letivas e projetos educativos.

“O nosso objetivo é contribuir para que estes alunos aprendam a trabalhar com diferentes estilos de vinho,

para que possam adaptar esses conhecimentos a vinhos de qualquer parte do mundo. Acreditamos que o turismo pede criatividade para dar a conhecer o potencial do nosso país.

Não podemos estagnar face ao presente. É necessário evoluir e desafiar convenções para que façam ver as potencialidades da nossa terra, do nosso património, das nossas tradições.

É preciso saber fazer as escolhas adequadas. O futuro deles prende-se com inovação e diferenciação. Só os melhores se vão destacar” concluem os produtores.

“Não é preciso beber vinho, para ter cultura de vinho” desmistifica o enólogo Luís Cerdeira quando se refere à formação de base em que os alunos começam a frequentar os cursos profissionais com 14/15 anos. Acrescentando, “o vinho faz parte da nossa tradição. Está enraizado na dieta mediterrânea e é fundamental que os jovens aprendam e evoluam. Não é beber por beber. A cultura do vinho tem a ver com a entrega, com a dedicação, com o simbolismo do momento. Podemos dar história, dar dimensão”.

Na primeira fase deste projeto piloto, a arrancar este ano letivo, integram escolas de norte a sul do país e de diferentes níveis de ensino. O projeto abrange, desta forma, alunos com formações diversas: gestão e administração hoteleira, cozinha, catering, restauração e bar, uma vez que, os sentidos devem ser desafiados e trabalhados num todo para que a harmonia final seja perfeita. Durante o primeiro semestre letivo será implementado também nas Escolas de Hotelaria de Fátima, Porto, Coimbra e Faro e na Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Instituto Politécnico do Porto.

thumbnail (1)melgç.jpg

thumbnail (2)melgç.jpg

thumbnail (3)melgç.jpg

thumbnail (4)melgç.jpg

thumbnail (5)melgç.jpg

PROFESSORES UNIVERSITÁRIOS RECEBIDOS NO MUSEU DO ALVARINHO

Professores da Universidade do Porto, do Minho, de Trás-os-Montes e Alto Douro, de Vigo, da Corunha e de Santiago de Compostela estiveram ontem em Monção, tendo percorrido o centro histórico e visitado alguns espaços patrimoniais da nossa vila.

01 Malv (1).JPG

No Museu do Alvarinho foram recebidos pela Chefe de Gabinete, Célia Rodrigues, tendo-lhes desejado uma jornada enriquecedora na nossa localidade e sucesso pessoal e profissional. Deixou o convite para regressarem mais tarde e com mais tempo.

Pode ser no Rali à Lampreia, dias 23 e 24 de fevereiro, nas Festas do Corpo de Deus, 20 a 23 de junho, e na Feira do Alvarinho, 5 a 7 de julho, ou em outra data à escolha. Monção está sempre disponível para os receber. Com a habitual simpatia das suas gentes.

01 Malv (2).JPG

01 Malv (3).JPG

01 Malv (4).JPG

SOALHEIRO APOSTA NO DESENVOLVIMENTO DO ALVARINHO E MINISTÉRIO DA ECONOMIA FOI CONHECER O PROJETO

Investimento de 1 milhão de euros permite modernização e requalificação da adega

“Estamos perante uma história de sucesso, bem estruturada e pensada. O percurso dos vinhos portugueses é um percurso de inovação e qualificação do capital humano e o Soalheiro é um excelente exemplo disso” – afirmou o Ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, durante a visita.

Sempre com foco no desenvolvimento da sua região: A origem do Alvarinho, o Soalheiro, primeira marca de Alvarinho de Melgaço, recebeu, ontem, 18 de janeiro, o Ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, que foi a Melgaço conhecer um dos projetos de modernização e requalificação da adega Soalheiro. Trata-se de um projeto com financiamento aprovado pelo Programa de Desenvolvimento Rural 2020 (PDR 2020), num investimento global de 1 milhão de euros, em infraestruturas e equipamentos.

image004soallh.jpg

Quando questionados sobre o principal objetivo desta nova aposta, os produtores afirmam “essencilmente, queremos continuar a evoluir a empresa em termos de infraestruturas, equipamentos, enoturismo e conhecimento, para que consigamos continuar, sempre com a humildade da partilha e da parceria multidisciplinar mercados/fornecedor/cliente, o percurso feito até aqui. Muito importante nesta continuidade é a sustentabilidade ambiental e social.”

Para o Ministro, Pedro Siza Vieira, “estamos perante uma história de sucesso, bem estruturada e pensada. O percurso dos vinhos portugueses é um percurso de inovação e qualificação do capital humano e o Soalheiro é um excelente exemplo disso”. Apontando a marca como uma referência “ilustrativa e exemplar do caminho notável do posicionamento dos vinhos portugueses internacionalmente”, reforça “trabalhamos na valorização do nosso território e acreditamos que o contributo que a atividade vinícola tem no desenvolvimento do turismo é essencial.”

A visita foi acompanhada pelo Presidente da Câmara Municipal de Melgaço, Manoel Batista, a Secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, o Secretário de Estado da Defesa do Consumidor, João Silva Torres, e o Secretário de Estado da Valorização do Interior, João Paulo Catarino.

TOP 3 DE FATURAÇÃO E RENTABILIDADE NOS PRODUTORES DE MONÇÃO E MELGAÇO: A ORIGEM DO ALVARINHO

A análise do grafico abaixo confirma a estratégia investimento na região e a valorização da empresa, posicionando-a no top 10 de faturação e rentabilidade nos Vinhos Verdes e no top 3 de faturação e rentabilidade nos produtores de Monção e Melgaço – A Origem do Alvarinho. É fundamental o Soalheiro esteja sempre focado numa gestão cuidada, na excelência e na qualidade, nunca sendo o volume a primeira prioridade reforçam os produtores. Salientando, “Deveria ser feita uma refleção sobre uma menor valorização do volume em detrimento da rentabilidade e da qualidade para que todas as estruturas em termos de gestão estratégica, nomeadamente na promoção internacional, tivessem esses fatores mais em conta”.

Com um volume de faturação de 3,8 milhões de euros em 2018, o Soalheiro registou um crescimento de 25% no volume de faturação e de 67% face ao número de colaboradores face a 2017. Também a quota de exportação cresceu, em cerca de 14%, em 2018, representando mais de 40% do volume de negócios.

image009soallh.jpg

Este é já o segundo investimento de crescimento e valorização da Adega desde a sua criação. O primeiro realizou-se em 2015, integrando-a na paisagem da propriedade num espaço que funcionalmente respeita a tradição vitícola e enológica, abrindo as portas à descoberta dos diferentes Soalheiros.

Para além do recente projeto de modernização e requalificação da sua Adega, a Quinta de Soalheiro implementou com sucesso dois projetos de apoia à internacionalização, ao abrigo do Portugal 2020 - Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacional de PME, em 2016 e 2018, com vista ao apoio à promoção de vinhos em mercados terceiros.

Em 2018, apresentou ainda uma candidatura no âmbito dos incentivos à investigação e desenvolvimento tecnológico – I&D – projetos individuais para a criação do Núcleo de Investigação e Desenvolvimento do Soalheiro. Este investimento pretende ser mais uma porta no caminho da inovação e irreverência com consistência que a marca tem demonstrado.

Em 2019, está a ser trabalhada uma candidatura para ser apresentada ao PDR2020 relacionada com a diversificação das atividades na exploração agrícola, nomeadamente com a criação de um centro de atendimento e a valorização do Enoturismo. E mais uma candidatura para o apoio à internacionalização.

“Fomos motores da criação de uma nova associação – Clube de Produtores de Monovarietais dos Vinhos Verdes – onde agrupamos os mais de 150 produtores parceiros de produção do Soalheiro e cujo objectivo pretende a melhoria da qualidade com a necessidade de mecanização sempre presente, o enoturismo (das vinhas e do território) e a investigação sempre focados no Vinho Verde eessencialmente em Monção e Melgaço – A Origem do Alvarinho. Continuamos a investir da internacionalização através dos programas 2020 e na área de I&D, pelo que vemos com bons olhos a criação de um centro de experimentação do Alvarinho na nossa região. Valorizamos a diversificação e apostamos também em novos produtos dentro do Alvarinho e da nova estratégia que já não é segredo (risos) das Infusões do Minho.” – afirmam os produtores.

thumbnail (1).jpg

CLUBE DE PRODUTORES UNE MAIS DE 150 PRODUTORES PARCEIROS DE PRODUÇÃO DO SOALHEIRO

Com o objetivo de fomentar a produção, o Enoturismo e a Investigação e Desenvolvimento, em torno do Alvarinho, os produtores parceiros da Quinta de Soalheiro avançaram, em agosto 2018, com a criação do Clube de Produtores de Monovarietais do Vinho Verde, Associação dos Vitivinicultores e Produtores de Uva, Mosto e Vinho da Região dos Vinhos Verdes (VVCPM). A afirmação da identidade histórico-cultural, patrimonial, económica e social dos territórios ligados à produção de vinhos de qualidade e a defesa dos legítimos direitos e interesses dos seus membros, em estreita cooperação com as associações de outros sectores que lhe estão ligados, a fim de dotar o território dos meios necessários ao pleno desenvolvimento técnico e económico-social são a sua principal missão.

Para fomentar o seu desenvolvimento encontra-se em análise uma candidatura ao Programa Valorizar do Turismo de Portugal.

thumbnail (2).jpg

CRESCIMENTO INTERNACIONAL

O vinho Soalheiro tem registado um crescimento internacional gradual e constante inclusive no mercado nacional. A presença do Soalheiro em 27 mercados contribui para que um conjunto de amantes do vinho continuem a descobrir o Vinho Verde de Monção e Melgaço - A Origem do Alvarinho e o grande potencial dos Vinhos Portugueses. É de salientar que em Portugal a presença nos locais de referência tem-se feito sentir, com maior notoriedade, em estabelecimentos de restauração, garrafeiras e winebars e na exportação em estabelecimentos de restauração e lojas da especialidade nomeadamente na Alemanha, Angola, Bélgica, Brasil, Canadá, China, Coreia do sul, Dinamarca, Espanha, Estados Unidos, França, Holanda, Inglaterra, Irlanda, Israel, Itália, Japão, Letónia, Luxemburgo, Noruega, Nova Zelândia, Polónia, Suécia, Suíça, Singapura, e mais recentemente na Bulgária e na República Trindade e Tobago.

thumbnail (3).jpg

APOSTA NO ENOTURISMO

Uma das mais recentes apostas foi o reforço do Enoturismo. A Quinta de Soalheiro possui uma sala de provas com ótimas condições para a degustação de uma visão abrangente das diferentes dimensões do Alvarinho como é o caso do Soalheiro Clássico, Soalheiro Primeiras Vinhas, Soalheiro Reserva, Soalheiro Granit e do Soalheiro Terramatter - e ainda dos espumantes, o clássico Bruto e, mais recentemente, o Bruto Rosé, não esquecendo os inovadores ALLO e Soalheiro 9%, que se distinguem pelo teor alcoólico moderado com enorme elegância e frescura.

Integrando a Rota do Vinho Verde Alvarinho os visitantes podem usufruir da vista privilegiada sobre o Vale do Rio Minho e serras que o envolvem, podendo aventurar-se nas visitas guiadas, descobrindo nas próprias vinhas as várias dimensões da casa. Por forma a revelar o total potencial enogastronómico, o convite estende-se até à vizinha Quinta da Folga, onde os aguarda uma prova de fumeiro tradicional de Melgaço, iguarias feitas segundo receituário antigo e de forma artesanal, aqui com prévia marcação.

thumbnail (4).jpg

SOALHEIRO TEAM... UMA EQUIPA COM ADN

Com um grande foco no crescimento económico e ambiental sustentável do território onde se insere, o Soalheiro tem apostado numa equipa dedicada em todas as fases do processo (Plantação, Produção e Enoturismo). Atualmente, são já vinte elementos que compõe o Soalheiro Team e que, diariamente, vestem a camisola e comungam com os valores da inovação, do inconformismo, da responsabilidade e da excelência, contribuindo para a evolução contínua e sólida do Soalheiro. Foi a paixão pela vinha e pelo vinho que os uniu e é o respeito pelo nosso Terroir que os realiza.

A valorização e o respeito pelas particularidades de cada um fazem do Soalheiro Team uma equipa forte e coesa. Uma equipa multidisciplinar, proativa e extremamente motivada, com quem o Soalheiro faz o seu percurso na conquista de novos desafios, alcançando o reconhecimento nacional e internacional. Do pioneirismo da sua criação, em Melgaço, em 1982, por João António Cerdeira, até hoje, o foco na qualidade está sempre presente aliado à vontade de melhorar em cada colheita.

Mas o compromisso do Soalheiro alarga-se ainda aos seus parceiros, com o objetivo de trazer prosperidade para a agricultura da região e para a economia local, baseada numa viticultura biológica profissionalizada e que complementa os rendimentos das famílias.

thumbnail (5).jpg

thumbnail (6).jpg

thumbnail.jpg

ADEGA DE PONTE DA BARCA E ARCOS DE VALDEVEZ ASSINALA 50 ANOS DE ATIVIDADE COM LANÇAMENTO DE UM VINHO ÚNICO - BRINDEMOS A UM DOS MELHORES VINHOS DO NOSSO MINHO!

Adega de Ponte da Barca e Arcos de Valdevez assinala 50 anos de atividade com lançamento de um vinho único

A Adega de Ponte da Barca e Arcos de Valdevez assinala 50 Anos de Atividade no próximo sábado, 19 de janeiro, associando à celebração a apresentação da nova Identidade corporativa e o lançamento inédito de um vinho com base na uva Loureiro, que será uma homenagem aos associados daquela empresa.

38802832_2126365274357046_5291955786677747712_n.jpg

Adega de Ponte da Barca e Arcos de Valdevez cuida há décadas de um património vitícola e cultural ímpar, localizado num território singular, atravessado pelos rios Lima, Vade e Vez, bem no coração da Região dos Vinhos Verdes. Fiel ao princípio “A Origem Conta” preparou, ao longo do último ano, um vinho único e comemorativo dos 50 anos de Atividade, para homenagear os cerca de 1000 associados, pequenos viticultores minhotos.

A cerimónia realiza-se entre as 10h e as 12h do dia 19 de janeiro, na Loja de Turismo de Ponte da Barca, contando com a presença de várias individualidades, entre as quais se destacam autarcas e o Presidente da Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes, entre outras entidades.

O programa desenvolve-se em vários momentos culturais como a poesia por Jaime Ferreri, um autor local que está associado ao novo rótulo apresentado, e uma exposição da artista plástica vianense Paula Branco Pereira, bem como uma intervenção musical de piano e violino.

No final da cerimónia cada associado receberá uma garrafa do novo vinho Reserva de Sócios e, para além de uma degustação gastronómica do novo vinho, todos os presentes serão convidados a fazer um donativo para a Fundação AMA – Perturbações do Espetro do Autismo, entidade que desempenha uma importante intervenção local junto de crianças com aquela doença.

O vinho ocupa um lugar muito especial na história da humanidade!

A Adega de Ponte da Barca e Arcos de Valdevez reinventa e valoriza a história, adaptando, renovando e valorizando cada vinho com o sabor dos tempos!