Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

EPATV CELEBRA 26 ANOS COM JANTAR DE BENEFICIÊNCIA

A Escola Profissional Amar Terra Verde (EPATV) celebra, no dia 27 de setembro, vinte e seis anos de vida ao serviço da juventude deste concelho e dos vizinhos Amares, Terras de Bouro e Braga, e do programa consta um Jantar Solidário que reverte em favor da Associação YAY — Educação em Inclusão.

Mantém-se assim a tradição de uma iniciativa solidária em prol de uma Instituição Particular de Solidariedade Social da região, uma ideia programática do seu Diretor Geral, João Luís Nogueira, que se traduz na ostentação do título de Escola Solidária da Fundação EDP, na última década.

A Associação YAY — Educação em Inclusão resulta de uma parceria entre o Colégio Luso-Internacional de Braga (CLIB) e o Núcleo da Associação Pais-Em-Rede de Braga, estabelecida em janeiro deste ano, para criar melhores condições para o dia a dia das crianças, jovens, adultos e famílias com filhos com deficiência/incapacidade, na cidade de Braga.

São objetivos da YAY promover a inclusão, o sucesso escolar e o desenvolvimento integral, tanto dos que integram como dos que são integrados, bem como, criar mecanismos que facilitem a participação na preparação para o mercado de trabalho e inserção no mesmo.

O programa do 26.º aniversário da EPATV começa às 9,30 horas, com a entrega de diplomas aos estudantes que terminaram os seus cursos, seguindo-se o canto de parabéns à Escola, numa parceria com a Tuna Académica do ISAVE — ISATUNA. Pelas 11,30 horas é inaugurada a Expotécnica, na Casa do Conhecimento de Vila Verde, que exibe trabalhos desenvolvidos pelos alunos da EPATV, nas suas Provas de Aptidão Profissional, alguns deles premiados pela CIM Cávado e além-fronteiras.

O Solar das Bouças, em Amares, acolhe o jantar de benemerência — que se realiza pela décima primeira vez — às 20 horas, onde também se irá homenagear os colaboradores da EPATV com 20 anos de função.

No mesmo dia, o Grupo Amar Terra Verde vai assinar protocolos de colaboração com as Associações Humanitárias dos Bombeiros Voluntários de Amares e de Vila Verde, de modo a consolidar a cooperação da Escola com estas duas instituições bem conhecedoras e solidárias das populações.

ISAVE ACOLHE II JORNADAS DE MEDICINA GERAL E FAMILIAR

“A sexualidade do idoso tem mais namoro e menos coito” e “pouca gente usa os protetores solares como deve ser” de modo a evitar o cancro da pele: estas foram duas grandes ideias que marcaram hoje, dia 20 de Setembro, as II Jornadas de Medicina Geral e Familiar, no Instituto Superior de Saúde — ISAVE.

IMG_1revter (1).JPG

A iniciativa dos Internos do Agrupamento de Centros de Saúde do Gerês/Cabreira tinha como tema genérico os “Desafios do Envelhecimento” e encheu o auditório do ISAVE, em Amares, sendo complementada com a apresentação de mais de uma dezena de trabalhos de investigação oriundos de situações concretas vividas em Centros de Saúde e Unidades de Saúde Familiar de todo o norte do país.

Na sessão de Abertura, o  Diretor Executivo do ACES Gerês/Cabreira elogiou a “cultura de parcerias do ISAVE” na realização destas ações de formação e agradeceu “o apoio científico do ISAVE”, constatando que é “um orgulho ver os frutos destas jornadas organizadas pelo Núcleo de Internos”.

Por sua vez, a presidente do ISAVE lembrou que esta Escola Superior de Saúde é “um projeto voltado para fora e é com muito agrado que os recebemos mais uma vez”. Mafalda Duarte deu a conhecer novas áreas de estudos que são “alavanca de futuro em que privilegiamos a Investigação”. Nesse sentido, lançou o desafio aos médicos para colaborarem com o Centro de Investigação em Ciências da Saúde (CICS), de modo a “criar sinergias que beneficiem os médicos, o ISAVE e a comunidade  numa estratégia de maior proximidade que permite trabalhar competências dos alunos com as populações”.

IRONIA DESAFIA AUTARQUIA

O presidente do Conselho de Direção do ISAVE apostou na ironia: ”ainda bem que chegaram cá todos, graças às inúmeras placas de informação que conduzem às instalações do ISAVE que a Câmara Municipal de Amares prometeu colocar há dois anos”. De facto, não há uma placa que informe as pessoas sobre a existência desta Escola que hoje dinamiza o decido económico, habitacional e cultural de Amares, com três centenas de alunos e professores, desde 2015.​

João Luís Nogueira agradecia desta forma a chegada de várias dezenas de Médicos Internos para participar nestas jornadas numa Escola que traz jovens para o interior. “Há alguns anos, éramos uma escola num descampado de kiwis. Hoje somos mais de 300 e contribuímos para a fixação de jovens da grande cidade num pequeno concelho do interior minhoto: somos uma casa privada aberta à comunidade e este é o ADN do ISAVE” — destacou João Luís Nogueira, agradecendo esta parceria do ACES Gerês/Cabreira.

Antes da sessão de abertura, um primeiro painel debruçou-se sobre a sexualidade no idoso, com Filipa Vilaça (UCSF de Estarreja) e o urologista Ricardo Ramires (Hospital da Senhora da Oliveira, Guimarães) a abordarem um tema pouco debatido na sociedade.

De facto, a sexualidade transforma-se no idoso, porque o desejo pode diminuir, especialmente nas mulheres, mas ele mantém-se sexualmente ativo — assegurou Fátima Vilaça, sem esquecer algumas alterações masculinas como a disfunção erétil e a ejaculação retardada, ao passo que elas sentem menos desejo e muitas vezes dor e anorgasmia. Estas dificuldades são compensadas com “maior maturidade emocional, maior descentralização da sexualidade, mais privacidade”.

Apesar das limitações, os idosos podem ser “mais saudáveis, mais ativos e ter mais desejo sexual, o que se traduz em menos depressão, menor dor, menor mortalidade, menor risco cardiovascular e o sexo atrasa o declínio cognitivo”.

“Os problemas da sexualidade do idoso exigem ao médico uma abordagem mais holística, global e total, centrada no utente, tendo em conta todas as suas dimensões, culturais, religiosas, insucessos pessoais porque, nos idosos, a melhor sexualidade precisa de mais namoro e menos coito”— concluiu a oradora.

Por sua vez Ricardo Ramires abordou doenças do aparelho sexual, como a próstata, o cancro, a questões da ereção e ejaculação e o abuso de medicamentos, em que alguns afetam a função eréctil, indicando caminhos de prevenção, como caminhar 20 minutos por dia, não fumar, travar consumo de álcool e normalizar os lípidos no sangue.​

Este médico do Hospital de Guimarães abordou medicamentos como Viagra e similares, a sua toma correta, os seus efeitos secundários em diabéticos, entre outras limitações, sendo particularmente dramático no diagnóstico e tratamento dos cancros associados à sexualidade masculina.

O segundo painel debruçou-se sobre o envelhecimento da pele, doenças, tratamentos e como a proteger de forma a retardar o seu envelhecimento. Glória da Cunha Velho (Dermatologista do Centro Hospitalar Universitário do Porto) descreveu as etapas do envelhecimento da pele, enquanto André Cerejeira (do mesmo Hospital) abordou os tratamentos destas doenças, com destaque para o cancro de pele. A primeira alertou contra a radiação ultravioleta, o tabaco, a poluição atmosférica e estilos de vida (alcoolismo, sono desassossegado, stress e alimentação) como aceleradores do envelhecimento da pele. As altas temperaturas de cozinha rápida do nosso tempo são outro acelerador do envelhecimento da pele.

Por seu lado, André Cerejeira debruçou-se sobre as doenças mais graves da pele, como é o caso de melanoma, responsável por 75% de mortalidade dos casos registados, e uma das causas principais é a exposição ao sol. No seu entender, “muito pouca gente cumpre as regras no que concerne à aplicação de protetores solares” e estes cancros atingem homens (70% nas costas) e mulheres (nas pernas).

A manhã encerrou com as intervenções de Soraia Azevedo (Hospital Conde Bertiandos) e Raquel Araújo (CH Universitário do Porto) sobre a prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação das Osteoporose. Trata-se de uma doença que reduz a densidade e a massa dos ossos, provocando aumento da fragilidade e maior risco de fraturas.

Em grande parte dos casos, o paciente só sabe que está com a doença porque um traumatismo mínimo causou uma fratura. A osteoporose atinge principalmente as mulheres na pós-menopausa, com a diminuição das hormonas sexuais. O risco de desenvolver a doença aumenta com o envelhecimento, tanto no homem quanto na mulher.

Após o almoço, servido pelos estudantes dos Cursos de Restauração da Escola Profissional Amar Terra Verde (EPATV), coordenados pela Prof. Olga Martins e o Mestre Rodrigo Melendrez Rodriguez, a tarde foi dedicada à realização de diversos workshops centrados na temática do envelhecimento.

IMG_1revter (2).JPG

EPATV COMEÇA NOVO ANO LETIVO COM NOVOS PROJETOS ERASMUS

A EPATV no período 2019-2020 estará envolvida em quatro novas parcerias Erasmus+. Todas são da tipologia parceria estratégica de educação escolar.

epatv erasmus.jpg

Sumariamente, as temáticas destes novos projetos são:

People Organising Redevolpment technology and Sustainability (PORTS) - Envolve Itália, Portugal, Estónia, Chipre, Grécia e Croácia. Este projeto procura abordar a importância dos portos comerciais na história de cada um dos países envolvidos, para o desenvolvimento das regiões envolventes, a minimização do seu impacto ambiental e as perspetivas futuras de desenvolvimento que potenciam.

Transmitting our Cultural heritage to New generations - Envolve Portugal, Turquia, Eslováquia, Letónia, Roménia e Itália.  Nesta parceria pretende-se promover e sensibilizar os participantes para a necessidade de preservar a herança cultural, trocar boas práticas e preparar cidadãos europeus mais conscientes e capazes.

Erasmus Model United Nations - envolve Portugal, Espanha, Turquia, Itália e Lituânia. Visa mediante o emprego do Modelo Nações Unidas promover a literacia e tomada de consciência e capacidade de discusão argumentativa dos alunos participantes face à atualidade, promovendo a cidadania ativa e informada.

Generative Applications to Manage Education - Portugal, Turquia, Croácia, Letónia, Grécia e Macedónia do Norte. O projeto visa promover a "gamificação" no currículo escolar, produzindo materiais e obter um maior sucesso escolar na comunidade escolar.

A EPATV desenvolverá estas temáticas durante dois anos dando cumprimento ao seu Desenvolvimento Europeu e perspetivando, como sempre, uma melhoria qualitativa do projeto educativo.

UNIVERSITÁRIAS DE TURIM E MÁLAGAINICIAM ERASMUS + NO ISAVE

Quatro estudantes do terceiro ano de Enfermagem (duas italianas e duas espanholas) chegaram ontem, dia 16 de setembro, ao Instituto Superior de Saúde – ISAVE – para iniciar um estágio no âmbito do programa de mobilidade Erasmus+.

IMG_2297.JPG

“Com a sua presença entre nós, o ISAVE procura fortalecer a sua internacionalização e enriquecer-se, aproveitando os conhecimentos diferenciados que estas podem trazer e ambicionamos que seja uma experiência altamente positiva para elas” – destacou Mafalda Duarte, presidente do ISAVE.

Durante a realização de um semestre de estudos no ISAVE, estas estudantes, oriundas das Universidade de Turim e de Málaga, realizam igualmente um período de estágio no Hospital da Santa Casa de Misericórdia de Vila Verde.

Contudo, numa primeira fase, estas alunas começarão por conhecer o meio social, cultural e académico, como já aconteceu ontem com a realização de um passeio por Amares com os nossos alunos, prosseguindo com o “seu envolvimento em atividades do ISAVE, tais como a participação e promoção de eventos, trabalhos científicos, essenciais para a plena integração.” – revelou Susana Oliveira.

A Coordenadora do Departamento de Relações Internacionais do ISAVE, destaca o reforço do intercâmbio e cooperação europeia que “passa por ter sempre estudantes estrangeiros em cada semestre nesta Escola Superior”.

No caso da cooperação com a Universidade de Málaga, trata-se de uma das instituições que esteve recentemente num encontro em Amares no âmbito da parceria entre universidades europeias, o que dá maior amplitude e consolida a estratégia de longo prazo de cooperação que o ISAVE pretende”.

Este estágio das alunas espanholas e italianas corresponde também à necessidade de “não estarmos sós e termos parceiros para colocar os nossos estudantes. Já temos concluído o processo de inscrição dos nossos alunos para a realização de mobilidade neste ano letivo que ainda agora começou. Vamos fazer a seleção de seis estudantes do ISAVE para que possam fazer estágio no segundo semestre”.

IMG_2296.JPG

FESTA DO CALDO DO POTE JUNTA VILAVERDENSES EM SABARIZ

Os verdadeiros sabores do campo na Festa do Caldo do Pote em Sabariz

A Festa do Caldo do Pote volta a trazer a Sabariz os verdadeiros sabores do mundo rural, já no próximo sábado, 21 de setembro. É tudo à moda antiga. Os produtos frescos do campo são cozinhados em potes de ferro colocados diretamente sobre o lume das fogueiras. Envergando os trajes tradicionais, habitantes de Sabariz e das localidades vizinhas da Associação de Freguesias do Vale do Homem vão confecionar e servir mais de 20 variedades de caldo. A entrada tem um custo simbólico. Por apenas 4€, os participantes podem provar todos os caldos, repetir quantas vezes quiserem e ainda levam uma lembrança para casa: uma malga de barro com o nome da freguesia e do evento.

caldpotvv (4).jpg

As portas do recinto, no exterior da sede da Junta de Freguesia de Sabariz, abrem pelas 17h para receber os milhares de visitantes que todos os anos chegam ao coração do Minho para se deliciarem com sabores únicos e inconfundíveis. Enquanto esperam pelos caldos, que serão servidos a partir das 19h, as pessoas podem começar a desfrutar de saborosas pataniscas caseiras, broas de milho e vinho, entre outros. Também não vai faltar animação musical para ajudar à festa. A partir das 18h, entram em cena dois grupos que prometem fazer o recinto dançar ao som da música popular.

A iniciativa tem sido um sucesso, atraindo visitantes de todo o país e até do estrangeiro. Tal como aconteceu em anos anteriores, uma comitiva alemã vai marcar presença na Festa do Caldo do Pote de Sabariz, atividade que é replicada desde 2015, na cidade de Dusseldorf (Alemanha). Para dar resposta ao aumento da procura, este ano, o recinto será mais amplo e terá três balcões da Super Bock para ajudar a ‘matar’ a sede.

caldpotvv (3).JPG

“Sabariz proporciona convívio agradável e familiar”

Orgulhoso do trabalho desenvolvido, o presidente da Junta de Freguesia de Sabariz afirma que “o principal objetivo é que toda se divirta”. Fernando Silva ainda acrescenta que “Sabariz tenta proporcionar ao público um convívio agradável e familiar, destacando os produtos frescos do campo e o verdadeiro sabor dos caldos”. Uma aposta ganha, já que a Festa do Caldo do Pote conta anualmente com milhares de participantes. “Todos os anos tentamos trazer cada vez mais gente à festa e, se estiver bom tempo, acredito que o recinto estará cheio”, refere o presidente da Junta.

A organização da Festa do Caldo do Pote fica a cargo da Junta da Freguesia de Sabariz e da Associação Popular de Sabariz, com a colaboração da Associação de Freguesias do Vale do Homem. A iniciativa integra a programação Na Rota das Colheitas, do Município de Vila Verde.

caldpotvv (1) (1).jpg

caldpotvv (2).JPG

VILA VERDE: DESFOLHADA EM PARADA DE GATIM FOI UM VER SE TE AVIAS...

A vontade era tanta que o milho ‘evaporou’ na desfolhada minhota de Parada de Gatim

O recinto estava repleto de canas de milho e dava a sensação de que a tarefa seria demorada. Dos mais novos aos mais velhos, os populares juntaram-se em círculo e meteram mãos ao trabalho para remover as desejadas espigas. A vontade era tanta que, vinte minutos depois, o milho já tinha ‘’evaporado. Com muita animação, alegria e música popular à mistura, o evento levou as pessoas a reviverem uma tradição local. No final, não faltaram ‘comes e bebes’ no Lugar da Igreja, em Parada de Gatim, para recuperar forças e fortalecer o convívio entre o público. A Desfolhada Minhota decorreu ao início da noite de ontem, 14 de setembro. Foi organizada pela Junta de Freguesia de Parada de Gatim, e integrou a programação Na Rota das Colheitas, do Município de Vila Verde.

A (2)gatimp.jpg

Natural da freguesia de Parada de Gatim, Francisco Rodrigues é um ‘velho conhecido’ da arte de desfolhar. “Da sementeira à desfolhada são, em média, uns quatro meses”, afirmou. Semeia-se em maio e colhe-se por volta de setembro/outubro, “dependendo do ciclo do milho”.  Experiente nestas andanças, confirmou que a recriação decorreu “de acordo com os tempos antigos” em que as pessoas se juntavam em círculo para desfolhar o milho, ao som de muitas cantigas para alegrar a festa. Para além de “educar as crianças”, a desfolhada também permitiu reviver velhas memórias. “Lembro-me que, em 1974, eu estava cá de férias da guerra do Ultramar e assisti a 13 desfolhadas”, contou Francisco Rodrigues.

Cultura da desfolhada enraizada em Parada de Gatim

Aos poucos, o recinto começou a encher e compôs-se uma bela moldura humana no Lugar da Igreja. José Dantas estava na plateia e saiu da desfolhada satisfeito: “Foi bonito, gostei do que vi. Acho muito bom para a freguesia e para a nossa cultura podermos reviver estas tradições”. Natural de Parada de Gatim, tem a cultura do milho bem enraizada. “Nos tempos em que era mais jovem, vi os meus pais a desfolhar muito milho e a fazer muitas copas de milho”, disse José Dantas, acrescentando que é “importante manter [a tradição] nos mais novos, que não viveram esses tempos”.

“Vontade de desfolhar” fez o milho desaparecer em 20 minutos

Quem também saiu contente do evento foi o presidente da Junta de Freguesia de Parada de Gatim.  “Estamos contentes com a iniciativa, correu muito bem”, afirmou Pedro Rodrigues, visivelmente satisfeito com a participação popular. “Sinto que as pessoas gostaram e notei um certo entusiasmo e vontade em desfolhar, tanto que o milho desapareceu ao fim de 20 minutos”, referiu. No final da desfolhada, houve uma merenda para recuperar energias e fomentar o convívio. A festa seguiu noite dentro com a animação da música popular e houve mesmo quem não resistisse a um pezinho de dança.

Atualmente, “não se fazem desfolhadas com tanta frequência como há 10 ou 15 anos atrás”, frisou Pedro Rodrigues. Contudo, o presidente da Junta não esconde o orgulho em poder “recordar e relembrar tradições típicas de Parada de Gatim e educar os mais novos sobre a cultura da freguesia”. No final das contas, o balanço é positivo. “As pessoas divertiram-se e passaram bons momentos”, frisou o autarca, acrescentando que “Parada de Gatim deu o seu contributo com o cunho daquilo que é a freguesia – uma terra de desfolhadores”.

A (1)gatimp.jpg

VILA VERDE: PROF DOUTOR SABOGA NUNES ABRE O NOVO ANO LETIVO DO ISAVE

A sessão de abertura do novo ano letivo no Instituto Superior de Saúde — ISAVE — Realiza-se no dia 24 deste mês, às 11 horas, tendo como momento alto uma conversa com o Professor Doutor Luís Saboga Nunes, sobre “Literacia para a Saúde”.

A sessão abre com intervenções da Presidente do ISAVE, Mafalda Duarte, Presidente do Município, Manuel Moreira, e Presidente do Conselho de Direção da escola, João Nogueira. Após a conversa com o Prof. Dr. Luís Saboga Nunes, segue-se a atuação da ISATUNA, Tuna do ISAVE, terminando a jornada com um almoço volante que é servido pela Escola Profissional Amar Terra Verde.

Luís Saboga Nunes é investigador do Centro de Investigação em Saúde Pública, Escola Nacional de Saúde Pública, da Universidade Nova de Lisboa, e tem-se dedicado ao estudo da saúde e da educação.

O ISAVE, cujas aulas arrancam já no dia 16,  estreia neste ano letivo uma nova licenciatura com oito semestres — Dietética e Nutrição  que se junta às de Enfermagem e Fisioterapia— e um novo Curso Técnico Superior em Proteção Civil e Socorro (com quatro semestres), para além dos CTeSP de Serviço Familiar Comunitário, Termalismo e Bem-Estar e Gerontologia.

Para este novo ano, estão lançadas pós-graduações em Gestão de Organizações Sociais e de Saúde e Cuidados Continuados e Paliativos que se iniciam em outubro.

GASTRONOMIA DE VILA VERDE: É COMER E CHORAR POR MAIS!

16 a 22 de setembro. Gastronomia de Vila Verde em destaque no Restaurante Torres

O Restaurante Torres está a preparar uma iniciativa que vai deixar os apreciadores da genuína cozinha regional com um sorriso de orelha a orelha. Pica no chão, cabrito assado, pataniscas e pudim abade de priscos são as quatro iguarias em destaque na Semana da Gastronomia de Vila Verde, que vai decorrer de 16 a 22 de setembro, em Ponte S. Vicente – Vila Verde.

DSC_0151.JPG

Uma apologia à gastronomia regional com pratos muito solicitados, que continuam a conquistar visitantes pelo estômago. “São verdadeiros emblemas de Vila Verde. As pessoas têm curiosidade em experimentar estes pratos, que mostram da melhor maneira o que é a gastronomia minhota. Espero que saiam daqui satisfeitas, tal como tem acontecido nos outros anos”, refere Fernando Torres, um dos responsáveis pelo restaurante.

O balanço das edições anteriores é muito positivo e as expectativas são elevadas. Fernando Torres resume rapidamente os objetivos da iniciativa: “Participar Na Rota das Colheitas, promover os pratos mais típicos da região e, ao mesmo tempo, aumentar o volume de negócios”.

A ‘Semana da Gastronomia de Vila Verde: Pica no Chão, Cabrito Assado, Pataniscas e Pudim Abade de Priscos’ vai decorrer de 16 a 22 de setembro. É organizada pelo Restaurante Torres de Ponte S. Vicente e insere-se na programação Na Rota das Colheitas, do Município de Vila Verde. 

MINHOTOS PEREGRINAM À SENHORA DO ALÍVIO

Peregrinação ao Santuário do Alívio com transmissão em direto na página de Facebook ‘Freguesia de Soutelo’

Quem está longe também pode acompanhar a par e passo a maior manifestação religiosa do concelho de Vila Verde. A Peregrinação ao Santuário de Nossa Senhora do Alívio, em Soutelo, terá transmissão em direto a partir da página de Facebook 'Freguesia de Soutelo', da autarquia soutelense. No próximo dia 15 de setembro, basta aceder a facebook.com/freguesiadesoutelo para não perder pitada de uma das maiores demonstrações de fé de toda a região. A emissão começa perto das 10h e termina no final da Missa Campal. O serviço é garantido pelo Arciprestado de Vila Verde, com o apoio da Junta de Freguesia de Soutelo.

Alívio1-01.jpg

A Peregrinação ao Santuário do Alívio, conta com a participação da maioria das paróquias de Vila Verde e de largos milhares de fiéis que chegam de vários pontos da região e do país para prestar devoção. Com a chegada do andor de Nossa Senhora do Alívio, começa a Missa Campal presidida pelo Arcebispo de Braga, D. Jorge Ortiga. É o expoente de um programa amplo e diversificado, que começou a 7 de setembro e decorre até ao dia a 15, com várias iniciativas de âmbito religioso e/ou cultural.

PEREGRINAÇÃO

14 de setembro - SÁBADO

09h00 – Celebração Penitencial

17h00 – Projeção do filme no salão do Santuário: História do milagre de Nª. S.ª do Alívio

18h00 – Recitação do Rosário

18h30 – Missa vespertina

21h00 – Na igreja do Santuário: concerto Mariano sob a direção do Prof. Júlio Dias, da Academia de música de Vila Verde

15 de setembro – DOMINGO

07h30 – Celebração Penitencial

09h00 – Missa na igreja do Santuário

09h30 – Partida da igreja Matriz de Vila Verde

10h00 – Partida da igreja de Soutelo

11h00 – MISSA CAMPAL presidida pelo Arcebispo de Braga, D. Jorge Ortiga

15h00 – – Na igreja do Santuário: concerto com os grupos corais do Alívio sob a direção do Prof. Manuel Afonso, da Escola de Música da Vila de Prado

16h00 – Terço, Pregação, Consagração e Apoteose

18h00 – Missa de encerramento das festividades na igreja do Santuário

VILAVERDENSES DESFOLHAM O MILHO EM PARADA DE GATIM

Parada de Gatim prepara a 2ª edição da desfolhada minhota

Depois do sucesso da primeira edição, a freguesia de Parada de Gatim regressa para mais uma tradicional desfolhada minhota inserida Na Rota das Colheitas, do Município de Vila Verde. Uma bela oportunidade para reavivar memórias, num sábado (14 de setembro) diferente, recheado de alegria e boa-disposição. A iniciativa organizada pela Junta de Freguesia de Parada de Gatim vai decorrer no Lugar da Igreja, com início marcado para as 21h, e vai contar com a alegria da música popular minhota para animar a festa.

P (1)gatim.jpg

A abertura do evento fica entregue aos ‘Amigos da Paródia’. Com as melodias das concertinas, violas e cavaquinhos aliadas aos cantares típicos da região, não vai faltar animação em Parada de Gatim. Depois, hora de arregaçar as mangas e pegar nas canas de milho para retirar as espigas. Os tocadores de concertina e cantares ao desafio vão acompanhar a recriação e prolongam-se pela noite dentro. No final da desfolhada, haverá uma merenda com comida e bebida à disposição.

No ano passado, mesmo com chuviscos à mistura, foi “uma estreia bem-sucedida”. Este ano, as previsões de bom tempo aumentam as expectativas e o presidente da Junta de Freguesia de Parada de Gatim espera “uma plateia bem composta” para a 2ª edição do evento. Pedro Rodrigues vincou a importância de manter viva a tradição local numa freguesia que se orgulha da sua ruralidade, acrescentando que a iniciativa começa já a ganhar dimensão, “a desfolhada movimenta muita gente”.

O autarca sublinhou ainda a importância da programação Na Rota das Colheitas para o concelho. “Havia uma enorme vontade da população de Parada de Gatim e das associações da freguesia de fazer parte de uma iniciativa que oferece um enorme destaque às tradições e à cultura”, afirmou Pedro Rodrigues.

P (2)gatim.jpg

P (3)gatim.jpg

P (4)gatim.jpg

VILAVERDENSES RECUPERAM TRADIÇÃO DA COLHEITA DO LÚPULO E APOSTA NA CERVEJA TRADICIONAL

Letra Harvest Fest’19. Colheita do lúpulo dá o mote para três dias recheados de atividades

Vila Verde prepara-se para três dias de festa em torno da colheita do lúpulo, ingrediente fundamental para o fabrico da cerveja. O Letra Harvest Fest’19 pretende reavivar memórias e fomentar o cultivo de uma planta com tradição no concelho, enquanto brinda os participantes com um programa amplo e diversificado. De 13 a 15 de setembro, os visitantes terão à disposição 80 variedades de cervejas artesanais, espetáculos musicais, iniciativas gastronómicas, workshops, desporto e muita animação.

Cartaz_LetraHarvestFest.png

A iniciativa é organizada pela Fermentum e vai decorrer na Letraria Brewpub, nas imediações da sede dos Bombeiros Voluntários de Vila Verde.

Em tempos que já lá vão, “estava localizada em Vila Verde a maior estação de tratamento e armazenagem de lúpulo de toda a Zona Norte”, avança a organização. Hoje, o cultivo da planta é “praticamente inexistente na região do Minho”. Para despertar memórias e incentivar a produção local, realiza-se uma colheita tradicional durante a manhã de sábado, dia 14. Os participantes terão a oportunidade de produzir um lote de cerveja com o lúpulo fresco que vão colher numa pequena produção localizada nas imediações da Letraria. A participação carece de inscrição prévia através do endereço harvest@cervejaletra.pt.

_D6C2248.jpg

Mas nem só da colheita do lúpulo vive o festival. Durante os três dias do Letra Harvest Fest’19, estarão ao dispor do público cerca de 80 cervejas artesanais para satisfazer ‘todos os gostos e feitios', resultado de uma parceria da Cerveja Letra com outras marcas de cerveja artesanal portuguesa. Um verdadeiro hino à cerveja artesanal. Para além disso, entre almoços e jantares cervejeiros e várias opções de street-food, não faltarão opções gastronómicas. Destaque ainda para o desporto com o Jogo de Futebol 6 e o Letra Harvest Trail ou Caminhada.

Os participantes podem ainda esperar workshops, festas Sunset, DJs e concertos de entrada livre e gratuita. Ao longo dos três dias, são vários os artistas que vão subir a palco para animar a festa. Julinho da Concertina é o cabeça de cartaz e chega de Cabo Verde para pôr o recinto a dançar ao ritmo do funaná. Por sua vez, o rock dos El Señor promete colocar a plateia a abanar o capacete. Nuno Andrade, Rt-Fact e Cuckoo Let Us são alguns dos nomes que também vão marcar presença num evento que arrasta centenas de pessoas a Vila Verde.

Organizado pela Fermentum, o Letra Harvest Fest’19 decorre na Letraria Brewpub de Vila Verde, entre 13 e 15 de setembro. Insere-se na programação Na Rota das Colheitas, do Município de Vila Verde.

_D6C3145.jpg

DSC_0060.JPG

DSC_0082.JPG

DSC_0896.JPG

Programação_Harvest.jpg

VILAVERDENSES RECRIAM ESPADELADA DO LINHO

Marrancos celebrou a cultura popular com a recriação da espadelada do linho

Marrancos voltou a demonstrar que é um bastião da cultura do linho na região. Ontem,7 de setembro, a freguesia celebrou a herança da cultura popular com uma genuína reconstituição da tradicional espadelada do linho. Uma iniciativa com muita animação e música popular à mistura, que incluiu ainda as comemorações do 6º aniversário do Museu do Linho, espaço de forte atração turística. Vindos de vários pontos do país e do mundo, milhares de visitantes chegam anualmente a Marrancos para sentir o verdadeiro pulsar do mundo rural e conhecer o primeiro museu nacional dedicado a retratar o tradicional ciclo do linho.

VVLINESPAD (1).jpg

O sol brilhava de forma intensa num céu pintado de azul, mas o calor não demoveu a vontade dos participantes. Pouco passava das 15h30 quando a iniciativa começou. No exterior do museu, mais de vinte mulheres e raparigas envergavam os trajes de outrora. Blusa, saia e avental de cinta. Lenço na cabeça e socas nos pés. Do ripeiro ao tear, passando pelo sedeiro, espadela e fuso, entre outras, manuseavam vigorosamente as alfaias agrícolas numa recriação fiel da prática ancestral. Como é habitual, os visitantes não precisaram de se limitar a assistir. Puderam colocar questões, utilizar as alfaias, experimentar os trajes… Sentir na pele o genuíno pulsar do mundo rural.

VVLINESPAD (2).jpg

O tecido dos Lenços de Namorados

O processo artesanal de extração e transformação das fibras da planta do linho culminava num tecido que tinha diversas utilidades dos lares tradicionais do Minho rural (vestuário, toalhas de mesa, roupa de cama…). Era também utilizado nos célebres Lenços de Namorados, como recordou Rosa das Dores, enquanto comandava as operações no tear. Natural de Marrancos, esteve emigrada durante vários anos, mas não perde uma espadelada desde que regressou definitivamente a Portugal. “Participo na recriação há vários anos. Já a minha mãe era tecedeira, estamos a fazer o linho com que se faziam os Lenços de Namorados”, afirmou.

Em ambiente de festa, a alegria da música popular ajudou a animar a tarde. Logo a seguir à recriação, os ‘Cantares do Linho’ e os ‘Cantares de Ontem’ ecoaram pelo recinto. Mais tarde, o Rancho Folclórico de Marrancos subiu ao palco e contagiou os presentes com a alegria e vivacidade do folclore. Pelo meio, tempo para uma merenda de produtos regionais generosamente partilhada com todos os presentes. Um momento de convívio que permitiu recuperar energias e saborear algumas iguarias regionais.

Museu do Linho com visitantes dos ‘quatro cantos do mundo’

Durante a tarde, nota de destaque também para as visitas guiadas ao Museu do Linho, espaço que já recebeu visitantes dos ‘quatro cantos do mundo’, ao longo de seis anos de existência. As visitas foram conduzidas pelo especialista Abílio Ferreira, um entusiasta da ruralidade e o grande responsável por manter esta tradição viva. Começou a organizar a recriação da tradicional espadelada do linho ainda durante os anos oitenta do século XX para preservar os saberes de uma prática que começava a entrar em desuso. Entretanto, começou a colecionar diversas alfaias agrícolas antigas, com predominância para as do ciclo do linho. Acabou por ceder uma boa parte do espólio ao primeiro museu nacional dedicado exclusivamente a retratar as várias etapas do tradicional ciclo do linho.

Hoje, os resultados estão à vista, e, dos mais novos aos mais velhos, a população de Marrancos conhece bem esta arte secular. Para Abílio Ferreira, a recriação é sempre um momento de emoções fortes, tanto pelo “saudosismo e reavivar de memórias” como pela satisfação de “transmitir estes saberes às gerações mais jovens”. A afluência ao Museu do Linho também é motivo de grande satisfação. Ao longo de todo o ano, vindos de todo o país e também do estrangeiro, milhares de turistas chegam a Marrancos para sentirem o verdadeiro pulsar do mundo rural. Entre trajes, artefactos, imagens, descrições e conteúdos multimédia, os visitantes podem conhecer pormenorizadamente as várias etapas do processo tradicional de cultivo e transformação da planta do linho.

Por seu turno, o presidente da Junta da União de Freguesias de Marrancos e Arcozelo não destoou e vincou a importância do Museu do Linho para a divulgação da freguesia e a preservação da cultura popular. Manuel Rodrigues revelou que “todos os fins de semana chegam excursões com pessoas de vários pontos do país e do mundo”, acrescentando que “é importante manter a tradição viva e transmiti-la aos mais novos para assegurar a continuidade”.

Preservar a tradição e atrair novos públicos

Presente na iniciativa, o presidente do Município de Vila Verde sublinhou que esta e outras atividades inseridas Na Rota das Colheitas espelham o posicionamento de um concelho que valoriza as suas origens e tradições. António Vilela adiantou que está em fase de concurso público uma empreitada que visa a ampliação do museu e que será também para avançar com a reabilitação da avenida de acesso ao Museu do Linho e à igreja paroquial de Marrancos.

O edil recordou ainda que está já em curso a transformação “da antiga adega vinícola, que vai passar a agora a adega cultural e ter uma componente museológica”. “Tudo isto se enquadra numa estratégia de valorização e preservação, mas também de atração de novos públicos pela cultura. E termos uma espadelada do linho ao vivo significa precisamente vivenciar momentos únicos da cultura popular”, concluiu.

A iniciativa foi organizada pela Associação Recreativa e Cultural de Marrancos e pela Junta da União de Freguesias de Marrancos e Arcozelo, inserida na programação Na Rota das Colheitas, do Município de Vila Verde. As atividades da Rota das Colheitas seguem já no próximo fim de semana com a Letra Harvest Fest, (13 a 15 de setembro), em Vila Verde, e a Desfolhada Minhota (14 de setembro – 21h), em Parada de Gatim.

VVLINESPAD (3).jpg

VILA VERDE: MARRANCOS RECRIA ESPADELADA DO LINHO

Marrancos celebra a tradição com a recriação da espadelada do linho

A chama da tradição continua bem viva em Marrancos. No dia 7 de setembro, a partir das 15h30, a freguesia celebra a tradição com a recriação de uma genuína espadelada do linho. Os trajes, métodos e alfaias de antigamente reforçam o simbolismo e rigor histórico de uma iniciativa de entrada gratuita e aberta a toda a população. Não faltará também a animação da música popular e uma merenda no final. O evento vai decorrer na parte exterior do Museu do Linho, que celebra o 6º aniversário, e inclui visitas guiadas ao museu de forma totalmente gratuita.

Linhomarrancosvv.jpg

A espadelada do linho é uma tradição muito antiga e acarinhada pela população de Marrancos. E se a tradição continua viva, muito se deve a Abílio Ferreira. Apaixonado pelo mundo rural em geral e pela cultura do linho em particular, deu início às recriações ainda durante os anos oitenta do século XX para evitar que o conhecimento ancestral desaparecesse. Mais de trinta anos depois, a população de Marrancos conhece bem o ciclo do linho e transmite-o aos mais novos para preservar estes saberes.

Uma viagem no tempo

Dispostas em fila, vestidas com os trajes de antigamente, mais de duas dezenas de mulheres e raparigas manuseiam as alfaias tradicionais e exemplificam ao pormenor o processo artesanal de extração das fibras da planta do linho. Tudo sob o olhar atento do público, que não precisa de se limitar a assistir. Também pode meter ‘mãos à obra’, participar ativamente na recriação e até experimentar os trajes tradicionais. As diabruras dos ‘Mascarados Sem Juízo’ vão trazer ainda mais alegria ao evento.

Mas a recriação da prática agrícola ancestral não é o único atrativo da tarde de sábado em Marrancos. Pelas 16h30, começam os tradicionais ‘Cantares do linho’ e os ‘Cantares de Ontem’. Uma hora mais tarde, tempo para recuperar forças e saborear uma merenda de produtos regionais em ambiente de convívio, partilha e alegria. Pelas 19h00, a música popular regressa com a atuação do Rancho Folclórico de Marrancos e o encontro de concertinas, danças e cantares da região.

L (2)marrancos.jpg

O guardião das tradições locais

Lá estará também Abílio Ferreira para ‘comandar as tropas’ e dirigir as visitas guiadas ao Museu do Linho. Para partilhar com o público as etapas, processos e curiosidades do ciclo do linho, desde a sementeira até aos belos panos brancos característicos dos lares tradicionais do Minho. Na opinião de Abílio Ferreira, “antigamente a espadelada do linho era muito animada, cheia de alegria e festa”. E foi muito por causa dessas “lindas recordações” que decidiu recuperar esta prática e preservar estes saberes tradicionais. Uma iniciativa que permite às pessoas “recordarem-se de outros tempos, que eram mais difíceis, mas não faltavam sorrisos”.

A recriação da espadelada do linho irá decorrer no dia 7 de setembro (sábado), a partir das 15h30, no exterior do Museu do Linho. Esta atividade é organizada pela Associação Recreativa e Cultural de Marrancos e pela União de Freguesias de Marrancos e Arcozelo, e encontra-se inserida na programação Na Rota das Colheitas, do Município de Vila Verde.

L (1)marrancos.jpg

VILAVERDENSES CORREM EM VILA DE PRADO

‘Vila de Prado a Correr’. Desporto, saúde e convívio todas as quintas-feiras!

A atividade física regular é essencial para uma vida mais ativa e saudável. E se a falta de companhia era motivo para não praticar exercício, vai deixar de ser. Todas as quintas-feiras, pelas 20h30, o grupo ‘Vila de Prado a Correr’ vai arrancar da Praia Fluvial do Faial para uma jornada de desporto e convívio que promete levar os participantes ao encontro da imensa beleza da vila e da Zona do Cávado.

A participação é gratuita e está aberta a toda a população sem necessidade de inscrição, basta aparecer no local à hora marcada com vontade de dar uma corrida. A primeira edição terá lugar já na próxima quinta-feira, 5 de setembro. A organização aconselha a utilização de roupa clara e luz frontal para segurança dos participantes.

O percurso (6-8 kms) será diferente todas as semanas para fugir à monotonia e divulgar plenamente diferentes pontos de interesse da vila e redondezas. Uma iniciativa que chega pela mão de Augusto Lopes para “incentivar as pessoas a saírem do sofá e praticarem exercício físico para que possam ter uma vida mais ativa e saudável”. O organizador sublinha que a corrida também oferece uma “bela oportunidade de convívio e socialização entre a população” em ambiente de amizade e descontração.

Praticante habitual de atletismo, Augusto Lopes começou por frequentar iniciativas deste género em Braga e em Vila Verde. No entanto, o bairrismo pradense falou mais alto e achou que estava na hora de criar um movimento pró-desporto na Vila de Prado. Se bem o pensou, melhor o fez. Juntou alguns amigos para o ajudarem com a logística e rapidamente as ideias começaram a tomar forma e a sair do papel. Finalizados os últimos ajustes, está tudo a postos para o arranque de um movimento que pretende fomentar a prática desportiva e hábitos de vida saudável, enquanto promove o convívio e divulga a beleza (natural e edificada) da Vila de Prado e arredores.

A primeira corrida sai para a estrada já na próxima quinta-feira, 5 de setembro, às 20h30, com início na Praia Fluvial do Faial.

VILA VERDE DÁ A SABOREAR AS PAPAS DE SARRABULHO

Restaurante do Alívio. Venha saborear as tradicionais Papas de Sarrabulho e Rojões à Moda do Minho

Se é adepto de um bom sarrabulho, a 7 e 8 de setembro, Soutelo é um destino de eleição. Organizado pelo Restaurante do Alívio, o ‘Fim de Semana Gastronómico – Papas de Sarrabulho e Rojões à Moda do Minho’ é uma oportunidade para se deliciar com os sabores tradicionais e degustar um dos mais apreciados pratos da gastronomia minhota. Duas iguarias confecionadas na hora com a arte de quem domina os segredos da cozinha regional, que têm feito as delícias de habitantes locais e visitantes.

Salivio.JPG

A expectativa é alta, já que, nos anos anteriores, o evento teve “muita adesão e toda a gente ficou muito satisfeita”, sublinhou Paulo Solha. O responsável pelo Restaurante do Alívio acrescentou que a fasquia continua alta para manter o nível de satisfação das “pessoas que fazem tantos quilómetros para comer este prato típico da região”.

Para Paulo Solha, “não fazia sentido escolher outro prato”. Trata-se de “uma comida tradicional de Soutelo, da qual toda a gente gosta, inserida numa iniciativa que atrai milhares de pessoas ao nosso concelho”. O ‘Fim de Semana Gastronómico – Papas de Sarrabulho e Rojões à Moda do Minho’ integra a programação Na Rota das Colheitas, do Município de Vila Verde. “É um bom projeto do Município de Vila Verde, que nos permite mostrar as tradições e a cultura do nosso concelho. Ao mesmo tempo, é uma boa ajuda para o comércio local”, concluiu o responsável pelo Restaurante do Alívio. 

VILA VERDE: FESTAS EM CABANELAS TÊM SABOR AGRIDOCE

Três dias de festa e tradição em Cabanelas com a XIII AgriDoce

Produtos agrícolas, doçaria caseira, iguarias gastronómicas, vinho doce, artesanato, recriações de práticas ancestrais, muita música popular… Na AgriDoce - XIII Feira de Agricultura e Doçaria não faltou nada para um verdadeiro hino ao mundo rural e o público aderiu em massa. Milhares de pessoas visitaram Cabanelas durante o passado fim de semana, 30 de agosto a 1 de setembro, para uma iniciativa de tradição, cultura, convívio e muita alegria. Nota de destaque também para as ‘obras de arte’ criadas com produtos agrícolas que ornamentaram os altares da igreja paroquial. A AgriDoce, organizada pela freguesia de Cabanelas e pela paróquia local, inseriu-se na programação Na Rota das Colheitas, do Município de Vila Verde.

1 (1)vvcabanelass.jpg

Os diversos stands espalhados pelo recinto permitiam aos visitantes contactar com os genuínos saberes e sabores do mundo rural. Aos atrativos da feira juntaram-se também várias atividades para enriquecer o programa. A animação da música popular fez-se sentir durante os três dias de festa com o Encontro de Rusgas, o Encontro de Folclore, a atuação de Tony Costa e o concerto do grupo Toka e Dança. A genuína tradição do Minho também esteve em destaque, já que, além da feira, o público ainda pôde participar numa desfolhada à moda antiga e assistir ao cortejo etnográfico, uma demonstração das profissões, hábitos e costumes de outrora. O programa incluiu ainda um after-party com DJ, uma Mega Aula de Zumba, um workshop ‘Como fazer o próprio Bonsai’, um Passeio de Motorizadas 50cc e uma Eucaristia.

1 (2)vvcabanelass.jpg

Estreias e regressos entre o público

O típico bom tempo de agosto fez-se sentir durante a XIII Feira de Agricultura e Doçaria, que foi o destino de eleição de muitas pessoas. Maria das Dores, de Barcelos, foi a Cabanelas porque “já tinha ouvido dizer que valia a pena”. Foi a primeira vez que marcou presença entre as milhares de pessoas que visitaram a Agridoce, mas gostou muito, “especialmente do artesanato”. E deixou uma promessa: “Se para o ano puder voltar, voltarei!”.

Para além de estreias, também houve regressos. Um deles foi João Magalhães. Natural de Cabanelas, confessou que “costumava vir todos os anos, mas infelizmente não pude vir nos últimos dois”. Este ano, regressou ao “bom ambiente da Agridoce” para “relembrar tudo aquilo que vivi na minha infância”. E não saiu da feira de mãos a abanar. “Já vou levar uns legumes para casa e fazer o teste ao produto”, gracejou João Magalhães.

1 (3)vvcabanelass (1).jpg

“Sinto uma certa nostalgia ao ver estas recriações”

O presidente da Junta da Freguesia de Cabanelas, António Esquível Gomes, reviveu estas tradições com um sorriso largo na cara. “Sou filho de agricultor, vivi tudo isto nos meus tempos de infância e sinto uma certa nostalgia ao ver estas recriações”, revelou. Contudo, o autarca afirmou que a importância da feira “não é só reviver velhos tempos, pois também se trata de uma oportunidade de divulgar Cabanelas e Vila Verde”.

António Esquível Gomes prosseguiu enaltecendo o trabalho dos voluntários. “São capazes de trabalhar mais de 100 voluntários na AgriDoce. Esta feira só é possível graças a esse trabalho voluntário que nos ajuda a manter este reviver de tradições”, sublinhou, acrescentando que “o resultado está à vista de todos: é um evento que atrai milhares de pessoas a Cabanelas e a Vila Verde”. A iniciativa insere-se Na Rota das Colheitas, do Município de Vila Verde, uma programação que mereceu fortes elogios por parte do autarca. “Juntos somos mais fortes. É uma oportunidade que o Município nos oferece para mostrarmos a nossa cultura, os nossos produtos, as nossas tradições e a nossa freguesia”, afirmou.

1 (4)vvcabanelass (1).jpg

Preservar a cultura e tradição para a posteridade

Para a vereadora da cultura do Município de Vila Verde, Júlia Fernandes, a Agridoce é “uma feira extremamente importante para a programação Na Rota das Colheitas”. “É um verdadeiro cartaz de visita para a freguesia de Cabanelas, mas também para o concelho de Vila Verde. A Agridoce é uma mostra das forças da freguesia a nível da agricultura, da doçaria e do artesanato”, reforçou Júlia Fernandes, acrescentando que, para além disso, demonstra “uma forte união das instituições da freguesia de Cabanelas em prol da valorização dos produtos locais”.

1 (5)vvcabanelass (1).jpg cortejo etnográfico é um bom exemplo disso mesmo. “Foi muito bonito, um trabalho extremamente bem feito. Vimos profissões, muitas das quais em desuso, serem recriadas ao pormenor e com enorme rigor. Estas recriações permitem que estas culturas fiquem para a posteridade”, concluiu Júlia Fernandes.

VILAVERDENSES ESPADELAM O LINHO

Marrancos celebra a tradição com a recriação da espadelada do linho

A chama da tradição continua bem viva em Marrancos. No dia 7 de setembro, pelas 14h30, a freguesia celebra a tradição com a recriação de uma genuína espadelada do linho. Os trajes, métodos e alfaias de antigamente reforçam o simbolismo e rigor histórico de uma iniciativa de entrada gratuita e aberta a toda a população. Não faltará também a animação da música popular e uma merenda no final. O evento vai decorrer na parte exterior do Museu do Linho, que celebra o 6º aniversário, e inclui visitas guiadas ao museu de forma totalmente gratuita.

L (2)marrancos.jpg

A espadelada do linho é uma tradição muito antiga e acarinhada pela população de Marrancos. E se a tradição continua viva, muito se deve a Abílio Ferreira. Apaixonado pelo mundo rural em geral e pela cultura do linho em particular, deu início às recriações ainda durante os anos oitenta do século XX para evitar que o conhecimento ancestral desaparecesse. Mais de trinta anos depois, a população de Marrancos conhece bem o ciclo do linho e transmite-o aos mais novos para preservar estes saberes.

Dispostas em fila, vestidas com os trajes de antigamente, mais de duas dezenas de mulheres exemplificam ao pormenor o processo artesanal de extração das fibras da planta do linho. Tudo sob o olhar atento do público, que não precisa de se limitar a assistir, também pode meter ‘mãos à obra’ e participar ativamente na recriação. Mas a recriação da prática agrícola ancestral não é o único atrativo da tarde de sábado em Marrancos. Os cantares típicos e a atuação do Rancho Folclórico de Marrancos vão trazer ânimo e boa-disposição à festa. No final, em ambiente de convívio, partilha e alegria, tempo para recuperar forças e saborear uma típica merenda minhota.

Lá estará também Abílio Ferreira para ‘comandar as tropas’ e dirigir as visitas guiadas ao Museu do Linho. Para partilhar com o público as etapas, processos e curiosidades do ciclo do linho, desde a sementeira até aos belos panos brancos característicos dos lares tradicionais do Minho. Na opinião de Abílio Ferreira, “antigamente a espadelada do linho era muito animada, cheia de alegria e festa”. E foi muito por causa dessas “lindas recordações” que decidiu recuperar esta prática. Uma tradição que permite às pessoas “recordarem-se de outros tempos, que eram mais difíceis, mas não faltavam sorrisos”.

A recriação da espadelada do linho irá decorrer no dia 7 de setembro, pelas 14h30, no exterior do Museu do Linho. Esta atividade é organizada pela Associação Recreativa e Cultural de Marrancos e pela União de Freguesias de Marrancos e Arcozelo, e encontra-se inserida na programação Na Rota das Colheitas, do Município de Vila Verde.

L (1)marrancos.jpg

VILA VERDE REALIZA FEIRA DE AGRICULTURA E DOÇARIA EM CABANELAS

Feira de Agricultura e Doçaria. O verdadeiro pulsar do mundo rural em Cabanelas com a XIII AgriDoce!

Artesanato, produtos frescos do campo, recriações de práticas ancestrais, doçaria caseira, gastronomia regional, animais, vinho doce e fumeiro são apenas alguns dos atrativos da AgriDoce - XIII Feira de Agricultura e Doçaria. Uma demonstração do verdadeiro pulsar do mundo rural, que vai decorrer no Largo da Igreja de Cabanelas, de 30 de agosto a 1 de setembro. A feira dá o mote para um programa diversificado que inclui ainda zumba, workshop de bonsais, passeio de motorizadas, insufláveis para os mais pequenos e diversos espetáculos de música ao vivo. Está tudo a postos para três dias de festa, convívio, cultura e tradição. A iniciativa, organizada pela freguesia de Cabanelas e pela paróquia local, insere-se na programação Na Rota das Colheitas, do Município de Vila Verde.

vvvvvverd (2).jpg

A feira conta com um programa extenso de exaltação da ruralidade, recheado de atividades para satisfazer miúdos e graúdos. As portas abrem pelas 20h00 de sexta-feira, 30 de agosto. Uma hora mais tarde, a animação da música popular vai encher o recinto com o Encontro de Rusgas. Durante todo o fim de semana, nota de destaque também para ornamentação dos altares da igreja paroquial com arranjos de frutos e legumes, uma mostra de arte e criatividade em contexto rural.

vvvvvverd (1).jpg

Atividades para todos os gostos e feitios

No sábado, as atividades arrancam logo de manhã, às 10h00, com o workshop “Como fazer o próprio Bonsai”, e continuam ao final da tarde com a Mega Aula de Zumba, marcada para as 19h00. Pelas 21h00, o recinto vai recuar no tempo com a recriação fiel de uma desfolhada à moda antiga, como manda a boa tradição do Minho. Segue-se o alegre e divertido espetáculo de música ao vivo dos Toka e Dança, que promete pôr o recinto a dançar. Depois, a animação estende-se pela noite dentro com um programa vocacionado para os mais jovens, já que haverá after-party com DJ e festa de espuma, a partir da meia-noite.

No domingo (1 de setembro), as atividades da XIII Feira de Agricultura e Doçaria começam bem cedo, com uma Eucaristia às 8h. O programa prossegue com um passeio de motorizadas de 50cc, com concentração a partir das 8h e arranque pelas 9h. Os participantes no passeio terão direito a reforço a meio da manhã e almoço. A festa prolonga-se durante a tarde com o concerto do artista Tony Costa, agendado para as 14h. Segue-se uma das iniciativas mais emblemáticas do programa, o cortejo etnográfico. A partir das 15h, o público poderá reviver outros tempos assistindo à recriação de hábitos, costumes e profissões tradicionais de Cabanelas. A XIII Feira de Agricultura e Doçaria – Agridoce encerra com a alegria e animação do Encontro Folclore, que terá início às 17h.

vvvvvverd (3).jpg

“Quem vier a Cabanelas pode esperar muita diversão”

Na opinião do presidente da Junta de Freguesia de Cabanelas, António Esquível Gomes, “quem vier a Cabanelas visitar a XIII Feira de Agricultura e Doçaria – Agridoce pode esperar muitos momentos de enorme diversão, pois vai haver uma enorme variedade de atividades para todos os gostos e feitios”. António Esquível Gomes continua afirmando que “o ambiente é muito bom e o evento realiza-se num espaço familiar, capaz de deixar qualquer um à vontade”.

A AgriDoce vai já na 13ª edição, “o que mostra o bom trabalho que tem vindo a ser realizado”, sublinha o presidente da Junta de Freguesia de Cabanelas. Para António Gomes, é muito importante manter a feira atrativa para o público, porque “permite ao povo de Cabanelas e do concelho um convívio esplêndido e possibilita-nos ajudar da paróquia da freguesia com os lucros que obtemos”.

vvvvvverd (4).jpg