Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

CERVEIRA QUER CONCESSIONAR CASTELO

Lançado Concurso REVIVE para concessão do Castelo de Cerveira

O Ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, esteve, esta sexta-feira, 18 de janeiro, em Vila Nova de Cerveira, para presidir ao ato de formalização do Programa REVIVE para o Castelo de Cerveira. O concurso público para a concessão deste imóvel entrou em vigor no imediato, com a apresentação de propostas por parte de investidores interessados a decorrer até 5 de junho.

IMG_9123.JPG

Dos 33 imóveis nacionais identificados, o Castelo de Cerveira é o 15.º concurso a ser lançado no âmbito do REVIVE, um programa conjunto dos ministérios da Economia, Cultura e Finanças com a colaboração das autarquias locais, que visa valorizar e recuperar o património sem uso, reforçar a atratividade dos destinos regionais e o desenvolvimento de várias regiões do país.

Para assinalar a formalização deste procedimento, o Ministro Adjunto e da Economia esteve, ao início da tarde de sexta-feira, no Castelo de Cerveira, estimando que sejam investidos cerca de 3 milhões de euros para as obras de requalificação do conjunto amuralhado e a sua adaptação à atividade turística. Pedro Siza Vieira informou que os investidores interessados podem apresentar propostas até 5 de junho de 2019 e que o imóvel será concessionado durante 50 anos para exploração para fins turísticos. “Estamos muito satisfeitos por estar aqui. Este projeto tem sido muito caro para os cerveirenses, por isso espero que possamos assinalar os 700 anos de Cerveira aqui, num Castelo revivido”, disse Pedro Siza Vieira, seguindo-se uma visita a alguns espaços do Castelo.

Para o autarca cerveirense, "volvidos 10 anos de impasse e de abandono deste espaço, o lançamento do REVIVE abre uma janela de oportunidades para a resolução de uma enorme preocupação dos Cerveirenses". Fernando Nogueira frisou que embora esta “não seja a solução definitiva de todos os problemas subjacentes ao Castelo, é seguramente um passo muito importante para que se concretize o propósito de devolver este imóvel ao serviço dos Cerveirenses, da economia local e dos inúmeros turistas que reconhecem o Castelo como um dos ex-libris do concelho”.

O ato de formalização oficial do lançamento de concurso público decorreu no próprio Castelo, tendo sido acompanhado pela Secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, o Secretário de Estado da Economia, João Correia Neves, o Secretário de Estado da Defesa do Consumidor, João Torres, o Secretário de Estado da Valorização do Interior, João Catarino, além de outras entidades públicas locais, regionais e nacionais, e população.

CERVEIRA APOIA JUVENTUDE

Autarquia apoia política de juventude além-fronteiras

Dois jovens cerveirenses participaram no encontro internacional do projeto ALLEYS - All European Youths for Solidarity, financiado pelo Programa Europa para Cidadãos da União Europeia, que decorreu entre 16 e 19 de janeiro, em Bomarzo (Itália). Apresentação de projetos desenvolvidos no Agrupamento de Escolas de Vila Nova de Cerveira foi uma das mais bem acolhidas entre as sete delegações presentes. Trata-se do 6º projeto no âmbito do Europeísmo, no qual a Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira é parceiro ativo através do envolvimento da juventude.

Projeto Alleys - Foto 3.jpg.jpeg

Do desejo de promover geminações e de partilhar opiniões e reflexões comuns sobre questões importantes para a União Europeia nasce o projeto ALLEYS - All European Youths for Solidarity. Sete parceiros europeus, entre os quais o Município de Vila Nova de Cerveira, decidiram trocar experiências e debater as melhores práticas em torno do futuro da Europa, também na perspetiva das próximas eleições europeias.

O encontro internacional do projeto ALLEYS contou com a presença das delegações de Soriano nel Cimino (Itália), Arnot (Hungria), Deryneia (Chipre), St. Julian's (Malta), Vila Nova de Cerveira (Portugal) e organizações cívicas Balkien (Grécia) e Smart Communication! (Letônia). Durante uma reunião estabelecida com os alunos do Instituto Omnicomprensivo em Orte, os jovens da comitiva portuguesa, Beatriz Fernandes e Leandro Freitas, tiveram a oportunidade de partilhar os projetos desenvolvidos no Agrupamento de Escolas de Vila Nova de Cerveira, recebendo uma ovação pelos presentes pelo enorme conhecimento e pela excelente preparação.

O autarca cerveirense reforça a ideia de que “a integração de jovens nestes projetos europeus constitui-se como uma oportunidade única para expandir os seus horizontes além-fronteiras". Fernando Nogueira assegura que “a aposta municipal numa política de juventude internacional tem-se revelado muito profícua, recebendo muitos elogios dos diversos parceiros pelo interesse e proatividade dos jovens cerveirenses, sem esquecer a grande oportunidade de promoção do turismo a nível internacional”.

Depois do ‘Ponte da Amizade – Europa Sem Fronteiras’, ‘Yieps!’, ‘Knots’, ‘STRinGS’ e ‘WIVAS’, o Município de Vila Nova de Cerveira incorporara a sexta experiência europeia, através do projeto ALLEYS. Denominador comum destas ações incide na participação pública e cidadania ativa, pela criação de políticas de maior proximidade à juventude.

CASA CERVEIRENSE EM LISBOA INAUGURA SEDE SOCIAL

A Casa Cerveirense em Lisboa procede no próximo dia 3 de Fevereiro à inauguração da sua sede social, na Freguesia dos Olivais, mais precisamente na rua Cidade de Vila Cabral, Lote 352, em Olivais Norte.

45494884_891548607709054_7805728917288910848_n.jpg

O anúncio acerca da obtenção de instalações com vista ao funcionamento da sede social foi feito em 2017 por Rosa Paula Brito, Presidente da Direcção daquela instituição regionalista, no decorrer do almoço comemorativo do 8º aniversário, ontem realizado na Quinta da Valenciana, em Fernão Ferro, no concelho de Sesimbra.

Entretanto, a Casa Cerveirense em Lisboa endereçou a todos os cerveirenses – e também ao BLOGUE DO MINHO – o convite que a seguir reproduzimos e agradecemos.

“Caros Cerveirenses e amigos

No próximo dia 3 de fevereiro, com início às 15 Horas, a Casa Cerveirense em Lisboa vai inaugurar a sua sede.

Para tal, e com a simplicidade que se pretende, dispensando a rigidez protocolar, a direção tem o prazer de o convidar, contando que nos honre com a sua presença, num ambiente festivo com a alegria que nos caracteriza.

Iniciaremos com a bênção do espaço, a que se segue um verde de honra, continuando pela tarde a receber quem quiser vir brindar connosco, há existência deste nosso pequeno cantinho, que será a partir deste dia a casa e o ponto de encontro da família cerveirense.

Presidente da Direção

Rosa Brito”

13419249_1758865380995057_1416404357683361511_n.jpg

CERVEIRA ENSINA CRIANÇAS A UTILIZAR A ÁGUA DE FORMA SUSTENTADA

Crianças do concelho aprendem a utilizar a água de forma sustentada

Cerca de 100 alunos do 4º ano de escolaridade do Agrupamento de Escolas de Vila Nova de Cerveira assistiram, esta segunda-feira, à apresentação d’ "O Senhor Ribeiro e o Guarda-rios", um livro pedagógico sobre a poupança de água. Sessão de sensibilização ambiental para o público infantil é promovida pela Águas do Norte, em parceria com os municípios.

biblioteca - agua.jpg

Através da história "O Senhor Ribeiro e o Guarda-rios", escrita pelo autor Pedro Seromenho, e apresentada pela contadora de histórias Paula Guimarães e pelo ilustrador Sebastião Peixoto, os alunos cerveirenses ficaram mais sensibilizados para uma utilização responsável da água, numa sessão acompanhada pela Vereadora da Educação, Aurora Viães.

A terminar a sessão pedagógica divertida, a Engª Cristina Rocha, representante da Águas do Norte, entidade responsável pelo projeto, deu a conhecer uma aplicação para smartphone que visa lembrar e aprender alguns cuidados e regras em prol de uma melhor utilização da água, transmitindo conselhos para serem partilhados com toda a família! Para perdurar na memória os conhecimentos adquiridos, cada criança recebeu um exemplar d’ "O Senhor Ribeiro e o Guarda-rios".

A presente iniciativa resulta de uma candidatura da Águas do Norte no âmbito de um projeto lançado pelo Ministério do Ambiente, que inclui também uma aplicação para telemóvel, com os quais o objetivo é sensibilizar os mais pequenos para uma maior consciência ambiental.

TEATRO E GASTRONOMIA CRUZAM-SE EM CERVEIRA NO ESPETÁCULO "FOGO LENTO"

O Cineteatro de Cerveira recebe, esta sexta-feira e sábado, o mais recente espetáculo das Comédias do Minho, ‘Fogo Lento’. Este projeto nasceu da vontade de investigar as camadas de história dos nossos hábitos culinários quotidianos, e cujos ‘ingredientes’ contribuíram para vencer a terceira edição da Bolsa de Criação Isabel Alves Costa. Sessões têm início às 21h30 e são de entrada livre.

Fogo lento- Banner evento.jpg

Com direção artística de Costanza Givone, “num tempo em que os nacionalismos ganham poder e as pessoas se refugiam em “grupos exclusivos” definidos pela identidade cultural e religiosa, investiga-se os conceitos de “tradição” e “identidade cultural” a partir de algo que faz parte do nosso quotidiano, que nos une e nos orgulha: a culinária”.

De acordo com a sinopse da história: “Há um jantar para ser cozinhado, há uma mulher italiana e um homem português, há uma mesa e há conceitos como identidade ou tradição que precisam de ser descascados e cozinhados em lume brando para se apurar o seu sentido”. O intuito passa por “desvendar lentamente as camadas que os nossos hábitos culinários quotidianos escondem. Viajar do particular ao universal: dum conflito em família ao redor da confeção de um jantar, até aos significados e às memórias mais antigas que este conflito contém”.

Numa iniciativa conjunta das Comédias do Minho, do FIMP e do Teatro Municipal do Porto, o projeto ganhou a Bolsa Isabel Alves Costa e estreou a 20 de outubro de 2018 no Teatro do Campo Alegre no contexto do FIMP – Festival Internacional de Marionetas do Porto. Encontra-se neste momento em circulação no Vale do Minho até fevereiro de 2019.

A ‘Vila das Artes’ acolhe duas sessões de ‘Fogo Lento’, agendadas para esta sexta-feira e sábado, dias 18 e 19 de janeiro, às 21h30, no Cineteatro de Cerveira, com entrada livre.

CERVEIRENSES QUEREM AMBULÂNCIA PARA OS BOMBEIROS

Ambulância para Bombeiros e carrinha para apoio social vencem OP Geral 2018

“+ Socorro” – Aquisição de uma nova ambulância para os Bombeiros Voluntários e “Associações em Movimento” – Aquisição de carrinha de apoio às organizações de âmbito social das freguesias norte do concelho são os dois projetos vencedores da edição 2018 do Orçamento Participativo (OP) Geral de Vila Nova de Cerveira.

OP 2018 VENCEDORES.png

Com uma verba total disponível de 90 mil euros para o OP Geral de Vila Nova de Cerveira, e de entre as seis propostas, a votação recaiu sobre as ideias-projeto que abrangiam as áreas de intervenção da proteção civil e da ação social, e cuja execução decorrerá nos próximos meses.

A proposta intitulada “+Socorro”, apresentada pelo cidadão João Duro, foi a mais votada, com 69% dos votos. O objetivo é adquirir uma Ambulância de Socorro para a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vila Nova de Cerveira, na ordem dos 60 mil euros, que garanta a prestação de um serviço de socorro pré-hospitalar em segurança e de qualidade. De acordo com a descrição do projeto vencedor, o Corpo de Bombeiros do concelho dispõe, atualmente, de duas ambulâncias de socorro, “o que, na maioria dos dias, é manifestamente insuficiente”, situação agravada pela “frota automóvel envelhecida, tendo os veículos uma idade média de 12 anos”.

A segunda proposta mais votada – “Associações em Movimento” – alcançou 27% dos votos, e visa a aquisição de uma viatura ligeira de passageiros (9L), com dois lugares para cidadãos com mobilidade reduzida, que preste apoio às diferentes organizações de âmbito social existentes nas freguesias norte do concelho de Vila Nova de Cerveira. De acordo com o proponente Fernando Barros, o modelo de prestação de serviço assenta “na tradição colaborativa e cooperativa entre as associações/organizações destas freguesias”. Desta forma, “a carrinha deverá ser adquirida para o Centro Paroquial e Social de Campos que, através de celebração de protocolo, a colocará à disposição de outras entidades”. Com um investimento proposto de cerca de 42 mil euros, e dando-se cumprimento ao regulamento, o proponente e entidades beneficiárias estão a analisar a possibilidade de reformulação, uma vez que o montante disponível é de 30 mil euros.

JOVENS DE CERVEIRA DEBATEM ORÇAMENTO PARTICIPATIVO

OP Jovem 2019: Três propostas na primeira Assembleia Participativa

A Escola Básica e Secundária de Vila Nova de Cerveira recebeu, na manhã desta segunda-feira, a primeira Assembleia Participativa da edição 2019 do Orçamento Participativo Jovem. Perante várias dezenas de estudantes, a Vereadora da Educação Aurora Viães explicou o funcionamento deste mecanismo de cidadania ativa e desafiou para a apresentação de propostas. No final, três jovens já submeteram as suas ideias-projeto.

IMG_9087.jpg

Durante a sessão informativa, os jovens presentes manifestaram-se muito interessados no processo e nesta nova abordagem da autarquia que visa uma maior interação com a comunidade escolar. Durante os 30 minutos de esclarecimento e de partilha de ideias foram já submetidas três propostas, de acordo com as áreas de intervenção previamente definidas: Ação Social; Espaços Escolares; Equipamentos Culturais e Lúdicos; e Proteção Ambiental e Energia.

De forma a potenciar um maior envolvimento da população jovem, a Câmara Municipal tem ainda agendada uma segunda Assembleia Participativa para esta quarta-feira, às 18h00, nos Paços do Concelho, e é dirigida a jovens entre os 15 e 35 anos de idade que pretendam obter mais informação sobre como participar, assim como esclarecimento de dúvidas antes de submeter as propostas.

Com um orçamento total de 10 mil euros, o processo do OP Jovem está delimitado a projetos cujo valor máximo seja de 5 mil euros. Não estando definido o número de propostas a executar, a verba cabimentada será distribuída pela ordem das propostas mais votadas. Se a verba total não for esgotada e a proposta seguinte superar o montante ainda disponível do OP Jovem, será negociada com o proponente a sua reformulação ou faseamento. Não sendo possível alcançar um acordo, será considerada a proposta seguinte e assim consecutivamente.

O prazo de submissão de propostas termina esta sexta-feira, 18 de janeiro. Após avaliação e validação pela Comissão Técnica de Análise, as propostas ficarão disponíveis para votação através da plataforma www.op.cm-vncerveira.pt

Podem participar neste processo os jovens com idades entre os 15 e os 35 anos, que sejam naturais, residentes, estudantes ou trabalhadores no concelho. A votação das propostas finalistas irá decorrer entre 11 e 22 de fevereiro, e cada jovem tem direito a 1 voto. A apresentação dos projetos vencedores está marcada para 25 fevereiro.

Toda a informação e documentação necessária (Ficha de inscrição) encontra-se disponível na plataforma do Orçamento Participativo ( www.op.cm-vncerveira.pt)

CERVEIRA NÃO ACEITA DESCENTRALIZAÇÃO A QUALQUER PREÇO

Autarquia aceita descentralização de competências em três áreas

Vila Nova de Cerveira deu luz verde à transferência de competências para o órgão municipal nos domínios das estruturas de atendimento ao cidadão, da gestão do património imobiliário público sem utilização e da gestão das praias marítimas, fluviais e lacustres. No âmbito da CIM Alto Minho, na qual se insere o Município cerveirense, foi consensualmente aceite a descentralização nas áreas da promoção turística e de projetos financiados por fundos comunitários.

Em causa estão 11 decretos-lei setoriais enunciados pelo Governo sobre a descentralização e sobre os quais as autarquias e as entidades intermunicipais se tinham de pronunciar quanto à aceitação da sua entrada em vigor em 2019.

A Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira aprovou a aceitação de cinco dos 11, nomeadamente três de âmbito municipal e dois intermunicipal. No primeiro caso, destacam-se as áreas das estruturas de atendimento ao cidadão, da gestão do património imobiliário público sem utilização e da gestão das praias marítimas, fluviais e lacustres, tendo sido rejeitados os diplomas nas áreas dos jogos de fortuna e azar, vias de comunicação, habitação e estacionamento público.

Por sua vez, a Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho, que agrega os dez concelhos do distrito de Viana do Castelo, informou que a proposta consensualizada recaiu sobre a aceitação de dois diplomas, nas áreas da promoção turística e de projetos financiados por fundos comunitários. Tratam-se de dois domínios com um conjunto alargado de atividades já desenvolvidas e que, de acordo com nota da CIM Alto Minho “que lhe conferem capacidade técnica e de prossecução das competências descritas nos respetivos diplomas legais, em articulação com os municípios seus associados e outras entidades públicas, associativas ou privadas do território da NUT III Alto Minho".

Para o presidente da autarquia cerveirense, Fernando Nogueira, “a descentralização tem de ser acompanhada pela respetiva compensação financeira, sob pena de se colocar em risco a sustentabilidade dos municípios. Nesse sentido, de momento, não estão reunidas as condições mínimas para a aceitação das competências das restantes áreas propostas. Esperemos que esta situação seja rapidamente ultrapassada”.

Recorde-se que o Conselho de Ministros aprovou, no final do ano passado, 21 diplomas para a descentralização, sendo que apenas 11 estão para decisão das autarquias até ao princípio do mês de fevereiro. Apesar da legislação não obrigar a Câmara Municipal a remeter todos os diplomas à Assembleia Municipal para aprovação, o autarca cerveirense já solicitou uma sessão extraordinária de forma a dar a conhecer e

A lei-quadro que prevê que o processo de transferência de competências seja gradual até 2021, ano em que entra em vigor a descentralização.

CERVEIRENSES CANTAM AS JANEIRAS

16 grupos dão as boas-vindas a 2019 aCantar as Janeiras’

A tradição de cantar as janeiras continua a ser celebrada com grande vivacidade em Vila Nova de Cerveira e, este ano, assinala-se já a X edição de um evento que pretende preservar as tradições e o património cultural da região. Dezasseis grupos aceitaram o desafio lançado pela autarquia para subir ao palco do Cineteatro de Cerveira, na tarde deste domingo, e entoar alegres melodias.

48407322_2246009238972901_3361471062045884416_n (3).jpg

Tradição, convívio e intercâmbio cultural voltam a marcar o ‘Cantar as Janeiras’ de Cerveira. Ao todo, 15 grupos cerveirenses e um oriundo da Galiza vão saudar o vasto e fiel público presente com mensagens de Bom Ano.

Trajados a rigor, com letras e sonoridades muito originais, as atuações dos participantes vão decorrer pela seguinte ordem:

  • Amigos da Misericórdia
  • Associação Humanitária Bombeiros Voluntários V. N. Cerveira
  • Centro Social e Paroquial de Campos
  • Centro Paroquial de Reboreda
  • Associação de Pais do Centro Escolar da Vila
  • Pauta de Caprichos- Associação Musical de V. N. de Cerveira
  • Associação Cultural e Recreativa do Divino Salvador de Covas
  • Tuna da Universidade Sénior de Cerveira
  • ORBALHO
  • Rancho Folclórico de Sopo
  • Agrupamento 981 – Campos (Agrupamento de Escuteiros de Campos)
  • Coral Polifónico de Vila Nova de Cerveira
  • Rancho Folclórico de Campos (Associação Cultural Recreativa Minho na Vila)
  • Agrupamento de Escuteiros de Reboreda
  • Rancho Folclórico Infantil e Juvenil de Gondarém
  • Rancho Folclórico e Etnográfico de Reboreda

A X edição do ‘Cantar as Janeiras’ tem início às 15h00, no Cineteatro de Cerveira, com entrada livre.

CASA CERVEIRENSE EM LISBOA INAUGURA SEDE SOCIAL

A Casa Cerveirense em Lisboa procede no próximo dia 3 de Fevereiro à inauguração da sua sede social, na Freguesia dos Olivais, mais precisamente na rua Cidade de Vila Cabral, Lote 352, em Olivais Norte.

13419249_1758865380995057_1416404357683361511_n.jpg

O anúncio acerca da obtenção de instalações com vista ao funcionamento da sede social foi feito em 2017 por Rosa Paula Brito, Presidente da Direcção daquela instituição regionalista, no decorrer do almoço comemorativo do 8º aniversário, ontem realizado na Quinta da Valenciana, em Fernão Ferro, no concelho de Sesimbra.

45494884_891548607709054_7805728917288910848_n.jpg

A Casa Cerveirense em Lisboa endereçou a todos os cerveirenses – e também ao BLOGUE DO MINHO – o convite que a seguir reproduzimos e agradecemos.

“Caros Cerveirenses e amigos

No próximo dia 3 de fevereiro, com início às 15 Horas, a Casa Cerveirense em Lisboa vai inaugurar a sua sede.

Para tal, e com a simplicidade que se pretende, dispensando a rigidez protocolar, a direção tem o prazer de o convidar, contando que nos honre com a sua presença, num ambiente festivo com a alegria que nos caracteriza.

Iniciaremos com a bênção do espaço, a que se segue um verde de honra, continuando pela tarde a receber quem quiser vir brindar connosco, há existência deste nosso pequeno cantinho, que será a partir deste dia a casa e o ponto de encontro da família cerveirense.

Presidente da Direção

Rosa Brito”

48413833_2270654543149469_4341800916475707392_n (1).jpg

A cedência de instalações resulta de um acordo com o Instituto de Habitação e Reabilitação Urbana, I.P.

A escassa distância do Aeroporto de Lisboa, da Segunda Circular, da avenida de Berlim, avenida Infante D. Henrique e da avenida Marechal Gomes da Costa, a sede da Casa Cerveirense beneficia de situação privilegiada devido à da proximidade de proximidade de magníficos parques urbanos constituídos por extensas zonas verdes, de entre os quais se destaca o Parque Urbano do Vale Fundão, um local excelente para a comunidade cerveirense levar a efeito algumas das suas actividades regionalistas.

Capturar1
REGIONALISMO CERVEIRENSE EM LISBOA REMONTA AOS COMEÇOS DA DÉCADA DE OITENTA DO SÉCULO XX
Apesar da Casa Cerveirense em Lisboa contar com pouco mais de nove anos de existência, o regionalismo cerveirense na capital lisboeta tem um historial mais vasto e que remonta aos começos da década de oitenta do século passado, altura em que se começaram a realizar anualmente os chamados “almoços cerveirenses”. Estes tiveram lugar durante vários anos consecutivos e eram organizados pela “Casa Cerveirense”, uma associação que reunia numas instalações na zona da Freguesia de Benfica mas que, contudo, jamais veio a ser legalmente constituída.
Em 1987, a Casa do Concelho de Ponte de Lima realizou em novembro o III Almoço Limiano e, pela primeira vez, juntou os representantes das diversas associações concelhias minhotas então existentes em Lisboa: a Casa do Concelho de Arcos de Valdevez, a Liga dos Amigos do Concelho de Valença e a Casa Cerveirense.
Algum tempo depois, perante a promessa de poderem vir a ocupar cargos diretivos na Casa do Minho, os dirigentes da Casa Cerveirense aderiram a esta associação deixando de realizar os “almoços cerveirenses” e abandonando a ideia da legalização da sua associação regionalista. Porém, há quatro anos, uma nova geração de cerveirenses resolveu meter mãos à obra e constituir a Casa Cerveirense em Lisboa.

img464

A imagem regista um momento do III Almoço Limiano realizado em 1987, vendo-se em primeiro plano o representante da Casa Cerveirense.


A comunidade cerveirense radicada na região de Lisboa é constituída sobretudo por pequenos empresários na área de hotelaria, após uma longa tradição de tabernas e carvoarias onde ombrearam com os galegos. Não obstante, à semelhança do que se verifica com a comunidade minhota em geral, existe uma nova geração de descendentes constituída por jovens licenciados já nascidos na capital lisboeta que anseiam preservar as suas raízes e ligação com a região de origem dos seus país, devendo o regionalismo prestar-lhes uma especial atenção e potenciar as suas capacidades em prol da nossa região.

Apesar de contar com apenas quatro anos de existência, o regionalismo cerveirense na capital lisboeta tem um historial mais vasto e que remonta aos começos da década de oitenta do século passado, altura em que se começaram a realizar anualmente os chamados “almoços cerveirenses”. Estes tiveram lugar durante vários anos consecutivos e eram organizados pela “Casa Cerveirense”, uma associação que reunia numas instalações na zona da Freguesia de Benfica mas que, contudo, jamais veio a ser legalmente constituída.

Em 1987, a Casa do Concelho de Ponte de Lima realizou em novembro o III Almoço Limiano e, pela primeira vez, juntou os representantes das diversas associações concelhias minhotas então existentes em Lisboa: a Casa do Concelho de Arcos de Valdevez, a Liga dos Amigos do Concelho de Valença e a Casa Cerveirense.

Algum tempo depois, perante a promessa de poderem vir a ocupar cargos diretivos na Casa do Minho, os dirigentes da Casa Cerveirense aderiram a esta associação deixando de realizar os “almoços cerveirenses” e abandonando a ideia da legalização da sua associação regionalista. Porém, há quatro anos, uma nova geração de cerveirenses resolveu meter mãos à obra e constituir a Casa Cerveirense em Lisboa.

A comunidade cerveirense radicada na região de Lisboa é constituída sobretudo por pequenos empresários na área de hotelaria, após uma longa tradição de tabernas e carvoarias onde ombrearam com os galegos. Não obstante, à semelhança do que se verifica com a comunidade minhota em geral, existe uma nova geração de descendentes constituída por jovens licenciados já nascidos na capital lisboeta que anseiam preservar as suas raízes e ligação com a região de origem dos seus país, devendo o regionalismo prestar-lhes uma especial atenção e potenciar as suas capacidades em prol da nossa região.

Capturar2

JOVENS DE CERVEIRA DEBATEM ORÇAMENTO PARTICIPATIVO

Jovens cerveirenses desafiados a apresentar projetos para executar em 2019

Já está no terreno uma nova edição do Orçamento Participativo Jovem (OPJ) de Vila Nova de Cerveira. A partir de hoje, os jovens entre os 15 e os 35 anos têm até dia 18 de janeiro para apresentar as suas propostas ao OP Jovem 2019. Reformulação do processo participativo por parte da Câmara Municipal procura um maior envolvimento da comunidade escolar e associativa.

OP JOVEM 2019.jpg

Para além de sensibilizar a população jovem do concelho para uma cidadania mais ativa, a iniciativa tem como objetivo reunir opiniões e contributos que permitam adequar as políticas públicas municipais às suas necessidades e perspetivas.

Com um orçamento total de 10 mil euros, o processo do OP Jovem está delimitado a projetos cujo valor máximo seja de 5 mil euros e que integrem as quatro áreas de intervenção selecionadas: Ação Social; Espaços Escolares; Equipamentos Culturais e Lúdicos; e Proteção Ambiental e Energia. Não estando definido o número de propostas a executar, a verba cabimentada será distribuída pela ordem das propostas mais votadas. Se a verba total não for esgotada e a proposta seguinte superar o montante ainda disponível do OP Jovem, será negociada com o proponente a sua reformulação ou faseamento. Não sendo possível alcançar um acordo, será considerada a proposta seguinte e assim consecutivamente.

Tendo em vista um maior envolvimento da comunidade escolar e associativa, a Câmara Municipal vai dinamizar algumas assembleias participativas em contexto escolar e uma de âmbito mais alargado e aberta ao público, e cujas datas serão anunciadas brevemente.

As propostas devem ser submetidas até dia 18 de janeiro que, após avaliação e validação pela Comissão Técnica de Análise, ficarão disponíveis para votação através da plataforma www.op.cm-vncerveira.pt . Cada jovem, entre os 15 e os 35 anos, natural, residente, estudante ou trabalhador no concelho, tem direito a um voto. A votação das propostas finalistas irá decorrer entre 11 e 22 de fevereiro. A apresentação dos projetos vencedores está marcada para 25 fevereiro.

Toda a informação e documentação necessária (Ficha de inscrição) encontra-se disponível na plataforma do Orçamento Participativo (www.op.cm-vncerveira.pt)

CERVEIRA PREVINE FOGOS FLORESTAIS

Autarquia promove ação de fogo controlado em Covas e Sapardos

Dando continuidade à execução do Plano Regional de Fogo Controlado da CIM do Alto Minho, iniciado em 2018, a Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira arrancou este novo ano de 2019 com uma intervenção nas freguesias de Covas e de Sapardos, queimando cerca de 15 hectares. Objetivo é concretizar mais ações de prevenção da floresta contra incêndios em pontos previamente identificados.

20190103_122227.jpg

Pela preservação e valorização da vasta mancha verde que abraça o seu território, Vila Nova de Cerveira tem vindo a implementar um vasto programa de ação para a defesa da floresta contra incêndios, com recurso a orçamento municipal, mas também a cofinanciamento.

Entre março e julho do ano passado, a Câmara Municipal, com o apoio de diversos parceiros, interveio numa área correspondente a 110ha, através da limpeza de faixas de gestão de combustível nas freguesias consideradas prioritárias, da beneficiação de pontos de água, da limpeza de caminhos florestais e da abertura de corta-fogos, num investimento superior a 150 mil euros.

No arranque de mais um ano civil, uma equipa multidisciplinar esteve, esta quarta-feira, dia 2 de janeiro, nas freguesias de Covas e de Sapardos para uma ação de fogo controlado abrangendo uma área de cerca de 15 hectares. A iniciativa, que contou com o apoio do Município de Vila Nova de Cerveira e respetivas Juntas de Freguesia, teve a colaboração da Equipa de Intervenção Permanente (EIP) dos Bombeiros Voluntários de Vila Nova de Cerveira, da Equipa de Sapadores Florestais SF20-111 de Vila Nova de Cerveira, além da coordenação técnica da CIM Alto Minho, e do Serviço Municipal de Proteção Civil de Vila Nova de Cerveira.

De realçar que este tipo de intervenção permite criar uma descontinuidade dos combustíveis que, em caso de incêndio, dificulta a sua propagação, permitindo aos dispositivos atuar com mais eficácia e segurança. Ao longo deste ano de 2019, o objetivo é o de prosseguir com mais ações de fogo controlado no território concelhio que visem a limpeza de pontos previamente identificados e a formação das equipas responsáveis pelo combate aos incêndios florestais.

CERVEIRENSES "VOAM" EM BALÃO DE AR QUENTE

Experiência de Balão de Ar Quente confirmada para este domingo

A fechar o ano de 2018, Vila Nova de Cerveira proporciona, este domingo, uma experiência única a residentes e visitantes. Integrado pela primeira vez na programação do “Na’tal Cerveira”, a Câmara Municipal surpreende com a realização de um voo cativo num balão de ar quente. Atividade tem um custo simbólico de 1 euro e decorre, entre as 10h00 e as 15h00, no Parque do Centro Coordenador de Transportes.

Balao

Mediante as condições meteorológicas previstas para este domingo, até à data de hoje, a experiência será feita em voo cativo, amarrado com cordas ao solo, onde irá subir até 20 metros de altura, levando cerca de cinco pessoas a bordo do cesto de cada vez. A iniciativa permitirá ter esta experiência única, além de observar o centro histórico cerveirense através de uma outra perspetiva.

O balão de ar quente, que é uma estreia na programação natalícia da ‘Vila das Artes’, vai estar ancorado nas imediações do Parque do Centro Coordenador de Transportes, e para participar apenas é necessário respeitar a fila por ordem de chegada.

A atividade terá um custo simbólico de 1 euro, cobrado na hora pela Comissão de Festas Concelhias em Honra de São Sebastião, com o valor a reverter na totalidade para a realização da edição 2019 das festividades.

Os voos realizam-se entre as 10h00 e as 15h00, com uma interrupção para almoço que será definida pelo operador do balão, mediante o número de pessoas em espera.

PASSAGEM DE ANO EM CERVEIRA... É OUTRA MÚSICA!

Castelo de Cerveira recebe 12 Dj’s para Passagem de Ano

Para aquela que é a noite mais longa do ano, Vila Nova de Cerveira sugere um programa atrativo e gratuito. A ‘Noite Velha no Castelo’ arranca com a atuação da Orquestra Costa Rica em pleno centro histórico e continua madrugada dentro com 12 Dj’s no interior do Castelo. Ás 12 badaladas, a autarquia oferece uvas passas, champanhe e fogo-de-artifício.

CARTAZ NOITE VELHA 2018

Saudar a chegada do novo ano em ambiente festivo é já uma tradição em Vila Nova de Cerveira. Pelo quinto ano consecutivo, a Câmara Municipal oferece uma divertida e glamorosa Passagem de Ano, quer pelo cartaz apresentado quer pelo espaço idílico onde se realiza, integrando já o roteiro das melhores festas de final de ano do Norte do país.

Ao ar livre ou num espaço coberto, a animação musical abrange todos os gostos e idades. Quando o relógio marcar 22h30, o Terreiro é o ponto de encontro para uma noite memorável. A Orquestra Costa Rica vai contagiar os presentes com o seu repertório, não se resistindo a um último ‘pezinho de dança’ de 2018.

Para a contagem das 12 badaladas, a Câmara Municipal oferece uvas passas e champanhe, além de um colorido espetáculo de fogo-de-artifício. Após o brinde entre família e amigos e colocados os desejos e as resoluções para 2019, a animação continua dentro de portas, no Castelo de Cerveira.

Doze Dj’s, distribuídos por três espaços musicais distintos, vão abrilhantar as primeiras horas do novo ano até ao nascer do dia (00h15 até 7h00). O Glass Room apresenta Mariska, Miguel Rendeiro, Xinobi e Ruuar; o Dance Room conta com Álvaro Melo, Diego Morales, Nuno Rodrigues e Cheky-Drums; e o Disco Room apresenta Paulo Ribeiro, Pedro Lima, Pedro Maia e Dj Charlie. Cada área é complementada com serviço de bar.

Com entrada livre, não restam dúvidas de que a Passagem de Ano é em Vila Nova de Cerveira. Venham fazer parte desta história.