Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

SANTA MARTA DE PORTUZELO APRESENTA "A CASA DA DONA ERNESTINA"

A comissão de festas da Romaria de Santa Marta apresenta uma comédia imperdível:

" A CASA DA DONA ERNESTINA DE SANTA MARTA PARA O MUNDO"

Um texto de Amadeu Vilanova e encenação de Serafim Boaventura com um elenco de luxo.

Dias 1, 2, 7 e 8 de Fevereiro.

Mais um ano o teatro volta ao Salão das Taças do Centro Paroquial.

Bilhetes disponíveis a partir do dia 14 de janeiro.

A não perder...

81795985_3284627604897313_1262896916769800192_o.jpg

"VIANAABRAÇA"

  • Crónica de Gonçalo Fagundes Meira

Na década de 1990, na qualidade de membro da Assembleia Municipal de Viana, integrei uma comissão de estudo e acompanhamento na instalação de um aterro sanitário para servir o espaço do Vale do Lima e Baixo Cávado. Tratou-se de um processo nada pacífico. Somos todos muito ecológicos mas ninguém quer um depósito de resíduos próximo do local onde vive. Assumimos que os lixos devem ser convenientemente tratados, mas sempre longe da nossa porta. Se é!

boaspraticasgf (2).jpg

Para além dos protestos, a favor do ambiente, a instalação dos aterros sanitários em todo o espaço nacional acabou por ser uma realidade, terminando com as centenas de lixeiras a céu aberto que povoavam o país. Particularmente a partir deste grande salto ecológico, as questões ambientais, em boa medida, passaram a ter uma atenção redobrada em Portugal. Tinha mesmo que acontecer, porque, apesar das questões ecológicas estarem diariamente em agenda, o mundo, em relação a um futuro longo, já terá muitas dificuldades em preservar este espaço planetário que habitamos.

Contudo a política pró-ambiente mexe-se e multiplica-se. Por exemplo, as medidas com a finalidade de redução e tratamento dos lixos, par de tantas outras ações, estão na ordem do dia. Viana não fica para trás e, presentemente, abraça também a prática da compostagem, numa tentativa para reduzir a colocação de resíduos no aterro sanitário e fazer de parte destes um bom fertilizante para a terra.

Enquadrada no âmbito dos Serviços Municipalizados, uma equipa de jovens, prestáveis e simpáticos, como é próprio de grande parte da juventude, está no terreno a prestar esclarecimentos e a fazer a entrega gratuita de baldes para depósito de tudo o que sobeja da nossa alimentação e posteriormente fazermos o seu encaminhamento para um contentor estanque próximo. Daí resultará então o composto de enriquecimento dos solos, em substituição dos fertilizantes convencionais, conhecidamente nocivos para a natureza.

Depois, a cada euro poupado com a compostagem de resíduos orgânicos, o Município adiciona outro tanto, sendo todo o proveito canalizado para instituições de solidariedade social local. Também aderi à iniciativa. O contentor até está um pouco afastado do local onde moro, mas tal não constitui problema. O planeta merece algum sacrifício e a iniciativa, como tantas outras do género, deve ser acarinhada com o nosso apoio.

goncalofagundes@gmail.com

boaspraticasgf (1).jpg

O TRAJE VERDE DE GERAZ DO LIMA DESTACA-SE PELA SUA SINGULARIDADE ENTRE OS DEMAIS TRAJES MINHOTOS

Segundo reza a tradição, o traje verde de Geraz do Lima foi pela primeira vez confeccionado por volta de 1850, e apresentado publicamente por ocasião da visita da rainha D. Maria II àquela localidade do concelho de Viana do Castelo. Desde então, pela sua singularidade, não mais deixou de ser aparecer, destacando-se de entre os demais trajes tradicionais da região. Mas, apesar de já possuir 170 anos de uso, há quem questione a sua autênticidade como traje tradicional de lavradeira. Mas ele aí está, sempre representado pelos ranchos folclóricos e desfilando na Romaria da Senhora d’Agonia, em Viana do Castelo.

Foto: José Carlos Vieira

20503_10202024033268938_493194714_n

VIANA DO CASTELO: PERRE ESTREIA-SE A VENCER NA 2ª DIVISÃO

A primeira ronda disputada em 2020 ditou sortes distintas para as duas equipas da ADC Perre nos respetivos campeonatos: Primeira vitória no Campeonato Nacional da 2ª divisão e primeira derrota no Campeonato Distrital da AXD Braga.

Equipa B.jpeg

Disputou-se no passado fim de semana mais uma jornada dos campeonatos nacionais e distritais por equipas, esta com a curiosidade de pela primeira vez as duas equipas da ADC Perre disputarem as respetivas partidas em casa.

Depois do prometedor empate frente a uma das equipas mais fortes do torneio na última ronda, a ADC Perre “B” averbou o seu primeiro desaire. A vitória de Paulo Costa Pereira e o empate de Jacinto Tavares nos primeiros tabuleiros revelaram-se insuficientes para levar de vencida os líderes do torneio e ditaram uma derrota pela margem mínima (2 ½ - 1 ½).

Na 2ª Divisão Nacional, a equipa A da ADC Perre obteve a sua primeira vitória na competição (2 ½ - 1 ½). A derrota de Miguel Palhas no terceiro tabuleiro, foi compensada com as vitórias de David Melo e Francisco Parente, nos segundo e quarto tabuleiro respetivamente. O empate de António Franco no primeiro tabuleiro fixou o resultado final.

Finda a segunda ronda de competição a equipa A segue em quarto lugar e na próxima ronda deslocar-se-à ao Porto para defrontar a equipa do GX do Porto “B”. Por sua vez, a equipa B, atual quinta classificada, defrontará o CX A2D “C” em Famalicão.

Prespetiva sala de jogo.jpeg

VIANA DO CASTELO: CENTRO DE ESTUDOS REGIONAIS APRESENTA PROGRAMA DO CICLO DE ESTUDOS "OUTROS MUNDOS"

Apresentação do Ciclo de Estudos “Outros Mundos”

No próximo dia 16 de janeiro (quinta-feira), na Sala Couto Viana da Biblioteca Municipal de Viana do Castelo, pelas 17.00 horas, tem lugar a apresentaçãodo programa do Ciclo de Estudos “Outros Mundos”, iniciativa do Centro de Estudos Regionais.

Apresentação_16.01.2020.jpg

O Ciclo de Estudos “Outros Mundos”, integrado no plano de atividades da Academia Sénior do Centro de Estudos Regionais, é umfórum de partilha de conhecimento e um espaço de reflexão, aberto a toda a comunidade.

Organizado em torno de um conjunto de conferências e de visitas de estudo, sob a coordenação de José Carlos Loureiro e Pedro Pereira, o ciclo de estudos visa dar a conhecer diversas mundividências e representações de outros mundos.

Entre janeiro e junho de 2020, mais de uma dezena de investigadores abordará diversas expressões do mundo tangível e intangível, bem como aspetos dos mundos materializados e dos mundos idealizados. As conferências proporcionarão, igualmente, o confronto de identidades construídas e imaginadas, no presente e no passado, em múltiplas geografias.

Na sessão de apresentação, com entrada livre, José Carlos Loureiro apresentará os objetivos do projeto e divulgará o programa da décima primeira edição do ciclo de estudos.

A direção do Centro de Estudos Regionais

SANTA MARTA DE PORTUZELO APRESENTA "A CASA DA DONA ERNESTINA"

A comissão de festas da Romaria de Santa Marta apresenta uma comédia imperdível:

" A CASA DA DONA ERNESTINA DE SANTA MARTA PARA O MUNDO"

Um texto de Amadeu Vilanova e encenação de Serafim Boaventura com um elenco de luxo.

Dias 1, 2, 7 e 8 de Fevereiro.

Mais um ano o teatro volta ao Salão das Taças do Centro Paroquial.

Bilhetes disponíveis a partir do dia 14 de janeiro.

A não perder...

81795985_3284627604897313_1262896916769800192_o.jpg

MINHOTOS DA EX-CASA DO MINHO DE LOURENÇO MARQUES MARCAM ENCONTRO EM VIANA DO CASTELO

Viana do Castelo vai receber este ano o Almoço-convívio dos minhotos que viveram em Moçambique e fizeram parte da extinta Casa do Minho em Lourenço Marques. O encontro vai ter lugar no próximo dia 2 de Maio, na Quinta da Preza, na Meadela.

484396_10200262053808057_30167815_n

O programa, a fechar até ao final deste mês, deverá incluir a celebração de missa em memória dos conterrâneos falecidos, a realização de uma tarde dançante com música ao vivo e a actuação de um rancho folclórico cuja confirmação se aguarda para breve.

O encontro deverá contar com a presença entre outros, de muitos minhotos radicados em Moçambique, Brasil e Canadá e outros espalhados por todo o país. O BLOGUE DO MINHO espera em breve poder adiantar mais pormenores acerca deste evento.

Como é sabido, os antigos territórios ultramarinos portugueses foram também o destino de muitos minhotos que decidiram ali construir as suas vidas. Rumando diretamente a partir da metrópole ou fixando-se após o cumprimento do serviço militar naquelas paragens, Angola e Moçambique vieram a tornar-se a segunda terra para muitos dos nossos conterrâneos que assim trocavam a estreita courela pela desafogada machamba ou simplesmente empregavam-se na atividade comercial das progressivas cidades de Luanda e Lourenço Marques, atual Maputo.

Porém, a recordação do Minho distante não os abandonou e permaneceu sempre nos seus corações. E, a provar esse amor filial, criaram as suas próprias associações regionalistas a fim de manterem mais viva a sua portugalidade e as raízes minhotas. Em Lourenço Marques, fundaram a Casa do Minho em 1955.

Durante duas décadas consecutivas, aquele foi o ponto de encontro das nossas gentes em terras moçambicanas. Ali se construíram novas amizades e conservavam as suas tradições. A constituição de um Rancho Folclórico no seio daquela associação foi um dos melhores exemplos do seu apego às origens. Até que a descolonização veio alterar o rumo das suas vidas e determinar a extinção da Casa do Minho.

Não obstante, muitos dos minhotos e amigos da Casa do Minho, que dela fizeram parte ou de alguma forma por lá passaram, não esquecem esses tempos saudosos e, todos os anos continuam a reunir-se no Minho em alegre e amistosa confraternização, partilhando recordações e revivendo a terra que também amaram – Moçambique!

Rancho 4

Rancho3

10991171_10202563334284163_1027646422323654939_n

10246619_10200970665868448_3206099960279488663_n

Rancho2

Rancho 5

1525551_10200518721930132_592918424_n

PAULO DUQUE É DELEGADO AO CONGRESSO NACIONAL DO PSD

Paulo Duque, actual Presidente da Casa do Minho, integra a lista de delegados ao Congresso Nacional do Partido Social Democrata que vai ter lugar em Viana do Castelo, entre os dias 7 e 9 de Fevereiro.

17426394_1375173829185989_5558086426948052699_n

Independentemente das opções políticas em relação às quais podemos ou não estar de acordo, trata-se de um exemplo de participação cívica que apraz registar.

De trato lhano, Paulo Duque é um dos minhotos mais conhecidos e estimados pela comunidade minhota radicada na região de Lisboa.

De seu nome completo Joaquim Paulo Barreiro Duque, ele é actualmente o Presidente da Direcção da Casa do Minho em Lisboa. Natural da Freguesia de Covas, no concelho de Vila Nova de Cerveira, é filho de lavradores, tendo juntamente com os seus cinco irmãos trabalhado na lavoura até aos 10 anos de idade. É casado com Maria Teresa Duque e tem três filhos – Marcelo Gonçalo Duque, Ana Sofia Duque e João Pedro Duque – que sempre o acompanham nomeadamente no Rancho Folclórico da Casa do Minho.

Há mais de quarenta anos, seguindo o exemplo de muitos minhotos, veio para Lisboa trabalhar numa taberna de um familiar no Largo da Anunciada. Daí rumou a Elvas e mais tarde a Mafra, em 1986, para cumprir o serviço militar obrigatório, onde foi condutor e tendo sido distinguido com um louvor como reconhecimento do seu trabalho, dedicação e conduta exemplar.

Em 1988, uma vez cumprido o serviço militar, regressou à hotelaria, explorando um restaurante na zona do Lumiar e mais tarde uma pastelaria na área do Cais do Sodré. Mas, haveria de começar a trabalhar por conta própria num restaurante situado na rua da Palma e, mais tarde no restaurante “Dois e Dois”, onde ainda se mantém como sócio-gerente.

Para Paulo Duque, a cozinha é uma paixão que herdou do pai e dedica uma especial devoção à cozinha tradicional minhota… que o digam os comensais que acorrem à Casa do Minho para se deliciarem com o arroz de lampreia e a couvada que ele próprio confecciona!

Mas, os seus talentos não se ficam pela arte de bem cozinhar. As suas habilidades vocais já o levaram em 1991 a gravar um cd de cantares ao desafio juntamente com os cantadores José da Silva e Tony Moreira.

Foi também catequista católico na igreja de S.josé da Anunciada e integrou um grupo de jovens desta comunidade paroquial e também do Sagrado Coração de Jesus.

Como cidadão – e os minhotos querem-se cidadãos participativos e de comportamento exemplar quaisquer que sejam as suas opções políticas – foi membro da Assembleia de Freguesia de Alcântara durante três mandatos, tendo no último sido Secretário da Mesa da Assembleia de Freguesia.

Na casa do Minho em Lisboa, foi em 1989 eleito para a Direcção como tesoureiro e, mais recentemnte, eleito Presidente da Direcção, como aliás o BLOGUE DO MINHO divulgou oportunamente.

Integra o Rancho folclórico da Casa do Minho desde 1991 como director mas também cantador, apresentador e coordenador do mesmo. Como cerveirense, foi um dos fundadores da Casa Cerveirense, da qual é Vice-Presidente da Assembleia Geral.