Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

VIANA DO CASTELO INAUGURA EMPREITADA DE REMODELAÇÃO DE INFRAESTRUTURAS E REQUALIFICAÇÃO URBANÍSTICA DA AVENIDA DO CRUZEIRO DE VILA NOVA DE ANHA

GCI_4205.jpg

O Presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo, Luís Nobre, marcou ontem presença na cerimónia de inauguração da empreitada de remodelação de infraestruturas e requalificação urbanística da Avenida do Cruzeiro, na freguesia de Vila Nova de Anha, um investimento de mais de 203 mil euros para melhorar as condições de vida da população local.

A empreitada de remodelação das redes de águas residuais e pluviais e rede de abastecimento de água de Vila Nova de Anha (1ª fase) beneficia cerca de 400 metros da Avenida do Cruzeiro, num investimento conjunto com as Águas do Alto Minho que ascende a mais de 103 mil euros, relativo à remodelação das redes de águas residuais e águas pluviais com o objetivo de melhorar o sistema de drenagem existente e proteger o ambiente e promover a eficiência dos recursos hídricos.

Esta empreitada permitiu, assim, a remodelação do coletor de saneamento da Avenida do Cruzeiro, numa extensão aproximada de quatrocentos metros, e do coletor de águas pluviais ao longo da mesma artéria. Ao mesmo tempo, foi também remodelada a conduta de abastecimento de água e todas as ligações e ramais existentes no local, nomeadamente à Escola de Ensino Básico e Jardim de Infância de Vila Nova de Anha, ao Campo de Jogos Dr. José de Alpuim Sobrinho e às moradias da área.

A esta obra juntam-se mais 100 mil euros para requalificação urbanística e pavimentação da área abrangida.

Na sua intervenção, o Presidente da Junta de Freguesia, Filipe Silva, sublinhou a importância do dia para a freguesia enquanto comunidade, sendo que esta “é uma primeira fase do trabalho e de uma estratégia definida pelo executivo” e tem por objetivo “requalificar um cartão de visita tão importante de Vila Nova de Anha”.

Já o autarca Luís Nobre lembrou que “não há desenvolvimento sem estratégia e só dessa forma se avança de forma coordenada”, sendo que a empreitada ontem inaugurada é parte dessa mesma estratégia de coesão territorial que visa “o desenvolvimento estruturado das freguesias e do concelho”, lembrando os diversos investimentos efetuados na freguesia.

GCI_4187.jpg

GCI_4189.jpg

GCI_4197.jpg

GCI_4226.jpg

GCI_4240.jpg

BRAGA LANÇA NOVA EDIÇÃO DO PRÉMIO MUNICIPAL DE REABILITAÇÃO URBANA

424958067_835123105322633_5144474936445203756_n.jpg

O Município de Braga vai lançar uma nova edição do “Reabilita Braga” Prémio Municipal de Reabilitação Urbana. O regulamento de atribuição do prémio será apreciado pelo Executivo Municipal, em sede de Reunião de Câmara, seguindo depois para um período de consulta pública.

O Prémio “Reabilita Braga”, procura incentivar e promover as intervenções de regeneração urbana e de restauro do património edificado, contribuindo para a prossecução das políticas municipais de divulgação e estímulo da reabilitação urbana.

Para João Rodrigues, vereador que tutela a Regeneração Urbana, este prémio pretende “distinguir as melhores iniciativas de promoção de reabilitação e regeneração urbana de Braga, numa perspectiva multidisciplinar, considerando o impacto para a Cidade nas suas dimensões social, económica e cultural, assim como a salvaguarda e promoção do património edificado”.

O “Reabilita Braga” está estruturado em duas categorias: “Obra de Restauro e de Reabilitação” para intervenções em espaço público e/ou edifícios; e “Nova Edificação em ARU” para novas construções em tecido urbano consolidado e circunscrito às Áreas de Reabilitação Urbana do Concelho.

As obras vencedoras serão distinguidas com um troféu, com menção obrigatória do Prémio REABILITA BRAGA, e um prémio em valor pecuniário de 5.000 euros no caso da categoria “Nova Edificação em ARU” e de 10.000 euros no caso da categoria “Obra de Restauro e Reabilitação”, atribuído em percentagens iguais entre o proprietário e a equipa projectista representada pelo autor do projecto de arquitectura.

BRAGA ATINGE CERCA DE DUAS MIL NOVAS LICENÇAS URBANÍSTICAS EMITIDAS EM 2023

Aumento superior a 30% face aos números de 2022

Braga prevê chegar, até ao final de 2023, com cerca de dois mil procedimentos de licenciamento urbanístico concluídos, sendo que o número de procedimentos aprovados entre 1 de Janeiro e 31 de Dezembro de 2022 (1499) foi já atingido no início do mês de Outubro do presente ano.

João Rodrigues (9).jpg

João Rodrigues, vereador do Município de Braga, destaca os esforços que têm sido desenvolvidos pela autarquia para responder de forma cada vez mais ágil no âmbito dos procedimentos administrativos de licenciamento urbanístico, sejam eles para fins habitacionais, sejam para fins de fixação e ampliação de actividades económicas.

“Desenvolvemos esforços a vários níveis que nos permitiram chegar a estes números: desde a reestruturação dos serviços do Município, que levámos a cabo no início de 2022, à contratação de mais meios, quer humanos, quer ao nível dos processos de digitalização e informatização dos sistemas com que trabalhámos. Tem sido nosso foco aumentar a rapidez, o rigor técnico e, em consequência, o número de procedimentos concluídos”, refere o vereador, sublinhando que a ´digitalização permite também aumentar a transparência dos processos tramitados e a confiança dos cidadãos e empresas nos serviços municipais´.

De acordo com João Rodrigues, estes números possibilitam um volume de construção ´bem acima do resto do país´ e reforçam a estratégia de desenvolvimento urbano equilibrado e de atenção às necessidades habitacionais da população.

“Os serviços do urbanismo do Município são agora mais ágeis, mais produtivos e, sobretudo, respondem cada vez melhor às necessidades dos cidadãos. Considerando que a cidade tem crescido substancialmente nos últimos anos, é fundamental que se criem condições para que este crescimento seja sustentado e é para isso que temos trabalhado com o sucesso que estes números bem demonstram", sublinha.

Braga é a segunda capital de distrito com menor taxa de esforço no acesso à habitação

João Rodrigues sublinha ainda que, numa altura em que Portugal enfrenta uma crise sem precedentes no acesso à habitação, Braga está ´na dianteira neste sector´, aumentando a oferta no seu parque habitacional e criando condições para o sector privado desenvolver novas soluções residenciais.

“Braga é a segunda capital de distrito em que a taxa de esforço no acesso à habitação é menor. Apesar da crise que se vive nesta área, conseguimos promover um ambiente favorável ao crescimento económico e a um maior dinamismo na oferta habitacional. A juntar a isso, temos um conjunto amplo de apoios incluídos na Estratégia Local de Habitação do Município que vem dar resposta quer aos sectores da população mais desfavorecidos, quer a agregados da classe média que também têm sentido dificuldades em aceder a habitação condigna”, afirma o vereador.

FAMALICÃO COLOCA À DISCUSSÃO PÚBLICA O PROGRAMA ESTRATÉGICO DE REABILITAÇÃO URBANA DE RIBA D’AVE E OLIVEIRA SÃO MATEUS

Encontra-se a decorrer, até ao dia 21 de julho, o período de discussão pública do Programa Estratégico de Reabilitação Urbana de Riba d’Ave e Oliveira São Mateus.

Durante este período, os interessados poderão formular reclamações, sugestões ou observações, através do email camaramunicipal@famalicao.pt, por via postal ou presencialmente, no Balcão Único de Atendimento do município.

A este propósito, refira-se ainda que serão dinamizadas duas sessões de apresentação e debate do programa nas freguesias abrangidas por esta estratégia: em Riba d’Ave, no dia 11 de julho, às 18h30, no Café Concerto do Teatro Narciso Ferreira, e em Oliveira São Mateus, no dia 12 de julho, às 18h30, no Salão Nobre da Junta de Freguesia.

Os documentos podem ser consultados no site do Município, em www.famalicao.pt, e no departamento de Ordenamento e Gestão Urbanística da Câmara Municipal onde poderá ser solicitado atendimento técnico, no horário de atendimento ao público, com marcação prévia. 

Refira-se que o Programa Estratégico de Reabilitação Urbana de Riba d’Ave e Oliveira São Mateus define um conjunto de ações a implementar no território, associadas a investimento público e privado. Estabelece, ainda, um conjunto de incentivos e benefícios fiscais capazes de apoiar os objetivos propostos para esta área, de forma a valorizar, requalificar e a criar melhores condições de vida à comunidade.

BARCELOS REABILITA PASSAGEM PEDONAL SOBRE A CIRCULAR URBANA E ARRANJO URBANÍSTICO DO LARGO DOS COMBATENTES

Obras no valor de 220 mil euros vão arrancar em Arcozelo

Há mais duas obras municipais que vão arrancar brevemente na freguesia de Arcozelo. Trata-se da empreitada de “Reabilitação da Passagem Pedonal sobre o Complexo Rodoviário de Barcelos”, adjudicada à empresa Cunha & Costa – Construção e Engenharia, Lda., pelo valor de cerca de 145 mil euros, e da obra do “Arranjo Urbanístico do Espaço Envolvente do Polidesportivo do Largo dos Combatentes do Ultramar”, adjudicada à empresa Bruno Barbosa Araújo, Unipessoal Lda., pelo montante de 76 mil euros.

Segundo o presidente da Câmara Municipal, Mário Constantino, “estas duas obras visam objetivos diferentes, mas ambos muito importantes”. A empreitada de reabilitação da passagem pedonal sobre a circular urbana “destina-se a reparar essa via pedonal e a controlar a deterioração daquela estrutura”; o arranjo urbanístico do Largo dos Combatentes do Ultramar pretende dotar aquele espaço de nova estética, “mais convidativo ao lazer, com mobiliário urbano, mais áreas verdes e mais arborização”.

Reabilitação da passagem pedonal sobre a circular urbana em Arcozelo

Construída em 1977, após uma inspeção técnica da passagem pedonal que liga a Rua Dr. Aníbal Araújo à Rua D. Maria José Novais, foram identificadas algumas anomalias que urge corrigir e reparar para preservar o funcionamento daquela estrutura.

A intervenção vai incidir na reparação de algumas armaduras que já estão à vista por deficiente camada de recobrimento, do pilar central que apresenta fissuras e das juntas de dilatação e zonas de transição que estão degradadas. Serão colocados sistemas de recolha das águas pluviais e intervencionados os guarda-corpos que apresentam alguma corrosão.

O prazo de execução desta empreitada é de dois meses.

Arranjo Urbanístico do Espaço Envolvente do Polidesportivo do Largo dos Combatentes do Ultramar em Arcozelo

Na empreitada do arranjo urbanístico do Largo dos Combatentes do Ultramar, os pavimentos existentes serão substituídos por paralelepípedos de betão. No estacionamento automóvel existente a norte, serão marcados dois lugares para pessoas com mobilidade condicionada.

As áreas ajardinadas passarão a ser arbustivas, sendo removidas as árvores existentes que se encontram bastante fragilizadas e substituídas por nove árvores de sombra.

O espaço será dotado de mobiliário urbano com bancos maciços de granito, uma mesa de piquenique, uma placa identificativa dos Caminhos de Santiago e uma papeleira.

O muro de suporte existente e os muretes envolventes ao polidesportivo (interior/exterior) serão requalificados e pintados.

A execução da empreitada tem um prazo de 150 dias.

NOVA UNIDADE DE EXECUÇÃO URBANÍSTICA DE FAMALICÃO EM DISCUSSÃO PÚBLICA

Sessão de esclarecimento, segunda-feira, 20 de março, pelas 18h00, no Salão da Assembleia Municipal

Tem início na quinta-feira, dia 9 de março, o período de discussão pública da nova Unidade de Execução Urbanística da área norte da cidade de Vila Nova de Famalicão, que vai melhorar consideravelmente os acessos ao Hospital S. João de Deus e à zona envolvente, através da criação de uma rotunda na Avenida 9 de Julho e respetivas ligações viárias ao hospital e à zona do Talvai. O aviso em Diário da República foi publicado no passado dia 2 de março, e a discussão pública estará aberta por um período de 20 dias úteis - contado cinco dias após a publicação do aviso -, pelo que terminará no dia 5 de abril.

EN 206 - Hospital20230206_0006.jpg

Os interessados poderão consultar a proposta da Unidade de Execução na página eletrónica do Município em www.famalicao.pt (https://www.famalicao.pt/area-norte-da-cidade). Entretanto, no dia 20 de março, pelas 18h00, a Câmara Municipal organiza uma sessão de esclarecimento pública sobre o processo, que decorrerá no edifício dos Paços do Concelho, no Salão da Assembleia Municipal.

A área delimitada localiza-se junto da Avenida 9 de Julho e da Rua Norton de Matos, a norte do Hospital S. João de Deus, na União das Freguesias de Vila Nova de Famalicão e Calendário, abrange uma área com 23.490,25m², cumpre os requisitos legais quanto aos critérios de delimitação das unidades de execução e visa a estruturação e consolidação da área norte da cidade.

A proposta visa um reparcelamento e uma infraestruturação de uma área destinada à edificação. Com zonas comerciais e de serviços, e outras destinadas à habitação, permitindo, por sua vez, a eliminação de uma área de risco sanitário existente, bem como um novo acesso condigno e fundamental ao hospital, tanto para ambulâncias, como para o trânsito em geral, com a mais-valia de um parque de estacionamento público na proximidade.

A concretização da unidade de execução irá, também, permitir disponibilizar ao domínio público uma área de 3.274m² de terreno, para a construção de um Parque de Estacionamento Público, permitindo aumentar a oferta de lugares de estacionamento na área adjacente ao Hospital S. João de Deus.

VIANA DO CASTELO DEBATE REABILITAÇÃO DE DARQUE

Seminário “Cidade (i)Nova: Reabilitar para quê e para quem?” debateu futuro da nova ARU Cidade Nova de Darque

O Presidente da Câmara Municipal, Luís Nobre, quer criar condições para equilibrar as vivências das duas margens do rio Lima. “Temos que conseguir agregar algumas ações que permitirão criar condições para que as duas margens do rio sejam vividas da mesma forma e que agreguem a frente fluvial como uma só”, defendeu o autarca na sua intervenção durante o seminário “Cidade (i)Nova: Reabilitar para quê e para quem?”, que tinha como objetivo apresentar e debater a nova Área de Reabilitação Urbana da Cidade Nova, em Darque.

Capturardar5 (14).JPG

No encontro que pretendeu dar a conhecer a nova ARU, que abrange a área da Cidade Nova, dando a conhecer as oportunidades de investimento para investidores e particulares, o autarca lembrou a estratégia de reabilitação urbana de Viana do Castelo, onde foram investidos fundos públicos que ascendem aos 18 milhões de euros, e lembrando que um terço deste investimento foi para a freguesia de Darque.

“As políticas públicas das ARUS permitem dar segurança na nossa aposta na reabilitação urbana e Darque e a Cidade Nova acompanham esta aposta, sendo agora necessário criar oportunidades e concretizar estratégias”, defendeu ainda, enfatizando que a reabilitação do edificado é um grande desafio da autarquia, dando como exemplo o antigo matadouro, que aguarda uma candidatura a fundos comunitários para acolher novas valências.

“Na Cidade Nova estamos a falar de investimentos públicos e privados”, informou ainda na sua intervenção, sublinhando a aposta com números: em 2021 houve mais de 22 milhões de euros de investimento em reabilitação através de processos de reabilitação que deram entrada na autarquia, sendo que em Novembro de 2022 o valor já ascende a 26 milhões de euros em 630 processos de reabilitação.

Recorde-se que, em setembro passado, foi aprovada a constituição da 12ª Área de Reabilitação Urbana do concelho, designada Cidade Nova, na freguesia de Darque. A delimitação da nova ARU enquadra-se na estratégia de desenvolvimento definida para o município, que tem na reabilitação urbana e na melhoria do ambiente urbano um dos seus principais pilares de sustentação.

A área “corresponde a um polígono confinante com a delimitação para a ARU proposta, ao longo do eixo da EN 13, nos limites entre a Urbanização da Quinta da Bouça e da Quinta do Sequeiro”. A área alvo de delimitação tem cerca de 31,28 hectares e a população residente, de acordo com os Censos de 2011, é composta por cerca de 767 indivíduos. Quando analisado o edificado existente nesta área, verifica-se que grande parte possui mais de 30 anos, pelo que se justifica a adoção de medidas que contribuam para a sua reabilitação.

A ARU Cidade Nova – Darque tem como objetivos promover o crescimento inteligente, promover o crescimento sustentável, promover o crescimento inclusivo e, ao nível da administração e gestão do território, visa: reforçar a política de reabilitação; definir um contexto regulamentar, económico e fiscal propício à reabilitação; assegurar o acesso a fontes de financiamento para a reabilitação urbana; adotar medidas de gestão adequadas à promoção da reabilitação urbana; dar acesso aos proprietário e titulares de outros direitos, ónus e encargos sobre os edifícios ou frações a um conjunto mais alargado de incentivos disponíveis; aumentar e estimular a oferta habitacional através de políticas adequadas.

A delimitação da ARU produz os seguintes efeitos: simplifica e agiliza os procedimentos de licenciamento e de comunicação prévia de operações urbanísticas; obriga à definição pelo Município de benefícios fiscais associados aos impostos municipais, nomeadamente o Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e o Imposto Municipal sobre as Transmissões onerosas de imóveis (IMT); confere aos proprietários e titulares de outros direitos, ónus e encargos sobre os edifícios ou frações nela compreendidos o direito de acesso aos apoios e incentivos fiscais e financeiros à reabilitação urbana, nomeadamente em sede de Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), Imposto sobre o Rendimento de pessoas Singulares (IRS) e Imposto sobre o Rendimento de pessoas Coletivas (IRC); permite o acesso facilitado a financiamento para obras de reabilitação; compromete o Município a aprovar uma operação de reabilitação urbana para esta área num prazo máximo de três anos, sob pena de caducidade da ARU.

Para esta nova ARU, como medida adicional de incentivo, propôs-se a redução em 50% das taxas administrativas cobradas pela Câmara Municipal no âmbito dos processos relativos a ações de reabilitação, nos termos definidos pela lei. Propõe-se ainda que a isenção de IMI seja renovada, a requerimento do proprietário, por mais cinco anos, no caso de imóveis afetos a arrendamento para habitação permanente ou a habitação própria e permanente.

Capturardar4 (1).JPG

Capturardar1 (2).JPG

Capturardar2 (2).JPG

Capturardar3 (2).JPG

VIANA DO CASTELO DEBATE REABILITAÇÃO DE DARQUE

Seminário “Cidade (i)Nova: Reabilitar para quê e para quem?” a 7 de dezembro para debater ARU Cidade Nova de Darque

No dia 7 de dezembro, entre as 14h30 e as 17h30, será promovido o seminário “Cidade (i)Nova: Reabilitar para quê e para quem?”, no Hotel FeelViana, para apresentar e debater a nova Área de Reabilitação Urbana da Cidade Nova, em Darque, no âmbito da segunda edição das Jornadas Viana Práxis.

O encontro pretende dar a conhecer a nova ARU, que abrange a área da Cidade Nova, dando a conhecer as oportunidades de investimento para investidores e particulares.

O Presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo, Luís Nobre, fará a sessão de abertura do seminário e a nova área de reabilitação urbana será apresentada ao pormenor. Outros temas, tais como novas tendências do mercado imobiliário, os desafios da habitação, instrumentos financeiros e oportunidades de negócio serão debatidos por diversos oradores, que integram os dois painéis ao longo da tarde.

Tendo como objetivo incentivar o pensamento crítico e uma participação pública ativa, como contributos e bases de planeamento e gestão urbana de Viana do Castelo, o seminário é dirigido a investidores e público em geral, sendo necessária a inscrição prévia até dia 5 de dezembro, através do link: http://www.cm-viana-castelo.pt/pt/2-edicao-as-jornadas-viana-praxis

Recorde-se que, em setembro passado, foi aprovada a constituição da 12ª Área de Reabilitação Urbana do concelho, designada Cidade Nova, na freguesia de Darque. A delimitação da nova ARU enquadra-se na estratégia de desenvolvimento definida para o município, que tem na reabilitação urbana e na melhoria do ambiente urbano um dos seus principais pilares de sustentação.

            A área “corresponde a um polígono confinante com a delimitação para a ARU proposta, ao longo do eixo da EN 13, nos limites entre a Urbanização da Quinta da Bouça e da Quinta do Sequeiro”. A área alvo de delimitação tem cerca de 31,28 hectares e a população residente, de acordo com os Censos de 2011, é composta por cerca de 767 indivíduos. Quando analisado o edificado existente nesta área, verifica-se que grande parte possui mais de 30 anos, pelo que se justifica a adoção de medidas que contribuam para a sua reabilitação.

            A ARU Cidade Nova – Darque tem como objetivos promover o crescimento inteligente, promover o crescimento sustentável, promover o crescimento inclusivo e, ao nível da administração e gestão do território, visa: reforçar a política de reabilitação; definir um contexto regulamentar, económico e fiscal propício à reabilitação; assegurar o acesso a fontes de financiamento para a reabilitação urbana; adotar medidas de gestão adequadas à promoção da reabilitação urbana; dar acesso aos proprietário e titulares de outros direitos, ónus e encargos sobre os edifícios ou frações a um conjunto mais alargado de incentivos disponíveis; aumentar e estimular a oferta habitacional através de políticas adequadas.

A delimitação da ARU produz os seguintes efeitos: simplifica e agiliza os procedimentos de licenciamento e de comunicação prévia de operações urbanísticas; obriga à definição pelo Município de benefícios fiscais associados aos impostos municipais, nomeadamente o Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e o Imposto Municipal sobre as Transmissões onerosas de imóveis (IMT); confere aos proprietários e titulares de outros direitos, ónus e encargos sobre os edifícios ou frações nela compreendidos o direito de acesso aos apoios e incentivos fiscais e financeiros à reabilitação urbana, nomeadamente em sede de Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), Imposto sobre o Rendimento de pessoas Singulares (IRS) e Imposto sobre o Rendimento de pessoas Coletivas (IRC); permite o acesso facilitado a financiamento para obras de reabilitação; compromete o Município a aprovar uma operação de reabilitação urbana para esta área num prazo máximo de três anos, sob pena de caducidade da ARU.

Para esta nova ARU, como medida adicional de incentivo, propôs-se a redução em 50% das taxas administrativas cobradas pela Câmara Municipal no âmbito dos processos relativos a ações de reabilitação, nos termos definidos pela lei. Propõe-se ainda que a isenção de IMI seja renovada, a requerimento do proprietário, por mais cinco anos, no caso de imóveis afetos a arrendamento para habitação permanente ou a habitação própria e permanente.

PONTE DA BARCA: MAIS DE UM MILHÃO E MEIO DE EUROS PARA REABILITAÇÃO DO BAIRRO DE AGRELOS

A Câmara Municipal de Ponte da Barca vai reabilitar, ao abrigo do programa 1º Direito, 24 apartamentos divididos pelos 3 blocos que compõem o Bairro de Agrelos, em Ponte da Barca, num investimento de 1.588.607,00€.

obrasbairrobarca (1) (2).jpg

Como refere o Presidente da Câmara Municipal, Augusto Marinho, “esta intervenção vai criar melhores condições de habitabilidade e dignidade de modo a melhorar a qualidade de vida destas famílias”.

Apesar dos 3 blocos do complexo serem de uma construção relativamente recente, apresentam diversas anomalias no que toca a impermeabilização, isolamento e ventilação, quer no interior dos fogos/unidades de habitação quer no exterior e espaços comuns

Relativamente à envolvente exterior, os problemas incidem sobre a deterioração do isolamento existente em caixa de ar intermédia, inúmeras pontes térmicas decorrentes do sistema construtivo utilizado à época de construção, caixilharias em alumínio sem corte térmico e deterioração da impermeabilização da cobertura. Este conjunto principal de problemas identificados resultam não só numa fraca prestação térmica dos edifícios como no surgimento de problemas no interior dos apartamentos.

Os problemas no interior dos fogos são, não só mas também, resultado do problemas existentes na envolvente exterior  traduzem-se em bolores  nos tetos e paredes nas instalações sanitárias, na degradação do pavimento em taco, e ainda em termos funcionais a degradação do mobiliário em fórmica das cozinhas.

Deste modo, as intervenções ao nível do exterior vão ser corrigidos problemas de eficiência energética e impermeabilidade, e no interior as intervenções vão passar, essencialmente, pela substituição de pavimento, mobiliário das cozinhas, substituição de loiças sanitárias, cerâmicos de cozinhas e instalações sanitárias, carpintaria de interiores, pintura de paredes e tetos, entre outros.

Tratando-se de unidades habitacionais para resposta a necessidades sociais, e existindo casos de moradores com dificuldades de mobilidade, as obras pressupõem ainda intervenções nas instalações sanitária para adaptação a cadeira de rodas e noutros casos substituiu-se a banheira por uma base de duche.

Recorde-se que o “1º Direito” é um programa de apoio ao acesso à habitação do IHRU - Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana.

obrasbairrobarca (2) (1).jpg

obrasbairrobarca (3) (1).jpg

AUTARCA DE VIANA DO CASTELO APRESENTA BOAS PRÁTICAS NO CONGRESSO “CIDADES QUE CAMINHAM”

O Presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo, Luís Nobre, participou hoje no congresso “Cidades que Caminham”, organizado pelo Instituto de Cidades e Vilas com Mobilidade (ICVM), e que acontece na Fundação Manuel António da Mota, no Porto, tendo destacado o Plano de Mobilidade Urbana Sustentável que está a ser desenvolvido para a cidade.

presidente cidades que caminham.jpg

O autarca vianense marcou presença no painel “Boas práticas de cidades que planeiam a caminhabilidade” e referiu que o Plano irá incorporar a concessão interurbana, o novo serviço ferroviário e fluvial, aprofundando ainda a viabilização de constituição de operadores ferroviários e fluviais locais.

Viana do Castelo lançou recentemente o concurso internacional de ideias para a nova ponte pedonal, que irá favorecer os modos suaves. Foi ainda uma das cidades fundadoras da Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis e prepara-se para ser Cidade Europeia do Desporto em 2023.

Luís Nobre referiu que, em Portugal, “passaram mais de duas décadas de densas reflexões, desafios, estratégias, debates que incidiram e influenciaram a requalificação urbana e ambiental, o planeamento e ordenamento do território e a qualidade de vida urbana, o que também se refletiu em Viana do Castelo”, já que o município vianense tem vindo a material políticas públicas ativas desde 2002 para potenciar os modos suaves e a mobilidade ativa.

O autarca referiu que este planeamento estratégico já tem vindo a ser promovido ao longo de quatro gerações, tendo o programa Viana Polis gerado 100 milhões de euros de investimento em revitalização urbana, nomeadamente numa rede ciclável de 18,7 kms, estando projetados 23,4 kms. Através da Polis Litoral Norte foram construídas 26 kms de Ecovia Litoral Norte. A empreitada da Praia Norte representou um investimento de 2,15 milhões de euros, a Praia da Amorosa sofreu obras de 1,58 milhões, tendo ainda Viana do Castelo recebido 11 ações que totalizaram 10 milhões de euros.

Os transportes urbanos, a requalificação da Linha do Minho, os miniautocarros elétricos, foram outros passos dados pelo município em prol da mobilidade.

Segundo a presidente do ICVM, Paula Teles, o congresso pretende afirmar a necessidade de se "voltar a pôr as cidades a caminhar" e de tanto autarcas como políticos e técnicos começarem essa mudança pelos "passeios", infraestruturas que, disse, "não podem ser barreiras arquitectónicas".

ARCOS DE VALDEVEZ ABRE MAIS UMA FASE DA REABILITAÇÃO URBANA

Já se encontra aberto à circulação o troço que liga a Rua Nunes de Azevedo à Rua General Amilcar Mota e que faz o acesso ao centro da Vila a partir da EN 303 (P. Coura).

O acesso a esta via contribui para uma melhoria da circulação viária e pedonal e faz parte da reabilitação de espaços urbanos que o Município tem vindo a implementar.

De notar que nos últimos anos já foram objeto deste tipo de intervenções a Rua Félix Alves Pereira, a Rua Padre Manuel Himalaya e a Rua de S. Bento.

O Município pretende dar continuidade à reabilitação de outras artérias da sede do concelho, de forma a valorizar o espaço público, melhorar a qualidade de vida da população, assim como reforçar a segurança rodoviária e potencializar a reabilitação urbana do edificado, tornando o centro urbano cada vez mais acessível e atrativo.

Esta obra insere-se nas obras do Plano de Ação para a Reabilitação Urbana, através do qual se pretende valorizar e dinamizar o centro urbano, o comércio e o turismo.

abertura da nova fase da reabilitação urbana1.jpg

abertura da nova fase da reabilitação urbana2.jpg

abertura da nova fase da reabilitação urbana3.jpg

FAMALICÃO: ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA DE LOUSADO E RIBEIRÃO EM DISCUSSÃO PÚBLICA ATÉ 28 DE JULHO

Sessão de esclarecimento na sede da Junta de Freguesia de Ribeirão, no dia 20 de julho, pelas 18h30

A proposta de delimitação da Área de Reabilitação Urbana (ARU) e o projeto da estratégia de reabilitação urbana de Ribeirão/Lousado estão em discussão pública até ao próximo dia 28 de julho. Neste âmbito, Ribeirão vai acolher uma sessão pública de esclarecimento no próximo dia 20 de julho, pelas 18h30, na sede da Junta de Freguesia.

foto_aerea_ribeirao.jpg

A delimitação em análise abrange a maioria do parque edificado existente nas duas freguesias, que inclui habitação, atividades económicas e equipamentos, resultando numa área total próxima de 623 hectares.

O processo formal de definição do limite da ARU de Ribeirão/Lousado resulta da necessidade de uma maior conjugação das políticas de habitação e reabilitação urbana, tendo como contexto as políticas de ordenamento do território e de promoção do desenvolvimento e competitividade urbanos.

Os interessados poderão consultar a proposta da Estratégia de Reabilitação Urbana de Ribeirão/Lousado na página eletrónica do Município em www.famalicao.pt/aru-de-ribeirao-lousado, no Departamento de Ordenamento e Gestão Urbanística, localizado na Praça Álvaro Marques, Vila Nova de Famalicão, onde poderá ser solicitado atendimento técnico, no horário de atendimento ao público, com marcação prévia.

cartaz-aru-ribeirao-lousado.jpg

aru_lousado_ribeirao_area_delimitada (2).png

BRAGA: NOVO PROJECTO HOTELEIRO É “INSTRUMENTO DE VERDADEIRA REGENERAÇÃO URBANA”

Investimento de 16 milhões de euros cria novo hotel em Braga

Braga vai passar a contar com um novo projecto hoteleiro no centro da Cidade. Localizado na zona histórica, em plena Avenida Central, o Hotel Plaza Central é a nova aposta do Grupo Hoti Hoteis, que tem o seu ponto de partida num edifício contíguo ao antigo Recolhimento das Convertidas.

CMB28032022SERGIOFREITAS002151387341.jpg

Num investimento de 16 milhões de euros e com abertura prevista para a Páscoa de 2024, o projecto, alvo de análise e provação por parte da Direcção Regional da Cultura Norte (DRCN), prevê a adaptação do edifício do séc. XVIII ao programa hoteleiro - preservando as suas características da arquitectura -, e a construção de um novo edifício de estilo contemporâneo que assumirá como referência o alinhamento do Convento das Convertidas. O projecto prevê a cedência de 1530 m2 da área do terreno ao domínio público, para a criação de uma área verde.

“Quando olhamos para este projecto e para a sua implementação na zona envolvente, percebemos que é um instrumento de verdadeira regeneração urbana. Não é só o edifício que vai ser reabilitado, mas sim toda esta envolvente que, graças ao jardim público que vai ser criado, vai dar a oportunidade aos Bracarenses e a quem nos visita de conhecer todo este espaço, assim como os logradouros dos edifícios contíguos com a interacção que será criada”, referiu esta Segunda-feira Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, durante a apresentação do novo projecto, na presença de Manuel Proença, presidente do Grupo Hoti Hoteis, Rosário Rodrigues, arquitecta projectista e de representantes da Entidade do Turismo do Porto e Norte de Portugal e da Direcção Regional da Cultura Norte (DRCN).

Com cunho português no design, decoração e materiais, o novo hotel terá 109 quartos, spa, piscina interior e exterior, restaurante, bar, claustro e uma sala de reuniões.

Segundo o Autarca, este projecto vem reforçar a capacidade hoteleira da Cidade e responder a toda a dinâmica que Braga tem tido do ponto de vista turístico. “Este projecto é uma boa notícia para a Cidade de Braga. Ter um grupo económico que se disponibiliza para investir este valor é sinal que o turismo de Braga alimenta o retorno para este tipo de investimento e que, ao longo dos últimos anos, a Cidade se tornou um dos principais destinos turísticos da região, do país e da Europa”, enalteceu Ricardo Rio.

CMB28032022SERGIOFREITAS002151387333.jpg

Recolhimento das Convertidas será convertido em equipamento cultural

À margem da apresentação deste projecto hoteleiro, Ricardo Rio adiantou que o Município e a CIM do Cávado aguardam a oficialização da cedência de propriedade do edifício, de forma a reabilitar o monumento para fins culturais.

“A Câmara de Braga e a CIM do Cávado têm dado os passos necessários para garantir a propriedade do edifício do antigo Recolhimento das Convertidas.  Neste momento estamos a aguardar uma reunião com o novo ministro da Administração Interna para podermos avançar com a cedência em definitivo deste imóvel e assim desenvolvermos um projecto de salvaguarda e de revitalização cultural que vai servir a Cidade e que será uma mais-valia para este destino de excelência que é a cidade de Braga”, concluiu Ricardo Rio.

CMB28032022SERGIOFREITAS002151387335.jpg

CMB28032022SERGIOFREITAS002151387337.jpg

CMB28032022SERGIOFREITAS002151387330.jpg

INTERVENÇÃO URBANÍSTICA NA ZONA ENVOLVENTE DO TRIBUNAL DE FAMALICÃO EM DISCUSSÃO PÚBLICA

Sessão Pública de esclarecimento no dia 5 de janeiro, pelas 21h00, via plataforma ZOOM

Na sequência da intervenção urbanística que está a ser preparada para a zona envolvente ao Palácio da Justiça de Vila Nova de Famalicão, na entrada Norte da Cidade, a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão irá promover uma sessão pública de esclarecimento, que terá lugar no próximo dia 5 de janeiro, pelas 21 horas, em formato online, através da plataforma ZOOM.

DSC_4071.JPG

Os dados de acesso poderão ser obtidos na página www.famalicao.pt/sessao-publica--area-envolvente-ao-palacio-da-justica, e os documentos afetos a esta proposta urbanística podem ser consultados no Portal do Município em www.famalicao.pt/unidade-de-execucao-1---area-envolvente-ao-palacio-da-justica.

Esta sessão vem no seguimento do período de discussão pública da proposta de delimitação da Unidade de Execução da área envolvente ao Palácio da Justiça, que decorre até dia 10 de janeiro de 2022.

A par da sessão pública prevista para o dia 5 em formato online, os interessados poderão, por escrito, formular reclamações, sugestões ou observações, dirigidas ao Presidente da Câmara Municipal, através do email camaramunicipal@famalicao.pt ou por via postal até dia 10 de janeiro.

VIANA DO CASTELO DISTINGUE ARQUITETO FERNANDO TÁVORA COM O PRÉMIO CARREIRA

Viana Práxis distingue arquiteto Fernando Távora pelo “inestimável contributo” para desenvolvimento urbanístico de Viana do Castelo

A Câmara Municipal entregou os prémios da primeira edição Viana Práxis – Prémio de Reabilitação Urbana de Viana do Castelo, tendo distinguido com o Prémio Carreira, a título póstumo, o arquiteto Fernando Távora, pelo inestimável contributo para o desenvolvimento urbanístico de Viana do Castelo.

ABELO6004 2.jpg

O Prémio Carreira foi selecionado, por unanimidade, pelo júri constituído pela Câmara Municipal, a Associação Portuguesa para a Reabilitação Urbana e Proteção do Património, a Associação Portuguesa de Municípios com Centro Histórico, a Ordem dos Arquitetos, a Ordem dos Engenheiros, a Universidade do Porto, a Universidade do Minho, a Escola Superior Gallaecia e o Instituto Politécnico de Viana do Castelo.

Na categoria “Reabilitação de Edifícios”, foi distinguido com Menção Honrosa o Edifício Melo Alvim, situado na Avenida Conde da Carreira.

No âmbito do programa da cerimónia de atribuição de prémios, foi também promovida uma conferência com comunicações sobre o tema “Cidade, Património e Reabilitação” pelos membros do júri e uma tertúlia com os membros da comissão científica, sobre a reabilitação urbana e património.

O programa terminou com a inauguração de uma exposição dedicada ao “VIANA PRÁXIS – Prémio de Reabilitação Urbana de Viana do Castelo”, que está patente nos Antigos Paços do Concelho. A mostra pretende destacar as obras candidatas ao prémio Reabilitação de Edifícios e o Prémio Carreira, onde estarão patentes alguns esquissos, desenhos, e maquete da autoria do arquiteto Fernando Távora, em colaboração com a Fundação Marques da Silva.

Integrada na exposição está também uma experiência virtual de modelação 3D em holograma, de alguns edifícios da Avenida dos Combatentes, da autoria do Instituto Politécnico de Viana do Castelo. No mesmo espaço poderá ainda ver-se imagens de obras municipais em curso, designadamente projeção do novo Mercado Municipal e da futura Praça Viana.

ABELO6043 2.jpg

ABELO6054 2.jpg

ABELO5445 2.jpg

ABELO5899 2.jpg

ABELO5929 2.jpg

ABELO5951 2.jpg

ABELO5954 2.jpg

CABECEIRAS DE BASTO: MOSTEIRO DE S. MIGUEL DE REFOJOS FOI UM DOS FINALISTAS NOMEADOS PARA DUAS CATEGORIAS DO PRÉMIO NACIONAL DE REABILITAÇÃO URBANA 2021

A Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto orgulha-se de ver a Recuperação e Reabilitação do Mosteiro de S. Miguel de Refojos finalista do Prémio Nacional de Reabilitação Urbana 2021, cujos vencedores foram ontem, dia 7 de julho, anunciados.

Mosteiro de S. Miguel de Refojos.JPG

A candidatura, apresentada pelos projetistas Paulo Freitas e Maria João Marques, responsáveis pelas intervenções que têm decorrido nos últimos anos no Mosteiro de S. Miguel de Refojos, foi uma das três finalistas nomeada para a categoria Melhor Reabilitação Estrutural e uma das quatro finalistas nomeada para a categoria Melhor Intervenção de Impacto Social.

O Prémio Nacional de Reabilitação Urbana é uma iniciativa da revista mensal Vida Imobiliária que conta com o Alto Patrocínio do Governo da República Portuguesa, através da Direção Geral do Património Cultural, e com o apoio de diversas empresas, designadamente, e entre outras, da SECIL. Este prémio tem como objetivo premiar a excelência na reabilitação e regeneração urbanas das cidades portuguesas e distingue todos os anos alguns dos melhores projetos nacionais bem como o trabalho dos promotores, arquitetos, engenheiros e construtores que participaram na conceção e construção.

No corrente ano de 2021, concorreram 87 projetos, oriundos de 23 concelhos de norte a sul do país, que foram avaliados pelo júri constituído por académicos de várias áreas, arquitetos, engenheiros, dirigentes de várias organizações ligadas à construção e reabilitação e, ainda, por personalidades de reconhecido mérito e excelência.

A candidatura do Mosteiro de S. Miguel de Refojos incluiu os projetos de recuperação do rés-do-chão do edifício dos Paços do Concelho – entrada, tesouraria e SAU/Espaço do Cidadão – , a reabilitação das coberturas e fachadas do Mosteiro e da Igreja, o restauro da antiga livraria e do antigo refeitório (ex-auditório Ilídio dos Santos).

A Câmara Municipal congratula-se com a distinção e felicita os arquitetos Paulo Freitas e Maria João Marques, autores dos projetos de restauro e reabilitação do NOSSO MOSTEIRO que mereceram o reconhecimento do Prémio Nacional de Reabilitação Urbana 2021, através das nomeações, sempre muito meritórias e honrosas, para Melhor Reabilitação Estrutural e Melhor Intervenção de Impacto Social.

De referir que o Prémio de Melhor Reabilitação Estrutural foi atribuído à reabilitação do edifício Castilho 203, em Lisboa, e o Prémio Melhor Intervenção de Impacto Social foi ganho pela recuperação das Termas Romanas de S. Pedro do Sul.

Antiga Livraria do Mosteiro de S. Miguel de Refojo

Antigo refeitório do Mosteiro de S. Miguel de Ref

SAU-Espaço do Cidadão - Mosteiro de S. Miguel de

Teto da Entrada dos Paços do Concelho - Mosteiro

MUNICÍPIO DE BARCELOS DESMATERIALIZA PROCESSOS DE URBANISMO

Plataforma e-Urbanismo permite submissão de processos de licenciamento

A Câmara Municipal de Barcelos melhorou a aplicação informática “e-Urbanismo", de forma a que todos os munícipes e técnicos possam submeter os projetos de licenciamento de uma forma rápida, cómoda, sem necessidade de deslocações e, à distância de um click, poderão aceder à informação e submeter a documentação relacionada.

eUrbanismo.jpg

Através desta plataforma já existente, e que permitia que todos os requerentes de processos de licenciamento de obras particulares tivessem acesso integral aos seus processos através da Internet, a partir de amanhã é possível submeter online todos os processos de licenciamento de urbanismo; pagar taxas através de entidade e referência multibanco; consultar os processos de forma melhorada e simplificada.

Desde 2018, os pedidos de licenciamento na área do Urbanismo passaram a dar entrada nos serviços municipais em CD pelos respetivos requerentes, anulando-se, dessa forma, a entrega de documentos em suporte de papel.

Com a criação desta nova funcionalidade do e-Urbanismo, a entrega de documentação passa a ser mais célere, mais fácil e mais eficaz e, consequentemente, poupa-se na utilização de papel, no seu manuseamento e arquivo e, também, nas deslocações aos serviços municipais dos requerentes de licenciamentos de obras, já que todas as fases dos processos de licenciamento têm, a partir de amanhã, um tratamento digital.

A desmaterialização dos procedimentos administrativos tem em vista não só a otimização dos recursos internos e a garantia de redução de custos para os munícipes, mas também a prossecução do objetivo principal que consiste na redução progressiva da utilização do papel.