Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

VIANA DO CASTELO: TRAJE DE FESTA DA RIBEIRA

424700893_730843555811064_7176459003857722049_n.jpg

Os Trajes Regionais de Viana do Castelo, sobretudo envergados durante os quadros da Romaria d’Agonia, há mais de um século que fazem parte da história e dão cor à nossa festa.

O Traje de Festa da Ribeira da cidade de Viana do Castelo, local de particular devoção a Nossa Senhora d’Agonia, podem ser vistos nos atos e procissões religiosas, assim como no Desfile da Mordomia, na Festa do Traje e Cortejo Etnográfico.

Assim, em dias de grande festa, as mulheres da Ribeira, usavam uma saia de fazenda lisa, aos quadrados e até em xadrez; uma blusa de chita, crepe, ou popelina, um avental de fazenda elegantemente bordado a “rechelieu”, um lenço de lã estampado e um par de chinelas lisas. Os trajes masculinos, na sua simplicidade, possuíam um par de calças de fazenda, uma camisa aos quadrados e uma boina.

Traje de Festa da Ribeira: Bairro da Ribeira pela U.F. Santa Maria Maior, Monserrate e Meadela.

Fonte: Romaria  d’Agonia

422902781_730843535811066_2266225605089660007_n.jpg

422903748_730843565811063_5749889378714604801_n.jpg

424558364_730843545811065_3174278382665911436_n.jpg

VIANA DO CASTELO: TRAJES DE “IR À ERVA” APRESENTADOS PELO GRUPO ETNOGRÁFICO RENASCER DE AREOSA E GRUPO ETNOGRÁFICO DA AREOSA

422893973_730829462479140_6204084175245625993_n (1).jpg

Embora os Trajes de “Ir à Erva” tenham as mesmas caraterísticas dos Trajes de Trabalho, as jovens camponesas imprimiam-lhes uma certa "chieira" na forma de vestir. Para além das peças de vestuário, a foice, corda e cesto são outros dos elementos que compõe estes trajes. Assim como em Afife e Carreço, também as camponesas de Areosa primavam na forma de vestir, sendo até mesmo possível, distinguir as origens de cada uma delas, apenas ao ver os seus trajes.

Fotos: Romaria d’Agonia

425288015_730829482479138_2432064797875736633_n.jpg

422906001_730829452479141_205609155970280047_n.jpg

422907115_730829485812471_3376977811902136790_n.jpg

BRAGA: GRUPO FOLCLÓRICO DA UNIVERSIDADE DO MINHO EXPÕE”RETALHOS DO MINHO: RITOS & RITUAIS”

𝐸𝑥𝑝𝑜𝑠𝑖𝑐̧𝑎̃𝑜 "𝐑𝐞𝐭𝐚𝐥𝐡𝐨𝐬 𝐝𝐨 𝐌𝐢𝐧𝐡𝐨: 𝐑𝐢𝐭𝐨𝐬 & 𝐑𝐢𝐭𝐮𝐚𝐢𝐬"

De 3 a 11 de fevereiro na Galeria do Paço, em Braga!

A comemoração do nosso 30º aniversário continua em força com o projeto "Voltas da Tradição"

Inauguração: 3 de fevereiro às 15H

420126561_884465217013508_767262491979657335_n.jpg

O TRAJE MINHOTO NO CARNAVAL ALFACINHA

10036246_VAh04.jpeg

Durante muito tempo, os trajes regionais foram utilizados como máscaras de Carnaval durante a respectiva época festiva, verificando-se uma especial predilecção pelos garridos trajes minhotos. Crianças e adultos, porventura atraídos pelo seu colorido e pitoresco, passeavam-se pela rua ou acorriam às festas particulares, a maioria das quais promovidas pelas sociedades de recreio, envergando um qualquer traje tradicional a emparceirar com máscaras e uniformes dos mais variados ofícios e profissões.

Este costume teve o seu aparecimento numa altura em que o velho Entrudo popular e trapalhão entrou em declínio para dar lugar a uma festa mais ao gosto da pequena burguesia urbana. Com efeito, ao longo do século XIX, os lisboetas divertiam-se na rua brincando o Carnaval, seguindo os desfiles entre o Passeio Público e o Chiado, prolongando as saturnais festividades até ao seu enterro, ocasião em que o mesmo era representado por um desfile fúnebre onde não faltavam as carpideiras seguindo atrás do defunto Entrudo, palidamente deitado no esquife.

Uma das figuras típicas do Carnaval à época era o célebre peralta, vulgarmente tratado por xé-xé. Tratava-se de personagem um tanto grotesca, com casaca garrida e chapéu bicórnio, de cabeleira e rabicho, de lunetas e empunhando uma enorme faca de madeira, representava um velho a quem tudo lhe era permitido dizer e ridicularizar. Ainda hoje, quando alguém profere afirmações menos sensatas, é habitual dizer-se que está xé-xé.

Pese embora ser frequentemente tida como uma caricatura miguelista, a verdade é que a referida personagem não era minimamente do agrado da burguesia citadina que via nela uma figura brutal e rude, sem maneiras, que não poupava quem quer que fosse com o seu sarcasmo e comentários jocosos. Tal sentimento de repulsa era de igual modo extensível ao próprio Carnaval, considerado bárbaro e de mau gosto, impróprios de uma sociedade que se pretendia civilizada. Ironicamente, a burguesia em ascensão parecia querer reeditar os antigos bailes de máscaras que, no século XVIII tinham lugar corte, com os seus arlequins coloridos divertindo os participantes.

Após a implantação do regime republicano em Portugal, o Carnaval de rua praticamente desapareceu para passar a ser festejado em privado, em casas particulares ou nas sociedades recreativas, aí se realizando os bailes e os concursos de máscaras. Foi ainda neste contexto que surgiu o hábito de eleger a “rainha” da colectividade através de um processo de votação que se traduzia numa interessante fonte de obtenção de receitas, prática que apesar de extemporânea ainda subsiste nalgumas associações.

A preferência pelos trajes regionais como máscaras de Carnaval tem sobretudo a ver com a forma como os costumes populares são encarados por parte de uma burguesia urbana que já então olhava para o folclore como algo curioso e bizarro, com a mesma reacção de surpresa dos exploradores do sertão ao depararem com gente remota. Não admira, pois, o preconceito com que o folclore continua a ser encarado, mormente quando é referido de forma depreciativa, o que não deixa de revelar uma profunda ignorância a seu respeito.

Entretanto, o Carnaval regressou à rua, mas sem o cunho burlesco de outros tempos. Agora, apesar do frio intenso que geralmente se faz sentir por essa altura, o público paga para assistir ao desfile de escolas de samba e garotas admiravelmente despidas, muito ao jeito do Carnaval brasileiro. Nas sociedades recreativas já não se realizam os famosos “bailes da pinhata” e, em relação aos trajes tradicionais, há muito tempo que deixaram de ser usados como máscaras de Carnaval.

A3639

 

MELGAÇO ENSINA A FAZER OS CHAPÉUS TÍPICOS DOS FARRANGALHEIROS

Quer aprender a fazer os garruços, os típicos chapéus dos farrangalheiros?

Outrora, na vila C(r)asteja, os “Farrangalheiros” saíam à rua, trajados a rigor, para celebrar o Entroido: as mulheres vestiam o tradicional saiote castrejo, tipicamente vermelho bordado e/ou decorado com cores garridas, as blusas e o lenço amarelo. O traje era composto pelo “garruço”, o objeto mais representativo do Entroido C(r)astejo: chapéus de cartão decorados com fitas e enfeites garridos que congregam uma renda que encobre o rosto dos “Farrangalheiros”.

No dia 4 de fevereiro vamos promover o workshop CONSTRUÇÃO DOS GARRUÇOS DOS FARRANGALHEIROS.

Junte-se a nós, pelas 15h00, no Centro Cívico de Castro Laboreiro.

Participação livre e gratuita.

421900838_784289957074746_2648796530723698907_n.jpg

VIANA DO CASTELO: SABIA QUE AS DIFERENTES CORES DOS TRAJES DE DOMINGAR TAMBÉM REPRESENTAM OS ESTADOS EMOCIONAIS DAS MULHERES?

Tradicionalmente, as cores base dos Trajes de Domingar femininos desta região, e especialmente a cor da barra das saias, eram o vermelho, o preto e o azul marinho.

Estas três cores são as mesmas usadas nas barras dos Trajes à Vianesa.

No entanto, nos Trajes de Domingar, as diferentes cores representam distintos estados emocionais, ou até mesmo, a classe etária das pessoas que os usam. Assim, se os trajes vermelhos eram essencialmente usados por jovens e mulheres mais novas, os trajes de cor base preta e azul marinho eram preferidos por mulheres de mais idade, e usados em situações de luto aliviado, pela altura da quaresma e na semana de finados.

O Traje de Domingar de barra azulão, também designado localmente por “Traje da Cidade”, foi criado pelas meninas da cidade.

Trajes de Domingar pelo G.F. de Danças e Cantares de Alvarães e G.F. de Viana do Castelo

Partilhamos alguns detalhes que integraram a exposição “O Traje na Romaria” que esteve patente durante a Romaria d'Agonia de 2023.

Fonte: Romaria d’Agonia

417411706_727234396171980_5198875824586394123_n.jpg

417433213_727234389505314_2716061804257452544_n.jpg

417444945_727234386171981_8177222515130638579_n.jpg

417486562_727234392838647_1087342728809615597_n.jpg