Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

O TRAJE VERDE DE GERAZ DO LIMA DESTACA-SE PELA SUA SINGULARIDADE ENTRE OS DEMAIS TRAJES MINHOTOS

Segundo reza a tradição, o traje verde de Geraz do Lima foi pela primeira vez confeccionado por volta de 1850, e apresentado publicamente por ocasião da visita da rainha D. Maria II àquela localidade do concelho de Viana do Castelo. Desde então, pela sua singularidade, não mais deixou de ser aparecer, destacando-se de entre os demais trajes tradicionais da região. Mas, apesar de já possuir 170 anos de uso, há quem questione a sua autênticidade como traje tradicional de lavradeira. Mas ele aí está, sempre representado pelos ranchos folclóricos e desfilando na Romaria da Senhora d’Agonia, em Viana do Castelo.

Foto: José Carlos Vieira

20503_10202024033268938_493194714_n

QUAL ERA O TRAJE QUE OUTRORA USAVAM AS MULHERES DE ÂNCORA?

A imagem mostra um postal ilustrado dos costumes portugueses representando a mulher de Âncora, enviado por Clara à sua mãe Inácia de Vilhena que vivia em Lisboa, na rua de S. Sebastião da Pedreira, em 15 de Abril de 1920.

Como é sabido, os postais ilustrados nunca são datados a fim de não perderem interesse comercial e poderem circular durante um período temporal razoável. Por conseguinte, este postal foi produzido nos começos do século XX, altura em que as antigas gravuras a preto deram lugar aos coloridos. E já com referência a Âncora...

Uma questão que esta imagem nos coloca é a de saber qual era o traje que outrora usavam as mulheres de Âncora?

Fonte: Município de Ponte de Lima

transferirmulherancora1.jpg

transferirpostalmulherancora2.jpg

TRAJE DE NOIVA MINHOTA É O MAIS BELO DE PORTUGAL!

A fotografia é do conceituado fotógrafo Amadeu Ferrari e foi produzida algures no tempo entre 1950 e 1970. A imagem realça o traje, a ourivesaria tradicional e, como não podia deixar de ser, a beleza singular da mulher minhota.

Amadeu Ferrari foi o nome pelo qual ficou conhecido Amadeu André Ferreira – pioneiro da fotografia desportiva – que viveu entre 1909 e 1984. O fotógrafo ganhou o prémio de melhor fotografia da Exposição do Mundo Português, concorrendo sob o pseudónimo de Ama-Deus.

Foto: AML

0001_Mtrajferrari.jpg

DR. JOSÉ DE FIGUEIREDO ESCREVEU SOBRE TRAJES TRADICIONAIS DO MINHO

Dr._José_de_Figueiredo_-_Postal_ilustrado,_Cliché_Furtado_&_Reis._Lisboa,_Livraria_Ferreira,_s.d.png

O documento que se reproduz constitui uma resposta do Dr. José de Figueiredo a uma consulta que lhe foi dirigida acerca de trajes tradicionais do Minho, no qual ele refere várias alterações que reputa de radicais e que ainda enfermam nos nossos dias as representações do folclore da nossa região.

O Dr. José de Figueiredo era natural do Porto e foi o primeiro conservador do Museu Nacional de Arte Antiga.

Fonte: ANTT

PT-MNAA-AJF-DC-CM-MM-001-00001-000011_m0001_derivada.jpg

PT-MNAA-AJF-DC-CM-MM-001-00001-000011_m0002_derivada.jpg

PT-MNAA-AJF-DC-CM-MM-001-00001-000011_m0003_derivada.jpg

FESTAS COMEMORATIVAS DO VINTE E OITO DE MAIO EM BRAGA: AS RAPARIGAS TRAJARAM À VIANEZA!

Em 26 de Maio de 1936, no âmbito das festas comemorativas da Revolução Nacional do 28 de Maio de 1926 (implantação da Ditadura Militar), as moças com o traje domingueiro de lavradeira, preparam-se para lançar flores sobre os presidentes da República e do Conselho. Curiosamente, não se vislumbram nesta imagem as tradicionais capotilhas bracarenses.

Será que o tratamento arquivístico está correcto?

Fonte: ANTT

SEC-AG-0898K.jpg