Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

QUIM BARREIROS E PEDRO CACHADINHA ANIMAM FESTAS EM FREXIANDA, NO CONCELHO DE OURÉM

Em junho a Freixianda assinala dia da freguesia e 24º Aniversário de elevação a vila

De 21 a 23 de junho decorrem em Freixianda, no norte do concelho de Ourém, as suas tradicionais celebrações de evocação de elevação a vila. No programa há animação musical, tasquinhas, folclore, desfile da Charanga da GNR, exposições de artesanato e ainda uma exposição de maquinaria agrícola e automóvel.

19157_Cartaz (1).jpg

Participam nas tasquinhas oito coletividades da freguesia com pratos que vão desde a “Chanfana à moda da Ribeira” à “Perna de Porco no espeto com migas”. No que toca à animação está prevista uma sardinhada popular, jogos escutistas, marchas populares, Festival de Ranchos, e um Passeio Pedestre.

O programa musical é encabeçado por Quim Barreiros, dia 22, sábado, pelas 23h00.Foka Energie sobe a palco pelas 22h00 de dia 21, sexta-feira; “Só Ritmo”” atua antes e depois de Quim Barreiros dia 22 , sábado dia 23; o Grupo PA 3 encerra as festas dia 23, domingo, a partir das 22h00. Destaque também para a presença dia 21 de Pedro Cachadinha e seus amigos na sexta feira ás 20h00. No Sábado dia 22 ás 21h00 atuará a Marcha da Pelmá. No Domingo dia 23 haverá um desfile pelas ruas pela Charanga a Cavalo da GNR que depois atuará no Largo do Mercado. Também no domingo ás 18h30 haverá uma tarde de folclore.

Programa

Sexta feira dia 21 (dia da Freguesia)

19h30 – Sardinhada Popular

20h00 – Atuação de Pedro Cachadinha e seus amigos

22h00 – Atuação de Foka Energie

Sábado dia 22

21h00 – Atuação da Marcha da Pelmá

22h00 – Atuação do Grupo “ Só Ritmo”

23h00 – Atuação de Quim Barreiros e sua Banda

00h30 – Continuação da atuação do Grupo “ Só Ritmo”

Domingo dia 23

09h00 – Passeio Pedestre

17h00 – Desfile da Charanga a cavalo da GNR pelas ruas da vila

17h30 – Atuação da Charanga a cavalo da GNR no Largo Juvêncio Figueiredo

18h30 – Tarde de Folclore

22h00 – Atuação do Grupo PA3

61084421_679026352534339_9105613568425852928_n.jpg

BRAGA REVELA VENCEDORES DO CONCURSO DE FOTOGRAFIA "A SEMANA SANTA DE BRAGA"

Ocorreu ontem, dia 17 de maio, pelas 21h, na loja FNAC do shopping Braga Parque, em Braga, o anúncio dos premiados da 11ª edição do Concurso de Fotografia “A Semana Santa de Braga”.

concurso_foto_11_edicao_2019_premiados_semana_santa_braga.jpg

Sobre a iniciativa

Esta é uma iniciativa da Comissão da Semana Santa de Braga que visa sensibilizar todos os amantes da fotografia para o tema em particular, e em geral para esta época tão especial da cidade de Braga, bem assim como estimular e difundir a criatividade na arte da fotografia.

Tem como patrocinador exclusivo a reputada marca CANON. Conta com o apoio à divulgação da entidade regional de turismo do Porto e Norte de Portugal e da loja FNAC de Braga e tem ainda como media partner o jornal “Diário do Minho”.

Sobre a edição e resultados deste ano

Abel Rocha, membro da Comissão responsável por esta iniciativa, comentou no momento da conferência de imprensa “Este concurso já leva onze anos de existência. Tendo presente esta contextualização, é muito natural que alguns dos concorrentes, e até premiados, se vão repetindo anualmente. Para a organização, é um orgulho – e não visto como uma menos valia – esta participação continuada e sempre interessada. Encaramos esta frequência de participação como sinal de credibilidade e confiança nesta iniciativa e, arriscaríamos alvitrar, de tentativa de superação pessoal dos concorrentes, que vão tentando, ano após ano, ver os seus trabalhos reconhecidos. Há fotógrafos com muita qualidade que, por via desse acreditar e

Por outro lado, apraz-nos constatar a participação de novos concorrentes. Em todas as edições, há  concorrentes que chegam ao concurso pela primeira vez, e este é o outro “lado bom” que há que reconhecer a esta iniciativa: é que, apesar da sua já (algo) longa existência, ela continua a despertar interesse e participação e é ainda relevante para muitos.

Há ainda que reconhecer que o concurso pode e deve merecer o reforço da sua comunicação, de modo a poder chegar a cada vez mais pessoas e a um círculo mais vasto de território, visando aumentar a participação de mais concorrentes.

Dois aspetos ainda de sublinhar e que se referem com a envolvência da comunidade e o aumento do espólio de fotografia, objectivos iniciais desta iniciativa e que são desideratos alcançados, sem dúvida nenhuma.

Palavra final para a qualidade global dos trabalhos apresentados a concurso, o que foi realçado pelos membros do júri. Dir-se-á inclusive que esta (a qualidade) tem vindo a aumentar em cada ano, o que torna este concurso renhido, desafiante e com uma reputação crescentemente reconhecida.”

A diversidade de participação é também um aspeto a destacar com participantes de todas as idades (dos 19 aos 67 anos) e das mais variadas localidades do país: Amares, Braga, Barcelos, Caminha, Corroios (Seixal), Esposende, Fafe, Guimarães, Moreira da Maia, Penamacor, (Castelo Branco), Porto, Póvoa de Lanhoso, Travanca (Amarante), Viana do Castelo, Vila do Conde, Vila Nova de Gaia, Vila Verde e Vizela.

Podemos adiantar alguns dados estatísticos referentes a esta edição:

  • 73 concorrentes
  • 418 fotos a concurso
  • 24 fotos premiadas
  • média de idades: 43 anos (mais novo: 19 anos / mais velho: 67 anos)
  • participantes masculinos: 54 = 86%
  • participantes femininos: 19 = 14%

O júri deste ano foi composto pelas seguintes personalidades:

  • Presidente: Hugo Delgado
  • Representante da Comissão: José Alberto de Sousa Ribeiro
  • Representante da Canon: João Salvador
  • Representante do Diário do Minho: Luis Carlos Lopes Fonseca
  • Representante da Porto e Norte: Marco Sousa
  • Maria Francisca Xavier, convidada

Os prémios a concurso foram atribuídos aos seguintes concorrentes:

1º prémio: João Felipe da Silva Barbosa, 31 anos, de Braga

EOS M50 BLK 15-45 IS STM VUK (no valor de 749€) + assinatura digital anual do Diário do Minho (no valor de 60€)

2º prémio: Vítor Nuno Gomes Pinto Ferreira, 50 anos, de Caminha

EOS 2000D 18-55 IS II VUK (no valor de 479€) + assinatura digital anual do Diário do Minho (no valor de 60€)

3º prémio: José Pedro Apolinário Teixeira Pinto, 24 anos, de Braga

PowerShot G9 X Black Pack (no valor de 449€) + assinatura digital anual do Diário do Minho (no valor de 60€)

As 10 Menções Honrosas (com direito a uma assinatura digital anual do Diário do Minho, no valor de 60€) foram atribuídas a:

André Paulo Renato Pereira Borges, 48 anos, de Braga

Carlos Manuel Cunha Ferreira, 46 anos, de Braga

José Pedro Apolinário Teixeira Pinto, 24 anos, de Braga

Jorge Manuel Rocha Pimenta, 50 anos, do Braga

José Rodrigo de Carvalho Faria Lima, 45 anos, de Braga

Luís Filipe Gomes Vilaça, 28 anos, de Braga

Nuno Álvaro Santos Sousa, 46 anos, de Barcelos

Pedro Manuel Pimenta Gonçalves Ferreira, 45 anos, de Braga

Silvino Jorge Rodrigues, 50 anos, de Braga

Sofia Carolina Rodrigues Brandão Bahia, 25 anos, de Braga

Todos os premiados recebem ainda um Certificado de Participação.

As fotos premiadas estão disponíveis no sítio oficial da Semana Santa, neste link.

A quase totalidade dos prémios e certificados foi entregue na ocasião. Para os não presentes, informa-se que estes estão disponíveis para levantamento, mediante apresentação do BI ou Cartão de Cidadão, até ao dia 30 de junho, ao balcão da secção de fotografia da FNAC de Braga.

A assinatura digital do Diário do Minho será disponibilizada diretamente, via email, pelo Diário do Minho.

Para além dos premiados, todos os concorrentes que manifestarem vontade de obter um Certificado de Participação, devem informar a organização, que o remeterá via email ou em papel (para levantamento na Sé Catedral de Braga). Todos os pedidos serão atendidos no máximo até ao dia 30 de maio. Os Certificados serão disponibilizados, de uma só vez, no dia 31 de maio.

Todos os trabalhos premiados (um total de 24 fotos) serão alvo de exposição, esta inserida no programa cultural da Semana Santa de Braga de 2020.

A organização endereça os votos de parabéns a todos os premiados e, em geral, a todos quantos se inscreveram e submeteram fotos ao concurso.

VIMARANENSES DANÇAM NO FOLKLOURES’19

Rancho do Centro Cultural e Recreativo de Moreira de Cónegos vai a Loures participar na próxima edição do FolkLoures – Encontro de Culturas

Rancho do Centro Cultural e Recreativo de Moreira de Cónegos, de Guimarães, vai no próximo dia 6 de Julho participar no FolkLoures’19 – Encontro de Culturas, uma grandiosa iniciativa de cariz tradicional organizada pelo Grupo Folclórico Verde Minho em colaboração com a Câmara Municipal de Loures.

CapturarMConegos

Moreira de Cónegos é uma freguesia situada na zona sul do Concelho de Guimarães, situada na zona de transição entre este concelho e o de Santo Tirso, integrando ambos os concelhos uma região que do ponto de vista histórico e geo-etnográfico corresponde à antiga Comarca d’Entre-o-Douro e Minho.

Com base em recolhas e informações relacionadas com as vivências do povo de Moreira de Cónegos, o Rancho do Centro Cultural e Recreativo de Moreira de Cónegos representa com o maior rigor possível o modo de vida dos finais do Séc. XIX e início do séc. XX.

O Centro Cultural e Recreativo de Moreira de Cónegos foi fundado em 1983 com um Rancho Infantil.

Dois anos mais tarde, foi fundado o Rancho Adulto, que permitiu que as crianças e jovens do Rancho Infantil, à medida que fossem crescendo, transitassem para o Rancho adulto, dando continuidade à defesa e preservação das tradições, usos e costumes da nossa terra. O Rancho Adulto fez a sua primeira atuação em público em 23 de Novembro de 1986.

É composto por cerca de 45 elementos desde dançadores, a cantadores, elementos do coro e tocata.

Apresenta uma variedade de trajes representativa de diversas classes sociais à época como o Traje de Domingar, Traje de Lavradeira Rica, Traje de Festa, Traje de ver Deus, Traje de Noivos, Traje de Trabalho, Traje de Feira e Traje de Eira.

Do vasto repertório, destacam-se danças típicas como Malhões, Viras, Canas Verdes, Chulas e Vareiras.

O Rancho do Centro Cultural e Recreativo de Moreira de Cónegos é Sócio da INATEL e Sócio Efetivo da Federação de Folclore Português.

Cartaz-2019 (23).jpg

VIEIRA DO MINHO CELEBRA DIA DO CANTADOR AO DESAFIO

Dia do Cantador leva a Vieira do Minho meia centena de Cantadores ao Desafio

Mais de 50 cantadores ao desafio, participam, este domingo, no Dia do Cantador, iniciativa promovida pela Câmara municipal de Vieira do Minho em colaboração com a Junta de Freguesia daquela localidade.

59894_800x800-1.jpg

O evento inicia com uma celebração litúrgica, pelas11h00, na Igreja Paroquial de Santa Maria Mãe de Deus, em Tabuaças. O momento será animado pelos cantadores que participam no encontro.

Pelas 13h00 realiza-se, em frente aos Paços do Concelho um almoço de confraternização que conta com porco no espeto e caldo verde.

Pelas 14h00, é hora dos cantadores mostrarem aquilo que valem nas desgarradas.

Para além da vertente lúdica e recreativa, o momento tem também um carácter solidário, uma vez que o valor das bebidas vendidas no recinto revertem a favor da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vieira do Minho.

De salientar também que a Câmara Municipal e a Junta de Freguesia de Vieira do Minho vão homenagear o Senhor Casimiro Fernandes, um Cantador da terra que muito tem dado a esta arte tão popular do canto ao desafio e do repentismo.

Casimiro Fernandes, nasceu a 9 de maio de 1944, em S. João da Cova, no concelho de Vieira do Minho e desde cedo denotou aptidão para a musica e para a poesia, improvisando melodias e fazendo as suas próprias flautas.

Este vieirense muito tem contribuído para o desenvolvimento da musica popular do concelho, uma vez que foi fundador e co-fundador dos agrupamentos musicais  Rancho Folclórico “ Passarinhos da Ribeira”, conjunto típico “ Flores de Abril” e grupo de Cantares ao Desafio “ Rouxinóis do Vale do Cávado”.

Casimiro Fernandes é um devoto da concertina, e, como tal,  tenta transmitir o seu conhecimento e gosto pelo instrumento, a um grupo de Séniores da Universidade Sénior de Vieira do Minho, que ensina.

Com o processo a decorrer de candidatura  à Unesco do canto ao desafio e do repentismo português, esta homenagem ao cantador ao desafio, Casimiro Fernandes vai no sentido de dar valor a esta arte tão popular e que no concelho tem sido bem representada por este vieirense.

SUBIDA DA VEZEIRA ATRAI CENTENAS DE PESSOAS À VILA DO GERÊS

A XV Subida da Vezeira, costume secular em que o gado das vezeiras de Rio Caldo e Vilar da Veiga se dirige para a serra, levou centenas de pessoas à Vila do Gerês nos dias 11 e 12 de maio.

20190512_111730-01.jpeg

O evento, com organização a cargo da Associação Lírio do Gerês decorreu no sábado com uma visita aos currais da vezeira e a atuação do grupo musical “Pé de Dança”, sendo que, no domingo ocorreu a passagem das Vezeiras de Vilar da Veiga e de Rio Caldo pelo centro da vila termal e uma prova gastronómica no Parque das Termas com animação de concertinas e a Charanga de Vilar da Veiga. Na parte da tarde, além dos cantares tradicionais, concertinas e cantares ao desafio teve lugar uma “chega de bois”.

A iniciativa contou com o apoio do Município de Terras de Bouro, da Junta de Freguesia de Rio Caldo e da Junta de Freguesia de Vilar da Veiga,  Hoteleiros do Gerês, ADERE-PENEDA Gerês e Turismo Criativo de Portugal – creatour.pt

20190512_111930.jpg

20190512_112322.jpg

20190512_114650.jpg

20190512_121143.jpg

20190512_121156.jpg

20190512_121215.jpg

20190512_121235.jpg

PONTE DA BARCA: FESTA NA VILA PROMOVE E PRESERVA TRADIÇÕES LOCAIS

Festa na Vila, uma iniciativa do Município de Ponte da Barca em colaboração com as associações do concelho arrancou no passado domingo e vai decorrer uma vez por mês para promover As tradições e os usos e costumes locais.

60050695_356057935021082_2643597145722060800_o.jpg

Para além das tasquinhas, com a venda de produtos hortícolas de produtores de todo o concelho, artesanato e produtos em segunda mão, o dia inaugural contou com o Grupo de Bombos de Lindoso e e com a atuação do Rancho Folclórico e Etnográfico de Ponte da Barca e o Rancho Folclórico do Agrupamento de Escolas de Ponte da Barca.

60116158_356057701687772_3046650624969015296_o.jpg

60161401_356057255021150_3263156172558958592_o.jpg

Capturarbbbbar.PNG

PENAFIEL LEVA AO FOLKLOURES O TRADICIONAL “BAILE DOS PEDREIROS”

O Grupo Folclórico de Penafiel vai no dia 6 de Julho de 2019 trazer ao FolkLoures uma das tradições mais genuínas e pouco conhecidas da sua região – o Baile dos Pedreiros!

A próxima edição do FolkLoures decorre de 29 de Junho a 6 de Julho de 2019, e incluirá conferências, exposições, feira de produtos tradicionais e um festival de folclore a ter lugar no Parque da Cidade, em Loures. Trata-se de uma grandiosa iniciativa do Grupo Folclórico Verde Minho e conta com o apoio da Câmara Municipal de Loures.

CapturarPedreirosPenafiel

Perdem-se nos tempos as origens do “Baile dos Pedreiros”, aliás à semelhança de outras tradições do concelho de Penafiel como o “Baile dos Ferreiros” e o “Baile dos Pretos”. Estes bailes devem a sua existência ao Tombo das festas de Corpo de Deus em que cada corporação de artes e ofícios teria de apresentar, nas referidas festas, um baile bem constituído, bem trajado e com uma dança bem conseguida.

Descreve o escritor valenciano José Augusto Vieira, na sua obra “O Minho Pitoresco”, que no ano 1887, os Pedreiros vestiam de branco com faixa vermelha na cinta, barrete encarnado na cabeça, e traziam a tiracolo uma cabaça com bebida e a merenda. Sustentavam ainda numa das mãos um pico.

O mestre vestia de igual modo com excepção da casaca preta e de uma régua e de um esquadro que trazia nas mãos. A mestra vestia de lavradeira, o rapaz dos picos, do mesmo modo que os pedreiros. O meirinho, que era a figura da justiça naquela altura, vestia uma levita, cartola na cabeça, trazia uma bengala e empunhava uma arma…

Desfilavam pela cidade ao som de uma marcha, tocada por uma rebeca, instrumento pouco habitual hoje em dia, quando paravam encenavam uma dança em que o Mestre cumprimentava as entidades e relatava as obras que tinha realizado, desafiando os Pedreiros a dizer também.

A certa altura entre o Meirinho, o mestre e a mestra, desenrola-se uma pequena discussão, em que tudo acaba em paz.

Estes bailes correram o risco de se perderem. Porém, graças à Câmara Municipal de Penafiel e ao Grupo Folclórico de Penafiel, foram os mesmos reavivados, constituindo o FolkLoures’19 o palco privilegiado para destacar uma das tradições mais genuínas do povo português.

Layout 1

BOMBOS DE LAVACOLHOS (FUNDÃO) RUFAM NO FOLKLOURES’19

Iniciativa do Grupo Folclórico Verde Minho com o apoio da Câmara Municipal de Loures, no âmbito do FolkLoures’19

O Grupo de Bombos de Lavacolhos – Fundão vai participar no Festival intercultural que terá lugar no dia 6 de Julho de 2019. A próxima edição do FolkLoures decorre de 29 de Junho a 6 de Julho de 2019, e incluirá conferências, exposições, feira de produtos tradicionais e um festival de folclore a ter lugar no Parque da Cidade, em Loures.

CapturarLavacolhos

Os Bombos de Lavacolhos constituem um verdadeiro cartão-de-visita da aldeia de Lavacolhos, do concelho do Fundão e, de uma maneira geral, dos usos e costumes da região da Beira Baixa. Trata-se essencialmente de um grupo de animação de rua, constituído por três bombos, duas caixas, pífaro e coro.

Os bombos são de tais dimensões que necessitam de ser apoiados sobre a coxa esquerda do tocador enquanto este caminha, lançando-o por vezes bem alto, o que torna a sua execução muito peculiar conferindo-lhe um ritmo marcial.

Na construção do bombo usam preferencialmente peles de burro, deixando sempre à vista pedaços de pêlo mal rapado.

Layout 1