Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

FAMALICÃO: VIVER O TEATRO AMADOR EM “TERRAS DE CAMILO”

TeatroBalugas.jpg

XVII Festival de Teatro Amador “Terras de Camilo” decorre de 2 de março a 27 de abril, com entrada livre

É em “Terras de Camilo” que se vai voltar a viver a ‘magia’ do teatro amador. De 2 de março a 27 de abril, o auditório do Centro de Estudos Camilianos, em Seide, volta a ‘dar palco’ ao teatro amador nacional no XVII Festival de Teatro Amador “Terras de Camilo”.

A Famalicão chegam propostas de grupos de teatro amador de todo o país – Barcelos, Idanha-a-Nova, Maia, Viseu, Vila Nova de Gaia e Valongo –, para além dos espetáculos protagonizados pela ‘prata da casa’.

Todos os espetáculos têm entrada livre, sujeita a lotação do espaço, e início pelas 21h30.

O festival, organizado pelo Município de Vila Nova de Famalicão em parceria com o GRUTACA – Grupo de Teatro Amador Camiliano, arranca no sábado, dia 2 de março, com a peça “A Furgoneta”, pelo Teatro de Balugas (Barcelos), que vai dar a conhecer a história de Romão e do irmão que decidem reformar o negócio do pai, adotando um novo negócio: uma furgoneta que vende tudo e mais alguma coisa.

Segue-se a peça “O Casamento”, pela Escola Dramática e Musical de Milheirós (Maia), no dia 9 de março, depois “A Beata da Sogra”, pelo Grupo de Teatro Aldeia Verde de Lazarim (Viseu), no dia 16, e “Sozinha”, protagonizada pela atriz famalicense, Elsa Pinho, no sábado, 23.

O Dia Mundial do Teatro, comemorado a 21 de março, será marcado com iniciativas como a apresentação do espetáculo infantojuvenil, “O Rei Que Comia Histórias”, pela Pandora Teatro (Vila Nova de Gaia), no dia 27 de março, pelas 15h00, bem como a oficina de teatro "Abril e a Liberdade - Da Escrita Criativa à Encenação de um Conto", orientada por Ana Azevedo, com sessões de 27 de março a 25 de abril e inscrição gratuita e obrigatória.

Já em abril, está prevista a inauguração da exposição “O Palco das Marionetas”, no dia 5, pelas 18h00, que ficará patente na Casa do Caseiro da Casa-Museu de Camilo Castelo Branco até dia 28 de abril, com entrada livre.

A programação teatral prossegue no dia 6 de abril, com o espetáculo “Até Que a Boda Nos Separe”, pelo Grupo Dramático e Recreativo da Retorta (Valongo), seguindo-se, no dia 13, a peça de teatro “O Anexo”, pela Ajidanha - Associação de Juventude, de Idanha-a-Nova.

Na semana seguinte, a 20 de abril, será a vez do NUTEACV - Núcleo de Teatro da Associação Cultural de Vermoim, grupo de teatro amador famalicense, levar a cena o espetáculo "Bons Olhos o Vejam", no auditório do Centro de Estudos Camilianos.

O XVII Festival de Teatro Amador “Terras de Camilo” encerra com uma performance protagonizada pelo GRUTACA, no dia 27 de abril, que apresentará o espetáculo “O Lobisomem”.

Toda a programação do festival de teatro amador pode ser consultada no portal da autarquia em: www.famalicao.pt/xvii-festival-de-teatro-amador-terras-de-camilo.

GRDramáticoRetorta.jpg

Grutaca.JPG

PÓVOA DE LANHOSO: SERVIÇOS EDUCATIVOS DA CULTURA ENVOLVEM MAIS DE1180 CRIANÇAS EM ATIVIDADES AO LONGO DO ANO SEM ESQUECER OS 50 ANOS DO 25 DE ABRIL

LeiturasEncenadas.jpg

Os serviços educativos da Cultura promovem, ao longo de todo o ano letivo, várias atividades destinadas aos/às alunos/as do Ensino Pré-escolar e do 1.º Ciclo do Ensino Básico, abrangendo os dois Agrupamentos de escolas concelhios. Num ano em que se comemoram os 50 anos da Liberdade e da Democracia, o momento propicia-se para a ensinar aos/às mais novas um pouco mais acerca do valor que esta data representa para a história do nosso país.

São mais de 740 crianças do 1.º Ciclo e aproximadamente 450 do Pré-escolar que, de acordo com um agendamento combinado com a Direção dos Agrupamentos, são alvo privilegiado destes serviços. Numa dinâmica que se traduz em conhecimento e novas experiências, os serviços educativos, ou se deslocam aos estabelecimentos de ensino com uma leitura encenada – para os/as alunos/as do pré-escolar e 1.º e 2.º anos, ou foram os/as alunos/as que se deslocaram, como é o caso das turmas de 3.º e 4.º anos, à Casa do Livro e ao CIMF; e ao Castelo de Lanhoso, respetivamente. 

 Nessa perspetiva, durante o mês de Janeiro, os/as alunos/as do 3.º ano assistiram ao teatro de fantoches “Maria da Fonte”, que lhes foi oferecido na Casa do Livro – Biblioteca Municipal e rentabilizaram ainda a deslocação com a visita ao Centro Interpretativo Maria da Fonte (CIMF). Neste espaço foi-lhes dada a oportunidade de conhecer mais de perto a história da Revolta da Maria da Fonte, um dos elementos mais identitários da Póvoa de Lanhoso.

Outro dos ex-libris do concelho, o Castelo de Lanhoso, foi visitado pelas turmas de 4.º ano. A “Casa de D. Teresa” foi a atividade que decorreu no Castelo de Lanhoso, durante a qual as crianças puderam assistir a um vídeo sobre a sua história e que vai de encontro ao conteúdo pedagógico da disciplina de História e Estudo do Meio. Desta atividade, que decorreu durante o mês de Novembro, fez ainda parte a visita guiada por todo aquele espaço e uma atividade lúdica.

Comemorando-se este ano os 50 anos do 25 de Abril, estes alunos/as virão ao Theatro Club, assistir encenação da história “Robertices" de Luísa Dacosta, e "O 25 de abril contado às crianças..." de José Jorge Letria, pretendendo-se reforçar os conhecimentos dos/das mais novos/as acerca deste marco tão importante da nossa democracia.

Ainda no âmbito destas Comemorações será realizada a “Marcha da Leitura”, no dia 18 de abril, durante a manhã, saindo os/as alunos/as à rua para desafiar a população a recordar e falar de como eram as coisas antes e depois do 25 de Abril, e como passaram a ser após essa madrugada.

As leituras encenadas têm como protagonistas as técnicas dos serviços educativos que se deslocam a cada um dos estabelecimentos de ensino para apresentar histórias que fazem parte do Plano Nacional de Leitura, como é o caso de: "Aquela nuvem e outras" de Eugénio de Andrade, para o 1.º ano, de “Meninos de todas as cores" de Luísa Ducla Soares, para o 2.º ano. "A árvore da escola", de António Sandoval, será a história replicada aos/às mais pequeninos/as, mas mais lá para o final do ano.

Os serviços educativos são um recurso educativo que trabalha em estreita articulação com as Bibliotecas Escolares dos Agrupamentos e a Rede de Bibliotecas Escolares. As histórias escolhidas respeitam e potenciam os programas curriculares e as matérias definidas nas metas curriculares de cada ano letivo, transformando-se em encenações lúdicas que contribuem para consolidação de conhecimentos.

Para os/as alunos/as do 6º ano está também programado um espetáculo de teatro “Os Piratas”, obra trabalhada neste ano escolar, e uma visita ao Theatro Club.

FAMALICÃO: TEATRO NARCISO FERREIRA GANHA NOVOS ACESSOS, MAIS ESTACIONAMENTO E NOVO ESPAÇO PARA ESPETÁCULOS

AFS_2666.jpg

Obra ficará concluída neste Verão

Arrancam na próxima segunda-feira, dia 20 de fevereiro, os trabalhos de construção dos novos acessos e arranjos exteriores ao Teatro Narciso Ferreira, em Riba de Ave.

A empreitada, promovida pela autarquia famalicense, resulta de um investimento municipal de cerca de 195 mil euros e implicará a construção de novos arruamentos de acesso às traseiras do Teatro Narciso Ferreira, um espaço para estacionamento com capacidade para 41 viaturas e um novo espaço destinado à realização de espetáculos no exterior do Teatro.

A cerimónia de assinatura do auto de consignação da obra aconteceu na passada segunda-feira, dia 12, nos Paços do Concelho.

Mário Passos fala numa obra “que vai qualificar o espaço e toda a envolvente ao Teatro Narciso Ferreira”. O autarca famalicense lembra ainda outras intervenções que estão projetadas para esta zona central da vila de Riba de Ave, nomeadamente junto à antiga fábrica da Sampaio e Ferreira. “Acredito que, no seu conjunto, estas obras vão requalificar e tornar ainda mais atrativa esta zona”, acrescentou.

A empreitada será executada ao longo dos próximos meses, estando prevista para o Verão a sua conclusão.

AFS_2646.jpg

“O REGRESSO DE RICARDO III NO COMBOIO DAS 9H24” SOBE AO PALCO EM PAREDES DE COURA

sex_16 fev_21h30 | CENTRO CULTURAL

É já esta sexta-feira, 16 de fevereiro, pelas 21h30, que sobe ao palco no Centro Cultural de Paredes de Coura a comédia dramática escrita por Gilles Dyrek ‘O regresso de Ricardo III no comboio das 9h24’.

Uma reunião de família como nunca viu, hilariante e onde os mal-entendidos vão acontecendo num grande alvoroço, com nomes bem conhecidos das nossas artes de palco, teatro e televisão, como Adriano Luz, Ana Nave, Jessica Athayde, Miguel Thiré, Raquel Tillo, Rui Melo, Samuel Alves e Susana Blazer.

Pedro Henrique é um empresário milionário em fim de carreira, cuja família desapareceu num trágico acidente. Durante uma semana contrata atores e atrizes para interpretarem os elementos da sua família desaparecida e ajudarem-no a reconciliar-se. Entre a realidade e a ficção, a reinterpretação do turbulento passado familiar transforma-se num acerto de contas em que ninguém consegue distinguir a verdade da mentira.

A peça ‘O regresso de Ricardo III no comboio das 9h24’, com texto de Gilles Dyrek, foi nomeada para os prestigiados prémios franceses Molière 2023, na categoria de “Melhor Comédia”.

DAx0Ag5xBkOuOPOS.jpg

FÁTIMA ALÇADA É A NOVA DIRETORA GERAL E ARTÍSTICA DAS COMÉDIAS DO MINHO

image001.jpg

A Programadora e Gestora Cultural sucede a Magda Henriques na direção do projeto criado pelos Municípios de Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Valença e Vila Nova de Cerveira.

No ano em que a ‘Associação para a Promoção de Atividades Culturais no Vale do Minho - Comédias do Minho’ completa 20 anos de atividade, inicia-se uma nova fase do projeto artístico e cultural. Fátima Alçada assume as funções de Diretora Geral e Artística das Comédias do Minho a partir do dia 15 de fevereiro de 2024.

Fátima Alçada completou a pós-graduação em Gestão Cultural das Cidades, no ISCTE, e é licenciada em Línguas e Literaturas Modernas, pela Universidade de Coimbra. Foi diretora artística d’A Oficina, em Guimarães, e do Centro de Arte de Ovar. Coordenou e programou múltiplos festivais, como o FESTA – Festival Internacional de Artes na Rua – e os Concertos Incomuns, em Ovar, ou o Festival Imaginarius, em Santa Maria da Feira.

Ao longo da sua carreira, empenhou-se em desenvolver a relação entre a Arte e a Educação, tendo criado o Serviço de Educação e Mediação Cultural d’A Oficina, do qual foi também diretora artística, o Serviço Educativo do Cineteatro de Estarreja e tendo coordenado a programação da Escola de Artes e Ofícios de Ovar.

Profunda conhecedora do panorama das artes performativas, Fátima Alçada tem feito parte de vários júris nacionais e internacionais. Fez também parte da comissão de especialistas externos da Direção-Geral das Artes e colaborou na criação do programa de artes performativas da candidatura de Évora a Capital Europeia da Cultura 2027, eleito o projeto vencedor.

O cargo de diretor(a) artístico(a) das Comédias do Minho foi anteriormente desempenhado por Magda Henriques, João Pedro Vaz e Isabel Alves Costa, que concebeu a atual estrutura do projeto. As Comédias do Minho englobam, desde 2007, três eixos de ação: uma companhia de teatro profissional, de cariz itinerante, que leva as suas criações às aldeias e vilas do território; um projeto pedagógico, com produção/programação independentes no âmbito das artes performativas e da formação artística; e um projeto comunitário que envolve a população em projetos de arte participativa e comunitária.

Através da sua extensa e sustentada experiência de direção e programação, Fátima Alçada vem reforçar a missão das Comédias do Minho e desenhar uma nova estratégia para o seu futuro.

BARCELOS: EXPOSIÇÃO “QUEM ÉS TU?”, DO TEATRO D. MARIA II, ABRE HOJE AO PÚBLICO

Na sequência da nota que enviamos sobre a Exposição Quem és tu?, do Teatro D. Maria II, relembramos que a inauguração acontece hoje, às 18hna Galeria Municipal de Arte.

Da programação da exposição Quem és tu? – Um teatro nacional a olhar para o país, fazem ainda parte visitas guiadas - hoje, às  18H30, e dia 2 de março, às 15h,  na Galeria Municipal de Arte e Theatro Gil Vicente -; uma oficina para famílias, no dia 17 de fevereiro, às 10h30, com coordenação de Vera Santos; e um debate, a 2 de março, às 17h, sobre as relações entre a memória do teatro e do país, moderado por Tiago Bartolomeu Costa, comissário da exposição, e organizado em colaboração com a Comissão para as Comemorações dos 50 anos do 25 de Abril.

Exposição.jpg

A inauguração na Galeria Municipal de Arte e Theatro Gil Vicente acontece hoje, sexta-feira, dia 9 de fevereiro, às 18h00

Depois de ter percorrido 8 concelhos de Portugal continental e ilhas, desde março de 2023, a exposição Quem és tu? – Um teatro nacional a olhar para o país, com curadoria de Tiago Bartolomeu Costa, apresenta-se em Barcelos, na Galeria Municipal de Arte e Theatro Gil Vicente, de 9 de fevereiro a 2 de março.

Quem és tu? – Um teatro nacional a olhar para o país, organizada pelo Teatro Nacional D. Maria II, e desenvolvida em parceria com a Comissão Comemorativa dos 50 anos do 25 de Abril e o Museu Nacional do Teatro e da Dança, estabelece ligações entre a prática artística e o seu contexto político e social, acompanhando a história do Teatro ao longo de quase 100 anos, desde 1929 até à atualidade.

A concessão do Teatro Nacional D. Maria II à Companhia Rey Colaço-Robles Monteiro acompanhou 45 dos 48 anos da ditadura do Estado Novo. Nesse período, o teatro português desenvolveu-se, afirmou-se e definiu-se na relação com o regime. Recuperando a relação da companhia Rey Colaço-Robles Monteiro com o território nacional, esta exposição pensa as relações entre os espetáculos apresentados e as diferentes camadas de representação (do país, da sociedade, do teatro e dos regimes políticos), potenciando a perceção pública de uma certa ideia de (e para o) teatro nacional, tanto enquanto edifício, como na sua missão.

A partir de materiais documentais – figurinos e trajes, fotografias, registos sonoros e audiovisuais, programas, objetos de cena, imprensa –, produz-se um comentário crítico à história social e política que o país construiu, observando a permeabilidade e a resistência do teatro a essas realidades.

ASSOCIAÇÃO NOVA VIDA APRESENTA PEÇA TEATRAL “NOITE DE CONSOADA” NO AUDITÓRIO MUNICIPAL DE TERRAS DE BOURO

IMG-20240130-WA0005.jpg

No dia 27 de janeiro, o Auditório Municipal ficou repleto de espetadores para assistir à apresentação da peça teatral “Noite de Consoada”.  O espetáculo, em tom de comédia,  esteve a cargo da Associação “Nova Vida” da Balança e para além dos ruidosos aplausos e muitas gargalhadas do público presente, mereceu também da parte do Presidente da Câmara Municipal de Terras de Bouro, Manuel Tibo, os mais rasgados elogios e agradecimentos pela animação cultural e social que esta atuação trouxe à sede do concelho, sendo este, sem dúvida, um dos objetivos principais quando foi criado recentemente este magnifico espaço que é o Auditório Municipal.

De referir ainda que a peça se trata de uma obra original, da autoria de Manuel Oliveira e Liliana Azevedo, com a adaptação do texto de Pedro Gonçalves, Álvaro Marques, Jaime Martins e os restantes elementos. Já o cenário esteve a cargo de A.M, Conceição Oliveira, Adolfo Azevedo e Manuel Oliveira.

IMG-20240130-WA0001.jpg

IMG-20240130-WA0002.jpg

BARCELOS ACOLHE EXPOSIÇÃO “QUEM ÉS TU?” DO TEATRO NACIONAL D. MARIA II

A inauguração na Galeria Municipal de Arte e Theatro Gil Vicente acontece já na próxima sexta-feira, dia 9 de fevereiro, às 18h00

Depois de ter percorrido 8 concelhos de Portugal continental e ilhas, desde março de 2023, a exposição Quem és tu? – Um teatro nacional a olhar para o país, com curadoria de Tiago Bartolomeu Costa, apresenta-se em Barcelos, na Galeria Municipal de Arte e Theatro Gil Vicente, de 9 de fevereiro a 2 de março.

Quem és tu? – Um teatro nacional a olhar para o país, organizada pelo Teatro Nacional D. Maria II, e desenvolvida em parceria com a Comissão Comemorativa dos 50 anos do 25 de Abril e o Museu Nacional do Teatro e da Dança, estabelece ligações entre a prática artística e o seu contexto político e social, acompanhando a história do Teatro ao longo de quase 100 anos, desde 1929 até à atualidade.

A concessão do Teatro Nacional D. Maria II à Companhia Rey Colaço-Robles Monteiro acompanhou 45 dos 48 anos da ditadura do Estado Novo. Nesse período, o teatro português desenvolveu-se, afirmou-se e definiu-se na relação com o regime. Recuperando a relação da companhia Rey Colaço-Robles Monteiro com o território nacional, esta exposição pensa as relações entre os espetáculos apresentados e as diferentes camadas de representação (do país, da sociedade, do teatro e dos regimes políticos), potenciando a perceção pública de uma certa ideia de (e para o) teatro nacional, tanto enquanto edifício, como na sua missão.

A partir de materiais documentais – figurinos e trajes, fotografias, registos sonoros e audiovisuais, programas, objetos de cena, imprensa –, produz-se um comentário crítico à história social e política que o país construiu, observando a permeabilidade e a resistência do teatro a essas realidades.

inauguração da exposição terá lugar na Galeria Municipal de Arte, na próxima sexta-feira, dia 9 de fevereiro, às 18h00, seguida de uma visita guiada com o curador, Tiago Bartolomeu Costa, e logo depois no Theatro Gil Vicente. Da programação da exposição Quem és tu? – Um teatro nacional a olhar para o país, fazem ainda parte visitas guiadas - dia 9 de fevereiro, às  18H30, e dia 2 de março, às 15h,  na Galeria Municipal de Arte e Theatro Gil Vicente -, uma oficina para famílias, no dia 17 de fevereiro, às 10h30, com coordenação de Vera Santos, e um debate, a 2 de março, às 17h, sobre as relações entre a memória do teatro e do país, moderado por Tiago Bartolomeu Costa, comissário da exposição, e organizado em colaboração com a Comissão para as Comemorações dos 50 anos do 25 de Abril.

Zoo Story e Laboratório Zoo Story

O Theatro Gil Vicente recebe a peça Zoo Story, no dia 9 de fevereiro, em duas sessões: às 10h30, destinada ao público escolar e, às 21h30, para o público em geral.

O argumento é baseado numa peça de Edward Albee que Marco Paiva pega e transcreve para língua gestual portuguesa.

A partir da peça Zoo Story e da sua proposta de encenação, Marco Paiva coordena este laboratório de teatro, composto por ações de sensibilização junto dos mais novos e conversas com o público depois de cada sessão do espetáculo. “Podemos entrar?” destina-se a alunos do 3.º ciclo e acontece no dia 8 de fevereiro nas escolas do concelho; e “Conversas depois de um espetáculo para preparar o futuro”, no dia 9, logo após a peça de teatro.

SOBRE O TEATRO NACIONAL D. MARIA II

Fundado em 1846, o Teatro Nacional D. Maria II, E.P.E. é uma instituição central no panorama teatral português, comprometida com a sua missão de serviço público, que integra a promoção da democracia cultural e a realização do potencial cultural do nosso país e das suas pessoas. O TNDM II produz, coproduz e acolhe, por ano, cerca de 50 espetáculos e centenas de outras atividades, num total superior a 700 sessões, para mais de 100.000 espectadores. Procura ativamente envolver cada vez mais pessoas na sua programação, através de múltiplas iniciativas desenhadas para todos os tipos de públicos, com particular atenção a crianças e jovens e pessoas com necessidades específicas. Trabalha em prol da valorização da criação nacional e das classes profissionais artísticas e técnicas que a suportam, com equipa permanente de cerca de 90 pessoas, colaborando com centenas de artistas e outros profissionais da cultura. Apresenta os seus espetáculos nas suas salas no Rossio, em Lisboa, e em digressão nacional e internacional.

Em 2023 iniciou um projeto inédito de coesão territorial através da arte teatral, a Odisseia Nacional, que, em parceria com mais de 90 municípios de todo o continente e ilhas, promove centenas de atividades, entre espetáculos (Programa Peças), projetos de participação (Programa Atos), atividades para todos os níveis de ensino (Programa Frutos), ações de formação para profissionais da cultura (Programa Nexos), eventos de pensamento (Programa Cenários) e uma exposição itinerante. A Odisseia Nacional conta com a participação de dezenas de estruturas artísticas, de profissionais e de múltiplos parceiros públicos, privados e do terceiro setor, de todo o país.

Exposição.jpg

NÃO À VIOLÊNCIA NO NAMORO: AUTARQUIA CERVEIRENSE TRABALHA TEMA COM RECURSO AO TEATRO

Procurando sensibilizar os jovens para a problemática da violência no namoro, consubstanciada em relações tóxicas e comportamentos abusivos, a Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira está a desafiar os jovens de Vila Nova de Cerveira e de Tomiño para o concurso de teatro ‘Namorar em Sintonia’. Cada grupo participante tem de criar uma peça de teatro original para ser apresentada a 23 de fevereiro, a partir das 21h00, no Cineteatro de Cerveira - Marreca Gonçalves. Inscrições estão abertas até ao dia 6.

Um estudo da Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género (CIG) revela que 53,1% das pessoas inquiridas já foram sujeitas, a pelo menos, um ato de violência no namoro, sendo que mais de metade são mulheres. A violência psicológica é a mais prevalente, seguida da violência social e da sexual e da violência física. O ciúme é considerado a principal causa de violência no namoro pela maioria dos jovens.

Assim, em pleno mês do Amor, o Município cerveirense quer colocar os jovens a refletir e a trabalhar, através do teatro, a temática da violência no namoro de uma forma crítica, criativa e interativa. Os participantes têm de constituir grupos em representação de uma associação concelhia, com um mínimo de 5 e um máximo de 10 elementos, e a peça de teatro não pode exceder os 20 minutos, de acordo com as Normas de Participação (https://bit.ly/NamorarEmSintonia). A apresentação das candidaturas já está a decorrer até ao dia 6 de fevereiro, através de formulário próprio a ser remetido para o juventude@cm-vncerveira.pt

Composto por um representante do grupo de teatro amador “Outra Cena”, um representante do grupo de teatro do Agrupamento de Escolas de Vila Nova de Cerveira e um representante da Comédias do Minho, o júri avaliará a originalidade, a criatividade, a qualidade de apresentação geral do trabalho e o enquadramento no tema. No final, serão premiados os três grupos mais votados.

O concurso ‘Namorar em Sintonia’ enquadra-se na operação REDE_GOV MINHO, cofinanciada pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), através INTERREG V-A POCTEP.

INSTA_Namoraremsintonia.png

26 DE ABRIL – O DIA SEGUINTE: ESPETÁCULO SOBRE A HISTÓRIA DA REVOLUÇÃO DOS CRAVOS – ENCENAÇÃO E AUTORIA DO CERVEIRENSE LUÍS LOURENÇO

424619345_3093721647426400_455670247368314939_n.png

Toda a história será contada com recurso às músicas que marcaram a Revolução e a áudios originais, assim como o recurso às tecnologias de projeção de vídeo e interação dos atores com a mesma e jogos de luz que tornam este espetáculo não só um manual pedagógico mas também um grande espetáculo de entretenimento.

Obra Original e Encenação

LUÍS LOURENÇO

@luismlourenco

Pode reservar sessões para escolas, municípios e empresas no período de Abril a Maio de 2024.

O espetáculo irá percorrer o país de norte a sul.

INFORMAÇÕES E RESERVAS

geral@luislourencoproducoes.pt

421889464_17966864087690485_6381857698288126591_n.jpg

PONTE DE LIMA: TEATRO DIOGO BERNARDES APRESENTA HOJE “O TAMANHO DAS COISAS”

Hoje, dia 26 de janeiro de 2014, às 21h30, o Teatro Diogo Bernardes em Ponte de Lima apresenta, em Coprodução o espetáculo de Teatro "O Tamanho das Coisas", com Paulo Azevedo | Terra Amarela.

A determinado momento numa geografia desconhecida e sem qualquer razão aparente, um homem interrompe o seu caminho parando em pleno oceano. Da comparação entre o seu corpo e a escala avassaladora do que o rodeia levanta a questão: será que devo continuar? Até onde vai a utopia de que os heróis resistem infinitamente ao próprio cansaço? Vamos então analisar em conjunto: poderão todas as coisas medir a sua importância pela sua escala de tamanho? Será que nos vemos como gigantes?

Uma coprodução Teatro Diogo Bernardes, Cine-Teatro de Pombal, Centro Cultural de Paredes de Coura.

tdb_01_2024_1200x628_4_1_1200_800.jpg

XIX CONCURSO NACIONAL DE TEATRO RUY DE CARVALHO CONFIRMA PÓVOA DE LANHOSO COMO CAPITAL DO TEATRO

A partir do próximo sábado, a Póvoa de Lanhoso volta a ser a capital do teatro associativo do país, com a realização do XIX Concurso Nacional de Teatro (CONTE) Ruy de Carvalho. Entre os dias 27 de janeiro e 2 de março, todos os caminhos vão dar ao Theatro Club.

(Arquivo - Apresentacao CONTE 2024).JPG

O primeiro fim de semana de CONTE fica marcado, no dia 27 de janeiro, pela apresentação da comédia (M6) “Hábitos de Bebida”, às 21h45, pelo Grupo Gólgota Associação.

A anteceder a subida desta companhia a palco, realiza-se, na Galeria do Theatro Club, a abertura de uma exposição sobre Manuel Ramos Costa. Trata-se de uma forma de homenagear, a título póstumo, um homem do teatro, com grande ligação ao CONTE. Conquistou seis prémios de Melhor Encenação no Concurso Nacional de Teatro em representação de várias Companhias (sendo o encenador com mais distinções neste certame até 2023). A abertura está marcada para as 21h00 e a mostra, com alguns objetos pessoais do artista, pode ser apreciada até ao dia 2 de março.

O CONTE Ruy de Carvalho é promovido pela Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso e pela Federação Portuguesa de Teatro, em parceria com a Fundação INATEL.

CONTE Ruy de Carvalho é sinónimo de qualidade

Até ao dia 24 de fevereiro, o Theatro Club recebe as nove peças a concurso trazidas por companhias vindas de todo o país. Com o regresso de alguns grupos e com a estreia de outros, as expectativas estão elevadas e a qualidade é uma garantia.

A consagração dos/as vencedores/as está marcada para a noite de 2 de março. Até lá, todos/as darão o melhor, estando em disputa 12 prémios: Melhor Desenho de Luz / Prémio Orlando Worm; Melhor Cenografia / Prémio João Barros; Melhor Guarda-Roupa; Melhor Sonoplastia; Melhor Interpretação Secundária Feminina; Melhor Interpretação Principal Feminina; Melhor Interpretação Secundária Masculina; Melhor Interpretação Principal Masculina; Melhor Encenação; Prémio Maria da Fonte / Júri Popular; Prémio Prestígio Personalidade / Fundação INATEL; e Prémio Ruy de Carvalho / Melhor Produção. Tal como foi anunciado aquando da apresentação do programa do CONTE, no dia 19 de janeiro, este ano, o Prémio Prestígio Personalidade será atribuído a Manuel Ramos Costa.

CAMINHA: DESLUGAR – A NOVA CRIAÇÃO TEATRAL TRAZ AO PALCO A MEMÓRIA DE UMA DE MUITAS HISTÓRIAS ENTRE ÁFRICA E PORTUGAL

DESLUGAR é o novo espetáculo da companhia de teatro Caminhense, que propõe narrar uma memória bem presente de uma de muitas histórias entre África e Portugal. Nele vemos a história de Ana Gondu, uma menina com a cor da terra nos olhos, nos cabelos e na pele, que tem perguntas sem resposta, como todas as crianças da sua idade e que incorpora relatos sobre a importância da diversidade, inclusão e respeito pelas diferenças, proporcionando ao público uma experiência sensível e empática.

O novo projeto da Krisálida resulta de um processo de investigação sociológica inspirado na temática da imigração lusoafricana, onde apresenta histórias reais de vida que se fundem com as de uma personagem fictícia, a Ana Gondu. Forte e comovente, conduz o público a uma viagem ao universo extraordinário de episódios de coragem, trazendo à luz importantes debates sociais como o racismo e a xenofobia. 

Em palco, estarão as atrizes Gabriela Amaro e Raquel Ribeiro, trazendo à cena uma criação artística inspirada em episódios presentes no quotidiano de famílias que decidem chamar um novo país de lar. A partir das singularidades da personagem Ana Gondu, nascida em Portugal, traz uma perspetiva sobre as dificuldades enfrentadas por aqueles que têm descendentes de outros países, mas que, contudo, já nasceram em terras portuguesas. Independentemente das adversidades ao longo da sua trajetória, Ana Gondu questiona: “Não será casa, para além do que habitamos, também o que nos habita?”.

“Este é um espetáculo que cruza várias linguagens cénicas, desde a dança, a música ou as formas animadas, como o teatro de sombras e a manipulação de uma marioneta, permitindo um diálogo multidisciplinar e ilustrando, de forma delicada, as barreiras linguísticas, preconceitos e estereótipos que podem surgir em contextos interculturais”, afirma a encenadora do espetáculo, Carla Magalhães.

O novo espetáculo da Krisálida, intitulado Deslugar, estará em exibição nos dias 27 e 28 de janeiro, às 17H00,  no Valadares, Teatro Municipal de Caminha.

Detalhes da Apresentação:

Data: 27 e 28 de janeiro de 2024

Local: Valadares, Teatro Municipal de Caminha

Horário: 17H00

Bilhete individual - 5€

Na compra de 4 ou mais bilhetes, 4€ por bilhete.

Ficha artística e técnica

Direção Artística e Encenação: Carla Magalhães

Co-criação e Dramaturgia: Carla Magalhães, Gabriela Amaro e Raquel Ribeiro

Interpretação: Gabriela Amaro e Raquel Ribeiro

Coreografia: Joana Jardim

Criação Musical: Filipe Miranda

Desenho de luz: Rui Gonçalves

Cenografia: Luís Canário Rocha e Porfírio Barbosa

Figurinos e Adereços: Liliana Barbosa

Design: Helena Soares e Sara Costa

Voz-off do Pai:  João Pedro Chantre

Vozes-off das Crianças: Ana Miguel e Laura Gomes

Operação de Luz e Som: Sofia Alves

Produção: Krisálida

Agradecimentos: Ana Miguel, Ana Miranda, João Pedro Chantre, Laura Gomes e Rui Silva

A KRISÁLIDA é uma companhia profissional de teatro que está sediada em Caminha desde 2014 com o objetivo estrutural de fomentar o interesse pela cultura em geral e pelo teatro em particular, através de uma estratégia assente na estreita relação com as comunidades locais, procurando descentralizar e democratizar o acesso ao teatro a todos. Com esse propósito, a Krisálida cria espetáculos de teatro que possam chegar a espaços não convencionais e ser apresentados nos mais diversos locais, com qualidade estética e artística e que falam sobre assuntos que nos parecem importantes e pertinentes e que nos movem como cidadãos e artistas. A companhia cria ainda espetáculos com um cariz pedagógico para circular pelas escolas, desenvolve oficinas de teatro para crianças, jovens e adultos e promove uma mostra regular de teatro de marionetas, a MALUGA - Festa da Marioneta Luso Galaica. A Krisálida é financiada pela Direção Geral das Artes – DGARTES.

Cartaz_Deslugar.jpg