Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

TERRAS DE BOURO LEVA "AUTO DA BARCA DO INFERNO" AOS ALUNOS DE GERÊS

Apresentação aos alunos do 9.º ano da peça de teatro “Auto da Barca do Inferno”

No âmbito do Plano Integrado e Inovador de Combate ao Insucesso Escolar do Cávado, aprovado pelo Programa Operacional Regional do Norte 2014-2020 (NORTE 2020), através da Tipologia de Intervenção Planos Integrado e Inovadores de Combate ao Insucesso Escolar de âmbito intermunicipal, decorreu a 13 de dezembro, no auditório Professor Doutor Emídio Ribeiro, na vila do Gerês, a apresentação dramática da peça “Auto da Barca do Inferno” de Gil Vicente, pela Companhia de Teatro Profissional Teatro Educa  aos alunos do 9º ano.

Capa

O texto de Gil Vicente foi apresentado integralmente e de forma pedagógica, tendo a encenação criado momentos de verdadeira comédia onde alunos, professores e atores interagiram num espetáculo cheio de ritmo, humor e ação.

20181213_102755

20181213_102813

20181213_103244

20181213_104203

20181213_104337

20181213_110431

20181213_111106

20181213_112246

20181213_114020

PONTE DA BARCA APRESENTA TEATRO “NO SÓTÃO DA AVÓ SOPHIA” NO DIA 20, NA PRAÇA DA REPÚBLICA

ENTRADA GRATUITA

É já no próximo dia 20, pelas 14h, na Praça da República, que todas as crianças estão convidadas a assistir  ao espetáculo de teatro “No Sotão da Avó Sophia”, que o Tin.Bra - Academia de Teatro apresenta com o apoio do Município de Ponte da Barca, no âmbito das atividades da iniciativa Barca In’Natalis.

TeatroSotaoAvoSofia

No sótão da Avó Sophia”, é um espetáculo encantador que vai fazer as delícias de qualquer criança, nesta época natalícia! A entrada é gratuita.

SINOPSE

Um sótão nunca é apenas um sótão, um livro nunca é apenas um livro, uma avó é muito mais que apenas avó. Na noite de natal, Maria uma menina acertada e António um menino desajeitado vão a casa da avó Sophia. Enquanto esperam pelo jantar estar pronto deliciam-se com os livros empoeirados que estão no sótão da avó. Ao lerem as palavras que dançam por entre as cores das páginas, os dois primos tornam-se personagens principais nas histórias de encantar. António e Maria sabem que são muito diferentes e por isso desentendem -se facilmente mas há uma coisa que eles sabem que os une acima de qualquer divergência. A luz dos livros, a luz que entra pela janela do sótão, a luz da estrela que ilumina o céu da noite, a luz que carinhosamente tem um cheirinho de avó e uma essência de Sophia é aquela que os abraça e os embala nos passos da vida, fazendo que caminhem de mão dada todas as noites de natal, em todos os anos, para o sótão que não é apenas um sótão, pois é ele o sótão da avó Sophia de quem a saudade é imensa e a lembrança não tem esquecimento. Venham com António e Maria descobrir a magia da avó que não é apenas uma avo… venham descobrir Sophia.

UM CONTO DE NATAL, DE CHARLES DICKENS | COMPANHIA DA ESQUINA: A PROGRAMAÇÃO PARA A INFÂNCIA E A JUVENTUDE SERÁ CONSTANTE NA TEMPORADA 2018-2019 NO TEATRO DIOGO BERNARDES, EM PONTE DE LIMA

15 de Dezembro – 17H30 e 21h30 – Teatro Diogo Bernardes – Ponte de Lima

No próximo sábado, 15 de Dezembro, com sessões às 17h30 e às 21h30, o Teatro Diogo Bernardes, em Ponte de Lima, apresenta Um Conto de Natal, de Charles Dickens, pela Companhia da Esquina, com encenação de Jorge Gomes Ribeiro e interpretação de André Nunes, André Vasconcelos, Catarina Rôlo Salgueiro, Pedro Martinho, Rita Fernandes e Sérgio Moura Afonso.

um_conto_tdb_4x3_

Boas festas para todos em qualquer altura do ano! O Natal só acontece uma vez por ano, triste verdade, pois se acontecesse todos os dias, este mundo seria bem diferente. Esta é a mensagem de Charles Dickens e do seu Conto de Natal.

Repicariam então os sinos com a sua sábia capacidade de transmitir todo um mundo espiritual, revelando-o como um grande amigo da infância. Boas festas para todos, com os Contos de Charles Dickens.

“Mais vale ser cego de todo, do que ter um ar destes.” Esta é a opinião de Pickles, a pulga, que inadvertidamente vai cair na orelha do protagonista do Conto de Natal, o avarento Scrooge. Scrooge, uma personagem de Dickens que recusa a tradição e põe em causa o ideal do Natal, tem desta vez um observador anónimo, a pulga Pickles. De uma forma inovadora, Pickles vai fazer uma narrativa da viagem alucinante que Scrooge inicia quando é confrontado por três espíritos natalícios que o tentam redimir dos erros do seu passado. Estes três fantasmas representam o passado, o presente e o futuro e percorrem o texto de Dickens de forma patética, com uma subtileza de humor contemporâneo que torna possível uma harmonia na reconciliação dos homens, não só através das suas virtudes como também das suas fraquezas. Assim, os fantasmas desta história comportam-se por vezes de uma forma pouco convencional, onde a sua estratégia metafísica nem sempre é eficaz. Deste modo, os seus métodos sobrenaturais avançam por tentativa e erro, para redimir o avarento Scrooge. Neste processo, vão precisar quase sempre, de uma pequena ajuda terrena por parte de Pickles, emprestando uma natureza humana a estas personagens oriundas do sobrenatural. Quanto a Scrooge, não se esqueçam! Um problema de consciência traz sempre uma pulga atrás da orelha.

“Um Conto de Natal

Julgo ser um espectáculo cuidado, harmonioso e de qualidade. Gostei particularmente da partitura musical e da concepção plástica (quer dos figurinos, quer da opção pelo cenário que, de forma curiosa, lembrava ilustrações de livros de contos para crianças).

Acho que, no conjunto, o espectáculo revelou uma equipa muito coesa e sólida, boas presenças cénicas, boas vozes, um especial cuidado com uma série de pormenores (projecções incluídas), enfim, um trabalho de qualidade.” Maria Helena Serôdio (Directora da revista Sinais de Cena e Coordenadora do Departamento de Estudos de Teatro da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa)

Ficha Artística/Técnica

Texto e Dramaturgia: Jorge Gomes Ribeiro e Pedro Martinho | Encenação: Jorge Gomes Ribeiro | Elenco: André Nunes, André Vasconcelos, Catarina Rôlo Salgueiro, Pedro Martinho, Rita Fernandes e Sérgio Moura Afonso | Direcção Musical: Sandra Nunes | Coreografia: Joana Furtado |

Sonoplastia: Nuno Lacerda | Figurinos: João Micael | Execução de Guarda-Roupa: Atelier Alda Cabrita | Ilustrações: Hugo Martins | Design Gráfico: João Afonso | Web-design e Multimédia: Margarida Fernandes | Fotografia: Pedro Sadio Photography

Bilhetes à venda (5,00€) e mais informações no Teatro Diogo Bernardes, pelo telefone 258 900 414 ou pelo email teatrodb@cm-pontedelima.pt

A continuidade dos espectáculos para a infância e juventude acontece já no próximo dia 22, através do espectáculo de teatro musical infantil O Feiticeiro de Oz, com sessões às 17h30 e às 21h30, pela Cri’Art, estrutura artística que regressa em Janeiro de 2019 com o espectáculo O Príncipe Nabo: O Musical, baseado na obra de Ilse Losa, sob a forma, também, de espectáculo de teatro musical infantil.

O musical permitirá reviver em palco o fantástico mundo da fantasia, entre príncipes, princesas, reis e os seus criados. Pretende-se, através da música, cor e magia, contar esta história de Ilse Losa, dando-lhe uma abordagem mais musical, desconstruindo assim a narrativa para que seja mais fácil a sua compreensão.

Em Fevereiro, o Teatro do Montemuro traz ao Teatro Diogo Bernardes o espectáculo O Gigante, com Fantoches e Formas Animadas. Três actores em palco, em cena, com um universo colorido e cativante de fantoches. Um mundo mágico e imaginário conseguido num jogo de luz, cor e sons capazes de nos transportar para um outro mundo.

O Gigante é uma parceria entre duas companhias de dois países diferentes: The Fetch Theatre, da urbana West Midlands em Inglaterra e o Teatro do Montemuro, da zona rural de Portugal. Duas companhias cada uma com o seu próprio estilo, mas com algo em comum: o compromisso de criar uma nova forma de apresentação, vibrante e dinâmica. Uma fusão de linguagens: a música, as canções, o movimento e muito pouco texto em português liderado numa verdadeira aventura de dois encenadores, um português e um inglês.

No início de Janeiro será anunciada a restante programação destinada aos públicos mais jovens e às famílias que o Teatro Diogo Bernardes apresentará até Junho de 2019.

um_conto_tdb_mupi_

COMPANHIA DE TEATRO DE BRAGA LEVA À CENA EM PONTE DE LIMA “A ANTIGA MULHER, DE ROLAND SCHIMMELPFENNIG | ENCENAÇÃO DO ITALO-FRANCÊS TONI CAFIERO”

14 de Dezembro – 21h30 – Teatro Diogo Bernardes – Ponte de Lima

Estreada a 12 de Outubro passado, como vem acontecendo com outros espectáculos de teatro com estreias muito recentes, uma política que também já é habitual no Teatro Diogo Bernardes, em Ponte de Lima, na próxima sexta-feira, 14 de Dezembro, às 21h30, é apresentada a peça de teatro A Antiga Mulher, de Roland Schimmelpfennig, pela Companhia de Teatro de Braga, com encenação do italo-francês Toni Cafiero.

1

«Toni Califiero explica que “esta peça assenta numa estrutura clássica, inspirada no teatro clássico e o impacto do contemporâneo. A consciência do final trágico é muito importante no teatro. Achamos que podemos ter tudo, mas só temos uma certeza: a morte.”

O encenador salientou o papel “fundamental” do teatro na sociedade actual “marcada pelo medo do futuro e por um sistema capitalista que não permite que as pessoas pensem e se interroguem”. “E esse é o papel do teatro é interrogar e chocar. O teatro olha o futuro, é feito de gente que pensa à frente no seu tempo”.»

5

«Em ‘A Antiga Mulher’, Schimmelpfennig é o explorador de universos de luz e mais sombrios de nossas identidades contemporâneas, lá onde o equilíbrio do feminino e o masculino está em jogo, numa confrontação essencial com nossos valores e nossas aspirações mais profundas. No centro do espetáculo, uma história tão antiga quanto a humanidade e, portanto, de uma modernidade constantemente renovada: Romy, antiga amante de Frank, casado há quase 20 anos com Claudia, bate à porta do apartamento do casal. Ela quer encontrar seu primeiro amor, o homem que lhe prometeu há 24 anos, que a amaria para sempre.»

«Com encenação do italo-francês Toni Cafiero, reconhecido pelo seu trabalho como comediante, encenador e professor em diversos países, tanto no âmbito do teatro como da ópera, A Antiga Mulher traz a história da intimidade de um casal e da problemática das relações familiares, num autêntico retrato de uma sociedade contemporânea em sofrimento. Nesta criação clássica, Roland Schimmelpfennig um dos autores mais representados do mundo, torna-se explorador dos universos luminosos e mais sombrios, onde o equilíbrio do feminino e do masculino está em jogo.» (Andreia Ferreira, Revista Rua)

Autor: Roland Schimmelpfennig | Encenação: Tony Cafiero | Cenografia: Acacio de Carvalho | Figurinos: Sandra Dekanic | Desenho de Luz: Jean Pascal Pracht | Elenco: André Laires, António Jorge, Carlos Feio, Solange Sá, Sílvia Brito

Bilhetes à venda (4,00€) e mais informações no Teatro Diogo Bernardes, pelo telefone 258 900 414 ou pelo email teatrodb@cm-pontedelima.pt

A ANTIGA MULHER MUPI Curvas

FAMALICÃO RECEBE ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS

Alice chega de Jangada Teatro à Casa das Artes. Último grande espetáculo de palco de 2018 em Vila Nova de Famalicão

Esta quinta e sexta-feira, Alice traz a Vila Nova de Famalicão o seu País das Maravilhas que é transportado para palco pela companhia Jangada Teatro. Uma iguaria que sobressai no menu programático da Casa das Artes deste mês natalino.

Alice

A peça, que é a 50ª produzida pela companhia profissional de Lousada, conta com quatro interpretes e assume como temática central o tempo e como este acaba por nos formatar e moldar como pessoa.

À semelhança de outros realizados pela Jangada Teatro, este é um espetáculo musicado que promete ser repleto de magia e que, que além do espetáculo teatral integra uma componente audiovisual que promete agarrar o público de todas as idades.

Alice recria todo um universo em que os personagens estão presos no seu próprio relógio e na sua loucura.

Um espetáculo para todas as idades que pode ser visto, na quinta-feira, dia 13 de dezembro às 10h30 e às 15h00, no Grande Auditório da Casa das Artes e, no dia 14 de dezembro, às 10h30 e às 21h30. Os bilhetes custam 4 euros. Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural pagam 2 euros.

O imaginário vai para o eterno “tic-tac”, uma história que à partida todos parecem conhecer… Mas será mesmo assim? Alice promete fazer-nos mergulhar num mundo estranho, curioso, intrigante, que traz mil perguntas, mesmo que não tenham resposta.

E quem somos, quando não se ouvem os ponteiros do relógio?

Estamos todos neste País das Maravilhas. Mas, neste País das Maravilhas, só existem loucos. Mas, como diz o Gato: - As melhores pessoas são loucas!

A Jangada teatro foi fundada em 1999 em Lousada e tem como propósitos promover o nível cultural da região geográfica onde está inserida.

A companhia tem-se notabilizado pela aposta que tem realizado pela “fusão do trabalho do ator com as marionetas, as máscaras e a música ao vivo”.

A companhia é, presentemente, uma referência do teatro na região, a nível nacional, tendo nos últimos anos apostado na internacionalização com a promoção de vários espetáculos em diferentes países, nomeadamente, em Espanha, França, Lituânia, Brasil, Estados Unidos da América e México.

ESPOSENDE: GATERC VAI FAZER ESTREIA DA PEÇA “AL OLARÉ”

8 dezembro, 22h00 – Auditório Municipal de Esposende

No âmbito do CREARTE - Crescimento da Arte Teatral em Esposende, o GATERC (Grupo Amador de Teatro de Esposende - Rio Cávado) vai promover a estreia da peça de teatro AL OLARÉ, no próximo sábado, dia 8 de dezembro, às 22h00, no Auditório Municipal de Esposende.

gaterc

A peça, uma adaptação de um texto de Mário Botequilha, é uma comédia sobre a crise. Al Pantalone é a história de um embuste. Nada voltará a ser igual depois do golpe dado a um país, a uma geração, a muitas gerações, pelo ganancioso Pantalone, o homem que quer sempre mais uma moedinha no porta-moedas e um amigo bem colocado no bolso. Esta é a época em que a culpa morre solteira. E, no momento em que tudo muda para que tudo fique igual, quem reina é Pantalone.

Com encenação de Eva Rodrigues e Jorge Alonso, a peça terá como intérpretes João Faria, Tiago Cepa, Sandra Araújo, Marlene Vilas Boas, João Silva, Paulo Bué Fernandes e Ricardo Azevedo.

Os bilhetes para este espetáculo podem ser adquiridos no Centro de Informação Turística de Esposende ou na bilheteira do Auditório Municipal de Esposende, no dia do espetáculo, a partir das 21h30.

Numa estratégia de promoção da cultura e do teatro enquanto veículo de enriquecimento social e cultural, o Município concebeu o programa CREARTE, que está a ser desenvolvido sob a orientação do Ator/Encenador Jorge Alonso e que, entre outros objetivos, visa a promoção do teatro amador no concelho. Neste sentido, os cinco grupos de teatro concelhios, nomeadamente Forjães em Cena, GARFO - Grupo de Artes Recreativas de Fonte Boa, GATA - Grupo de Teatro Amador de Fão, GATERC - Grupo Amador de Teatro Esposende-Rio Cávado e JUM - Juventude Unida de Marinhas, têm tido oportunidade de evidenciar o seu trabalho, por via da apresentação das suas produções.

BARCELOS: BALUGÃES ENCERRA FESTIVAL DE TEATRO

Festival PALCO DE TERRA encerra com atribuição de prémio anual

O festival de teatro PALCO DE TERRA termina este fim de semana com mais dois espetáculos e a atribuição do prémio anual, instituído para reconhecer e agradecer o trabalho e o esforço de pessoas ou instituições no âmbito do teatro realizado no meio rural e da criação artística sobre o Minho.

capa_PALCO DE TERRA 2018

Este ano, a distinção será atribuída ao Cénico Lírio do Neiva, grupo de teatro mais antigo do Minho em atividade, tendo sido fundado em 1933, celebrando 85 anos de teatro popular e de amadores.

No sábado, pelas 21h30, é a vez do Grupo de Expressão Dramática de Escapães levar à cena a peça “Os (des)Amores de Inês”. O certame encerra no domingo, dia 2 de dezembro, pelas 16h00, com a comédia “O Médico da Aldeia”, pelo Grupo Cénico Lírio do Neiva e, de seguida, será realizada a cerimónia de atribuição do Prémio PALCO DE TERRA.

O festival é organizado pelo Teatro de Balugas e pela Junta de Freguesia de Balugães (Barcelos). A entrada é livre e limitada à lotação do auditório da Junta de Freguesia.

Prémio PALCO DE TERRA 2018

CARTÃO DE EMBARQUE: GRUPO EM MOVIMENTO | APPACDM DE PONTE DE LIMA

30 de Novembro – 21h30 – Teatro Diogo Bernardes – Ponte de Lima

Em Movimento, assim se denomina o grupo da APPACDM – Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental, de Ponte de Lima, que esta sexta-feira, 30 de Novembro, pelas 21h30, volta ao Teatro Diogo Bernardes, desta feita para apresentar o espectáculo para maiores de 6 anos intitulado Cartão de Embarque, profundamente alicerçado na dança contemporânea, mas que recorre a outro tipo de performances artísticas, com passagens pelo teatro e com desempenhos musicais ao vivo.

appacdm_4x3_

O resumo que nos prepararam para apresentar o espectáculo é o seguinte:

Uma viagem, uma partida, com ou sem regresso…

A vontade de partir à procura do desconhecido, do caminho certo, do que nos espera à chegada. O risco de partir sem destino.

Atravessar fronteiras, procurar o companheiro ideal para a viagem. Embarcar nesta aventura com a única certeza de que o desafio é romper barreiras, ultrapassar horizontes, levando na bagagem a vontade de chegar sempre mais e mais além.

Com inspiração em Frida Kahlo e nas sábias palavras de Bertold Brecht, na mala um horizonte de sonhos que o teatro, a dança e a música oferecem.

Cartão de Embarque, pretende exceder na criação e levar o público a desfrutar do prazer da descoberta.

Embarque nesta viagem, viva o limite, o incerto e regresse a um lugar.

Bilhetes à venda (4,00€) e mais informações no Teatro Diogo Bernardes, pelo telefone 258 900 414 ou pelo email teatrodb@cm-pontedelima.pt

A ÚLTIMA NOITE DO CAPITÃO | FILIPE CRAWFORD SOBE AO PALCO DO TEATRO DIOGO BERNARDES UM DOS MAIS TALENTOSOS ACTORES PORTUGUESES

1 de Dezembro – 21h30 – Teatro Diogo Bernardes – Ponte de Lima

Sábado à noite, 1 de Dezembro, às 21h30, Filipe Crawford, aquele que pode ser considerado em termos artísticos uma referência no panorama do cinema e da televisão em Portugal e que que pode ser apreciado na recente série de televisão 3 Mulheres, no papel de tipógrafo, apresenta, no Teatro Diogo Bernardes, em Ponte de Lima, “A Última Noite do Capitão”, um espectáculo para maiores de 12 anos.

filipe-crawford - fotografia

Baseado numa historia verídica, este monólogo, Tragicommedia dell'arte, adaptação livre de "Le Bravure de Capitano Spavento" (1619) do cómico Francesco Andreini (1548-1624), concilia o drama com a comédia.

O retrato da vida de Francesco Andreini, cómico dell'arte, afastado das tábuas do palco e nostálgico dos anos de glória da comédia italiana dos finais do séc. XVI. Uma carta que escreve ao seu antigo mecenas é a chave que abre o álbum de recordações dos sucessos obtidos há mais de 400 anos. Num estilo muito próximo do "Canto do Cisne" de Tchecov e do "El Canto de la Rana" de Sinisterra, de carácter histórico, mas, neste caso, passada nos inícios do séc. XVII em Itália, utilizando as máscaras de couro da Commedia e salvando do esquecimento monólogos exultantes e barrocos ditos pelo Capitão, recopiados do texto original de 1619 "Le Bravure di Capitano Spavento" criando deste modo uma adaptação de um dos livros mais sugestivos da Commedia dell'arte, livro que foi motivo de inspiração, plágio e veneração, entre os comediantes desde 1600 até hoje. A encenação é austera, sem recurso à música ou a efeitos de luz, transitando entre a tragédia e a comédia, entre a alegoria e a crua realidade, num registo de teatro intimista onde sobressai o relato pungente de Andreini e a fantasia do Capitão, personagem que, segundo Julio Vélez-Sainz, seria o gérmen inspirador de Don Quixote, de Cervantes.

Filipe Crawford é o intérprete desta versão portuguesa da peça de Cabezas, também ele comediante especialista na Commedia dell’Arte, que, com 60 anos assume a personagem de um velho actor que já foi famoso e se encontra agora esquecido e na miséria. Para além do interesse histórico e teatral da peça, que é uma lição de teatro, pretende-se com a sua temática alertar também para a precariedade trágica da vida dos artistas, muitas vezes condenados a um fim de vida votado ao esquecimento.

Para além do teatro, em que Filipe Crawford é das mais notáveis referências nacionais, em termos de televisão e de cinema, atente-se para as seguintes participações e interpretações: 1979: Histórias Com Pés e Cabeça (TV); 1983: Origens (TV); 1984: Sempre-em-Pé; 1987: Atys: Diana; 1989: Blues do FM (TV): Tânia; 1989: Comboio da Canhoca; 1989: Erros Meus, Má Fortuna, Amor Ardente (TV); 1990: Marina, Marina (TV); 1993: Sozinhos em Casa (TV): Pimenta (1 episódio); 1993: Ideias Com História (TV); 1993: Nico d’Obra (TV): (1 episódio); 1995: Adão e Eva: Guilherme; 1996: Barba & Cabelo (TV): Pimenta (1 episódio); 1998: Diário de Maria (TV); 1998: Médico de Família (TV); 1999: Três Noites Sem Dormir (TV); 1999: A Lenda da Garça (TV): Álvaro Silva; 2001: O Espírito da Lei (TV): (1 episódio); 2002: Tudo por Amor (TV): Henrique Morais; 2004: Inspector Max (TV): (1 episódio); 2006: Bocage: Conde Pombeiro; 2007: Vingança (TV); 2007: Floribella (TV); 2008: Deixa-me Amar (TV): (1 episódio); 2008: Liberdade 21 (TV): (1 episódio); 2004 - 2009: Morangos Com Açúcar (TV): (1 episódio); 2009: Um Lugar Para Viver (1 episódio); 2010: Destino Imortal (TV): Professor Lopes; 2011. Laços de Sangue (TV): Padre

Jerónimo; 2012. Dancin' Days (TV): Ministro dos Negócios Estrangeiros; 2017: Inspector Max (TV): (1 episódio); 2018: 3 Mulheres (TV): Tipógrafo;2018: Ruth (Cinema): Catarino Duarte.

Bilhetes à venda (4,00€) e mais informações no Teatro Diogo Bernardes, pelo telefone 258 900 414 ou pelo email teatrodb@cm-pontedelima.pt

ultima_noite_mupi_

I FESTIVAL DE TEATRO AMADOR DE PONTE DA BARCA FOI UM SUCESSO

O público barquense rendeu-se ao fascínio do teatro e contribuiu para que a I edição do Festival de Teatro Amador de Ponte da Barca se revelasse um sucesso. Nos dois fins-de-semana em que decorreu, os espetáculos apresentados trouxeram momentos de grande animação aos serões dos muitos espetadores presentes no auditório da Epralima.

Capturaraa

Este Festival contou com a participação de grupos de várias localidades, destacando-se a presença da Associação Os Canários de Bravães; Grupo de Teatro Minc Juvenil; Associação Cultural de Padornelo; Companhia Movimento Incriativo; GTV – Grupo de Teatro do Vez; Nova Comédia Bracarense e Grupo de Teatro Filarmónica Milagrense.

O Presidente da Câmara, Augusto Marinho, considera que iniciativas como estas, que trazem dinamismo e animação ao concelho, merecem o apoio e o reconhecimento da autarquia, “prevendo-se, pelo sucesso da edição inaugural, o regresso do Festival já no próximo ano.”

46755370_1556166841150960_8745230262847143936_o

46866262_1556166971150947_6104823955703463936_o

46880398_1556166881150956_6023774555573583872_o

MUNICÍPIO DE CELORICO DE BASTO APOIA O TEATRO

 

Auditório do Prado é o novo “centro cultural” do Grupo de Teatro Celoricense

Foi assinado ontem, 21 de novembro, no salão Nobre dos Paços do Concelho, um protocolo de cedência de instalações entre o Município de Celorico de Basto e Grupo de Teatro Celoricense.

_DSC7649

Com este protocolo o Município cede um espaço, o Auditório do Prado, ao GTC como forma de valorizar a atividade desenvolvida por este grupo de teatro.

“Este espaço irá valorizar um grupo que tem vindo a ter um papel muito importante na cultura do concelho. O GTC transformou o teatro numa arte em crescendo cada vez mais procurada por miúdos e graúdos. Estava na altura de terem um espaço condigno para ensaiar as suas peças de teatro e guardar todo o material inerente ao mesmo” disse Joaquim Mota e Silva, Presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto, na assinatura do protocolo de cedência. Reforçou ainda que “o Município está atento a estas manifestações culturais e tendo verificado o potencial deste grupo achou que seria oportuno contribuir para que o mesmo pudesse alavancar a sua atividade e contribuir ainda mais para o desenvolvimento cultural do concelho”.

De facto, o auditório do Prado é o local há muito ambicionado pelo GTC. Filipe Gonçalves, Presidente do GTC, mostrou-se feliz por ver o sonho realizado. “Precisávamos muito de um espaço que correspondesse aos nossos objetivos, ao nosso sonho. Agradecemos muito ao Município por nos permitir sonhar mais alto, por nos dar um espaço que iremos potenciar para que seja perfeito para a formação e os ensaios em teatro e quem sabe, para apresentar os espetáculos que vamos criando. Hoje é dia de celebrar a continuidade de um sonho que nasceu há 6 anos e que vive dias felizes, durante este percurso já formamos 2 turmas de crianças e 3 turmas de adultos, só podemos estar agradecidos”.

Com a assinatura deste protocolo o GTC pode agora utilizar o espaço para a formação e os ensaios em teatro com todas as turmas que integram o grupo. O auditório servirá ainda de armazém para todos os equipamentos inerentes ao GTC.

_DSC7662

FESTA DA MARIONETA LUSO-GALAICA ANIMA CAMINHA NOS DIAS 1 E 2 DE DEZEMBRO

“Oficinas divertidas”; ‘circo de bananas’, uma peça sobre um nabo gigante; ‘MALUGABUS’ - transporte gratuito - entre Viana do Castelo e Caminha -; passatempo com viagem de TUGATUK, dão o mote a esta edição

Caminha volta a ser a capital da marioneta nos dias 1 e 2 de dezembro, com a promoção de mais uma Festa da Marioneta Luso-Galaica - MALUGA. “Oficinas divertidas” - construção de marionetas de fios e sombras; ‘circo de bananas’, uma peça sobre um nabo gigante, um espetáculo sem texto e um clown 'perdido numa viagem animada' e ‘TOLITATES’, dão o mote a esta IV edição da MALUGA. Esta edição apresenta como novidade o ‘MALUGABUS’ - transporte gratuito entre Viana do Castelo e Caminha.

Marioneta

Este evento promovido pela Krisálida – Associação Cultural do Alto Minho em parceria com a Câmara Municipal de Caminha, reúne companhias de marionetas de Portugal e da Galiza (Espanha), entre espetáculos, em sala e na rua, e ‘workshops’ temáticos para os mais pequenos. Esta IV edição conta com algumas novidades: o ‘MALUGABUS’, transporte gratuito entre Viana do Castelo e Caminha, pelas freguesias, para facilitar o acesso do público aos dois dias de espetáculos, através de um mini-bus e, ainda um passatempo onde cada participante poderá ganhar uma viagem para 4 pessoas de TUGATUK.

Com uma programação divertida, esta IV edição daMALUGA volta a contar com as “oficinas divertidas”, ‘workshops’ de construção de marionetas de fios destinados a crianças com mais de quatro anos, a cargo da companhia galega Trécola e a cargo da Krisálida, na construção de um teatro de sombras e respetivas silhuetas; teatro de rua e vários espetáculos no Valadares Teatro Municipal.

As manhãs do evento serão preenchidas com as “oficinas divertidas”, que terão lugar a partir das 10H00, no edifício Paços do Concelho. No dia 1, terá lugar ‘O Fantástico Mundo das Sobras’ – construção de marionetas de sombras - a cargo do Krisálida e, no dia 2, ’Fios & Papel’ - construção de marionetas de fios – a cargo do Teatro de Marionetas Trécola. Estas oficinas dirigem-se a crianças com idades superiores a 4 anos. As inscrições terminam a 30 de novembro e deverão ser efetuadas através do email krisalida.acam@gmail.com ou do telemóvel 00351 960 115 415.

A tarde do dia 1 de dezembro é muito preenchida. Entre as 14H00 e as 17H00, na Praça Conselheiro Silva Torres, decorrerá o “Circo Máximo”, o “único circo de bananas do planeta”. Trata-se de uma animação de rua a cargo da Companhia Marimbondo, da Lousã, na qual todos os atores são, precisamente, bananas. Pelas 17H30, terá lugar o espetáculo “O Nabo Gigante”, pela companhia Partículas Elementares, de Ovar. Trata-se de um texto original de AlexisTolstoi e tudo se passa num pequeno e bonito quintal tendo como protagonista um casal de velhinhos e, claro, um nabo gigante. Este espetáculo decorre no Valadares, Teatro Municipal de Caminha.

À semelhança da tarde de sábado, também a de domingo será repleta de animação. Pelas 15H00, decorrerá no Terreiro, o espetáculo de rua ‘HEAVEN’ de Daniel Gonçalves, um espetáculo onde um clown anda a deambular pela vida, carregando malas, carregando memórias, carregando situações muito divertidas!

A MALUGA encerra com a peça TOLITATES, apresentado pelo Teatro Marionetas Trécola, de Lugo (Galiza), no Valadares Teatro Municipal de Caminha. Trata-se de um espetáculo sem texto, que apresenta uma nova técnica de manipulação, misturando o teatro de objetos, marionetas de fios, bunraku e fantoches. As marionetas e os objetos transformam-se assim nos protagonistas da história, substituindo ao longo de 50 minutos as palavras pelas ação e música num lugar mágico, cheio de segredos e em que a figura do marionetista está oculta.

BARCELOS: FESTIVAL PALCO DA TERRA ARRANCA EM BALUGÃES

O festival de teatro PALCO DE TERRA arranca este fim de semana. De 24 de novembro a 2 de dezembro, vindo da Galiza, Santa Maria da Feira, Gondomar e Barcelos, o teatro monta palco na terra de Balugães!

capa_PALCO DE TERRA 2018

Este sábado, pelas 21h30, a comédia musical “Do Céu Caiu um Anjinho”, do Teatro Vai Avante abre a programação. No domingo, pelas 16h00, é a vez da companhia galega Andaravía Teatro levar à cena a peça “Moito Barulho e Poucas Carolas”. O festival continua no fim de semana seguinte, no dia 2 de dezembro, pelo Grupo de Expressão Dramática de Escapães com a peça “Os (des)Amores de Inês”. O certame fecha com a comédia “O Médico da Aldeia”, pelo Cénico Lírio do Neiva, grupo que será distinguido este ano com o Prémio PALCO DE TERRA por ser o grupo de teatro mais antigo do Minho em atividade, tendo sido fundado em 1933.

O prémio anual PALCO DE TERRA foi instituído para reconhecer e agradecer o trabalho e o esforço de pessoas ou instituições no âmbito do teatro realizado no meio rural e da criação artística sobre o Minho. Em 2017, a distinção foi atribuída ao ator, encenador e dramaturgo Fernando Pinheiro, pelo trabalho desenvolvido ao longo de 50 anos de teatro no Minho.

O festival é organizado pelo Teatro de Balugas e pela Junta de Freguesia de Balugães. A entrada é livre e limitada à lotação do auditório da Junta de Freguesia de Balugães (Barcelos).

MONÇÃO É PALCO DA PEÇA DE TEATRO “UMA RECEITA SÓ NOSSA”

Sábado e domingo, pelas 11h00 e 15h00, no centro histórico de Monção. Início no Arquivo Municipal.

Além de apresentar o Cordeiro à Moda de Monção em 18 restaurantes, o programa do próximo fim de semana, 17 e 18 de novembro, completa-se com uma peça de teatro alusiva aquele prato típico do nosso concelho, recentemente distinguido como uma das 7 maravilhas da gastronomia portuguesa.

FDS cordeiro frente

Apelidada de “Uma receita só nossa”, a peça de teatro conta com interpretações também nossas. Grupo de Teatro Tuka Tuka, Associação Filarmónica Milagrense, Rancho Folclórico da Casa do Povo de Barbeita e Associação Sociocultural e Recreativa de Pinheiros.

O espetáculo decorre no sábado e no domingo, pelas 11h00 e 15h00. Começa no Arquivo Municipal e termina no Cine Teatro João Verde, percorrendo vários locais emblemáticos do centro histórico: Igreja Matriz, painel João Verde, brasão Deu-la-Deu/Estátua da Danaide, Casa do Curro e porta de Salvaterra.

A peça retrata, de forma animada, as peripécias de quatro chefes de cozinha, na disputa pela atenção e consequente admiração da sua receita de cordeiro. Em cada etapa do percurso, haverá uma personagem guia que convida o público a envolver-se na história apaixonante da nossa terra.

FDS cordeiro verso

CONVERSAS DE ESQUINA | FÉRTIL CULTURAL EM PONTE DE LIMA

17 de Novembro – 21h30 – Teatro Diogo Bernardes – Ponte de Lima

Sábado, 17 de Novembro, às 21h30, no Teatro Diogo Bernardes, em Ponte de Lima, A Fértil Cultural apresenta a sua mais recente produção, estreada a 2 de Novembro passado – Conversas de Esquina, com texto e encenação de Rui Alves Leitão e interpretação de Neusa Fangueiro e Tanya Ruivo, com a particularidade de permitir apenas a lotação limitada a 80 espectadores.

conversas_esquina_4x3_

Atente-se que este espectáculo é da responsabilidade da estrutura profissional de teatro que materializa, há três anos, na qualidade de parceira, o Serviço Educativo do Teatro Diogo Bernardes, quer com alunos do 1.º Ciclo do Ensino Básico, quer com Amadores de Teatro provenientes de Grupos de Teatro do Concelho, tendo sido apresentados quatro exercícios finais resultantes dos trabalhos de formação ministrados nos anos lectivos de 2016-2017 e de 2017-2018.

As acções do presente ano, que coincidem com o ano lectivo, tiveram início no corrente mês de Novembro e prevê-se a apresentação dos exercícios finais em Abril de 2019, antes da Páscoa, como não podia deixar de ser, no Teatro Diogo Bernardes.

Voltando a Conversas de Esquina, trata-se de uma co-produção da Fértil Cultural, do Teatro Diogo Bernardes e da Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão, com apoios de, entre outros, do Município de Ponte de Lima e do Município de Vila Nova de Famalicão e financiamentos da Direção Geral das Artes / Ministério da Cultura / República Portuguesa.

Num espaço e num tempo comum duas mulheres encontram-se e conversam. Que conversas são essas? Quantas vezes se encontram? E têm sempre conversa?

No ponto onde duas vias se intersectam, estas duas mulheres intersectam as suas vidas tendo sempre uma conversa pronta na ponta da língua. Diálogos em catadupa sem propósito premeditado, mas com o propósito de se esclarecerem sobre o que as rodeia.

A esquina serve de metáfora ao espaço onde tantas conversas acontecem.

Texto e encenação Rui Alves Leitão

Interpretação Neusa Fangueiro e Tanya Ruivo

Cenografia e figurinos Carlos Neves

Desenho de luz Paulo Neto

Técnico de luz César Cardoso

Produção executiva Cristiana Morais

Fotografia Margarida Ribeiro

Vídeo Rúben Marques

Co-produção Fértil Cultural, Casa das Artes de V. N. de Famalicão e Teatro Diogo Bernardes

Apoio Município de Vila Nova de Famalicão, Município de Ponte de Lima, Enif

Estrutura financiada pela Direção Geral das Artes / Ministério da Cultura / República Portuguesa

Espectáculo para maiores de 12 anos

Bilhetes à venda (4,00€) e mais informações no Teatro Diogo Bernardes, pelo telefone 258 900 414 ou pelo email teatrodb@cm-pontedelima.pt

ARCOS DE VALDEVEZ INAUGURA PEÇA "A PAISAGEM É" DE FERNANDA FRAGATEIRO

Inauguração da peça “A paisagem é” de Fernanda Fragateiro

Data: 22.11.2018 / quinta-feira

Hora: 11:30

Local: Paisagem Cultural de Sistelo / Monumento Nacional (Arcos de Valdevez)

Programa: Ato inaugural / Içar da última de seis bandeiras que compõem a instalação artística

(junto ao Miradouro dos Socalcos, entre os Lugares Padrão e Porta Cova)

Com a presença da autora (artista Fernanda Fragateiro)

unnamed

BAIXA TERAPIA CONQUISTA MAIS DE 2 MIL PESSOAS EM FAMALICÃO

António Fagundes é cabeça de cartaz de um hilariante elenco

Esgotadíssimo!

O espetáculo BAIXA TERAPIA - Uma Comédia no Divã será vista por mais de 2000 pessoas na Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão, entre os dias 15 e 18 de novembro.

45853043_2244504862288725_1643204146137923584_n

O multifacetado ator brasileiro, António Fagundes, lidera um elenco formado por Mara Carvalho, Fábio Espósito, Alexandra Martins, Bruno Fagundes e Ilana Kaplan.

Aclamado pelo público e pela crítica, este espetáculo coleciona em Vila Nova de Famalicão mais dois milhares de espetadores que se juntam aos 150 mil que já agregou nas salas do Brasil.

42982636_2204113976467831_3167266981816565760_n

De acordo com a sinopse do espetáculo, três casais que não se conhecem encontram-se inesperadamente no consultório da psicoterapeuta que os acompanha para uma sessão agendada. Mas, desta vez, para espanto de todos, a psicoterapeuta não está presente. Todavia, ela deixou tudo preparado para a chegada dos casais – um pequeno bar onde não falta whisky e vários envelopes com instruções de como em conjunto deverão conduzir a sessão sem a sua presença. Esse é o objetivo: uma sessão sem o acompanhamento da terapeuta, onde todas as questões são resolvidas em grupo. Cada envelope traz uma situação mais inesperada que a outra o que acaba por transformar a sessão num hilariante caos. “Baixa Terapia” é uma comédia envolvente que conduz o público a um final surpreendente.

Dias 15, 16, 17, o espetáculo é às 21h30 e, no dia 18, às 17h00, sempre no Grande Auditório. O espetáculo começa rigorosamente no horário marcado e não é permitida a entrada após o seu início!

43013735_2204113763134519_2374550335487213568_n

43052429_2204113753134520_7713781402717650944_n

43087788_2204113876467841_6577329186430517248_n

ARCOS DE VALDEVEZ RECEBE 2º ENCONTRO DE TEATRO LUSO-GALAICO

Casa das Artes recebe 2º Encontro de Teatro Luso-Galaico com estreia de peça de companhia de teatro de Arcos de Valdevez, nos dias 15 a 18 de Novembro no auditório principal

De 15 a 18 de novembro, a Casa das Artes recebe o 2º encontro de Teatro Luso-Galaico, subindo ao palco principal da Casa das Artes, os grupos de teatro Krisálida (Portugal), Peripécia Teatro (Portugal/Espanha), GTV- Grupo de Teatro do Vez (Portugal) e grupo de Teatro Airiños (Galiza).

auto da india

O grupo Krisálida faz a estreia desta edição com a peça “Auto da Índia”, no dia 15, pelas 15h00 para o público escolar. O AUTO DA ÍNDIA que escolheram, preocupou-se com os comportamentos sociais, com um “gestus” que se faz o possível por mostrar, o que só é possível mostrando o contexto histórico.

No dia 16, pelas 22h00, o Grupo Peripécia Teatro, encena “la Tortilla de mi Madre”. A nova peça desta companhia transmontana, resulta numa reflexão perspicaz e acutilante sobre a impiedade do tempo, sobre as relações humanas, as incoerências da existência e sobre a solidão, a que nos forçam ou à qual nos forçamos, por comodismo ou por opção, e que é fruto da crescente desumanização que caracteriza o nosso tempo.

No dia 17, pelas 22h00 o GTV- Grupo de Teatro do Vez sobe ao palco, em estreia absoluta, com a peça “OS 10 COBRIMENTOS”, um texto que retrata os descobrimentos portugueses, de uma forma des(construtiva), em que o autor “brinca com seriedade, faz a teatralização histórica da História ao Vivo, da sátira social, do humor constante, muitas vezes brutal, desajeitado, corrosivo, mas lucidamente construtivo”.

Por fim, no dia 18 de novembro, domingo às 16H00, a Casa das Artes recebe a encenação “ROMEO E XULIETA”, pelo Grupo de Teatro Airiños (Galiza). Nesta obra mais representada de todos os tempos, a comédia será a rainha, no entanto a sua essência será mantida… confrontos entre famílias que se odeiam, amor eterno e muita música. Uma obra para desfrutar só, ou em família, que nos recordará, como sempre em Shakespeare, que a vida é amor… mas também ódios.

Estes são bons motivos para ir até à Casa das Artes arcuense. Uma casa onde a Cultura é a rainha e a diversificação de espetáculos uma constante.

10 cobrimentos - GTV - Casa das Artes

LA TORTILLA DE MI MADRE 2

Romeo_e_Xulieta

TEATRO EM BARCELOS É UM FESTIVAL

Festival de Teatro de Barcelos mostra dinâmica teatral do concelho

O 31.º Festival de Teatro de Barcelos, organizado pela Capoeira – Companhia de Teatro de Barcelos e com o apoio do Município de Barcelos, teve a maior audiência de sempre, com o Teatro Gil Vicente lotado em todos os 7 espetáculos de grupos do concelho que se realizaram entre 6 de outubro e 3 de novembro.

Imagem 1

Foi com o espetáculo "Pão Nosso", do Teatro de Balugas, concebido e interpretado por Cândido Sobreiro, que encerrou no dia 3 de novembro o 31.º Festival de Teatro de Barcelos, peça que abordou de uma forma teatral e poética o ciclo do pão na aldeia, terra onde já se amassou muito pão e onde o pão era o sustento.

A atribuição de prémios decorreu no dia 11 de novembro, dia que marcou a estreia da peça “Nariz” pel'A Capoeira- Companhia de Teatro de Barcelos.

O júri do concurso era composto por Tiago Ferreira (ator de A Capoeira), Flora Miranda (atriz e cantora) e Leandro Covinha (jornalista).

A peça de teatro “Pão Nosso”, do Teatro de Balugas, venceu o prémio de melhor espetáculo no Festival de Teatro de Barcelos, tendo sido ainda contemplada com os prémios de melhor cenário, melhor sonoplastia, melhor iluminação cénica e melhor guarda-roupa.

Quanto à melhor interpretação feminina, foi atribuída a Telma Domingues, da Via 3 Companhia de Teatro, e melhor interpretação masculina atribuída a Filipe Gomes dos Pioneiros da Ucha.

As menções honrosas foram distinguidas na categoria de sonoplastia, iluminação cénica e espetáculo, respetivamente às peças: “Só Podia Ser Assim” da Associação Só Podia, à peça “Arístides, e agora?” e à peça “Trair pelos dois” do Grupo de Teatro Amador da Pousa “O Branselho?.

O festival teve como principal objetivo a troca de experiências entre grupos, o desenvolvimento da arte teatral e a promoção de novos projetos teatrais. 

Imagem 2

BRAGA LEVA HISTÓRIA E IDENTIDADE AOS MAIS JOVENS

Espectáculo pedagógico dirigido aos 1.º e 2.º ciclos. Alunos aprofundam conhecimento sobre História e Identidade de Braga

O Município de Braga, através do Serviço Educativo Integrado (SEI), iniciou esta terça-feira, dia 13 de Novembro, no Museu dos Biscainhos, a apresentação do espectáculo pedagógico ‘Gaspar… o Marquês assim assim’, dirigido aos alunos dos 1.º e 2.º ciclos do Ensino Básico.

CMB13112018SERGIOFREITAS00000015867

Este espectáculo, em forma de teatro de papel, resulta de uma criação da Confederação – Colectivo de Investigação Teatral para a Braga Barroca, tendo como principal missão a divulgação do património barroco.

A peça de teatro será apresentada ao público escolar às quartas-feiras, durante o presente ano lectivo. O espectáculo contará com duas sessões, a primeira a decorrer das 10h00 às 11h30 e, a segunda, das 14h30 às 15h30. Antes de assistirem ao espectáculo, os alunos têm a oportunidade de fazer uma visita guiada ao Museu dos Biscainhos.

O SEI integra assim mais uma actividade educativa que se assume como um instrumento fundamental no conhecimento da história e na promoção da identidade de Braga.

No arranque deste projecto participaram 100 alunos, vindos das Escolas Básicas da Grandra e de Ferreiros - Estrada.

CMB13112018SERGIOFREITAS00000015870

CMB13112018SERGIOFREITAS00000015876

CMB13112018SERGIOFREITAS00000015878