Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

VIEIRA DO MINHO REALIZA HOJE CHEGAS DE BOIS

O concelho de Vieira do Minho leva hoje a efeito várias chegas de bois, tradição que está relacionado com costumes ancestrais e práticas de vida comunitária das gentes da região. A inicitiva integra-se no Mercado de Outono que teve ontem o seu unício e incluiu animação musical, magustos tradicionais, concurso de mel, jornadas micológicas. A castanha, os cogumelos, os frutos secos, a marmelada, o feijão amarelo, os doces, as compotas e claro a gastronomia da época, couves com feijões, a feijoada, e as papas de sarrabulho voltaram a ser os ingredientes principais do Mercado de Outono.

Capturarxeg1 (3).JPG

O povo partilhava o forno onde cozia o pão da mesma forma que todos os habitantes concorriam para a lavra de cada um. Por mais árduo que fosse, o trabalho era vivido num ambiente de intensa alegria, desde a época das sementeiras até ao malhar do centeio. E depois vinha a festa e o divertimento que a vida não era só feita de sacrifícios.

Entre os vestígios dessa vivência comunitária salientamos o boi do povo, assim designado por cada aldeia possuir o seu animal que alimentava e preparava para o combate com o da aldeia vizinha em dia aprazado com a finalidade de saber qual era o mais possante e corajoso, até chegar a altura em que deveria ser abatido.

A expressão empregue justifica-se pelo facto dos seus promotores se limitarem a chegarem os animais um ao outro, não possuindo outra interferência na luta que travam.

O boi barrosão é um animal possante que facilmente se distingue pela sua enorme barbela e grandes hastes, chegando a pesar com frequência mais de quatrocentos quilos. Em virtude de ter sido durante muito tempo empregue nos trabalhos da lavoura, veio a tornar-se num dos cartazes emblemáticos da região de Entre-o-Douro-e-Minho, sendo a sua carne muito apreciada por se alimentar sobretudo dos pastos nos lameiros do Soajo e do vale do Lima.

Em tempos idos, sucedia com frequência que, antes do dia combinado para o combate, havia quem pela calada da noite vinha raptar o animal para medir forças com o boi da sua aldeia a fim de saber as probabilidades deste sair vencedor. Actualmente, são os criadores que os levam para o terreiro e os chegam com outro de idêntica compleição física que esteja destinado à chega.

O povo acorre, entusiasma-se e até se fazem apostas a saber qual deles vai ser o campeão. Ao avistarem-se a reduzida distância, os animais enfrentam-se com denodada bravura até que um deles desiste e afasta-se dando-se por vencido. O boi vencedor, vulgarmente designado por campeão, é o orgulho do criador tal como noutros tempos o era de igual modo da aldeia que representava.

Capturarxeg2 (1).JPG

FAMALICÃO: PAN QUER SABER POSIÇÃO OFICIAL DA CÂMARA SOBRE A REALIZAÇÃO DE GARRAIADAS NO CONCELHO

A Comissão Política Concelhia do PAN Famalicão foi alertada para a realização de uma garraiada na freguesia de Castelões no passado dia 12 de Novembro, tendo desta forma solicitado à Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão uma posição oficial sobre a realização deste tipo de eventos. 

Relativamente à realização de garraiadas no nosso concelho, lembramos que em 2019 deu entrada na Assembleia Municipal uma petição pública que visava a não realização de qualquer atividade tauromáquica, incluindo garraiadas, em todo o Concelho, devendo o município optar por alternativas que não incluam a exploração de outros animais para divertimento de apenas alguns. Esta é uma prática anacrónica que põe em causa a vida e o bem-estar do animal, que sofre atos cruéis por puro divertimento.” refere Sandra Pimenta

Desta forma o partido questionou a Câmara Municipal e Junta de Freguesia de Castelões sobre a legalidade da realização da garraiada e qual o parecer do IGAC (Inspeção Geral das Atividades Culturais), tendo inclusive endereçado um pedido de fiscalização sobre a mesma, através da Secretaria de Ação Jurídica do partido, uma vez que este tipo de práticas não consta no Regulamento de espetáculos tauromáquicos e carece de licença municipal.

Queremos saber de que lado este executivo se vai posicionar. Se do lado da evolução civilizacional ou se irá ficar preso a tradições que não respeitam a própria sensibilidade ética da sociedade moderna e atual.”  acrescenta a porta-voz.

Para a Comissão Política Concelhia do PAN, importa, igualmente, lembrar que o próprio Comité dos Direitos da Criança da ONU já se pronunciou e instou os, poucos, Estados, onde ainda se realizam estas atividades, para a necessidade da adoção de medidas de sensibilização sobre a violência física e mental associada à tauromaquia e o seu impacto nas crianças.  Ora, durante o tempo em que decorrem estas ações, acontece muitas vezes existirem crianças no público, e outras que são incentivadas a participar, expondo-se, assim, as mesmas a práticas antinaturais, além de correndo, também, risco de vida ou ofensa à sua integridade física.

É lamentável que este tipo de iniciativa ainda seja banalizado em Portugal. A alienação coletiva não pode ter lugar numa sociedade que se diz civilizada. O que assistimos é a um evento que consiste na instrumentalização de um animal para fins lucrativos, sendo que a atividade e o que decorre durante a sua realização é um ato grotesco, que deve efetivamente ser banido da nossa sociedade.” finalizou Sandra Pimenta.

CHEGAS DE BOIS TAMBÉM SÃO TRADIÇÃO EM GOA - O "DHIRIO"

72720721_1367348673432421_2244499434433937408_n.jp

A tourada ou "chega de bois", enquanto forma de luta envolvendo touros, é uma atividade desportiva muito popular em Goa, e uma prática ancestral ligada às comunidades agrárias católicas.

Em concani, é chamada de Dhirio.

Aqui, dois touros brigam entre si, geralmente numa área aberta. Às vezes, a tourada termina em 30 minutos, outras dura até 1 hora, dependendo da capacidade de luta dos touros.

A luta ocorre a qualquer momento, com base no desafio feito por ambos os proprietários dos touros.

Um treino diário é dado aos touros, levando-os para longas caminhadas, o que os mantêm em forma e prontos para a luta.

Estes touros de luta são mantidos separados de outros touros normais.

As lutas de touros são famosas no sul de Goa, e os goeses são loucos por assistirem a elas, em assistências que chegam a alguns milhares de pessoas.

Atualmente, esta manifestação cultural foi ilegalizada pelo governo indiano a revelia dos goeses, mas não totalmente banida, por continuar na clandestinidade.

A discussão pública mantém-se, com a vontade da comunidade católica em manter esta ancestral atividade à luz do dia.

Fonte: https://www.facebook.com/Galeria-dos-Goeses-Ilustres-290551081112191/

september-hindustan-fighting-fighting-september-fighting-organized_98a2d5f2-57c3-11e9-8f69-76e382037a5f.jpg

O tão apreciado sarapatel não é o único elemento cultural que une Goa e, de uma maneira geral, as gentes do antigo Estado Português da Índia à nossa região. Também as tradicionais chegas de bois muito comuns em Cabeceiras de Basto, Celorico de Basto, Vieira do Minho e no planalto barrosão que integra a vila minhota do Salto, são preservadas pelas gentes goesas de raízes católicas, as quais não professam portanto as crenças hindús nomeadamente em relação a estes animais.

Antes de votações, legalização de touradas de volta à agenda em Goa

O candidato do Congresso para o sul de Goa, Francisco Sardinha, que tinha movido uma resolução no Parlamento para a legalização de touradas em Goa durante a sua passagem anterior entre 2009-2014, prometeu levá-lo novamente.

Apesar de ser banido por uma ordem da alta corte de Bombaim em Goa e mais tarde confirmada pelo Supremo Tribunal, as touradas continuam esporadicamente e é considerado o segredo mais bem guardado de Goa. O esporte que tem raízes na história colonial de Goa é praticado em aldeias dominadas por católicos de Goa. (FOTO HT)

A demanda longa de Goa pendente de legalização de touradas está de volta na agenda como as partes procuram superar uns aos outros em sua perseguição para o voto católico potencialmente significativo, que compõe um significativo 26% do eleitorado.

Com margens finas - muitas vezes na faixa de alguns milhares de votos - fazendo a diferença, os candidatos estão ansiosos para ir além do ordinário para garantir que todos os grupos de interesse são atendidos.

O candidato do Congresso para o sul de Goa, Francisco sardinha, que tinha movido uma resolução no Parlamento para a legalização de touradas em Goa durante a sua passagem anterior entre 2009-2014, prometeu levá-lo de novo,

"Eu sou a favor de touradas. Vou levá-la de novo. Quando os seres humanos lutam (boxe) você vê-los... Então, se os touros são feitos para combater o que está errado nele? Sardinha disse ao Hindustan Times.

Candidato BJP para o sul de Goa e sentado MP Narendra Sawaikar muito arremessados para a atividade.

"A tourada é uma coisa tradicional que vem acontecendo em Goa. Na matéria de Jallikattu, o governo da União tinha apoiado o carrinho (do governo do estado). Nós vamos apoiá-lo ", anunciou Sawaikar.

Apesar de ser banido por uma ordem da alta corte de Bombaim em Goa e mais tarde confirmada pelo Supremo Tribunal, touradas continua esporadicamente e é considerado o segredo mais bem guardado de Goa. O esporte que tem raízes na história colonial de Goa é praticado em aldeias dominadas por católicos de Goa.

Goa tem um eleitorado 11,31 lakh-forte que seja dividido ingualmente entre as circunscrições norte e sul de Goa, ambas detidas atualmente pelo BJP. Wooing católicos que compõem 26% do eleitorado do estado-16% no norte de Goa e 36% no sul de Goa-é visto como crucial para as chances de um candidato.

Ao contrário do esporte na Espanha, onde o touro necessariamente morre para acabar com a luta, localmente a luta termina quando um touro foge do local declarando o outro o vencedor, um fato que os apoiantes usam para fortalecer seu argumento.

Entretanto, os peritos legais permaneceram céticos sobre o movimento.

"Se houver uma mudança na lei central (prevenção da crueldade contra os animais Act), então touradas podem ser permitidas. Mas eu não acho que é viável porque foi banido, a proibição foi confirmada pelo HC e SC. Quando algo foi confirmado pelo SC, não vejo nenhuma justificativa para que o Parlamento intervenha e o altere ", afirmou o advogado Cleofato Almeida Coutinho acrescentando que Goa tem apenas dois MPs cuja influência é pouco.

A promessa de legalizar touradas tem sido repetida ao longo de vários anos por políticos com pouco sucesso como tentativas foram stonewalled pelo governo central e do Supremo Tribunal.

Gerard de Souza / https://www.hindustantimes.com/

Capturarhindustantimes.PNG

PONTE DE LIMA: TOURADA DAS FEIRAS NOVAS TEVE PRAÇA CHEIA

Muito público na tourada das Feiras Novas, em Ponte de Lima!

Ponte de Lima recebeu uma corrida de touros este domingo, integrada nas festas do concelho de Ponte de Lima.

Perante muito publico a assistir na praça de touros portátil, instalada no picadeiro grande da Expolima, atuaram no espetáculo os cavaleiros Filipe Gonçalves, Marcos Bastinhas e Soraia Costa, bem como os forcados Amadores Académicos de Coimbra e os Forcados da Tertúlia Tauromáquica Terceirense.

Lidaram-se touros da ganadaria espanhola D. Luis Terrón 

Fonte: https://www.facebook.com/radio.ondasdolima/

306324949_4100664146740957_851262300522113499_n (1).png

VIANA DO CASTELO RECONHECE VIANA TAURINO CLUBE COMO INTERESSE PÚBLICO MUNICIPAL

Reconhecimento de Interesse Municipal atribuído ao Viana Taurino Clube pela “relevante atividade nos domínios recreativo, desportivo e cultural”

O executivo municipal atribuiu hoje, por unanimidade, o Reconhecimento de Interesse Público Municipal ao Viana Taurino Clube, pela “relevante atividade nos domínios recreativo, desportivo e cultural” que a instituição fundada a 10 de agosto de 1910 tem promovido ao longo dos anos.

ABELO1880 2.jpg

De acordo com proposta apresentada pelo Vereador do Desporto, Ricardo Rego, a centenária instituição, com sede na Praça da República de Viana do Castelo, tem tido um papel preponderante na vida cultural, desportiva, política e associativa da cidade.

“Muitos vianenses ilustres integraram os corpos sociais deste clube. A sua atividade foi muito variada, desde as garraiadas anuais, o bilhar com vários campeões nacionais e do mundo, o xadrez, os jogos de salão. Mas foi também espaço de discussão e debate político no anterior regimento, custando-lhe o encerramento da sede em 1946, pela polícia política PIDE, sendo reaberta oito meses depois”, indica a proposta.

“Muitos jovens tiveram oportunidade, e continuam a ter, de desenvolver aptidões desportivas e espaços de tertúlia neste clube, distinguido como Instituição de Mérito pela Câmara Municipal de Viana do Castelo, em 2010”, lê-se no documento.

Por isso, tendo em consideração que a instituição está “ainda a recuperar dos tempos difíceis que as coletividades viveram devido à pandemia de covid-19, e no sentido de dar continuidade à sua missão e atividade, que une os vianenses em pleno coração da cidade, vem o Viana Taurino Clube, segundo clube mais antigo da cidade em atividade, propor que seja reconhecido por este Município como instituição de Interesse Municipal”.

O executivo municipal aprovou a aceitação desta proposta do Viana Taurino Clube, que será agora remetida à Assembleia Municipal para que seja declarado o Reconhecimento de Interesse Público Municipal à instituição.

ABELO1876 2.jpg