Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

CÂMARA DE CAMINHA ESTÁ A REQUALIFICAR A ENVOLVENTE À PAREDE DE ESCALADA DE PENICE, EM ARGA DE BAIXO

Investimento superior aos 60 mil euros visa a promoção do turismo e do desporto amigos da natureza

A área envolvente à Parede de Escalada de Penice, em Arga de Baixo, está a ser intervencionada pelo Município, através de um investimento da ordem dos 60 mil euros. O objectivo é a valorização de toda a zona, com limpezas, requalificação de infraestruturas, promoção do turismo e do desporto e criação de melhores condições a um lazer amigo da natureza.

parede_escalada_penice.jpg

O projeto prevê a valorização da área envolvente à Parede de Escalada de Penice, incluindo a requalificação de infraestruturas de apoio à actividade, ou seja, reposição e limpeza de acessos pedonais, melhorando as acessibilidades pedonais para os praticantes e para situações de emergência, nomeadamente à zona da base da parede, beneficiação da zona de estacionamento, criação de zona de lazer/merendas, colocação de sinalética informativa e interpretativa, bem como produção de materiais promocionais.

Estão também previstas iniciativas de promoção da prática deste desporto, através de realização de eventos e iniciativas que potenciem a prática da escalada em espaço natural, através do uso sustentável do património natural, usufruindo dos recursos endógenos locais.

Pretende-se criar condições materiais, de segurança, de informação e de comunicação que ofereçam aos turistas que praticam a escalada os melhores cenários possíveis, tornando as experiências inesquecíveis, de elevado valor sensorial e potenciando os recursos endógenos das povoações locais.

Incluem-se ainda no presente projeto a produção de conteúdos interpretativos sobre o património natural, nomeadamente na área da geologia, da fauna, flora e paisagem da área de intervenção em concreto, que serão disponibilizados quer no local quer em formato digital, e que contribuirão para a valorização dos itinerários e para o acréscimo de valor nas experiências de turismo de natureza, num território de características únicas, de elevado valor patrimonial, como é o caso da Serra d’Arga.

A intervenção decorrre no âmbito do projeto Escalada na Serra D'Arga, financiado pelo NORTE 2020/PROVERE, no âmbito das Ações de Qualificação dos Produtos Turísticos Estratégicos do Minho – Touring Cultural / Requalificação das Experiências de Turismo de Natureza no Minho, que prevê um investimento de 60.130,84 euros.

“No ‘coração’ da Serra d’Arga, a poucos quilómetros da fronteira com Espanha, situa-se a Fraga de Penice, um dos recursos endógenos diferenciadores do território, estrutura natural de características únicas que se conjugam com potencialidades de destaque para a prática da modalidade de escalada, nomeadamente para a escalada Desportiva e Bloco.

A zona de escalada de Penice já se encontra instalada há vários anos, e é servida por bons acessos viários, dispõe de vias dos mais diversos graus de dificuldade, o que potencia a visitação e prática deste desporto de natureza em grupo e/ou em família.

Situada num local de grande beleza, pelo seu enquadramento paisagístico, ao qual está associado um local de elevado interesse geológico e geomorfológico, com estruturas e litologias que se sabe serem raras e de alto valor patrimonial e científico, em particular no que respeita à expressão de elementos estruturais e paragéneses mineralógicas metamórficas que não se replicam com esta combinação, conjugação e modo de articulação em nenhum outro local conhecido dos terrenos para-autóctones da Unidade paleogeográfica e tectónica conhecida como do Minho Central.”

Recorde-se que a prática da escalada é considerada um desporto seguro e responsável, que reúne várias gerações e promove a prática familiar, constituindo um grande potencial turístico para a zona e também para a conservação da área, através do uso sustentável do património natural, usufruindo dos recursos endógenos locais.

3m1a7269_1_1024_2500 (1).jpg

TIAGO BRANDÃO RODRIGUES CONVENCIDO QUE NÃO HAVERÁ PROSPEÇÃO E PESQUISA DE LÍTIO NA SERRA D’ARGA

Candidato socialista foi a São Lourenço da Montaria reunir com autarcas e a associação ambientalista Corema.

O cabeça de lista do Partido Socialista pelo círculo eleitoral de Viana do Castelo, esteve em São Lourenço da Montaria, concelho de Viana do Castelo, onde reuniu com vários autarcas de freguesia da área envolvente da Serra d'Arga e com dirigentes da Corema - Associação de Defesa do Património.

272423275_4369709283133011_667415661163428391_n.jp

Tiago Brandão Rodrigues, que se fez acompanhar dos candidatos Marina Gonçalves, José Maria Costa e Elizabete Rodrigues, teve ao seu lado Luís Nobre e Miguel Alves, presidentes de Câmara de Viana do Castelo e Caminha, respetivamente.

No encontro informal que decorreu no largo central da Montaria, Brandão Rodrigues fez questão de lembrar vários episódios de infância e juventude passados na Serra d'Arga.

O socialista sublinhou que a Serra d'Arga nem sempre foi valorizada pelos poderes públicos e pelas pessoas do modo como acontece agora e "isso deve-se, em grande parte, ao trabalho articulado que os Municípios, Freguesias e associações ligadas à cultura, desporto e ambiente têm feito com a população local". O líder da candidatura rosa não fugiu, no entanto, a um dos temas do momento. "Quero ser muito claro: olhando para o Relatório de Avaliação Ambiental Preliminar, tendo estudado os diferentes pareceres das autarquias do Alto Minho e de alguns especialistas, conhecendo bem a Serra d’Arga e os concelhos abrangidos pela possível pesquisa e prospeção de lítio, não vejo como pode ser possível pesquisar ou explorar lítio na nossa região" afirmou o courense.

Perante o interesse dos autarcas e dos ambientalistas, Tiago Brandão Rodrigues não deixou margem para dúvidas, considerando que "pessoalmente, entendo que o potencial da exploração de lítio na Serra d’Arga é consideravelmente inferior ao valor natural – e até económico  - da biodiversidade que comprovadamente existe, ao valor da paisagem, da vivência comunitária, à valia turística do território e ao peso da cultura e das tradições associadas à região".

O candidato do PS reconheceu que a decisão que se segue sobre esta matéria não é sua, nem é do Governo que sair das próximas eleições, mas não hesitou ao afirmar que "se a Direção Geral de Energia e Geologia fizer um raciocínio semelhante ao meu, certamente que não haverá pesquisa, prospeção e exploração de lítio no Alto Minho. É esta a minha profunda convicção".

A comitiva socialista esteve durante o dia de ontem pelo concelho de Vila Nova de Cerveira onde visitou várias instituições. À noite teve lugar mais uma sessão do Fórum 100% Alto Minho, subordinada ao tema "A Cultura como instrumento de centralidade transfronteiriça", que contou com a participação do Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira e as intervenções de Sandra Gonzalez, Alcaldesa de Tomiño, Helena Pereira, Diretora Artística da Bienal de Cerveira e António Torres do Secretariado Técnico do Agrupamento Europeu de Cooperação Transfronteiriço do Rio Minho.

272446557_4369709216466351_1176908052901900256_n.j

272547453_4369709263133013_4905587522398087473_n.j

PARTIDO OS VERDES ENTREGOU 1000 POSTAIS AO SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DA ENERGIA

“NÃO QUERO O MEU FUTURO MINADO! A MINERAÇÃO É UM PRESENTE ENVENENADO! LÍTIO? NÃO. OBRIGADO!”

Uma delegação do Partido Ecologista Os Verdes que integrou os deputados do PEV à Assembleia da República, Mariana Silva e José Luís Ferreira, entregou ao Secretário de Estado Adjunto e da Energia cerca de mil postais (em papel e formato digital) dirigidos ao Ministro do mbiente e da Ação Climática recolhidos nas últimas semanas, em particular nos distritos de Bragança, Castelo Branco, Coimbra, Guarda, Viana do Castelo, Vila Real e Viseu onde a população afirma que não quer o seu futuro minado - “A mineração é um presente envenenado!

PEV - Entrega de 1000 postais2.jpg

Lítio? Não. Obrigado!”

A iniciativa de recolha de postais iniciou-se no dia 16 de novembro simbolicamente na Covilhã, onde foi assinado um contrato de exploração de lítio no passado dia 28 de outubro e terminou no dia 17 de dezembro em Montalegre e Boticas, onde também já foram celebrados contratos de concessão para a exploração de lítio e minerais associados.

Nestas cinco semanas Os Verdes estiveram em cerca de metade dos concelhos onde o Governo pretende levar a cabo a exploração de lítio (Paredes de Coura, Ponte de Lima, Viana do Castelo, Macedo de Cavaleiros, Mirandela, Vila Real, Chaves, Boticas, Montalegre, Covilhã, Guarda, Mangualde, Nelas, Viseu) e também nos distritos de Coimbra e do Porto. A recolha dos postais foi realizada junto a universidades, escolas secundárias e profissionais, e nos centros históricos destas localidades.

A mineração de lítio é um presente envenenado para a população, uma falsa promessa de progresso e desenvolvimento, uma ameaça à qualidade de vida e à sustentabilidade  pretensão do Governo, e de declarar que não quer o seu futuro minado.

1000 postais. Embora este seja um número redondo, encerra uma representação simbólica, pois assinalaram-se 1000 dias, no passado dia 22 de dezembro, em que este Governo assinou o contrato de exploração da mina do Romano, em Montalegre, com a Luso Recursos.

A adesão à iniciativa do PEV veio demonstrar que os cidadãos estão cada vez mais esclarecidos em torno das consequências da mineração de lítio a céu aberto, temem os impactos sociais, económicos e ambientais deste modelo de atividade, e foram unânimes em expressar que neste processo faltou transparência e participação pública, particularmente nos casos em que há já contratos assinados à margem do concurso público para a prospeção e pesquisa, como é o caso de Macedo de Cavaleiros e Mirandela, e também naqueles em que a atividade de prospeção e pesquisa /per se/ deixou já um rasto de negligência e afetação do espaço florestal, dos lençóis de água e dos solos.

O Governo pretende lançar um concurso para atribuição de direitos de prospeção e pesquisa de lítio em 8 áreas do Centro e Norte do país, a juntar àquelas onde já foram celebrados contratos de exploração, como é o caso de Montalegre, do Barroso e da Argemela e de prospeção e pesquisa (Mirandela, Macedo de Cavaleiros e Vinhais).

NÃO PODEMOS MINAR O NOSSO FUTURO! O FUTURO É VERDE!

Acesso ao vídeo com as declarações da deputada de Os Verdes, Mariana Silva, aquando da entrega dos postais no Ministério do Ambiente.

O Partido Ecologista Os Verdes

PEV - Entrega de 1000 postais.jpg

GALIZA SOLIDÁRIA COM MINHOTOS CONTRA A EXPLORAÇÃO DO LÍTIO

O Concello de Tomiño mostra o seu apoio aos municipios portugueses do Alto Minho contra a posible mina de litio na Serra de Arga

Instan á Xunta e ao Goberno que demanden información dunha explotación que pode afectar ao río Miño e ás zonas transfronterizas

O Concello de Tomiño, no pleno celebrado onte, mostrou o seu apoio aos municipios portugueses do Alto Minho no seu rexeitamento a posible mina de litio na Serra de Arga que o Goberno da República Portuguesa someteu a consulta pública o pasado setembro. A alcaldesa, Sandra González, destacou “a ampla oposición que existe a ambas beiras do Miño a calquera tipo de explotación na Serra de Arga que comprometa a súa conservación”, e afirmou que “Tomiño sempre estará do seu lado para conservar o medio natural da zona transfronteiriza”.

Río Miño ao seu paso por Tomiño.jpg

As áreas nas cales está prevista a prospección e pesquisa da mina de litio inclúen, entre outras, o territorio dos concellos de Viana do Castelo, Ponte de Lima, Paredes de Coura, Caminha e Vila Nova de Cerveira, neste último incluén zonas que confrontan co río Miño e co río Coura, principal afluente do Miño nesa marxe. Nestas prospeccións o equipo de Avaliación Ambiental da mina afirma que non extraerán máis de 100 toneladas, pero non deixan claro de onde se retirarán. A concelleira de Medio Ambiente, Ana Belén Casaleiro, afirma que de ser cerca dos marxes do río Miño “podería afectar de forma moi significativa á zona internacional do río”.

Por todo isto o Concello de Tomiño solicita á Xunta de Galicia e ao Goberno de España que estuden as posibles afeccións ás poboacións transfronteirizas. “Instamos a que demanden ser notificados polas autoridades portugueses para que teñan a oportunidade de pronunciarse en canto a estas actividades cerca das zonas transfronterizas”, conclúen.

Tomiño expresa as súas condolencias polo falecemento de Manuel Garcés Estévez

Antes do inicio do pleno o Concello de Tomiño expresou as súas condolencias polo falecemento do veciño e profesor, Manuel Garcés Estévez. A alcaldesa destacou que “foi un mestre querido e admirado polos seus veciños e que formou a varias xeracións de tomiñeses e tomiñesas”.

Manuel Garcés foi o mestre escollido para dar nome ao Centro Rural Agrupado de Tomiño e grazas ao coidado e mimo co que tratou todo o que tiña que ver coa escola, consérvase na parroquia de Estás a Aula Museo Abdón Alonso que garda material didáctico, bibliográfico e documental dos anos 30, dende expedientes académicos de varias xeracións até libros das Misións Pedagóxicas ou mapas da época.

“Manuel Garcés foi un exemplo de Mestre Rural con máis de cincuenta anos de profesión, a súa vida foi a escola e todo o que tiña que ver coa educación. Don Manolo, como se lle coñecía popularmente, era unha boa persoa que deixou fonda pegada na vida de centos de nenos e nenas que pasaron polas súas aulas. Vaia para a súa familia o noso pesar e o noso recoñecemento e admiración pola figura de Manuel Garcés”, destacou a alcaldesa.

PARTIDO OS VERDES ENTREGA HOJE 1000 POSTAIS AO MINISTRO DO AMBIENTE

“NÃO QUERO O MEU FUTURO MINADO! – A MINERAçãO É UM PRESENTE ENVENENADO! LÍTIO? NãO. OBRIGADO!”

No âmbito da exploração desenfreada de lítio que o Governo pretende levar adiante, contra a vontade das populações, o Partido Ecologista Os Verdes recolheu nas últimas semanas cerca de 1000 postais, em particular nos distritos de Bragança, Castelo Branco, Coimbra, Guarda, Viana do Castelo, Vila Real e Viseu, dirigido ao Ministro do Ambiente e da Ação Climática, onde a população afirma que não quer o seu futuro minado - “A MINERAçãO é UM PRESENTE ENVENENADO! LíTIO? NÃO. OBRIGADO!”

Postal1pverdes (1).jpg

Hoje, dia 29 de Dezembro, pelas 12H00, uma delegação do Partido Ecologista Os Verdes que integra os deputados do PEV à Assembleia da República, Mariana Silva e José Luís Ferreira, irá entregar no Ministério do Ambiente e da Ação Climática, sito na rua de O Século, nº 51, em Lisboa, estes mil postais como presente para o ministro quando se assinalou recentemente 1000 dias da assinatura do contrato de exploração de lítio e minerais associados em Montalegre.

A exploração de lítio a avançar terá impactos muito significativos na qualidade de vida e saúde das populações, com a contaminação dos solos e culturas agrícolas, com a devastação das florestas e na alteração e destruição da paisagem, contaminação dos rios, nascentes, poços e aquíferos subterrâneos, no equilíbrio dos ecossistemas e na redução da biodiversidade.

O Governo pretende lançar um concurso para atribuição de direitos de prospeção e pesquisa de lítio em 8 áreas do Centro e Norte do país, a juntar àquelas onde já foram celebrados contratos de exploração, como é o caso de Montalegre, do Barroso e da Argemela.

Postal1pverdes (2).jpg

CÂMARA DE CAMINHA PRONUNCIA-SE CONTRA A PROSPEÇÃO DE LÍTIO NO SEU TERRITÓRIO

Posição tomada do âmbito da consulta pública ao Programa de Prospeção e Pesquisa de Lítio que decorre até dia 10 de dezembro

A Câmara Municipal de Caminha deu parecer negativo ao Programa de Pesquisa e Prospeção de Lítio (PPP Lítio) no âmbito da consulta pública que decorre até ao próximo dia 10 de dezembro. De acordo com o documento de 31 páginas, agora submetido na plataforma de participação pública, o PPP de Lítio não pode deixar de ponderar “os locais visados (…) as consequências desses atos no contexto concreto, a ponderação dos valores em causa, sejam ambientais, sejam económicos e, sobretudo, os irremediáveis impactos que uma mineração maciça teria no habitat tão equilibrado e cuidado ao longo de séculos”.

De facto, o parecer de Caminha “não tem dúvidas em afirmar que a valia do espaço natural e humanizado é, neste momento, muito superior às eventuais valias que uma exploração mineira possa trazer (…) e que o valor económico do meio ambiente, paisagem, praias, margens do rio, aldeias e tradições é incomensuravelmente superior e mais perene do que o valor económico que uma ou mais minas de lítio possam trazer para o concelho nos próximos 15 ou 20 anos”.

A participação pública da Câmara Municipal de Caminha traz um primeiro enquadramento político que recorda de forma breve as opções estratégicas do Município e centra-se, depois, nas questões relacionadas com a classificação da Serra d’Arga como Paisagem Protegida Regional e com o Relatório de Avaliação Ambiental propriamente dito. Este documento merece várias criticas por parte da Câmara Municipal, desde logo por não ter como objeto um verdadeiro plano ou programa mas apenas um possível procedimento concursal, pela ausência de descrição dos procedimentos administrativos e contratuais que serão implementados, pela caracterização demasiado genérica e insuficiente das atividades de prospeção e pesquisa e pela ausência de medidas para proteção do ambiente, nomeadamente fauna, flora e habitats.

Tendo em conta todos estes pressupostos bem como o confronto claro do PPP Lítio com a Carta Europeia de Turismo Sustentável do Alto Minho aprovada em 2015 e reavaliada em 2021, o Plano Estratégico Nacional para o Turismo – Estratégia Turismo 2027, a Estratégia Nacional de Conservação da Natureza e da Biodiversidade – ENCNB 2025, a Estratégia Regional para a Paisagem do Alto Minho aprovada em 2019 e todas as ações estratégicas de investimento local levadas a cabo pelo Município nos últimos 8 anos, o posicionamento da Câmara Municipal de Caminha mostra-se desfavorável à prospeção e pesquisa de Lítio no contexto do seu Município e de toda a área denominada como Arga.

ARGA DE CIMA ALVO DE AÇÕES DE FOGO CONTROLADO

Ações inserem-se no projeto Mecanismo de Apoio à Realização de Queimadas (MARQ)

No âmbito do Mecanismo de Apoio à Realização de Queimadas (MARQ), o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) promoveu, esta semana, a execução de uma ação de fogo controlado na União de Freguesias de Arga, designadamente em Arga de Cima, tendo sido executada uma área de 6 hectares.

ação fogo controlado (1).jpg

Estas ações pretendem dar resposta às solicitações dos pastores e também dos representantes dos Conselhos Diretivos dos Baldios de Arga, sendo objetivo a renovação de pastos e alimento para os animais. Estas ações de fogo controlado ainda têm como função a defesa de aglomerados populacionais.

É de salientar que estão planeadas novas ações de fogo controlado no âmbito deste mecanismo no concelho de Caminha.

Como já referimos, estas queimadas foram realizadas no âmbito do Mecanismo de Apoio à Realização de Queimadas (MARQ), e contaram com a participação de técnicos do ICNF e do Gabinete Técnico Florestal do Município de Caminha, Equipas de Sapadores Florestais do concelho e elementos das Corporações de Bombeiros Voluntários de Caminha e Vila Praia de Âncora.

ação fogo controlado (2).jpg

ação fogo controlado (3).jpg

ação fogo controlado (4).jpg

LEI DAS MINAS REGRESSA AO PARLAMENTO NO DIA 18 DE DEZEMBRO - DESCARREGAR PARA MELHOR LEITURA!

Em maio passado entrou em vigor a regulamentação da lei das minas. Para além da oposição política, foi recebida com protestos ambientalistas e “pareceres reticentes" de autarquias e regiões autónomas, que Marcelo Rebelo de Sousa assinalou na altura em promulgou o diploma. No próximo dia 18 de novembro, a Assembleia da República vai ser chamada a reapreciar a lei devido a um agendamento potestativo do Bloco de Esquerda.

O Bloco de Esquerda entende que será possível alcançar uma maioria parlamentar para garantir uma maior proteção do ambiente. A nossa convicção fundamenta-se nas várias intervenções feitas sobre o tema ao longo dos últimos meses e julgamos que há um consenso na sociedade portuguesa, não só no Parlamento, em torno destas questões da proteção ambiental e da natureza.

Capturarsos1.JPG

Capturarsos2.JPG

Capturarsos3.JPG

Capturarsos4.JPG

Capturarsos5.JPG

PONTE DE LIMA: PRAZO DA LAGE SITUADO NA FREGUESIA DE S. PEDRO DE ARCOS

Primeiras páginas do traslado da escritura de emprazamento apostólico e confirmação enfitéutica da Quinta da Lage que faz o abade do Mosteiro de S. João de Arga a António Machado e sua mulher Leonesa Carvalho, feito em 05 de maio de 1624.Refere no verso: "Prazo da Lage. foi do domínio direto do abade do Mosteiro de S. João de Arga por cuja extinção passou para a Casa do Marquês de Vila Real e sendo confiscados os bens desta passou o dito domínio direto para a extinta Casa do Infantado e desta para a Fazenda Nacional.

Fonte: Arquivo Municipal de Ponte de Lima

PT-AMPL-Casa+da+Lage-ACL_P10_003_m001_disseminatio

PT-AMPL-Casa+da+Lage-ACL_P10_003_m003_disseminatio

PT-AMPL-Casa+da+Lage-ACL_P10_003_m004_disseminatio

PT-AMPL-Casa+da+Lage-ACL_P10_003_m005_disseminatio

PT-AMPL-Casa+da+Lage-ACL_P10_003_m006_disseminatio

PT-AMPL-Casa+da+Lage-ACL_P10_003_m007_disseminatio

PT-AMPL-Casa+da+Lage-ACL_P10_003_m008_disseminatio

PT-AMPL-Casa+da+Lage-ACL_P10_003_m009_disseminatio

RUI TEIXEIRA - PRESIDENTE DO MUNICÍPIO CERVEIRENSE - PARTICIPA NA MANIFESTAÇÃO CONTRAOS PROJETOS DE MINERAÇÃO DO LÍTIO NA SERRA D’ARGA

Sábado, 23 outubro, 10h00, Viana do Castelo

Impedir a prospeção e exploração de minérios no concelho é prioridade para o novo autarca de Vila Nova de Cerveira

Amanhã, 23 de outubro, o Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira, Rui Teixeira, participa na manifestação contra os projetos de mineração do lítio na Serra D’Arga. Para o edil cerveirense, impedir a prospeção e exploração de minérios no concelho é uma das prioridades iniciais deste mandato - “vou defender, intransigentemente, o nosso património ambiental, impedindo a exploração (nociva ao ambiente) do lítio e de outros minerais, no espaço territorial da freguesia de Covas ou em qualquer outro local do concelho”.

A manifestação, que decorre sob o mote “O Minho Unido contra as Minas”, está agendada para as 10h00 e é organizada por quatro movimentos cívicos dos distritos de Viana do Castelo e Braga – Corema: Movimento pela Defesa do Ambiente e Património do Alto Minho, Movimento Em Defesa da Serra de Peneda e Soajo, Movimento SOS Serra d’Arga e Movimento SOS Terras do Cávado. O percurso será feito entre a pousada da Juventude de Viana do Castelo e a Praça da República, no centro histórico da cidade.

Em causa está a consulta pública do relatório de avaliação ambiental preliminar do Programa de Prospeção e Pesquisa de Lítio das oito potenciais áreas para lançamento de procedimento concursal, iniciada pela DGEG - Direção Geral de Energia e Geologia dois dias depois das eleições autárquicas. Entre as oito áreas previstas encontra-se a Serra d’Arga, que abrange o concelho de Vila Nova de Cerveira.

PARTIDO "OS VERDES" PROTESTAM AMANHÃ EM VIANA DO CASTELO CONTRA A EXPLORAÇÃO DO LÍTIO

Amanhã - Os Verdes Participarão no Protesto " Minho Unido contra as Minas"

O Partido Ecologista Os Verdes solidariza-se com as populações da região do Minho que agendaram para amanhã, 24 de outubro, um protesto em defesa dos seus territórios face aos impactos previsíveis associados a projetos de mineração de lítio.

Uma delegação do PEV, composta pelos dirigentes Miguel Martins, Filipe Gomes e Ana Sofia Cabeleira e por membros e ativistas do PEV, marcará presença nesta iniciativa de protesto, organizado por movimentos cívicos, sob o lema “Minho Unido contra as Minas”, Amanhã, pelas 10h00, em Viana do Castelo (junto à Pousada da Juventude).

Os Verdes, que desde 2017 têm vindo a dar voz às preocupações das populações e a desenvolver diversas ações e iniciativas parlamentares em defesa de uma maior transparência dos processos associados à exploração de lítio, e reivindicando uma maior participação das populações nos mesmos, reafirmam que a descarbonização do país não pode ser feita à custa da perda de biodiversidade e destruição de áreas naturais, com graves danos para as populações e para o Ambiente.

CENTRO DE WALKING & CYCLING ESTÁ A “NASCER” NA SERRA D’ARGA

CISA já tem Bike Station e ponto de carregamento de bicicletas

A Câmara Municipal de Caminha está a executar o projeto “Aldeias do Alto Minho Walking & Cycling”, um projeto transversal aos concelhos que integram a CIM Alto Minho. Até ao final do ano, o Centro de Interpretação da Serra d’Arga – CISA – contará com uma nova valência, o Centro de Walking & Cycling. No concelho de Caminha, o investimento ultrapassa os 90 mil euros e engloba a requalificação do edifício de apoio ao CISA para a promoção do cicloturismo e pedestrianismo; a definição e marcação de percursos cicláveis e a instalação de Bike Stations (estações de serviço de BTT) e pontos de carregamento de bicicletas nas freguesias de Arga de Baixo, Dem e Orbacém. É de salientar que a Bike Station e o ponto de carregamento de bicicletas instalados no CISA, em Arga de Baixo, já estão em funcionamento.

ARGAARG (5).jpg

Esta candidatura “Aldeias do Alto Minho Walking & Cycling” visa a qualificação turística de um conjunto de Aldeias do Alto Minho que se distribuem no território, permitindo, articulando com a demais oferta, reforçar o apoio à visita turística itinerante. Tem ainda como objetivo a estruturação da oferta direcionada para o segmento do pedestrianismo, cicloturismo contribuindo para o posicionamento do Alto Minho como um dos principais destinos de turismo de natureza e turismo desportivo.

Assim, foi requalificado o anexo agrícola do edifício do CISA, de modo a transformá-lo num edifício de apoio para a atividade de walking & cycling. Este edifício foi alvo de uma intervenção de fundo, no que respeita às paredes, caixilharia, cobertura, piso, bem como foi restaurado o forno lá existente. O objetivo é valorizar a zona de lazer envolvente ao CISA

Está na fase final o estudo para a implementação e sinalização de rede de percursos cicláveis de diferentes graus de dificuldade.

Estão a ser requalificados os percursos pedestres da Serra d'Arga, designadamente o Trilho da Chã da Franqueira e Trilho do cabeço do Meio Dia. Dos trabalhos fazem parte a remarcação dos percursos e colocação de nova sinalética.

Este projeto de valorização da Serra d’Arga ainda inclui a instalação de Bike Stations e carregadores de bicicletas em Arga de Baixo, Dem e Orbacém.  As Bike Stations disponibilizarão os serviços necessários para a manutenção das bicicletas (serviços de lavagem, enchimento de pneus, ferramentas para reparação) e um ponto de água para consumo humano. As Bike Stations estão a ser colocadas no CISA e, Arga de Baixo; na Rua de São Gonçalo na EM 526 em Dem e junto ao Edifício da Junta de Freguesia de Orbacém. No CISA, a estação de manutenção de BTT e o ponto de carregamento de bicicletas já estão a funcionar em pleno.

A operação “Aldeias do Alto Minho – Walking & Cycling”, no âmbito do programa Valorizar – Linha de Apoio à Valorização Turística do Interior, é cofinanciada pelo Turismo de Portugal.

ARGAARG (1).jpg

ARGAARG (2).jpg

ARGAARG (3).jpg

ARGAARG (4).jpg