Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

GOVERNO QUER TRATAR-NOS DA SAÚDE ORAL

Os governos anteriores encerraram centros de saúde e encaminharam as mulheres grávidas para as maternidades de Espanha, contribuindo para o despovoamento do interior.

O governo acaba de celebrar protocolos com 65 autarquias com vista ao estabelecimento de consultórios com dentista e planeia vir a alargar uma rede a todo o país de forma a que a população portuguesa passe a ter acesso à medicina dentária através do Serviço Nacional de Saúde, em todos os concelhos do país, até 2020.

Quem atualmente recorre ao médico dentista para proceder à prevenção ou tratamento de patologias orais e maxilares com vista à manutenção da saúde, higiene bocal e integridade dos seus dentes, está longe de imaginar os sacrifícios a que o paciente era outrora forçado a submeter-se, devendo-se o facto à extraordinária evolução da medicina dentária, sobretudo a partir do século passado.

salhist

Até ao século XIX, a atividade de dentista era exercida pelo barbeiro-sangrador que, munido de bisturi, cortava a veia e fazia a sangria, sarjava, lancetava, aplicava bichas e ventosas e arrancava dentes, para além de fazer a barba e cortar o cabelo aos seus clientes. Como ferramentas do ofício utilizavam navalha, pente, tesoura, lanceta, ventosa, sabão, pedra de amolar, bacia de cobre, escalpelo, boticão, escarificador, turquês e… a sanguessuga!

A extração dos dentes era feita sem anestesia em virtude desta ainda não ter sido inventada. Faziam curativo de fístulas dentárias, tratamento das cáries com aplicação de remédios tópicos.

Até ao século XVII, os dentes postiços com que se procedia à substituição dos naturais eram humanos ou produzidos em osso, marfim ou massa endurecida e presos àqueles com grampos de metal. Apenas dois séculos mais tarde, passaram a ser produzidos os dentes de porcelana e passou a aplicar-se pivôs e dentaduras e a fazer-se o preenchimento das cáries com chumbo.

Apesar da aparente rudeza com que a profissão era exercida, o ofício de barbeiro-sangrador estava regulamentado e aqueles que o exerciam eram, pelo menos até ao século XVI, obrigados a exercer a profissão durante dois anos no Hospital Real de Todos-os-Santos a fim de conseguirem a carteira profissional que lhes era passada pelo cirurgião-mor.

Um autêntico pavor invadia qualquer pessoa perante a simples ida ao dentista, tal era a forma brutal com que o paciente era antes tratado. Porém, o desenvolvimento dos conhecimentos técnicos e a forma de atendimento e tratamento alteraram profundamente esta atividade, vencendo aos poucos a barreira do medo que antes lhe estava associada.

A profissão deixou de ser exercida pelo barbeiro-sangrador e passou para a área da medicina. Não obstante, ela continuou a exercer pavor entre aqueles que com mais urgência necessitam de recorrer ao dentista… e, não nos admiraria se neste preciso momento, ao ler este artigo, algum leitor não esteja já a sentir dor de dentes!

FAMALICENSES VÃO BENEFICIAR DE “SAÚDE ORAL PARA TODOS”

Acordo entre o município e o Governo foi hoje assinado. Gabinete médico dentário deverá ficar disponível num Centro de Saúde do ACES, em meados de 2019

O município de Vila Nova de Famalicão integra a linha da frente de municípios que vão receber o programa “Saúde Oral para Todos” que vai permitir a disponibilização de consultas de medicina dentária através do Serviço Nacional de Saúde.

Sede do ACES Ave, em Delães

O presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha, esteve esta terça-feira, em Lisboa, para formalizar a adesão do município ao protocolo promovido pelo Governo, assumindo assim, todos os encargos financeiros com os equipamentos necessários para a criação de um consultório dentário num Centro de Saúde do concelho, através de um investimento municipal que deverá rondar os 50 mil euros. Por sua vez, o Governo compromete-se a realizar as obras necessárias no espaço dedicado às consultas de medicina dentária, assim como assegurar os recursos humanos habilitados (médico dentista e auxiliar técnico), os consumíveis necessários e as adequadas condições de funcionamento do espaço. O gabinete deverá ficar disponível em meados do próximo ano.

“É uma excelente oportunidade para conseguirmos garantir a toda a população o acesso à prestação de cuidados de saúde essenciais e de proximidade” afirma a propósito Paulo Cunha, acrescentando que o investimento do município surge no âmbito das “políticas de apoio social desenvolvidas pela Câmara Municipal, através de uma parceria com a Administração Regional de Saúde do Norte, e irá contribuir para a promoção de uma política efetiva de combate às assimetrias territoriais e sociais”.

O autarca aproveitou a oportunidade para reafirmar a disponibilidade do município para continuar a cooperar com o Governo no que diz respeito aos cuidados de saúde, adiantando que “as autarquias desempenham, ao nível local, um papel preponderante, no âmbito do bem-estar das populações, constituindo-se como uma plataforma naturalmente capaz de congregar os vários domínios de atuação das políticas públicas”.

O protocolo será ratificado numa das próximas reuniões do executivo municipal.

CAFÉ MEMÓRIA SENSIBILIZA COMUNIDADE DE ESPOSENDE PARA DEMÊNCIAS

22 de setembro – Casa da Juventude

A Casa da Juventude de Esposende vai acolher, no próximo dia 22 de setembro, às 15h00, uma sessão itinerante do Café Memória, uma iniciativa da Sonae Sierra e da Associação Alzheimer Portugal, em parceria com a Fundação Montepio, a Fundação Calouste Gulbenkian e o Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Católica Portuguesa.

AF ESPOSENDE A3

Esta ação será o ponto de partida para a criação do “Café Memória” no concelho de Esposende, na sequência do trabalho que tem vindo a ser desenvolvido pelo Município de Esposende em parceria com Associação Alzheimer Portugal, Centro Social da Juventude Unida de Marinhas e Unidade ConVidaSaúde do Agrupamento de Centros de Saúde Cávado Ill–Barcelos/Esposende.

Neste contexto, o Município aprovou, recentemente, o protocolo a celebrar com a Associação Alzheimer Portugal, Sierra Portugal, S.A e o Centro Social da Juventude Unida de Marinhas com vista a criar no concelho um espaço destinado aos familiares, cuidadores e amigos de pessoas com Alzheimer ou com outro tipo de demência, em que possam partilhar experiências, informação e servir de suporte mútuo, num contexto informal.

Esta sessão pretende, assim, informar e sensibilizar a comunidade sobre as demências, de forma descontraída e informal. Inicia com o acolhimento individual de cada um dos participantes, uma dinâmica de apresentação seguida de uma pausa para café para promover o convívio entre todos. Termina com a apresentação do tema “Vamos falar sobre Doença de Alzheimer e outras demências” por dois técnicos que conduzem a sessão. A participação nesta sessão é gratuita e não necessita de inscrição prévia.

O Café Memória foi lançado em 2013 e consiste numa intervenção comunitária na área das demências complementar à resposta técnica. Conta atualmente com 18 locais de encontro em todo o país e com o contributo de mais de 60 entidades parceiras, a nível nacional e local. Destina-se a pessoas com problemas de memória ou demência, bem como aos seus familiares e cuidadores e concretiza-se com a criação de locais de encontro para partilha de informação, experiências e suporte mútuo, com o acompanhamento de profissionais de saúde ou ação social e voluntários.

Pretende, assim, contribuir para a melhoria da qualidade de vida e redução do isolamento social em que muitas destas pessoas e famílias se encontram e sensibilizar as comunidades locais para a relevância crescente do tema das demências, desconstruindo o estigma que lhe está associado.

Igualmente com o objetivo de sensibilizar a comunidade para a problemática das demências, no dia 21 de setembro, Dia Mundial da Doença de Alzheimer, terá lugar em Esposende o Passeio da Memória, uma caminhada solidária a favor da Associação Alzheimer Portugal.

FAMALICENSES DÃO "UM DIA PELA VIDA"

“Um dia pela Vida” encerra passagem por Famalicão com dia em cheio na Devesa. Projeto solidário da Liga Portuguesa Contra o Cancro chegou em abril ao concelho famalicense

Depois de quase cinco meses com perto de meia centena de atividades de angariação de fundos e de educação para a saúde em todo o concelho, o projeto “Um dia Pela Vida”, promovido pela Liga Portuguesa Contra o Cancro, termina este sábado, 15 de setembro, a sua passagem por Vila Nova de Famalicão com uma grande festa de encerramento que decorrerá ao longo de todo o dia, no Parque da Devesa.

Parque da Devesa

O grande destaque da iniciativa, de cariz solidária, vai para a realização de uma caminhada noturna, a partir das 00h00, na Devesa.

O desporto vai, de resto, dominar o programa do evento, que da parte da tarde, a partir das 14h30, contará ainda com demonstrações de Alex Ryu Jitsu, aulas de Pilates, Yoga, Aerobox e uma atividade de estafeta.

Pelo meio há ainda vários workshops - de artes plásticas, pinturas faciais, defesa pessoal, entre outros temas – e muita música, com as atuações do Rancho Folclórico de S. Miguel-o-Anjo, Vitor Faria, Literatuna, TUSEFA, Grupo de Cavaquinhos do Liberdade Futebol Clube e muito mais.

Recorde-se que “Um Dia Pela Vida” é uma iniciativa promovida pela Liga Portuguesa Contra o Cancro no âmbito de um programa internacional da American Cancer Society. No mundo, 23 países já fazem parte deste projeto que a nível internacional é designado por Relay For Life. Em Portugal teve início em 2005 e decorreu já em 50 localidades. Nestes 11 anos, mais de 250 mil pessoas contactaram de alguma forma com este projeto e, aproximadamente, 60 mil participaram ativamente.

Em Vila Nova de Famalicão, o “Um Dia Pela Vida” decorre desde o dia 28 de abril, tendo contado com várias iniciativas espalhadas pelas freguesias do concelho, organizadas por 16 equipas formadas por membros da comunidade.

Informar e educar a comunidade sobre a prevenção do cancro, angariar fundos para os serviços de apoio ao doente oncológico, investigação oncológica, programas de prevenção e rastreios da Liga Portuguesa Contra o Cancro, bem como divulgar as atividades da instituição são os principais objetivos da iniciativa

ESPOSENDE ASSINALA DIA MUNDIAL DA DOENÇA DE ALZHEIMER

Esposende alerta para as demências com Passeio da Memória. 21 de setembro

O Dia Mundial da Doença de Alzheimer, que se comemora a 21 de setembro, vai ficar marcado em Esposende pela realização do Passeio da Memória. Trata-se do grande evento anual da Associação Alzheimer Portugal, que assinala o Dia Mundial desta doença e ao qual o Município de Esposende se associa, com a colaboração da empresa municipal Esposende 2000.

O Passeio da Memória consiste numa caminhada solidária a favor da Alzheimer Portugal. A participação pressupõe um donativo de 5 euros por pessoa, sendo que a receita reverte integralmente para a Associação Alzheimer. As inscrições são efetuadas diretamente no site institucional do evento em: http://passeiodamemoria.org/pt/esposende, ou presencialmente nas Juntas de Freguesia ou no Centro de Informação Turística.

A caminhada terá início pelas 21h30, no parque em frente às Piscinas Foz do Cávado e percorrerá a avenida marginal até à Praça das Lampreias, na foz do rio Cávado.

Para além de assinalar o Dia Mundial da Doença de Alzheimer, o Passeio da Memória pretende informar e consciencializar a comunidade para a importância de reduzir o risco de desenvolver demência e para os sinais de alerta da Doença de Alzheimer e, sobretudo, para a importância do diagnóstico atempado.

A doença de Alzheimer é a forma mais prevalente das várias demências existentes e provoca uma deterioração global, progressiva e irreversível de diversas funções cognitivas (memória, atenção, concentração, linguagem, pensamento, entre outras). Esta deterioração tem como consequências alterações no comportamento, na personalidade e na capacidade funcional da pessoa, dificultando a realização das suas atividades de vida.

Também com o intuito de informar e sensibilizar a população para a problemática das demências, realiza-se, no dia 22 de setembro, na Casa da Juventude de Esposende, uma sessão itinerante do Café Memória, a partir das 15h00, com entrada livre.

passeio memória

FAMALICÃO DEBATE EDUCAÇÃO ESPECIAL COM DAVID RODRIGUES

“Inclusão: Desmistificar a (im)Perfeição” é o tema a abordar no próximo dia 20, pelas 21h00, na Escola D. Sancho I

O ano letivo 2018-2019 arranca, em Vila Nova de Famalicão, com o Ciclo de Conferências em Educação e o tema “Inclusão: Desmistificar a (im)Perfeição!”. O debate realiza-se no próximo dia 20 de setembro, pelas 21h00, no auditório da Escola Secundária D. Sancho I e conta com a participação do especialista em Educação Especial, David Rodrigues.

David Rodrigues , especialista em Escola Inclusiva ...Lisboa , 14 de Outubro de 2014 ...©Enric Vives-Rubio

A participação é gratuita, mas a inscrição é obrigatória e a organização passa certificado de participação a quem o solicitar. A inscrição deve ser feita, online, neste formulário:https://goo.gl/forms/qh7Dp1ZDI6gseyxQ2.

O Ciclo de Conferências em Educação é uma organização do Município de Vila Nova de Famalicão, em colaboração com a Associação Famalicão em Transição, a Federação Concelhia das Associações de Pais de Famalicão e o Centro de Formação de Associação de Escolas de Vila Nova de Famalicão.

David Rodrigues é professor de Educação Especial e doutorou-se em 1986 na Universidade Técnica de Lisboa - FMH com uma tese sobre crianças com paralisia cerebral. Coordenou o Mestrado em Educação Especial (1991) e o Curso de Terapias Expressivas (1999) na mesma Universidade. Lecionou em universidades portuguesas (Porto, Coimbra, Lisboa e Açores) e em universidades estrangeiras (nomeadamente KU Leuven, Campinas e Florianópolis). É conferencista em congressos internacionais e em iniciativas da UNESCO (nomeadamente na Rússia, Lituânia, França, Espanha, Reino Unido, Colômbia e Brasil). É autor/organizador de 23 livros e pertence ao conselho editorial de 12 revistas científicas em Portugal e no estrangeiro. É presidente da Pró-Inclusão- Associação Nacional de Docentes de Educação Especial, fundador da revista Educação Inclusiva e leciona e coordena atualmente o curso de Mestrado em educação Especial da ESSE Jean Piaget (Almada). É membro do Centro de Investigação do Instituto de Educação – Universidade de Lisboa. Recebeu em 2007 o Prémio Internacional de Investigação «União Latina».

ESPOSENDE ACOLHE SIMPÓSIO SOBRE A DOENÇA HEMOCROMATOSE

A Câmara Municipal de Esposende associa-se à Associação Portuguesa de Hemocromatose (APH) e ao Agrupamento de Centros de Saúde do Cávado III - Barcelos/Esposende na realização de um Simpósio, subordinado ao tema “Sobrecarga de Ferro: quando, como e porquê referenciar?”, iniciativa que terá lugar no próximo dia 21 de setembro, no Fórum Municipal Rodrigues Sampaio, em Esposende.

Simpósio Hemocromatose

Os trabalhos iniciam-se às 14h00, com a abordagem de “Os grandes desafios na deteção precoce da hemocromatose”, seguindo-se a discussão de casos clínicos. O encerramento está previsto para as 18h00, com a intervenção de António Duarte, Presidente da Associação Portuguesa de Hemocromatose. 

A participação neste Simpósio é gratuita, contudo carece de inscrição obrigatória, a efetuar on-line em: https://goo.gl/forms/jIv46wNw1ePnzCkv1.

O Município, no âmbito do Plano Municipal de Promoção da Saúde, contribui, deste modo, para a divulgação da hemocromatose, caracterizada como uma doença hereditária onde se verifica uma absorção exagerada de ferro. Estimando-se que 5 a 10 por cada mil pessoas seja portadora do gene da hemocromatose é importante diagnosticar e tratar precocemente, pois caso contrário o excesso de ferro e os depósitos de ferro poderão dar origem a outras problemáticas a nível da saúde, como cirrose, cancro, insuficiência cardíaca, diabetes, artrite ou impotência sexual.

O Município reconhece o papel importante da APH junto da sociedade, em matérias como a sensibilização da comunidade científica e médica para o diagnóstico e prevenção da hemocromatose, de modo a atenuar os seus efeitos na qualidade de vida da população portuguesa; realização de ações de divulgação, alertando para a necessidade de realizar o diagnóstico precoce - simples exame ao sangue; auxílio dos doentes e suas famílias e atuação junto do Governo e da Administração da Saúde, para a execução de programas para o diagnóstico precoce da Hemocromatose.

PAN QUESTIONA MEDICAÇÃO PRECOCE A CRIANÇAS PARA A HIPERATIVIDADE

PAN agenda debate sobre a prescrição precoce a crianças de medicamentos para a hiperatividade e défice de atenção

  • Assegurar a não prescrição de medicamentos como a Ritalina a crianças com menos de 6 anos
  • Priorizar a intervenção psicológica e privilegiar diagnósticos inequívocos
  • Portugueses gastam 19.550€/dia nestes medicamentos com a compra de 805 embalagens por dia
  • A competição social, a necessidade de resultados imediatos e a falta de tempo leva muitas pessoas a procurar estes estupefacientes insuficientemente testados

O PAN leva a debate na primeira quinzena de outubro o tema da prescrição precoce a crianças de medicamentos para a hiperatividade e défice de atenção como o “Concerta”, a “Ritalina” e o “Rubifen”, a agendar na próxima Conferência de Líderes de dia 19 de setembro.

Receitado para tratar a chamada Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção (PHDA), o metilfenidato, substância ativa presente em medicamentos como a “Ritalina”, tem estado a ser usado para "tratar" o "mau comportamento" e a falta de atenção nas aulas e, assim, a ajudar a melhorar o rendimento escolar. As denúncias acerca desta prescrição abusiva e exagerada têm gerado controvérsia em vários países e também em Portugal.

As medidas do PAN propõem, entre outros aspetos, a intervenção de uma equipa multidisciplinar que envolva os pais, os professores, um psicólogo, um médico assistente e um médico especialista (por exemplo, um neuropediatra ou um pedopsiquiatra) no diagnóstico da PHDA.

É também necessária a sensibilização dos profissionais de saúde para a importância da intervenção psicológica como tratamento de primeira linha, em detrimento do tratamento farmacológico que deve ser um recurso de segunda instância. De acordo com recomendações internacionais, a prescrição de medicamentos destina-se a crianças ou adolescentes que apresentem sintomas severos ou moderados, mas que não tenham respondido adequadamente ao tratamento psicológico.

Para o PAN a resolução deste problema passa também pela fase de diagnóstico. É fundamental a adoção de estratégias e instrumentos para diagnósticos inequívocos, com o envolvimento da Ordem dos Médicos e da Ordem dos Psicólogos Portugueses, com vista à aplicação conjunta de vários instrumentos de diagnóstico da PHDA.

O PAN quer também assegurar a não prescrição e administração destes medicamentos a crianças com idade igual ou inferior a 6 anos. Por um lado, é especialmente difícil estabelecer o diagnóstico de PHDA em crianças de idade igual ou inferior a 4 ou 5 anos, porque o seu comportamento característico é muito mais variável do que nas crianças mais velhas e pode incluir características que são semelhantes aos sintomas de PHDA (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais – DSM). Por outro lado, os próprios folhetos informativos dos vários medicamentos (Ritalina, Rubifen e Concerta) referem expressamente que ometilfenidato não deve ser utilizado em crianças com menos de 6 anos. A segurança e a eficácia não foram estabelecidas neste grupo etário.

Estima-se que, em Portugal, 23.000 crianças estão medicadas para a perturbação da hiperactividade com défice de atenção. De acordo com estudo realizado pelo Infarmed, a utilização do metilfenidato apresenta uma tendência de crescimento. Segundo dados da Consultora QuintilesIMS, durante o ano de 2016 os portugueses gastaram cerca de 19.550€ por dia na compra de medicamentos como "Ritalina" ou "Concerta", o correspondente a 805 embalagens por dia. O relatório da Direção-Geral de Saúde "Saúde Mental 2015" refere que as crianças portuguesas até aos 14 anos estão a consumir por ano mais de 5 milhões de doses de metilfenidato. Ao grupo etário entre os 0 e os 4 anos de idade foram administradas 2900 doses de metilfenidato, tendo sido no grupo etário dos 5 aos 9 anos administradas 1.261.933 doses. 

“Não podemos ignorar este grave e silencioso problema, que reside numa eventual medicação excessiva de crianças e adolescentes e no potencial abuso de medicamentos estimulantes, nem nos podemos demitir de contribuir para o resolver. Tratam-se de medicamentos estupefacientes ou psicotrópicos administrados a crianças e jovens e cujos efeitos a longo prazo na saúde física e mental são desconhecidos. A competição social desenfreada, a necessidade de resultados imediatos, a falta de tempo e a obsessão com a melhor performance leva muitas pessoas a ignorarem os efeitos altamente nocivos que estes estupefacientes, insuficientemente testados, têm no desenvolvimento das crianças”, reforça André Silva, Deputado do PAN.

VIZELENSES CAMINHAM CONTRA O ALZHEIMER

Passeio da Memória em Vizela no dia 23 de setembro

O Município Vizela associa-se à Associação Alzheimer Portugal na organização do “Passeio da Memória” em Vizela, que terá lugar no próximo dia 23 de setembro, às 9.30h.

cartaz_Passeio_Vizela

O Passeio da Memória é uma caminhada solidária que tem como objetivo assinalar o Dia Mundial da Pessoa com Doença de Alzheimer. Para assinalar esta efeméride, a Alzheimer Portugal promove a 8ª edição do Passeio da Memória, em vários locais por todo o país, com o objetivo de informar e consciencializar para a importância de se reduzir o risco de desenvolver demência, para os sinais de alerta da doença e, sobretudo, para a importância do diagnóstico atempado.

Em Vizela, a caminhada terá lugar no dia 23 de setembro, tendo como ponto de partida a Praça da República, às 9.30h.

A participação implica o pagamento de um donativo mínimo de 5,00€, que reverte a favor da Alzheimer Portugal, tendo os participantes direito a uma t-shirt, bem como ao seguro de acidentes pessoais.

Os interessados poderão inscrever-se no site passeiodamemoria.org e receberão automaticamente uma referência multibanco no e-mail para pagar o donativo de inscrição.

Para além de o poderem fazer online, os interessados podem inscrever-se pessoalmente no Edifício da Ação Social, na Rua da Portela, n.º 25 (junto ao Mercado Municipal) e no próprio dia, antes do início da atividade.

Na edição deste ano, comemorativa do 30º Aniversário da Alzheimer Portugal, o Passeio da Memória vai estar presente em 67 locais de Norte a Sul de Portugal, incluindo os arquipélagos dos Açores e da Madeira.

Com esta iniciativa, que conta com o apoio dos Municípios, a Alzheimer Portugal ambiciona desenvolver um conjunto de ações locais que permitam chegar à população em vários momentos ao longo do ano. 50% do valor angariado em cada local será utilizado para a realização de ações que contribuirão para o grande propósito de aumentar os conhecimentos sobre a demência, tais como ações de informação ou atividades formativas. Contamos consigo!

SOLIDARIEDADE JUNTA FAMALICENCES CONTRA O CANCRO

Sarau Cultural Solidário a favor da Liga Portuguesa Contra o Cancro

É já neste fim-de-semana, nos dias 7 e 8 de setembro, que se realiza o IX Sarau Cultural Solidário Terras de Vermoim, um evento de cariz solidário que tem como objetivo a angariação de fundos para a delegação do Norte da Liga Portuguesa contra o Cancro (LPCC).

Sarau Cultural Solidário foi apresentado na passada quinta-feira, dia 30...

Promovida pela Associação Moinho de Vermoim, a iniciativa decorrerá junto ao Salão Paroquial de Vermoim e terá como ponto alto a realização de uma caminhada de 4 quilómetros, marcada para este sábado, pelas 18h00, e cujo valor da inscrição – 3 euros – reverterá na totalidade para a Liga Portuguesa contra o Cancro.

O programa cultural dos dois dias do sarau estará a cargo de vários artistas e grupos da terra. Uma das novidades deste ano é a “Moinho Arte”, um espaço que reunirá o trabalho de vários artistas locais, com algumas obras a serem leiloadas também a favor da instituição.

PROGRAMA

Dia 7 de Setembro

21.15h - Abertura do Sarau

21.30h - Trad e Minho (Música Popular Portuguesa)

22.30h - Open Dance (Escola de Dança)

23.00h - João Pacheco (Músico Vermoinense)

Dia 8 de Setembro

18.00h - Caminhada Solidária (junto à Capela de Vermoim)

21.00 - Coro Infantil da AMVE

21.45 - Desfile de Moda (Apresentação de Sérgio Ferreira e Paulo Dias)

22.45 - Fábio Araújo (Músico Vermoinense)

23.15 - DJ The Last Update

FAMALICENSE DESENVOLVE CHAPÉU QUE MONITORIZA PACIENTES COM EPILEPSIA

Dispositivo médico foi defendido em tese de doutoramento na Universidade do Minho

O famalicense Francisco Pinho desenvolveu um dispositivo portátil, esteticamente sob a forma de um chapéu, que possibilita a monitorização de pacientes com epilepsia e outras patologias através da eletroencefalografia (EEG), considerada como uma ferramenta importante tanto para o diagnóstico e classificação como para o tratamento. O sistema proposto demostrou vários argumentos para a possível monitorização destes pacientes, tanto em regime de ambulatório como de avaliação presencial.

AFS_2124

A criação foi desenvolvida no âmbito da tese de doutoramento em Engenharia Biomédica, defendida em julho último na Universidade do Minho, em discussão pública intitulada “Wireless and Wearable EEG Acquisition Platform”. Considerando a originalidade, a natureza inovadora e o valor cientifico da tese, bem como o nível com que decorreram as provas, e ainda as classificações obtidas no percurso de doutoramento, o júri deliberou por unanimidade atribuir o resultado de “aprovado”, com a menção de Muito Bom.

O Presidente da Câmara Municipal realçou o trabalho de investigação de Francisco Pinho e felicitou-o pessoalmente e institucionalmente nesta semana pelo resultado alcançado “pelo contributo que dá ao desenvolvimento científico e tecnológico e pelo exemplo que empresta às novas gerações de famalicenses com o seu percurso de rigor e de dedicação à investigação científica”.

Francisco Pinho tem especialização na Área da Fisioterapia, pela Escola Superior de Saúde da Universidade de Aveiro, é licenciado em Engenharia Eletrónica e Informática, pela Escola Superior de Engenharia da Universidade Lusíada, onde conquistou os prémios de melhor aluno da Escola de Engenharia, melhor aluno do Curso de Engenharia Electrónica e Informática, melhor aluno na unidade curricular de Automação e de melhor aluno na unidade curricular de Electrónica. É ainda licenciado em Fisioterapia pela Escola Superior de Saúde do Vale do Sousa do Instituo Politécnico de Saúde do Norte.

Atualmente, é Professor Assistente Convidado no
Instituto Politécnico do Cávado e do Ave da Escola Superior de Tecnologia no curso de Licenciatura em Engenharia de Sistemas Informáticos, Professor Assistente Convidado na Escola Superior de Saúde do Vale do Ave do Instituto Politécnico de Saúde do Norte, no Curso de Licenciatura em Fisioterapia e Professor Assistente Convidado na Escola Superior de Saúde da Universidade de Aveiro, no Curso de Licenciatura e Mestrado em Fisioterapia.

ESPOSENDE ACOLHE PALESTRA “ENTENDER AUTÍSMO”

10 outubro, 18h00 – Auditório Municipal

O Município de Esposende, em parceria com a Associação Vencer Autismo, vai organizar, no próximo dia 10 de outubro, às 18h00, no Auditório Municipal de Esposende, uma palestra, subordinada ao tema "Entender Autismo".

endender autismo

A iniciativa é aberta ao público em geral, com especial interesse para profissionais e pais/familiares de crianças com Perturbações do Espetro do Autismo. Nesta sessão, os fundadores da Associação Vencer Autismo, Susana Silva e Joe Santos, irão explicar em detalhe os desafios associados ao autismo, as suas possíveis causas e as áreas a dar prioridade no desenvolvimento da criança. Haverá espaço para colocar questões e esclarecimento de dúvidas.

A participação na palestra é gratuita, contudo carece de inscrição a efetuar online em: https://goo.gl/forms/VVc4rEmOvNguq8Rf2. Mais informações sobre o evento estão disponíveis em: https://www.facebook.com/events/268293493894777 e/ou

http://vencerautismo.org/evento/esposende.

Fundada em 2010 e com sede no Porto, a Associação Vencer Autismo presta apoio a famílias com crianças e jovens com Autismo, em Portugal, no Brasil e na Europa, dotando-as de ferramentas para ajudar estas crianças e jovens a desenvolver o seu máximo potencial.

Em 2017, a Associação Vencer Autismo foi um dos dez projetos europeus convidados para o evento da Comissão Europeia "Opening Up to an Era of Social Innovation" para apresentar o seu projeto “Autism Rocks!”, que já se encontra a ser implementado na Área Metropolitana do Porto.

CABECEIRAS DE BASTO QUER UNIDADE DE INTERNAMENTO INTEGRADA NA REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS

Francisco Alves apela ao Governo para fazer cumprir despacho para integrar Unidade de Internamento na Rede Nacional de Cuidados Continuados

O presidente da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, Francisco Alves, leva amanhã, dia 24 de agosto, à reunião do Executivo Municipal uma tomada de posição relacionada com a Unidade de Internamento Pública em Cabeceiras que continua a ser uma unidade de retaguarda do Hospital Senhora da Oliveira – Guimarães EPE.

16256

Com esta tomada de posição, que o edil espera ver aprovada, apela-se “ao Governo e, em especial ao Ministro do Saúde, que determine à ARS-Norte o cumprimento imediato do despacho de 29 de dezembro de 2017, através da assinatura do contrato-programa com Hospital da Senhora da Oliveira – Guimarães EPE” no âmbito da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados.

Apesar da publicação do despacho de 29 de dezembro de 2017, a Unidade de Internamento Pública de Cabeceiras de Basto continua, ao fim de oito meses, sem integrar a Rede Nacional de Cuidados Continuados de Curta Duração - Convalescença, um atraso que o presidente da Câmara Municipal considera “estranho, lamentável e incompreensível”.

A seguir transcreve-se, na íntegra, a tomada de posição:

“A construção de uma Unidade de Internamento Pública em Cabeceiras de Basto foi um processo muito controverso e moroso que obrigou a uma grande luta e tomadas de posição empenhadas e muito firmes da Câmara Municipal, mas também a uma grande mobilização da população e da opinião pública, até com a realização de reuniões de pessoas em lugares e freguesias, manifestações de rua, para que fosse possível concretizar esta unidade tão importante para a vida das populações.

Já antes de 1994, o Ministério da Saúde, a Misericórdia de Cabeceiras de Basto e a Câmara Municipal haviam encetado diligências no sentido de ser construído um Centro de Saúde.

Em 1994, estava já assumido pelo Ministério da Saúde a tipologia do Centro de Saúde a construir em Cabeceiras de Basto que teria somente serviço de urgência (SAP) e consultas externas.

A partir desta data, a Câmara Municipal, ciente da importância da construção de um Centro de Saúde, foi mais ambiciosa e desenvolveu, desde logo, diligências junto do governo para que o novo equipamento a construir fosse dotado de internamento público, ficando assim este novo edifício com as mesmas valências que tinha o antigo Hospital Júlio Henriques.

Apesar de ser dado início à construção do novo Centro de Saúde na tipologia antes referida, a Câmara Municipal continuou as diligências junto do Ministério da Saúde e da ARS-Norte que culminaram, no ano 2000, com a assinatura de um protocolo, entre as duas entidades, no qual foi decidido construir um novo edifício para uma Unidade de Internamento Público, em Cabeceiras de Basto. Nos termos do protocolo a Câmara Municipal ficou responsável pela disponibilização de terreno e pela execução do projeto, assumindo a ARS-Norte a responsabilidade pelo financiamento da obra. Em março de 2002, o Ministério da Saúde aprovou e homologou o programa funcional da futura Unidade de Internamento e inscreveu as verbas necessárias no Orçamento de Estado de 2003.

Com a tomada de posse de um governo do PSD/CDS, em abril de 2002, o projeto foi “metido na gaveta”, tendo o Ministério da Saúde assinado com a Misericórdia de Cabeceiras de Basto um protocolo para a construção de uma Unidade de Internamento no antigo Hospital Júlio Henriques. Com a assinatura deste protocolo a ARS-Norte assumia não construir a Unidade de Internamento Pública acordada com a Câmara Municipal no protocolo celebrado em 2000.

A Câmara Municipal não concordou e não baixou os braços continuando a exigir o cumprimento daquele protocolo. Mas, só em 2006, já com o Partido Socialista no governo, foi celebrado um novo protocolo entre a ARS-Norte e a Câmara Municipal que permitiu a construção da tão desejada Unidade de Internamento Público (com 16 camas) acoplada ao Centro de Saúde e que viria a ser inaugurada em 15 de julho de 2010, sob gestão do Centro Hospitalar do Alto Ave (Hospital de Guimarães).

Cabeceiras de Basto ficou assim dotada de uma Unidade de Internamento e Convalescença de Curta Duração (30 dias) que viria a integrar a Rede Nacional de Cuidados Continuados com 11 camas, ficando as restantes 5 disponíveis para a gestão autónoma do Centro Hospitalar do Alto Ave.

Em finais de novembro de 2014, na vigência de novo governo do PSD/CDS, surgem rumores de que é intenção do Ministério da Saúde encerrar a Unidade de Internamento Público de Cabeceiras de Basto. A Assembleia Municipal, não conformada, deliberou, por unanimidade, uma tomada de posição contra o encerramento.

O Presidente da Câmara, e outros autarcas, efetuaram de imediato contactos com os responsáveis da ARS-Norte e do Centro Hospitalar do Alto Ave no sentido de defender a manutenção desta importante infraestrutura de saúde em Cabeceiras de Basto travando-se, assim, o seu encerramento no final de 2014.

No início do mês de março de 2015, volvidos apenas três meses, a Câmara Municipal tomou conhecimento de um despacho da ARS-Norte que determina o encerramento da Unidade até ao final do mês de março, em contradição com as garantias dadas anteriormente.

Em 13 de março, a Câmara Municipal deliberou, por unanimidade, opor-se ao encerramento de Unidade de Internamento e Convalescença e mandatou o Presidente da Câmara para efetuar todas as diligências que se revelassem necessárias junto das autoridades de saúde na defesa da manutenção da atividade da Unidade.

Dos contactos com a ARS-Norte e com o Conselho de Administração do, agora denominado, Hospital da Senhora da Oliveira – Guimarães EPE, ficou decidida a celebração de um protocolo de colaboração, através do qual a Câmara Municipal assumiria encargos com a manutenção e funcionamento da Unidade que, por decisão da ARS, deixou mesmo de integrar a Rede Nacional de Cuidados Continuados ficando a funcionar apenas como unidade de retaguarda do Hospital de Guimarães.

O protocolo acabou por não ser assinado mas o Hospital de Guimarães manteve até aos dias de hoje a Unidade de Internamento a funcionar, apesar de subaproveitada e fora da Rede Nacional de Cuidados Continuados.

Finalmente, em 29 de dezembro de 2017, um despacho conjunto da Secretaria de Estado do Orçamento, da Secretaria de Estado da Segurança Social e da Secretaria de Estado Adjunta e da Saúde, determinou a celebração de contratos-programa com as entidades integradas ou a integrar a Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados, no âmbito do funcionamento e implementação da mesma.

Cabeceiras de Basto foi assim contemplada com a criação de 50 novas camas integradas na Rede. Para a Régie Cooperativa Basto Vida o despacho contemplou 30 camas para a sua Unidade de Cuidados Continuados Integrados de Pessoas Dependentes de Média Duração e Reabilitação; para a Santa Casa da Misericórdia de S. Miguel de Refojos o alargamento da resposta em mais 9 camas na sua Unidade de Cuidados Continuados Integrados de Longa Duração e Manutenção e para a Unidade de Internamento Pública de Cabeceiras de Basto, gerida pelo Hospital da Senhora da Oliveira – Guimarães EPE, a reinscrição das 11 camas já anteriormente afetas para Internamentos de Curta Duração.

Com a publicação deste despacho, a Misericórdia assinou de imediato, em janeiro de 2018, o protocolo que visou a instalação das novas camas, a Basto Vida arrancou, em 2 de abril, com a sua Unidade de Internamento. No entanto, a Unidade de Internamento Pública de Cabeceiras de Basto continua, ao fim de oito meses, sem integrar a Rede Nacional de Cuidados Continuados de Curta Duração - Convalescença, conforme o previsto no referido despacho.

Face a este incompreensível atraso, o Presidente da Câmara acompanhou os deputados do PS do distrito de Braga em visita à Unidade de Internamento Pública de Cabeceiras de Basto, que estes deputados da Assembleia da República decidiram efetuar, no passado dia 9 de agosto, e que contou com a presença dos responsáveis clínicos e elementos da administração da referida Unidade e do Hospital da Senhora da Oliveira – Guimarães EPE, para se inteirarem das razões do atraso na celebração do protocolo e, consequentemente, da integração das 11 camas desta Unidade Pública de Cabeceiras de Basto na Rede Nacional de Cuidados Continuados.

Tomamos conhecimento que a ARS-Norte ainda não conseguiu criar condições para a assinatura do contrato-programa previsto no despacho de 29 de dezembro de 2017 não tendo ainda sido posta em prática a decisão do Governo. Assim, a Unidade de Internamento continua a ser apenas uma unidade de retaguarda do Hospital da Senhora da Oliveira – Guimarães EPE e subaproveitada uma vez que tem em funcionamento apenas 8 camas.

A Câmara Municipal considera estranho, lamentável e incompreensível que os superiores interesses dos Portugueses em geral e dos cidadãos de Cabeceiras de Basto em particular estejam a ser prejudicados por razões que não se conhecem, uma vez que a ARS-Norte está a proceder como se a Unidade de Internamento nunca tivesse integrado a Rede Nacional de Cuidados Continuados o que, como se viu pelo histórico aqui narrado, não é verdade.

A Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, hoje reunida, ciente de que o Governo da Nação está empenhado em promover políticas de valorização dos territórios do interior, nas diferentes áreas da governação, e assumindo-se que o Despacho conjunto, de 29 de dezembro de 2017, das Secretarias de Estado do Orçamento, da Segurança Social e da Saúde, são também um passo importante na concretização dessa vontade, delibera:

  1. Apelar formal e publicamente ao Governo e, em especial, ao Ministro do Saúde que determine à ARS-Norte o cumprimento imediato do referido despacho, através da assinatura do contrato-programa com Hospital da Senhora da Oliveira – Guimarães EPE;
  2. Que desta tomada de posição seja dado conhecimento:
  1. Ao senhor Primeiro-ministro;
  2. Ao senhor Ministro da Saúde;
  3. Aos Grupos Parlamentares com representação na Assembleia da República;
  4. À Comissão Parlamentar de Saúde da Assembleia da República;
  5. Aos Deputados dos diferentes partidos políticos eleitos pelo Circulo Eleitoral de Braga para a Assembleia da República;
  6. À ARS-Norte
  7. À Assembleia Municipal
  8. Ao Conselho de Administração do Hospital da Senhora da Oliveira – Guimarães EPE;
  9. À comunicação social”.

CUIDADORES INFORMAIS REÚNEM-SE EM CERVEIRA

Vila Nova de Cerveira acolhe “1º Encontro Regional de Cuidadores Informais”
A Associação Nacional de Cuidadores Informais promove, a 8 de setembro, o “1º Encontro Regional de Cuidadores Informais” no Cineteatro de Vila Nova de Cerveira. A iniciativa, que visa o reconhecimento do importante papel do cuidador informal pela criação do estatuto específico, conta com a presença de vários representantes de altas entidades do foro político e médico-científico, para além de testemunhos na primeira pessoa. O Presidente da República, Professor Doutor Marcelo Rebelo de Sousa, vai presidir à sessão de encerramento.

Programa cuidadores informais

De um conjunto de cuidadores e ex-cuidadores de familiares diagnosticados com demência e/ou de crianças com considerável grau de dependência surgiu, no passado mês de junho, a Associação Nacional de Cuidadores Informais, movimento nacional que luta pela dignificação do cuidador, materializada na criação do Estatuto do Cuidador Informal.

Com o intuito de informar e apoiar uma missão que abrange inúmeras famílias portuguesas, esta associação tem dinamizado alguns encontros regionais que despoletem uma maior reflexão e debate para esta causa. Com o apoio da Câmara Municipal, Vila Nova de Cerveira acolhe, na tarde de 8 de setembro, uma ação de sensibilização de âmbito distrital, mas com grande participação e impacto nacional.
A sessão de abertura deste “1º Encontro Regional de Cuidadores Informais” em Vila Nova de Cerveira está agendada para as 14h00, com a presença do presidente da Câmara Municipal, Fernando Nogueira, e da Vice-Presidente da Alzheimer Europe e Eurodeputada Marisa Matias.
O programa é constituído por três painéis complementares: o dos cuidadores informais e as questões legais e sociais que aborda relatos de como vivem os cuidadores e os seus familiares a necessitar de cuidados, os apoios sociais disponíveis e o testamento vital; o painel político para salientar a importância do estatuto do cuidador informal e que vai contar com a presença de Deputados da Assembleia da República; e uma terceira abordagem de cariz médico-cientifico, com médicos da especialidade e a participação de investigadores da Universidade de Coimbra.
A sessão de encerramento será presidida pelo Presidente da República, Professor Doutor Marcelo Rebelo de Sousa, um defensor do estatuto do cuidador informal, e pela Presidente da Associação Nacional de Cuidadores Informais, Sofia Figueiredo.
Neste momento, a pré-proposta do grupo de trabalho do Governo para uma nova Lei de Bases da Saúde já integra o Estatuto para Cuidadores Informais. O documento elaborado pela equipa de Maria de Belém Roseira estabelece que deve ser promovido "o papel da família, das pessoas próximas e da comunidade na saúde e no bem-estar das pessoas com doença, dependência, parcial ou total", cabendo ao Estado, através dos ministérios da Saúde e da Segurança Social, definir as medidas necessárias de apoio aos cuidadores e à pessoa cuidada com vista a assegurar a melhoria de qualidade de vida de ambos.
De sublinhar que todo este processo foi desencadeado há cerca de dois anos, com o lançamento de uma petição para a criação de um estatuto que enquadrasse as suas funções. Após entregue a um relator no Parlamento, em março deste ano o tema desceu para discussão em sede de Comissão, dando início a uma fase de auscultação das 20 associações de doentes para darem a conhecer o que têm vivido, desde a aceitação da doença dos familiares, à situação quase inevitável de desemprego, entre outras histórias de vida.
O Cuidador é toda a pessoa que assume como função a assistência a uma outra pessoa que, por razões tipologicamente diferenciadas, foi atingida por uma incapacidade, de grau variável, que não lhe permite cumprir, sem ajuda de outro(s), todos os atos necessários à sua existência, enquanto ser humano (Oliveira et al., 2007).

FAFE PROVIDENCIA DESFIBRILHADORES

Município de Fafe equipa edifícios com desfibrilhadores

O Município de Fafe aderiu ao Programa Nacional de Desfibrilhação Automática, equipando cinco edifícios municipais com equipamentos de Desfibrilhação Automática Externa.

A sessão de entrega dos equipamentos decorre amanhã, 7 de Agosto, a partir das 17h00, nos Paços do Concelho.

MELGACENSES COLABORAM NA LUTA CONTRA O CANCRO

Angariados 125€ que irão ajudar no combate ao cancro

O Bar Rios, em Melgaço, recebeu no passado dia 28 de julho uma noite recheada de muitas surpresas para ajudar o Centro de Apoio ao Doente Oncológico.

IMG_5551

O Rio's Bar ofereceu o espaço e o Centro de Apoio ao Doente Oncológico para juntar música e alvarinho numa noite solidária.

Todos os que passaram pelo local puderam pedir um copo ou uma garrafa de vinho. Todo o valor arrecadado reverteu a favor da associação. “Foram 125 euros que muita falta fazem para podermos estar presentes junto dos que mais precisam, por exemplo, poder levar de forma totalmente gratuita um doente oncológico até ao IPO, no Porto”, diz-nos Catarina Malheiro, presidente da associação.

“Este montante angariado só foi possível a todos os que ajudaram e a quem nós deixamos o nosso muito obrigado. Mas também temos de deixar aqui uma palavra a todos os produtores de alvarinho que acederam ao nosso pedido, ao Rio's Bar e a Farmácia Vale do Mouro Melgaço que também tornou esta noite num primeiro encontro de ajuda e de partilha de bons momentos”, contou a presidente.

O espetáculo musical esteve a cargo do jovem artista minhoto Bruno Pereira. 

O Centro de Apoio ao Doente Oncológico é uma associação que surge com o objetivo principal de dar apoio aos doentes oncológicos, aos seus cuidadores e familiares e foi constituída em Abril de 2016, por um grupo de jovens, na sua maioria profissionais de saúde e da área social. 

A associação pretende tornar-se numa referência na região do Alto Minho no apoio, promoção e proteção da saúde, da educação e do apoio social ao doente oncológico, contribuindo para o bem-estar e qualidade de vida. 

Ao longo destes meses de existência a CADO tem ajudado a alertar e informar a população sobre as causas e efeitos da doença, bem como ajudar na prevenção da mesma. Mas o trabalho não termina aqui já que a associação apoia o doente oncológico ao nível das questões socioeconómicas e jurídicas; presta cuidados a nível da reabilitação física e promover atividades de lazer/desportivas; Promove a integração social dos doentes oncológicos na sociedade; proporciona fácil acesso em artigos essenciais para o bem-estar físico e psicológico do doente; entre muitos outros.

A CADO disponibiliza também, de forma gratuita serviços de saúde, contando com dois médicos, um enfermeiro, duas psicólogas clínicas, uma técnica social, duas farmacêuticas e uma médica dentária. Além disso realiza iniciativa que levem toda a comunidade a criar hábitos e rotinas saudáveis, evitando e reduzindo os efeitos colaterais de muitos dos tratamentos que a que o doente oncológico é sujeito e, ajudando a prevenir recidivas.

IMG_5570

IMG_5601

IMG_5604

O PROJETO SOLIDÁRIO DA REDE MÉDICA PORTUGUESA NA VENEZUELA

  • Crónica de Daniel Bastos

A Comunidade Portuguesa na Venezuela, segunda maior comunidade lusa na América Latina, a seguir ao Brasil, constituída por meio milhão de portugueses e lusodescendentes, vive por estes tempos marcada pela angústia do presente e a incerteza do futuro.

Daniel Bastos (2)

Esta intranquilidade é resultante da grave crise económica e social em que mergulhou a pátria Simón Bolívar, que ainda no início deste século era o país mais rico da América do Sul, e onde na atualidade a população sofre uma séria escassez de alimentos e medicamentos. O panorama socioeconómico sombrio regista a falta de comida, o aumento nos índices de mortalidade infantil e materna, a privação de remédios essenciais, como antibióticos e analgésicos, a carência de luvas, gazes, seringas ou produtos de limpeza.

A Comunidade Portuguesa na Venezuela não está imune à crise, sendo conhecidas várias situações de compatriotas que já não conseguem satisfazer as necessidades mais básicas. Situação que tem contribuído para o regresso de milhares de luso-venezuelanos a Portugal, sobretudo à Madeira, onde nos últimos anos segundo o Governo Regional já regressaram mais de quatro mil emigrantes da Venezuela.

Mas é também nestes tempos sombrios de crise, que se têm gerado genuínos exemplos de resiliência e solidariedade no seio da Comunidade Portuguesa na Venezuela. Como é o caso da Associação de Médicos Luso-venezuelanos (Assomeluve), que durante o mês de julho delineou uma rede médica portuguesa centrada em atender as necessidades prioritárias de saúde dos compatriotas.

Este projeto solidário, que conta com o apoio do Governo português, da Embaixada de Portugal na Venezuela e dos consulados locais, tem segundo a gastrenterologista Clara Maria Dias de Oliveira, porta-voz da Assomeluve, como principal missão “estabelecer as necessidades prioritárias dos portugueses na Venezuela, e prestar atenção médica geral e especializada", e irá começar em cinco regiões da Venezuela, no Distrito Capital (Caracas, Miranda e Vargas) e nos estados de Lara, Bolívar, Carabobo e Anzoátegui.

O exemplo de solidariedade praticado pela Associação de Médicos Luso-venezuelanos em prol da Comunidade Portuguesa é digno de louvor e de reconhecimento público, e um sinal de esperança no futuro da Comunidade Portuguesa na Venezuela.

SAÚDE E AROMAS SÃO FESTIVAL EM CABECEIRAS DE BASTO

Presidente da Câmara inaugurou Festival Aromático e Festa da Saúde nos Claustros do Mosteiro

O presidente da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, Francisco Alves, inaugurou esta manhã, dia 28 de julho, a iniciativa ‘Cheira Bem, Cheira a Cabeceiras – Festival Aromático’ integrada no programa cultural Mosteiro de Emoções, bem como a Festa da Saúde, iniciativas que decorreram ao longo do dia nos Claustros do Mosteiro de S. Miguel de Refojos.

Presidente da Câmara inaugurou Festival Aromático e Festa da Saúde (1)

Acompanharam o presidente da Câmara os vereadores Dra. Carla Lousada e Eng. Pedro Sousa, o presidente da Junta de Freguesia de Refojos, Outeiro e Painzela, Leandro Campos, a presidente e membros dos órgãos sociais da Basto Vida, entre outros autarcas do Município, convidados e público em geral.

Destaque para a realização de três workshops – Arte Floral (Raquel Viana), de bolachinhas e compotas beneditinas (Quelha Branca) e Bolos de Leite (Dentada Produções) – durante esta manhã e para dois showcooking’s, com a Chef Lígia Santos, que ocorreram durante a tarde e direcionados especialmente para a restauração, bares e cafetaria, com a utilização preferencial de plantas e ervas aromáticas das empresas cabeceirenses Arboreto e da Olfactus, e ainda fruta da empresa local Apetece Começar.

Exposição e venda de plantas aromáticas, rastreios de saúde, jogos de terapia, dinâmicas de grupo com crianças, entre outras decorreram também ao longo do dia com a presença de produtores locais e de empresas e entidades ligadas à saúde e ação social.

A iniciativa, organizada pela Câmara Municipal e pela Basto Vida, recebeu durante a tarde a visita do presidente da Assembleia Municipal, Eng. Joaquim Barreto, e continuou ao final do dia com demonstrações de dança e aulas de pilates e karaté pela Escola Pé de Dança, Academia Sempre em Forma e Clube Desportivo de Cabeceiras, respetivamente.

Este dia dedicado ao ‘Cheira Bem, Cheira a Cabeceiras – Festival Aromático’ e Festa da Saúde termina com o Passeio Literário ‘O Baile’ pelas memórias do antigo Baile de Outono, a partir das 22 horas, nos Claustros do Mosteiro. “O Baile de Outono, conhecido pelos mais antigos como ‘Baile de São Miguel – Noite de Outono’, leva o imaginário dos cabeceirenses a tempos gloriosos de muito glamour e muito charme. E é a partir dessas memórias vividas e não vividas que construímos o espetáculo ‘O Baile’. Através de pesquisas e conversas com diferentes gerações que aproveitaram o tão famoso evento, criámos uma peça de encontros e desencontros pelos corredores do Mosteiro de S. Miguel de Refojos na década de 60. Leve, romântica e com muito respeito, como a própria história pede. As memórias dançam com a música. Os olhos brilham. O ambiente está lá. O Baile permanece vivo”, lê-se na sinopse.

Presidente da Câmara inaugurou Festival Aromático e Festa da Saúde (2)

ESPOSENDE SENSIBILIZA COMUNIDADE PARA A PROBLEMÁTICA DAS DEMÊNCIAS

O Município de Esposende associa-se à Associação Alzheimer Portugal, no âmbito da campanha “Amigos na Demência”, cujo objetivo principal passa por informar e sensibilizar a população portuguesa para esta doença.

Amigos na Demência

A iniciativa arranca na próxima segunda-feira, 30 de julho, Dia Internacional da Amizade, integrada no movimento global “Dementia Friends”, implementado em 17 países em todo o mundo. Pretende-se sobretudo aumentar a compreensão sobre esta doença e convidar todos os cidadãos a comprometerem-se ativamente na melhoria do dia-a-dia das pessoas com demência.

Nesta linha de orientação, no âmbito do Programa Ativo Mais, o Município de Esposende tem em curso, desde maio, o projeto “Som da memória – paisagens sonoras”. Constitui um espaço de encontro destinado a pessoas com problemas de memória ou demência que proporciona experiências de estimulação cognitiva e sensorial através da música. Este projeto visa contribuir para a sensibilização sobre a problemática da demência e promover a capacitação e valorização dos familiares e cuidadores.

No Dia Mundial da Doença de Alzheimer, que se assinala 21 de setembro, Esposende promove o Passeio da Memória, caminhada solidária, cujo valor das inscrições reverterá na íntegra para a Alzheimer Portugal. Através desta atividade pretende-se informar e consciencializar para a importância de reduzir o risco de desenvolver demência, para os sinais de alerta da Doença de Alzheimer e, sobretudo, para a importância do diagnóstico atempado.

No dia 22 de setembro, às 15h00, a Casa da Juventude acolhe o “Café Memória Faz-se à Estrada”, uma sessão itinerante que visa informar e sensibilizar para a problemática das demências, de forma descontraída e informal. Esta ação será o ponto de partida para a criação do “Café Memória” no concelho de Esposende, na sequência do trabalho que tem vindo a ser desenvolvido com a Associação Alzheimer Portugal, o Centro Social da Juventude Unida de Marinhas, a Unidade ConVidaSaúde do Agrupamento de Centros de Saúde Cávado Ill–Barcelos/Esposende e a Câmara Municipal de Esposende.

A Vice-Presidente da Camara Municipal de Esposende e Vereadora da Coesão Social, Alexandra Roeger, salienta que “no Plano de Desenvolvimento Social 2016-2021 as demências e as doenças neurogenerativas estão referenciadas como uma das problemáticas sociais de intervenção prioritária, pelo que se torna crucial sensibilizar a comunidade sobre esta problemática, designadamente sobre sinais de alerta, prevenção geral, diagnóstico e intervenção, direitos da pessoa com demência, princípios de atuação na prestação de cuidados e o papel dos cuidadores e familiares”.

PRESIDENTE DO MUNICÍPIO BARCELENSE VISITA HOSPITAL SANTA MARIA MAIOR

Segunda-feira, 30 de julho, às 15h00

O Presidente da Câmara Municipal de Barcelos, Miguel Costa Gomes, realiza na próxima segunda-feira, dia 30 de julho, às 15h00, uma visita ao Hospital Santa Maria Maior no âmbito do protocolo assinado entre o Município e aquela unidade hospitalar para a doação de 22 camas com colchões.

A visita será acompanhada pelo Presidente da ARS-N - Administração Regional de Saúde do Norte, Pimenta Marinho.