Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

CAPELA DA SENHORA D’AGONIA FICA EM VIANA DO CASTELO – NÃO EM CASTRO DAIRE!

Um antigo postal com gravura da autoria do célebre ilustrador Alfredo Morais, edição da AVL - António Vieira Ldª, retratando a Romaria da Senhora d’Agonia e a fachada da sua capela, surge num blogue relacionado com o concelho de Castro Daire <http://beiraalta-castrodaire.blogspot.com/2016/>, à mistura com outros postais daquela localidade da Beira Alta.

É provável que o autor não conheça muito bem a região com a qual se identifica mas, ao menos, deveria saber que o seu blogue não possui direitos sobre aquela imagem…

Capturar

VILA VERDE RECEBE VIII ENCONTRO DAS ROMARIAS DO MINHO NA PRÓXIMA SEXTA-FEIRA

Vila Verde acolhe, na próxima sexta-feira, o VIII Encontro das Romarias do Minho.

Organizado pelo Serviço de Ação Cultural do Município de Vila Verde, este encontro conta com a colaboração do Centro em Rede de Investigação de Antropologia da Universidade do Minho.

unnamed

A sessão terá lugar na Casa do Conhecimento de Vila Verde e será iniciada às 9h30 pela Vereadora da Cultura, Educação e Ação Social, Drª Júlia Fernandes e, ao longo de todo o dia, vários especialistas convidados irão expor algumas temáticas relacionadas com as “Romarias do Minho” onde haverá, posteriormente, um debate e um momento dedicado a comentários e reflexões.

O principal objetivo desta iniciativa passa por tentar esclarecer dúvidas ligadas à noção de “património imaterial” e ao seu inventário, um procedimento que se encontra, ainda, numa fase incipiente, marcada por diversas dificuldades.

O projeto Romarias do Minho é desenvolvido por vários municípios da região, em moldes de colaboração informal, com a participação de Associações de Festeiros e Confrarias, tendo por objetivo comum a inscrição de algumas das mais representativas destas festividades no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial.

HAVEMOS DE IR A VIANA – Ó MEU AMOR DE ALGUM DIA

Ainda se ouve ao longe o estalejar do fogo-de-artifício das festas da Senhora d’Agonia em Viana do Castelo e não me sai da lembrança os rostos belos e jeitos graciosos das mulheres vianenses, cheias de cheira nos seus trajes tradicionais, desfilando pelas ruas da cidade que um dia alguém a baptizou como a Princesa do Lima.

40464771_2074523512572511_246269400368283648_n

Aninhada aos pés de Santa Luzia, tendo a banhar-lhe as águas do rio Lima e do Oceano Atlântico, Viana do Castelo é terra de mil encantos, na sua paisagem, arquitectura, o brilho e a postura – não podia, pois, deixar de deslumbrar o visitante com a beleza e o encanto das suas gentes, a simpatia do povo, o seu espírito festivo e a beleza única das suas moças, porventura as mais belas de Portugal!

Os zés pereiras já rufam ao longe os seus bombos para os lados de Ponte de Lima e Vila Praia de Âncora – são as Feiras Novas e da Nossa Senhora da Bonança a fechar o ciclo das grandes romarias do Alto Minho. Mas, para o ano, como diz o poeta, “Havemos de ir a viana”!

Se o meu sangue náo me engana

Como engana a fantasia

Havemos de ir a viana

Ó meu amor de algum dia

Ó meu amor de algum dia

Havemos de ir a viana

Se o meu sangue não me engana

Havemos de ir a viana

Fotos: Sérgio Moreira & Sílvia Moreira

40620794_2077517168939812_3303804872624701440_n

40623762_2077513655606830_7432090539475861504_n

40626781_2076117755746420_8913540032493518848_n

40632385_2076120709079458_1809452778158817280_n

40635149_2077515242273338_859797550092255232_n

40645518_2077425482282314_421105420065570816_n

40645961_2076109989080530_7954148740632150016_n

40678771_2076124429079086_2782092863012339712_n

40468025_2076122482412614_7506261652560412672_n

40485002_2076111255747070_1827638043352236032_n

40487980_2076108175747378_8036148539715223552_n

40510746_2076119512412911_8075600790741319680_n

40515531_2074689715889224_2428181879875174400_n

40520674_2074707762554086_6892831737328435200_n

40527887_2074678149223714_4037003266620391424_n

40541214_2077428068948722_2838926649116852224_n

40549822_2077431925615003_8584782830268055552_n

40560577_2076125509078978_818153671744290816_n

40575766_2076114419080087_6327655457544470528_n

40578291_2076106379080891_2373298137772064768_n

40582658_2074674609224068_1002803674533068800_n

40584392_2077424268949102_5135986055073234944_n

40400861_2074833102541552_2520040003292102656_n

40417587_2074694169222112_2356794996520124416_n

40424725_2074830922541770_6470793931402510336_n

40461438_2074830662541796_5237069763947003904_n

40463896_2074691749222354_2967367865147064320_n

ROMARIA A SÃO JOÃO D’ARGA É UMA DAS MAIS GENUÍNAS DO MINHO

A tradição ainda é o que era! – milhares de romeiros rumaram a Arga de S. João para cumprir promessas a S. João ou pedir-lhe ajuda para arranjarem casamento ou cura de verrugas, quistos, doenças de pele e infertilidade. Nem todos vão a pé como antigamente mas poucos são os minhotos que dispensam esta festa pois ela continua a ser uma das mais genuínas de toda a região e do país. E, até da vizinha Galiza não faltam os nossos irmãos galegos a comungar da mesma Fé – e da mesma identidade cultural!

40368448_1836849859702868_158074626356805632_n

Muitos ainda vêm em ranchos como antigamente, subindo a pé o monte, cantarolando aqui e merendando acolá. Pelo caminho, o “penedo do casamento” é sítio obrigatório de paragem no percurso dos romeiros. Os solteiros atiram-lhe uma pedra para que esta fique em cima dele, dependendo o tempo de espera do casamento das tentativas feitas até o conseguir. Reza a lenda que o penedo “arranja testo para qualquer panela”… porém, como os tempos estão difíceis, vão ouvindo-se com frequência cantar os seguintes versos:

   Ó meu Senhor S. João

   Casai-me que bem podeis

   Já tenho teias de aranha

   Naquilo que bem sabeis

Uma vez chegado ao local do santuário, situado a cerca de 800 metros de altitude, os peregrinos dão três voltas à capela findas as vão dar uma esmola ao santo… e outra ao diabo!

Cumprida a devoção, a romaria dá lugar ao folguedo. Juntam-se os tocadores de concertina e abrem-se as goelas para os cantares ao desafio. Canta-se e dança-se no terreiro até ao amanhecer. Come-se e bebe-se nas tasquinhas à volta do santuário ou nas lojas dos “quarteis” onde também existe alojamento para pernoitar pois, caso contrário, terá de ser feito ao relento, na área envolvente do mosteiro. Apesar de ainda ser Verão, as noites são frias e, como agasalho, recomenda-se um copito de aguardente com mel, uma especialidade típica da Serra d’Arga.

Um poeta alfacinha de que não recordamos o nome, terá criado estes graciosos versos a repeito de S. João Baptista e de seu primo Jesus a quem baptizou nas águas do rio Jordão:

   São João, reparem nisto,

   Teve este grande condão;

   Ao baptizar Jesus Cristo,

   Foi quem fez de Cristo cristão

Mal despontam os primeiros raios de sol, é chegada a altura de regressar a casa. A aldeia regressa à sua habitual pacatez e o silêncio volta à serra. Apenas uma escassa centena de almas habita as pouco mais de duas dezenas de habitações que compõem Arga de S. João, abrangendo uma extensão de treze quilómetros quadrados.

- S. João d’Arga é uma das mais genuínas romarias minhotas. Para o ano lá voltaremos!

Fotos: Município de Caminha

40379629_1836852169702637_6324408969074835456_n

40391314_1836857436368777_2028066012229795840_n

40395555_1836860593035128_421878531358720000_n

40398623_1836855546368966_7266405673452175360_n

40400818_1836861899701664_8719827979422662656_n

40409730_1836856896368831_2136578635841142784_n

40411143_1836859773035210_1730086764690800640_n

40417642_1836853386369182_3041146177702592512_n

40424695_1836859636368557_2276237958556155904_n

40427410_1836855463035641_9094004503752998912_n

40432680_1836857916368729_6744957336177082368_n

40446505_1836851073036080_8583108557526794240_n

40449329_1836859523035235_6219444499551092736_n

40458157_1836858056368715_36102395578548224_n

40227567_1836856266368894_3728220110452686848_n

40269988_1836859103035277_6364208472501780480_n

40273340_1836861756368345_8054576217157795840_n

40284185_1836858736368647_4856914829824229376_n

40290517_1836862233034964_1139687293028663296_n

40293627_1836857509702103_2825760980921745408_n

40294491_1836860813035106_3157412591672754176_n

40297176_1836858663035321_2476521311589892096_n

40301224_1836858893035298_747868438910730240_n

40301329_1836861233035064_8014932522259447808_n

40301831_1836858456368675_7043379661132267520_n

40307369_1836856033035584_4788083958816440320_n

40307430_1836852346369286_7196029103844098048_n

40318654_1836860513035136_7054171049931309056_n

ARCUENSES MANTÊM AUTENTICIDADE DA ROMARIA DE NOSSA SENHORA DA PENEDA

De 1 a 8 de setembro, decorre a Romaria de N. Sra. da Peneda, na Gavieira, concelho de Arcos de Valdevez, uma festividade de cariz religioso e cultural, muito procurada a nível local, nacional e internacional.

Capturar1

Para o Município de Arcos de Valdevez e Confraria de N. Sra. da Peneda, esta é uma celebração que “segue a tradição das grandes peregrinações marianas, onde a envolvente paisagística natural, neste caso integrada em pleno Parque Nacional da Peneda-Gerês, favorece o desenvolvimento de uma ambiência festiva e de um espírito celebrativo muito próprio, fazendo desta romaria uma das maiores e mais fascinantes de todo o Alto Minho”.

Esta celebração em honra de N. Sra. da Peneda e de todos os seus devotos, segue um programa preenchido com várias celebrações religiosas, desde missas, procissões com o Rosário e Oração de Vésperas; Oração de Laudes, Via Sacra e Exposição do Santíssimo). No dia 6, pelas 22h00, terá lugar o “Hino Akathistos em Honra da Virgem, Mãe de Deus (Beijo da imagem) e no dia 8, pelas 11h00, encerra a romaria, com a Eucaristia e Procissão da Festa da Natividade de Maria.

Existe ainda, um programa cultural, onde se destaca, no domingo, 1 de setembro, os “Fados à Senhora”, com a atuação do fadista arcuense Marco Rodrigues e a exposição de fotografia “Peneda: Esculturas e Formas”. No dia 6, pelas 21h00 irá decorrer a “Bênção de Concertinas no Santuário, seguida de desfile até ao recinto do baile popular”.

Esta é uma celebração religiosa e cultural muito importante para o concelho, para os arcuenses e para todos os visitantes, não só pela sua essência religiosa e contemplativa, como também pelo notável património arquitetónico e histórico, desde o Santuário, ao escadório das virtudes e ao monumental escadório e as suas 20 Capelas temáticas, todos eles pontos de passagem obrigatórios, que alienados às magnificas paisagens naturais, fazem da Peneda, um destino turístico de exceção, no itinerário do Parque Nacional Peneda Gerês.

Capturar2

ARCOS DE VALDEVEZ: SENHORA DA PENEDA ABENÇOA CONCERTINAS E CASTANHOLAS

Os devotos à Senhora da Peneda já não vão de caixão como outrora o faziam…

No próximo dia 6 de Setembro há festa no Santuário de Nossa Senhora da Peneda. Os peregrinos há muitas décadas que já não vão enfiados no caixão… agora levam as concertinas e as castanholas para receberem a bênção da santa!

A bênção das concertinas e das castanholas tem lugar no dia 6 de Setembro, às 21 horas. E, às 22 horas, tem lugar o canto do Akathistos e beijo da imagem da Senhora da Peneda.

255524_418402308217738_1979130992_n

Antigamente, os romeiros que pagavam promessas iam metidos dentro de caixões

A Romaria a Nossa Senhora da Peneda realiza-se entre os próximos dias 1 e 8 de setembro, no seu imponente santuário situado na freguesia da Gavieira, no concelho de Arcos de Valdevez. É uma das mais importantes romarias do Minho, chamando àquele lugar recôndito da serra da Peneda muitos milhares de romeiros que, dos mais variados pontos da nossa região e também da Galiza, fazem-se ao caminho levando consigo a Fé, a alegria e a concertina uma vez que, após o dever cumprido, haverá lugar à folia.

548020_418402988217670_1659577555_n

A partir de 31 de agosto e até 8 de setembro, depois das cinco horas da tarde, realiza-se o terço cantado, percorrendo as capelas da escadaria do santuário. No dia 6 de setembro, os populares cantam e dançam ao som das concertinas durante toda a noite, até às sete horas da manhã.

A festividade assenta num espaço natural e arquitetónico de beleza universal, com um magnífico afloramento rochoso de grande dimensão, uma queda de água e uma envolvente paisagística natural assombrosa. Ali se encontra edificado o magnífico templo cuja construção remonta aos séculos XVIII e XIX, com o seu escadório de vinte capelas temáticas, formando um conjunto de inigualável caracterização, dentro do espaço privilegiado do único Parque Nacional de Portugal: o Parque da Peneda-Gerês.

Ao que se crê, em 5 de Agosto de 1220, terá ali aparecido a Senhora da Peneda sob a forma de pomba branca a uma jovem pastorinha que apascentava o seu rebanho de cabras, voando em seu redor e ordenando-lhe que dissesse às gentes do lugar da Gavieira que ali lhe edificassem uma ermida. A criança falou aos seus pais acerca da aparição da Senhora mas estes não lhe deram crédito.

Voltando a criança àquelas paragens para apascentar o seu rebanho, eis que a Senhora lhe voltou a aparecer. Porém, desta feita, já sob a forma na qual é atualmente venerada. E, vendo que a pastorinha não era bem-sucedida, ordenou-lhe o seguinte:

“-Filha, já que te não querem dar crédito ao que eu mando, vai ao lugar de Roussas (que fica na mesma freguesia de Gavieira, no mesmo termo do então concelho de Soajo) onde está uma mulher entrevada há dezoito anos e diz aos moradores do lugar que tragam à minha presença, para que ela fique de perfeita saúde, e assim te darão crédito ao que eu te ordeno.”

A criança assim o fez e, trazendo a enferma que se chamava Domingas Gregório ao local indicado, esta imediatamente se recompôs, ficando livre de todos os males de que padecia. A partir de então, a Senhora da Peneda passou a ser bastante venerada pelo povo das redondezas que, por baixo da Rocha da Meadinha, lhe ergueram a partir dos finais do século XVIII um imponente santuário de estilo neoclássico, com alguns traços caraterísticos da arquitetura barroca, que é atualmente um dos mais concorridos de toda a região, atraindo milhares de romeiros do Minho e da Galiza.

524204_396440597080576_1379788820_n

Até meados do século passado, era frequente os romeiros que pagavam promessas serem levados à igreja metidos dentro de caixões. Algumas pessoas mais antigas ainda se recordam de tão estranho ritual o qual, secundo se crê, constituiria uma forma dos miraculados exprimirem a sua gratidão pela graça recebida, sugerindo através da sua teatralização o destino que lhes estaria traçado caso a Senhora não intercedesse a seu favor.

Tais cortejos “funerários” percorriam em regra um longo e acidentado trajeto que ia do pórtico situado ao fundo das capelas até ao interior da igreja, incluindo o longo escadório, sucedendo nalguns casos prolongar-se até ao próprio cemitério. Uma vez no interior do templo, era celebrada missa de “corpo presente” a que o “defunto” geralmente assistia ainda deitado na urna geralmente já aberta no local. Por vezes, o “funeral” era acompanhado de banda de música.

O padre Bernardo Pintor, autor do livro “Uma Joia do Alto Minho”, relata-nos a propósito: “Tudo isto observei de pequeno e lembra-me de ouvir falar de uma pessoa que foi até à beira da sepultura, mandada abrir no cemitério, onde lançou a sua roupa exterior, e, também de uma outra que seguia em caixão aberto mas que se impressionou de tal modo ao entrar no templo que saltou fora e rachou a cabeça de encontro aos umbrais da portaria”.

Com efeito, todo este ritual a que muitos devotos se submetiam produz um efeito psíquico de tal intensidade que pode despertar na mente efeitos perturbadores perante novos estados de consciência e meditação acerca da nossa própria existência.

Entretanto, há muito tempo que tal costume desapareceu, não havendo mais lugar a cortejos “fúnebres” de mortos-vivos. Agora, a festa faz-se de alegria sem perda de devoção, bem à maneira das gentes do Minho!

Fotos: Santuário de Nossa Senhora da Peneda

314269_418402414884394_1842115902_n

VIANA DO CASTELO: ROMANOS REGRESSAM AO RIO LETHES

- O Rio Lima e a Mitologia Greco-Romana

Aproveitando a ocasião dos tradicionais festejos em honra de Nossa Senhora d’Agonia que se realizaram em Viana do Castelo, eis que os romanos estão de volta à nossa região, atraídos pelos encantos do rio Lima ou do esquecimento – o lendário Lethes da mitologia grega e romana.

39900023_10217842158072172_8376593211241529344_n

De acordo com as suas crenças ancestrais, o Lethes era um dos quatro rios que banhava o Hades – o infernus para os romanos – o qual deveríamos atravessar a bordo de uma barca tripulada pelo barqueiro Caronte, viagem que deveria ser paga. É pois, em virtude desta crença, que nas necrópoles romanas é frequente encontrar-se uma moeda na boca do defunto a fim de pagar ao barqueiro.

Gil Vicente inspirou-se nestas crenças quando escreveu o “Auto da Barca do Inferno”… e, Dante, associando a Geena que era um local onde, às portas de Jerusalém, a população da cidade depositava e icinerava o lixo e se lançavam os cadáveres daqueles que eram considerados indignos, restos de animais e toda a espécie de imundície. O fogo era mantido aceso com recurso a enxofre.

Tendo Jesus recorrido à imagem do local como símbolo da destruição eterna, passou a ser reconhecido como um local de tormento. Porém, antes de adquirir o novo significado, banhado pelo rio Lethes, o Hades – infernus em latin, seol em hebraico – mais não queria dizer do que um lugar ôco debaixo de terra, literalmente uma sepultura.

39910897_10217842158032171_6857681660553461760_n

Para os antigos gregos e os romanos, a vida constituía um ciclo de perpétuo renascimento, uma constante passagem da vida para a morte e de novo para a vida. A travessia do rio Lethes pressupunha que, ao nascermos de novo, perdíamos o conhecimento da verdade, algo que, segundo Platão, na sua “Apologia de Sócrates”, poderia ser recuperado através da maiêutica socrática que significa “dar à luz”, através de uma dialética partindo do princípio de que “a verdade está latente em todo o ser humano, podendo aflorar aos poucos através de uma série de perguntas simples, quase ingénuas, porém perspicazes”.

No ano 136 AC, marcharam os exércitos romanos comandados pelo Cônsul Décimo Júnio Bruto a caminho da Galiza. Depois de atravessarem os rios Tejo, Zêzere, Mondego, Vouga e Douro, e tendo atingido as margens do rio Lima – também designado por Bélio – em relação ao qual o historiador e geógrafo grego comparou com o lendário Lethes, o rio do Esquecimento, aí estacaram… ninguém ousava atravessá-lo pois o temor dos soldados era de tal ordem que receavam de se esquecerem da sua Pátria, da sua família e amigos. Segundo a sua mitologia, o rio Lethes era a fronteira para o mundo inferior, o mundo dos mortos.

Após muita insistência junto dos centuriões para que estes convencessem os soldados que ainda estariam longe da tal fronteira para o infernus, num impulso tomou de um soldado o estandarte da Legião encimado pela Águia Imperial e, da outra margem, chamou os soldados pelos seus próprios nomes, convencendo-os desse modo de que aquele não era com efeito o rio do Esquecimento – o rio Lethes.

Quanto à localização próxima do sítio de passagem, é de crer que tenha sido naturalmente o local onde depois construíram a ponte que ligava a estrada militar romana de Braga a Astorga e que foi durante muitos séculos a única a atravessar o rio Lima, mais tarde ponto de travessia a pé enxuto dos peregrinos que rumavam a Santiago de Compostela, devendo-se ao seu cruzamento com a via navegável a origem da vila que lhe tomou o nome – Ponte de Lima!

Decorridos mais de dois milénios da sua chegada às margens do rio Lima, os romanos voltaram, desta feita para desfilar no Cortejo Histórico das Festas em Honra de Nossa Senhora d’Agonia. Porque, apesar do mito, eles realmente nunca esqueceram os seus campos férteis e a paisagem inebriante da nossa região!

Texto: Carlos Gomes / Fotos: José Carlos Vieira

39747962_10217842158152174_6881250431029215232_n

39777274_10217842159072197_6884056019631079424_n

39777314_10217842159552209_3415238739717259264_n

39883034_10217842159992220_4369667205458034688_n

VIANA DO CASTELO: EM TERRA DE PESCADORES OS TAPETES SÃO DE SAL!

Na Ribeira de Viana do Castelo, as gentes do mar espalharam pelas ruas trinta toneladas de flores e sal, tingidas de cores garridas, apresentando motivos marítimos e religiosos. Trata-se de uma tradição com mais de meio século e a “faina” dura até de madrugada, fazendo lembrar a azáfama dos pescadores noite dentro em alto mar a substituir as redes para trazer o peixe que é o pão destas gentes.

IMG_2275

A rua Frei Bartolomeu dos Mártires dedicou o seu tapete à Senhora d'Agonia, desenhando-a no piso com um manto a cobrir a sua extensão. No Largo Infante D. Henrique, os moradores dispensaram o sal para cobrir o largo de flores. E, após a Procissão ao Mar na qual o andor da Senhora d’Agonia seguiu a bordo da embarcação “Sempre em frente”, os devotos caminharam atrás da Padroeira pisando os tapetes de sal. Tal como de sal é feita a vida das gentes do mar – dos pescadores e marinheiros de Viana do Castelo!

Fotos: José Carlos Vieira

IMG_2277

IMG_2278

IMG_2314

IMG_2320

IMG_2330

IMG_2391

IMG_2405

IMG_2437

IMG_2463

IMG_2472

IMG_2477

IMG_2488

IMG_2493