Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

AQUAMUSEU DO RIO MINHO DÁ A CONHECER O SÁVEL

Sável é o peixe em destaque neste 2º trimestre

Pela importância económica e histórica, e à semelhança do ano anterior, o Aquamuseu do rio Minho volta a disponibilizar uma exposição, de caráter informativo e fotográfico, relacionada com o sável. Este ano, a temática versa “A Pesca do Sável no rio Minho” e pode ser visitada até 30 de junho.

Sável

A cada trimestre, o Aquamuseu do rio Minho dinamiza uma mostra mais alargada, quer no tempo quer no formato, dando destaque a uma espécie, explorando toda informação associada.

Assim, entre 4 de abril e 30 de junho, a proposta é o sável do rio Minho e as diversas curiosidades, como caraterísticas, distribuição, períodos e artes de pesca, registos de pesca e testemunhos.

AQUAMUSEU DO RIO MINHO APRESENTA O "TRITÃO-PALMADO"

‘O Tritão-Palmado’: A história de um anfíbio cada vez mais raro em Portugal

Cumprindo a sua missão de promoção e divulgação do património natural da bacia hidrográfica do rio Minho, o Aquamuseu do rio Minho apresenta, entre 4 de abril e 31 de maio, uma pequena exposição bimestral em painéis intitulada ‘O Tritão-Palmado’.

Tritão-palmado

Por ser pouco conhecido, o objetivo é dar a conhecer algumas das características gerais, reprodução, habitat e ameaças, deste anfíbio que pode ser encontrado junto das nossas linhas de água e que nos ajuda a combater pragas.

O Tritão-Palmado é uma das espécies de maior distribuição no mundo, mas em Portugal existe em número reduzido. Apesar de não estar ainda muito ameaçado, as rápidas alterações climáticas, a destruição de habitats e a poluição das águas onde habita estão a fazer diminuir rapidamente o número existente.

De realçar que o Tritão-Palmado desempenha um papel importante na natureza, sendo que na Galiza, por exemplo, chamam-lhe ‘limpa fuentes’, porque se sabe que onde esta espécie habita a água é sempre limpa.

CAMINHADA PELO RIO MINHO DÁ A CONHECER ARTE DA PESCA ARTESANAL DA LAMPREIA

No dia 4 de março

Inscrições a decorrer

A Câmara Municipal de Melgaço dá a conhecer a Rota das Pesqueiras durante uma caminhada temática onde será possível assistir à ‘pesca da lampreia’. A ação acontece no dia 4 de março e insere-se no programa de animação da iniciativa ‘Lampreia do Rio Minho – Um Prato de Excelência’.

EventoNI

O programa tem início às 08h50, junto à Casa da Cultura, com partida para o Rio Minho, onde se dará início à caminhada. Durante a ação, os participantes poderão assistir a uma simulação da pesca da lampreia nas históricas pesqueiras do Rio Minho, de forma a conhecerem a arte da pesca artesanal. O momento prossegue com a visita ao Centro de Interpretação da Lampreia ‘ARABO’, na vizinha Galiza, concretamente em Arbo.

Um showcooking de degustação da Lampreia do Rio Minho finda o programa: o Chef Rui Ribeiro, em representação de Portugal, irá amanhar a lampreia fresca e preparar uma lampreia de escabeche, já o Chef Lourenço Exposito, da Galiza, irá preparar lampreia seca enrolada. Para os mais curiosos, a Câmara Municipal convida a visitarem a exposição fotográfica ‘As Pesqueiras do Rio Minho’, de Antero Leite, patente na Casa da Cultura.

As inscrições são limitadas a 100 pessoas e podem ser realizadas através do link http://bit.ly/DoRioAoPrato ou pelos telefones 0034625488147 (Galiza) ou 251 410 100 (Portugal). A ação, numa parceria com a Melgaço Radical e as associações A Batela e Mais Monte (Galiza), tem um custo de 5€ por pessoa.

Programa

VF_Lampreia

 

AQUAMUSEU DO RIO MINHO FUNDEIA BÓIA DE MONITORIAZAÇÃO JUNTO À ILHA DOS AMORES

Porque é importante monitorizar em prol do conhecimento, o Aquamuseu do Rio Minho colocou uma boia no estuário do rio Minho, junto à ilha dos Amores, com o objetivo de registar parâmetros físico-químicos da água.

Boia estuário do rio Minho

Integrada no projeto MIGRA MIÑO-MINHO, a aquisição deste equipamento foi efetuada por um dos parceiros do projeto - Agência Portuguesa do Ambiente (APA), de forma a que, muito em breve, se possa receber dados em tempo real de uma secção do rio sobre a qual há pouca informação com estas caraterísticas.

Candidatado ao Interreg Espanha-Portugal, o projeto MIGRA MIÑO-MINHO tem como principal desafio melhorar a proteção e a gestão sustentável do espaço natural de fronteira que forma a sub-bacia internacional do rio Minho, desde a barragem de Frieira (província de Ourense) até a sua desembocadura, com atuações de melhoria do estado de conservação dos leitos fluviais e das espécies de peixes migradores presentes no rio Minho e nos seus afluentes.

AQUAMUSEU DO RIO MINHO DÁ A CONHECER A RÃ VERDE

É um anfíbio muito comum junto das linhas de água da Península Ibérica. Seguramente já o viu nalgum charco, rio ou ribeiro, mas será que conhece todas as suas características? De 3 de fevereiro a 31 de março, a rã-verde vai estar em destaque no Aquamuseu do rio Minho.

Rã-verde

Trata-se de uma pequena exposição bimestral em painéis, onde se aborda as caraterísticas morfológicas e descrição da espécie, habitat, reprodução e ameaças à rã-verde.

Sabia que geralmente não ultrapassa os 7 cm de comprimento? E já reparou nos olhos proeminentes, próximos entre si, com pupila horizontal? Estas são algumas das curiosidades que pode conhecer com este trabalho de investigação colocado à entrada do Aquamuseu.

As visitas decorrem entre terça-feira a domingo, das 10h00 às 12h30 e das 14h00 às 18h00.

PORTUGAL E ESPANHA ESTREITAM COOPERAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA NO RIO MINHO

Constituição do AECT Rio Minho aprovada pelos Governos de Portugal e Espanha

No seguimento do processo de constituição iniciado em 2016 pela Uniminho – Associação do Vale do Minho Transfronteiriço, os Governos de Portugal e Espanha aprovaram formalmente a constituição do Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial do Rio Minho – AECT Rio Minho – que tem como associados a CIM Alto Minho e a Deputación Provincial de Pontevedra.

pano3

De acordo com Manoel Batista, Presidente da Uniminho e Presidente da Câmara Municipal de Melgaço “a aprovação da constituição deste novo instrumento de cooperação transfronteiriça no território do Rio Minho vai trazer um nova energia na procura de soluções conjuntas para a resolução e eliminação dos ainda persistentes obstáculos à permeabilidade transfronteiriça, designadamente nas áreas da saúde, dos transportes e da educação”; por outro lado, afirmou ainda que “permitirá também promover o território transfronteiriço singular do Rio Minho, potenciando todo o seu património natural e cultural”.

O AECT Rio Minho, com sede em Valença, abrange os 10 concelhos da CIM Alto Minho e 16 concelhos galegos da Província de Pontevedra com ligação ao Rio Minho, e tem como objetivo contribuir para o desenvolvimento socioeconómico e da coesão institucional do território de intervenção, para a promoção do património cultural e natural transfronteiriço, para a valorização das potencialidades dos seus recursos endógenos, e para a criação e consolidação da marca turística transfronteiriça Rio Minho e outras marcas no âmbito nacional e internacional.

No seguimento desta aprovação, o AECT Rio Minho será em breve constituído através de escritura pública a celebrar entre a CIM Alto Minho e a Deputación de Pontevedra, sendo que esta constituição integra-se ainda no projeto Smartmiño, co-financiado pelo Programa Interreg V A, promovido por estas duas entidades e pelo Centro de Estudos Euro-Regionais Galiza-Norte de Portugal.

MINHO E GALIZA PREPARAM LANÇAMENTO DE PONTE PEDONAL ENTRE CERVEIRA E TOMIÑO

Cerveira-Tomiño recebe visita técnica para conhecer envolvente da futura ponte pedonal

Antes de proceder à seleção dos três projetos finalistas, o Júri e a Comissão de Acompanhamento do Concurso Internacional de Ideias para a futura ponte pedonal e ciclável que ligará as margens de Vila Nova de Cerveira e de Tomiño, realizaram, esta sexta-feira, uma visita técnica aos dois concelhos para conhecer o espaço natural e patrimonial no qual se perspetiva a travessia sobre o rio Minho. Dia 1 de fevereiro são conhecidas as três ideias que passam à fase seguinte.

IMG_0815

Após um primeiro encontro, realizado a 21 de dezembro, no qual foram analisados os prós e contras das 26 propostas apresentadas, mediante o cumprimento de critérios de mobilidade, meio ambiente, património e navegabilidade, o Júri e a Comissão de Acompanhamento do Concurso Internacional admitiram 24 projetos que serão alvo de uma análise individual mais específica.

No entanto, e de modo a ter uma visão mais completa da integração paisagística das propostas, os Municípios de Vila Nova de Cerveira e de Tomiño organizaram uma reunião de trabalho no terreno, possibilitando aos técnicos perceber in loco todas as perspetivas possíveis para cada uma das propostas em cima da mesa.

Os autarcas Fernando Nogueira e Sandra Gonzalez promoveram uma visita guiada ao Espaço Fortaleza, em Tomiño, e ao Parque de Lazer do Castelinho, em Vila Nova de Cerveira, culminando com uma deslocação pelo canal do rio Minho a bordo do NPR Rio Minho. Entre as entidades presentes estiveram a Capitania do Porto de Caminha, a Ordem dos Engenheiros (secção Norte), a Ordem dos Arquitetos (secção Norte), a Diretora Geral de Ordenamento do Território e Urbanismo da Galiza, a Deputación de Pontevedra, o Comandante Naval do Miño, o Coléxio Oficial de Enxeneiros de Camiños, Canais e Portos de Galicia, para além de técnicos afetos às duas autarquias.

No dia 1 de fevereiro serão reveladas as três ideias que passam à segunda fase, mais duas de reserva. Segundo as etapas do processo, os autores dos três projetos finalistas serão convidados a participar na segunda fase de seleção para a elaboração do anteprojeto da ponte, cujo contrato será adjudicado ao vencedor desta fase. O processo avançará com as autorizações necessárias e pareceres dos organismos competentes para poder desenvolver a obra. Na terceira fase, e após obtidas as autorizações, a Deputação de Pontevedra encarregará o vencedor de elaborar o projeto definitivo de construção, com um orçamento máximo de 121.880,00 euros.

De sublinhar que a elaboração do projeto da travessia pedonal sobre o rio Minho enquadra-se numa das atividades do projeto VISIT_RIO_MINHO apresentado à primeira convocatória do Programa Operativo España-Portugal (POCTEP) 2014-2020 Interreg V-A, com um orçamento total aprovado de dois milhões de euros, e uma comparticipação da União Europeia na ordem dos 75%.

A candidatura resulta de um esforço conjunto da Deputação de Pontevedra com a CIM Alto Minho, os concelhos do Norte de Portugal, a Fundación CEER, o Centro Tecnológico do Mar e a Universidade de Vigo.

IMG_0888

FERRYBOAT ENTRE CAMINHA E A GUARDA GRATUITO ENTRE O NATAL E A PASSAGEM DE ANO

Nos dias 27, 28, 29 e 30 de dezembro de 2017 não serão cobrados bilhetes

Entre o Natal e a passagem de ano (dias 27, 28, 29, 30 e 31 de dezembro de 2017), o ferryboat Santa Rita de Cássia funcionará sem cobrança de bilhetes. A embarcação não irá navegar nos dias 24, 25 e 26 de dezembro de 2017 e no dia 1 de janeiro de 2018, retomando as viagens posteriormente, de acordo com o novo tarifário aprovado esta semana pela Assembleia Municipal.

ferry boat

Conforme já tinha sido anunciado, a“Quadra Natalícia” motivou algumas alterações na carreira normal de funcionamento do ferryboat Santa Rita de Cássia, que diariamente faz travessias entre Caminha e A Guarda.Assim, a embarcação não irá funcionar nos dias 24, 25 e 26 de dezembro de 2017 e 01 de janeiro de 2018.

Nos restantes dias, designadamente a 27, 28, 29 e 30 de dezembro de 2017 não serão cobrados bilhetes.

Entretanto, a Assembleia Municipal aprovou esta semana um novo quadro tarifário, na sequência de uma proposta aprovada em reunião do Executivo. Recorde-se que as tarifas praticadas nos bilhetes do ferryboat não sofriam atualizações desde 2012 e as mudanças que vão agora ser introduzidas, comparativamente com preços praticados em situações idênticas noutros pontos do país, ficam ainda aquém em termos de valores.

No entanto, e apesar da Câmara ter conseguido baixar a maior parte dos custos de manutenção nos últimos anos, recorrendo a serviços próprios, as despesas relacionadas com o combustível e com consumíveis em geral têm vindo a aumentar. Esta realidade deve-se não apenas à subida dos preços do combustível, mas sobretudo ao aumento das horas de navegação do Santa Rita de Cássia, que até 2013 estavam condicionadas à amplitude das marés e que foram normalizados tendo em conta as limpezas dos inertes depositados junto do cais de embarque.  

Assim, a partir do próximo ano, o transporte de um automóvel, até 5 lugares,custará 3,50 euros. Com mais de cinco lugares, o custo será de 4,50 euros. O preço para os passageiros será de 1,50 euros. Entre os 4 e os 13 anos, esse valor será de apenas um euro.

Existem ainda atualizações para veículos com as seguintes caraterísticas: automóvel com reboque (nove euros), automóvel com atrelado (5,50 euros), autocaravana (sete euros), camioneta até 3.500 kg (cinco euros), camião com mais de 3,500 kg (sete euros). táxi (três euros), bicicleta (dois euros), ciclomotor (dois euros) e motociclo (três euros).

MINISTRO DO AMBIENTE VISITA AMANHÃ OBRAS EM CAMINHA

Cais dos Pescadores e Alimentação artificial dos sistemas dunares de Camarido e Moledo. Dois investimentos no âmbito da Polis que rondam 1,3 milhões de euros

O ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, estará amanhã, dia 15 de dezembro, em Caminha, para visitas de trabalho a duas obras, a Modernização do Cais dos Pescadores e a Alimentação Artificial dos sistemas dunares de Camarido e Moledo. O governante chegará pelas 12h00 ao concelho, sendo o local de encontro o cais da Foz do Minho, onde a comitiva deverá subir a bordo de uma embarcação da Autoridade Marítima Nacional para a referida visita.

Cais da Rua Dez 2017

A Modernização do Cais de Pesca (também conhecido por Cais da Rua ou Cais dos Pescadores), integra o projeto de Requalificação da Marginal de Caminha. Esta primeira parte da intervenção encontra-se em fase avançada e deverá estar concluída em janeiro do próximo ano. A obra tinha caráter urgente, vindo beneficiar a classe piscatória da sede do concelho, que há cerca de quatro décadas esperava por uma obra deste género, que viesse dar condições à faina, sobretudo em matéria de segurança. 

Os trabalhos que estão em execução incluem especificamente: o aumento da área útil do cais, prolongamento da ponte-cais, reparação/beneficiação da rampa-varadouro e das estruturas para amarração de embarcações, recuperação das escadas para acesso às embarcações, instalação de um novo guincho na rampa e o incremento da capacidade de atracação de barcos.

O investimento global associado é de 780 mil euros, cofinanciado em 75% pelo PO Mar 2020 e em 25% pela Docapesca.

A obra de Alimentação Artificial dos sistemas dunares de Camarido e Moledo também já está a decorrer. Prevê a proteção e reforço dos cordões dunares nas praias de Camarido e Moledo, mediante a execução de dragagens de areias de elevada qualidade no estuário do Rio Minho, e seu transporte para aqueles sistemas naturais de defesa costeira.

Em simultâneo melhoram, com a estratégica localização dos fundos a dragar, as condições de navegabilidade de embarcações no estuário, o que se revela num contributo muito importante para a atividade da pesca local.

Esta intervenção foi decidida após a realização de estudos e análises que confirmaram a qualidade dos sedimentos.

O investimento global é de 490 mil euros, com financiamento de 95% da operação pelo PO SEUR, e de 5% pela Sociedade Polis, através do seu Capital Social. A conclusão desta obra está prevista para o mês de abril de 2018.

Reiteramos que o local de encontro é o cais da Foz do Minho, sexta-feira, dia 15 de dezembro, pelas 12h00, e não o cais do ferry internacional, como inicialmente estava previsto.

Caminha 1

AUTARCAS DOS CONCELHOS RIBEIRINHOS DO MINHO ASSINARAM ATAS ANUAIS DE RECONHECIMENTO DE FRONTEIRA A BORDO DO N.R.P. RIO MINHO

As atas foram assinadas ontem no Estuário do Rio Minho

Os presidentes e os alcaides das câmaras municipais dos concelhos ribeirinhos do Minho assinaram ontem as Atas anuais de Reconhecimento de Fronteira, a bordo do N.R.P. Rio Minho. É a segunda vez na História do Troço Internacional do Rio Minho (TIRM) que se realiza este evento. O objetivo é valorizar o Rio Minho como um todo. Caminha assinou duas atas de vistoria de fronteira com os municípios de A Guarda e do Rosal.

assinatura ata vistoria de fronteira (1)

Na cerimónia participaram os presidentes das Câmaras Municipais de Caminha, Vila Nova de Cerveira, Valença, Melgaço e um representante da Câmara Municipal de Monção; os alcaides de A Guarda, Rosal, Tominho, Arco, As Neves, Salvaterra do Minho e Arbo, e ainda o Capitão do Porto de Caminha, o Comandante Naval Portugal Minho, a Comandância Naval Espanhola, entre outros.

A assinatura anual destes documentos, prevista nos termos do artigo XXV do Tratado de Limites entre Portugal e Espanha, assinado a 29 de setembro de 1864 e nos termos do artigo VIII do seu anexo I, assinado a 4 de novembro de 1866, tem por objetivo ratificar o reconhecimento efetuado de alguns pontos da fronteira, pelos respetivos delegados municipais, com o apoio das Autarquias situadas nas margens do TIRM.

Com esta iniciativa pretende-se partilhar e fomentar o intercâmbio de ideias e iniciativas entre os vários intervenientes, com o objetivo de preservar, impulsionar e valorizar este Troço Internacional.

Este evento conta com o apoio da Marinha Portuguesa, da Autoridade Marítima Nacional e da Armada Espanhola.

assinatura ata vistoria de fronteira (2)

AQUAMUSEU DO RIO MINHO ALERTA PARA PESCA ILEGAL

Aquamuseu alerta para pesca ilegal expondo armadilha retirada do rio

Com o objetivo de sensibilizar para as consequências negativas da pesca ilegal, o Aquamuseu do rio Minho acaba de expor, no seu espaço exterior, uma armadilha apreendida no rio Minho, pela Autoridade Marítima.

botirão_ilegal

Sendo um dos seus compromissos a exploração de temáticas que visam aumentar a sensibilidade para a conservação dos valores naturais, privilegiando a atividade experimental como metodologia para a aquisição de conhecimento, o Aquamuseu do rio Minho decidiu exibir uma armadilha ilegal, procurando familiarizar as pessoas de forma a puderem informar ou denunciar as entidades competentes para eventuais casos ilegais. 

A prática de pesca com recurso a equipamentos proibidos ainda se regista no rio Minho. De sublinhar que as espécies mais vulneráveis a esta atividade neste troço de água internacional, são a lampreia, o sável, o salmão e a enguia.

De acordo com o descrito no portal da Comissão Europeia, a pesca ilegal, não declarada e não regulamentada (pesca INN) empobrece as unidades populacionais, destrói os habitats aquáticos, distorce a concorrência, coloca os pescadores honestos numa situação de desvantagem e enfraquece as comunidades costeiras, em especial nos países em desenvolvimento.

DRAGAGEM NO RIO MINHO MOTIVOU REUNIÃO ALARGADA PARA COORDENAR TRABALHOS E GARANTIR CONDIÇÕES À PESCA

Sedimentos a retirar têm qualidade e vão ser aproveitados para reforço do cordão dunar

A embarcação que vai realizar a dragagem do canal dos pescadores em Caminha já se encontra há alguns dias no Rio Minho, estando a ser ultimados os trabalhos de montagem. A intervenção vai melhorar as condições de navegabilidade para os pescadores e os sedimentos retirados serão posteriormente aplicados na proteção, reabilitação e reforço do cordão dunar entre Camarido e Moledo, tendo as análises previamente efetuadas assegurado a qualidade destes sedimentos. Os pormenores da dragagem foram discutidos no local, num encontro em que participaram Câmara, responsáveis pela obra e pescadores, sobretudo com o intuito de acautelar a pesca durante a execução dos trabalhos.

draga Caminha (1)

O assoreamento do Rio Minho é um problema recorrente e a dragagem que vai ser iniciada trará grandes benefícios aos pescadores, permitindo-lhes sair e entrar no cais, em breve completamente requalificado, em condições de segurança. O encontro, esta semana, foi de extrema importância, uma vez que permitiu coordenar com os pescadores, representados por Augusto Porto, presidente da Associação de Profissionais de Pesca do Rio Minho e Mar, as condições em que vão realizar a sua faina durante a dragagem, tendo sido feitas algumas sugestões por parte deste último.

Na reunião participaram tambémGuilherme Lagido e Rui Lages, respetivamente vice-presidente e vereador da Câmara Municipal; o capitão-tenente Cervaens Costa, comandante da Capitania do Porto de Caminha; e os empreiteiros e técnicos responsáveis pela obra, quer da empresa responsável pela dragagem quer da entidade que vai proceder à fiscalização dos trabalhos.

Esta intervenção tem um duplo impacto, vindo não só beneficiar os pescadores, mas também contribuir para a proteção, reabilitação e reforço do cordão dunar entre Camarido e Moledo, numa extensão de cerca de 700 metros, com areias provenientes de dragagens de manutenção do canal de navegação no troço final da zona estuarina do Rio Minho. Trata-se de um investimento global associado da ordem dos 500 mil euros, com uma taxa de cofinanciamento comunitário de 85%.

Recorde-se que, para avaliar a qualidade dos sedimentos, a Polis Litoral Norte submeteu e viu aprovadapelo POSEUR - Programa Operacional da Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos, uma candidatura para realização do levantamento batimétrico e análise de sedimentos na Foz do Minho.

Esta candidatura permitiu recolher informação bastante valiosa para o concelho de Caminha, que constituiu o primeiro grande passo para a dragagem do canal dos pescadores que agora se vai iniciar.

draga Caminha (2)

VIAGENS DE FERRYBOAT GRATUITAS ENTRE CAMINHA E A GUARDA NO DIA MUNDIAL DO TURISMO

Município vai assinalar a efeméride com várias iniciativas

Na próxima quarta-feira, as viagens de ferryboat entre Caminha e A Guarda são gratuitas. Trata-se de uma das iniciativas que o Município de Caminha vai promover para assinalar o Dia Mundial do Turismo. Para além das passagens de ferryboat, o concelho celebra a efeméride com o workshop ‘Saberes e saboresno Forno Comunitário de Riba de Âncora’, e vários espaços patrimoniais estarão abertos para visitas livres e gratuitas.

ferry

O Dia Mundial do Turismo, este ano subordinado ao tema “Turismo Sustentável: um instrumento ao serviço do progresso”assinala-se na próxima quarta-feira. Em Caminha, pretende-se mostrar a pluralidade do concelho e divulgar os novos espaços museológicos.É de referir também que as travessiasgratuitas de ferryboat entre Caminha e A Guardasão possíveis graças ao bom entendimento da Câmara Municipal de Caminha e de A Guarda, que permitiram já a realização de outras iniciativas conjuntas, como percursos, como o que decorreu recentemente, com o tema: Fortalezas do Baixo Miño, no âmbito das iniciativas conjuntas da candidatura do Estuário do Rio Minho a Paisagem Cultural da UNESCO.

Para além das travessias entre Caminha e A Guarda de ferryboat gratuitas, nesse dia, os caminhenses e os turistas podem usufruir gratuitamente de uma panóplia de atividades.

Das 10H00 ás 13H00, vai decorrer o workshop ‘Saberes e sabores no Forno Comunitário de Riba de Âncora’, um novo espaço “museológico”, identitário do nosso património cultural, recentemente inaugurado. Aqui, os participantes vão conhecer o fabrico da tradicional broa de milho. Esta atividade conta com a colaboração da Junta de Freguesia de Riba de Âncora.

Outra das ofertas são monumentos ou outros espaços patrimoniais abertos ao público e de forma gratuita, como é o caso da Torre do Relógio em Caminha. Assim, os espaços patrimoniais abertos para visitas livres e gratuitas são: o Forte da Lagarteira, em Vila Praia de Âncora; a Igreja da Misericórdia de Caminha; a Igreja Matriz de Caminha; a Torre do Relógio, em Caminha; o Centro de Interpretação Museológico do Vale do Âncora; Núcleo Museológico da Memória, Artes e Ofícios de Riba de Âncora e ainda os Moinhos D’Apardal.

Caminha é um concelho atrativo, oferece durante todo o ano muitas alternativas desde o turismo gastronómico, cultural, ativo, balnear, até ao património natural e paisagístico.

VEIGAS DO RIO MINHO SÃO NOVO PERCURSO VERDE DE VALENÇA A VERDOEJO

Um novo corredor verde, as Veigas do Minho APPE, com 5,6Kms, vai nascer em Valença, junto ao rio Minho, nas freguesias de Valença, Ganfei e Verdoejo.

A candidatura, apresentada pela Câmara Municipal de Valença, ao Norte 2020 – Património Natural, já foi aprovada. Espera-se, em breve, o lançamento da obra que criará um novo corredor verde junto ao rio Minho, num investimento de 348 mil euros

unnamed

Veigas do Rio Minho

As Veigas do Rio Minho serão um percurso complementar à Ecopista do Rio Minho e pretendem aproximar esta via emblemática ao rio na parte norte do concelho. O percurso começará no Cais, em Valença, e seguirá paralelo ao rio Minho até Verdoejo com ligação à Ecopista existente. Este percurso implicará a construção de uma ponte pedonal no ribeiro que separa Ganfei de Verdoejo.

Recantos Naturais Únicos

Este percurso criará um miradouro privilegiado para o centro histórico de Tui, passará nos bancos de areia de Arinhos, seguirá em frente às ilhotas de Ganfei, com passagem pela Pesqueira dos Frades em Ganfei, Parque de Merendas de Verdoejo e em frente às ilhas de Ranhão e do Conguedo em Verdoejo, na lagoa do rio Novo em Verdoejo, ou barca dos Pepes e seguirá, entre os vinhedos, até à atual Ecopista. Recantos únicos, de rara beleza e elevado valor paisagístico e natural e ficarão acessíveis a ser visitados com percursos ordenados e enquadrados com o ambiente natural.

Potenciar o Turismo de Natureza

Este novo percurso pretende dar mais um contributo para a aposta no turismo verde em Valença, uma maior consciencialização para os valores e recursos naturais do rio Minho.

Em preparação estão, também, os processos dos cais de atracagem em São Pedro da Torre e em Ganfei.

AQUAMUSEU DO RIO MINHO PROMOVE ATELIÊS DE VERÃO

Tardes de 18 e 25 de agosto dedicadas aos ateliês de verão do Aquamuseu

Sob o tema da “Reutilização de Materiais”, o Aquamuseu propõe duas tardes de atividades lúdico-pedagógicos para as crianças. São os Ateliês de Verão dentro e fora de portas do aquário vivo do rio Minho, em Vila Nova de Cerveira.

Cartaz ateliês de verão Aquamuseu 2017.jpg

O ponto de partida desta atividade é uma carteira em construção, de uma embalagem Tetra Brik, com os cortes e fixações necessários para a transformar, de uma forma fácil e rápida, pequenas carteiras de bolso ou de ombro, muito úteis para guardar as moedas, documentos e/ou papeis.

Estes dois ateliês decorrem, nas tardes das próximas sextas-feiras, dias 18 e 25 de agosto, no jardim junto à entrada do Aquamuseu do Rio Minho, entre as 14h30 e as 16h30.

No final, os participantes podem levar consigo as carteiras da sua própria autoria.

PONTE PEDONAL VAI LIGAR O MINHO À GALIZA

Lançado Concurso Internacional de Ideias para Travessia Pedonal sobre o rio Minho

A imagem da futura Travessia Pedonal sobre o rio Minho, que vai unir as margens de Vila Nova de Cerveira e de Tomiño, será conhecida na Primavera de 2018. O anúncio foi feito durante a apresentação pública do Parque Transfronteiriço Castelinho/Fortaleza e do Concurso de Ideias, de caráter internacional, para a construção daquela ponte. Interessados têm 60 dias para apresentar propostas, após publicação no Boletim Oficial da Província de Pontevedra.

IMG_7919.jpg

Foi numa cerimónia simbólica nos Jardins do Aquamuseu do Rio Minho e sob a presença do presidente da CCDR-N, Fernando Freire de Sousa, e a representante da Xunta da Galicia, Marta Mariño Regueiro, que os autarcas dos dois concelhos vizinhos, Fernando Nogueira e Sandra Gonzalez, deram a conhecer publicamente pormenores de dois projetos complementares de dinamização da cooperação transfronteiriça Cerveira-Tomiño, formalmente iniciada em 2014.

“O que pretendemos com o Parque Transfronteiriço Castelinho/Fortaleza é viver um espaço naturalmente comum, pela conjugação de valores assentes na mobilidade suave, sustentabilidade e boas práticas ambientais. Este é um projeto que saiu muito valorizado na 29º Cimeira Ibérica, cujas conclusões vão de encontro à criação de um grupo de trabalho que dê maior atenção aos rios”, sublinhou o autarca cerveirense, Fernando Nogueira, acrescentando: “Este é um espaço verdadeiramente europeu e o nosso papel é contribuir para que as fronteiras, físicas ou psicológicas, sejam efetivamente abolidas”. Por sua vez, a alcaldesa de Tomiño, Sandra Gonzalez, assegurou que “não se podem correr riscos, e o rio Minho tem de ser dinamizado e protegido a nível turístico como espaço natural. Queremos ser uma referência, um exemplo de cooperação, e com este novo parque vamos conseguir. A travessia representa um primeiro passo de uma longa caminhada para o parque transfronteiriço”.

Realçando que a palavra-chave nos dias de hoje é “transfronteiriço”, o presidente da CCDR-N disse estar perante “um projeto absolutamente estruturante do ponto de vista da qualidade de vida das populações e da eficiência e partilha de recursos e equipamentos. É um projeto virtuoso e não há nada que nos possa afastar da unanimidade com que olhamos para ele e depositamos confiança. Os projetos têm sempre financiamento e é nossa responsabilidade darmos estes passos com eficiência”, referiu Fernando Freire de Sousa.

Num investimento de 209 mil euros, financiado em 75% pelo POCTEP, as bases do Concurso Internacional de Ideias para a Travessia Pedonal sobre o Rio Minho foram apresentadas pelo Deputado de Cooperação Transfronteiriça da Deputación de Pontevedra, Uxío Benítez que explicou: “Este é um projeto inovador, diferente e ambicioso, por isso peço a todas as administrações supramunicipais que disponibilizem fundos. Esta ponte não é uma infraestrutura, é uma proposta que vai fomentar hábitos de vida mais saudáveis através de um espaço comum transfronteiriço e atrativo para as comunidades e o turismo. O importante é o Parque Castelinho-Fortaleza de Vila Nova de Cerveira e Tomiño. A ponte é um meio”.

Na prática, o concurso de ideias vai desenvolver-se em três fases. Na primeira serão selecionadas as três melhores propostas de estudo técnico, sendo que cada finalista recebe um prémio de participação no valor de 10 mil euros. Numa segunda fase, os três selecionados são convidados para participar num procedimento negociado sem publicidade para a redação do anteprojeto da ponte. O contrato será adjudicado ao vencedor por um valor de 54.450,00 euros antes do verão de 2018. Uma vez entregue o anteprojeto, e no caso da proposta ser viável e reúna as autorizações necessárias que garantam a execução, na terceira e última fase, a Deputación encarregará o vencedor de formular a versão definitiva do projeto, com um orçamento máximo de 121.880,00 euros. A melhor proposta será eleita por um júri de âmbito internacional, com representação de escolas técnicas, colégios oficiais e administrações com competências e interesses na ponte de ambos lados do rio Minho.  Os Interessados têm 60 dias para apresentar as propostas, após publicação no Boletim Oficial da Província de Pontevedra que se prevê que aconteça durante a próxima semana.

O projeto da ponte pedonal sobre o rio Minho enquadra-se numa das atividades do projeto VISIT_RIO_MINHO apresentado à primeira convocatória do Programa Operativo Espanha-Portugal (POCTEP) 2014-2020 Interreg V-A numa candidatura conjunta da Deputación de Pontevedra com a CIM Alto Minho, os concelhos do norte de Portugal, a Fundação CEER, o Centro Tecnológico do Mar e a Universidade de Vigo, com um orçamento total aprovado de 2 milhões de euros, com financiamento a 75%.

QUATRO MUNICÍPIOS DO ALTO MINHO CANDIDATAM ECOPISTA DO RIO MINHO A "MELHOR VIA VERDE DA EUROPA"

Ecopista do rio Minho candidata a ‘Melhor Via Verde da Europa’

Através de um projeto conjunto dos municípios de Vila Nova de Cerveira, Valença, Monção e Caminha, a Ecopista do Rio Minho é candidata ao prémio de ‘Melhor Via Verde da Europa’, no VIII EuropeanGreenwaysAward. Vencedores são revelados a 28 de setembro, na cidade de Limerick.

_D6C5529.png

Promovido pela Associação Europeia Greenways (E.G.W.A.) e pela União Europeia, este prémio bienal tem como objetivo promover exemplos de melhores práticas e apoiar sua replicação em outras vias verdes em toda a Europa.

Em Vila Nova de Cerveira, a Ecovia ‘Caminho do Rio’ perfaz cerca de 13,5kms de pleno contacto com o rio Minho e a natureza envolvente. Os utilizadores são envolvidos numa paisagem mista entre uma área terrestre, cujo legado resulta da atividade agrícola, e uma área fluvial, onde domina a vegetação ao longo das margens, assim como elementos paisagísticos comuns em todo o estuário do rio. Nela, vive-se umcontraste da paisagem que mostra uma realidade diversa e conduz pela memória dos tempos à relação do Homem com o rio Minho.

Neste momento, a Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira tem projetado concretizar, a curto prazo, os últimos 900 metros, de forma a permitir que este corredor verde fique totalmente ligado de Monção ao concelho de Caminha.

As Vias Verdes do Rio Minho consistem numa rede de infraestruturas de "Ecovias" e "Ecopistas" existentes na margem esquerda do rio Minho, entre Monção e a foz do Rio Minho em Caminha. Totalizam cerca de 50 km de rotas para pedestres e ciclismo, essencialmente inseridas na Rede Natura 2000.

O VIII EuropeanGreenwaysAward decorre a 28 de setembro, na cidade irlandesa de Limerick.