Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

MUNICÍPIO DE CERVEIRA ASSINA PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO COM ESTAÇÃO BIOLÓGICA INTERNACIONAL DOURO-DUERO

O objetivo é a cooperação científica e de investigação partilhada nos rios transfronteiriços Minho e Douro. Além disso, o Aquamuseu do Rio Minho vai receber uma lontra fêmea proveniente dos programas de investigação e criação em cativeiro.

Considerando a cooperação fundamental para o desenvolvimento dos territórios, no passado dia 15 de junho, foi assinado um Protocolo de Cooperação Científica entre o Município de Vila Nova de Cerveira - Aquamuseu do Rio Minho e a Estação Biológica Internacional Douro-Duero. A assinatura aconteceu a bordo do navio-aula ESCUA, no Rio Douro internacional, em Miranda do Douro - Zamora, com a participação do Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira, Rui Teixeira, e do Coordenador da Estação Biológica, David Velasco. Presentes na assinatura estiveram, também, a Vereadora cerveirense Sónia Guerreiro e o Vice-Presidente e o Vereador do Município de Miranda do Douro, Nuno Rodrigues e Vítor Bernardo, respetivamente.

MUNICÍPIO DE CERVEIRA ASSINA PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO COM ESTAÇÃO BIOLÓGICA INTERNACIONAL DOURO-DUERO 3.jpeg

Ao abrigo do protocolo, o Aquamuseu do Rio Minho vai acolher, de forma gratuita e definitiva, um exemplar de lontra fêmea proveniente dos programas de investigação e criação em cativeiro da Estação Biológica Internacional Douro-Duero, garantindo a sua manutenção adequando na matéria de alimentação, espaço e cuidados próprios da espécie.

Em sequência do protocolo, ambas as entidades comprometem-se, ainda, a levar a cabo um trabalho de cooperação científica e de investigação partilhado nos rios transfronteiriços Minho e Douro, com intercâmbio de dados na monitorização dos seus ecossistemas aquáticos transfronteiriços. Para o autarca Rui Teixeira “é fundamental reforçar o trabalho em rede para garantir a conservação dos recursos naturais e culturais em espaços naturais transfronteiriços, entre os que se encontram o património natural e cultural do Rio Minho”.

Recorde-se que Município de Vila Nova de Cerveira, através do Aquamuseu do Rio Minho, tem por missão divulgar o património natural da Bacia Hidrográfica do Rio Minho e o património cultural associado à pesca artesanal do Rio Minho internacional, assim como, promover o conhecimento científico sobre os recursos naturais e etnográficos, estabelecendo para o efeito, parcerias e colaborações com Universidades de Investigação em Portugal e Espanha. Já a Estação Biológica Internacional Duero-Douro é uma organização luso-espanhola, para conservação dos espaços naturais transfronteiriços, através da investigação científica, a educação ambiental, o ecoturismo sustentável e a inovação tecnológica.

MUNICÍPIO DE CERVEIRA ASSINA PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO COM ESTAÇÃO BIOLÓGICA INTERNACIONAL DOURO-DUERO.jpg

MUNICÍPIO DE CERVEIRA ASSINA PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO COM ESTAÇÃO BIOLÓGICA INTERNACIONAL DOURO-DUERO2.jpg

MELGAÇO LANÇA PACOTE TURÍSTICO “A LAMPREIA E AS PESQUEIRAS DO RIO MINHO”

Amanhã, sábado, dia 14 de maio, pelas 11h00. Durante a Festa dos Pescadores das Pesqueiras do rio Minho

Melgaço organiza amanhã, sábado, dia 14 de maio, a Festa dos Pescadores das Pesqueiras do rio Minho e, aproveitando o potencial turístico e cultural da atividade piscatória na raia, lança o pacote turístico “A Lampreia e as Pesqueiras do Rio Minho”. A festa é uma organização da autarquia melgacense e da Associação dos Pescadores e marca o encerramento da época de pesca nos dois lados da fronteira* neste rio. A iniciativa tem início pelas 11h00, junto ao acesso ao rio Minho na freguesia de Alvaredo (coordenadas: 42.101261, -8.313881).

rio-minho-pesqueiras.JPG

Para além de ser um momento de convívio entre os pescadores, assim como das várias instituições/entidades com as quais estes mantêm relações profissionais e/ou institucionais, a Festa dos Pescadores das Pesqueiras do rio Minho pretende chamar a atenção para a importância da atividade piscatória nas pesqueiras do Rio Minho, nomeadamente ao nível dos aspetos económicos, ecológicos, sociais, patrimoniais e culturais.

O pacote turístico “A Lampreia e as Pesqueiras do Rio Minho”, uma iniciativa promovida em colaboração com os pescadores, a Capitania do Porto de Caminha e o Município de Melgaço, nasceu com o propósito de preservar e divulgar as Pesqueiras do rio Minho, bem como a arte piscatória aqui desenvolvida, que foi sendo transmitida de geração em geração e que permanece até aos dias de hoje. A ação consiste em orientar os turistas pelos trilhos de acesso às pesqueiras, exemplificando todo o processo da arte da pesca, pelos próprios pescadores, desde a construção das redes até ao seu uso nas pesqueiras, contando as histórias e curiosidades sobre a arte da pesca artesanal e das construções milenares existentes nas duas margens.

A ação oferecerá, assim, aos turistas uma experiência associada à gastronomia, aos produtos endógenos e à descoberta das suas origens, à autenticidade do território e ao saber fazer tradicional. O rio Minho marca a identidade das gentes de Melgaço e a ele estão ligadas as principais atividades que foram, durante anos, as suas fontes de sobrevivência. O rio era rico em espécies que ainda hoje fazem as delícias gastronómicas, com destaque para o salmão, sável, savelha e, sobretudo, a lampreia, espécies utilizadas como produtos de promoção turística do concelho de Melgaço e da região.

PROGRAMA:

11h00 - Concentração dos pescadores e entidades convidadas (acesso ao Rio Minho por Alvaredo - coordenadas: 42.101261, -8.313881)

11h15 - Caminhada pelas pesqueiras e explicação da arte da pesca

             - Apresentação do pacote turístico “A Lampreia e as Pesqueiras do Rio Minho”

13h00 - Almoço convívio

PESQUIRAS DO RIO MINHO: preservar um saber comum aos dois territórios da raia

A origem da construção das pesqueiras do rio Minho perde-se na História: as primeiras referências documentadas são do séc. XI. Já eram utilizadas pelos romanos para a pesca daquela que é considerada uma das maiores iguarias do rio Minho: a lampreia. Testemunham saberes ancestrais na escolha dos melhores sítios para a sua implementação, na sua orientação em relação às correntes do rio, no processo de trabalhar a pedra e erguer os muros, na escolha das redes mais adequadas e, ainda, no sistema de partilha comunitária do seu uso.

O rio internacional concentra, nas duas margens e apenas no troço de 37 quilómetros, entre Monção e Melgaço, cerca de 900 pesqueiras (das quais cerca de 350 estão ativas), “engenhosas armadilhas” da lampreia, do sável, da truta, do salmão ou da savelha.

Estas construções representam um património ímpar que, dado o seu elevado valor, tem de ser conservado e preservado. Desta forma, está em curso a candidatura das pesqueiras do rio Minho ao registo nacional de património imaterial, promovida pelo Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial (AECT) Rio Minho. «Mais do que guardar a história que as pesqueiras encerram é dar-lhe dinâmica, do ponto de vista económico, tornando-as numa referência para o setor do turismo.», atenta Manoel Batista, autarca de Melgaço.

«É um património vivo, mas que está em risco, claramente. Esta candidatura é uma oportunidade de dar valor a esta prática viva e um momento único para os jovens voltarem ao rio, onde tem estado praticamente ausentes.», alertou o antropólogo Álvaro Campelo aquando da apresentação pública da candidatura, em agosto de 2020.

*No troço compreendido entre a linha que passa pelas torres do Castelo da Lapela, em Monção - Portugal, e pela igreja do Porto, em Espanha, e o limite superior da linha fronteiriça.

NI_festa_pescadores.jpg

CAIS DE ATRACAÇÃO DE A GUARDA VAI MANTER-SE INOPERACIONAL CONTINUANDO A IMPEDIR TRAVESSIA DO FERRYBOAT

Presidente da Câmara de Caminha está a avaliar soluções provisórias para a embarcação e trabalhadores 

O cais de atracação de A Guarda mantém-se inoperacional e assim deverá continuar durante os próximos meses, inviabilizando as viagens do ferryboat Santa Rita de Cássia entre as duas margens do Rio Minho. A situação preocupa o Presidente da Câmara de Caminha que, com o seu homólogo de A Guarda, se deslocou a Santiago de Compostela para reunir com a Presidente dos Portos da Galicia. Do encontro não resultou uma solução previsível para um prazo curto e Miguel Alves está a avaliar as hipóteses que possam minimizar a problemática da travessia e o serviço dos trabalhadores adstritos à embarcação.

Reunião em Santiago de Compostela.jpg

Os problemas no cais de atracação de A Guarda revelaram-se efetivamente graves, não havendo qualquer possibilidade de atracar o ferryboat na margem galega com o mínimo de segurança, nem seria, nestas condições, possível obter sequer autorização das autoridades marítimas e fluviais para a operação. O problema é complexo e transcende o município de A Guarda. A empreitada para a reparação da infraestrutura, que se estima ter um custo da ordem dos 300 mil euros, é da responsabilidade dos Portos de Galicia, que está sobre alçada do Governo Regional.

Miguel Alves e António Lomba deslocaram-se a Santiago de Compostela como referimos, com o intuito de sensibilizar diretamente a responsável dos Portos de Galicia para a necessidade de encontrar uma solução rapidamente e de obter mais informação sobre a obra. Mas, “tendo em conta o que nos foi transmitido pela senhora Presidente dos Portos de Galicia, temos que equacionar várias questões relativas ao funcionamento da embarcação, ao serviço prestado pelos trabalhadores adstritos ao ferryboat e à problemática da travessia de passageiros entre as duas margens do Rio Minho”, sublinha o Presidente da Câmara de Caminha.

Nos últimos dias, Miguel Alves desenvolveu vários contactos, equacionando algumas possibilidades que permitam uma situação provisória, sendo certo que, durante ainda vários meses, não teremos ferryboat a funcionar por impossibilidade de podermos atracar a embarcação do lado galego.

Em Santiago de Compostela, os presidentes dos dois municípios encontraram-se com Susana Lenguas Gil, a Presidente dos Portos de Galicia (Instituto Público dependente do Governo Regional que gere todos os portos autonómicos da Galiza) na sede da instituição.

No encontro deram conta da preocupação de Caminha e de A Guarda relativamente ao facto do cais de atracação de A Guarda estar inoperacional há vários meses, impedindo o seu uso por parte do ferryboat e, assim, inviabilizando a travessia do Rio Minho. Miguel Alves e António Lomba abordaram a questão do prejuízo que a situação acarreta para as autarquias, em particular a de Caminha que tem de manter custos de manutenção da embarcação e de pagamento dos salários do pessoal e de contratados mas, sobretudo, o desgaste que provoca nas economias dos dois concelhos raianos.

A responsável dos Portos de Galicia garantiu partilhar a apreensão dos autarcas, confirmando que está em elaboração o estudo técnico que servirá de base à execução do projeto de reabilitação do cais galego. No entanto, o procedimento para a empreitada só será lançado em 2023 de modo a que a obra possa decorrer na primavera e verão desse ano.

Susana Lenguas Gil foi peremptória na vontade de avançar com a solução do problema, mas também se mostrou cautelosa, alertando para a complexidade dos procedimentos administrativos e para a evolução do preço das matérias-primas, em função da instabilidade da situação internacional, que poderão ainda condicionar os prazos e os custos avançados.

PÁSCOA: MUNICIPIOS REFORÇAM CAMPANHA TURISTICA COM MAIS PASSEIOS NO RIO MINHO

Os municípios de Monção, Valença, Tui e Salvaterra, em colaboração com o Turismo Porto e Norte de Portugal e o Turismo da Galiza, entidades parceiras do Projeto “Rio Minho: Um Destino Navegável”, reforçam o número de saídas da embarcação, no âmbito da campanha turística do rio Minho.

pascoamon (1).JPG

No período da Páscoa, muitas pessoas aproveitam para fazer uma pausa no trabalho, coincidindo com as férias escolares dos filhos. Com o propósito de garantir uma maior oferta aos visitantes, o projeto “Rio Minho: Um Destino Navegável”, realizará, durante o fim de semana e feriados, mais um passeio de barco, passando a efetuar-se 3 saídas do Cais de Pescadores de Tui: a primeira às 15h00, a segunda às 16h30 e, agora, a terceira às 17h45, hora portuguesa.

Durante a semana, mantem-se os dois passeios vigentes, um às 15h00 e outro às 16h30, com exceção de segunda e terça-feira, os quais servem para os serviços procederem à manutenção da embarcação turística. Estes passeios, com duração aproximada de uma hora, permitem ao visitante apreciar as belas panorâmicas dos centros históricos dos quatro municípios, desde o rio, e desfrutar de uma nova experiência na região do Vale do Minho.

Para usufruírem destes passeios fluviais gratuitos, os interessados dispõem de três opções para procederem à respetiva inscrição: Lojas de Turismo dos 4 municípios, quiosque informativo junto ao Cais de Pescadores de Tui, a partir das 13h30,  e Central de Reservas do Operador Turístico, acedendo ao website: www.hemisferios.org

As excursões turísticas de dia completo, onde os participantes visitam os quatro municípios, continuam a fazer-se com bastante sucesso. Com duração aproximada de 8 horas, o percurso, feito em barco, minibus e comboio turístico, conta com o apoio de um guia turístico, que acompanha os visitantes aos espaços culturais e patrimoniais visitáveis em cada localidade.

Os interessados em participar nestas excursões turísticas de oito horas, devem inscrever-se numa das 4 lojas de turismo ou na Central de Reservas do Operador Turístico, através do website: www.hemisferios.org. Sendo um projeto com cofinanciamento europeu, a inscrição é gratuita, mas limitada a 15 pessoas por grupo.

A campanha turística do rio Minho está disponível no website do Projeto “Rio Minho: Um Destino Navegável”, em www.riominho.org. Além da informação sobre as excursões e passeios de barco, poderão encontrar informação sobre o destino rio Minho, bem como atividades a realizar no âmbito do projeto transfronteiriço.

Nesta página, encontra-se acessível um Geoportal, com os principais pontos de interesse do destino, notícias sobre o projeto e “dicas” interessantes para quem pretende navegar no rio Minho, nomeadamente a APP Calados do Rio Minho, a qual permite conhecer, em tempo real, o caudal do rio Minho entre as Eurocidades Tui-Valença e Monção-Salvaterra.

A campanha turística do rio Minho é uma ação do projeto “Rio Minho: Um Destino Navegável”, aprovado pelo programa INTERREG V-A Espanha-Portugal (POCTEP), com cofinanciamento europeu.

pascoamon (2).JPG

pascoamon (3).JPG

pascoamon (4).JPG

APRESENTAÇÃO DO “XACOBEO TRANSFER”

Vai ter lugar amanhã, sábado, a apresentação do novo serviço de transporte náutico entre Caminha e A Guarda (Camposancos),

O evento terá lugar, como referimos, no dia 9 de abril às 11h00 (hora portuguesa), na zona exterior da Estação Marítima A Pasaxe, em Camposancos (A Guarda) e contará com a presença do Primeiro Vice-Presidente e Conselheiro da Presidência, Justiça e Turismo, Alfonso Rueda Valenzuela. Na cerimónia, estará presente também o Vice-Presidente da Câmara Municipal de Caminha, Rui Lages.

Nota: Em caso de chuva, o evento será transferido para o Hotel El Molino

CERVEIRA: ‘COMO SE ALIMENTAM OS ANIMAIS’ É O TEMA DAS FÉRIAS DA PÁSCOA DO AQUAMUSEU

Dirigido a crianças entre os 7 e os 13 anos. Inscrições a decorrer!

Técnicos deste equipamento público supramunicipal propõem uma série de atividades lúdico-pedagógicas para preencher a semana de férias letivas que antecede a quadra pascal.

Férias da Páscoa no Aquamuseu 2022.jpg

As férias escolares da Páscoa estão à porta e com elas chegam as sugestões lúdico-pedagógicas do Aquamuseu do rio Minho. De 11 a 14 de abril, a atividade proposta versa a temática de ‘Como se alimentam os animais?’ e é dirigida a crianças com idades entre os 7 e os 13 anos. As atividades são dinamizadas entre as 14h00 e as 17h00.

Porque a alimentação é uma função indispensável para a vida de qualquer animal, e porque os animais recorrem a fontes alimentares que variam de umas espécies para as outras, ao longo de quatro dias, as crianças inscritas vão ter a oportunidade de desenvolver ações que abordam as caraterísticas e as adaptações especiais que possuem os animais carnívoros, insetívoros, omnívoros e herbívoros.

Complementarmente à aprendizagem mais teórica, os técnicos do Aquamuseu do rio Minho vão ainda propor a cada um dos participantes a elaboração, e respetivo preenchimento de um livro de registo das atividades e conhecimentos adquiridos, que levará para casa no último dia destas Férias da Páscoa 2022.

A participação nas Férias da Páscoa do Aquamuseu está sujeita a inscrição (pelo telefone 251708026 ou via email para aquamuseu@cm-vncerveira.pt ), com um valor de 15 euros e é limitada a um grupo de 15 crianças com idades compreendidas entre os 7 e os 13 anos.

Na Páscoa e no Verão, o Aquamuseu do rio Minho disponibiliza uma programação que permite proporcionar umas férias divertidas, repletas de descobertas e novas experiências, sem descurar a dinamização de atividades que se adaptem e incentivem o estudo e o sucesso escolar!

“RIO MINHO: UM DESTINO NAVEGÁVEL” APRESENTADO NA BOLSA DE TURISMO DE LISBOA

Envolvendo as eurocidades Monção/Salvaterra de Miño e Valença/Tui, o projeto tem como objetivo posicionar o rio Minho como um destino turístico único e diferenciador.

monçaorionaveg (1).jpg

O “Rio Minho: Um Destino Navegável” foi apresentado, ontem à tarde, na Bolsa do Turismo de Lisboa (BTL), no stand da Entidade do Porto e Norte de Portugal. O Município de Monção esteve representado pelo seu presidente, António Barbosa.

Envolvendo as duas eurocidades Monção/Salvaterra de Miño e Valença/Tui, o projeto tem como finalidade a concretização de um conjunto de medidas, iniciativas e atividades, focadas na atratividade e sustentabilidade do rio Minho, como um destino turístico transfronteiriço de excelência.

O objetivo é preservar a envolvente ambiental e fortalecer a componente turística neste território único e diferenciador, de forma a alargar a oferta cultural, patrimonial e gastronómica dos quatro municípios banhados pelo rio Minho, proporcionando aos visitantes um conjunto diversificado de experiências e descobertas.

Um dos aspetos mais relevantes do projeto são os passeios de barco no rio Minho. Coincidindo com o Carnaval, tiveram inicio no dia 25 de fevereiro, colocando à disposição de munícipes e visitantes passeios fluviais curtos, com duração de uma hora, e passeios mais largos, com duração de 8 horas,

Estes compreendem visitas às quatro localidades raianas, sendo o transporte, em terra, efetuado em minibus ou comboio turístico. Quem estiver interessado em participar tem, obrigatoriamente, de inscrever-se na Central de Reservas, acedendo ao website da Hemisférios www.hemisferios.org, operadora turística responsável pelas viagens.

Nesta página, estão disponíveis os horários e os programas com visitas aos municípios. A embarcação, com 24 lugares disponíveis, tem capacidade para 15 pessoas, cumprindo-se as recomendações de distanciamento da Direção Geral de Saúde.

monçaorionaveg (2).jpg

“RIO MINHO NAVEGÁVEL” REFORÇA OFERTA TURISTICA

Devido ao interesse manifestado nos primeiros dias do projeto, passam a realizar-se dois passeios de barco diários. Mantém-se o horário das 15h00, acrescentando-se outro, pelas 16h30. As inscrições, gratuitas e limitadas a 15 pessoas por viagem, são efetuadas nos quiosques informativos, localizados nos cais de embarque de Salvaterra de Miño e Tui, ou no website da Hemisférios www.hemisferios.org, operadora turística responsável pelas viagens.

riominhonaveg (1).JPG

riominhonaveg (2).JPG

riominhonaveg (3).JPG

ROTA FLUVIAL DO RIO MINHO TEM INÍCIO NO DIA 25 DE FEVEREIRO

Além de passeios de barco, com duração aproximada de uma hora, está prevista a realização de rotas curtas e rota larga, que decorrem durante todo o dia, incluindo visitas à duas eurocidades envolvidas no projeto: Monção/Salvaterra e Valença/Tui.

rotafluv.JPG

Apresentada no passado dia 17 de dezembro, no cais de embarque de Salvaterra, a Rota Fluvial do Rio Minho, iniciativa inserida no projeto “Rio Minho: Um Destino Navegável”, apoiado pelo Programa INTERREG V – A Espanha – Portugal (POCTEP) 2014-2020, tem inicio esta sexta-feira, 25 de fevereiro, coincidindo com a época de carnaval.

Entre hoje e quarta-feira, serão efetuadas simulações de viagens com a presença de responsáveis políticos e técnicos de turismo. Esta manhã, realizou-se o percurso entre Valença e Tui, amanhã será a vez da rota larga entre as duas eurocidades e, passada amanhã, o barco fará o trajeto entre Monção e Salvaterra. 

Além de passeios de barco, com duração aproximada de uma hora, a Rota Fluvial do Rio Minho engloba a realização de rotas curtas e rota larga, que decorrem durante todo o dia, incluindo visitas à duas eurocidades envolvidas no projeto: Monção/Salvaterra e Valença/Tui.

A embarcação encontra-se, de forma alternada, nos cais de embarque de Salvaterra e Tui. Assim, na primeira semana, entre 25 de fevereiro e 6 de março, estará em Tui. Na próxima semana, entre 7 de março e 13 de março, estará em Salvaterra. As próximas semanas seguem a mesma metodologia, com uma semana em Tui e outra em Salvaterra.

Reservas abertas

Passeios de barco de uma hora nos quiosques informativos

Rotas curtas e larga, todo o dia, no website www.hemisferios.org

Os passeios de barco decorrem todos os dias, com saídas às 15h00 (HP), sendo necessária uma inscrição prévia, a partir das 13h30 (HP), nos quiosques informativos, localizados nos cais de embarque de Salvaterra e Tui. Estes passeios fluviais prometem propiciar, desde o rio, panorâmicas fabulosas dos centros históricos dos 4 municípios.

Além de proporcionar passeios fluviais relaxantes e inspiradores, as rotas curtas e a rota larga darão a conhecer o diversificado património natural, cultural e etnográfico dos quatro municípios raianos, sendo o transporte, em terra, efetuado em minibus e comboio turístico.

Com a duração de um dia, as rotas contam com o apoio de um guia turístico, o qual orientará os passageiros nas visitas aos centros históricos e fortalezas. Os interessados têm, obrigatoriamente, de inscrever-se na Central de Reservas, acedendo ao website da Hemisférios www.hemisferios.org, operadora turística responsável pela viagens.

Sendo um projeto com cofinanciamento europeu, tanto os passeios fluviais, como as rotas curtas e larga, são gratuitas. A embarcação, com capacidade para 24 pessoas, disponibiliza apenas 15 lugares, de forma a garantir-se o distanciamento recomendado pelas autoridades de saúde de ambos os países.

"MIÑO DESTINO NAVEGABLE" REFUERZA SU MARCA Y SE PRESENTA EN FITUR COMO EL PRIMER PROYECTO CONJUNTO ENTRE DOS EUROCIUDADES

A iniciativa permite reforçar a cooperação transfronteiriça com a criação desta rota fluvial, a melhoria da navegabilidade do rio e a disponibilização de meios de transporte fluvial e terrestre.

Fitur 1.jpg

Salvaterra de Minho, 19 de Janeiro de 2022.- A FITUR apresentou hoje aquele que é o primeiro destino turístico conjunto entre duas Eurocidades, "Miño Destino Navegable", um projecto europeu financiado com fundos POCTEP que nasceu para divulgar o rico património natural, cultural e etnográfico dos quatro municípios que a compõem: Salvaterra de Minho, Tui, Valença e Monção.

A apresentação, que decorreu no stand da Xunta de Galicia, contou com a presença do vice-presidente do governo galego e responsável pelo Turismo, Alfonso Rueda, do prefeito de Salvaterra, Marta Valcárcel, do prefeito de Tui, Enrique Cabaleiro, do prefeitos de Valença e Monção.

Entre as iniciativas que vão ser lançadas destacam-se as acções de melhoria da navegabilidade do rio Minho ao longo de 16 quilómetros entre a ponte internacional Valença-Tui e a ponte internacional Monçao-Salvaterra, bem como a modernização dos cais, a a sinalização do rio no canal navegável, a disponibilização de um barco turístico e de educação ambiental ou as atividades de promoção e consolidação da marca Visit Río Miño.

A cerimónia de apresentação, conduzida pela apresentadora Cristina Maró, incluiu a projeção do vídeo promocional do projeto em que participaram vários influenciadores galegos e contou com a presença de caras conhecidas como Sergio Pazos, Sonia Castelo, Rosalía Castro, Fernando ROmán ou Josemi Rodríguez-Sieiro. A apresentação contou ainda com a presença da Diretora de Turismo, Nava Castro, do presidente do Tuirsmo Porto y Norte, Luis Pedro Martíns e dos delegados territoriais da Xunta em Pontevedra e Vigo, Luis López e Marta Fernández Tapias.

Os barcos dobram o Minho

Com o "Miño Destino Navegável" os municípios de A Raia reativam a sua oferta turística através de percursos fluviais gratuitos que lhe permitirão desfrutar e descobrir o território transfronteiriço entre a Galiza e o norte de Portugal. São excursões turísticas de um dia inteiro na zona transfronteiriça composta por Salvaterra, Minho, Monção, Tui e Valença nas quais os participantes conhecerão a zona pela mão de um guia turístico.

Os três primeiros percursos centram-se na visita aos bairros históricos e fortalezas das duas Eurocidades: um percurso longo que liga os dois percursos e dois percursos curtos (um em cada um deles).

Essas rotas, de cerca de 15 km, estarão sujeitas à profundidade do rio no momento da viagem -que pode ser encontrada através do APP `Calados Río Miño´- e em caso de não poder navegar, será oferecido serviço por terra em ônibus.

Os interessados podem se inscrever gratuitamente na Central de Reservas da operadora de turismo Hemisferios e são limitadas a 15 pessoas por grupo.

Note-se que, além das visitas guiadas de dia inteiro, as saídas estão previstas para as 16h00 (hora espanhola) todos os fins-de-semana, feriados, períodos de férias e época alta regularmente. Nesses passeios, com duração aproximada de uma hora, os interessados podem se inscrever diretamente no quiosque instalado no píer.

Fitur 2.jpg

Fitur 3.jpg

UM RIO, DOIS PAISES, QUATRO MUNICIPIOS

Projeto “Rio Minho: Um Destino Navegável”, apresentado ontem na Feira Internacional de Turismo de Madrid (FITUR), tem como objetivo posicionar o rio Minho como um destino turístico único e diferenciador.

umriodoispises (1).JPG

O projeto “Rio Minho: Um Destino Navegável” tem como finalidade a concretização de um conjunto de medidas, iniciativas e atividades, focadas na atratividade e sustentabilidade do rio Minho, como um destino turístico transfronteiriço de excelência.

O objetivo é preservar a envolvente ambiental e fortalecer a componente turística neste território único e diferenciador. Mas não só. Pretende, igualmente, assumir-se como um reforço do relacionamento económico, cultural e social dos povos de ambas as margens que, com vontade e determinação, levaram à constituição das Eurocidades Monção-Salvaterra e Valença-Tui

Ontem, o projeto “Rio Minho: Um Destino Navegável” foi apresentado na Feira Internacional de Turismo de Madrid (FITUR), no stand da Galiza. Além dos quatro autarcas envolvidos no projeto, marcaram presença o Vice-Presidente da Junta da Galiza, Alfonso Rueda, e o Presidente do Turismo do Porto e Norte de Portugal, Luis Pedro Martins.

Um dos aspetos mais relevantes do projeto é a criação da Rota Fluvial do Rio Minho. Apresentada em meados de dezembro, no cais de embarque de Salvaterra de Miño, a embarcação entrará em funcionamento a breve prazo, proporcionando passeios fluviais relaxantes e inspiradores a residentes e visitantes.

O percurso pelo troço internacional do rio Minho compreende passeios de barco gratuitos, bem como a realização de rotas curtas e largas, que incluem visitas aos municípios de Monção, Salvaterra, Valença e Tui, dando-se a conhecer o diversificado património natural, cultural e etnográfico das localidades raianas.

Para as rotas, é necessário fazer reserva com o operador turístico, através do website www.hemisferios.org. Para os passeios de barco gratuitos, com duração aproximada de uma hora e meia, não é necessário fazer reserva, sendo o embarque feito por ordem de chegada.

umriodoispises (2).JPG

umriodoispises (3).jpg

umriodoispises (4).JPG

umriodoispises (5).JPG

umriodoispises (6).JPG

RIO MINHO: UM DESTINO NAVEGÁVEL” APRESENTADO NA FEIRA INTERNACIONAL DE TURISMO DE MADRID (FITUR)

Apresentação decorrerá amanhã, quarta-feira, ao inicio da tarde, no stand da Galiza.

Envolvendo as duas Eurocidades, Monção-Salvaterra e Valença-Tui, o projeto “Rio Minho: Um Destino Navegável” vai ser apresentado amanhã, quarta-feira, 19 de janeiro, pelas 14h00 (HP), na Feira Internacional de Turismo de Madrid (FITUR), no stand da Galiza.

Invitación Fitur2.jpg

Tendo como parceiros o Turismo do Porto e Norte de Portugal, a Axencia de Turismo de Galicia e a Dirección Xeral de Patrimonio Natural da Xunta de Galicia, o “Rio Minho: Um Destino Navegável” insere-se no programa INTERREG V–A España – Portugal (POCTEP), com financiamento do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER).

O projeto resultará na efetivação de um conjunto de medidas e atividades, focadas na atratividade e sustentabilidade do rio Minho, como destino turístico transfronteiriço. Entre estas, a Rota Fluvial no Rio Minho, apresentada no passado dia 17 de dezembro, no cais de embarque de Salvaterra de Minho.

A Feira Internacional de Turismo de Madrid (FITUR) é a maior feira de turismo do mercado espanhol e uma das mais importantes a nível mundial. Este ano, 42ª edição, decorre entre os dias 19 e 23 de janeiro, abrindo o circuito internacional de eventos ligados ao setor turístico.

LAMPREIA JÁ DESOVA NO MINHO E ATRAI OS MELHORES APRECIADORES DESTA IGUARIA DA NOSSA COZINHA TRADICIONAL

"Ó lampreia divina, ó divino arroz,

Comidos noite velha, em casa do Julião!

Sem ter ceias assim o que há-de ser de nós? Sofre meu paladar! Chora meu coração!”

Afonso Lopes Vieira

Lampreia é uma das mais requintadas iguarias da cozinha tradicional minhota

A lampreia é um ciclóstomo com aspecto de enguia, sem maxilas, apresentando a boca em forma de ventosa circular com o diâmetro do corpo que actua como bomba de sucção.

img056.jpg

Desenho da autoria de Júlio Gil, célebre ilustrador, cartonista, pintor, escritor, caricaturista e arquitecto nascido em Lisboa em 1924 e falecido em 2004.

A lampreia marinha reproduz-se nos rios onde vão desovar, gerando cada fêmea milhares de pequenos ovos que são depositados no fundo dos rios. A lampreia encontra-se sobretudo em águas temperadas, sendo no nosso país os rios Minho, Lima e Cávado os habitats onde estas espécies mais se desenvolvem e são capturados os exemplares mais apreciados da nossa gastronomia tradicional. De resto, é comercializada a preços bastante elevados e servida como uma iguaria requintada à mesa dos melhores restaurantes.

Trata-se de uma especialidade sazonal, servida desde os finais de Janeiro até meados de Abril, o que também contribui para o seu encarecimento, sendo geralmente confeccionada como Arroz de Lampreia ao jeito de cabidela e ainda à Bordalesa ou seja, guisada com acompanhamento de arroz, podendo ainda ser assada no espeto ou cozinhada em molho de escabeche, portanto temperada em vinagre como era uso dos romanos e cujo costume se tornou muito popular sobretudo no Algarve.

Reza a História que, ao tempo do Condado Portucalense, D. Teresa, mãe de D. Afonso Henriques, concedeu em 1125 ao Arcebispado de Tui o privilégio de tomar como suas as lampreias que apresassem no rio Minho, a montante da Torre da Lapela, a fim de abastecer os mosteiros e conventos por ocasião dos jejuns quaresmais. Mais recentemente, foi nas estantes da Biblioteca de Nápoles encontrado uma obra-prima da culinária portuguesa, remontando ao século XVI, com o título “Livro de Cozinha da Infanta D. Maria”. Com efeito, são inúmeras as referências históricas a tão afamada especialidade da nossa cozinha tradicional. 

Dentro de pouco tempo, a lampreia subirá os rios Minho, Lima e Cávado para desovar, depositando sob as rochas ou em pequenos ninhos escavados no leito milhares de minúsculos ovos que garantirão a sobrevivência da espécie. E morrem. Após a desova, as larvas permanecem no rio até que, por meio de metamorfose se tornam adultas. Nessa altura, migram para o mar onde permanecem até atingirem a sua maturação sexual. 

A lampreia é um ciclóstomo muito procurado por conceituados gastrónomos e outros apreciadores da nossa culinária. Ela faz os requintes das melhores mesas das mais afamadas unidades hoteleiras, atraindo numeroso público a localidades do nosso país que mantêm a tradição da sua confecção esmerada e o requinte de bem servir. No Minho, a lampreia dos rios Cávado, Lima e Minho constituem o ex-líbris da gastronomia local a promover o desenvolvimento económico daquela região. Não admira, pois, o relevo que lhe é conferido pelas entidades que superintendem a promoção turística e os próprios estabelecimentos de restauração.

unnamed

A preservação da lampreia nos nossos rios depende também da importância que lhe atribuímos, nomeadamente como parte integrante da nossa alimentação. Ao contrário do que à primeira vista se possa imaginar, não é a pesca mas a poluição das águas e outros atentados ao ambiente que fazem perigar a sua sobrevivência. 

Em virtude do período sazonal da desova, o seu consumo verifica-se geralmente entre Fevereiro e os finais de Abril. A partir daí, a lampreia apenas surge figurada na doçaria da Páscoa sob a forma de “lampreia de ovos”, e evocar as delícias de um prato que apenas pode voltar a ser apreciado no ano seguinte. Não admira, pois, que chegue inicialmente a atingir preços exorbitantes que, no entanto, não constituem razão que baste para desmotivar os melhores apreciadores de tão delicioso pitéu. 

Refastelando-se na sua casa senhorial de Paredes de Coura, Aquilino Ribeiro, na sua obra “A Casa Grande de Romarigães” afirmava: “Não há como o arroz de lampreia, se lhe adicionarem uma colher de manteiga de pato”. Por seu turno, o poeta e gastrónomo António Manuel Couto Viana, no seu livro “Por horas de comidas e bebidas – crónicas gastronómicas”, dedica um capítulo inteiro à “lampreia divina”, como Afonso Lopes Vieira a designou. Escreveu Couto Viana o seguinte: 

Já a correnteza das águas que jorram da vizinha Espanha se enfeitam com o aparato das estacas e redes, para prenderem, nas suas malhas, noite adiante, o fugidio ciclóstomo, a tentar disfarçar-se aos rés dos seixos do leito; o chupa-pedras tão apreciada por mim, quando de cabidela, afogado no arroz malandrinho, embebido no seu sangue espesso e escuro. 

Também a fisga certeira, atirada, firme, dos altos, se os olhos penetrantes do pescador distinguem bem o vulto ondeante, faz içar a lampreia até às mãos ávidas, e lança-a, depois, para a vastidão de um saco que se quer a abarrotar.

(…)

Soberbo petisco! Com que gula a mastigavam os frades medievos torturados pelos jejuns quaresmais! 

Com que gula a mastigo eu, em mesa que ma apresente opípara no arroz do tacho, em grossos toros aromáticos, ou à bordalesa, ou de escabeche, que nestas três artes se mantém ela tentadora e sápida”. 

Com o talento dos mais consagrados artistas, cozinheiro após pelar a lampreia coloca-a num alguidar deitando sobre ela água a ferver. De seguida, abre-a da cabeça até ao fundo dos buracos e, junto à cauda, desfere-lhe um golpe para lhe retirar a tripa inteira. O sangue é guardado no mesmo recipiente onde a lampreia fica a marinar mergulhada em vinho tinto a que se juntam um ramo de salsa, uma folha de louro, um dente de alho, pimenta, colorau, sal e margarina. No dia seguinte, é feito um refogado onde é colocada a lampreia que fica a cozer durante cerca de quinze minutos, cuidando para que não se desfaça. Após o guisado, retira-se a lampreia. Ao caldo junta-se água no triplo do arroz que vai ao tacho e deixa-se ferver durante mais quinze minutos. Finalmente, serve-se numa travessa funda, cobrindo o arroz com a lampreia, golpeada em troços. 

Apetece exclamar, como o fez o poeta Afonso Lopes Vieira: - Ó lampreia divina!

Confeção lampreia

LAMPREIA À BORDALESA

- Para 6 a 8 pessoas

1 lampreia; 2 cebolas; 2 cenouras; 2 colheres de sopa de banha; 2 colheres de sopa de azeite; 2 dentes de alho; 1 ramo de salsa; 1 folha de louro; 2 dl de vinho tinto; sal; pimenta.

Para o arroz: 600 g de arroz, 1 cebola, 3 colheres de sopa de azeite; salsa; 1 folha de louro; sal; pimenta.

Corta-se a lampreia em pedaços regulares que se colocam numa caçarola com a banha, o azeite, as cenouras e as cebolas cortadas às rodelas grossas, os dentes de alho, a salsa e o louro. Tempera-se com sal e pimenta e leva-se a estufar sobre lume forte.

Quando a lampreia estiver cozida, rega-se com o vinho tinto que, entretanto, serviu para conservar líquido o sangue que escorreu da lampreia enquanto se arranjou e cortou. Deixa-se ferver aproximadamente durante mais 5 minutos.

Preparação do arroz: começa-se por fazer um estrugido com a cebola, o azeite, a salsa e o louro. Depois, rega-se com água (três vezes o volume do arroz), tempera-se com sal e pimenta e, assim que o caldo levantar fervura, adiciona-se o arroz e um pouco do molho da lampreia estufada.

Serve-se a lampreia com o arroz ou sobre fatias de pão frito, sendo neste caso o arroz servido à parte.

Arroz de lampreia

lamprevalen.jpg

lampreia.jpg

GALIZA SOLIDÁRIA COM MINHOTOS CONTRA A EXPLORAÇÃO DO LÍTIO

O Concello de Tomiño mostra o seu apoio aos municipios portugueses do Alto Minho contra a posible mina de litio na Serra de Arga

Instan á Xunta e ao Goberno que demanden información dunha explotación que pode afectar ao río Miño e ás zonas transfronterizas

O Concello de Tomiño, no pleno celebrado onte, mostrou o seu apoio aos municipios portugueses do Alto Minho no seu rexeitamento a posible mina de litio na Serra de Arga que o Goberno da República Portuguesa someteu a consulta pública o pasado setembro. A alcaldesa, Sandra González, destacou “a ampla oposición que existe a ambas beiras do Miño a calquera tipo de explotación na Serra de Arga que comprometa a súa conservación”, e afirmou que “Tomiño sempre estará do seu lado para conservar o medio natural da zona transfronteiriza”.

Río Miño ao seu paso por Tomiño.jpg

As áreas nas cales está prevista a prospección e pesquisa da mina de litio inclúen, entre outras, o territorio dos concellos de Viana do Castelo, Ponte de Lima, Paredes de Coura, Caminha e Vila Nova de Cerveira, neste último incluén zonas que confrontan co río Miño e co río Coura, principal afluente do Miño nesa marxe. Nestas prospeccións o equipo de Avaliación Ambiental da mina afirma que non extraerán máis de 100 toneladas, pero non deixan claro de onde se retirarán. A concelleira de Medio Ambiente, Ana Belén Casaleiro, afirma que de ser cerca dos marxes do río Miño “podería afectar de forma moi significativa á zona internacional do río”.

Por todo isto o Concello de Tomiño solicita á Xunta de Galicia e ao Goberno de España que estuden as posibles afeccións ás poboacións transfronteirizas. “Instamos a que demanden ser notificados polas autoridades portugueses para que teñan a oportunidade de pronunciarse en canto a estas actividades cerca das zonas transfronterizas”, conclúen.

Tomiño expresa as súas condolencias polo falecemento de Manuel Garcés Estévez

Antes do inicio do pleno o Concello de Tomiño expresou as súas condolencias polo falecemento do veciño e profesor, Manuel Garcés Estévez. A alcaldesa destacou que “foi un mestre querido e admirado polos seus veciños e que formou a varias xeracións de tomiñeses e tomiñesas”.

Manuel Garcés foi o mestre escollido para dar nome ao Centro Rural Agrupado de Tomiño e grazas ao coidado e mimo co que tratou todo o que tiña que ver coa escola, consérvase na parroquia de Estás a Aula Museo Abdón Alonso que garda material didáctico, bibliográfico e documental dos anos 30, dende expedientes académicos de varias xeracións até libros das Misións Pedagóxicas ou mapas da época.

“Manuel Garcés foi un exemplo de Mestre Rural con máis de cincuenta anos de profesión, a súa vida foi a escola e todo o que tiña que ver coa educación. Don Manolo, como se lle coñecía popularmente, era unha boa persoa que deixou fonda pegada na vida de centos de nenos e nenas que pasaron polas súas aulas. Vaia para a súa familia o noso pesar e o noso recoñecemento e admiración pola figura de Manuel Garcés”, destacou a alcaldesa.

AECT RIO MINHO APROVA PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2022

Esta segunda-feira na sede do AECT Rio Minho, em Valença, foi aprovado, em Assembleia Geral, o Plano de Atividades e Orçamento para 2022, com o investimento global de cerca de 400.000 euros, em parte cofinanciado pelo Programa Interreg.

AssembleiaGeralAECTRioMinho_dezembro(2).jpeg

A execução do exercício de 2021 foi novamente marcado pela crise pandémica COVID 19, e consequente novo encerramento das fronteiras entre Portugal e Espanha (entre 31 de janeiro e 1 de maio), o que provocou o cancelamento ou adiamento de algumas ações. Como resultado, o Plano de Atividades e Orçamento para 2022 do AECT Rio Minho, têm como principal prioridade acelerar a conclusão do projeto REDE_Lab_Minho, cofinanciado pelo Programa Interreg V-A, e a implementação do projeto Livhes, cofinanciado pelo Programa Interreg Sudoe.

No âmbito do projeto Rede_Lab_Minho, em 2022, o AECT Rio Minho pretende reforçar o trabalho em rede com as dinâmicas locais de cooperação transfronteiriça, com destaque para o desenvolvimento de processos de construção das “Agendas Urbanas do Rio Minho Transfronteiriço”, e para a criação e dinamização do “Observatório de Dinâmicas Transfronteiriças do Rio Minho Transfronteiriço”. Já no âmbito do projeto Livhes, serão desenvolvidas estratégias de gestão e valorização do Património Cultural Imaterial para o território, designadamente a criação de um espaço-piloto onde se reunirão os exemplos recolhidos de preservação do Património Cultural Imaterial do Rio Minho transfronteiriço.

Ainda no âmbito de projetos cofinanciados pelo Interreg V-A e concluídos em 2021, em parceria com as Eurocidades Cerveira-Tomiño, Tui-Valença e Monção-Salvaterra de Miño, o AECT Rio Minho em 2022 irá promover a entrada em operação e gestão do “Sistema de Bike Sharing do Rio Minho Transfronteiriço – e-bike Rio Minho”, sistema constituído por 46 bicicletas elétricas com GPS incorporado e 9 estações de parqueamento virtual e/ou físico e dar continuidade ao processo de planeamento estratégico “Estratégia Rio Minho 2030”, defendendo a criação de uma Intervenção Territorial Integrada Transfronteiriça – ITI – junto das entidades europeias, nacionais e regionais responsáveis pelo desenho dos programas de apoio à cooperação transfronteiriça para o período 2021-2027; destaque também  para as ações de preservação e valorização do Rio Minho através da manutenção do projeto Visit Rio Minho, designadamente a consolidação da marca Rio Minho e da estruturação da rede de percursos verdes transfronteiriços. As ações de promoção que visem a eliminação de obstáculos à cooperação transfronteiriça serão também prioritárias para o AECT Rio Minho, designadamente ao nível dos transportes, da gestão da rede natura 2000 e da prestação de serviços de saúde.

Na reunião da Assembleia Geral, Rui Teixeira, Diretor do AECT Rio Minho apresentou o Plano de Atividades e destacou “o papel marcante do AECT Rio Minho na mitigação do impacto negativo gerado pela crise pandémica e consequente encerramento das fronteiras”. Por sua vez, Uxío Benítez, Vice-diretor do AECT Rio Minho, referiu “a importância em articular candidaturas transfronteiriças ao novo quadro de financiamento do programa Interreg”.

Constituído em 2018, o AECT Rio Minho tem como sócios a CIM Alto Minho e a Deputación de Pontevedra e abrange 26 concelhos: os 10 municípios que compõe a Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho e 16 concelhos galegos da província de Pontevedra, com ligação ao Rio Minho.

AssembleiaGeralAECTRioMinho_dezembro(1).jpeg

MINHO: UM RIO QUE UNE CADA VEZ MAIS

A rota fluvial do rio Minho, inserida no Projeto “Rio Minho: Um Destino Navegável”, foi apresentada, esta manhã, em Salvaterra de Minho. A embarcação começa a operar na última semana do ano, coincidindo com o período festivo do Natal e Ano Novo.

moncaoumrioque (1).JPG

Monção e Valença, nesta margem, Salvaterra e Tui, na outra margem. Durante séculos, estiveram de costas voltadas. Nos tempos do contrabando, criaram-se cumplicidades comerciais e amizades inquebráveis. Com a abertura da fronteira, iniciou-se um tímido e desejado desenvolvimento conjunto.

Construíram-se pontes, surgiram negócios conjuntos, potenciaram-se atividades comuns e incrementou-se a mobilidade profissional entre os dois lados.  O novo relacionamento económico, cultural e social levou à constituição de duas Eurocidades, fortalecendo a união e intercâmbio entre ambos os povos.

Uma realidade conhecida por todas as pessoas que habitam neste espaço geográfico transfronteiriço, bem como pelo tecido empresarial dos quatro municípios ribeirinhos que encontram neste território banhado pelo rio Minho o seu habitat económico natural.

Esta constatação, evidente aos olhos de todos, será reforçada nos próximos anos com o projeto conjunto “Rio Minho: Um Destino Navegável”, o qual tem como parceiros o Porto e Norte de Portugal, Dirección Xeral do Patrimonio Natural da Xunta de Galicia, e Axencia de Turismo de Galicia.

Inserido no programa INTERREG V–A España – Portugal (POCTEP) 2014-2020, o projeto implica um investimento de 1.3 ME (75% Feder e 25% comparticipação dos parceiros), resultando na efetivação de um conjunto de medidas e atividades focadas na atratividade e sustentabilidade do rio Minho.

Englobada naquele projeto, realizou-se, esta manhã, no cais de embarque de Salvaterra de Minho, a apresentação da rota fluvial do rio Minho. A cerimónia, presidida pelo Vice-Presidente da Junta da Galiza, Alfonso Rueda, contou com a presença dos autarcas dos quatro municípios e representantes dos parceiros envolvidos.

moncaoumrioque (2).JPG

Reforço da oferta turística

Para o Presidente da Câmara Municipal de Monção, a rota fluvial no rio Minho, iniciativa inserida no projeto “Rio Minho: Um Destino Navegável”, reforça o relacionamento entre os parceiros, já bastante positivo, e permite alargar a oferta turística, cultural e patrimonial dos quatro municípios banhados pelo rio Minho.

António Barbosa assinala que “as vantagens deste percurso fluvial são grandes, quer numa perspetiva de valorização ambiental do rio Minho, quer no que respeita à mediatização do território e rentabilização económica dos agentes turísticos, hotelaria e restauração”

Ciente que o projeto proporcionará um conjunto de experiências e descobertas aos visitantes do território, o autarca monçanense acredita que “a rota, agora apresentada, contribuirá para fazer desta região um espaço privilegiado para a passagem de momentos agradáveis em contexto familiar ou em grupos de amigos”.

moncaoumrioque (3).JPG

Rio Minho: Um destino turístico único e diferenciador

Fruto da visão de Arturo Grandal, antigo autarca de Salvaterra de Minho, que sempre acreditou e pugnou pela navegabilidade do rio Minho, o percurso fluvial, além de proporcionar passeios fluviais relaxantes e inspiradores, dará a conhecer o diversificado património natural, cultural e etnográfico dos quatro municípios raianos que integram este projeto, cujo objetivo é posicionar o rio Minho como um destino turístico único e diferenciador.

A embarcação, com 24 lugares disponíveis, terá capacidade para 15 pessoas, de forma a cumprir as recomendações de distanciamento da Direção Geral de Saúde. Ca funcionar na última semana deste ano, coincidindo com o período festivo do Natal e Ano Novo.

Encontrando-se disponível ao público todos os fins de semana e nos períodos festivos.  O percurso fluvial, gratuito e com duração de uma hora, pode ser feito a titulo individual, com saída às 15h00 (HP). Não é preciso marcação, subindo a bordo os primeiros 15 passageiros.

No caso de grupos, com visitas guiadas às localidades, é necessário efetuar reserva no portal do operador turístico www.hemisferios.org. O transporte em terra será efetuado em minibus ou comboio turístico. Na fase inicial, estão previstas três rotas turísticas, uma larga e duas curtas. Futuramente, serão lançadas novas rotas temáticas.

moncaoumrioque (4).JPG

moncaoumrioque (5).JPG