Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

VIANA DO CASTELO: CONSTRUÇÃO DA NOVA TRAVESSIA DO RIO LIMA ADJUDICADA POR 19,490 MILHÕES DE EUROS

01_virt_0142.jpg

O executivo da Câmara Municipal de Viana do Castelo aprovou hoje, em reunião extraordinária, a adjudicação e aprovação da minuta de contrato para execução da empreitada de “Construção da Nova Travessia do Rio Lima entre E.N.203 – Deocriste e a E.N. 202 – Nogueira” por um valor que ascende a 19.490.000 euros, financiada pelo Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

A obra conta com um prazo de execução de 510 dias e será suportada pelos orçamentos de 2024 e 2025.

A nova Travessia sobre o rio Lima entre a Estrada Nacional (EN)203 – Deocriste e a EN 202 – Nogueira inicia junto ao campo de futebol da Torre, com a reformulação da interceção giratória de acesso à área de localização empresarial de Nogueira e à autoestrada A27, no sentido Viana do Castelo-Ponte de Lima. A travessia desenvolve-se na maior parte do percurso em tabuleiro de betão pré-esforçado, numa estrutura que permite minimizar os impactos na galeria ripícola e habitats incluídos na Rede Natura 2000.

A via termina na interceção giratória da EN 203, zona industrial de Deocriste, junto à empresa de produção de papel DS Smith (antiga Portucel), permitindo desviar o tráfego de viaturas pesadas da estrada nacional que tem sofrido com o aumento de tráfego provocado pela crescente atividade industrial deste complexo. Esta nova via permitirá sobretudo que as empresas situadas nas áreas de localização empresarial abrangidas pela nova travessia possam aumentar a sua capacidade expansionista com os novos investimentos previstos, apoiando particularmente a DS Smith, empresa britânica do setor da embalagem à base de fibra de papel.

O PRR vai ainda financiar a empreitada de Construção do Acesso Rodoviário da Zona Industrial do Vale do Neiva ao Nó da A28, também chamada de Nova Via do Vale do Neiva.  Este acesso rodoviário corresponde a uma nova ligação entre o Vale do Neiva e a A28, com uma extensão de 5,2 quilómetros, tendo as duas faixas de rodagem uma largura de sete metros. A rodovia terá início no nó da A28, junto à rotunda da EN 13, na Zona Industrial do Neiva.

A nova via irá dotar de segurança rodoviária e fomentar a competitividade empresarial das cinco freguesias do Vale do Neiva, composto por Alvarães, Vila de Punhe, Mujães, Barroselas e Carvoeiro, que representam 30% do tecido empresarial do concelho e permitirá uma ligação rodoviária rápida e segura que fomentará o desenvolvimento socioeconómico da região e acrescenta o seu contributo no panorama nacional, melhorando também os indicadores ambientais.

A via rodoviária pretende eliminar pontos negros e a circulação condicionada para veículos pesados de logística no interior da freguesia de Alvarães, melhorando a segurança rodoviária em todo o Vale do Neiva. Nas freguesias de Vila de Punhe e Barroselas, os novos troços rodoviários propostos, para além de uma ligação mais fluída e segura à A28, vão melhorar, através dos seus    nós de ligação, a mobilidade interna intrafreguesias, ligando estradas nacionais a vias municipais através de um novo corredor rodoviário.

Estas empreitadas são, para o concelho vianense, investimentos cirúrgicos em fatores de competitividade que vão permitir desenvolver a atividade económica de Viana do Castelo, apoiar as empresas locais e facilitar a mobilidade de todos os vianenses.

04a_virt_0157.jpg

05_virt_0165.jpg

PONTE DE LIMA CONVIDA A DAR HOJE UM PASSEIO NO RIO LIMA NUM BARCO ÁGUA-ARRIBA – 1 DE JUNHO

443695703_854342123400410_6298231196233394843_n.jpg

Água-arriba é uma embarcação tradicional do rio Lima.

Ao longo do século XIX, o Rio Lima foi cenário de um dos mais emblemáticos barcos de trabalho de rio, o água-arriba, também conhecido por riba-acima, ou simplesmente barco.

Durante a II Grande Guerra Mundial foi o mais barato e o maior meio de abastecimento e transporte entre a foz do Lima e as terras do interior minhoto, navegando de Viana do Castelo até Ponte da Barca.

PONTE DE LIMA CONVIDA A DAR UM PASSEIO NO RIO LIMA NUM BARCO ÁGUA-ARRIBA – 1 DE JUNHO

Água-arriba é uma embarcação tradicional do rio Lima.

Ao longo do século XIX, o Rio Lima foi cenário de um dos mais emblemáticos barcos de trabalho de rio, o água-arriba, também conhecido por riba-acima, ou simplesmente barco.

Durante a II Grande Guerra Mundial foi o mais barato e o maior meio de abastecimento e transporte entre a foz do Lima e as terras do interior minhoto, navegando de Viana do Castelo até Ponte da Barca.

443695703_854342123400410_6298231196233394843_n.jpg

O RIO LIMA – LETHES NA MITOLOGIA CLÁSSICA – E A VISÃO MÍTICA DO HADES

PONTE DE LIMA RECONSTRÓI AÇUDE DO RIO LIMA - BLOGUE DO MINHO

A propósito do Auto da Barca do Inferno de Gil Vicente

Quando no ano 163 Antes de Cristo, as legiões romanas comandadas por Decimus Julius Brutus chegaram à margem esquerda do rio Lima, elas temeram atravessá-lo por acreditarem tratar-se do mítico rio do esquecimento e, ao transporem-no, esquecerem-se para sempre da sua pátria e de si mesmos. Tal superstição foi desfeita quando o tribuno romano atravessou o rio e, da outra margem, chamou todos os seus soldados pelo seu próprio nome.

O sítio escolhido pelas legiões romanas para atravessar o rio Lima foi naturalmente aquele que entretanto entenderam por mais adequado para construírem a ponte que liga as duas margens, um troço da qual veio a ser reconstruído ao tempo do rei D. Pedro I em virtude de ter sido derrubado pelas fortes correntes.

Foi também o local onde mais tarde veio a nascer a vila de Ponte de Lima – no sítio exacto onde a ponte que servia a estrada militar via XIX que constava do Itinerário de Antonino e que ligava Bracara Augusta (Braga a Astúrica Augusta (Astorga), passando por Lugo e Tui, se cruza com o rio como duas importantes vias de comunicação à época! – e em relação ao qual os romanos baptizaram por Lethes, numa clara alusão ao mítico Lethes, um dos cinco rios que na mitologia grega banhava o Hades, representando a passagem da vida para a morte através de uma barca conduzida por Caronte.

A travessia era paga e, a comprová-lo, as moedas encontradas em muitas sepulturas romanas, colocadas na boca do defunto para garantir o seu pagamento.

800px-Lytovchenko_Olexandr_Kharon.jpg

Interpretação do século XIX da travessia do rio Lethes por Caronte, por Alexander Litovchenko.

Segundo a mitologia grega, o rio Lethes era um dos cinco rios que banhava o Hades. A passagem da vida para a morte constituía a travessia feita do rio Lethes – o rio do esquecimento – através de uma barca conduzida por Caronte. Foi aliás, baseado nesta crença que Gil Vicente escreveu os seus autos, mormente o Auto da Barca do Inferno.

Também Dante, na Divina Comédia, na segunda parte da obra dedicada ao Purgatório, descreve o Lethes como um rio de cujas águas os pecadores tinham de beber para apagarem da memória os seus pecados cometidos e, desse modo, entrarem no Paraíso.

Porém, uma das mais conhecidas descrições do Hades e, consequentemente do rio Lethes constitui a versão apresentada pelo poeta épico Homero na Ilíada e na Odisseia.

Como é sabido, os romanos assimilaram a cultura dos gregos, atribuindo novas denominações às suas divindades. Na Grécia antiga, Lethes significava literalmente “esquecimento”, constituindo um dos cinco rios que banhavam o Hades. Os demais eram o Aqueronte (rio da dor), Cocito (lamento), Flegetonte (fogo) e Estige (invulnerabilidade), os quais faziam a fronteira entre os mundos superiores e inferiores. Lete é também uma das náiades, filha da deusa Eris, senhora da discórdia, irmã de Algea, Limos, Horcos e Ponos.

A origem etimológica da palavra Inferno provém do latim infernum ou inferus e que significa literalmente “profundezas”, “lugares baixos”, aludindo a um local de sepultura. O equivalente ao termo hebraico sheol, não existindo nela qualquer indicação de local de fogo e tormento a que os maus estavam condenados. Aliás, tal ideia só veio a ser concebida por associação com a Geena – o vale de Hinom, fora das muralhas de Jerusalém – que era usado como lixeira e onde também eram lançados os cadáveres de pessoas consideradas indignas, sendo utilizado o enxofre para manter o fogo aceso e queimar o lixo. De resto, o termo Geena ocorre doze vezes nas Escrituras Sagradas, tendo Jesus usado o vale de Hinom para representar a destruição eterna.

Em Lucas (12:5), o evangelista refere-se à Geena com as seguintes palavras: “Mas, eu vos indicarei quem é para temer: Temei aquele que, depois de matar, tem autoridade para lançar na Geena. Sim, eu vos digo temei a Este”. E assim surgiu o Inferno como um local de padecimento!

Para trás ficou – qual rio do Esquecimento! – a crença no mítico rio Lethes que, séculos após a chegada das legiões romanas, passou a ser local de atravessamento de milhares de peregrinos, através da ponte que os romanos ali ergueram, com destino a Compostela para ali venerarem o apóstolo São Tiago Maior que, depois de ter andado pelo Minho – Braga, Guimarães e Rates – a tentar converter os pagãos, veio mais tarde segundo a tradição cristã a ser sepultado no local onde entretanto foi erguida a monumental catedral na Galiza.

15110765_hbsnq.jpeg

António Feijó

Também designado de Belion e pelo historiador e geógrafo grego Estrabão identificado como o mítico Lethes, o rio Lima continua a ser cantado pelos poetas, tendo em António Feijó porventura um dos seus maiores bardos:

 

Nasci á beira do Rio Lima,

Rio saudoso, todo crystal;

D'ahi a angustia que me victima,

D'ahi deriva todo o meu mal.

 

É que nas terras que tenho visto,

por toda a parte por onde andei,

Nunca achei nada mais imprevisto,

Terra mais linda nunca encontrei.

 

São águas claras sempre cantando,

Verdes colinas, alvôr d'areia,

Brancas ermidas, fontes chorando

Na tremulina da lua - cheia...

JORNAL INGLÊS “THE TELEGRAPH” DESTACA O MINHO NA SUA EDIÇÃO DO ...

DEPUTADO MONÇANENSE MANUEL DOMINGUES BASTO LEVA À ASSEMBLEIA NACIONAL, EM 1953, OS PROBLEMAS RELACIONADOS COM O ASSOREAMENTO DO RIO LIMA

Capturarbasto.JPG

Em 1953, o deputado Manuel Domingues Basto levou à Assembleia Nacional os problemas relativos ao rio Lima, nomeadamente os relacionados com o seu assoreamento e a regularização dos caudais. A referida intervenção registou-se na sessão que ocorreu a 23 de Março daquele ano, no âmbito da V Legislatura, sob a presidência de Albino dos Reis Júnior.

Manuel Domingues Basto era natural de Monção e foi fundador da Acção Católica de Braga. Sacerdote católico, foi eleito deputado para a V e VI Legislatura da Assembleia Nacional, não tendo chegado a exercer o mandato nesta última em virtude de ter entretanto falecido. Foi vereador da Câmara Municipal de Monção e Presidente da Comissão Municipal de Assistência de Fafe. Em virtude dos seus ideais monárquicos e na sequência do fracasso da Monarquia do Norte, exilou-se em Espanha.

Pelo seu interesse sobretudo do ponto de vista histórico, transcreve-se um extracto da sua extensa intervenção na Assembleia Nacional, na parte respeitante às questões relacionadas com o rio Lima.

Capturarrl5.JPG

Capturarrl1.JPG

Capturarrl2.JPG

Capturarrl3.JPG

Capturarrl4.JPG

VIANA DO CASTELO AVANÇA COM NOVA TRAVESSIA DO RIO LIMA E NOVA VIA DO VALE DO NEIVA POR 32 MILHÕES DE EUROS

O executivo municipal aprovou hoje, em reunião extraordinária, os projetos de execução e a abertura de concursos públicos internacionais para as empreitadas da “Nova travessia do Rio Lima entre EN 203 – Deocriste e EN 202 – Nogueira” e construção do Acesso Rodoviário da Zona Industrial do Vale do Neiva ao Nó da A28, financiadas pelo Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) e consideradas estruturantes para o desenvolvimento do concelho, com um valor global que ascende a mais de 32 milhões de euros.

05_virt_0165 travessia (1).jpg

Nos documentos, apresentados pelo Presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo, Luís Nobre, é indicado que o programa de concurso da empreitada de construção da “Nova travessia do Rio Lima entre EN 203 – Deocriste e EN 202 – Nogueira” conta com um preço base global estimado do concurso de 23.053.660,80 euros.

Já no programa de concurso da Empreitada de Construção do Acesso Rodoviário da Zona Industrial do Vale do Neiva ao Nó da A28, também chamada de Nova Via do Vale do Neiva, pode ler-se que o valor global estimado é de 9.074.117,00 euros.

A aprovação acontece depois de, esta quarta-feira, o Governo ter reconhecido como ação de relevante interesse público o projeto de uma nova ponte sobre o rio Lima para viabilizar a construção em áreas de Reserva Ecológica Nacional (REN), reconhecimento proposto pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N). Em maio do ano passado, a Assembleia Municipal de Viana do Castelo aprovara as declarações de interesse público municipal das duas obras.

Estas empreitadas são, para o concelho vianense, investimentos cirúrgicos em fatores de competitividade que vão permitir desenvolver a atividade económica de Viana do Castelo, apoiar as empresas locais e facilitar a mobilidade de todos os vianenses.

A nova Travessia sobre o rio Lima entre a Estrada Nacional (EN)203 – Deocriste e a EN 202 – Nogueira inicia junto ao campo de futebol da Torre, com a reformulação da interceção giratória de acesso à área de localização empresarial de Nogueira e à autoestrada A27, no sentido Viana do Castelo-Ponte de Lima. A travessia desenvolve-se na maior parte do percurso em tabuleiro de betão pré-esforçado, numa estrutura que permite minimizar os impactos na galeria ripícola e habitats incluídos na Rede Natura 2000.

A via termina na interceção giratória da EN 203, zona industrial de Deocriste, junto à empresa de produção de papel DS Smith (antiga Portucel), permitindo desviar o tráfego de viaturas pesadas da estrada nacional que tem sofrido com o aumento de tráfego provocado pela crescente atividade industrial deste complexo. Esta nova via permitirá sobretudo que as empresas situadas nas áreas de localização empresarial abrangidas pela nova travessia possam aumentar a sua capacidade expansionista com os novos investimentos previstos, apoiando particularmente a DS Smith, empresa britânica do setor da embalagem à base de fibra de papel.

Já o acesso rodoviário do Vale do Neiva corresponde a uma nova ligação entre o Vale do Neiva e a A28, com uma extensão de 5,2 quilómetros, tendo as duas faixas de rodagem uma largura de sete metros. A rodovia terá início no nó da A28, junto à rotunda da EN 13, na Zona Industrial do Neiva.

A nova via irá dotar de segurança rodoviária e fomentar a competitividade empresarial das cinco freguesias do Vale do Neiva, composto por Alvarães, Vila de Punhe, Mujães, Barroselas e Carvoeiro, que representam 30% do tecido empresarial do concelho e permitirá uma ligação rodoviária rápida e segura que fomentará o desenvolvimento socioeconómico da região e acrescenta o seu contributo no panorama nacional, melhorando também os indicadores ambientais.

A via rodoviária pretende eliminar pontos negros e a circulação condicionada para veículos pesados de logística no interior da freguesia de Alvarães, melhorando a segurança rodoviária em todo o Vale do Neiva. Nas freguesias de Vila de Punhe e Barroselas, os novos troços rodoviários propostos, para além de uma ligação mais fluída e segura à A28, vão melhorar, através dos seus nós de ligação, a mobilidade interna intrafreguesias, ligando estradas nacionais a vias municipais através de um novo corredor rodoviário.

nova via vale do neiva.jpg

DKC DE VIANA PROPÕE À AUTARQUIA VIANENSE CANDIDATURA A MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE EMBARQUE E DESEMBARQUE DOS PESCADORES E CANOÍSTAS NO RIO LIMA

Em articulação com os pescadores locais, a Darque kayak Clube propôs à Câmara Municipal de Viana do Castelo a elaboração de uma candidatura de acordo com o Aviso N.º MAR2030-2023-15 – Apoio a investimentos em portos de pesca, locais de desembarque, lotas e abrigos, com fundos comunitários que podem chegar aos 100%.

dk (1).JPG

Quer a DKC de Viana, quer os pescadores locais, representados em Associação de Pescadores de Darque, já tem desde há longos anos e sistematicamente chamado a atenção para os lodos que se tem depositado na frente ribeirinha ao Centro de Canoagem e no Cais velho.

Esses lodos impedem na maré baixa o embarque e desembarque das embarcações de pesca e comprometem as atividades de canoagem da Darque Kayak Clube, de Viana, além de constituírem alguns perigos para a saúde de todos os que frequentam essa margem nesse local.

Já foi solicitado o agendamento de uma reunião com carácter de urgência, à Vereação do departamento de ambiente do Município de Viana, para formalizar uma candidatura que dignifique e proteja as atividades económicas relacionadas com a pesca, contribuindo assim também para a melhoria das condições da prática da canoagem, seja com as escolas, seja a nível da deficiência, lazer, iniciação e competição, satisfazendo crianças, jovens, pessoas com deficiência, adultos e segurança e higiene de todos os que vivem da pesca.

E ao mesmo tempo a supressão do problema de esgotos, problema que se tem vindo a agudizar na frente ribeirinha com previsíveis prejuízos para a faina, para a pesca, para a ostra e para a canoagem da DKC.

Fotos: José Castro

A Direção

dk (2).JPG

dk (3).JPG

dk (4).JPG

dk (5).JPG

dk (6).JPG

dk (7).JPG

dk (8).JPG

dk (9).JPG

dk (10).JPG

dk (11).JPG

VIANA DO CASTELO: TERRA DE SALINAS E SALINEIROS

O estuário do Rio Lima, foi considerado o “maior centro salineiro do litoral do Minho”. Sendo o sal um dos bens mais preciosos, “era de grande importância a posse de salinas, que chegavam a atingir preços proibitivos, como é o caso de dois talhos em Darque que foram trocados em 1085 por uma égua”. (Almeida, 2005).

Capturarsal (2).JPG

SALINAS DE PORTUZELO

A antiguidade da extração do sal na margem direita do rio Lima, entre Meadela e Portuzelo, encontra-se documentada nas Inquirições Afonsinas, que testemunham que esta atividade era realizada, no século XIII, até aos lugares de Portuzelo e mesmo Santa Marta. Na verdade, a área hoje conhecida por salinas foi, pelo menos até finais do século XVIII, designada pelo sugestivo topónimo de Marinhas, correspondendo a um sector de cota baixa, sujeito a inundação regular em função das marés. A exploração salineira era assim possível em virtude da franca entrada das águas do mar nesta área do estuário do Lima, mais tarde dificultada pelo assoreamento progressivo do seu estuário, verificado, pelo menos, desde o século XV, com crescente agravamento a partir do século XVII.

A salina de Portuzelo forma uma pequena lagoa de água salgada na margem direita do Lima tendo já tido aproveitamento desde a época Romana.

CapturarARGAÇOSA (1).JPG

SALINAS DA ARGAÇOSA

O topónimo «Argaçosa», com génese em «argaço» (Almeida Fernandes, 1994, pp. 31 a 33), revela a importância da apanha do sargaço neste local. Quer a recolha do sargaço, quer a extração do sal eram possíveis em virtude da franca entrada das águas do mar nesta área do estuário do Lima, antes do assoreamento progressivo do seu leito, especialmente a partir do século XV.

As salinas são um complexo sistema articulado de valas, canais e tanques de decantação e evaporação das águas. Este sistema é separado por diques e taludes, que são colonizados por vegetação típica do sapal. As espécies mais vulgares são: a salicórnia (Salicornia ramosissima), a gramata (Sarcocornia perennis) e a gramata branca (Halimione portulacoides). Na atualidade, será já difícil observar e interpretar no terreno, este conjunto de componentes das salinas da Argaçosa, que já não se encontram em laboração.

As salinas albergam um biótopo muito importante para as aves limícolas, oferecendo-lhes alimento, mesmo durante a preia-mar, bem como refúgio e abrigo contra o vento.

Entre a Meadela e Santa Marta de Portuzelo encontramos um dos maiores centros salineiros medievais do Minho, conforme demonstrado por Brochado de Almeida (2005).

Fonte: https://www.geoparquelitoralviana.pt/

O RIO LIMA – LETHES NA MITOLOGIA CLÁSSICA – E A VISÃO MÍTICA DO HADES

  • Crónica de Carlos Gomes

Quando no ano 163 Antes de Cristo, as legiões romanas comandadas por Decimus Julius Brutus chegaram à margem esquerda do rio Lima, elas temeram atravessá-lo por acreditarem tratar-se do mítico rio do esquecimento e, ao transporem-no, esquecerem-se para sempre da sua pátria e de si mesmos. Tal superstição foi desfeita quando o tribuno romano atravessou o rio e, da outra margem, chamou todos os seus soldados pelo seu próprio nome.

PONTE DE LIMA RECONSTRÓI AÇUDE DO RIO LIMA - BLOGUE DO MINHO

O sítio escolhido pelas legiões romanas para atravessar o rio Lima foi naturalmente aquele que entretanto entenderam por mais adequado para construírem a ponte que liga as duas margens, um troço da qual veio a ser reconstruído ao tempo do rei D. Pedro I em virtude de ter sido derrubado pelas fortes correntes.

Foi também o local onde mais tarde veio a nascer a vila de Ponte de Lima – no sítio exacto onde a ponte que servia a estrada militar via XIX que constava do Itinerário de Antonino e que ligava Bracara Augusta (Braga a Astúrica Augusta (Astorga), passando por Lugo e Tui, se cruza com o rio como duas importantes vias de comunicação à época! – e em relação ao qual os romanos baptizaram por Lethes, numa clara alusão ao mítico Lethes, um dos cinco rios que na mitologia grega banhava o Hades, representando a passagem da vida para a morte através de uma barca conduzida por Caronte.

A travessia era paga e, a comprová-lo, as moedas encontradas em muitas sepulturas romanas, colocadas na boca do defunto para garantir o seu pagamento.

800px-Lytovchenko_Olexandr_Kharon.jpg

Interpretação do século XIX da travessia do rio Lethes por Caronte, por Alexander Litovchenko.

Segundo a mitologia grega, o rio Lethes era um dos cinco rios que banhava o Hades. A passagem da vida para a morte constituía a travessia feita do rio Lethes – o rio do esquecimento – através de uma barca conduzida por Caronte. Foi aliás, baseado nesta crença que Gil Vicente escreveu os seus autos, mormente o Auto da Barca do Inferno.

Também Dante, na Divina Comédia, na segunda parte da obra dedicada ao Purgatório, descreve o Lethes como um rio de cujas águas os pecadores tinham de beber para apagarem da memória os seus pecados cometidos e, desse modo, entrarem no Paraíso.

Porém, uma das mais conhecidas descrições do Hades e, consequentemente do rio Lethes constitui a versão apresentada pelo poeta épico Homero na Ilíada e na Odisseia.

Como é sabido, os romanos assimilaram a cultura dos gregos, atribuindo novas denominações às suas divindades. Na Grécia antiga, Lethes significava literalmente “esquecimento”, constituindo um dos cinco rios que banhavam o Hades. Os demais eram o Aqueronte (rio da dor), Cocito (lamento), Flegetonte (fogo) e Estige (invulnerabilidade), os quais faziam a fronteira entre os mundos superiores e inferiores. Lete é também uma das náiades, filha da deusa Eris, senhora da discórdia, irmã de Algea, Limos, Horcos e Ponos.

A origem etimológica da palavra Inferno provém do latim infernum ou inferus e que significa literalmente “profundezas”, “lugares baixos”, aludindo a um local de sepultura. O equivalente ao termo hebraico sheol, não existindo nela qualquer indicação de local de fogo e tormento a que os maus estavam condenados. Aliás, tal ideia só veio a ser concebida por associação com a Geena – o vale de Hinom, fora das muralhas de Jerusalém – que era usado como lixeira e onde também eram lançados os cadáveres de pessoas consideradas indignas, sendo utilizado o enxofre para manter o fogo aceso e queimar o lixo. De resto, o termo Geena ocorre doze vezes nas Escrituras Sagradas, tendo Jesus usado o vale de Hinom para representar a destruição eterna.

Em Lucas (12:5), o evangelista refere-se à Geena com as seguintes palavras: “Mas, eu vos indicarei quem é para temer: Temei aquele que, depois de matar, tem autoridade para lançar na Geena. Sim, eu vos digo temei a Este”. E assim surgiu o Inferno como um local de padecimento!

Para trás ficou – qual rio do Esquecimento! – a crença no mítico rio Lethes que, séculos após a chegada das legiões romanas, passou a ser local de atravessamento de milhares de peregrinos, através da ponte que os romanos ali ergueram, com destino a Compostela para ali venerarem o apóstolo São Tiago Maior que, depois de ter andado pelo Minho – Braga, Guimarães e Rates – a tentar converter os pagãos, veio mais tarde segundo a tradição cristã a ser sepultado no local onde entretanto foi erguida a monumental catedral na Galiza.

ANTNIO~1

António Feijó

Também designado de Belion e pelo historiador e geógrafo grego Estrabão identificado como o mítico Lethes, o rio Lima continua a ser cantado pelos poetas, tendo em António Feijó porventura um dos seus maiores bardos:

 

Nasci á beira do Rio Lima,

Rio saudoso, todo crystal;

D'ahi a angustia que me victima,

D'ahi deriva todo o meu mal.

 

É que nas terras que tenho visto,

por toda a parte por onde andei,

Nunca achei nada mais imprevisto,

Terra mais linda nunca encontrei.

 

São águas claras sempre cantando,

Verdes colinas, alvôr d'areia,

Brancas ermidas, fontes chorando

Na tremulina da lua - cheia...

JORNAL INGLÊS “THE TELEGRAPH” DESTACA O MINHO NA SUA EDIÇÃO DO ...

VIANA DO CASTELO: PONTE EIFFEL JÁ TEM 145 ANOS!

Inaugurada a 30 de junho de 1878, a Ponte Eiffel, um ícone da cidade de Viana do Castelo, celebrou ontem 145 anos de existência.
Projetada pelo engenheiro Gustave Eiffel, cuja morte aconteceu há 100 anos, e construída pela Casa Eiffel de Paris, é uma obra de arte rodoferroviária feita de ferro pudlado que liga as margens do Rio Lima. Garante a continuidade a Linha do Minho e a Estrada Nacional 13.

Capturareiff (2).JPG