Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

SERVIÇO DE PEREGRINOS DA CATEDRAL DE SANTIAGO DE COMPOSTELA REVELA ESTATÍSTICAS REFERENTES AO CAMINHO QUE LIGA BRAGA À CAPITAL DA GALIZA

Estatísticas incluem pela primeira vez o Caminho Braga-Santiago

O Serviço de Peregrinos da Catedral de Santiago de Compostela acaba de revelar, pela primeira vez, as estatísticas referentes à atribuição da compostela em referência ao Caminho da Geira e dos Arrieiros, que liga Braga à capital da Galiza na distância de 240 quilómetros.

Estatisticas compostela caminho da geira peregrinos açores.jpg

Segundo os dados publicados no site do serviço, a compostela foi entregue em abril a 18 peregrinos que completaram o caminho (referido como Braga C.G.A.) e a três em março. A entrega formal do documento começou no final de março, embora haja pessoas que o tenham recebido antes.

Além destes peregrinos, há outros 145 que partiram de Braga e receberam a compostela, mas as estatísticas da Catedral de Santiago não especificam qual o caminho que seguiram.

As associações ligadas à valorização do Caminho da Geira e dos Arrieiros referem que o itinerário foi percorrido por 300 pessoas desde a apresentação do primeiro traçado, há dois anos, em Braga, devendo  ultrapassar o meio milhar no corrente ano.

Estatisticas compostela caminho da geira sé braga.JPG

“A nossa experiência no apoio aos peregrinos diz-nos que muitos não pedem a compostela, pelo que, como acontece com outros caminhos, os números das estatísticas são inferiores à realidade”, explica Abdón Fernández, presidente da Associação Jacobeia do Caminho da Geira Minhoto Ribeiro.

A associação tem registo da passagem de peregrinos a pé, de bicicleta e a cavalo, mas reconhece que há muitos que não se anunciam, pelo que “é muito difícil” saber com certeza quantos cumpriram o percurso desde maio de 2017.

Estatisticas compostela caminho da geira3 peregrinos da Batalha.jpg

Por outro lado, há peregrinos que fizeram o Caminho da Geira e dos Arrieiros, mas porque começaram noutras cidades ou em localidades intermédias do percurso não estão contabilizados. Para isso acontecer, é preciso que o seu número mensal justifique a designação de itinerário seguido (incluindo assim todos e não apenas os que partem de Braga). Para constar no relatório anual do Serviço de Peregrinos da Catedral de Santiago de Compostela é necessário que seja feito por mais de 500 pessoas.

Nos primeiros quatro meses deste ano, os caminhos de Santiago foram percorridos por 43.051 pessoas, a grande maioria a pé (40.842). Os portugueses foram 4.675 e a cidade do Porto o principal ponto de partida nacional, com 3.892 peregrinos. Em Portugal, a maioria escolheu os caminhos Central e da Costa, que justificaram a atribuição de 10.963 e 584 compostelas, respetivamente.

A Compostela é um documento entregue aos peregrinos que completem o Caminho de Santiago, percorrendo no mínimo os últimos 100 quilómetros a pé ou a cavalo, ou 200 quilómetros em bicicleta, e que declarem tê-lo feito por motivos religiosos ou religiosos/espirituais.

A validação dos quilómetros faz-se através da Credencial do Peregrino, que deve ostentar no mínimo dois selos por dia, nos últimos 100 ou 200 quilómetros, conforme o método utilizado, obtidos de preferência em estabelecimentos ou instituições ligados à Igreja e ao Caminho de Santiago.

O Serviço de Peregrinos da Catedral de Santiago de Compostela emite, em iguais condições, o Certificado de Distância, um documento que certifica o número de quilómetros feito pelos peregrinos.

Estatisticas compostela caminho da geira1 peregrinos açores.jpg

BRAGA RECEBE CARDEAL GIANFRANCO RAVASI

‘Success Full Pensamento’ promove pontes entre religiões. Cardeal Gianfranco Ravasi é o convidado de honra do evento que decorre no Altice Forum Braga

O Cardeal Gianfranco Ravasi é o convidado de honra da primeira edição do Success Full Pensamento. A iniciativa, que debaterá precisamente o pensamento enquanto promotor de pontes entre religiões, culturas e povos, constituir-se-á então oportunidade para escutar as reflexões do presidente do Pontifício Conselho para a Cultura no Vaticano sobre Sucesso, Valores, Ciência, Vida ou Fé. A decorrer no próximo dia 7 de Maio, no Altice Forum Braga, a partir das 21h30, o Success Full Pensamento, promovido em parceria pelo Município de Braga, Universidade Católica Portuguesa e pelo Grupo de Comunicação Idioteque, contará ainda com a participação de um grupo de agitadores que terão a prerrogativa de questionar o Cardeal da Igreja Católica sobre questões diversas de actualidade.

CartazCardealBrag.jpg

Multidisciplinar, oriundo de geografias distintas e detentor das mais diferentes formações, vivências e experiências, o conjunto de incentivadores terá o papel fundamental de alargar a discussão a temáticas entendidas enquanto construtoras de vínculos entre civilizações, sociedades, doutrinas, disciplinas ou cânones. Os alunos do Colégio das Caldinhas (Instituição Jesuíta secular sediada em Santo Tirso), o espanhol Adrián Gramary (psiquiatra), a italiana Giovanna Masciotta (investigadora), a brasileira Cibelli Almeida (fundadora do projecto “BE BRAGA”), o grego Dimitris Andrikopoulos (compositor), a senegalesa Saidatina khady Seye (corporiza uma história de inserção no mundo português), o venezuelano Rafael Montes (maestro), e a polaca Danuta Kondek (mestre em Economia) são alguns desses aceleradores de conversa. Círculo ao qual juntar-se-ão Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, e Isabel Capeloa, Reitora da Universidade Católica.

O SUCCESS FULL é uma iniciativa independente, humanista e da cidadania, multiplicadora e transformadora de consciências ao nível social, que procura realizar, através da organização de eventos e de uma recolha de entrevistas, um estudo internacional sobre o que é verdadeiramente o sucesso pleno nos dias de hoje e questionar em que medida esse sucesso individual pode (e deve) contribuir para o Sucesso colectivo da nossa civilização. A intenção é alargar a discussão a outras áreas: saúde (1ª. edição entretanto realizada em Santo Tirso), empresariado ou arquitectura.

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DA ABADIA RECEBE EXPOSIÇÃO "MARIA... MULHER DE FÉ"

Depois de ter estado patente na Galeria de Artes e Ofícios de Amares, a exposição "Maria...Mulher de Fé" vai seguir viagem até ao Santuário de Nossa Senhora da Abadia, considerado o Santuário Mariano mais antigo da Península Ibérica, local onde permanecerá durante maio, mês dedicado à Virgem Maria.

Sentir as emoções de Maria, revivendo os vários episódios da sua vida, numa provação de Fé e de desenraizamento da vida terrena, é a expressão da pintura promovida pelo Atelier de Arte Sacra Francisco Neto, através desta exposição promovida pela Comissão Organizadora da Procissão da Burrinha e acolhida pelo Município de Amares.

_    Exposiçãoamars.jpg

HOMILIA NA PÁSCOA 2019

Salvação e fé

20190227-_JLC1126.jpg

Recordamos a profecia de Jesus: “Destruí este templo e eu, em três dias, o reedificarei” (Jo 2, 19). E o Evangelista explica: “Ele referia-se ao templo do seu corpo” (Jo 2, 21). Destruído na sexta feira e permanecendo no túmulo em dia de sábado, na aurora de Domingo cumpre-se a profecia e o Senhor, vivo e próximo, volta ao contacto com os seus. É esta ressurreição gloriosa que celebramos neste dia de Páscoa, no qual ressoa o grito incontido: “Jesus está vivo! Aleluia”.

Como se chegou a esta certeza? O Evangelho dá-nos pistas: a perceção de Maria Madalena, a pedra de acesso ao túmulo retirada, as ligaduras no chão, o sudário enrolado. São estes “sinais” que levam à compreensão e aceitação do mistério. Sinais para alguns insuficientes, pois não demonstram laboratorial ou matematicamente, mas plenamente reveladores para quem os vive a partir da experiência da proximidade, da fé e do amor.

Foi o caso de João, o tal discípulo que chegou ao túmulo em primeiro lugar e que “viu e acreditou”. Que fez correr João, porventura apelidado de louco pelos comerciantes da estreita rua que, da cidade velha de Jerusalém, saía em direção ao monte Calvário? O mais jovem dos Apóstolos foi o único que tinha vivido de perto os dramas do julgamento, crucifixão e sepultura do Senhor. Fez-se «próximo» de Jesus, quando os outros se afastaram. Por amor, e só por amor, não abandonou o Amigo nem a Mãe do Amigo. Por isso, receber d’Ele o sagrado encargo de amparar a Mãe, já viúva e, a partir daquele momento, sem ninguém para cuidar dela.

É por esta contínua presença junto do Amigo que, para o “discípulo amado”, a fé na ressurreição se tornou um dado quase natural. “Viu e acreditou”. Viu a partir do olhar da afetividade e acreditou confiadamente ou com a naturalidade com que uma criança acredita na mãe. É provável que a sua razão não compreendesse tudo, mas o amor ajudou o coração a abrir-se e a ver. Foi essa intuição amorosa e de proximidade que permitiu a João ver e acreditar antes de todos os outros. Nele, a alegria pascal maturou sobre uma base de amor fiel. Um amor que nada nem ninguém pode quebrar ou pôr em causa.

Creio que esta continua a ser a grande via de acesso ao mistério central da nossa fé: o da ressurreição de Cristo. Racionalmente, nenhuma ciência a demonstra. Mas na proximidade existencial e amorosa com o Senhor, «comendo e bebendo com Ele», como invocava S. Pedro no discurso escutado na primeira leitura, a fé de que “Deus O ressuscitou dos mortos” e “O constituiu juiz dos vivos e dos mortos” torna-se uma “absoluta certeza”. Certeza pregável a “toda a casa de Israel”, mais familiarizada com a crença na ressurreição, mas também pregável ao ainda pagão Cornélio e sua família, o qual, curiosamente, o chamou à cosmopolita Cesareia Marítima, porque se impressionou com esse testemunho e se dispôs a ser batizado.

Como sabemos bem, a atualidade necessita muito deste testemunho a ser dado por aqueles que vivem a tal proximidade amorosa com o Senhor. Face a uma nova cultura de massas, por vezes de base materialista e hedonista, é preciso apresentar o grande “sinal” histórico: ao longo de dois milénios, milhões e milhões de cristãos afinaram a sua existência pela “ressurreição” e celebraram-na ininterruptamente no próprio dia semanal em que aconteceu: no primeiro dia da semana ou Domingo. De tal forma que fé em Jesus Cristo, crença na ressurreição, guarda do Domingo como dia absolutamente diferente e celebração festiva aglutinaram-se numa mesma unidade, qual marca identitária da cultura ocidental humanista.

Esta marca está a perder-se. E a perder-se em detrimento da dignidade pessoal e dos direitos humanos. Pensemos no novo esclavagismo da laboração contínua, «legalmente» imposta pelos novos senhores do mundo que dominam a economia e, por esta, os governos. Pensemos como os critérios dos «turnos», em sectores onde, para além da ganância, nada os justifica, a par dos graves transtornos psicológicos do trabalhador e do fracionamento dos encontros familiares, está a gerar a «morte do Domingo», o fim dos ritmos semanais, a abolição dos verdadeiros momentos celebrativos e o fracionamento da família e das relações de amizade. O mesmo se diga da abertura dos supermercados e dos centros comerciais ao Domingo, expressão de um certo subdesenvolvimento humano e mesmo económico. Enfim, está-se a gerar uma civilização fria, sem alma, individualista, sem profundidade de relações e até mesmo sem outros contactos que não sejam os da «realidade virtual».

Caro cristãos, convoco-vos para esta tarefa urgente de trazer nova alma à nossa cultura mediante a inserção nela da crença profunda na ressurreição. Dizei-o a todos e vivei-a convictamente a partir da proximidade amorosa com o Senhor Jesus. A Páscoa é a alegria do céu que irrompe sobre a terra. A Páscoa é a luz da esperança que desfaz as nossas trevas e angústias. A Páscoa é a forma de percebermos uma nova comunhão entre as pessoas. Jesus está vivo! Brilhe em todos nós a alegria da ressurreição.

+ Manuel Linda

Bispo do Porto

PONTE DA BARCA CELEBRA A PAIXÃO DE CRISTO

A Mui Dolorosa Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo" recriada em Ponte da Barca

Ponte da Barca acolheu, na noite de Quinta-feira Santa, a recriação da peça A Mui Dolorosa Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo.

57382197_1744824575618518_8164033239653023744_n.jpg

Com encenação do escritor e encenador barquense, Jaime Ferreri, e organização da Associação Os Canários de Bravães com o apoio da Câmara Municipal de Ponte da Barca e da Junta de Freguesia de Bravães, a peça, que teve a duração de cerca duas horas, contou com a participação de cerca de uma centena de atores na recriação do último dia de Jesus Cristo na terra - da inveja dos Judeus, à traição de Judas, ao lava-mãos de Pilatos, à morte na cruz depois do milagre que tornou possível a conversão do soldado romano e a contrição do bom ladrão, num espetáculo que tem despertado grande interesse junto do público.

57387358_1744824245618551_2285242035369672704_n.jpg

57435739_1744824362285206_47831504587325440_n.jpg

57504792_1744824185618557_5848720175444000768_n.jpg

Capturarsacrrr.PNG

AÇORIANOS PERCORREM CAMINHOS DE SANTIAGO

Caminho Braga-Santiago percorrido pela primeira vez por grupo dos Açores

O grupo é constituído por oito elementos, três homens e cinco mulheres, com idades entre os 13 e 64 anos – embora a maioria esteja nas casa dos 40 anos – e profissões como professor, agente de execução ou coordenador de transportes públicos. Um deles reside em Ribeira Grande e os restantes em Ponta Delgada (ilha de São Miguel).

Caminho da Geira e dos Arrieiros 00 (Foto Henrique Malheiro).jpg

Uma das peregrinas é Rute Nunes e esta é a sua quinta peregrinação nos caminhos de Santiago. Escolheu o Caminho da Geira e dos Arrieiros pelo “facto de ser menos turístico e explorado que os anteriores, pela beleza natural e o cariz histórico”, conforme explicou este domingo, 14, à chegada a Lobios (Espanha).

“Está a corresponder inteiramente às minhas expectativas”, adiantou a açoriana, que foi “infetada pelo vírus peregrino desde a primeira peregrinação”.

Já Rui Machado explica que “as motivações de cada um são diferentes”. Uns são peregrinos, outros, como é seu próprio caso, estão a fazer o caminho “um pouco por turismo”.

Quem aconselhou o percurso foi Luís Guimarães, presidente do CALAG e natural de Vieira do Minho – cinco membros do grupo são naturais dos Açores e três migrantes do continente português. A jornada começou no dia 12 de abril – data em que o grupo foi recebido na União de Freguesias de Real, Dume e Semelhe - e o objetivo é chegarem a Santiago de Compostela no domingo de Páscoa (21 de abril).

Para Luís Guimarães, esta peregrinação, em que participam ainda Gracinda Martins, Maria Guedes, Andrea Soares, Jorge Lopes e Matilde Guimarães, “é um desafio, na medida em que se trata de um caminho duro, passando por zonas pouco habitadas, em que utilizamos o GPS e o Guia do Peregrino”, escrito por Carlos de Barreira e Henrique Malheiro.

“A amplitude da riqueza natural e patrimonial do Caminho da Geira e dos Arrieiros transporta-nos aos tempos ancestrais dos romanos e da construção da Catedral de Santiago de Compostela, percorrendo florestas, bosques e vinhedos, atravessados por rios largos e pequenos ribeiros, onde a nossa presença ainda surpreende os animais no seu ambiente natural. É um itinerário de espiritualidade, descoberta e aventura, que convida os peregrinos a regressarem ao verdadeiro Caminho”, escreve o jornalista Carlos Ferreira, no prefácio do guia.

A Câmara de Lagoa ofereceu aos peregrinos impermeáveis, t-shirts e cantis, apoio simbólico que, no entender de Nelson Santos, vereador com o pelouro do desporto e turismo, “é um reconhecimento por tudo o que o CALAG tem feito pelo concelho e pelo forte contributo que tem dado no desenvolvimento turístico com a divulgação e promoção dos trilhos lagoenses”.

A Associação do Caminho Jacobeu da Geira Minhoto Ribeiro e a Associação Codeseda Viva coordenam a investigação histórica, patrimonial, do traçado e sobre outros recursos necessários à validação do caminho [ainda não possui albergues, nem está marcado, pelo que deve usar-se GPS], um trabalho iniciado em 2009 que pretendem ver reconhecido com a oficialização do traçado até ao Ano Santo Jacobeu de 2021.

Este itinerário, também conhecido por Caminho da Geira Minhoto Ribeiro, foi percorrido por pelo menos 300 pessoas desde maio de 2017, estimando-se que o número cresça até 500 no corrente ano.

Caminho da Geira e dos Arrieiros 01 (Foto Rute Nunes).jpg

Caminho da Geira e dos Arrieiros 02 (Foto Rute Nunes).jpg

Caminho da Geira e dos Arrieiros 03 (Foto Rute Nunes).jpg

Caminho da Geira e dos Arrieiros 04 (Foto Rute Nunes).jpg

Caminho da Geira e dos Arrieiros 05 (Foto Rute Nunes).jpg

Caminho da Geira e dos Arrieiros 06 (Foto Rute Nunes).jpg

BRAGA: MAXIMINOS REALIZA VIA SACRA

20 mil espectadores na antevisão à Semana Santa de Braga

20 mil espectadores. A Via Sacra de Maximinos voltou às ruas da freguesia e encheu-se ao longo dos dois quilómetros de percurso, que uniam o Largo do Penedo ao Monte de São Grgeório. 

HUGO6858.jpeg

Foram 15 as estações em 10 cenários diferentes e mais de 300 pessoas envolvidas entre figuração e staff. Aquela que é a maior via sacra ao vivo da Península Ibérica conseguiu aumentar no número de espectadores e melhorar as suas infraestruturas, numa dinâmica que a organização garante que será para manter. 

Para 2020 fica a promessa de uma Via Sacra renovada e cheia de energia para viver o caminho de Cristo até à cruz. 

-144523134667275455_HUGO6435.jpeg

-957152131245678350_HUGO6327.jpeg

1732160141389146887_HUGO6323.jpeg

2592997911499860001_HUGO6187.jpeg

2686904615699992653_HUGO6491.jpeg

-3654596026248406619_HUGO6164.jpeg

3891586024308238698_HUGO6143.jpeg

-4795369999313060091_HUGO6176.jpeg

7586180005102162681_HUGO6336.jpeg

8162428903046592759_HUGO6456.jpeg

Declaração-Daniel Martins.doc

HUGO6584.jpeg

HUGO6619.jpeg

HUGO6802.jpeg

VIA SACRA DE MAXIMINOS ABRE PERÍODO COMEMORATIVO DA SEMANA SANTA DE BRAGA

14 de abril de 2019 pelas 21h30

A maior Via Sacra ao vivo da Península Ibérica volta a sair às ruas de Maximinos, em Braga, já amanhã, 14 de abril, pelas 21h30. A XIV edição trará consigo muitas novidades, que garantirão um envolvimento maior da comunidade, mas também de reflexão. Este momento marca o arranque da Semana Santa de Braga.

Protagonizada por associações da freguesia de Maximinos, Sé e Cividade, a Via Sacra, iniciada em 2005, trará para as ruas da freguesia milhares de espectadores. Com 10 cenários criados de raíz e 15 estações, a Via Sacra de Maximinos envolve mais de 300 voluntários – entre figurantes e staff -, a organização espera ver o número de espectadores aumentar consideravelmente face à edição de 2017, ano em que saiu pela última vez à rua.

No percurso, que se estenderá entre o Largo do Penedo e o Monte de São Gregório, será possível assistir, através da representação de mais de 180 personagens, ao caminho feito por Cristo até ao Calvário.

A edição de 2019 contará com algumas reformulações no cenário, mas também nas condições garantidas aos espectadores com a alocação de dois ecrãs gigantes no início e final da Via Sacra, de forma a serem transmitidos os momentos-chave da encenação da mesma.

Pela primeira vez, a Via Sacra terá também disponível para pessoas com necessidades específicas (visual, intelectual, motora e auditiva) um serviço que permitirá acompanhar toda a representação.

Recorde-se que esta encenação junta várias gerações, tendo, a título de exemplo, o figurante mais novo 7 anos de idade e o mais velho 80.

Condicionamentos ao trânsito devido à Via Sacra de Maximinos 

  • Proibição de estacionamento no Lugar do Penedo ‘interior’ das 18h00 do dia 12 de Abril às 23h59 do dia 14 de Abril;
  • Proibição de estacionamento das 00h00 às 23h59 do dia 14 de Abril na Rua Costa Gomes, Lugar do penedo (interior), Avenida de S. Gregório, estacionamento em frente à Escola Secundária de Maximinos;
  • Trânsito proibido das 16h00 às 23h59 do dia 14 de Abril na Rua Costa Gomes, Lugar do Penedo, Rua do Penedo, Avenida de S. gregório, Avenida de S. Pedro e Rua dos Órfãos de S. Caetano.

Início da Via Sacra: 21h30

Local: Largo do Penedo, Maximinos. Braga

CELORICO DE BASTO CELEBRA VIA SACRA

Emoção, arte e dedicação evidenciados na Via Sacra ao vivo em Celorico de Basto

Igreja Paroquial de Britelo, em Celorico de Basto, foi, este domingo, o ponto de encontro de dezenas de fiéis que quiseram assistir à encenação dos passos de Jesus desde a condenação à morte na cruz. Momentos emotivos vivenciados pelos intervenientes e pelos fiéis que assistiram a esta Via Sacra.

viascel (1).jpg

Promovida pelo programa Celorico Mexer da Câmara Municipal de Celorico a Mexer em parceria com o Arciprestado de Celorico de Basto, a Via Sacra voltou a inebriar todos aqueles que integraram estas celebrações inerentes ao tempo da Quaresma, um momento “único, que nos ajuda a crescer na esperança, fortificada por esta caminhada de amor”.

Uma caminhada difícil representada de “forma exemplar e comovente, com o envolvimento de todos os que integram este programa onde foi evidenciada a fé, a esperança fortificada por esta caminhada difícil, dolorosa mas uma caminhada de amor, de amor por todos nós” disse Joaquim Mota e Silva, Presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto. O autarca agradeceu a entrega de todos os colaboradores e beneficiários deste programa e ao Arciprestado que permitiram a realização deste momento de fé e enalteceu a forma sentida como todos se entregaram a cada momento representado, evidenciando claramente a esperança num novo amanhã, caminhando cada qual com a sua cruz. “Todos nós, nas nossas vidas, carregamos uma cruz, e cada um deve saber levar essa cruz movido pelos sentimentos de fé, de esperança, acreditando sempre num novo amanhã, dando sempre o melhor de nós”. De facto, continuou “o que nos ensina a Páscoa é o reflexo de Jesus em cada um de nós, e o que nos pede é que caminhemos orientados por sentimentos positivos e sadios”.

viascel (2).jpg

As 14 estações da Via Sacra foram representadas de forma figurativa, todas elas acompanhadas por cânticos próprios que deram ainda mais simbolismo a cada momento representado.

Segundo o Arcipreste de Celorico de Basto, Albano Costa, “esta foi uma encenação sentida, vivida com emoção, cheia de arte, feita de maneira piedosa”. O Arcipreste agradeceu a forma empenhada, dedicada e “grandiosa” como este momento da vivência cristã foi retratado. “Agradeço, em nome do Arciprestado, na figura do Sr. Presidente da Câmara Municipal, a forma como fizerem esta encenação, disseram-nos que é possível, no nosso tempo, ir ao encontro do que se passou na Palestina, obrigado por tudo o que fizeram, porque não é só fazer as coisas, é a forma como se fazem, o espirito com que se fazem, e nada foi fingido, tudo foi natural, tudo foi cristão, uma prova de cultura não apenas popular, mas religiosa, um conhecimento profundo da vivencia de cristo, um retrato de um momento marcante na nossa vivência como cristãos que nos diz mais do que muitos sermões e pregações” disse o arcipreste visivelmente emocionado. Albano Costa continuou alegrando-se pela capacidade de colaboração entre o arciprestado, a Câmara Municipal, os seus colaboradores e todos aqueles que são beneficiados pela alma cristã, todos os celoricenses particularmente aqueles que muito dão ao concelho pelo seu empenho, dedicação e forma de viver. Esperamos que seja possível continuarmos com este espirito de colaboração fraterno de modo que no Natal do Senhor celebremos o seu nascimento com toda a alegria e na ressurreição do Senhor celebremos a nossa redenção com toda a consciência e com tudo aquilo que estes momentos nos proporcionam”.

viascel (3).jpg

O Arcipreste concluiu dizendo que “em nome dos sacerdotes de Celorico de Basto estou grato e faço questão de transmitir ao Sr. Arcebispo todo o trabalho, todo o saber, toda a dedicação desta apresentação. Neste extremo da diocese onde por vezes pensam que nada se faz, realizam-se ações e vivências desta dimensão, desta grandiosidade”.

Esta Via Sacra ao Vivo é a apresentação de semanas de trabalho nos locais de animação com os beneficiários, idosos, do programa Celorico a Mexer, principais intervenientes neste momento bíblico.

“Estamos todos verdadeiramente emocionados, durante quase duas horas vivemos, neste lugar de culto, uma das encenações bíblicas mais bonitas, mais emocionantes, mais tocantes. Um trabalho feito com o máximo rigor mas pleno de emoção, de sentimento, de entrega ao sofrimento de Jesus” enalteceu Helena Martinho, Coordenadora dos Serviços Sociais e de Saúde do Município.

Pelas diferentes paróquias do Arciprestado são desenvolvidos estas cerimónias como forma de “pertença” ao sofrimento de Jesus no caminho até ao calvário.

viascel (4).jpg

viascel (5).jpg

BRAGA RECEBE VIA SACRA AO VIVO

Via Sacra ao Vivo: “Missão em Esperança”

A Via Sacra ao Vivo, dinamizada pelo Centro de Reabilitação para Pessoas com Deficiência, em Touguinha, equipamento social da Misericórdia de Vila do Conde, sobe ao palco do Espaço Vita, no dia 11 de abril às 21h,

Centro de Reabilitacao para Pessoas com Deficiencia_Toughinha_ViladoCond....jpg

A escolha do tema “Missão em Esperança” está alinhado, quer com a Arquidiocese de Braga (reflexões sobre a Esperança), quer com a Conferência Episcopal Portuguesa (reflexões sobre o Ano Missionário) e que é uma encenação, tão cheia de significado, que é representada por 50 pessoas especiais, que têm o condão de nos colocar, com profundo sentimento e arte, diante do amor maior de Jesus.

A crescente notoriedade desta encenação levou-a, desde as origens no seio do equipamento social, com a sua primeira edição em 2005, até aos ilustres palcos de Vila do Conde e Braga.

O levantamento de bilhetes, gratuitos, poderá ser realizado na Cúria Arquidiocesana de Braga (Tel.: 253 203 180 | Email: geral@arquidiocese-braga.pt), Palácio do Raio (Tel.: 253 206 520) e Livraria Diário do Minho (Tel.: 253 216 993 | Email: geral@livrariadiariodominho.pt) ou no próprio Espaço Vita, no dia do evento.

Abel Rocha

Comissão da Quaresma e Solenidades da Semana Santa de Braga

CELORICO DE BASTO REAZILA VIA SACRA

Emoção, arte e dedicação evidenciados na Via Sacra ao vivo em Celorico de Basto
Igreja Paroquial de Britelo, em Celorico de Basto, foi, este domingo, o ponto de encontro de dezenas de fiéis que quiseram assistir à encenação dos passos de Jesus desde a condenação à morte na cruz. Momentos emotivos vivenciados pelos intervenientes e pelos fiéis que assistiram a esta Via Sacra.

_DSC5567.jpg

Promovida pelo programa Celorico Mexer da Câmara Municipal de Celorico a Mexer em parceria com o Arciprestado de Celorico de Basto, a Via Sacra voltou a inebriar todos aqueles que integraram estas celebrações inerentes ao tempo da Quaresma, um momento “único, que nos ajuda a crescer na esperança, fortificada por esta caminhada de amor”.
Uma caminhada difícil representada de “forma exemplar e comovente, com o envolvimento de todos os que integram este programa onde foi evidenciada a fé, a esperança fortificada por esta caminhada difícil, dolorosa mas uma caminhada de amor, de amor por todos nós” disse Joaquim Mota e Silva, Presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto. O autarca agradeceu a entrega de todos os colaboradores e beneficiários deste programa e ao Arciprestado que permitiram a realização deste momento de fé e enalteceu a forma sentida como todos se entregaram a cada momento representado, evidenciando claramente a esperança num novo amanhã, caminhando cada qual com a sua cruz. “Todos nós, nas nossas vidas, carregamos uma cruz, e cada um deve saber levar essa cruz movido pelos sentimentos de fé, de esperança, acreditando sempre num novo amanhã, dando sempre o melhor de nós”. De facto, continuou “o que nos ensina a Páscoa é o reflexo de Jesus em cada um de nós, e o que nos pede é que caminhemos orientados por sentimentos positivos e sadios”.

_DSC5587.jpg

As 14 estações da Via Sacra foram representadas de forma figurativa, todas elas acompanhadas por cânticos próprios que deram ainda mais simbolismo a cada momento representado.
Segundo o Arcipreste de Celorico de Basto, Albano Costa, “esta foi uma encenação sentida, vivida com emoção, cheia de arte, feita de maneira piedosa”. O Arcipreste agradeceu a forma empenhada, dedicada e “grandiosa” como este momento da vivência cristã foi retratado. “Agradeço, em nome do Arciprestado, na figura do Sr. Presidente da Câmara Municipal, a forma como fizerem esta encenação, disseram-nos que é possível, no nosso tempo, ir ao encontro do que se passou na Palestina, obrigado por tudo o que fizeram, porque não é só fazer as coisas, é a forma como se fazem, o espirito com que se fazem, e nada foi fingido, tudo foi natural, tudo foi cristão, uma prova de cultura não apenas popular, mas religiosa, um conhecimento profundo da vivencia de cristo, um retrato de um momento marcante na nossa vivência como cristãos que nos diz mais do que muitos sermões e pregações” disse o arcipreste visivelmente emocionado. Albano Costa continuou alegrando-se pela capacidade de colaboração entre o arciprestado, a Câmara Municipal, os seus colaboradores e todos aqueles que são beneficiados pela alma cristã, todos os celoricenses particularmente aqueles que muito dão ao concelho pelo seu empenho, dedicação e forma de viver. Esperamos que seja possível continuarmos com este espirito de colaboração fraterno de modo que no Natal do Senhor celebremos o seu nascimento com toda a alegria e na ressurreição do Senhor celebremos a nossa redenção com toda a consciência e com tudo aquilo que estes momentos nos proporcionam”.

_DSC5636.jpg

O Arcipreste concluiu dizendo que “em nome dos sacerdotes de Celorico de Basto estou grato e faço questão de transmitir ao Sr. Arcebispo todo o trabalho, todo o saber, toda a dedicação desta apresentação. Neste extremo da diocese onde por vezes pensam que nada se faz, realizam-se ações e vivências desta dimensão, desta grandiosidade”.
Esta Via Sacra ao Vivo é a apresentação de semanas de trabalho nos locais de animação com os beneficiários, idosos, do programa Celorico a Mexer, principais intervenientes neste momento bíblico.
“Estamos todos verdadeiramente emocionados, durante quase duas horas vivemos, neste lugar de culto, uma das encenações bíblicas mais bonitas, mais emocionantes, mais tocantes. Um trabalho feito com o máximo rigor mas pleno de emoção, de sentimento, de entrega ao sofrimento de Jesus” enalteceu Helena Martinho, Coordenadora dos Serviços Sociais e de Saúde do Município.

_DSC5638.jpg

MINISTRO PROVINCIAL VISITA IRMÃOS DA FRATERNIDADE DE BARCELOS DOS FRANCISCANOS CAPUCHINHOS

No dia 3 de abril, pelas 9h00, os irmãos da fraternidade de Barcelos reuniram-se com o Ministro Provincial, frei Fernando Alberto, na capela da Fraternidade para a oração de Laudes, dentro da qual se procedeu à abertura da Visita Pastoral.

20190405_visita_provincial.JPG

Após a Leitura breve, e partindo das palavras proclamadas na leitura, o Ministro Provincial falou do sentido que deve ter esta Visita Pastoral. A exemplo do que aconteceu com o povo de Israel, a quem Deus na experiência libertadora do Egito escolheu para ser o seu povo, também esta Visita deve ser um tempo muito oportuno para avivar o dom da vocação, reviver a experiência de Deus e do chamamento que nos fez, e reconhecer que nem sempre correspondemos da melhor maneira ao dom recebido e à fidelidade de Deus para connosco.

Depois lembrou o lema “Ide em frente!”, que dinamiza a Província neste triénio, destacando uma das linhas de ação da Carta Programática, na qual, no contexto do Sínodo dos Bispos sobre os jovens, se apela a cultivar a alegria, o entusiasmo e a jovialidade. Estas tornam-se uma exigência ainda maior no contexto do ano missionário em curso, da celebração dos 400 anos da morte de São Lourenço de Brindes e dos 50 anos da criação da Província.

Pelas 9h30, o Ministro Provincial iniciou o atendimento pessoal dos irmãos, o qual continuou ao longo de todo este dia e no dia seguinte, de modo a encontrar-se pessoalmente com todos os irmãos.

Às 12h20, o Ministro Provincial, acompanhado da totalidade dos irmãos da Fraternidade, deslocou-se ao Cemitério da cidade. Ali, junto ao talhão dos Capuchinhos, rezaram a Oração litúrgica da Hora Intermédia, do Ofício de Defuntos, fazendo memória agradecida dos irmãos cujos corpos ali se encontram sepultados.

Um pouco depois das 16h00, os irmãos professos congregaram-se na sala de formação do noviciado, para um tempo de encontro, reflexão, partilha e diálogo. Neste encontro, no contexto do Ano Missionário e frisando algumas ideias a propósito dos 800 anos do encontro de São Francisco com o Sultão do Egito, o Ministro Provincial acentuou a dimensão missionária da Ordem, que também esta Fraternidade deve testemunhar, não reduzindo a missão às obras e atividade do momento presente, mas estando aberta a novas formas suscitadas pela voz do Espírito. Depois os irmãos dialogaram sobre este e outros assuntos que dizem respeito à vida da Fraternidade.

Às 19h00 o Ministro Provincial participou na Eucaristia, na igreja, com o povo de Deus, à qual se seguiu a oração de Vésperas e o programa habitual da Fraternidade até ao descanso da noite.

Na quinta-feira, dia 4, às 9h00 os Irmãos reuniram-se, na capela da Fraternidade, para a recitação das Laudes. Durante todo o resto da manhã, o Ministro Provincial ajudou no atendimento dos fiéis no sacramento da Reconciliação e concluiu o diálogo pessoal com os Irmãos.

Pelas 17h30, os irmãos reuniram-se, na capela da Fraternidade, para a celebração da Eucaristia, dentro da qual se inseriu a recitação de Vésperas e se procedeu ao encerramento da Visita Pastoral. Após a reflexão da Palavra, os Irmãos fizeram a renovação da sua consagração religiosa. Antes da bênção final, o Secretário Provincial fez a leitura da Ata da Visita Pastoral.

Fernando Alberto / http://www.capuchinhos.org/

CELORICO DE BASTO REALIZA VIA SACRA AO VIVO

Via Sacra ao vivo, dia 7 de abril, em Celorico de Basto

O Município de Celorico de Basto em parceria com o Arciprestado de Celorico de Basto organiza, pela X edição consecutiva, a Via Sacra ao Vivo. Uma cerimónia religiosa, que marca os passos de cristo desde a condenação até à crucificação e morte na cruz, encenada pelo programa “Celorico a Mexer” e agendada para dia 7 de abril, às 15h00, na igreja paroquial de Britelo.

_DSC0352.jpg

“A Via Sacra é sempre um momento emotivo, onde vários sentimentos se misturam e nos fazem refletir nos valores da vida” disse Joaquim Mota e Silva, Presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto. O autarca referiu que esta “é uma das passagens bíblicas mais extraordinárias que será apresentada por um programa muito especial, o Celorico a Mexer, que procurará representar cada estação da forma mais fiel possível enaltecendo a fé e a esperança num novo amanhã”.

A preparação desta Via Sacra está a ser ultimada nos locais de animação do Celorico a Mexer com os idosos a interpretar os principais intervenientes deste momento bíblico.

Um momento pleno que os deixa especialmente “interessados e movidos a participar” como referenciou Helena Martinho, Coordenadora dos serviços sociais e de saúde do Município. “Este é um momento particular que os nossos idosos vivem com fervor e muita devoção. Tudo é levado com a seriedade que o momento exige, tudo é feito com emoção e dedicação, e nenhum pormenor é deixado ao acaso. São semanas de trabalho com ensaios, preparação de adereços, decoração, textos, tudo feito com o rigor que esta iniciativa exige”.

A Via Sacra ao vivo será orientada pelo arciprestado de Celorico de Basto.

EM TEMPO DE QUARESMA AS JORNADAS CULTURAIS | “PORQUE SE FAZEM AS FESTAS?” DEBATEM A IMPORTÂNCIA DOS RITUAIS RELIGIOSOS

A 3ª SESSÃO DE DEBATES TERÁ LUGAR EM CASTELO DE VIDE

a3_jornadasculturais_pascoa.jpg

Aproveitando o período de reflexão da Quaresma e a celebração da Páscoa este mês, a 3ª sessão de debates das Jornadas Culturais | “Porque Se Fazem As Festas?”  convida-o/a para uma conversa sobre "Os Rituais Religiosos".

A região anfitriã desta iniciativa será Castelo de Vide, um município conhecido pelas suas tradicionais celebrações da Semana Santa. A sessão decorrerá dia 6 de Abril, às 15h00, no Salão Nobre dos Paços do Concelho.

Tendo como principal objetivo a divulgação e valorização do património cultural de Portugal, estas Jornadas Culturais proporcionam um amplo debate e a reflexão sobre a importância cultural, identitária e socioeconómica de tradições portuguesas na comunidade de hoje, utilizando uma abordagem de carácter multidisciplinar.

A 3ª sessão de debates, organizada pela Progestur e Fundação Inatel, tem como parceira a Universidade Lusófona e conta também com o apoio da Câmara Municipal de Castelo de Vide.

TERRAS DE BOURO: PRESIDENTE DA IGREJA METODISTA DE ITÁLIA, DRª REVERENDA MIRELLA, VISITOU ONTEM VALDOSENDE

O Município de Terras de Bouro fez-se representar através do Dr. Adelino Cunha, Vice-presidente do município e da Vereadora, Drª Ana Genoveva, na receção em Valdosende à Presidente da Igreja Metodista de Itália, Dra. Rev. Mirella.

20190328_114717.jpg

A responsável da igreja metodista italiana esteve assim em Terras de Bouro para a visita e inauguração simbólica do Centro de Acolhimento e estruturas do Atl`s Junto ao Salão Social, tendo visitado também as instalações da Igreja e ainda efetuado uma abordagem aos futuros projectos da Fundação Centro de Solidariedade Social de Valdosende, juntamente com os responsáveis desta instituição, Bispo da Igreja Evangélica Metodista Portuguesa, Sifredo Teixeira , Rev. Emanuel Dinis, Constantino Alves e Fernando Lameira, bem como o Pastor da comunidade local, Rev. Albert Sniecikoski e a secretária da Junta da Igreja, Ivone Fernandes.

20190328_113713.jpg

20190328_113738.jpg

20190328_113740.jpg

20190328_113744.jpg

20190328_113831.jpg

20190328_113906.jpg

20190328_114129.jpg

20190328_114505.jpg

GUIMARÃES RECEBE FESTIVAL MUNDIAL DE MÚSICA RELIGIOSA

festival_musica_religiosa_de_guimaraes_1_1024_2500.jpg

PROGRAMA

DIA 13 – SÁBADO

Igreja de Nossa Senhora da Conceição | 19h30~

“CORAL EDUCATIVO” –

Maestro – GONÇALO LOURENÇO

Grupo Coral de Azurém, orientado pelo maestro titular Adriano Gonçalves

Grupo Coral de Ponte, orientado pelo maestro titular Ricardo Freitas

Orfeão do CCD Coelima, orientado pelo maestro titular Vasco Faria

DIA 14 – DOMINGO

Igreja das Dominicas | 21h30

“DE LO HUMANO Y LO DIVINO”

Josep María Saperas - Flautas de pico

Ignasi Jordà - Cravo

DIA 15 – SEGUNDA-FEIRA

Paço dos Duques de Bragança | 21h30

“A VIDA DE MARIA”

Atriz Convidada - Cucha Carvalheiro

Pianista- Nuno Vieira de Almeida

DIA 16 – TERÇA-FEIRA

Igreja da Nossa Senhora da Oliveira | 21h30

“DE BACH A VIVALDI”

Nélia Gonçalves – Mezzo Solista.

Luís Alves – Oboé Solista

Quarteto de Cordas de Guimarães

Emanuel Salvador - violino I

Ana Madalena Ribeiro - violino II

Emília Goch Salvador – viola

Filipe Quaresma – violoncelo

DIA 16 – TERÇA-FEIRA

Centro Pastoral das Taipas | 21h30

Digressão “CORAL EDUCATIVO”

Maestro – Gonçalo Lourenço

Grupo Coral de Azurém, orientado pelo maestro titular Adriano Gonçalves

Grupo Coral de Ponte, orientado pelo maestro titular Ricardo Freitas

Orfeão do CCD Coelima, orientado pelo maestro titular Vasco Faria

DIA 17 – QUARTA-FEIRA

Igreja de S. Pedro | 21h30

“ROSSINI SACRO” –

Leonor Barbosa de Melo – Soprano

Maria Luísa de Freitas – Mezzo Soprano

João Rodrigues – Tenor

Nuno Dias – Baixo

Coro solista MIVS

Cristóvão Luis – Piano

João Lima – Piano

José Eduardo Gomes – Maestro

DIA 18 – QUINTA-FEIRA

Igreja da Penha | 16:00

Digressão “DE BACH A VIVALDI”

Nélia Gonçalves – Mezzo Solista

Luís Alves – Oboé Solista

Quarteto de Cordas de Guimarães

Emanuel Salvador - violino I

Ana Madalena Ribeiro - violino II

Emília Goch Salvador – viola

Filipe Quaresma – violoncelo

DIA 18 – QUINTA-FEIRA

Igreja de S. Francisco | 19h00

“CREDO”

Alexandra Bernardo – Soprano

Marie Karrall – Mezzo Soprano

José Eduardo Gomes – Maestro

Ensemble Vocal Pro Música

Diretor musical – José Manuel Pinheiro

Orquestra do Norte

DIA 19 – SÁBADO

Igreja de S. Francisco | 21h30

“ALL´AMORE IMMENSO”

Mezzosoprano - José Maria Lo Monaco

Direção musical - Massimo Mazzeo

DIVINO SOSPIRO

Violinos I: Iskrena Yordanova, Jivka Kaltcheva, Giacomo Coletti, Elisa Bestetti

Violinos II: Paolo Perrone, Valeria Caponnetto, Katarzyna Solecka

Violetas: Roxanne Dykstra, Lucio Studer

Violoncelos: Rebeca Ferri, Catarina Tavora

Contrabaixo: Marta Vicente

Orgão positivo e cravo: José Carlos Araujo

DIA 20 – SÁBADO

Grande Auditório do Centro Cultural de Vila Flor | 21h30

“REQUIEM DA PAIXÃO”

Lúcia Ribeiro – Soprano

Mariana Sousa – Mezzo Soprano

Marios Maniatopoulos – Tenor

André Henriques – Baixo

Orquestra de Guimarães – Maestro Vitor Matos

Coro Gaos - diretor titular Fernando Brionnes