Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

ARCOS DE VALDEVEZ RECEBEU PRESIDENTE DA JUNTA DE FREGUESIA DE MARVILA

O Presidente da Junta de Freguesia de Marvila, Dr. José António Videira, foi recebido nos Paços do Concelho de Arcos de Valdevez, pelo presidente da edilidade arcuense, Dr. João Manuel Esteves.

66826119_333648397525160_5162404093968252928_n.jpg

O autarca lisboeta foi acompanhado de uma comitiva de arcuenses que se encontram radicados na região de Lisboa, dirigida pelo Presidente da Casa do Concelho de Arcos de Valdevez, sr. Joaquim Cerqueira de Brito, que também é autarca da Freguesia de Marvila.

Marvila é uma freguesia da zona oriental de Lisboa com forte densidade populacional, sítio onde residem grande quantidade de arcuenses plenamente integrados no meio social, seja através da sua actividade profissional como ainda na participação de eventos desportivos e culturais. Esta iniciativa contribui para o fortalecimento dos laços de amizade entre Marvila e o concelho de Arcos de Valdevez.

67080935_595214264219787_2773127548278669312_n.jpg

Capturarmmarvila.PNG

CASA DO CONCELHO DE ARCOS DE VALDEVEZ JUNTA MINHOTOS EM LISBOA SOB O SIGNO DA AMIZADE

Terminou há instantes em Lisboa a Festa da Amizade organizada pela Casa do Concelho de Arcos de Valdevez com o apoio da Junta de Freguesia de Marvila. A iniciativa teve lugar no Parque do Vale Fundão e, para além da entidade organizadora, contou ainda com a participação do Rancho Folclórico da Casa do Minho e do Rancho Folclórico da Casa do Concelho de Cinfães.

DSCF5340 (2).JPG

Por parte da Casa do Concelho de Arcos de Valdevez – decano do regionalismo concelhio minhoto em Lisboa – participaram o Grupo de Cavaquinhos e o Rancho Folclórico, um dos mais representativos grupos minhotos sediados na região de Lisboa.

 

Para além da actuação em palco, a “Festa da Amizade” incluiu ainda a realização de jogos tradicionais, a entrega de insígnias aos desportistas arcuenses e, como não podia deixar de suceder, a abertura das merendas sob a copa frondosa dos pinheiros onde as nossas gentes aproveitaram para merendar.

O folclore é a verdadeira Festa da Amizade porque contribui para a fraternidade entre os povos, sem precupações de competição, porque respeita a diversidade de culturas.

E, acabada a romaria, eis que os festeiros regressam a suas casas já com saudade, aguardando com ansiedade a edição do próxima ano. E que viva a amizade entre os povos e as suas tradições!

DSCF5338.JPG

DSCF5331.JPG

DSCF5332.JPG

DSCF5337.JPG

DSCF5339.JPG

DSCF5345.JPG

DSCF5297.JPG

DSCF5299.JPG

DSCF5301.JPG

DSCF5302.JPG

DSCF5305.JPG

DSCF5306.JPG

DSCF5307.JPG

DSCF5309.JPG

DSCF5318.JPG

DSCF5319.JPG

DSCF5320.JPG

DSCF5321.JPG

DSCF5322.JPG

DSCF5323 (2).JPG

DSCF5326 (2).JPG

CASA CERVEIRENSE É CONTRA A PROSPECÇÃO DE LÍTIO NA SERRA D’ARGA

45494884_891548607709054_7805728917288910848_n (1).jpg

A casa Cerveirense afirma-se contra a prospecção de lítio na Serra D’Arga, juntando-se assim à posição assumida pela Camara Municipal de Vila Nova de Cerveira.

Sabemos através de informação disponibilizada pelas entidades ambientalistas, tais como a Associação Ambientalista QUERCUS, no caso da prospecção de lítio para o Alto Minho, que nos diz, e passo a citar, “que este tipo de actividade é extremamente danosa para o ambiente e para as populações, contribui para a destruição das zonas agro-silvo-pastoris de enorme relevância e para a degradação de zonas de excelência algumas únicas no Pais e que tem sido alvo de trabalhos de conservação da Natureza, alem da destruição de habitats e ecossistemas de elevada importância de conservação, que contêm espécies ameaçadas”.

Afirma ainda esta entidade, que quanto às populações envolventes, seriam vítimas desta actividade, uma vez que seriam afectadas pela poluição do ar, da água e pela degradação dos solos, importantíssimos para o pastoreio e para a agricultura, principais sustentos e contributos para a fixação da população local.

Para além disso, o turismo rural, factor que contribui para a fixação da população e crescimento da economia local, seria também gravemente afectado.

A nossa posição prende-se com todos os factores atras mencionados e com a preocupação de este tipo de actividade poder em muito ser prejudicial para o nosso concelho, partilhando também as preocupações da Camara Municipal de Vila Nova de Cerveira, tais como a dimensão do projecto, a falta de estudos de impacto ambiental para o local, o conhecimento do processo em si e as concretas implicações para as populações locais.

Drª Rosa Brito

Presidente da Direcção da Casa Cerveirense

CASA CERVEIRENSE EM LISBOA: BEATRIZ GAMEIRO – VICE-PRESIDENTE DA DIRECÇÃO – CONSIDERA QUE CERVEIRA JÁ ESGOTOU A SUA CAPACIDADE DE EXTRACÇÃO DE MINÉRIO

51505994_2485405624821752_4872868717773455360_n.jpg

Caro Carlos,

Lamento que não tenha tido resposta. No entanto eu como Vice-presidente posso adiantar a minha opinião.

Cerveira já foi muito castigada no que diz respeito à extracão de minério, a lembrar o volfrâmio. Por essa razão, a minha opinião é contra. No entanto, tambem compreendo que haja necessidade de que o parque automóvel seja cada vez mais movido a eletricidade e para isso são necessarias baterias.

Mas voltando à Cerveirense, acho que já esgotámos a nossa dose de extração de minérios. Espero que os nossos autarcas sejam prudentes.

Melhores cumprimentos

Beatriz Gameiro

Vice Presidente da Direcção

CASAS REGIONAIS MINHOTAS SEDIADAS EM LISBOA DECLARAM-SE CONTRA A EXPLORAÇÃO DO LÍTIO NA NOSSA REGIÃO

A propósito da exploração do lítio no Minho, o BLOGUE DO MINHO questionou os dirigentes das várias casas regionais minhotas acerca da sua posição relativamente a esta questão que está a preocupar seriamente as nossas populações. Entre as associações contactadas, apenas a Casa do Minho e a Casa do Concelho de Arcos de Valdevez deram a conhecer a sua posição. Por parte da Liga dos Amigos do Concelho de Valença, da Casa do Concelho de Ponte de Lima, da Casa Courense e da Casa Cerveirense não obtivemos até ao momento qualquer resposta, o que pode indicar que não têm qualquer opinião ou interesse acerca deste assunto.

33696530_1873248869378480_4787462172106031104_n.jpg

Da parte de Paulo Duque, Presidente da Direcção da Casa do Minho em Lisboa, obtivemos a seguinte resposta:

“Discordo plenamente, quer em termos ambientais quer em termos paisagísticos. Sendo a Serra D’Arga um local de eleição e também protegida, continua a ser um dos locais mais genuínos do Alto Minho.

Não entendo como protegem o Lobo Ibérico (concordo com a sua protecção) que tem causado grande prejuízo a toda a população, que a sua sustentabilidade continua a ser a pastorícia e não querem proteger a própria serra.

No passado, vejamos as minas de Covas, em Vila Nova de Cerveira, que a poluição até hoje afectou muito em termos ambientais, nomeadamente o Rio Coura.

Como presidente da Casa do Minho, não gostaria de ver a Serra D’Arga de outra forma da que está hoje ou seja, sem poluição.”

Este e muitos outros de interesse para a nossa região não têm merecido a preocupação de muitas casas regionais como deveria, apesar de inscreverem no preâmbulo dos seus estatutos a defesa dos interesses locais. Este é um bom exemplo daquilo para que deve servir uma casa regional!

44460872_2133163440069274_3494356199132889088_n.jpg

Por sua vez, Joaquim Cerqueira de Brito, Presidente da Casa do Concelho de Arcos de Valdevez, esclareceu o seguinte:

“A Casa do Concelho de Arcos de Valdevez discorda completamente. Temos que defender e preservar aquilo que é mais belo no nosso País, a Natureza

Além de tudo isso, é preciso defender o bem estar das populações , que começa pela qualidade de vida.”

65073165_2372626462775637_8876649398747004928_n.jpg