Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

ESPOSENDE ACOLHE VI BIENAL EXPOPOÉTICA DE JORGE BRAGA

Em Esposende, arrancou hoje a sexta edição da bienal Expoética, do artista e poeta esposendense Jorge Braga. O evento, denominado "A Conquista do Mundo em Três Tempos", assenta em diferentes suportes - papel, tela e escultura, tendo como base a poesia associada ao grafismo, em que a principal temática é o ambiente.

DSC07999.jpg

Nesta edição, a bienal reparte-se por três locais: o hall dos Paços do Concelho, o Centro de Informação Turística e a Casa da Juventude de Esposende. A inauguração decorreu hoje, ao fim da tarde, na Câmara Municipal, com a abertura da exposição de esculturas, momento marcado por um pequeno concerto e declamação de poesia.

Jorge Braga referiu que a bienal Expoética “pretende sensibilizar a importância das novas gerações como sendo através delas que se fará a inversão da forma como se olha o mundo”. Para o artista/poeta trata-se de “olhar com arte e através da arte”, sendo que “A conquista do mundo em três tempos” diferencia três gerações em três tempos distintos, passado, presente e futuro, com o objetivo de alertar para a necessidade de se tornar o tempo de formação de uma nova geração cada vez mais curto; quando a nova geração era sensibilizada na sua juventude (passado), passa a ser sensibilizada na infância (futuro), estando para isso o sensibilizador (pais, professores, estado, sociedade em geral) obrigatoriamente a viver o presente e a preparar o futuro.

Os outros polos da Expoética abrem amanhã, dia 4 de setembro; às 19h00, no Centro de Informação Turística é inaugurada a exposição de pintura, e, às 21h00, na Casa da Juventude, fica disponível a exposição de esculturas e obras no espaço Polivalente e na arena (zona exterior), onde decorrerá um concerto de jazz.

O Município de Esposende associa-se, uma vez mais, a este evento, numa ótica de valorização e divulgação dos artistas e da cultura do concelho, dando também cumprimento das metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da ONU.

O Presidente da Câmara Municipal, Benjamim Pereira, felicitou Jorge Braga pela iniciativa da bienal, bem como pelo trabalho que vem afirmando no plano cultural, em várias vertentes, agradecendo o seu contributo para o enriquecimento da cultura no concelho. O autarca reiterou que a cultura constitui um ativo da maior relevância para o Município, que tem vindo a afirmar-se cada vez mais.

A VI Expoética estará patente até ao próximo mês de outubro.

DSC08029.jpg

DSC08096.jpg

DSC08135.jpg

SÁ DE MIRANDA NASCEU HÁ 540 ANOS

240611618_4584979004880204_5679054395898881829_n.j

“(…) Quanto ao primeiro, sou üa pobre velha estrangeira, o meu nome é Comédia; mas não cuideis que me haveis por isso de comer, porque eu naci em Grécia, e lá me foi posto o nome (…). Ali vivi muitos anos a grande meu sabor; passaram-me despois a Roma, pera onde então, por mandado da fortuna, corria tudo. (…) despois a grandeza daquele Império que parecia pera nunca acabar, todavia acabou. E assi como a sua queda foi grande, assi levou tudo consigo, ali me perdi eu com muitas das boas artes, e aí jouvemos longo tempo como enterradas, que já quase não havia memória de nós, té que os vizinhos em que duns nos outros ficara algüa lembrança cavaram tanto que nos tornaram à vida, maltratadas porém, e pouco para ver. Agora que já íamos (como dizem) ganhando pés, sentiu-nos logo aquela nossa imiga poderosa, que nos da outra vez destruíra, foi-se lá, pôs outra vez tudo por terra. Bem entendeis que digo pola guerra, imiga de todo bem. Venho fugindo, aqui neste cabo do mundo acho paz, não sei se acharei assossego. (…) Eu trato cousas correntes, sou muito clara. (…) Cuidáveis que não havia de trazer de mulher senão o trajo? Ora vistes que também trouxe a língua. Agora sabei que inda havemos de fazer um caminho longo. (…)”

Os Estrangeiros

Sá de Miranda, autor de cantigas, vilancetes, sonetos e comédias, nasceu neste dia 28 de agosto, no ano de 1481.

Fonte: https://www.facebook.com/egeac/

PONTE DA BARCA RECEBE ENCONTRO LUSO-GALAICO NA PRAÇA DA REPÚBLICA A 23 DE JULHO

No dia 23 de Julho, pelas 21 horas, a Praça da República, em Ponte da Barca, recebe o Encontro Luso-Galaico “Trobadores e Soldadeiras” com a participação do Grupo Coral de Vila Nova de Muia, e do “Ideal Fado”, grupo que desenvolveu projetos musicais com associações concelhias, criando, no âmbito das oficinas de trabalho, novas letras de fado.

Capturartrobad.JPG

Aberto ao público com todas as condições de segurança, cumprindo as recomendações da Direcção-Geral de Saúde, o Encontro Luso-Galaico, Cofinanciado pelo Norte 2020/ FEDER, com a parceria da Fundação Consuelo Vieira da Costa, da Comunidade Intermunicipal do Alto Minho, entre outros, e apoio da autarquia de Ponte da Barca, foca-se no reforço cultural e etnográfico dos dois povos, propondo uma atenção renovada sobre a herança de séculos de uma história comum.

Visa ainda enaltecer a riqueza imaterial da sonoridade e da língua desta região transfronteiriça e reforçar a criação de um esforço coletivo que garanta a expansão deste vasto e interessante património, através da produção de novos temas e interpretações geradas no seio das comunidades locais.

VIANA DO CASTELO: SANTA MARTA SAIAS NEGRAS / TEM VIDRILHOS DE LUAR – FOTO DE ABEL CUNHA

208619746_5077420665605745_7346471971626887626_n.j

A minha terra é Viana

Sou do monte e sou do mar

Só dou o nome de terra

Onde o da minha chegar.

 

Ó minha terra vestida

De cor de folha de rosa

Ó brancos saios de Perre

Vermelhinhos de Areosa

 

Virei costas à Galiza

Voltei-me antes para o mar

Santa Marta saias negras

Tem vidrilhos de luar.

 

Dancei a gota em Carreço

O Verde Gaio em Afife

Dancei-o devagarinho

Como a lei manda bailar

Como a lei manda bailar

 

Dancei em fila a Tirana

E dancei em todo o Minho

E quem diz Minho diz Viana.

 

Virei costas à Galiza

Voltei-me então para o Sul

Santa Marta saias verdes

Deram-lhe o nome de azul.

 

A minha terra é Viana

São estas ruas estreitas

São os navios que partem

E são as pedras que ficam.

È este sol que me abrasa

Este amor que não engana

Estas sombras que me assustam

A minha terra é Viana.

 

Virei costas à Galiza

Pus-me a remar contra o vento

Santa Marta saias rubras

Da cor do meu pensamento.

 

Poema de Pedro Homem de Mello

BARCELOS: CONCURSO "PEQUENOS GRANDES POETAS" JÁ TEM VENCEDORES APURADOS

Iniciativa congregou alunos de Barcelos em volta da poesia

O Município de Barcelos, através da Biblioteca Municipal e da Rede Concelhia de Bibliotecas Escolares, promoveu, nos dias 18 e 19 de junho, no auditório da Biblioteca Municipal de Barcelos, o espetáculo “Pequenos Grandes Poetas”.

barcepoet (2).JPG

O concurso, que contou com a participação de todos os agrupamentos de escolas concelhios nos diferentes graus de ensino, desde o 1.º ciclo ao secundário, num total de 40 alunos, incluiu a modalidade de poema inédito e na modalidade de declamação.

Devido à Covid-19, familiares e encarregados de educação dos alunos não puderam estar presentes no auditório da Biblioteca Municipal, mas aplaudiram entusiasticamente os declamadores no Auditório dos Paços do Concelho, onde a sessão estava a ser transmitida em direto.

No final, a Vereadora do Pelouro da Educação e Cultura entregou os prémios aos vencedores, que constavam de livros, um cheque-prenda e um certificado de participação.

Armandina Saleiro expressou a satisfação do Município pelo sucesso do concurso, afirmando: “É a prova de que o trabalho desenvolvido pelo Pelouro da Educação nos últimos anos, através do esforço dos professores e técnicos ao nível da Rede de Bibliotecas, está a dar frutos”.

Este concurso tem como objetivos promover os hábitos de leitura e de escrita, incentivar o gosto pela poesia e pela escrita criativa e estimular a manifestação artística e a criatividade, sendo dirigido a todos os alunos dos agrupamentos de escolas/escolas não agrupadas do concelho de Barcelos.

Vencedores:

Declamação

Pré-escolar

Gabriela Alves Ferreira e Maria Clara da Silva Pinheiro | Jardim de Infância de Fonte Coberta

1º Ciclo

Sofia Santos Ferreira Viamonte Silveira | Centro Escolar de Viatodos

Tudo ao contrário / Luísa Ducla Soares

2º Ciclo

Francisca Correia Oliveira | Escola Básica Gonçalo Nunes

Non chegou, madre, o meu amigo / Dom Dinis

3º Ciclo

João Bernardo Fernandes | Colégio La Salle

Súplica / Miguel Torga

Ensino Secundário

Camila Martins Guidi | Escola Secundária de Barcelos

Poema em linha reta de Álvaro de Campos

Menção Honrosa Ensino Secundário

Inês Oliveira | Colégio La Salle

Ontem estive no inferno / João Negreiros

Poema Inédito

1º Ciclo

Lucas Cardoso / Eu gosto de ler... | Escola Básica de Aldreu

2º Ciclo

Carolina Alves Apolinário / Leitura sem compromisso | Escola Básica Gonçalo Nunes

3º Ciclo

Cláudia Ferros / Vento | Escola Básica Rosa Ramalho

Ensino Secundário

Marco Filipe Gonçalves Vilas Boas / Sentado contigo à beira deste rio | Escola Secundária de Barcelos

barcepoet (1).JPG

VIANA DO CASTELO HOMENAGEIA ANTÓNIO MANUEL COUTO VIANA

Vencedores da 11ª edição do Prémio Escolar António Manuel Couto Viana anunciados em dia de homenagem ao escritor

No dia em que se assinala o aniversário do falecimento do escritor António Manuel Couto Viana, a Câmara Municipal de Viana do Castelo divulga os vencedores da 11ª edição do Prémio Escolar que foi criado para homenagear a personalidade vianense que foi autor de literatura infantil, poeta, ensaísta, tradutor e dramaturgo.

Cartaz 2021 11 ed.png

Assim, 8 de junho, data da morte de Couto Viana, tem sido a data escolhida para a divulgação dos premiados e assume-se como o dia em que a comunidade educativa vianense, através do Prémio Escolar, se une à Câmara Municipal e à Biblioteca Municipal nesta homenagem à vida e à obra do escritor vianense. A homenagem é traduzida num prémio que tem por finalidade dar a conhecer a obra literária do autor e de premiar produções literárias e artísticas da população infantojuvenil da comunidade escolar vianense sob as modalidades de Conto, de Ensaio, de Ilustração e de Poesia.

Na presente edição foram apresentados à fase final do concurso 63 trabalhos dos alunos das escolas do concelho, públicas e privadas, e o júri deliberou premiar um total de 14 trabalhos, distribuídos pelas várias modalidade e anos de escolaridade.

Na modalidade de CONTO (tema livre), o prémio foi atribuído aos seguintes concorrentes: 1.º Ciclo do Ensino Básico, Tiago de Castro Carvalho, com “O diário”, aluno da EB1 Monserrate, do Agrupamento de Escolas de Monserrate. No 2.º Ciclo do Ensino Básico, foi vencedor Francisco Alves Marinho, com o conto “Doutor Tod”, sendo aluno do Colégio do Minho. No 3.º Ciclo do Ensino Básico, venceu o conto “Agonia, a menina moça”, de Simão Martins Barbosa, da EB2,3/S Pintor José de Brito. No Ensino Secundário foi vencedora Verónica Rodrigues Fernandes, da Escola Secundária de Monserrate, com o conto “"Jorge Jesus"”.

Na modalidade de POESIA (tema livre), o prémio foi atribuído aos seguintes concorrentes: 1.º Ciclo do Ensino Básico, Matilde Fernandes da Silva, da EB1 do Calvário, do Agrupamento de Escolas da Abelheira, com “A escavar é que a gente se entende!”. No 2.º Ciclo do Ensino Básico venceu Sara Gigante Rufo, com a poesia “Sonhar”, sendo aluna do Colégio do Minho. No 3.º Ciclo do Ensino Básico o vencedor foi Guilherme Pinto Correia, da EB2,3 Frei Bartolomeu dos Mártires, do Agrupamento de Escolas de Santa Maria Maior, com “Sentir a primavera”. No Ensino Secundário foi vencedora Maria Inês Dias de Barros, da Escola Secundária de Santa Maria Maior, com “Canto quinto e meio”.

Na modalidade de ENSAIO, o prémio foi atribuído aos trabalhos realizados a partir da obra de António Manuel Couto Viana, de acordo com os seguintes níveis de escolaridade: 2.º Ciclo do Ensino Básico, Afonso Filipe Guedes, com o: “Ensaio sobre O Peixe Risonho” a partir do poema " O peixe risonho" do livro Versos de Cacaracá, da EB2,3 Dr. Pedro Barbosa, do Agrupamento de Escolas de Monserrate. No Ensino Secundário venceu Maria Filipe da Ponte Guedes, com o ensaio “Postais de Viana de António Manuel Couto Viana”, da Escola Secundária de Monserrate.

Na modalidade de ILUSTRAÇÃO, o prémio foi atribuído aos trabalhos realizados a partir da obra de António Manuel Couto Viana, de acordo com os seguintes níveis de escolaridade: 1.º Ciclo do Ensino Básico, Vicente Martins Venda Lira Coelho, com a Ilustração intitulada “Mixórdia de poemas” a partir do livro “Bichos diversos em Versos”, aluno da EB1 Avenida. No 2.º Ciclo do Ensino Básico o vencedor foi Salvador Pires da Silva com a Ilustração a partir do poema "Se fosses… querias ser" do livro “Versos de cacaracá: poesia infantil”, aluno do Colégio do Minho. No 3.º Ciclo do Ensino Básico venceu Helena Feio Garcia com a Ilustração a partir da "Lenda da Serra da Nó" do livro “Lendas do vale do lima”, sendo aluna da EB2,3 Viana do Castelo, do Agrupamento de Escolas da Abelheira. Por fim, no Ensino Secundário a vencedora foi Magda Nery, com a Ilustração a partir do poema "Quem sou eu?"” do livro “Versos de cacaracá: poesia infantil”, da Escola Secundária de Monserrate.

Com esta iniciativa, que conta com o apoio da Editora OPERA OMNIA, a Câmara Municipal, através da sua Biblioteca, procura responder ao apelo do Manifesto da IFLA/UNESCO sobre Bibliotecas Públicas 1994 que defende a biblioteca pública como “porta de acesso local ao conhecimento - fornece as condições básicas para a aprendizagem ao longo da vida, para uma tomada de decisão independente e para o desenvolvimento cultural do indivíduo e dos grupos sociais”.

AMCViana logos.png

AMARES PROMOVE CONFERÊNCIA SOBRE SÁ DE MIRANDA

No âmbito das suas atividades científico-culturais, o Centro de Estudos Mirandinos irá realizar no dia 11 de junho, às 21h30, a videoconferência intitulada "Mandei a todos que falassem português»: As comédias de Sá de Miranda", que será proferida pelo Professor José Camões, investigador principal e professor da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

A inscrição é gratuita mas obrigatória através do link https://forms.gle/XtpRHUcAddAE91rP6 ou através dos contactos do CEM (cem@biblioamares.pt ou 253995182).

A conferência realizar-se-á através da plataforma Microsoft Teams.

Sá de Mirandaamares.jpg

PINTORA SÍLVIA MOTA LOPES EXPÕE EM AMARES "PINTAR COM POESIA"

Exposição de 5 junho a 10 julho

“Pintar com poesia – Devaneios, palavras, traços e cor” de Sílvia Mota Lopes

Esta exposição conta com trinta e duas pinturas referentes a trinta e dois poetas onde estão incluídas duas telas alusivas a autores de Amares, uma de Francisco de Sá de Miranda e outra de António Variações.

IMG_7266.JPG

Sílvia Mota Lopes é uma artista multifacetada, onde a pintura, a escrita, a ilustração e a música completam o seu trabalho artístico.

A exposição estará patente ao público na Biblioteca Municipal de Amares, de 5 de junho a 10 de julho, no horário da biblioteca.

A inauguração da exposição será realizada no dia 5 de junho (sábado) às 16h e conta com a com a apresentação da obra poética de Francisco de Sá de Miranda, por Sérgio Guimarães de Sousa, e alguns momentos musicais a cargo de Luís Capela e Narciso Fernandes.

1200.jpg

RTP – ANTENA 2 EVOCA POETA LIMIANO ANTÓNIO FEIJÓ – NASCEU HÁ 162 ANOS!

O poeta António Feijó nasceu neste dia, em 1859, em Braga. Estudou Direito e trabalhou como diplomata no Brasil, na Dinamarca e na Suécia, onde viria a morrer. Publicou várias obras desde o início da década de 1880 até praticamente às vésperas da sua morte, frequentemente marcadas pela temática da morte e da saudade e por um sentimento de desencanto e de pessimismo. António Feijó é recordado como um dos grandes poetas do Parnasianismo português e um dos vultos incontornáveis da poesia da transição do século XIX para o século XX.

194474234_10159082068225734_8019625147857321213_n.

CERVEIRA COMEMORA O 25 DE ABRIL

‘25 de Abril’ assinalado simbolicamente com recital de poesia

Pela importância histórica da efeméride em prol da liberdade e da democracia, a Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira não vai deixar passar em branco o 47º aniversário da ‘Revolução do Cravos’.

25 abril -2021.png

Simbólica e comedida. Dando cumprimento às diretrizes emanadas pela Direção-Geral de Saúde de contenção da pandemia Covid-19, a comemoração inicia às 9h30, nos Paços do Concelho, com o tradicional Hastear das Bandeiras ao som do Hino Nacional, Hino de Cerveira e Grândola Vila Morena interpretados pela Academia de Música Fernandes Fão.

Criando um momento intergeracional, algumas crianças e jovens do Agrupamento de Escuteiros de Campos vão protagonizar um breve, mas memorável Recital de Poesia alusiva ao 25 de Abril.

AMARES EVOCA FRANCISCO DE SÁ DE MIRANDA

Francisco de Sá de Miranda foi um dos vultos estelares da literatura portuguesa. Profundamente admirado pelas principais vozes poéticas do seu tempo, devemos a Sá de Miranda não somente a introdução do dolce stil nuovo em Portugal, mas também uma obra valiosíssima para se perceber a constelação cultural do Renascimento.

1_TukIzGics0OhdQQd6vSE7A.jpeg

O Centro de Estudos Mirandinos (CEM) está a organizar o Colóquio Internacional Repensar Sá de Miranda e o Renascimento, que terá lugar online nos dias 29 e 30 de abril de 2021. Visa-se com este colóquio revisitar criticamente a obra do grande escritor, nas suas várias modalidades expressivas e na riqueza dos caminhos temáticos que nela se percorrem, bem como analisar, em sede tanto filosófica como estética, o Renascimento enquanto expressão de uma nova forma de conceber e ver o mundo. Está prevista a publicação de um volume com as comunicações do evento e uma arbitragem científica por pares para esse efeito.

O colóquio está certificado na dimensão científica pedagógica (específica) para os grupos de docentes 200, 210, 220, 300, 400, 410, pelo Centro de Formação do Alto Cávado.

Pode consultar o PROGRAMA em: https://drive.google.com/.../1CZgKj7OWDWXTY5eGX5N.../view...

Comissão Organizadora:

Sérgio Guimarães de Sousa (Universidade do Minho)

João Paulo Braga (Universidade Católica)

Luciana Braga (Centro de Estudos Mirandinos)

Anabela Costa (Biblioteca Francisco de Sá de Miranda)

Vai ser lançada Obra Completa de Francisco de Sá de Miranda

Foi recentemente publicada a Obra Completa de Francisco de Sá de Miranda, numa parceria entre a editora Assírio & Alvim e a Câmara Municipal de Amares, através do Centro de Estudos Mirandinos. O volume de 680 páginas foi organizado por Sérgio Guimarães de Sousa (Diretor do Centro de Estudos Mirandinos), João Paulo Braga (Universidade Católica) e Luciana Braga (Centro de Estudos Mirandinos). Os organizadores, além de procederem ao estabelecimento de texto, recorrendo às primeiras edições da obra mirandina (sobretudo a de 1595 e a de 1614), apetrecharam o livro com centenas de notas explicativas, de modo a facilitar a compreensão do texto do poeta do Neiva. A obra vai ser apresentada no dia 5 de maio, às 11h0, na Casa da Tapada (Fiscal – Amares).

800px-Azulejos_Casa_do_Barreiro.jpg

Poema de Sá de Miranda em Azulejos na Casa do Barreiro, Gemieira, Ponte de Lima.

Capturarsamir1.JPG

Capturarsamir2.JPG

Capturarsamir3.JPG

Capturarsamir4.JPG

Capturarsamir5.JPG

TERRAS DE BOURO PROMOVE A POESIA

Apresentação e oferta aos alunos do livro de poemas “Palavras em verso” e do livro de atividades da Educação Literária do Plano Nacional de Leitura

No âmbito do projeto “Ter + Sucesso na leitura e na escrita”, projeto da responsabilidade da autarquia, a professora bibliotecária do  agrupamento de escolas elaborou um livro de apoio à exploração de algumas obras da Educação Literária e do Plano Nacional de Leitura – A vida mágica da sementinha, A fada Oriana, A viúva e o papagaio, Os heróis do 6ºF, Ulisses, Pedro Alecrim e Rosa, minha irmã Rosa.

IMG_2849.JPG

A senhora Vereadora da Educação, Dr.ª Ana Genoveva Araújo, esteve presente no dia 9 de Abril na Escola Básica de Rio Caldo e no dia 14 de Abril  na Escola Básica e Secundária de Terras de Bouro, para realizar a oferta do livro “Palavras em verso” a todos os alunos que aceitaram o desafio de escreverem um poema e a oferta do livro de atividades da Educação Literária e do Plano Nacional de Leitura a todos os alunos do 2º ciclo.

O prefácio do livro foi escrito pela Sra. Vereadora que aproveitou o ensejo para agradecer a todos os alunos a participação, assim como lhes pediu que façam do livro o seu melhor amigo, incentivando os alunos a lerem.

O livro de poemas “Palavras em verso” apresenta a compilação de poemas elaborados pelos alunos do segundo e terceiros ciclos e secundário do nosso agrupamento, em resposta ao desafio lançado na Semana da Leitura 2020 (ano letivo 2019/2020). Desafio esse que incitou os alunos a escreverem um poema original. A elaboração dos poemas pelos alunos contribuiu, sem qualquer dúvida, para o treino das competências de escrita e para a aplicação de conhecimentos adquiridos nas aulas de Português.

Por sua vez, o livro de atividades permitirá aos alunos, do 2º ciclo, o maior conhecimento das obras, a aplicação dos conhecimentos adquiridos nas aulas de Português e nas oficinas de leitura e de escrita com a professora e contadora de histórias Estefânia Surreira.

IMG_2860.JPG

IMG_2873.JPG

IMG_2883.JPG

IMG_2948.JPG

IMG_2955.JPG

IMG_2891.JPG

BIBLIOTECA MUNICIPAL DE VILA VERDE ACOLHE EXPOSIÇÃO COM MAIS DE TRINTA ILUSTRAÇÕES INSPIRADAS EM TEXTOS DE POETAS PORTUGUESES

«Esta mostra visa "dar voz" e conceder o devido relevo à arte e à poesia e promover o acesso das pessoas a uma grande diversidade de manifestações artísticas»

171701216_3745144005611750_2415671689316324887_n.j

Decorreu esta tarde, na Biblioteca Municipal de Vila Verde, a inauguração da Exposição de Sílvia Mota Lopes, "Pintar com Poesia- devaneios, palavras, traços e cor".

A partir de textos de poetas lusófonos, a artista Sílvia Mota Lopes criou um mundo de cor e sensações que mostram como a poesia é uma porta para a livre criação e permite expandir os horizontes das palavras.

A mostra catalogada, patente até 30 de abril, ilustra e recria trabalhos de 32 poetas, a que se juntam cinco autores vilaverdenses vivos e uma das maiores figuras da história do concelho, o patrono da Biblioteca Municipal de Vila Verde, Álvaro da Costa Machado Vilela.

Com este quadro, o Município de Vila Verde inaugura, na abertura desta exposição, a primeira das 25 iniciativas de celebração dos 25 anos dedicada à evocação de Machado Vilela.

171550767_3745144132278404_3018845000111883686_n.j

172226358_3745144718945012_7766285185026116122_n.j

171717513_3745144728945011_559541319810899012_n.jp

171520815_3745144395611711_6521775676572211158_n.j

171753351_3745144018945082_2290541017060018628_n.j

171849353_3745144845611666_2544926388597004399_n.j

171963812_3745144145611736_8812983104787307069_n.j

171430287_3745144382278379_7830252525150686817_n.j

O MINHO E A GALIZA – JOÃO VERDE E AMADOR SAAVEDRA

João Verde, pseudónimo de José Rodrigues Vale, poeta maior das letras monçanenses, nasceu em 1866, no Largo da Palma, e faleceu em 1934, na “Casa do Arco”, Rua Conselheiro Adriano Machado, conhecida localmente como Rua Direita.

JoaoVerde.jpg

São da sua lavra estes versos:

“Vendo-os assim tão pertinho,

A Galiza mail'o o Minho

São como dois namorados

Que o rio traz separados

Quasi desde o nascimento.

Deixalos, pois, namorar

Já que os pais para casar

Lhes não dão consentimento.”

Na outra margem do rio Minho – da vizinha e irmã Galiza – replicou o poeta galego Amador Saavedra que respondeu nos seguintes termos:

 “Se Dios os fixo de cote

Um p’ra outro e teñem dote

Em terras emparexadas,

Pol'a mesma auga regadas

Com ou sem consentimento

D'os pais o tempo a chegar

Em que teñam que pensar

Em facer o casamento.”

BRAGA COMEMORA DIA MUNDIAL DA POESIA

Programa Comemorativo do Dia Mundial da Poesia 

Iniciativa “Onde tu quiseres…” relembra vida e obra de Sebastião Alba

Março é o mês da poesia em Braga. O Município de Braga e a Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva propõem um conjunto de iniciativas culturais que pretendem celebrar as palavras, poemas e versos e que nos possibilitem viajar mesmo estando em casa.

cartaz aondetuquiseres.jpg

Com a iniciativa “Onde tu quiseres - momentos poéticos sem tempo nem espaço”, o Município de Braga relembrará a vida e obra de Sebastião Alba com a produção de um conjunto de vídeos gravados em múltiplos espaços marcantes da cidade que apresentarão uma selecção de poemas do poeta bracarense, tido por muitos dos seus pares como um dos mais relevantes da poesia portuguesa do séc. XX.  O programa completo pode ser consultado em: https://bit.ly/3bgWQ6O

Estes vídeos-poemas “Sebastião Alba, querido poeta…” foram realizados pelo PIF’H (Produções Ilimitadas Fora D’Horas) e contam com a coordenação artística de José Miguel Braga. Serão partilhados entre 16 e 20 de Março na página de Facebook do Município de Braga, às 19h00. No Domingo, dia 21 de Março, às 11h00, o registo da conversa informal entre José Miguel Braga e Amadeu Santos abordará as histórias e vivências de Sebastião Alba e a sua relação com a Cidade em que viveu. 

Um dos outros destaques da iniciativa “Onde tu quiseres - momentos poéticos sem tempo nem espaço” será a experiência sonora “Olá! Daqui quem fala é a Poesia”, produzida pela Academia de Teatro Tin.Bra, em que se fará a leitura de poemas ao vivo através de telefone ou através de mensagens de áudio via WhatsApp. Esses contactos serão realizados entre 18 e 21 de Março, em horários a definir no momento da inscrição. Para ouvir ou oferecer os poemas, será necessária uma inscrição prévia, que será possibilitada, em formulários próprios, até 12 de Março. 

Como a poesia é para todas as idades, os mais pequenos também têm lugar nesta programação. Para eles reservamos duas oficinas poéticas aos domingos, dinamizadas por Pedro Seromenho. Através da plataforma Zoom, o jogo com as palavras servirá de mote para momentos de criatividade e diversão. Para todos os interessados em Poesia, será proporcionada a “Oficina de Escrita Poética”, com Nuno Júdice, um dos mais importantes nomes da poesia portuguesa contemporânea. Estas actividades gratuitas têm limite de participantes e carecem de inscrição prévia.

Também a Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva (BLCS) mostrará como a “poesia é o melhor remédio”. De 1 a 31 de Março, a BLCS incentiva todos os seus leitores a fazer o empréstimo domiciliário extra de um quarto livro, de um poeta ao seu gosto, para leitura domiciliária durante três semanas.  

Serão propostas diferentes actividades referidas à Poesia, desde a apresentação de livros e autores; conversas, palestras e conferências, até outras actividades dirigidas ao público infanto-juvenil, às famílias e à comunidade em geral, nomeadamente a 12ª edição do concurso literário “Encontros de Poesia” que decorrerá até ao dia 9 de Março. Todas as informações estão disponíveis nas redes sociais e no site da Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva.