Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

MUNICÍPIO DE VIEIRA DO MINHO TEM CANDIDATURAS ABERTAS PARA APOIO À PRODUÇÃO PECUÁRIA

O Município de Vieira do Minho continua a reforçar as medidas de apoio à produção pecuária, auxiliando os produtores deste setor com os custos de produção e, principalmente, com os custos associados à saúde animal, bem como o incentivo à criação de raças autóctones.

Os apoios concedidos à criação de raças autóctones são destinados a produtores de bovinos (raças barrosã, minhota e cachena), equinos (raça garrana, ovinos (raças bordaleira e churra), caprinos (raça bravia), suínos (raça bísara), galináceos (raças pedrês portuguesa, preta lusitana, amarela e branca).

Podem beneficiar deste apoio produtores que possuam explorações sediadas no concelho de Vieira do Minho.

O Município de Vieira do Minho informa que os produtores pecuários devem até 31 de junho, apresentar a sua candidatura nos serviços municipais.

Para mais informações os interessados devem dirigir-se ao Gabinete de Atendimento ao Munícipe da Câmara Municipal.

Pode ainda consultar o regulamento disponível em https://cm-vminho.pt/.../Regul-apoio-producao-pecuaria.pdf.

produção_pecuária.jpg

MELGAÇO REFORÇA MEDIDAS DE APOIO À PRODUÇÃO PECUÁRIA

me (2).jpg

Produtores de suínos e de fumeiro podem agora usufruir dos auxílios, juntamente com os de bovinos, caprinos e ovinos

O Município de Melgaço volta a reforçar as medidas de apoio à produção pecuária, com o intuito de alavancar o aumento da produção, mas também a criação de produtos diferenciados e de valor acrescentado. Em 2024, a autarquia melgacense revigorou as ajudas ao setor: os produtores de suínos e de fumeiro, com explorações sediadas no concelho de Melgaço, juntam-se à lista de destinatários das ajudas designadas a produtores de bovinos, caprinos e ovinos.

A autarquia auxilia os produtores deste setor com os custos de produção e, principalmente, com os custos associados à saúde e higiene animal que os mesmos se vêm legalmente obrigados a cumprir e que representam um contributo importantíssimo para a manutenção da saúde pública e da segurança alimentar.

O apoio financeiro ao setor é agora realizado de cinco formas distintas, consoante a natureza da exploração pecuária, sendo consideradas elegíveis as seguintes:

  1. Exploração de cria de bovinos para produção de carne ou leite;
  2. Exploração de engorda de bovinos;
  3. Exploração de pequenos ruminantes (caprinos e ovinos);
  4. Exploração de suínos;
  5. Produção de fumeiro. 

Para os efeitos da candidatura, o produtor deverá reunir cumulativamente os seguintes requisitos

  • Ser titular de exploração agropecuária no concelho de Melgaço e/ou estabelecimento de transformação de carnes para fumeiro;
  • Ser proprietário dos efetivos bovinos, ovinos, caprinos e suínos, quando aplicável;
  • Ter cumprido anualmente, nos seus efetivos animais, todas as obrigações legais, em termos sanitários;
  • Possuir documentos comprovativos do registo do animal e exploração e comprovar, sempre que o Município o imponha, que respeita as normas obrigatórias de saúde pública, registo animal,  sanidade animal, higiene pública veterinária, segurança alimentar, bem -estar animal e respeito pelo  ambiente, nomeadamente, entre outros, através do PISA — Programa Informático de Sanidade  Animal, SNIRA — Serviço Nacional de Identificação e Registo Animal, iDigital, RED — Registo  de existências e deslocações, comprovativo de vacinação contra a doença de Aujewsky, guias de  circulação e comprovativo de abate em matadouro;
  • Ter a sua situação tributária e contributiva regularizada perante, respetivamente, a administração fiscal e a segurança social;
  • Ter a sua situação regularizada perante o Município de Melgaço. 

As candidaturas deverão ser entregues nos serviços de atendimento da Câmara Municipal de Melgaço, apresentando o formulário disponibilizado no Balcão Único ou nos serviços online, acompanhado dos seguintes documentos:

  • Declaração de efetivo relativo ao ano imediatamente anterior, através de lista SNIRA — Serviço Nacional de Identificação e Registo Animal para os bovinos, iDigital para os pequenos ruminantes e RED — Registo de existências e deslocações para os suínos;
  • Declaração da OPP — Organização de produtores pecuários, a atestar que a sanidade foi realizada durante o ano a que diz respeito o apoio financeiro (exploração de bovinos e pequenos ruminantes);
  • Declaração de vacinação contra a doença de Aujewsky e estatuto sanitário da exploração (exploração de suínos);
  • Guia de circulação e fatura de abate em matadouro (produção de fumeiro);
  • Licença do estabelecimento industrial de transformação de carnes para fumeiro (produção de fumeiro);
  • Declaração de não dívida à Administração Fiscal e Segurança Social;
  • Entrega de comprovativo bancário/IBAN do requerente.

CANDIDATURAS A DECORRER: ATÉ DIA 28 DE FEVEREIRO

As candidaturas terão, obrigatoriamente, de ser referentes ao efetivo animal, ou abates, do ano imediatamente anterior, sendo que o prazo de submissão das mesmas decorrerá, sempre, entre os dias 1 e 28 de fevereiro do ano seguinte àquele a que o subsídio disser respeito.

O montante anual do apoio a atribuir a cada produtor pecuário do concelho de Melgaço é calculado, segundo a tipologia de cada exploração, da seguinte forma:

  1. Exploração de cria de bovinos para produção de carne ou leite:
  • 50€ por cabeça nascida e registada.
  1. Exploração de engorda de bovinos:
  • 100 % por cabeça, do custo com a ação anual de controlo da sanidade animal, consoante estabelecido pelos planos de vigilância, controlo e erradicação, estabelecidos pela Direção Geral de Alimentação e Veterinária para o concelho de Melgaço.
  1. Exploração de pequenos ruminantes (caprinos e ovinos):
  • 100 % por cabeça, do custo com a ação anual de controlo da sanidade animal, consoante estabelecido pelos planos de vigilância, controlo e erradicação, estabelecidos pela Direção Geral de Alimentação e Veterinária para o concelho de Melgaço;
  • 100 % por cabeça, do custo associado ao registo e identificação animal.
  1. Exploração de suínos:
  • 20€ por fêmea reprodutora registada e em cumprimento com as obrigações legais de sanidade e saúde animal;
  • 15€ por macho reprodutor registado e em cumprimento com as obrigações legais de sanidade e saúde animal.
  1. Produção de fumeiro:
  • 30€ por engordas abatidas em matadouro.

O Município de Melgaço pode, a qualquer momento, e sempre que o julgue necessário, verificar o cumprimento dos termos do presente Regulamento por parte do produtor, podendo suspender o pagamento do apoio financeiro, caso verifique anomalias que o justifiquem.

Regulamento disponível aqui!

me (1).jpg

PS/FAMALICÃO: EDUARDO OLIVEIRA ALERTA PARA AS DIFICULDADES ENFRENTADAS PELOS PRODUTORES DE LEITE

“Nos últimos anos, os preços de praticamente todos os fatores de produção aumentaram. Por exemplo, a ração dobrou, as palhas e os adubos triplicaram, mas o preço do litro do leite tem diminuído. Recentemente passou de 60 cêntimos para 46 cêntimos”. A afirmação é do deputado Eduardo Oliveira e foi feita no Parlamento esta quarta-feira, 8 de novembro.

EduardoOliveira_interpelacaoMinistraAgriculturaAlimentacao.jpeg

O deputado socialista interpelou Maria do Céu Antunes, Ministra da Agricultura e da Alimentação, durante o debate do Orçamento de Estado, alertando para as dificuldades que têm sido enfrentadas pelos produtores de leite. 

Citando como exemplo o caso do senhor Manuel Loureiro, da freguesia de Fradelos, no concelho de Vila Nova de Famalicão, Eduardo Oliveira destaca que “é importante preservar e motivar os nossos agricultores que nos dão diariamente a riqueza produzida pela natureza”.

“Manuel Loureiro tem um negócio de família. Todos dias ele e a sua filha se levantam pelas 5h30 para extraírem leite das suas 80 vacas, alimentam os animais, preparam as camas, até lhes dão música. Têm de cumprir e, muito bem, com todas as regras estabelecidas para o bem-estar animal”, refere Eduardo Oliveira, salientando os produtores de leite estão a enfrentar uma dupla carga de problemas, por um lado, o aumento dos custos de produção, por outro, a descida do preço do leite. 

O deputado considera que as dificuldades enfrentadas pelos produtores de leite levam a que “os jovens cada vez mais se afastem da agricultura”. Nesse sentido, Eduardo Oliveira perguntou à Ministra da Agricultura e da Alimentação, qual a estratégia que pensa pôr em prática para que os produtores possam ter uma margem maior no litro de leite visto que as despesas com a produção quase triplicaram nos últimos anos.

O deputado questionou também “porque é que a margem de lucro das grandes cadeias de hipermercados é superior à dos agricultores, quando as despesas com a produção são dos agricultores”.

MUNICÍPIO DE VIEIRA DO MINHO APOIA PRODUTORES DE RAÇAS AUTÓCTONES

No âmbito do Programa de Apoio à Produção Pecuária aprovado, recentemente, pelo Município de Vieira do Minho, a Autarquia informa que já se encontra em vigor o pagamento aos produtores pecuários de raças autóctones.

Capturarpecu (1).JPG

Os criadores do concelho já podem requerer, junto da Autarquia, o prémio por cada cria nascida em território concelhio.

A medida aplica-se aos produtores das seguintes raças: bovinos de raça barrosã, minhota e cachena; equinos de raça garrana; ovinos de raça bordaleira e churra; caprinos de raça bravia; suínos de raça bísara e galináceos das raças pedrês portuguesa, preta lusitana, amarela e branca.

Trata-se de uma medida de apoio à produção pecuária de raças autóctones, evitando assim a sua extinção, e que fomenta a sustentabilidade do meio ambiente e promove a preservação de um património identitário que também assume a vertente turístico-gastronómica.

Com a atribuição deste apoio a Autarquia continua a sua aposta no desenvolvimento da agricultura do concelho, permitindo, desta forma, a continuidade e a expansão de uma das atividades económicas mais importantes do concelho.

PONTE DE LIMA: GADO BARROSÃO É EMBLEMÁTICO DO MINHO – FOTOS DE ABÍLIO COSTA

CapturarV2 (10).JPG

O boi barrosão – também conhecido por pisco – é um animal possante que facilmente se distingue pela sua enorme barbela e grandes hastes, chegando a pesar com frequência mais de quatrocentos quilos. Em virtude de ter sido durante muito tempo empregue nos trabalhos da lavoura, veio a tornar-se num dos cartazes emblemáticos da região de Entre-o-Douro-e-Minho, sendo a sua carne muito apreciada por se alimentar sobretudo dos pastos nos lameiros do Soajo e do vale do Lima.

CapturarV3 (17).JPG

CapturarV1 (15).JPG

MUNICÍPIO ARCUENSE APOIA PRODUÇÃO PECUÁRIA

Para a Autarquia o desenvolvimento rural é um dos pilares do desenvolvimento sustentável, por isso tem vindo a promover várias iniciativas de valorização e promoção do mundo rural.

protocolo cooperativa (1).JPG

Neste sentido, a Câmara Municipal renovou o Protocolo de Colaboração com a Cooperativa Agrícola de Arcos de Valdevez destinado ao fomento da Produção Pecuária no concelho de Arcos de Valdevez.

Este acordo, no valor de 54 500,00€ prevê um apoio financeiro aos agricultores de 50% dos custos com a vacinação dos bovinos, ovinos e caprinos. Atualmente este protocolo abrange perto de 17.000 efetivos de bovinos, caprinos e ovinos, e envolve cerca de 1000 explorações agrícolas.

Para João Esteves, Presidente da Câmara Municipal esta parceria reveste-se de total importância pois é uma forma de dinamizar o mundo rural, a economia local, criar emprego e contribuir para a fixação de pessoas no concelho.

protocolo cooperativa2.JPG

protocolo cooperativa3.JPG

PONTE DE LIMA PROMOVE RAÇA FRÍSIA

Feira 100% Agrolimiano e Concurso Regional da Raça Frísia em Ponte de Lima de 18 e 19 de março

O Município de Ponte de Lima promove no próximo fim de semana de 18 a 19 de março a Feira 100% Agrolimiano, no Pavilhão de Feiras e Exposições de Ponte de Lima.

A inauguração do evento será presidida pelo Secretário de Estado da Agricultura, Eng.º Gonçalo Rodrigues no sábado, dia 18 de março às 11 horas.

O objetivo desta iniciativa é mostrar, divulgar e promover o que de melhor se produz no setor agroalimentar em Ponte de Lima, sendo esta uma das áreas que mais se tem desenvolvido nos últimos anos, devido a uma maior valorização por parte dos empresários nos recursos endógenos, criando assim novos postos de trabalho e surgindo novos negócios, com produtos inovadores e de excelente qualidade.

Durante os dois dias de duração do evento, serão apresentados e expostos vários produtos produzidos ou transformados no concelho, tais como, mel, sidra, vinho verde, enchidos e fumados, fruta, hortícolas, carne, leite, entre outros, tipicamente limianos.

Nesta edição da Feira 100% Agrolimiano, para além de animação musical, provas de vinhos, workshops e showcookings, serão realizados no dia 18 de março, às 14h00 os IV Agrojogos Limianos, organizados pela Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Ponte de Lima, e no dia 19 de março, às 14h00, o X Concurso Regional da Raça Frísia do Alto Minho.

Referência ainda para a atividade agendada para o sábado de manhã, um workshop de apresentação de cavalos em eventos equestres, enquadrando – se na temática dos eventos equestres que o Municipio dinamiza ao longo do ano.

Com um programa abrangente, dirigido não só a profissionais, mas também ao público em geral, a IV Feira 100% Agrolimiano pretende atrair profissionais, distribuidores, empresários e consumidores para a excelência do mundo rural de Ponte de Lima.

Agrolimiano23_ConcursoFrisia_cartaz_prev_v2.jpg

EXECUTIVO VIEIRENSE APROVA REGULAMENTO DE APOIO À PRODUÇÃO PECUÁRIA DE RAÇAS AUTÓCTONES

O Executivo Vieirense aprovou, hoje, em Reunião de Câmara o “Regulamento de Apoio à Produção Pecuária de Raças Autóctones”.

Capturarvmpecuaria (2).JPG

O Executivo Municipal aprovou este regulamento por entender que a produção pecuária de raças autóctones é muito importante para evitar a extinção das raças autóctones, para a sustentabilidade do meio ambiente e para a promoção e preservação de um património identitário que também assume a vertente turística e gastronómica.

Por reconhecer que a agricultura e a pecuária são dois setores basilares para a economia local e para o desenvolvimento económico do concelho, sendo muitos os agregados familiares vieirenses que dependem da produção pecuária para a sua sustentabilidade.

Pesou, também na decisão, o facto do Executivo vieirense ter assumido este compromisso com os agricutores vieirenses.

Neste sentido, e segundo o artigo 1º do respectivo regulamento, o Município vai apoiar a defesa e preservação das raças autóctones barrosã e garrana atribuindo o seguinte prémio por cada cria nascida em território concelhio: até 5 nascimentos será atribuído um valor de 40 euros por cada nascimento; de 6 a 20 nascimentos será atribuído um valor de 30 euros por cada nascimento; e para mais de 20 nascimento será atribuído um valor de 20 euros por cada nascimento.

Com a implementação desta medida, O Executivo está empenhado em preservar e proteger esta marca identitária comum, defendendo a sua preservação e apoiando os produtores locais que com grande esforço continuam a permitir que tal património não se perca.

GUIMARÃES: CREIXOMIL REALIZA CONCURSO PECUÁRIO

As Festas em Honra da Senhora da Luz estão de volta a Creixomil. Esta sexta-feira decorreu o concurso pecuário com a entrega de prémios.

As comemorações prosseguem sábado com uma arruada do grupo de bombos, gincana de tractores e prova de esforço, no campo da Pisca. Há ainda despique de bombos, missa na Capela da Senhora da Luz, seguida da procissão de velas até à Capela de S. Lázaro.

Domingo, às 10h00, realiza-se a procissão e, às 15h00, espetáculo de folclore.

278775155_294641456192070_647661365022309292_n.jpg

278809341_294641816192034_6773583407311475356_n.jp

278812509_294642229525326_3704640338444635010_n.jp

MUNICÍPIO VIANENSE COMPARTICIPA DESPESAS DE SANIDADE ANIMAL PARA EVITAR ENCERRAMENTO DE EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS E PECUÁRIAS

O executivo municipal aprovou, em reunião ordinária, uma proposta de comparticipação de despesas relacionadas com a sanidade animal para evitar o encerramento de explorações agrícolas e pecuárias.

montaria 2.jpg

“A Cooperativa Agrícola de Viana do Castelo (CAVVC) sinalizou junto do Município de Viana do Castelo as dificuldades sentidas nos últimos anos, onde se destaca o aumento do preço dos produtos, com maior incidência no aumento dos combustíveis, colocando os produtores agrícolas numa situação de fragilidade, uma vez que o valor das suas produções agrícolas não acompanhou o aumento generalizado destes preços”, refere o documento. “Face a esta situação de insustentabilidade financeira para o agricultor, existe uma grande probabilidade de encerramento das explorações agrícolas e pecuárias da nossa região”, é indicado.

Assim, “por forma a evitar o encerramento de atividades agrícolas e por forma a manter e robustecer as explorações existentes, a Cooperativa Agrícola solicitou ao Município colaboração financeira nas despesas relacionadas com as ações de sanidade animal, das quais os produtores poderão beneficiar”.

“A sanidade animal envolve um trabalho de prevenção, planeamento e cuidados com a qualidade de vida dos animais, para que a produção seja maior e melhor, já que animais saudáveis garantem a qualidade da cadeia do setor pecuário e ainda protegem a saúde pública e o meio ambiente”, é realçado.

O Município vai, pois, apoiar a CAVVC com 2.500 euros por mês, num apoio global de 22.500 euros por ano, “dada a importância que o sector primário assume na nossa região e por forma a garantir as medidas necessárias para a manutenção dos trabalhadores agrícolas de Viana do Castelo”.

De acordo com a proposta apresentada pela Vereadora dos Serviços Urbanos, Carlota Borges, a Cooperativa Agrícola é a delegação responsável que visa dar apoio aos profissionais do setor agrícola no concelho vianense e presta, de forma direta, serviços técnicos e sanitários aos agricultores locais, nomeadamente no que se refere à erradicação de doenças que possam criar um grau de perigosidade à saúde pública sendo, por isso, alvo de ação por parte deste organismo, das quais são executadas ações que promovam a sanidade animal.