Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

PAREDES DE COURA: PADORNELO FESTEJA 32 ANOS DE ACTIVIDADE DA SUA ASSOCIAÇÃO CULTURAL, RECREATIVA E DESPORTIVA

Comemorações do XXXII aniversário da Associação Cultural Recreativa e Desportiva de Padornelo – Paredes de Coura.

No próximo dia 17 de março, pelas quinze horas realiza-se a XIII edição do “Acordes de Primavera”, evento dedicado à musica popular portuguesa. Na edição do corrente ano, além da participação do grupo anfitrião, a Associação Cultural de Padornelo, conta com a colaboração do Grupo de Recolha e Divulgação da Música Popular de Sátão – Viseu e do grupo de Musica Popular “Os Teimosos” do vizinho concelho de Monção. O evento será finalizado com um lanche convívio entre todos os participantes e espectadores presentes.

CARTAZ ACORDES.jpg

No sábado, dia 30 de março, realiza-se mais uma edição do concurso "Conhecei a Nossa Terra", na sede da Associação Cultural Recreativa e Desportiva de Padornelo, Paredes de Coura. Esta edição conta com a participação da Associação Cultural de Ferreira, como equipa convidada.

A primeira parte será meramente teórica com um questionário sobre a cultural Courense de autoria do Dr. Aníbal Almeida, Técnico Superior do Município de Paredes de Coura.  Perante o público e perante o júri, nove elementos de cada equipa terão que provar que conhecem de cor e salteado o texto apresentado às duas equipas, respondendo acertadamente a quinze perguntas.

Depois, inicia-se a parte prática, durante a qual cada equipa terá que apresentar uma canção, uma entrevista, uma dança e uma peça de teatro, submetendo-se, agora de uma forma mais rigorosa, à apreciação crítica de um painel de jurados.

O concurso "Conhecei a Nossa Terra" é um dos marcos culturais desta Associação, pelo que as expectativas para esta edição estão ao rubro, muito também pela qualidade das duas Associações envolvidas.

A Associação anfitriã espera casa cheia, como habitual, para este espetáculo-convívio. Apareçam!

Cartaz_Concurso.jpg

PAREDES DE COURA PROMOVE PAISAGEM

‘Viagens Na Minha Terra’. Laboratório de fotografia | Paredes de Coura

A matéria imagética proporcionada pela Paisagem de Paredes de Coura, bem como as ligações de afinidade criadas entre a dimensão do território, da palavra e da imagem são o ponto de partida para o laboratório de fotografia ‘Viagens Na Minha Terra’, integrado no pré-programa do REALIZAR:poesia 2019 que acontece em Paredes de Coura.

DAN20120815_paredes-de-coura.jpg

Nesta ‘masterclass’ com Augusto Brázio e Nelson d’Aires, que decorre ao longo de oito datas até 31 de março e com o apoio do Município de Paredes de Coura, serão realizados e selecionados trabalhos dos formandos fotógrafos, para serem posteriormente apresentados ao público num evento integrado na programação do REALIZAR:poesia 2019.

O programa do laboratório parte de um conjunto de assuntos determinantes para a produção fotográfica e de um projeto pessoal. Cada assunto será lecionado pelos fotógrafos Augusto Brázio e Nelson d’Aires, de acordo com a sua reconhecida experiência nos âmbitos temáticos a desenvolver.

A juntar à possibilidade de compreender os aspetos próprios da fotografia, o conjunto das sessões do laboratório permitirá a construção de projetos pessoais, reforçados pelo contacto e pela partilha permanentes entre os formandos e os fotógrafos autores envolvidos neste programa.

Entre todos os formandos serão selecionadas fotografias, que posteriormente serão entregues a alguns dos poetas que passarão pelo REALIZAR:poesia, para que estes desenvolvam matéria literária a partir das fotografias escolhidas. A apresentação pública das fotografias, com leitura dos poemas, acontecerá num evento que fará parte da programação do REALIZAR:poesia 2019, a acontecer entre os dias 25 e 28 de Abril.

Recorde-se que Paredes de Coura é o primeiro e único município do país até ao momento a dispor de um Plano de Paisagem, que depois de já ter sido apresentado no “European Landscape Forum 2018 – Civilscape”, na Alemanha, perante o auditório internacional no Conselho da Europa do qual faziam parte Michel Prieur e Michael Dower, ambos redatores da atual Convenção Europeia da Paisagem, foi também mais recentemente distinguida com a menção honrosa no âmbito do Prémio Nacional de Paisagem atribuído pelo Ministério do Ambiente.

FLORINHAS DO ALTO MINHO ENSAIAM NO ALGUEIRÃO, NO CONCELHO DE SINTRA

O Grupo Folclórico As Florinhas do Alto Minho, sediado na Freguesia do Algueirão, no concelho de Sintra, anuncia a realização de ensaio, a ter lugar hoje, 23 de Fevereiro, às 21 horas, na Quinta da Beijoquinha, em Sacotes.

52363122_2231201670276372_5858198678640001024_n.jpg

São minhotos e seus descendentes, muitos deles jovens cujos pais, oriundos de Paredes de Coura e outros concelhos do Alto Minho, migraram um dia para a região de Lisboa à procura de melhores condições de vida. Mas não esquecem as suas origens, os seus costumes e tradições e teimam em preservá-las: é a sua identidade!

Em 2003, já lá vão 16 anos, decidiram constituir o seu agrupamento de folclore – o Grupo Folclórico As Florinhas do Alto Minho.

Dirigido pelo sr. Manuel Esteves, natural de Paredes de Coura, o Grupo encontra-se sediado no concelho de Sintra, mais concretamente na localidade de Sacotes, na Freguesia de Mem Martins. E, desde então, não mais pararam de cantar e dançar tal como outrora sucedia na nossa região, ao som do cavaquinho e da concertina, exibindo os trajes característicos.

PAREDES DE COURA: “O INVERNO ESTÁ SERVIDO”

23 e 24 fevereiro | Paredes de Coura

Secretos de porco preto com legumes e batatas a murro, favas com chouriço de bísaro, risoto de camarão com ervilhas, pernil de porco com paté de grão de bico, salada de lentilhas com pernil fumado, lombelos de porco com molho de cogumelos, crocante de frango com arroz malandrinho, lentilhas com carne, bochecha de porco com puré de grão, feijoada de bísaro, arroz de feijão malandro com bolinhos de lentilhas, dobrada com feijão branco, bacalhau com grão e feijoada à transmontana são alguns dos pratos com que Paredes de Coura convida para a mesa neste fim de semana de 23 e 24 de fevereiro com “O inverno está servido”.

ABF_2311.jpg

Numa estação em que o frio tem sido abundante, Paredes de Coura convida-o ao aconchego da boa mesa.  Iguarias quase esquecidas e novas abordagens gastronómicas em torno dos sabores de inverno vão deliciar os sentidos e envolvê-lo num caloroso abraço.

Albergaria, Barbaças, Bouça, Casa do Frei, Forno do Minho, Furão, Miquelina, Mouras e Xisto são os 9 restaurantes que aderiram a mais este fim de semana gastronómico, num território que sempre nos habituou à arte de bem servir quantos o visitam.

Em todos estes restaurantes as alternativas com pratos vegetarianos também não foram esquecidas, bem como deliciosas sobremesas como mousse de chia, tarte de feijão, rabanadas com sementes, leite creme, tarte de maçã e amêndoa, que fazem de “O inverno está servido” um fim de semana a não perder.

Por estes dias, quem visita Paredes de Coura pode ainda participar na Feira de Troca de Sementes, sábado, no Museu Regional, iniciativa que tem por objetivo proporcionar o encontro e convívio entre pessoas que valorizam as sementes e plantas locais e que ativamente contribuem para a sua preservação, face ao perigo de extinção provocado pela concorrência de variedades híbridas e transgénicas, que prejudicam o equilíbrio dos nossos ecossistemas.

A Escola do Rock volta a concentrar-se numa residência de trabalho, desta vez com as classes do ensino articulado, concluindo na tarde de domingo com um ensaio aberto para o público em geral, na Caixa da Música, pelas 17h00.

A Caixa de Brinquedos -- espaço para crianças, jovens e adultos, inteiramente dedicado às construções Lego® --, mas também o Museu Municipal com a exposição “Impressão Digital em Terras de Coura”, ‘Evocações do mundo agrícola’, a ‘Casa Tradicional’ e a ‘Sala de Arqueologia’ são outros dos espaços que merecem uma visita mais atenta, da mesma forma que poderá conhecer e adquirir alguns dos mais característicos produtos locais na Loja Rural, em pleno centro desta vila no coração do Alto Minho.

Capturarpcouinv.PNG

COURENSES TROCAM SEMENTES

Feira de Troca de Sementes de Paredes de Coura

sáb | 23 fev | Museu Regional

A Feira Anual de Troca de Sementes regressa este sábado, 23 de fevereiro, a partir das 14h00, ao Museu Regional de Paredes de Coura. Organizada pelo Município e a Associação Quinta das Águias, em colaboração com o Agrupamento de Escolas de Paredes de Coura, esta 5ª edição da Feira Anual de Troca de Sementes completa-se com workshops, oficinas e caminhadas.

IMG_5158.jpg

O objetivo desta iniciativa é proporcionar o encontro e convívio entre pessoas que valorizam as sementes e plantas locais e que ativamente contribuem para a sua preservação, face ao perigo de extinção provocado pela concorrência de variedades híbridas e transgénicas, que prejudicam o equilíbrio dos nossos ecossistemas.

“A progressiva perda de variedades genéticas de muitas sementes constitui um perigo para a humanidade, porque muitas dessas variedades eram mais resistentes a pragas e doenças. Além do mais, estas representam um património que importa não perder. A educação, a informação e a partilha são das armas mais importantes para contrariar a crescente perda de muitas sementes, quer por desleixo quer pela influência e pressão dos grandes grupos agroalimentares”, defende Vitor Paulo Pereira, presidente da Câmara de Paredes de Coura, reforçando a importância “de preservar a biodiversidade biológica e incrementar as formas sustentáveis de produção de alimentos, porque simultaneamente contribuímos para uma alimentação mais saudável e um modo de produção mais justo”.

P1100061.JPG

Sabiam que perdemos 94% de sementes de vegetais no século XX

Das 544 variedades de couve, restam 28

Das 158 variedades de couve-flor, restam nove

Das 55 variedades de couve-rábano, restam três

Das 34 variedades de alcachofra, restam duas

Das 288 variedades de beterraba, restam 17

94% das espécies de pepino estão perdidas

90 por centro das espécies de pepino estão perdidas

A diversidade dos stocks de sementes está tão ameaçada como o panda, a águia-real ou o urso polar

A preservação das sementes autóctones assume uma importância vital, uma vez que são cada vez mais raras, sendo progressivamente substituídas por sementes comerciais, que são as mesmas em todo o mundo, enquanto as sementes locais se foram adaptando durante muitas gerações às condições de solo e clima específicas da sua região de origem. Uma vez que as sementes contêm o futuro da vida, é importante mantê-las vivas.

A Troca de Sementes vai proporcionar às pessoas o acesso às sementes originais que as poderão cultivar para sua própria utilização e para as manter vivas. Todos os que quiserem participar poderão trazer as suas sementes ou plantas para partilhar e trocar. 

A Feira Anual de Troca de Sementes está inserida no Projeto Educar para o Futuro – Terra orientado pelo Serviço Educativo do Município, em parceria com o Agrupamento de Escolas e com a Associação Quinta das Águias, mas também integrado em projetos mais amplos para um desenvolvimento sustentável e amigo do ambiente como são a alimentação vegetariana e o Plano de Paisagem, respetivamente.

Recorde-se que Paredes de Coura é o primeiro município português a dispor de Plano de Paisagem para o território e que tem como objetivos a valorização do património natural, cultural e urbano, bem como definir medidas orientadoras para a gestão da paisagem que preservem o seu caráter e identidade, reforçando a componente da paisagem cultural nas aldeias e lugares incluídos em Rede Natura e na Paisagem Protegida: “Foi preciso um Plano de Paisagem para compreender o nosso bilhete de identidade”, recorda Vitor Paulo Pereira.

Por sua vez, e partindo do princípio que as nossas escolhas alimentares têm um impacte muito forte na nossa saúde, no meio ambiente, na economia e no bem-estar animal, o Município não só se associou desde a primeira hora à organização do Congresso Internacional Paredes de Coura Vegetariana que todos os anos reúne personalidades da área do conhecimento na defesa de uma cultura alimentar mais sustentável e saudável, mas também há muito que implementou nas escolas do concelho a disponibilidade de pratos alimentares alternativos, inserido num programa mais vasto de educação alimentar e de promoção da saúde. 

Feira Anual de Troca de Sementes | Programa:

9h30 - Caminhada com Rita Roquette

"Quem são as sementes bravias"

As plantas silvestres são fonte de alimento, medicina, matéria prima que nos abriga e nos ajuda a criar. Nesta caminhada vamos ser capazes de identificar algumas espécies de plantas espontâneas que estão acordadas nesta altura do ano e que são as nossas maiores aliadas.

Encontro no Museu Regional

  1. Dr. Aquilino Ribeiro, 4940-526 Paredes de Coura

Se chover, Oficina com Rita Roquette que focará a nossa capacidade espontânea e intrínseca de apreender o mundo natural, em especial o mundo das plantas.

Vamos observar bem de perto as plantas espontâneas e perceber como estas evoluíram para se adaptarem ao habitat e como nós, tal como elas, somos um reflexo do meio onde vivemos.

14h30 no Museu

- Workshop de Bolachas de sementes com pepitas de chocolate, por Joep da Quinta das Águias

- Troca de Sementes onde, para além de sementes, também se poderão trocar plantas, ervas aromáticas, árvores e estacas, como macieiras autóctones e outras árvores de fruto. Ficam excluídas as sementes e plantas comerciais, híbridas e transgénicas.

P1130798.JPG

PAREDES DE COURA PARTICIPA NO FAIRWAY

III Fórum do Camiño de Santiago
O Município de Paredes de Coura participa no Fairway – III Fórum do Camiño de Santiago, que entre amanhã e terça-feira, 10 a 12 de fevereiro, reúne no Palácio de Congressos de Santiago de Compostela.

Ponte Românica de Rubiães.jpg

O Fairway é o fórum que junta, entre outros, os municípios portugueses por onde passa o Caminho Português de Santiago, integrando também feiras e congressos.
Representando o Caminho Português de Santiago um significativo valor acrescentado para o nosso concelho com especial relevo para as suas economias locais – atravessa as freguesias courenses de Agualonga, Rubiães e a Agregação de Freguesias de Cossourado e Linhares --, a presença do nosso Município em tão importante iniciativa torna-se fundamental até pela divulgação de alguns dos mais importantes exemplares do patrimónios edificados de Paredes de Coura: a Ponte Românica de Rubiães e a Igreja de São Pedro de Rubiães.

Albergue Rubiaes.jpg

Percorrer o Caminho Português de Santiago é mergulhar na tradição e na espiritualidade e reviver a história pelos próprios pés. É um dos itinerários primitivos de peregrinação jacobeia mais frequentados e consagrados. Uma via antiga de quase mil anos de peregrinações, cujas marcas e testemunhos - a vieira e o bordão do peregrino – são observadas a cada passo, nos caminhos fundos e nas pontes, nos templos, nos cruzeiros e nas alminhas, ligando-se à paisagem e às suas gentes de forma indestrinçável.
Nesta edição do Fairway decorre paralelamente a Fairway Invest -- um fórum de investimento em startups e empresas ligadas ao Caminho --, desenvolvida em colaboração com a rede de maiores investidores privados do mundo, a Keiretsu Forum. Destina-se a empresários cuja atividade está ligada ao Caminho de Santiago, quer pela sua localização geográfica quer pela sua atividade.
Sobre a Ponte Românica de Rubiães, Narcizo Alves da Cunha, um dos primeiros autores que se referiu a esta ponte, datou-a de época romana, com base não apenas na sua estrutura, mas também no facto de, a escassas centenas de metros, no lugar de Crastro, existir um marco miliário pertencente à via romana que, de Braga, partia para o Noroeste peninsular (CUNHA, 1909, reed. 1979, pp.93-94 e 559). De triplo arco escalonado e harmónico, todos de volta perfeita, mas sendo o médio de vão bem superior que os dois laterais, a ponte compõe-se de um tabuleiro de dupla rampa, em cavalete.
Já a Igreja de São Pedro de Rubiães, construída em finais do séc. 13, em estilo românico, integrando-se na 2ª fase do românico português, na 1ª do foco do Alto Minho e, de um modo mais regional, no grupo das igrejas românicas da bacia do Minho. Os motivos de maior interesse do templo, para além da inscrição de 1202, encontram-se no portal ocidental. O tímpano, apesar de ser uma "muito má restituição, relativamente moderna, da peça anterior que se quebrou" (ALMEIDA, 1987, p.187), integra o restrito número de representações de Cristo em Majestade. Ainda mais importantes são as representações do arcanjo São Gabriel e de Nossa Senhora, em dois fustes do portal principal. Este conjunto tem merecido vários estudos que, consecutivamente, reforçam a sua originalidade no Românico português.

Caminho_Português_Santiago.jpg

PAREDES DE COURA INAUGURA CASA DA BIODIVERSIDADE

‘O lobo e o Homem’. 8 fev | 6ª feira | 11h00 | Lugar das Corredouras, Castanheira, Paredes de Coura

O Município de Paredes de Coura inaugura esta sexta-feira, 8 de fevereiro, pelas 11h00, a Casa da Biodiversidade no Lugar das Corredouras, freguesia de Castanheira, com a presença do Ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, e da Secretária de Estado do Ordenamento do Território e da Conservação da Natureza, Célia Ramos. Paralelamente, também se celebra a assinatura do protocolo de gestão florestal gratuita entre a ACHLI – Associação da Conservação do Habitat do Lobo Ibérico e a Comunidade Local do Baldio de Castanheira.

O Lobo e o Hoem b.jpg

“Proteger a biodiversidade não é uma opção, é uma questão de sobrevivência enquanto território sustentável e criativo. No entanto, a proteção do lobo ibérico só se consegue se não nos esquecermos que as pessoas também fazem parte da biodiversidade e, por isso, só as ajudando e trabalhando com elas podemos garantir a proteção do lobo”, defende Vitor Paulo Pereira, presidente da Câmara de Paredes de Coura, para quem "a Casa da Biodiversidade não é o espaço do lobo. É o espaço das pessoas que precisam de ajuda para poder lidar com o lobo. Precisam de ajuda para se proteger, conhecendo-o bem e evitando os seus prejuízos e, sobretudo, para saber como devem agir para serem ressarcidas quando não foi possível protegê-las".

Pretende-se que este centro seja um espaço de apoio e procura de soluções, ao qual as pessoas vítimas de prejuízos causados pelos ataques de lobos se possam dirigir. O conceito de Biodiversidade, na melhor perspetiva da proteção do lobo e do seu habitat, não pode excluir o Homem e, por isso, os proprietários lesados, a comunidade (incluindo as escolas) e a investigação científica.

"Há um conflito imemorial entre o lobo e o Homem. Nasce do medo profundo que temos dele e que incutimos nas crianças através da ideia do lobo mau. Esse medo alimenta-se cada vez mais do desconhecimento e transforma-se em ódio quando somos confrontados com os prejuízos que o animal causa”, explicou Vitor Paulo Pereira, acrescentando: “Não somos presunçosos ao ponto de dizer que queremos resolver este problema, o que queremos com este projeto é repor algum equilíbrio nesta relação e através desse equilíbrio, garantir a preservação do animal e a qualidade de vida das pessoas".

Ainda de acordo com o presidente da Câmara de Paredes de Coura, “neste conflito não existe o lado do lobo e o lado do Homem. Só existe o lado do problema e o lado das soluções. Nós queremos estar, definitivamente, do lado das soluções. Não queremos milagres, procuramos soluções", concluiu.

São parceiros deste projeto a Associação Aldeia, o CIBIO – Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos da Universidade do Porto e a ACHLI – Associação de Conservação do Habitat do Lobo Ibérico. Tem sido também determinante a colaboração e o envolvimento do ICNF – Instituto de Conservação da Natureza e Florestas. 

Em termos económicos, o projeto foi apoiado pela CCDR-N através da candidatura NORTE-04-2114-FEDER-000242 (Património Natural), num total de investimento de 162.426,00€, com financiamento (85%) de 138.062,10€, sendo o remanescente suportado pelo Município. O valor mais expressivo (100.986,44€) foi investido na recuperação do edifício de uma antiga sede de junta de freguesia, localizada na freguesia de Castanheira, que estava devoluto e que será agora a “Casa da Biodiversidade” – infraestrutura de apoio aos proprietários lesados e à investigação científica, uma vez que é nela que ficará instalada a base de campo do CIBIO.

Recorde-se também que a exposição da Unesco, "Green Citizens - Pioneiros na Mudança", que já passou por França, Marrocos, Nova Iorque e em setembro passou peloJardim Botânico do Porto e Galeria da Biodiversidade – Centro Ciência Viva, localizado no Museu de História Natural e da Ciência da Universidade do Porto, num total de 46 fotografias e painéis informativos de projetos oriundos dos quatro cantos do mundo - Senegal, Marrocos, Índia, Estados Unidos, Brasil, entre outros – tem como único projeto português "O Lobo e o Homem: proteger, valorizar e sensibilizar" de Paredes de Coura.

‘O lobo e o Homem’ é um projeto do Município de Paredes de Coura que procura estabelecer um equilíbrio no conflito universal e secular existente entre ambos. Pretende-se, com as suas ações multidisciplinares e multissetoriais, associar valor económico ao lobo e ao seu território apoiando desta forma os lesados pelos seus ataques, em particular, e a comunidade, em geral. A ideia é enfrentar este problema de longa data e transforma-lo numa vantagem para a população, garantindo com isso uma eficaz preservação da espécie. O conflito de outrora ganha contornos diferentes e não permite hoje a escolha entre o lado do lobo ou o lado do Homem; a opção é entre o lado do problema e o lado da solução. Todos podemos persistir nos problemas ou então arriscar e procurar soluções.

O Lobo e o Homem a.jpg

PORTUGUESES DE TODO O PAÍS PARTEM À DESCOBERTA DA LAMPREIA DO RIO MINHO

Até 15 de abril, nos municípios do Vale do Minho

A Lampreia do Rio Minho já está em degustação. Com tradição, requinte e inovação, a afamada e saborosa Lampreia do Rio Minho chega à mesa dos restaurantes da região, deliciando os apreciadores desta iguaria. Até 15 de abril a ADRIMINHO e os seis municípios do Vale do Minho - Caminha, Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Valença e Vila Nova de Cerveira, promovem a 10ª edição da iniciativa “Lampreia do Rio Minho – Um Prato de Excelência”. Pela região, não faltarão saborosas propostas de pratos confecionados com o afamado ciclóstomo.

lampreia rio minho.jpg

Em Melgaço, são 12 os restaurantes aderentes: Adega do Sossego, Adega Regional do Sabino, Hotel Boavista, Casa Real, Chafarix, Foral de Melgaço, Mini Zip, O Adérito, O Brandeiro, Paris, Tasquinha da Portela e o Verde Minho. Uns inovam, outros mantêm a tradição: ensopada no molho do seu próprio sangue, a maneira mais habitual de a preparar, com arroz ou estufada; marinada em vinho verde tinto; ensopada e servida com pão frito; de cabidela; ou à bordalesa; e até em folhados …um prato para colocar o chef à prova, já que não cativa a todos.

_MG_0101.jpg

Durante este período, os seis municípios aliam propostas culturais, entusiasmando à descoberta da riqueza patrimonial e paisagística da região. Em Melgaço há um programa de animação com atividades de turismo natureza e aventura, não fosse este ser o Destino de Natureza Mais Radical de Portugal, como rafting, caminhadas, rapel, salto pendular, arvorismo, slide, escalada, passeios pedestres…São também sugestões visitas aos espaços museológicos da rede Melgaço Museus, visitas e provas nas adegas aderentes da Rota do Vinho Alvarinho e também visitas a produtores de artesanato, de fumeiro, de queijo e de outros produtos locais.

arroz de lampreia.jpg

E há um jantar especial: no dia 29 de março, pelas 22h00 (em local a definir), o Chef Vitor Matos, estrela Michelin, estará em Melgaço a preparar um jantar vínico de harmonização da Lampreia do Rio Minho com Alvarinho: uma homenagem a estes dois produtos endógenos que atraem ao Município Mais a Norte de Portugal cada vez mais apreciadores.

Lampreia (1).jpg

O programa contempla também uma caminhada “Pela rota das Pesqueiras”, uma parceria entre o Município de Melgaço e Arbo. Durante a atividade, que acontece no dia 31 de março, os participantes poderão conversar com os pescadores, “participar” na pesca da lampreia, aprender a fazer as redes de pesca, a escalar e a preparar as lampreias. No final, haverá degustação de alguns pratos confecionados com esta iguaria. Para os apaixonados e curiosos pela lampreia há ainda uma interessante exposição de fotografia: “O Rio Minho é vida”, de 19 março a 13 abril, na Casa da Cultura.

Mas há muito mais para se descobrir no Destino de Natureza Mais Radical de Portugal: a autarquia convida à participação em eventos que decorrem nessa altura, como é o caso de concertos musicais que integram a iniciativa All Music Fest; do Fim de Semana Gastronómico (22, 23 e 24 de março); da oficina “A Arte Secular da Pesca da Lampreia” (data a definir) – uma ação de sensibilização infantil para a importância económica e cultural desta arte, mostrando as diferentes fases do processo e a forma como se trabalham as redes utilizadas nas pesqueiras do Rio Minho; do “REDITUS” - Jornadas de Património Cultural (concerto, exposição, teatro e palestra, no dia 12 abril, no Espaço Memória Fronteira, na Casa da Cultura e pelas ruas da Vila).

lampreia do Rio Minho.jpg

PAREDES DE COURA APROVOU DELEGAÇÃO DE SEIS COMPETÊNCIAS

A Assembleia Municipal de Paredes de Coura aprovou por larga maioria do Partido Socialista, com a abstenção dos três representantes do Partido Social Democrata e da única representante de ’Os Verdes’, a aceitação da delegação de competências em matéria intermunicipal nos domínios (i) dos projetos financiados por fundos europeus e dos programas de captação de investimento (ii) e da promoção turística, de acordo com a proposta da Comunidade Intermunicipal do Alto do Minho, consensualizada entre os 10 municípios em reunião de 8 de janeiro.

camara_municipal_coura001.jpg

Assim, no plano da descentralização de competências preconizada pela Lei nº 50/2018, de 16 de agosto -- a Lei Quadro da Transferência de Competências para as Autarquias Locais e Entidades Intermunicipais --, o elenco liderado por Vitor Paulo Pereira defendeu a proposta de aceitação da delegação de competências nos domínios (i) da gestão das praias fluviais, (ii) da justiça, (iii) do apoio às equipas de intervenção permanente [EIP] das Associações de Bombeiros Voluntários, (iv) da habitação, (v) da instalação e gestão de lojas de apoio ao cidadão e espaços do emigrante e (vi) gestão do património imobiliário público sem utilização.

Com isto, as competências não aceites pelo Município de Paredes de Coura em 2019 resumem-se apenas às matérias da (i) exploração de jogos de fortuna ou azar, (ii) estacionamento público e (iii) vias de comunicação. No entanto, nas palavras do presidente da Câmara, essas competências “deverão ser assumidas num futuro próximo, uma vez que existe abertura e reconhecimento de que o sentido da reforma é positivo”.

Por enquanto, Vitor Paulo Pereira considera que “os recursos humanos e o estofo financeiro da autarquia não permitem a assunção das competências em causa, de forma honesta, séria e prudente”, deixando a porta aberta para um posterior alargamento das atribuições: “em matéria de descentralização, a porta está aberta e nós queremos entrar”, concluiu.

A Câmara Municipal considera que a proximidade ao território e ao cidadão permite tomar melhores decisões para as populações, por um lado, e fazer uma melhor gestão, por outro. As autarquias locais, dispondo dos meios necessários, poderão obter melhores resultados para as pessoas do que os obtidos pelo estado central.

Como tal, o executivo socialista no Município considera que é fundamental continuar a aprofundar a transferência de competências, garantindo que ela seja concretizada com os recursos humanos, organizacionais e financeiros necessários para, com responsabilidade e defendendo de forma intransigente os interesses dos courenses, garantir um melhor serviço público de proximidade.

PAREDES DE COURA VIRA CAPITAL DO ROCK

Escola do Rock cruza-se com Coura Voce para residência de trabalho. dom | 27 jan | espetáculo final | Caixa da Música, Paredes de Coura

Desta vez o Coura Voce junta-se à Escola do Rock Paredes de Coura numa residência que resultará num concerto final no domingo. Ao longo de dois dias, já este sábado e domingo, 26 e 27 de janeiro, o rock cruza-se com a música vocal para uma residência de trabalho que culminará com um espetáculo final na tarde de domingo, pelas 17h00, na Caixa da Música.

_D8C1552.jpg

“A Escola do Rock e o Coura Voce são dois projetos musicais que provam que a qualidade e exigências educacionais não estão relacionadas com a geografia, mas com a capacidade de criar”, explicou o presidente da Câmara de Paredes de Coura e entidade promotora destas duas iniciativas: “O céu de Paredes de Coura é igual ao céu de Lisboa. Assumimos uma vontade de centralidade geográfica através do investimento na formação dos nossos jovens”, sublinhou Vitor Paulo Pereira. 

Para a Escola do Rock é importante reforçar a interação com outros agrupamentos musicais, com outros percursos de formação musical, potenciando assim a relação dos alunos de rock com outras carreiras musicais e vice-versa.

Por sua vez, o Coura Voce é um coro feminino que tem vindo a desenvolver um trabalho regular desde 2017, no âmbito do ensino artístico especializado da música. Interpreta repertório coral diversificado de diferentes épocas e estilos, de compositores como: J. Rutter, K. Jenkis, V. Johnson, D. Wiicoks, E. Whitacre, G. Caccini, P. Casals, L. Tinoco e F. L. Graça, entre outros. Atualmente é constituído por 33 elementos e tem-se apresentado em múltiplas audições públicas como por exemplo a participação na peça de teatro “Ante mim”, levada à cena pelas Comédias do Minho, na Casa Grande de Romarigães.

Para além desta residência de trabalho, a Escola de Rock tem já perspetivadas mais duas réplicas, em 23 e 24 de fevereiro com alunos do ensino articulado da Academia de Música (alunos do 5º grau), e 16 e 17 de março num exercício de provas profissionais dos alunos técnicos de artes do espetáculo da EPRAMI - Escola Profissional do Alto Minho Interior.

_D8C1562.jpg

DAN20180422_2648.jpg

DAN20180422_2688.jpg

PAREDES DE COURA PROMOVE LAMPREIA DO RIO MINHO

“Lampreia do rio Minho: um prato de excelência”

estrolho + bolo do tacho + padeca + almofadinhas + biscoitos de milho

sexta | 25 jan |16h00 | Abrigo do Taboão, Paredes de Coura

A 10ª edição da “Lampreia do rio Minho: um prato de excelência”, que decorre até 15 de abril, tem a sua apresentação esta sexta-feira, dia 25 de janeiro, no Restaurante Abrigo do Taboão, em Paredes de Coura, numa iniciativa à qual não vai faltar a degustação de lampreia, bem como outras saborosas iguarias como o estrolho, bolo do tacho, padeca, almofadinhas e os viciantes biscoitos de milho tão característicos da rica gastronomia courense.

lampreia prato.jpg

Esta ação de promoção e valorização da lampreia do rio Minho, de que serão anfitriões o presidente da Câmara Municipal de Paredes de Coura e o presidente da direção da ADRIMINHO  – Associação de Desenvolvimento Rural Integrado do Vale do Minho, conta com o contributo do gastrónomo João Guterres e tem como principal objetivo a promoção de um produto/prato gastronómico tradicional que tem assumido, desde sempre, um caráter de forte atratividade turística para o vale do Minho, valorizando a lampreia do rio Minho enquanto recurso endógeno e promovendo as potencialidades naturais e culturais de cada concelho.

Na apresentação desta 10ª edição da “Lampreia do rio Minho: um prato de excelência” também estarão presentes elementos da Confraria da Lampreia do rio Minho e representantes dos municípios de Caminha, Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Valença e Vila Nova de Cerveira, bem como os restaurantes aderentes do território do vale do Minho, tanto mais que a lampreia-marinha é uma das espécies migratórias capturadas pelos pescadores profissionais e artesanais com mais tradição no rio Minho, sendo um recurso de elevado valor gastronómico que atrai muitas pessoas de Portugal e Espanha no período de janeiro a abril.

Tratando-se de um prato gastronómico considerado produto de referência nacional e internacional, particularmente no mercado ibérico, a lampreia do rio Minho ganha maior relevo quando acompanhada por outras iguarias de eleição, como acontece na rica gastronomia courense, quando acompanhada pelo estrolho, bolo do tacho, padeca, almofadinhas e os viciantes biscoitos de milho.

Estrolho de lampreia (criação de João Guterres, gastrónomo) - estrolho é milho triturado, que antigamente substituía o arroz e servia para confecionar pratos doces e salgados

Bolo do tacho de lampreia – bolo do tacho é confecionado com a massa da broa de milho e tradicionalmente leva em cima entremeada de porco

Padeca de lampreia – pão de trigo tradicional da freguesia de Padornelo, Paredes de Coura

Pizza de lampreia

Doces e o milho:

Almofadinhas courenses – invenção do chef Mário Ribeiro, confecionada com estrolho e frutos secos

Biscoitos de milho – biscoito tradicional courense, à base de farinha milha e em formato de &

PAREDES DE COURA E O MILHO

Paredes de Coura foi, em tempos idos, considerado o Celeiro do Minho. Disso faz prova o receituário que encontrámos à volta do milho e que constituiu a base da alimentação destas gentes, sobretudo em períodos de grande dificuldade. São muitas e diversas as receitas que fazem uso do milho, e todas elas resultam do saber popular acumulado que ainda hoje está muito presente nas gentes de Paredes de Coura. Quem criou estas receitas? Foram todos, e cada um foi acrescentando o seu gosto pessoal, enriquecendo e diversificando o património gastronómico courense. Em todas as receitas podemos sentir o cansaço das mãos que trabalharam a terra, mas também, o carinho das mãos que amassaram a massa e fizeram a broa para saciar os filhos.

Programa

25 de janeiro

16h00 – Abertura da Sessão – Presidente da Câmara Municipal de Paredes de Coura

16h15 – Presidente da ADRIMINHO – o papel da ADRIMINHO na valorização da gastronomia local

16h30 – Representante confraria da lampreia do rio Minho – o papel da confraria na promoção e valorização da lampreia do rio Minho

16h45 – Representante da CIM Alto Minho – os projetos de valorização e promoção da gastronomia do alto Minho

17h00 – Degustação da lampreia do rio Minho

Esta mensagem e todos os ficheiros anexos são confidenciais. Se recebeu esta mensagem por engano, agradecemos que avisem o seu destinatário e a apague. O Município de Paredes de Coura declina toda a responsabilidade pelas alterações, difusão ou edição sem autorização. This message and any attachments are confidential. If you have received this message by mistake, please notify the sender and destroy it. Município de Paredes de Coura declines all responsibility for this message if it has been altered, deformed, falsified or even edited or disseminated without authorization.

COURENSES CAMINHAM PELA ROTA DA ARQUITECTURA TRADICIONAL

Rota da Arquitetura Tradicional em Paredes de Coura

12 jan | sáb | Casa do Conhecimento

Uma viagem pela arquitetura tradicional e, especificamente, no concelho de Paredes de Coura, que se estende do século XVIII até aos nossos dias, é o que nos propõe a iniciativa Rota da Arquitetura Tradicional, que tem lugar este sábado 12 de janeiro, a partir das 10h30, na Casa do Conhecimento em Paredes de Coura.

Promovida pela CIM Alto Minho em parceria com o Município de Paredes de Coura no âmbito do projeto “Alto Minho 4D - Viagem no Tempo”, a conferência “Da arquitetura tradicional” terá como ponto de partida as comunicações dos conferencistas Álvaro Domingues, Fernando Barros, Paulo Guerreiro e António Menéres.

O espaço rural e a chamada ‘arquitetura vernácula’, para além de serem uma fonte inesgotável do saber interpretar e usar a paisagem, usufruir dos recursos naturais, manipular e dominar os materiais disponíveis, são campos de trabalho onde as questões e desafios mais tem apaixonado a academia, desde a arquitetura à geografia, passando pela sociologia e antropologia.
Numa sociedade em profunda transformação, como se relacionam hoje as comunidades com o legado tradicional, a organização do espaço e da casa; como fazem da casa o grande espaço da sua afirmação social.
E, por fim, como é que a herança desta arquitetura influenciou os movimentos modernistas e uma possível ‘arquitetura nacional’, caso ela tenha existido?

No período da tarde, será efetuada uma visita guiada encenada, com partida às 15h00 da Câmara Municipal. A visita performativa é conduzida pela parceria Teatro do Noroeste – CDV e Comédias do Minho, em co-programação com a Talkie-Walkie e a Ondamarela, e conta com a participação da comunidade local.

Ainda durante o dia 12 e integrando também o programa, dezenas de sketchers percorrerão a vila de Paredes de Coura para o registo de pormenores do património deste concelho, no âmbito da ação “Sketching com História”, que conta com o apoio da Associação Urban Sketchers Portugal (UskP).

VISITA-PERFORMATIVA:

É na paisagem que vamos beber memória e grande parte da nossa identidade e dela retiramos também o prático do labor e a nossa força criativa. O estudo do território português ganhou peso a partir das primeiras incursões da Sociedade de Geografia de Lisboa, pelos finais do séc. XIX, tendo-se intensificado nos anos 40 do séc. XX, através de estudos importantes como os de Orlando Ribeiro, ou dos inquéritos à arquitetura popular idealizados por Francisco Keil do Amaral. A memória, no entanto, atraiçoa-nos, e ao alto-minhoto talvez muito mais, pois que o mundo se tornou de súbito muito pequeno, arrancando-o de um longo «tempo suspenso», na expressão de Álvaro Domingues. Sendo este tempo ainda visível, está já afastado da conceção pitoresca (explorada até à exaustão) de um Minho verdejante e lavrador e percebemos outrossim o erro, a adaptação e a vontade de uma ideia permanente (e premente) de progresso. Histórias todas estas que devem ser contadas à lareira por quem as sabe, como soía.

PAREDES DE COURA REALIZA ENCONTRO DE CANTADORES DE JANEIRAS

Encontro de Janeiras de Paredes de Coura

sábado | 21h00 | Centro Cultural

São dezasseis as Associações do concelho de Paredes de Coura que se reúnem em mais um Encontro de Janeiras, que este sábado, 5 de janeiro, pelas 21h00, no Centro Cultural, volta a dar corpo a uma das tradições mais ricas e bonitas do cancioneiro popular courense.

janeiras_836.jpg

A Associação de Lamamã, Associação de Formariz, Associação de Rubiães, Rancho Folclórico Camponês do Bico, Junta de Agualonga, Associação de Cristelo, Associação de Paredes de Coura, turma do 12ºB do Agrupamento de Escolas de Paredes de Coura, Associação de Parada, Associação de Mozelos, Clube de Natação e Cultura, Sporting Clube Courense, Associação de Insalde, Universidade Sénior, Confraria Senhora da Pena e Comissão de Festas de Nossa Senhora das Neves – Cunha, num total de cerca de 350 elementos, entre cantadores e músicos, proporcionam o som e o tom ao XVIII Encontro de Janeiras de Paredes de Coura, depois de terem percorrido as aldeias do concelho a cantar os Reis e as Janeiras.

Como habitualmente, este Encontro de Janeiras tem entrada livre e é precedido por um desfile pelas ruas centrais de Paredes de Coura, com concentração no Largo Visconde de Mozelos, junto aos Paços do Concelho, e percorrendo em animada marcha pela Rua Conselheiro Miguel Dantas até ao Centro Cultural.

Posteriormente a este Encontro de Janeiras, os grupos das associações culturais, recreativas e desportivas, estabelecimentos de ensino locais, grupos de catequese, Lar de Idosos e Centros de Dia, provenientes de todo o município, continuarão durante todo o mês de janeiro a visitar as casas e a Cantar as Janeiras, como é tradição neste concelho no coração do Alto Minho, e que todos os anos rejuvenesce partilhando saberes e experiências de geração em geração.

Senhores que aqui morais,

Vinde ouvir nossos cantares:

Nós somos os três Reis Magos

Boas Festas vimos dar!

Nós somos os três Reis Magos

Boas Festas vimos dar!

 

Aqui vimos, aqui vimos

Meus Senhores,

Aqui vimos, aqui vimos

Bem sabeis,

 

Vimos dar-vos as Boas Festas

E também, e também cantar os Reis

Vimos dar-vos as Boas Festas

E também, e também cantar os Reis

 

Vamos depressa

Corramos a Belém,

Ver o menino

Que Nossa Senhora tem

(Associação de Vascões)

PASSAGEM DE ANO EM PAREDES DE COURA VAI TER MUITA MÚSICA

Passagem de Ano em Paredes de Coura: Simão Praça (Bitch Boys) | DJ’s | grupos musicais | tenda aquecida

Simão Praça (Bitch Boys), mas também os Dj’s Pedro Caldas, Zack e Mosca aka Nuno, bem como os grupos musicais HugoBand e Vivodance respondem pela animação na noite de Passagem de Ano de Paredes de Coura, que decorre a partir das 22h30 de segunda-feira, dia 31 de dezembro, na Tenda Aquecida instalada no Largo Hintze Ribeiro, e prolonga-se noite dentro a partir das 00h00 na Caixa da Música.

A música, dança, performance e vídeo proporcionados pelos irmãos Simão e Paulo Praça, bem como os ‘sets’ executados pelos restantes Dj’s e grupos musicais prometem não faltar animação na entrada no Novo Ano promovida pelo Município de Paredes de Coura, completando um vasto programa de atividades que por estes dias tem trazido maior vivacidade a esta vila no coração do Alto Minho.

Iniciativas tão marcantes como a Escola do Rock e o Arte em Peças, que tantos elogios têm merecido de miúdos e graúdos, trouxeram inegável animação à vila como que projetando a antecâmara para a noite de Passagem de Ano.

Motivos mais que suficientes para um salto até Paredes de Coura, onde a entrada no Novo Ano é-nos guiada pelos grupos musicais HugoBand e Vivodance, prosseguindo com os Dj’s Zack, Simão Praça (Bitch Boys), Pedro Caldas e Mosca aka Nuno para um feliz 2018 e com entrada livre.