Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

A EMIGRAÇÃO DE FUTEBOLISTAS PORTUGUESES

30128522348_0068acc1a9_b

  • Crónica de Daniel Bastos

Um dos aspetos que mais se tem acentuado nas últimas décadas em Portugal, ao nível do futebol, uma das modalidades, senão a mais importante modalidade desportiva do país, é a emigração de jogadores nacionais para os quatro cantos do mundo. Como salientam João Nuno Coelho e Nina Clara Tiesler, no estudo O  aradoxo do jogo português: a omnipresença do futebol e a ausência de espectadores dos estádios, parece mesmo “que hoje o país é conhecido no estrangeiro especialmente pelo futebol e respectivas celebridades”.

Não obstante, o mediatismo de jogadores como Cristiano Ronaldo, João Félix, Bruno Fernandes ou Renato Sanches, o rol hodierno da diáspora futebolística lusa não se cinge apenas aos casos mais famosos, pelo contrário, espraia-se por inúmeros atletas que impelidos por motivos profissionais ou razões financeiras, ciclicamente optam por jogar no estrangeiro.

Ainda num dos últimos estudos elaborados pelo Observatório do Futebol do Centro Internacional de Estudos do Desporto (CIES), em 2019, havia 362 jogadores lusos a jogar em campeonatos estrangeiros. Contexto que contribuiu para que Portugal fosse nesse ano o 13.º país com mais atletas profissionais de futebol a jogar além-fronteiras, sobretudo, em Inglaterra, o principal destino dos portugueses, seguido de Espanha e da Grécia.

De acordo com o estudo em causa, o topo dos países exportadores de jogadores de futebol foi em 2019 ocupado pelo Brasil, que teve nesse ano 1600 futebolistas a atuar no estrangeiro, seguido da França, com 948 atletas, e da Argentina, com 913.

Ainda ao nível dos atletas portugueses que jogam no estrangeiro, é também cada vez mais notório o número crescente de lusodescendentes que integram plantéis de equipas de tradicionais países de destino da emigração portuguesa. Mormente a França, Suíça e Luxemburgo, e que por via do seu talento futebolístico já integraram as convocatórias da Seleção Nacional, como é o caso, entre outros, de Raphael Guerreiro, Anthony Lopes, Cédric Soares ou Adrien Silva.

Os dados vindouros sobre a emigração de futebolistas lusos devem seguramente continuarem nesta senda de incremento, catapultando estes atletas como autênticos embaixadores da projeção do nome e dos valores de Portugal no Mundo.

VACINAÇÃO: O TRUNFO CERTEIRO

José Marques.jpeg

  • Crónica de José Miguel Marques (Médico Interno de Formação Específica em Medicina Geral e Familiar)

O Programa Nacional de Vacinação (PNV) em Portugal, criado em 1965, tem tido significativo sucesso devido à adesão voluntária a um programa de saúde bem estruturado, credível e com uma relação custo-benefício claramente a favor da vacinação contra diversas doenças. O PNV é dinâmico e ao longo dos anos tem-se ajustado às necessidades das populações e à epidemiologia das doenças que ameaçam a comunidade.

Desde o início da pandemia de SARS-CoV-2 que as vacinas eram a resposta necessária. A dúvida prendia-se com a rapidez com que se poderia desenvolver uma ou mais vacinas seguras e eficazes. O desenvolvimento de vacinas e de medicamentos seguem critérios rigorosos de eficácia e segurança. Este processo não significa, todavia, que seja risco zero. A tolerância ao risco é um mal necessário para permitir uma avaliação de custo benefício em todas as tomadas de decisão, incluindo as decisões sobre vacinação e em saúde.

O “movimento anti-vacinas” bebe inspiração de uma fonte já seca. Isto é, o falso artigo de 1998 que relacionava uma vacina com o desenvolvimento de autismo, foi claramente revogado em 2010. Contudo, ainda hoje se sentem réplicas da desinformação gerada há 2 décadas. Ainda hoje a comunidade civil e científica esgrimam argumentos na discussão sobre o custo-benefício da vacinação, em despeito da vasta evidência a favor da vacinação.

É verdade que estamos num país livre. É verdade que a vacinação é recomendada e não obrigatória. É claro que há riscos. É claro que as vantagens são enormes, e não se limitam à nossa esfera individual mas têm repercussões altruisticamente positivas na comunidade.

Quem não se vacina não coloca apenas a própria saúde em risco, mas também a de seus familiares e outras pessoas com quem tem contato, além de contribuir para aumentar a circulação de doenças. Estima-se que vacinação terá evitado mais de 700 mortes em Portugal só nos últimos 2 meses, resultado direto da proteção que a vacina oferece contra a doença grave, internamentos e morte por COVID-19.

Nos dias de hoje há muito ruído sobre temas sensíveis. O desafio da nossa Era não é aceder a informação, mas sim separar o joio do trigo , distinguir o que são fake news e ruído para procurar o “sinal”, a mensagem adequada. Uma das estratégias mais simples de promover a qualidade de informação é ir à fonte. Em saúde, a fonte de informação é, em primeiro lugar, a Direção-Geral de Saúde como fonte oficial. Apenas em segundo lugar vêm as posições fundamentadas dos peritos e profissionais de saúde. Só através de uma priorização das fontes de informação é que seremos capazes de ponderar e esclarecer a informação veiculada e retransmitida por outras fontes.

Se em idades mais avançadas o benefício da vacinação contra COVID-19 é mais claro, interessa falar sobre a vacinação de crianças e jovens que serão vacinados agora até setembro. Por um lado, o governo quer vacinar o máximo possível e atingir imunidade de grupo até ao início do novo ano letivo. Por outro, surge uma missiva assinada por diversos profissionais que se opõem à vacinação das crianças e jovens. Outros defendem a vacinação de crianças e jovens o mais rápido possível. Os Estados Unidos defendem a vacinação em crianças, o Reino Unido é mais prudente e defende a vacinação apenas se as crianças tiveram doenças (comorbilidades). Portanto, percebe-se que há divisão das perspetivas. Ainda que a visão individual de cada um de nós possa ser facilmente enviesada por diversos fatores, nomeadamente experiências individuais, fatores emocionais e culturais, acredito que haja argumentos suficientes a favor da vacinação das crianças e jovens. Neste sentido, considero que devemos continuar a confiar na equipa da Comissão Técnica de Vacinação da DGS, que irá brevemente ponderar e decidir tendo em conta a melhor evidência disponível. Espero que haja forte adesão às recomendações da DGS para proteção da saúde, de cada um de toda a comunidade!

MANUEL EDUARDO VIEIRA: O “REI DA BATATA-DOCE” NA AMÉRICA

30128522348_0068acc1a9_b

  • Crónica de Daniel Bastos

A comunidade lusa nos Estados Unidos da América (EUA), cuja presença no território se adensou entre o primeiro quartel do séc. XIX e o último quartel do séc. XX, período em que se estima que tenham emigrado cerca de meio milhão de portugueses essencialmente oriundos dos arquipélagos da Madeira e dos Açores, destaca-se hoje pela sua perfeita integração, inegável empreendedorismo e relevante papel económico e sociopolítico na principal potência mundial.

No seio da numerosa comunidade lusa nos EUA, segundo dados dos últimos censos americanos residem no território mais de um milhão de portugueses e luso-americanos, destacam-se vários percursos de vida de compatriotas que alcançaram o sonho americano ("the American dream”).

Entre as várias trajetórias de portugueses que começaram do nada na América e ascenderam na escala social graças a capacidades extraordinárias de trabalho, mérito e resiliência, destaca-se o percurso inspirador e de sucesso do comendador Manuel Eduardo Vieira, o maior produtor mundial de batata-doce biológica.

Natural de São João, freguesia do concelho de Lajes do Pico, arquipélago dos Açores, Manuel Eduardo Vieira antes de se fixar no território norte-americano, emigrou com 17 anos em 1962, no início do deflagrar da Guerra do Ultramar, para o Rio de Janeiro. Ao encontro de um tio, que o acolheu a pedido da mãe, e lhe permitiu estudar para além da 4.ª classe concluída no torrão natal, no seio de uma família humilde, com carências e enleada nas lides agrícolas.

A estadia no Brasil, que durou cerca de uma década, proporcionou ao picoense a formação na área de Contabilidade e Gestão, a experiência de trabalho de escritório em diversas empresas, o encontro com a futura esposa Laurinda, também emigrante, natural de Chaves, e foi ainda berço de nascimento dos seus três filhos.

A ida de Manuel Eduardo Vieira para os EUA ocorreria no começo dos anos 70, período em que os pais e o irmão Artur, já tinham emigrado para a Califórnia e onde trabalhavam no Vale de São Joaquim, numa empresa agrícola do tio António Vieira Tomás, que serviu de palco à sua primeira experiência profissional na área.

O esforço e o nunca desistir perante as dificuldades, patentes no facto de ter começado a estudar inglês à noite e a trabalhar no campo, durante o dia, forjaram um homem que conquistou a pulso o sonho americano. E que teve o impulso decisivo quando em 1977 o tio lhe fez a proposta de vender-lhe a A.V. Thomas Produce que produzia então batata-doce em cerca de 20 hectares de terreno, e tinha uma única linha de tratamento e de embalagem instalada num barracão na cidade de Livingston.

O duplo emigrante açoriano teve o engenho e arte de relançar a empresa, adquirida por 145 mil dólares, introduzindo técnicas pioneiras e inovadoras à produção da batata-doce, como a certificação de produção biológica em 1988, ou recentemente a batata-doce em embalagem individual e pronta a ir ao micro-ondas, e expandindo a propriedade que presentemente tem mais de 1200 hectares. Contexto que a transforma, segundo o departamento de Agricultura dos Estados Unidos, na maior produtora mundial de batata-doce biológica, com um volume de negócios que ultrapassa os 50 milhões de euros, e onde nas épocas da apanha, trabalham cerca de 900 trabalhadores, e que levou inclusive na década de 90 a cadeia de supermercados Safeway a oferecer a Manuel Eduardo Vieira uma placa de matrícula personalizada com as palavras King Yam “Rei da Batata-Doce”.

Empresário e empreendedor com uma trajetória marcada pelo mérito e pela inovação, premissas que levaram a que em 2013 vencesse a primeira edição do “Best Leader Awards (BLA) EUA” na categoria de “Lifetime Achievement”, e que dois anos antes, impeliu o então Presidente da República, Cavaco Silva, a atribuir-lhe a comenda da Ordem de Mérito, Manuel Eduardo Vieira mantém uma ligação umbilical à sua terra natal.

Ainda em 2017, foi inaugurada na praceta do Centro Social da Silveira, Lajes do Pico, onde foi o principal benemérito da obra do Salão do Centro Social, Cultural e Recreativo, uma estátua em sua homenagem e que eterniza igualmente a generosidade que tem repartido por diversas associações da ilha do Pico.

Radicado há cerca de cinquenta anos nos Estados Unidos da América, o sucesso que o emigrante picoense alcançou ao longo dos últimos anos no mundo dos negócios, tem sido acompanhado igualmente de um apoio constante à comunidade luso-americana, onde foi fundador e primeiro presidente da Sociedade Filarmónica Lira Açoriana de Livingston, da Casa dos Açores de Hilmar e da Igreja da Paróquia de Nossa Senhora da Assunção em Turlock.

Uma das figuras mais proeminentes da comunidade luso-americana, o exemplo inspirador e de sucesso do comendador Manuel Eduardo Vieira, encontra-se vertido numa das suas principais máximas de vida: “As coisas boas não aparecem facilmente, é preciso trabalhar duro para consegui-las. Se temos uma meta a atingir, não podemos desistir, porque com trabalho, organização e muita disciplina, tudo é possível”.

ENVELHECER NAS COMUNIDADES PORTUGUESAS

30128522348_0068acc1a9_b

  • Crónica de Daniel Bastos

Dentro dos desafios e problemáticas que as sociedades enfrentam na atualidade, o envelhecimento populacional assume uma cada vez maior premência, dadas as suas implicações coletivas e multidimensionais, como é o caso, do mercado laboral, da proteção social, das estruturas familiares ou dos laços intergeracionais.

Como apontam as Nações Unidas, o número de idosos, com 60 anos ou mais, deve duplicar até 2050 e mais do que triplicar até 2100, passando de 962 milhões em 2017 para 2,1 mil milhões em 2050 e 3,1 mil milhões em 2100. Se o envelhecimento populacional é um fenómeno mundial, na Europa assume maiores proporções, até porque, hoje em dia, o velho continente tem a maior percentagem da população com 60 anos ou mais (25%).

No quadro do inverno demográfico mundial e europeu, a sociedade portuguesa é uma das mais afetadas, apontando mesmo o Instituto Nacional de Estatística (INE) que quase metade da população portuguesa terá mais de 65 anos dentro de meio século. Este cenário de envelhecimento da população que reside no território nacional, também é visível no seio das comunidades lusas, em particular, nos países com maior e mais antiga tradição de emigração portuguesa.

Segundo o estudo sociológico, A emigração portuguesa no século XXI, a percentagem dos idosos entre os emigrantes lusos aumentou, por exemplo, no Canadá 11 pontos percentuais, passando de 17% para 28%, entre 2001 e 2011, e nos EUA aumentou sete pontos percentuais, de 16% para 23%. Crescimento elevado da percentagem dos idosos é ainda observável entre os emigrantes portugueses em França, destino europeu mais antigo. Essa percentagem duplicou, passando de 8% para 16% entre 2002 e 2011”.

É neste contexto de populações nacionais emigradas mais envelhecidas, que ganha especial relevância a iniciativa que está a ser por estes dias dinamizada no seio da comunidade portuguesa em Toronto, onde vive a maioria dos mais de 500 mil compatriotas e lusodescendentes presentes no Canadá. Designadamente, o projeto de construção a breve prazo de um centro, orçado em vários milhões de dólares, capaz de acolher mais de 200 idosos, especialmente direcionado para a comunidade portuguesa.

Este projeto, há muito ambicionado pelos emigrantes lusos na maior cidade canadiana, está a ser dinamizado pela Magellen Community Charities (Instituição de Caridade Comunitária Magalhães). Uma organização sem fins lucrativos, em homenagem ao navegador português, que através da colaboração do poder politico e da solidariedade da comunidade luso-canadiana, pretende construir um lar culturalmente específico que terá que cumprir as seguintes condições: profissionais de saúde que falem português; atividades cultural e espiritualmente desenvolvidas em ambiente cultural sensível; promoção de programas sociais e recreativos em português e alimentação que deve incluir pratos tradicionais.

Numa época de galopante envelhecimento da população, e em que os efeitos da pandemia de COVID-19 têm acarretado graves consequências socioeconómicas, a construção de uma “casa” para os mais velhos da comunidade luso-canadiana, demonstra que o espírito de solidariedade e entreajuda ainda é uma das principais marcas da diáspora, em particular, da comunidade portuguesa em Toronto.

MUSEU DA FAMÍLIA TEIXEIRA: UM TRIBUTO AO LEGADO MIGRATÓRIO LUSO-VENEZUELANO

30128522348_0068acc1a9_b

  • Crónica de Daniel Bastos

O arquipélago da Madeira, cais singular de chegadas e partidas no oceano Atlântico, tem sido, ao longo da história portuguesa, um dos territórios nacionais mais fortemente marcado pelo fenómeno da emigração.

Um dos principais destinos da emigração madeirense na segunda metade do séc. XX, foi indubitavelmente a Venezuela, país da América do Sul, onde se estima que vivam atualmente cerca de 400 mil emigrantes portugueses, conquanto os lusodescendentes possam ser 1,3 milhões, essencialmente radicados na capital, Caracas, e sobretudo ligados aos sectores da hotelaria, construção civil e alimentação.

O relevante legado histórico da emigração lusa para a pátria de Simón Bolívar, maioritariamente oriunda da Madeira, está desde o início da segunda década do séc. XXI plasmado na missão e visão do Museu da Família Teixeira, situado na Fajã da Murta, freguesia do Faial, no concelho de Santana.

Um espaço museológico concebido pelo empresário Anaclet Teixeira de Freitas, e que tem como principal desígnio homenagear e perpetuar a memória dos seus progenitores, Albino Teixeira e Conceição Caires, naturais de Fajã da Murta, e que nos anos 50, tal como milhares de conterrâneos, encetaram uma trajetória migratória familiar para a Venezuela à procura de melhores condições de vida.

Nos anos 60, com apenas sete anos de idade, Anaclet Teixeira, foi ao encontro dos pais em Caracas onde viria no alvorecer da década de 80 a especializar-se em gastronomia judaica-ortodoxa. Área alimentar, que aliada a uma incansável capacidade de trabalho, ao culto do mérito e a uma constante dedicação à família, permitiram-lhe construir um verdeiro império comercial, atualmente refletido nas conhecidas cadeias de lojas “Rey David” na capital venezuelana.

Detentor de vários investimentos na América Latina, assim como na sua terra natal, onde tem investido em hotéis e imobiliário, contexto que confluiu para que no passado dia 1 de julho, Dia da Região Autónoma da Madeira e das Comunidades Madeirenses, tenha sido agraciado pelo Governo Regional com a insígnia autonómica de bons serviços, Anaclet Teixeira erigiu em Fajã da Murta um espaço museológico que alberga as memórias, objetos, cartas e fotografias da família.

Um núcleo museológico, aberto ao público e com entrada gratuita, aformoseado por um jardim com vinte palmeiras trazidas do Egipto, uma capela, um coreto e uma adega, que ao preservar a história de vida da Família Teixeira, dinamiza e perpetua a memória histórica do fenómeno da emigração no Arquipélago da Madeira, em particular do legado migratório luso-venezuelano.

Como destaca a socióloga das migrações, Maria Beatriz Rocha-Trindade, no artigo Museus de Migrações – Porquê e para quem?, o Museu da Família Teixeira “constitui um espaço museológico revelador de muitos factos que se encontram intimamente ligados à vida pessoal de um migrante, que partiu para a Venezuela pelo chamamento do seu pai e que a partir daí construiu habilmente e de forma particularmente inteligente o sucesso obtido”.

O exemplo de vida Anaclet Teixeira, empreendedor de sucesso que apesar de várias vicissitudes da vida nunca olvida as suas raízes e família, como espelha a construção do museu dedicado a homenagear e perpetuar a memória dos seus pais, inspira-nos a máxima do ensaísta francês Joseph Joubert: “A memória é o espelho onde observamos os ausentes”.

SUPERSTIÇÕES

Foto_GFM.jpg

  • Crónica de Gonçalo Fagundes Meira

Um médico meu amigo, há muito desaparecido, ainda no tempo em que os meios complementares de diagnóstico eram escassos e a medicina se exercia de mãos dadas com o estudo e a experiência, costumava dizer-me que o maior drama do médico era quando não acertava à primeira no mal do doente, porque a doença era complicada ou porque este não sabia explicar-se em relação aos sintomas que o apoquentavam.  “É que o doente, particularmente o mal-esclarecido, quando deixa de ter confiança em nós, nem sempre sabe procurar alternativa no contexto da medicina, e boa parte das vezes ele sente a tentação de procurar a solução no domínio do esotérico. Caminhar em direção à bruxa, entrar na charlatanice, acreditar em maus-olhados e tantas outras coisas bizarras, é algo que está na mente de imensa gente”, dizia-me ele. Daí que considerasse um feito diagnosticar bem a doença e tratar rapidamente quem o procurava. “Não é uma vitória minha, mas da medicina. Quanto mais fizermos para tirar as pessoas das mãos de charlatões, mais vidas salvamos e mais valorizamos o Ser Humano”, rematava.

gonfagmeir (1).jpg

Crenças e superstições. O retrato de quem goza com o tema. (In portal do folclore português)

Eu sabia que assim era, porque a superstição, hoje menos disseminada, dada a evolução das sociedades, em tempos, especialmente nos meios rurais, acontecia com regularidade assustadora, sendo até assumida como algo natural. Reconhecer a determinadas pessoas poderes sobrenaturais e procurá-las para tratar de males que são mais aparentes do que reais, é entrar no domínio do absurdo. Lembro-me que há 50 anos as crianças choravam muito. Acontecia, fundamentalmente, por má qualidade de vida e falta de acompanhamento médico; no entanto, da parte de quem as criava, havia sempre a tendência para dizer que elas tinham o diabo no corpo e que o melhor era fazer-lhes um defumo. Ainda haverá quem o faça, mas, se tal chega ao domínio público, quem o faz arrisca-se à chacota e à recriminação. O mesmo acontecia com as ditas invejas e infidelidades. Para afastar invejosos ou gente que punha em causa casamento alheio, nada como recorrer à bruxa, porque ela dispunha de boas armas para anular estes males. Acontece que, nestes como noutros casos, os comportamentos menos próprios se deviam e devem, fundamentalmente, a formação insuficiente. Quanto menos bem formadas as pessoas forem, mais tendência têm para reprováveis comportamentos. E a incultura não tem de todo a ver com formação académica. Pode-se ser culto com escolaridade básica. Mas o melhor é não dar mais profundidade ao assunto, para não ocupar todas as páginas do jornal. As histórias e as práticas são tantas que, descrevê-las, só em partes, para não cansar os leitores.

gonfagmeir (3).jpg

Acertar na mouche

Pelo caricato que envolve, fico-me apenas por mais uma abordagem acontecida comigo quando jovem. Naquele tempo, muito se falava de Procissão de Defuntos, não faltando gente a dizer que todos os dias à meia noite vinha para o caminho assistir à sua passagem, reconhecendo boa parte dos que integravam o cortejo. Sempre que alguém morria, também alguém afirmava que já estava à espera qua tal acontecesse. Pois, digo eu, todos esperamos a morte. Engraçado, ou anedótico, é que nunca vi alguém contrariar quem o afirmava. Antes pelo contrário, o que as pessoas temiam era serem vistas por essa gente de poderes sobrenaturais naquele grupo viandante. Quantas vezes em trabalhos agrícolas noturnos, particularmente desfolhadas do milho lá pela meia noite, alguém já de idade avançada, sentindo um ruído na noite escura, afirmava: “lá vai ela, hoje vai uma multidão, e vai lá gente importante e rica”. Caso raro porque os ricos naquele tempo eram bem poucos, atrevo-me a afirmar. Quase toda a gente andava descalça ou de galochas e quase toda a gente vivia humildemente do campo ou do mar. Pois, mas eu também me vi envolvido num encontro com a Procissão dos Defuntos.

O Castelo do Neiva só passou a ter energia elétrica na década de 1960 e, até aí, à noite tudo era fantasmagórico. As tabernas, que nunca fechavam muito tarde, iluminavam-se com o ainda hoje conhecido Petromax, alimentados a petróleo, coisa rara e de gente com algumas posses. Ora, no tempo que antecedeu a luz elétrica caminhar na rua à noite despertava todos os medos. No inverno, ainda dia, todos se recolhiam às suas casas, para curtir noites longas. No verão, contudo, havia as desfolhadas, particularmente em casa dos lavradores abastados, que juntavam um número substancial de pessoas. E nas desfolhadas apareciam os mascarados com voz disfarçada para não serem reconhecidos. Mas isso era por pouco tempo, porque rapidamente a máscara desaparecia do rosto e todos entravam no trabalho para ter direito a alguns comes e bebes, e à procura da espiga vermelha, para reinar com as moças. No fim é que era o pior porque cerca da meia-noite, ou já de madrugada, todos tinham que voltar ao lugar de partida enfrentando o tenebroso escuro noturno.

gonfagmeir (2).jpg

O velho petromax, o melhor recurso do seu tempo

Ora foi numa dessas noites em que nada se descortinava, ao ponto de se perder o norte e só por intuição chegar a casa, que o medo também me gelou o corpo. De tanto ouvir falar de Procissão dos Defuntos, pela ainda tenra idade e fraca noção das realidades, também ela me perturbava. Já no portão de entrada da casa aconteceu o que menos esperava: ao longe começo a ouvir um ruído estranho, que se ia ampliando lentamente até atingir um nível bem elevado. De repente, este começa a diminuir e vai desaparecendo, sem que eu conseguisse descortinar fosse o que fosse.

A noite foi de insónias e no dia seguinte, depois da missa dominical, no local de encontro de amigos, o assunto tinha que dar debate. Palpites não faltaram, com a esmagadora maioria convencida de que se tratava de algo de anormal, alguns indecisos, mas outros convictos. Estava-se nisto, quando alguém passa e diz: “Campinho (apelido de família) ontem à noite não ganhaste para o susto, nem deves ter pregado olho”. Vendo-me intrigado, remata, “era eu rapaz; a bicicleta, que já sabe bem o caminho para minha casa, não necessita de luz e, naquele escuro medonho, eu e ela circulamos sem sermos vistos. Aqui temos a Procissão dos Defuntos no seu melhor. Mais comentários só consomem tempo.

POBREZA, PANDEMIA E SOLIDARIEDADE NA COMUNIDADE PORTUGUESA EM FRANÇA

30128522348_0068acc1a9_b

  • Crónica de Daniel Bastos

O impacto da pandemia que assola o mundo tem agravado e desvendado várias situações de emigrantes portugueses envoltos nas dificuldades do isolamento, das malhas da pobreza, do flagelo do desemprego e da precariedade.

Nos últimos tempos, têm sido conhecidos, por exemplo, no seio da comunidade portuguesa em França, a mais numerosa das comunidades lusas na Europa, rondando um milhão de pessoas, vários casos de emigrantes que viram a pandemia reduzir os seus salários ou ficarem mesmo sem trabalho, não conseguindo por via disso pagar a renda da casa e consequentemente soçobrar perante o espectro da pobreza.

Ainda no final do mês de junho, o Presidente do Conselho Fiscal da Misericórdia de Paris, Manuel Antunes da Cunha, revelou no decurso das XI Jornadas Sociais da Santa Casa da Misericórdia de Paris, que seis portugueses, entre os 38 e 82 anos, encontram-se entre as 535 pessoas que morreram nas ruas de França em 2020. Segundo o dirigente da instituição de assistência social lusa em Paris, região onde pereceram cinco mendigos portugueses no ano passado, muitas das vezes olvidamos os compatriotas “cujos percursos de vida não foram os desejáveis para eles e, portanto, em situações de pandemia, aqueles que estão no limiar da pobreza ou têm uma vida remediada rapidamente se encontram em situações de precariedade”. No entendimento do mesmo, a “pandemia põe à vista as dificuldades de uma população que está na fronteira do limiar da pobreza. Há um conjunto de pessoas da nova migração para França que vieram em condições difíceis e não têm retaguarda familiar”.

Este cenário de intrincadas dificuldades decorrentes do cenário pandémico tem sido essencialmente mitigado no seio da comunidade portuguesa em França através de um enorme espírito entreajuda e solidariedade, que tem inclusivamente contribuído decisivamente para a prossecução da missão da instituição de assistência social lusa em Paris. Ainda no ocaso do mês de junho, o coletivo “Todos Juntos”, voltou a mobilizar-se para ajudar a Santa Casa da Misericórdia de Paris numa campanha de recolha de géneros alimentícios, produtos de higiene e outros bens essenciais destinados a apoiar famílias portuguesas carenciadas

Este espírito de entreajuda e solidariedade tem sido igualmente profusamente dinamizado ao longo dos últimos anos pela ação benemérita do empresário luso-francês João Pina, instituidor da Fundação “Nova Era Jean Pina”, e que tem sido responsável pela promoção de projetos de cariz sociocultural em prol das pessoas mais desfavorecidas ou vulneráveis, como idosos, crianças institucionalizadas e desempregados. Ainda recentemente, a Fundação Nova Era, assinou um contrato de aluguer de um apartamento que albergou um lusodescendente, residente em França, que se encontrava há vários meses a residir num espaço sem as condições mínimas de habitabilidade.

Estes exemplos inspiradores de entreajuda e solidariedade, e muitos outros que estão a ser dinamizados no seio da comunidade portuguesa em França, assim como um pouco toda a diáspora lusa, têm sido fundamentais para mitigar os efeitos adversos da pandemia, e dão sentido à citação do afamado advogado Clarence Darrow: “O homem que luta por outro é melhor do que aquele que luta por si próprio”.

AUTARCAS SOCIALISTAS QUEREM ACABAR COM OS DISTRITOS – PORQUE NÃO SE INSTITUI UM CÍRCULO ELEITORAL ÚNICO A NÍVEL NACIONAL?

35922660_1749853358428503_3697575518795726848_n.jp

  • Crónica de Carlos Gomes

Recentes notícias vindas a público na comunicação social dão-nos conta de que um grupo de autarcas socialistas defendem uma nova reforma administrativa, que acabe com a figura do distrito.

Para eliminar os distritos – aquilo que consideram a “antecâmara da regionalização” – sugerem que se faça coincidir os círculos eleitorais com as comunidades intermunicipais, “nem que tal signifique redefinir as NUT (unidades que dividem o país administrativamente)”.

Sucede que, o Artigo 256.º (Instituição em concreto), alínea 1. Da Constituição da República Portuguesa refere que A instituição em concreto das regiões administrativas, com aprovação da lei de instituição de cada uma delas, depende da lei prevista no artigo anterior e do voto favorável expresso pela maioria dos cidadãos eleitores que se tenham pronunciado em consulta direta, de alcance nacional e relativa a cada área regional.”.

Os autarcas socialistas vão ainda mais longe ao proporem a erradicação definitiva daquilo que consideram a “anacrónica figura do distrito” para que haja “uma coordenação territorial das políticas de desenvolvimento à escala supramunicipal”. Isto, apesar do Artigo 291 (Distritos), alínea 1. da Constituição da República Portuguesa, estabelecer que Enquanto as regiões administrativas não estiverem concretamente instituídas, subsistirá a divisão distrital no espaço por elas não abrangido.”.

Na realidade, esta proposta vem no seguimento da decisão do XIX Governo Constitucional, presidido pelo Dr. Passos Coelho, quando este decidiu não nomear os governadores civis… e, da divisão distrital passaram a restar apenas os círculos eleitorais!

Em Portugal, a instituição dos Distritos enquanto divisão administrativa remonta ao Liberalismo, instituídos pela Lei de 25 de Abril de 1835 que suprimiu a anterior divisão em províncias e comarcas.

Mas, enquanto a Regionalização – consagrada na constituição há 45 anos! – não for concretizada e atendendo às distorções do método de Hondt causado na representação parlamentar sobretudo devido à possibilidade de formação de coligações pré-eleitorais, podia-se suprimir os circulos eleitorais distritais e substituí-los por um círculo nacional único. Afinal de contas, até é frequente os candidatos concorrerem por círculos em que não estão inscritos e em relação aos quais nem sequer possuem qualquer ligação… ao menos, na contagem dos votos, os “restos” passariam a corresponder de uma maneira mais aproximada ao número de deputados eleitos, evitando a formação de maiorias absolutas sem correspondência ao número de votos válidos.

BRAGA: OPINIÃO DE RICARDO RIO SOBRE OS ODS APROVADA NO PLENÁRIO DO COMITÉ DAS REGIÕES

Edil defendeu regresso dos ODS ao topo da agenda da UE no Fórum Económico de Bruxelas 

“A Europa tem de fortalecer o seu compromisso com o Desenvolvimento Sustentável e de valorizar o papel das Autoridades Locais”. A ideia foi defendida por Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga e membro do Comité das Regiões da União Europeia, durante o plenário do Comité das Regiões que decorreu hoje, dia 01 de Julho, em formato digital.

Ricardo Rio Plenário CoR.png

O autarca Bracarense foi o relator seleccionado para elaboração de um relatório sobre a implementação dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) na União Europeia, tendo a sua opinião expressa nesse mesmo relatório sido aprovada neste plenário e adoptada pelo Comité das Regiões. 

Ricardo Rio afirmou no plenário que a ausência de referências claras aos ODS e a falta de envolvimento das cidades e regiões nos planos de recuperação nacionais ´podem comprometer a capacidade de superar a pandemia, efectuar uma recuperação sustentável e concretizar a transição verde e digital´. Nesse sentido, os líderes locais e regionais europeus apelam para que os ODS voltem ao topo da agenda da União Europeia, solicitando às instituições da UE e aos Estados-Membros que garantam a sua implementação até 2030. 

Esse mesmo apelo foi deixado por Ricardo Rio durante o Fórum Económico de Bruxelas, que decorreu dia 29 de Junho. O autarca participou num painel dedicado ao tema da recuperação pós-pandemia, ao qual se juntou também Viveka Palm, que assume o cargo de Directora do Departamento de Estatísticas do Eurostat. 

A iniciativa, organizada pela Comissão Europeia, reuniu decisores políticos e influenciadores, contando com a participação de oradores de alto nível, como a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, a Chanceler Alemã, Angela Merkel, ou a Presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde. 

Ricardo Rio aproveitou a ocasião para enfatizar a importância das cidades e regiões na implementação dos ODS, lembrando que a OCDE estima que 65% dos ODS requerem o envolvimento de regiões e cidades para serem implementados.  

“Como presidente da Câmara, estou totalmente empenhado em implementar os ODS na minha realidade local e em promovê-los no contexto da União Europeia, de forma a garantir, numa perspectiva multinível, que estes são verdadeiramente implementados”, disse.

Considerando como negativo o declínio gradual que se tem verificado da centralidade dos ODS na narrativa da EU, Ricardo Rio apontou um caminho diferente. “Estou convicto de que os ODS fornecem a estrutura certa para a recuperação e devem voltar à narrativa da UE como parte da sua identidade central, permitindo trabalhar de forma consistente com as cidades e regiões para uma recuperação verdadeiramente sustentável”, afirmou, mostrando-se esperançoso numa maior ligação entre os ODS e os planos de recuperação sustentável.

O MUSEU ETNOGRÁFICO PORTUGUÊS NA AUSTRÁLIA

30128522348_0068acc1a9_b

  • Crónica de Daniel Bastos

A comunidade portuguesa na Austrália, cujas raízes remontam à segunda metade do séc. XX com a chegada de um grupo de emigrantes da Ilha da Madeira à cidade portuária de Freemantle, destaca-se atualmente pela sua perfeita integração no continente-ilha, situado no hemisfério sul, na Oceânia.

Conquanto, os dados oficiais apontem para que vivam hoje pouco mais de 55 mil portugueses na Austrália, a comunidade lusa encontra-se disseminada por metrópoles como Perth, Melbourne ou Sydney, onde é possível encontrar centros culturais e recreativos, restaurantes e bairros onde se pode falar exclusivamente a língua de Camões.

A herança cultural lusa no território australiano é voluntariamente dinamizada e preservada, desde 10 de junho de 1997, pelo Museu Etnográfico Português na Austrália. Um espaço museológico, inaugurado nesse ano em Camperdown, o bairro de maior concentração de portugueses na cidade de Sydney, através de um grupo de compatriotas decididos a promover a cultura e tradições nacionais, não só no seio da comunidade lusa na Austrália, mas como também das diversas comunidades que constituem esta nação que se destaca pelo seu multiculturalismo.

O Museu Etnográfico Português na Austrália, que é ao mesmo tempo um centro cultural que dinamiza exposições temporárias, teatro, música e conferências, fomentando assim a coesão e identidade portuguesa junto dos emigrantes e lusodescendentes, alberga inúmeras réplicas e símbolos da pátria de origem. Como por exemplo, réplicas de caravelas, trajes do Minho, Madeira e de varinas de Lisboa, guitarras, olaria alentejana, rendas de bilros ou tapetes de Arraiolos.

O espólio do Museu Etnográfico Português na Austrália, que convida a uma viagem pelas culturas e tradições nacionais, tem sido ao longo das últimas décadas enriquecido com objetos doados ou emprestados por membros da comunidade luso-australiana, assim como pelo envio por parte de várias câmaras municipais de artigos alusivos às culturas e tradições dos seus concelhos.

O papel relevante da instituição na preservação e transmissão da herança cultural portuguesa na Austrália concorreu para quem em março de 2018, no decurso de uma visita oficial à Oceânia, o então Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, tenha atribuído a Placa de Mérito das Comunidades ao Museu Etnográfico Português na Austrália.

Enquanto espaço singular que concomitantemente dignifica a presença portuguesa na Austrália, valoriza a comunidade luso-australiana e divulga a língua e cultura pátria no continente-ilha, o Museu Etnográfico Português na Austrália constitui-se como um exemplo inspirador para as comunidades portuguesas no mundo, principalmente naquilo que deve ser o respeito pelo seu passado, a construção do seu presente e a projeção do seu futuro.

COMENDADOR JOSÉ MORAIS: UM "SELF-MADE MAN" LUSO-AMERICANO

30128522348_0068acc1a9_b

  • Crónica de Daniel Bastos

Uma das marcas mais características das comunidades portuguesas espalhadas pelos quatro cantos do mundo é a sua dimensão empreendedora, como corroboram as trajetórias de diversos compatriotas que criam empresas de sucesso e desempenham funções de relevo a nível cultural, social, económico e político.

Nos vários exemplos de empresários portugueses da diáspora, cada vez mais reconhecidos como uma mais-valia estratégica na promoção internacional do país, destaca-se o percurso inspirador e de sucesso do comendador José Morais, um dos mais ativos e notáveis empresários portugueses nos Estados Unidos da América.

Natural de Curalha, concelho de Chaves, José Morais emigrou para a América no início da década de 1950, aos 17 anos de idade, já casado, em demanda de melhores condições de vida, dada a estreiteza de horizontes do seu torrão natal, onde o fardo da pobreza, ruralidade e da interioridade durante a ditadura portuguesa era vivenciado por uma maioria de habitantes cultivadores da terra e pastores das suas vezeiras.

Depois de passar por New Bedford e Long Island, onde nasceram as três filhas, e ter começado por trabalhar numa fábrica de sapatos, José Morais estabeleceu-se mais tarde com a família em Manassas, na Virgínia, estado em que fundou uma empresa de construção civil e encetou um percurso de vida de um autêntico self-made man.

Detentor de um espirito indómito e de uma capacidade de trabalho infatigável, méritos coligidos no berço transmontano, José Morais construiu no último meio século um império empresarial nas áreas da construção civil, cimenteira e imobiliário, entre outros, contexto que concorre para que seja uma das figuras mais destacadas da comunidade luso-americana.

Empresário multifacetado, com uma trajetória marcada pelo mérito e resiliência, o self-made man luso-americano de raízes trasmontanas, que é também um colecionador de carros antigos, dedica-se presentemente, no estado da Virgínia, à produção de vinhos “Morais Vineyards”.

Radicado há mais cinquenta anos nos Estados Unidos da América, o sucesso que o emigrante flaviense alcançou ao longo dos últimos anos no mundo dos negócios, tem sido acompanhado de um apoio denodado à comunidade luso-americana, como é o caso do Virginia Portuguese Community Center, fundado em 1987 no centro de Manassas, a pouco mais de 50 quilómetros de Washington. Altruísmo que concorreu para que tenha sido durante mais de uma década membro do conselho das comunidades, e para que o então Presidente da República, Cavaco Silva, atribui-se-lhe as insígnias de comendador.

Uma das figuras mais proeminentes da comunidade portuguesa de Manassas, no estado de Virgínia, onde vivem e trabalham mais de dez mil luso-americanos, o comendador José Morais, que nunca esquece as suas raízes e nutre um bem-querer ativo pela sua terra natal, relembra-nos a máxima do magnata Jean Paul Getty: “O empresário verdadeiramente bem-sucedido é essencialmente um dissidente, um rebelde que raramente ou nunca está satisfeito com o status quo”.

GÉRALD BLONCOURT: O FOTÓGRAFO DA EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

  • Crónica de Daniel Bastos

No rescaldo do dia 10 de junho, em que se comemorou o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, este ano ainda marcadas pelos efeitos de isolamento social decorrentes da pandemia de coronavírus, assoma na memória coletiva nacional a figura cimeira do fotógrafo Gérald Bloncourt (1926-2018), um dos grandes nomes da fotografia humanista, cujas amplamente conhecidas imagens que imortalizam a história da emigração portuguesa para França, representam um contributo fundamental para uma melhor compreensão e representação do nosso passado recente.

Colaborador de jornais de referência no campo social e sindical, o antigo fotojornalista franco-haitiano que esteve radicado em Paris mais de meio século, teve o condão de retratar a chegada das primeiras levas massivas de emigrantes portugueses a França nos anos 60. A lente humanista do fotógrafo com dotes poéticos captou com particular singularidade as duras condições de vida dos nossos compatriotas nos bairros de lata nos arredores de Paris, conhecidos como bidonvilles, como os de Saint-Denis ou Champigny, com condições de habitabilidade deploráveis, sem eletricidade, sem saneamento nem água potável, construídos junto das obras de construção civil.

Igualmente relevantes são as imagens que Bloncourt captou durante a sua primeira viagem a Portugal nos anos 60, onde retratou o quotidiano das cidades de Lisboa, Porto e Chaves. Assim como as da viagem a “salto” que fez com emigrantes além Pirenéus, e as dos primeiros dias de liberdade em Portugal, como as das comemorações do 1.º de Maio de 1974 em Lisboa, acontecimento que permanece ainda hoje como a maior manifestação popular da história portuguesa.

Gérald Bloncourt - Daniel Bastos.jpg

Entre 2015 e 2019, o historiador Daniel Bastos (esq.) concebeu e realizou os livros “O Olhar de Compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores” e “Dias de Liberdade em Portugal”, que eternizam, respetivamente, o valioso espólio fotográfico de Gérald Bloncourt (dir.)

O trabalho fotográfico de Bloncourt sobre a emigração e a génese da democracia portuguesa constitui um valioso repositório do último meio século nacional, que resgata das penumbras do esquecimento os protagonistas anónimos da história nacional que lutaram aquém e além-fronteiras pelo direito a uma vida melhor e à liberdade.

O trabalho e percurso de vida do fotógrafo francês de origem haitiana, que durante mais de vinte anos escreveu com luz a vida dos portugueses em França e Portugal, foram em 2016 distinguidos pelo Presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa. No âmbito das Comemorações do 10 de junho em Paris, cujas comemorações oficiais nesse ano aconteceram pela primeira vez numa cidade fora do país, modelo de celebração junto das comunidades portuguesas que há dois anos não tem sido possível concretizar por parte do mais alto magistrado da Nação devido à pandemia global criada pela covid-19, o aclamado fotógrafo foi condecorado na cidade simbólica de Champigny, com a ordem de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique.

Como realçou o chefe de Estado português, aquando do perecimento de Gérald Bloncourt, "há um dever de memória" em evocar o trabalho com a emigração portuguesa do fotojornalista franco-haitiano, porquanto o mesmo “foi uma das testemunhas do duro quotidiano dos compatriotas que viveram os primeiros anos da maior vaga de emigração para França, sendo simultaneamente amigo e companheiro de tantos portugueses que ali construíram o seu futuro”.

10 DE JUUNHO, O DESAFIO DA ESPERANÇA NAS COMUNIDADES PORTUGUESAS

  • Crónica de Daniel Bastos

Ainda que já consigamos vislumbrar a luz ao fundo do túnel, os efeitos de isolamento social derivados do cenário pandémico global que vivemos há sensivelmente dois anos, concorrem para que uma vez mais as comemorações do Dia de Portugal no seio das Comunidades Portuguesas, as mais genuínas manifestações de amor à pátria lusa, decorram numa configuração mais simples e simbólica.

30128522348_0068acc1a9_b

Como no território nacional, onde o 10 de junho será assinalado oficialmente na Região Autónoma da Madeira, sem comemorações no estrangeiro pelo segundo ano consecutivo, sendo que este ano esteve previsto que acontecessem também na Bélgica, as celebrações no seio da Diáspora prosseguirão num modelo minimalista mas não menos afetivo.

Antevêem-se portanto, uma vez mais, comemorações simbólicas do Dia de Portugal, com recurso às plataformas digitais como meio de mitigar o isolamento social, assim como singelas cerimónias presenciais onde o hastear da bandeira e o entoar do hino nacional decorrerão com poucas pessoas e regras sanitárias.

Na antecâmara das comemorações de mais um 10 de junho, e perante o contínuo impacto social da pandemia que entrava o normal quotidiano das sociedades, urge uma ampla reflexão aquém e além-fronteiras sobre o futuro das Comunidades Portuguesas, tanto que persistem os casos de dificuldades no seu movimento associativo.

Dificuldades que se arrastam perante a impossibilidade de realização de eventos e iniciativas, como é o exemplo cimeiro do Dia de Portugal, e que são em muitos casos indispensáveis para a obtenção de receitas que permitem custear o normal funcionamento das associações, como seja o pagamento da água, luz, rendas dos espaços ou a sua manutenção.

O risco de fecho definitivo de diversas associações no seio das Comunidades Portuguesas é real, e é ainda agravado pela problemática do envelhecimento dos seus quadros dirigentes, da maioria dos seus associados e da escassa participação dos lusodescendentes.

Este risco de erosão associativo no seio da Diáspora só não tomou ainda dimensões alarmantes, devido ao espírito de engenho e solidariedade dos emigrantes portugueses, em particular, da resiliência, dedicação, esforço e carolice dos associados e dirigentes das associações lusas, assim como dos seus patrocinadores e empresários mecenas que têm dado um contributo vital na sobrevivência do movimento associativo.

Este momento delicado que o movimento associativo da Diáspora atravessa, se por um lado demanda junto das autoridades governativas das pátrias de origem e de acolhimento um reforço de apoios extraordinários destinados às ações e projetos das associações. Por outro lado, impele que as forças vivas do movimento associativo das Comunidades Portuguesas coloquem definitivamente em cima da mesa, não só, quando a vida voltar a breve trecho a normalizar, a diversificação de atividades capazes de conciliarem a cultura tradicional enraizada nas coletividades com novas dimensões socioculturais que possam atrair as jovens gerações de lusodescendentes.

Como também a adoção de um novo modelo de atuação e organização das associações, que necessariamente terá que passar, em vários quadrantes da geografia da Diáspora, por um paradigma de partilha de uma “casa comum”, capaz de reunir num só espaço com dignidade e dimensão a valiosa argamassa identitária das Comunidades Portuguesas.

Um modelo de “Casa de Portugal”, de portas sempre abertas a tudo e a todos, com uma agenda capaz de congregar as diversas sinergias do movimento associativo e de potenciar o coletivo, a união e os parcos recursos humanos e financeiros, em prol da cultura portuguesa.

Que perante as adversidades que nos últimos dois anos temos enfrentado, em particular, o movimento associativo das Comunidades Portuguesas, saibamos com esperança e solidariedade fazer das fraquezas forças, dos desafios oportunidades, para assim construirmos um futuro melhor, e em breve nos encontrarmos todos, presencialmente, em torno na Bandeira Portuguesa.

A todos os portugueses, aquém e além-fronteiras, um Feliz Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas.

A PRESENÇA PORTUGUESA NO MUSEU DA IMIGRAÇÃO EM PARIS

  • Crónica de Daniel Bastos

A presença da comunidade portuguesa em França, a mais numerosa das comunidades lusas na Europa e uma das principais comunidades estrangeiras, estabelecidas no território gaulês, rondando um milhão de pessoas, ocupa um papel de destaque no Museu Nacional da História da Imigração em Paris.

30128522348_0068acc1a9_b

Fundado em 2007 e inserido no projeto da Cidade Nacional da História da Imigração, a exposição permanente do Museu da Imigração em Paris, composta por documentos de arquivo, imagens, obras de arte, objetos da vida diária e testemunhos visuais e sonoros que demandam (re)conhecer o contributo da imigração em França, é enriquecida por diversos fragmentos alusivos ao contributo da emigração lusa no desenvolvimento do território e da sociedade gaulesa.

Entre eles, destacam-se as peças cedidas pelo saudoso conselheiro das comunidades portuguesas José Batista de Matos, mormente o passaporte, a marmita do almoço e o capacete que este usou nas obras do metro de Paris, onde trabalhou trinta anos e ajudou a construir mais de duas dezenas de estações na capital francesa.

O espólio alusivo ao papel e importância da comunidade portuguesa é ainda ilustrado por vários esquemas de diapositivos, uma entrevista a um emigrante luso realizada nos anos 60, recordações, malas e fotografias, como a de um grupo de ranchos do Alto Minho que se encontra inserida na secção "vida de cá, vida de lá".

Refira-se que desde a sua génese, um dos membros do Conselho Científico e de Orientação do Museu Nacional da História da Imigração em Paris, é o sociólogo português Manuel Dias, Presidente do Comité Francês Aristides de Sousa Mendes e da Associação Aquitânia, que ao longo das últimas décadas tem dinamizado relevantes iniciativas em prol das relações culturais luso-francesas.

Como foi o caso em 2016, do centenário do acordo de mão-de-obra franco-português e a participação portuguesa na Grande Guerra, efeméride que computou a dinamização, no espaço museológico, de um colóquio e de uma exposição de fotografia sobre "Os Portugueses na Grande Guerra". Ou em 2019, da homenagem póstuma que a comunidade portuguesa em França prestou, no mesmo espaço, a Gérald Bloncourt, fotógrafo franco-haitiano que imortalizou a história da emigração lusa para o território gaulês.

Mais de que um estabelecimento cultural, científico e educacional dedicado à história e às culturas da imigração em França, o Museu Nacional da História da Imigração em Paris, como sustenta a etnóloga e antropóloga social Andréa Delaplace, é “um espaço borbulhante de discussões e espetáculos vivos no qual as diferentes culturas da imigração podem se expressar. Um verdadeiro fórum, uma verdadeira Cité, pólis, no sentido grego do termo”.

COMEMORAÇÕES DO CENTENÁRIO DE NASCIMENTO DE VASCO GONÇALVES

  • Crónica de Gonçalo Fagundes Meira

No âmbito das comemorações do centenário do ex-Primeiro Ministro Vasco Gonçalves, amanhã, dia 28, pelas 18,00 horas, na “Galeria Barca d’Artes”, na Rua dos Manjovos, Nº 31, é inaugurada a “exposição gráfica Vasco Gonçalves”.

Ainda no mesmo âmbito, no dia 31, Segunda feira, 18,00 horas, na Biblioteca Municipal, vai ocorrer a apresentação do livro “Essa gente é o que é. Eu Sou um Homem do M.F.A”. A obra é a presentada pela Drª Mariana Rocha Neves e conta com a presença do autor da mesma, Dr. António Avelãs Nunes (Professor catedrático jubilado da Universidade de Coimbra).

Para a Comissão Promotora das comemorações em Viana, Vasco Gonçalves foi um Homem generoso e abnegado na defesa dos interesses das classes mais desfavorecidas, enquanto Primeiro Ministro de Portugal, logo a seguir à revolução do 25 de Abril de 1974, dos II, III, IV e V Governos Provisórios (Julho, 1974 - Agosto, 1975). Foi ainda determinante na consolidação da democracia social e económica em Portugal. Lembrá-lo é não olvidar a sua obra e fazer-lhe a homenagem de que é bem merecedor.

188691173_1620976914754540_1728653706795002045_n.j

JOE SILVEY, UM PIONEIRO DA SOCIEDADE MULTICULTURAL NO CANADÁ

  • Crónica de Daniel Bastos

Estabelecida em grande parte da América do Norte, a sociedade canadiana destaca-se pela sua génese multiculturalista, intrinsecamente associada ao facto de possuir um dos maiores índices de desenvolvimento humano. Na base da mescla de grupos, idiomas e culturas étnicas que coexistem no Canadá, encontra-se o pioneirismo luso, que muito antes do fluxo migratório das décadas de 1950-60, teve no cabouqueiro Joe Silvey um percursor da presença portuguesa no território.

30128522348_0068acc1a9_b

Natural dos Açores, Joe Silvey ou José Silva, terá deixado a ilha do Pico em 1846, ainda a entrar na adolescência, embarcando num barco baleeiro americano. Esfumada a quimera do ouro que levou à época infindos aventureiros à Califórnia, instalou-se na Columbia Britânica por volta de 1860, onde veio a unir-se a Khaltinaht, neta do chefe índio Kiapilano, e de cuja relação nasceu a filha, Elizabeth, a primeira criança de sangue europeu nascida em Vancouver. Joe acabaria por se tornar, em 1867, o primeiro europeu a receber a nacionalidade canadiana, tendo por essa altura aberto em Gastown um saloon chamado The Hole in the Wall (O Buraco na Parede).

Após a morte da sua primeira mulher, o açoriano natural do Pico vendeu o saloon e instalou-se em Stanley Park, onde se dedicou à pesca, tendo sido o primeiro a conseguir uma licença oficial para pescar com a técnica da rede de cerco. Até à sua morte em 1802, Joe casou-se ainda com a índia salish conhecida como Lucy, de quem teve dez filhos, fixando-se em Read Island, onde comprou um vasto terreno e partilhou parte da sua prosperidade derivada da atividade piscatória com a comunidade local.

O pioneirismo de Joe Silvey na construção da sociedade multicultural no Canadá levou a que em 25 de abril de 2015 a Câmara de Vancouver, onde vivem e trabalham milhares de emigrantes portugueses, inaugura-se em Stanley Park um monumento em sua homenagem. Este pioneirismo foi também há poucos anos alvo de tributo em Portugal, através da inauguração, no final do mês de junho, de uma estátua em Belém, executada pelo escultor Luke Marston, trineto de Joe, e um profundo conhecedor das suas raízes lusas.

Com o aproximar das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, este ano ainda marcadas pelo contexto de pandemia, a memória histórica da figura Joe Silvey, um pioneiro da sociedade multicultural no Canadá, recorda-nos nos tempos complexos que vivemos como a capacidade de superação e de aprendizagem com os desafios é essencial na construção do nosso presente e futuro coletivo.

MUSEU HISTÓRICO DE SÃO JOSÉ: UM ESPAÇO DEDICADO À HERANÇA CULTURAL PORTUGUESA NA CALIFÓRNIA

  • Crónica de Daniel Bastos

A comunidade lusa nos Estados Unidos da América (EUA), cuja presença no território se adensou entre o primeiro quartel do séc. XIX e o último quartel do séc. XX, período em que se estima que tenham emigrado cerca de meio milhão de portugueses essencialmente oriundos dos Arquipélagos dos Açores e da Madeira, destaca-se atualmente pela sua perfeita integração, inegável empreendedorismo e relevante papel económico e sociopolítico na principal potência mundial.

30128522348_0068acc1a9_b

Atualmente, segundo dados dos últimos censos americanos, residem nos EUA mais de um milhão de portugueses e luso-americanos, principalmente concentrados em Massachusetts, Rhode Island, Nova Jérsia e Califórnia. É neste último estado, que vive e trabalha a maior comunidade luso-americana do país, constituída por mais de 300 mil pessoas, e cuja presença histórica no oeste dos EUA remonta à centúria oitocentista, aquando da corrida ao ouro, da dinamização da pesca da baleia e do atum, e mais tarde das atividades ligadas à agropecuária.

A secular presença portuguesa na Califórnia, que se manifesta hodiernamente na existência de diversas associações, clubes e fundações luso-americanas, esteve na base da inauguração a 7 de junho de 1997, na antecâmara do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, do Museu Histórico de São José.

Erigido pela Sociedade da Herança Portuguesa da Califórnia, o museu, que ocupa um espaço de 650 metros quadrados, possuiu uma forte componente dedicada à emigração portuguesa para a Califórnia, às suas tradições, em especial religiosas. De tal modo, que o edifício constitui uma réplica do primeiro Império (Capela do Espírito Santo), à volta da qual se desenvolvem as festividades do Espírito Santo.

O Museu Histórico de São José alberga um conjunto de várias exposições que perpassam a história da emigração portuguesa para a Califórnia e o papel da comunidade lusodescendente num dos mais prósperos estados norte-americanos. O papel e importância da comunidade portuguesa concorreram decisivamente para que há dois anos fosse oficialmente inscrita na legislatura estadual da Califórnia, após aprovação unânime no Senado, uma resolução a declarar junho de 2019 como "Mês da Herança Nacional Portuguesa".

Enquanto espaço singular que homenageia e perpetua a herança cultural lusa nos Estados Unidos da América, em particular na Califórnia, o Museu Histórico de São José constitui-se como um exemplo inspirador para as Comunidades Portuguesas disseminadas pelo mundo, principalmente naquilo que deve ser o respeito pelo seu passado, a construção do seu presente e a projeção do seu futuro.

LIVRARIA PORTUGUESA DE MACAU: UMA VITRINA DA CULTURA LUSÓFONA NO ORIENTE

30128522348_0068acc1a9_b

  • Crónica de Daniel Bastos

No atual contexto de crise, originado pela pandemia da Covid-19 e os efeitos do confinamento social, as livrarias, espaços incontornáveis de cultura e cidadania, travam diariamente, no território nacional e nas comunidades portuguesas no mundo, hercúleas batalhas de sobrevivência.

Muitas são as que no decurso dos últimos tempos pereceram no campo de batalha, soçobrando às incursões da concorrência de grandes cadeias, à forte pressão nas rendas do mercado imobiliário, à falta de apoios ou à alteração do modo de ler, que já não se cinge exclusivamente a ler o livro em papel.

No entanto, ainda há quem resista, insistindo em manter as portas abertas apesar das incessantes contrariedades, quais faróis de uma sociedade em que nunca foi tão necessário parar para ler, refletir e cultivar a sabedoria. É o caso da Livraria Portuguesa de Macau, uma das principais vitrinas da cultura lusófona no Oriente, que para além de funcionar como local de venda de livros e de outros produtos culturais, organiza regularmente sessões de apresentação de livros e exposições. 

Fundada em 1985 pelo Instituto Cultural de Macau, numa época em que o território asiático ainda se encontrava sob administração lusa, a Livraria Portuguesa de Macau é atualmente detida pelo Instituto Português do Oriente  (IPOR). Uma entidade pública empresarial nacional, que assume como missão central preservar e difundir a língua portuguesa e a cultura lusófona no Oriente, com vista à continuidade e aprofundamento do diálogo intercultural.

Enfrentando as diversas dificuldades com que as estruturas livreiras se debatem quotidianamente, a que assomam os problemas relacionados com a importação de livros a partir do país, mormente a distância e o custo do transporte, a Livraria Portuguesa de Macau persiste na dinamização de iniciativas e atividades direcionadas para a comunidade portuguesa em Macau.

Mas para além da comunidade lusa em Macau, cifrada em milhares de compatriotas, a Livraria Portuguesa tem procurado simultaneamente atrair um público mais vasto, de residentes de Macau que não dominam a língua de Camões e também de turistas que visitam a região autónoma chinesa.

Enquanto espaço relevante de promoção da língua portuguesa, o quarto idioma mais falado no mundo como língua materna (depois do mandarim, do inglês e do espanhol), e que está a conquistar cada vez mais estudantes chineses, segundo dados recentes do Instituto Camões atualmente cerca de cinco mil chineses estudam português em 47 universidades, a Livraria Portuguesa de Macau desempenha uma missão fundamental na dinamização da cultura lusófona no Oriente, assim como no fortalecimento das relações interculturais luso-chinesas.

ILDEBERTO MEDINA – UM EXEMPLO DE CONQUISTA DO SONHO AMERICANO

  • Crónica de Daniel Bastos

A comunidade lusa nos Estados Unidos da América (EUA), cuja presença no território se adensou entre o primeiro quartel do séc. XIX e o último quartel do séc. XX, período em que se estima que tenham emigrado cerca de meio milhão de portugueses essencialmente oriundos dos Arquipélagos dos Açores e da Madeira, destaca-se hoje pela sua perfeita integração, inegável empreendedorismo e relevante papel económico e sociopolítico na principal potência mundial.

30128522348_0068acc1a9_b

Atualmente, segundo dados dos últimos censos americanos, residem nos EUA mais de um milhão de portugueses e luso-americanos, principalmente concentrados na Califórnia, Massachusetts, Rhode Island e Nova Jérsia. A grande maioria da população luso-americana trabalha por conta de outrem, na indústria, mas são já muitos os que trabalham nos serviços ou se destacam na área científica, no ensino, nas artes, nas profissões liberais e nas atividades politicas.

No seio da numerosa comunidade lusa nos EUA, onde proliferam centenas de associações recreativas e culturais, clubes desportivos e sociais, fundações para a educação, bibliotecas, grupos de teatro, bandas filarmónicas, ranchos folclóricos, casas regionais e sociedades de beneficência e religiosas, destacam-se percursos de vida de vários compatriotas que alcançaram o sonho americano ("the American dream”).

Entre as várias trajetórias de portugueses que começaram do nada na América e ascenderam na escala social graças ao trabalho, ao mérito e ao empenho, destaca-se o percurso inspirador e de sucesso de Ildeberto Medina, uma das figuras mais gradas da numerosa comunidade luso-americana de Providence, estado norte-americano de Rhode Island.

Natural da ilha Graciosa, arquipélago dos Açores, Ildeberto Medina emigrou para a América em 1977, com apenas 15 anos, na companhia dos pais e do irmão, repetindo as pisadas da avó paterna, que no ocaso do séc. XIX tinha partido para a Costa Leste dos Estados Unidos num barco baleeiro em demanda de melhores condições de vida.

A chegada a Boston, capital e cidade mais populosa do estado norte-americano de Massachusetts, numa fase de incremento da emigração açoriana para o território americano, não correu como planeado devido à inadaptação dos pais à nova realidade, contexto que motivou a família a retornar ao torrão natal. 

Nunca esmorecendo na ambição de alcançar o sonho americano, Ildeberto e o irmão mais novo, desta vez sozinhos, cruzaria pouco tempo depois novamente o Oceano Atlântico. Em 1979, a partir de Providence, realizaria o seu primeiro trabalho por conta própria, começando aí um percurso de autêntico“self-made man” que o catapultou a empresário do ramo da construção civil com a fundação da empresa “Medina Construction” em 1985.

Ao longo dos últimos 40 anos, o trabalho incansável, a resiliência inabalável e a constante dedicação à família, elevaram o graciosense, que logrou inclusive acabar o liceu e ingressar no ensino universitário norte-americano onde se formou em Línguas, a um empreendedor de reconhecidos méritos na comunidade luso-americana, como revelam as inúmeras distinções que tem alcançado.

A mais recente foi atribuída este mês pelo Mayor Roberto Silva, autarca lusodescendente de East Providence, que distinguiu Ildeberto Medina com proclamação oficial no âmbito dos 40 anos de empreendedorismo do proprietário da “Medina Painting & Remodeling” e sócio de várias empresas. Nos fundamentos da atribuição da distinção sobressai o trajeto singular do empresário luso-americano: “Através de contínuos esforços, árduo trabalho, em sistema de part-time, ao mesmo tempo que frequentava a escola, desde a sua chegada aos EUA, empenhou-se na conquista do êxito da sua iniciativa empresarial. E como tal a cidade de East Providence reconhece a sua bravura e sacrifício concluído no êxito empresarial”.

Apoiante constante do associativismo luso-americano, e uma das figuras mais gradas da comunidade de East Providence, o exemplo de vida de Ildeberto Medina, empresário de sucesso que nunca olvida as suas raízes portuguesas, inspira-nos a máxima do historiador italiano Cesare Cantú: “O mais saboroso pão e a mais agradável comodidade são os que conquistamos com o nosso suor”.

O CALVÁRIO DOS TRABALHADORES E EMPRESÁRIOS TRANSFRONTEIRIÇOS

O ponto de passagem autorizado Valença-Tui, entre Portugal e Espanha, viveu, esta terça-feira de manhã, um ambiente infernal, com dezenas de quilómetros de filas para entrar em Portugal, com a passagem pelo controlo do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras a demorar uma média de 2 horas. Ao buzinão audível de revolta, vários trabalhadores transfronteiriços fizeram chegar o seu testemunho desesperante ao AECT Rio Minho, por email, telefone, nas redes sociais…

Foto Rui Martins.jpg

Apesar de evocar sensibilidade para o assunto, o Senhor Ministro da Administração Interna do Governo de Portugal, Doutor Eduardo Cabrita, tem mantido uma posição completamente inflexível e intransigente, sendo da sua inteira responsabilidade e competência esta afronta aos trabalhadores e empresários transfronteiriços.

Quer no primeiro confinamento em 2020, quer neste segundo encerramento de fronteiras decretado no início deste ano, o Município de Vila Nova de Cerveira e o AECT Rio Minho encetaram todas as diligências consideradas legalmente disponíveis. Realizamos ações de protesto nas pontes; à semelhança do primeiro confinamento, a Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira manifestou-se disponível para colaborar nas operações de fiscalização a implementar na Ponte Internacional da Amizade (Cerveira-Tomiño); mantivemos várias reuniões com o próprio Ministro da Administração Interna de Portugal e com o Delegado do Governo de Espanha; remetemos ofícios e dossiers de testemunhos de trabalhadores e empresários ao Senhor Presidente da República, aos Senhores Primeiros Ministros de Portugal e de Espanha, aos ministros da Administração Interna, dos Negócios Estrangeiros, da Economia, do Trabalho, da Coesão Territorial; estabelecemos contactos com os senhores deputados na Assembleia da República; conseguimos uma reunião de sensibilização junto da Comissão Europeia; dinamizamos reuniões com uma comitiva de eurodeputados portugueses e galegos no Parlamento Europeu;  convocamos conferências de imprensa; promovemos um estudo sobre os prejuízos socioeconómicos provocados por estes encerramentos…

Nunca quisemos colocar em causa a defesa da saúde pública. Apenas queremos que haja bom-senso político para com os milhares de trabalhadores e empresários transfronteiriços, e que vivem diariamente um calvário, um desgaste físico e emocional para exercer as suas funções laborais, sendo afunilados por um único ponto de passagem autorizado.

Legalmente não sabemos o que fazer mais.

Intervenções ilegais? Não sabemos fazer.

Reafirmamos a necessidade de reabertura urgente das fronteiras, bem como a compensação financeira para trabalhadores e empresários transfronteiriços, devido aos elevados prejuízos provocados por esta decisão injusta e desproporcionada, no tempo e na forma.

Os responsáveis políticos por esta ruína socioeconómica transfronteiriça têm de assumir as suas responsabilidades.

O Diretor do AECT Rio Minho e Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira,

Fernando Nogueira

Foto José Pereira.jpg