Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

MINHOTOS EM CAXIAS REALIZAM FESTIVAL DE FOLCLORE

O Rancho Folclórico Infantil e Juvenil da Pedreira Italiana, na Freguesia de Caxias, concelho de Oeiras, levou ontem a efeito o seu festival de folclore a assinalar 32 anos de sua existência.

65676439_476529086485973_3991258265735397376_n.jpg

Para além do anfitrião, participaram ainda o Rancho Folclórico de Mindelo (Vila do Conde), o Rancho Folclórico Verde Pinho – Coimbra, o Rancho Folclórico da Casa do Povo de Corroios – Seixal e o Rancho Folclórico Nossa Senhora das Neves – Manique de Baixo (Cascais).

A festa foi minhota – e bem minhota! – à qual não faltaram muitos dos nossos conterrâneos que vivem na região de Lisboa, a aplaudir um grupo folclórico que merece o nosso incondicional apoio para que a sua representação seja sempre cada vez mais digna, à semelhança do esforço que tem sido realizado com outros agrupamentos congéneres.

65672040_476529679819247_2545844858296205312_n.jpg

O bairro da Pedreira Italiana situa-se na Freguesia de Caxias, concelho de Oeiras, a escassos quilómetros de Lisboa. Trata-se de uma Área Urbana de Génese Ilegal (AUGI) onde também vivem alguns minhotos, sobretudo do Distrito de Viana do Castelo.

Nesse bairro, criaram em 21 de Junho de 1987 o grupo que dá pelo nome Rancho Folclórico Infantil e Juvenil da Pedreira Italiana. Já lá vão mais de três décadas e, no entanto, é porventura o grupo folclórico minhoto menos conhecido e divulgado na região de Lisboa…

Segundo a sua própria descrição, representam a região de Arcos de Valdevez, Ponte de Lima, Vila Verde e Viana do Castelo, naturalmente por influência da origem dos seus componentes.

“Tal como o nome indica, o Bairro da Pedreira Italiana cresceu sobre uma antiga pedreira explorada por italianos residentes em Portugal. Participaram, no trabalho de exploração reclusos da prisão de Caxias, bem como trabalhadores de diversos pontos do país. A pedra era transportada em caminho-de-ferro próprio até ao rio Tejo e daí seguia em batelões até ao Terreiro do Paço, em Lisboa.

O bairro começou por ser ocupado junto à ribeira com construções abarracadas de implantação espontânea. No entanto, a escavação, resultante dos trabalhos de exploração, deu origem à escarpa existente a Poente do Bairro e também ao “morro”, correspondente à raiz de chaminé vulcânica que se encontra injectada nos calcários encaixantes, dando origem às rochas basálticas que, por possuírem interesse económico, deram origem a “morro” isolado no espaço outrora ocupado pela pedreira. 

Nos terrenos contíguos a este “morro” os trabalhadores começaram a erguer as suas barracas que lentamente se foram transformando em construções de alvenaria. Esta situação reflecte-se na estrutura concêntrica da malha urbana do Bairro.

Com o fim da exploração, em 1952, e antes de qualquer recuperação, a propriedade foi sendo repartida de forma desorganizada e vendida. Assim, as construções deste “bairro clandestino”, implantaram-se de forma aleatória, sem qualquer regra nem plano, e o crescimento do bairro e os seus limites foram determinados pelas barreiras físicas (a ribeira a Nascente e a escarpa a Poente).”

Fonte: https://www.geocaching.com/

64781743_476528783152670_1901286222693662720_n.jpg

64802630_476528739819341_212019909515804672_n.jpg

64827665_476529416485940_4336482200775032832_n.jpg

65072143_476529323152616_9137640044335464448_n.jpg

65237437_476529563152592_2889209776871309312_n.jpg

65321717_476529456485936_2654059595860803584_n.jpg

65426286_476529383152610_5362655050063675392_n.jpg

65467300_476528809819334_7197724202881777664_n.jpg

RIBEIRA DA LAGE É TERRA DE MINHOTOS NO CONCELHO DE OEIRAS

O Rancho Folclórico “Os Minhotos” da Ribeira da Lage levou no passado dia 19 de Maio o festival de folclore comemorativo dos seus 41 anos de actividade. Mais uma vez, a localidade da Ribeira da Lage, na Freguesia de Porto Salvo, no concelho de Oeiras, virou terra de minhotos onde impera a alegria e a tradição.

60588639_600542620354878_1008018976011190272_n.jpg

Para além do grupo anfitrião, participaram ainda o Rancho Folclórico de Vila Nova de Muía – Ponte da Barca, o Rancho Folclórico da Ribeira de Ovar e o Grupo Folclórico e Cultural da Rinchoa – Sintra.

Gente alegre e trabalhadeira, os minhotos são cidadãos exemplares onde quer que se encontrem, inserindo-se na comunidade que os acolhe e colaborando com todas as entidades, estabelecendo laços de amizade com a comunidade que os acolhe. E, ao som da concertina, fazem a festa e elevam a terra que os viu nascer!

Fotos: Raul Augusto

60731159_315043909394047_1428756051091521536_n.jpg

60754292_345911552777836_2069074196763246592_n.jpg

60767791_309606823301866_345035519119327232_n.jpg

60768422_306741013605340_2510483177072492544_n.jpg

60843578_409482959641790_6361198623845253120_n.jpg

60948547_626678464473253_4466758140934750208_n.jpg

60963494_435394917255566_3894359195037728768_n.jpg

61090464_450460398855909_3992062781829414912_n.jpg

61196530_2351738994943982_9110855266772975616_n.jpg

RANCHO FOLCLÓRICO “OS MINHOTOS” DA RIBEIRA DA LAGE: ONDE HÁ MINHOTOS EXISTE ALEGRIA, AMIZADE E FOLCLORE!

O Rancho Folclórico "Os Minhotos” da Ribeira da Lage, sediado na Freguesia de Porto Salvo, no concelho de Oeiras levou hoje a efeito com grande êxito mais uma edição do Encontro de Tradições que teve lugar no Centro Cultural da Ribeira da Lage. Uma iniciativa que, com sempre, contou com a presença simpática do Presidente da Junta de Freguesia de Porto Salvo, Dr Dinis Antunes, o qual já é pelos nossos conterrâneos que ali vivem considerado um minhoto de mérito.

DSCF4104.JPG

A festa contou também com a participação do Rancho Folclórico Infantil e Juvenil Santa Clara-Nova e Gomes Aires – Almodôvar (Baixo Alentejo) e do Rancho Folclórico de Nossa Senhora das Neves – Manique de Baixo (Região Saloia) em substituição do Rancho Folclórico As Lavadeiras da Ribeira da Lage que não pode estar presente devido ao estado de luto do seu presidente.

DSCF4032.JPG

O espectáculo recriou o ambiente doméstico em casa do lavrador, em véspera de domingo com missa dominical seguida de festa na aldeia, uma representação que animou e divertiu o público. E, para leiloar, mantendo a tradição de anos anteriores, calhou este ano a sorte a dois preciosos láparos.

DSCF4067.JPG

A Ribeira da Lage é uma localidade da freguesia de Porto Salvo, no concelho de Oeiras, a escassa distância de Lisboa, devendo o seu nome a um dos afluentes do rio Tejo que nasce na serra de Sintra.

Corria ano de 1978 quando um grupo de minhotos que aí residiam e trabalhavam decidiu juntar-se para confraternizar, preservar as suas raízes culturais e dar a conhecer o folclore da nossa região. Assim nasceu o Rancho Folclórico “Os Minhotos” da Ribeira da Lage.

A partir de então, não mais pararam de dançar os viras e as chulas, as rosinhas e as cana-verdes. Exibem trajes domingueiros e de trabalho, de mordoma e de dó, traje da Areosa e à vianesa. São perto de meia centena de componentes que se repartem ainda pela tocata onde não falta o bombo e a concertina, os ferrinhos e o reco-reco, a viola e o cavaquinho. E, como não podia deixar de ser, muita alegria que é apanágio das gentes do Minho!

O Rancho Folclórico "Os Minhotos” da Ribeira da Lage foi fundado no dia 8 de Março do ano de 1978 na localidade da Ribeira da Lage, por um grupo de pessoas oriundas do Minho e que nessa altura residiam e trabalhavam no Concelho de Oeiras.

O objetivo deste, é divulgar o tradicional folclore e as tradições minhotas pelo país. Ao longo do ano são vários os Eventos promovidos pelo grupo entre os quais o Encontro de Tradições, o Festival de Inverno, o Aniversário do Rancho e um Encontro de Consertinas.

Entre o repositório que apresentam destacamos as Chulas, as Cana Verdes, os Viras e outras músicas que fazem parte da tradição do Alto Minho e que este grupo divulga de norte a sul de Portugal.

Este grupo é formado por cerca de 45 elementos entre dançarinos e tocata. A tocata é composta por diversos instrumentos musicais oriundos do Minho, tais como a concertina, as castanholas, o bombo, os ferrinhos, o cavaquinho, a viola, o reco-reco e a pandeireta.

Os trajes representados são oriundos do Alto Minho e representam os mais variados concelhos e freguesias da região.

Quem são actualmente os seus dirigentes?

Assembleia Geral: Presidente: Carmindo Manuel Carvalho Sousa

Vice-presidente: Rui Manuel Carvalho Palhais

Secretário: Maria Isabel Lopes de Oliveira

Direção: Presidente: Susana Cristina de Jesus Teixeira

Secretário: Carlos Nobre Justo

Tesoureiro: Rosa Maria Miranda de Oliveira

1º Vogal: Teresa Guerra Cardoso Pintado

2º Vogal: Agostinho Miguel Pintado

Conselho Fiscal: Presidente: Maria Ernestina de Jesus Gonçalves

Secretária: Maria do Ceu da Silva Covas Justo

Relator: Isabel Maria Oliveira dos Santos

DSCF4013.JPG

DSCF4016.JPG

DSCF4017.JPG

DSCF4018.JPG

DSCF4019.JPG

DSCF4020.JPG

DSCF4021.JPG

DSCF4024.JPG

DSCF4027.JPG

DSCF4028.JPG

DSCF4034.JPG

DSCF4035.JPG

DSCF4043.JPG

DSCF4044.JPG

DSCF4049.JPG

DSCF4059.JPG

DSCF4075.JPG

DSCF4079.JPG

DSCF4094.JPG

DSCF4099.JPG

DSCF4108.JPG

DSCF4119.JPG

DSCF4124.JPG

DSCF4133.JPG

DSCF4139.JPG

DSCF4140 (2).JPG

DSCF4145 (2).JPG

DSCF4155.JPG

MINHOTOS DA RIBEIRA DA LAGE REPRESENTAM O MINHO NO CONCELHO DE OEIRAS

No próximo domingo, os minhotos rumam à Ribeira da Lage ao Encontro de Tradições

O Rancho Folclórico "Os Minhotos” da Ribeira da Lage vai no próximo domingo levar o folclore da nossa região àquela localidade da freguesia de Porto Salvo, no concelho de Oeiras. Trata-se do Encontro de Tradições que vai ter lugar no Centro Cultural da Ribeira da Lage e vai contar com a participação do Rancho Folclórico Infantil e Juvenil da Freguesia de Santa Clara-a-Nova e Gomes Aires – Almodôvar e ainda do Rancho Folclórico As Lavadeiras da Ribeira da Lage, sediado na mesma localidade.

45364261_1945317308882106_6018191570535186432_n.jpg

A Ribeira da Lage é uma localidade da freguesia de Porto Salvo, no concelho de Oeiras, a escassa distância de Lisboa, devendo o seu nome a um dos afluentes do rio Tejo que nasce na serra de Sintra.

Corria ano de 1978 quando um grupo de minhotos que aí residiam e trabalhavam decidiu juntar-se para confraternizar, preservar as suas raízes culturais e dar a conhecer o folclore da nossa região. Assim nasceu o Rancho Folclórico “Os Minhotos” da Ribeira da Lage.

DSCF2809 (2)

A partir de então, não mais pararam de dançar os viras e as chulas, as rosinhas e as cana-verdes. Exibem trajes domingueiros e de trabalho, de mordoma e de dó, traje da Areosa e à vianesa. São perto de meia centena de componentes que se repartem ainda pela tocata onde não falta o bombo e a concertina, os ferrinhos e o reco-reco, a viola e o cavaquinho. E, como não podia deixar de ser, muita alegria que é apanágio das gentes do Minho!

O Rancho Folclórico "Os Minhotos” da Ribeira da Lage foi fundado no dia 8 de Março do ano de 1978 na localidade da Ribeira da Lage, por um grupo de pessoas oriundas do Minho e que nessa altura residiam e trabalhavam no Concelho de Oeiras.

DSCF2774 (2)

O objetivo deste, é divulgar o tradicional folclore e as tradições minhotas pelo país. Ao longo do ano são vários os Eventos promovidos pelo grupo entre os quais o Encontro de Tradições, o Festival de Inverno, o Aniversário do Rancho e um Encontro de Consertinas.

Entre o repositório que apresentam destacamos as Chulas, as Cana Verdes, os Viras e outras músicas que fazem parte da tradição do Alto Minho e que este grupo divulga de norte a sul de Portugal.

DSCF2768 (2)

Este grupo é formado por cerca de 45 elementos entre dançarinos e tocata. A tocata é composta por diversos instrumentos musicais oriundos do Minho, tais como a concertina, as castanholas, o bombo, os ferrinhos, o cavaquinho, a viola, o reco-reco e a pandeireta.

Os trajes representados são oriundos do Alto Minho e representam os mais variados concelhos e freguesias da região.

Quem são actualmente os seus dirigentes?

Assembleia Geral: Presidente: Carmindo Manuel Carvalho Sousa

Vice-presidente: Rui Manuel Carvalho Palhais

Secretário: Maria Isabel Lopes de Oliveira

Direção: Presidente: Susana Cristina de Jesus Teixeira

Secretário: Carlos Nobre Justo

Tesoureiro: Rosa Maria Miranda de Oliveira

1º Vogal: Teresa Guerra Cardoso Pintado

2º Vogal: Agostinho Miguel Pintado

Conselho Fiscal: Presidente: Maria Ernestina de Jesus Gonçalves

Secretária: Maria do Ceu da Silva Covas Justo

Relator: Isabel Maria Oliveira dos Santos

54358743_1907434106051713_8269562845268541440_n.jpg