Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BRAGA: MUSEU DO TRAJE DR GONÇALO SAMPAIO EXPÕE “TRADIÇÕES DA UCRÂNIA, A VYSHYVANKA”

Exposição termina a 31 de Agosto.

"Tradições da Ucrânia, a Vyshyvanka"

Conheça a cultura e tradições ucranianas com o objetivo de angariar donativos em solidariedade.

De Terça-feira a Sábado das 14:30 às 17:30.

Pode enviar os donativos para:

Nome: @Vasyl Bundzyak

NIB: 0018 0003 5579 2766 0209 3

IBAN: PT50 0018 0003 5579 2766 02093

BIC: TOTAPTPL

Email: trajeucrania@gmail.com

Visitem e sejam solidários adquirindo os artigos tradicionais da Ucrânia.

301583894_5734438563284397_8552543713080001577_n.jpg

AQUAMUSEU DO RIO MINHO SENSIBILIZA PARA A IMPORTÂNCIA DA REUTILIZAÇÃO

Ateliês de Verão realizam-se nos dias 19 e 26 de agosto e são dirigidos a crianças entre os 7 e os 13 anos.

Nos dias 19 e 26 de agosto, o Aquamuseu do rio Minho, em Vila Nova de Cerveira, desafia os mais novos a refletirem sobre a importância de “Reutilizar para reduzir”. Os ateliês de verão decorrem nos jardins do Aquamuseu, entre as 14h30 e as 16h30, e têm como público as crianças entre os 7 e os 13 anos.

aquamuseu atelies verão.png

Nestes ateliês, os participantes vão experimentar criar, de uma maneira fácil e rápida, pequenas carteiras de bolso ou de ombro onde poderão guardar moedas, notas, documentos ou papeis, reutilizando embalagens tetrabrik. O objetivo é fomentar a reutilização de materiais de maneira a reduzir a nossa pegada ecológica e assim contribuir para um planeta mais sustentável.

A participação nos ateliês de verão do Aquamuseu está sujeita a inscrição (pelo telefone 251708026 ou via email para aquamuseu@cm-vncerveira.pt ) e é limitada a um grupo de 15 participantes.

BARCELOS: BISPO D. ANTÓNIO BARROSO CARICATURADO POR RAFAEL BORDALO PINHEIRO

A 2 de agosto de 1899, toma posse como novo bispo do Porto, D. António Barroso (1854 - 1918), bispo missionário, natural de Barcelos, conhecido por ser uma figura conciliadora e pelo seu carácter destemido.

Rafael Bordalo Pinheiro caricatura-o alguns meses depois desta tomada de posse, salientando precisamente essa sua faceta conciliadora. Nesta ilustração, o prelado atravessa o rio Douro sobre pedras, equilibrando-se com uma vara que é de facto um "pau de dois bicos". Numa das margens encontra-se um membro da anticlerical "comissão liberal"; na outra um grupo de jesuítas acossados. Conciliador, o bispo procurou acalmar diplomaticamente os ânimos entre poderes e facções, após a ocorrência no Porto do muito falado "caso Calmon" e a publicação do polémico decreto regulamentador dos institutos religiosos, de 10 de Março de 1901, circunstâncias que fraturaram profundamente a sociedade portuguesa e acenderam reações anticongreganistas.

Ilustração publicada n'"A Paródia" de 10 de abril de 1901.

Leia os jornais bordalianos em https://museubordalopinheiro.pt/.../jornais-bordalianos/

Fonte: Museu Bordalo Pinheiro

296039072_5410486902345483_8203490812649536768_n.jpg

BRAGA: MUSEU DO TRAJE DR. GONÇALO SAMPAIO EXPÕE TRADIÇÕES DA UCRÂNIA

Exposição:

"Tradições da Ucrânia - Ucrânia com a Tradição Vyshyvanka"

Abertura dia 30 de julho às 17:00 e patente até ao fim de agosto.

O objectivo deste evento é dar conhecer a cultura e tradições ucranianas e também angariar donativos em solidariedade.

Integrada no protocolo com o Município de Braga no âmbito do Festival Internacional de Folclore de Braga, Braga Cultura .

Pode ser visitada de terça-feira a sábado, das 14h30 às 17h30 na Rua do Raio, n. 2.

Pode enviar os donativos para:

Nome: @Vasyl Bundzyak

NIB: 0018 0003 5579 2766 0209 3

IBAN: PT50 0018 0003 5579 2766 02093

BIC: TOTAPTPL

Visitem e ajudem!

295610209_5654526757942245_3894594222861299142_n.jpg

CANAL TELEVISIVO SIC DIVULGA TRADIÇÃO DAS “TOALHAS DE ÁGUA ÀS MÃOS” EM TERRAS DE BOURO

A convite da SIC e para o programa OLHÁ FESTA, dos jornalistas Joana Latino e Nuno Pereira que, de Norte a Sul, mostram os costumes e tradições de Portugal, surgiu a oportunidade de dar a conhecer “As toalhas de água às mãos” pelo Grupo de Artes e Ideias.

TOALHASBOURO (9).jpeg

O Museu Etnográfico de Vilarinho da Furna foi o local escolhido para expor as toalhas e falar sobre a sua história. Neste âmbito, no dia 5 de julho, uma equipa de reportagem realizou filmagens em Terras de Bouro.

Em representação do Grupo Artes e ideias, a Professora Filomena Araújo procedeu à apresentação de todo o trabalho realizado pelo grupo, bem como todas as características desta tradição, explicando o detalhe de cada toalha e salientando a importância e valor em dar continuidade a este legado cultural tão valioso. Referiu, ainda, todos os outros trabalhos de artesanato que este grupo executa, que o fazem por gosto à cultura, de modo que a mesma perdure no tempo.

TOALHASBOURO (1).jpeg

TOALHASBOURO (10).jpeg

TOALHASBOURO (11).jpeg

TOALHASBOURO (12).jpeg

TOALHASBOURO (13).jpeg

TOALHASBOURO (6).jpeg

TOALHASBOURO (7).jpeg

TOALHASBOURO (8).jpeg

TOALHASBOURO (2).jpeg

TOALHASBOURO (3).jpeg

TOALHASBOURO (4).jpeg

TOALHASBOURO (5).jpeg

VILA NOVA DE CERVEIRA: AQUAMUSEU CELEBRA 17º ANIVERSÁRIO COM UM FIM DE SEMANA DE ATIVIDADES

16 e 17 de julho

Visitas guiadas gratuitas, atelier “pintar a natureza”, exposição sobre o Rio Minho e atividade “dormir com os peixes” são alguns dos momentos do programa.

De forma a comemorar o 17º aniversário do Aquamuseu do rio Minho, que se assinala no próximo dia 13 de julho, o Município de Vila Nova de Cerveira preparou um conjunto de atividades para o fim de semana seguinte (16 e 17 de julho).

Aquamuseu - aniversário.png

As celebrações arrancam no sábado, dia 16, com a inauguração da exposição “Rio Minho – uma diversidade de inspiração”, às 10h00. Da parte da tarde, às 14h30, vai realizar-se o ateliê “pintar a natureza”. O dia termina com a receção das crianças que vão participar na atividade “Dormir com os peixes”, às 21h00. Já para domingo, foi preparada uma tarde divertida para os mais novos. Entre as 15h30 e as 17h00 vai realizar-se um espetáculo de animação infantil.

Durante o fim de semana será, ainda, possível usufruir de visitas guiadas gratuitas. As mesmas decorrem, nos dois dias, às 10h30. Será também dinamizada uma visita guiada encenada no sábado, às 16h00. No domingo, entre as 14h00 e as 18h00, a entrada no Aquamuseu é também gratuita.

As atividades são de participação livre, com exceção da atividade “Dormir com os peixes” que é dirigida a crianças dos 7 aos 13 anos e limitada a 20 participantes. Para este momento, a inscrição é obrigatória e pode ser feita pelo telefone 251 708 026 ou via email para aquamuseu@cm-vncerveira.pt.

PROGRAMA

16 de julho (sábado)

10h00 – Inauguração da exposição “Rio Minho – uma diversidade de inspiração”

10h30 – Visita guiada gratuita

14h30 às 15h30 – Ateliê “Pintar a natureza”

16h00 – Visita guiada encenada gratuita

21h00 – Receção das crianças - Início da atividade “Dormir­ com os peixes”

17 de julho (domingo)

10h30 – Visita guiada gratuita

14h00 às 18h00 – Entrada gratuita

15h30 às 17h00 – Espetáculo de animação infantil

VIANENSE JOÃO ALPUIM BOTELHO APRESENTA EM LISBOA O “MANGUITO” DE RAFAEL BORDALO PINHEIRO

João Alpuim Botelho e Isabel Galhano Rodrigues vão apresentar amanhã em Lisboa o número 3 dos Cadernos de Bordalo, com o tema “Do Manguito e outros Gestos na obra de Rafael Bordalo Pinheiro”.

A apresentação vai ser feita pelo António Costa Santos.

Juntando este tema, este apresentador (e, já agora, estes autores) neste museu, a coisa tem tudo para correr bem – e será muito melhor se puder ir também.

5ª feira, dia 30, às 18.30, no Museu Bordalo Pinheiro, em Lisboa.

O vianense João Alpuim Botelho, antigo diretor do Museu do Traje em Viana do Castelo, é atualmente o diretor do Museu Bordalo Pinheiro.

manguito.png

BARCELOS: MUSEU DE OLARIA RECEBE EXPOSIÇÃO “AQUA 32” DE CARLOS ENXUTO

Exposição na Sala da Capela até 25 de setembro

A Sala da Capela do Museu de Olaria recebe, de 24 de junho a 25 de setembro, a exposição “ Aqua + 32”, do ceramista caldense Carlos Enxuto, que este ano completa 32 anos de carreira.

museolarbar.jpg

A escolha da designação da exposição não foi aleatória; antes tem simbologia especial: “Aqua” porque se trata de um elemento imprescindível para o trabalho na cerâmica e a sua forte ligação à Ria de Aveiro; “+ 32” porque assinala os seus 32 anos de carreira.

As suas peças retratam, maioritariamente, tigelas. Toda a peça começa e termina numa tigela. Inspirado nas técnicas ocidentais e orientais, a sua cerâmica caracteriza-se por ser feita a altas temperaturas, num misto de técnicas antigas e atuais.

Natural das Caldas da Rainha, Cidade Criativa da UNESCO em 2019, Carlos Enxuto vem agora expor noutra “Cidade Criativa”  - Barcelos -, que passou a integrar a  Rede de Cidades Criativas, no ano de  2017.

Carlos Enxuto é um autor conceituado na área da cerâmica, pertence à Academia Internacional de Cerâmica, tal como Barcelos, e tem uma forte componente ligada à criatividade.

A exposição pode ser visitada de terça a sexta-feira, das 10h00 às 17h00, e aos sábados, domingos e feriados, das 10h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30.

Sobre o autor – Carlos Enxuto

Nascido em 1963, desde cedo teve contacto com a cerâmica, e logo na juventude emergiu a sua vontade de criar, manifestando-se através da pintura, do desenho e da escultura.

Em 1988, iniciou a sua formação no CENCAL, nas Caldas da Rainha, cidade reconhecida como um dos principais centros cerâmicos portugueses e hoje reconhecida como Cidade Criativa da UNESCO no panorama do Artesanato e Arte Popular.

Foi ainda em 1989 que se estabeleceu com o seu espaço próprio e, em 1990, obteve o seu primeiro reconhecimento com o prémio “Recuperação de Formas Tradicionais”, no concurso de Design Cerâmico, Caldas da Rainha. Este foi apenas o primeiro de muitos. Dedicou grande parte da década de noventa e do novo milénio ao ensino, à investigação e à experimentação em vários domínios da produção de cerâmica a altas temperaturas e inspirado em técnicas milenares orientais e ocidentais da produção de cerâmica, que associa à sua paixão pela escultura nas suas criações artísticas em cerâmica.

Hoje, conta com 32 anos de uma carreira inteiramente dedicada à cerâmica, e soma dezenas de exposições individuais e coletivas, nacionais e internacionais. Recentemente, foi premiado na Bienal de Aveiro 2021 e é atualmente membro da Academia Internacional de Cerâmica.

MUNICÍPIO DE CERVEIRA ASSINA PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO COM ESTAÇÃO BIOLÓGICA INTERNACIONAL DOURO-DUERO

O objetivo é a cooperação científica e de investigação partilhada nos rios transfronteiriços Minho e Douro. Além disso, o Aquamuseu do Rio Minho vai receber uma lontra fêmea proveniente dos programas de investigação e criação em cativeiro.

Considerando a cooperação fundamental para o desenvolvimento dos territórios, no passado dia 15 de junho, foi assinado um Protocolo de Cooperação Científica entre o Município de Vila Nova de Cerveira - Aquamuseu do Rio Minho e a Estação Biológica Internacional Douro-Duero. A assinatura aconteceu a bordo do navio-aula ESCUA, no Rio Douro internacional, em Miranda do Douro - Zamora, com a participação do Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira, Rui Teixeira, e do Coordenador da Estação Biológica, David Velasco. Presentes na assinatura estiveram, também, a Vereadora cerveirense Sónia Guerreiro e o Vice-Presidente e o Vereador do Município de Miranda do Douro, Nuno Rodrigues e Vítor Bernardo, respetivamente.

MUNICÍPIO DE CERVEIRA ASSINA PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO COM ESTAÇÃO BIOLÓGICA INTERNACIONAL DOURO-DUERO 3.jpeg

Ao abrigo do protocolo, o Aquamuseu do Rio Minho vai acolher, de forma gratuita e definitiva, um exemplar de lontra fêmea proveniente dos programas de investigação e criação em cativeiro da Estação Biológica Internacional Douro-Duero, garantindo a sua manutenção adequando na matéria de alimentação, espaço e cuidados próprios da espécie.

Em sequência do protocolo, ambas as entidades comprometem-se, ainda, a levar a cabo um trabalho de cooperação científica e de investigação partilhado nos rios transfronteiriços Minho e Douro, com intercâmbio de dados na monitorização dos seus ecossistemas aquáticos transfronteiriços. Para o autarca Rui Teixeira “é fundamental reforçar o trabalho em rede para garantir a conservação dos recursos naturais e culturais em espaços naturais transfronteiriços, entre os que se encontram o património natural e cultural do Rio Minho”.

Recorde-se que Município de Vila Nova de Cerveira, através do Aquamuseu do Rio Minho, tem por missão divulgar o património natural da Bacia Hidrográfica do Rio Minho e o património cultural associado à pesca artesanal do Rio Minho internacional, assim como, promover o conhecimento científico sobre os recursos naturais e etnográficos, estabelecendo para o efeito, parcerias e colaborações com Universidades de Investigação em Portugal e Espanha. Já a Estação Biológica Internacional Duero-Douro é uma organização luso-espanhola, para conservação dos espaços naturais transfronteiriços, através da investigação científica, a educação ambiental, o ecoturismo sustentável e a inovação tecnológica.

MUNICÍPIO DE CERVEIRA ASSINA PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO COM ESTAÇÃO BIOLÓGICA INTERNACIONAL DOURO-DUERO.jpg

MUNICÍPIO DE CERVEIRA ASSINA PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO COM ESTAÇÃO BIOLÓGICA INTERNACIONAL DOURO-DUERO2.jpg

CAMINHADA COM HISTÓRIA DÁ A CONHECER A PÓVOA DE LANHOSO

O Município da Póvoa de Lanhoso promove, nos dias 11 e 12 de junho, a Caminhada com História, que promete unir natureza, exercício físico, lazer e conhecimento da história e da etnografia Povoense. As inscrições decorrem até ao dia 8 de junho.

Caminhada Noturna de 20 de maio.jpg

Pelos trilhos verdejantes, aliados a uma constante descoberta do património cultural e natural do concelho da Póvoa de Lanhoso, as pessoas participantes serão surpreendidas com o despertar de sensações únicas. Neste recanto do Minho, ao longo de um percurso com dificuldade moderada, os caminhantes farão um verdadeiro passeio pelo território Povoense.

O ponto de encontro é na Praça Eng. Armando Rodrigues, no dia 11 de junho, às 9h00. No primeiro dia, a extensão do percurso é de 20 quilómetros; no segundo dia, é de 10 quilómetros.

Caminhada Noturna assinalou o Dia Internacional dos Museus

Esta Caminhada com História sucede à Caminhada Noturna que assinalou o Dia Internacional dos Museus e que foi realizada no dia 20 de maio, tendo contado com a participação de cerca de 200 pessoas.

Durante o percurso (PR1 – Maria da Fonte), os caminhantes foram surpreendidos com encenações alusivas à Revolta da Maria da Fonte, junto à Igreja Românica de Fontarcada e junto à Casa das Agras. Nas imediações da Capela de Santa Marta, em Calvos, puderam, como é já uma tradição, saborear a banana com o moscatel e desfrutar de momentos de confraternização.

VALENÇA INAUGURA MUSEU RURAL DE TAIÃO

O Museu Rural de Taião foi inaugurado hoje, numa cerimónia que contou com a presença do Executivo Municipal, liderado por José Manuel Carpinteira, os elementos da União de Freguesias de Gandra e Taião, encabeçado por Isidro Sousa, representante da Fábrica da Igreja Paroquial de Santa Marinha de Taião, o Coordenador Técnico da Adriminho, os técnicos municipais responsáveis pelo tratamento do espólio e pela gestão do Museu, os alunos do 1º ciclo da Escola de Gandra, os representantes da empresa que levou a cabo os trabalhos de requalificação interior e exterior e público em geral.

281994217_399346318887522_3062546244388101032_n.jpg

O Museu reabriu, hoje, após intervenções de fundo no edifício e no espólio da exposição permanente.

José Manuel Carpinteira, Presidente da Câmara Municipal de Valença, começou por dizer que "hoje é um dia histórico para Taião, com a inauguração deste espaço museológico requalificado, que integra, com a dignidade merecida, um vasto espólio etnográfico, onde pontificam utensílios e ferramentas agrícolas e os trajes de Taião, símbolos de excelência da identidade desta aldeia serrana".

Concluiu, afirmando que "o Museu Rural de Taião tem condições dignas, sendo o guardião da identidade, das tradições e dos costumes das gentes taionenses. Um orgulho para Taião e para o concelho de Valença"

Os trajes da taionesa, a casa taionesa, os campos de Taião e as explorações mineiras do volfrâmio são as temáticas abrangidas por este renovado espaço museológico.

No espaço dedicado ao 'Traje da Taionesa' conserva-se o emblemático traje e o espólio do extinto Rancho Folclórico de Taião, um verdadeiro ex-libris deste museu e da freguesia pela originalidade destes trajes.

Na 'Casa Taionesa' é recriada a vida, vivências e hábitos singulares de uma casa típica de Taião, com os seus vários utensílios de uso doméstico.

No espaço 'Campo' é recriada a memória visual, física e etnográfica das práticas agrícolas e do pastoreio tão singulares nesta aldeia serrana.

O local dedicado ao Volfrâmio retrata a história e as memórias da antiga exploração mineira, no topo da serra do Mineral.

O piso inferior ficará dedicado à reserva de espólio de apoio aos espaços museológicos.

O renovado espaço do museu rural pretende ser a sala de apresentação desta aldeia serrana, das suas artes e tradições e manifestações culturais tão singulares.

Ao longo dos últimos meses técnicos municipais procederam à inventariação, catalogação e preservação de um vasto espólio constituído por cerca de 500 peças doadas, na generalidade, por habitantes da freguesia ao longo dos tempos.

A intervenção de requalificação do edifício, reorganização e apetrechamento do espaço museológico esteve a cargo da Câmara Municipal de Valença e implicou um investimento de, aproximadamente, 100.000€.

A obra foi financiada pelo programa PDR 2020, através da ADRIMINHO e intitulou-se “Valorização do Património Rural da Aldeia de Taião, recuperação museológica dos usos e costumes e capitalização do valor histórico”.

O Museu Rural de Taião funciona no edifício da antiga residência paroquial desde 1996 e esta foi a primeira grande intervenção de fundo desde a sua criação.

282277444_399346315554189_5983029420312347038_n.jpg

281953173_399345752220912_635764755451770246_n.jpg

281483621_399345782220909_6436403974773556549_n.jpg

281838778_399346468887507_7693172936637849924_n.jpg

282310570_399346415554179_4255406197967829471_n.jpg

281835330_399345822220905_5602125868460875917_n.jpg

283462436_399345622220925_8083988197205497290_n.jpg

282337431_399346108887543_6123105476415964921_n.jpg

281603106_399346225554198_3618865098034565811_n.jpg

281426515_399346148887539_5073046995583564710_n.jpg

É CAPAZ DE DESVENDAR UM MISTÉRIO EM TORNO DA REDE DE MUSEUS DE FAMALICÃO?

Escape Room «Delírios de um Colecionador» encontra-se instalado junto à central de camionagem

Como estão as suas competências de investigador? O escape room «Delírios de um Colecionador», inserido no «Desafio Tríptico», já está aberto e encontra-se instalado no parque de estacionamento da Alameda Doutor Francisco Sá Carneiro, próximo da central de camionagem. Com sete horários disponíveis diariamente, entre as 10h00 e as 19h30, a reserva é gratuita e obrigatória no site www.desafiotriptico.pt.

Fechados numa sala em grupos de 2 a 5 pessoas, os participantes possuem 40 minutos para resolver os

enigmas apresentados e descobrir o que Júlio, um colecionador obsessivo, esconde. O colecionador foi detido tentando roubar o Tríptico «A Vida» e, sob interrogatório, garante ter informações únicas sobre a autenticidade da obra, informações estas que o participante tem que desencriptar para descobrir o que Júlio esconde.

Após completarem este desafio, os participantes serão desafiados a dar continuidade à sua participação no jogo, em duas fases futuras, com novos enigmas para resolver.

Refira-se que o «Desafio Tríptico» é uma iniciativa inspirada nos museus famalicenses e criada no âmbito da celebração dos 10 anos de existência da Rede de Museus de Vila Nova de Famalicão.

IMG_4056.jpg

IMG_4057.JPG

IMG_4077.jpg

CASA MUSEU DE MONÇÃO EXPÕE "OPERAÇÕES DE APOIO À PAZ E MISSÕES HUMANITÁRIAS"

Exposição Operações de Apoio à Paz e Missões Humanitárias, na Sala de Exposições Temporárias da Casa Museu de Monção / Universidade do Minho

Está patente ao público na Sala de Exposições Temporárias da Casa Museu de Monção / Universidade do Minho a exposição intitulada Operações de Apoio à Paz e Missões Humanitárias.

IMG_20220520_152839.jpg

Trata-se de uma exposição no âmbito das comemorações do 87º aniversário da fundação do Núcleo de Monção dos antigos combatentes.

A Exposição estará patente ao público até ao dia 17 de Junho.

«Exposição do Museu do Combatente da Liga dos Combatentes sobre as Forças Nacionais Destacadas, com a sua história, participação dos ramos e locais de ação. A exposição Operações de Apoio à Paz e Missões Humanitárias é uma mostra de fotos, materiais e cartoons que registam situações vividas pelos capacetes azuis durante as várias missões da União Europeia, da Aliança Atlântica e das Nações Unidas.

O título Misson Crayon é uma alusão aos desenhadores militares que registam aquilo que se passa nas operações militares sem terem a necessidade de fotografar os detalhes classificados do ambiente que os rodeia. Concretamente as Nações Unidas imploram repetidas vezes aos seus elementos para não tirarem fotografias durante a atividade operacional, uma vez que as fações beligerantes podem interpretar essa atividade como espionagem e dessa forma prejudicar a operação da ONU.

Alguns dos cartoons expostos integram o livro Bosnia 95 - Peacekeeping in a war Zone escrito por Paulo Gonçalves Coronel da Força Aérea».

Não perca esta exposição!

Horário da Sala de Exposições Temporárias da Casa Museu de Monção/Universidade do Minho:

De terça a sexta feira: das 10h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h00;

sábado das 14h00 às 19h00;

domingo e segunda feira: encerrada

MUSEU DE MIGRAÇÕES – PRESERVAR E TRANSMITIR

  • Crónica de Daniel Bastos

No passado dia 18 de maio, no âmbito do Dia Internacional dos Museus, este ano dedicado à temática “O Poder dos Museus”, o Município de Fafe, edilidade minhota que no início do séc. XXI instituiu o Museu das Migrações e das Comunidades, promoveu uma conferência intitulada “Museu de Migrações – Preservar e Transmitir”.

Maria Beatriz Rocha-Trindade.jpg

A Professora Catedrática Maria Beatriz Rocha-Trindade, no decurso da conferência “Museu de Migrações – Preservar e Transmitir”

A conferência, aberta à comunidade, foi proferida pela Professora Catedrática Maria Beatriz Rocha-Trindade, uma das cientistas sociais que mais tem contribuído para o conhecimento da emigração portuguesa. Autora de uma vasta bibliografia sobre matérias relacionadas com as migrações, e colaboradora habitual de revistas científicas internacionais neste domínio, Maria Beatriz Rocha-Trindade, Doutorada pela Universidade de Paris V (Sorbonne) e Agregada pela Universidade Nova de Lisboa (FCSH), abordou os diversos projetos museológicos internacionais dedicados ao fenómeno migratório.

Assim como, o papel e relevância dos diversos núcleos museológicos disseminados pelo território nacional, e que se dedicam à preservação e transmissão do conhecimento sobre a emigração portuguesa. Como é o caso, do Museu das Migrações e das Comunidades, sediado em Fafe; do Espaço Memória e Fronteira, localizado em Melgaço; do Museu da Emigração Açoriana, instalado na Ribeira Grande, ou do Museu da Família Teixeira, situado no concelho de Santana, na Madeira.

A atual Presidente da Comissão de Migrações da Sociedade de Geografia de Lisboa destacou ainda, no decurso da sua apresentação, os espaços museológicos que têm sido construídos ao longo das últimas décadas no seio das comunidades lusas. Como, por exemplo, a Galeria dos Pioneiros Portugueses, em Toronto, no Canadá; o Museu da Imigração, em Lausanne, na Suíça; o Museu Etnográfico Português em Sydney, na Austrália; o Museu Histórico Português em São José, Califórnia; e também na América, o Museu de Herança Madeirense em New Bedford.

Todos eles, espaços museológicos que são uma indubitável mais-valia na preservação e transmissão da memória da emigração portuguesa. Até porque, como alude Maria Beatriz Rocha-Trindade, no artigo Museus de Migrações – Porquê e para quem?, um “museu é, antes de tudo, um instrumento de educação e de difusão cultural destinado a criar referências, visíveis e concretas, que ultrapassem o fluir do tempo. Tanto os centros de pesquisa, que em regra os integram ou lhe estão associados, como os acervos que vão sendo constituídos produzem registos para memória futura”.

MONÇÃO: EU VOU AO MUSEU

Fim de semana com visitas encenadas ao Museu Monção & Memórias para as famílias. Atividade marcada para as 11h00, não sendo necessário inscrição.

eu vou ao museu.jpg

Com o propósito de celebrar o Dia Internacional dos Museus, instituído a 18 de maio de 1977, pelo Conselho Internacional de Museus, realiza-se a atividade “Eu Vou ao Museu”, destinando-se ao público pré-escolar, durante esta e a próxima semana, e às famílias, neste fim de semana, dias 21 e 22 de maio.

A atividade consiste numa visita encenada ao Museu Monção & Memórias, onde uma personagem de Monção, fazendo o papel de máquina do tempo, conduz o público presente pelos diferentes espaços daquele equipamento cultural. Uma forma didática e entretida de transmitir a história de Monção.

O Museu Monção & Memórias retrata a história da gente e do território, tendo aberto ao público no dia 24 de abril de 2021, resultando da requalificação urbanística do edifício Souto D`El Rei, imóvel datado do século XVII, localizado na Rua da Independência.

No espaço exterior, pode-se apreciar uma obra de arte da autoria de Bordalo II, a mítica Coca, dragão do imaginário monçanense, feita a partir de objetos deitados ao lixo. Com forte impacto visual e uma acentuada componente ecológica, a obra de arte transmite uma mensagem de sustentabilidade e consciencialização ambiental.

MUSEU MUNICIPAL DE ESPOSENDE APRESENTA EXPOSIÇÃO E CATÁLOGO “OS MENDANHAS”

No Dia Internacional dos Museus, que se assinala hoje, 18 de maio, sob o lema “O Poder dos Museus”, o Museu Municipal de Esposende abriu portas à exposição “Os Mendanhas”, que reúne trabalhos de Pintura, Escultura e Desenho da autoria dos reconhecidos artistas de Forjães, António (pai), Nuno e Vânia Mendanha (filhos).

_DSC7214.JPG

A exposição é acompanhada de um catálogo, que retrata o vasto trabalho dos Mendanha e que se estende também à Vitralística, aos murais em azulejo e à conceção de troféus e medalhas, como notou o Presidente da Câmara Municipal de Esposende, Benjamim Pereira. Afirmou, por isso, o “enorme privilégio” em dar a conhecer esta família, “portadora de um grande percurso e de um legado no mundo das artes”. O autarca expressou o afeto e admiração que nutre pelos artistas, seus conterrâneos, e sublinhou a humildade que os caracteriza como traço distintivo da sua personalidade.

Esta exposição e catálogo decorrem da aposta cultural do Município, uma “estratégia que visa o fomento e a afirmação de uma maior cultura artística no concelho”, vincou Benjamim Pereira, notando que Esposende é dos municípios do país que tem o privilégio de oferecer aos seus estudantes a área de Artes no Ensino Secundário e, neste contexto, referiu que é intenção do Município avançar com a criação de uma Escola de Artes na Escola Secundária Henrique Medina.

Nesta estratégia cultural insere-se, de resto, a arte de rua, materializada através da instalação de um conjunto de obras de arte, tanto em Esposende, como noutras freguesias do concelho. “Somos certamente um concelho que respira cada vez mais arte e cultura”, afirmou Benjamim Pereira, recordando o recente investimento na requalificação da Biblioteca Municipal Manuel de Boaventura e na aquisição da Casa Manuel de Boaventura, a que se soma o investimento na adaptação do antigo posto da GNR de Esposende para acolher o Arquivo Municipal e que em breve estará em funcionamento. O autarca notou ainda que, apesar da pandemia, a dinâmica cultural não esmoreceu e ganha agora novo folego.

Concluiu a sua intervenção agradecendo aos colaboradores do Município todo o empenho que dedicam no exercício das suas funções, dirigindo uma palavra especial aos colaboradores do Museu e ao arquiteto João Neiva, comissário da exposição e autor do catálogo “Os Mendanhas”, e convidou o público a desfrutar deste acontecimento cultural.

Com a humildade que carateriza a família, António Mendanha, em nome de todos, agradeceu ao Município a oportunidade de dar a conhecer o trabalho dos Mendanha, considerando esta exposição e catálogo um “pequeno contributo”. Confidenciou, a propósito, que a arte tem continuidade assegurada na família, uma vez que a neta Matilde, com apenas seis anos, se afigura como uma promissora artista, tendo, inclusive, colaborado/participado já em alguns trabalhos. António Mendanha exortou os presentes e toda a comunidade a usufruir da arte que agora está disponível no Museu Municipal e expressa no catálogo.

Na qualidade de comissário da exposição e autor do catálogo, João Neiva fez a apresentação dos artistas e deu nota da “obra colossal” dos Mendanha, “assumindo quase sempre a figura humana como um aspeto central dos seus trabalhos, dominando-a de uma forma soberba e à qual lhe aplicam uma grande expressividade”.

Só no concelho de Esposende, os Mendanha conceberam dez esculturas nos últimos vinte anos, tendo também obras espalhadas por outros municípios como Barcelos, Viana do Castelo, Famalicão e Amadora, bem como na Ilha da Madeira e países como o Brasil, Espanha e França. “Para além do figurativo (o mundo físico e racional), as obras dos Mendanha mostram também aquilo que não se vê com os olhos, estabelecendo uma relação estreita com o observador e levando-o a sentir emoções e sentimentos que irão despoletar reflexões de grande profundidade”, realçou João Neiva.

_DSC7033.JPG

_DSC7122.JPG

_DSC7130.JPG

_DSC7179.JPG

_DSC7204.JPG

_DSC7016.JPG

CABECEIRAS DE BASTO: APITA O COMBOIO!

Automotora voltou a sair à linha férrea neste Dia Internacional dos Museus

A vereadora da Cultura, Carla Lousada, acompanhada de técnicos do município, participou esta manhã, dia 18 de maio, na atividade que assinalou o Dia Internacional dos Museus, no Núcleo Ferroviário do Arco de Baúlhe, iniciativa dinamizada pelo Museu das Terras de Basto.

281365438_376244207878714_4362123425885647800_n.jpg

A automotora ME5 percorreu um curto trajeto da linha da antiga estação ferroviária do Arco de Baúlhe, levando nesta ‘viagem’, para além da vereadora da Cultura, uma turma da Escola de Silvares – Fafe e uma turma do curso de formação na área de vendas da Mútua de Basto/Norte.

Construída em 1948 nas Oficinas Gerais de Santa Apolónia, a automotora ME5, que é movida a gasolina, proporcionou a todos os presentes uma experiência única e muito divertida que não deixou ninguém indiferente.

De salientar que esta automotora, considerada a “A velha glória da ME5”, a par das carruagens reais e de outras máquinas a vapor, integra o espólio do Núcleo Ferroviário do Arco de Baúlhe do Museu das Terras de Basto, um museu polinucleado que integra também a Casa da Lã em Bucos e o Núcleo de Arte Sacra na Igreja do Mosteiro de S. Miguel de Refojos.

280818217_376244194545382_5845879037957201532_n.jpg

281177839_376244191212049_367461665613226185_n.jpg

TERRAS DE BOURO ASSINALA DIA INTERNACIONAL DOS MUSEUS A 18 DE MAIO

No âmbito das comemorações do Dia Internacional dos Museus, a 18 de maio e à semelhança dos anos anteriores, o Núcleo Museológico de Campo do Gerês estará de Portas Abertas neste dia.

A data, segundo o Conselho Internacional de Museus (ICOM),  que é a maior organização internacional de museus dedicada à preservação e divulgação da património natural e cultural mundial, destina-se a sublinhar  “O Poder dos Museus” e é o mote para uma festa que reúne museus de todo o mundo.

Museu VF1.jpg

Museu VF2.jpg

IMD_2022_POSTER_FINAL_EN_page-0001.jpg

Museu da Geira.JPG

Museu de Vilarinho da Furna.JPG

tbdiamuseus.jpg