Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

“PEDRA DOS NAMORADOS” JÁ FOI DEVOLVIDA A PONTE DA BARCA E ENCONTRA-SE NA ERMIDA HÁ MUITOS ANOS

O BLOGUE DO MINHO” publicou hoje um artigo acerca da “Pedra dos Namorados” em https://bloguedominho.blogs.sapo.pt/ponte-da-barca-deveria-reclamar-a-14669041.

15465_791610234231881_4322660770777811543_n.jpg

Porém, por desconhecimento nosso em relação ao qual pedimos desculpa aos nossos leitores, não sabíamos que o referido monumento já foi devolvido a Ponte de Barca há mais de três décadas.

Valeu-nos o esclarecimento gentilmente prestado por António Vassalo Abreu, anterior Presidente da Câmara Municipal de Ponte da Barca: “Veio em 1987 e nesse dia, Mário Soares veio à Ermida. Entretanto já no meu tempo de presidente de câmara inauguramos um núcleo museologico onde, para além de outras obras, está a pedra dos namorados.”

AQUAMUSEU DO RIO MINHO ASSINALA 15 ANOS DE ACTIVIDADE

Aquamuseu do Rio Minho assinala 15 anos entre a tradição e o digital 

Atendendo aos tempos de pandemia, e às orientações para evitar aglomerados populacionais, o Município de Vila Nova de Cerveira vai assinalar o 15º aniversário do Aquamuseu do Rio Minho de forma simbólica, mas com algum impacto para o futuro. Entre esta sexta-feira e domingo, enaltece-se o barco típico o ‘Carocho’ e é lançado nas redes sociais o vídeo promocional deste equipamento de interesse supramunicipal, para além de estarem previstas entradas livres.

A celebração de caráter simples arranca esta sexta-feira, 10 de julho, às 10h30, com a inauguração da exposição “XV anos do Aquamuseu do rio Minho” e uma homenagem ao barco “Carocho”, com um exemplar para ser apreciado in loco. Com um comprimento entre os 6 e os 8 m, o “Carocho” navegava principalmente na zona de influência da maré, mas podia chegar a Monção-Salvaterra do Miño. Por tempos imemoriais confunde-se o seu uso como barco de passagem para o contrabando e para a pesca, acreditando-se que o nome provém do seu aspeto, quando impulsionado por dois pares de remos compridos e encurvados, que o faziam assemelhar-se a uns escaravelhos, as carochas.

Para sábado, 11 de julho, está prevista a divulgação do vídeo promocional do Aquamuseu do rio Minho nas suas plataformas digitais, de forma a impulsionar a posição deste museu além-fronteiras de Portugal e Espanha, onde o seu trabalho na área da investigação e na vertente lúdico-pedagógica já é sobejamente reconhecida, procurando alcançar diversos públicos e mais parcerias.

Do programa, para domingo, estão previstas entradas livres no Aquamuseu no período de funcionamento entre as 10h00 e as 12h30, as 14h00 e as 18h00. Respeitando as recomendações e diretrizes de saúde pública, os interessados podem desfrutar de uma visita em contexto familiar aos espaços de maior relevância como o Aquário, o Lontrário e o Museu de Pescas.

Junto à margem do rio Minho e integrado numa envolvente natural de Vila Nova de Cerveira, o Aquamuseu do rio Minho transporta para dentro de quatro paredes toda a riqueza daquele curso de água internacional. De portas abertas desde 13 de julho de 2005, este espaço público tornou-se num dos maiores polos de atração turística de Vila Nova de Cerveira, alcançando uma média de 25 mil visitantes por ano.

Cartaz 15º aniversário Aquamuseu final -  2020.jpg

AQUAMUSEU DO RIO MINHO REABRE AS PORTAS NA PRÓXIMA QUARTA-FEIRA

Quase quatro meses de encerramento devido à pandemia COVID-19, o Aquamuseu do rio Minho volta a reabrir portas ao público, a partir desta quarta-feira, 1 de julho, em horário normal, com a garantia das medidas de segurança emanadas pela Direção Geral de Saúde e pelo Governo.

Aquamuseu do Rio Minho 01.jpg

Como medida de prevenção e contenção do novo coronavírus, a 9 de março, Vila Nova de Cerveira foi dos primeiros concelhos do distrito a encerrar espaços e equipamentos municipais, e a suspender eventos e atividades da sua responsabilidade. Paulatinamente, e após aprovado pelo Governo o plano de desconfinamento, a autarquia cerveirense foi analisando as condições e a evolução epidemiológica da pandemia, tendo procedido, a 11 de maio, a uma reabertura gradual da Biblioteca Municipal e do Arquivo Municipal.

A 1 de julho, é a vez do Aquamuseu do rio Minho voltar à sua interação com a comunidade. Inaugurado a 13 de julho de 2005, este equipamento de interesse supramunicipal, por apresentar o rio Minho dentro de quatro paredes, tornou-se num dos maiores polos de atração turística de Vila Nova de Cerveira, alcançando uma média de 25 mil visitantes por ano, sem descurar a importante vertente educativa e científica.

O período de funcionamento é de terça-feira a domingo, das 10h00 às 12h30 e das 14h00 às 18h00. Para esclarecimento de dúvidas ou obter mais informações, podem contactar através do número de telefone 251 708 026 ou pelo correio eletrónico aquamuseu@cm-vncerveira.pt

AMARES CRIA MUSEU DA AGRICULTURA

Museu da Agricultura vai nascer na Aldeia do Urjal

A Câmara Municipal de Amares pretende criar um museu da agricultura na Aldeia do Urjal, que potencie as caraterísticas daquele local e seja um testemunho das raízes culturais e tradições desta Aldeia da Saudade, um dos lugares turísticos mais típicos do concelho de Amares. A casa para instalação do museu já foi adquirida pela Autarquia, que se vai candidatar ao Museu da Agricultura, integrado no projeto de Dinamização das Encontas da Aldeia do Urjal e da Abadia, através do Programa de Desenvolvimento Rural 2014/2020.

IMG_17162.jpg

“A nossa intenção é criar um museu, uma espécie de centro interpretativo da aldeia e das comunidades rurais, que possa concentrar a tradição material e imaterial ligada à agricultura do passado e, ao mesmo tempo, ter um espaço que possa servir também de âncora à Urjalândia que, aliás, fez despertar a necessidade de ter ali um espaço que servisse de abrigo a toda a logística do evento mas que desse visibilidade a toda a riqueza cultural que envolve a Aldeia do Urjal”, refere o vice-presidente e vereador da Cultura, do Município de Amares, Isidro Araújo.

“A verdade é que o conceito agrícola se tem vindo a perder no tempo e estou certo que daqui a uns anos seguramente que nenhum jovem conhecerá, por exemplo, uma adega tradicional, ou saberá identificar um arado de lavrar ou mesmo um alambique de aguardente e este projeto vai permitir manter vivas estas tradições de geração em geração”.

De acordo com Isidro Araújo, a recuperação, pelo menos da estrutura e telhado, poderá vir a ser feita até ao verão de 2021. Numa primeira fase, o investimento da candidatura rondará os 120 mil euros.

Trilho até à Abadia para valorizar beleza paisagística

Considerando tratar-se de um local de “enorme beleza paisagística e um símbolo de um património material e imaterial que é importante preservar e dar a conhecer”, o vice-presidente, adianta que esta candidatura vai, ainda, contemplar um trilho que parta do Urjal e faça ligação à Abadia pelos locais da encosta da Abadia, para que amarenses e turistas possam desfrutar em pleno das potencialidades deste local tão aprazível.

IMG_17172.jpg

FOTÓGRAFOS BRACARENSES RETRATAM TRANSFORMAÇÕES DECORRENTES DA COVID-19

Museu da Imagem reúne espólio fotográfico de Braga em tempos de Pandemia

O Museu da Imagem está a reunir um espólio fotográfico sobre o impacto da pandemia Covid-19 na cidade de Braga que tem como objectivo assumir-se como um documento histórico representativo deste período que actualmente vivemos.

No sentido de constituir este espólio, o Município desafiou os fotógrafos Bracarenses Gonçalo Delgado, Hugo Delgado e Luís Vieira a mostrarem-nos a sua visão sobre estes tempos de enorme transformação ao nível das relações interpessoais, da economia, da indústria, da investigação e da cultura.

Como resultado deste desafio, o acervo do Museu da Imagem será enriquecido com um conjunto de 60 fotografias, 20 de cada artista. Quando a colecção for concluída, as imagens serão tratadas e catalogadas, podendo no futuro ser trabalhadas em registo de publicação e/ou exposição. Irão estas fotografias constituir mais um fundo patrimonial que fará parte da memória das suas gentes e da Cidade.  

Este é um período que está a marcar de forma indelével as sociedades do mundo globalizado e cujas consequências futuras e potencial de transformação ainda se desconhecem na totalidade. As cidades viram-se obrigadas a modificar as suas vivências e a assumirem novas regras de distanciamento social como lógica de protecção contra a propagação do vírus, levando mesmo ao encerrando temporário de diversas actividades.

A pandemia de Covid-19 é um acontecimento entendido como um dos maiores desafios que a humanidade enfrenta desde a II Guerra Mundial e os registos obtidos por estes profissionais da fotografia será um valioso instrumento para futuras aprendizagens e análises deste tempo.

Pela lente destes três fotógrafos poder-se-á, entre outros pormenores, observar o total vazio da cidade, evocar os rostos dos da linha da frente na luta à pandemia, recordar as novas adaptações no centro de rastreio e nos serviços municipais e analisar o retomar progressivo à nova normalidade.

:: Biografias ::

Gonçalo Delgado.jpg

Gonçalo Delgado

Fotojornalista nascido em Braga. Proveniente de uma família com uma forte tradição de Fotografia Fotojornalismo, não foi de estranhar que desde cedo enveredasse profissionalmente por esta via. Além das formações constantes com os “melhores professores da sua vida” em casa, acabou também por estudar fotografia no IPF - Porto (Instituto Português de Fotografia). 

Divide seu tempo entre Projectos Documentais e Notícias. Actualmente, é Fotojornalista da Global Imagens, agência responsável pela fotografia do Jornal de Notícias, Diário de Notícias, O Jogo, Evasões, entre outros. Em 2016 fundou a Low Light Press, agência de fotografia e vídeo documental que tem como objectivo representar Projectos Documentais da sua autoria, bem como outros Fotojornalistas Portugueses na imprensa nacional e internacional. No passado, foi Fotojornalista Staff da WAPA; colaborador da Corbis Images (UK) e colaborou com as agências Lusa e EPA - European Pressphoto Agency.  Publicou nacionalmente em todos os órgãos de comunicação social nacionais de maior relevância, destacando os seguintes: RTP; SIC; TVI; JN; Público; Visão; Expresso; O Jogo; A Bola; DN; Evasões(...) foi um dos fotógrafos oficiais de Braga: Capital Europeia da Juventude 2012 e também colaborador de Guimarães: Capital Europeia Cultura 2012. Desde 2011 que se concentra em projectos a longo termo e Fotojornalismo Documental na Europa, desenvolvendo temas relacionados com a condição humana, mas não exclusivamente. 

Conta com trabalho publicado em alguns dos mais reputados órgãos de comunicação social internacionais, dos quais se destacam: Wall Street Journal (EUA);Telegraph (UK);The Guardian (UK); Seattle Times (EUA); El Pais (ES);Sunday Times (EUA); Internazionale (IT); La Republica (IT); NBC(EUA);Kurier (AUS); Die Zeit (DE);Focus (DE), entre outros. Gonçalo Delgado é o Embaixador Português para Fotografia da Sony Alpha (Sony Imaging Ambassador).

Luís Vieira.jpg

Luís Vieira

Fotojornalista nascido no Porto em 1972, começou a trabalhar com jornais em 1997, altura em que estudava Ciências da Comunicação na Universidade Fernando Pessoa, no Porto. Começou a sua carreira no extinto Jornal regional Matosinhos Hoje, tendo no ano seguinte colaborado com o Jornal o Jogo. De seguida é convidado pelo jornal Record, onde integra os quadros da empresa em Janeiro de 2000. Nos 15 anos que passou ao serviço deste jornal desempenhou funções de fotojornalista e subeditor de fotografia na Delegação do Porto, fotografou inúmeros eventos desportivos entre os quais Campeonatos do Mundo e Campeonatos da Europa de futebol, Finais da Liga dos Campeões, Final Taça das Nações Africanas, Taça UEFA e Supertaça Europeia, viajando por um total de 26 países na cobertura destes eventos.

Entre 2010 e 2015 colaborou com o Jornal Correio da Manhã, em simultâneo com a Agência City Files, Agência Lusa, produzindo imagens para alimentar conteúdos noticiosos em jornais nacionais e internacionais. A partir de 2016 assume-se como freelancer, e muda-se para Braga, mantendo o vinculo ao grupo Cofina (Record e CM), mas passa a produzir também imagens na área de retrato corporativo, eventos e artes de palco. Lança um magazine cultural (Badio Magazine) e alarga o seu leque de clientes a Jornal de Negócios e à Agência Associated Press. Em 2018 faz a cobertura de mais de 700 eventos desportivos como fotógrafo oficial da Braga Cidade Europeia do Desporto, efeméride que deu mais tarde origem à publicação dum livro e exposição de fotos alusivas a esses 12 meses de produção fotográfica.

Com trabalho publicado em Jornal Record, Jornal de Noticias, Correio da Manhã, Público, Expresso, Sábado, Marca, Mundo Deportivo, Spiegel, Gazzeta dello Sport, SportsNet, Belfast Telegraph, Sao Francisco Chronicle, Capital, News Tribune, ESPN, Estadão, ABC News, MSNBC, El País, China Daily, Olé, ABS-CBN, Evening Standard, e diversas imagens utilizadas em livros e outras publicações, continua activo e sempre disponível para se superar e desenvolver projectos que possam contribuir para a valorização da imagem como ferramenta contadora de histórias.

Hugo Delgado.jpg

Hugo Delgado

Natural de Braga, formou-se em Fotografia e Fotocomposição e, desde cedo, revelou um talento ímpar para a fotografia que se veio a confirmar com passagem pelas maiores e mais prestigiadas publicações nacionais e internacionais, entre as quais se destacam o Público, NY Times, CNN, The Guardian, Courrier Internacional, O Comércio do Porto, 24 Horas, Record, entre outros.

Hugo Delgado conta já no seu currículo com inúmeros prémios, entre os quais, em 2002, o 1º prémio do concurso fotojornalismo Visão/WorldPress Photo (categoria de Notícias), que o distinguiu ainda no ano seguinte com duas menções honrosas sob o tema “Vida Quotidiana”.Nesse mesmo ano obtém ainda uma menção honrosa na categoria de Retratos no Prémio Internacional de fotografia Europress. Em 2003, conquista o 1º prémio de fotojornalismo do Clube de Jornalistas de Braga e, em 2005, é galardoado pelo concurso de Fotojornalismo Visão/Bes com mais uma menção honrosa na categoria de Vida Quotidiana, para a qual concorreu com um trabalho associado ao projecto “África, retratos de um quotidiano”. Já em 2006 obtém mais uma menção honrosa no concurso de Fotojornalismo Visão/Bes na categoria também de Vida Quotidiana. Desde 2007 até aos dias de hoje inicia uma série de Cursos de Formação na área da fotografia e fotojornalismo. Actualmente é fotojornalista da Agência WAPA - Wide Angle Photographic Agency e da Agencia de noticias Lusa.

AQUAMUSEU DO RIO MINHO EXPÕE SOBRE O ROBALO

O Robalo - Exposição bimestral online

Ainda a viver o período de pandemia Covid-19, e mantendo-se de portas fechadas, o Aquamuseu do rio Minho reinventa-se e não deixa os seus utilizadores sem conhecimento. Neste sentido, aquela que seria a próxima exposição bimestral - junho e julho - dedicada ao Robalo (Dicentrarchus labrax) é disponibilizada online, através da página no facebook.

Robalo1.jpg

  • Sabia que:
  • O robalo é um peixe de água salgada que pode aparecer nos estuários em pequenos cardumes, principalmente na época de verão. De corpo alongado, o seu dorso apresenta uma cor acinzentada com reflexos esverdeados e um ventre esbranquiçado. Este peixe tem duas barbatanas dorsais, sendo que a primeira delas é formada por raios espinhosos. O seu opérculo é caracterizado pela presença de uma mancha escura e dois espinhos. Pode atingir os 80 cm de comprimento e viver até 30 anos.
  • Na sua fase juvenil vivem em cardumes de maneira a se protegerem melhor dos predadores. Na sua fase adulta costumam ser animais solitários ainda que por vezes formam cardumes para atacar outros peixes.
  • O seu período de reprodução varia entre dezembro e fim de março, variando um pouco em função da temperatura da água. A sua alimentação baseia-se principalmente em pequenos peixes e crustáceos, especialmente camarões e caranguejos.
  • É comum encontrar juvenis desta espécie na zona do estuário do rio Minho, inclusive nos canais do sapal. Também, e devido à sua capacidade de suportar salinidades muito baixas, na época do verão, é comum chegarem a Vila Nova de Cerveira exemplares de dimensões consideráveis.
  • O robalo tem um alto valor comercial e é muito apreciado pelos pescadores, sendo que os exemplares maiores podem chegar a atingir um valor considerável. Apesar de ser um peixe capaz de viver em águas salobras ou mesmo água doce é muito sensível à poluição.

FAMALICÃO REABRE AO PÚBLICO MUSEUS MUNICIPAIS NA PRÓXIMA SEGUNDA-FEIRA

Museus retomam a atividade condicionados à observância das regras emanadas pela Direção-Geral da Saúde

A partir da próxima semana já é possível visitar os museus municipais de Vila Nova de Famalicão.

Casa de Camilo.JPG

Os espaços museológicos tutelados pela autarquia famalicense reabrem ao público na próxima segunda-feira, dia 1 de junho, garantindo condições de segurança e saúde tanto aos seus visitantes como aos seus profissionais.

Encerrados desde o passado dia 11 de março na sequência das orientações da Comissão Municipal de Proteção Civil de Vila Nova de Famalicão e da Direção Geral da Saúde devido à COVID-19, os museus municipais de Famalicão retomam agora a sua atividade, nos horários habituais, estando condicionados à observância das regras emanadas pela Direção-Geral da Saúde, nomeadamente, quanto à obrigatoriedade de uso de máscara, higienização das mãos e distanciamento social.

A nível interno serão também asseguradas e reforçadas algumas medidas como é o caso da instalação de equipamento de proteção coletiva, do reforço da limpeza e desinfeção dos espaços, da suspensão do uso de folhetos e desdobráveis em papel, da desativação de equipamento multimédia e da definição de lotação máxima dos espaços expositivos e de circulação.

Refira-se ainda que durante o período em que os museus estiveram encerrados desenvolveu-se uma ação de reorganização interna que permitiu avançar no trabalho de projetos pendentes e no investimento de funções museológicas como a investigação e o inventário.

Foi também implementada uma estratégia programática digital, através do facebook da Rede de Museus de Vila Nova de Famalicão, para assinalar o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios e o Dia Internacional dos Museus. A programação online irá manter-se, sendo que a programação nos museus será revista para ser adaptada a atividades dirigidas para pequenos grupos.

Entre os vários museus municipais que integram a Rede de Museus de Famalicão está a Casa de Camilo, o Museu da Indústria Têxtil e o Museu Bernardino Machado.

Casa do Território também reabre

A Casa do Território, no Parque da Devesa, é outro dos espaços cuja reabertura ao público também acontece já nesta segunda-feira, dia 1 de junho.

O acesso aos espaços expositivos da Casa do Território deverá obedecer às seguintes normas: higienização das mãos à entrada, uso obrigatório de máscara, o número máximo de visitantes no interior do edifício não deverá ultrapassar as 10 pessoas e o tempo de visita de cada pessoa/grupo não deverá exceder os 30 minutos.

Um conjunto de regras de higiene e segurança que também se aplicam à Livraria Municipal, instalada no interior da Casa do Território, que nesta fase não poderá contar com mais de duas pessoas no seu interior. A normas também se aplicam aos Serviços Educativos da Devesa, cujo número máximo de presenças dentro da sala de exposição é de duas, podendo aumentar para quatro no caso de se tratar de uma família coabitante

ESPOSENDE CELEBRA DIA INTERNACIONAL DOS MUSEUS

O Museu Municipal de Esposende vai assinalar o Dia Internacional dos Museus que se comemora a 18 de maio, com iniciativas que pretendem divulgar a exposição patente e envolver a comunidade local no conhecimento daquela unidade museológica. A abertura do Museu Municipal está prevista para dia 1 de junho, devido às restrições decorrentes da pandemia do novo coronavírus.

Museu Municipal espos.jpg

O Museu Municipal de Esposende associa-se à comemoração do Dia Internacional dos Museus, criado pelo Conselho Internacional de Museus (ICOM), em 1977, e que este ano tem como tema “Museus para a Igualdade: Diversidade e Inclusão”.

Para assinalar esta data, simbólica da resiliência e da capacidade humana de superar e adaptar­-se, o Museu Municipal de Esposende apresenta uma visita à exposição patente na Sala dos Azulejos, intitulada “Arte na Rua”, num registo que recorda o momento inaugural em 14 de junho de 2019.

A exposição encerra a investigação sobre as esculturas que se espalham pelo concelho de Esposende como arte publica, representando 57 peças, mais de 20 autores, na maioria escultores, onde se destaca José Moreira Rato, Leopoldo Neves de Almeida, Lagoa Henriques, Gustavo Bastos, Artur Varela, José António Nobre, Ascânio Maria Martins Monteiro, Paulo Neves, Volker Schnüttgen e Vhils.

Por último o Museu lança a primeira ficha sobre as suas coleções, num projeto comum a outros museus da Rede Portuguesa de Museus, intitulado “peça do mês”. Esta primeira peça do mês é uma aguarela de Carlos Basto, autor do painel de azulejos criado para a Rotunda dos Sargaceiros, na entrada sul de Apúlia, e também inscrito como autor na exposição Arte na Rua, servindo de ponte entre os três projetos que se lançam a 18 de maio.

Atividade para os mais novos

Dirigida ao público mais jovem, o Museu Municipal de Esposende preparou um desafio dirigido à comunidade educativa que tem como base uma maqueta tridimensional do edifício centenário onde se aloja o Museu Municipal, construído para ser um Teatro e um Club para a elite cultural do inicio do século XX, tendo ali funcionado a primeira biblioteca concelhia, na Sala da Assembleia Esposendense, hoje a Sala dos Azulejos.

Museu - MAQUETE.jpg

Peça do Mês.jpg

BARCELOS CELEBRA DIA INTERNACIONAL DOS MUSEUS

O Município de Barcelos associa-se uma vez mais às comemorações do Dia Internacional dos Museus que se realiza no dia 18 de maio, através de um conjunto de iniciativas de caráter virtual devido à pandemia Covid-19.

Dia Internacional dos Museus .jpg

Para assinalar a data, o Município de Barcelos através de diferentes plataformas online, redes sociais e site do Museu de Olaria irá disponibilizar ao longo do dia várias visitas guiadas às exposições que os visitantes possam, a partir de suas casas, acompanhar em tempo real.

As iniciativas serão publicadas em sucessão na página Facebook, no canal youtube do Município de Barcelos e no site do Museu de Olaria.

Com o tema “Museus pela igualdade: diversidade e inclusão”, o Dia Internacional dos Museus 2020 visa tornar-se um ponto de encontro para celebrar a diversidade de perspetivas que compõem as comunidades e os funcionários dos museus, além de promover ferramentas para identificar e superar preconceitos no que os museus mostram e nas histórias que contam.

Este dia foi criado em 1977 pelo Conselho Internacional dos Museus com o intuito de iniciar uma reflexão sobre a importância dos museus no desenvolvimento da sociedade. Os museus apresentam experiências de acordo com as diferentes origens dos visitantes incentivando a diversidade e inclusão para combater as disparidades sociais na atualidade

CERVEIRA ASSINALA DIA INTERNACIONAL DOS MUSEUS

Desafio virtu@l para assinalar o Dia Internacional dos Museus

À semelhança do que aconteceu com as Comemorações do 25 de Abril em contexto da pandemia COVID-19, o Dia Internacional dos Museus (18 de maio) também vai ser lembrado, de forma simbólica, em Vila Nova de Cerveira com recurso aos meios digitais. Não podendo dinamizar o evento ‘Museus Fora de Portas’, a autarquia lança o desafio à população para falar da experiência vivida num dos três espaços museológicos do concelho: Aquamuseu do Rio Minho, Museu da Bienal de Cerveira e Convento de S. Paio.

Museus Fora de Portas_2020.jpg

Com o tema “Museus para a Igualdade: Diversidade e Inclusão”, a edição 2020 do Dia Internacional dos Museus tem como objetivo o potencial dos museus de criar experiências significativas para povos de todas as origens é central para seu valor social. Como agentes de mudança e instituições confiáveis, não há tempo como o presente para os museus demonstrarem a sua relevância, ligando-se construtivamente às realidades políticas, sociais e culturais da sociedade moderna.

De modo a não deixar passar em branco esta data, a Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira desafia a população em geral, e a comunidade escolar em particular, a realçar a importância da conservação e da valorização do património museológico no território, na cultura e na sociedade. “Para Mim os Museus São…”, com a resposta plasmada num pequeno vídeo até 1 minuto, enviado, até dia 18 de maio, para o correio eletrónico comunicacao@cm-vncerveira.pt, e que será, posteriormente, partilhado na página do facebook do Município de Vila Nova de Cerveira.

Todos os anos desde 1977, o ICOM organiza o Dia Internacional dos Museus, um momento único para a comunidade internacional de museus. O objetivo desta efeméride é chamar a atenção sobre o facto de que “os museus são um importante meio de intercâmbio cultural, enriquecimento de culturas e desenvolvimento de entendimento mútuo, cooperação e paz entre os povos”.

VILA NOVA DE CERVEIRA: AQUAMUSEU DISPONIBILIZA CONTEÚDO DE EXPOSIÇÕES ONLINE

Ainda de portas fechadas ao público como medida de contenção à pandemia COVID-19, o Aquamuseu do rio Minho passa a disponibilizar a informação de duas exposições com recurso aos meios digitais, contribuindo para um maior conhecimento e aprendizagem relativamente a duas espécies: o sável e o negrão.

NEGRAO.jpg

Seja por motivos pedagógicos, científicos ou apenas a título de curiosidade, a informação detalhada ilustrada com registos fotográficos consta no website do Aquamuseu, e será replicada faseadamente na Página do Facebook – Aquamuseu do Rio Minho, com o indicativo ‘Sabia que…’

“A pesca do sável ao longo dos tempos” é o título da primeira exposição, na qual se retrata a morfologia e a biologia desta espécie anádroma (que migra do mar para o rio), a distribuição geográfica, a pesca ao longo dos tempos, e os períodos e artes de pesca.

Já a mostra que destaca o negrão também aborda a morfologia desta espécie demersal conhecida pelos pescadores como barbadinho, além do seu habitat e a alimentação.

MUSEU DA EMIGRAÇÃO AÇORIANA – UM ESPAÇO DE MEMÓRIAS DA EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

  • Crónica de Daniel Bastos

A emigração tem sido ao longo do tempo um fenómeno constante no modo de vida de milhares de açorianos. Embora as suas origens remontem aos primórdios do povoamento do arquipélago português situado no Atlântico nordeste, o seu carácter sistemático consubstanciou-se entre os séculos XIX e XX com o surgimento dos cinco grandes destinos da emigração açoriana: Brasil, Estados Unidos da América, Bermudas, Havai e Canadá.

Atualmente estima-se que cerca de 1,5 milhões de açorianos e seus descendentes residam no estrangeiro, números reveladores da grandeza da diáspora açoriana, muito mais se considerarmos que residem no arquipélago cerca de 250 mil pessoas, e que ajudam a compreender a razão destas numerosas comunidades serem denominadas “a 10.ª ilha dos Açores”.

Como sustenta António Machado Pires, acerca da Emigração, Cultura e Modo de Ser Açoriano, os “açorianos da emigração são hoje, pelo seu número e pela sua diversidade, um vasto prolongamento da unidade e da diversidade dos Açores. São continuadores, descendentes, representantes de um conjunto de tradições, de uma língua e de uma cultura”.

A mundividência e relevância da diáspora açoriana encontram-se plasmadas na missão e objetivos do Museu da Emigração Açoriana. Inaugurado em 2005, no antigo Mercado de Peixe da Ribeira Grande, o espaço museológico, aberto à união de esforços e trabalhos em parceria no âmbito da história da emigração portuguesa, preserva através de fotografias, documentos, roupas e memórias de diversos tipos, as trajetórias de milhares de açorianos que ao longo do devir histórico saíram do arquipélago para o estrangeiro em busca de melhores condições de vida.

Daniel Bastos e Rui Faria.jpg

O historiador Daniel Bastos (esq.), cujo percurso tem sido alicerçado no seio das Comunidades Portuguesas, visitou em 2019 o MEA-Museu da Emigração Açoriana, acompanhado de Rui Faria (dir.), coordenador do espaço museológico e presidente da AEA-Associação dos Emigrantes Açorianos

 

O Museu da Emigração Açoriana, ao estruturar uma visão geral sobre as razões e destinos da diáspora açoriana, constitui não só, um elemento-chave na história da emigração açoriana, como valida a sua considerável base de dados com fichas de emigrantes e os requerimentos para emigração realizados no século XIX. Como também representa um elemento-chave para a compreensão e identidade do arquipélago, e do demais território nacional, ou não fosse a emigração um fenómeno constante da vida portuguesa.

FAMALICÃO ASSINALA DIA INTERNACIONAL DOS MUSEUS COM PROGRAMA ONLINE DE VÁRIOS DIAS

Rede de Museus de Famalicão e Fundação Serralves debatem diversidade e inclusão nas instituições culturais

Dia Internacional dos Museus em 2019 (1).JPG

O município de Vila Nova de Famalicão vai assinalar o Dia Internacional dos Museus, que se celebra a 18 de maio, com o tema “Museus para a igualdade: diversidade e inclusão”, com uma programação online a partir do facebook da Rede de Museus (@rededemuseusdevilanovadefamalicao). São duas dezenas de atividades a decorrer a partir das diversas estruturas museológicas, entre 15 e 18 de maio, e que incluem por exemplo um debate, música, cinema, oficinas, visitas guiadas, etc.

O programa fica marcado pelo debate promovido pela Rede de Museus de Famalicão em parceria com a Fundação de Serralves, logo a abrir o programa, na sexta-feira, dia 15, pelas 17h00, difundido através da plataforma online Zoom.

Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) que decorrem da resolução da Organização das Nações Unidas, intitulada “Transformar o nosso mundo: Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável” e que foi aprovada por unanimidade por 193 estados-membros dá o mote para o debate intitulado “Agenda 2030 e instituições culturais: diversidade e inclusão”. Os convidados são Alexandra Serra, investigadora da FPCE–UP, António Gouveia, diretor do parque de Serralves e Ricardo Nicolau, adjunto do diretor do Museu de Arte Contemporânea de Serralves. Para moderar o debate estará Francisco Jorge, Chefe da Divisão de Planeamento Estratégico, Economia e Internacionalização do Município de Vila Nova de Famalicão.

A participação e acesso ao debate são gratuitos, no entanto, é obrigatório fazer a inscrição enviando um email para rededemuseus@famalicao.pt.

Com esta iniciativa pretende-se incentivar um envolvimento mais ativo por parte das instituições culturais e contribuir para a promoção da adoção de valores, comportamentos e atitudes que, a nível local, procurem responder a problemas globais.

Para além do debate, destaque ainda para um conjunto de atividades como o concerto da fadista “Madur” “Vem de expresso”, no Museu Ferroviário, as oficinas da Casa de Camilo “Casa de Papel”, do Museu da Industria Têxtil “Estampar Emoções” e da Fundação Cupertino de Miranda “Faz a tua exposição”. Mas este ano há também novamente “Noite no Museu” Bernardino Machado, com uma visita guiada pelo Palacete Barão da Trovisqueira, em direto.

Em concordância com o tema proposto para o Dia Internacional dos Museus 2020, “Museus para a Igualdade: Diversidade e Inclusão”, as atividades do Museu Ferroviário contarão com interpretação em Língua Gestual Portuguesa. Também a atividade “Musear por Vila Nova de Famalicão” que decorre no dia 18, pelas 10h30 e pelas 15h30, e apresenta os doze museus da Rede, seguindo dois percursos, estará disponível em inglês.

O programa completo está disponível no portal do município em www.famalicao.pt.

Refira-se que Vila Nova de Famalicão celebra o Dia Internacional dos Museus desde 2009. Desde a sua criação em 2012, a Rede de Museus é responsável pela organização do Dia Internacional dos Museus e da Noite Europeia dos Museus promovendo anualmente programas diversificados nas 12 unidades museológicas que a compõem.

Em 2019, as comemorações em Vila Nova de Famalicão realizaram-se entre 16 e 19 de maio, promovendo 72 atividades com um alcance de cerca de 5 061 participantes.

Em 2020, no atual contexto de Pandemia, e de portas fechadas, a Rede de Museus de Vila Nova de Famalicão desenvolveu o programa online comemorativo, a partir do facebook da Rede de Museus de Vila Nova de Famalicão.

Dia Internacional dos Museus em 2019 (2).jpg

MILHARES DE PORTUGUESES QUEREM SALVAR NAVIO BACALHOEIRO "ARGUS"

"SOS ARGUS" é um Grupo internacional que liga Portugal, Espanha, Holanda e Inglaterra, pois muitos ilustres cidadãos destes países, tem um objetivo comum - Salvar o ARGUS!

89095331_2981492658601900_2188006286480637952_o.jp

O lugre-motor ARGUS (1939-1974), agora com o nome de POLYNESIA, está a viver dias muito difíceis no cais dos bacalhoeiros, na Gafanha da Nazaré em Ílhavo. É preciso muito dinheiro mas acima de tudo muita força de vontade para o recuperar e trazer de novo o glorioso e icónico ARGUS, um dos navios mais ilustres e bonitos da frota bacalhoeira portuguesa.

Seremos sempre poucos para alcançar esse objetivo, mas começar é já um bom princípio!

Tragam amigos e vamos fazer muito "ruído" saudável à volta deste navio emblemático!...

Para saber mais, aceder à página https://www.facebook.com/groups/2533909086847531/about/

92512546_2539170533023931_4531052620239863808_o.jp

COVID 19 ENCERRA MUSEU DAS TERRAS DE BASTO

Casa do Tempo e Museu das Terras de Basto sem visitas

No âmbito do Plano de Contingência elaborado nos termos das orientações da Direção Geral de Saúde, a Câmara Municipal acaba de determinar o encerramento imediato das visitas ao Museu das Terras de Basto, designadamente ao Núcleo Ferroviário, Núcleo de Arte Sacra, Casa da Lã e Casa do Pão, bem como à Casa do Tempo. Também as visitas guiadas ao Mosteiro de S. Miguel de Refojos foram suspensas.

Casa do Tempo sem visitas.JPG

O presidente da Câmara Municipal, coordenador do Plano de Contingência, apela, ainda, à população para evitar a deslocação aos serviços do Município, especialmente ao Serviço de Atendimento Único – SAU, reservando as deslocações a estes serviços só em casos de extrema necessidade ou urgência.

Como medida preventiva, a Câmara Municipal desaconselha também a utilização das piscinas e pavilhões municipais, sobretudo por parte de pessoas mais vulneráveis, designadamente a população idosa.

As medidas preventivas agora implementadas estarão em vigor até ao próximo dia 31 de março, data em que será reavaliado o ponto de situação e decidido prorrogar ou desativar as medidas.

De salientar, ainda, que a todo o tempo o Grupo Coordenador do Plano poderá sugerir outros procedimentos a adotar em função da evolução epidemiológica e das orientações da Direção-Geral de Saúde.

MUSEU DO ALVARINHO EM MONÇÃO RECEBEU MAIS DE 50 MIL PESSOAS EM 5 ANOS

O Museu do Alvarinho, localizado na Casa do Curro, foi inaugurado no dia 28 de fevereiro de 2015, faz hoje 5 anos, numa cerimónia presidida pelo Secretário de Estado da Agricultura, José Diogo Albuquerque. A partir desse dia, Monção passou a contar com um equipamento relevante e defensor do vinho Alvarinho, aberto a munícipes, turistas e apaixonados pelo mundo dos vinhos.

exterior m.jpg

O ano com maior afluência de visitantes foi 2019, com 11.773, seguindo-se 2015 (10.356), 2016 (10.044), 2018 (9.893) e 2017 (8.137). Em 2020, até ao momento, contabilizaram-se 850 visitantes. Contas feitas, passaram pelo Museu do Alvarinho 51.053 visitantes de diferentes nacionalidades. Sem surpresa, os meses com maior afluência são junho, julho e agosto.

Com o nome registado, o Museu do Alvarinho constitui um espaço de promoção, comercialização e degustação daquele produto demarcado e singular com elevada importância na economia de muitas famílias monçanenses e suporte da identidade cultural e histórica do concelho.

Distribuído por diferentes áreas, este espaço proporciona aos visitantes uma autêntica viagem pelo mundo deste famoso néctar, disponibilizando informação interativa sobre a origem, evolução e empresas dedicadas à produção deste verdadeiro ex. libris do concelho de Monção.

As empresas de Vinho Alvarinho com produto rotulado, tantas e tantas vezes premiadas em concursos nacionais e internacionais, encontram neste espaço “uma porta de acesso” para a valorização dos seus produtos, bem como um “ponto de encontro” para provas comentadas, encontros promocionais e estabelecimento de parcerias negociais.

interior 01 m.JPG

interior 02 m.JPG

interior 03 m.jpg

NAVIO GIL EANNES RECEBE VISITANTES ILUSTRES

O Navio Gil Eannes recebeu a visita de duas ilustres personalidades no passado dia 7 de fevereiro o Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas (CEMGFA), Almirante Silva Ribeiro, acompanhado por oficiais do Exército, da Força Aérea e da Marinha e, no dia 14 de fevereiro a Embaixadora do Canadá em Portugal, Elizabeth Rice Madan.

Foto - Chefe Estado Maior.jpg

Recebidos a bordo e acompanhados por José Maria Costa, Presidente da Fundação Gil Eannes, FP e por João Lomba da Costa Vice-Presidente ambas as individualidades tiveram a oportunidade de visitar os espaços museológicos deste emblemático navio hospital, incluindo os novos espaços restaurados e inaugurados no final de janeiro, no âmbito das comemorações do 22º Aniversário do regresso do navio a Viana do Castelo.

Recorde-se que o Navio Hospital Gil Eannes foi construído nos Estaleiros Navais de Viana do Castelo e, em 1955 iniciou a sua atividade de apoio à frota bacalhoeira nos mares da Terra Nova como navio hospital, para o qual foi construído àquela data.

Desde 1998 o Gil Eannes, propriedade da Fundação Gil Eannes, FP, encontra-se aberto ao público recebendo visitas diariamente e até à data a Fundação já registou 1 041 017 pessoas que passaram a bordo deste navio museu.

O navio museu encontra-se aberto a visitas todos os dias das 09h30 às 18h00.

A marcação de visitas guiadas a grupos pode ser feita para o telefone 258 809 710 ou para o email navio@fundacaogileannes.pt.

Foto - lavandaria.JPG

Foto_Embaixadora.JPG

Foto_farmácia.JPG

MUSEU DA ÁGUA AO AR LIVRE DO RIO VEZ

Workshop de ilustração para crianças - "Conhecer a fauna, pintando-a"

O mês dedicado à ilustração da Natureza no Museu da Água ao Ar Livre do Rio Vez arrancou no passado dia 8 de fevereiro, com um workshop de ilustração dedicado às crianças e com uma exposição sobre a ilustração científica que estará exposta até 7 de março, no Centro acolhimento do Museu da Água ao Ar Livre do Rio Vez.

84398042_1757010257771625_6859859355001421824_n.jpg

Foi notória a adesão de participantes que quiseram "Conhecer a fauna, pintando-a". Esta atividade proporcionou o desenvolvimento da criatividade, da perceção visual e da destreza ao mesmo tempo, que aprendiam mais sobre a nossa fauna e as características das diversas espécies abordadas. A presença de dois modelos vivos, uma cobra e uma cadela, fizeram as delícias dos presentes que os pintaram com grande empenho.

Tel.: (+351) 258 247 317

E-mail: museudaagua@cmav.pt |Site: http://museudaagua.arcosdevaldevez.pt/ 

FB_IMG_1581358897875.jpg

IMG_5584.JPG

IMG_5625.JPG