Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

"RIO DE LIVROS" BANHA MONÇÃO

O veículo da biblioteca itinerante estacionou no Parque das Caldas, levando o livro às pessoas que visitam aquela área ribeirinha de Monção. De segunda a sexta-feira, entre as 14h30 e as 17h00, até 31 de Agosto. Vai um “mergulho” neste “Rio de Livros”?

monçaoriolivros (1).jpg

O bom tempo convida a desfrutar de momentos relaxantes junto às zonas ribeirinhas, às áreas de lazer ou numa paisagem inspiradora. Há quem aproveite para colocar a leitura em dia e leve consigo o último romance do seu autor preferido. Outros, pelo contrário, nem de livros querem ouvir falar.
O Projeto “Rio de Livros”, promovido pela Câmara Municipal de Monção, através dos serviços da Biblioteca Municipal, nasceu a pensar em todos. Naqueles que os “devoram” e não vivem sem eles, nos mais distraídos, que se esqueceram deles em casa, ou mesmo para aqueles que dispensam leituras em período de férias.
No Parque das Caldas, de segunda a sexta-feira, entre as 14h30 e as 17h00, até 31 de agosto, estão disponíveis livros para todos os gostos, podendo ser requisitados, por breves instantes, horas ou dias, para serem lidos num dos espaços daquele espaço aprazível e convidativo: passadiço de madeira, piscina descoberta, parque de merendas.
Além da leitura, essencial na idade infantil, os mais pequenos têm também a possibilidade de passar para o papel branco alguns traços criativos do cenário envolvente. Numa área sombreada, em jeito informal, a nossa proposta é proporcionar às famílias momentos agradáveis e enriquecedores.
Neste projeto todos têm a oportunidade de se aproximar do livro. Sentir o seu peso, apreciar a sua capa, folhear as primeiras páginas, “apaixonar-se” pelas personagens, deliciar-se com a narrativa, ou “saltar” para o último capítulo. Aqui tudo é possível. Vale a imaginação de cada um. E as sensações que prometem perdurar no tempo.

monçaoriolivros (2).jpg

monçaoriolivros (3).jpg

monçaoriolivros (4).jpg

monçaoriolivros (5).jpg

CAMPANHA DE APOIO À ESTERILIZAÇÃO, IDENTIFICAÇÃO E VACINAÇÃO DE ANIMAIS DE COMPANHIA

Candidaturas estão abertas, destinando-se à população comprovadamente carenciada do concelho.

No âmbito das suas atribuições no domínio da ação social, saúde publica e bem-estar animal, a Câmara Municipal de Monção adotou uma politica de gestão destinada à redução do abandono de animais de companhia (cães e gatos), bem como ao aparecimento de colónias de animais vadios e errantes.

campanha 01.jpg

Nesse sentido, além de garantir todo o apoio necessário, através do Serviço Veterinário Municipal, a autarquia procedeu à construção de um abrigo de animais. O espaço, gerido pela Associação “Rafeiros e Companhia”, tem como objetivo proteger animais abandonados e maltratados, incentivando, em paralelo, a sua adoção.

De forma a prosseguir a sua politica de defesa e bem-estar animal, o Município de Monção, em colaboração com os Centros de Atendimento Médico-Veterinários, instalados no concelho de Monção, lançou agora a Campanha de Apoio à Esterilização, Identificação e Vacinação de Animais de Companhia.

O regulamento, que estabelece os termos, procedimentos e condições de acesso à campanha, foi aprovado na Câmara Municipal e na Assembleia Municipal, após consulta pública por um período de 30 dias, tendo já sido publicado no Diário da República, edital nº 256/2021.

A quem se destina?

Destinando-se à população comprovadamente carenciada do concelho, a campanha pretende facultar o acesso gratuito aos serviços médico-veterinários destinados à esterilização de cães e gatos, de forma a promover a sua adoção e a reduzir o seu abandono.

Como posso candidatar-me?

A candidatura é efetuada mediante o preenchimento de requerimento próprio, disponível no Balcão Único de Atendimento, no Edifício do Loreto, podendo ser descarregado do portal municipal www.moncao.pt, na área dedicada à proteção animal.

A entrega do requerimento, juntamente com a documentação solicitada nas condições de acesso,  pode ser feita de forma presencial, no espaço mencionado, por correio eletrónico para gap@cm-moncao.pt ou, ainda, por correio registado com aviso de receção.

Regulamento, condições de acesso e requerimento de candidatura

No portal municipal www.cm-moncao.pt, com acesso direto através do seguinte link: https://bit.ly/34vtxJA

campanha 02.jpg

ARCOS DE VALDEVEZ: ALTERCAÇÕES NA CÂMARA MUNICIPAL EM 1926 FORAM CONDENADAS NA CÂMARA DOS DEPUTADOS... DOIS MESES DEPOIS ERA INSTAURADA A DITADURA MILITAR!

Domigues_dos_santos.jpg

Deputado José Domingos dos Santos

A propósito de uma altercação na Câmara Municipal de Arcos de Valdevez, o deputado José Domingos dos Santos interveio na sessão de 12 de Março de 1926 da Câmara dos Deputados, fazendo referência aos factos ocorridos.

Capturararcoscamar.JPG

"O Sr. José Domingues dos Santos: - Sr. Presidente: Há cêrca de quinze dias já que eu pedi a presença do Sr. Presidente do Ministério e Ministro do Interior para tratar de alguns casos que reclamam a intervenção de S. Exa. Lamento que só hoje os possa tratar e espero que, de futuro, S. Exa. seja mais atencioso para com os representantes da Nação, que têm o direito e o dever de formular na Câmara as reclamações que entendem.

Sr. Presidente: quero principiar por apresentar ao Sr. Presidente do Ministério o meu protesto, que é também o da Esquerda Democrática, contra mais uma arbitrariedade cometida por um representante do Poder. Parece, Sr. Presidente, que não vivemos numa terra civilizada, onde impera a lei; parece que vivemos em pleno sertão africano, onde dominam os caprichos e as contingências do acaso.

O caso a que me vou referir é bem sintomático disso.

Em Arcos de Valdevez foi anulada a eleição camarária por despacho proferido por um juiz auditor, de onde não houve recurso, tam graves tinham sido as irregularidades praticadas. Automaticamente, como determina a lei, devia tomar posse a vereação anterior. De facto, assim sucedeu. Mas um dia, em que essa vereação estava tratando sossegadamente de negócios municipais, o administrador do concelho, à frente do alguns díscolos, entrou na Câmara, agrediu os vereadores e pô-los fora do edifício. Sabe V. Exa. Sr. Presidente do Ministério, quem presidia à sessão na Câmara?... O antigo Deputado Sr. Germano de Amorim, que, violentamente, como os outros, foi, pelo delegado de V. Exa., pôsto também fora, insultado e agredido.

Podemos continuar neste regime, permitindo que as piores arbitrariedades, os piores abusos, sejam praticados pelos representantes do Poder? Compete aos representantes do Poder manter a ordem ou são êles, afinal, os próprios a fomentar a desordem ? Já mais do uma vez temos chamado a atenção do Govêrno para várias irregularidades que vêm sendo praticadas pelos administradores dos concelhos que, há tempos a esta parte, parecem não ter outra missão senão a do avivar conflitos e comprometer o Poder.

Espero, Sr. Presidente, ser desta vez mais feliz na minha reclamação do que quando há dias protestei também contra um analfabeto, que administra o concelho do Barreiro. Desse caso tratará o meu ilustre colega, Sr. Pestana Júnior.

E indispensável pôr termo a esta forma de lazer administração. Ou vivemos num País onde a luta legal é permitida, ou temos de ir dizer aos nossos correligionários que assim é impossível viver.

Chamo ainda a atenção do Sr. Presidente do Ministério para outro facto. Há tempos, formulei as minhas reclamações contra o jôgo o não o fiz por mero capricho, nem por má vontade pessoal contra quem quer que fôsse. Desconheço os homens que jogam; não entro nessas casas; mas sei que há uma lei que considera como crime o jôgo e que puno severamente es homens que jogam. Prometeu-me o Sr. Presidente do Ministério que tomaria enérgicas medidas contra o jôgo. Sei que há dias se procedeu a uma rusga nos vários clubes; simplesmente, três ou quatro horas antes de a rusga lá chegar, já ela era esperada. E desta vez, tinham tanto a certeza da hora a que lá apareceriam os homens da polícia para fazer a rusga que, ao chegarem êles, tinham sido tomadas já todas as precauções devidas.

Mas há mais: essas precauções tinham sido tomadas de tal forma, que, ao chegarem êles, nem sequer tiveram de interromper o jôgo e continuaram tranquilamente a jogar!... O Govêrno desconhece êstes factos?... Só os desconhece, para que serve então toda essa aluvião de polícias, que por toda a parto aparecem? Se os conhece, porque não castiga severamente os culpados?...

Sr. Presidente: não queremos continuar a tiver neste regime de mentira, sabendo que o jôgo é um crime, que se joga em Lisboa e que não se tomam as devidas providências.

Espero não ter do voltar a êste assunto, porque, se tiver de fazê-lo, tratá-lo hei por outra forma mais enérgica, e porventura mais eficaz."

Germano_José_de_Amorim_(Arquivo_Histórico_Parlam

Antigo deputado Germano de Amorim presidia aos trabalhos camarários

Monçanense de nascimento, Germano de Amorim exerceu as funções de Notário no Cartório Notarial de Arcos de Valdevez, vindo a falecer neste concelho. Foi jornalista, jurista e político, tendo militado no Partido Democrático. Fundou em Arcos de Valdevez o Centro Republicano Teixeira de Queirós, o qual viria a ser substituído pelo Centro Republicano Democrático Arcoense. Foi presidente da Comissão Executiva da Câmara Municipal de Arcos de Valdevez, tendo em 1925, no exercício das suas funções, conseguido trazer a luz eléctrica para o concelho.

Foi director de diversos jornais, Provedor da Misericórdia de Arcos de Valdevez, iniciado na Maçonaria e membro da Carbonária.

MONÇÃO E “AS OLIMPÍADAS DA CIDADANIA E DO PATRIMÓNIO

A Escola Básica de Vale de Mouro, vencedora do Concurso Municipal, recebeu equipamento no valor de 300,00 €

olimpmonçao.jpg

No âmbito da Ação 2 “Ambientes Educativos Inovadores” integrada no Projeto “School4All Monção”, o Município de Monção procedeu, no dia 13 de julho, à entrega dos prémios, no valor de 300,00 €, à Escola Básica de Vale do Mouro, vencedora do Concurso Municipal “As Olimpíadas da Cidadania e do Património”.

De acordo com as necessidades identificadas pelo estabelecimento de ensino, o Vice-Presidente da Câmara Municipal de Monção, João Oliveira, procedeu à entrega dos seguintes prémios: 1 microfone com tripé, 1 megafone e 5 pares de colunas portáteis.

Na ocasião, João Oliveira felicitou a escola e a turma vencedoras do concurso, tendo agradecido a participação e colaboração de todos os estabelecimentos de ensino, professores e alunos que estiveram envolvidos nesta iniciativa de promoção do sucesso escolar.

Este concurso proporcionou vários momentos de diversão e partilha, onde os alunos participaram em “O Fantástico Jogo das Perguntas Olímpicas” e transmitiram a sua experiência e dinâmica em “As Olimpíadas aos nossos olhos”.

O primeiro lugar foi conquistado pela turma T4A1, da Escola Básica de Vale do Mouro, tendo-se posicionado nos lugares seguintes do pódio a turma P4A, da Escola Básica de Pias, e a turma T3A, da Escola Básica de Vale do Mouro.

Atividade promovida pelo Município de Monção no âmbito do PIICIE, cofinanciado pelo Norte 2020/FSE

MONÇÃO BENEFICIA RUA DA PEDRA, EM TROVISCOSO

Constando do Plano Plurianual de Investimentos da Câmara Municipal de Monção, a empreitada representou um investimento de 91 mil euros.

pedra 04.JPG

A Rua da Pedra, em Troviscoso, com uma extensão de 1.330 metros, já recebeu o novo tapete betuminoso, faltando agora a pintura no eixo da via para a conclusão da empreitada. Os trabalhos estiveram a cargo da empresa “Machado e Caldas, Investiments, Lda”.

Representando um investimento global de 91.083,79 €, suportado, em partes iguais, pela Câmara Municipal de Monção e pela União de Freguesias de Monção e Troviscoso, a empreitada teve inicio junto à Capela do Senhor dos Passos, terminando no Lugar da Pedra.

A beneficiação da Rua da Pedra consta do Plano Plurianual de Investimentos da Câmara Municipal de Monção. Os trabalhos consistiram na repavimentação do traçado, melhorando as condições de circulação de viaturas, mobilidade de pessoas e acesso às habitações.

Além da requalificação do pavimento, este investimento na rede viária de Troviscoso englobou também o sistema de drenagem, através da execução de caixas de visita, com as respetivas grelhas em ferro fundido, bem como da instalação de coletores em polipropileno.

O Plano Plurianual de Investimentos para o presente ano tem uma dotação financeira próxima de 2.5 milhões de euros para beneficiação da rede viária no concelho. No âmbito das transferências de capital para as freguesias, onde constam várias obras de melhoramento da rede viária, o município inscreveu 2 milhões de euros.

pedra 06.JPG

pedra 08.JPG

BANCO DE VOLUNTARIADO DE MONÇÃO RECRUTA JOVENS PARA O PROGRAMA CULTURA +

𝗣𝗥𝗢𝗚𝗥𝗔𝗠𝗔 𝗖𝗨𝗟𝗧𝗨𝗥𝗔 +

O Banco Local de Voluntariado de Monção (BLVM) está a recrutar voluntários para o Programa Cultura +, destinando-se a jovens residentes no nosso concelho com idade igual ou superior a 18 anos. As ações de voluntariado, que decorrem durante os meses de julho e agosto, já tiveram inicio.

𝗢𝗯𝗷𝗲𝘁𝗶𝘃𝗼𝘀 𝗴𝗲𝗿𝗮𝗶𝘀

Neste programa de voluntariado, um dos vários promovidos pelo BLVM, o jovem voluntário tem como função apoiar a atividade dos espaços culturais do município e a dinamização de eventos, colaborando na sua realização e no contacto com o público.

𝗢𝗯𝗷𝗲𝘁𝗶𝘃𝗼𝘀 𝗲𝘀𝗽𝗲𝗰𝗶́𝗳𝗶𝗰𝗼𝘀

- Promover o espirito de voluntariado e a cidadania ativa.

- Prestar informações aos participantes relacionadas com a organização dos eventos municipais.

- Informar os participantes sobre as recomendações gerais de saúde publica a adotar pelo público, segundo as normas da DGS.

volmonao (1).png

volmonao (1).jpg

volmonao (2).jpg

MONÇÃO: DOIS FINS DE SEMANA ANIMADOS COM O VINHO ALVARINHO COMO PROTAGONISTA

Iniciativa “Bem-vindo a Monção, o Reino do Alvarinho” inicia-se este fim de semana, 2, 3 e 4 de julho, prolongando-se no fim de semana seguinte, 9, 10 e 11 de julho. As propostas são múltiplas e diversificadas: jantares vínicos, serões à moda antiga, conversas com sabores, visitas e provas vínicas nas quintas e adegas do concelho, piqueniques “Sabores de Monção”, e provas comentadas de Alvarinho.

cartazalva.png

À semelhança do ano passado, a Feira do Alvarinho de Monção, a maior Wine Party de Portugal, foi cancelada. Como alternativa, o Município de Monção lançou, em colaboração com os produtores locais de Alvarinho, a campanha “Bem-vindo a Monção, o Reino do Alvarinho” com a realização de dois fins de semana, 2 a 4 e 9 a 11 de julho, repletos de atividades para todos os públicos.

A iniciativa promocional, onde enaltecemos as potencialidades e atrativos do território monçanense, com particular destaque para o vinho Alvarinho, elegante na forma e delicioso no conteúdo, tem como objetivo reforçar a atividade económica e proporcionar aos munícipes e visitantes vários momentos de animação e descontração.

Um programa que celebra o regresso ao quotidiano, dentro da normalidade possível e com total segurança, convidando todos os amantes deste território, em família ou grupo de amigos, a desfrutar das atividades previstas e de um vinho fantástico que nasceu aqui, neste cantinho simpático, sendo produzido por várias centenas de monçanenses, para deliciar o mundo inteiro.

Nestes dois fins-de-semana, há muito para ver e fazer. Consultando o programa, as propostas são múltiplas e diversificadas: jantares vínicos, serões à moda antiga, conversas com sabores, visitas e provas vínicas nas quintas e adegas do concelho, piqueniques “Sabores de Monção”, e provas comentadas de Alvarinho.

Referência ainda para visitas guiadas pelo perímetro da fortaleza de Monção, Alvarinho palmo e meio, tours em Tuk Tuk, passeios de charrete, e o Projeto Monsons, atividade multidisciplinar constituída por quatro espetáculos que retratam a multiplicidade de temáticas que o vinho oferece.

O desporto está presente com a realização de trilhos pedestres, pedalar Monção, atividades no rio Minho (caiaque, stand up paddle), tiro com arco e kartcross a pedais. A gastronomia também não poderia faltar. 18 restaurantes do concelho têm na ementa “Cordeiro à Moda de Monção”, popularmente conhecido como “Foda à Monção”. 6 bares disponibilizam tapas à base de produtos endógenos de Monção.

Convidamo-lo(a) a visitar “O Reino do Alvarinho”, um destino extraordinário, algo mais grandioso do que podes imaginar, que foi afirmando a sua inconfundível identidade ao longo dos anos, não só graças à arte de “saber fazer” e “bem receber” do seu povo, como também à riqueza do seu divino vinho Alvarinho. Sabe-se que aqui nasceu e cresceu, antes de qualquer registo, motivo pelo qual se confunde a história do reino com a história do vinho.

Esta terra chama-te…

Para paisagens mágicas e sedutoras. Onde se ouve o ritmo da terra. E a imaginação serve-se num copo. Com alma, alegria e a luz da festa. Sentimos esta terra dento de nós. Necessitamos de voltar a ela. De saboreá-la e vivê-la.

Monção espera-te.

passeios de charrete.jpg

projeto monsons.jpg

provas comentadas.jpg

sabores de Monção - piqueniques.jpg

serões a moda antiga.jpg

tapas tour alvarinho.jpg

trilhos pedestres.jpg

visitas e provas vinicas.jpg

visitas guiadas.jpg

conversas com sabores.jpg

cordeiro à moda de Monção.jpg

jantares vinicos.jpg

alvarinho palmo e meio.png

alvarinho tours tuk tuk.jpg

atividades fluviais.jpg

CARTÃO JOVEM: PROTOCOLO ENTRE O MUNICIPIO DE MONÇÃO E AS PRIMEIRAS EMPRESAS ADERENTES

Jovens portadores do cartão podem usufruir de várias vantagens associadas ao cartão, nomeadamente, descontos na aquisição de produtos/artigos e na prestação de serviços das empresas participantes, bem como nos equipamentos desportivos, sessões de cinema e espetáculos no Cine Teatro João Verde.

autocolantemonç.jpg

Lançado o Cartão Jovem Municipal, o qual já conta com cerca de 400 inscrições, realizou-se, ontem, no auditório da Biblioteca Municipal de Monção, a assinatura de protocolos de colaboração entre o Município de Monção e as primeiras dez empresas aderentes ao projeto.

As empresas receberam um autocolante para colocar à entrada do estabelecimento, fazendo menção como “empresa parceira” do cartão jovem municipal. A partir de hoje, os jovens portadores do cartão podem usufruir de descontos na aquisição de produtos e na prestação de serviços das empresas participantes.

Presente na assinatura dos protocolos, feita de forma individual, o Vice Presidente da Câmara Municipal de Monção, João Oliveira, deu conta da sua importância enquanto “apoio aos jovens monçanenses“ e como “reforço da atividade comercial”, permitindo que “as compras sejam efetuadas na nossa terra”.

João Oliveira agradeceu às empresas a participação no Cartão Jovem Municipal e desejou que este exemplo possa incentivar outras empresas. “Estes protocolos são o ponto de partida de um projeto aberto à participação do maior número de empresas monçanenses. Quem quiser aderir, pode fazê-lo a qualquer momento”.

As primeiras empresas aderentes são: Adega Cooperativa Regional de Monção, CRL; Áshrama Monção – Centro de Yoga; Clinica Body Slim Fit; DermaSystem;  Elisabete Amoedo Veterinária; Lavandaria Pirâmide; Percarpro + - Centro de Manutenção de Veículos, Lda; Poliópticas, Lda;  Restaurante Cuckoo, e Ritmos Sublimes Unipessoal, Lda – Baluarte.

Além de descontos na aquisição de produtos/artigos e na prestação de serviços das empresas participantes, os utilizadores do Cartão Jovem Municipal podem usufruir de desconto de 10 por cento nos equipamentos desportivos municipais, nas sessões de cinema e nos espetáculos realizados Cine Teatro João Verde, desde que sejam promovidos pelo Município.

Tal como as empresas, que podem “entrar” no projeto a qualquer momento, o acesso ao Cartão Jovem Municipal pode, igualmente, ser pedido em qualquer altura, destinando-se a jovens com idades compreendidas entre os 12 e os 30 anos, inclusive, que residam, trabalhem ou estudem no concelho de Monção. A emissão da primeira via do cartão é gratuita.

monçcartjov (1).JPG

monçcartjov (2).JPG

monçcartjov (3).JPG

monçcartjov (4).JPG

monçcartjov (5).JPG

monçcartjov (6).JPG

monçcartjov (7).JPG

monçcartjov (8).JPG

monçcartjov (9).JPG

monçcartjov (10).JPG

BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONÇÃO RECRUTA VOLUNTÁRIOS PARA PROGRAMA CULTURA +

O Banco Local de Voluntariado de Monção (BLVM) está a recrutar voluntários para o Programa Cultura +. Destina-se a jovens residentes no nosso concelho com idade igual ou superior a 18 anos. As ações de voluntariado decorrem durante os meses de julho e agosto, às sextas e sábados à noite, entre as 20h45 e as 22h45.

monçamonç.png

𝗢𝗯𝗷𝗲𝘁𝗶𝘃𝗼𝘀 𝗴𝗲𝗿𝗮𝗶𝘀

Neste programa de voluntariado, um dos vários promovidos pelo BLVM, o jovem voluntário tem como função apoiar a atividade dos espaços culturais do município e a dinamização de eventos, colaborando na sua realização e no contacto com o público.

𝗢𝗯𝗷𝗲𝘁𝗶𝘃𝗼𝘀 𝗲𝘀𝗽𝗲𝗰𝗶́𝗳𝗶𝗰𝗼𝘀

- Promover o espirito de voluntariado e a cidadania ativa.

- Prestar informações aos participantes relacionadas com a organização dos eventos municipais.

- Informar os participantes sobre as recomendações gerais de saúde publica a adotar pelo público, segundo as normas da DGS.

BEM-VINDO A MONÇÃO, O REINO DO ALVARINHO

2 A 4 E 9 A 11 DE JULHO

À semelhança do ano passado, a Feira do Alvarinho de Monção, a maior Wine Party de Portugal, foi cancelada. Como alternativa, o Município de Monção lançou, em colaboração com os produtores locais de Alvarinho, a campanha “Bem-vindo a Monção, o Reino do Alvarinho” com a realização de dois fins de semana, 2 a 4 e 9 a 11 de julho, repletos de atividades para todos os públicos.

204018565_4505382126148532_5470213280635517113_n.j

A iniciativa promocional, onde enaltecemos as potencialidades e atrativos do território monçanense, com particular destaque para o vinho Alvarinho, elegante na forma e delicioso no conteúdo, tem como objetivo reforçar a atividade económica e proporcionar aos munícipes e visitantes vários momentos de animação e descontração.

Um programa que celebra o regresso ao quotidiano, dentro da normalidade possível e com total segurança, convidando todos os amantes deste território, em família ou grupo de amigos, a desfrutar das atividades previstas e de um vinho fantástico que nasceu aqui, neste cantinho simpático, sendo produzido por várias centenas de monçanenses, para deliciar o mundo inteiro.

Nestes dois fins-de-semana, há muito para ver e fazer. Consultando o programa, as propostas são múltiplas e diversificadas: jantares vínicos, serões à moda antiga, conversas com sabores, visitas e provas vínicas nas quintas e adegas do concelho, piqueniques “Sabores de Monção”, e provas comentadas de Alvarinho.

Referência ainda para visitas guiadas pelo perímetro da fortaleza de Monção, Alvarinho palmo e meio, tours em Tuk Tuk, passeios de charrete, e o Projeto Monsons, atividade multidisciplinar constituída por quatro espetáculos que retratam a multiplicidade de temáticas que o vinho oferece.

O desporto está presente com a realização de trilhos pedestres, pedalar Monção, atividades no rio Minho (caiaque, stand up paddle), tiro com arco e kartcross a pedais. A gastronomia também não poderia faltar. 18 restaurantes do concelho têm na ementa “Cordeiro à Moda de Monção”, popularmente conhecido como “Foda à Monção”. 6 bares disponibilizam tapas à base de produtos endógenos de Monção.

Convidamo-lo(a) a visitar “O Reino do Alvarinho”, um destino extraordinário, algo mais grandioso do que podes imaginar, que foi afirmando a sua inconfundível identidade ao longo dos anos, não só graças à arte de “saber fazer” e “bem receber” do seu povo, como também à riqueza do seu divino vinho Alvarinho. Sabe-se que aqui nasceu e cresceu, antes de qualquer registo, motivo pelo qual se confunde a história do reino com a história do vinho.

Esta terra chama-te…

Para paisagens mágicas e sedutoras. Onde se ouve o ritmo da terra. E a imaginação serve-se num copo. Com alma, alegria e a luz da festa. Sentimos esta terra dento de nós. Necessitamos de voltar a ela. De saboreá-la e vivê-la.

Monção espera-te.

MONÇÃO REALIZA JANTARES VÍNICOS

A artes de harmonizar o Alvarinho com a Gastronomia Local

Os Jantares Vínicos do Reino do Alvarinho vão juntar à mesa as melhores referências de vinho Alvarinho da sub-região de Monção e Melgaço e as maravilhas da Gastronomia Monçanense.

Organizados por diversos produtores de vinho Alvarinho de Monção, aderentes à iniciativa “Bem-vindo a Monção, o Reino do Alvarinho”, estes jantares, onde o vinho partilha o mesmo protagonismo que a comida, têm como objetivo proporcionar agradáveis momentos de convívio, partilha de conhecimentos e experiências, ao mesmo tempo que se degustam e exploram aromas e paladares, resultantes da harmonização do vinho com a gastronomia.

Consulte os locais, datas e menus, e faça a sua reserva, através dos contactos disponibilizados em https://bit.ly/3gz8lsW

204018565_4505382126148532_5470213280635517113_n.j

QUEM FORAM NO DISTRITO DE VIANA DO CASTELO OS MEMBROS DE APOIO À CANDIDATURA PRESIDENCIAL DO GENERAL NORTON DE MATOS

Relação dos membros constituintes das Comissões de apoio à Candidatura do Distrito de Viana do Castelo e dos concelhos pertencentes: Paredes de Coura, Caminha, Ponte de Lima, Monção e Arcos de Valdevez.

Fonte: Arquivo Municipal de Ponte de Lima

PT-MPTL-GNM-J-CSDC-001-000002_m001_dissemination.j

PT-MPTL-GNM-J-CSDC-001-000002_m002_dissemination.j

 

ESTE VERÃO, OS FINS DE TARDE ACONTECEM AO AR LIVRE, NA COMPANHIA DAS COMÉDIAS DO MINHO.

As Comédias do Minho estreiam o espetáculo de teatro FIM DE TARDE, no dia 1 de julho. A criação de Leonor Barata marca o regresso da companhia minhota ao formato presencial. Ao longo de um mês, a peça vai percorrer os concelhos de Paredes de Coura, Vila Nova de Cerveira, Melgaço, Valença e Monção.

CdM_Fim-de-tarde_evento.jpg

O regresso aos palcos faz-se ao ar livre e em horário de fim de tarde. Acomodar a segurança dos espectadores e a eventualidade de novo recolher obrigatório fez parte das premissas de criação. Os espectadores podem contar com um espetáculo que, com humor, coloca em cena algumas questões sobre a forma como contamos histórias e, com elas, nos construímos

Leonor Barata é uma criadora que desenvolve o seu trabalho na fronteira entre o teatro e a dança. O universo clássico está, muitas vezes, presente nas suas criações. Em FIM DE TARDE, parte da premissa de que “antes dos gregos não havia nada” para, de uma forma lúdica, explorar questões sobre a repetição das narrativas ao longo dos séculos. Será que há uma ‘grande narrativa’ que se reproduz em todas as pequenas narrativas ao longo do tempo? A pergunta traz consigo as possibilidades do “E se?”. Os três atores em cena ensaiam novos ângulos e desfechos para histórias que todos conhecem e para as suas múltiplas personagens. Será que somos nós que construímos a nossa narrativa ou é a ‘grande narrativa’ que nos constrói? Que sentido damos ao que vivemos através da forma como contamos a(s) nossa(s) história(s)?

Passado mais de um ano desde o início da pandemia de COVID-19, importa questionar de que forma a circularidade dos discursos influencia o olhar de cada um sobre si e sobre a sociedade. Depois de um ano e meio sem espetáculos presenciais, as Comédias do Minho ensaiam possibilidades para o fazer dentro dos limites de segurança, para que o teatro continue a ser uma realidade nas aldeias do Vale do Minho.

Envio em anexo duas fotografias da fase de ensaios (©Sara Barros), o dossier de imprensa com informações adicionais e alguns materiais gráficos. Não hesite em contactar-me, caso necessite de mais informações.

Fim de Tarde_ensaios2_©Sara Barros.jpeg

CdM_Fim-de-tarde_flyer-digital_AF.jpg

Fim de Tarde_ensaios1_©Sara Barros.jpeg

GOVERNO REQUISITOU EM 1941 O MILHO AOS PRODUTORES

O Ministério da Economia - Gabinete do Ministro, através da Portaria nº. 9958, publicada em Diário do Govêrno n.º 289/1941, Série I de 12 de Dezembro de 1941, determinou que se considerassem requisitadas as quantidades de milho existentes na posse dos produtores dos concelhos de Caminha, Vila Nova da Cerveira, Valença do Minho, Monção, Melgaço, Arcos de Valdevez, Ponte da Barca, Terras do Bouro, Montalegre e Chaves.

Capturarmilho1.JPG

Capturarmilho2.JPG

MONÇÃO: RAMAIS DE LIGAÇÃO DE SANEAMENTO ÀS HABITAÇÕES EM MILAGRES (CAMBESES) JÁ PODEM SER PEDIDOS

Os interessados devem apresentar o respetivo requerimento no Balcão Único de Atendimento, Edifício do Loresto, cujo modelo pode ser descrregado do portal municipal.

A Rede de Saneamento dos Milagres, em Cambeses, está concluída, encontrando-se o respetivo sistema de drenagem em funcionamento. A partir de agora, já podem ser requeridos os ramais de ligação às habitações existentes na zona abrangida pela intervenção.

Servindo mais de 500 pessoas dos lugares de Milagres, Figueiras, Terra Nova, Veiga e parte de Sende, os trabalhos representaram um investimento total de 367.324,94 €. A empreitada englobou, também, o lugar de Agrelo, em Mazedo, beneficiando cerca de 70 pessoas.

Os interessados devem apresentar o requerimento no Balcão Único de Atendimento, Edifício do Loreto. Os custos de colocação de ramais, até 20 metros, são suportados pela Câmara Municipal de Monção, cabendo aos beneficiários a taxa de vistoria.

A empreitada consistiu na construção de infraestruturas de saneamento de águas residuais, nomeadamente, rede de drenagem, estação e condutas elevatórias, contribuindo para a preservação ambiental e valorização da qualidade de vida da população.

A Rede de Saneamento dos Milagres é constituída por 4 redes de drenagem distintas. A rede principal, que abrange a parte alta do Lugar dos Milagres, drena, de forma gravítica, para o poço de bombagem principal, localizado no Senhor da Boa Morte.

cambeses.jpg

MONÇÃO APRESENTA O LIVRO “DA CASA DE SENDE AOS GOVERNOS DE MARANHÃO, PIAUÍ E GRÃO-PARÁ”

Documentação inédita sobre colonização do Brasil motiva lançamento de livro e assinatura de protocolo. O seu autor, Ernesto Português, dedicou 12 anos à elaboração desta publicação relevante para a compreensão da colonização do Brasil e descoberta da Amazónia.

capa livrosende.jpg

A publicação “Da Casa de Sende aos Governos de Maranhão, Piauí e Grão-Pará”, da autoria do historiador e investigador Ernesto Português, vai ser lançada no dia 26 de junho, sábado, pelas 17h00, nos jardins da Casa Museu de Monção, unidade cultural da Universidade do Minho.

Editada pela Casa Museu de Monção/Universidade do Minho e pela Câmara Municipal de Monção, trata-se de uma obra de capa dura com três centenas de páginas, onde é realçado o importante papel desempenhado por três gerações oriundas da Casa de Sende na colonização do Brasil e na descoberta da Amazónia.

A documentação (escritos e desenhos da época), resgatada do fundo de um baú antigo da Casa de Sende, são de grande relevância para a compreensão da colonização do Brasil, durante o século XVIII, bem como do trabalho desenvolvido pelo Capitão General Gonçalo Pereira Lobato e Sousa, no Estado do Maranhão, onde teve a tarefa de criação de vários municípios, entre estes, Monção e Viana do Maranhão.

O seu filho, João Pereira Caldas, desempenhou um papel notável no governo da Capitania de Piauí e do imenso estado do Grão-Pará. Posteriormente, esteve à frente das capitanias do Rio Negro, Mato Grosso e Cuiabá, sendo figura marcante na Viagem Filosófica, chefiada por Alexandre Rodrigues Ferreira.

Após a apresentação da publicação, o vasto espólio documental será objeto de um auto de entrega, por parte da família, ao Arquivo Municipal de Monção. Este procederá ao devido tratamento arquivístico e respetiva conservação documental, de forma a poder colocar-se à disposição da comunidade, estudantes, investigadores e historiadores.

O autor da obra, Ernesto Português, Cidadão de Mérito de Monção, dedicou 12 anos à elaboração desta obra, tendo, inclusive, já proferido diversas comunicações alusivas à temática em seminários, conferências e congressos internacionais, bem como publicado artigos em jornais e revistas.