Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

ARCOS DE VALDEVEZ MOSTRA ROCHAS E MINERAIS

Um olhar sobre o nosso planeta: A Terra. Exposição de Rochas e Minerais. 

A pensar no público escolar, mas também no público em geral, a Biblioteca Municipal tem em exibição desde março, uma vasta coleção de Minerais e Rochas que reúne mais de três centenas e meia de exemplares, alguns muito raros e outros de rara beleza. Os exemplares pertencem a dois colecionadores: o Dr. José da Silva Ferreira e o Sr. Taciano Rodrigues Lages, que motivados pelo interesse e dos visitantes, continuam a incluir novos exemplares na coleção. 

rochas_minerais5.jpg

Na semana passada o Dr. José da Silva Ferreira acrescentou um meteorito de ferro, procedente da Argentina que terá sido encontrado no século XVI. Trata-se de um meteorito recolhido em Campo del Cielo, uma área que está situada a 1.000 quilómetros a noroeste de Buenos Aires. O local cobre uma área de  cinquenta e cinco quilómetros quadrados e contém pelo menos 26 crateras, tendo a de maior dimensão 115 m de comprimento por 91 metros de largura.

Em 1576, os indígenas da região, relataram a existência de crateras com avultadas massas de ferro que suscitaram o interesse das autoridades ao serviço da coroa espanhola.

rochas_minerais7.jpg

Atualmente as crateras e a área ao redor contêm numerosos fragmentos de um meteorito de ferro que terá atingido a superfície terrestre há 4.000-5.000 anos.

Volvidos cerca de 500 anos, o peso total das peças recuperadas é superior a 100 toneladas, podendo um desses fragmentos ser agora observado na Biblioteca Municipal Tomaz de Figueiredo. O exemplar em questão surpreende pelo facto de ser muito pesado devido à sua composição: Ferro 93%, Níquel 6% Carbono, Cobalto e Sulfúrio 1%

Organizada de uma forma didática, a exposição pretende captar a atenção dos alunos e demais visitantes e exibir de uma firma direta e clara a incrível variedade do mundo mineral. Entre outras curiosidades destacam-se uma bala vulcânica, obsidianas, vários exemplares de fósseis dos quais várias trilobites, pedras parideiras, ágatas, ametistas e múltiplos e variegados cristais. A exposição poderá ser visitada até 31 dezembro 2016. 

rochas_minerais8.jpg

rochas_minerais9.jpg

PONTE DE LIMA PROMOVE GRANITO DAS PEDRAS FINAS

Marca “Granito das Pedras Finas”. Município de Ponte de Lima promove Workshop

O Município de Ponte de Lima, no âmbito da criação da marca “Granito das Pedras Finas” promoveu no dia 28 de novembro, na sede da junta de freguesia de Arcozelo, um workshop sobre a temática, dirigido aos empresários do setor, que aderiram em número significativo à sessão de esclarecimento.

IMG_2814

A ação contou com a participação do IPVC – Instituto Politécnico de Viana do Castelo, parceiro do Município de Ponte de Lima, na dinamização e promoção deste projeto, da CEVALOR – Centro Tecnológico da Pedra Natural de Portugal e da Junta de Freguesia de Arcozelo, entidades que apoiam o projeto. A sessão contou ainda com a presença da ANIET – Associação Nacional da Indústria Extrativa e Transformadora.

Em Ponte de Lima são explorados Granitos com reconhecido interesse ornamental, neste sentido os temas analisados foram a “Certificação do Produto”, temática apresentada pela CEVALOR, considerando que a qualidade associada à certificação do produto é uma dinâmica empresarial e uma meta atingir por todas as empresas, cuja competitividade seja um fator de crescimento.

IMG_2819

Por sua vez, o Instituto Politécnico de Viana do Castelo apresentou a evolução histórica do Granito das Pedras Finas e fez uma análise à situação internacional do Granito, revelando que os principais importadores do Granito são os países Europeus.

O granito enquanto recurso endógeno e a cantaria enquanto ofício de grande tradição em Ponte de Lima, constituem um património natural e cultural cuja rentabilização económica se procura dinamizar.

O projeto "Granito das Pedras Finas de Ponte de Lima: afirmação da marca em novos produtos e novos mercados" enquadra-se no PROVERE MINHO IN (EEC) projeto cofinanciado pelo ON.2 - O Novo Norte e QREN, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.

IMG_2821

MUNICÍPIO DE PONTE DE LIMA CELEBRA CONTRATO COM A CEVALOR COM VISTA À CERTIFICAÇÃO DO GRANITO DAS PEDRAS FINAS

A Câmara Municipal de Ponte de Lima deliberou na reunião realizada no dia 9 de dezembro celebrar um contrato com a Cevalor - Centro Tecnológico para o Aproveitamento e Valorização das Rochas Ornamentais e Industriais”, cuja missão é a Certificação do Granito das Pedras Finas.

Susana Matos Rio Lima

Em Ponte de Lima são explorados Granitos com reconhecido interesse ornamental.

A certificação do “Granito das Pedras Finas” de Ponte de Lima é uma ação prioritária e imprescindível ao reconhecimento da qualidade e especificidade deste recurso natural endógeno. A qualidade associada à certificação do produto é hoje considerada como um factor de dinâmica e competitividade empresarial. Certificar a Pedra Natural implica efetuar a sua caracterização mineralógica/petrográfica, em cumprimento das diretivas comunitárias, nomeadamente da normalização prevista para o sector.

A concretização deste processo irá permitir um real conhecimento dos granitos de Ponte de Lima, culminado na definição de verdadeiros Bilhetes de Identidade das litologias estudadas. Conhecimento fundamental para a competitividade da Pedra Natural, a certificação emerge como a base de todas as ações a realizar ao nível da Imagem e Identidade, designadamente à constituição da marca “Granito Pedras Finas”.

Esta caracterização irá permitir um real conhecimento dos granitos de Ponte de Lima, sendo a base para todas as ações ao nível da criação da Imagem e Identidade.

O processo de implementação dividido em 4 etapas, cumpre um cronograma de atividades que se prolongam até fevereiro de 2015.

Este projeto da certificação do “Granito das Pedras Finas de Ponte de Lima: afirmação da marca em novos produtos e novos mercados” insere-se no PROVERE MINHO IN (EEC) projeto cofinanciado pelo ON.2 – O Novo Norte e QREN, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.

PONTE DE LIMA PROMOVE GRANITO DAS PEDRAS FINAS

Sessão Pública de Assinatura do Contrato de Financiamento do projeto “Granito das Pedras Finas” PROVERE Minho IN

No próximo dia 2 de julho, às 18h30, irá ter lugar no Auditório Municipal a sessão pública de assinatura do Contrato de Financiamento entre a Autoridade de Gestão do Programa Operacional da Região Norte, o Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC) e este Município, relativo ao projeto “Granito das Pedras Finas de Ponte de Lima: afirmação da marca em novos produtos e novos mercados” - EEC - PROVERE MINHO IN.

Neste âmbito o Município de Ponte de Lima e o IPVC viram finalmente aprovado o financiamento, a uma taxa de comparticipação FEDER de 85%, dos investimentos relativos à implementação de ações que visam contribuir decisivamente para a estruturação do produto “Granito das Pedras Finas”, particularmente, através da sua certificação, da constituição da marca, da definição de uma estratégia de valorização comercial, incluindo a análise de canais de distribuição e identificação de mercados potenciais, e da exploração de novas soluções de design e aplicações para os produtos em granito, passando também pela promoção do ordenamento territorial da atividade e pela valorização ambiental e paisagística integrada das zonas extrativas. Estas ações implicam, no seu conjunto, um investimento na ordem dos 420.392,00 €.

O granito enquanto recurso endógeno e a cantaria enquanto ofício de grande tradição em Ponte de Lima, constituem um património natural e cultural cuja rentabilização económica se procura potenciar através daqueles investimentos. Assim, “Granito das Pedras Finas” justificou a determinação de um projeto âncora, como recurso endógeno, enquadrado pelas estratégias de eficiência coletiva (no caso em apreço um Programa de Valorização de Recursos Endógenos – PROVERE) definidas no atual quadro de apoio (QREN 2007/2013).

É fundamental que, neste contexto, venha a ser assumido por todos os atores que só através do funcionamento em parceria, e de uma forma coletiva e integrada, será possível prever o futuro desta indústria. Assim, toda a abordagem passa pela congregação de esforços, entre as entidades públicas e os privados/empresários, que se deverão unir em torno deste objetivo comum.

VILA NOVA DE CERVEIRA: PROSPEÇÃO DE OURO EM COVAS AMEAÇA PARAÍSO AMBIENTAL

A empresa canadiana Avrupa Minerals Ltd anunciou recentemente no seu site oficial ter encontrado nas antigas minas de Covas, em Vila Nova de Cerveira, ouro e tungsténio, vulgo volfrâmio, em quantidade “significativa” para ser explorada. As prospeções decorrem numa área de cerca de 900 metros de comprimento por 100 metros de largura, tendo-se registado a presença de ouro em quase todas as amostras recolhidas. O melhor resultado obtido representou 10,2 gramas de ouro por tonelada de terra e rocha removida.

25477_110745162295607_110706878966102_76766_265624

Com efeito, o ouro encontra-se disperso no subsolo em ínfimas proporções pelo que é necessário proceder à remoção de grandes quantidades de solo para se poder obter uma pequena quantidade de metal precioso. Mais ainda, a sua extração é efetuada com recurso a lixiviantes com cianeto, mercúrio e metais pesados de elevado teor tóxico e altamente prejudiciais para a saúde e o meio ambiente.

Com a extração de ouro, na freguesia de Covas, os recursos naturais ficarão contaminados e os solos agrícolas destruídos, a paisagem não será mais a mesma e a população perderá a sua qualidade de vida a troco de uma miragem cujo brilho do ouro jamais enxergarão. Há muitas décadas, também na vizinha Freguesia da Cabração, em Ponte de Lima, se extraiu ouro e estanho sem que a população alguma vez tivesse recebido qualquer benefício da exploração. A própria energia elétrica só chegou em 1975, muito tempo decorrido desde a suspensão da atividade mineira naquela localidade.

O BLOGUE DO MINHO dedica hoje uma série de artigos à Freguesia de Covas, do Concelho de Vila Nova de Cerveira. As fotos que junto reproduzimos são da autoria de vários habitantes desta localidade e a sua publicação destina-se a dar a conhecer os encantos desta terra minhota.

163221_171766049526851_110706878966102_306464_6287

168793_171765982860191_110706878966102_306461_1267

393226_300781866625268_110706878966102_775135_1825

402223_300384209998367_110706878966102_774575_1818

409096_302529589783829_110706878966102_778989_3281

EXTRACÇÃO DO OURO VAI DESTRUIR COVAS, EM VILA NOVA DE CERVEIRA

A empresa canadiana Avrupa Minerals Ltd anunciou recentemente no seu site oficial ter encontrado nas antigas minas de Covas, em Vila Nova de Cerveira, ouro e tungsténio, vulgo volfrâmio, em quantidade “significativa” para ser explorada. As prospecções decorrem numa área de cerca de 900 metros de comprimento por 100 metros de largura, tendo-se registado a presença de ouro em quase todas as amostras recolhidas. O melhor resultado obtido representou 10,2 gramas de ouro por tonelada de terra e rocha removida.

VC_VNC_COVAS_A_00233

Com efeito, o ouro encontra-se disperso no subsolo em ínfimas proporções pelo que é necessário proceder à remoção de grandes quantidades de solo para se poder obter uma pequena quantidade de metal precioso. Mais ainda, a sua extracção é efectuada com recurso a lixiviantes com cianeto, mercúrio e metais pesados de elevado teor tóxico e altamente prejudiciais para a saúde e o meio ambiente.

Com a extracção de ouro, na freguesia de Covas, os recursos naturais ficarão contaminados e os solos agrícolas destruídos, a paisagem não será mais a mesma e a população perderá a sua qualidade de vida a troco de uma miragem cujo brilho do ouro jamais enxergarão. Há muitas décadas, também na vizinha Freguesia da Cabração, em Ponte de Lima, se extraiu ouro e estanho sem que a população alguma vez tivésse recebido qualquer benefício da exploração. A própria energia eléctrica só chegou em 1975, muito tempo decorrido desde a suspensão da actividade mineira naquela localidade.