Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

MELGAÇO REALIZA FESTA DO ALVARINHO E DO FUMEIRO

A sugestão para o fim de semana é que Descubra Melgaço, com a Festa do Alvarinho e do Fumeiro

A mostra de produtos regionais arranca sexta-feira (27 de abril) e decorre até domingo (29 de abril)

A partir das 10h00 de sexta-feira, e até domingo, Melgaço brinda à Festa do Alvarinho e do Fumeiro: 30 produtores de alvarinho, 18 de queijos, fumeiros e produtos locais, 6 tasquinhas e 8 instituições e empresas, de diferentes ramos, vão dar a conhecer o potencial da região, num evento que promete arrastar a Melgaço milhares de entusiastas dos sabores tradicionais.

Capturar1

O certame promove o que Melgaço tem: desde a gastronomia, ao artesanato, ao turismo, apresentando-se como uma oportunidade única para a criação e a consolidação de laços entre os agentes do comércio, os consumidores e a produção. «Não há exemplo no Alto Minho, nomeadamente nesta fileira do vinho e dos produtos locais, de um certame que tenha o impacto que tem a Festa do Alvarinho e do Fumeiro na economia dos municípios laterais. Até nos vizinhos galegos há grande impacto no alojamento», atenta o autarca, Manoel Batista, afirmando que «este tipo de eventos são de extrema importância para a nossa economia. São indiscutivelmente fulcrais no desenvolvimento do nosso território. Não são só festa e vinho! São a nossa Cultura. O nosso ADN. A nossa história.»

A Festa do Alvarinho e do Fumeiro tem-se afirmado ao longo dos anos, sendo de notar um crescendo nestes dois últimos anos, em que houve uma clara evolução do conceito, sem nunca perder a sua identidade e sempre focada na promoção e valorização da região e das suas principais caraterísticas. Durante três dias assiste-se a uma mostra dos produtos locais ao Minho, a Portugal e ao mundo:todos os anos são muitos (e cada vez mais) os que de Portugal, e não só, se deslocam ao ‘Destino de Natureza mais Radical de Portugal’ para participar neste certame de renome, um evento incontornável na rota das festas gastronómicas do país. Dos vinhos Alvarinho, ao Fumeiro e ao Artesanato, passando pelo Turismo e pela Gastronomia, a Festa do Alvarinho e do Fumeiro reúne as características populares que estiveram na sua origem e a evolução natural assinalada ao longo dos anos.

ESPAÇO MAIS CONFORTÁVEL E ACOLHEDOR

Este ano, o certame apresenta-se num espaço renovado: o Largo do Mercado, local onde decorre o evento, foi alvo de uma profunda reabilitação. Agora um espaço público pedonal, complementado por 92 lugares de estacionamento, sendo quatro destinados a pessoas com mobilidade condicionada, convertendo-se semanalmente no novo espaço de feira semanal, com 105 lugares de venda. 'Será, com toda a certeza, um espaço mais confortável para a realização da Festa', considera Manoel Batista.

O recinto da Festa conta com um total de 62 expositores e uma Zona de degustações com capacidade para mais de 400 pessoas sentadas; um Auditório de showcooking, com chefes de renome: Cristina Manso Preto, Luís Américo, Rui Ribeiro e Vitor Matos; e provas comentadas de vinhos com o sommelier Manuel Moreira. Para além da exposição, prova e venda de produtos, o programa do evento oferece momentos de animação musical, diurna e noturna, e ainda toda uma gama de atividades paralelas, de animação turística e desportiva, que vão dar a conhecer a região.

Não podemos descurar a grande importância deste evento para toda a economia local que, há mais de 20 anos, é impulsionada também através deste evento, sejam os produtores de Vinho Alvarinho, sejam os do Fumeiro que, em 2015, viram este produto ser distinguido pela Comissão Europeia, através da integração do presunto e da chouriça de carne na lista dos produtos com Indicação Geográfica Protegida (IGP), juntando-se assim ao salpicão e à chouriça de sangue. Estes produtos são o resultado do saber-fazer das populações de Melgaço, que conhecem as técnicas de fabrico tradicionalmente utilizadas e que foram transmitidas de geração em geração.

ALVARINHO WINE FEST.: MONÇÃO E MELGAÇO. A ORIGEM DO ALVARINHO

8 a 10 de junho, Pavilhão Carlos Lopes, Lisboa

A Câmara Municipal de Monção e a Câmara Municipal de Melgaço, em parceria com a Cofina Media, organizam a 4ª edição do “Alvarinho Wine Fest, A Origem do Alvarinho”. De 8 a 10 de junho, voltaremos a celebrar, no Pavilhão Carlos Lopes, em Lisboa, a singularidade e qualidade do vinho Alvarinho com origem em Monção e Melgaço.

Logotipo AWF'18

Trata-se de um evento que promove a afirmação das caraterísticas ímpares deste produto vínico extraordinário, feito na origem com saber e inovação. Surge também como uma oportunidade de valorização do potencial turístico da região, complementado com descobertas e experiências gastronómicas dos produtos endógenos do território.

Com a presença de 30 produtores de vinho Alvarinho, o “Alvarinho Wine Fest, A Origem do Alvarinho” proporcionará aos visitantes a degustação dos melhores vinhos Alvarinho de Monção e Melgaço e dos produtos genuínos da região, num ambiente pensado para receber todos os públicos num espaço apelativo, confortável e funcional. 

FUSÃO ENTRE MUNICÍPIOS DO ALTO MINHO DECLINADA EM UNANIMIDADE

Município garante, assim, qualidade no serviço, de forma sustentável e com tarifas comprazíeis

Foi rejeitada, em unanimidade pela vereação, a constituição de parceria entre os Municípios do Alto Minho e o Estado Português para a gestão Multimunicipal dos Sistemas de Abastecimento de Água e Saneamento. A rejeição da proposta de fusão em termos de serviços de águas e saneamento constituiu um dos pontos de trabalho da terceira reunião de câmara descentralizada, com lugar na sede da Junta de Freguesia de Cristóval, na passada segunda-feira, 16 de abril, pelas 14h30.

Reunião Cristóval (1)

A falta de investimento, por parte da parceria, na ampliação dos sistemas de abastecimento de água e saneamento e a elevada tarifa que se prevê, foram pontos cruciais para o Município rejeitar a mesma. A deliberação sobre a proposta de fusão recaiu ainda na previsível centralização dos serviços em Viana do Castelo, o que motivaria, apesar dos três polos operacionais e um centro de atendimento, uma perda de postos de trabalho no Município de Melgaço e a perda de eficácia e qualidade no serviço prestado aos munícipes, a par com o custo que o Município teria com os seus autoconsumos. «Desta forma, é garantida qualidade no serviço, de forma sustentável e com tarifas comprazíeis.», alerta o autarca de Melgaço, Manoel Batista.

A PROPOSTA DE PARCERIA

No âmbito das suas competências a CIM do Alto Minho desenvolveu, em parceria com a empresa pública Águas de Portugal, um estudo da gestão dos sistemas de abastecimento de água e saneamento de todos os Municípios do Alto Minho. O processo assenta na criação de uma empresa em regime de parceria pública, que se assumiria como Entidade Gestora para os respetivos municípios, onde os investimentos em ampliação seriam efetuados por cada Município.

Atualmente, a nível de Sistemas de abastecimento de Água, existem no concelho de Melgaço, dois tipos de Entidades Gestoras em baixa: o Município de Melgaço e quatro freguesias (S. Paio, Cousso, Gave e UF de Parada do Monte e Cubalhão).

Reunião Cristóval (3)

‘EMIGRAÇÃO E LIBERDADE VESTIDAS DE POESIA E MÚSICA’ PARA COMEMORAR O 25 DE ABRIL EM MELGAÇO

Dia 24 de abril, pelas 22h00, na Casa da Cultura

O município de Melgaço assinala o Dia da Liberdade (25 de Abril) com uma noite intimista: convida a viajar no tempo e a viver de perto muitos dos momentos da época durante o espetáculo ‘Emigração e Liberdade vestidas de Poesia e Música’, um átimo que promete comemorar a Liberdade, assinalando a Emigração. A ação acontece dia 24 de abril, na Casa da Cultura, pelas 22h00, e tem entrada gratuita.

25abril

«São memórias da história de um povo marcado pela emigração, pela busca de ‘melhores sortes’, pela saudade», garante a Vereadora da Cultura, Maria José Codesso, confessando que as canções que serão retratadas no espetáculo «foram armas, melodias carregadas de emoção nas gerações que viveram a opressão, a censura». O músico Dario Rocha e o ator Luis Filipe Silva serão os responsáveis pela partilha destas memórias com o povo de Melgaço.

No dia seguinte, o Município comemora o 44º Aniversário do 25 de Abril no Largo Hermenegildo Solheiro, com a Guarda de Honra dos Bombeiros Voluntários, seguindo-se o hastear da Bandeira Nacional, pelas 9h30, e a sessão solene pública comemorativa no Salão Nobre da Câmara.

ALUNOS DE MELGAÇO VIAJAM ATÉ À ÉPOCA MEDIEVAL

Esta quarta-feira, dia 18 de abril

No âmbito da iniciativa REDITUS – I Jornadas sobre Património Cultural de Melgaço

Melgaço assinala o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, no dia 18 de abril, com uma visita guiada ao Centro Histórico da Vila: os alunos do 10º ano, da área de Humanidades, do Agrupamento de Escolas de Melgaço serão o público alvo da iniciativa, inserida no REDITUS - I Jornadas sobre Património Cultural de Melgaço, desta vez sob a temática ‘Época Medieval’.

Site_cartaz

O melgacense José Domingues, professor auxiliar da Faculdade de Direito, na Universidade Lusíada - Norte (Porto), vai conduzir a atividade, com início pelas 10h15, num espaço de enorme valor para Melgaço: o Solar do Alvarinho, uma casa seiscentista, casa Mãe da Rota do Vinho Alvarinho e também apelidado de ‘Edifício dos Três Arcos’ - em tempos albergou a Câmara Municipal e a cadeia. Durante a ação, o professor fará uma contextualização do Património construído de Melgaço, seguindo-se uma visita ao centro histórico.

A atividade, de vertente pedagógica, dá a conhecer a riqueza patrimonial de Melgaço, bem como a sua história, para que a mesma possa ser divulgada junto da comunidade e de quem visita o concelho. Assim, também os colaboradores do Município, que desempenham funções de atendimento ao público na área do Turismo e Cultura, integrarão a ação.

APOSTA NA DIVULGAÇÃO DO PATRIMÓNIO CULTURAL

Estas jornadas enquadram-se num projeto de quatro encontros culturais que assentam numa retrospetiva histórica sobre o Património Cultural de Melgaço, percorrendo, cronologicamente, as seguintes temáticas: o Paleolítico (decorreu em novembro de 2017), o Neolítico (decorreu em fevereiro de 2018), a Época Medieval e a Época Contemporânea. ‘O intento é promover o conhecimento do vasto Património Cultural existente no concelho, criando uma sequência de ações que permitam a melhor interpretação destes valores e da sua contextualização histórica.’, salienta a organização.

PRODUTOR DE ALVARINHO DESAFIA O MUNDO DOS VINHOS ROSÉS

Afinal na região de Monção e Melgaço não se produz só Alvarinho

SOALHEIRO MINERAL ROSÉ PROMETE SER UMA REDESCOBERTA DO TERROIR

É sob a premissa que o terroir de Monção e Melgaço tem um enorme potencial a explorar, e que não permite apenas a produção de excelentes Alvarinhos monovarietais únicos no mundo, que a Quinta de Soalheiro entra no mundo dos vinhos rosados com o lançamento do Soalheiro Mineral Rosé. O objetivo? Desafiar os apreciadores a provar um Rosé que poderá não ser consensual e do agrado global, uma vez que não apresenta a intensidade de doçura e suavidade normalmente apresentada em alguns vinhos rosados.

image008

Para os produtores, “a vontade de criar um vinho Soalheiro Rosé com uma dimensão mineral era grande e como já tínhamos experiência com o Soalheiro Bruto Rosé Espumante, um espumante que se tem afirmado e crescido no Soalheiro, estava na hora de avançar para este desafio”. Acrescentado, “estamos confiantes, pelas inúmeras provas que o Soalheiro Team fez e pela sua aprovação interna, que vai permitir aos consumidores redescobrir o nosso terroir. A primeira edição do Soalheiro Mineral Rosé terá uma produção muito limita (5000 garrafas) e foi lançada este fim-de-semana no Palácio do Freixo, num evento da Decante Vinhos que contou com a participação de cerca de trinta produtores. Para este ano, está ainda previsto o lançamento nos mercados Holandês e Alemão.

SOALHEIRO MINERAL ROSÉ: UM VINHO QUE ESCOLHE MOMENTOS

Mineral e elegante, este Soalheiro é descrito pelos produtores como “um vinho para todos - sem limite de idade e que não escolhe sexos - mas que escolhe momentos e que esperamos que os consumidores encontrem um grande momento para o Soalheiro Mineral Rosé. Queremos fazer parte dos momentos especiais.” À casta Alvarinho, produzida em vinhas de altitude e que tem uma dimensão mais intensa, fresca e mineral, o Soalheiro aliou a casta Pinot Noir, também produzida na região e que apresenta uma dimensão mais aromática e elegante. Desta forma, surge um vinho ao mesmo tempo aromático e fresco, com um fim de boca mineral, e ao mesmo tempo muito guloso. O Soalheiro Mineral Rosé pode ser apreciado como um excelente e descontraído aperitivo, muito adaptado à tendência atual de consumir vinho a copo, mas também demonstra-se perfeito para harmonizar com pratos mais leve como saladas, peixes ou mariscos.

Uma das grandes preocupações do Soalheiro é produzir “vinhos para beber com prazer”, acreditando na qualidade e na tendência para apreciar vinhos com um álcool mais moderado. Este Soalheiro Mineral Rosé consegue ter persistência devido ao Pinot Noir e elegância devido ao Alvarinho com um álcool moderado de 12%. “Acreditamos que este estilo de vinho completa esta nossa preocupação no Soalheiro. Por outro lado, acreditamos que a evolução do consumo nos bares, antes e depois da refeição, adaptasse perfeitamente a este estilo” concluem os produtores.

image006

REUNIÃO DE CÂMARA DE MELGAÇO DESCENTRALIZADA

Dia 16 de abril, em Cristóval

Cristóval recebe na próxima segunda-feira, 16 de abril, a reunião de câmara descentralizada. A sessão terá lugar na sede da Junta de Freguesia, pelas 14h30.

Reuniao descentralizada Penso (4)

Esta é a terceira reunião pública que a Câmara Municipal de Melgaço promove e tem tido uma ótima adesão da população. As sessões têm acontecido bimestralmente, e vão percorrer as várias freguesias do concelho, garantindo, assim, a descentralização do funcionamento do órgão deliberativo municipal com o intento de envolver a população, proporcionando-lhes assim uma maior possibilidade de participação na gestão do território. ‘Esta é uma excelente forma de estarmos ainda mais próximos da população. Os presentes têm a oportunidade de intervir e expor as suas dúvidas para que possamos, juntos, potenciar Melgaço’, considera o autarca Manoel Batista.

Reuniao descentralizada Penso (8)

CAMPEONATO NACIONAL DE BOCCIA – INDIVIDUAIS BC3 ACONTECE EM MELGAÇO

Pela primeira vez, este fim de semana!

Melgaço recebe, pela primeira vez, o Campeonato Nacional de Boccia, na categoria Individuais BC3. O evento, no ranking nacional da modalidade e da respetiva categoria, acontece no próximo fim de semana, dias 14 e 15 de abril, no Centro de Estágios de Melgaço. A organização é da PCAND – Paralisia Cerebral Associação Nacional do Desporto e conta com o apoio do Município de Melgaço e da Melsport - Melgaço, Desporto e Lazer E.M.

Imagem 3

41 jogadores vão mostrar as suas habilidades no Boccia: 16 da 1ª divisão e 25 da 2ª. Os atletas da seleção nacional José Macedo, Avelino Andrade, Eunice Raimundo, José Gonçalves e Mário Peixoto, são alguns dos participantes que estarão em competição. FC Porto, Sporting Clube de Braga, Santa Casa da Misericórdia de Vila do Conde, APADIM Penafiel, APPACDM Melgaço, Associação de Boccia Luís Silva, In Boccia, Associação do Porto de PC, Centro de Treinos de Boccia de Oliveira de Azeméis, MAPADI, AHBV Póvoa do Lanhoso e a Associação Feirense de Desporto Adaptado, são os clubes participantes.

Imagem 1

A competição tem início pelas 09h30 de sábado, até às 19h00 desse dia. Retoma no domingo, às 09h00 e termina pelas 13h00, com a entrega de prémios. A prova de Melgaço será decisiva para o apuramento da classificação final do Campeonato Regional de Boccia 2017-18 - Região Norte, em Individuais BC3 e para o apuramento do Campeonato Nacional de Boccia 2017-18, em Individuais BC3.

O Boccia é uma modalidade de cariz universal, descendente de um jogo da antiga Grécia, que progrediu através do Império Romano, tendo vindo a dar origem a uma vasta gama de jogos, dos quais se destacam o bowling e a petanca. Foi introduzido em Portugal em 1983, durante um curso organizado pela APPC (Associação Portuguesa de Paralisia Cerebral), em estreita colaboração com a CP-ISRA (Associação Internacional de Desporto e Recreação para a Paralisia Cerebral). As vertentes do jogo vão do lazer e recreação ao mais alto nível de competição e é reconhecido neste âmbito pelas entidades oficiais a nível mundial, tendo sido eleito como modalidade Paralímpica.

José Macedo

MELGAÇO REALIZA CONCERTO DE PASCOELA

07 de abril, 21h30, na Casa da Cultura

Com entrega de géneros alimentares para IPSS local

A Casa da Cultura acolhe no próximo sábado, dia 7 de abril, o concerto de Pascoela. O momento será protagonizado pelos Inside Your Dreams, pelas 21h30, e reverte para uma IPSS local.

CPacoela

Inside Your Dreams é um projeto composto por uma cantora (soprano), um pianista, uma viola de arco e uma guitarra clássica. Com a garantia de máxima qualidade, capaz de assegurar um repertório de excelência, personalizado e adaptado ao gosto dos ouvintes, com requinte e emoção, os Inside, músicos profissionais com mais de 15 anos de experiência, interpretam música clássica, celta e atual.Juntos combinam a arte da voz e do piano com a doçura da viola de arco e da guitarra clássica, proporcionando momentos de deleite a quem ouve.

A Câmara Municipal convida todos para a noite musical, enaltecendo o cariz solidário do evento: a entrada tem um custo de duas pascoelas, cujo valor reverte para uma IPSS local.

PORTUGUESES CONSIDERAM CASTRO LABOREIRO 5 ESTRELAS

No concurso ‘Portugal Cinco Estrelas’

Depois de finalista nas 7 Maravilhas de Portugal® – Aldeias, o potencial de Castro Laboreiro volta a ser  distinguido, e, uma vez mais, pelos portugueses, agora como sendo 5 estrelas, na categoria ‘Aldeias e Vilas’. O galardão da vila castreja aconteceu no âmbito do concurso ‘Portugal Cinco Estrelas’: a população nomeou, para cada um dos distritos de Portugal, o que considera ser excelente, a vários níveis, desde praias, artesanato, cozinha tradicional, aldeias e vilas, monumentos, museus, entre outros ícones de referência do país.

Capturar2

A concurso estiveram 387 candidaturas, organizadas em 52 categorias diferentes de áreas tão distintas como ‘aldeias e vilas’, ‘serviços óticos’, ‘imobiliárias’, ‘limpeza de lareiras’ ou ‘transporte ferroviário de passageiros’ e 205.895 portugueses fizeram parte da votação. Os vencedores Portugal Cinco Estrelas passam agora a integrar um conjunto restrito de referências no país que se destacam pela excelência e elevado nível de satisfação junto dos consumidores, contribuindo para a promoção do Distrito em particular e do país em geral.

‘Esta distinção é uma mais valia não só para a vila, mas também para a região. Castro Laboreiro tem um património histórico e arquitetónico inigualável! Quem visita, sente, vive de perto as suas tradições. A cultura castreja é ainda hoje preservada através de diversos eventos que mostram hábitos e costumes dos nossos antepassados. Não poderia deixar de referir o fumeiro, que ainda hoje é confecionado de forma tradicional, com o saber de anos e anos.’ afirma o autarca melgacense, Manoel Batista, sustentando que em ‘Castro Laboreiro vive-se a natureza e saboreia-se o que de melhor Melgaço Tem’.

‘Doces regionais’, ‘praias’ e ‘reservas, paisagens e barragens’ são as categorias com mais vencedores nesta primeira edição do prémio. Há 179 vencedores: 100 ícones de referência e 79 marcas regionais. Por cada uma destas categorias há 10 vencedores, representando um total de 15 regiões, de entre os 18 distritos do continente e as duas regiões autónomas. O Distrito de Viana do Castelo foi distinguido com 7 ícones de interesse nacional e 1 marca. Resultados aqui!

Portugal Cinco Estrelas é um sistema de avaliação que identifica, segundo a população portuguesa, o melhor que existe em cada um dos 20 distritos ao nível de recursos naturais, gastronomia, arte e cultura, monumentos e património, aldeias e vilas e outros ícones de referência nacional, bem como premeia empresas portuguesas que se diferenciam a nível regional. Depois de quatro anos consecutivos a premiar produtos, serviços, marcas, personalidades e órgãos de comunicação social, o ‘Prémio Cinco Estrelas’ lançou o concurso ‘Portugal Cinco Estrelas’, como forma de galardoar marcas e ícones de todas as regiões portuguesas. «Com o sucesso obtido com o ‘Prémio Cinco Estrelas’, que vai já na 4ª edição, dedicado a empresas com uma presença nacional, a evolução natural seria a avaliação e promoção das marcas que, pela sua tipologia regional, se caracterizam por oferecer produtos de grande qualidade e um serviço de grande proximidade, tão valorizado por todos e que contribuem para as economias regionais e para o bem-estar das populações locais. Assim nasceu o Portugal Cinco Estrelas, dedicado a produtos, serviços e marcas de cariz regional, que mede o seu grau de satisfação junto dos seus utilizadores, tendo como critérios de avaliação as cinco principais variáveis que influenciam a nossa decisão de compra: Satisfação pela experimentação, relação Preço-qualidade, Intenção de compra ou recomendação, Confiança na marca e Inovação», conta Débora Silva, fundadora do Prémio.

Os prémios serão atribuídos numa cerimónia em Lisboa, a 12 de abril, pelas 16h30, no Teatro Thalia, que será apresentada pela fadista e apresentadora de televisão Diamantina Rodrigues. No evento estarão presentes os responsáveis de cada região do país. A votação foi gerida, pela Multidados, empresa de estudos de mercado com a parceria da TVI. «A partir de abril, todos os vencedores poderão utilizar o logo Portugal Cinco Estrelas na sua comunicação, contribuindo para divulgar o que de muito bom, realmente Cinco Estrelas, temos no nosso país.», sustenta a organização.

CASTRO LABOREIRO pertence ao concelho de Melgaço e situa-se no Parque Nacional da Peneda-Gerês. Possui um dos mais ricos patrimónios pré-históricos do país que reúne gravuras e pinturas rupestres, 120 Dólmenes (datados de há 5000 anos) e Cistas (monumentos megalíticos funerários).

Esta aldeia possui um património histórico e arquitetónico de grande riqueza, destacando-se um tipo próprio de construções castrejas existentes em Castro Laboreiro: o Castelo de Castro Laboreiro – classificado como monumento nacional; a Igreja Matriz de Castro Laboreiro; o Pelourinho de Castro Laboreiro, datado do século XVI, classificado como imóvel de interesse público; igrejas medievais; os fornos comunitários; os espigueiros; e os moinhos.

Castro Laboreiro é uma das aldeias mais emblemáticas do Parque Nacional da Peneda Gerês, resultado do isolamento que sofreu no passado, o qual permitiu que chegassem intactos nos nossos dias, aspetos do património histórico e cultural da aldeia, como a arquitetura, a paisagem e o modo de vida das suas gentes, ainda hoje marcado por um forte espírito comunitário.

Situada no extremo Norte do Alto Minho e de Portugal. Está localizada no cimo da montanha, a mais de mil metros de altitude, levou a que os castrejos defendessem os seus costumes, e tradições de todas as influências estranhas, e que ainda hoje persistem. Uma dessas tradições é a das inverneiras e das brandas. Em meados de dezembro, com a chegada do frio e dos nevões, as populações de Castro Laboreiro pegam nas suas roupas, utensílios caseiros e de lavoura e ‘tangendo o gado, migram em massa para os vales, onde possuem uma segunda casa e uma segunda aldeia.’ (Rocha, 1993, p. 127). E ficam nas Inverneira, abrigados do frio, até meados de março.

No Núcleo Museológico de Castro Laboreiro é possível conhecer os hábitos, costumes e tradições das gentes da terra. Terra das ‘viúvas dos vivos’, nome a que os seus habitantes davam às mulheres cujos maridos, filhos e netos emigravam em busca de condições de vida melhores.

É uma região de grande beleza, serpenteada pelo rio Laboreiro, que é atravessado por inúmeras pontes representativas das épocas romana ou medieval, das quais sobressaem a Ponte da Dorna, a Ponte da Capela, a Ponte Nova ou da Cava Velha e a Ponte Velha.

Castro Laboreiro é também conhecido pelo seu fumeiro e enchidos, confecionados de forma tradicional, por mãos hábeis e com o saber de anos e anos.

O guardião desta localidade é o Cão de Castro Laboreiro, defendendo o gado do grande predador, o Lobo Ibérico, conhecido pela sua rusticidade, caráter e nobreza desde tempos idos.

Capturar1

IGUARIAS DE MELGAÇO CANDIDATAS ÀS ‘7 MARAVILHAS À MESA’

Melgaço mostra as suas potencialidades na gastronomia

Os produtos de Melgaço vão à Mesa das 7 Maravilhas com três deliciosas propostas. Lampreia do Rio Minho, Fumeiro, Cabrito do monte assado no forno, Bife de Presunto, Caldo Verde, Queijos e, claro, o Alvarinho, são as iguarias que integram as candidaturas.

image020

‘Melgaço é detentor de uma saborosa gastronomia e por isso não poderíamos ficar indiferentes a este concurso. Na nossa região persistem sabores genuínos, originários de saberes ancestrais, e que atraem cada vez mais entusiastas da boa mesa. Sabemos do enorme potencial que o nosso património gastronómico tem e queremos que Portugal, e o Mundo, também o comprovem.’, sustenta Manoel Batista, autarca de Melgaço.

Melgaço apresenta três propostas: Mesa de Melgaço 1, Mesa de Melgaço 2 e Mesa de Melgaço 3 

Mesa de Melgaço 1

A Rota do Alvarinho proporciona experiências marcantes e diferenciadoras. Monção e Melgaço é a única sub-região de Portugal com selo de garantia próprio. Em Melgaço, a gastronomia associada à lampreia apresenta-se arreigada às suas gentes pelas receitas e sistema de pesca únicos: as pesqueiras, legado romano.

Na mesa com lampreia seca/fumada: frita com ovos, assada na brasa ou enrolada com presunto, este prato é excelente acompanhado com Espumante Bruto Soalheiro - complexo no sabor, de bolha fina e persistente, denota ótimo equilíbrio entre acidez e álcool harmonizando, na perfeição, com as fragrâncias e sabores deste petisco único.

Expoente máximo da confeção deste ciclóstomo é o arroz de lampreia: peculiar em tudo, do aspeto ao aroma e pelo seu caráter sazonal. Encontra no encorpado Anselmo Mendes Tempo 2015 o seu aliado perfeito.

queijo de cabra curado Prados de Melgaço possui um aroma e paladar suaves, mas inconfundíveis, acentuados pelo cuidadoso processo de maturação.

Para uma refeição tão possante um digestivo amplamente premiado: a aguardente Vínica de Alvarinho XO Dona Paterna.

Categoria – Gastronomia

- Petiscos

- Peixe e Marisco

- Queijos

Categoria - Vinhos e Azeites

- Espumantes

- Brancos

- Aguardentes e Licorosos

Categoria - Roteiros

- Territórios Vinhateiros

Mesa de Melgaço 2

O Parque Nacional da Peneda-Gerês – PNPG (único em Portugal com esta classificação), Reserva da Biosfera Transfronteiriça Gerês-Xurés (RBTGX)-UNESCO, onde se insere Melgaço, é um importante ícone do concelho, símbolo da sua excelência natural e ambiental.

Terra rica em tradições, aqui nasceu a arte do Fumeiro de Melgaço. De origem secular, a produção tradicional é porta-estandarte do concelho. A sugestão para acompanhamento é o alvarinho Soalheiro Primeiras Vinhas - aromaticamente elegante e persistente de sabor, um dos dez melhores vinhos portugueses by Jancis Robinson.

Nestas montanhas, os rebanhos de cabras bravias, bem guardados pelo fiel Cão de Castro Laboreiro, dão origem a outro ícone gastronómico, o Cabrito do Monte Assado no Forno. Desde sempre na mesa dos melgacenses, a iguaria é deliciosamente harmonizada com o Espumante QM Super Reserva, um dos 50 Melhores do mundo (2017) pela Wine Pleasures (95 pts). Nesta mesa reina também o Queijo de cabra Camembert Prados de Melgaço - com um aroma e paladar inconfundíveis, acentuados pelo processo de maturação em alvarinho.

A montra destes e de outros ex-libris é a Festa do Alvarinho e do Fumeiro de Melgaço: um evento incontornável na rota das festas gastronómicas do país. Dos Vinhos Alvarinhos, ao Fumeiro e ao Artesanato, passando pelo Turismo e pela Gastronomia, a Festa do Alvarinho e do Fumeiro reúne as características populares que estiveram na sua origem e a evolução natural assinalada ao longo dos anos. O certame foi reconhecido pelo Turismo de Portugal como de interesse para o Turismo.

Categoria – Gastronomia

- Carne e Caça

- Queijos

- Produto Endógeno

Categoria - Vinhos e Azeites

- Espumantes

- Brancos

Categoria - Roteiros

- Património Histórico, Cultural e Natural

- Eventos de Afirmação Territorial

Mesa de Melgaço 3

O Parque Termal do Peso, referência no termalismo nacional pelos efeitos benéficos da sua água mineral, abre as suas portas para uma terra de experiências e uma nova forma de sentir a saúde. É neste território que o Alvarinho revela o máximo das suas potencialidades, detendo selo de garantia próprio.

Em terra de Inês Negra, há cinco séculos que o prato regional autêntico, em qualquer refeição, é o presunto ou então confecionado com este produto. Reputado e reconhecido pela UE com Indicação Geográfica Protegida – IGP, o presunto perpetua uma receita secular: os bifes de Presunto de Melgaço. O caramelizado de cebola com Alvarinho e o crocante da broa de milho frita, enaltecem-no acompanhado com Quinta do Regueiro Primitivo 2016 - produzido em vinhas muito velhas, é um vinho encorpado, complexo e fresco.

Também o Caldo Verde, acompanhado com broa e rodelas finas de chouriço tem marcado destaque na gastronomia local.

A sugestão é terminar com o Queijo de cabra Cura Longa Vinho Alvarinho & Pimentão Prados de Melgaço e Valados de Melgaço Espumante Alvarinho Reserva 2015 Extra Bruto.

Categoria – Gastronomia

- Sopas

- Carne e Caça

- Queijos

- Produto Endógeno

Categoria - Vinhos e Azeites

- Espumantes

- Brancos

Categoria - Roteiros

- Património Histórico, Cultural e Natural

Os vários produtos da região estão agora a ser avaliados por um painel de especialistas e pelo Concelho Científico. Esta eleição vai promover a verdadeira experiência de comer e beber a uma mesa portuguesa, razão pela qual somos cada vez mais um destino turístico de referência.’, refere a organização anunciando que ‘do concurso irão resultar sete mesas representativas do nosso país.’ O processo segue o percurso de anos anteriores, com a votação de um painel de especialistas na lista longa de candidaturas, de onde vai resultar uma lista de 49 pré-finalistas, 7 de cada região, no dia 7 de abril. A votação é auditada pela PwC e o regulamento está disponível em www.7maravilhas.pt.

7 Maravilhas à Mesa® é um projeto com o Alto Patrocínio do Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, da Secretaria de Estado do Turismo, e da Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, desenvolvido em parceria com a Associação de Municípios Portugueses do Vinho.

image022

SOALHEIRO NATURE "PUR TERROIR": PRIMEIRO ESTRANHA-SE, DEPOIS ENTRANHA-SE

ENTUSIASMADO PARA DESCOBRIR NOVOS PALADARES?

PRIMEIRO ALVARINHO SEM ADIÇÃO DE SULFITOS SURGE NA VERSÃO 2017

Para quem gosta de desafiar o paladar com sabores intensos e complexos, o Soalheiro lança o desafio de experimentar um vinho a pedir que seja descoberto com entusiasmo: o Soalheiro Nature "Pur Terroir", que surge agora na sua 2ª edição.Estamos perante o primeiro Alvarinho 100% elaborado sem adição de sulfitos que se reflete na motivação diária para a inovação e a irrequieta tentação de fazer diferente. A elasticidade da casta Alvarinho é extraordinária e é com a paixão e com vontade de se ultrapassar, que o Soalheiro vai assumindo dimensões com personalidades marcantes.

TRIBUTE TO CLAUDIA - Vila Joya's International Gourmet Festival 2017

A cor e o aroma são intensos e apesar da ausência de sulfitos adicionados o aroma e o sabor têm mineralidade e fruta. O sabor é complexo com inicio macio e redondo devido à malolática completa com final marcante e intenso. Trata-se de um vinho perfeito para acompanhar pratos de peixe e carnes brancas… mas acima de tudo trata-se de um vinho a pedir comida.

‘Este Soalheiro pode ser amado, ou não, mas tem para nós a responsabilidade de levar esta casta ao limite

no seu "Pur Terroir" Monção e Melgaço - o ponto mais norte de Portugal e a Origem do Alvarinho.’

O Soalheiro Nature revela a preocupação crescente com a sustentabilidade ambiental. As uvas de Alvarinho são colhidas manualmente nas vinhas da Quinta de Soalheiro, onde se recorre a conceitos de produção que valorizam a biodiversidade e o ecossistema vitícola, fomentando a sustentabilidade ambiental. O microclima que influencia a produção das uvas de Alvarinho é muito particular. Melgaço, a região mais norte de Portugal, está protegida por um conjunto de serras que permitem um casamento perfeito entre a pluviosidade, a temperatura e o número de horas de sol necessários à melhor maturação das uvas da casta Alvarinho. O engarrafamento sem filtração faz com que o vinho em garrafa esteja sujeito a depósito, sendo este depósito essencial para a proteção da oxidação, facilitando uma evolução estável deste Soalheiro "fora da caixa". 

ENTRONIZAÇÃO DA REAL CONFRARIA DE VINHO VERDE TINTO

A Real Confraria de Vinho Verde Tinto, constituída em outubro de 2016 e apresentada em 24 de fevereiro de 2017, no Centro Cultural do Vale do Mouro, formalizou, no passado domingo, 18 de março, o III capítulo de entronização de novos confrades.

01

Na cerimónia, foram entronizados Paulo Jorge Rodrigues, Durval Fernandes Gave, Camilo Fernandes, Marlene Lourenço e Terras de Real. Como confrades de honra, a Confraria do Vinho das Rias Baixas e Margarida Rouco Amaral.

Realizada nas Termas de Melgaço, a Câmara Municipal de Monção esteve representada pelo Presidente, António Barbosa, e pelo Vice-Presidente, João Oliveira. Além do habitual desfile das confrarias presentes, realizou-se um espetáculo de teatro a cargo do Grupo Amador de Teatro Tuka Tuka, de Mazedo.

A Real Confraria de Vinho Verde Tinto procura contribuir para a preservação da tipicidade rural e valorização da autenticidade paisagística da Sub-Região de Monção e Melgaço, recorrendo, nesse sentido, à divulgação do seu vasto e rico património construído, vitivinícola e gastronómico.

02

MELGAÇO COMEMORA O LIVRO E A LEITURA

‘EM ABRIL LIVROS MIL’

Inumeráveis atividades promovem a cultura literária, onde adultos e crianças participam

Em Melgaço, o mês de abril é recheado de atividades lúdico pedagógicas e culturais: o município promove ‘Em abril Livros Mil’, uma iniciativa preenchida de diversas ações para assinalar o Dia Internacional do Livro Infantil (2 de abril) e o Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor (23 de abril). Teatro, contos, espetáculos culturais, workshops, poesia, passeios, são as propostas, onde adultos e crianças poderão participar

ALM_N

Esta é a 3ª edição de ‘Em abril Livros Mil’, uma organização conjunta com os Serviços Educativos da Câmara e da Rede de Bibliotecas de Melgaço.

Programa ‘Em abril Livros Mil’

7 de abril | 15h00 | Salão paroquial da Vila

TEATRO PARA BEBÉS: ‘A viagem de balão do meu irmão João’ – Teatro a Quatro

Público: Bebés dos 6 meses aos 5 anos

Inscrição prévia obrigatória para o e-mail: mcodesso@cm-melgaco.pt, via tel. 251 410 060 ou presencialmente na Casa da Cultura.

Espetáculo limitado a 30 inscrições.

Sinopse:

O irmão do Freddy está quase a nascer, a barriga da Mãe continua a crescer.

"Mas afinal, quando chega o meu irmão? Quando pousar o balão? E onde é que o balão anda a voar? Dentro da barriga da minha Mãe. Queres espreitar?"

 

9 e 23 de abril | 10h00 | Casa da Cultura e Biblioteca Municipal

Workshop de Pintura por Margarete Barbosa

Público: alunos do ensino especial

 

10 e 17 de abril | 10h00 | Casa da Cultura e Biblioteca Municipal

Workshop de Pintura por Margarete Barbosa

Público: APPACDM

 

11 de abril | 14h30 | Casa da Cultura e Biblioteca Municipal

Peça de teatro ‘O Morto e a viúva forreta’, pelo grupo de teatro da sala de convívio da Vila

Bailarico tradicional com concertinas + lanche

Público: Salas convívio e lares

 

16 de abril | 10 e 15h30 | Torre de Menagem

A Sociedade Medieval – Serviços educativos

Público: 1º ciclo

 

16 de abril | A definir horário | Convento das Carvalhiças

Copista por um dia - Serviços educativos

Público: 2º ciclo

 

16 de abril | 10h45 | Escola Superior de Desporto e Lazer

Declamação de poesia por alunos do 2º ciclo para alunos da ESDL

Público: 2º ciclo

 

18 de abril | A definir horário | Centro histórico

Percurso pelo Centro Histórico - Serviços educativos

Público: 3º ciclo e secundário

 

18 de abril | 10h, 11h e 14h30 | Casa da Cultura e Biblioteca Municipal

Contador de histórias – Ana Azevedo

Público: Pré-escolar

 

19, 20 e 24 de abril | A definir horário | Biblioteca infantojuvenil

Orelhas de borboleta - Serviços educativos

Público: Pré-escolar

 

20 de abril |21h30 | Casa da Cultura e Biblioteca Municipal

Noite com o Poeta Manuel Alegre (a aguardar confirmação)

Público: Público em geral

 

23 de abril (Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor) | A definir horário

Ler Melgaço: frases pintadas nas passadeiras, pelas ruas de Melgaço

Descrição: Pintura de versos emblemáticos de poetas e ficcionistas portugueses no espaço público, com o recurso a dezenas de stencils. Nos pontos de maior circulação pedonal de cada município serão pintadas frases que interpelem os transeuntes e sirvam de meio para transportar a dinâmica das celebrações para as redes sociais.

 

23 a 28 de abril | A definir horário | Casa da Cultura e Biblioteca Municipal

Lusco-Fusco - Espetáculo de teatro da Comédias do Minho

Público: 1º ciclo

 

24 de abril | 15h00 | Escola Superior de Desporto e Lazer

Let’s movie & on with zumba

Público: EPRAMI + ensino profissional

 

26 de abril | 10h00 | Santa Casa da Misericórdia de Melgaço

A Boca do Sapo – Serviços educativos

Público: Sala de marcha/pequenos da Santa Casa da Misericórdia de Melgaço

 

26 de abril | 13h30 | Biblioteca Escolar

Concurso de leitura - editora Porto Editora

Descrição: Concurso de leitura organizado pela editora Porto Editora para alunos a partir do 2º ciclo, a partir da obra ‘O Recruta’, de Robert Muchamore. Esta obra pertence à coleção CHERUB: os agentes CHERUB tem todos menos de 17 anos e vestem calças de ganga e t-shirts. Parecem crianças perfeitamente normais…mas não são.

Público: alunos a partir do 2º ciclo

MELGAÇO RECORDA O CENTRO HISTÓRICO EM OUTROS TEMPOS

No âmbito do Dia Nacional dos Centros Históricos

A partir de manhã, 23 de março, será possível recuar no tempo e conhecer Melgaço de outros tempos: um variado espólio de fotografias dá mote à exposição ‘Memórias no Centro Histórico’. A inauguração acontece às 15h00, no Solar do Alvarinho.

Memórias no Centro Histórico

Dar a conhecer diferentes perspetivas da herança cultural de Melgaço, sensibilizando para a preservação e valorização do Centro Histórico, é o propósito da ação que assinala o Dia Nacional dos Centros Históricos, comemorado anualmente a 28 de março: ‘Outros olhares das ruas e dos monumentos do centro histórico melgacense, mas também a infância de muitos dos moradores’, garante a organização. A iniciativa não seria possível sem a colaboração de todos os moradores: ‘as fotografias foram gentilmente emprestadas pelos seus moradores’, conta a organização.

A mostra estará patente no Solar do Alvarinho até ao dia 15 de abril e a partir do dia 24 de abril encontrar-se-á no Núcleo Museológico da Torre de Menagem.

No Dia Nacional dos Centros Históricos, as entradas no Núcleo Museológico da Torre de Menagem e no Museu de Cinema de Melgaço – Jean Loup Passek serão gratuitas. São também sugestões da autarquia a visita ao Castelo de Melgaço; ao Solar do Alvarinho; à Igreja Matriz; e à Igreja da Misericórdia.

Ainda para assinalar a data, os alunos do 4º ano terão oportunidade de assistir, no dia 16 de abril, a uma recriação de cenas do quotidiano da Sociedade Medieval. A iniciativa será protagonizada pelos alunos do 10ºC (Agrupamento de Escolas de Melgaço) e acontece entre as 10h00 e as 15h30.

A saber…

O Dia Nacional dos Centros Históricos comemora-se anualmente a 28 de março, data do nascimento de Alexandre Herculano, seu patrono. Foi formalmente criado em 1993, sendo rapidamente adotado pela maioria das autarquias portuguesas com centro histórico com o propósito de promoverem todas as atividades com vista à defesa, salvaguarda, conservação, recuperação, reabilitação, revitalização e animação dos centros históricos dos aglomerados urbanos, através de uma estreita colaboração, embora sem fins lucrativos, dos municípios portugueses, zonas essas carecidas de proteção, como valores culturais que são da maior importância nacional e de indiscutível interesse público e, principalmente, como contributo para o progresso e bem-estar das populações que deles desfrutam e usufruem.