Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

VIANA DO CASTELO LANÇA LIVROS SOBRE AS MEMÓRIAS DA GUERRA COLONIAL

A freguesia de S. Romão do Neiva recebeu uma cerimónia em honra dos Ex-Combatentes do Ultramar, que contou com a presença do presidente da Câmara Municipal, Luís Nobre, e onde foi apresentado um livro do jovem Rodrigo André Vitorino Vaz sobre as memórias da Guerra Colonial.

vpantigoscombates (1).jpg

A edição “Só o não saber se Regressava”, com prefácio do Coronel Luís Gonzaga Coutinho de Almeida, é da autoria de um jovem de 22 anos, que escreveu e apresentou outro livro em Castelo do Neiva recentemente, denominado “Como fazer história a partir de quem a viveu?” com prefácio de Fernando Tavares Pimenta.

Para Luís Nobre, a iniciativa demonstra que a história recente pode ser o mote para a investigação, valorizando o papel de um jovem que se mostrou interessa do e recolher testemunhos sobre um episódio que ainda está na memória de muitos portugueses. Por isso, lançou o desafio ao autor para que escreva sobre os ex-combatentes do concelho.

A Guerra Colonial foi o período de confrontos entre as Forças Armadas Portuguesas e as forças organizadas pelos movimentos de libertação das antigas colónias — Angola, Guiné-Bissau e Moçambique — entre 1961 e 1974, altura em que ocorreu a Revolução dos Cravos.

vpantigoscombates (2).jpg

vpantigoscombates (3).jpg

vpantigoscombates (4).jpg

vpantigoscombates (5).jpg

BARCELOS APRESENTA OBRA DO ESCRITOR EMANUEL MENDES

“Nunca Pares” de Emanuel Mendes apresentado na Casa da Azenha

A Casa da Azenha vai acolher, no próximo dia 16 de janeiro, às 16h, a apresentação do livro “Nunca Pares”, da autoria de Emanuel Mendes.

Cartazemanumendes.jpg

Emanuel Mendes, piloto de linha aérea, escreveu o livro "Nunca Pares" onde descreve a sua experiência ao longo dos Caminhos de Santiago e de Fátima.

Segundo o autor, "os caminhos formam um paralelismo com a vida, não devemos pensar nas saídas que irão surgir para a frente, nem nas que já ficaram para trás. Por umas já passámos e a outras nem sabemos se lá chegamos. Desta forma devemos usufruir o momento. " Nunca pares" é um ensinamento para aproveitarmos o momento, sentir o sabor do que está a ser vivido agora.

Passamos demasiado tempo presos a recordar o passado e a planear o futuro." Pelas páginas do livro, a “narrativa é clara e exaustiva, as referências geográficas e históricas são rigorosas, sem esquecer as cores e aromas de cada lugar, a tradição, a gastronomia, as gentes.”

Sobre Emanuel Mendes

Nasceu a 7 de dezembro de 1979, em Lisboa, tendo vivido a sua infância e adolescência em Alfama. Frequentou o ensino secundário na Escola Secundária Gil Vicente e aos 18 anos iniciou a sua carreira militar, enquanto voluntário na Marinha na especialidade de Fuzileiros, tendo realizado aqui o curso de formação de oficiais.

Participou na missão de apoio à paz na Bósnia Herzegovina, regressando após essa missão à Escola de Fuzileiros, onde permaneceu ligado à instrução até finda a sua carreira nas Forças Armadas, em dezembro de 2003.

Em janeiro de 2004, inicia o curso de formação de agentes da Polícia Marítima, prestando serviço em diversos comandos a nível nacional. Frequentou o mestrado em Ciências Farmacêuticas, na Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa, não o tendo concluído.

Em 2010, iniciou o curso de piloto de linha aérea de aviões e posteriormente o de instrutor de voo em aviões. Atualmente, o autor trabalha como piloto de linha aérea com a especialização em Boeing 767.

Em 2016, iniciou a descoberta dos Caminhos de Santiago, tendo inicialmente optado por percorrer o Caminho Central Português, a partir de Lisboa.

CÂMARA DE VIZELA OFERECE LIVRO ÀS CRIANÇAS DO PRÉ-ESCOLAR E PRIMEIRO CICLO

A Câmara Municipal de Vizela está a oferecer, como prenda de Natal, às crianças do pré-escolar e primeiro ciclo do Concelho, o livro ‘Avicella, A Princesa mais Bela’ e ‘Triquiteiros’.

Foto Tenda livros2.jpg

Trata-se de uma publicação, editada pela Câmara Municipal, e escrita por Hélder Magalhães, com ilustrações de Ana Moscoso.

São dois livros infantis, o livro ‘Avicella, A Princesa mais Bela’ que se trata de uma reedição, e no verso surge a obra Triquiteiros, uma homenagem a uma docente, Rosa Maria Alves, já falecida, que era uma pessoa extraordinária pela sua criatividade na formação das crianças.

De realçar que este livro está a ser distribuído às crianças de todas as escolas que têm passado pela tenda de espetáculos de Natal e estará também disponível nas bibliotecas do Concelho e na loja do Turismo.

“VOU ALI E JÁ VENHO” – UM LIVRO DE MANUEL TINOCO QUE É UM RETRATO DA NOSSA JUVENTUDE

Entre Lisboa e Paredes de Coura, a partir dos anos sessenta, vai um rol de quadros pitorescos que retrata de algum modo a juventude do autor – e a nossa, sobretudo de quem tem no Minho as suas origens.

151705336_128416042508031_5432925500604897347_n.jp

“Vou ali e já venho”, da autoria de Manuel Tinoco, é um livro de leitura fácil e atraente mas sobretudo deliciosa pelas situações que apresenta, algo vividas durante a adolescência. Com um pé por cá e outro lá, o mesmo é dizer a terra das nossas raízes e aquela que nos acolheu, ou aos nossos ancestrais, com as naturais diferenças sociais e maneiras de estar.

Trata-se de um conjunto de prosas que o autor escreveu entre 2018 e 2021, algumas publicadas sob o pseudónimo de José Luís Vaz.

Desde textos de carácter autobiográfico a crónicas sarcásticas sobre os aspectos mais comezinhos do dia-a-dia, passando por reflexões mais ou menos enroupadas em metáforas que aqui e ali pisam o risco da linguagem obscena, o livro lê-se de uma penada e fica-se desde já à espera do próximo.

Manuel Tinoco é jornalista desde os 16 anos, tendo vivido em Lisboa até ao início do milénio, altura em que passou a viver em Rubiães, Paredes de Coura, tendo fundado o "Notícias de Coura", jornal que ainda dirige.

Manuel Tinoco – personalidade bastante conhecida e estimada da comunidade courense e minhota em geral radicada na região de Lisboa - foi um dos fundadores da Casa Courense em Lisboa e seu vice-presidente. E é actualmente director do jornal "Notícias de Coura".

Foi também investigador durante três décadas da presença da comunidade courense na capital, tendo efectuado o levantamento dos courenses na indústria hoteleira em Lisboa, trabalho vertido em livro editado pela ADASPACO (Associação de Dadores Benévolos de Sangue de Paredes de Coura).

Manuel Tinoco nasceu em Rubiães porque era tradição as mães virem ter os filhos à terra, a casa de seus pais. E, com pouco mais de um mês já estava em Lisboa. A mãe levou-o ao colo e, já sem pai que morreu de doença súbito no dia do seu baptismo em Rubiães (veio cá ver-me pela primeira vez, deixando a taberna de Santa Marta por uns dias, e morreu). E, juntamente com a sua mãe, Manuel Tinoco transformou a velha taberna no conceituado restaurante Alto Minho, um estabelecimento muito visitado  pelos minhotos que residem em Lisboa.

O jornalismo foi sempre a sua grande paixão o que levou a acalentar a vontade de regresso às origens – Paredes de Coura! – sonho que acabou por concretizar por volta dos quarenta anos de idade.

Fruto dessa paixão pela terra, não obstante ser já de uma geração diferente dos cabouqueiros da Casa Courense em Lisboa, e tendo uma ligação à terra cimentada por uma veia romantizada, ao contrário de quem por cá comeu o pão que o diabo amassou, integrou a equipa fundadora daquela instituição regionalista.

E, ao voltar para Paredes de Coura, a chama do jornalismo que lhe corria nas veias concretizou-se com a fundação do jornal “Notícias de Coura”, uma referência da Imprensa da nossa região. Mas, pelo caminho não lhe faltou a veia poética

Além das suas ligações nomeadamente à Casa Courense e ao jornal “Notícias de Coura, Manuel Tinoco foi presidente da Associação Cultural de Rubiães e também vice-presidente do Núcleo de Andebol do Liceu Pedro Nunes – clube federado português que movimentava mais atletas na década de oitenta.

263756134_1576032476074226_131992166025492454_n (2

DSC00024.JPG

CÂMARA DE VIZELA APRESENTOU LIVROS ‘AVICELLA, A PRINCESA MAIS BELA’ E ‘TRIQUITEIROS’

O Presidente da Câmara Municipal de Vizela, Victor Hugo Salgado, e o escritor Hélder Magalhães apresentaram ontem os livros ‘Avicella, A Princesa mais Bela’ e ‘Triquiteiros’, na tenda de espetáculos do Fórum Vizela.

apres. livros.JPG

Trata-se de uma publicação, editada pela Câmara Municipal, e escrita por Hélder Magalhães, com ilustrações de Ana Moscoso.

Conforme explicou o autor, são dois livros infantis, o livro ‘Avicella, A Princesa mais Bela’ que se trata de uma reedição, e no verso surge a obra Triquiteiros, tendo o autor agradecido a colaboração da Câmara Municipal e afirmando ter ficado muito satisfeito com o resultado.

O Presidente da Câmara Municipal de Vizela destacou que a edição deste livro assenta em três grandes pressupostos: a identidade, pois dá a conhecer a historia e património do Concelho; uma homenagem a uma docente, Rosa Maria Alves, já falecida, mas que era uma pessoa extraordinária pela sua criatividade na formação das crianças; e por fim, um incentivo à leitura.

No final da apresentação, o Presidente da Câmara Municipal e o escritor Helder Magalhães entregaram um livro aos pais e á filha de Rosa Maria Alves, que assistiram á apresentação do livro e que agradeceram a homenagem efetuada pela Autarquia.

De realçar que este livro está a ser distribuído às crianças de todas as escolas que têm passado pela Tenda de Espetáculos de Natal e estará também disponível nas bibliotecas do concelho e na loja do turismo.

PONTE DE LIMA REALIZA FEIRA DO LIVRO LIMIANO

O Município de Ponte de Lima organiza mais uma edição da Feira do Livro Limiano, de 6 a 31 de dezembro de 2021, na Biblioteca Municipal de Ponte de Lima.

Esta iniciativa, realizada neste período natalício, permitirá a aquisição de livros a um preço mais acessível e a possibilidade de os oferecer numa época de reencontro com a família e amigos, no aconchego do seu lar.

A feira contemplará publicações de valorização da cultura, do património, da história da região publicadas pelo Município de Ponte de Lima e pelos vários escritores que, em parceria com a autarquia, pretendem disponibilizar as suas obras neste evento.

Os livros com a chancela do Município de Ponte de Lima apresentarão um desconto de 40% sobre o preço de capa.

Aproveitem este momento e ofereçam um livro limiano.

cartaz_feira_do_livro_limiano_2021_1_1024_800.jpg

BARCELOS APRESENTA LIVRO DE ARTUR ALONSO NOVELHE

Apresentação do livro “Mudar o Mundo: na procura de um novo paradigma para uma nova Humanidade”, de Artur Alonso Novelhe, na Biblioteca Municipal
“Mudar o Mundo: na procura de um novo paradigma para uma nova Humanidade” é o título do livro que vai ser apresentado na Biblioteca Municipal de Barcelos, sábado, dia 27 de novembro, às 16h. Uma obra de Artur Alonso Novelhe que, segundo o autor, “pretende abrir diálogos tão complexos, numa era, de transição, com mudança impulsionada pela revolução tecnológica, abrangendo todos os campos possíveis: ecologia, filosofia, política, economia, cultura… Abrir um diálogo permanente com a esperança de gerar dinâmicas novas que possam ajudar a implementar uma nova realidade, que no fim, estabeleça um novo paradigma local e global, mais humano, ecológico e participativo: mais fraterno. Um novo paradigma onde o contrário deixe de ser olhado como concorrente, e passe a ser aceite como complementário”.

rodelhenovelhebar.jpg

Artur Alonso Novelhe nasceu na cidade do México, a 21 de junho de 1964. Foi membro numerário da Academia Galega da Língua Portuguesa e membro da Associação Galega da Língua. É ex-diretor do Instituto Galego de Estudos Internacionais e da Paz e ex-secretário do Instituto Galego de Estudos Celtas. É membro Conselho Consultivo do Movimento Internacional Lusófono, do Conselho de Redação da Revista Identidades e membro Honorário do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora.
Tem vários livros publicados na área da poesia, “Entre os teus olhos”; “Uma Meixela depois a Outra”; “Filhos da Brêtema”; do teatro “No Meio do Oriente”; do romance “Adelaida”, “Um longo Acordar” (ensaio em forma de romance) e “Mudar o mundo: na procura dum novo paradigma para uma nova humanidade”.
Também escreve artigos para revistas: Revista Identidades, Revista Incomunidade, Outras Vozes, Palavra Comum, Hermes; e jornais: Nós Diário, Mundo Galiza ou o Portal Galego da Língua.
Participou em vários livros coletivos de poesia, em diversos congressos e nos Colóquios da Lusofonia, onde participará novamente este ano, na cidade de Belmonte.

JOEL AMADO "MOSTRA" O SEU "OLHAR SERENO" NA BIBLIOTECA MUNICIPAL DE BARCELOS

O escritor barcelense Joel Amado tem encontro marcado na Biblioteca Municipal de Barcelos para o próximo sábado, dia 20, pelas 16h00, para a sessão de lançamento do seu mais recente livro “Olhar Sereno”.

BARCLOSLANÇA.jpg

A apresentação do livro e do autor está a cargo de Victor Pinho, historiador, Joaquim Esteves, artesão, e José Ilídio Torres, escritor.

A sessão contará ainda com um momento musical, pelo violinista José Luís Carvalho, e de declamação, com Maria Rosa Costa, Narcisa Vilaça e Laura Pliego.

Joel Amado é o pseudónimo literário de Nuno Sousa, nascido a 24 de abril de 1973, em Barcelos. Licenciado em Informática/Matemáticas Aplicadas, Informática - Ramo Educacional, pós-graduado em Informática e desde sempre apaixonado pela arte, vê na cultura poética uma forma agradável de brincar com as palavras, sentindo-as. Mais do que o rigor literário que imprime nos seus poemas, pretende transmitir sentimentos, daquilo que lhe surge no íntimo.

Publicou os livros "Sentimento Consentido", "Sentido Consiso" e "Olhar Sereno".

PONTE DA BARCA APRESENTA LIVRO "DO CONFLITO AO AMOR - A COMUNICAÇÃO NÃO-VIOLENTA NA ESCOLA E NA VIDA DE ANTÓNIO PEDRO MARTINS

Vai ter lugar na sexta-feira, dia 19 de novembro, pelas 21h, no edifício dos Paços do Concelho, a apresentação do livro “Do Conflito ao Amor - A Comunicação Não-Violenta na Escola e na Vida”, de António Pedro Martins.

Sobre o autor:

Com formação de base na área das ciências, a Física, António Pedro Martins chegou a ingressar na carreira universitária, mas mudou de rumo. A ciência não tinha respostas para as suas inquietações.

A sua necessidade de chegar mais profundamente aos outros e de ter um impacto positivo na vida das pessoas levou-o a optar pela carreira de professor do ensino básico e secundário, onde trabalha há mais de vinte anos com alunos, famílias, professores e toda a comunidade.

Mergulhou em diversas áreas, como a expressão dramática, a filosofia para crianças, a meditação budista, a educação emocional, as constelações sistémicas e a mediação de conflitos.

Em 2017 descobriu a Comunicação Não-Violenta numa formação intensiva internacional. Desde então, não parou de desenvolver e levar às pessoas esta que considera a mais poderosa ferramenta de transformação pessoal e social.

BARCELOS APRESENTA LIVRO NA BIBLIOTECA MUNICIPAL SOBRE LENOCÍDIO E PROSTITUIÇÃO

Apresentação do livro “Lenocínio VS Prostituição - a Visão dos Magistrados e Polícias”, de João Carlos Ribeiro da Cruz

“Lenocínio VS Prostituição - a Visão dos Magistrados e Polícias”, assim se denomina o livro de João Cruz, que vai ser apresentado, na próxima sexta-feira, às 19h00, na Biblioteca Municipal de Barcelos.

beerca.jpg

A apresentação da obra está a cargo da criminóloga barcelense, Iara Brito, que fará a contextualização do tema.

O autor de “Lenocínio VS Prostituição - a Visão dos Magistrados e Polícias” é João Cruz, cabo da GNR em Aveiro, Mestre em criminologia, formador em Igualdade de Género e Tráfico de Seres Humanos, e Técnico de Apoio à Vítima.

Sobre o livro

O livro materializa-se num projeto de sensibilização sobre vítimas de exploração sexual, violência doméstica e tráfico de Seres Humanos, tendo como finalidade alertar a comunidade sobre o fenómeno social do lenocínio e da prostituição.

Com prefácio de José Manuel Fonseca, magistrado do Ministério Público, este livro constitui «um instrumento de trabalho muito útil para todos os profissionais que se dedicam ao estudo e ao combate do crime de lenocínio», assim como para os que se interessam pelo tema. Esta obra regista o depoimento de magistrados, polícias e juristas, bem como de diversas vítimas”.

Para além da sensibilização, a venda do livro tem uma vertente solidária, uma vez que as receitas apuradas serão canalizadas para apoio às instituições: Saúde em Português, APAV e CARITAS.

Decorrente da edição do livro, está em desenvolvimento a criação de um grupo de Ajuda Mútua das vítimas.

O LIVRO "O LUGAR DO VAZIO" DE GUSTAVO PIMENTA EM LANÇAMENTO EM PONTE DE LIMA

 Município de Ponte de Lima vai promover o lançamento do livro “o lugar do vazio”, de Gustavo Pimenta, no dia 20 de novembro, pelas 17h00, no Auditório da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima.

GustavoPimenta_1080x1080.jpg

Trata-se de uma obra poética, publicado sob a chancela da editora Palimage, que resulta da compilação de 73 poemas, cujas palavras se conjugam com o objetivo de despertar as nossas emoções e sentimentos.
Um livro de esperança e encanto, composto de poesia livre, com apresentação de Fernando Hilário e momentos musicais a cargo de Garry Powell.
Marque presença nesta sessão e conheça a mais recente produção literária de Gustavo Pimenta.
Aceite o nosso convite e venha celebrar a literatura em Língua Portuguesa.
A entrada é gratuita.
Esperamos por si!
Sobre o autor:
Gustavo Pimenta é natural de Ponte de Lima, onde nasceu, no lugar de Crasto da freguesia da Ribeira, em 29 de Janeiro de 1944.
Fez o ensino primário e secundário em Viana do Castelo.
Licenciou-se em Direito no Porto.
Fez o serviço militar, que incluiu passagem pela guerra colonial na Guiné-Bissau.
Desenvolveu a sua atividade profissional em diversos domínios, com especial incidência na área de Informática.
Foi docente no IPMAIA – Instituto Politécnico da Maia.
Em 2018 foi agraciado pela Câmara Municipal do Porto com a “Medalha de Mérito, Grau Ouro”, com imposição em cerimónia pública de 9 de julho de 2018.
Advogado. Em diversas circunstâncias e por diversas vezes, membro de órgãos nacionais do Partido Socialista. Foi deputado à Assembleia da República na legislatura de 1991/1995. Foi membro da Assembleia Municipal do Porto.
É autor das seguintes obras:
• Introdução ao Estudo do Direito – Argumentos de consolidação da instituição jurídica;
• Títulos de Crédito em Geral – Letra, Livrança e Cheque;
• Direito do Turismo – A actividade turística em Portugal – Recensão crítica de legislação;
• em nome da Grei;
• sairòmeM Guerra Colonial;
• O chão perfeito;
• Retratos de um país encantador;
• Triângulo Escaleno;
• A sorte de ter medo

"HISTÓRIAS DE UMA VIDA" DE ANTÓNIO MARTINS MAGALHÃES, NA BIBLIOTECA MUNICIPAL DE BARCELOS

"Histórias de uma Vida". Assim se denomina o mais recente livro da autoria do escritor barcelense António Martins Magalhães, e que será apresentado na Biblioteca Municipal de Barcelos, dia 6 de novembro, pelas 16h00.

barhistovida.jpg

A apresentação da obra está a cargo do professor Mário Patrão, numa sessão que conta ainda com um momento cultural, da responsabilidade do ator Armindo Cerqueira e do saxofonista Pedro Pereira.

O autor

António M. Magalhães nasceu em Negreiros, Barcelos, em 23 de julho de 1935. Licenciou-se em Humanidades pela Faculdade de Filosofia de Braga. Foi professor de português até ao ano 2000. Da sua obra fazem parte os livros: “Então foi assim, narrativas”, “Margens para um rio”, “Moçambicando, memória e paisagem” e “A Voz do Vento”. Esta última publicação foi distinguida com uma menção honrosa por parte da Câmara Municipal de Barcelos, no ano passado.

Sobre o livro

“Este livro, constituído por pequenas histórias ou narrativas, lê-se de um fôlego. Foi escrito com muita satisfação. Não interessará ao leitor saber se as narrativas são reais ou fictícias (aliás, descobrirá isso facilmente). Se a história contada conseguir captar a atenção do leitor, o autor dar-se-á por satisfeito. Atingiu os seus objetivos; porém, se o leitor, enredado numa teia de acontecimentos, não encontrou uma saída para o desenlace, o autor sentir-se-á frustrado.

Oxalá, o leitor possa encontrar alguma satisfação ou prazer estético, nestas historinhas, (como diria a minha falecida esposa)”.

MUNICÍPIO DE VIANA DO CASTELO LANÇA LIVRO DE "EVOCAÇÃO A FRANCISCO DE SÁ NORONHA"

A Câmara Municipal de Viana do Castelo lançou a obra “Evocação a Francisco de Sá Noronha”, da autoria de Paula Anjos. O lançamento, que contou com a presença da Vereadora do Património e Equipamentos Culturais, Carlota Borges, acontece no âmbito de uma homenagem que está a ser promovida pelo Município vianense e que visa recordar este músico do passado.

Captura de ecrã 2021-10-13, às 15.14.21.jpg

Francisco de Sá Noronha é um violinista e compositor português do século XIX que nasceu em Viana do Castelo em 1820 e morreu no Brasil em 1881. A autora, Paula Anjos, deparou-se com este durante a investigação sobre a história do Teatro Municipal Sá de Miranda, quando é referido numa notícia do jornal “A Aurora do Lima”, datada de 17 de março de 1881, que o novo teatro deveria ter a sua designação. Na verdade, o seu nome foi atribuído a uma rua que começa no Largo das Necessidades e termina na Rua de São João, em Santa Maria Maior.

Português emigrante, deveu a sua afirmação artística ao meio teatral carioca, tendo aí habitado durante o período de consolidação do reinado de D. Pedro II. Como violinista, viajou pelas Américas e regressou à Europa e a Portugal, onde era praticamente um desconhecido. Empenhou-se na tentativa de criar, desde o Rio, o projeto de uma ópera nacional. Depois de 1860, fixou-se durante uma larga temporada entre Lisboa e Porto e lutou obstinadamente para conseguir levar à cena as suas óperas. No final da vida, regressou ao Rio de Janeiro, onde viria a morrer.

ecca8a53-341f-4217-9a79-f855f8fdedc7.jpg

MUNICÍPIO VIANENSE LANÇA "OS NAVIOS DE ASSISTÊNCIA À FROTA BACALHOEIRA"

A Câmara Municipal de Viana do Castelo lançou, este fim-de-semana, a obra “Os Navios de Assistência à Frota Bacalhoeira”, edição dividida em três tomos, da autoria do capitão João David Batel Marques. A publicação, que foi apresentada no Teatro Municipal Sá de Miranda, desvenda a história dos barcos e navios que invadiram as nossas águas e prestaram assistência às frotas. Ao longo desta viagem são dados a conhecer os detalhes, as histórias e as memórias dos navios “Carvalho Araújo”, “Gil Eannes” ex-Lahneck, bem como do “Gil Eannes” de 1955.

JTL02411.jpg

Para o Presidente da Câmara Municipal. José Maria Costa, esta edição “representa uma justa e merecida homenagem a estas embarcações e a todos os homens que foram parte integrante das mesmas”.

“Para cada um de nós, estes livros serão uma valiosa forma de descobrir ainda melhor a nossa vocação marítima e conhecer de forma mais precisa a missão fulcral que os navios de assistência à frota bacalhoeira desempenharam, com claro destaque para a importância do nosso Gil Eannes”, reconheceu o edil.

O Gil Eannes, recorde-se, foi construído nos Estaleiros de Viana do Castelo em 1955, tendo como missão apoiar a frota bacalhoeira portuguesa nos mares da Terra Nova e Gronelândia. A sua principal função foi prestar assistência hospitalar aos pescadores e tripulantes da frota bacalhoeira, mas também foi navio capitania, navio correio, navio rebocador, garantindo abastecimento de mantimentos, redes, isco e combustível aos navios da pesca do bacalhau. Ficou, durantes anos, abandonado no cais do porto de Lisboa, até ser vendido a um sucateiro para abate em 1997.

Após ser resgatado da sucata pela autarquia, chegou a Viana do Castelo a 31 de janeiro em 1998, para receber obras de reabilitação, tendo aberto ao público como Navio Museu nesse ano. Desde então, desempenha uma importante missão como espaço cultural e expositivo, sendo o museu mais visitado do concelho.

Durante o último ano, apesar do contexto de pandemia, foi alvo de obras de reabilitação de alguns dos seus espaços e acolheu diversos eventos culturais, como a apresentação de livros e exposições, peças de teatro e declamações, e tornou-se na casa do novo Centro de Imagem, Identidade e Memória de Viana do Castelo da Câmara Municipal de Viana do Castelo.

JTL02504.jpg

JTL02513.jpg

JTL02534.jpg

JTL02540.jpg

JTL02571.jpg

JTL02414.jpg

JTL02453.jpg

JTL02466.jpg

JTL02484.jpg

JTL02496.jpg

PONTE DE LIMA ACOLHE LANÇAMENTO DO LIVRO "PORT-LOUIS, RUE VAUBAN,56, BRETANHA"

Lançamento do Livro “Port-Louis, Rue Vauban, 56, Bretanha”. No Auditório Municipal de Ponte de Lima, 8 de outubro, às 18 horas

O Município de Ponte de Lima vai acolher a apresentação do Livro “Port-Louis, Rue Vauban, 56, Bretanha” da autoria de Pedro Gomes, na próxima sexta-feira, 8 de outubro, às 18h00, no auditório Municipal de Ponte de Lima.

CARTAZ_8 OUT_Port Louis-02.jpg

A apresentação estará a cargo da Investigadora do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, Susana Costa. Autora de dois livros: "A Justiça em Laboratório" e "Filhos da (sua) mãe" / Almedina, é ainda co-autora em várias outras obras científicas.

Sobre o Autor, Pedro Gomes, destaca-se do seu curriculum a publicação de dois livros de memórias: MAIOR DO QUE O PENSAMENTO e RAÍZES. Seguindo-se o livro de crónicas PRAÇAS DO MEU CONTENTAMENTO e três romances: E O CRIME COMPENSA AS UTOPIAS? (por editar), ANGOLA… O CANTO DO CISNE, em 2.ª edição e PORT-LOUIS, Rue Vauban, 56 – Bretanha.

Atualmente frequenta o 4ºano do Curso Industrial da Escola Comercial e Industrial de V. N. de Gaia. Curso de desenho gráfico e serigrafia do Mestre Vasco Amanajáz/Hoechst Chemie-GmbH-Porto.

A nível profissional, é Gerente da Petimex – Indústria familiar de etiquetas autocolantes – Porto. Instruendo no CSM na Escola Prática de Cavalaria – Santarém – 1967.

Curso da Escola dos Serviços de Saúde Militares – Lisboa. Efetivo ao Serviço de Queimados do Anexo do H. M. P. de Lisboa. Mobilizado pelo Regimento dos Serviços de Saúde. Angola de 1969/1971. Frequência da língua alemã no Goethe Instituto – Lisboa.

Instrumentista de Cirurgia Plástica, Estética e Reconstrutiva

Diretor da Clínica Centro Cirurgia Capilar – Lisboa

A sessão de apresentação deste livro inicia-se com música, com atuação dos alunos da Academia de Música Fernandes Fão.

VIANA DO CASTELO: “GIL EANNES – O ANJO DO MAR” – UM LIVRO DE JOÃO DAVID BATEL MARQUES EDITADO PELA FUNDAÇÃO GIL EANNES

“Gil Eannes – O Anjo do Mar” é a mais recente obra do escritor João David Batel Marques, o mesmo autor da coleção “A Pesca do Bacalhau”. Trata-se de uma edição bilingue – em Português e Inglês – com excelente apresentação gráfica e profusamente ilustrada, que transporta o leitor a uma época cuja missão do navio consistia em prestar apoio à frota bacalhoeira nos mares da Terra Nova e Gronelândia.

GilEannesAnjoMar (2).jpg

Qual “Anjo do Mar”, com os costados de branco vestidos, o navio Gil Eannes irrompia por entre as brumas, como um ano emergindo das águas gélidas, acudindo aos pescadores nas horas mais difíceis e temidas.

O Navio-Hospital Gil Eannes foi construído nos Estaleiros Navais de Viana do Castelo em 1955. Navegou em muitos mares cumprindo as mais variadas missões. E, quando o seu destino já parecia traçado, eis que os vianenses se uniram e resgataram ao seus destino inglório de ser transformado num monte de sucata. E, em Janeiro de 1998, o navio regressou à cidade onde foi construído – Viana do Castelo!

José Maria Costa – Presidente da Fundação Gil Eannes – descreve com satisfação o acolhimento do navio Gil Eannes: “Em Viana do Castelo, temos o privilégio de acolher, na nossa antiga doca comercial, um navio que representa uma parte importante da história da nossa cidade e até do nosso país”.

O navio Gil Eannes tornou-se entretanto um importante pólo museológico, exemplar único de um navio hospital onde, por vezes através de delicadas intervenções cirúrgicas, foi possível salvar numerosas vidas de quem, na faina do mar, ousava enfrentar as situações mais perigosas para garantir um dos alimentos que durante muitas décadas foram o principal sustento do povo português.

Gil-Eannes-Viana-do-Castelo-1.jpg

BIBLIOTECA MUNICIPAL DE VIANA DO CASTELO ACOLHE AMANHÃ APRESENTAÇÃO DO LIVRO "ANGÚSTIAS" DE JOÃO DA ROCHA

A Sala Couto Viana da Biblioteca Municipal de Viana do Castelo acolhe, este sábado, às 11h00, a apresentação do livro "Angústias" de João da Rocha, numa edição crítica de Manuel Curado com ilustração de Patrícia Ferreira. A versão original foi publicada em 1901 por João da Rocha, reunindo textos escritos durante a década anterior em diferentes locais.

angustias joao da rocha.jpeg

Ao longo de 2021, o Município está a assinalar o centenário da morte do escritor João da Rocha, um dos mais ilustres escritores e figuras públicas da cidade. Nasceu a 17 de abril de 1868, em Viana do Castelo, falecendo a 1 de fevereiro de 1921, em Lisboa, e, ao longo da vida, notabilizou-se de muitos modos, destacando-se como contista e contribuído decisivamente para o género fantástico na literatura portuguesa.

Como ensaísta, realçam-se os seus estudos sobre as Descobertas, nomeadamente sobre o Infante D. Henrique e sobre o navegador Gonçalo Velho. Na poesia, o registo lírico é muito intimista.

Os vianenses conhecem João da Rocha pelo cognome de Frei, que lhe foi dado pelo diplomata e também escritor Alberto de Oliveira durante os estudos de ambos em Coimbra. Para além de ter colaboração dispersa por várias publicações (A Arte, Aurora do Lima, Miosótis, Os Novos, Revista de Hoje, entre outros.), João da Rocha fundou e dirigiu o jornal Folha de Viana e a revista cultural Límia. Foi também professor do liceu e presidente do Instituto Histórico do Minho, sendo também recordado o seu contributo para o combate contra o analfabetismo, no âmbito das atividades da Liga de Instrução de Viana do Castelo. 

“MESTRE PINTOR FERNANDO ROSÁRIO – ARTE COM ALMA E REALISMO” – 50 ANOS DE PINTURA”: UMA OBRA QUE ACABA DE SER LANÇADA EM ESPOSENDE QUE RETRATA O PERCURSO ARTÍSTICO DE UM DOS GRANDE MESTRES DA PINTURA DA NOSSA REGIÃO

Teve lugar no passado dia 7 de agosto, no Auditório Municipal de Esposende, o lançamento do livro comemorativo dos 50 anos de pintura do Mestre Pintor Fernando Rosário.

231166997_1993842474102169_5577033246957816198_n.j

Tratou-se de uma edição de luxo da responsabilidade de uma editora do Porto, com capa dura e cerca de 250 páginas, nela constando a biografia do autor e uma grande parte da sua obra.

Para o enriquecimento da mesma, muito contribuiu a escrita de diversos textos, por parte de algumas das mais destacadas figuras da cultura esposendense e não só.

Fernando da Silva do Rosário, filho de Joaquim do Rosário e de Eva Gonçalves Ferreira da Silva, é natural de Esposende, nasceu a 30 de Janeiro de 1950.

A propósito da obra que acaba de ser publicada, o Blogue do Minho colocou-lhe algumas questões.

BLOGUE DO MINHO - Que significado teve para si o lançamento do livro " MESTRE PINTOR FERNANDO ROSÁRIO - Arte com Alma e Realismo - 50 ANOS DE PINTURA"?, no Auditório Municipal de Esposende, no passado dia 07 de agosto?

PINTOR FERNANDO ROSÁRIO - Este livro é um sonho tornado realidade. De facto, desde há muitos anos que o acalentava. Saber que o livro foi imaginado, organizado e trazido a público por pessoas alheias a esta região, faz-me sentir e assumir, ainda com mais convicção, que a minha Obra Plástica vai muito para além de mim próprio. Embora pessoalmente já o soubesse há muito, este gesto veio mostrar a Esposende que o mundo sabe estar atento à qualidade e às caraterísticas que distinguem o trabalho de cada um, dentro da sua área artística. Com a alta chancela da editora EDIÇÕES ESGOTADAS, a qualidade estética de todo o livro não deixa ninguém indiferente. É uma verdadeira obra de arte. Vê-lo a ser desfolhado com cuidadoso carinho, por um Auditório lotado que nem por momentos se desviou do verdadeiro interesse do que ali foi dito e aplaudido, foi a confirmação do sucesso que se adivinhava e que já se reflete no número de exemplares vendidos.

BLOGUE DO MINHO - Salientando as razões enunciadas pela apresentadora do livro e que levaram a organização a vir fazer o seu lançamento em Esposende, que expectativas coloca na concretização das mesmas, por parte da Câmara Municipal?

PINTOR FERNANDO ROSÁRIO - Segundo as palavras da apresentadora, que foi também a organizadora da obra, esta edição como forma de homenagear os meus 50 anos de pintura (desde a primeira exposição em Timor), teve como objetivo primordial uma chamada de atenção, um alertar de consciências, um despertar de interesse para o facto do meu espólio artístico, depois de cada exposição individual ou coletiva, ser invariavelmente arrumado, privando o público que aprecia o meu trabalho, de o poder admirar em permanência. Falta um lugar onde, em Esposende, os locais e os visitantes possam ter acesso a um tipo de arte com uma matriz muito apreciada, por falta de um lugar de exposição, condigno com a sua qualidade. Pelas reações do público, não restaram dúvidas sobre a opinião dos presentes, De facto, se foi aqui que sempre vivi e trabalhei, busquei e encontrei motivações para a minha pintura, quer entre os nomes mais letrados, quer entre as gentes mais humildes, as figuras regionais, as paisagens mais intimistas, que razões poderão colocar entrave a que, definitivamente, a minha arte não saia de Esposende? Responderá quem de direito. Espero que as causas deste livro de homenagem aos meus 50 anos de pintura não tenham caído em saco roto. O Senhor Presidente da Câmara informou sobre as dificuldades, como sobre algumas futuras alternativas. E prometeu o seu melhor interesse e esforço na solução desta grande e injusta falha. Esperamos desse interesse, a sua melhor coerência. Eu próprio e a grande maioria dos meus conterrâneos esposendenses.

229637679_1993841430768940_1308802710118358794_n.j

231591017_1993841884102228_2393924667921116931_n.j

230561060_1993843417435408_8102419346514729507_n.j

232040564_1993844194101997_1932542554450269238_n.j

230469714_1993844744101942_554667123529851864_n.jp

233498618_1993845140768569_7254133795550261289_n.j

232191732_1993845677435182_6862608166595711365_n.j

232349708_1993846090768474_3976304680965593313_n.j

229528899_1993846400768443_3112320937577273443_n.j

236299546_1993847404101676_8843385143705499889_n.j

230469583_1993846667435083_4959232071704812825_n.j

231963777_1993847484101668_6695186617676045305_n.j

234918175_1993852750767808_7872889575646189648_n.j

235604521_1993864520766631_4833737472177050224_n.j

229393941_1993865404099876_2321962701067260448_n.j

229861173_1993884914097925_1631901738623390013_n.j

235876521_1993871970765886_577100014710796554_n.jp

235604573_1993885420764541_1520953139670986353_n.j

234492617_1993886330764450_3726485948673888649_n.j

234816068_1993887070764376_4095980942640876828_n.j

228194103_1993887390764344_8570739696298830959_n.j

235242233_1993888454097571_1809826093761611295_n.j

235361399_1993896964096720_586458393153950432_n.jp

229394315_1993902700762813_7463730750628481402_n.j

234843421_1993902830762800_8797315962316722483_n.j

234807702_1993903284096088_8902126850738157604_n.j

225769494_1993903867429363_1121980112910234214_n.j

230259955_1993904457429304_3695577264861197248_n.j

229672121_1993904970762586_6197599731270710671_n.j

229863504_1993905974095819_421501179528528903_n.jp

234883626_1993907680762315_2900886579031235382_n.j

234094717_1993908167428933_3880625510433238555_n.j

II FEIRA DO LIVRO LUSO-GALAICA DA RIBEIRA MINHO ABRE SEXTA-FEIRA DOS DOIS LADOS DO RIO MINHO

Há novidades literárias, música, poesia e livros para adquirir e oferecer

A II Feira do Livro Luso-Galaica da Ribeira Minho aproxima-se. É já esta semana, de sexta-feira a domingo, e acontecerá de ambos os lados do Rio Minho, em Caminha e A Guarda, respetivamente na Praça Conselheiro Silva Torres e na Praça Avelino Vicente. Promover a leitura e reconciliar os leitores com os livros em alguns casos, é o propósito da Feira, que visa também destacar os autores da região.

Nos três dias, haverá naturalmente livros, muitos livros, mas também poesia, música e vídeo. Destaque para o lançamento de algumas obras, como “O Carocho do Rio Minho”, de Brito Ribeiro, e “Demografia – É tempo… de dar mais tempo à natalidade e aos fluxos migratórios”, de Fernando Pereira Cabodeira. Outros livros vão estar em destaque, com apresentações especiais.    

O evento é organizado é mais uma vez conjunta e integra os municípios de Caminha e a A Guarda, Freguesia de Caminha e Vilarelho e Jornal Digital Caminh@2000, contando com o apoio dos municípios da Ribeira Minho.

Permitirá a exposição e aquisição de obras de autores da Ribeira do Rio Minho, tanto do lado galego, como português, editadas pelos próprios, municípios ou associações e instituições existentes nas duas margens deste rio que nos une.

Há razões de sobra para visitar a Feira e levar pelo menos dois livros para casa, isto porque – e como o propósito são mesmo os livros – por cada livro adquirido é oferecida uma segunda obra, mas no caso de serem comprados três livros serão oferecidos outros dois.

Programa

CAMINHA – Praça Conselheiro Silva Torres

20 AGOSTO

Sexta-feira | 15:00 – 23:00

15:00 – Abertura da Feira

18:00 – Abertura oficial

Presidente da Câmara Municipal de Caminha

Alcalde do Concello de A Guarda

Presidente da União de Freguesias de Caminha e Vilarelho

Diretor do Jornal Digital Caminha 2000

Com a presença dos municípios participantes: Caminha, Vila Nova de Cerveira, Valença, Paredes de Coura, Monção, Melgaço, A Guarda, O Rosal, Oia, Tomiño, Tui, Salceda de Caselas, Salvaterra do Miño, As Neves, Arbo e Crecente

19:00 – Recital de Poesia de obras de autores da Ribeira Minho - Krisálida

21:30 – Lançamento do livro “O Carocho do Rio Minho”, de Brito Ribeiro

Apresentação: Ivone Baptista Magalhães

Edição: Nuceartes

22:30 – “Na Revolta”

Concerto Música Folk 

21 AGOSTO

Sábado |15:00 – 23:00

17:00 – Apresentação do Ensaio “Fronteira com Portugal na Idade Média”, de Sílvia Cernadas

18:30 – Apresentação do livro “José António Guerreiro – O Liberal de Lanhelas (1789-1834), de José António Barreto Nunes

Apresentação: Professor José Manuel Lopes Cordeiro

Edição: Câmara Municipal de Caminha, Junta de Freguesia de Lanhelas, Casa Museu de Monção / Universidade do Minho

22:00 – Tiago Nacarato

Concerto - Vilas People

Largo Calouste Gulbenkian, Caminha

22 AGOSTO

Domingo | 15:00 – 23:00

18:30 – Lançamento do livro “Demografia – É tempo… de dar mais tempo à natalidade e aos fluxos migratórios”, de Fernando Pereira Cabodeira

Apresentação: José Cunha Machado

Edições Afrontamento

21:00 – Apresentação do livro “Contrabando no Esteiro do Miño”, de Praxisteles Gonzales

Apresentação: Praxisteles Gonzales

22:00 – “Minho … o rio que nos aproxima”

               Concerto pela Banda de Lanhelas

A GUARDA – Praça Avelino Vicente

20 Agosto

Sexta-feira | 18:00 – 22:00*

18:00 – Abertura da Feira

19:00 – As nossas músicas de A`qui da Companhia de Nelson Quinteiro

20:30 – Abertura oficial

Presidente da Câmara Municipal de Caminha

Alcalde do Concello de A Guarda

Presidente da União de Freguesias de Caminha e Vilarelho

Diretor do Jornal Digital Caminha 2000

Com a presença dos municípios participantes: Caminha, Vila Nova de Cerveira, Valença, Paredes de Coura, Monção, Melgaço, A Guarda, O Rosal, Oia, Tomiño, Tui, Salceda de Caselas, Salvaterra do Miño, As Neves, Arbo e Crecente

21:30 – Atuação de Xardín Desordenado

21 AGOSTO

Sábado |11:00 – 14:00 | 18:30 – 21:30

11:30 – Contos para crianças

12:00 – Lançamento do livro “O Carocho do Rio Minho”, de Brito Ribeiro

Apresentação: Brito Ribeiro

Edição: Nuceartes

12:40 – Concerto pela Academia de Música Fernandes Fão

18:30 – Recital de Poesia de obras de autores da Ribeira Minho – Krisálida

19:30 – Palestra “A construção da fronteira na Idade Média” de Silvia Cernadas Matinez

21:30 – Encerramento da Feira

*Horas de Espanha

VIANA DO CASTELO: CATÁLOGO VISA "HONRAR MUSEU DO TRAJE" E DAR RESPOSTA A INÚMEROS PEDIDOS DE VISITANTES

A Câmara Municipal de Viana do Castelo acaba de lançar o Catálogo do Museu do Traje, que pretende “honrar este espaço” e dar resposta aos inúmeros pedidos apresentados pelos visitantes ao longo dos anos. Na apresentação da publicação, a Vereadora Carlota Borges garantiu que o catálogo surge “para que os visitantes possam levar um bocado do Museu do Traje para casa, conforme tem sido solicitado ao longo dos anos”.

ABELO9373_trajar_carlota.jpg

A responsável apresentou ainda as novas exposições que poderão ser visitadas em breve. Assim, a 13 de agosto, inaugura a mostra “Memórias de um Povo”, no Museu do Traje, dedicada ao traje popular vianense entre 1925 e 1960, contando com testemunhos de vianenses.

A 14 de agosto, no Museu de Artes Decorativas é inaugurada a exposição "Estuques e Estucadores de Viana do Castelo", que ilustra a ligação de Viana do Castelo a uma arte muito relacionada com as suas gentes, designadamente das freguesias de Afife, Carreço e Areosa, origem de gerações de estucadores.

A 17 de agosto, abre a exposição “Retratos de Hoje e de Antes”, também no Museu do Traje, pelo Grupo de Folclore Casa de Portugal do principado de Andorra, que está a assinalar 25 anos de atividade cultural. Já para 27 de agosto está prevista a reabertura da Sala do Ouro do Museu do Traje, que está a ser alvo de obras de remodelação.

O Museu do Traje, cujo catálogo foi agora lançado, está integrado na Rede Portuguesa de Museus desde 2004 e localiza-se no centro histórico da cidade, na Praça da República, estando instalado num edifício construído entre 1954 e 1958, com características arquitetónicas do “Estado Novo”, onde funcionou até 1996 a delegação nesta cidade do Banco de Portugal.

A criação de um Museu dedicado à etnografia vianense - e muito particularmente ao Traje – onde se pudesse mostrar o arrojo e a criatividade das raparigas da região foi, desde muito cedo, uma aspiração dos vianenses e por ele lutaram nomes como Cláudio Basto, Abel Viana, Tenente-coronel Afonso do Paço, Manuel Couto Viana, Amadeu Costa, Benjamim Pereira, entre muitos outros.

Criado em 1997, o espaço assume a missão de estudar e divulgar a identidade e o património etnográfico vianense através do seu expoente máximo: o Traje à Vianesa.

O Museu iniciou em 2002 o processo de adesão à Rede Portuguesa de Museus, tendo sido certificado em 2004, o que lhe confere grandes responsabilidades no estudo, conservação e divulgação dos bens culturais. Foi em 2004 que o Museu apresentou a sua primeira exposição permanente, intitulada “A Lã e o Linho no traje do Alto Minho”, comissariada por Benjamim Pereira.

ABELO9421_gil.jpg

ABELO9456_carlota.jpg

ABELO9368_trajar.jpg

ABELO9378_trajar.jpg