Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

FEIRA DO LIVRO DE PONTE DA BARCA JÁ VAI A MEIO E PROMETE UM FIM DE SEMANA REPLETO DE ATIVIDADES

A XXX Feira do Livro de Ponte da Barca, organizada pelo Município de Ponte da Barca, já vai a meio e os visitantes têm desfrutado de uma programação diversificada desde a sua abertura oficial no dia 22 de maio, como horas de conto com ilustrações ao vivo, entrega de prémios de leitura, apresentações de livro e sarau de poesia.

Hoje, sexta-feira, o dia começou com a Hora do Conto com "O canto da Serra-mãe", de Estefânia Surreira, e ilustração de Dina Sachse. De tarde, o livro "7 Vidas" foi apresentado por Pedro Seromenho e ilustrado por Carlo Giovani.

A noite reserva uma performance imperdível intitulada "Metafisicamente d'outro Mundo" pelo Poeta da Cidade, que promete combinar música e poesia de forma transcendente, às 21:30h.

O que esperar para o Fim de Semana

Com a previsão de sol e calor, o fim de semana é ideal para uma visita em família à Feira do Livro. No sábado, às 11:00h, haverá a apresentação do livro "Pequenos Gestos, Grandes Diferenças" de Mónica Mota Lopes. À noite, às 21:30h, Catarina Barbosa realizará uma sessão de leitura dinâmica para crianças e adultos.

O evento, que encerra no domingo, conta pela manhã com uma sessão de "Yogar com histórias", conduzida pela instrutora Manuela Fernandes, às 11:00h.

Com horário de funcionamento das 10:00h às 22:30h, a Feira do Livro de Ponte da Barca continua a ser uma excelente oportunidade para celebrar a literatura e a arte, oferecendo atividades para todos os gostos e idades.

ARCOS DE VALDEVEZ APRESENTA O LIVRO “PEQUENOS GESTOS, GRANDES DIFERENÇAS” DE MÓNICA LOPES – 25 DE MAIO

Apresentação do livro “Pequenos Gestos, Grandes Diferenças”, de Mónica Mota Lopes, na Casa das Artes/Biblioteca Municipal

No próximo dia 25 de maio, pelas 16h00, Mónica Mota Lopes apresentará o seu primeiro livro "Pequenos Gestos, Grandes Diferenças", que contou com o apoio do Município de Arcos de Valdevez, na Casa das Artes/Biblioteca Municipal. Trata-se de um livro infantil inspirado em temas atuais e importantes na formação de cada um de nós, que nos mostra que todos somos capazes de mudar o mundo, a sociedade ou a comunidade, através do nosso exemplo pessoal.

A apresentação estará a cargo de Luís Miguel Loureiro, (doutorado em Ciências da Comunicação e ex-jornalista da RTP) e contará ainda com uma leitura encenada com coreografia de movimentos por um grupo de jovens do MinC - Associação Movimento Incriativo.

pequenos gestos.png

COMEÇA AMANHÃ A 30ª FEIRA DO LIVRO DE PONTE DA BARCA

  • De 22 a 26 de maio, com entrada gratuita, a Praça da República será o centro de atividades literárias e artísticas
  • Das 10h às 22h30, a 30ª Feira do Livro de Ponte da Barca será recheada de descobertas, aprendizagem e celebração da cultura e da literatura

De 22 a 26 de maio, na Praça da República, o Município de Ponte da Barca organiza a 30ª Feira do Livro, um evento anual com atividades literárias e artísticas. São 5 dias repletos de descobertas, aprendizagem e celebrações da cultura e literatura.

Com horas do conto com ilustração ao vivo, entregas de prémios, saraus de poesia e, ainda, uma sessão de ‘Yogar com histórias’, onde a magia da literatura se une com a tranquilidade do Yoga, a programação será diversificada e promete atrair pessoas de todas as idades.

Amanhã, dia 22 de maio, a feira tem início às 10h, com uma Hora do Conto com Ilustração ao Vivo do livro "Chegou D. Reinaldo Pimpão e acabou-se a confusão!", de Carlos N. Granja com o ilustrador Sebastião Peixoto, seguindo-se da entrega dos Prémios do Concurso de Leitura, que reconhece o esforço e talento dos alunos do Agrupamento de Escolas de Ponte da Barca. À tarde, pelas 14h30, haverá outra Hora do Conto com Ilustração ao Vivo sobre o Livro "SIM!", de Flávia Barbosa, com ilustradora Zita Pinto, terminando o dia com a apresentação do livro "25 Mulheres", às 21h, de Raquel Costa, uma viagem à sociedade portuguesa do início dos anos 70 e espelha as contradições da condição feminina, muitas delas ainda atuais.

Na quinta-feira, dia 23, as atividades são para os jovens de Ponte da Barca, com um Dia Aberto das Atividades de Enriquecimento Curricular, a partir das 16h, onde turmas do 1º ciclo apresentam as suas criações e preparam ateliers lúdicos para os visitantes da Feira. Às 21h, celebrando-se a expressão artística, alunos, pais e professores dão vida às palavras, num Sarau de Poesia.

No dia 24, destacam-se duas horas do conto com ilustração ao vivo: às 10h, apresentando-se "O canto da Serra-mãe", da escritora Estefânia Surreira, com a ilustradora Dina Sachse; e, às 15h, "7 Vidas", com o autor Pedro Seromenho e o ilustrador Carlo Giovani. À noite, pelas 21h, tem lugar uma performance única: "Metafisicamente d'outro Mundo", por Poeta da Cidade. Nesta última, a música alia-se à palavra, numa criação atmosférica transcendente, com Wake Up Sleep (Cláudio Martins), com a materialização da forma literária que nasce do livro de poesia homónimo de Poeta da Cidade, questionando-nos sobre o que é um amor metafísico e como o sentimos.

Já no sábado, dia 25, de manhã, tem lugar a apresentação do livro "Pequenos Gestos, Grandes Diferenças" de Mónica Mota Lopes, onde se destaca a importância dos gestos simples e do respeito pelas diferenças. Às 21h30 haverá leitura, por Catarina Barbosa, destinada a crianças e adultos, com uma atividade dinâmica e envolvente.

A feira termina no domingo, dia 26 de maio, tendo a sua última atividade às 11h, com uma sessão de "Yogar com histórias", onde a instrutora Manuela Fernandes promete uma experiência única, que une a magia da literatura com a serenidade do Yoga.

De 22 a 26 de maio, das 10h às 22h30, a 30ª Feira do Livro de Ponte da Barca promete cinco dias repletos de descobertas, aprendizagem e celebração da cultura e da literatura.

Programa completo aqui

Município de Ponte da Barca_Feira do Livro 2024.jpg

FEIRA DO LIVRO DE VIEIRA DO MINHO ABRE HOJE AS PORTAS AO PÚBLICO

Começa hoje a Feira do Livro de Vieira do Minho, que promete uma semana repleta de atividades literárias na praça Dr. Guilherme de Abreu. A programação de abertura inclui duas apresentações literárias, que são elas “ A raiz da Família” e “ O meu 25 de Abril”.

Pela manhã, os alunos da Escola Básica de Guilhofrei terão a oportunidade de participar na apresentação do livro "A Raiz da Família" de João Martins. Esta sessão especial visa incentivar a leitura entre os jovens e proporcionar um encontro direto com o autor.

À tarde, pelas 15h30, será a vez do lançamento do livro "O Meu 25 de Abril", uma coletânea de 380 páginas que reúne memórias, recordações, análises e crónicas sobre a Revolução dos Cravos. Entre os 36 autores, destaca-se o Tenente Coronel Manuel Pinto da Costa, presidente da Assembleia Municipal de Vieira do Minho. O evento contará ainda com a presença do Coronel Andrade da Silva, presidente da Associação Salgueiro Maia, que enriquecerá a sessão com suas perspetivas sobre o impacto histórico do 25 de Abril.

A feira, que se estende até o dia 23 de maio, oferece ao público uma vasta gama de livros, sessões de autógrafos e diversas atividades culturais. É uma oportunidade imperdível para os amantes da literatura e para aqueles que desejam se aprofundar na rica herança cultural de Portugal.

Neste sentido, convidamos o vosso prezado Órgão de Comunicação Social a estar presente em Reportagem hoje pelas 15h30.

443711315_761583922758598_6140306491260853980_n.jpg

HISTORIADOR FAFENSE DANIEL BASTOS APRESSENTOU EM VIGO LIVRO SOBRE MEMÓRICAS DA DITADURA PORTUGUESA

Foi ontem apresentado em Vigo o livro “Memórias da Ditadura – Sociedade, Emigração e Resistência”.

A obra, concebida pelo historiador Daniel Bastos a partir do espólio fotográfico inédito de Fernando Mariano Cardeira, antigo oposicionista, militar desertor, emigrante e exilado político, foi apresentada no Camões - Centro Cultural Português em Vigo.

2 (6).jpg

Mesa da sessão de apresentação em Vigo do livro “Memórias da Ditadura – Sociedade, Emigração e Resistência” (Da esq. para dir.: o historiador Daniel Bastos, acompanhado do mestre-pintor Orlando Pompeu, e do tradutor Paulo Teixeira)

A sessão de apresentação, que contou com a presença de participantes da Galiza e do Norte de Portugal, esteve a cargo de Orlando Pompeu, um dos mais consagrados artistas plásticos portugueses da atualidade, que destacou os laços culturais entras as comunidades transfronteiriças. E a importância da Revolução de Abril na instituição da liberdade de expressão, na vivência da cultura e na valorização da criação artística.

Refira-se que neste novo livro, uma edição bilingue (português e inglês) com tradução de Paulo Teixeira e prefácio do investigador José Pacheco Pereira, realizada com o apoio institucional da Comissão Comemorativa 50 anos 25 de Abril, Daniel Bastos revela o espólio singular de Fernando Mariano Cardeira, cuja lente humanista e militante teve o condão de captar fotografias marcantes para o conhecimento da sociedade, emigração e resistência à ditadura nos anos 60 e 70.

Através das memórias visuais do antigo oposicionista, assentes num conjunto de centena e meia de imagens, são abordados, desde logo, as primeiras manifestações do Maio de 1968 em Paris, acontecimento icónico onde o fotógrafo engajado consolidou a sua consciência cívica e política. E, com particular incidência, o quotidiano de pobreza e miséria em Lisboa, a efervescência do movimento estudantil português, o embarque de tropas para o Ultramar, os caminhos da deserção, da emigração “a salto” e do exílio, uma estratégia seguida por milhares de portugueses em demanda de melhores condições de vida e para escapar à Guerra Colonial nos anos 60 e 70.

Em plena celebração de meio século de liberdade em Portugal, a apresentação deste livro em Vigo, assumiu-se como um reconhecimento dos laços históricos, territoriais, culturais e linguísticos entre a Galiza e o Norte de Portugal. Assim, como uma iniciativa simbólica para revisitar os países ibéricos como eram há 50 anos, e apreender a influência da Revolução de Abril no processo de transição para a democracia em Espanha. 

Refira-se que a sessão de apresentação no Camões - Centro Cultural Português em Vigo, organismo que tem como objetivo central levar a cultura portuguesa a toda a Galiza, incluiu uma prova de vinho verde, promovida pelos Vinhos Norte, um dos maiores produtores nacionais de vinho verde que procura aliar a tradição de fazer vinho com a inovação no sector.

3 (8).jpg

4 (6).jpg

HISTORIADOR FAFENSE DANIEL BASTOS REVIVE EM TORONTO MEMÓRIAS DA DITADURA REVISITADAS NA COMUNIDADE PORTUGUESA

Daniel Bastos.jpg

No próximo dia 1 de junho (sábado), é apresentada em Toronto a obra “Memórias da Ditadura – Sociedade, Emigração e Resistência”.

O livro, concebido pelo historiador Daniel Bastos a partir do espólio fotográfico inédito de Fernando Mariano Cardeira, antigo oposicionista, militar desertor, emigrante e exilado político, é apresentado, às 10h00, na Peach Gallery em Toronto.

Neste novo livro, uma edição bilingue (português e inglês) com tradução de Paulo Teixeira, e prefácio do historiador e investigador José Pacheco Pereira, realizada com o apoio institucional da Comissão Comemorativa 50 anos 25 de Abril, Daniel Bastos revela o espólio singular de Fernando Mariano Cardeira, cuja lente humanista e militante teve o condão de captar fotografias marcantes para o conhecimento da sociedade, emigração e resistência à ditadura nos anos 60 e 70.

Através das memórias visuais do antigo oposicionista, assentes num conjunto de centena e meia de imagens, são abordados com particular incidência, o quotidiano de pobreza e miséria em Lisboa, a efervescência do movimento estudantil português, o embarque de tropas para o Ultramar, os caminhos da deserção, da emigração “a salto” e do exílio, uma estratégia seguida por milhares de portugueses em demanda de melhores condições de vida e para escapar à Guerra Colonial nos anos 60 e 70.

Em plena celebração de meio século de liberdade em Portugal, e no início das comemorações da Semana de Portugal em Toronto, a Peach Gallery, localizada na 722 College Street, um dos espaços culturais de referência da comunidade luso-canadiana, após a apresentação do livro, exibirá estreia de documentário “África, como eu a vi”, realizado e produzido por Paul Fajardo, através dos testemunhos de antigos combatentes do Ultramar.

Neste sentido, esta iniciativa cultural no âmago da comunidade portuguesa em Toronto, metrópole onde vive a maioria dos mais de 500 mil portugueses e lusodescendentes presentes no Canadá, constitui um reconhecimento do contributo e papel inestimável da comunidade luso-canadiana ao longo dos anos no engrandecimento dos valores da liberdade e da portugalidade. 

Refira-se que a edição da obra se deveu em grande parte ao mecenato de empresas que partilham uma visão de responsabilidade social e um papel de apoio à cultura, em particular, do grupo empresarial do comendador luso-canadiano Manuel DaCosta, um dos mais ativos e beneméritos empresários portugueses em Toronto. Sendo que a totalidade das receitas da venda dos livros na sessão aberta à comunidade, reverte a favor da Magellan Community Foundation, uma instituição responsável pela construção em Toronto, do primeiro lar de cuidados a longo termo para idosos de expressão portuguesa.

Capa Memorias da Ditadura.jpg

Contracapa Memorias da Ditadura.jpg

PÓVOA DE LANHOSO APRESENTA CAMINHO PORTUGUÊS DE SANTIAGO

A Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso promove a apresentação do Caminho Português de Santiago de Leon de Rosmithal, em sessão que vai decorrer na próxima sexta-feira, 17 de maio de 2024, no Theatro Club, com os seguintes momentos:

21h30 – Apresentação do Caminho Português de Santiago de Leon de Rosmithal

22h30 – Apresentação do livro “282 - O último caminho será sempre o primeiro” de Luís Ferreira

17 de maio.jpg

FEIRA DO LIVRO DE PONT E DA BARCA TRAZ SEMANA DE LITERATURA E CULTURA

O Município de Ponte da Barca vai promover a XXX Feira do Livro, um evento anual que promete encantar os amantes da literatura e da cultura. Com a abertura oficial marcada para o dia 22 de maio, quarta-feira, às 10h, a Praça da República vai ser o centro de atividades literárias e artísticas até ao dia 26 de maio.

A programação diversificada da feira promete atrair pessoas de todas as idades e gostos. O dia de abertura começa com a Hora do Conto com Ilustração ao Vivo sobre o livro "Chegou D. Reinaldo Pimpão e acabou-se a confusão!", do escritor Carlos N. Granja, com o ilustrador Sebastião Peixoto, às 10:00h. Em seguida, às 10:45h, terá lugar a entrega dos Prémios do Concurso de Leitura, reconhecendo o esforço e talento dos alunos do Agrupamento de Escolas de Ponte da Barca. À tarde, às 14:30h, teremos outra Hora do Conto com Ilustração ao Vivo sobre o Livro "SIM!", de Flávia Barbosa, com a ilustradora Zita Pinto.

O dia encerra com a apresentação do livro "25 Mulheres", de Raquel Costa, às 21:00h, uma obra que nos propõe uma viagem à sociedade portuguesa do início dos anos 70 e espelha as contradições da condição feminina, com as quais ainda nos debatemos hoje.

No dia 23 de maio, quinta-feira, as atividades voltam-se para os jovens estudantes de Ponte da Barca. A partir das 16:00h haverá um Dia Aberto das Atividades de Enriquecimento Curricular, onde turmas do 1º ciclo apresentarão as suas criações e ateliers lúdicos para os visitantes da Feira. Às 21:00h, um Sarau de Poesia dará vida às palavras, com alunos, pais e professores a celebrar esta expressão artística.

No dia seguinte, 24 de maio, sexta-feira, destaca-se a Hora do Conto com Ilustração ao Vivo sobre o livro "O canto da Serra-mãe", da escritora Estefânia Surreira, com a ilustradora Dina Sachse, às 10:00h.

Logo após, às 15:00h, acontecerá a Hora do Conto com Ilustração ao Vivo sobre o livro "7 Vidas", com o autor Pedro Seromenho e com o ilustrador Carlo Giovani.

À noite, às 21:30h, uma performance única intitulada "Metafisicamente d'outro Mundo", apresentada pelo Poeta da Cidade, promete mesclar música e poesia de forma transcendente, explorando os mistérios do amor e da existência.

O sábado, 25 de maio, reserva o dia para a apresentação do livro "Pequenos Gestos, Grandes Diferenças", de Mónica Mota Lopes, às 11:00h. À noite, às 21:30h, haverá a Leitura para crianças, também aconselhada para adultos e vice-versa, por Catarina Barbosa, uma atividade dinâmica e envolvente que promete agradar a todos os públicos.

A feira encerrará as suas atividades no domingo, 26 de maio, com uma sessão de "Yogar com histórias", sob a orientação da instrutora Manuela Fernandes, às 11:00h.

Com horário de funcionamento das 10h às 22h30, a XXX Feira do Livro de Ponte da Barca promete ser uma semana de descobertas, aprendizagem e celebração da cultura e da literatura em todas as suas formas.

CÂMARA DE VIZELA PROMOVE FEIRA DO LIVRO DE 15 A 19 DE MAIO

Entre os dias 15 e 19 de maio, a Câmara Municipal de Vizela vai promover a Feira do Livro de Vizela, na Praça do Município/Fórum Vizela e no Auditório Municipal Francisco Ferreira.

O evento, de entrada gratuita, vai reunir centenas de livros de diversas editoras. Serão cinco dias recheados de espetáculos infantis, contos, oficinas infantis e muito mais e por onde vão passar cerca de 3000 alunos distribuídos pelas várias atividades que decorrerão durante os cinco dias de Feira.

Visite a Feira do Livro de Vizela!

cartaz feira livro 2024.jpg

MONÇÃO APRESENTA O LIVRO “HÓSTIA” DE DIOGO ESTEVES

17 de maio, sexta-feira, 21h30, Biblioteca Municipal de Monção

Uma história que expõe as profundezas sombrias da alma humana e os caminhos tortuosos que podem ser trilhados em busca de uma redenção incerta

Nesta narrativa intensa e crua, acompanhamos a jornada de um jovem na sua busca por sensações extremas e fugas da realidade. Imerso num mundo de marginalidade e autodestruição, ele enfrenta os demónios internos enquanto se entrega ao vício e à busca por prazeres efémeros.

livro_hostia copy.jpg

ESPOSENDE: APRESENTADO LIVRO/CATÁLOGO “HÁ FESTA EM BELINHO”

_DSC1148.jpg

Publicação retrata Procissão do Senhor aos Enfermos e Peregrinação Arciprestal a Nossa Senhora da Guia

A uma semana da realização da Peregrinação Arciprestal a Nossa Senhora da Guia, a Paróquia de Belinho acolheu, no Centro Paroquial, a sessão de apresentação do Livro/Catálogo “Há Festa em Belinho”, uma edição da Câmara Municipal de Esposende, que resulta de uma candidatura ao programa “Amar o Minho” - Minho Inovação PROVERE - Aldeias de Portugal - “Há festa em Belinho”, do Portugal 2020.

Da autoria do investigador Álvaro Campelo, a publicação constitui um registo, histórico e atual, da Procissão do Senhor aos Enfermos e da Peregrinação Arciprestal a Nossa Senhora da Guia, uma edição que se enquadra no amplo trabalho que o Município de Esposende tem vindo a desenvolver com vista à preservação e valorização do património imaterial do concelho. O Presidente da Câmara Municipal, Benjamim Pereira, que se fez acompanhar da Vereadora da Cultura, Alexandra Roeger, salientou o papel determinante do Município na missão de identificar, registar, valorizar e “dar escala” às tradições de cada freguesia, preservando o património imaterial concelhio. Sublinhou que esta função deve ombrear com a concretização de projetos e de obras, assumindo igual importância, na medida em que está em causa a identidade de um povo. Destacando a proximidade à fé das gentes de Belinho, que se encontra refletida nesta publicação, Benjamim Pereira enalteceu o empenho e determinação da comunidade em manter vivas as suas tradições. Agradeceu ao autor Álvaro Campelo pelo aturado trabalho desenvolvido e o contributo de todos quantos colaboraram nesta edição.

O autarca afirmou que tem sido uma constante a atuação do Município na preservação do património do concelho, apontando, a título de exemplo, a edição do “Roteiro do Património Cultural Religioso”, o trabalho desenvolvido em torno do Banho Santo de S. Bartolomeu do Mar, com vista à sua classificação como Património Cultural Imaterial, a criação do Museu do Sargaço e do Centro Interpretativo do Junco de Forjães, referindo também o Centro Interpretativo de S. Lourenço e o projeto do Parque Temático dos Moinhos da Abelheira. Referiu, ainda, a dinâmica do Museu Municipal, o investimento permanente em Arte na Rua, bem como na requalificação da Biblioteca Municipal e na criação do Arquivo Municipal. Afiançando que esta aposta e estratégia é para manter, o Presidente da Câmara Municipal adiantou que está em perspetiva a criação da Casa-Museu do escritor Manuel de Boaventura e assumiu o compromisso de dar visibilidade à arte de trabalhar a pedra, que tanta expressão tem no concelho, nomeadamente em Belinho.

“Somos muito ricos do ponto de vista cultural”, vincou, notando que o concelho pode beneficiar em termos turísticos desta riqueza cultural, diferenciadora de outros territórios.

Na apresentação do Livro/Catálogo “Há Festa em Belinho”, Álvaro Campelo debruçou-se sobre estas duas manifestações de fé. Sublinhou que, na Procissão do Senhor aos Enfermos, “a comunidade de Belinho está dentro dos problemas do mundo” ao refletir as problemáticas que o ameaçam, e referiu que a Peregrinação Arciprestal a Nossa Senhora da Guia configura uma analogia com o percurso vivencial dos cristãos. O investigador saudou a entrega, dedicação e a vivência da comunidade de Belinho em torno destas manifestações, sublinhando a envolvência dos mais jovens, “testemunho da passagem de uma herança patrimonial às novas gerações”.

Deu nota de que há ainda trabalho a desenvolver para a classificação da Procissão do Senhor aos Enfermos a Património Cultural Imaterial, nomeadamente no que se refere à sustentabilidade dos materiais usados. Concluiu a sua intervenção, exortando a comunidade a manter o mundo no centro destas manifestações de cultura e de fé.

Partilhando deste posicionamento, o Pároco de Belinho, Padre José Manuel Ledo, realçou o testemunho que é passado às novas gerações, saudando, assim, a edição de uma publicação que perpetua as tradições e as devoções das gentes de Belinho. Expressou, por isso, agradecimentos a todos quantos tornaram possível a edição deste Livro/Catálogo, no que foi secundado pelo Presidente da Junta da União das Freguesias de Belinho e Mar, Manuel Abreu, que realçou a importância desta publicação e o contributo do Municipio para a preservação da cultura e das tradições das suas freguesias.

Manifestações de fé

A Procissão do Senhor aos Enfermos, com praticamente um século de existência, é uma verdadeira desmonstração do brio e do trabalho do povo de Belinho. Todos os anos, no Domingo de Pascoela, as ruas da freguesia ficam cobertas por tapetes decorativos, arcos festivos, empanadas e centros, cuja arte e beleza é do melhor que se pode encontrar pela região do Minho. Por entre performances teatrais religiosas e fogo de artifício, o centro é a visita às casas, para se dar lugar à bênção dos mais velhos e a quem tem dificuldades de saúde. Já a Peregrinação Arciprestal a Nossa Senhora da Guia, mais recente, mas em claro crescimento, ocorrendo no mês de maio, é uma demonstração da fé do povo do concelho de Esposende, que reúne todas as paróquias numa procissão que sobe o Monte da Guia até chegar ao Santuário de Nossa Senhora da Guia.

_DSC1006.jpg

_DSC1026.jpg

_DSC1032.jpg

_DSC1060.jpg

_DSC1069.jpg

_DSC1086.jpg

_DSC1105.jpg

_DSC1111.jpg

JERÓNIMO DE SOUSA EM FAMALICÃO NA APRESENTAÇÃO DO SEU LIVRO SOBRE O 25 DE ABRIL

apresentação_02.jpg

Livro “25 de Abril: uma Revolução em Perspectiva” apresentado em Riba de Ave – Vila Nova de Famalicão com a presença de Jerónimo de Sousa

O espaço foi pequeno para acolher todos aqueles que quiseram assistir no Teatro Narciso Ferreira, na freguesia de Riba de Ave, em Vila Nova de Famalicão, à apresentação pública do livro “25 de Abril: uma Revolução em Perspectiva”, das Edições “Avante!”, inserido na iniciativa Roteiro do Livro Insubmisso, que continua a percorrer a região de Braga com a apresentação de diversas obras que nos falam da resistência ao fascismo, da Revolução de Abril, da luta do PCP e das mudanças do mundo em que vivemos.

A mesa da iniciativa foi composta por Jerónimo de Sousa, Rui Mota e Artur Sá da Costa

A moderação coube a Artur Sá da Costa, investigador da história local de Vila Nova de Famalicão, que recordou episódios das lutas travadas no concelho na oposição à ditadura fascista.

Rui Mota, das Edições “Avante!”, afirmou que “o livro reflete sobre essa experiência maior da nossa história colectiva não com sacarina nostalgia mas com tudo o que ela carrega de ensinamentos que se projectam no futuro”. Acrescentou que se trata de uma antologia de artigos publicados na revista O Militante ao longo dos anos, que se encontra organizada em 3 partes: uma sobre os aspectos gerais da Revolução, no fundo os ensinamentos universais da experiência revolucionária; uma segunda parte que, partindo dos principais momentos da revolução, e passando pelas grandes conquistas de Abril e pela forte resistência popular à contra-revolução, aborda as mais diversas dimensões da nossa vida colectiva; e por último, uma terceira parte, cujos depoimentos pessoais que, no seu conjunto, nos fazem perceber como há “dias que se tingem de vermelho com risos e palavras inauditas”, como anuncia o poema de João Pedro Mésseder”.

Jerónimo de Sousa, um dos autores dos artigos do livro, considerou que este livro  é “uma importante contribuição que, nestes tempos de comemoração do cinquentenário da Revolução de Abril, é de uma enorme utilidade, não apenas para aqueles que desejam aprofundar com verdade o conhecimento sobre a Revolução de Abril, mas para todos aqueles que assumindo a defesa da actualidade dos seus valores os tomam como referência para a construção de um Portugal de progresso e de futuro e não desarmam, nem abdicam, tal como nós, da defesa das suas conquistas e as assumem como ponto de partida para novos avanços, visando uma sociedade mais justa e mais fraterna”.

O membro do Comité Central do PCP referiu também que é “um livro importante para intervir no imediato e no combate político que aí está e que precisa da atenção e intervenção dos democratas e patriotas de Abril. Um combate, onde a mentira, a mistificação, o contrabando ideológico está presente, quer pela mão das diversas forças políticas da direita e da social-democracia, quer pela mão de uma certa historiografia, claramente parcial. Eles têm um claro objectivo: desmoralizar e abalar a confiança nas forças do progresso que a realizaram, diabolizando-as e desvalorizar as suas conquistas e os seus valores, visando particularmente os milhões de portugueses que, nascidos depois de Abril de 1974, não viveram a Revolução”.

Observando a situação actual, Jerónimo de Sousa afirmou que “o que é preciso é valorizar quem trabalha, quem produz a riqueza, quem põe o País e a economia a funcionar, quem trabalhou uma vida inteira. O governo PSD/CDS vai ensaiando uma estratégia de vitimização ao mesmo tempo que procura justificações para não cumprir com as promessas que fez a diversos sectores de trabalhadores, as propostas avançadas às forças de segurança e aos professores, são um exemplo disso mesmo. A luta será, como sempre foi, o factor determinante para condicionar a política do Governo. Também o reforço da influência do PCP e da CDU são não só necessários como insubstituíveis para a alternativa política que precisamos para que se cumpra Abril. E, não menosprezando dificuldades, é com grande confiança e determinação que encaramos as batalhas que temos pela frente, as múltiplas lutas, o combate à política de direita, os actos eleitorais, nomeadamente para o Parlamento Europeu”.

A iniciativa proporcionou um debate entre as pessoas que assistiam e os membros da mesa, no qual foram lembrados nomes de destacados anti-fascistas e democratas de Famalicão e onde ficou bem patente a importância de defender Abril, as suas conquistas e valores.

Roteiro seguirá em Junho para Esposende, com a apresentação do  livro "Apontamentos sobre os Ataques Terroristas contra o PCP e os Comunistas no Alto Minho 1975/1976”.

apresentação_0.jpg

apresentação_1.jpg

apresentação_2.jpg

apresentação_3.jpg

apresentação_4.jpg

apresentação_5.jpg

apresentação_6.jpg

apresentação_7.jpg

apresentação_8.jpg

AMARES APRESENTA O LIVRO “OLHAR DE PECADO” DE SUSANA OLIVEIRA

Apresentação do livro "Olhar de Pecado" de Susana Oliveira [11 maio I 15h30]

"Havia algo nele demasiado chamativo e que me tornava incapaz de enfrentar qualquer vontade de ignorá-lo.

Não que me tivesse apaixonado naquele momento, até porque Ákos Herczku não fazia parte nem dos meus planos

e menos ainda do tipo de homem que ativava as minha hormonas, porém ele tinha algo.

Despertava a minha curiosidade, a minha raiva, a minha libido, e era incapaz de resistir ao seu chamamento."

image002 (1).jpg

AMARES APRESENTA O LIVRO “O ÚLTIMO ENFORCADO EM BRAGA”

10 maio I 21h30 I Biblioteca Municipal Francisco de Sá de Miranda

"O estudo de "O Último Enforcado em Braga..." é um excelente exemplo que o seu autor,

o Dr. António Ferreira Afonso, nos oferece, a partir de um pequeno episódio relatado na

segunda parte de "O Demónio do Ouro", confirmando a sua essência, o que felicitamos

vivamente no ensejo de que a sua audácia possa frutificar e ser replicada." (Frederico de Oliveira Castro)

Apresentação: Sérgio Guimarães de Sousa (Diretor do Centro de Estudos Mirandinos e do Centro de Estudos Camilianos)

image001 (12).jpg