Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

VIEIRA DO MINHO REALIZA FEIRA DO LIVRO

Os Livros estão de Regresso à Praça do Município

É já esta quarta-feira, dia 23 de Maio, que a Feira do Livro de Vieira do Minho abre portas ao público. O certame inicia, no dia 23 e prolonga-se até ao dia 27 de Maio, na Praça do Município.

33613893_1178407938967702_2358986439158398976_n.jpg

Além de muitas novidades bibliográficas para crianças e adultos, a Feira apresenta um programa cultural variado, com destaque para as oficinas literárias, encontros com contadores de histórias e escritores, ateliers livres, apresentação de livros, entrega de prémios aos melhores leitores de 2019 e a atuação da Tuna Masculina da CESPO – Famalicão.

Esta iniciativa do Município de Vieira do Minho contempla atividades de excelência, como conversas com autores, apresentações, lançamentos de livros e sessões de autógrafos, e assume-se  como um verdadeiro convite à leitura.

De salientar que este certame tem por objectivo contribuir para estimular e intensificar a curiosidade e o gosto pela leitura, quer no público infanto-juvenil, quer no público adulto.

Até à próxima segunda-feira, há livros, histórias, momentos musicais e outras atividades a não perder.

MONÇÃO APRESENTA LIVRO E INAUGURA EXPOSIÇÃO COM “DESENHOS DE OBSERVAÇÃO” QUE MOSTRAM “UM ALTO MINHO BELÍSSIMO”

Durante 12 meses, 55 artistas e entusiastas do desenho passaram pelo Alto Minho, através de residências artísticas e encontros de sketching, para observar, sentir e registar, de forma espontânea, os principais recursos identitários da nossa região.

mmmaoaonnb (1).JPG

O resultado é uma coleção única de memórias e de momentos, evocados em cerca de 160 desenhos a cores ou a preto e branco, que deixam transparecer o que de melhor a região tem para oferecer: monumentos, paisagens, recantos pitorescos e pormenores que passam despercebidos.

A apresentação da publicação “Desenhos do Alto Minho: Sketching com história”, no Museu do Alvarinho, esteve a cargo de Eduardo Salavisa, coordenador do projeto. Falou do convite lançado pela CIM Alto Minho, do espírito momentâneo e criativo inseparável da atividade dos Urban Sketchers e de um conjunto de “desenhos de observação” que mostram um “Alto Minho belíssimo”.

O presidente do Conselho intermunicipal da CIM Alto Minho, José Maria Costa, focou-se na visa artística de uma publicação com inspiração artística que, acrescentou, permitirá aos residentes e forasteiros apreciar a beleza natural, patrimonial e humana da região, bem como alguns pormenores deliciosos que passam despercebidos no dia a dia.

Uma redescoberta de espaços na região do Alto Minho também sublinhada pelo autarca monçanense, António Barbosa, o qual destacou a interação com o público proporcionada pela iniciativa e a concertação estratégica dos dez municípios na concretização deste projeto.

Antonio Barbosa referiu que “é um orgulho ser minhoto e uma honra pertencer à CIM Alto Minho”, terminando com um agradecimento à organização: “Artistas de diferentes locais visitaram o nosso território e passaram para o papel aquilo que nos identifica. O resultado final é mais um contributo para a promoção da nossa região. Obrigado a todos que participaram no projeto”.

Após a apresentação do livro, realizou-se a abertura da exposição. No primeiro andar do Museu do Alvarinho, a história de um dos vinhos brancos mais afamados do mundo, articula-se, até 2 de junho, com os traços e as cores de um território com alma feito por gente autêntica.

Os Urban Sketchers são um coletivo de autores com mais de 800 membros que desenham as cidades onde vivem e os locais por onde viajam. Encontram-se regularmente para desenhar em grupo e estão associados em países de todo mundo.

mmmaoaonnb (2).JPG

mmmaoaonnb (3).JPG

mmmaoaonnb (4).JPG

mmmaoaonnb (5).JPG

26ª EDIÇÃO DA FEIRA DO LIVRO DE PONTE DA BARCA MARCADA PELA ADESÃO E DIVERSIDADE

Depois de uma intensa semana dedicada aos livros e à cultura, numa iniciativa por onde passaram diversas apresentações de obras e encontros com autores, a 26ª edição da Feira do Livro de Ponte da Barca ficou marcada pela evocação de um dos grandes vultos de Ponte da Barca, Frei Agostinho da Cruz, num sentimento de orgulho da história barquense aliado à novidade e à irreverência de novos autores e novas obras literárias. “

Capturarflivrbarc.PNG

“A Feira do Livro de Ponte da Barca é um grande evento cultural que vai além da compra e venda de livros, pois apostamos numa oferta diversificada, criando um espaço dedicado aos livros, à cultura, à pedagogia e ao lazer, o que tem contribuído para a afirmação deste evento como referência obrigatória”, salientou o Presidente da Câmara, Augusto Marinho.

O dia inaugural ficou marcado pela apresentação do Livro "Frei Agostinho da Cruz: Vida e Obra do Venerável Poeta", de Luís Arezes, iniciativa integrada no âmbito das Comemorações dos 400 anos da morte de Frei Agostinho da Cruz, que contou, ainda, com a colaboração da Associação "Os Canários de Bravães".

Outro dos momentos altos da edição deste ano aconteceu no sábado, aquando da apresentação do Documentário "Viver a Natureza em Ponte da Barca" produzido pelo Município de Ponte da Barca sobre a fauna e a flora do nosso Concelho, sendo um documentário único e pioneiro que mostra toda a força e beleza de um território que Miguel Torga designou como o “Portugal Nuclear, a Ibéria na sua pureza essencial...”

Durante a semana os visitantes tiveram oportunidade de participar na apresentação de várias obras, nomeadamente dos escritores João Tordo, Ana Bacalhau, José Viale Moutinho e Mariana Machado, certame que incluiu momentos com diversas atividades para aos mais jovens, destacando-se a entrega dos Prémios do Concurso de Leitura, que decorreu ao longo do ano entre os alunos do Agrupamento de Escolas de Ponte da Barca e da EPRALIMA.

Ao longo de toda a semana foram muitos os que visitaram a 26.ª Feira do Livro, atraídos quer pelas novidades literárias assim como pelos vários espetáculos culturais, numa adesão constante por parte dos barquenses e de quem visitou Ponte da Barca num fim-de-semana com uma agenda cultural preenchida, consolidando assim uma das maiores e mais conhecidas iniciativas culturais do Município de Ponte da Barca.

fairabarcccs (1).jpg

fairabarcccs (2).jpg

fairabarcccs (3).jpg

fairabarcccs (4).jpg

PONTE DA BARCA REALIZA FEIRA DO LIVRO

Feira do Livro de Ponte da Barca | Até 19 de maio na Casa da Cultura

Já vai a meio a 26ª edição da Feira do Livro de Ponte da Barca, iniciativa que abriu portas na passada quarta-feira com uma série de atividades lúdico-culturais que têm atraído muitos visitantes. Apresentação de obras, encontros com autores, entre outras decorrem desde o dia inaugural na Casa da Cultura, a par da comercialização de diversas obras literárias a preços muito atrativos.

Capturarflpb.PNG

Depois das apresentações da obra "Frei Agostinho da Cruz: Vida e Obra do Venerável Poeta",  de Luís Arezes, e “A Mulher que correu atrás

do Vento”, de João Tordo, destaca-se já para esta noite (21h00) a apresentação por Ana Bacalhau (voz do grupo Deolinda) do projeto “Desafiar Estereótipos”, que incita a questionar o porquê das imposições ou das condicionantes sociais que são apresentadas em função do género, e a projeção, no sábado, às 21h30, do documentário “Viver a Natureza em Ponte da Barca”, sobre a fauna e a flora no concelho de Ponte da Barca, produzido pelo Município de Ponte da Barca. O registo explora de forma minuciosa os recantos mais enigmáticos da Serra Amarela e do Rio Lima.

No domingo (15h), o espetáculo da academia de dança “Dance Fuel”, encerra as atividades do certame deste ano.

ESCOLAS DE VIZELELA PARTICIPAM NA FEIRA DO LIVRO

850 crianças das escolas do Concelho na abertura da Feira do Livro

Teve lugar esta manhã a abertura oficial da Feira do Livro de Vizela, na Praça do Município, que contou com a presença do Presidente da Câmara Municipal, do Presidente da Assembleia Municipal e da vereadora do Pelouro da Educação.

Feira Livro 2019-2.JPG

A abertura da feira esteve a cargo da Academia de Teatro Tin. Bra, que apresentou a peça de teatro “O Amor da Carochinha”, para 850 crianças das escolas básicas e jardins-de-infância do Concelho. A Academia de Teatro Tin. Bra. irá ainda apresentar a peça Divertida(mente) Saudáveis, no próximo dia 19 de maio, às 15.00h.

No âmbito da Feira do Livro, a Câmara Municipal vai este ano destacar os escritores vizelenses, com o objetivo de reforçar a identidade do evento, trazendo escritores de Vizela à Feira, homenageando e reconhecendo os escritores da terra.

Assim, a Autarquia vai efetuar uma homenagem póstuma ao escritor infiense, António Alves Pinto, amanhã, dia 18 de maio, às 18.00h. A noite de sábado será dedicada aos escritores vizelenses, Miguel Ribeiro, José Vizela e António Veiga, pelas 21.00h.

De destacar ainda a apresentação do livro e apresentação dos vencedores do concurso “Curtas Poéticas Vizela - Natureza”, no domingo, dia 19 de maio, às 16.00h.

O evento, de entrada gratuita, reúne centenas de livros de diversas editoras e prolonga-se até ao próximo domingo, dia 19 de maio. Serão três dias recheados de apresentações de livros, espetáculos infantis, contos, oficinas infantis e muito mais.

De realçar que a Câmara Municipal tem reforçado a aposta na Feira do Livro, nomeadamente na qualidade do espaço envolvente, assim como uma nova dinâmica, com a concretização de iniciativas paralelas ao evento.

Visite a Feira do Livro de Vizela!

DANIEL BASTOS VAI A BRUXELAS APRESENTAR A OBRA "GÉRALD BLONCOURT - DIAS DE LIBERDADE EM PORTUGAL"

Bruxelas recebe apresentação do livro “Geráld Bloncourt – Dias de Liberdade em Portugal”

No próximo dia 31 de maio (sexta-feira), é apresentado em Bruxelas o livro Gérald Bloncourt – Dias de Liberdade em Portugal”.

A obra, concebida pelo historiador português Daniel Bastos a partir do espólio de Gérald Bloncourt, um dos grandes nomes mundiais da fotografia humanista, recentemente falecido na capital francesa, é apresentada às 18h30 na livraria portuguesa em Bruxelas “La Petite Portugaise”.

1- O historiador Daniel Bastos  (esq.) e o fotógrafo Gérald Bloncourt.jpg

O historiador Daniel Bastos (esq.) foi em 2015 o responsável pela realização do livro de Gérald Bloncourt (dir.) “O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”, que retrata a emigração portuguesa nos anos 60 e 70, e que contou com prefácio do ensaísta e pensador Eduardo Lourenço.

 

A apresentação da obra, uma edição trilingue (português, francês e inglês) prefaciada pelo coronel Vasco Lourenço, presidente da Direção da Associação 25 de Abril, estará a cargo do deputado eleito pelo círculo da emigração na Europa, Paulo Pisco.

Neste novo livro, realizado com o apoio da Associação 25 de Abril, uma das instituições de referência do Portugal democrático, Daniel Bastos revela uma parte pouco conhecida do espólio de Gérald Bloncourt, afamado fotógrafo que imortalizou a emigração portuguesa nos anos 60 e 70, mas que foi também um espectador privilegiado da explosão de liberdade que tomou conta do país após a Revolução de 25 de Abril de 1974.

4- Contra-capa do livro (2).jpg

Através de imagens até aqui praticamente inéditas, o investigador cujo percurso tem sido alicerçado no seio da Lusofonia, aborda factos históricos que medeiam a Revolução dos Cravos e a celebração do Dia do Trabalhador na capital portuguesa. Designadamente, a chegada do histórico líder comunista Álvaro Cunhal ao Aeroporto de Lisboa, a emoção do reencontro de presos políticos e exilados com as suas famílias, o caráter pacífico e libertador da Revolução de Abril, e as celebrações efusivas do 1.º de Maio de 1974, a maior manifestação popular da história portuguesa.

A publicação do livro, que contou com a colaboração de Isabelle Repiton, viúva de Gérald Bloncourt, e é enriquecida com memórias e testemunhos do fotojornalista franco-haitiano, representa cerca de meio século após a Revolução de Abril um novo contributo e oportunidade para revisitar a génese da democracia portuguesa.

Segundo Vasco Lourenço, esta obra ilustrada pela lente humanista de Bloncourt, fotógrafo que em 2016 foi agraciado pelo Presidente República Portuguesa com a Ordem do Infante D. Henrique, constitui uma viagem ao “tempo dos sonhos cheios de esperança, da afirmação da cidadania, da construção de uma sociedade mais livre e mais justa, do fim e do regresso de uma guerra sem sentido com a ajuda ao nascimento de novos países independentes, onde a língua portuguesa continuou a ser o principal factor congregador”.

3 - Capa do livro (2).jpg

FEIRA DO LIVRO DE PONTE DA BARCA DE PORTAS ABERTAS ATÉ DOMINGO

A Feira do Livro de Ponte da Barca abriu hoje as portas, na Casa da Cultura. O certame, que decorre até 19 de maio, promete um universo de literatura aliado a um vasto programa cultural.

Capturarfeiralivbar.PNG

A abertura da Feira do Livro contou com a presença do Presidente da Câmara de Ponte da Barca, Augusto Marinho, assim como de outros elementos do Executivo Municipal.

João Tordo, Ana Bacalhau, José Viale Moutinho, Luís Arezes e Mariana Machado, são alguns dos nomes que vão estar presentes na Feira que vai contar, ainda, durante os cinco dias em que vai decorrer, com diversas atividades destinadas ao público infantil, a atuação da Academia “Dance Fuel” e a apresentação pública do documentário “Viver a Natureza em Ponte da Barca”.

Entrada gratuita em todos os eventos.

Programa detalhado AQUI

POETA ANTÓNIO CACHO APRESENTA LIVRO DE POESIA "CANTAR VALDEVEZ"

António Cacho apresentou livro de poesia “Cantar Valdevez”

No passado sábado a Casa das Artes abriu as suas portas para receber a apresentação de mais uma obra do arcuense António Cacho.

cantar valdevez antonio cacho.jpg

“Cantar Valdevez” é a sua 13ª publicação. O livro apresenta poesias sobre cada uma das freguesias do concelho, permitindo assim criar vários roteiros poéticos pelo território, dando a conhecer a história, património, tradições e usos e costumes de cada uma das localidades arcuenses.

O presidente da Câmara Municipal João Manuel Esteves esteve presente neste ato, onde enalteceu a obra de António Cacho e frisou que o mesmo é um exemplo e um incentivo para que outras pessoas também escrevam, representem, ou se dediquem a outras atividades culturais.

António Cacho começou a publicar a sua poesia em 1989, sendo considerado atualmente uma figura de relevo na poesia nacional. O autor nasceu no Brasil em 1927 e reside em Arcos de Valdevez. Exerceu advocacia durante mais de cinco décadas e foi igualmente Magistrado e professor do ensino secundário particular.

cantar valdevez antonio cacho2.jpg

cantar valdevez antonio cacho3.jpg

cantar valdevez antonio cacho4.jpg

FESTA DO LIVRO REGRESSA A CAMINHA DE 20 A 25 DE MAIO

Pátio da Biblioteca Municipal de Caminha acolhe iniciativa

De 20 a 25 de maio, o livro vai estar em destaque na Biblioteca Municipal de Caminha, com a promoção da III Festa do Livro. Venda de livros, leituras dramatizadas, animação de leitura, apresentação de livros, cinema, oficina de artes plásticas, apresentação de livros e animação musical, vão dar o mote a esta edição.

Biblioteca Municipal de Caminha.jpg

A III Festa do Livro é organizada pela Câmara Municipal de Caminha em parceria com o Agrupamento de Escolas Sidónio Pais e conta com o apoio da Academia Sénior de Caminha; Academia de Música Fernandes Fão; Livraria Bertrand; Locus Cinemae – Associação de Cinema de Caminha e Krisálida – Associação Cultural do Altominho.

Ao longo da semana, o pátio da Biblioteca Municipal de Caminha vai ‘transformar-se numa livraria’, onde estarão disponíveis para venda livros das diferentes áreas literárias.

Com um vasto programa, a animação nesta Festa do Livro está também garantida. A animação da leitura vai ser constante ao longo dos vários dias, cujo objetivo é chamar à atenção do público escolar, nomeadamente as crianças que frequentam o 1º ciclo, para a importância do livro e da leitura. “Era uma vez” e “Navegações de Sophia” dramatizadas pela Krisálida – Associação Cultural do Altominho; e “Árvore Livreira” pela Itinerante Enredo são as histórias que vão ser dramatizadas durante essa semana inteiramente dedicada à promoção do livro e da leitura.

Esta III edição abre com a apresentação do programa“Sketching com História no Alto Minho”, com Eduardo Salavisa, seguida de um concerto a cargo do Coro da Academia de Música Fernandes Fão.

Os dias vão ser marcados pela apresentação de livros. Destacam-se os livros “Guia Prático para Estudantes e Profissionais”, de Ana Guerreiro e “Caminhos de Santiago: Caminho Português através do Concelho de Caminha”, de Maria Aurora Botão Rego.

O Cinema estará também presente neste programa com a exibição dos filmes “Peregrinação”, de João Botelho e “Palavras de Sophia, de Richard Fleisher.

A III Festa do Livro encerra com a Tuna da Academia Sénior de Caminha.

INFORMAÇÃO ADICIONAL

Programa

Segunda 20

14H30

Abertura da III Festa do Livro de Caminha

Música & Livros & Exposição 25 de Abril

15H00

Apresentação do programa“Sketching com História no Alto Minho”, com Eduardo Salavisa

17H30

Coro da Academia de Música Fernandes Fão

Terça 21

09H45

Era Uma Vez – Teatro - Krisálida

10H45

Era Uma Vez – Teatro - Krisálida

14H00

A Arvore Livreira - Itinerante Enredo

Quarta 22

09H30

Música & Livros & Exposição 25 de Abril

14H00

PNC AESP - Cinema para Idosos: “Peregrinação” (João Botelho, PT, 2018, 105 m)

Quinta 23

09H45

Era Uma Vez – Teatro - Krisálida

10h45

Era Uma Vez – Teatro - Krisálida

14H00

A Árvore Livreira - Itinerante Enredo

15H45

Os Nossos Projetos de Leitura

Sexta 24

10H00

Navegações de Sophia - Krisálida

14H30

Ser Uma Escritora Jovem, com Catarina Oliveira — A propósito do livro "Um lobo nunca abandona a sua alcateia"

19H00

Apresentação do Livro" Guia Prático para Estudantes e Profissionais”, de Ana Guerreiro

21H30

Cinema “PALAVRAS DE SOPHIA”

Sábado 25

10H00

Oficina de Artes Plásticas - Alunos de artes da Escola Básica e Secundária Sidónio Pais

11H00

Apresentação do Livro “Caminhos de Santiago: Caminho Português através do Concelho de Caminha”, de Maria Aurora Botão Rego

12H30 – Encerramento da III Festa do Livro de Caminha

Atuação da Tuna da Academia Sénior

PONTE DA BARCA REALIZA FEIRA DO LIVRO

26ª Edição da Feira do Livro de Ponte da Barca. 15 a  19 de Maio, na Casa da Cultura

O concelho de Ponte da Barca recebe durante cinco dias (15 a 19 de maio) a 26ª Edição da Feira do Livro.

Capturarbarcafeiralivr.PNG

Trata-se de uma das mais antigas iniciativas culturais da vila que como já vem sendo hábito é pautada pela diversidade de atividades.

Encontros com autores, apresentação de obras, entrega de prémios, são alguns dos momentos que durante a semana por esta feira vão passar e da qual se destaca nomes como João Tordo, Ana Bacalhau, José Viale Moutinho, Luís Arezes e Mariana Machado, para além de diversas atividades destinadas ao público infantil, a atuação da Academia “Dance Fuel” e a apresentação pública do documentário “Viver a Natureza em Ponte da Barca”.

A 26ª Edição da Feira do Livro tem entrada livre em todos os eventos e vai decorrer na Casa da Cultura, em Ponte da Barca.

VIZELA REALIZA FEIRA DO LIVRO

Feira do Livro de Vizela

De 17 a 19 de maio, a Câmara Municipal de Vizela vai promover a Feira do Livro de Vizela, na Praça do Município.

cartaz FEIRA LIVRO.jpg

O evento, de entrada gratuita, vai reunir centenas de livros de diversas editoras e a abertura oficial está marcada para as 10.00h do dia 17 de maio.

A Câmara Municipal vai este ano destacar os escritores vizelenses, com o objetivo de reforçar a identidade do evento, trazendo escritores de Vizela à Feira, homenageando e reconhecendo os escritores da terra.

Assim, a Autarquia vai efetuar uma homenagem póstuma ao escritor infiense, António Alves Pinto, assim como uma noite dedicada aos escritores vizelenses, Miguel Ribeiro, José Vizela e António Veiga.

De destacar ainda a apresentação dos vencedores do concurso “Curtas Poéticas 2019”, no dia 19 de maio, às 16.00h.

Serão três dias recheados de apresentações de livros, espetáculos infantis, contos, oficinas infantis e muito mais.

Visite a Feira do Livro de Vizela!

“UM LIVRO, UMA CONVERSA E ÀS VEZES UM FILME” JUNTA EM CAMINHA JOÃO LUÍS BARRETO GUIMARÃES, MANUEL SOBRINHO SIMÕES E FRANCISCO JOSÉ VIEGAS

Sessão decorre sexta-feira, dia 10 de maio, pelas 18H30, na Biblioteca Municipal de Caminha

“Um livro, uma conversa e às vezes um filme” apresenta sexta-feira o livro“OTempo Avança por Sílabas”, de João Luis Barreto Guimarães, apresentado por Francisco José Viegas. A conversa será moderada por Manuel Sobrinho Simões.A sessão decorre na Biblioteca Municipal de Caminha, pelas 18H30.

Esta segunda edição de “Um livro, uma conversa e às vezes um filme” junta em Caminha nomes bem conhecidos dos caminhenses, e que de alguma forma têm fortes ligações ao concelho, como são os casos de João Luís Barreto Guimarães e Manuel Sobrinho Simões.Poeta e tradutor, João Luís Barreto Guimarães divide o seu tempo entre Leça da Palmeira e Venade. “OTempo Avança por Sílabas” reúne cem poemas selecionados pelo autor, dos dez livros que publicou até ao momento. O médico e investigador, Manuel Sobrinho Simões, etambém o moderador desta iniciativa, é visita assídua no concelho.

A decorrer nas Bibliotecas de Caminha e de Vila Praia de Âncora, “Um livro, uma conversa e às vezes um filme” ainda vai trazer ao concelho Álvaro Domingues, com o livro “A Rua da Estrada” e Alexandre Alves Costa e Graça Castanheira; Júlio Machado de Vaz com o livro “O Amor é: Para Memória Futura” e Francisco Guedes de Carvalho; Frei Bento Domingues com o livro “A Religião dos Portugueses” e Nuno Brandão Costa com o livro “São João de Deus” e Sérgio Fernández.

Esta iniciativa é organizada pelos Amigos da Rede de Bibliotecas de Caminha e pela Câmara Municipal de Caminha.

É de referir que os Amigos da Rede de Bibliotecas de Caminha (RBC)tornam-se leitores inscritos nas bibliotecas do concelho de Caminha. O estatuto de Amigo da RBC é formalizado através do preenchimento de um formulário, (com os dados biográficos essenciais e contactos) e da oferta de um livro que reverterá para a coleção da Biblioteca Municipal.A participação no grupo de Amigos da RBC é voluntária, exclui qualquer compensação e cessará no momento em que o Amigo assim o desejar. Através da sua ação, os Amigos RBC pretendem contribuir, de modo particular, para o desenvolvimento das competências e serviços das mesmas e, genericamente, para o progresso cultural da comunidade que estas servem.

DAVID RODRIGUES APRESENTA "TROFÉUS DE CAÇA" EM PONTE DE LIMA

David Rodrigues apresenta “Troféus de Caça” em Ponte de Lima

A narrativa ficcional “Troféus de Caça”, com prefácio do escritor João de Melo, reeditado pela Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto (AJHLP), será publicamente apresentado, no dia 10 de maio, às 21h30, na Biblioteca Municipal de Ponte de Lima (BMPL). A apresentação desta obra estará a cargo de Cláudio Lima.

Livro _ Apresentação_.png

A par da apresentação do livro, realizar-se-á, no mesmo dia, a inauguração da Exposição fotográfica A ILHA DE MOÇAMBIQUE: Património Mundial da Humanidade, do Arquiteto José Manuel Pinto de Oliveira Martins, residente em mato, Ponte de Lima.

Esta exposição ficará patente no auditório da Biblioteca Municipal de 10 a 30 de maio de 2019.

Marque presença na apresentação deste livro e conheça a mais recente produção literária distinto pontelimense.

VIZELA REALIZA FEIRA DO LIVRO

Apresentação da Feira do Livro de Vizela

A Câmara Municipal de Vizela apresenta a Feira do Livro de Vizela, no próximo dia 7 de maio, às 11.00h, no Q-Bica, na Praça do Município.

A Feira do livro terá lugar de 17 a 19 de maio e serão três dias recheados de apresentações de livros, espetáculos infantis, contos, oficinas infantis e muito mais.

DANIEL BASTOS APRESENTOU EM PARIS NOVO LIVRO SOBRE GÉRALD BLONCOURT E O NASCIMENTO DA DEMOCRACIA PORTUGUESA

Na passada quinta-feira (2 de maio), foi apresentada na capital francesa o livro Gérald Bloncourt – Dias de Liberdade em Portugal”.

© D A Jaques Rib - 1.jpg

O historiador Daniel Bastos (ao centro.), na sessão de apresentação do livro Gérald Bloncourt – Dias de Liberdade em Portugal”, no Consulado Geral de Portugal em Paris, ladeado da jornalista Isabelle Bloncourt, do livreiro e editor João Heitor, do empresário natural de Fafe, Manuel Pinto Lopes, e do tradutor fafense Paulo Teixeira

 

A obra, concebida e realizada pelo historiador fafense Daniel Bastos a partir do espólio fotográfico de Gérald Bloncourt, um dos grandes nomes da fotografia humanista recentemente falecido em Paris, e prefaciada pelo coronel Vasco Lourenço, presidente da Direção da Associação 25 de Abril, foi apresentada no Consulado Geral de Portugal em Paris.

No decurso da sessão muito concorrida, que contou com a presença da viúva do perecido fotógrafo franco-haitiano, a jornalista francesa Isabelle Bloncourt, e de representantes da comunidade e diplomacia portuguesa em terras gaulesas, como o Embaixador de Portugal em França, Jorge Torres Pereira, e o Cônsul-Geral de Portugal em Paris, António Albuquerque Moniz, assim como do Vereador da Cultura do Município de Fafe, Pompeu Martins, concelho onde se encontra sediado o Museu das Migrações e das Comunidades, que alberga mais de uma centena de fotografias do fotógrafo franco-haitiano sobre a emigração lusa, todos foram unânimes em considerar que este novo livro sobre Gérald Bloncourt revela que o mesmo “foi um espetador privilegiado dos primeiros dias de liberdade em Portugal”, considerando que o trabalho do fotógrafo sobre este período é “uma pequena cápsula do tempo da história portuguesa preservada”.

© D A Jaques Rib - 2.jpg

Neste novo livro, realizado com o apoio da Associação 25 de Abril, Daniel Bastos revela uma parte pouco conhecida do espólio de Gérald Bloncourt, afamado fotógrafo que imortalizou a emigração portuguesa, mas que retratou também a explosão de liberdade que tomou conta do país após a Revolução de 25 de Abril de 1974.

Através de imagens até aqui praticamente inéditas, o historiador cujo percurso tem sido alicerçado no seio da Lusofonia, aborda factos históricos que medeiam a Revolução dos Cravos e a celebração do Dia do Trabalhador na capital portuguesa. Designadamente, a chegada do histórico líder comunista Álvaro Cunhal ao Aeroporto de Lisboa, a emoção do reencontro de presos políticos e exilados com as suas famílias, o caráter pacífico e libertador da Revolução de Abril, e as celebrações efusivas do 1.º de Maio de 1974, a maior manifestação popular da história portuguesa.

Refira-se que o lançamento da obra na capital francesa incluiu uma prova de vinho verde, promovida pelos Vinhos Norte, um dos maiores produtores nacionais de vinho verde que procura aliar a tradição de fazer vinho com a inovação no sector. E que o mesmo abrangeu ainda na tarde de 4 de maio (sábado), através de uma parceria com a Associação Memória das Migrações, presidida pelo dirigente associativo fafense Parcídio Peixoto, uma sessão de apresentação do livro na Livraria Portuguesa & Brasileira de Paris.

Uma livraria de referência, junto ao Panteão de Paris, não só sobre Portugal e o Brasil, mas também sobre todo o mundo lusófono, onde pode ser adquirida a obra, assim como outros livros assinados pelo investigador da nova geração de historiadores lusos.

Refira-se que a edição da obra deveu-se em grande parte ao mecenato de empresas da diáspora que partilham uma visão de responsabilidade social e um papel de apoio à cultura. E que no dia 31 de maio, às 18h30, o livro será apresentado em Bruxelas, na livraria portuguesa “La petite portugaise”, um espaço cultural de referência da comunidade luso-belga na capital da Europa.

© D A Jaques Rib - 3.jpg

© D A Jaques Rib - 4.jpg

© D A Jaques Rib - 5.jpg

© D A Jaques Rib - 6.jpg

© D A Jaques Rib - 7.jpg

© D A Jaques Rib - 8.jpg

© D A Jaques Rib - 9.jpg

© D A Jaques Rib - 10.jpg

© D A Jaques Rib - 11.jpg

© D A Jaques Rib - 12.jpg

© D A Jaques Rib - 13.jpg

PONTE DE LIMA COMEMORA DIA INTERNACIONAL DO LIVRO INFANTIL

Dia Internacional do Livro Infantil celebrado na Biblioteca Municipal de Ponte de Lima com muita diversão, jogos e histórias

Para celebrar o Dia Internacional do Livro Infantil (que anualmente se assinala a 2 abril), a Biblioteca Municipal de Ponte de Lima abriu as portas aos aventureiros mais novos e promoveu um serão intitulado “Entre livros e histórias: uma noite na Biblioteca”, no dia 5 de abril, das 21h00 às 23h00, comemorando, desta forma, uma das efemérides mais importantes associada à literatura infantil.

fotofeirlivinf (1).png

Quando a noite caiu sobre a vila as crianças foram convidadas a explorar a vida secreta da biblioteca e a usufruírem de uma aventura repleta de novas experiências, numa viagem única pelo universo dos livros, das histórias, dos jogos, das oficinas e da música, com muita alegria e animação.

Esta iniciativa contribuiu para fomentar nas crianças o gosto pelo livro e pela leitura, estreitando simultaneamente os laços entre as famílias e a biblioteca.

Sobre o Dia Internacional do Livro Infantil

No dia 2 de abril comemora-se em todo o mundo o nascimento do escritor dinamarquês Hans Christian Andersen.

 A partir de 1967, este dia passou a ser designado por Dia Internacional do Livro Infantil, chamando-se a atenção para a importância da leitura e para o papel fundamental dos livros para a infância.

fotofeirlivinf (2).png

HISTORIADOR DANIEL BASTOS VAI A FRANÇA APRESENTAR LIVRO SOBRE GÉRALD BLONCOURT

Paris vai ser palco de apresentação de livro sobre Gérald Bloncourt e o nascimento da democracia portuguesa

No próximo dia 2 de maio (quinta-feira), é apresentado em Paris o livro Gérald Bloncourt – Dias de Liberdade em Portugal”.

A obra, concebida pelo historiador português Daniel Bastos a partir do espólio de Gérald Bloncourt, um dos grandes nomes da fotografia humanista recentemente falecido na capital francesa, é apresentada às 18h30 no Consulado Geral de Portugal em Paris.

Capturardanipari.PNG

O historiador Daniel Bastos (ao centro) foi em 2015 o responsável pela realização do livro de Gérald Bloncourt (dir.) “O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”, que retrata a emigração portuguesa para França nos anos 60 e 70, e que contou com prefácio de Eduardo Lourenço e tradução de Paulo Teixeira (esq.)

A apresentação da obra, uma edição trilingue (português, francês e inglês) com tradução de Paulo Teixeira, e prefácio do coronel Vasco Lourenço, presidente da Direção da Associação 25 de Abril, estará a cargo do livreiro e editor João Heitor.

Neste novo livro, realizado com o apoio da Associação 25 de Abril, uma das instituições de referência do Portugal democrático, Daniel Bastos revela uma parte pouco conhecida do espólio de Gérald Bloncourt, afamado fotógrafo que imortalizou a emigração portuguesa em França nos anos 60 e 70, mas que foi também um espectador privilegiado da explosão de liberdade que tomou conta do país após a Revolução de 25 de Abril de 1974.

Através de imagens até aqui praticamente inéditas, o investigador cujo percurso tem sido alicerçado no seio da Lusofonia, aborda factos históricos que medeiam a Revolução dos Cravos e a celebração do Dia do Trabalhador na capital portuguesa. Designadamente, a chegada do histórico líder comunista Álvaro Cunhal ao Aeroporto de Lisboa, a emoção do reencontro de presos políticos e exilados com as suas famílias, o caráter pacífico e libertador da Revolução de Abril, e as celebrações efusivas do 1.º de Maio de 1974, a maior manifestação popular da história portuguesa.

A publicação do livro, que contou com a colaboração de Isabelle Repiton, viúva de Gérald Bloncourt, e é enriquecida com memórias e testemunhos do fotojornalista franco-haitiano, representa cerca de meio século após a Revolução de Abril um novo contributo e oportunidade para revisitar a génese da democracia portuguesa.

Segundo Vasco Lourenço, esta obra ilustrada pela lente humanista de Bloncourt, fotógrafo que em 2016 foi agraciado pelo Presidente República Portuguesa com a Ordem do Infante D. Henrique, constitui uma viagem ao “tempo dos sonhos cheios de esperança, da afirmação da cidadania, da construção de uma sociedade mais livre e mais justa, do fim e do regresso de uma guerra sem sentido com a ajuda ao nascimento de novos países independentes, onde a língua portuguesa continuou a ser o principal factor congregador”.

Refira-se que a apresentação do livro realiza-se simbolicamente 45 anos depois do regresso, a 2 de maio de 1974, de Bloncourt da capital portuguesa a Paris, após fotografar os primeiros dias de liberdade em Portugal. E que, em função disso, a sessão, que conta com o apoio da Associação Memória das Migrações, constitui a título póstumo, uma homenagem a Gérald Bloncourt, um homem que amou e honrou os portugueses.

3 - Capa do livro (1).jpg

4- Contra-capa do livro (1).jpg

FAMALICÃO REALIZA "MARATONA DA BIBLIOTECA"

Famalicão assinala Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor com uma Maratona da Biblioteca. Iniciativa decorre em vários espaços do concelho de 23 a 28 de abril

No fim de semana de 27 e 28 de abril, a Praceta Cupertino de Miranda, em Vila Nova de Famalicão, recebe uma Feira do Livro de Banda Desenhada que promete fazer as delícias dos amantes das histórias aos quadradinhos.

DSC_5920.JPG

A iniciativa é um dos destaques da Maratona da Biblioteca, iniciativa que a Biblioteca Municipal Camilo Castelo Branco vai promover de 23 a 28 de abril, em vários espaços do concelho, para comemorar o Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor que se assinala no dia 23 deste mês.

No dia de arranque da iniciativa, a Biblioteca Municipal recebe, às 10h15 e às 14h30, uma oficina criativa intitulada “Almoço Literário”, e no polo de Joane da Biblioteca há “Dois dedos de conversa com…Andreia Varela” com a apresentação do livro “O grande e ruim GRAOU”.

No dia 24, para além das várias iniciativas destinadas ao público escolar, os polos de Riba de Ave e Ribeirão recebem, às 21h00, uma tertúlia literária sob o tema “Abril, Livros Mil”.  

Na sexta-feira, dia 26, destaque para uma ação formativa que decorrerá às 14h00 no polo da biblioteca de Riba de Ave sobre pesquisa no catálogo bibliográfico do fundo documental da Biblioteca Municipal.

Para além da Feira do Livro de Banda Desenhada, a Praceta Cupertino de Miranda recebe ainda, no dia 27, pelas 10h30, uma sessão de contos com Cláudia Pinheiro, narradora itinerante que dinamiza sessões de contos para crianças com recursos narrativos em tecido, executados por si. Nas suas sessões apresenta canções, histórias e lengalengas que despertam o gosto pela leitura, pela música e que cultivam o valor do respeito pela natureza e pelas diferenças humanas.

Já no dia 28, às 10h30, a praça recebe a atividade “Histórias para Sonhar”, uma narração teatralizada de um encontro entre duas histórias de Sophia de Mello Breyner  - “A fada Oriana na floresta da menina do mar”.

Recorde-se que o Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor foi instituído pela UNESCO, em 1996, para homenagear o aniversário da morte dos escritores Shakespeare e Cervantes, reconhecidos dramaturgos que escreveram histórias imortais como “Romeu e Julieta” e “D. Quixote de la Mancha”.

Programa completo disponível para consulta em www.bibliotecacamilocastelobranco.org.

IMG_0657 (1).jpeg

PROFESSOR DR. MANUEL ANTUNES APRESENTA EM LISBOA O LIVRO “MEMÓRIAS DE VILARINHO DA FURNA – UMA ALDEIA AFUNDADA”

Teve hoje lugar no célebre Clube Estefânia, em Lisboa, a apresentação do livro “Memórias de Vilarinho da Furna – Uma Aldeia Afundada”, da autoria do Professor Dr. Manuel Antunes. A iniciativa foi da UNIESTE, Universidade Intergeracional da Estefânia, sediada no Clube da Estefânia, e contou com o apoio de diversas entidades como o Centro de Pesquisa e Estudos Sociais (CPES), a Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), a Associação dos Antigos Habitantes de Vilarinho da Furna (AFURNA) e o Centro de Investigação em Política, Economia e Sociedade, (CIPES) da ULHT, de que o autor é investigador e Secretário da Mesa da Assembleia Geral. Estiveram presentes os alunos habituais da UNIESTE, com o respetivo Reitor, Prof. Arq.º Carlos Roxo.

12801499_10206655359286783_8144836663810073778_n (1).jpg

Procurando não retirar o interesse ao um tema tão fascinante que, não tivésse sido um facto histórico, seria já algo lendário, limitamo-nos a transcrever o seu prefácio, procurando simplesmente aguçar o interesse pela sua leitura:

“Vilarinho da Furna, uma povoação rural que conservava costumes comunitários, tornou-se devido à construção da barragem quase uma aldeia quase mítica aonde, ano após ano, quando desce o nível das águas na albufeira, acorrem em peregrinação milhares de visitantes para contemplar o que ainda resta da localidade: as pedras das humildes casas rurais, o forno, os muros dos quinteiros e inúmeras recordações que os seus antigos habitantes guardam na sua alma.

O segredo de tal afecto que aquela humilde aldeia desperta em quem a visita, mesmo quem vai de paragens longínquas que pouca ou nenhuma ligação tiveram outrora com as gentes que ali habitavam, reside na crença profunda e na esperança de que a Humanidade possa um dia viver numa grande aldeia onde, à semelhança daquela, reine a justiça e a paz.

Dispersas pelo mundo, esquecidas e abandonadas para sempre são muitas as cidades que um dia surgiram devido à avidez da procura das riquezas materiais como sucedeu com a exploração do ouro. Ao contrário, Vilarinho da Furna conserva uma riqueza bem maior que, apesar de desabitada e sepultada nas águas da barragem, seja cada vez mais lembrada. É precisamente aquilo que representa em termos de valores espirituais e humanos que fazem de Vilarinho da Furna um bem de valor inestimável.

Vilarinho da Furna era em 1970 habitada por cerca de 250 pessoas, que tiveram de abandonar a povoação devido à construção de uma barragem. A barragem foi inaugurada a 21 de Maio de 1972 e encontra-se localizada no concelho de Terras de Bouro, sendo alimentada pelo Rio Homem. Submersa pelas águas, as ruínas da aldeia são visíveis sempre que a barragem esvazia um pouco.

Autor de vasta bibliografia e outros empreendimentos de vulto destinados à preservação da memória das gentes de Vilarinho da Furna, o Prof. Doutor Manuel de Azevedo Antunes é inquestionavelmente a pessoa mais indicada para nos descrever o que foi e representa a “aldeia afundada”, os usos e costumes das suas gentes e as perspectivas de futuro do local – porque, apesar de submersa, a aldeia que parece lendária permanece viva para sempre!”

Manuel de Azevedo Antunes é doutorado em Ciência Política (2009). Estudante nas Universidades de Lisboa (1966-1976) e Paris – Sorbonne (1976-1977), desenvolveu atividade docente nas Universidades de Lisboa (1975-1992) e Maputo (1979-1987). Foi Consultor das Nações Unidas (1989), em Moçambique. Na Guiné- Bissau (1988-1992), participou, como coordenador, metodólogo e estatístico, no Inquérito Demográfico e Sanitário, para o Ministério da Saúde, com apoio do Banco Mundial. É, atualmente, Professor Associado e Investigador na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias. Preside a AFURNA – Associação dos Antigos Habitantes de Vilarinho da Furna, tendo publicado “Vilarinho da Furna, Uma Aldeia Afundada” (Lisboa: Regra do Jogo, 1985), “Requiem por Vilarinho da Furna, Uma Aldeia Afundada” (Lisboa: Biblioteca da Universidade Lusófona, 1994) e “Vilarinho da Furna, Memórias do Passado e do Futuro” (Lisboa: Centro de Estudos da População, Ambiente e Desenvolvimento, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, 2005).

56237594_10215395334380698_4506011917227130880_n.jpg