Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

CASA DO MINHO: ARROZ PICA-NO-CHÃO JUNTA “PICAMILHOS” EM LISBOA

A Casa do Minho em Lisboa levou hoje a efeito mais um evento de promoção da nossa gastronomia tradicional, o arroz pica-no-chão, vulgarmente conhecido como arroz de cabidela. E os “picamilhos” não faltaram à chamada!

IMG_20190519_140506.jpg

Na sua monumental obra “Etnografia Portuguesa”, registou José Leite de Vasconcelos a alcunha de “picamilhos” como uma das que desde sempre foram atribuídas aos minhotos… naturalmente pela sua particular apetência pelos alimentos cozinhados à base do milho, aquele cereal que as naus de Cristóvão Colombo – aliás Salvador Fernandes Zarco! – trouxeram do continente americano e começaram a ser cultivadas no noroeste peninsular.

Na realidade e até ao surgimento do arroz, ele deverá ter sido inicialmente cozinhado com farinha de trigo ou de milho, sendo a expressão “pica-no-chão” originária sobretudo da nossa região, a que também não é estranha a alcunha de “picamilhos” para designar a nossa gente.

E, fazendo jus ao lema “Uma boa mesa para uma boa política regionalista”, criado pelo eminente regionalista Artur Maciel, levou a Casa do Minho em Lisboa, actualmente sob a liderança de Paulo Duque, mais um almoço a promover na capital os requintados paladares da gastronomia minhota, com especial destaque para o tão apreciado leite-creme queimado – especialidade rica de Ponte de Lima – e, como já referimos, o apetitoso “arroz pica-no-chão que tantos apreciadores tem trazido a terras como Vila Verde, Barcelos e Ponte de Lima.

Para não variar, a confecção de tão apreciado prato da nossa cozinha tradicional esteve a cargo de Paulo Duque que, como exímio cozinheiro, usou a colher-de-pau com a mesma mestria que um maestro usa a batuta para dirigir a orquestra, não fosse ele um dos melhores dirigentes do regionalismo minhoto na actualidade.

Cumpriu-se um minuto de silêncio em memória do Dr Nuno Lima de Carvalho. E, no seu discurso aos convivas, Paulo Duque lembro a importância que o ilustre vianense, como nóvel associado da Casa do Minho, teve na organização de conferências que realizou, levando o Minho a amigos como Jorge Sampaio, Jorge Amado, Amália Rodrigues, António Valdemar, Agostinho da Silva e João Soares. Salientou ainda a forma como a Casa do Minho organiza estes almoços, sobretudo com preocupação cultural e promoção da nossa região.

A Casa do Minho contou entre os convidados o Presidente da Junta de Freguesia do Lumiar e deputado da Assembleia da República, vice da bancada parlamentar do PS, Doutor Pedro Delgado Alves e ainda o Pároco do Lumiar, Padre João Caniço.

E, para coroar o ambiente festivo, o fadista Rui Vaz interpretou quatro fados… acompanhados à tocata pelo Rancho Folclórico da Casa do Minho!

IMG_20190519_114823.jpg

IMG_20190519_144144.jpg

IMG_20190519_152342.jpg

IMG_20190519_152347.jpg

IMG_20190519_152521.jpg

IMG_20190519_152526.jpg

IMG_20190519_152538.jpg

IMG-20190519-WA0000.jpg

FESTIVAL INTERNACIONAL DE FOLCLORE DO RIO NA GALA CIOFF EM LISBOA

A Vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Barcelos, Armandina Saleiro, esteve presente sábado, 11 de maio, na primeira edição da Gala CIOFF Portugal (espetáculo de etnografia e folclore), que decorreu na Aula Magna da Reitoria da Universidade de Lisboa.

Cioff.jpg

Tratou-se de um espetáculo produzido pela Associação CIOFF Portugal que contou com a colaboração da Fundação INATEL e da Federação do Folclore Português e, do concelho de Barcelos atuou o Grupo Folclórico de Barcelinhos em representação do Festival Internacional de Folclore do Rio (Barcelinhos).

Atuaram também grupos de folclore em representação dos Festivais Folk Monção, Festarte (Leça da Palmeira – Matosinhos), Folk Cinfães – Art’s e Danças do Mundo, Festival de Folclore Internacional do Alto Minho (Viana do Castelo), Folk Cantanhede, Festival Celestino Graça – A Festa das Artes e das Tradições Populares do Mundo (Santarém), , Festimaiorca (Maiorca – Figueira da Foz) e FolkFaro – Folclore Internacional Cidade de Faro. Apenas não estiveram presentes, por razões perfeitamente ponderosas, as representações do Folk Azores (Angra do Heroísmo) e Danças do Mundo, de Santa Maria da Feira.

Nesta primeira Gala CIOFF Portugal houve também lugar para a participação do CIOFF Jovem, que apresentou um vídeo sobre a sua estrutura organizativa e apresentou uma interessante coreografia sobre um tema do reportório de Mariza, tendo representado o Festival Celestino Graça os jovens Francisco Reis e Ana Teresa Guedes.

A Associação CIOFF© Portugal, atualmente presidida pela Fundação INATEL, tem como principais objetivos estabelecer a cooperação e a solidariedade entre os seus membros, nas atividades de carácter desinteressado que desenvolvem no âmbito da organização e participação em Festivais Internacionais de Folclore, bem como na preservação e divulgação da arte e cultura tradicional portuguesa.