Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

RÁDIO ALFA: A EMISSORA DOS PORTUGUESES EM PARIS

30128522348_0068acc1a9_b

  • Crónica de Daniel Bastos

No ar desde 5 de outubro de 1987, a Rádio Alfa, uma estação de rádio lusófona situada em Paris e dirigida à comunidade portuguesa em França, a maior comunidade de portugueses no estrangeiro, desempenha um papel fundamental na manutenção e promoção da identidade lusa em terras gaulesas.

Localizada atualmente em Créteil, é consensualmente reconhecida como a emissora mais popular dos portugueses em Paris, para o que muito contribui o facto de ser a única rádio da comunidade portuguesa que abrange a região de França, 24 horas por dia.

Se tivermos em linha de conta que os dados mais recentes apontam para que vivam em França mais de meio milhão de portugueses e que, se considerarmos a comunidade contando com os descendentes de segunda e terceira geração, o número sobe para quase 1 milhão e meio, elevando-a assim à maior comunidade estrangeira a viver em França, percebe-se que a Rádio Alfa além de emitir para um enorme auditório, constitui-se como a voz de intervenção da comunidade portuguesa na Cidade Luz.   

Enquanto palco privilegiado de intervenção, a grelha da estação emite programas que dedicam espaços à resolução de problemas, à promoção da música, cultura e língua portuguesa, à divulgação das atividades realizadas pelo meio associativo e à difusão de notícias que visam a informação junto da comunidade portuguesa em França.

Como sustenta Carla Laureano, na tese A rádio Alfa e a comunidade portuguesa em França: estudo de caso sobre a relação entre média e identidades, a emissora ao desempenhar um papel importante junto da comunidade portuguesa em terras gaulesas, impulsiona a “partilha de uma identidade cultural portuguesa entre os emigrantes”. Particularmente junto da primeira geração, uma geração que se encontra intimamente ligada à Rádio Alfa, pelo que a emissora deve ter como uma das prioridades e desafios para o futuro a sua interligação com os lusodescendentes, de modo a conseguir “fazer um cruzamento de culturas e tentar direccionar-se para as diferentes expectativas dos seus diferentes ouvintes”.

No passado, e sobretudo no presente e no futuro, a Rádio Alfa continuará a ser a antena da comunidade portuguesa em Paris, ou como salientou o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, no 30.º aniversário da estação, a “ Rádio Alfa é Portugal".

BRAGA CIDADE DE FUTURO PARA O FDi DO FINANCIAL TIMES

Braga Cidade de futuro para o FDi do Financial Times

A revista FDi Intelligence do Financial Times considerou que Braga é a sétima Cidade do futuro na categoria da estratégia de captação de investimento externo, no que concerne as cidades de dimensão abaixo de 200 mil habitantes, num ranking liderado pela capital islandesa de Reykjavik. Pela primeira vez o nome de Braga apareceu neste prestigiado ranking elaborado pela FDi do Financial Times denominado “European Cities and Regions of the Future 2020/2021 - the Best and the brightest among Europe investments destination”. 

Bragafott.jpg

O presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, já reagiu manifestando a sua satisfação, pois “a inclusão de Braga neste ranking é mais uma prova que a nossa estratégia de captação e atracção de investimento está a resultar. Nos últimos anos, o Município de Braga tem tido uma política de grande promoção externa e sentimos que o aparecimento neste tipo de rankings valoriza a nossa Cidade e o nosso tecido empresarial”.

O aparecimento de Braga neste ranking dá visibilidade externa à Cidade e evidencia as oportunidades de investimento no mercado internacional. Ricardo Rio, também presidente da InvestBraga, referiu ainda que “no passado mês fomos informados da inclusão de Braga neste ranking e optamos por captar ainda mais destaque neste suplemento que saiu neste mês de Fevereiro”.  

Desse modo, o suplemento do FDi tem uma página dedicada à Cidade de Braga onde é destacada a sua história e inovação, abordando um pouco das vantagens competitivas e todas as mais valias que oferece não só aos investidores, mas também aos seus visitantes e habitantes. Ricardo Rio considera que “é fundamental prosseguir com esta estratégia, pois só promovendo Braga no exterior poderá ser criada mais riqueza internamente e criar mais e melhor emprego. Hoje já somos o quarto Concelho exportador do país - e recordo que em 2013 nem no top 10 aparecíamos - e não pretendemos parar por aqui. Para isso precisamos de mais investimento”, concluiu o Autarca. 

Neste ranking surgem ainda mais duas cidades portuguesas: o Porto como quinta cidade do futuro na categoria de cidades médias (acima de 200.000 habitantes) na captação de investimento externo e ainda a cidade de Lisboa no sétimo lugar das grandes cidades do Sul da Europa.

A revista está disponível online no site da FDi Intelligence e pode ser obtida em: http://bit.ly/2OMYgdL

X JORNADAS DE FISIOTERAPIA ESTIMULAM NOVA REVISTA CIENTÍFICA DO ISAVE

O ISAVE acolheu nas suas instalações, em Amares, as X Jornadas de Fisioterapia que se saldaram pela análise crítica e prática de doze casos por estudantes, cuja qualidade e diversidade de temas é o melhor impulso à criação de uma revista científica a lançar por esta Escola Superior de Saúde, no segundo semestre deste ano.

IMG_5093.JPG

Os estudos de “casos com patologias diversas” elevou o patamar científico das X Jornadas de Fisioterapia, protagonizadas por doze finalistas da Licenciatura de Fisioterapia do ISAVE — comentou o professor Gilvan Pacheco. Os seus trabalhos vão agora ser sintetizados com vista à sua publicação.

De acordo com o coordenador desta Licenciatura do ISAVE, a diversidade temática “foi mais interessante para os estudantes que demonstraram um nível muito bom e temos a esperança de que, no futuro, sejam publicados na nova revista científica que o ISAVE vai editar com trabalhos dos seus docentes e dos seus alunos”.

Embora ainda esteja a ser estudada a sua periodicidade e layout, o prof. Gilvan Pacheco espera que a “nova revista científica seja lançada no segundo semestre” e a “publicação dos trabalhos destes estudantes enriqueça o curriculum de cada um”.

Emocionado, Gilvan Pacheco pediu aos finalistas que “abram outras portas, com humildade, e saibam, sempre, ouvir os doentes. Ides muito longe se mantiverdes o nível de dedicação, de trabalho e de saber que vós conseguistes aqui, durante quatro anos”.

Face à emoção que envolveu alguns, como foi o caso de Stéphanie Pereira — que vivenciou a dificílima vida de uma mulher com cancro de mama — o director do Curso afirmou a necessidade de um “curso de psicologia para os fisioterapeutas” para que “estes possam ajudar o doente e protegerem-se da emoção. Devemos tratar com humanidade, carinho e respeito mas evitar colocar o nosso lado emocional. Por isso, devemos encaminhar os nossos familiares para outros colegas. Um trabalho mais racional é mais eficaz. A emoção prende, trava a clareza de opções e esconde a vossa competência”.

Gilvan Pacheco falava ao fim de uma jornada de dois dias, 10 e 11 de fevereiro, durante os quais foram apresentados os trabalhos práticos — com fundamentação teórica — elaborados pelos finalistas da Licenciatura de Fisioterapia, na disciplina de Educação Clínica II.

Participam no primeiro dia destas jornadas os finalistas Amara Rito, Ana Raquel Freitas, André Filipe Ribeiro, Diana Rosa Barbosa, Fábio Joel Cunha e Flávia Manuela Costa que apresentaram o resultado dos seus estágios em casos concretos”.

No segundo dia das jornadas — dinamizadas pela Licenciatura de Fisioterapia — foi a vez de Frederico Silva, Hugo José Rocha, João Pedro Ramalho, Maria Adriana Ribeiro, Stéphanie Pereira e Ana Catarina Machado apresentarem os resultados dos seus estágios em clínicas e unidades de saúde pública.

Cada um é desafiado a mostrar as etapas da sua investigação realizado em clínicas privadas e hospitais públicos, os fundamentos científicos e fazer um balanço do estágio e dos seus resultados positivos no paciente, perante um júri constituído pelos professores Gilvan Pacheco, Sílvia Xavier Sousa e Liliana Costa.

IMG_5063isave.JPG

GUIMARÃES ASSINALA DIA MUNDIAL DA RÁDIO

Dia Mundial da Rádio: da “pirataria” às Redes Sociais

O Curtir Ciência – Centro Ciência Viva de Guimarães volta a assinalar o Dia Mundial da Rádio (13 de fevereiro) com uma conversa que reúne protagonistas da comunicação.

diamundialdaradio2.jpg

Longe vão os tempos das chamadas “rádios piratas”. Nos anos 80 do século XX, elas disseminaram-se pelo País graças ao envolvimento de muitos jovens de então. Muitas delas eram projetos sem grande estrutura (de meios, financeiros e de recursos humanos), mas outras foram escolas de muitos profissionais. Com o passar dos anos o cenário mudou: as rádios locais foram alvo de um processo de legalização, através do concurso nacional para atribuição de frequências de radiodifusão. No caso de Guimarães, foram atribuídas frequências à Rádio Fundação e à Rádio Santiago, que ainda hoje emitem e são projetos de cariz profissional que abrangem outras áreas da comunicação.

António José Castro é um dos vimaranenses que andaram envolvidos nos projetos de “rádios piratas” em Guimarães. Nesta conversa no Curtir Ciência (quinta-feira, 13 de fevereiro, às 15:00 horas) vai recordar esses tempos através da partilha de experiências e peripécias que marcaram o fenómeno das rádios locais no concelho. Nesta conversa no Curtir Ciência, terá a seu lado Pedro Cunha, responsável pela Comunicação no Laboratório da Paisagem de Guimarães e colaborador da Rádio Santiago. As redes sociais são um meio privilegiado de comunicação dos dias atuais ou uma arma de desinformação?

A sessão realiza-se a partir das 15:00 horas, na sala de Domótica do Curtir Ciência. A entrada é livre.

Castrodmradio.jpg

Pedro Cunha.jpg

 

CERVEIRA E TOMIÑO (GALIZA) PROMOVEM UNIFORMIZAÇÃO DE AGENDAS CULTURAIS

Pela primeira vez, os municípios de fronteira de Vila Nova de Cerveira e de Tomiño editaram as suas agendas culturais com fortes semelhanças no formato e no desenho, incluindo as atividades organizadas pela Eurocidade, bem como os principais eventos programados no concelho vizinho. A decisão, adotada no último Conselho de Gestão Estratégica, pretende aprofundar o intercâmbio entre ambas as populações, aumentando a oferta disponível.

Agenda Cultural comum.jpg

A Eurocidade Cerveira-Tomiño apresenta-se com uma longa trajetória de programação conjunta de atividades, nomeadamente as derivadas do Orçamento Participativo Transfronteiriço, as iniciativas das provedoras, a partilha de serviços e equipamentos desportivos ou as ações de dinamização da economia local transfronteiriça no âmbito do turismo ou dos viveiros.

De agora em diante, nas respetivas agendas culturais, as páginas centrais são dedicadas a “Acontece em…”. Concretamente na publicação do 1º trimestre de 2020, os eventos tomiñenses que aparecem na agenda de Cerveira são a Semana da Educação de Tomiño (10 ao 13 de fevereiro, em Goián), a XVII Mostra de Cultivos (13 a 15 de março, em Goián), e os desfiles de carnaval “Venres de Foliada” (21 de fevereiro, em Tomiño) e Entroido de Goián (do 22 ao 26 de fevereiro). Por sua vez, na agenda editada pelo Concello de Tomiño, as atividades realizadas em Cerveira em destaque são a II Exposição de Camélias de Inverno de Cerveira (8 e 9 de fevereiro), e os sábados do mês de março com os ‘ETC…Encontros de Teatro de Cerveira’, com destaque para a comédia e o humor.

No total, mais de 60 propostas culturais, sociais e desportivas que cerveirenses e tomiñenses podem desfrutar de um ou outro lado da fronteira, resultado de uma uniformização da agenda cultural que é para manter nas próximas publicações.

JORNAL “THE GUARDIAN” ELEGE PRAIA DE MOLEDO COMO UMA DAS MELHORES DA EUROPA

A Praia da Foz do Minho, em Caminha, foi eleita pelo jornal inglês The Guardian, como uma das melhores praias da Europa.

As outras praias portuguesas destacadas são: Porto Côvo, Costa Vicentina, Alentejo, Nazaré, Costa de Prata, Praia da Falésia, Algarve e Praia dos Galapinhos, Setúbal.

Mais informações em https://www.theguardian.com/travel/2019/mar/09/40-best-beaches-europe-spain-portugal-france-italy-greece-turkey-croatia?fbclid=IwAR3KXbv5Psve2ZsDzGW4pSjL2z_x1z-MS9lSKuq6QLkbz29AFMRf2Yd93-E

4445MoledoCaminha.jpg

Praia da Foz do Minho, Caminha

On Portugal’s northern border with Spain, Praia da Foz do Minho’s riverine shallows offer a respite from the crashing waves of the Atlantic. In the pyramidic shape of Santa Tecla mountain, it boasts one of the most stunning backdrops of any beach in the world. A stroll through the pine forest leads to the attractive ocean beach of Moledo; and a little way out to sea is a remarkable 17th-century island fortress, another feast for the eyes.

REVISTA "LUSOPRESS" DISTINGUE HISTORIADOR DANIEL BASTOS "PORTUGUÊS DE VALOR"

Daniel Bastos distinguido pelo segundo ano consecutivo “Português de Valor” na comunidade lusa em França

No âmbito da 10.ª edição do prémio "Portugueses de Valor", uma iniciativa organizada pela revista da diáspora Lusopress, um relevante meio de comunicação social da comunidade lusa em França, o escritor e historiador Daniel Bastos, que tem realizado um relevante conjunto de trabalhos no campo da Emigração e História, foi nomeado pelo segundo ano consecutivo como um dos “Portugueses de Valor 2020”.

Daniel Bastos.png

A iniciativa, que tem o Alto Patrocínio do Presidente da República, demanda valorizar anualmente 100 portugueses que se encontram espalhados pelo mundo, e cujo percurso profissional, pessoal ou associativo se tem destacado em prol das Comunidades Portuguesas.

Refira-se ainda, que de 28 a 31 de maio, será realizada na cidade de Bragança uma gala que vai premiar seis portugueses de França, dois do resto do mundo e dois de Portugal, a partir da seleção de cem pessoas, que levam o nome de Portugal mais longe, no campo cultural, empresarial, associativo e solidário, e cujas histórias vão ser reunidas no livro "Portugueses de Valor 2020".