Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

COCKTAILS DE ALVARINHO? – DÊ UMA NOVA DIMENSÃO AO SEU VERÃO

Soalheiro desafiou Escolas de Hotelaria e Turismo de Coimbra e de Viana do Castelo a criar cocktails vínicos, únicos e irreverentes, que permitissem dar uma dimensão arrojada dos sabores do terroir da Origem do Alvarinho: Monção e Melgaço.

Os resultados? Surpreendentes…

Capturarsoa1.PNG

Alunos e Professores das Escolas de Hotelaria e Turismo de Coimbra e de Viana do Castelo aceitaram o desafio da primeira marca de Alvarinho de Melgaço, Soalheiro, e criaramcocktails vínicos irreverentes e que desafiarão o seu paladar este verão. Propostas descontraídas que permitem reinventar o Alvarinho e dar uma dimensão arrojada dos sabores doterroir da Origem do Alvarinho: Monção e Melgaço. Os resultados? Surpreendentes…

Capturarsoa2.PNG

Orientados por Eduardo Vicente, em Coimbra disseram Allo aos cocktails vínicos. A interpretação do Soalheiro Allo, onde o Alvarinho confere estrutura e o Loureiro a distinção aromática, levou à criação de três propostas que exploraram o terroir de forma distinta: o Allo Passion – o aroma floral do vinho ligado à acidez do maracujá e aos sabores do xarope de especiarias, o Allo Infusion – os sabores do Alvarinho e do Loureiro acentuados numa infusão com Erva Príncipe e Tomilho Limão e o Allo Red – uma explosão de frutos vermelhos e xarope de hibisco, numa excelente harmonia com o vinho que lhe serviu de inspiração.

Capturarsoa3.PNG

Em Viana, o Soalheiro 9% - um Alvarinho com 9% de álcool pleno de acidez e com açúcar residual - foi a inspiração. O 9% NHR, incorpora elementos extraídos dos aromas presentes no vinho como os frutos tropicais (maracujá) e os citrinos (limão) e contempla 2 texturas distintas: a base da bebida e uma espuma feita também à base do Soalheiro 9%. A composição foi pensada e executada pelo aluno Flávio Marinho com a supervisão do formador de bar Albano Pereira.

Capturarsoa4.PNG

IDANHA-A-NOVA ACOLHE SEMINÁRIO “A INTERNACIONALIZAÇÃO DOS HOTÉIS RURAIS – QUE ESTRATÉGIAS NO FUTURO?”

Seminário A Internacionalização dos Hotéis Rurais – que estratégias no futuro?

A Associação de Hotéis Rurais de Portugal promove, na Escola Superior de Gestão de Idanha a Nova, Instituto Politécnico de Castelo Branco, o Seminário A Internacionalização dos Hotéis Rurais – Que estratégias no futuro?, no dia 28 de março.

cartazhotrura1.png

Com início marcado para as 14h, este seminário contará com a presença da Sra Diretora da ESGIN, Dra Sara de Brito Filipe, e com a Vice Presidente da Câmara Municipal de Idanha a Nova, Dra Idalina Costa, na sessão de abertura. 

De entre o painel de oradores previsto para a primeira sessão, destaca-se a presença da Dra Carla Castro, subdiretora da Mapfre Seguros, bem como de diversas entidades, como a Naturtejo representada pela da Dra Carla Jacinto, o Geopark Arouca, neste ato representado pela Dra. Verónica Bernardo, e a Rota dos Vinhos Nacional, representado pelo Dr. José Arruda.

A segunda parte deste seminário será preenchida com uma mesa redonda, subordinada ao tema deste seminário, e contará com a presença do Dr. Rui Pedro Gonçalves, Diretor Executivo da Associação de Turismo do Porto e Norte, do Dr. Pedro Machado, Presidente da Agência Regional de Promoção Turística do Centro de Portugal e do Dr. Ruben Obadia, em representação da Agência Regional de Promoção Turística do Alentejo. A moderação estará a cargo de Leonor Fernandes, em representação das Heranças do Alentejo.

A campanha de internacionalização “Portuguese Rural Experiences 360º” associa as quatro estações do ano com os elementos ar, água, terra e fogo e relaciona-as com quatro conceitos de experiências: explorar, sentir, viver e saborear. É possível encontrar-se todas estas experiências durante todos os dias do ano na Rede de Hotéis Rurais de Portugal.

Este evento, de disseminação de resultados e indicadores do projeto de internacionalização desenvolvido pela Associação de Hotéis Rurais de Portugal, cofinanciado por fundos comunitários, através do Programa Operacional Competitividade e Internacionalização 2020.

cartazhotrura2.jpg

CONVITE (1)ho.jpg

HOTEIS RURAIS DE PORTUGAL PROPORCIONAM EXPERIÊNCIAS RURAIS A DELEGAÇÃO INTERNACIONAL

Visita decorre de 19 a 22 de março na Região Norte de Portugal

A Associação de Hotéis Rurais de Portugal organiza de 19 a 22 de marçoa última missão inversa internacional no âmbito da campanha “Portuguese Rural Experiences 360º”, que tem como objetivo a promoção e divulgação do turismo rural enquanto destino de excelência com experiências inesquecíveis durante todos os dias do ano.

cartaz_norte.jpg

Ao longo de 4 dias, uma delegação constituída por jornalistas, bloggers, agentes e operadores turísticos, oriundos da Holanda, Bélgica, França, Reino Unido e Brasilterá a oportunidade de explorar a Região Norte do país e vivenciar autênticas experiências rurais (alojamento, gastronomia e animação turística) no Alto Minho, Alto Tâmega, Área Metropolitana do Porto e Cávado.

A missão inversa terá início no dia 19 de março, pelas 12:30, com uma receção e visita guiada aos pontos mais emblemáticos da Cidade do Porto, por parte da Associação de Turismo do Porto.

A campanha de internacionalização “Portuguese Rural Experiences360º” associa as quatro estações do ano com os elementos ar, água, terra e fogo e relaciona-as com quatro conceitos de experiências: explorar, sentir, viver e saborear. É possível encontrar-se todas estas experiências durante todos os dias do ano na Rede de Hotéis Rurais de Portugal.

HOTÉIS RURAIS DE PORTUGAL PROPORCIONAM EXPERIÊNCIAS RURAIS A OPINIONS MAKERS INGLESES

Visita decorre de 10 a 13 de março na Região Centro de Portugal

A Associação de Hotéis Rurais de Portugal organiza de 10 a 13 de março mais uma missão inversa no âmbito da campanha “Portuguese Rural Experiences 360º”, que tem como objetivo a promoção e divulgação do turismo rural enquanto destino de excelência com experiências inesquecíveis durante todos os dias do ano.

cartazhotfam.jpg

Ao longo de 4 dias, um grupo de blogers e jornalistas oriundos do Reino Unido terão a oportunidade de explorar a Região do Centro e vivenciar autênticas experiências rurais (alojamento, gastronomia e animação turística) em Arouca, Viseu, Figueira da Foz e Aveiro, entre outros.

A campanha de internacionalização “Portuguese Rural Experiences 360º” associa as quatro estações do ano com os elementos ar, água, terra e fogo e relaciona-as com quatro conceitos de experiências: explorar, sentir, viver e saborear. É possível encontrar-se todas estas experiências durante todos os dias do ano na Rede de Hotéis Rurais de Portugal.

HOTÉIS RURAIS DE PORTUGAL PROPORCIONAM EXPERIÊNCIAS RURAIS A DELEGAÇÃO DO BRASIL

Hotéis Rurais de Portugal proporcionam experiências rurais a delegação do Brasil

Visita decorre de 11 a 15 de fevereiro na Região Norte e Centro de Portugal

A Associação de Hotéis Rurais de Portugal organiza de 11 a 15 de fevereiro a primeira missão inversa internacional no âmbito da campanha “Portuguese Rural Experiences 360º”, que tem como objetivo a promoção e divulgação do turismo rural enquanto destino de excelência com experiências inesquecíveis durante todos os dias do ano.

Ao longo de 5 dias, uma delegação oriunda do Brasil constituída por jornalistas, bloggers, agentes e operadores turísticos, terá a oportunidade de explorar a Região Norte e Centro do país e vivenciar autênticas experiências rurais (alojamento, gastronomia e animação turística) no Alto Minho, Alto Tâmega, Área Metropolitana do Porto, Cávado Douro e Montanhas Mágicas.

A missão inversa terá início no dia 11 de fevereiro, pelas 10h15, com uma receção do Presidente do presidente do Turismo do Porto e Norte de Portugal, Luís Pedro Martins, no Porto Welcome Center (Palácio da Cardosas).

A campanha de internacionalização “Portuguese Rural Experiences 360º” associa as quatro estações do ano com os elementos ar, água, terra e fogo e relaciona-as com quatro conceitos de experiências: explorar, sentir, viver e saborear. É possível encontrar-se todas estas experiências durante todos os dias do ano na Rede de Hotéis Rurais de Portugal.

ALUNOS DA ESCOLA DE HOTELARIA E TURISMO DE VIANA DO CASTELO VÃO SURPREENDER COM HARMONIZAÇÕES IMPROVÁVEIS

Concurso final: 15 de janeiro, 11h00-17h00

Evento, ao estilo “Master Chef”, conta com a participação de 12 equipas e um painel de jurados composto por:

Carlos Fernandes, presidente da Confraria dos Gastrónomos do Alto Minho,

Hélder Fernandes, Chef e antigo aluno da escola e

Lúcia Barbosa, responsável de Produção da Adega da Quinta de Soalheiro.

escola hotelaria viana soalheiro (3).jpg

Na próxima terça-feira, 15 de janeiro, os alunos da Escola de Hotelaria e Turismo de Viana Castelo  vão, em concurso, apresentar o resultado  do desenvolvimento de harmonizações improváveis. Desafiar os paladares de um prato típico da região onde a escola está inserida com diferentes estilos de Soalheiro e consolidar conhecimentos enograstronómicos foi a proposta e as ideias já fervilham na cozinha da escola. Ao longo do primeiro período, os alunos têm vindo a desenvolver os seus projetos e agora chegou a atura de os apresentar a um painel de jurados. O evento, ao estilo “Master Chef”, realiza-se nas instalações da Escola, entre as 11h00 e as 17h30 e conta com a participação de 12 equipas compostas por alunos de cozinha e restaurante. O Júri, externo à escola, é composto por Carlos Fernandes, presidente da Confraria dos Gastrónomos do Alto Minho, Hélder Fernandes, Chef e antigo aluno da escola e Lúcia Barbosa, responsável de Produção da Adega da Quinta de Soalheiro. Trata-se de um desafio que permitirá demonstrar que a gastronomia portuguesa é rica e variada e que pode ser combinada com perfis distintos de Vinho Verde, especificamente dentro da casta Alvarinho.

escola hotelaria viana soalheiro (6).jpg

“O nosso objetivo é contribuir para que estes alunos aprendam a trabalhar com diferentes estilos de vinho,

para que possam adaptar esses conhecimentos a vinhos de qualquer parte do mundo”

afirmam os produtores.

Consciente da importância da formação de base para a criação de profissionais de topo, a Quinta de Soalheiro desafiou a Escola de Hotelaria e Turismo de Viana Castelo para um projeto que permitirá uma educação sustentada dos seus alunos e que contribuirá certamente para criar embaixadores de Portugal e dos vinhos portugueses nos quatro cantos do mundo. O projeto arrancou no dia 20 de novembro. O modelo base do projeto centra-se em visitas formativas ao terroir Monção e Melgaço: a origem do Alvarinho e Master Class sobre as especificidades dos Vinhos Portugueses, com especial incidência no Vinho Verde e na Casta Alvarinho, e os paralelismos destes com os vinhos do mundo. O Soalheiro, pela sua diversidade de gama, disponibiliza ainda um kit de formação composto por vinhos de todas as suas dimensões, um info kit explicativo da origem do terroir, Monção e Melgaço e da história do Alvarinho e Fichas Técnicas dos Vinhos. Este kit formação é utilizado de acordo com as necessidades das escolas e serve de ferramenta de trabalho para professores e alunos nas ações letivas e projetos educativos.

escola hotelaria viana soalheiro (8).jpg

VINHO É CULTURA: PARTIR À DESCOBERTA DE CHEIROS, MEMÓRIAS, LUGARES…

“Não é preciso beber vinho, para ter cultura de vinho” desmistifica o enólogo Luís Cerdeira quando se refere à formação de base em que os alunos começam a frequentar os cursos profissionais com 14/15 anos. Acrescentando, “o vinho faz parte da nossa tradição. Está enraizado na dieta mediterrânea e é fundamental que os jovens aprendam e evoluam. Não é beber por beber. A cultura do vinho tem a ver com a entrega, com a dedicação, com o simbolismo do momento. Podemos dar história, dar dimensão”.

Na primeira fase deste projeto piloto, a arrancar este ano letivo, integram escolas de norte a sul do país e de diferentes níveis de ensino. O projeto abrange, desta forma, alunos com formações diversas: gestão e administração hoteleira, cozinha, catering, restauração e bar, uma vez que, os sentidos devem ser desafiados e trabalhados num todo para que a harmonia final seja perfeita.Durante o primeiro semestre letivo será implementado também nas Escolas de Hotelaria de Fátima, Porto, Coimbra e Faro e na Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Instituto Politécnico do Porto.

“Acreditamos que o turismo pede criatividade para dar a conhecer o potencial do nosso país. Não podemos estagnar face ao presente.

É necessário evoluir e desafiar convenções para que façam ver as potencialidades da nossa terra, do nosso património, das nossas tradições.

É preciso saber fazer as escolhas adequadas. O futuro deles prende-se com inovação e diferenciação. Só os melhores se vão destacar” - concluem os produtores.

escola hotelaria viana soalheiro (1).jpg

escola hotelaria viana soalheiro (2).jpg

escola hotelaria viana soalheiro (4).jpg

escola hotelaria viana soalheiro (5).jpg

escola hotelaria viana soalheiro (7).jpg

RÉVEILLON E ALMOÇO DE ANO NOVO NO RINOTERRA MINHO

Programa completo inclui alojamento

O Rinoterra Minho apresenta um programa alargado de Passagem de Ano, em que o alojamento e o almoço de Ano Novo também são opção, para celebrar a entrada em 2019 num ambiente especial e acolhedor.

Rinoterra Minho (Caminha)

O Réveillon neste boutique hotel, situado no alto de Seixas (Caminha), abre com um cocktail de boas vindas, a que se segue o jantar, acompanhado de música ao vivo e animação diversa, com a festa a prolongar-se pela noite fora. Momento especial será o fogo de artifício em Caminha, que é visível do hotel, que goza de uma localização privilegiada, sendo o preço de 115 €/ pessoa.

É possível optar, no entanto, por um programa completo, acrescentando ao jantar de Réveillon o alojamento de 31 de Dezembro para 1 de Janeiro, ‘acordando’ com um pequeno-almoço tradicional, seguido de almoço de Ano Novo, acesso livre ao Spa (jacuzzi e sauna) e late check-out, por 225 €/ pessoa.

As reservas podem ser feitas pelo email geral@rinoterra.com, tlm. 938 396 416 ou no site www.rinoterra.com.

Réveillon - Rinoterra Minho (Caminha)

Rinoterra Minho (Caminha) - Deck exterior

Rinoterra Minho (Caminha) - vista de janela

SOALHEIRO DESAFIA ALUNOS DA ESCOLA DE HOTELARIA E TURISMO DE VIANA DO CASTELO A CRIAR HARMONIZAÇÕES IMPROVÁVEIS

Projeto arrancou este ano letivo e pretende demonstrar que a gastronomia portuguesa é rica e variada e que pode ser combinada com perfis distintos do Soalheiro.

Uma abordagem detalhada do Vinho Verde e do território de

Monção e Melgaço – A Origem do Alvarinho é um dos objetivos fundamentais.

Consciente da importância da formação de base para a criação de profissionais de topo, a Quinta de Soalheiro desafiou a Escola de Hotelaria e Turismo de Viana Castelo para um projeto que permitirá uma educação sustentada dos seus alunos e que contribuirá certamente para criar embaixadores de Portugal e dos vinhos portugueses nos quatro cantos do mundo. O projeto arrancou no dia 20 de novembro e já promete muitas surpresas. O desafio lançado aos alunos tem como base o desenvolvimento de uma harmonização improvável: desafiar os paladares de um prato típico da região onde a escola está inserida com diferentes estilos de Soalheiro. Um desafio que permitirá demonstrar que a gastronomia portuguesa é rica e variada e que pode ser combinada com perfis distintos de Vinho Verde, especificamente dentro da casta Alvarinho. Os resultados serão apresentados no início de 2019, num evento dedicado ao efeito.

Capturar

O modelo base do projeto centra-se em visitas formativas ao terroir Monção e Melgaço: a origem do Alvarinho e Master Class sobre as especificidades dos Vinhos Portugueses, com especial incidência no Vinho Verde e na Casta Alvarinho, e os paralelismos destes com os vinhos do mundo. O Soalheiro, pela sua diversidade de gama, disponibiliza ainda um kit de formação composto por vinhos de todas as suas dimensões, um info kit explicativo da origem do terroir, Monção e Melgaço e da história do Alvarinho e Fichas Técnicas dos Vinhos. Este kit formação é utilizado de acordo com as necessidades das escolas e serve de ferramenta de trabalho para professores e alunos nas ações letivas e projetos educativos.

“O nosso objetivo é contribuir para que estes alunos aprendam a trabalhar com diferentes estilos de vinho,

para que possam adaptar esses conhecimentos a vinhos de qualquer parte do mundo” - afirmam os produtores.

VINHO É CULTURA: PARTIR À DESCOBERTA DE CHEIROS, MEMÓRIAS, LUGARES…

“Não é preciso beber vinho, para ter cultura de vinho” desmistifica o enólogo Luís Cerdeira quando se refere à formação de base em que os alunos começam a frequentar os cursos profissionais com 14/15 anos. Acrescentando, “o vinho faz parte da nossa tradição. Está enraizado na dieta mediterrânea e é fundamental que os jovens aprendam e evoluam. Não é beber por beber. A cultura do vinho tem a ver com a entrega, com a dedicação, com o simbolismo do momento. Podemos dar história, dar dimensão”.

Na primeira fase deste projeto piloto, a arrancar este ano letivo, integram escolas de norte a sul do país e de diferentes níveis de ensino. O projeto abrange, desta forma, alunos com formações diversas: gestão e administração hoteleira, cozinha, catering, restauração e bar, uma vez que, os sentidos devem ser desafiados e trabalhados num todo para que a harmonia final seja perfeita. Durante o primeiro semestre letivo será implementado também nas Escolas de Hotelaria de Fátima, Porto, Coimbra e Faro e na Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Instituto Politécnico do Porto.

“Acreditamos que o turismo pede criatividade para dar a conhecer o potencial do nosso país. Não podemos estagnar face ao presente.

É necessário evoluir e desafiar convenções para que façam ver as potencialidades da nossa terra, do nosso património, das nossas tradições.

É preciso saber fazer as escolhas adequadas. O futuro deles prende-se com inovação e diferenciação. Só os melhores se vão destacar”

concluem os produtores.

VALENÇA AUMENTA OFERTA HOTELEIRA

Valença com Mais Oferta Hoteleira. Aumento de 18% Num Ano

A oferta hoteleira de Valença está nas 44 unidades de alojamento. Face a 2017 verifica-se um aumento de 18%, fruto sobretudo das novas unidades de alojamento local.

unnamed

A dinâmica crescente dos Caminhos de Santiago, o turismo patrimonial e comercial focado na Fortaleza, o de natureza na Ecopista do Rio Minho e o gastronómico, numa restauração emblemática atrai cada vez mais turistas.

Unidades Por Todo o Concelho

As unidades de alojamento distribuem-se por todo o concelho, com mais significado na cidade e nas freguesias atravessadas pelo Caminho de Santiago (Central e da Costa). Pelo concelho encontramos 14 unidades em Valença, 6 em Cerdal, 5 em São Pedro da Torre, 4 em Fontoura, 3 em Gondomil, 2 na Silva, 2 em São Julião, 2 em Arão, 2 em Ganfei, 1 em Gandra, 1 em Taião, 1 em Friestas e 1 em Cristelo Côvo.

A estas unidades vão-se juntar umas quantas mais em fase final de obras e já com os processos de obtenção do registo iniciados.

Registo Obrigatório dos Alojamentos Locais

As unidades de Alojamento Local, para poderem operar, tem obrigatoriamente de ter um número de registo. O registo deverá ser formalizado nos Serviços Técnicos de Obras, do Município de Valença, na Rua Mouzinho de Albuquerque, ou através do e-mail: sop@cm-valenca.pt ou telefone 251 809 513

Mais de 2 Milhões na Fortaleza

A Fortaleza de Valença é um dos monumentos mais visitados de Portugal, ultrapassando, por ano, a cifra de 2 milhões de turistas. O património edificado e o emblemático comércio tradicional são um chamariz.

Ecopista 3ª Melhor Via Verde da Europa

A Ecopista do Rio Minho, classificada como a 3ª melhor via verde, é uma das grandes referências do turismo verde na Península Ibérica, atravessando toda a margem ribeirinha de Valença. O número de utentes, sobretudo ao fim de semana, feriados e férias tem disparado.

Mais 35% de Peregrinos para Santiago

Os Caminhos de Santiago vivem um aumento exponencial, em Valença. O número de peregrinos em 2018, face aos mesmos períodos de 2017, regista já um aumento de 35%. Peregrinos das mais diversas proveniências que pernoitam em Valença e dinamizam a hotelaria, a restauração e o comércio.

Turismo Gastronómico – 84 Unidades

Valença é um destino para comer bem, sendo sobretudo, os pratos de bacalhau a grande referência. No concelho são já 84 as unidades de restauração a apresentar uma palete gastronómica rica e muito diversificada.

REGIÃO DE BASTO DEBATE INDÚSTRIA E COMÉRCIO DA RESTAURAÇÃO

“Restauração - Riscos e desafios na região de Basto”, dia 7 de Agosto em Vieira do Minho.

Estando a Associação Mútua de Basto a desenvolver o projeto “Start in Basto”, que consiste na dinamização de um conjunto de ações de promoção e fomento do espírito empreendedor na Região de Basto (Projeto que abrange 6 Municípios de baixa densidade, especificamente Cabeceiras de Basto, Celorico de Basto, Mondim de Basto, Ribeira de Pena, Fafe e Vieira do Minho), vai promover, no dia 7 de Agosto, pelas 9h00, no Salão Nobre da Câmara Municipal de Vieira do Minho uma conferência sobre a temática.

mutua_jornal_6-1

A conferência, promovida pelo Grupo Skillmind e pela Associação Mútua de Basto está aberta aos proprietários da restauração e todos aqueles que manifestem interesse na temática.

ASSOCIAÇÃO DE HOTÉIS DE PORTUGAL REALIZA CICLO DE CONFERÊNCIAS

Sobre a Associação de Hotéis Rurais de Portugal

A Associação de Hotéis Rurais de Portugal (AHRP) desenvolverá, em diversas regiões de Portugal, um ciclo de conferências integrado no Projeto HRP Global, apoiado pelo Programa Operacional Competitividade e Internacionalização e de participação gratuita. Tendo por público alvo os proprietários e gestores de hotéis rurais e de outros empreendimentos de Turismo no Espaço Rural, empresas de animação turística, entidades públicas e privadas do setor, docentes e estudantes da área de ensino de turismo e jornalistas, a AHRP disponibilizará um conjunto diversificado de temas, incentivando ao debate, à discussão de soluções e desafios para o setor, assim como preparar, direcionar e mobilizar os agentes de Turismo no Espaço Rural para os mercados internacionais.

P1033907 (1)

Fundada em 2007, a Associação de Hotéis Rurais de Portugal tem como principal objetivo a representação e promoção do Turismo Rural e Hotéis associados.

A sua missão é a de promover e divulgar os Hotéis Rurais de Portugal a nível nacional e internacional, potenciando o valor turístico de cada região.

Além da promoção, a Associação de Hotéis Rurais de Portugal também atua na área da qualificação e formação destas unidades com o objetivo de elevar os seus níveis de serviço para padrões de excelência, de forma, a corresponder às expectativas dos mercados-alvo. A visão da AHRP é a de representar todos os Hotéis Rurais de Portugal e unidades do TER, representando-os junto da tutela e entidades governamentais, defendendo e garantindo as suas necessidades e aumentando a sua representatividade na economia nacional. Atualmente são associados da AHRP 157 unidades hoteleiras distribuídas pelo Algarve, Alentejo, Lisboa e Vale do Tejo, Centro, Norte e Região Autónoma da Madeira.

A Associação de Hotéis Rurais de Portugal (AHRP) desenvolverá, em diversas regiões de Portugal, um ciclo de conferências integrado no Projeto HRP Global, apoiado pelo Programa Operacional Competitividade e Internacionalização e de participação gratuita. Tendo por público alvo os proprietários e gestores de hotéis rurais e de outros empreendimentos de Turismo no Espaço Rural, empresas de animação turística, entidades públicas e privadas do setor, docentes e estudantes da área de ensino de turismo e jornalistas, a AHRP disponibilizará um conjunto diversificado de temas, incentivando ao debate, à discussão de soluções e desafios para o setor, assim como preparar, direcionar e mobilizar os agentes de Turismo no Espaço Rural para os mercados internacionais. Já no segundo painel as intervenções focaram-se no património natural, abordando-se os temas “As marcas naturais do território", por Manuel Sousa, docente do ISAG Porto e “A gestão sustentável dos recursos naturais, uma oportunidade de negócio?”, por Paulo Valadas Castro, Federação Europeia de Parques Nacionais e Naturais.

P1033916 (1)

FAFE ACOLHEU CONFERÊNCIA INTERNACIONAL “DESAFIOS PARA O TURISMO EM ESPAÇO RURAL”

Sobre a Associação Hotéis Rurais de Portugal

Fundada em 2007, a Associação de Hotéis Rurais de Portugal tem como principal objetivo a representação e promoção do Turismo Rural e Hotéis associados.

A sua missão é a de promover e divulgar os Hotéis Rurais de Portugal a nível nacional e internacional, potenciando o valor turístico de cada região.

Além da promoção, a Associação de Hotéis Rurais de Portugal também atua na área da qualificação e formação destas unidades com o objetivo de elevar os seus níveis de serviço para padrões de excelência, de forma, a corresponder às expectativas dos mercados-alvo.

A visão da AHRP é a de representar todos os Hotéis Rurais de Portugal e unidades do TER, representando-os junto da tutela e entidades governamentais, defendendo e garantindo as suas necessidades e aumentando a sua representatividade na economia nacional.

Atualmente são associados da AHRP 157 unidades hoteleiras distribuídas pelo Algarve, Alentejo, Lisboa e Vale do Tejo, Centro, Norte e Região Autónoma da Madeira.

P1033029

Sobre o projeto HRP Global – Ciclo de conferências

A Associação Hoteis Rurais de Portugal (AHRP) desenvolverá, em diversas regiões de Portugal, um ciclo de conferências integrado no Projeto HRP Global, apoiado pelo Programa Operacional Competitividade e Internacionalização e de participação gratuita.

Tendo por público alvo os proprietários e gestores de hotéis rurais e de outros empreendimentos de Turismo no Espaço Rural, empresas de animação turística, entidades públicas e privadas do setor, docentes e estudantes da área de ensino de turismo e jornalistas, a AHRP disponibilizará um conjunto diversificado de temas, incentivando ao debate, à discussão de soluções e desafios para o setor, assim como preparar, direcionar e mobilizar os agentes de Turismo no Espaço Rural para os mercados internacionais.

Conferência Internacional decorreu em Fafe: “Desafios para o turismo em espaço rural”.

Um novo tempo espera o turismo em espaço rural. As oportunidades existem, e em Fafe foi debatido o caminho a percorrer para criar valor, numa área com trabalho feito, mas com muito para fazer.

A participação foi elevada, no passado dia 21 de Março, no Teatro Cinema de Fafe, na Conferência Internacional “Desafios para o turismo em espaço rural”.

A iniciativa teve por objetivo debater os desafios que o Turismo em Espaço Rural irá enfrentar e quais as possíveis iniciativas e soluções que poderão ser implementadas para melhor preparar os Hotéis Rurais e outros empreendimentos de Turismo no Espaço Rural, no futuro.

Participaram na conferência múltiplas organizações internacionais, nacionais e regionais, com destaque para a Diretora de e-marketing da Federação Internacional Logis de France (Marie Lou Lopez), o Presidente da Associação ASETUR (Ventura Garcia Fafian), o Presidente do Forum Internacional para la Naturaleza y el Turismo (Arturo Crosby), o Turismo de Portugal (Luís Coito), o Turismo Porto e Norte de Portugal (Nuno Ferreira), a Federação Nacional de Turismo Rural (Ricardo Ambrósio), a Associação Salvador (Sara Coutinho), o Secretário Geral Adjunto da AHRESP (António Sousa Martins), a Docente do IESF/ESTF (Isabel Borges), a Diretora Comercial do projeto Hotel Rural Quinta Nova Nossa Senhora do Carmo (Paula Sousa), o Markteer da Little Dudes (João Fernandes) e o Diretor da Associação de Hotéis Rurais de Portugal (Jorge Vieira).

 Logo pela manhã foi constituída a Mesa de Honra, na qual participaram o Presidente do Município de Fafe, o Presidente da AHRP, o representante do IESF/ESTF e o representante do Turismo de Portugal, desenvolvendo-se de seguida o painel institucional “Hotelaria Rural e dinâmicas territoriais”, moderado por António Cardoso, Vice-Presidente CIMAve e Presidente do Município de Vieira do Minho.

Após o almoço decorreram os painéis técnicos. O segundo do dia e a iniciar a tarde foi moderado por Carlos Meneses Rodrigues, docente do IESF/ESTF, tendo refletiu sobre as “Boas Práticas na Hotelaria Rural” ao que se lhe seguiu a temática em torno das “Tendências de futuro”, moderado por Mafalda Cabral, Administradora da Sol do Ave.

Diversos momentos relevantes, provocadores e interativos foram colocados à discussão a uma plateia repleta.

Cândido Mendes, Presidente da AHRP e Pompeu Martins, Vereador da Cultura, demonstravam no final da conferência uma elevada satisfação pela organização e pela dinâmica criada durante toda a conferência que gerou a discussão em torno da organização, acolhimento, oferta e promoção, associação, sustentabilidade e internacionalização do Turismo em Espaço Rural.

Os participantes foram surpreendidos com a qualidade do evento proporcionado pelos Hotéis Rurais de Portugal, interiorizando a máxima apresentada “o nosso cliente/turista, no final, não tem apenas que ficar satisfeito com a sua experiência… tem que dizer WOW!!!”.

P1033165

ASSOCIAÇÃO DE HOTÉIS RURAIS DE PORTUGAL ORGANIZA CICLO DE CONFERÊNCIAS

“Doçaria conventual e local”: Instituto Politécnico do Cávado Ave - Barcelos

No âmbito do Projeto HRP Global, promovido pela Associação de Hotéis Rurais de Portugal, teve lugar no Instituto Politécnico do Cávado e do Ave a segunda iniciativa do Ciclo de Workshops.

Poster_conferencia_Fafe

Tendo como tema "Doçaria Conventual e Local", o workshop decorreu na manhã do dia 19 de março e teve por objetivo debater o importante legado no âmbito da doçaria conventual e local, algo que nem sempre é valorizado e divulgado de forma consistente e eficaz, pelo que com esta iniciativa se pretendeu sensibilizar para a valorização da doçaria conventual e local através de uma promoção adequada e integrada com as ofertas turísticas a criar.

O workshop contou com a presença de académicos e de profissionais do setor do turismo e desenvolveu-se em quatro interessantíssimas e complementares intervenções.

A abrir Filipe Pereira, do IPCA refletiu sobre o tema “Pão de Ló-valorizar e afirmar uma multitude de formas” e João Pedro Gomes, Universidade de Coimbra, proporcionou uma discussão em torno de “Mito e História na Doçaria Portuguesa”. Já na segunda parte do workshop Josefina Salvado dissertou sobre” A Importância das Fontes Históricas na Criação de Narrativas de Storytelling no Turismo Gastronómico”, tendo o workshop terminado com a transmissão da experiência e vivência de Paula Sousa, Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo com o tema “Enoturismo –um novo desafio” e da sua conjugação com a doçaria e outros produtos complementares para a dinamização turística.

Sobre a Associação de Hotéis Rurais de Portugal

Fundada em 2007, a Associação de Hotéis Rurais de Portugal tem como principal objetivo a representação e promoção do Turismo Rural e Hotéis associados. A sua missão é a de promover e divulgar os Hotéis Rurais de Portugal a nível nacional e internacional, potenciando o valor turístico de cada região. Além da promoção, a Associação de Hotéis Rurais de Portugal também atua na área da qualificação e formação destas unidades com o objetivo de elevar os seus níveis de serviço para padrões de excelência, de forma, a corresponder às expectativas dos mercados-alvo.

A visão da AHRP é a de representar todos os Hotéis Rurais de Portugal e unidades do TER, representando-os junto da tutela e entidades governamentais, defendendo e garantindo as suas necessidades e aumentando a sua representatividade na economia nacional.

Atualmente são associados da AHRP 157 unidades hoteleiras distribuídas pelo Algarve, Alentejo, Lisboa e Vale do Tejo, Centro, Norte e Região Autónoma da Madeira.

Sobre o projeto HRP Global – Ciclo de conferências

A Associação de Hotéis Rurais de Portugal (AHRP) desenvolverá, em diversas regiões de Portugal, um ciclo de conferências integrado no Projeto HRP Global, apoiado pelo Programa Operacional Competitividade e Internacionalização e de participação gratuita.

Tendo por público alvo os proprietários e gestores de hotéis rurais e de outros empreendimentos de Turismo no Espaço Rural, empresas de animação turística, entidades públicas e privadas do setor, docentes e estudantes da área de ensino de turismo e jornalistas, a AHRP disponibilizará um conjunto diversificado de temas, incentivando ao debate, à discussão de soluções e desafios para o setor, assim como preparar, direcionar e mobilizar os agentes de Turismo no Espaço Rural para os mercados internacionais.

“Cooperação entre entidades locais e nacionais”

Escola Superior de Turismo de Portalegre

Na passada quarta-feira, dia 14 de Março, teve lugar na Escola Superior de Hotelaria e Turismo de Portalegre a Conferência “Cooperação entre entidades locais e nacionais”. Integrada no Projeto HRP Global, esta foi a primeira de seis conferências de percorrerão várias regiões do país e que colocarão em discussão os desafios para o setor.

A iniciativa teve por objetivo identificar possíveis áreas para o desenvolvimento e estabelecimento de parcerias e cooperações entre diversas entidades no âmbito do turismo para assim tirar proveito das sinergias que possam surgir para divulgação de Portugal como destino de TER.

Participaram na conferência Manuela Murteira da Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo, Pedro Pedrosa da A2Z, Elsa Milheiro, docente da ESECS-IPP e José Manuel Coelho da Quinta do Barrieiro.

Aberta a sessão pela Presidente do Município de Portalegre, Drª Maria Adelaide Teixeira e pelos representantes da Escola de Hotelaria e Turismo de Portalegre e da Associação de Hotéis Rurais de Portugal, os cerca 96 conferencistas participaram ativamente nos dois painéis programados “Cooperação territorial” e “Cooperação entre unidades locais para o desenvolvimento regional”.

No primeiro painel abordaram-se matérias associadas ao papel e às dinâmicas institucionais para o desenvolvimento do território e promoção de redes institucionais, nomeadamente “O papel das comunidades intermunicipais no desenvolvimento do território” e “Projetos de cooperação interterritorial de base regional”.

Já no segundo painel as intervenções focaram-se no papel e contributo das entidades privadas para o acompanhamento, articulação e envolvimento nas redes e nos projetos territoriais em desenvolvimento, abordando-se os temas “A contribuição do TER para o desenvolvimento regional mediante a cooperação entre unidades e empresas locais no território português" e “Alentejo Sculpture Park – Maria Leal da Costa – Parque de Esculturas de Marvão”.

Programa Fafe vista leitura

PÁSCOA NO RINOTERRA MINHO

Programa completo com alojamento ou só Almoço Pascal

É no seu espaço pleno de charme e calmaria que o Rinoterra Minho propõe que se desfrute de umas mini-férias de Páscoa ou, simplesmente, de um belo Almoço Tradicional naquele dia festivo. O programa especial para a ocasião - que pode ser usufruído de 26 de Março a 2 de Abril - é constituído por duas noites de alojamento (com pequeno-almoço), um jantar ou o Almoço de Páscoa, com bebidas selecionadas incluídas, uma massagem de relaxamento (45minutos) e acesso livre ao Spa (jacuzzi e sauna). O programa completo tem o preço de 220€/ pessoa.

Rinoterra Minho - Sala B

Para os que optarem por desfrutar apenas do Almoço de Páscoa, a ementa tem como entradas corações de sushi e kebab de frango e sésamo, a que se seguem duas opções de prato principal: bacalhau à Brás com camarão e alho francês ou carré de borrego com couscous de beterraba.  Para sobremesa, haverá mousse de 3 chocolates. O preço é de 30€/ pessoa (vinhos selecionados e café incluídos).

Situado no alto de Seixas, em Caminha, o Rinoterra Minho oferece o encanto de uma antiga quinta portuguesa, a que se adicionou o requinte e o conforto, com uma agradável combinação de vistas para o rio e para a montanha, juntando a elegância à descontração do campo.

A 2 km do centro da vila e com sete quartos, o espaço nasceu da recuperação de uma antiga casa portuguesa, e é hoje um refúgio de charme.

As reservas podem ser feitas pelo email geral@rinoterra.com ou pelos telefones (+ 351) 258 724 442 ou 963 373 912.

Páscoa (Almoço) - Rinoterra Minho

Páscoa (Programa) - Rinoterra Minho

Rinoterra - Edifício (vistas)

Rinoterra - Sala de Massagens

ASSOCIAÇÃO HOTÉIS RURAIS DE PORTUGAL REALIZA CICLO DE CONFERÊNCIAS EM FAFE E PORTALEGRE

Sobre a Associação Hotéis Rurais de Portugal

Fundada em 2007, a Associação de Hotéis Rurais de Portugal tem como principal objetivo a representação e promoção do Turismo Rural e Hotéis associados. A sua missão é a de promover e divulgar os Hotéis Rurais de Portugal a nível nacional e internacional, potenciando o valor turístico de cada região. Além da promoção, a Associação de Hotéis Rurais de Portugal também atua na área da qualificação e formação destas unidades com o objetivo de elevar os seus níveis de serviço para padrões de excelência, de forma, a corresponder às expectativas dos mercados-alvo.

Poster_conferencia

A visão da AHRP é a de representar todos os Hotéis Rurais de Portugal e unidades do TER, representando-os junto da tutela e entidades governamentais, defendendo e garantindo as suas necessidades e aumentando a sua representatividade na economia nacional.

Atualmente são associados da AHRP 157 unidades hoteleiras distribuídas pelo Algarve, Alentejo, Lisboa e Vale do Tejo, Centro, Norte e Região Autónoma da Madeira.

Sobre o projeto HRP Global – Ciclo de conferências

A Associação Hoteis Rurais de Portugal (AHRP) desenvolverá, em diversas regiões de Portugal, um ciclo de conferências integrado no Projeto HRP Global, apoiado pelo Programa Operacional Competitividade e Internacionalização e de participação gratuita.

Tendo por público-alvo os proprietários e gestores de hotéis rurais e de outros empreendimentos de Turismo no Espaço Rural, empresas de animação turística, entidades públicas e privadas do setor, docentes e estudantes da área de ensino de turismo e jornalistas, a AHRP disponibilizará um conjunto diversificado de temas, incentivando ao debate, à discussão de soluções e desafios para o setor, assim como preparar, direcionar e mobilizar os agentes de Turismo no Espaço Rural para os mercados internacionais.

Poster workshop_Portalegre

“Cooperação entre entidades locais e nacionais”, 14 de Março

Escola Superior de Turismo de Portalegre

Horário: 14.00 horas às 18.00 horas

A iniciativa tem por objetivo identificar possíveis áreas para o desenvolvimento e estabelecimento de parcerias e cooperações entre diversas entidades no âmbito do turismo para assim tirar proveito das sinergias que possam surgir para divulgação de Portugal como destino de TER.

Participarão na conferência oradores de instituições regionais, entidades com vasta experiência na dinamização do território, investigadores e empresários, nomeadamente a Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo, a A2Z, ESECS-IPP e a Quinta do Barrieiro.

“Desafios para o turismo em espaço rural”, 21 de Março

Teatro Cinema de Fafe

Horário: 10.00 horas às 18.00 horas

A iniciativa tem por objetivo debater quais os desafios que o Turismo em Espaço Rural irá enfrentar e quais as possíveis iniciativas e soluções que poderão ser implementadas para melhor preparar os Hotéis Rurais e outros empreendimentos de Turismo no Espaço Rural, no futuro.

Participarão na conferência o Turismo de Portugal, o Turismo Porto e Norte de Portugal, a ASETUR, a Associação Logis de France, Associação Salvador, AHRESP, editores e empresas consultoras, bem como académicos e empresários associados ao Turismo no Espaço Rural.

Poster_workshopBarcelos

Poster conferencia

BOOKING.COM ATRIBUI GALARDÃO À RINOTERRA MINHO

Rinoterra Minho com pontuação de 9.7 nos Guest Review Awards. Galardão instituído pela Booking.com

Pelo terceiro ano consecutivo, o Rinoterra Minho - Boutique hotel viu ser-lhe atribuída a pontuação de 9.6 (num máximo de 10) nos Guest Review Awards, instituídos internacionalmente pela Booking.com e que acabaram de ser entregues às unidades hoteleiras selecionadas.

Rinoterra Minho

Anualmente, são premiadas as propriedades com uma pontuação mínima de 8.0, com base em comentários de clientes, on-line. Segundo a Booking.com "estas propriedades proporcionaram excelentes experiências aos hóspedes, e os Guest Review Awards são uma óptima forma de mostrar este feito."

A pontuação é baseada em todos os comentários publicados no website dos espaços, durante os 24 meses anteriores. Os parceiros elegíveis recebem um certificado oficial.

Situado no alto de Seixas, em Caminha, o Rinoterra Minho oferece o encanto de uma antiga quinta portuguesa, a que se adicionou o requinte e o conforto, com uma agradável combinação de vistas para o rio e para a montanha, juntando a elegância à descontração do campo.

A 2 km do centro da vila de Caminha e com sete quartos, o espaço nasceu da recuperação de uma antiga casa portuguesa, e é hoje um refúgio de charme. 

Class. Booking 2017

JÁ SE PODE (VOLTAR A) BEBER PIRATAS EM LISBOA

O “Pirata” reabriu no nº 95 da rua Morais Soares

Um ano após o encerramento do Pirata dos Restauradores, eis que o antigo estabelecimento reabriu na rua Morais Soares, nº 95, perto da Praça do Chile, em Lisboa.

IMG_02421

De maiores dimensões, espaço renovado e acolhedor, apesar de novo mantém muito do espólio do Pirata do Restauradores, entre ele o Gerente de há mais de 20 anos, obreiro das mágicas poções do Pirata e do Perna de Pau, dos célebres pregos e do inconfundível arroz doce.

Segundo Paula Tavares, filha de José Tavares, proprietário do Pirata há mais de 20 anos, as marcas registadas e a imagem sobreviveram a um ano de paragem, as fórmulas mantém-se fiéis ao segredo (desde 1929) e espera-se que muitos possam voltar a beber Piratas e Pernas de Pau e ajudar na divulgação destes produtos e desta casa tão icónica da cidade de Lisboa.

19856564.jpg

Célebre pelos seus dois famosos aperitivos – o “Pirata” e o “Perna de Pau” – o Bar “Pirata” era um dos mais emblemáticos estabelecimentos da baixa lisboeta, a par das “Ginginhas” do Largo de São Domingos e da rua das Portas de Santo Antão, famosas pelas suas marcas “Eduardinho” e “Espinheira”.

IMG_02451

O “Pirata” é uma mistura à base de vinho generoso gaseificado ou seja, misturado com soda. O “Perna de Pau” é a mesma bebida acrescentada de ginginha.

O fecho do histórico estabelecimento nos Restauradores deixou uma enorme nostalgia e revolta em muitos e muitos dos seus clientes habituais que se viram privados de duas bebidas quase centenárias. O Pirata era ainda um ponto de atracão de milhares de visitantes, nacionais e estrangeiros, que ali podiam degustar aquelas bebidas e um estabelecimento histórico da cidade de Lisboa que actualmente, em face da vertigem do turismo, vê desaparecer lojas e estabelecimentos que fazem parte da memória da cidade.

Mas, a partir de agora, se quiser voltar a beber Piratas, será muito bem-vindo nesta nova casa do Pirata!

Bem-haja pela preferência e pela ajuda na manutenção e defesa da memória de um dos estabelecimentos mais emblemáticos da nossa cidade, património cultural e memória vida de muitas décadas!

IMG_02441

FAMALICÃO VAI TER HOTEL DE ALTA QUALIDADE VOCACIONADO PARA O TURISMO DE NEGÓCIOS

Câmara Municipal reconheceu interesse público municipal do Hotel Quinta das Pirâmides que vai nascer em Telhado

Chama-se Hotel Quinta das Pirâmides e é um projeto turístico com Hotel Resort e Spa, restaurantes e centro de congressos projetado para a freguesia de Telhado, em Vila Nova de Famalicão. A intenção para a construção desse equipamento direcionado para o turismo de negócios parte de um promotor privado e a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão manifestou na última reunião do executivo, por unanimidade, o interesse público do projeto para o concelho, condição essencial para a sua concretização.

DSC_6033

Trata-se de um projeto diferenciador na região, pela qualidade, pela localização e pelo potencial que o rodeia. O empreendimento vai nascer numa antiga quinta rural com 16 hectares, localizada na Avenida do Aziveiro em Telhado.

A construção do equipamento hoteleiro procura tirar partido do espaço rural, da beleza natural da quinta e da zona envolvente, aproveitando a proximidade aos castros históricos de Vermoim e Santa Cristina, a sua referência na obra de Camilo Castelo Branco e aproveitando a localização estratégica, muito perto das cidades de Braga (10km), Guimarães (15km) e Vila Nova de Famalicão (7km).

O hotel será construído em duas fases. A primeira fase com recuperação de parte do edificado para 32 quartos, SPA com 600 m2, dois restaurantes, salas de congressos para 300 pessoas e estacionamento. A segunda fase está relacionada com a ampliação da capacidade hoteleira.

O projeto direciona-se para o turismo de negócios, durante a semana e turismo de alta qualidade, nos fins-de-semana, feriados e férias e terá um nível de 4 estrelas superior. O investimento, cifrado na primeira fase em 3 milhões de euros, vai gerar 11 empregos diretos e 15 indiretos.

“É uma boa notícia para o concelho de Vila Nova de Famalicão que, reconhecidamente, se encontra deficitário em termos de alojamento hoteleiro, apesar do crescimento que tem existido no setor nos últimos anos”, assinala o Presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, recordando “o enorme potencial do concelho para o mercado, não só pela localização geográfica particularmente privilegiada mas também pela presença diária no território de muitos estrangeiros relacionados com a forte atividade empresarial e industrial do concelho”.