Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

ARCOS DE VALDEVEZ: CÁ SE FAZEM CÁ SE COMEM!

No fim-de-semana de 18 e 19 de janeiro vá almoçar ou jantar à Porta do Mezio e delicie-se com o melhor da nossa gastronomia.

Cá se fazem cá se comem.jpg

Através da iniciativa “Cá se fazem, cá se comem”, a Porta do Mezio procura incentivar o consumo de produtos locais, produzidos de forma sustentável. Procura ainda contribuir para a conservação das variedades regionais e das raças autóctones, das artes e ofícios e do receituário tradicional, marca identitária das gentes do Minho.

Ementa:

Entradas: presunto fatiado, queijo de Melgaço, pataniscas de bacalhau, broa de milho tostada e alheira dos Arcos.

Prato principal: Costela mendinha de vitela cachena com batata assada e arroz de feijão tarreste.

Sobremesa: Leite-creme queimado e aletria doce.

Bebidas: Vinho verde branco e tinto, café e digestivo

Tipo de evento: Almoços e jantares

Data e hora: 18 de janeiro de 2020 das 10:00h às 16:00h e das 18:00h às 22:00h

Inscrições/Informações: 258 510 100 / portadomezio@ardal.pt

http://www.portadomezio.com

VIEIRA DO MINHO SABE A FUMEIRO

Autarquia Vieirense prepara 14ª edição da Feira do Fumeiro

Com o intuito de preparar a 14ª edição da Feira do Fumeiro que acontece de 14 a 16 de fevereiro, a Autarquia Vieirense realizou, ontem, dia 13 de janeiro, uma reunião de preparação que juntou à mesma mesa, o presidente da Câmara Municipal, António Cardoso, o veterinário municipal, José Vieira Leite, e os produtores de fumeiro.

FUMEIROREUNIÃO-1.jpg

A reunião teve por objetivo tratar de questões relacionadas com a feira, no sentido de limar arestas e acertar pormenores para que nesta edição tudo volte a correr de feição.

Evoluir com qualidade e atingir o nível de excelência é o objectivo que, segundo António Cardoso, presidente da Câmara de Vieira do Minho, se pretende alcançar de ano para ano.

É ainda objectivo deste certame valorizar a produção do fumeiro, bem como estimular a cooperação entre os agentes e incrementar os níveis de inovação nos processos de produção e comercialização.

A XIV Feira do Fumeiro de Vieira do Minho que irá decorrer de 14 a 16 de fevereiro promete, uma vez mais ser um evento de excelência que vai reunir num só espaço os vários produtores concelhios, divulgando todas as potencialidades e saber fazer deste Concelho Minhoto.

MONÇÃO: SERVIMOS LAMPREIA DO RIO MINHO

Com tradição, requinte e inovação, os restaurantes de Monção disponibilizam a afamada e saborosa Lampreia do Rio Minho. Quem visitar o concelho, poderá deliciar-se com arroz de lampreia ou à bordalesa, mas também com opções mais contemporâneas: sushi, escabeche ou empanada.

lampreia 2020.png

Promovida pela ADRIMINHO e os seis municípios do Vale do Minho (Melgaço, Monção, Valença, Paredes de Coura, Vila Nova de Cerveira e Caminha), a iniciativa “Lampreia do Rio Minho – Um Prato de Excelência” inicia-se amanhã, 15 de janeiro, prolongando-se até 15 de abril.

O Município de Monção participa nesta iniciativa gastronómica, que entra na sua décima-primeira edição, com a presença de 17 restaurantes localizados no centro histórico da localidade e em várias freguesias do concelho. Com tradição, requinte e inovação, disponibilizam uma ementa com a afamada e saborosa Lampreia do Rio Minho.

Nestes três meses, quem visitar o concelho de Monção poderá deliciar-se com arroz de lampreia ou à bordalesa, mas também com opções mais contemporâneas: sushi, escabeche ou empanada. Para acompanhar, uma garrafa de Alvarinho, um dos melhores vinhos brancos do mundo com selo de garantia da Sub-Região de Monção e Melgaço.

Neste período, o Município de Monção disponibiliza um programa complementar que engloba visitas a locais de interesse cultural, percursos por lugares naturais e patrimoniais e atividades de desporto e lazer. Um dos pontos mais altos acontece nos dias 29 de fevereiro e 1 de março, com a realização do Rali à Lampreia.

“A iniciativa Lampreia do Rio Minho – Um Prato de Excelência constitui um valioso cartão-de-visita da região num período de época baixa, contribuindo para a dinamização hoteleira e a valorização das nossas paisagens e monumentos”.

António Barbosa

Presidente da Câmara Municipal de Monção

GRUPO FOLCLÓRICO VERDE MINHO COMEMORA BODAS DE PRATA COM SARRABULHO À MODA DE PONTE DE LIMA

No próximo dia 2 de Fevereiro, passam precisamente 25 anos desde a data da fundação do “Grupo Folclórico e Etnográfico Danças e Cantares Verde Minho” – vulgo VERDE MINHO – ao longo dos quais tem representado o folclore e as tradições da nossa região, no concelho de Loures onde se encontra sediado e um pouco por todo o país onde actua nos mais diversos festivais e encontros de folclore.

Cartaz-Serrabulho (6).jpg

Ao longo de todo o ano de 2020, levará a efeito uma série de iniciativas visando a comemoração das suas bodas de prata, as quais estão já a ser minuciosamente preparadas. Desde logo, está já agendada a realização do Almoço do Sarrabulho com Rojões à Moda de Ponte de Lima a ter lugar em Loures, no dia 2 de Fevereiro, precisamente o dia em que celebra o seu aniversário.

Também a organização da próxima edição do FolkLoures já se encontra em marcha, devendo o programa ficar preenchido até ao final do próximo mês de Outubro, encontrando-se já algumas representações confirmadas. Mas, muitas surpresas irão ocorrer, as quais o BLOGUE DO MINHO espera oportunamente vir a divulgar.

A cada dia mais reconhecido pela nossa região a qual procura servir com espírito de missão, o Grupo Folclórico Verde Minho afirma-se como um guardião das nossas tradições e do folclore minhoto na região de Lisboa, colocando-se nomeadamente ao serviço do concelho de Ponte de Lima na cidade onde se encontra sediado – Loures!

DSCF5103.JPG

O MINHO É VERDE – FOLCLORE É VERDE MINHO!

Disse um dia o escritor transmontano Miguel Torga, “…no Minho tudo é verde, o caldo é verde, o vinho é verde…” – não podiam, pois, os minhotos que vivem na região de Lisboa, deixar de tomar para si a identificação cromática que caracteriza a sua região.

Respondendo ao chamamento da terra que os viu nascer, os minhotos que vivem nos arredores de Lisboa, mais concretamente no Concelho de Loures, decidiram em tempos criar um grupo folclórico que os ajuda a manter a sua ligação afetiva às origens. Assim nasceu em 1994 o “Grupo Folclórico e Etnográfico Danças e Cantares Verde Minho”, anunciado como seu propósito a preservação, salvaguarda e divulgação das suas raízes culturais.

Visa através da sua atuação promover as tradições da nossa região nomeadamente junto dos mais jovens ao mesmo tempo que valoriza os seus conhecimentos musicais e da etnografia minhota.

As danças e cantares que exibe são alegres e exuberantes como animadas são as mais exuberantes romarias do Minho. Trajam de linho e sorrobeco e vestem trajes de trabalho e domingueiros, de mordoma e lavradeira, de noivos, de ir ao monte e à feira. Calçam tamancos e ostentam o barrete e o chapéu braguês. As moças, graciosas e belas nos seus trajes garridos bordados pelas delicadas mãos de artista, com a sua graciosidade e simpatia, exibem vaidosas os colares de contas e as reluzentes arrecadas de filigrana que são a obra-prima da ourivesaria minhota.

Ao som da concertina e da viola braguesa, do bombo e do reque-reque, dos ferrinhos e do cavaquinho, cantam e dançam a chula e o vira, a rusga e a cana-verde, com a graciosidade e a desenvoltura que caracteriza as gentes do Minho. O seu reportório foi recolhido em meados do século passado, junto das pessoas mais antigas cujo conhecimento lhes foi transmitido ao longo de gerações, nas aldeias mais remotas das serranias da Peneda e das Argas, nas margens do Minho e do Lima, desde Melgaço a Ponte da Barca, do Soajo a Viana do Castelo. Levam consigo a merenda e os instrumentos de trabalho que servem na lavoura como a foicinha e o malho, os cestos de vime e os varapaus, as cabaças e os cabazes do farnel.

Qual hino de louvor ao Criador, o Minho, terra luminosa e verde que a todos nos seduz pelo seu natural e infinito encanto, salpicado de capelinhas aonde o seu povo acorre em sincera devoção, é ali representado por um punhado de jovens, uns mais do que outros, os quais presenteiam o público com o que o Minho possui de mais genuíno – o seu Folclore!

A42vm-logotipo (2) (2).jpg

CABECEIRAS DE BASTO REALIZA FESTA DA ORELHEIRA E DO FUMEIRO

Câmara Municipal aprova normas de participação da Festa da Orelheira e do Fumeiro 2020

O Executivo Municipal de Cabeceiras de Basto aprovou por unanimidade, hoje, dia 10 de janeiro, em reunião camarária, as normas de participação da XXIV Festa da Orelheira e do Fumeiro de Cabeceiras de Basto, evento que decorre entre os dias 21 e 24 de fevereiro no Pavilhão Desportivo de Refojos.

Concurso das Janeiras 2019 - foto de arquivo.JPG

O certame que tem como principal objetivo o aproveitamento das potencialidades que a região apresenta, designadamente ao nível da produção de orelheiras e outros produtos de fumeiro, contará com a presença de dezenas de expositores/produtores do concelho mas também de municípios vizinhos, aguardando-se a visita de milhares de pessoas a Cabeceiras de Basto no fim de semana que antecede o dia de Carnaval.

De entre outros assuntos, no decorrer desta reunião, foram aprovados mais cinco apoios de incentivo à natalidade no montante de 2.500 euros; três pedidos de apoio à iniciativa empresarial e económica nas áreas agrícolas, pecuária ou florestal no valor global de 3.000 euros; três pedidos de transporte, dois dos quais do Agrupamento de Escolas de Cabeceiras de Basto e um do Grupo Desportivo de Cavez; cinco pedidos de certidão de desanexação; tendo sido, ainda, aprovado o Estatuto Remuneratório do Coordenador Municipal de Proteção Civil e declarada a caducidade de um processo de obras.