Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

DOIS ALUNOS DA EPATV DESAFIARAM 26 JOVENS TALENTOS DA GASTRONOMIA

Dois alunos da Escola Profissional Amar Terra Verde (EPATV) tiveram a honra de disputar, em Esposende, a final do concurso Jovem Talento da Gastronomia (JTG), ao lado de 26 estudantes e jovens profissionais de todo o País. Neste Concurso nacional só participaram mais duas Escolas minhotas: a Profissional de Esposende e a de Hotelaria e Turismo de Viana do Castelo.

talentepavt (1).jpg

Rodolfo Meléndrez Rodriguez, Coordenador do Curso Técnico de Cozinha/Pastelaria na EPATV, acompanhou os seus alunos, durante os três dias e destacou o empenho e as capacidades demostradas pelo Francisco Lopes e pela Rafaela Rodrigues.

“O desafio foi grande; os nervos, o stress e a pressão foram ainda maiores, mas saíram-se muito bem tendo em conta que se tratava do seu primeiro concurso, e não foi qualquer um... Só estamos a falar do Jovem Talento da Gastronomia. Concurso nacional de grande repercussão. Parabéns para a Rafaela e Francisco por mais este desafio de aprendizagem e de superação para eles” — comentou o Chefe Rodolfo Meléndrez.

Artes de mesa, barman, cozinha, inspiração veggie, pastelaria e cozinha tradicional foram as sete áreas em concurso, tendo a Rafaela Rodrigues representado a EPATV na categoria de Cozinha/Pastelaria enquanto o Francisco Lopes foi finalista nacional na disciplina de Pastelaria.

O Jovem Talento da Gastronomia é um movimento criado em 2009, para jovens profissionais e estudantes de hotelaria e restauração (cozinha, pastelaria, bar, serviço de sala e gestão). O JTG é um ponto de contacto dos jovens em construção de carreira com toda a comunidade gastronómica e funciona como uma rampa de lançamento para os participantes, estimula a aprendizagem e aumenta o leque de oportunidades.

A Rafaela Rodrigues, do 2° ano do curso Técnico de Cozinha/Pastelaria teve uma grande oportunidade para demonstrar a sua capacidade, a sua coragem perante novos desafios nestes tempos difíceis e as suas aprendizagens. O prato a concurso foi um Carré de borrego em crosta de pistachio e ervas aromáticas, creme de batata doce e legumes grelhados.

Por sua vez, no segundo dia, Francisco Lopes, do 3° ano do curso Técnico de Cozinha/Pastelaria, apresentou um pão de ló húmido crocante com cremoso de tangerina, crumble de canela e gelado de baunilha.

Além da Final Nacional da 9.ª edição do Jovem Talento da Gastronomia, na Escola Profissional de Esposende, no dia 12 de maio decorreu o Fórum JTG, dedicado aos estudantes de gastronomia e consistiu num momento de formação.

talentepavt (2).jpg

talentepavt (3).jpg

talentepavt (4).jpg

talentepavt (5).jpg

FAMALICÃO APRESENTA DIVERSIDADE CULTURAL À MESA DE 20 A 23 DE MAIO

Dias à Mesa celebram a cozinha internacional em 14 restaurantes do concelho

O Dia Mundial da Diversidade Cultural para o Diálogo e o Desenvolvimento ocorre a 21 de maio e em Vila Nova de Famalicão a data será assinalada com um fim-de-semana prolongado, de 20 a 23 de maio, de Dias à Mesa dedicados à Cozinha Internacional.

famalimesa (1).jpg

Sushi, wok, risotto, cachapa, tacos, nachos, enchiladas, fondue, hambúrgueres e cataplana são alguns dos pratos que estarão disponíveis nos 14 restaurantes aderentes a esta iniciativa gastronómica, promovida pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão. E são eles o Alfa; o Attrevidu; o Bis – Pasta&Risotto; o Bisconde; o Caso; El Vagabundo; o Fondue; Los Pepes – Mexicano; o ME.AT; o Mikado; Moutados; Sabores do Algarve; Taberna do Sushi e Vinha Nova.

É certo que a gastronomia é um elemento cultural, um símbolo de identidade e um meio de integração das várias comunidades estrangeiras, com os Dias à Mesa abre-se a possibilidade de as pessoas conhecerem os sabores e os aromas do mundo, numa viagem intercultural pelo concelho de Famalicão.

A iniciativa Dias à Mesa arrancou em 2019 com um conjunto de propostas dos melhores sabores regionais combinadas com as inesquecíveis vivências culturais do município. A pandemia provocada pela Covid 19 veio alterar o conceito da iniciativa, privando as pessoas dos eventos, mas mantendo as experiências gastronómicas de excelência.

Destaque para o “Passaporte Gastronómico” que dá a oportunidade de jantar ou almoçar gratuitamente num restaurante à escolha. Os restaurantes aderentes vão distribuir os passaportes já carimbados aos clientes, com cada uma das refeições.

O objetivo da iniciativa Dias à Mesa dedicada à Cozinha Internacional prende-se assim com a ideia de cultivar a compreensão da riqueza e importância da diversidade cultural, assim como incentivar o respeito pelo outro.

Neste âmbito, referência ainda para o lançamento do Manual de Acolhimento, uma espécie de guia desenvolvido pela autarquia para facilitar o processo de acolhimento de todos os que, das mais variadas proveniências, vêm para Vila Nova de Famalicão.

famalimesa (2).jpg

famalimesa (3).jpg

ESPOSENDE ACOLHEU FINAL DO CONCURSO DE JOVENS TALENTOS DA GASTRONOMIA

Decorreu em Esposende a final nacional do concurso Jovem Talento da Gastronomia direcionado a jovens profissionais e a estudantes de hotelaria e restauração a frequentar as escolas em Portugal, ou jovens profissionais que se submetem a avaliação em cinco categorias.

jtg.jpg

O concurso Jovem Talento da Gastronomia visa a valorização profissional dos chefes de cozinha, promovendo uma gastronomia mais contemporânea. Esta visão entronca naquela que tem sido a dinâmica adotada pela Câmara Municipal de Esposende, com forte vocação turística, da qual emerge o evento gastronómico “Março Com Sabores do Mar”, promovendo a melhor gastronomia oferecida pelas diversas unidades de restauração, e onde a forte componente didática leva à participação das escolas do concelho, fomentando uma alimentação saudável junto dos mais novos e desafiando-os a por à prova a sua criatividade na elaboração de receitas inovadoras e na confeção das mesmas, onde o peixe tem que estar presente. A ação prossegue com a oferta de cursos que a Escola Profissional de Esposende desenvolve, preparando profissionais para entrada no mercado de trabalho, ou para prosseguimento de estudos, cuja oferta formativa identitária, destes cerca de 25 anos, se tem focado muito nas áreas de hotelaria e restauração.

A este nível, perspetiva-se o registo de um salto qualitativo nesta área, com a entrada em funcionamento do polo do IPCA, onde vão ser ministrados Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTeSP), com duração de dois anos, na área da gastronomia e do Turismo.

Na sessão de encerramento, a vereadora com a área funcional da Educação, Angélica Cruz, destacou os “importantes desafios que se perspetivam para o futuro da gastronomia”, enfatizando a vocação turística do concelho “que tem conseguido atrair muitos turistas, devido à excelência da gastronomia local”.

Jovem Talento da Gastronomia funciona em formato concurso, desde 2012, e é um importante ponto de contacto dos jovens em construção de carreira com toda a comunidade gastronómica. Funciona como uma rampa de lançamento para os participantes, estimula a aprendizagem e aumenta o leque de oportunidades.

Este ano, sob o tema “Que Gastronomia Para o Futuro de Portugal?” e com coordenação de Paulo Amado, o concurso atentou aos estudantes de gastronomia e privilegiou a formação, com partilha de casos práticos e novas tendências por parte de vários profissionais na área. As provas de cozinha, mesa e bar realizaram-se na Escola Profissional de Esposende, nos dias 10 e 11 e 12 de maio, encerrando com o Fórum JTG “Que Gastronomia Para o Futuro de Portugal”? que decorreu no Hotel Suave Mar, dedicado aos estudantes de gastronomia, com temáticas diversificadas e atuais como “Gerir um restaurante em tempos de crise”, “Futuro da Indústria” e “Como se faz uma constelação”, abordados por nomes de referência nacional como António Loureiro, Luís Gaspar, Aurora Goy, Miguel Castro e Silva e João Pupo Lameiras, que constituíram oportunidades de crescimento profissional para todos os participantes.

Esposende, na edição deste ano, dignificou este evento de relevância nacional que, certamente, terá marcado positivamente os participantes pelas experiências vividas e pelo aprofundar de conhecimentos numa área cuja importância e visibilidade se têm acentuado nos últimos anos.

jtg1.jpg

jtg2.jpg

CERVEIRA SERVE "DEBULHO DO SÁVEL"

Típico ‘Debulho de Sável’ servido aos fins-de-semana de maio

Vila Nova de Cerveira volta a celebrar a gastronomia tradicional com sabor ao rio Minho. Durante os fins-de-semana de maio, 11 restaurantes do concelho propõem-se a ter disponível nos seus cardápios o singular “Debulho de Sável”.

Debulho de sável.jpg

Mais do que um prato genuíno e inconfundível, este prato tem uma forte componente histórica e identitária relacionada com a atividade piscatória. Segundo reza a história, em Vila Nova de Cerveira, os homens pescavam o sável e as mulheres encarregavam-se de o vender de porta em porta. A cabeça, o rabo, as ovas e as postas pequenas eram as menos apetecíveis, mas com arte e engenho, criou-se o debulho de sável, como forma de aproveitar essas partes menos nobres do peixe.

Lista de restaurantes de Vila Nova de Cerveira aderentes:

Abrigo das Andorinhas - 251 795 335

Cantinho dos Amigos - 251 795 725

Casa das Velhas - 251 708 482

Casa Lau - 251 795 162

Central - 251 794 898

Costa Verde - 251 795 430 

Dom Júlio - 251 700 240

Glutão - 251 795 654

Lavrador - 251 796 604

Luso Galaico - 251 795 225

Sol Nascente - 251 941 233

MELGAÇO REALIZA FESTA DO ALVARINHO E DO FUMEIRO

Festa do Alvarinho e do Fumeiro, de 7 a 9 de maio e de 14 a 16 de maio.

Vamos CELEBRAR O TERRITÓRIO em segurança

Serão dois fins de semana dedicados ao alvarinho e fumeiro de Melgaço, mas também à excelente gastronomia e às diferentes experiências que o território oferece. Sempre em segurança.

PROGRAMA:

Mercado Central com venda de vinhos e produtos regionais, no Largo Hermenegildo Solheiro

- Sexta-feira: 14h-22h

- Sábado: 10h-22h

- Domingo: 10h-20h

Restauração local – harmonização com vinhos de alvarinho

Visitas às adegas dos produtores de vinho e aos espaços dos produtores de fumeiro e dos produtos regionais

Prova temática de alvarinhos, com press tour à região

Venda online dos vinhos (em www.onwine.pt) e dos produtos regionais

181755595_4248182835247685_7111801746785703637_n.j

BARCELOS REALIZA SEMANA GASTRONÓMICA DO GALO

A Semana Gastronómica do Galo regressa entre 8 e 16 de maio com o Galo, os Rojões e as tradicionais Papas de Sarrabulho à moda de Barcelos.

CMB_9812.jpg

Nos dias 8 e 9 de maio, os restaurantes apresentam diferentes formas de confeção do Galo, que passam por galo estufado com ervilhas, arroz pica no chão, galo recheado, galo na púcara, galo de cabidela, galo à confraria, entre outros.

Já entre os dias 14 e 16 de maio, no Fim de Semana dos Rojões e das Papas de Sarrabulho à moda de Barcelos, os restaurantes apresentam os tradicionais rojões e as papas de sarrabulho.

Faça já a sua reserva!

182524008_4477219512310753_3006610232132909189_n.j

182889612_4477219515644086_5842133578028112217_n.j

182656140_4477223245643713_6589582544242832520_n.j

RESTAURANTES DE BARCELOS CANTAM DE GALO

38 restaurantes do concelho de Barcelos participam na Semana Gastronómica do Galo

A Semana Gastronómica do Galo regressa entre 8 e 16 de maio com o Galo, os Rojões e as tradicionais Papas de Sarrabulho à moda de Barcelos, numa iniciativa do Pelouro do Turismo da Câmara Municipal de Barcelos, inserido do programa anual “Sete Prazeres da Gastronomia”, e que este ano conta com 38 restaurantes aderentes.

CMB_galo.jpg

Preparados para receber os clientes com toda a segurança, nos dias 8 e 9 de maio, os restaurantes têm para apresentar diferentes formas de confeção do Galo, que passam por galo estufado com ervilhas, arroz pica no chão, galo recheado, galo na púcara, galo de cabidela, galo à confraria, entre outros.

Já entre os dias 14 e 16 de maio, no Fim de Semana dos Rojões e das Papas de Sarrabulho à moda de Barcelos, os restaurantes apresentam os tradicionais rojões e as papas de sarrabulho.

A Semana Gastronómica do Galo é um dos grandes palcos de divulgação do receituário e cardápio tradicional do território barcelense que, para além da promoção dos sabores com tradição, pretende também promover experiências do mundo rural ligadas ao vinho e ao turismo no espaço rural, associando a gastronomia, a cultura e as tradições.

No dia 8 de maio, entre as 14h e as 18h30, realiza-se a Rota Criativa do Vinho e da Vinha, cujas inscrições são obrigatórias e limitadas, até ao dia 6 de maio, através de turismo@cm-barcelos.pt ou 253 811 882.

O Turismo de Natureza regressa no dia 15 de maio, entre as 8h30 e as 13h, com o “Trilho do Rio Cávado até ao Areal de Caíde” (Barcelos - Rio Côvo Sta. Eugénia - Areias de Vilar); os Passeios Criativos, com o “Mundo Maravilhoso do Figurado”, entre as 9h e as 13h; e o Turismo Religioso, entre as 14h e as 17h, com a “Rota das Igrejas e dos Santuários Marianos” (Convento dos Frades, S. Bento da Várzea e São Salvador de Vilar de Frades). As inscrições nas atividades são obrigatórias e limitadas para turismo@cm-barcelos.pt ou 253 811 882, até ao dia 13 de maio.

Capturarcartazgaloo.JPG

ESPOSENDE CONVIDA A SABOREAR A EXCELÊNCIA DA SUA GASTRONOMIA

Mais de 30 restaurantes do concelho aderem à segunda fase da iniciativa do Município de Esposende “O Robalo está aqui!” e, ao longo de todo o mês de maio, vão servir à mesa variadas sugestões gastronómicas confecionadas com este apetecível peixe.

robaloesposgastr.jpg

A iniciativa enquadra-se na estratégia de promoção de Esposende como destino gastronómico de excelência, com particular incidência nos peixes e mariscos, e surge na sequência de outras ações de aposta na gastronomia como forma de captar ainda mais turistas e visitantes ao território.

Neste contexto, a campanha “O Robalo está aqui!” avança agora com a segunda fase, numa altura em que se dá a retoma económica do setor da restauração, com a última fase do plano de desconfinamento definido pelo Governo.

Assim, o mês de maio será coroado com magníficas propostas que poderão ser apreciadas nos restaurantes aderentes, cada um com as suas especialidades de robalo e todos comprometidos com as medidas de segurança recomendadas pela DGS (Direção Geral de Saúde). Mais uma vez, os sabores atlânticos desconfinarão memórias e sabores, agitando novas vagas de recuperação e esperança.

A iniciativa “Esposende, o robalo está aqui”, tal como as “Festas Juninas”, que decorrem no mês de junto também na restauração local, enquadra-se num amplo conjunto de ações de promoção do Município, com vista ao reforço da sua atratividade, dando continuidade à campanha de divulgação de Esposende como território de excelente gastronomia de mar. Pretende-se, igualmente, impulsionar localmente a retoma económica do turismo, consolidando a sua posição no mapa dos roteiros gastronómicos do país.

Degustar gastronomia de excelência é um dos grandes prazeres da vida, mas esta experiência poderá ser ainda mais gratificante e enriquecedora em Esposende, quando à boa mesa se junta o desfrute da beleza natural do concelho e a exploração do património do território. Com 18 quilómetros de costa inserida no Parque Natural do Litoral Norte, o concelho de Esposende conta com algumas das melhores praias do norte de Portugal e cenários de rara beleza que a tornam um verdadeiro privilégio da natureza. Seja no centro histórico da cidade, com as suas atrações como a Igreja da Misericórdia ou o Museu Municipal; na vila de Apúlia, onde um prato pode ser degustado entre os cascos coloridos dos barcos da faina pesqueira, ou com os antigos moinhos de vento no horizonte; em Fão, o antigo centro salineiro da Idade Média que, ainda, hoje, é famoso pela doçura das suas Clarinhas e que está localizado na margem esquerda do Cávado, ou ainda no lugar de Ofir, da mesma freguesia, em que na maré baixa são reveladas as pedras que lendariamente são conhecidas como “Cavalos de Fão”. Todo este ambiente, somado à tradição piscatória e cultura gastronómica, fazem de Esposende o cenário ideal para apreciar um bom Robalo.

Mais informações disponíveis em www.gastronomia.visitesposende.com

DSC_0051_jc.jpg

DSC05060.jpg

PONTE DE LIMA HOMENAGEIA 3º CONDE D'AURORA

Homenagem ao 3º Conde d'Aurora, Dr. José de Sá Coutinho, por ocasião dos 125 anos do seu nascimento, promovida pelo Clube de Gastrónomos de Ponte de Lima e pela Casa d'Aurora, evocando a excelente gastronomia alto-minhota que tão bem descreveu nas páginas dos seus livros.

180451905_10159205435743805_3979795246997297146_n.

Presentes estiveram alguns herdeiros dessas tradições a lembrar a Dores Petiscas, a Clara Penha, o Gaio, a Margarida da Praça, o Sonho do Capitão ou o Restaurante Fátima Amorim.

Deliciamo-nos com a alheira de galo e o lombo do cachaço da Minho Fumeiro, com o folar da Casa do Folar Limiano, com os doces de gema e o pão-de-ló da Havanesa, e com a Maravilha do Lima da Pastelaria Doce Encontro, tudo bem regado com os vinhos da Adega Cooperativa de Ponte de Lima e da Casa da Cuca.

Os nossos agradecimentos ao Dr.

Adelino Tito de Morais e ao Clube de Gastronomia de Ponte de Lima pela iniciativa, ao chef Paulo Santos, da Casa São Sebastião, pela magnífica mesa e petiscos que nos preparou, e a todos os que se associaram a esta homenagem.

Casa de São Sebastião Eventos

Adega de Ponte de Lima

Casa da Cuca

Margarida da Praça - Hotel e Restaurante

Sonho Do Capitão Restaurante

Restaurante Gaio

Restaurante Fátima Amorim

Minhofumeiro

Doce Encontro Pastelaria

Casa do Folar Limiano

180263185_10159205435758805_7154799779815618143_n.

179918260_10159205435848805_7867987622086668754_n.

180421835_10159205458668805_2829523382981256339_n.

FAMALICÃO: ROJÕES SÃO A IGUARIA ELEITA PARA OS PRÓXIMOS DIAS À MESA

Iniciativa decorre de 6 a 9 de maio em dezena e meia de restaurantes

Os Rojões são a proposta gastronómica dos próximos Dias à Mesa, que decorrem de 6 a 9 de maio, em dezena e meia de restaurantes do concelho de Vila Nova de Famalicão. A iniciativa é organizada pela Câmara Municipal com o objetivo de promover os sabores da região.

Rojõesfammal.jpg

Apresentando-se como um dos pratos típicos do Minho, os Rojões contam na sua confeção com a tradição e a sabedoria de um povo que é especialista em criar pratos nobres com ingredientes simples do quotidiano.

Os Rojões podem ser apreciados nos seguintes restaurantes: Alfa; Amaury; Bis – Pasta &Risotto; Bisconde; Casa Pêga; Churrascão Sousa; El Vagabundo; Fondue; Garfo Dourado; Moutados; O Caçarola; O Prato; Outeirinho; Páteo da Figueiras; Sara Cozinha Regional.

A iniciativa Dias à Mesa arrancou em 2019 com um conjunto de propostas dos melhores sabores regionais combinadas com as inesquecíveis vivências culturais do município. A pandemia provocada pela Covid 19 veio alterar o conceito da iniciativa, privando as pessoas dos eventos, mas mantendo as experiências gastronómicas de excelência.

Os Rojões conjugavam-se com a “Festa de Maio: Flores & Trocas” que apesar de não reunir ainda as condições necessárias para a sua realização devido à pandemia, irá assinalar-se este ano com a decoração de 15 espaços públicos com arranjos florais na cidade.

Destaque para o “Passaporte Gastronómico” que dá a oportunidade de jantar ou almoçar gratuitamente num restaurante à escolha. Os restaurantes aderentes vão distribuir os passaportes já carimbados aos clientes, com cada uma das refeições.

MADEIRENSES SÃO ORIGINÁRIOS DO MINHO

O povoamento do arquipélado da Madeira a partir da sua descoberta em 1419 foi realizada sobretudo por gente oriunda do Minho. E, entre os seus traços característicos, ainda podemos anotar tradições como a carne de vinha-d'alhos que constitui um dos expoentes da sua gastronomia que está sempre presente na época natalícia. E, quem sabe, a coreografia do tradicional bailinho filiar-se em danças tradicionais da região de Guimarães…

DSC04519.JPG

Texto e foto: http://madeira-gentes-lugares.blogspot.com/

“É «comum atribuir-se a proveniência algarvia aos primeiros e principais povoadores que desencadearam a ocupação da ilha», segundo, Luís de Albuquerque e Alberto Vieira, na sua obra, “O Arquipélago da Madeira no Século XV”. Segundo estes, «essa ideia filia-se na tradição, que corre no Algarve, da participação das suas gentes na gesta expansionista, e na expressão de Jerónimo Dias Leite, ‘muitos do Algarve’». Ainda mais referem que, lhes parece apressada esta concepção, «uma vez que faltam provas que a corroborem», e que numa «listagem dos primeiros povoadores referidos nos documentos e crónicas a presença nortenha é muito superior à algarvia (64% para 25%); por outro lado os registos paroquiais da freguesia da Sé, no período de 1539 a 1600, corroboram esta conclusão, uma vez que os nubentes oriundos de Braga, Viana e Porto representam metade do total; enquanto os provenientes de Faro não ultrapassam os 3%». Partindo da análise destes dados retirados destes mesmos registos (1539 e 1600), «chega-se à conclusão que metade da população não nascida na Madeira era originária do Norte do País», e que a «situação do século anterior» (século XIV) «não deve ter sido por certo diferente».

Assim, Luis de Sousa Melo, antigo Director do Arquivo Regional da Madeira, igualmente é da mesma opinião. Numa «tentativa de aproximação com base nos registos de casamento da paróquia da Sé», nas mesmas datas (1539 a 1600), foi-lhe «possível averiguar» que, para este período, «foi da província do Minho, com os distritos de Braga e Viana do Castelo, que a maioria dos recém-chegados era natural: 54,4% - muito longe dos 13,2% dos do Douro Litoral, mais ainda dos 8,3% da Estremadura, a que se seguiram os naturais das Beiras com 5%, os de Trás-os-Montes e Alto-Douro com 4,5%, depois os do Algarve com 3,7%, os do Alentejo com 2,5%, e por fim os do Ribatejo com 1,2%. (Fonte, “Presença Açoriana nos Registos Paroquiais do Funchal 1761 - 1860”).

Na realidade, o Norte de Portugal, nos séculos XIV e XV era a região do país com maior densidade populacional por um lado e por outro, esta região sempre teve uma «permanente vinculação à economia madeirense». No «reinado de D. João II» (1481 a 1495), escreve Eduardo C. N. Pereira nas Ilhas de Zargo, «os mercadores de Guimarães navegavam entre os arquipélagos dos Açores, Madeira, Continente e Flandres com naus do Porto, Vila do Conde, Viana, Azurara e Aveiro, negociando açúcares, pimenta... panos de baetilha, chapéus, linhos, etc. Guimarães era sede de um vasto termo e extensíssima comarca de 30 concelhos e chave do comércio com os concelhos interiores de Entre-Douro e Minho e Trás-os-Montes».”

carne-vinha-dalhos-moda-madeira.jpg

Carne de Vinha-d'Alhos à moda da Madeira. (Foto: https://www.receitasemenus.net/)

O vindalho é confeccionado com carne de porco cortada aos cubos e temperada com sal e vinagre. Depois de frito, é feiro um refogado de cebola com malagueta moída, alhos, coentros, cominhos, açafrão-da-terra, tamarindo e vinagre. Depois de bem misturados estes ingredientes e bem fritos, adicionam açúcar, a carne, a marinada e água de tamarindo. É apurado num tacho fechado a fim de que o molho fique suficientemente expesso. É geralmente servido com arroz.

Esta especialidade espalhou-se para outras regiões da Índia e Paquistão onde é denominado por vindaloo. Porém, em virtude da proibição religiosa do consumo de carne de porco, esta foi substituída por carne de frango, borrego e até peixe. Em virtude da emigração indiana para o Reino Unido, também aqui o vindalho adquiriu bastante popularidade e tornou-se muito apreciado.

Também na Madeira, em virtude do povoamento do território pelos minhotos, a carne de vinha-d’alhos tornou-se um prato típico da quadra natalícia, o qual está naturalmente relacionado com a matança do porco. Aqui é feita com carne de porco que, após ser temperada com vinagre, vinho branco, alho, louro, segurelha, sal e pimenta, é deixada a marinar pelo menos durante dois dias. Depois é cozida na própria marinada e guardada. Na altura de comer, é frita com banha de porco e servida com pão frito na mesma gordura da cozedura.

A culinária minhota é apreciada nos mais diversos recantos do mundo e adaptada ao gosto dos diferentes povos.

66286654_2322852131128620_7537875523846799360_n.jp

ESPOSENDE PROMOVE-SE COMO DESTINO GASTRONÓMICO DE EXCELÊNCIA

No âmbito da estratégia de promoção do território concelhio como destino gastronómico, o Município de Esposende organizou, no passado fim-de-semana, mais uma fam trip dirigida a influenciadores digitais e jornalistas.

caldeiradarobalo.jpg

Com esta iniciativa, que se enquadra num amplo conjunto de ações de promoção, o Município pretendeu reforçar a sua atratividade através da gastronomia, dando continuidade à campanha de divulgação de Esposende como território de excelente gastronomia de mar.

Neste sentido, esta ação realçou o melhor da tradição culinária do concelho e da cultura atlântica e deu a conhecer as opções de restauração e a realidade da produção local de alimentos. Para além da qualidade e da frescura do peixe, que os influenciadores digitais e jornalistas puderam comprovar, ficou bem patente que Esposende constitui um destino gastronómico apetecível, tanto mais que, a par da excelente gastronomia, oferece um ambiente natural convidativo, tendo como cenário o verde, o rio e o mar.

Nesta programação educacional, os bloggers e jornalistas tiveram oportunidade de ser parte ativa e cocriadores do jantar “criativo”, através da confeção de uma Caldeirada de Robalo, que teve lugar na Escola Profissional de Esposende. O roteiro integrou também a realização do Percurso da Memória, em Fão, e a visita do Museu Marítimo de Esposende e ao Castro de São Lourenço. A comitiva pôde, ainda, fazer a parte inicial do Percurso das Masseiras, em Apúlia, e navegar na Barca de Passagem, através de um passeio fluvial no rio Cávado.

Esta ação serviu como ponto de partida para a segunda edição da iniciativa de promoção do Robalo, que se inicia ainda neste final de abril com a primeira fase da campanha “Esposende: O Robalo Está a Chegar”, continuando depois por todo o mês de maio com a segunda parte “Esposende: O Robalo Está Aqui”. Com mais esta iniciativa, pretende-se, igualmente, impulsionar localmente a retoma económica do turismo, consolidando a sua posição no mapa dos roteiros gastronómicos do país.

Ainda neste contexto, através das redes sociais do visitesposende (Facebook e Instagram), serão divulgados, esta semana, dois novos “arrojados” pratos de robalo, através de um Chefe de Cozinha e de uma Nutricionista, que enriquecerá o Receituário de Robalo.

Fam Trip.jpg

‘VIZELA À MESA’ – CÂMARA MUNICIPAL PROMOVE OFERTA GASTRONÓMICA VIZELENSE

A oferta gastronómica de Vizela é diversificada. Nos muitos restaurantes da cidade e do concelho os visitantes podem desfrutar de refeições que são autênticas experiências da gastronomia regional, destacando-se o Bacalhau à Zé do Pipo, prato representativo da história gastronómica de Vizela, mas também de outras iguarias, da cozinha tradicional e de interpretações gastronómicas modernas, nos diversos espaços de restauração localizados em território vizelense.

logo Vizela à Mesa.jpg

Nesse seguimento e tendo em atenção a situação atual que vive a restauração do nosso Concelho, a Câmara Municipal de Vizela vai promover a iniciativa VIZELA À MESA, que tem como objetivo principal a promoção e divulgação dos referidos espaços de restauração, no sentido de potenciar a dinamização da economia local, tendo em conta as fragilidades causadas pelo surgimento do vírus Covid-19 e consequente pandemia.

Esta iniciativa, de âmbito local e regional, resultará sobretudo em programas na Rádio Vizela e reportagens no RV Jornal, a partir do próximo mês de maio, com a presença de representantes dos espaços de restauração e convidados de diferentes entidades.

A apresentação do VIZELA À MESA terá lugar no próximo dia 22 de abril, pelas 16.00h, na Praça do Município.

De realçar que a gastronomia vizelense se traduz num dos pontos fundamentais do Plano Municipal de Turismo, numa aposta num triângulo dourado de sabores, sempre tendo por base aquilo que faz parte da identidade do nosso Concelho: o bolinhol, o vinho verde e o bacalhau.

Assim, com a dinamização desta iniciativa, a Câmara Municipal de Vizela pretende que, nos muitos restaurantes do Concelho, os visitantes possam desfrutar de refeições que são autênticas experiências da gastronomia local, potenciando ao mesmo tempo, dinâmicas que permitam a consolidação da imagem e identidade do Concelho de Vizela enquanto destino turístico, divulgando os segredos de um vale recheado de saberes, sabores e tradições.

CORDEIRO Á MODA DE MONÇÃO É UMA DAS MELHORES IGUARIAS DA COZINHA TRADICIONAL DO ALTO MINHO

Em regime take away, vários restaurantes do concelho de Monção confecionam, no período pascal, o Cordeiro à Moda de Monção, conhecido como “Foda à Monção”, prato autêntico com sabor único.

O Cordeiro à Moda de Monção, conhecido localmente como “Foda à Monção”, é um prato tradicional da Páscoa. A sua confeção, em alguidar de barro e levada ao forno de lenha, vem de tempos ancestrais, tendo atravessado gerações de cozinheiras monçanenses.

Cordeiro 07monçcord (4).jpg

Em período de confinamento, devido à pandemia, as reuniões familiares alargadas estão proibidas, sendo natural que, este ano, aquele afamado prato do nosso concelho não esteja em lugar de destaque na mesa da Páscoa monçanense. Perfeitamente normal face à necessidade de contenção e prevenção do vírus.

Mesmo assim, quem aprecia esta maravilha gastronómica de Portugal, pode degustá-la na tranquilidade do lar, uma vez que vários restaurantes de Monção vão ter disponível, em regime de take away, este prato autêntico com sabor único, que tanto diz à comunidade monçanense.

A confeção deste prato tradicional, não só recupera o saber dos nossos antepassados, como lhe adiciona um pouco de arte, carinho e profissionalismo das atuais cozinheiras. O nome artístico, digamos assim, reflete bem o caráter afável, folião e bem-disposto dos monçanenses.

Porquê “Foda à Monção”?

Reza a história que: “Os habitantes do burgo, que não possuíam rebanhos, dirigiam-se às feiras para comprar o animal. E, como em todas as feiras, havia de tudo, bons e maus. A verdade é que os produtores de gado, quando o levavam para a feira, queriam vendê-lo pelo melhor preço.

Desta forma, nas semanas anteriores, para que os animais parecessem gordos, punham-lhes sal na forragem, o que os obrigava a beber muita água. Na feira, onde os ditos eram comercializados, apareciam com uma barriga cheia de água e pesados, parecendo realmente gordos.

Os incautos, que não sabiam da manha, compravam aqueles autênticos “sacos de água” e, quando se apercebiam do logro, exclamavam à boa maneira do Minho: Que foda! O termo tanto se popularizou que o prato passou a designar-se, por estas bandas, como foda. De tal modo que é frequente, pelas alturas festivas, como a Páscoa, ouvir dizer: “Ó Maria, já meteste a foda?”.

Fonte: www.moncao.pt

Cordeiro 07monçcord (5).JPG

Cordeiro 07monçcord (6).jpg

Cordeiro 07monçcord (7).jpg

CORDEIRO Á MODA DE MONÇÃO É UMA MARAVILHA GASTRONÓMICA DE PORTUGAL

Vencedor do Concurso Nacional “7 Maravilhas à Mesa”

O Cordeiro à Moda de Monção, conhecido localmente como “Foda a Monção”, foi um dos sete pratos eleitos no concurso “7 Maravilhas à Mesa”. A finalíssima teve lugar no dia 16 de setembro de 2018, na Praia dos Pescadores, em Albufeira, sendo a gala apresentada por José Carlos Malato e Catarina Furtado e transmitida em direto na RPP 1 e RTP Internacional.

Cordeiro 07monçcord (2).JPG

Além do Cordeiro à Moda de Monção, a mesa candidatada pelo Município de Monção envolveu o vinho Alvarinho e aguardente velha do Palácio da Brejoeira, o património local simbolizado pelo Palácio da Brejoeira, incluindo a sua adega, a componente museológica representada pelo Museu Alvarinho e um evento de afirmação territorial, a Feira do Alvarinho.

Após a vitória neste prestigiado concurso que distinguiu as sete melhores mesas do pais e ilhas, o Município de Monção estabeleceu, com 21 restaurantes do concelho, uma carta de compromisso que, em linhas gerais, visou atingir um conjunto de requisitos e recomendações, garantindo a genuinidade, a qualidade e o requinte do prato.

Quais são? Compra do cordeiro numa exploração de Monção, abate no matadouro municipal, e processo de preparação obediente à receita original, isto é, entre os banhos e a cozedura deverá decorrer, pelo menos, um período de 24 horas.

A cozedura deve ser feita nos tradicionais fornos de lenha, aberto uma única vez para virar o cordeiro, e a apresentação ao cliente no típico alguidar oval de barro minhoto, com o cordeiro a pingar no peculiar arroz dourado e fumegante. Algo singular e saboroso.

Os restaurantes têm de servir cordeiro durante todos os fins de semana (sábado ao almoço e jantar e domingo ao almoço). Devem ainda garantir na ementa aquele prato nos dias de semana. Para tal, fez-se um sorteio. Sensivelmente, um dia por mês a cada restaurante.

Numa perspetiva de valorização dos nossos produtos endógenos, os restaurantes devem disponibilizar uma carta de vinhos com sete rótulos de vinho Alvarinho do concelho de Monção, devendo este ser servido em copo de pé alto a uma temperatura entre 10 a 12 graus.

Paralelamente, o Município de Monção lançou o guia “Cordeiro à Moda de Monção - Maravilha de Portugal”, o qual contém o nome e os contactos dos restaurantes aderentes, bem como a escala dos restaurantes que apresentam o prato em determinado dia.

Todos os restaurantes ostentam, à entrada, a placa distintiva de restaurante recomendado para servir “Cordeiro à Moda de Monção”. O guia encontra-se nos restaurantes, podendo ser solicitado na Loja Interativa de Turismo ou consultado/descarregado no portal municipal.

Em período de confinamento, com os restaurantes encerrados, o guia do “Cordeiro à Moda de Monção” encontra-se suspenso, sendo retomado logo que seja possível.

Fonte: www.moncao.pt

Cordeiro 07monçcord (3).JPG

COMO SE CONFECIONA O CORDEIRO Á MODA DE MONÇÃO?

Uma confeção feita com carinho e sabedoria

Mata-se o cordeiro e pendura-se na adega. Enquanto quente (depois de limpo), lava-se muito bem com água e sal, deixando-o assim para o dia seguinte. Logo de manhã, dá-se um banho com o seguinte molho: uma porção de vinagre, sal q.b., pimenta q.b., alho bem socado q.b., salsa bem picada, cebola bem picada.

Cordeiro 07monçcord (1).JPG

Mistura-se tudo e esfrega-se muito bem o cordeiro (que deve estar pendurado conforme indicamos acima), por dentro e por fora, repete-se este banho por 3 ou 4 vezes. No dia seguinte, tira-se do local e coloca-se numa travessa.  Limpa-se todo com um pano para lhe tirar alguma cebola e restantes, do molho que em geral fica por dentro.

Num pouco de água de cozer carnes, misturamos uma carteirinha de açafrão e barra-se o cabrito, muito bem barrado e espetam-se bocados de presunto e tiras de toucinho. Vai ao forno de lenha, previamente aquecido, abrindo-se a porta uma única vez para o virar.

Fonte: www.moncao.pt

FAMALICÃO: CABRITO DA PÁSCOA MARCA REGRESSO DOS DIAS À MESA

Iniciativa gastronómica realiza-se em take away e delivery

Típico nas mesas minhotas no Domingo de Páscoa, o cabrito assado no forno é um clássico intemporal da gastronomia portuguesa e vai ser a principal atração dos restaurantes de Famalicão nos dias 25, 26, 27 e 28 de março e 1, 2, 3 e 4 de abril. É o regresso da iniciativa gastronómica Dias à Mesa, organizada pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão para promover os sabores da região.

Cabrito (1).jpg

Tendo em conta a situação pandémica atual, com os restaurantes ainda funcionar em regime de take away e delivery, a iniciativa irá realizar-se dentro das condicionantes impostas. No total 14 restaurantes aderiram à iniciativa: Bis - Pasta&Risotto; Bisconde; Casa Pêga; Churrascão Sousa; Forever; Garfo Dourado; Moutados;  O Caçarola; Oprato; Outeirinho; Sabores do Algarve; Sara Cozinha Regional; Tosco e Vinha Nova.

Refira-se que para além do take away, os famalicenses podem ainda deliciar-se com o tradicional cabrito utilizando o  serviço gratuito de entrega de refeições ao domicílio montado para o concelho pela Câmara Municipal e a Associação de Restaurantes de Famalicão.

“Não podemos permitir que a pandemia nos afaste das tradições que fazem parte do património gastronómico e que acompanham a nossa comunidade ao longo da história, por isso, dentro das nossas possibilidades estamos a fazer de tudo para manter essas tradições vivas adaptando-as a estes tempos conturbados que vivemos, com segurança e confiança”, refere a propósito o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha.

Refira-se que a iniciativa Dias à Mesa arrancou em 2019 com um conjunto de propostas dos melhores sabores regionais combinadas com as inesquecíveis vivências culturais do município. A pandemia provocada pela Covid 19 veio alterar o conceito da iniciativa, privando as pessoas dos eventos, mas mantendo as experiências gastronómicas de excelência.

Assim, mesmo em casa é possível saborear os Dias à Mesa, beneficiando da degustação da boa cozinha, em harmonização com os melhores vinhos.

Recorde-se que nesta edição irá manter-se o “Passaporte Gastronómico”, que dá a oportunidade de jantar ou almoçar gratuitamente num restaurante à escolha. Os restaurantes aderentes vão distribuir os passaportes já carimbados aos clientes, com cada uma das encomendas.

BARCELOS PROMOVE FIM-DE-SEMANA DA LAMPREIA

“A Lampreia do Rio Cávado” é o primeiro dos “Sete Prazeres da Gastronomia de Barcelos” que decorrem durante o ano nos restaurantes do concelho de Barcelos.

imagemSiteFSL2021_563x356.jpg

Por esta altura, e até abril, os restaurantes locais estariam cheios de turistas, vindos de todo o país para degustar o arroz de lampreia, mas o contexto de pandemia não o permite.

Nesse sentido, o Município de Barcelos lançou o desafio aos restaurantes do concelho de fazer chegar a casa, em take-away todos os petiscos e pratos caraterísticos que fazem o nome da gastronomia do concelho e da região.

Vai ser assim no Fim de Semana da Lampreia, entre os dias 13 e 14 de março, em Barcelos, que conta com a participação de 13 unidades de restauração e que se propõem levar esta iguaria à mesa de todos os que a pretendem saborear em casa.

Participam nesta edição os restaurantes: Bagoeira (Barcelos), Casa dos Arcos (Barcelos), Chuva (Barcelinhos), Dom Carlos (Silva) Fina Mesa (Grimancelos), Manjar das Estrelas (Várzea), Os Mouros (Arcozelo), Pedra Furada (Pedra Furada),Taberna do Armindo (Carvalhas), Taberna “O Manhoso”(Tamel S.Verísismo), Taberninha O Chico (Perelhal), Tasquinha do Careca (Perelhal),Vera Cruz (Barcelos).

O serviço de take away funciona por encomenda prévia de 48h a 24h.

flyerFSL2021Web_C-2-1024x576.jpg