Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

"MIÑO DESTINO NAVEGABLE" REFUERZA SU MARCA Y SE PRESENTA EN FITUR COMO EL PRIMER PROYECTO CONJUNTO ENTRE DOS EUROCIUDADES

A iniciativa permite reforçar a cooperação transfronteiriça com a criação desta rota fluvial, a melhoria da navegabilidade do rio e a disponibilização de meios de transporte fluvial e terrestre.

Fitur 1.jpg

Salvaterra de Minho, 19 de Janeiro de 2022.- A FITUR apresentou hoje aquele que é o primeiro destino turístico conjunto entre duas Eurocidades, "Miño Destino Navegable", um projecto europeu financiado com fundos POCTEP que nasceu para divulgar o rico património natural, cultural e etnográfico dos quatro municípios que a compõem: Salvaterra de Minho, Tui, Valença e Monção.

A apresentação, que decorreu no stand da Xunta de Galicia, contou com a presença do vice-presidente do governo galego e responsável pelo Turismo, Alfonso Rueda, do prefeito de Salvaterra, Marta Valcárcel, do prefeito de Tui, Enrique Cabaleiro, do prefeitos de Valença e Monção.

Entre as iniciativas que vão ser lançadas destacam-se as acções de melhoria da navegabilidade do rio Minho ao longo de 16 quilómetros entre a ponte internacional Valença-Tui e a ponte internacional Monçao-Salvaterra, bem como a modernização dos cais, a a sinalização do rio no canal navegável, a disponibilização de um barco turístico e de educação ambiental ou as atividades de promoção e consolidação da marca Visit Río Miño.

A cerimónia de apresentação, conduzida pela apresentadora Cristina Maró, incluiu a projeção do vídeo promocional do projeto em que participaram vários influenciadores galegos e contou com a presença de caras conhecidas como Sergio Pazos, Sonia Castelo, Rosalía Castro, Fernando ROmán ou Josemi Rodríguez-Sieiro. A apresentação contou ainda com a presença da Diretora de Turismo, Nava Castro, do presidente do Tuirsmo Porto y Norte, Luis Pedro Martíns e dos delegados territoriais da Xunta em Pontevedra e Vigo, Luis López e Marta Fernández Tapias.

Os barcos dobram o Minho

Com o "Miño Destino Navegável" os municípios de A Raia reativam a sua oferta turística através de percursos fluviais gratuitos que lhe permitirão desfrutar e descobrir o território transfronteiriço entre a Galiza e o norte de Portugal. São excursões turísticas de um dia inteiro na zona transfronteiriça composta por Salvaterra, Minho, Monção, Tui e Valença nas quais os participantes conhecerão a zona pela mão de um guia turístico.

Os três primeiros percursos centram-se na visita aos bairros históricos e fortalezas das duas Eurocidades: um percurso longo que liga os dois percursos e dois percursos curtos (um em cada um deles).

Essas rotas, de cerca de 15 km, estarão sujeitas à profundidade do rio no momento da viagem -que pode ser encontrada através do APP `Calados Río Miño´- e em caso de não poder navegar, será oferecido serviço por terra em ônibus.

Os interessados podem se inscrever gratuitamente na Central de Reservas da operadora de turismo Hemisferios e são limitadas a 15 pessoas por grupo.

Note-se que, além das visitas guiadas de dia inteiro, as saídas estão previstas para as 16h00 (hora espanhola) todos os fins-de-semana, feriados, períodos de férias e época alta regularmente. Nesses passeios, com duração aproximada de uma hora, os interessados podem se inscrever diretamente no quiosque instalado no píer.

Fitur 2.jpg

Fitur 3.jpg

UM RIO, DOIS PAISES, QUATRO MUNICIPIOS

Projeto “Rio Minho: Um Destino Navegável”, apresentado ontem na Feira Internacional de Turismo de Madrid (FITUR), tem como objetivo posicionar o rio Minho como um destino turístico único e diferenciador.

umriodoispises (1).JPG

O projeto “Rio Minho: Um Destino Navegável” tem como finalidade a concretização de um conjunto de medidas, iniciativas e atividades, focadas na atratividade e sustentabilidade do rio Minho, como um destino turístico transfronteiriço de excelência.

O objetivo é preservar a envolvente ambiental e fortalecer a componente turística neste território único e diferenciador. Mas não só. Pretende, igualmente, assumir-se como um reforço do relacionamento económico, cultural e social dos povos de ambas as margens que, com vontade e determinação, levaram à constituição das Eurocidades Monção-Salvaterra e Valença-Tui

Ontem, o projeto “Rio Minho: Um Destino Navegável” foi apresentado na Feira Internacional de Turismo de Madrid (FITUR), no stand da Galiza. Além dos quatro autarcas envolvidos no projeto, marcaram presença o Vice-Presidente da Junta da Galiza, Alfonso Rueda, e o Presidente do Turismo do Porto e Norte de Portugal, Luis Pedro Martins.

Um dos aspetos mais relevantes do projeto é a criação da Rota Fluvial do Rio Minho. Apresentada em meados de dezembro, no cais de embarque de Salvaterra de Miño, a embarcação entrará em funcionamento a breve prazo, proporcionando passeios fluviais relaxantes e inspiradores a residentes e visitantes.

O percurso pelo troço internacional do rio Minho compreende passeios de barco gratuitos, bem como a realização de rotas curtas e largas, que incluem visitas aos municípios de Monção, Salvaterra, Valença e Tui, dando-se a conhecer o diversificado património natural, cultural e etnográfico das localidades raianas.

Para as rotas, é necessário fazer reserva com o operador turístico, através do website www.hemisferios.org. Para os passeios de barco gratuitos, com duração aproximada de uma hora e meia, não é necessário fazer reserva, sendo o embarque feito por ordem de chegada.

umriodoispises (2).JPG

umriodoispises (3).jpg

umriodoispises (4).JPG

umriodoispises (5).JPG

umriodoispises (6).JPG

SOCIALISTAS DO ALTO MINHO QUEREM REFORÇO DA COOPERAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA ENTRE PESSOAS, EMPRESAS E INSTITUIÇÕES

Tiago Brandão Rodrigues defende a criação de um SIMPLEX Transfronteiriço que permita dar estatuto ao trabalhador da fronteira, implementar o 112 Transfronteiriço e criar o documento único para a circulação de menores.

À margem de uma ação de campanha no interior da Fortaleza de Valença, o cabeça de lista do Partido Socialista em Viana do Castelo defendeu a necessidade de se apoiar mais as iniciativas de cooperação entre as pessoas e as instituições dos dois lados da fronteira entre Portugal e Espanha.

image_6483441.JPG

Para Tiago Brandão Rodrigues, “quem nasceu e cresceu ao lado do rio Minho, sabe bem da importância que as relações de fronteira tiveram no passado e presente da nossa comunidade. O desafio, agora, é cuidar do futuro de uma região que abrange 6,3 milhões de cidadãos entre a Galiza e o Norte de Portugal e 370 mil pessoas só no vale do Minho. Para isso, é necessário valorizar o património, as línguas que nos permitem ter um enetendimento comum, a cultura e as tradições que partilhamos mas, sobretudo, potenciar a economia de fronteira.”

Para o líder socialista, não basta reafirmar as relações de amizade e de irmandade entre a Galiza e o Alto Minho, é preciso avançar com projetos concretos que ajudem as pessoas, as empresas e o comércio em particular, propondo “a criação de um SIMPLEX Transfronteiriço que permita efetivar o estatuto do trabalhador transfronteiriço discutido nas duas últimas cimeiras luso-espanholas, mas também a implementação do 112 transfronteiriço, a criação do documento único para a circulação de menores e o lançamento de programas específicos de apoio ao comércio”.

Na volta que deu no centro histórico de Valença acompanhado pelo Presidente da Câmara Municipal, José Manuel Carpinteira, pela deputada valenciana Anabela Rodrigues e por outros elementos da lista que lidera, Tiago Brandão Rodrigues foi recebido com carinho mas também com pedidos de apoio para superar o período pandémico.

“As pessoas que vivem na fronteira, e os comerciantes em especial, têm passado momentos muito difíceis que queremos ajudar a superar. Nas conversas que têm comigo reconhecem o trabalho do Governo nas grandes obras como a modernização da Linha do Minho e a aposta no comboio de alta velocidade que ligará o Porto a Vigo com passagem por Valença, mas o que me pedem mais são ações que, embora mais pequenas, possam ter um efeito imediato. Esta proposta de simplificação de documentos e de processos entre quem vive e trabalha entre os dois países é fundamental para podermos cimentar um conjunto de relações que trarão sempre mais economia e mais riqueza ao Alto Minho” rematou Tiago Brandão Rodrigues.

O Partido Socialista continua a sua campanha por todo o distrito de Viana do Castelo, tendo já agendadas, para esta semana, mais três sessões do Fórum 100% Alto Minho que decorrerão em Paredes de Coura (quarta-feira), Caminha (quinta-feira) e Arcos de Valdevez (sexta-feira), todas após a hora de jantar.

image_6483441 (1).JPG

image_6483441 (2).JPG

RIO MINHO: UM DESTINO NAVEGÁVEL” APRESENTADO NA FEIRA INTERNACIONAL DE TURISMO DE MADRID (FITUR)

Apresentação decorrerá amanhã, quarta-feira, ao inicio da tarde, no stand da Galiza.

Envolvendo as duas Eurocidades, Monção-Salvaterra e Valença-Tui, o projeto “Rio Minho: Um Destino Navegável” vai ser apresentado amanhã, quarta-feira, 19 de janeiro, pelas 14h00 (HP), na Feira Internacional de Turismo de Madrid (FITUR), no stand da Galiza.

Invitación Fitur2.jpg

Tendo como parceiros o Turismo do Porto e Norte de Portugal, a Axencia de Turismo de Galicia e a Dirección Xeral de Patrimonio Natural da Xunta de Galicia, o “Rio Minho: Um Destino Navegável” insere-se no programa INTERREG V–A España – Portugal (POCTEP), com financiamento do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER).

O projeto resultará na efetivação de um conjunto de medidas e atividades, focadas na atratividade e sustentabilidade do rio Minho, como destino turístico transfronteiriço. Entre estas, a Rota Fluvial no Rio Minho, apresentada no passado dia 17 de dezembro, no cais de embarque de Salvaterra de Minho.

A Feira Internacional de Turismo de Madrid (FITUR) é a maior feira de turismo do mercado espanhol e uma das mais importantes a nível mundial. Este ano, 42ª edição, decorre entre os dias 19 e 23 de janeiro, abrindo o circuito internacional de eventos ligados ao setor turístico.

FAMALICÃO: TERMINAL FERROVIÁRIO DE MERCADORIAS DA PENÍNSULA IBÉRICA MAIS PRÓXIMO DA REALIDADE

Promotores de investimento infraestruturante assinaram contrato de urbanização para a Unidade de Execução

Está dado mais um determinante passo para a construção do maior terminal ferroviário de mercadorias da Península Ibérica em Vila Nova de Famalicão pela Medway, empresa líder no transporte ferroviário de mercadorias em Portugal, num investimento estimado em 63 milhões de euros.

Assinatura do contrato para a urbanização do Ter

Na semana passada foram celebradas as assinaturas do contrato de urbanização, com as entidades promotoras, para a Unidade de Execução da Área de Acolhimento Empresarial  de Lousado, Esmeriz e Cabeçudos, onde vai ficar implantado o empreendimento.

O presidente da Medway, Carlos Vasconcelos, referiu que, apesar dos atrasos, “o processo vai mesmo para a frente”. “Estamos entusiasmados”, disse o responsável, adiantando que a construção do terminal deve arrancar no início do segundo semestre deste ano.

A nova infraestrutura poderá começar a operar no início de 2023. Com quatro linhas férreas de 750 metros, o terminal terá uma área de 220 mil metros quadrados e capacidade para 11 mil TEU (cada TEU equivale a cerca de 6,1 metros, o comprimento de um contentor-padrão de mercadorias).

“Todos percebemos a importância deste projeto para Portugal. É um investimento fundamental para o desenvolvimento económico do país e a sua implementação em Vila Nova de Famalicão, no centro de uma região que é uma verdadeira locomotiva económica nacional, é a garantia para a sua rentabilização”, disse Mário Passos, Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão.

Com a ligação ferroviária direta, através da Linha do Minho, bem como com as acessibilidades rodoviárias, através de diversas vias principais, este terminal irá potenciar a indústria exportadora local, facilitando a logística das suas mercadorias, contribuindo, desse modo, para a economia e o emprego da região.

“Ao aproximarmo-nos do local de receção das mercadorias estamos a encurtar as distâncias. Com esta obra traremos o Porto Marítimo para Famalicão”, referiu Carlos Vasconcelos, na apresentação da Unidade de Execução, explicando que “este terminal irá permitir uma maior proximidade, reduzir distâncias e, claro, baixar custos”.

AECT RIO MINHO REPRESENTOU PORTUGAL NO ‘FORO AVE MADRID - OURENSE: UN CAMINHO A GALICIA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES' RUI TEIXEIRA ASSEGURA QUE “O ATRASO NA LIGAÇÃO DA FERROVIA PORTUGUESA EM ALTA VELOCIDADE À REDE ESPANHOLA É UM TEMPO SEM RETORNO”

Para o autarca, “Porto-Vigo é a ligação internacional mais importante entre Portugal e Espanha, em termos de volume de tráfego, superando a ligação Lisboa-Madrid”.

O Diretor do Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial (AECT) Rio Minho e Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira, Rui Teixeira, foi o único orador português convidado a abordar a “incontestável” importância da ligação ferroviária entre Portugal e Espanha, partilhando a experiência do território transfronteiriço Norte de Portugal-Galiza, no 'Foro Ave Madrid - Ourense: Un caminho a Galicia: desafios e oportunidades', realizado, esta sexta feira, na Expourense. Este primeiro encontro, que contou com a presença de várias entidades governamentais espanholas, assinalou os primeiros dias da alta velocidade entre Madrid e Ourense.

Com o Presidente da Xunta de Galicia, Alberto Núnez Feijóo, o ex Ministro do Fomento, José Blanco López, e a Vice-presidente do Congresso dos Deputados e ex Ministra do Fomento, Ana Pastor Julián, na plateia, Rui Teixeira, na qualidade de Diretor do AECT Rio Minho, começou por elogiar o trabalho de “grande desenvolvimento” e “virado para o futuro” da Galiza, com uma forte aposta nas grandes vias de comunicação. Salientando, “é por isso que estradas, portos e ferrovias foram prioridades desta grande região. Estar a celebrar a viagem entre Ourense e Madrid, com conforto e segurança, em pouco mais de 2h é celebrar o presente e garantir o futuro comum”.

A participar como orador do painel 'Un camiño por completar: as etapas pendentes', Rui Teixeira considera ser “incompreensível que algumas etapas de ferrovia ainda estejam pendentes em 2022. As ligações entre Portugal e Espanha, mais concretamente entre Portugal e a Galiza, são vitais e nunca suficientes. A alta velocidade é importantíssima para atrair turismo, garantir competitividade da economia e melhorar decisivamente a qualidade de vida e a mobilidade dos cidadãos”.

O também autarca de Vila Nova de Cerveira fez um enquadramento da posição do Governo de Portugal nesta matéria, lembrando que tem sido “adiada sucessivamente a necessidade de regionalizar o país, o que desembocou numa macrocefalia asfixiante. E estas macrocefalia culmina na ausência de investimentos fora da capital, por exemplo no quase eterno adiamento das linhas de alta velocidade”.

No entanto, e referindo-se aos dois últimos anos, Rui Teixeira explicou que, devido à liderança e trabalho "persistente e entusiasta" do Ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, a modernização da ferrovia e a necessidade de investir em linhas de alta velocidade foi recolocada nas prioridades do discurso político. “Há um plano concreto de investimento, que está aprovado e que consiste na ligação ferroviária de alta velocidade entre o Norte de Portugal e a Galiza, planeada no Programa Nacional de Investimento 2030, com a construção da 1ª fase da linha de alta velocidade entre o Porto e Vigo (…) passando-se de uma viagem de 2h20 atuais para cerca de 1h”.

Considerando a ligação Porto-Vigo como “a ligação internacional mais importante entre Portugal e Espanha, em termos de volume de tráfego, superando mesmo a ligação Lisboa-Madrid”, Rui Teixeira acredita que Portugal “tem de entender o vosso trabalho aqui na ferrovia e na alta velocidade como uma última oportunidade. Não se pode ser uma espécie de jangada de pedra”. E rematou: “Todo o tempo que se venha a perder no sentido de não ligar a ferrovia portuguesa em alta velocidade à rede espanhola é um tempo sem retorno. Este é um tempo decisivo”.

De recordar que, no passado dia 21 de dezembro de 2021, o primeiro comboio de alta velocidade (AVE) entre Madrid e a comunidade autónoma da Galiza, Espanha, deu entrada na estação de A Gudiña, em Ourense. Uma viagem inaugural que contou com a presença do rei de Espanha, Filipe VI, e do Presidente do Governo espanhol, Pedro Sanchéz, e realizada em apenas 2h15.

AECT RIO MINHO REPRESENTOU PORTUGAL NO ‘FORO AVE MADRID - OURENSE: UN CAMINHO A GALICIA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES'

RUI TEIXEIRA ASSEGURA QUE “O ATRASO NA LIGAÇÃO DA FERROVIA PORTUGUESA EM ALTA VELOCIDADE À REDE ESPANHOLA É UM TEMPO SEM RETORNO”

Para o autarca, “Porto-Vigo é a ligação internacional mais importante entre Portugal e Espanha, em termos de volume de tráfego, superando a ligação Lisboa-Madrid”.

O Diretor do Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial (AECT) Rio Minho e Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira, Rui Teixeira, foi o único orador português convidado a abordar a “incontestável” importância da ligação ferroviária entre Portugal e Espanha, partilhando a experiência do território transfronteiriço Norte de Portugal-Galiza, no 'Foro Ave Madrid - Ourense: Un caminho a Galicia: desafios e oportunidades', realizado, esta sexta feira, na Expourense. Este primeiro encontro, que contou com a presença de várias entidades governamentais espanholas, assinalou os primeiros dias da alta velocidade entre Madrid e Ourense.

Forum Ourense 3.jpg

Com o Presidente da Xunta de Galicia, Alberto Núnez Feijóo, o ex Ministro do Fomento, José Blanco López, e a Vice-presidente do Congresso dos Deputados e ex Ministra do Fomento, Ana Pastor Julián, na plateia, Rui Teixeira, na qualidade de Diretor do AECT Rio Minho, começou por elogiar o trabalho de “grande desenvolvimento” e “virado para o futuro” da Galiza, com uma forte aposta nas grandes vias de comunicação. Salientando, “é por isso que estradas, portos e ferrovias foram prioridades desta grande região. Estar a celebrar a viagem entre Ourense e Madrid, com conforto e segurança, em pouco mais de 2h é celebrar o presente e garantir o futuro comum”.

A participar como orador do painel 'Un camiño por completar: as etapas pendentes', Rui Teixeira considera ser “incompreensível que algumas etapas de ferrovia ainda estejam pendentes em 2022. As ligações entre Portugal e Espanha, mais concretamente entre Portugal e a Galiza, são vitais e nunca suficientes. A alta velocidade é importantíssima para atrair turismo, garantir competitividade da economia e melhorar decisivamente a qualidade de vida e a mobilidade dos cidadãos”.

O também autarca de Vila Nova de Cerveira fez um enquadramento da posição do Governo de Portugal nesta matéria, lembrando que tem sido “adiada sucessivamente a necessidade de regionalizar o país, o que desembocou numa macrocefalia asfixiante. E estas macrocefalia culmina na ausência de investimentos fora da capital, por exemplo no quase eterno adiamento das linhas de alta velocidade”.

No entanto, e referindo-se aos dois últimos anos, Rui Teixeira explicou que, devido à liderança e trabalho "persistente e entusiasta" do Ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, a modernização da ferrovia e a necessidade de investir em linhas de alta velocidade foi recolocada nas prioridades do discurso político. “Há um plano concreto de investimento, que está aprovado e que consiste na ligação ferroviária de alta velocidade entre o Norte de Portugal e a Galiza, planeada no Programa Nacional de Investimento 2030, com a construção da 1ª fase da linha de alta velocidade entre o Porto e Vigo (…) passando-se de uma viagem de 2h20 atuais para cerca de 1h”.

Considerando a ligação Porto-Vigo como “a ligação internacional mais importante entre Portugal e Espanha, em termos de volume de tráfego, superando mesmo a ligação Lisboa-Madrid”, Rui Teixeira acredita que Portugal “tem de entender o vosso trabalho aqui na ferrovia e na alta velocidade como uma última oportunidade. Não se pode ser uma espécie de jangada de pedra”. E rematou: “Todo o tempo que se venha a perder no sentido de não ligar a ferrovia portuguesa em alta velocidade à rede espanhola é um tempo sem retorno. Este é um tempo decisivo”.

De recordar que, no passado dia 21 de dezembro de 2021, o primeiro comboio de alta velocidade (AVE) entre Madrid e a comunidade autónoma da Galiza, Espanha, deu entrada na estação de A Gudiña, em Ourense. Uma viagem inaugural que contou com a presença do rei de Espanha, Filipe VI, e do Presidente do Governo espanhol, Pedro Sanchéz, e realizada em apenas 2h15.

Forum Ourense 4.jpg

GALIZA SOLIDÁRIA COM MINHOTOS CONTRA A EXPLORAÇÃO DO LÍTIO

O Concello de Tomiño mostra o seu apoio aos municipios portugueses do Alto Minho contra a posible mina de litio na Serra de Arga

Instan á Xunta e ao Goberno que demanden información dunha explotación que pode afectar ao río Miño e ás zonas transfronterizas

O Concello de Tomiño, no pleno celebrado onte, mostrou o seu apoio aos municipios portugueses do Alto Minho no seu rexeitamento a posible mina de litio na Serra de Arga que o Goberno da República Portuguesa someteu a consulta pública o pasado setembro. A alcaldesa, Sandra González, destacou “a ampla oposición que existe a ambas beiras do Miño a calquera tipo de explotación na Serra de Arga que comprometa a súa conservación”, e afirmou que “Tomiño sempre estará do seu lado para conservar o medio natural da zona transfronteiriza”.

Río Miño ao seu paso por Tomiño.jpg

As áreas nas cales está prevista a prospección e pesquisa da mina de litio inclúen, entre outras, o territorio dos concellos de Viana do Castelo, Ponte de Lima, Paredes de Coura, Caminha e Vila Nova de Cerveira, neste último incluén zonas que confrontan co río Miño e co río Coura, principal afluente do Miño nesa marxe. Nestas prospeccións o equipo de Avaliación Ambiental da mina afirma que non extraerán máis de 100 toneladas, pero non deixan claro de onde se retirarán. A concelleira de Medio Ambiente, Ana Belén Casaleiro, afirma que de ser cerca dos marxes do río Miño “podería afectar de forma moi significativa á zona internacional do río”.

Por todo isto o Concello de Tomiño solicita á Xunta de Galicia e ao Goberno de España que estuden as posibles afeccións ás poboacións transfronteirizas. “Instamos a que demanden ser notificados polas autoridades portugueses para que teñan a oportunidade de pronunciarse en canto a estas actividades cerca das zonas transfronterizas”, conclúen.

Tomiño expresa as súas condolencias polo falecemento de Manuel Garcés Estévez

Antes do inicio do pleno o Concello de Tomiño expresou as súas condolencias polo falecemento do veciño e profesor, Manuel Garcés Estévez. A alcaldesa destacou que “foi un mestre querido e admirado polos seus veciños e que formou a varias xeracións de tomiñeses e tomiñesas”.

Manuel Garcés foi o mestre escollido para dar nome ao Centro Rural Agrupado de Tomiño e grazas ao coidado e mimo co que tratou todo o que tiña que ver coa escola, consérvase na parroquia de Estás a Aula Museo Abdón Alonso que garda material didáctico, bibliográfico e documental dos anos 30, dende expedientes académicos de varias xeracións até libros das Misións Pedagóxicas ou mapas da época.

“Manuel Garcés foi un exemplo de Mestre Rural con máis de cincuenta anos de profesión, a súa vida foi a escola e todo o que tiña que ver coa educación. Don Manolo, como se lle coñecía popularmente, era unha boa persoa que deixou fonda pegada na vida de centos de nenos e nenas que pasaron polas súas aulas. Vaia para a súa familia o noso pesar e o noso recoñecemento e admiración pola figura de Manuel Garcés”, destacou a alcaldesa.

EUROCIDADE CERVEIRA-TOMIÑO APROVA PLANO DE ATIVIDADES 2022 COM UM INVESTIMENTO DE 100 MIL EUROS - COOPERAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA PRETENDE INTENSIFICAR COESÃO TERRITORIAL

“A cooperação transfronteiriça é uma porta aberta para o desenvolvimento dos respetivos territórios, pelo que as principais apostas para 2022 são a juventude e o ambiente” - Rui Teixeira, Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira

O Comité de Gestão Estratégica da Eurocidade Cerveira-Tomiño aprovou, na passada sexta-feira, o Plano de Atividades para 2022, com um investimento de 100 mil euros. Elegendo as áreas do meio ambiente e da juventude como prioridade, os autarcas de ambos os concelhos querem ver concretizados projetos que potenciem a participação pública, a gestão partilhada de serviços locais e a dinamização dos recursos endógenos, além da aposta na dinamização da Agenda Estratégica Cerveira-Tomiño e num programa de capacitação e participação em redes de cooperação.

Consciente da enorme importância e valor da cooperação transfronteiriça, após a eleição de 26 de setembro, o Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira, Rui Teixeira, encetou contactos com a Alcaldesa de Tomiño, Sandra Gonzalez, e com vários representantes de entidades transfronteiriças, manifestando “o interesse e a vontade de implementar um programa ambicioso de fortalecimento das relações transfronteiriças e que seja levado em consideração pelos governos de Portugal, da Galiza e de Espanha”“A cooperação transfronteiriça é uma porta aberta para o desenvolvimento dos respetivos territórios, pelo que as principais apostas para 2022 são a juventude e o ambiente, preservando e valorizando o vasto património natural existente e complementar em ambos os concelhos, promovendo políticas de sustentabilidade”, sublinha o autarca cerveirense.

Posição reforçada pela Alcaldesa de Tomiño, Sandra Gonzalez, que explica a área da juventude como uma prioridade de atuação da Eurocidade durante o próximo ano, com o objetivo de “envolver e de comprometer os mais jovens dos dois concelhos com os valores e os princípios de uma Europa democrática, incentivando à reflexão das questões mais prementes para a cooperação transfronteiriça, auscultando as suas opiniões”.

CERVEIRA E TOMIÑO VÃO DINAMIZAR UM CONJUNTO DE ATIVIDADES ORIENTADAS AO ESTÍMULO E AO CRESCIMENTO DA PARCERIA NOS DIVERSOS DOMÍNIOS DA SOCIEDADE

Concluído o projeto cofinanciado pelo Interreg V-A, Vila Nova de Cerveira e Tomiño pretendem intensificar e até alargar as linhas de atuação, pelo que o Plano de Atividades da Eurocidade para 2022 incorpora uma forte componente ambiental, nomeadamente a elaboração do Programa Cerveira-Tomiño Sustentável e do processo de Agenda Urbana em parceria com a RedLab. O objetivo é dar resposta efetiva ao cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e aos desafios ambientais de integração social, mobilidade e conectividade, priorizados à escala europeia para 2021-2027, nomeadamente a economia circular, a transição e a eficiência energética, a promoção da economia local e a preservação do património natural, áreas a ser trabalhadas em conjunto pelos dois municípios.

Mantém-se a aposta na participação pública, procurando um processo de agenda dinâmico, quer pelas entidades públicas e privadas, quer pela população em geral, estando previstas várias ações centradas no impulso à auscultação ativa de ambas as populações, com especial ênfase na reformulação do processo de Orçamento Participativo Transfronteiriço para 2023, na provedoria da cidadania transfronteiriça e na revisitação da agenda estratégica desenhada em 2014, através da sua adaptação à estratégia de desenvolvimento Europa 2030.

Ao longo de 2022, a Eurocidade Cerveira-Tomiño propõe-se ainda a manter o intercâmbio de experiências ao nível da partilha de serviços e de eventos, procurando dinamizar a promoção e respetiva utilização da “Plataforma de Gestão de Serviços Partilhados” - Cerveira-Tomiño Online. Ao nível de eventos, está prevista a realização do Simpósio Internacional de Escultura do Rio Minho, do Certame de Pintura Pintor António Fernandez e da divulgação conjunta das atividades nas respetivas agendas culturais.

O turismo e a produção e comercialização de plantas ornamentais - setores com maior potencial de desenvolvimento conjunto -, também serão potenciados, dado o seu enorme contributo para o desenvolvimento económico, priorizando a valorização dos recursos endógenos dos dois concelhos.

MINHO: UM RIO QUE UNE CADA VEZ MAIS

A rota fluvial do rio Minho, inserida no Projeto “Rio Minho: Um Destino Navegável”, foi apresentada, esta manhã, em Salvaterra de Minho. A embarcação começa a operar na última semana do ano, coincidindo com o período festivo do Natal e Ano Novo.

moncaoumrioque (1).JPG

Monção e Valença, nesta margem, Salvaterra e Tui, na outra margem. Durante séculos, estiveram de costas voltadas. Nos tempos do contrabando, criaram-se cumplicidades comerciais e amizades inquebráveis. Com a abertura da fronteira, iniciou-se um tímido e desejado desenvolvimento conjunto.

Construíram-se pontes, surgiram negócios conjuntos, potenciaram-se atividades comuns e incrementou-se a mobilidade profissional entre os dois lados.  O novo relacionamento económico, cultural e social levou à constituição de duas Eurocidades, fortalecendo a união e intercâmbio entre ambos os povos.

Uma realidade conhecida por todas as pessoas que habitam neste espaço geográfico transfronteiriço, bem como pelo tecido empresarial dos quatro municípios ribeirinhos que encontram neste território banhado pelo rio Minho o seu habitat económico natural.

Esta constatação, evidente aos olhos de todos, será reforçada nos próximos anos com o projeto conjunto “Rio Minho: Um Destino Navegável”, o qual tem como parceiros o Porto e Norte de Portugal, Dirección Xeral do Patrimonio Natural da Xunta de Galicia, e Axencia de Turismo de Galicia.

Inserido no programa INTERREG V–A España – Portugal (POCTEP) 2014-2020, o projeto implica um investimento de 1.3 ME (75% Feder e 25% comparticipação dos parceiros), resultando na efetivação de um conjunto de medidas e atividades focadas na atratividade e sustentabilidade do rio Minho.

Englobada naquele projeto, realizou-se, esta manhã, no cais de embarque de Salvaterra de Minho, a apresentação da rota fluvial do rio Minho. A cerimónia, presidida pelo Vice-Presidente da Junta da Galiza, Alfonso Rueda, contou com a presença dos autarcas dos quatro municípios e representantes dos parceiros envolvidos.

moncaoumrioque (2).JPG

Reforço da oferta turística

Para o Presidente da Câmara Municipal de Monção, a rota fluvial no rio Minho, iniciativa inserida no projeto “Rio Minho: Um Destino Navegável”, reforça o relacionamento entre os parceiros, já bastante positivo, e permite alargar a oferta turística, cultural e patrimonial dos quatro municípios banhados pelo rio Minho.

António Barbosa assinala que “as vantagens deste percurso fluvial são grandes, quer numa perspetiva de valorização ambiental do rio Minho, quer no que respeita à mediatização do território e rentabilização económica dos agentes turísticos, hotelaria e restauração”

Ciente que o projeto proporcionará um conjunto de experiências e descobertas aos visitantes do território, o autarca monçanense acredita que “a rota, agora apresentada, contribuirá para fazer desta região um espaço privilegiado para a passagem de momentos agradáveis em contexto familiar ou em grupos de amigos”.

moncaoumrioque (3).JPG

Rio Minho: Um destino turístico único e diferenciador

Fruto da visão de Arturo Grandal, antigo autarca de Salvaterra de Minho, que sempre acreditou e pugnou pela navegabilidade do rio Minho, o percurso fluvial, além de proporcionar passeios fluviais relaxantes e inspiradores, dará a conhecer o diversificado património natural, cultural e etnográfico dos quatro municípios raianos que integram este projeto, cujo objetivo é posicionar o rio Minho como um destino turístico único e diferenciador.

A embarcação, com 24 lugares disponíveis, terá capacidade para 15 pessoas, de forma a cumprir as recomendações de distanciamento da Direção Geral de Saúde. Ca funcionar na última semana deste ano, coincidindo com o período festivo do Natal e Ano Novo.

Encontrando-se disponível ao público todos os fins de semana e nos períodos festivos.  O percurso fluvial, gratuito e com duração de uma hora, pode ser feito a titulo individual, com saída às 15h00 (HP). Não é preciso marcação, subindo a bordo os primeiros 15 passageiros.

No caso de grupos, com visitas guiadas às localidades, é necessário efetuar reserva no portal do operador turístico www.hemisferios.org. O transporte em terra será efetuado em minibus ou comboio turístico. Na fase inicial, estão previstas três rotas turísticas, uma larga e duas curtas. Futuramente, serão lançadas novas rotas temáticas.

moncaoumrioque (4).JPG

moncaoumrioque (5).JPG

MINHO E GALIZA APRESENTAM ROTA FLUVIAL DO RIO MINHO

sexta-feira, 17 de dezembro, pelas 9h00, no cais de Salvaterra de Minho

A rota fluvial do rio Minho, enquadrada no projeto “Rio Minho: Um Destino Navegável”, financiado pelo Programa de Cooperação Transfronteiriça Espanha – Portugal (POCTEP), será apresentada na próxima sexta-feira, 17 de dezembro, pelas 9h00, no Cais de Salvaterra de Minho.

Capturarinvitation.JPG

Além de proporcionar passeios relaxantes e inspiradores pelo rio Minho, o novo percurso internacional dará a conhecer o diversificado património natural, cultural e etnográfico dos quatro municípios que integram este projeto transfronteiriço: Monção, Valença, Salvaterra de Minho e Tui.

O principal objetivo deste projeto, no qual participam também a Agência Galega de Turismo, a Direcção-Geral do Património Natural da Xunta de Galiza e o Turismo do Porto e Norte de Portugal, é posicionar o rio Minho como um destino turístico único e diferenciador.

O projeto “Rio Minho: Um Destino Navegável” contribuirá para cimentar o conceito “Visit Rio Minho” através do reforço do posicionamento da região no mercado nacional e internacional, assegurando, com isso, uma vantagem competitiva em relação a outros destinos.

 Além dos autarcas dos municípios envolvidos no projeto e representantes das entidades parceiras, a cerimónia contará com a presença do Vice-Presidente da Junta da Galiza, Alfonso Rueda.

"MINHO, DESTINO NAVEGÁVEL": UM CORREDOR TURÍSTICO ÚNICO EM AGUAS DO MINHO

O projeto, financiado com fundos do POCTEP para a cooperação transfronteiriça, será apresentado sexta-feira em Salvaterra de Miño

O Cais de Salvaterra de Minho acolhe esta sexta-feira, dia 17 de dezembro, pelas 10 horas, a apresentação do novo percurso fluvial do Minho.

A nova rota navegável, enquadrada no projecto europeu financiado com fundos do POCTEP Destino navegável Minho, dará a conhecer o diversificado património natural, cultural e etnográfico dos quatro municípios que integram este projecto transfronteiriço (Tui, Salvaterra de Minho, Monçao e Valença) com o rio Minho como espinha dorsal.

O principal objectivo deste projecto, no qual participam também a Agência Galega de Turismo, a Direcção-Geral do Património Natural da Xunta de Galiza e o Turismo do Porto e Norte de Portugal, é posicionar o rio Minho como destino turístico transfronteiriço. Única e diferenciadora, consequência da gestão sustentável e integrada do destino transfronteiriço e da diversidade cultural e natural do vale do Minho.

Essas rotas fluviais não só agregam valor ao rio e suas áreas ribeirinhas, mas também diversificam a economia local e melhoram a qualidade ambiental de seu entorno.

Capturarinvitation.JPG

JOAQUIM DIAS RODRIGUES – UM MINHOTO DE PÓVOA DE LANHOSO NA GUERRA CIVIL DE ESPANHA

264261067_4818877004810301_5541558580924996863_n.j

JOAQUIM DIAS RODRIGUES, NOM ESQUECEMOS!

Natural da Póvoa de Lanhoso [Portugal] onde nasce em 1907, era vizinho de Cavaleiros, Sam Martinho de Grou. Foi executado 6 de dezembro de 1936 em Carris, Santa Cruz de Grou, contando na altura com 29 anos.

Pola ata de defunçom do Registo de Lobeira sabemos que era filho de António e Ermelinda. Casado com Preciosa Rodríguez Amigo, da que tivérom umha filha chamada Benita, tal como consta no certificado de defunçom.

Além das tarefas agrícolas, Joaquim, complementava os seus ingressos exercendo de barbeiro polas aldeias do sul do Val do Límia.

Por meio do seu neto Silvano Rodríguez , que reside em Cavaleiros, soubemos que as suas ferramentas de barbeiro seguírom cortando cabelos e barbas nas décadas seguintes, na aldeia de Grou, primeiro no bar "La Recreativa" , e posteriormente na "Casa Mañoy".

A partida de defunçom, assinada por Manuel López Conde -juíz municipal de Lobeira-, e Teodomiro Araújo Paz -Secretário, e os vizinhos de Vilarinho e a Fraga, Jesús Vázquez López e José Fermín Pérez, certifica que faleceu a consequência de "hemorragia cerebral e fratura craneoencefálica por traumatismo".

Foi enterrado no cemitério de Santa Cruz de Grou, sem que se saiba exatamente onde foi depositado o seu corpo envolto num lençol branco.

Val do Límia nem esquece nem perdoa!

A luita antifascista continua!

Fonte: Comité pola Memória Histórica do Val do Límia