Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

ENCONTRO TRANSFRONTEIRIÇO PROMOVE CAMINHO QUE LIGA BRAGA A SANTIAGO DE COMPOSTELA

A recém-criada Plataforma Berán no Caminho, que defende o “traçado original” do itinerário jacobeu que liga Braga a Santiago de Compostela, anunciou esta quarta-feira, dia 5 de agosto, a realização de um encontro de “caráter internacional e transfronteiriço” dedicado aos peregrinos.

PLATAFORMA CAMINHO GEIRA BRAGA SANTAIGO 03.JPG

“Uma comissão permanente está a organizar um evento anual chamado 'O Caminho em nós', que promoverá o encontro internacional de peregrinos do Caminho da Geira e dos Arrieiros (ou Minhoto Ribeiro)”, explica Abdón Fernández, porta-voz da plataforma e presidente da Associação do Caminho Jacobeu Minhoto Ribeiro (ACJMR).

“O evento, ainda sem data marcada, consistirá num programa cultural, assente num projeto de caráter transfronteiriço com Portugal e pondo em relevo a situação privilegiada de Berán como um ponto de partida, pois está a 102 quilómetros de Santiago”, a distância mínima para os peregrinos a pé obterem a Compostela, adianta Abdón Fernández.

Esta é uma das principais iniciativas da plataforma, constituída no sábado, dia 1 de agosto, com o “objetivo de defender o itinerário que a ACJMR apresentou em 1 de abril de 2017 em Braga”. Está aberta à participação de todas as associações ou pessoas individuais, e pretende ainda “defender e divulgar o Caminho da Geira desde Beade pelo caminho real até Lebosende”

Neste sentido, “estão a desenhar-se diversas iniciativas, como abaixo-assinados, caminhadas e uma campanha de divulgação nas redes sociais com t-shirts alusivas ao caminho”, refere o porta-voz.

A plataforma “convida todas organizações, associações e grupos de peregrinos a passarem por Berán como gesto de apoio à manutenção do itinerário pela localidade, como está reconhecido pelo arcebispado de Santiago de Compostela” desde 28 de março de 2019.

“Este traçado já é uma realidade, após o aval de suma importância dado pelo arcebispado, e está perto de conseguir a oficialização pelas entidades civis”, pelo que “é importante valorizar e consolidar a passagem de peregrinos por Berán”, salienta Abdón Fernández.

A Plataforma Berán no Caminho, promovida pela ACJMR, que defende um traçado semelhante ao proposto pela Associação Codeseda Viva, já recolheu 225 assinaturas físicas e 190 digitais em defesa do “traçado original” do caminho que liga Braga a Santiago, na distância de 240 quilómetros. A primeira edição de 100 t-shirts alusiva à passagem por Berán está praticamente esgotada. Esta campanha contará, em breve, com outro tipo de artigos.

O Caminho da Geira e dos Arrieiros foi reconhecido pela Igreja no ano passado, quando o delegado de peregrinações do cabido da Catedral de Santiago, o deão Segundo L. Pérez López, assinou um certificado onde refere que o traçado cumpre "as condições de outros caminhos de peregrinação" e por isso "concede a Compostela" a quem o percorrer. Está em curso o processo de homologação pelas entidades civis.

No ano passado foi percorrido por 367 peregrinos em 10 meses. A maioria partiu de Braga (227), seguindo-se Castro Laboreiro (104), Entrimo e Ribadavia (com oito cada).

Os portugueses constituem o maior grupo (80%), havendo ainda registo da passagem de italianos, suíços, franceses, brasileiros, polacos e holandeses.

Além dos peregrinos que receberam a Compostela (e, como tal, entraram nas estatísticas), a associação  Codeseda Viva considera que muitos outros o fizeram, apontando uma estimativa global de 850 pessoas.

PLATAFORMA CAMINHO GEIRA BRAGA SANTAIGO 04.JPG

PLATAFORMA CAMINHO GEIRA BRAGA SANTAIGO 01.JPG

PLATAFORMA CAMINHO GEIRA BRAGA SANTAIGO 02.jpg

CERVEIRA E TOMIÑO JUNTAM-SE NA DEFESA DO SECTOR AGRÁRIO

Cerveira e Tomiño apresentam guia para a promoção conjunta do sector da flor e planta ornamental

Os autarcas dos concelhos de Vila Nova de Cerveira e de Tomiño, Fernando Nogueira e Sandra González, respetivamente, aproveitaram uma reunião de trabalho com os representantes de associações do setor da agricultura de ambos países, para apresentar o “Guia para a Promoção Setor Agrário: Flor e Planta Ornamental”, enquadrado no trabalho de dinamização económica transfronteiriça impulsionado pela Agenda Estratégica de Cooperação da Eurocidade.

Guia para a promoção do setor agrário, flor e planta -Transfronteiriço.jpg

A edição deste guia resulta de várias iniciativas conjuntas dos dois concelhos, com participação de empresas e de centros educativos de ambos os lados da fronteira galego-portuguesa do Rio Minho. Foi na Mostra de Cultivos do Baixo Miño de 2019 que se promoveu um encontro transfronteiriço sobre formação e emprego que reuniu sócios de acuBam (Asociacións de Cultivos do Baixo Miño) ou a Associação Portuguesa de Produtores de Plantas e Flores Naturais (APPPFN), do IES Antón Alonso Ríos e da Escola Agraria do IPVC, em Ponte de Lima. Posteriormente, no passado mês de setembro, 30 empresas da Península Ibérica e de outros três países europeus (Reino Unido, Bélgica e França) participaram da Missão Comercial Inversa que explorou possibilidades de negócio e de projeção exterior com o tecido produtivo transfronteiriço.

A presente publicação recolhe as conclusões destas atividades e a informação básica relativa à dimensão do setor no Baixo Miño e no Norte de Portugal, assim como sobre os centros educativos e titulares relacionados com a agricultura no território da Euroregião. O guia, disponível para download em https://eurocidadecerveiratomino.eu/economia, agrega também eventos como a Mostra de Cultivos do Baixo Miño ou a Lusoflora, não descurando os esforços em prol da inovação das empresas implicadas neste setor produtivo. Apresenta ainda um capítulo com os compromissos do setor agrário para um desenvolvimento sustentável com base nos 17 objetivos estabelecidos pela ONU neste âmbito e encerra com um diretório de empresas.

A alcaldesa de Tomiño, Sandra González, agradeceu a colaboração das associações profissionais e expressou a sua expetativa de que, “nas atuais circunstâncias de crise social e sanitária, o guia possa ser útil para dar um impulso à recuperação da economia, onde se integra o setor agrícola dedicado ao viveirismo, à hortofruticultura e à flor cortada”. Por sua vez, Fernando Nogueira salientou a importância da manutenção e ornamentação dos espaços verdes. “Para nós, o desenvolvimento económico deve basear-se na complementaridade e não se pode entender sem a colaboração entre instituições públicas, agentes económicos e sociais.

O projeto Agenda Estratégica de Cooperação Transfronteiriça Amizade Cerveira-Tomiño é cofinanciado a 75% pelo programa INTERREG VA POCTEP, através de fundos FEDER da União Europeia.

CERVEIRA-TOMIÑO: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO TRANSFRONTEIRIÇO VENCE CATEGORIA DO PRÉMIO AUTARQUIA DO ANO 2020

O Lisbon Awards Group atribuiu, esta quinta-feira, ao Município de Vila Nova de Cerveira um prémio na categoria "Democracia, Igualdade e Participação Cívica - Orçamento Participativo" na 1ª edição do Prémio Autarquia do Ano, com o projeto ‘Participação Pública Sem Fronteiras’ (Orçamento Participativo Transfronteiriço – OPT Cerveira-Tomiño).

Premio Autarquia do Ano.jpg

Com caráter pioneiro na Euroregião Galiza-Norte de Portugal, o OPT Cerveira-Tomiño foi implementado em 2017, integrando um projeto mais amplo de envolvimento das populações vizinhas de Vila Nova de Cerveira e de Tomiño (Galiza) na definição de soluções para necessidades comuns, através de uma Agenda Estratégica de Amizade de Cooperação Transfronteiriça Cerveira-Tomiño.

Com quatro edições concretizadas, o OPT Cerveira-Tomiño já conta com oito projetos executados e dois pendentes devido à mais recente realidade mundial provocada pela pandemia Covid-19. Dotado de um orçamento total de 20 mil euros, desde a primeira edição (2017) que o impacto deste mecanismo de participação pública sem fronteiras ultrapassa qualquer investimento financeiro ou físico, pois na sua essência está a concretização de atividades conjuntas, procurando uma maior coesão social e um maior desenvolvimento económico através da cooperação entre os dois municípios.

O Prémio Autarquia do Ano, do Lisbon Awards Group, nasceu com o objetivo de homenagear os municípios e freguesias que se destacam, nas mais variadas áreas, pelas suas práticas inovadoras e de gestão rigorosa do interesse público. Os vencedores das diversas categorias foram conhecidos, esta quinta-feira, numa cerimónia que, devido às condicionantes derivadas da Covid-9, decorreu através das plataformas digitais.

GALIZA: FEIJÓO VALÍA CO EMBAIXADOR DE PORTUGAL A POSSIBILIDADE DE INCLUÍR SÓ AS ZONAS DE ALTA INCIDENCIA EPIDEMIOLÓXICA DO PAÍS VECIÑO NO PROTOCOLO DE VIAXEIROS DA XUNTA

O presidente da Xunta en funcións reuniuse esta mañá co embaixador de Portugal en España, João Mira Gomes

Se ben no protocolo non se fan diferencias dentro do territorio dos países, agás no caso de España, traslada a necesidade de establecer unha diferenciación con Portugal ante os estreitos laxos que nos unen

image_gallery.jpg

O presidente da Xunta en funciós reuniuse esta mañá co embaixador de Portugal en España, João Mira Gomes

 

O presidente do Goberno Galego en funcións, Alberto Núñez Feijóo, avanzou hoxe que nos próximos días o conselleiro de Sanidade reunirase co secretario de Estado de Sanidade para abordar a posibilidade de rexionalizar Portugal dentro do protocolo elaborado pola Xunta, que obriga ás persoas que veñan á Comunidade a comunicar a súa chegada cando procedan doutros territorios cunha incidencia epidemiolóxica 3,5 veces superior á de Galicia.

Se ben no protocolo non se fan diferencias dentro do territorio dos países, agás no caso de España, Feijóo trasladou durante un encontro co embaixador de Portugal, João Mira Gomes, a necesidade de establecer unha diferenciación por zonas de alta incidencia da covid-19 tamén para o país veciño, ante os estreitos lazos que nos unen.

Ao longo da xuntanza, o titular da Xunta en funcións incidiu nos beneficios deste protocolo cuxo obxectivo é facer de Galicia un destino seguro para os galegos e para todos os que a visitan.

Non en van, con esta medida, a Comunidade pon á disposición dos visitantes o servicio sanitario galego. Así, ademais de proporcionar información e recomendacións sanitarias, poderán adoptarse as medidas de seguimento, recoñecemento e control que se consideren necesarias, podendo promoverse a realización dunha proba diagnóstica independentemente de que se teña sintomatoloxía ou non. E a atención que se considere necesaria polos profesionais do Sergas non terá custo para a persoa que o precise, incluíndo a realización de probas ou, no seu caso, dos tratamentos indicados.

O presidente da Xunta en funcións aseverou que se trata dun servizo a favor e nunca en contra para que a xente poida vir a Galicia, coa finalidade de ter localizadas ás persoas que proveñen dos territorios con maior risco epidemiolóxico e poder actuar, no caso de que sexa preciso, dunha forma máis rápida.

Fonte: https://www.xunta.gal/

image_gallery (1).jpg

image_gallery (2).jpg

CÂMARA DE CAMINHA INFORMA PASSAGEIROS DO FERRYBOAT SOBRE DECISÃO DA XUNTA DE GALICIA NO COMBATE À COVID 19

Câmara lembra ainda que Caminha é um Destino de Confiança: “Se pretender continuar em Portugal, mais particularmente no concelho de Caminha, queremos que saiba que a nossa gente, as nossas praias, a nossa paisagem, o nosso património e a nossa gastronomia, o vão acolher com a mesma simpatia e hospitalidade de sempre”

A Câmara Municipal de Caminha dá a conhecer, através de um AVISO, a todos os utilizadores do Ferryboat Santa Rita de Cássia, que faz travessias diárias entre Caminha a A Guarda, a última decisão da Xunta de Galicia no combate à COVID 19. Mas, esclarece a todos os passageiros que Portugal, nomeadamente o concelho de Caminha, continua a ser um Destino de confiança: “se pretender continuar em Portugal, mais particularmente no concelho de Caminha, queremos que saiba que a nossa gente, as nossas praias, a nossa paisagem, o nosso património e a nossa gastronomia, o vão acolher com a mesma simpatia e hospitalidade de sempre”, lê-se no aviso.

ferry boat

Assim, na sequência da Resolução de 27 de julho de 2020 da Direção Geral de Saúde Pública da Galiza publicada no Diário Oficial da Galiza e no site institucional do Xunta da Galicia, o Município de Caminha esclarece: “no âmbito das medidas de combate à COVID 19, todos os viajantes, de todas as nacionalidades, provenientes de Portugal e tendo como destino a Galiza, devem comunicar os seus dados pessoais e local de residência no prazo de 24 horas após a sua chegada, através do preenchimento do formulário disponível no endereço https://coronavirus.sergas.gal/viaxeiros/ ou contactando o número de telefone 881002021”.

No documento está também escrito: “após a comunicação dos dados mencionados, as autoridades galegas partilharão um conjunto de informações uteis e recomendações sanitárias ao viajante e facultarão um contacto telefónico que poderá ser utilizado no caso de haver algum indício da existência da doença ou sintomatologia associada”.

Dá a conhecer ainda que “os cuidados que tiverem que ser prestados pelos profissionais do Serviço de Saúde Galego não terão qualquer custo para os que deles necessitarem, incluindo a realização de testes ou de tratamentos”.

AMANHÃ É O DIA DA PÁTRIA GALEGA - O MINHO SAÚDA OS IRMÃOS DA GALIZA!

Data de 1919 o Decreto emanado pela Junta da Galiza que instituiu o dia 25 de julho para celebrar o Dia da Pátria Galega. Porém, as suas origens remontam a 1919, altura em que as Irmandades da Fala, reunidas em Assembleia em Santiago de Compostela, proclamaram o dia da festa litúrgica de Santiago Maior, Patrono da Galiza, como o Dia da Pátria Galega.

Guimarães (24)

Amanhã, centenas de formações políticas, sociais e culturais do povo galego sairão à rua para celebrar o Dia da Pátria Galega e refletir acerca da atual situação económica e política com vista à construção da soberania e da liberdade da Galiza.

Em face das afinidades culturais que nos unem e fazem de nós uma só nação, os portugueses em geral e os minhotos em particular saúdam as gentes da Galiza no dia da celebração da sua Pátria. Os galegos são nossos irmãos!

Por um compreensível desconhecimento, grande parte dos portugueses possui um entendimento errado em relação à identidade nacional das gentes galegas.

Tal como sucede em relação à língua portuguesa que é o idioma da Galiza e que também é erradamente confundida com o castelhano que é a língua oficial de Espanha, também ela impropriamente por vezes designada por "espanhol". Na realidade e para além dos portugueses, a Península Ibérica é habitada por gentes de culturas e idiomas tão distintos como os vascos, os catalães, os asturianos e finalmente, os galegos e portugueses que possuem uma língua e uma identidade cultural comum, apenas separados em consequência das vicissitudes da História. A Espanha, afinal de contas, não representa mais do que uma realidade supranacional, cada vez mais ameaçada pelas aspirações independentistas dos povos que a integram.

Com as suas quatro províncias - Corunha, Lugo, Ourense e Pontevedra - e ainda alguns concelhos integrados na vizinha Astúrias, a Galiza constitui com Portugal a mesma unidade geográfica, cultural e linguística, o que as tornam numa única nação, embora ainda por concretizar a sua unidade política. Entre ambas existe uma homogeneidade que vai desde a cultura megalítica e da tradição céltica à vetusta Gallaécia e ao conventus bracarensis, passando pelo reino suevo, a lírica galaico-portuguesa, o condado portucalense e as sucessivas alianças com os reis portugueses, as raízes étnicas e, sobretudo, o idioma que nos é comum - a língua portuguesa. Ramon Otero Pedrayo, considerado um dos maiores escritores do reintegracionismo galego, afirmou um dia na sua qualidade de deputado do parlamento espanhol que "a Galiza, tanto etnográfica como geograficamente e desde o aspeto linguístico, é um prolongamento de Portugal; ou Portugal um prolongamento da Galiza, tanto faz". Teixeira de Pascoaes foi ainda mais longe quando disse que "...a Galiza é um bocado de Portugal sob as patas do leão de Castela". Não nos esqueçamos que foi precisamente na altura em que as naus portuguesas partiam à descoberta do mundo que a Galiza viveu a sua maior repressão, tendo-lhe inclusivamente sido negada o uso da língua galaico-portuguesa em toda a sua vida social, incluindo na liturgia, naturalmente pelo receio de Castela em perder o seu domínio e poder assistir à sua aproximação a Portugal.

No que respeita à sua caracterização geográfica e parafraseando o historiador Oliveira Martins, "A Galiza d'Aquém e d'além Minho" possui a mesma morfologia, o que naturalmente determinou uma espiritualidade e modos de vida social diferenciados em relação ao resto da Península, bem assim como uma diferenciação linguística evidente. Desse modo, a faixa atlântica e a meseta ibérica deram lugar a duas civilizações diferentes, dando a primeira origem ao galaico-português de onde derivou o português moderno e a segunda ao leonês de onde proveio o castelhano, atualmente designado por "espanhol" por ter sido imposta como língua oficial de Espanha, mas consignado na constituição espanhola como "castelhano". Não foi naturalmente por acaso que Luís Vaz de Camões, justamente considerado o nosso maior poeta possuía as suas raízes na Galiza. Também não é sem sentido que também o poeta Fernando Pessoa que defendeu abertamente a "anexação da Galiza", afirmou que "A minha Pátria é a Língua Portuguesa".

De igual modo, também do ponto de vista étnico as raízes são comuns a todo o território que compreende a Galiza e o nosso país, com as naturais variantes regionais que criam os seus particularismos, obviamente mais próximas do Minho e em parte de Trás-os-Montes do que em relação ao Alentejo e ao Algarve, mas infinitamente mais distanciados relativamente a Castela e outras regiões de Espanha.

No seu livro "A Galiza, o galego e Portugal", Manuel Rodrigues Lapa afirma que "Portugal não pára nas margens do Minho: estende-se naturalmente, nos domínios da língua e da cultura, até às costas do Cantábrico. O mesmo se pode dizer da Galiza: que não acaba no Minho, mas se prolonga, suavemente, até às margens do Mondego". Torna-se, pois, incompreensível que continuemos a tratar o folclore e a etnografia galega como se de "espanhola" se tratasse, conferindo-lhe estatuto de representação estrangeira em festivais de folclore que se pretendem de âmbito internacional, quando na realidade deveria constituir uma participação assídua nos denominados festivais nacionais. Mais ainda, vai sendo tempo das estruturas representativas do folclore português e galego se entenderem, contribuindo para um melhor conhecimento mútuo e uma maior aproximação entre as gentes irmãs da Galiza e de Portugal. O mesmo princípio aliás, deve ser seguido pelos nossos compatriotas radicados no estrangeiro, nomeadamente nos países da América do Sul onde as comunidades portuguesas e galegas possuem uma considerável representatividade numérica. Uma aproximação e um entendimento que passa inclusivamente pelo cyberespaço e para a qual a comunidade folclórica na internet pode e deve prestar um inestimável contributo.

Afirmou o escritor galego Vilar Ponte na revista literária "A Nossa Terra" que "os galegos que não amarem Portugal tão pouco amarão a Galiza". Amemos, pois, também nós, portugueses, como um pedaço do nosso sagrado solo pátrio, essa ridente terra que se exprime na Língua de Camões – a Galiza!

130513_estreleira

VILAS PEOPLE APRESENTA UXÍA EM CAMINHA

Concerto decorre no dia 1 de agosto, pelas 22H00

Uxía é a próxima estrela do Vilas People. No dia 1 de agosto, a grande dama da música galega sobe ao palco do Largo Calouste Gulbenkian, em Caminha, pelas 22H00. O Vilas People integra o Programa Cultural Verão 2020, um programa arrojado, adaptado às imposições da DGS, que pretende resgatar a cultura para o nosso concelho e mostrar que o Concelho de Caminha é um Destino de Confiança. Os bilhetes já se encontram disponíveis nos Postos de Turismo do Concelho de Caminha. O concerto é gratuito, mas a reserva de bilhete é obrigatória.

55536425_10156369649047606_5621725578982850560_n.jpg

Uxía dispensa apresentações. Podemos dizer que é “a voz do atlântico”, considerada a grande dama da música galega e uma das suas maiores embaixadoras. Com mais de 30 anos de carreira, o seu trabalho representa um ponto de encontro de várias culturas. Uxía já trabalhou com Dulce Pontes, António Zambujo, Rui Veloso e Tito Paris.

O Vilas People engloba 8 concertos, todos em recintos ao ar livre, vedados, com lugares sentados e de entrada gratuita, mediante reserva obrigatória de bilhete, de acordo com as orientações da DGS aplicadas aos equipamentos e espaços culturais. Os bilhetes estão disponíveis nos postos de Turismo de Caminha e Vila Praia de Âncora, de segunda a sexta-feira das 9H30 às 13H00 e das 14H00 às 17H30, até ao limite permitido do número de lugares.

O Vilas People ainda vai apresentar: no dia 8 de agosto, a Banda do Filme “Variações” celebra António Variações, no Forte da Lagarteira, em Vila Praia de Âncora; no dia 15 de agosto, Nataly Tamargo e Francisco Presa, Largo Dr. Luís Fetal Carneiro, em Caminha; no dia 21 de agosto, Elsa Matos Gomes, no Largo da Matriz, em Vila Praia de Âncora; no dia 22 de agosto, Daniel Pereira Cristo, no Largo da Matriz, em Caminha, e no 12 de setembro, em Vila Praia de Âncora, Toy canta Elton John

RETOMADA LIGAÇÃO ENTRE MONÇÃO E SALVATERRA

𝗔 𝘁𝗿𝗮𝘃𝗲𝘀𝘀𝗶𝗮 𝘀𝗼𝗯𝗿𝗲 𝗼 𝗿𝗶𝗼 𝗠𝗶𝗻𝗵𝗼, 𝘃𝗶𝘀𝘁𝗮 𝗰𝗼𝗺𝗼 𝘂𝗺𝗮 𝗿𝘂𝗮 𝗽𝗲𝗹𝗼𝘀 𝗵𝗮𝗯𝗶𝘁𝗮𝗻𝘁𝗲𝘀 𝗱𝗲 𝗮𝗺𝗯𝗼𝘀 𝗼𝘀 𝗰𝗼𝗻𝗰𝗲𝗹𝗵𝗼𝘀, 𝗿𝗲𝗮𝗯𝗿𝗶𝘂 𝗵𝗼𝗷𝗲 𝗮𝗼 𝗽𝘂́𝗯𝗹𝗶𝗰𝗼, 𝗮𝗽𝗼́𝘀 𝘁𝗿𝗲̂𝘀 𝗺𝗲𝘀𝗲𝘀 𝗲 𝗺𝗲𝗶𝗼 𝗲𝗻𝗰𝗲𝗿𝗿𝗮𝗱𝗮.

PonteMonçGaliz.jpg

Neste dia, 1 de julho, assinala-se o início do período critico de incêndios florestais e a reabertura das fronteiras terrestres entre Portugal e Espanha, voltando a ligar Monção e Salvaterra, através da Ponte Internacional sobre o Rio Minho, inaugurada no dia 29 de março de 1995.

Parafraseando o poeta maior das letras monçanenses, João Verde, “deixai-os, pois, namorar”. Como resposta, Amador Saavedra, poeta galego, propôs “em facer o casamento”. Ambos têm os seus poemas eternizados em murais nas respetivas localidades, exaltando a amizade entre os dois povos,

O encerramento da travessia internacional, através de resolução governamental datada de 16 de março, resultou em consequências adversas para os estabelecimentos comerciais, nas duas margens, e constrangimentos diversos para os trabalhadores transfronteiriços.

Esta medida de normalização do quotidiano entre os dois povos amigos, fundamental para a dinamização económica, deve ser encarada com esperança e confiança num projeto de retoma comum, mas também com a necessária atenção e cumprimento de todas as recomendações sanitárias.

FERRY RETOMA TRAVESSIAS ENTRE CAMINHA E A GUARDA, HOJE, DIA 1 DE JULHO

Foram hoje retomadas as travessias entre Caminha e A Guarda. A primeira viagem ocorreu partir de Caminha, pelas 09h30. Estão previstas saídas de Caminha às 10h00, 11h00, 12h00, 14h00 e 15h00.

Amanhã, de A Guarda haverá viagens às 09h45, 10h30, 11h30, 12h30, 14h30 e 15h15.

As travessias estão sempre condicionadas às condições de navegabilidade do ferry, por força do assoreamento do canal balizado. Telefone: 258 092 564.

106404013_3027089227345586_5203812805460142755_o.jpg