Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

JEAN SOUSA, COM RAIZES FAMILIARES EM MONÇÃO, DISTINGUIDO NOS PRÉMIOS DESPORTIVOS “O MINHOTO”

Vencedor na categoria de râguebi, representou a seleção nacional por diversas vezes, tendo feito, até ao momento, todo o percurso desportivo em equipas francesas.

jean (1).jpg

O lusodescendente Jean Sousa, de 32 anos, com raízes familiares em Monção, foi distinguido na XXV edição dos Troféus Desportivos “O Minhoto”, na categoria de râguebi, cuja gala de entrega de prémios decorreu, ontem à noite, na Casa de Artes de Vila Nova de Famalicão.

O prémio foi entregue pelo Vereador do Desporto da Câmara Municipal de Monção, João Oliveira, sendo recebido por Célia Rodrigues, familiar do desportista. Numa breve mensagem, referiu que este reconhecimento deixou Jean Sousa muito feliz, honrado e orgulhoso, dedicando o prémio ao seu avô, já falecido.

Jean Sousa, com 1,97 metros e 115 quilogramas, é segunda linha (lock), sendo muito forte nas “alturas” e nas “placagens”. Tendo representado a seleção nacional por diversas vezes, fez todo o percurso desportivo, até ao momento, em equipas francesas, alinhando, desde 2017, na Union Sportive Montalbanaise.

jeru (3).jpg

Na XXV edição dos Troféus Desportivos “O Minhoto”, foram entregues 28 prémios a dirigentes, desportistas e equipas da região do Minho, sendo atribuídos por um júri constituído por 91 elementos (48 órgãos de comunicação social de âmbito local e regional, 12 órgãos de comunicação social de âmbito nacional e 31 entidades ligadas ao desporto).

Enaltecendo a importância e o alcance dos Troféus Desportivos “O Minhoto”, a Câmara Municipal de Monção felicita Jean Sousa pela conquista deste prémio e deseja-lhe sorte e sucesso na sua equipa e na seleção nacional.

Entrega dos Troféus Desportivos O Minhoto 1 (5).JPG

MUNICÍPIO ARCUENSE MARCOU PRESENÇA NO FESTIVAL TOUTES LATITUDES DE CENON

A vice-Presidente do Município, Belmira Reis e a Vereadora Emília Cerdeira estiveram em Cenon, Bordéus, para participar em mais uma edição do festival Toutes Latitudes.

CapturarLAT1 (2).JPG

Este festival tem como propósito consolidar os laços criados ao longo dos anos entre Cenon e os 6 países consigo geminados, nomeadamente, Portugal, Espanha, Marrocos, Turquia, Senegal e Estados Unidos da América.

Durante 5 dias houve troca de culturas, valores e convívio de forma a afirmar que a diversidade é uma riqueza, um fator de desenvolvimento e uma força que é necessário fortalecer, bem como um reforço dos laços de amizade entre os habitantes locais e os das vilas geminadas.

Nesta ida a Cenon foi também renovado o protocolo de parceria entre Arcos de Valdevez e esta localidade francesa.

No âmbito do festival, houve ainda espaço para a promoção da gastronomia típica de cada nacionalidade, bem como para momentos de troca de experiências e convívio, proporcionados pelos Serviços Municipais da área da Cultura e as Associações locais.

As autarcas aproveitaram a ocasião para estabelecer contactos com a comunidade arcuense lá emigrada e promover o concelho ao nível cultural, turístico e económico.

Foram visitar várias associações e abordaram assuntos relativos às iniciativas que promovem, ao seu relacionamento com outras entidades e autoridades locais, bem como com as associações arcuenses.

CapturarLAT2 (1).JPG

CapturarLAT3 (2).JPG

FAMALICÃO VAI RECEBER DELEGAÇÕES DA MALÁSIA E DA FRANÇA

Delegações de Seberang Perai (Malásia) e Givors (França) chegam no dia 25 de outubro no âmbito da International Week Famalicão Alliance 2022

A International Week Famalicão Alliance, que se realiza entre 24 e 28 de outubro, vai ficar marcada pela presença no território de várias delegações internacionais que vão descobrir as potencialidades de Famalicão ao nível económico, e as boas práticas existentes no domínio da sustentabilidade e da transição climática.

DSC_9631 (7).jpg

De Seberang Perai, na Malásia, estará presente uma delegação que dará continuidade ao trabalho de parceria que tem vindo a ser desenvolvido entre os dois municípios, no âmbito do Programa IURC – International Urban and Regional Cooperation, aliado à vontade de intensificar a cooperação e aprofundar a partilha de conhecimento entre os dois municípios. Farão parte desta delegação o Alto Funcionário, Chew Eng Seng, responsável pela Agenda 21 Local, e Amira binti Ahmad, Diretora Municipal.

De Givors, na França, virá uma delegação que fortalecerá a geminação existente entre os dois municípios, que remonta a 1992, dando sequência à assinatura do Acordo de Renovação da Carta de Amizade que aconteceu no passado dia 17 de setembro, aquando a visita oficial da comitiva famalicense à cidade francesa, no âmbito das comemorações dos 30 anos do Acordo de Geminação. A delegação será presidida pelo Presidente da Câmara Municipal de Givors, Mohamed Boudjellaba.

De referir, igualmente, que ao abrigo de uma parceria com a Associação Empresarial de Portugal (AEP), através do projeto Next Challenge Asia, uma delegação de 32 opinion makers provenientes do Japão, Coreia do Sul e China deslocar-se-á a Vila Nova de Famalicão para conhecer o tecido empresarial do nosso concelho e as suas potencialidades, no sentido de estimular a internacionalização das PMEs.

As comitivas internacionais convidadas chegam a Famalicão no dia 25 de outubro, e durante dois dias serão realizadas desde reuniões de trabalho, a visitas a instituições e empresas locais, com vista a partilha de conhecimento por via destas forças motoras do território.

Refira-se que Vila Nova de Famalicão mantém atualmente relações económicas, culturais, ambientais e sociais com mais de 100 cidades de 50 países de quatro continentes, seja através de parcerias, geminações, projetos internacionais, entre outros, no âmbito da Estratégia de Diplomacia Urbana para a Internacionalização de Vila Nova de Famalicão – Famalicão Alliance.

cartazFAMAL.jpg

FAMALICÃO MARCA PRESENÇA NA MAIOR FEIRA MUNDIAL DO SETOR AGROALIMENTAR

SIAL, Salon International de l'Alimentation, está a decorrer em Paris, França

São nove, as empresas e marcas famalicenses representadas na SIAL, Salon International de l'Alimentation, uma feira internacional dedicada ao setor agroalimentar que está a decorrer em Paris, França, com a presença dos maiores players do setor. De Vila Nova de Famalicão, estão presentes marcas e projetos inovadores de pequena dimensão, como a Sim Chocolate, a Senrasdairy, a Frutivinhos e a Yogan, bem como referências incontornáveis do setor agroalimentar nacional como é o caso da Vieira, Lourofood, ICM, Primor e Salsicharia Limiana.

IMG-20221018-WA0029 (3).jpg

A SIAL Paris, promovida pela Atlantic Food Export, é um dos principais palcos para o encontro entre a indústria agroalimentar e uma referência para o desenvolvimento de novas parcerias, para a concretização de novos negócios e para conhecer as tendências globais do setor.

Na edição deste ano participam mais de 7 mil expositores provenientes de 120 países, numa área expositiva com mais de 250 mil m2, e com a expectativa de mais de 300 mil visitantes durante o certame que arrancou no passado dia 15 de outubro e que termina hoje, dia 19.

“É muito interessante ver marcas mais recentes, que nasceram e cresceram no seio do Famalicão MadeIN, a apresentarem o seu produto ao lado de empresas mais experientes e consolidadas no mercado mundial do agroalimentar, e que conquistam mercados e novos consumidores” refere o vereador da Economia e Empreendedorismo da Câmara Municipal, Augusto Lima, que também aponta a mais valia desta variedade, que “demonstra a capacidade e diversidade do setor no nosso concelho”.

De referir que as empresas do agroalimentar representam uma fatia importante das exportações do concelho de Vila Nova de Famalicão, com os dados no último ano, 2021, a apontarem para um volume de negócios muito próximo dos 64 milhões de euros, num crescimento que ronda os 20% ao longo dos últimos 8 anos, segundo os dados registados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

“Queremos alargar a base de exportação e o número de pequenas e médias empresas pela aposta na inovação e em produtos diferenciadores (…) queremos exportar mais produtos e colocar mais empresas famalicenses a exportar” acrescenta Augusto Lima.

IMG-20221018-WA0030_2 (1).jpg

ACADEMIA FRANCESA DAS ARTES DISTINGUE ARTISTA FAFENSE ORLANDO POMPEU

O mestre-pintor Orlando Pompeu, detentor de uma obra que está representada em variadas coleções particulares e oficiais em Portugal, Espanha, França, Suíça, Inglaterra, Alemanha, Croácia, Austrália, Brasil, México, Dubai, Canadá, Itália, EUA e Japão, foi distinguido no passado domingo (16 de outubro), em Paris, com o Diploma de Membro e a Medalha de Bronze da Academia Francesa das Artes, Ciências e Letras.

Orlando Pompeu.jpeg

O pintor Orlando Pompeu na cerimónia de distinção na capital francesa

A cerimónia de distinção promovida pela academia francesa, que foi fundada em 1915 e anualmente laureia personalidades de todas as nacionalidades que se tenham destacado nos campos artístico, literário e científico, decorreu no Salão Ópera do Hotel InterContinental em Paris. E constituiu, mais um importante marco de reconhecimento internacional de um dos mais consagrados artistas plásticos portugueses da atualidade, afamado pelo seu estilo pictórico singular, heterogéneo, criativo e contemporâneo.

Com uma carreira de quase quarenta anos, bem como um currículo nacional e internacional ímpar, Orlando Pompeu nasceu a 24 de maio de 1956, na freguesia de Cepães, no concelho de Fafe. Estudou desenho, pintura e escultura em Barcelona, Porto e Paris, e nos anos 90 progrediu no seu percurso artístico ao ir trabalhar para os Estados Unidos da América, onde expôs na Galeria Eight Four, em Nova Iorque, e depois, Japão, tendo exposto na TIAS – Tokio International Art Show e na Galeria Garou Monogatari em Tóquio.

COMUNIDADE PORTUGUESA EM PARIS ACOLHE EXPOSIÇÃO DO ARTISTA FAFENSE ORLANDO POMPEU

  • Crónida de Daniel Bastos

No passado sábado (8 de outubro), no âmbito do lançamento da segunda edição do livro “Crónicas-Comunidades, Emigração e Lusofonia”, foi inaugurada na Pastelaria Belém, um espaço icónico da comunidade luso-francesa em Paris, uma exposição do mestre-pintor Orlando Pompeu dedicada à temática da emigração portuguesa.

pompeuparis (1).jpg

O historiador Daniel Bastos (ao centro), acompanhado de Paulo Pisco (esq.), deputado eleito pelo Círculo da Europa, e dos empresários luso-franceses, Manuel Pinto Lopes e Natália Martins, e do dirigente associativo Parcídio Peixoto, no decurso da inauguração da exposição de Orlando Pompeu na Pastelaria Belém

A curadoria da exposição esteve a cargo do historiador e escritor Daniel Bastos, autor da obra e que tem divulgado os trabalhos do artista plástico junto da diáspora. Composta por mais de uma dezena de desenhos concebidos propositadamente para o livro, a exposição de Orlando Pompeu, um dos mais consagrados artistas plásticos portugueses da atualidade, está patente à comunidade luso-francesa durante os próximos meses. 

No decurso da iniciativa cultural, que se encheu de membros da comunidade portuguesa em Paris, Daniel Bastos, que agradeceu a sensibilidade de Natália Martins, proprietária da Pastelaria Belém para a realização de uma exposição que honra e dignifica os emigrantes portugueses, justificou a ausência do mestre-pintor por compromissos de agenda. Assegurando o mesmo, que os desenhos expostos refletem um estilo pictórico singular, heterogéneo, criativo e contemporâneo.

Refira-se que Orlando Pompeu, detentor de uma obra que está representada em variadas coleções particulares e oficiais em Portugal, Espanha, França, Suíça, Inglaterra, Alemanha, Croácia, Austrália, Brasil, México, Dubai, Canadá, Itália, EUA e Japão, recebe no próximo dia 16 de outubro, em Paris, o Diploma de Membro e a Medalha de Bronze da Academia Francesa das Artes, Ciências e Letras.

pompeuparis (2).jpg

pompeuparis (4).jpg

pompeuparis (3) (5).jpg

pompeuparis (5) (5).jpg

DANIEL BASTOS APRESENTOU EM PARIS LIVRO DEDICADO ÀS COMUNIDADES PORTUGUESAS

Na passada quinta-feira (6 de outubro), foi lançada junto da comunidade portuguesa em Paris, a segunda edição do livro “Crónicas-Comunidades, Emigração e Lusofonia”.

A segunda edição da obra, revista e aumentada, que reúne as crónicas que o historiador Daniel Bastos tem escrito nos últimos anos na imprensa de língua portuguesa no mundo, foi apresentada no Consulado Geral de Portugal em Paris.

dbastos (3) (7).jpg

O historiador Daniel Bastos (ao centro), acompanhado de Paulo Pisco, deputado eleito pelo Círculo da Europa, e dos empresários luso-franceses, Manuel Pinto Lopes e Natália Martins, no decurso da sessão de apresentação na capital francesa

A sessão de apresentação, que encheu o salão Eça de Queirós, no Consulado Geral de Portugal em Paris, de emigrantes, lusodescendentes, empresários, dirigentes associativos, autoridades consulares e órgãos de informação da diáspora, esteve a cargo de Paulo Pisco, deputado eleito pelo Círculo da Europa, que destacou o livro como “um trabalho extraordinário que compila pedaços dispersos da memória dos portugueses no mundo”. Segundo o deputado, Daniel Bastos tem contribuído ao longo dos últimos anos para “a valorização e dignificação da emigração portuguesa, uma força transformadora com enorme potencial económico, cultural, político e linguístico”.

Nesta segunda edição da obra, composta por mais de duas centenas de crónicas, e prefaciada pelo advogado e comentador Luís Marques Mendes, o escritor e historiador revela o empreendedorismo, as contrariedades, a resiliência e a solidariedade das comunidades portuguesas, a riqueza do seu movimento associativo, e as enormes potencialidades culturais, económicas e políticas que as mesmas representam nas pátrias de acolhimento e de origem.

Refira-se que ao longo deste e do próximo ano, estão previstas várias sessões de apresentação do livro, cuja capa é assinada pelo mestre-pintor Orlando Pompeu, junto das comunidades portuguesas. E que a segunda edição da obra deveu-se ao mecenato de empresas e instituições da diáspora que partilham uma visão de responsabilidade social e um papel de apoio à cultura.

Historiador, professor e autor de vários livros que retratam a história da emigração portuguesa, Daniel Bastos é atualmente consultor do Museu das Migrações e das Comunidades, sediado em Fafe, e da rede museológica virtual das comunidades portuguesas, instituída pela Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas.

dbastos (2).jpg

dbastos (1) (3).jpg

DANIEL BASTOS LANÇA SEGUNDA EDIÇÃO DE LIVRO DEDICADO ÀS COMUNIDADES PORTUGUESAS EM PARIS

No próximo dia 6 de outubro (quinta-feira), o escritor e historiador Daniel Bastos lança junto da comunidade portuguesa em Paris, a segunda edição do seu mais recente livro “Crónicas - Comunidades, Emigração e Lusofonia”.

Daniel Bastos -autor (1).jpeg

A segunda edição da obra, agora revista e aumentada dada a anterior se encontrar esgotada, e que reúne as crónicas que o historiador tem escrito nos últimos anos na imprensa de língua portuguesa no mundo, é apresentada às 18h30 no Consulado-Geral de Portugal em Paris.

A apresentação do livro, que é prefaciado pelo advogado e comentador Luís Marques Mendes, e conta com posfácios de Maria Beatriz Rocha-Trindade, Presidente da Comissão de Migrações da Sociedade de Geografia de Lisboa, e de Isabelle Oliveira, Presidente do Instituto do Mundo Lusófono, estará a cargo de Paulo Pisco, deputado eleito pelo Círculo da Europa.

Nesta nova obra, composta por mais de duas centenas de crónicas, e realizada com o apoio da Sociedade de Geografia de Lisboa - Comissão de Migrações, uma das mais relevantes instituições culturais do país, Daniel Bastos pretende dignificar, reconhecer e valorizar as sucessivas gerações de compatriotas que, por razões muito diversas, saíram de Portugal.

Através de uma assumida visão de compromisso com os emigrantes, o autor revela o empreendedorismo, as contrariedades, a resiliência e a solidariedade das comunidades portuguesas, a riqueza do seu movimento associativo, e as enormes potencialidades culturais, económicas e políticas que as mesmas representam nas pátrias de acolhimento e de origem. Como é o caso da comunidade lusa em França, a mais numerosa das comunidades portuguesas na Europa e uma das principais comunidades estrangeiras estabelecidas no território gaulês, rondando um milhão de pessoas.

Refira-se que a capa da obra é assinada pelo mestre-pintor Orlando Pompeu, um dos mais consagrados artistas plásticos portugueses da atualidade. E que no âmbito da ilustração do livro, no dia 8 de outubro (sábado), às 15h00, será inaugurada na Pastelaria Belém, um espaço icónico da comunidade luso-francesa em Paris, uma exposição cuja curadoria estará a cargo do escritor e historiador, alusiva aos desenhos concebidos propositadamente para a obra.

Professor e autor de vários livros que retratam a história da emigração portuguesa, Daniel Bastos é atualmente consultor do Museu das Migrações e das Comunidades, sediado em Fafe, e da rede museológica virtual das comunidades portuguesas, instituída pela Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas, que pretende criar uma plataforma entre diversos núcleos museológicos, arquivos e coleções respeitantes à história e à memória, à vida e às perspetivas de futuro dos portugueses que vivem e trabalham fora do seu país.

ARTISTA FAFENSE ORLANDO POMPEU DISTINGUIDO PELA ACADEMIA FRANCESA DAS ARTES, CIÊNCIAS E LETRAS

  • Crónica de Daniel Bastos

O mestre-pintor Orlando Pompeu, detentor de uma obra que está representada em variadas coleções particulares e oficiais em Portugal, Espanha, França, Suíça, Inglaterra, Alemanha, Croácia, Austrália, Brasil, México, Dubai, Canadá, Itália, EUA e Japão, recebe a 16 de outubro, em Paris, o Diploma de Membro e a Medalha de Bronze da Academia Francesa das Artes, Ciências e Letras.

Orlando Pompeu (2).jpg

O pintor Orlando Pompeu no seu atelier em Cepães (Fafe)

Fundada em 1915, a academia francesa distingue personalidades de todas as nacionalidades, que se tenham destacado nos campos artístico, literário e científico, sendo que este ano o reconhecimento incidiu num dos mais consagrados artistas plásticos portugueses da atualidade, afamado pelo seu estilo pictórico singular, heterogéneo, criativo e contemporâneo.

Com uma carreira de quase quarenta anos, bem como um currículo nacional e internacional ímpar, Orlando Pompeu nasceu a 24 de maio de 1956, na freguesia de Cepães, no concelho minhoto de Fafe. Estudou desenho, pintura e escultura em Barcelona, Porto e Paris, e nos anos 90 progrediu no seu percurso artístico ao ir trabalhar para os Estados Unidos da América, onde expôs na Galeria Eight Four, em Nova Iorque, e depois, Japão, tendo exposto na TIAS – Tokio International Art Show e na Galeria Garou Monogatari em Tóquio.

GÉRALD BLONCOURT: O FOTÓGRAFO DA EMIGRAÇÃO PORTUGUESA “A SALTO”

  • Crónica de Daniel Bastos

A breve trecho assinalam-se quatro anos desde o falecimento do saudoso fotógrafo franco-haitiano Gérald Bloncourt (1926-2018), um dos grandes nomes da fotografia humanista, cujas amplamente conhecidas imagens que imortalizam a história da emigração portuguesa para França, representam um contributo fundamental para uma melhor compreensão e representação do nosso passado recente.

Gérald Bloncourt (1926-2018) (1).jpg

Gérald Bloncourt (1926-2018)

Colaborador de jornais de referência no campo social e sindical, o antigo fotojornalista que esteve radicado em Paris mais de meio século, teve o condão de retratar a chegada das primeiras levas massivas de emigrantes portugueses a França nos anos 60. A lente humanista do fotógrafo com dotes poéticos captou com particular singularidade as duras condições de vida dos nossos compatriotas nos bairros de lata nos arredores de Paris, conhecidos como bidonvilles, como os de Saint-Denis ou Champigny, com condições de habitabilidade deploráveis, sem eletricidade, sem saneamento nem água potável, construídos junto das obras de construção civil.

Igualmente relevantes são as imagens que Bloncourt captou durante a sua primeira viagem a Portugal nos anos 60, onde retratou o quotidiano das cidades de Lisboa, Porto e Chaves. Assim como as da viagem a “salto” que fez com emigrantes além Pirenéus, e as dos primeiros dias de liberdade em Portugal, como as das comemorações do 1.º de Maio de 1974 em Lisboa, acontecimento que permanece ainda hoje como a maior manifestação popular da história portuguesa.

O trabalho fotográfico de Bloncourt sobre a emigração e a génese da democracia portuguesa constitui um valioso repositório do último meio século nacional, que resgata das penumbras do esquecimento os protagonistas anónimos da história nacional que lutaram aquém e além-fronteiras pelo direito a uma vida melhor e à liberdade.

O trabalho e percurso de vida do fotógrafo francês de origem haitiana, que durante mais de vinte anos escreveu com luz a vida dos portugueses em França e Portugal, foram em 2016 distinguidos pelo Presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa. No âmbito das Comemorações do 10 de Junho em Paris, Dia de Portugal de Camões e das Comunidades Portuguesas, cujas comemorações oficiais nesse ano aconteceram pela primeira vez numa cidade fora do país, o aclamado fotógrafo foi condecorado na cidade simbólica de Champigny, com a ordem de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique.

FAMALICÃO RENOVA RELAÇÃO DE AMIZADE COM GIVORS

Acordo de Geminação entre as duas cidades remonta a 1992

Famalicão e Givors, na França, renovaram a relação de cooperação que existe desde 1992. A assinatura do Acordo de Renovação da Carta de Amizade entre os dois municípios aconteceu no passado sábado, 17 de setembro, na cidade francesa.

Givors_20220917 (3) (1).jpg

Este acordo de renovação acontece precisamente no ano em que se assinalam os 30 anos da relação de geminação entre os Municípios de Vila Nova de Famalicão e de Givors.

A cerimónia oficial contou com a presença do vereador das Relações Internacionais, Augusto Lima, em representação do executivo municipal, e do Presidente da Câmara Municipal de Givors, Mohamed Boudjellaba, que refirmaram esta relação de amizade transfronteiriça.

Refira-se que este Acordo de Geminação tem sido concretizado, ao longo das últimas décadas, por via de diversas atividades implementadas no quadro de cooperação entre as duas cidades.

A assinatura deste acordo está associada à comemoração das Jornadas Europeias do Património, que decorreram nos dias 17 e 18 de setembro em França, onde também se inseriu a inauguração, no dia 17, da exposição do projeto TEAR – Territórios Artísticos, desenvolvido pel’A Casa ao Lado, em parceria com diversas entidades, entre as quais, o Município de Vila Nova de Famalicão e a Comissão Nacional da UNESCO, estando patente na Igreja de Saint Nicolas, em Givors, durante o período de um mês.

A instalação desta exposição na cidade francesa, que envolve peças criadas com alunos dos agrupamentos de escolas Camilo Castelo Branco, Ribeirão, D. Sancho I, Pedome e Gondifelos, representa a interligação entre a comunidade escolar, a arte e a indústria têxtil famalicense, num gesto que leva o nosso património industrial além-fronteiras, cimentando a marca de Famalicão, como a Cidade Têxtil de Portugal.

Givors_20220917 (4).jpg