Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

ESPOSENDE REFLORESTA O CONCELHO COM PINHEIROS MANSOS

Município de Esposende oferece pinheiros mansos para reflorestar o concelho

O Município de Esposende vai disponibilizar gratuitamente pinheiros mansos para a reflorestação ambiental do concelho.

pinheiros mansos (3).jpg

Esta ação enquadra-se no âmbito do projeto Pronatura, criado em 2002 pela ANEFA - Associação Nacional de Empresas Florestais, Agrícolas e do Ambiente com o intuito de ajudar a dar resposta às empresas com empenho nas áreas de responsabilidade ambiental e social que acreditam que é possível voltar a ter florestas, matas e espaços verdes no futuro.

Através do grupo Santander, o Município Esposende recebeu mais de 300 árvores desta espécie designada Pinus pinea, que serão oferecidas às associações de defesa ambiental concelhias, nomeadamente à Associação Rio Neiva e à Associação Assobio, para serem utilizadas em ações de reflorestação e sensibilização ambiental, especialmente direcionadas para a faixa mais litoral do concelho.

Em breve, o Município terá novamente árvores para oferecer gratuitamente, desta vez, para as áreas afetadas pelos incêndios de 2019. A escolha de espécies autóctones, dotadas de maior rusticidade contribui para inúmeros serviços ambientais, para o aumento da biodiversidade e para uma maior preparação dos territórios relativamente a alguns efeitos das alterações climáticas. O pinheiro manso é uma espécie adaptada a climas mediterrânicos, com seca estival, podendo tolerar até seis meses de secura, suportando ainda os ventos marítimos costeiros, estando adaptada ao território concelhio.

Esta medida enquadra-se nos eixos dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 da ONU, nomeadamente no que concerne à Ação Climática (ODS 13), Proteger a Vida Terrestre (ODS 15) e Parcerias para a Implementação dos Objetivos de Sustentabilidade (ODS 17).

pinheiros mansos (1).jpg

pinheiros mansos (2).jpg

MUNICÍPIO ARCUENSE APOIA SAPADORES FLORESTAIS

Câmara Arcuense apoia Sapadores Florestais no valor de 150 mil euros

A Câmara Municipal celebrou esta terça-feira, dia 10 de dezembro, os protocolos anuais com as equipas de Sapadores Florestais da Associação Florestal Atlântica, da Associação Florestal do Lima e das Assembleias de Compartes dos Baldios das Freguesias de Cabreiro, Gavieira e Soajo, no valor de 30.000 euros por entidade, perfazendo um valor global de 150 mil euros.

WhatsApp Image 2019-12-10 at 18.44.55 (1).jpeg

Os protocolos agora celebrados têm como principal objetivo a prevenção de incêndios florestais, através da realização de ações de silvicultura preventiva, nomeadamente a criação de faixas de gestão de combustíveis, ações de fogo controlado, vigilância das áreas rurais, assim como ações de primeira intervenção, apoio ao combate e às subsequentes operações de rescaldo e vigilância pós-incêndio. Neste sentido, as equipas de Sapadores Florestais estão integradas no dispositivo operacional municipal, conforme o definido no Plano Operacional Municipal (POM), parte integrante do Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios (PMDFCI).

Para além das atividades referidas, estabelecem a limpeza de estradas e caminhos municipais numa extensão de aproximadamente 40 km.

De referir ainda que, em caso de situações meteorológicas adversas deverão estar preposicionados, de forma a responder rapidamente a situações como queda de árvores, pequenos deslizamentos de terras, entre outras situações, assim como proceder ao espalhamento de sal na rede viária quando solicitado pela Câmara Municipal.

Desta forma a Autarquia apoia as equipas de Sapadores Florestais em diversas ações e aumenta os recursos de prevenção e intervenção de incêndios florestais, bem como outras ações de proteção civil.

MONÇÃO REFLORESTA ÁREAS ARDIDAS E SENSIBILIZA ALUNOS PARA A PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

Ao longo desta semana, o concelho de Monção está a ser reflorestado com a plantação de 3000 árvores autóctones em locais fustigados pelos incêndios de outubro de 2017. Nesta ação, participam 860 alunos e 96 professores e auxiliares de todos os níveis de ensino (público, privado e profissional).

17 M.JPG

A campanha de reflorestação, inserida no âmbito do Projeto Eco-Escolas, realiza-se em locais que apresentam condições de segurança aos alunos, nomeadamente, Gandarela, em Troviscoso; Castro de São Caetano, em Longos Vales; Merim e Bairro Alto, em Barbeita; e Carvalhas e Portela de Alvite, em Merufe.

Esta manhã, em Merim, Barbeita, a ação de reflorestação contou com a presença do autarca monçanense. António Barbosa meteu as mãos na massa, cavando a terra e ajudando as crianças a plantar a sua árvore, tendo evidenciado, junto da comunicação social presente, a relevância deste género de iniciativas.

Disse: “Além de reflorestar as áreas ardidas em 15 de outubro de 2017, uma data que fica na memória de todos os monçanenses, esta ação tem a particularidade de sensibilizar os alunos para a questão da preservação e valorização ambiental. Trata-se de mais um passo na educação ambiental dos mais jovens que, estou certo, terá um reflexo positivo no futuro”.

Nesta ação, os alunos são auxiliados pelos professores, auxiliares, técnicas do Município de Monção e duas equipas de sapadores florestais. Após a plantação das 3000 árvores autóctones pelos alunos, segue-se a plantação de mais 15000 unidades pelos sapadores florestais.

As espécies arbóreas florestais plantadas são o carvalho alvarinho, o carvalho negral, o castanheiro, a cerejeira brava, a faia, o medronheiro, a nogueira, o sobreiro e o pinheiro bravo. Todos os alunos recebem um diploma de participação.

A presente iniciativa inscreve-se no projeto “Terra de Esperança”, cuja entidade promotora é a Associação Nacional de Empresas Florestais, Agrícolas e do Ambiente (ANEFA), tendo como parceiros a Fundação GALP e a Câmara Municipal de Monção.

04 M.JPG

16 M.JPG

ESPOSENDE DEDICOU SEMANA À FLORESTA AUTÓCTONE

Como forma de sensibilizar a comunidade e, mais concretamente, a população escolar para a importância das espécies autóctones e da elevada biodiversidade associada à floresta, o Município de Esposende aliou-se às comemorações do Dia Internacional da Floresta Autóctone e, entre os dias 23 a 29 de novembro, promoveu, através do Centro de Educação Ambiental e do Gabinete Técnico Florestal, um conjunto de iniciativas dedicadas a esta temática.

floresta autoctone (4).jpg

A 23 de novembro, data em que se assinala o Dia da Floresta Autóctone, decorreu uma atividade simbólica de plantação de espécies florestais autóctones no espaço envolvente do Monte de S. Lourenço, em Vila Chã. Os participantes foram inicialmente sensibilizados para a importância da floresta nativa e ficaram a conhecer quais os serviços prestados por uma floresta saudável e diversificada, bem como os problemas que assolam os espaços florestais. Posteriormente intervieram no local, através do controle manual de eucaliptos e da plantação de algumas árvores portuguesas. No final da intervenção, participaram numa visita guiada ao Castro de S. Lourenço, orientada pelo Centro de Interpretativo de S. Lourenço.

floresta autoctone (5).jpg

Cerca de 200 crianças das escolas EB/JI de Gemeses e de Pinhote e o Jardim de Infância de Cepães assistiram, no dia 26, no Auditório Municipal de Esposende, à peça de teatro “O refúgio”, apresentada pela companhia de Teatro e Marionetas de Mandrágora, espetáculo que tem como parceiros a Câmara Municipal da Mealhada, o Centro de Educação Ambiental de Esposende e a associação Novaterra, Associação Cultural Arte e Ambiente. Este espetáculo conta a história de Caruma, protetor da floresta e dos animais, que vive em harmonia com a natureza e luta para que a sua mata não seja destruída pela mão do homem.

O programa da Semana da Floresta Autóctone incluiu ainda seis sessões do teatro Clarinha e Fonte do Tempo, pela associação cultural Fugir do Medo, nos estabelecimentos de Educação e Ensino do concelho. Criada no âmbito do Projeto E-Ribeiras, esta peça retrata um cenário hipotético dos personagens João e Maria no ano 2050, onde a escassez de água e as alterações climáticas são realidades bastante evidentes. Em paralelo, aparecem as personagens Clarinha e Salpico, duas gotas de água que abordam as modificações físicas e químicas da água ao longo do ciclo da água. Entretanto João e Clarinha fazem uma viagem no tempo, com o objetivo de corrigir os erros passados no que diz respeito ao uso da água e, assim, minimizar os problemas de falta de água potável no futuro.

Ainda no mesmo âmbito, foi desenvolvida a iniciativa “Os Sapadores vão à escola!”, na qual os Sapadores Florestais aos estabelecimentos de educação e ensino demonstraram algumas das tarefas e funções relacionados com o trabalho diário da Equipa de Sapadores Florestais.

Estas ações têm subjacente o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030, nomeadamente no que se refere a Proteger a Vida Terrestre (ODS 15) e Parcerias para a Implementação dos Objetivos de Sustentabilidade (OCS 17). Em Esposende, apesar da maioria das espécies florestais presentes terem sido introduzidas, como o eucalipto, o pinheiro-bravo, as acácias, entre outras, é possível encontrar ainda uma variedade de espécies autóctones bastante rica e que merece ser preservada. Dentro desta listagem incluem-se espécies arbóreas como o pinheiro-manso, vários tipos de carvalhos, sobreiros, amieiros, salgueiros, sanguinho, sabugueiro e freixo. Existem ainda várias plantas nativas arbustivas e herbáceas de elevado valor ecológico.

floresta autoctone (1).jpg

floresta autoctone (2).jpg

floresta autoctone (3).jpg

860 ALUNOS DE MONÇÃO PLANTAM 3 MIL ÁRVORES AUTÓCTONES EM ZONAS ATINGIDAS PELOS INCÊNDIOS FLORESTAIS DE OUTUBRO DE 2017

Na próxima semana, entre os dias 2 e 6 de dezembro, o concelho de Monção vai ser reflorestado com a plantação de 3000 árvores autóctones em locais fustigados pelos incêndios de outubro de 2017. Nesta ação, participam 860 alunos e 96 professores e auxiliares de todos os níveis de ensino (público, privado e profissional).

plantasmonççç.JPG

A campanha de reflorestação, inserida no âmbito do Projeto Eco-Escolas, realiza-se em locais que apresentam condições de segurança aos alunos, nomeadamente, Gandarela, em Troviscoso; Castro de São Caetano, em Longos Vales; Merim e Bairro Alto, em Barbeita; e Carvalhas e Portela de Alvite, em Merufe.

A ação tem inicio na segunda-feira, 2 de dezembro, com os meninos do pré-escolar da Escola Básica de Pias, no Castro de São Caetano, em Longos Vales, terminando na sexta-feira, 6 de dezembro, com os alunos do Colégio do Minho (1º e 2º Ciclo), em Portela de Alvite, Merufe.

Ao longo da semana, as espécies arbóreas florestais a plantar são o carvalho alvarinho, o carvalho negral, o castanheiro, a cerejeira brava, a faia, o medronheiro, a nogueira, o sobreiro e o pinheiro bravo. Todos os alunos recebem um diploma de participação.

A presente iniciativa inscreve-se no projeto “Terra de Esperança”, cuja entidade promotora é a Associação Nacional de Empresas Florestais, Agrícolas e do Ambiente (ANEFA), tendo como parceiros a Fundação GALP e a Câmara Municipal de Monção.

"FLORESTAR BRAGA" AJUDOU A PLANTAR MAIS DE 2 MIL ÁRVORES

Iniciativa juntou empresas, escolas, Juntas de Freguesias e associações do Concelho

Durante a edição deste ano do ‘Florestar Braga’ foram plantadas 2.037 árvores, numa iniciativa desenvolvida pelo Município e que juntou empresas, escolas, Juntas e Uniões de Freguesias e associações do Concelho. No total, foram mais de 60 entidades envolvidas, contando com 2.050 participantes.

CMB25112019SERGIOFREITAS00000022361.jpg

“Este é um programa que já está enraizado na sociedade Bracarense. Já são muitos os cidadãos que nos procuram para participarem neste programa e este ano conseguimos um envolvimento muito significativo por parte da sociedade civil, nomeadamente algumas empresas que estão a colocar a responsabilidade social e ambiental na ordem do dia”, referiu Altino Bessa, vereador do Ambiente da Câmara Municipal de Braga, sustentando que esta sexta edição do ‘Florestar Braga’ “revelou-se extremamente positiva”.

Esta Segunda-feira, e de forma a assinalar o Dia da Floresta Autóctone, foram plantadas 26 árvores na renovada EB1 São Lazaro. “Uma iniciativa de sensibilização da comunidade escolar que queremos continuar a realizar para que a crianças tenham desde muito cedo estas preocupações com o meio ambiente”, apontou Altino Bessa, explicando que “esta é a época propícia para se plantar as árvores para evitar a mortalidade das plantas e não em Março”.

Este ano o ‘Florestar Braga’ foi desenvolvido em parceria com a ANEFA - Associação Nacional de Empresas Florestais, Agrícolas e do Ambiente, que disponibilizou mil árvores que foram distribuídas por diversas entidades do Concelho. “A estas, juntaram-se muitas das árvores que foram produzidas no nosso horto municipal. São plantas que nós semeamos e que vão crescendo no viveiro para posteriormente serem transplantadas para outros locais”, concluiu Altino Bessa.

CMB25112019SERGIOFREITAS00000022364.jpg

CMB25112019SERGIOFREITAS00000022362.jpg

FAMALICÃO TEM ÁRVORES PARA ADOÇÃO

Famalicão com campanha de adoção de árvores no Dia da Floresta Autóctone

O Dia da Floresta Autóctone comemora-se este sábado, dia 23 de novembro, e Vila Nova de Famalicão vai assinalar a data com mais uma campanha de adoção de árvores.

Campanha decorre este sábado, dia 23 de novembro.jpg

A iniciativa será promovida com o apoio das Comissões Sociais Inter-Freguesias.

As ações vão decorrer entre as 09h00 e as 13h00 em dez locais das áreas de intervenção das CSIF’s e vão disponibilizar mais de 4 mil plantas de 11 espécies de árvores e arbustos diferentes: medronheiro, azevinho, esteva, urze, alfazema, rosmaninho, loureiro, tomilho, alecrim, buxo e oliveira.

As ações vão decorrer na sede do Agrupamento de Escuteiros de Esmeriz, na sede do Agrupamento de Escuteiros de Vermoim, no adro da igreja de Vale São Cosme, na sede do Agrupamento de Escuteiros de Oliveira Santa Maria, no Futebol Clube Ruivanense, em Ruivães, na Escola Básica de Passelada, em Landim, na Junta de Freguesia de Jesufrei, no adro da igreja de Gondifelos, no salão paroquial de Fradelos e no adro da igreja de Brufe.

Refira-se que a iniciativa está inserida no âmbito do projeto “25 mil árvores para 2025”, cujo objetivo é a reabilitação de aproximadamente 25 hectares do território concelhio através da plantação de 25 mil árvores e arbustos nativos da região em áreas urbanas, espaços rurais, ao longo das linhas de água e em montes e serras.

Com mais estas quatro mil árvores, o projeto chega às 21 mil árvores plantadas no concelho, aproximando-se a passos largos da meta definida.

BLOCO DE ESQUERDA RECLAMA AVALIAÇÃO DOS PREJUÍZOS PROVOCADOS PELA DOENÇA DOS CASTANHEIROS E COMPENSAÇÃO AOS AGRICULTORES AFETADOS

O Bloco de Esquerda quer saber se o Governo está a acompanhar o aparecimento de uma nova doença que está a afetar gravemente os castanheiros e se está a fazer o levantamento dos prejuízos provocados na região do Minho e Alto Minho.

Em causa está o aparecimento de uma doença conhecida por  “podridão da castanha", provocada pelo fungo gnomoniopis castanea, que, de acordo com o especialista e docente na UTAD, José Gomes Laranjo, ainda não há um tratamento para o fungo devido à falta de estudos sobre a biologia do fungo que provoca a podridão da castanha e sobre o seu tratamento, sublinhando que em Itália a produção de castanha sofreu quebras de 70% a 80%.

No documento entregue na Assembleia da República, os deputados do Bloco de Esquerda eleitos pelo Minho, José Maria Cardoso e Alexandra Vieira, afirmam que "os produtores de castanha encontram-se numa situação desesperante, pois não existe uma estratégia de ação nem medidas de proteção fitossanitária eficientes para esta cultura e adequadas à sua realidade atual. Muitos deles vivem, em consequência, uma situação de insustentabilidade da sua atividade e merecem o apoio do Estado de forma a conseguirem ultrapassar a perda de rendimentos da cultura e a responder eficientemente a este complexo de pragas e doenças, tornando os seus sistemas culturais mais resilientes".

Por isso, os bloquistas querem saber que medidas pensa o Governo tomar para compensar as perdas destes agricultores e que medidas prevê o Governo tomar para apoiar os produtores de castanha na prevenção e combate a estes problemas fitossanitários no futuro.

Capturarbe1.PNG

Capturarbe2.PNG

VIZELA ESTÁ DE PRECAUÇÃO CONTRA INCÊNDIOS FLORESTAIS

Câmara Municipal de Vizela alerta para o perigo de incêndio rural até domingo, 8 de setembro

O Serviço Municipal de Proteção Civil e o Gabinete Técnico Florestal de Vizela alertam a população para o perigo de incêndio rural, sendo as condições meteorológicas previstas pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), estando previstos valores altos de temperatura máxima, de tempo seco e subida gradual da temperatura, condições favoráveis à ocorrência e propagação de incêndios, para os próximos dias, com passagem ao Estado de Alerta Especial para o nível vermelho a partir das 00h00 desta quarta-feira (4 de setembro) até às 23h59 de domingo (8 de setembro).

Efeitos Expectáveis:

O índice FWI (indicador relativo da intensidade do fogo), determinado pelas condições meteorológicas e pelo estado de secura da vegetação, apresenta valores elevados. Assim, prevê-se um aumento das ignições face ao

incremento da atividade humana junto dos espaços rurais.

Medidas Preventivas:

 Proibido fazer queimadas extensivas;

 Proibido fazer queima de amontoados;

 Proibido utilizar fogareiros e grelhadores em todo o espaço rural salvo se, usados fora das zonas críticas e nos locais devidamente autorizados, para o efeito;

 Proibido fumar ou fazer qualquer tipo de lume nos espaços florestais;

 Proibido lançar balões de mecha acesa e foguetes. O uso de fogo-de-artifício só é permitido com autorização da câmara municipal;

 Proibido fumigar ou desinfestar apiários exceto se os fumigadores tiverem dispositivos de retenção de faúlhas;

 Proibido usar motorroçadoras (exceto se possuírem fio de nylon), corta-matos e destroçadores nos dias de Risco Máximo. Evite o uso de grades de disco;

 Obrigatório usar dispositivos de retenção de faíscas e de tapa chamas nos tubos de escape e chaminés das máquinas de combustão interna e externa nos veículos de transporte pesado e 1 ou 2 extintores de 6 kg, consoante o peso máximo seja inferior ou superior a 10 toneladas.

O Serviço Municipal de Proteção Civil recomenda ainda a adequação dos comportamentos e atitudes face à situação de perigo de incêndio rural, nomeadamente com a adoção das necessárias medidas de prevenção e precaução, observando as proibições acima expressas e tomando especial atenção à evolução do perigo de incêndio para os próximos dias, disponível junto dos sítios da internet da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) e do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) e junto do Gabinete Técnico Florestal da Câmara Municipal de Vizela.

A Câmara Municipal de Vizela apela à colaboração de todos, na prevenção de incêndios rurais e na segurança de pessoa e bens.

CERVEIRA ACAUTELA INCÊNDIOS FLORESTAIS

Proteção Civil: Executados trabalhos de prevenção de âmbito municipal e supramunicipal

À semelhança do praticado em 2018, a Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira, através do Serviço Municipal de Proteção Civil, tem realizado, ao longo dos últimos meses, um conjunto de intervenções e ações no concelho e em cooperação municipal, de forma a prevenir o risco da ocorrência de incêndios florestais e a salvaguarda da segurança e bem-estar de pessoas e seus bens. Aos diversos trabalhos de limpeza florestal executados, junta-se a recente eleição, por unanimidade, dos órgãos sociais da AMAMINHO - Proteção Civil - Associação de Municípios do Alto Minho - Proteção Civil Municipal.

20190725_153406.jpg

Entre as medidas já implementadas no terreno destaca-se a execução de cerca de 40ha de faixas de gestão de combustível não só nas freguesias prioritárias (nível I e II), mas também em determinadas zonas que, apesar de não integrarem os critérios delineados pelo Governo, o Município cerveirense identificou como necessárias para uma intervenção pontual; a concretização de ações de fogo controlado em vários pontos do concelho, perfazendo uma área total intervencionada de 110ha; acresce ainda 5km de corta-fogos e a intervenção em caminhos florestais previamente identificados como fundamentais, perfazendo cerca de 10km.

Para além destas empreitadas de beneficiação, de investimento municipal, cofinanciadas e/ou colaboração, a Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira dinamizou ainda um conjunto de sessões de sensibilização e informação junto das populações de todas as freguesias do concelho, no âmbito dos programas nacionais “Queima Segura 2019” e da “Operação Floresta Segura 2019”.

A nível supramunicipal, e após legalmente constituída, a AMAMINHO - Proteção Civil - Associação de Municípios do Alto Minho - Proteção Civil Municipal, acaba de eleger, por unanimidade, os seus órgãos sociais, de forma a que, até ao final do ano, seja elaborado e apresentado o plano de atividades para 2020. Em reunião realizada esta segunda-feira, em Vila Nova de Cerveira, ficou determinada a constituição conjunta do Conselho Diretivo pelos presidentes das Câmaras Municipais de Vila Nova de Cerveira e de Valença, e por dois secretários (um de cada Município), em sistema rotativo, pelo que a presidência neste primeiro mandato (dois anos) fica a cargo do autarca Fernando Nogueira. De salientar que em causa está a concretização do primeiro Centro Intermunicipal de Proteção Civil do país, a ser instalado no Aeródromo do Alto Minho – Cerval, prevendo-se uma candidatura conjunta a fundos comunitários com um investimento de 1,2 milhões de euros.

MONÇÃO: ANHÕES DISPONIBILIZA PONTO DE ENCONTRO/ZONA DE REFÚGIO EM CASO DE INCÊNDIO FLORESTAL

Ao abrigo da iniciativa “Aldeia Segura, Pessoas Seguras”, a freguesia de Anhões recebeu, na passada terça-feira, ao final da tarde, uma ação de sensibilização de fogos florestais, consistindo na divulgação de práticas preventivas e adoção de determinados procedimentos em caso de ocorrência de incêndios.

Anhoes.jpg

A sessão realizou-se na sede da junta de freguesia, contando com a presença do autarca monçanense, António Barbosa, o presidente da União de Freguesias de Anhões e Luzio, Amâncio Alves, elementos da proteção civil distrital, GNR de Monção e equipa dos bombeiros de Monção.

Na ocasião, realizou-se também a inauguração do novo ponto de encontro/zona de refúgio, em caso de incêndio florestal ou outra calamidade pública. Um espaço, localizado nas instalações da Junta de Freguesia de Anhões, que contou com variados melhoramentos para receber a nova estrutura.

Em declarações à imprensa local, Amâncio Alves, disse: “Temos uma cozinha totalmente mobilada. As casas de banho foram arranjadas. Foram comprados vários radio comunicadores, colchões insufláveis, mantas, lanternas, máscaras anti-fumo, entre outro material de primeiros socorros”

A obra, pioneira no concelho, teve um custo total a rondar os 10 mil euros, inteiramente suportado pela Junta. “Isto não foi uma despesa. É um investimento nas pessoas. Na nossa gente. Esperemos é que nunca venha a ser necessário” sublinhou Amâncio Alves.

VIEIRA DO MINHO VIGIA A FLORESTA

Arrancou 2º edição do Programa “ Vieira Vigia”

Arrancou hoje, em Vieira do Minho, a 2ª edição do  Programa Voluntariado Jovem para a Natureza e Florestas promovido pelo Instituo Português do Desporto e Juventude e pelo Município de Vieira do Minho, designado por “ Vieira Vigia”.

AFS_6666.jpg

Com o lema Vigiar para prevenir, o Vieira Vigia conta com a participação de 40 jovens que irão desenvolver iniciativas de promoção da reflorestação, proteção e manutenção de parques de lazer, vigilância da Serra da Cabreira, prevenção junto da população local, bem como promover práticas de voluntariado jovem.

Os jovens serão acompanhados, no terreno, por técnicos do Município para fazerem ações de vigilância na floresta.

De salientar que o referido programa promovido pelo Município Vieirense resulta de uma candidatura aprovada pelo Instituto Português do Desporto e Juventude.

De referir que o Programa tem a duração de três meses, e cada projeto individual só tem a duração de 15 dias, só podendo frequentar outro projeto decorridos 30 dias.

Os jovens ficam obrigados à prestação de 5 horas diárias, entre as 9h00 e 21h00, incluindo sábados, domingos e feriados, recebendo por isso um subsídio no valor de 150 euros, por projeto.

AFS_6657 (1).jpg

CAMINHA: EXECUÇÃO DA REDE DE DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCÊNDIOS EM FASE DE CONCLUSÃO

Investimento de cerca de meio milhão de euros complementa um vasto conjunto de ações

A defesa da floresta contra incêndios é uma das prioridades do Município de Caminha. São muitos os investimentos que têm sido realizados nas florestas do concelho, para criar condições que minimizem o risco da ocorrência de incêndios florestais. É o caso da empreitada de execução da Rede de Defesa da Floresta Contra Incêndios, que está em fase de conclusão. Só este investimento, de cerca de meio milhão de euros, permitiu executar as faixas de gestão de combustível das redes primária e secundária, numa área de 315,52 hectares.  A esta empreitada juntam-se os trabalhos levados a cabo pela Equipa de Sapadores Florestais (SF 25-111). Guilherme Lagido, vice-presidente do Município, fez um périplo pelo concelho a fim de verificar o trabalho já realizado.

florestas (2)caminha.jpg

A operação (Rede de Defesa da Floresta Contra Incêndios) permitiu executar a rede de faixas de gestão de combustíveis – primária e secundária – planeadas em sede de PMDFCI, com uma abrangência municipal, com vista à minimização dos efeitos da passagem dos incêndios florestais.

As freguesias abrangidas foram: Arga (Arga de São João, Arga de Cima e Arga de Baixo), Lanhelas, Seixas, Vilar de Mouros, Argela, Dem, Gondar e Orbacém, Riba de Âncora, Âncora, Venade e Azevedo, Vilarelho e Vila Praia de Âncora.

florestas (3)caminha.jpg

A empreitada incluiu várias intervenções: execução de trabalhos florestais de corte e controlo do estrato arbustivo e herbáceo; corte e desbaste de povoamentos florestais, para correção de densidades; desramações e podas; acordoamento e trituração de despojos e controlo/erradicação de espécies infestantes, como são os casos da háquea e da acácia, de modo a evitar a propagação de incêndios florestais e reforçar as condições de segurança das forças de combate.

Com estes trabalhos pretendeu-se aumentar a resiliência do território florestal ao risco de incêndio florestal; diminuir a área percorrida por grandes incêndios florestais; criar oportunidades de apoio ao combate a eventuais incêndios florestais; alterar o regime de fogo do concelho e, ainda, a recuperação silvo pastoril do território, que se reveste de enorme importância para as populações, sobretudo as de montanha.

Mas, como referimos, os trabalhos da defesa da floresta contra incêndios no concelho de Caminha não se resumem à execução de faixas de gestão de combustível das redes primária e secundária do concelho. Ao longo do ano, são muitas as ações realizadas no mesmo âmbito, privilegiando-se a prevenção. De facto, o Município tem levado a efeito, através da Equipa de Sapadores Florestais (SF 25-111), múltiplos trabalhos, como são os casos das ações de silvicultura preventiva, ações de gestão florestal, vigilância, primeira intervenção em incêndios florestais e apoio a rescaldo e vigilância pós-incêndio.

De realçar que, recentemente, esta equipa procedeu a trabalhos de limpeza, manutenção e requalificação da rede de pontos de água do concelho, bem como à beneficiação, desobstrução e limpeza de caminhos estruturantes da rede viária florestal.

florestas (1)caminha.jpg

ARCOS DE VALDEVEZ PREVINE INCÊNDIOS FLORESTAIS

Prevenção de incêndios florestais: 150.000,00€ de apoio aos Sapadores Florestais

Na última reunião de Câmara foi aprovada a celebração de protocolos com as equipas de Sapadores Florestais, nomeadamente com a Associação Florestal Atlântica, a Associação Florestal do Lima e as Assembleias de Compartes dos Baldios das Freguesias de Cabreiro, Gavieira e Soajo, no valor de € 30.000,00 para cada uma das entidades.

Os referidos Protocolos tem como principal objetivo a prevenção de incêndios florestais, através da realização de ações de silvicultura preventiva, nomeadamente a criação de faixas de gestão de combustíveis, ações de fogo controlado, vigilância das áreas rurais, assim como ações de primeira intervenção, apoio ao combate e às subsequentes operações de rescaldo e vigilância pós-incêndio. Neste sentido, as equipas de Sapadores Florestais estão integradas no dispositivo operacional municipal, conforme o definido no Plano Operacional Municipal (POM), parte integrante do Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios (PMDFCI).

Para além das atividades referidas, o Protocolo estabelece a limpeza de estradas e caminhos municipais numa extensão de aproximadamente 40 km.

Considerando ainda que os Sapadores Florestais são agentes de proteção civil, em caso de situações meteorológicas adversas deverão estar preposicionados, de forma a responder rapidamente a situações como queda de árvores, pequenos deslizamentos de terras, entre outras situações.

MUNICÍPIO DE CERVEIRA ALERTA PROPRIETÁRIOS DE TERRENOS FLORESTAIS

Aviso aos proprietários de terrenos florestais junto a estradas municipais

A Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira, através do Serviço Municipal de Proteção Civil, vai avançar com a empreitada de limpeza das faixas de gestão de combustível nas estradas das freguesias contempladas para intervenção no Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios 2019. Neste sentido, recomenda-se aos proprietários o corte das árvores que serão devidamente identificadas e marcadas nos próximos dias, de acordo com o Anexo do Decreto Lei 10/2018 de 14 de fevereiro de 2018.

20180712_161628.jpg

Prosseguindo com uma política de prevenção da floresta contra incêndios bastante interventiva, de forma a minimizar os efeitos nefastos de possíveis fogos florestais em prol da segurança de pessoas e bens, o Serviço Municipal de Proteção Civil de Vila Nova de Cerveira tem agendada uma empreitada que abrangerá, no imediato, cerca de 31ha.

A presente intervenção visa, numa primeira fase, a marcação de árvores que se encontrem dentro da faixa de gestão de combustível de 10m das estradas municipais das freguesias identificadas conforme o plano para 2019 – Covas, Candemil e Gondar, Mentrestido, Gondarém, Cornes, Reboreda e Nogueira, Vila Nova de Cerveira e Lovelhe. A sinalização será colocada no decorrer desta semana, com recurso a tinta florescente, fitas e afixação de editais, e os proprietários de terrenos florestais abrangidos por esta diretiva devem proceder ao respetivo corte até 30 de abril.   

A segunda fase inicia a 2 de maio com os trabalhos de limpeza das faixas de gestão de combustível por parte da empresa contratada pela Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira, vencedora de concurso, dando cumprimento às obrigações constantes no Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios, assim como ao Decreto-Lei 124/2006 de 28 de junho, na sua redação atual.

Em 2019, o investimento municipal para esta área é, sensivelmente, o mesmo que o do ano transato (100 mil euros). No entanto, não será exclusivamente aplicado na limpeza das faixas de combustível, mas também na melhoria e limpeza de pontos de água, beneficiação de rede viária florestal, entre outras ações.

CABECEIRAS DE BASTO JÁ TEM PLANO OPERACIONAL PARA A FLORESTA

Comissão Municipal de Defesa da Floresta aprovou Plano Operacional Municipal 2019

A Comissão Municipal de Defesa da Floresta reuniu no passado dia 4 de abril e aprovou o Plano Operacional Municipal (POM) 2019 do concelho de Cabeceiras de Basto que visa operacionalizar todo o dispositivo de Defesa da Floresta Contra Incêndios, auxiliando, ainda, o planeamento do combate aos incêndios florestais. O objetivo primordial deste Plano Operacional Municipal (POM) é estabelecer de forma coordenada o envolvimento das entidades intervenientes na prevenção, vigilância, primeira intervenção e combate aos fogos florestais, no sentido de tornar claro o papel e responsabilidade de cada um dos intervenientes.

Defesa da Floresta.jpg

No âmbito das queimas e queimadas, foi igualmente aprovada a proibição de realização de queimadas extensivas e de queimas de matos cortados e amontoados e qualquer tipo de sobrantes de exploração nos espaços rurais definidos no PMDFCI de Cabeceiras de Basto, durante o período crítico e quando o índice de risco de incêndio seja de níveis muito elevado ou máximo, constituindo exceções as ações decorrentes de exigências fitossanitárias de cumprimento obrigatório.

De entre outros assuntos, durante esta reunião a Comissão tomou conhecimento das estatísticas sobre as áreas ardidas e ocorrências no período entre 1 de janeiro e 31 de dezembro de 2018, bem como das intervenções silvícolas e ações de sensibilização executadas no concelho em 2018.

SAPADORES FLORESTAIS DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO AVE RECEBEM VIATURA

A viatura devidamente equipada foi entregue à equipa de sapadores do concelho de Vieira do Minho que, em conjunto com as equipas de Cabeceiras de Basto e de Mondim de Basto constituem a Brigada de Sapadores Florestais da Comunidade Intermunicipal do Ave.

56428421_1422721307869696_1629665120730742784_n.jpg

O presidente do Município de Vieira do Minho, António Cardoso, entregou a chave da viatura à nova equipa que, a partir deste momento, se junta às três equipas já existentes no concelho.

Esta nova equipa de sapadores florestais vai receber formação específica durante o mês de abril, para, de seguida, iniciar o trabalho de silvicultura e prevenção no território de Vieira do Minho e, quando necessário nos concelhos vizinhos de Cabeceiras de Basto e Mondim de Basto.

ESTRATÉGIA DO MUNICÍPIO DE BARCELOS PARA A GESTÃO FLORESTAL É UMA APOSTA GANHA

Colóquio “Cuidar da Floresta de Barcelos”

O colóquio “Cuidar da Floresta de Barcelos”, organizado em parceria pelo Município de Barcelos e Cooperativa Agrícola de Barcelos, realizou-se quarta-feira, 3 de abril, no auditório da Câmara Municipal.

CapturarFLOBARC.PNG

Na abertura da sessão, a Vereadora com o pelouro da Fiscalização, Anabela Real, explicou a estratégia municipal na gestão de combustíveis florestais, que coloca a tónica na sensibilização dos proprietários, tendo apresentado resultados muito positivos em 2018.

“Resolvemos adotar uma estratégia diferente, apostámos na pedagogia e correu muito bem, foi uma aposta ganha”, realçou Anabela Real, esclarecendo, posteriormente, em que consistiu a ação do Município.

Foram criadas nove equipas, constituídas por dois técnicos municipais, que percorreram as freguesias do concelho, com especial enfoque nas consideradas de maior risco, elucidando os proprietários sobre a nova legislação e o que deveriam fazer.

“Contactámos mais de 700 proprietários. Até 31 de maio de 2018, foram notificados 111 proprietários, sensibilizando-os para fazerem uma limpeza voluntária dos seus terrenos”, referiu a Vereadora, acrescentando que, “efetivamente, não houve necessidade de fazer limpezas coercivas”.

Anabela Real adiantou, ainda, que, já em 2019, até 15 de março, o Município de Barcelos fez uma “comunicação escrita a 210 proprietários sensibilizando-os para fazerem as suas limpezas”. Assim, “evita-se que haja denúncias e a aplicação de medidas coercivas”.

Desde o ano passado, a Câmara Municipal está a fazer o cadastro dos terrenos e respetivos proprietários, no sentido de facilitar o contacto com estes e sensibilizá-los para a limpeza das suas propriedades.

Recorde-se que, nesse âmbito, a Câmara Municipal aprovou em  reunião ordinária do executivo, no dia 19 de abril de 2018, um acordo com a Autoridade Tributária para a  cedência da “informação referente aos dados constantes da matriz predial dos prédios, para efeitos de identificação e notificação dos proprietários ou detentores de imóveis”.

A sessão foi moderada por José Costa, Presidente da Direção da Cooperativa Agrícola de Barcelos, e contou, ainda, com as intervenções de Hermenegildo Abreu, Comandante Operacional Distrital do CDOS, e de representantes da GNR e PSP.

Organizado em parceria pelo Município e Cooperativa Agrícola de Barcelos, o colóquio “Cuidar da Floresta de Barcelos” teve o apoio da GNR, PSP, Proteção Civil e Amigos da Montanha.

VIEIRA DO MINHO COMEMORA DIA MUNDIAL DA ÁRVORE E DA FLORESTA

Vieira do Minho plantou 10 mil árvores na Serra da Cabreira

No âmbito das Comemorações do Dia Mundial da Árvore e da Floresta,a Câmara Municipal de Vieira do Minho promoveu esta quarta-feira, dia 20 de Março, uma ação de reflorestação ambiental, que contemplou a plantação de 10 mil árvores, numa parcela ardida no incêndio de outubro de 2017, na Serra da Cabreira.

DSC_3810.JPG

Tratou-se de uma ação que pretendeu sensibilizar a população para a importância das árvores quer ao nível do equilíbrio ambiental e ecológico, quer da própria qualidade de vida dos cidadãos.

Nesta ação de sensibilização ambiental que foi  levada a cabo na zona da Serradela  foram plantadas 1000 espécies autóctones, nomeadamente carvalhos, bétulas e outras folhosas.

A escolha destas espécies deve- se ao facto de implicarem um menor perigo de incêndio, dado que as árvores  folhosas são menos inflamáveis, e isso significa que, em caso de incêndio, representam uma redução de matéria combustível.

Uma iniciativa que pretendeu, acima de tudo, incutir valores fundamentais para a preservação da floresta e dos espaços verdes.

O trabalho de plantação contou com a participação do presidente da Câmara Municipal, António Cardoso, esteve a cargo das  equipas de Sapadores Florestais criadas no âmbito de candidatura apresentada pelo Município Fundo Florestal Permanente.

VIEIRA DO MINHO SENSIBILIZA PARA A SEGURANÇA DA FLORESTA

Floresta Segura – Ações de Sensibilização

A Guarda Nacional Republicana em parceria com o Município de Vieira do Minho está a realizar um conjunto de sessões de esclarecimento sobre a limpeza de terrenos florestais.

53970435_628145160958297_3992962405679235072_n.jpg

Nas duas últimas semanas foram percorridas 17 freguesias do concelho.

Estas ações de sensibilização têm em vista o esclarecimento da população sobre as várias questões relacionadas com a gestão de combustíveis e com a realização de queimas e queimadas em segurança.

Com o objetivo de continuar estas ações de proximidade e de esclarecimento a  todos os munícipes, os elementos da GNR e o Serviço Municipal de Proteção Civil vão deslocar-se nos próximos dias às seguintes localidades:

Rossas - 22 Março às 9:00

Guilhofrei - 23 Março às 9:00

54523385_797149207309447_3444201778663391232_n.jpg