Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

CAMINHENSES REFLORESTAM BALDIOS EM RIBA DE ÂNCORA

424742206_812166790954436_5208260480101773337_n.jpg

No sábado passado, realizou-se mais uma ação de plantação de folhosas (carvalhos) na área do Baldio de Riba de Âncora, onde foram plantados cerca de 7 centenas de carvalhos, por 38 voluntários.

A área em questão foi preparada pelas equipas de Sapadores Florestais do Baldio de Riba de Âncora e da Câmara Municipal de Caminha.

Esta plantação vai substituir uma área totalmente invadida pela austrália longifólia e vai permitir potenciar a rede primária de defesa da Floresta contra Incêndios e aumentar significativamente uma área de folhosas numa área onde os fogos florestais, como o de 2016, se desenvolvem na direção de zonas florestais com grande interesse económico e de zonas habitacionais.

A organização desta ação foi do Rotary Club de Caminha, órgãos diretivos do Baldio de Riba de Âncora, Junta de Freguesia de Riba de Âncora e Câmara Municipal de Caminha.

O projeto Florestar, Criar Esperança, desenvolvido pelas entidades referidas tem o apoio da Fundação Rotária Portuguesa, de várias empresas e de dezenas de outros mecenas que ajudaram o Rotary Club a comprar as 1650 árvores já plantadas nesta parcela junto aos Sete Caminhos.

Pretende-se, com este projeto, consciencializar o máximo da população para a participação ativa na preservação dos recursos florestais e ambientais, a manutenção da biodiversidade e para a luta pela amenização das alterações climáticas.

424581954_812166610954454_2428717720484775232_n.jpg

BRAGA: REGULAMENTO MUNICIPAL DE GESTÃO DO ARVOREDO EM MEIO URBANO E ESPAÇOS VERDES EM CONSULTA PÚBLICA

O Projecto do Regulamento Municipal de Gestão do Arvoredo em Meio Urbano e dos Espaços Verdes do Município de Braga está em consulta pública, de forma a recolher sugestões da população para serem incorporadas no documento. Este Regulamento tem o principal objectivo de proteger a biodiversidade e os serviços dos ecossistemas associados, principalmente no que respeita às árvores de grande porte, elementos fundamentais na saúde pública e na qualidade de vida.

Arvoredo.jpg

O documento reforça as competências da autarquia na protecção ambiental e das árvores, define a estratégia municipal para o arvoredo urbano, identificando os ciclos de manutenção e as normas técnicas para a implantação e manutenção do arvoredo. O projecto inclui, ainda as regras técnicas e operacionais específicas para a preservação, conservação e fomento do arvoredo urbano e virá a conter, nos termos da referida legislação, inventário municipal, com listagem e planta de localização das árvores classificadas de interesse público e de interesse municipal existentes no território.

O regulamento tem como objectivo criar um quadro de actuação que promova e sistematize as intervenções da autarquia no planeamento, implantação, gestão e manutenção do arvoredo, bem como assegurar uma utilização correcta e uma conservação adequada dos parques, jardins e espaços verdes do Concelho.

O documento apresenta uma forte preocupação de atender à realidade ambiental, económica e cultural do Concelho de Braga, e pretende proteger, conservar e melhorar o arvoredo urbano existente, promover boas práticas de gestão do arvoredo urbano público, a biodiversidade, desenvolvendo acções de educação ambiental para sensibilizar os cidadãos.

As observações e sugestões deverão ser formalizadas por escrito em documento próprio disponível, podendo ser remetidas para o endereço electrónico codigoregulamentar@cm-braga.pt, de 18 de Dezembro de 2023 a 30 de Janeiro de 2024.

O regulamento e o formulário estão disponíveis no site do Município de Braga em: https://bit.ly/41qsGGB

ESPOSENDE SENSIBILIZOU COMUNIDADE PARA IMPORTÂNCIA DA FLORESTA AUTÓCTONE

Cerca de meio milhar de participantes estiveram envolvidos na 13.ª edição da Semana da Floresta Autóctone, que o Município e a empresa municipal Esposende Ambiente levaram a efeito, entre os dias 20 e 26 de novembro.

Semana da Floresta Autóctone (1).jpg

Tendo como objetivo sensibilizar a população para a importância da floresta autóctone, a iniciativa integrou um conjunto de iniciativas dirigidas à comunidade educativa. Além de assinalar o Dia da Floresta Autóctone, que se comemora anualmente a 23 de novembro, pretendeu dar a conhecer os benefícios ecológicos e económicos da floresta autóctone em comparação com os espaços florestais de espécies introduzidas, concretamente ao nível da adaptação às condições do solo e do clima do território, sendo por isso mais resistentes a pragas, doenças, incêndios, longos períodos de seca ou de chuva intensa. Esta ação tem também subjacente o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 da ONU, nomeadamente no que se refere a Proteger a Vida Terrestre (ODS 15) e Parcerias para a Implementação dos Objetivos de Sustentabilidade (ODS 17).

O programa desta edição integrou a visita às Árvores Notáveis do concelho de Esposende, um percurso pelos exemplares arbóreos com características únicas que os tornam especiais, e a visita ao Arboreto Florestal, espaço localizado em Vila Chã e que tem como objetivo ser um exemplo de boas práticas e gestão ativa florestal, bem como constituir um espaço de uso múltiplo da floresta.

Foi ainda desenvolvida, uma vez mais, a iniciativa “Os Sapadores vão à escola”, na qual os Sapadores Florestais se deslocaram a vários estabelecimentos de educação e ensino e demonstraram algumas das tarefas e funções relacionados com o trabalho diário da Equipa de Sapadores Florestais.

Foi também realizado um peddy-paper florestal no CEA, uma atividade lúdico-pedagógica dedicada aos recursos florestais, que incluiu um conjunto de jogos subordinados à biodiversidade existente nos espaços florestais.

Ainda no âmbito desta iniciativa foi lançado o Desafio #11 “Dia a dia pense verde todo o ano – Dia da Floresta Autóctone”. Dirigido à comunidade educativa, este desafio consistiu na realização de uma ilustração de uma espécie florestal autóctone presente na floresta portuguesa.

O evento culminou com a realização do workshop “Hoje é dia de vermicompostagem”, sob a orientação do formador Pierre Del Cos, que teve como propósito dar a conhecer as especificidades, exigências e vantagens da compostagem realizada com recurso a minhocas. Nesta ação, os participantes tiveram a oportunidade de construir o seu próprio vermicompostor.

Semana da Floresta Autóctone (2).jpg

Semana da Floresta Autóctone (3).jpg

Semana da Floresta Autóctone (4).jpg

Semana da Floresta Autóctone (5).jpg

Semana da Floresta Autóctone (6).jpg

Semana da Floresta Autóctone (7).jpg

Semana da Floresta Autóctone (8).jpg

TERRAS DE BOURO ASSINALA DIA DA FLORESTA AUTÓCTONE

Terras de Bouro assinalou a 23 de novembro o Dia da Floresta Autóctone

A 23 de novembro celebrou-se o Dia Mundial da Floresta Autóctone, uma data estabelecida para promover a importância de preservar e plantar espécies que fazem parte do património natural.

Na Península Ibérica, as condições climatéricas do mês de novembro, com temperaturas mais baixas e alguma precipitação, são mais favoráveis para a plantação de árvores. As Florestas Autóctones caracterizam-se por possuírem uma grande área de árvores nativas do próprio território e são de extrema importância, uma vez que servem como área de refúgio e reprodução de um grande número de animais, importantes para o equilíbrio da fauna e flora locais. 

Neste âmbito, e no dia em causa, o Município de Terras de Bouro, representado no local pela Vereadora da Educação e Ambiente Ana Genoveva Araújo e o ICNF na pessoa do Sr. Eng.º Tomás Azevedo, organizaram uma atividade conjunta no Gerês. No período da manhã foi feita a reflorestação, onde foram plantadas mais de duzentas árvores e no período da tarde uma ação de sensibilização, no Centro de Educação Ambiental do Vidoeiro.

Na atividade participaram alunos dos 1º e 4º anos de escolaridade do Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro. Foi um dia muito enriquecedor e divertido para as nossas crianças, em pleno PNPG.

469db57e-c4c3-40e5-9839-ce47c0587534 (1).JPG

DJI_0532.JPG

DJI_0557.JPG

DSC07904.JPG

DSC07935.JPG

DSC07947.JPG

DSC08013.JPG

DSC08035.JPG

DSC08039.JPG

DSC08049.JPG

DSC08077.JPG

DSC08083.JPG

DSC08094.JPG

DSC08098.JPG

DSC08128.JPG

DSC08185.JPG

VIANA DO CASTELO ASSINALA DIA NACIONAL DA FLORESTA AUTÓCTONE

Viana do Castelo já plantou 4.700 árvores e milhares de arbustos autóctones

A Câmara Municipal de Viana do Castelo está a investir na valorização ecológica e ambiental e já plantou cerca de 4.700 árvores e milhares de arbustos autóctones. Os dados foram relevados no âmbito das comemorações do Dia Nacional da Floresta Autóctone, a 23 de novembro.

DSC_0011.JPG

Assim, a Viana do Castelo atingiu este ano uma meta ambiental significativa com a plantação de milhares de espécies autóctones, através do desenvolvimento de diversos projetos, dos quais se destacam a "(Re)arborização de Espaços Verdes de Viana do Castelo", o programa "Reflorestar com Identidade" e a "Reabilitação das margens do rio Lima”. Além destes projetos, o Município desenvolveu diversas ações de voluntariado ambiental que incluíram a plantação de árvores autóctones. 

O projeto "(Re)arborização de Espaços Verdes de Viana do Castelo", no momento em fase de conclusão, financiado pelo Programa Compete 2020 em cerca de 74.000 euros, culminou na valorização ecológica, paisagística e social de seis espaços ao longo da malha urbana e periurbana da cidade. Numa área de intervenção aproximada de 14 hectares, foram executadas ações que envolveram a plantação de 147 árvores e 727 arbustos autóctones, o abatimento de árvores com graves problemas fitossanitários e a poda de manutenção de 50 árvores. Esta iniciativa não visa apenas a melhoria estética, mas também reforça a resiliência ecológica do ambiente urbano. 

O programa “Reflorestar com identidade”, já no seu quinto ano de implementação, tem como principal objetivo disponibilizar árvores de espécies autóctones aos proprietários florestais, fomentando e incentivando uma gestão florestal do território que se baseie em espécies arbóreas melhor adaptadas, mais diversificadas e nativas. Esta iniciativa, que no ano corrente permitiu distribuir cerca de 155 árvores ao conjunto dos proprietários interessados, assume ainda um papel importante no envolvimento da população na estratégia municipal da defesa da floresta contra incêndios e consequentemente no combate às alterações climáticas. 

Com o apoio financeiro do programa operacional COMPETE2020 - REACT-EU Reabilitação da Rede Hidrográfica, num valor total de cerca de 341.277 euros, a Câmara Municipal tem em curso o projeto “Reabilitação das margens do rio Lima” orientado para a estabilização e valorização de dois troços de margem do Lima, face aos cenários de erosão avançada identificados, especificamente na margem esquerda, entre a União de Freguesias de Mazarefes/Vila Fria e a freguesia de Vila Franca, e na margem direita, entre a União de Freguesias Torre/Vila Mou e a freguesia de Lanheses. Este projeto pressupõe trabalhos de corte, contenção e limpeza de espécies de vegetação invasora, introdução de estacaria viva e plantação de cerca de 4.000 espécies de vegetação nativa. 

Ao longo de 2023 foram também organizadas diversas ações de voluntariado ambiental, nas quais a comunidade local, empresas, público em geral e escolar, tiveram a oportunidade de participar ativamente no processo de reabilitação dos ecossistemas locais com a plantação de árvores nativas. Com esta abordagem, o município pretende sensibilizar a população para a importância da conservação ambiental e das alterações climáticas, como também incentivar práticas sustentáveis no quotidiano. 

Neste dia, 23 de novembro, comemora-se o Dia Nacional da Floresta Autóctone, e os vários serviços da Divisão de Ambiente e Alterações Climáticas assinalaram esta efeméride através de duas ações que incluíram a plantação de espécies autóctones.  As comemorações iniciaram através da dinamização da 3ª edição da Eco Maratona, desta vez em Afife, consistindo no arranque das invasoras instaladas em áreas previamente delimitadas na Praia do Caracol. Posteriormente, os 120 alunos da Escola Básica 2,3 Dr. Pedro Barbosa procederam à rearborização da área limpa com espécies autóctones, sensivelmente 200 pinheiros-mansos.

No decorrer deste dia, foram ainda plantadas, no Monte Galeão, as espécies autóctones cultivadas no Laboratório de Propagação de Espécies Nativas Vegetais, da Escola Básica Frei Bartolomeu dos Mártires, com a participação do grupo de alunos do Clube de Ciências e como o apoio da Unidade de Gestão dos Espaços Verdes da Câmara Municipal. 

As árvores autóctones, plantadas no âmbito destas diversas iniciativas, foram cuidadosamente selecionadas para se adaptarem ao clima e às especificidades dos solos de Viana do Castelo. Entre as espécies autóctones selecionadas encontram-se o pinheiro-manso, o pinheiro-bravo, o carvalho-alvarinho, o medronheiro, o loureiro, o amieiro, o freixo, a bétula, o azevinho, entre outras.

As inúmeras ações de plantação de árvores autóctones destacam o compromisso de Viana do Castelo em ambicionar uma floresta melhor adequada às condições edafoclimáticas de cada área do território, que fomente a biodiversidade e que contribua para a prevenção dos incêndios. Pretendem ainda contribuir para o restauro dos ecossistemas, a valorização ambiental e o desígnio de um futuro mais sustentável. Além disso, estas ações contribuem para cumprimento aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável previstos na Agenda 2030, dos quais se destacam o ODS 13 – Ação Contra a Mudança Global do Clima e o ODS15 – Vida Terrestre.

20231123_094646.jpg

20231123_094739.jpg

20231123_105443.jpg

20231123_115825.jpg

DSC_0039.JPG

DSC_0988.JPG

DSC_1035.JPG

DSC_1048.JPG

TERRAS DE BOURO PROMOVE VOLUNTARIADO JOVEM PELA NATUREZA E FLORESTAS

Terras de Bouro entre as 5 melhores entidades promotoras da Região Norte do Programa Voluntariado Jovem para a Natureza e Florestas

No passado dia 15 de novembro, o Município de Terras de Bouro ficou classificado entre as cinco melhores entidades promotoras da Região Norte do Programa Voluntariado Jovem para a Natureza e Florestas promovido pelo Instituto Português da Juventude (IPDJ). O projeto desenvolvido pelos jovens, no âmbito das boas práticas para a Natureza, foi apresentado à mesa do júri composto pela direção do Instituto Português da Juventude de Braga (IPDJ), um representante da Cruz Vermelha Portuguesa e ainda um representante do Instituto da Conservação da Natureza e Florestas (ICNF).

404524381_666361095680461_172238690549824411_n.jpg

O projeto “Gerês Seguro” foi uma iniciativa candidatada pelo Município de Terras de Bouro no âmbito dos projetos promovidos pelo IPDJ que visou disponibilizar junto dos jovens ações de voluntariado para a proteção da Natureza e das Florestas. Assim, durante os meses de julho, agosto e setembro, foram desenvolvidas ações de sensibilização dirigidas aos turistas e visitantes que acorreram em grande número ao Parque Nacional da Peneda-Gerês. O objetivo passou por alertar para os vários perigos, entre eles, os fogos florestais, o próprio lixo, o perigo de quedas nas várias cascatas, áreas de proteção especial e de proteção total.

Sendo o território do Parque Nacional da Peneda-Gerês um local especial de proteção, já que é o único Parque Nacional existente em Portugal, é, desde logo, por si só um argumento maior. Trata-se de um local de grande variedade florística, faunística e paisagística que pode ser, ao mesmo tempo e, nomeadamente, nos meses de verão, um local de grande pressão humana.

A ação da equipa do IPDJ desenvolveu-se na zona da Mata de Albergaria, reconhecida área como sendo o coração do Parque Nacional, convertendo-se assim numa ação da maior importância. A atuação foi coordenada pelo Município de Terras de Bouro. O grupo, constituído por 10 jovens, dos 14 anos aos 30 anos de idade.

Foi com redobrada satisfação que o Município de Terras de Bouro registou o carácter bastante produtivo deste projeto que levou os intervenientes e o público em geral, a assimilar a importância de se cuidar e respeitar devidamente esta área protegida.

Com esta classificação, o Município de Terras de Bouro qualificou-se, assim, para o Prémio das Boas Práticas Associativismo Jovem a nível nacional.

404568145_666361135680457_2001385775719866991_n.jpg

404568856_666361172347120_359379232391992054_n.jpg

CERVEIRA APROVA FLORESTAÇÃO JUNTO À QUINTA DAS MINEIRINHAS

Aprovada florestação de 30ha junto à Quinta das Mineirinhas

A Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira vai avançar com a florestação e aproveitamento de regeneração natural, em cerca de 30ha no Chão de Vilar, na União de Freguesias de Vila Nova de Cerveira e Lovelhe. A candidatura ao PRR 2020 foi aprovada, visando a execução do Plano de Gestão Florestal da Unidade de Gestão Florestal Quinta das Mineirinhas, num investimento total de 142 mil euros, comparticipado em 85%, dos quais 28 mil euros são suportados pelo Município.

FOTO_NOTICIAS_SITE_quintadasmineirinhas.png

Neste momento, o Plano de Gestão Florestal da Unidade de Gestão Florestal Quinta das Mineirinhas encontra-se em consulta pública até 28 de novembro, assumindo uma grande importância pela localização centralizada, a menos de 2kms do centro da vila. Com um solo dominado por matos, o objetivo desta intervenção passa por uma limpeza florestal, aproveitando as folhosas existentes e adensando plantação de povoamentos florestais nas zonas onde escasseiam, com recurso a espécies como carvalhos, castanheiros, nogueiras bravas, freixos e cupressus.

O Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira explica que este projeto se enquadra na estratégia ambiental municipal, “uma das preocupações e prioridades deste executivo, procurando aumentando a resiliência de zonas vulneráveis face aos riscos associados às alterações climáticas, em particular os incêndios rurais e a perda da biodiversidade, promovendo o crescimento sustentável e a coesão territorial”. Rui Teixeira reforça a necessidade de “um plano de reflorestação concelhio que se coadune com a realidade e com as especificidades do território cerveirense e, neste caso específico, acresce a devolução da silhueta verde daquela encosta tão singular para o património natural e turístico do concelho”.

A reabilitação dos ecossistemas florestais, através de arborizações em descontinuidade, de modo a criar áreas de folhosas consideradas como espécies de excelência e a mais aptas para este tipo de terrenos, vai contribuir para a minimização do risco de incêndio e redução de pragas e doenças, potenciando a produtividade dos povoamentos e a reabilitação de ecossistemas florestais com espécies autóctones, para a proteção dos valores fundamentais do solo e água e para a melhoria da qualidade paisagística dos espaços florestais.

Com uma duração de 17 anos (até 2039), o Plano de  Gestão Florestal da Unidade Florestal da Quinta das Mineirinhas apresenta-se como um instrumento de administração de espaços florestais, com um conjunto de medidas, ações, operações e técnicas silvícolas que, ao serem implementadas, permitirão a esta unidade florestal convergir para os objetivos gerais do Programa Regional de Ordenamento Florestal Entre Douro e Minho (PROF EDM) e para a Estratégia Nacional de Conservação da Natureza e Biodiversidade 2030.

FOTO_NOTICIAS_SITE_quintadasmineirinhas2.png

CAMINHA: SECRETÁRIO DE ESTADO DA CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E FLORESTAS CONSIDERA BALDIO DE RIBA DE ÂNCORA UM EXEMPLO NACIONAL

O Secretário de Estado da Conservação da Natureza e Florestas, João Paulo Catarino, visitou ontem vários projetos de gestão florestal no concelho de Caminha, acompanhado pelo presidente da Câmara de Caminha, Rui Lages, o presidente do ICNF, Nuno Banza, a diretora regional do Instituto, para o Norte, Sandra Sarmento e Paulo Alvarenga, presidente do Conselho Diretivo dos Baldios de Riba de Âncora. Sobre o trabalho que o Baldio de Riba de Âncora tem realizado, o Secretário de Estado sublinhou: “Este baldio enche-nos de orgulho a todos. O vosso baldio é um exemplo nacional e, por isso, presto-vos este testemunho público de agradecimento em nome do Governo pelo trabalho que têm feito, e a nossa obrigação é ajudar-vos a fazer mais ainda e estamos completamente disponíveis para isso”.

caminh (5) (2).jpg

O Secretário de Estado da Conservação da Natureza e Florestas, João Paulo Catarino, esteve ontem em Riba de Âncora onde foi recebido na sede do Conselho Diretivo dos Baldios de Riba de Âncora. Para além da comitiva anteriormente citada também estiveram presentes as equipas de Sapadores Florestais 01-111 (Conselho Diretivo dos Baldios de Riba de Âncora), a 25-111 ( equipa da Associação de Produtores Florestais do Vale do Minho, em protocolo com o Município de Caminha), 03-111 (Conselho Diretivo dos Baldios de Carvoeiro) e a 21-111 (Associação para a Cooperação Entre Baldios, tem como área operacional o Baldio da Montaria).. Da parte da tarde, a comitiva visitou o projeto "Florestar, Criar Esperança", o Projeto do Souto do Rego Grande e ainda o Projeto de aproveitamento da regeneração.

Sobre a excelente gestão da floresta que os Baldios de Riba de Âncora têm realizado, o presidente da Câmara de Caminha foi claro: “orgulho-me de ter esta gestão de baldios aqui no concelho de Caminha. Há baldios que têm uma gestão não gestão; há baldios que se preocupam em fazer alguma manutenção e há baldios que querem fazer mais, que querem ter a sua produção, que querem demonstrar que conseguem ter rentabilidade da floresta e que é possível cuidar da floresta fazendo-a produtiva. Mas, isso só pode ser feito por quem tem um olhar de futuro uma visão muito pragmática do território”.

Rui Lages aproveitou a presença do Secretário de Estado e do presidente e diretora regional do ICNF para lançar o desafio: “mostrem o trabalho que está a ser feito em Riba de Âncora junto do Governo, junto de outras comissões de baldios como um exemplo daquilo que é a gestão da floresta e a gestão de baldios no

nosso pais. Todos nós replicamos aquilo que está a ser feito em riba de ancora, teremos uma melhor floresta, mais resiliente, mais produtiva”.

O autarca de Caminha, além de mostrar o trabalho que está a ser desenvolvido, apresentou algumas reivindicações e preocupações sentidas no terreno pelos Sapadores Florestais, nomeadamente sobre o que pode ser feito para melhorar a qualidade de vida e também a qualidade profissional no terreno destas equipas: “nós precisamos que os Sapadores Florestais sejam valorizados, sejam potenciados, sejam vistos como parceiros essenciais para que este trabalho que foi feito aqui seja também ele valorizado. E só valorizando as pessoas, só valorizando os homens, só valorizando as carreiras e só valorizando o trabalho que eles fazem é que poderemos ter mais gente a trabalhar na floresta e a interessar-se por estas temáticas”.

Paulo Alvarenga, presidente do Conselho Diretivo de Riba de Âncora, deu a conhecer todo o trabalho que o Baldio tem realizado em prol da floresta, mencionando que já foram investidos cerca de 400 mil euros e que nunca tiveram qualquer apoio do Governo.

Paulo Alvarenga mencionou a parceria com o Rotary Clube de Caminha, parceiro no projeto “Florestar, Criar Esperança”, informando que no próximo mês de dezembro vão plantar cerca de mil carvalhos.

O Secretário de Estado salientou que todas as questões levantadas pelo presidente da Câmara no que respeita à valorização dos Sapadores Florestais são todas elas questões pertinentes, deixando claro que “os sapadores para nós são determinantes”. Sobre a carreira de Sapador Florestal, o governante salientou existir uma dificuldade legal, salientando que “essa questão é uma preocupação para nós, temos estado a trabalhar nela e vamos arranjar uma solução”.

Sobre o programa para mecanização das equipas de Sapadores Florestais, o governante falou do programa do Governo e das máquinas disponíveis, garantindo a possibilidade de disponibilizar uma máquina para esta equipa.

O Secretário de Estado elogiou várias vezes o trabalho realizado por esta equipa, comprometendo-se em ajudar na “construção” de candidaturas para que obtenham resultados positivos: “relativamente ao trabalho que estão a fazer, têm a disponibilidade completa do Governo para vos apoiar porque é a nossa missão, é para isso que temos o dinheiro, é para isso que temos os fundos comunitários”.

Sobre o projeto Florestar, Criar Esperança, recordámos que tem três vertentes: A reflorestação, a educação florestal da população escolar e a sensibilização da comunidade. Serão reflorestados com folhosas 6 hectares de uma área ardida há 7 anos e neste momento invadida por duas invasoras exóticas: a austrália longifólia e a háquea espinhosa. O Baldio da Freguesia de Riba de Âncora está a desempenhar um papel fundamental na preparação do terreno, além de disponibilizar os seus recursos, nomeadamente o seu rebanho com cerca de 150 cabras bravias que serão as responsáveis pelo controlo das invasoras e mato na zona de plantação.

O projeto do Souto do Rego Grande consiste num investimento realizado na plantação de castanheiros, no estábulo onde é resguardado o rebanho de cabras e ovelhas, o equipamento tecnológico que ajuda a gerir o espaço, tais como as câmaras de vigilância, os painéis fotovoltaicos, a captação de água para as diversas charcas, o trabalho de parceria com o clube de caçadores.

Quanto ao projeto de aproveitamento da regeneração natural de pinheiro bravo, o controlo das invasoras é também assegurado pelas 150 cabras bravias.

caminh (1) (2).jpg

caminh (3) (1).jpg

caminh (2) (3).jpg

caminh (6) (5).jpg

caminh (4) (7).jpg

SECRETÁRIO DE ESTADO DA CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E FLORESTAS VISITA AMANHÃ O CONCELHO DE CAMINHA

A Câmara Municipal de Caminha recebe amanhã, dia 26 de Outubro, a visita do Secretário de Estado da Conservação da Natureza e Florestas, João Paulo Catarino, ao Concelho de Caminha, nomeadamente à Mata Nacional do Camarido e ao projeto "Florestar, Criar Esperança", Projeto do Souto do Rego Grande e Projeto de aproveitamento da regeneração.

Capturarsecrest (3).JPG

MUNICÍPIO DE BRAGA ALARGA FAIXA DE GESTÃO DE COMBUSTÍVEL NA ESTRADA DA FALPERRA

No âmbito da prevenção de incêndios rurais e valorização ambiental

O Município de Braga, em parceria com a Confraria de Santa Maria Madalena da Falperra, procedeu ao alargamento da faixa de gestão de combustível ao longo da Estrada Nacional 309 (Falperra), da responsabilidade da IP – Infraestruturas de Portugal.

Capturarfx1 (9).JPG

Com esta intervenção, a faixa de gestão de combustível contempla agora uma largura de 20m, o que representa 10m para além da distância obrigatória. As principais funções destas faixas são, por um lado, diminuir a superfície percorrida pelos grandes incêndios, permitindo e facilitando uma intervenção directa de combate ao fogo, e, por outro, proteger de forma passiva as vias de comunicação, infra-estruturas, áreas edificadas e outros elementos de valor.

A gestão do combustível em territórios rurais é efectuada através da intervenção em áreas estratégicas, modificando a estrutura dos combustíveis florestais e procedendo à remoção total ou parcial da biomassa. A opção de intervenção nesta área advém do valor ambiental e paisagístico da encosta da Falperra e do seu histórico de incêndios.

Numa primeira fase, procedeu-se ao abate de eucaliptos e à remoção da biomassa com eliminação de sobrantes, recorrendo à trituração, numa área superior a 5 mil m2. Posteriormente, o Município irá plantar no local espécies autóctones, em colaboração com empresas locais, de modo a criar uma ´cortina´ mais resistente ao fogo que, em caso de incêndio, possa reduzir a sua intensidade. Será também uma forma de promover uma alteração na paisagem através da plantação de carvalhos e sobreiros.

O Município irá replicar esta iniciativa ao longo desta via e noutras áreas do Concelho, contando com a colaboração e participação dos proprietários florestais e empresas locais.

Capturarfx2 (2).JPG

TERRAS DE BOURO PROMOVE VOLUNTARIADO JOVEM PARA AS FLORESTAS A FUNCIONAR EM PLENO

No âmbito das candidaturas do Instituto Português do Desporto e Juventude, o Município de Terras de Bouro participa, uma vez mais, no programa Voluntariado Jovem para a Natureza e Florestas.

Estas ações são levadas a cabo por jovens de Terras de Bouro, no sentido de promover práticas no âmbito da proteção da natureza, florestas e respetivos ecossistemas.

Os principais objetivos deste programa visam promover práticas de voluntariado jovem no âmbito da preservação da natureza, florestas e respetivos ecossistemas; promover a aquisição de competências transversais no âmbito da participação e cidadania junto dos jovens; sensibilizar as populações em geral para as práticas que promovam a descarbonização da sociedade, tornem a economia circular e valorizem os territórios; sensibilizar a comunidade para a preservação da natureza e para o seu papel na qualidade de vida; prevenir os incêndios florestais e outras catástrofes com impacto ambiental; mobilizar para a criação de valores e práticas ambientais, individuais e coletivas, sociais e institucionais e de sã relação com o território e promover uma cultura de corresponsabilidade em termos de sustentabilidade.

Capturarvol3 (2).JPG

Capturarvol2 (5).JPG

Capturarvol1 (7).JPG

ASSOCIAÇÃO CIDADÃOS DE ESPOSENDE LANÇA CAMPANHA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS

Durante os meses de agosto e setembro a associação Esposendense parceira na campanha “Portugal Chama” vai desenvolver ações de sensibilização junto da comunidade local com o objetivo de sensibilizar a população relativamente à prevenção de incêndios florestais.

Capturaresposendeincendios (1).JPG

Tendo em conta que muitas das vezes a negligência humana é a principal causa de incêndio florestal, urge que todos os cidadãos e visitantes de Esposende assumam e pratiquem comportamentos que contribuam para a diminuição do risco de ignição, uma vez que a esmagadora maioria das ignições, direta ou indiretamente, têm origem em comportamentos humanos.

A campanha da associação terá duas fases, a primeira a iniciar já no final de julho e que se prolongara até Setembro, passará pela colocação de mensagens de sensibilização nas redes sociais, numa segunda fase durante o mês de agosto será realizada uma campanha de maior proximidade com a entrega de flyers informativos dando conta dos diferentes comportamentos de risco existentes e como os corrigir.

Segundo os responsáveis da associação, os dados até agora obtidos junto do  ICNF referente apenas ao ano de 2023 são bem esclarecedores sobre a importância destas campanhas, no que vai de ano já foram registados 3 969 incêndios rurais dos quais 63% tiveram origem no uso de fogo como a queima de sobrantes ou lixo, apenas 1% dos incêndios teve origem natural  sendo a queda de raios a mais relevante.

A Associação Cidadãos de Esposende tem ao longo dos anos alertado sobre as mais diversas situações no concelho, os poços a céu aberto a degradação da ponte D. Luís Filipe ou a extração ilegal de areias são exemplos do trabalho preventivo realizado pela associação que tem merecido o reconhecimento da população local.

PROTEÇÃO CIVIL DA PÓVOA DE LANHOSO ATENTA AO PERIGO DE INCÊNDIO FLORESTAL

Atendendo às altas temperaturas que têm vindo a ser sentidas e ao perigo de incêndio rural que tem vindo a ser registado, por estes dias, o Vereador da Proteção Civil da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Ricardo Alves, visitou o posto de vigia existente no Monte de São Mamede, em Frades (União de Freguesias de Calvos e Frades).

Capturarflo1 (7).JPG

Através desta deslocação, este responsável inteirou-se, no terreno, sobre a situação atual e, mais especificamente, sobre o trabalho de vigilância do concelho que é efetuado através deste posto, inserido na rede nacional de Postos de Vigia. Através deste recurso, é efetuada uma vigilância permanente e contínua do nosso território, ou seja, 24 horas por dia.

O Vereador da Proteção Civil, Ricardo Alves, fez-se acompanhar pelo Coordenador Municipal da Proteção Civil, Pedro Dias, e por elementos do Núcleo de Proteção Ambiental da GNR da Póvoa de Lanhoso, representados pelo 1.º Sargento, Luís Teixeira.

Capturarflo2 (2).JPG

ARCOS DE VALDEVEZ APOSTA NA MONITORIZAÇÃO FLORESTAL

@aerotec.atlas em Arcos de Valdevez

O projeto @aerotec.atlas veio ao município de Arcos de Valdevez como parte da missão de monitorização florestal, que tem como objetivo construir uma aeronave completamente autónoma com a capacidade de recolher imagens e reconhecer pessoas ou incêndios, enviando esta informação e a localização às entidades competentes.

Este é um projeto que conta com o apoio da Câmara Municipal e é a segunda vez que se desloca ao concelho.

@aerotec.atlas é um projeto do @aero.tec (núcleo de estudantes de engenharia aeroespacial) do Instituto Superior Técnico que se centra no design, construção e otimização de aeronaves para participar em competições internacionais e para monitorização florestal.

aerotec  - atlas 2 (3).jpg

aerotec  - atlas 4 (3).jpg

aerotec (1) (3).jpg

aerotec (2) (4).jpg

aerotec (4) (5).jpg

aerotec  - atlas 3 (7).jpg

MONÇÃO REALIZA TRABALHOS DE LIMPEZA E ALARGAMENTO DA REDE VIÁRIA FLORESTAL

Entre janeiro e junho, foram requalificados 45,5 quilómetros de caminhos florestais que, devido à vegetação, se encontravam intransitáveis.

A Câmara Municipal de Monção evidencia grande esforço e atenção à preservação e valorização da floresta no território concelhio, encetando medidas de prevenção, limpeza e vigilância, bem como ações de sensibilização junto das comunidades locais.

CapturarFL5 (8).JPG

No âmbito de um protocolo de colaboração entre o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e a Câmara Municipal de Monção, realizaram-se trabalhos de limpeza da rede viária florestal em diferentes áreas geográficas do nosso concelho.

Entre janeiro e junho, procedeu-se à limpeza de uma área de 4,1 hectares em perímetro florestal, tendo sido requalificados 45,5 quilómetros de caminhos florestais que, devido à vegetação, se encontravam intransitáveis. 

Os trabalhos decorreram nas freguesias de Abedim, Longos Vales, Merufe, Podame, Portela, Segude, Riba de Mouro, Tangil, e Trute, bem como na União de Freguesias de Ceivães e Badim, e na União de Freguesias de Sago, Lordelo e Parada.

Na passada sexta-feira, elementos da Câmara Municipal de Monção e do ICNF fizeram o ponto da situação dos trabalhos já finalizados e em fase de ultimação, deslocando-se a diversos locais do concelho, tomando contacto com o andamento das intervenções.

Estas tiveram como finalidade a beneficiação de caminhos existentes e a criação de faixas de gestão de combustíveis (zonas de prevenção e segurança contra incêndios). O objetivo geral consistiu na minimização de riscos de fogos florestais, salvaguardando pessoas e bens.

Com a implementação destas medidas preventivas, constantes no Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios, o Município de Monção pretende corporizar uma intervenção criteriosa focada na descontinuidade das formações vegetais.

Por um lado, através da diminuição da superfície percorrida pelos incêndios florestais e, por outro, reforçando a capacidade de movimentação e intervenção dos “soldados da paz” no combate às chamas.

CapturarFL2.JPG

CapturarFL3.JPG

CapturarFL1 (2).JPG

CapturarFL4 (2).JPG

DEFESA DA FLORESTA É PRIORIDADE DO MUNICÍPIO DE CAMINHA

A Defesa da Floresta Contra Incêndios é uma das prioridades do Município de Caminha.

A Câmara Municipal de Caminha, com a colaboração e empenho dos Baldios de Riba de Âncora, procedeu à intervenção de recuperação de caminhos florestais, nas freguesias de Vila Praia de Âncora e Vile, num total de 3.8 km.

Numa visita aos locais intervencionados, o presidente da Câmara, Rui Lages, referiu “continuaremos a realizar este trabalho de proteção da nossa floresta contra incêndios.

Este é um trabalho fundamental para que o nosso território esteja acessível às corporações de bombeiros e proteção civil. Continuaremos a realizar este trabalho ao longo de todo o concelho”.

Capturarca2 (14).JPG

Capturarca1 (5).JPG

Capturarca5 (4).JPG

Capturarca3 (8).JPG

Capturarca4 (16).JPG

MUNICÍPIO VIANENSE CELEBROU PROTOCOLO COM O EXÉRCITO PORTUGUÊS COM VISTA A PROMOVER A VIGILÂNCIA E PROTEÇÃO DA SERRA DE SANTA LUZIA

O Presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo, Luís Nobre, e o comandante da Escola de Serviços da Póvoa de Varzim, Coronel Coelho Santos, assinaram hoje o protocolo que visa promover a operação de vigilância da Serra de Santa Luzia na época de incêndios. A vigilância, que começou a 15 de junho e se prolonga até 30 de setembro, resulta de uma “parceria institucional com as entidades certas” e que começou em 2011.

Capturarex1 (3).JPG

Assim, militares do Exército da Escola dos Serviços da Póvoa do Varzim estão a promover ações de vigilância e patrulhamento na Serra de Santa Luzia graças a um protocolo de colaboração para a vigilância e patrulhamento da Serra de Santa Luzia durante o período de maior perigosidade de incêndio rural. O protocolo tem como objetivo assegurar o patrulhamento florestal na serra de Santa Luzia numa perspetiva dissuasora e de vigilância, contribuindo para a redução do número de comportamentos de risco nesta área, assim como para reduzir o tempo de deteção e resposta a incêndios rurais.

Assim, os militares do Exército percorrem e vigiam diariamente toda a serra de Santa Luzia, em estreita articulação com as entidades que integram o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR).

O protocolo está diretamente relacionado com a preocupação que os incêndios rurais representam no território, sendo que estes constituem um dos principais obstáculos à sustentabilidade da floresta e dos ecossistemas que lhe estão associados, provocando a sua degradação e o desequilíbrio no fornecimento de bens e serviços, podendo ainda constituir um perigo para a vida e os bens da população.

Na cerimónia de assinatura, Luís Nobre falou de um momento especial e destacou privilégio de ter o Exército em parceria na vigilância do coração do concelho que é a Serra de Santa Luzia”. Para o autarca, “a presença efetiva dos militares permite que a prevenção seja de maior proximidade e permite proteger o património nacional e um bem maior que é a proteção do ser humano”.

Já o responsável pela Escola de Serviços, o Exército está “ao serviço dos portugueses e do bem-estar da população” e sublinhou que o protocolo hoje assinado é a demonstração de que “o Exército está do lado da solução”.

Capturarex2.JPG

Capturarex4.JPG

Capturarex6 (1).JPG

Capturarex3 (3).JPG

Capturarex5 (4).JPG

ARCOS DE VALDEVEZ APOSTA NA PREVENÇÃO DE INCÊNDIOS RURAIS

"Aldeia Segura, Pessoas Seguras" - Ações de Sensibilização de Prevenção de Incêndios rurais

Durante o mês de Junho a Câmara Municipal levou a cabo a 1ª fase de um conjunto de ações de sensibilização, no âmbito do programa “Aldeia Segura, Pessoas Seguras”, nas freguesias de Soajo, União de Freguesias de Álvora e Loureda, Cabreiro, União de Freguesias de Grade e Carralcova, Gondoriz e Sistelo, estando prevista uma 2ª fase neste mês de julho.

Esta iniciativa visou reiniciar as ações e respetiva implementação de forma a prevenir e mitigar o efeito dos incêndios rurais, sensibilizando a população para a prevenção dos comportamentos de risco e a adoção de medidas de autoproteção.

Esta campanha de sensibilização resulta da articulação entre a Câmara Municipal de Arcos de Valdevez, o Serviço Municipal de Proteção Civil, a GNR de Arcos de Valdevez e as Juntas de Freguesia.

MUNICÍPIO ARCUENSE PROMOVE AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO “ALDEIA SEGURA, PESSOAS SEGURAS”

Decorreu na Casa do Povo de Soajo, a primeira de um conjunto de ações de sensibilização, no âmbito do programa “Aldeia Segura, Pessoas Seguras” que se prevê desenrolar-se entre junho e julho do corrente ano em várias freguesias do concelho.

Esta iniciativa visa reiniciar as ações e respetiva implementação de forma a prevenir e mitigar o efeito dos incêndios rurais, sensibilizando a população para a prevenção dos comportamentos de risco e a adoção de medidas de autoproteção.

Este evento resultou da articulação entre a Câmara Municipal de Arcos de Valdevez, Serviço Municipal de Proteção Civil, a GNR de Arcos de Valdevez e a Junta de Freguesia de Soajo.

Soajo_2 (1).jpg

Soajo 1 (8).jpg

SAPADORES FLORESTAIS DE ESPOSENDE COM NOVA VIATURA DE PREVENÇÃO E COMBATE A FOGOS

A equipa de Sapadores Florestais de Esposende recebeu, hoje, uma nova viatura operacional equipada para as ações de prevenção e primeira intervenção em incêndios rurais. Este novo veículo integra um conjunto de novos meios atribuídos pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) para reforço das equipas de sapadores florestais, no âmbito do Sistema de Gestão Integrada de Fogos Rurais.

Capturarb1 (5).JPG

Na apresentação do novo veículo, que teve lugar junto à torre de vigia de incêndios rurais, no Monte da Senhora da Guia, em Belinho, esteve o Presidente da Câmara Municipal de Esposende, Benjamim Pereira, o Vereador do Pelouro da Floresta, Guilherme Emílio, o Presidente da Associação Florestal do Cávado, Carlos Cação, e o Secretário da Junta da União das Freguesias de Belinho e Mar, Carlos Manuel Lima, além da equipa de Sapadores Florestais de Esposende e do Gabinete Técnico Florestal do Município.

Benjamim Pereira expressou satisfação pela melhoria das condições de trabalho que a nova viatura permitirá à equipa, que tem tido um trabalho tão relevante, durante todo o ano, nas ações de silvicultura preventiva e manutenção de caminhos florestais.

Carlos Cação notou que todas as suas equipas de sapadores da região do Cávado passam a dispor de uma frota automóvel renovada e garantiu que a Associação Florestal está determinada no acompanhamento e modernização dos respetivos meios e materiais para as respetivas equipas.

A ação da equipa de Sapadores Florestais enquadra-se no cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da ONU, nomeadamente no que se refere ao ODS 15 – Proteger a Vida Terrestre e ODS 17 – Parcerias para a Implementação dos Objetivos de Sustentabilidade.

Capturarb4.JPG

Capturarb6.JPG

Capturarb7.JPG

Capturarb3 (1).JPG

Capturarb5 (2).JPG

Capturarb2 (4).JPG