Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

PROJETO QUE PARTIU DO CONCELHO DE CAMINHA É UM DOS VENCEDORES DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM DE PORTUGAL

“(Re)Florescer o Minho” foi apresentado em sessão na praia de Vila Praia de Âncora

(Re)Florescer o Minho, um projeto apresentado em Caminha, é um dos projetos vencedores do. Da autoria de Mário João Cerqueira Fernandes e Fabrícia Silva, esta proposta de sustentabilidade ambiental está interligada ao Festival Foundation Fest e abrange os distritos de Viana do Castelo e Braga.

OPPjovem.jpg

Esta é uma excelente notícia para o concelho, conforme sublinha o presidente da Câmara, Miguel Alves: “foi com muita satisfação que recebi a notícia de que tinham partido de Caminha, de jovens do nosso concelho, uma das propostas vencedores do Orçamento Participativo Jovem. Por duas razões: em primeiro lugar, porque temos mais um projeto que se afirma na nossa terra; em segundo lugar, porque o concelho é hoje uma referência na participação e na cidadania”.

É de salientar que (Re)Florescer o Minho foi um dos três projetos apresentados num encontro de participação que decorreu no verão passado em Vila Praia de Âncora, no âmbito do Orçamento Participativo Jovem de Portugal.

Este projeto consiste em ‘reflorestar as áreas atingidas pelos incêndios no Minho (distrito de Viana do Castelo e Braga), em parceria com todos os municípios. Além da reflorestação, serão realizadas ações de consciencialização e informação acerca da importância da limpeza das florestas, conservação do meio ambiente e uso racional dos percursos naturais. A colaboração dos municípios é essencial para o desenvolvimento deste projeto, contudo, e uma vez que se pretende envolver a comunidade, a iniciativa será promovida através da realização do Festival Foundation Fest, sendo este o ponto de encontro para a realização de atividades ligadas à consciencialização ecológica e angariação de verbas criando assim sinergias entre todos.

Este ano, Vilar de Mouros volta a acolher o Festival Foundation Fest no dia 6 de julho.

VIEIRA DO MINHO MANTÉM ESPAÇOS FLORESTAIS

Manutenção de Espaços Florestais

O presidente da Câmara Municipal de Vieira do Minho, António Cardoso deslocou-se, esta semana, à Serra da Cabreira para acompanhar a parte prática da formação relativa à manutenção de espaços florestais que está a ser ministrada às três novas equipas de sapadores florestais de Vieira do Minho.

DSC_1358.JPG

A iniciativa tem por objectivo formar as novas equipas de sapadores florestais criadas no ano de 2018 pelo Instituto de Conservação da Natureza e Florestas para, de uma forma mais profissional, dar resposta às necessidades de gestão dos espaços florestais.

De salientar ainda que, com esta formação foi possível reunir, em Vieira do Minho várias equipas de sapadores florestais dos concelhos vizinhos, nomeadamente: Montalegre, Amares, Esposende, Terras de Bouro, entre outras.

CERVEIRA PREVINE FOGOS FLORESTAIS

Autarquia promove ação de fogo controlado em Covas e Sapardos

Dando continuidade à execução do Plano Regional de Fogo Controlado da CIM do Alto Minho, iniciado em 2018, a Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira arrancou este novo ano de 2019 com uma intervenção nas freguesias de Covas e de Sapardos, queimando cerca de 15 hectares. Objetivo é concretizar mais ações de prevenção da floresta contra incêndios em pontos previamente identificados.

20190103_122227.jpg

Pela preservação e valorização da vasta mancha verde que abraça o seu território, Vila Nova de Cerveira tem vindo a implementar um vasto programa de ação para a defesa da floresta contra incêndios, com recurso a orçamento municipal, mas também a cofinanciamento.

Entre março e julho do ano passado, a Câmara Municipal, com o apoio de diversos parceiros, interveio numa área correspondente a 110ha, através da limpeza de faixas de gestão de combustível nas freguesias consideradas prioritárias, da beneficiação de pontos de água, da limpeza de caminhos florestais e da abertura de corta-fogos, num investimento superior a 150 mil euros.

No arranque de mais um ano civil, uma equipa multidisciplinar esteve, esta quarta-feira, dia 2 de janeiro, nas freguesias de Covas e de Sapardos para uma ação de fogo controlado abrangendo uma área de cerca de 15 hectares. A iniciativa, que contou com o apoio do Município de Vila Nova de Cerveira e respetivas Juntas de Freguesia, teve a colaboração da Equipa de Intervenção Permanente (EIP) dos Bombeiros Voluntários de Vila Nova de Cerveira, da Equipa de Sapadores Florestais SF20-111 de Vila Nova de Cerveira, além da coordenação técnica da CIM Alto Minho, e do Serviço Municipal de Proteção Civil de Vila Nova de Cerveira.

De realçar que este tipo de intervenção permite criar uma descontinuidade dos combustíveis que, em caso de incêndio, dificulta a sua propagação, permitindo aos dispositivos atuar com mais eficácia e segurança. Ao longo deste ano de 2019, o objetivo é o de prosseguir com mais ações de fogo controlado no território concelhio que visem a limpeza de pontos previamente identificados e a formação das equipas responsáveis pelo combate aos incêndios florestais.

MONÇÃO REQUALIFICA E.M. 505, ENTRE PARADA E ANHÕES, E ADOTA MEDIDAS PREVENTIVAS CONTRA INCÊNDIOS FLORESTAIS EM ANHÕES

Outras prioridades do executivo liderado por Amâncio Alves relacionam-se com a beneficiação do cemitério da freguesia e a antiga escola primária.

A Freguesia de Anhões apresenta como prioridade a requalificação da EM 505, entre Parada e Anhões, considerando tratar-se de uma intervenção essencial para o aumento da segurança rodoviária e para a promoção do Santuário do Senhor do Bonfim.

Anhões 01

António Barbosa, que visitou recentemente a freguesia no âmbito da iniciativa “Roteiro de Proximidade”, confirmou a beneficiação daquele traçado, com seis quilómetros de distância e um investimento estimado em 450.000,00 €, apontando a sua conclusão em 2021.

Acompanhado por Amâncio Alves, o autarca monçanense inteirou-se de outras prioridades do executivo local, destacando-se, entre estas, a prevenção contra incêndios florestais. Um trabalho em várias vertentes que fazem de Anhões um exemplo nesta área.

Além da limpeza e plantação de árvores autóctones, o executivo liderado por Amâncio Alves está a proceder à abertura de vários estradões, servindo como corta-fogo e acesso facilitado aos bombeiros, intervindo ainda na criação de pontos de água e aquisição de equipamentos preventivos.

Na agenda de Amâncio Alves, encontra-se também a criação de um depósito de água para servir a população e a beneficiação da escola primária da freguesia. O objetivo passa pela constituição de um espaço de convívio e pela valorização da gastronomia da freguesia.

Outra prioridade relaciona-se com o cemitério da freguesia, sendo intenção da junta proceder a diversos melhoramentos, valorizando o corredor central e os corredores laterais, onde haverá a necessidade de recuar algumas sepulturas para permitir a largura adequada.

Após o intenso trabalho efetuado no Lugar da Aldeia, com vários “cortes” para permitir o acesso de carros e ambulâncias às habitações, a aposta na rede viária ganha expressividade com a beneficiação do Caminho da Cividade, colocação de raids de proteção e sinalética rodoviária. 

A recuperação de fontanários e a proteção/embelezamento dos contentores de lixo doméstico, visíveis em alguns lugares, vai continuar nos locais em falta. O trabalho será feito de forma progressiva, assegurando pequenas áreas de descanso e protegendo a saúde pública.

Anhões 2

Anhões 3

Anhões 4

Anhões 5

PAREDES DE COURA PREVINE INCÊNDIOS FLORESTAIS

Alto Minho TrEx em Paredes de Coura envolveu as comunidades locais

Paredes de Coura recebeu a ação Alto Minho TrEx, que recorre ao uso do fogo como forma de gestão e prevenção de grandes incêndios florestais.

Alto Minho TrEx

Promovida pela Comunidade Intermunicipal do Alto Minho com o apoio do Município de Paredes de Coura, esta ação aproveitou uma janela meteorológica e ecológica para a execução do uso do fogo, com queimas realizadas com os objetivos de renovação de pastagens, benefícios para a cinegética e gestão de combustível num ponto estratégico de gestão para redução de potencial de grandes incêndios florestais.

As principais funções operacionais para esta ação Alto Minho TrEx que decorreu nas freguesias de Porreiras-Insalde e de Parada foram a aplicação de técnicas tradicionais de queima pastoris com vista à criação de mosaicos para renovação de pastagens e abrigos para a caça, bem como a execução de faixas negras preparatórias com recurso a fogo para incremento da segurança em queimas posteriores.

No conjunto foram executados cerca de 4 hectares de gestão de combustível, numa iniciativa que também contou com o apoio das juntas de freguesia e baldios das freguesias Porreiras-Insalde e de Parada, bem como com o trabalho preparatório das equipas de Sapadores Florestais 07-111 e 23-111.

Recorde-se que já no ano passado Paredes de Coura acolheu uma iniciativa frequentemente realizada nos Estados Unidos da América e que contou com cerca de 100 especialistas oriundos dos EUA, Canadá, Brasil, Chile, Espanha e Portugal, naquela que foi a primeira ação na Europa e que contou com a colaboração da conceituada organização “The Nature Conservancy” para debater o tema do uso do fogo como forma de gestão e prevenção de grandes incêndios florestais.

TERRAS DE BOURO REFLORESTA ÁREAS ARDIDAS

Reflorestação de áreas ardidas com plantas autóctones - Arboreto PNPG GO

Durante a realização desta atividade que contou com a parceria do ICNF (Eng.º Tiago Martins), da Quercus (Dr. Pedro Sousa), da UTAD – Universidade de Trás os Montes e Alto Douro (Dr. João Carvalho), Associação de Compartes dos Baldios do Campo do Gerês e do Parque de Campismo da Cerdeira (Dr. José Carlos Pires), com o apoio da equipa dos Sapadores Florestais, da Floresta Comum e dos Viveiros do ICNF (Amarante), os alunos do Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro procederam à reflorestação com 13 espécies autóctones (Plátano bastardo, Amieiro, Medronheiro, Bétula, Lódão bastardo, Pilriteiro, Freixo, Azevinho, Aderno folhas largas, Azereiro, Carvalho negral, Carvalho alvarinho e Borrazeira preta) de uma área ardida por um incêndio florestal na freguesia do Campo do Gerês, numa área de 3297,70 m2, pertencente aos Baldios daquela freguesia.

CAPA

Esta acção, que decorreu a 27 de Novembro, teve ainda por objeto a sensibilização dos alunos para o risco de incêndios e para os efeitos que os mesmos têm na fauna, na flora e na vida das pessoas.

Com a criação deste Arboreto do PNPG GO, pretendeu-se sensibilizar os mais jovens para as riquezas do Parque Nacional e ao mesmo tempo envolvê-los na promoção da proteção da natureza.

IMG_7425

IMG_7426

IMG_7427

IMG_7447

IMG_7448

IMG_7451

IMG_7453

IMG_7454

IMG_7456

IMG_7457

IMG_7458

IMG_7459

IMG_7473

IMG_7476

IMG_7484

IMG_7487

IMG_7518

IMG_7521

IMG_7524

IMG_7525

IMG_7530

IMG_7531

IMG_7626

IMG_7627

IMG_7635

MINHO ENSINA A APAGAR FOGOS FLORESTAIS

24 A 26 DE NOVEMBRO

Alto Minho TrEX 2018: Participantes recebem reconhecimento internacional na área da extinção de incêndios florestais

Cerca de 60 técnicos oriundos de Portugal, Espanha, Itália, Brasil, EUA e Canadá vão ser reconhecidos internacionalmente nas áreas da extinção de incêndios e do comportamento do fogo, no âmbito da 2ª edição do Alto Minho TrEX - Training Exchanges, a decorrer até esta sexta-feira. Reconhecida pela National Coordinating Group e pela The Nature Conservancy – Fire Learning Network, estas ações de capacitação são inéditas a nível nacional.

Alto Minho TrEX 2018 - Participantes recebem reconhecimento internacional na área da extinção de incêndios florestais

Peritos florestais de seis países estão reunidos, durante uma semana, na região do Alto Minho, para trabalhar juntos e partilhando experiências sobre queimas prescritas, uso do fogo e de conservação em diferentes lugares. O objetivo é que cada participante regresse ao seu local de origem com novos conhecimentos neste campo da segurança e proteção civil.

Fruto da conjugação de sinergias da Comunidade Intermunicipal do Alto Minho e dos seus Municípios Associados com a experiência e colaboração da entidade norte-americana The Nature Conservancy, o Alto Minho TrEX 2018 proporciona a realização de duas ações de capacitação inéditas, a nível nacional, que acrescentam valor aos 54 técnicos participantes, entre os quais 37 portugueses. Abrangendo as áreas da extinção de incêndios e do comportamento do fogo.

Integrado no projeto da CIM  do Alto Minho “Protec|Georisk: Alto Minho 2020” (apoiado pelo PO SEUR), o 2ª Alto Minho TrEx arrancou em Ponte de Lima, este sábado, 24 de novembro, com um workshop e prolonga-se até esta sexta-feira com diversas ações de capacitação no âmbito do uso do fogo, além de visitas técnicas aos concelhos de Vila Nova de Cerveira e de Valença, bem como atividades de conhecimento da cultura dos concelhos de Monção e de Melgaço.

Na agenda para os próximos dias está ainda prevista, e caso as condições técnicas e meteorológicas o permitam, a dinamização de ações piloto de treino e intercâmbio de técnicas de gestão de eventos de riscos, de preparação técnica de parcelas e de uso do fogo controlado em Paredes de Coura, Arcos de Valdevez e Viana do Castelo.

O programa TrEX é um projeto coordenado pela Fire Learning Network, divisão do organismo The Nature Conservancy e cofinanciado pelos Serviços Florestais dos Estados Unidos da América. Constituída no ano 2008, esta entidade já realizou 99 eventos, gerindo cerca de 50 000 hectares e formando mais de 2 000 profissionais do fogo, investigadores, alunos, proprietários e gestores públicos e pessoas interessadas no bom uso do fogo em geral.

Como pilares básicos, o TrEX pretende divulgar a necessidade do fogo bom entre a sociedade e profissionais, proporcionar treino e capacitação em todos os âmbitos do uso do fogo como ferramenta de gestão da paisagem e conservação de comunidades vegetais, planificação e execução de planos de queimas em diferentes ecossistemas e com diferentes objetivos.

Mais informação disponível em:   https://altominhotrex.wixsite.com/2018

PAREDES DE COURA COMEMORA DIA DA FLORESTA AUTÓCTONE

Paredes de Coura distribuiu mil árvores no Dia da Floresta Autóctone

Cada um dos mil alunos que fazem parte da comunidade educativa de Paredes de Coura recebeu exemplares de carvalhos, nogueiras e pinheiros mansos criados nos últimos meses em viveiro pelo Município e em colaboração com o Baldio de Linhares, como forma de assinalar o Dia da Floresta Autóctone.

Dia da Floresta Autóctone 1

Sob o lema de “não se esqueça de plantar uma arvore. Todos juntos plantamos uma floresta”, os jovens courenses foram sensibilizados para a necessidade de promover e proteger a floresta autóctone, evidenciando o que ela nos dá e o quão importante é para a vida no planeta: “a ação parte da aposta clara que temos feito na valorização da paisagem em que a nossa floresta tem um papel fundamental”, explicou o presidente da Câmara, que juntamente com outros membros do executivo e duas equipas de sapadores florestais do concelho procederam ao ato simbólico de ofertar uma árvore.

“A proteção da floresta não é uma questão de vaidade, é uma questão de sobrevivência: as árvores retêm dióxido de carbono e produzem o oxigénio que precisamos para viver. A floresta garante-nos água e regula a temperatura do planeta. Acham que teremos futuro sem árvores e florestas?”, contrapôs Vitor Paulo Pereira no final da ação que teve como base a comunidade escolar, uma vez que a alteração de comportamentos futuros só se consegue com a educação das novas gerações.

As árvores foram distribuídas durante todo o dia pelas duas equipas de sapadores florestais do concelho que colaboraram ativamente em todo o processo e, além do ato simbólico de ofertar uma árvore, tinha em vista o reforço da sensibilização para comportamentos responsáveis na floresta.

O dia arrancou cedo com a distribuição gratuita de mais de mil árvores nas creches e jardins de infância, bem como nos serviços públicos. Ao final da tarde os esforços concentraram-se nas Escolas Profissional, Básica e Secundária de Paredes de Coura.

O Município tem programadas para o futuro outras ações, já não de caráter simbólico, em que pretende disponibilizar gratuitamente, em condições regulamentarmente definidas aos baldios e freguesias, árvores autóctones para repovoamento de áreas ardidas e povoamento de zonas com aptidão.

Dia da Floresta Autóctone 2

© Pedro Sousa  

ALTO MINHO EXECUTA PLANO REGIONAL DE FOGO CONTROLADO

Alto Minho TrEx – Prescribed Burn Training Exchange, de 23 a 30 de novembro 2018

TrEX - Training Exchanges: 2ª edição europeia mantém-se no Alto Minho

Pela segunda vez na Europa, o Alto Minho volta a acolher um intercâmbio dedicado à capacitação técnica dos operacionais envolvidos no uso do fogo, nacionais e estrangeiros, com a colaboração de especialistas dos serviços florestais americanos. Entre 24 e 30 de novembro, o Alto Minho TrEX Training Exchanges visa debater e incrementar ações piloto de treino relacionadas com a ecologia do fogo, a organização e gestão de incidentes (ICS/IMT) e a gestão do fumo e seus impactos.

TReX Alto Minho 2018

Após o sucesso alcançado em 2017, a CIM Alto Minho, com a colaboração de especialistas da conceituada organização estadunidense “The Nature Conservancy”, dinamiza a 2ª edição na Europa de uma iniciativa habitualmente realizada nos EUA que tem como objetivos promover a divulgação, intercâmbio e capacitação técnica dos operacionais envolvidos no uso do fogo.

Para além do uso do fogo, cerca de 60 técnicos oriundos de Portugal, Espanha, Itália, Brasil, EUA e Canadá vão abordar diferentes temáticas na teoria com aplicação prática no terreno, durante sete dias em regime de internato na Quinta de Pentieiros - Paisagem Protegida das Lagoas de Bertiandos e S. Pedro D’Arcos, em Ponte de Lima.

Integrado no projeto da CIM “Protec|Georisk: Alto Minho 2020” (apoiado pelo PO SEUR), com a colaboração do 10 Municípios do Alto Minho, o 2ª Alto Minho TrEx arranca, este sábado, 24 de novembro, com um workshop de abertura que conta com a participação de oradores nacionais e estrangeiros que vão expor diversos pontos de vista e experiências inovadoras no contexto europeu.

Entre as várias comunicações previstas, de sublinhar a presença do Eng. Rui Almeida, Chefe Divisão de Defesa da Floresta e Valorização de Áreas Públicas do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) que abordará da “Prevenção Estrutural – Reformas e Escalas de Intervenção”; e de D. José Luis Duce Aragüés – The Nature Conservancy que fará uma análise do uso do fogo no TrEx, o seu enquadramento e desenvolvimento no contexto internacional.

Nos dias seguintes e até ao dia 30 de novembro, caso as condições técnicas e meteorológicas o permitam, serão realizadas ações piloto de treino e intercâmbio de técnicas de gestão de eventos de riscos, de preparação técnica de parcelas e de uso do fogo controlado em ecossistemas diversificados no território do Alto Minho.

Plano Regional de Fogo Controlado do Alto Minho em execução

Tendo uma visão de escala dos potenciais grandes Incêndios Florestais que poderão afetar o Alto Minho, e após a realização do 1º TRex em 2017, a CIM Alto Minho, em estreita colaboração com os 10 Municípios, procedeu à elaboração de um plano de fogo controlado 2017-2021, o qual integra em conjunto com os planos municipais aprovados no âmbito do Programa Nacional de Fogo Controlado promovido pelo Governo, no âmbito da Reforma Florestal.

Este plano está atualmente em execução no Alto Minho perspetivando-se que, até finais de março de 2019, a CIM do Alto Minho e os Municípios apresentem como meta a realização de mais de 1300 hectares de fogo controlado com um investimento associado de cerca de 150 mil euros apoiado pelo Fundo Florestal Permanente.

Mais informação disponível em:   https://altominhotrex.wixsite.com/2018

BRAGA ASSINALA DIA DA FLORESTA AUTÓCTONE COM PLANTAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁRVORES

‘Florestar Braga’ envolveu Juntas de freguesia e Escolas do Concelho

O Município de Braga assinalou esta Sexta-feira, 23 de Novembro, o Dia Mundial da Floresta Autóctone com uma sessão de florestação junto ao Centro Cultural de Santo Adrião. A iniciativa contou com a participação de cerca de 140 alunos da Escola Secundária Alberto Sampaio.

CMB23112018SERGIOFREITAS00000016095

Integrada no programa ‘Florestar Braga’, esta acção desenvolveu-se um pouco por todo o Concelho, tendo sido distribuídas 1800 árvores pelas Juntas de freguesia e Escolas aderentes. “Estão a decorrer várias acções em colaboração com as Juntas de Freguesia e com 23 escolas do Concelho. No total, foram distribuídas cerca de 1800 árvores que serão plantadas pelo território municipal”, explicou Altino Bessa, vereador do Ambiente da Câmara Municipal de Braga.

A sensibilização junto da comunidade escolar para as questões ambientais, tem sido uma aposta do Município, que tem vindo a alargar o leque de Eco Escolas no Concelho. “Em 2013, havia em Braga apenas sete Eco Escolas, actualmente existem 21. Isto significa que estamos a chegar a mais alunos e, consequentemente a sensibilizar mais famílias para as questões ambientais”, destacou o vereador.

No entanto, Altino Bessa sublinhou que é preciso continuar este trabalho de sensibilização para que a sociedade esteja cada vez mais atenta, preparando os cidadãos para o futuro. “As questões ambientais nunca estão finalizadas. Esta é uma temática que se prolonga no tempo e nunca será um trabalho que se possa dizer que está concluído. As preocupações actuais são diferentes do passado e certamente serão diferentes no futuro”, concluiu Altino Bessa.

Acções de controlo de invasoras, no Monte Picoto, de renaturalização do Rio Este, com a representação das principais espécies de fauna e flora, são algumas das iniciativas de sensibilização previstas para esta edição do Florestar Braga e que terão impacto ao longo dos anos.

CMB23112018SERGIOFREITAS00000016086

CMB23112018SERGIOFREITAS00000016093

ESPOSENDE PROTEGE FLORESTA AUTÓCTONE

Município de Esposende promove Semana da Floresta Autóctone

À semelhança de anos anteriores, o Município de Esposende e a empresa municipal Esposende Ambiente, vão levar a efeito a Semana da Floresta Autóctone, com o objetivo de assinalar o Dia da Floresta Autóctone, que se comemora a 23 de novembro. Entre os dias 23 e 30 de novembro, serão realizadas várias atividades, dirigidas à comunidade educativa e à população em geral.

SapadoresVãoEscola

Para a comunidade educativa e Instituições Particulares de Solidariedade Social, será desenvolvida a Oficina criativa sobre a floresta, de 23 a 27 de novembro, no Centro de Educação Ambiental. Nesta iniciativa pretende-se sensibilizar os participantes para o uso múltiplo da floresta, através da realização de uma oficina criativa que associa a temática da reutilização de materiais à preservação da floresta.

Entre 23 e 30 de novembro, “Os Sapadores vão à escola!”. Os estabelecimentos de educação e ensino do concelho vão acolher a Equipa de Sapadores Florestais, que irão demonstrar algumas das tarefas e funções relacionados com o seu trabalho diário.

Nos dias 27 e 29 de novembro, a comunidade educativa do 1.º ciclo ao ensino secundário terá oportunidade de participar no trilho pedestre “Conhecer a nossa Floresta!”. Esta atividade pretende sensibilizar os alunos para a multiplicidade e importância dos recursos florestais, através da realização de uma visita a um espaço florestal concelhio de interesse ecológico, sob orientação dos técnicos do Centro de Educação Ambiental e do Gabinete Técnico Florestal da Câmara Municipal.

Para a comunidade em geral, decorrerá, no dia 24 de novembro, no Centro de Educação Ambiental de Esposende, o Workshop “Cosmética Natural II”, orientado pela naturopata Raquel Carvalho, o qual pretende dar a conhecer as alternativas ecológicas e ensinar a fazer produtos de higiene e cosmética, 100% natural, amigos da saúde e do ambiente.

Para mais informações ou para fazer a inscrição nas atividades deverá ser contactado o Centro de Educação Ambiental, através do e-mail cea@esposendeambiente.pt ou do telefone 253 967 147.

dav

BRAGA RECEBE EXPOSIÇÃO SOBRE A FLORESTA

Exposição “A Floresta” patente até Janeiro no Largo São João do Souto. Primeira exposição itinerante da Fundação ”la Caixa” em Portugal

O presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, o Presidente Honorário do BPI e curador da Fundação “la Caixa”, Artur Santos Silva, e José Pena do Amaral, membro da Comissão Executiva do BPI, inauguraram hoje, dia 15 de Novembro, em Braga, a exposição “A Floresta”.

CMB15112018SERGIOFREITAS00000015909

Patente no Largo São João do Souto até 10 de Janeiro, a exposição destaca a Floresta, um dos ecossistemas terrestres com maior biodiversidade no mundo e que conservam o património de milhares de milhões de anos de evolução. A Península Ibérica é umas das regiões com maior biodiversidade da Europa. Nela estão representadas quase todas as paisagens florestais do continente e é o habitat de um grande número de espécies.

Como salientou o Edil, este é um excelente exemplo de uma instituição que revela compromisso com o desenvolvimento da sociedade, algo que o Município tem procurado potenciar junto dos diversos agentes. “Esta iniciativa é um excelente exercício de educação ambiental, uma aula que pode ser absorvida pelas gerações mais novas de modo a estimular o contacto com a floresta e a sua interacção com a sociedade. Deixo o repto a todos os Bracarenses e aos muitos visitantes que nesta época estão na Cidade para visitarem a exposição e aprenderam mais sobre estes temas”, realçou.

A exposição apresenta um percurso pelas principais espécies árboreas da Península Ibérica, a sua ecologia e ligação com o ser humano, através de uma singular colecção. Apresenta cinco exemplares excepcionais de árvores de Portugal que por motivos morfológicos, históricos ou culturais são considerados únicos.

Trata-se da primeira exposição itinerante da Fundação ”la Caixa” em Portugal. Esta mesma exposição - adaptada agora à realidade de Portugal - teve mais de um milhão de visitantes nas várias cidades de Espanha onde esteve presente.

As florestas desempenham uma série de funções ambientais fundamentais para que a vida no planeta seja tal como a conhecemos. Deste modo, a primeira parte da exposição centra-se na organização hierárquica dos diferentes níveis de vida, desde a biosfera até ao nível microscópico. Ao mesmo tempo, é feita uma viagem pelos diferentes elementos que compõem e caracterizam os ecossistemas florestais e as suas dinâmicas naturais, desde o modo como o crescimento das árvores afecta o clima às relações que se estabelecem entre seres vivos, passando pelos diferentes componentes e processos que ocorrem no solo da floresta.

Os protagonistas destes ecossistemas são as árvores e a elas é dedicada a segunda parte da exposição. As árvores são seres vivos pluricelulares, vegetais e lenhosos que ocupam o estrato mais elevado da vegetação. É neste âmbito que se explica as partes constituintes de uma árvore, as funções de suporte e de captação das raízes e como se expandem as florestas através das sementes. Também se explicam as diferentes partes que compõem a madeira das árvores e como as alterações climáticas as influenciam.

De facto, através da cronologia das mudanças climáticas mais recentes compreende-se em grande medida a distribuição actual das florestas e das espécies florestais no conjunto do continente europeu e, mais concretamente, na Península Ibérica.

Actualmente, a Península Ibérica tem 21,6 milhões de hectares de floresta, o que corresponde a 36% da sua superfície total, pouco menos de 60 milhões de hectares. É uma das regiões com mais biodiversidade no continente e com maior área florestal, sendo essa riqueza evidente na grande diversidade de espécies de flora e fauna que habitam as suas florestas. Neste sentido, a exposição apresenta dezoito das espécies mais representativas de toda a Península Ibérica.

A exposição pode ser visitada de Segunda-feira a Sexta-feira, das 12h30 às 14h e das 17h às 21h, e aos Sábados, Domingos e feriados, das 11h às 14h e das 17h às 21h. O horário nas férias de Natal (de 17 de Dezembro a 7 de Janeiro, inclusive) é das 10h30 às 14h e das 17h às 21h. Nos dias 24 e 31 de Dezembro pode ser visitada das 11h às 14h (fechado da parte da tarde) e dias 25 de Dezembro e 1 de Janeiro estará encerrada. A entrada é gratuita.

CMB15112018SERGIOFREITAS00000015910

CMB15112018SERGIOFREITAS00000015911

CMB15112018SERGIOFREITAS00000015916

CERVEIRA SENSIBILIZA PARA A REFLORESTAÇÃO

1º Eco Free Trail CTR: Cerveira corre pela reflorestação

Considerado um território de beleza natural e com excelentes condições para a corrida de montanha, Vila Nova de Cerveira vai ser palco, a 16 de dezembro, de um evento de caráter não competitivo que conjuga estas duas vertentes. O 1º Eco Free Trail CTR desafia os atletas a participar numa ação de sensibilização para a reflorestação, em que o custo de 5 euros associado à inscrição é revertido na totalidade para a aquisição de árvores que serão plantadas em áreas identificadas do concelho.

Eco Trail

O Eco Free Trail CTR consiste num conjunto de iniciativas que a Associação Cerveira Team Running pretende dinamizar com alguma regularidade, dando o seu contributo em torno da proteção e da preservação ambiental. O objetivo desta primeira ação é chamar a atenção para o importante papel que cada cidadão pode ter no processo de reflorestação.

Agendado para dia 16 de dezembro, os interessados podem optar por dois percursos – grau fácil ou difícil -, e alinhar num evento que, além de desfrutar dos trilhos e caminhos ancestrais, associa-se à preocupação ambiental.

Para adquirir a "dorsal de ECOATLETA”, os interessados devem proceder à inscrição, enviando o primeiro e último nome para o email cerveirateamrunning@sapo.pt, até 12 de dezembro. No dia da iniciativa é solicitado o donativo de 5 euros, sendo que o seguro será da responsabilidade de cada participante. A verba angariada será na totalidade para adquirir espécies autóctones para reflorestar uma área previamente identificada no concelho, com o apoio da Proteção Civil Municipal.

O 1º Eco Free Trail CTR conta com a parceria de várias empresas instaladas no concelho, assim como com o apoio logístico da Câmara Municipal.

FAMALICENSES DEBATEM FLORESTA

A floresta em debate no próximo “Ambientar-se”

A floresta vai ser o tema central da sessão deste mês do ciclo de cinema “Ambientar-se”, agendada para sexta-feira, dia 26 de outubro. “Floresta Eterna” é o filme escolhido para exibir durante a iniciativa, que decorrerá na Casa do Território, no Parque da Devesa. 

Desta vez a dinamização da sessão estará ao cargo da Associação Famalicão em Transição.

Produzido este ano, o documentário “Floresta Eterna” nasce de um projeto com o mesmo nome que pretende levar a comunidade a repensar a sua relação com a floresta e reconectar e transformar a comunidade através de um projeto de arte, envolvendo as pessoas ativamente na sua cocriação. “O projeto teve lugar no concelho de Góis, que sofreu incêndios sem precedentes em outubro de 2017 devido a décadas de práticas florestais insustentáveis e à monocultura generalizada de eucalipto em Portugal, ao colapso das comunidades e à desertificação humana”. O documentário “Floresta Eterna” repensa e transforma a relação de uma comunidade com as suas florestas, através das vozes das pessoas que vivem em Góis, Arganil e Lousã.

Recorde-se que as sessões de cinema “Ambientar-se” pretendem promover o debate sobre temas ambientais. A iniciativa está marcada para as 21h30 e é de entrada gratuita.

VIZELA AGRADECE A TODOS QUANTOS COMBATERAM O INCÊNDIO FLORESTAL QUEM ONTEM DEFLAGROU EM VILARINHO

Agradecimento a todos os envolvidos no combate ao incêndio florestal

A Câmara Municipal de Vizela vem por este meio agradecer reconhecidamente a todas os que se empenharam no combate ao incêndio florestal que deflagrou ao início da tarde de ontem, na zona de Paradela, em Vilarinho, Santo Tirso, e que depois se alastrou ao Monte da Garrafinha, em Vizela.

Desde Bombeiros de Vizela e de todas as outras corporações presentes, à Proteção Civil e à Guarda Nacional Republicana, todos contribuíram para evitar um desastre de maiores dimensões e foram inexcedíveis na sua luta em prol da defesa das populações, dos seus bens e de todo o património florestal envolvido.

Por último, um agradecimento muito especial ao Comando dos Bombeiros de Vizela e aos seus homens, que desde o primeiro momento se esforçaram no combate a este incêndio, continuando a honrar o Concelho e a prestar um contributo essencial na defesa de pessoas e bens.

CERVEIRA PREVINE FOGOS FLORESTAIS

Proteção Civil: Cerveira cumpre proposta do plano

De forma a prevenir e a minimizar, tanto quanto possível, o risco de ocorrência de fogos florestais no concelho, a Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira interveio, entre março e julho, numa área correspondente a 110ha, através da limpeza de faixas de gestão de combustível nas freguesias consideradas prioritárias, da beneficiação de pontos de água, da limpeza de caminhos florestais e da abertura de corta-fogos, num investimento superior a 150 mil euros.

20180704_111335

Pela preservação da vasta mancha verde que abraça o seu território, Vila Nova de Cerveira tem vindo a implementar um vasto programa de ação para a defesa da floresta contra incêndios, com recurso a orçamento municipal, mas também a cofinanciamento.

Entre o conjunto de medidas já implementadas no terreno destaca-se o melhoramento dos dois pontos de água para meios aéreos e terrestres, assim como a execução de faixas de gestão de combustível não só nas freguesias prioritárias (nível I e II), mas também em determinadas zonas que, apesar de não integrarem os critérios delineados pelo Governo, o Município cerveirense identificou como necessárias para uma intervenção pontual. No total, foram alvo de limpeza 50,9ha junto às estradas municipais (as nacionais são da competência da Infraestruturas de Portugal), suportado totalmente orçamento municipal (cerca de 100 mil euros).

20180705_113504

Ao nível da limpeza de caminhos florestais e de abertura de corta-fogos, para além dos vários projetos apresentados pelos Baldios de Sopo e de Covas, há ainda um conjunto de ações identificadas na Carta do Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios para o ano 2018, aprovada pela respetiva Comissão Municipal, nomeadamente ao longo de 7,7kms de rede viária florestal em Covas (pagos pelo Município), e de 30,4kms em Gondarém, Sopo e Sapardos em estreita colaboração com o ICNF. Não obstante, e em parceria com os Sapadores Florestais há ainda a registar trabalhos em cerca de 20ha de faixas de gestão de combustível executadas através de protocolo de serviço público.

No que diz respeito a intervenções cofinanciadas, a Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira executou uma beneficiação florestal de dimensões significativas, num investimento de cerca de 50 mil euros cofinanciado pelo POSEUR. A operação já realizada visou a instalação de faixas de redução/interrupção de combustível da rede primária de quatro freguesias do concelho (Gondarém, Loivo, União de Freguesias de Reboreda e Nogueira e União de Freguesias de Vila Nova de Cerveira e Lovelhe), numa área total de 37ha, fora das freguesias consideradas prioritárias pelo Governo.

De acordo com o autarca cerveirense, “o Município reforçou de antemão a prevenção e a vigilância para o ataque de primeira intervenção e, apesar de tomadas todas as medidas que estão dentro da esfera de competências da autarquia para minimizar estes riscos, há determinadas situações que não se conseguem controlar”. Fernando Nogueira defende que as forças de segurança devem proceder a uma vigilância suplementar para potenciais pirómanos, eventualmente já referenciados e que, nos períodos mais críticos, representam um perigo iminente”.

Para além destas empreitadas de beneficiação, de investimento municipal, cofinanciadas e/ou colaboração, a Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira dinamizou um conjunto de sessões de sensibilização e informação junto das populações para a limpeza de terrenos e das faixas de gestão de combustível; dotou de mais e melhores condições os Bombeiros Voluntários de Vila Nova de Cerveira, a Unidade Local de Covas, e os Sapadores Florestais; e criou, juntamente, com o Governo, uma Equipa de Intervenção Permanente. De sublinhar que a nível de cooperação intermunicipal, Vila Nova de Cerveira e Valença já estão a colaborar no Centro Intermunicipal de Proteção Civil, que visa a partilha de meios e recursos operacionais em prol da preservação e prevenção florestal, consubstanciada na segurança das suas populações.

Ao nível dos privados, Vila Nova de Cerveira assistiu a uma grande consciencialização por parte dos proprietários florestais, que executaram vários hectares de faixas de proteção junto às estradas municipais.

20180725_140947

NOVA VIATURA DOS SAPADORES FLORESTAIS JÁ ESTÁ EM TERRAS DE BOURO

A Associação Florestal do Cávado (AFC) recebeu três novas viaturas para as equipas florestais de Terras de Bouro, Amares e Barcelos.

O Executivo Municipal de Terras de Bouro deu as boas vindas à nova viatura e manifestou junto do Presidente da Associação Florestal do Cávado, Carlos Cação, o seu agrado pela chegada deste novo meio que reforça a operacionalidade da equipa de sapadores florestais de Terras de Bouro. Este novo equipamento significa assim, uma evidente mais-valia, para a primeira intervenção no combate aos fogos florestais, sendo que, aumenta também a motivação e a qualidade de trabalho dos próprios sapadores florestais.

CAPA

No âmbito do protocolo celebrado entre o Município de Terras de Bouro e a Associação Florestal do Cávado importa referir também e sobre esta temática, a importância dos sapadores florestais através das ações de silvicultura preventiva, nomeadamente, na roça de matos e limpeza de povoamentos, a realização de fogos controlados, linhas de quebra-fogo e outras infraestruturas, competindo à AFC, assegurar a coordenação dos trabalhos e gerir a gestão financeira das esquipas, além dos procedimentos administrativos necessários ao seu normal funcionamento.

Refira-se, por último, que que a Associação Florestal do Cávado (AFC) é a associação com mais equipas de sapadores florestais do país.

DSC07804

CELORICO DE BASTO SENSIBILIZA CRIANÇAS PARA CUIDAR DA FLORESTA

Campo de Férias de Gandarela em Celorico de Basto ensina a cuidar da floresta. Sensibilizar para prevenir foi objetivo

As cerca de 80 crianças que integram o Campo de Férias da Gandarela participaram hoje, 16 de julho, numa ação de sensibilização promovida pelos Bombeiros Voluntários Celoricenses sobre “Cuidar da Floresta”.

37131089_864741090383019_4161101922821996544_n

“Procuramos oferecer às nossas crianças, durante estas 6 semanas, atividades que sejam divertidas mas não esquecemos o fator aprendizagem. Esta ação de hoje é uma questão de cidadania que devia ser colocada em prática por todos mas que é, muitas vezes, declinada” disse Vera Carvalho, coordenadora do campo de férias.

De facto, os bombeiros procuraram sensibilizar as crianças e mostrar-lhes quais os comportamentos a adquirir para cuidar das florestas. Não deitar lixo nas florestas e fazer limpeza regular, são duas normas que ficaram bem explícitas durante a ação de sensibilização. Explicaram ainda que cuidar bem das florestas ajuda a minimizar os riscos de incendio e, em caso de incêndio, torna-me mais fácil a sua extinção e diminui o risco para pessoas, animais e bens.

“De facto estas ações são muito importantes para nós. Na semana passada tivemos a Guarda Nacional Republicada a ensinar regras de segurança quando se circula de bicicleta, e afazer uma operação STOP e hoje tivemos os bombeiros a explicar como cuidar da florestas e não ficaremos por aqui. A sensibilização para estas problemáticas é fundamental porque as crianças aprendem enquanto se divertem” referiu Daniel Meireles, Presidente do GCRNIG, Grupo Cultural Recreativo Núcleo Infantil de Gandarela de Basto, organizador deste campo de férias.

De facto, este campo de férias procura ser o mais completo possível dando às crianças a hipótese de vivenciar experiências únicas, divertidas e pedagógicas. “É com orgulho que apoiamos a organização deste campo de férias. As atividades promovidas são muito interessantes e nota-se que as crianças estão empenhadas em saber mais. Esta ação em particular é muito importante, primeiro porque estamos no período crítico, com mais probabilidade de incêndios, e depois é preciso não esquecer as tragédias que o nosso país sofreu nos últimos anos. Todos contamos para ajudar a acabar com estas situações” ressalvou Fernando Peixoto, Vice-Presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto. 

Efetivamente o campo de férias mostra-se dinâmico nas várias atividades apresentadas, para além das ações de sensibilização mencionadas anteriormente, as crianças já foram à praia, à piscina, ao parque aquático de Amarante, fizeram jardinagem na ação “Florir Gandarela”, visitaram a fábrica dos chocolates em Vila do Conde, participaram no atelier de cerâmica, foram ao cinema e muito mais. Mas de hoje até ao final do campo de férias, as crianças terão ainda muitas ações de diversão e aprendizagem.

37179759_864741197049675_8176017469719183360_n

37185121_1731073286975792_4333372197776130048_n

MUNICÍPIO DE ESPOSENDE ALARTA PARA PERÍODO CRÍTICO NA FLORESTA

Principiou o Período Crítico, durante o qual vigoram medidas e ações especiais de prevenção contra incêndios florestais, por força de circunstâncias meteorológicas excecionais. O Período Crítico, estabelecido no âmbito do Sistema Nacional de Defesa da Floresta contra Incêndios, vigora de 1 de julho a 30 de setembro, podendo a sua duração ser alterada, em situações excecionais, por despacho governamental.

floresta

Durante o período não é permitido o lançamento de balões com mecha acesa e de foguetes. Está proibida a realização de queimadas e queimas de sobrantes em todos os espaços rurais e está igualmente interdito o uso de fogo para fumigação e desinfestação de apiários, se os fumigadores não estiverem equipados com dispositivos de retenção de faúlhas.

Se tiver resíduos verdes, sobrantes do jardim, agricultura ou floresta, não os queime. Aguarde pelo fim da interdição legal. Até lá amontoe os sobrantes num local afastado das habitações e, se possível, faça compostagem, utilize-os nas camas dos animais, triture-os, mas nunca os elimine com recurso ao fogo durante este período.

Não coloque velas acesas nas alminhas e cruzeiros junto da floresta.

Em espaços rurais não faça fogueiras para recreio ou lazer, bem como para a confeção de alimentos.

Recorde que todos temos o dever de proteger a floresta.