Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

FAMALICÃO: VIVER O TEATRO AMADOR EM “TERRAS DE CAMILO”

TeatroBalugas.jpg

XVII Festival de Teatro Amador “Terras de Camilo” decorre de 2 de março a 27 de abril, com entrada livre

É em “Terras de Camilo” que se vai voltar a viver a ‘magia’ do teatro amador. De 2 de março a 27 de abril, o auditório do Centro de Estudos Camilianos, em Seide, volta a ‘dar palco’ ao teatro amador nacional no XVII Festival de Teatro Amador “Terras de Camilo”.

A Famalicão chegam propostas de grupos de teatro amador de todo o país – Barcelos, Idanha-a-Nova, Maia, Viseu, Vila Nova de Gaia e Valongo –, para além dos espetáculos protagonizados pela ‘prata da casa’.

Todos os espetáculos têm entrada livre, sujeita a lotação do espaço, e início pelas 21h30.

O festival, organizado pelo Município de Vila Nova de Famalicão em parceria com o GRUTACA – Grupo de Teatro Amador Camiliano, arranca no sábado, dia 2 de março, com a peça “A Furgoneta”, pelo Teatro de Balugas (Barcelos), que vai dar a conhecer a história de Romão e do irmão que decidem reformar o negócio do pai, adotando um novo negócio: uma furgoneta que vende tudo e mais alguma coisa.

Segue-se a peça “O Casamento”, pela Escola Dramática e Musical de Milheirós (Maia), no dia 9 de março, depois “A Beata da Sogra”, pelo Grupo de Teatro Aldeia Verde de Lazarim (Viseu), no dia 16, e “Sozinha”, protagonizada pela atriz famalicense, Elsa Pinho, no sábado, 23.

O Dia Mundial do Teatro, comemorado a 21 de março, será marcado com iniciativas como a apresentação do espetáculo infantojuvenil, “O Rei Que Comia Histórias”, pela Pandora Teatro (Vila Nova de Gaia), no dia 27 de março, pelas 15h00, bem como a oficina de teatro "Abril e a Liberdade - Da Escrita Criativa à Encenação de um Conto", orientada por Ana Azevedo, com sessões de 27 de março a 25 de abril e inscrição gratuita e obrigatória.

Já em abril, está prevista a inauguração da exposição “O Palco das Marionetas”, no dia 5, pelas 18h00, que ficará patente na Casa do Caseiro da Casa-Museu de Camilo Castelo Branco até dia 28 de abril, com entrada livre.

A programação teatral prossegue no dia 6 de abril, com o espetáculo “Até Que a Boda Nos Separe”, pelo Grupo Dramático e Recreativo da Retorta (Valongo), seguindo-se, no dia 13, a peça de teatro “O Anexo”, pela Ajidanha - Associação de Juventude, de Idanha-a-Nova.

Na semana seguinte, a 20 de abril, será a vez do NUTEACV - Núcleo de Teatro da Associação Cultural de Vermoim, grupo de teatro amador famalicense, levar a cena o espetáculo "Bons Olhos o Vejam", no auditório do Centro de Estudos Camilianos.

O XVII Festival de Teatro Amador “Terras de Camilo” encerra com uma performance protagonizada pelo GRUTACA, no dia 27 de abril, que apresentará o espetáculo “O Lobisomem”.

Toda a programação do festival de teatro amador pode ser consultada no portal da autarquia em: www.famalicao.pt/xvii-festival-de-teatro-amador-terras-de-camilo.

GRDramáticoRetorta.jpg

Grutaca.JPG

ARTISTA PEDRO CHORÃO EXPÕE A SUA ARTE NA GALERIA MUNICIPAL DE FAMALICÃO

DSC_4989.JPG

Exposição de Pedro Chorão está patente até dia 18 de maio, com entrada livre

“Superfícies” é o nome da mais recente exposição patente na galeria municipal Ala da Frente, da autoria de Pedro Chorão. O trabalho do conceituado artista conimbricense pode ser apreciado até dia 18 de maio, no espaço cultural famalicense. A entrada é livre.

Quem entrar na galeria municipal encontra uma seleção de pinturas e obras fotográficas de Pedro Chorão, realizadas ao abrigo de uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian nos anos 1987/88/89, na Região do Alentejo, “obras que resultam de um percurso muito minucioso e atento onde cada detalhe, cada fragmento, cada pormenor de luz, cada textura se tornou propósito de atenção e resultou numa fotografia. Estas imagens detêm uma composição lúcida e uma perceção diferenciada”, como refere o curador da galeria de arte contemporânea, António Gonçalves, no texto de apresentação.

Segundo o curador da galeria famalicense, Pedro Chorão “tem desenvolvido um percurso de trabalho amplo e feito de uma sensibilidade muito apurada que resulta em obras portadoras de um sentido estético cuidado e de aprimorada sabedoria”, algo que está, agora, vertido em “Superfícies”.

Refira-se que Pedro Chorão nasceu em Coimbra, em 1945, tendo estudado em Liverpool e em Paris, e tornando-se mestre em Pintura pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Desde 1972, o artista já realizou mais de 150 exposições, em Portugal e no estrangeiro, e no seu currículo constam prémios nacionais (III Exposição de Belas Artes, Fundação Gulbenkian, 1987; Bicentenário do Ministério das Finanças, 1988; Bienal de Lagos, 1990) e internacionais (AICA - Association Internationalle des Critiques d'Art). O trabalho do artista conimbricense está representado nas principais coleções e museus nacionais de Lisboa e do Porto.

A exposição “Superfícies”, de Pedro Chorão, pode ser visitada de terça a sexta-feira, das 10h00 às 17h30, e aos fins-de-semana, das 14h30 às 17h30, na galeria municipal Ala da Frente, situada no edifício do Museu Bernardino Machado, em Famalicão.

Para mais informações, consulte: www.famalicao.pt/galeria-municipal-ala-da-frente .

DSC_4977.JPG

DSC_4978.JPG

FAMALICÃO: CENTRO DE ESTUDOS CAMILIANOS EXIBE O FILME “UMA MENTE BRILHANTE”

O Centro de Estudos Camilianos vai exibir mais um filme inesquecível. “Uma Mente Brilhante” (2001), longa metragem realizada por Ron Howard, será projetada esta sexta-feira, dia 23 de fevereiro, pelas 21h30, numa sessão para cinéfilos com conversa à mistura e entrada gratuita.

Será no auditório do Centro de Estudos Camilianos, em Seide, que será recordada a impactante história do matemático John Nash, num filme que arrecadou quatro Óscares, em 2002, e que conta com atores de peso como Russell Crowe, Ed Harris, Jennifer Connelly e Christopher Plummer.

Antes da projeção do filme, haverá uma conversa com a presença de Carlos Fiolhais, doutorado em Física Teórica pela Universidade de Goethe (Alemanha) e professor catedrático aposentado da Universidade de Coimbra, com início pelas 21h00.

Esta sessão encontra-se inserida no “Ciclo de Cinema: Filmes Inesquecíveis”, uma iniciativa cultural promovida pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, através da Casa-Museu de Camilo.

A participação é gratuita, mas carece de reserva prévia através do contacto telefónico, 252 309 750, ou do email, geral@camilocastelobranco.org. O levantamento do bilhete deve ser efetuado até dia 23 de fevereiro.

Uma_Mente_Brilhante_2001.png

FAMALICÃO: CUIDADOR INFORMAL EM DESTAQUE NA PRÓXIMA SESSÃO DE ESCLARECIMENTO DO HAJA SAÚDE

O papel do cuidador informal é o tema da próxima sessão de esclarecimento do Haja Saúde. “Cuidador Informal: entre o Amor e o Cansaço” acontece no próximo dia 28 de fevereiro, pelas 21h00, no Pavilhão Multiusos de Requião.

Esta é a oitava sessão de esclarecimento do Haja Saúde, uma iniciativa promovida pelo Município de Vila Nova de Famalicão em parceria com o Centro Hospitalar do Médio Ave (CHMA), o ACES AVE - Famalicão e o Hospital Narciso Ferreira, que visa promover a literacia e educação em Saúde.

As sessões de esclarecimento do Haja Saúde são abertas a toda a comunidade e têm entrada livre.

Haja_Saude_Cuidador_Informal.jpg

CÂMARA DE FAMALICÃO VAI CONCESSIONAR TERRENO DO ESTÁDIO PARA GARANTIR NOVA CASA PARA O FC FAMALICÃO SEM INVESTIMENTO FINANCEIRO

DSC_4875.JPG

Autarca famalicense Mário Passos reuniu hoje com Futebol Clube de Famalicão

A Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão vai desafiar, através da abertura de um concurso público internacional, investidores e promotores privados a olharem para os terrenos onde estão implantados o Estádio Municipal e o campo de treinos e a desenvolverem uma proposta imobiliária que inclua a construção do novo estádio municipal e outras valências destinadas a comércio e serviços, um polivalente municipal e um novo parque de estacionamento subterrâneo.

A estratégia encontrada pela autarquia famalicense para a construção do futuro Estádio Municipal, que passará pela concessão dos terrenos por um período de tempo a definir após a conclusão dos estudos de avaliação e de viabilidade económico financeira, foi hoje transmitida pelo Presidente da Câmara Municipal à direção do clube e SAD do Futebol Clube de Famalicão, José Pina Ferreira e Miguel Ribeiro.  

Na reunião desta terça-feira, que decorreu nos Paços do Concelho, Mário Passos apontou o inicio do segundo semestre deste ano para o arranque do procedimento concursal, adiantando ainda que “é vontade da Câmara Municipal que a construção de todo o empreendimento comece ainda no ano de 2025”.

Mário Passos acredita que a solução encontrada vai dar uma nova centralidade a esta área nobre da cidade. “Conseguimos valorizar o espaço urbano e manter o Estádio Municipal no mesmo local, dotando-o de condições ajustadas a uma equipa de topo do futebol nacional e internacional, tudo isto sem investimento financeiro municipal associado”.

O Presidente da Câmara Municipal deu ainda conta de que há uma vasta equipa técnica a trabalhar na elaboração do programa-base, na avaliação imobiliária e nos estudos necessários à abertura do concurso público internacional.

Refira-se que a contrapartida que o município está disposto a conceder aos promotores é à cedência dos terrenos em questão por um determinado período de tempo, findo o qual os terrenos e os equipamentos construídos regressam à esfera municipal.

Durante o período de concessão, o promotor, de acordo com o seu plano de negócios, poderá explorar comercialmente as infraestruturas criadas, sendo que será clausula obrigatória que o estádio a construir seja para usufruto do Futebol Clube de Famalicão.

CÂMARA DE FAMALICÃO APRESENTA ESTRATÉGIA PARA O FUTURO ESTÁDIO MUNICIPAL

O presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão reúne esta terça-feira, 20 de fevereiro, com a direção do clube e SAD do Futebol Clube de Famalicão para apresentar a solução que a autarquia famalicense preconiza para o futuro Estádio Municipal.

No encontro de amanhã, Mário Passos apresentará ao emblema famalicense a estratégia do município e o cronograma para o processo tendente à construção do novo Estádio Municipal.

FAMALICÃO: CENTRO SOCIAL E PAROQUIAL DE ESMERIZ COM VALÊNCIAS RESERVADAS

DSC_4563.jpg

Obras de requalificação inauguradas em dia de aniversário

O Centro Social e Paroquial de Esmeriz inaugurou no passado sábado as obras de requalificação do edifício onde há 23 anos presta apoio às famílias e à comunidade nas áreas da infância e terceira idade, nomeadamente, através das respostas sociais de Creche, Pré-Escolar, Centro de Dia e Serviço de Apoio Domiciliário.

A empreitada incidiu na remodelação e reorganização dos espaços interiores, melhorando condições de acessibilidade dos utentes do centro de dia, as condições de segurança para as crianças da creche e pré-escolar, condições de acolhimento e as condições de trabalho dos colaboradores.

O município contribuiu com um apoio financeiro de 80 mil euros para uma obra que “é um bom exemplo de uma requalificação, feita e pensada na adaptação do que são as exigências e condições dos serviços que a instituição presta, com um melhor serviço para todos” apontou o presidente da Câmara de Famalicão Mário Passos. A Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) acolhe 21 utentes no centro de dia e tem quase 80 crianças nas valências de creche e pré-escolar.

Na inauguração das obras, precisamente no dia em que a IPSS comemorou 23 anos, o pároco Nuno Vilas Boas, presidente da instituição, anunciou que serão ainda realizados alguns trabalhos no exterior do espaço. “Queremos dar uma resposta com mais dignidade, com mais qualidade, dado que esta casa já tem 23 anos e obriga-nos a renovar constantemente este espaço para dar a devida excelência à nossa Obra Social”, disse.

DSC_4507.jpg

DSC_4558.jpg

PRESIDENTE DA CÂMARA DE FAMALICÃO, MÁRIO PASSOS, PARTICIPOU NO JANTAR DE GALA DO CENTENÁRIO DA EMPRESA “A ELÉCTRICA”

“A Eléctrica é um exemplo de empreendedorismo e resiliência”

“Tínhamos a obrigação histórica de celebrar o centenário da empresa e homenagear todos aqueles que contribuíram para que ‘A Eléctrica’ tenha chegado até aqui.”

Centenário de A Eléctrica _ Câmara Municipal agraciada com lembrança alusiva ao centenário.jpg

Foi desta forma que Carlos Correia, CEO da A Eléctrica, e neto do fundador António Dias da Costa, explicou a realização do jantar de gala com que assinalou o centenário da empresa, na última sexta-feira, num restaurante da freguesia do Louro, concelho de Vila Nova de Famalicão.

“Trabalhar numa empresa centenária traz um acréscimo de responsabilidade. Temos a obrigação de preservar o legado de profissionalismo e seriedade conquistado. Tal implica um grau de exigência ainda superior em tudo o que fazemos”, afirmou Carlos Correia, perante cerca de uma centena de pessoas, onde se destacavam o presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Mário Passos, o vereador da Economia, Augusto Lima, os deputados famalicenses Eduardo Oliveira e Jorge Paulo Oliveira, o presidente da Associação Comercial e Industrial de Vila Nova de Famalicão, Xavier Ferreira, entre outros parceiros, trabalhadores, clientes, fornecedores e familiares.

Depois do lançamento do livro “Cem Anos de Superação – A Eléctrica 1924-2024”, da autoria do consultor de comunicação Luís Paulo Rodrigues, em dezembro último, o jantar de gala do centenário foi o segundo grande evento para celebrar os 100 anos da empresa famalicense.

“ANOS DOURADOS DE FAMALICÃO”

“Sou um presidente da Câmara privilegiado e satisfeito por existirem muitas empresas, não tão longas como A Eléctrica, mas com esta capacidade de se superarem dia após dia, uma capacidade de resiliência enorme”, afirmou, o edil famalicense Mário Passos, que incluiu os bons resultados de A Eléctrica naquilo que considerou serem “os anos dourados de Vila Nova de Famalicão”, em função de o concelho liderar as exportações no norte do país.

“A Eléctrica é um bom exemplo de empreendedorismo e o símbolo de muitas outras empresas no concelho, através da sua história, da sua resiliência e da insatisfação constante”, frisou Mário Passos.

DA ENERGIA À METALOMECÂNICA

A Eléctrica foi fundada no dia 16 de fevereiro de 1924, por António Dias da Costa, para comercializar instalações elétricas e mais tarde distribuir energia elétrica em torno da vila de Famalicão. Mas “A Eléctrica” possuía atividades diversificadas, designadamente o comércio, aluguer e reparação de automóveis.

Mais tarde foram sendo acrescentadas outras atividades como a estação de serviço e o mítico Restaurante Íris, a comercialização de materiais de construção, de eletrodomésticos, a fabricação de bombas centrifugas e, finalmente, aquela que é a atividade principal desde os anos de 1960: a conceção, fabricação e montagem de soluções para a pintura de superfícies e secagem.

“Nas últimas décadas, a “A Eléctrica” decidiu estrategicamente concentrar o foco da sua atuação na área em que era mais diferenciadora. Essa foi a forma encontrada para poder agregar recursos para possibilitar uma melhoria continua. Para poder apresentar ao mercado soluções inovadoras e tecnologicamente avançadas e possuir um serviço adequado às necessidades dos clientes”, explicou Carlos Correia, afirmando que a família de A Eléctrica continua a trabalhar diariamente para “fazer melhor do que no dia anterior”.

“RESULTADOS POSITIVOS”

Uma receita de sucesso, tanto mais que, frisou o CEO de A Eléctrica, “os números têm sido positivos em termos de volume de vendas e de resultados”. “Sabemos que esses resultados acontecem devido ao esforço e dedicação dos colaboradores, mas também na aposta na inovação, na investigação e no desenvolvimento”, sustentou.

Para que isso aconteça, A Eléctrica tem privilegiado a ligação aos centros de investigação, como o Centi – Centro de Nanotecnologia, o CVR – Centro de Valorização de Resíduos, a Universidade do Minho e outras entidades.

Consciente das enormes mudanças tecnológicas que estão para chegar à indústria metalomecânica, nomeadamente em função da aplicação da inteligência artificial, o CEO de A Eléctrica sabe que “há princípios básicos que serão mantidos”. E especificou: “Trabalho, dedicação, formação, inovação e adaptação”. “Foi assim nos últimos 100 anos e estou convencido que ainda continuará a ser nas futuras gerações”, realçou Carlos Correia.

OS PRÉMIOS AE

A gerência de A Eléctrica agraciou a fidelidade dos seus colaboradores com prémios para os trabalhadores com 10 anos ou mais de ligação à empresa. O destaque da noite aconteceu quando duas pessoas “que atravessaram já muitos ventos e muitas marés” foram distinguidas por mais de 40 anos na “A Eléctrica”: Elisa Lopes, responsável pela contabilidade, e José Luís Miranda, diretor fabril.

O advogado Pedro Machado Ruivo e o médico Adolfo Queirós receberam o Prémio AE Honorário, enquanto os gerentes Carlos Correia e Rosa Clara Dias da Costa, o diretor fabril José Luís Miranda e os antigos quadros da empresa Eduardo Sá e Carlos Domingues foram agraciados com o Prémio AE Prestígio.

A Associação Empresarial de Portugal, a Associação Comercial e Industrial de Vila Nova de Famalicão e a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão receberam o Prémio AE Institucional.

Centenário de A Eléctrica - Aspeto da sala.jpg

Centenário de A Eléctrica _  Intervenção do CEO Carlos Correia.jpg

Centenário de A Eléctrica _  José Miranda_Rosa Dias da Costa_e_Carlos Correia.jpg

Centenário de A Eléctrica _  Presidente da Câmara ofereceu salva em prata.jpg

FAMALICÃO: RANCHO FOLCLÓRICO SANTA MARINHA DE MOGEGE COMEMORA 20 ANOS A DANÇAR

285466856_443480081112205_1889110428402792174_n.jpg

Tudo me quer muito bem: Só a mãe do meu armor Näo sei que raiva me tern. (Cancioneiro de S. Simão de Novais, quadra 269)

Em meados de 2002, um grupo de cidadãos de Mogege reuniu-se a volta de uma ideia, um sonho – criar um grupo folclórico. Não era tarefa fácil, dada a carência de pessoas capazes de partilhar esse sonho, de o sentir como seu, de o carregar com as dificuldades de um percurso que não se adivinhava fácil. A aventura começou. Durante um ano quase não existiu evolução, havia uma enorme dificuldade em encontrar alguém que, artisticamente, comandasse o sonho e lhe desse vida. Em finais de Outubro de 2003, perante a teimosia daqueles que acreditavam, o sonho começou a ganhar consistência, o caminho a percorrer tornou-se visível, a probabilidade de sucesso uma realidade. 0 sonho ganhou forma.Certo é, que construir um Rancho Folclórico nos dias de hoje pode ser entendido como um exercício de inutilidade, como uma demonstração de narcisismo de alguns. Redondamente falso.Uma nova associação de pessoas, que através do seu sonho, se debruça sobre o legado dos nossos antepassados e que o transporte para o presente. E o levantar de uma vivencia passada que nos ajudara a compreender o tempo presente.

E a apreciação de um conjunto de valores de um tempo que nos farão rever os mal tratados valores da época em que vivemos.

Hoje, mais de 40 elementos, desde os 7 anos da Ana Rita ate aos 8o anos do Tio Manel, comun¬gam desse sonho. Preparam-se semanalmente, junto a Capela de S. José a quem dedicaram uma moda, para partilhar a vivencia de um tempo já ido com a alegria do tempo presente.0 Rancho Folclórico Santa Marinha de Mogege foi fundado a 18 de Fevereiro de 2004, fez a sua apresentação pública a 3 de Julho de 2004. Sendo apadrinhado pelo Grupo Etnográfico Rusga de Joane. E membro da Associação de Folclore e Etnografia de VN. Famalicão e do INATEL.As gentes do Minho

Calcam de pau, vestem de linho, Comem pão de passarinho, Bebem vinho de enforcado E têm forca que nem diabo.

A gente do Minho canta dançando. Canta durante os trabalhos, canta e dança no terreiro da eira. Canta na procissão canta e Banta no terreiro da tornaria. Coloca no fim de mais um dia de trabalho e de mais uma promessa cumprida a marca do seu carácter.Transporta para o trabalho do campo e para o trabalho da fé a vivacidade e a simplicidade de um ritmo rápido e leve de um canto associado a dança.

0 minhoto urde a trama das suas canções no ambiente que o rodeia. Serve-se dos nomes das flores, das a árvores, das povoações, dos santos das suas devoções, dos usos e costumes da vida rural. Neste domínio, canta o amor, por vezes cone malícia e ironia, mas com muita ingénua sentimentalidade.

Quem me dera ser o linho, Que vós no rota

Quem me dera tantos beijos Como vós no linho dais!

Eu tenho quatro amores, Dois de manha, dois de tarde; A todos digo que sim,

Só a um falo a verdade.

(Cancioneiro de S. Simão de Novais, quadras 376 e 689)

Fonte: Junta de Freguesia de Mogege

202081489_5030004073680738_2180076058152821901_n.jpg

428597952_901677948625747_5177863630794997761_n.jpg

FAMALICÃO INAUGURA REQUALIFICAÇÃO DO CENTRO SOCIAL E PAROQUIAL DE ESMERIZ

Amanhã, sábado, dia 17 de fevereiro, pelas 10h30

O Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Mário Passos, participa amanhã, sábado, dia 17 de fevereiro, pelas 10h30, na inauguração das obras de requalificação do Centro Social e Paroquial de Esmeriz.

A empreitada implicou uma remodelação profunda das diferentes valências do edifício, tendo contado com um apoio municipal de 80 mil euros.

Em funcionamento desde 2001, refira-se que o Centro Social e Paroquial de Esmeriz é uma Instituição Particular de Solidariedade Social que presta apoio às famílias e à comunidade nas áreas da infância e terceira idade, nomeadamente, através das respostas sociais de Creche, Pré-Escolar, Centro de Dia e Serviço de Apoio Domiciliário.

MARUPIU: A ALTA PASTELARIA FRANCESA MORA EM FAMALICÃO

DSC_3169.jpg

Chefe de Pastelaria Ana Patrícia Correia é um dos “Rostos da EER”, o novo roteiro promovido por Mário Passos

As criações da famalicense Ana Patrícia Correia são autênticas jóias da alta pastelaria. Como tantos outros rostos daquela que é a Região Empreendedora Europeia (EER), decidiu ir atrás do sonho e mudar de vida.

Deixou para trás uma carreira de Engenheira Mecânica e, juntamente com o marido Rui Gusmão Correia, ‘mergulhou’ na arte da pastelaria naquela que considera ser, até hoje, a melhor decisão que tomou na vida. “Não é só uma profissão. É um sonho realizado e não me imagino a fazer outra coisa”.

Degustar as sobremesas que todos os dias confeciona e dão cor à montra da Marupiu Pâtisserie, em Vila Nova de Famalicão, é usufruir de uma experiência completa e surpreendente.

“Uma experiência visual, olfativa, de degustação, mas sobretudo de memória”. A memória que faz com que voltemos para saborear – que mais não seja com os olhos - a mestria da chefe de pastelaria famalicense que em 2023 recebeu o prémio “Chef Pâtissier”, atribuído pela Academia Internacional da Gastronomia.

Ainda que a melhor recompensa chegue através da satisfação demonstrada pelos clientes que todos os dias visitam a Marupiu e valorizam o seu trabalho, assume que este reconhecimento “foi realmente uma surpresa fantástica e um dos pontos altos” do seu percurso enquanto pasteleira.

Conta-nos que muitas sobremesas nunca chegaram a sair do atelier - “provo tudo o que faço e só coloco na montra aquilo com que me sinto satisfeita” –, mas que nada a demove de continuar a criar sobremesas que tenham tanto de bonitas, como de saborosas e surpreendentes. “É uma arte conseguir conciliar todos estes ingredientes”, acrescenta.

A força, a inovação e o mérito do rosto por detrás da Marupiu foram hoje destacados pelo presidente da autarquia famalicense naquele que foi o arranque do roteiro “Os Rostos da EER”.

Dar a conhecer muitos dos nomes que ajudam a posicionar Vila Nova de Famalicão como uma das maiores e mais pujantes economias do país e a impulsionar o ADN empreendedor do concelho são os principais objetivos desta iniciativa promovida por Mário Passos.

“A história da Ana Patrícia é a história de muitos famalicenses que nos mostram diariamente que vale a pena persistir e ir atrás dos nossos sonhos e é um bom exemplo do arrojo e da coragem dos nossos empresários”, referiu o edil que de visita à Marupiu, nesta sexta-feira, aproveitou para felicitar a pasteleira famalicense pelo galardão atribuído no ano passado pela Academia Internacional da Gastronomia.

DSC_3177.jpg

DSC_4294.jpg

DSC_4446.jpg

CDU QUESTIONA GOVERNO SOBRE LAY-OFF NA COINDU EM FAMALICÃO

coiundu_4.jpg

CDU marca presença solidária em greve na Amtrol, em Guimarães

A CDU marcou presença no contacto com os trabalhadores da Coindu, em Vila Nova de Famalicão, e na acção de luta dos trabalhadores na Amtrol, em Guimarães. A delegação da CDU contou com a presença de Sandra Cardoso, 1ª candidata pelo círculo de Braga, e João Pimenta Lopes, deputado ao Parlamento Europeu, e de vários candidatos e activistas.

A partir de 16 de Fevereiro, a Coindu, em Vila Nova de Famalicão, vai entrar em lay-off. Ao longo dos anos a empresa tem vindo a concretizar diversos processos de despedimento colectivo, atropelando os direitos dos trabalhadores e tratando estes homens e mulheres de forma descartável. Agora, a empresa anunciou que cerca de 400 trabalhadores da sua unidade de Famalicão e cerca de 100 trabalhadores da sua unidade nos Arcos entrarão em lay-off por 6 meses. A situação de trabalhadores prestadoras de serviços está também posta em causa. Há rumores que podem ainda avançar com dezenas de despedimentos

A concretização deste lay-off implicará uma perda significativa de rendimentos para os trabalhadores afectados, não apenas no que diz respeito ao salário, mas também a subsídios devidos. As consequências são ainda mais graves para casais em que ambos trabalham na Coindu.

O Grupo Parlamentar do PCP entregou uma pergunta escrita na Assembleia da República, que foi entregue em mão aos trabalhadores (em anexo).

A CDU esteve também na acção de luta dos trabalhadores da Amtrol, em Guimarães, que reivindicam o aumento dos salários. A marcação de greve e concentração foi a resposta dos trabalhadores aos aumentos insultuosos, em alguns casos de 5 euros, adiantos pela empresa.

A adesão à greve foi quase total e na concentração, a que se seguiu um desfile, estiveram centenas de trabalhadores.

Nos contactos com os trabalhadores, a CDU procurou expressar a sua solidariedade e reafirmar o seu compromisso com a defesa dos seus direitos.

amtrol_1.jpg

amtrol_2.jpg

coiundu_1.jpg

coiundu_2.jpg

coiundu_3.jpg

coiundu_5.jpg

FAMALICÃO BATE NOVO RECORDE DE EXPORTAÇÕES E CONTRARIA NÚMEROS NACIONAIS

DSC_5718.jpg

INE divulgou números provisórios do comércio internacional em 2023

O concelho de Vila Nova de Famalicão registou, em 2023, o maior volume de exportações de sempre, consolidando a sua posição como o mais exportador da região Norte e o terceiro mais exportador do país, logo a seguir a Lisboa e Palmela.

Os números do comércio internacional de Portugal em 2023 foram recentemente divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), confirmando Vila Nova de Famalicão como uma das maiores e mais pujantes economias do país.

De acordo com os números provisórios do INE, Famalicão regista pela primeira vez um saldo da balança comercial superior a mil milhões de euros (1048), resultado da diferença entre as exportações (2782 milhões de euros) e as importações (1734 milhões de euros).

Valores que representam uma subida na ordem dos 4.2% face a 2022 - ano em que o concelho registou um volume de exportações de 2616 milhões de euros – e que contrariam o contexto nacional marcado pela descida das exportações.

Nota ainda para a diminuição das importações no concelho - em 2022, Famalicão registou 1789 milhões de euros – e para o facto de Famalicão continuar a ser o segundo concelho do país que mais contribui para o saldo da balança comercial nacional.

O autarca famalicense fala em “números que orgulham, que reforçam a posição do concelho enquanto motor de desenvolvimento do país e que dão ainda mais força ao título que ostentamos neste ano de 2024 de Região Empreendedora Europeia”.

“Somos um território fértil que cresce a cada ano que passa com a força das nossas gentes e dos nossos agentes económicos, mas que cresce também com as políticas de apoio à atividade empresarial e empreendedorismo promovidas pela autarquia”, acrescenta Mário Passos.

FAMALICÃO: REDE DE ACADEMIAS SENIORES CHEGA A REQUIÃO

DSC_3867.jpg

Órgãos sociais da 11.ª academia da rede tomaram posse no passado sábado

Nasceu em Requião a décima primeira Academia Sénior do concelho de Vila Nova de Famalicão.

A nova estrutura do programa dinamizado pela Câmara Municipal foi apresentada no passado dia 10 de fevereiro sob o olhar atento do presidente da autarquia, Mário Passos.

A Academia Sénior de Requião surge também alinhada com aqueles que são os objetivos da criação desta rede de academias seniores no concelho enquanto plataforma de sociabilização dos seniores famalicenses.

“Foi um dia particularmente gratificante para mim”, disse a propósito o autarca famalicense que apadrinhou a “tomada de posse de uma equipa que tem tudo para proporcionar mais qualidade de vida aos seniores requionenses”.

Mário Passos disse ainda acreditar no potencial desta rede, que tem mexido com a vida dos seniores do concelho. “Este é um projeto em que acredito muito. A rede de Academias Seniores está a gerar sorrisos nos nossos seniores e isso não tem preço”, acrescentou.

Refira-se que o programa das Academias Seniores, dinamizado pelo Município de Vila Nova Famalicão, visa a melhoria da qualidade de vida da população sénior famalicense, a promoção do envelhecimento ativo e o combate à exclusão social e ao isolamento, através de práticas de aprendizagem e de sociabilização.

Para além da recém criada Academia Sénior de Requião, integram ainda esta rede a Academia Sénior de Carreira e Bente, a Academia Sénior de Gavião, a Academia Sénior de Gondifelos, a Academia Sénior de Joane, a Academia Sénior de Nine, a Academia Sénior de Oliveira Santa Maria, a Academia Sénior de Pedome, a Academia Sénior de Riba de Ave, a Academia Sénior TUSEFA e a Academia Sénior de Vila Nova de Famalicão.

DSC_3987.jpg

FAMALICÃO EXIBE DOCUMENTÁRIO SOBRE VILARINHO DA FURNA

424638648_1069761997402307_915570386128799530_n (1).jpg

VILARINHO DAS FURNAS + A Invenção do Amor de António Campos, quinta-feira, 15 de Fevereiro na Casa das Artes de Famalicão

Uma aldeia perdida no sopé da serra Amarela, Gerês, e a sua vivência comunitária, das raras experiências integrais que ainda restam em território português do comunitarismo agro-pastoril, serão destruídas pelas águas represadas de uma grande barragem «estratégica».

A integração será difícil, mas conseguida por fim, e Campos regista as derradeiras tarefas, como a última apanha do milho, a última procissão, a manutenção sem esperanças dos últimos diques tradicionais.

O documentário foi nomeado para o Prémio da Crítica no Festival Internacional de Cinema de Cannes em 1972. Em complemento será exibida a curta-metragem de António Campos “A Invenção do Amor” (1965, 25 min):

Em todas as esquinas da cidade, nas paredes dos bares à porta dos edifícios públicos, nas janelas dos autocarros, mesmo naquele muro arruinado por entre anúncios de aparelhos de rádio e detergentes, na vitrina da pequena loja onde não entra ninguém, no átrio da estação de caminhos de ferro, que foi o lar da nossa esperança de fuga, um cartaz denuncia o nosso amor.

Cópia digitalizada pela Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema no âmbito do projecto FILMar, integrado no Mecanismo Europeu de Financiamento EEA Grants 2020-2024.

Fonte: Cineclube de Joane

424729768_1069761834068990_8230494288617615850_n.jpg

424949319_1069761934068980_5423773046316036806_n.jpg

FAMALICÃO: TEATRO NARCISO FERREIRA GANHA NOVOS ACESSOS, MAIS ESTACIONAMENTO E NOVO ESPAÇO PARA ESPETÁCULOS

AFS_2666.jpg

Obra ficará concluída neste Verão

Arrancam na próxima segunda-feira, dia 20 de fevereiro, os trabalhos de construção dos novos acessos e arranjos exteriores ao Teatro Narciso Ferreira, em Riba de Ave.

A empreitada, promovida pela autarquia famalicense, resulta de um investimento municipal de cerca de 195 mil euros e implicará a construção de novos arruamentos de acesso às traseiras do Teatro Narciso Ferreira, um espaço para estacionamento com capacidade para 41 viaturas e um novo espaço destinado à realização de espetáculos no exterior do Teatro.

A cerimónia de assinatura do auto de consignação da obra aconteceu na passada segunda-feira, dia 12, nos Paços do Concelho.

Mário Passos fala numa obra “que vai qualificar o espaço e toda a envolvente ao Teatro Narciso Ferreira”. O autarca famalicense lembra ainda outras intervenções que estão projetadas para esta zona central da vila de Riba de Ave, nomeadamente junto à antiga fábrica da Sampaio e Ferreira. “Acredito que, no seu conjunto, estas obras vão requalificar e tornar ainda mais atrativa esta zona”, acrescentou.

A empreitada será executada ao longo dos próximos meses, estando prevista para o Verão a sua conclusão.

AFS_2646.jpg

CDU FAZ CAMPANHA NO DISTRITO DE BRAGA

Sandra Cardoso e João Pimenta Lopes cumprem programa em Braga, Guimarães, Famalicão e Barcelos

Sandra Cardoso, 1ª candidata pelo Círculo de Braga, e João Pimenta Lopes, deputado ao Parlamento Europeu, nos dias de amanhã, 15 Fev, e 6ªf, 16 Fevereiro, cumprirão o seguinte programa em passado por diversos concelhos da região:

5ªf, 15 Fevereiro

9h30 - Reunião com Hospital de Barcelos
10h30 - Tribuna Pública Em defesa novo hospital em Barcelos, no Largo da Porta Nova
13h15 -  contacto com trabalhadores da empresa Coiundu, em Famalicão
15h - Visita Associação de Reformados de Guimarães
16h50 - contacto com trabalhadores da empresa Leonis Fermentões, em Guimarães
21h15 - Encontro com colectivo Pais em Luta, na JF S. Vicente, em Braga

6ªf, 16 Fevereiro

8h - Acção Pública em defesa do SNS e pelo investimento no Hospital de Braga, na entrada do hospital

10h - Feira e mercado de Guimarães
15h -  contacto com trabalhadores da empresa Leica, em Famalicão
17h -  contacto com população e comerciantes no Centro de Famalicão

BRAGA: CDU DEFENDE DIREITO DOS TRABALHADORES TÊXTEIS AO GOZO DO FERIADO DE CARNAVAL E O FIM DA CADUCIDADE DA CONTRATAÇÃO COLECTIVA

riopele_0.jpg

O gozo do feriado de Carnaval, terça-feira, é um direito de todos os trabalhadores do sector têxtil, vestuário e calçado, sem terem de reduzir o seu salário, utilizar um dia de férias, ou compensar em horas.

No entanto, alguns patrões pretendem impedir os trabalhadores de usufruírem do gozo do feriado, outros dizem que é um dia de férias, outros ainda exigem a compensação em horas. São atitudes condenáveis.

A Riopele, em Famalicão, é uma delas. Apesar de ter facturado em 2023 cerca de 97 milhões € alcançados com o esforço dos seus 1200 trabalhadores, desrespeita este direito que esteve consagrado na contratação colectiva.

Por isso, uma delegação da CDU com Sandra Cardoso, 1ª candidata pelo Círculo de Braga, Fernando Costa, candidato à AR, e outros activistas, esteve à porta da empresa em contacto com os trabalhadores.

A CDU manifestou a sua solidariedade com estes trabalhadores que reclamam o direito ao gozo do feriado de Carnaval e defendeu que a contratação colectiva é um meio através do qual se impede a imposição unilateral da vontade do patrão nas relações do trabalho. É um instrumento indispensável para uma melhor distribuição da riqueza. Fixa salários, diuturnidades, pagamento de trabalho suplementar e nocturno, subsídio de turno, pausas, descanso suplementar, majoração de dias de férias. Contém regulação e regulamentação do horário de trabalho e sua organização, do trabalho nocturno, das categorias profissionais, dos conteúdos funcionais, entre outros aspectos das relações de trabalho.

A contratação colectiva garante direitos acima do que está previsto no Código do Trabalho, mais favoráveis aos trabalhadores. Por tudo isto, impõe-se acabar com a caducidade. Garantir que um contrato é substituído por outro livremente negociado. Como urge também repor o princípio do tratamento mais favorável ao trabalhador.

riopele_1.jpg

riopele_2.jpg

FAMALICÃO ADERE A REDE IBERO-AMERICANA DEDICADA AO DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGICO URBANO

Paços_Concelho_Famalicão.JPG

Adesão ao CIDEU foi aprovada na última reunião do executivo municipal

Famalicão vai integrar uma rede ibero-americana constituída por 150 entidades, entre instituições e governos locais, dedicada ao desenvolvimento estratégico urbano. A adesão do município ao Centro Ibero-Americano de Desenvolvimento Estratégico Urbano (CIDEU) foi aprovada na passada quinta-feira, em reunião do executivo municipal.

O CIDEU é um Laboratório de Estratégias Urbanas que surgiu em 1993. É formado por mais de 150 entidades parceiras, provenientes de 22 países localizados na Península Ibérica e na América do Norte, Central e Sul, das quais se destacam cidades como Buenos Aires, Santiago do Chile, Bogotá, Brasília e Barcelona.

Trata-se do único programa de cooperação das Cúpulas Ibero-Americanas de Chefes de Estado e de Governo dedicado ao desenvolvimento urbano e tem como finalidade promover uma forma estratégica de pensar os processos de conceção e gestão dos projetos urbanos, para alcançar o desenvolvimento sustentável das cidades ibero-americanas.

Famalicão será a segunda cidade portuguesa a juntar-se a esta rede, além de Coimbra.

Através do CIDEU, o município famalicense terá acesso a formação e cooperação técnica internacional, beneficiando da partilha de aprendizagens, projetos e experiências, formação em estratégias urbanas e em construção de pensamento estratégico e de assistência técnica e cooperação para o desenvolvimento de metodologias e projetos inovadores.

Recorde-se que a autarquia famalicense definiu uma Estratégia de Diplomacia Urbana para a Internacionalização de Vila Nova de Famalicão – Famalicão Alliance, assente na integração e participação do território em redes internacionais de cooperação, promovendo a comunicação da identidade de Famalicão além-fronteiras, um desígnio que tem sido reforçado com o desenvolvimento de parcerias estratégicas internacionais, como é o caso da adesão ao CIDEU.

FAMALICÃO LANÇA BOLSA DE TALENTO JOVEM

Apoio municipal por projeto pode ir até aos 1500 euros

Já estão abertas as candidaturas à Bolsa de Talento Jovem, programa promovido pelo município de Vila Nova de Famalicão de incentivo à promoção do talento juvenil e de promoção do concelho como um território de talento e inovação.

O programa tem por objetivo apoiar, até ao montante máximo de 1500 euros, a implementação de projetos com impacto direto no território de desenvolvimento do talento dos jovens famalicenses, em diversas áreas como o ambiente, cultura, arquitetura, ciência, tecnologia, ciências sociais, artes, saúde.

O vereador da Economia e Empreendedorismo do município, Augusto Lima, fala “num apoio financeiro que serve, numa primeira fase, de estímulo à valorização de aprendizagens, à experimentação e à capacitação dos jovens famalicenses, e numa segunda fase, de retribuição à comunidade trazendo o conhecimento adquirido para o território”.

Os destinatários desta medida são os jovens entre os 16 e os 35 anos, a residir e/ou a estudar no concelho de Famalicão há, pelo menos, 3 anos.

Os projetos a submissão, a título individual, deverão incluir uma atividade ou um conjunto de atividades relacionadas, a desenvolver preferencialmente fora do concelho, no contexto nacional ou internacional.

Proporcionar aos jovens a descoberta e desenvolvimento do seu potencial criativo e inovador, através da experimentação, identificação, conhecimento e estímulo do seu talento; sensibilizar os jovens para a importância do desenvolvimento das suas competências pessoais, vocacionais e sociais e projetar nacional e internacionalmente a imagem de Vila Nova de Famalicão como território de talento e inovação são os principais objetivos deste programa lançado pela autarquia.

A dotação orçamental do município para este programa é de 15 mil euros, sendo que cada projeto não pode auferir mais de 1500 euros.

O regulamento, candidaturas e formulários do programa são disponibilizados online no Portal do Famalicão Made IN, em www.famalicaomadein.pt, e no Portal da Juventude do Município, em www.juventudedefamalicao.org

cartaz-bolsas-de-talento-jovem_A3.jpg