Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

VILA NOVA DE CERVEIRA: SILÊNCIO QUE SE VAI CANTAR O FADO!

Noites de Fado’21: Dois fins-de-semana, quatro fadistas, quatro concertos

Marco Rodrigues, Katia Guerreiro, Sara Correia e Aldina Duarte são os convidados da edição 2021 das ‘Noites de Fado’ de Vila Nova de Cerveira. Reserve na agenda as noites de 6, 7, 13 e 14 de agosto. Bilhetes disponíveis na Loja Interativa de Turismo, no website da Eurocidade Cerveira-Tomiño ou no próprio dia no local.

PAGINA CONCERTOS.jpg

A homenagem ao fado num registo intimista com o público volta a subir ao palco da ‘Vila das Artes’, num cenário obrigatoriamente diferente devido aos condicionalismos provocados pela Covid-19, mas um sucesso já comprovado após a realização dos concertos do Cerveira Acústica’ 21. Após reflexão e alcançados os pareceres favoráveis dos técnicos e de saúde pública, o Centro Municipal de Atletismo afigurou-se como a escolha mais correta, tendo em conta a dimensão do espaço e o facto de acolher quase 1000 pessoas, além de garantir todas as condições de segurança necessárias.

Os concertos iniciam às 22h00, com as portas do recinto a abrirem às 20h30. Os bilhetes encontram-se à venda na Loja Interativa de Turismo, na Plataforma Eurocidade Online ( https://eurocidadeonline.cm-vncerveira.pt/#/home ) e no próprio dia no local dos concertos com um preço de 7€, havendo ainda a possibilidade de packs para os quatro concertos, a 20€.

06 Agosto \ Sexta-feira - CONCERTO COM MARCO RODRIGUES

Marco Rodrigues apresenta ao vivo “Copo Meio Cheio”, o seu novo disco, sucessor de “Fados do Fado”, nomeado para um Grammy Latino. Com produção de Tiago Machado, “Copo Meio Cheio” não é um disco de fado, é um disco de Marco Rodrigues, onde a sua identidade e a sua incrível capacidade interpretativa se encontram mais definidas do que nunca. Em palco, acompanhado por um irrepreensível trio de fado e um set de bateria e percussão, Marco Rodrigues apresentará para além de alguns temas de “Copo Meio Cheio”, muitos dos sucessos que marcaram a sua carreira, como “Homem do Saldanha” e “Rosinha dos Limões” e alguns fados tradicionais incontornáveis.

07 Agosto \ Sábado - CONCERTO COM KATIA GUERREIRO

Produzido por José Mário Branco e gravado, entre abril e maio de 2018, o novo disco de Katia Guerreiro chama-se “Sempre” e conta com a participação dos seus músicos, companheiros de tantas viagens e aventuras pelo mundo fora naquela que é a sua principal missão e, com o seu fado, representar a música, a poesia e a alma portuguesa. A par de dois ou três temas que se podem considerar Fado Canção, na sua grande maioria o reportório deste disco parte das composições mais tradicionais do Fado. Este disco, por tudo o que tem ao seu redor, marca uma mudança na carreira de Katia, mas quando se é fadista uma vez é-se fadista sempre e cada vez mais.

13 Agosto \ Sexta-feira - CONCERTO COM SARA CORREIA

Em Portugal, a crítica celebrou a estreia de Sara Correia, e aplaudiram unanimemente aquela a quem chamaram a “grande voz da nova geração”. O álbum “Sara Correia” valeu-lhe, em 2019, duas nomeações na primeira edição dos prémios Play, os Prémios da Música Portuguesa, o Prémio Revelação da Rádio Festival. Neste momento, Sara Correia apresenta ao vivo o muito aclamado novo álbum “Do Coração”. Com o fado tradicional onde imprime o seu poder como ninguém, conviverão temas escritos e compostos para a sua voz, tornando-os Fados.

14 Agosto \ Sábado - CONCERTO COM ALDINA DUARTE

Aldina Duarte apresenta o seu mais recente trabalho “Roubados” ao vivo. Tal como acontece no disco, Aldina Duarte cria as suas novas versões a partir de originais por si “roubados” que diz serem insuperáveis; arrisca e ousa todas as alterações de modo a trazê-los para a singular autenticidade fadista, numa busca de verdade que é uma constante nas suas interpretações, recorrendo ao jogo rítmico na divisão dos versos, que sempre a fascinou, usando e abusando até do contratempo (o chamado “roubado” na gíria musical dos fadistas), relevando a música das palavras no seu sentido e na sua poesia, afirmando a sua visão destas histórias cantadas. O espetáculo integra ainda os fados que marcam o percurso de mais de 25 anos de Aldina Duarte no Fado.

VILA VERDE: GUIDA FERNANDES PARTICIPA NO PROGRAMA "AMANTES DO FADO"

A vilaverdense Guida Fernandes é  a convidada do programa “Amantes do Fado” que decorre no dia 3 de Dezembro no Famalicão canal, via www.facebook.com/famalicaocomunicacaosocial/, às 21 horas. — anunciou a fadista.

GUIDA Fernandes.jpg

Uma voz, uma guitarra, um xaile e muito sentimento, assim se caracteriza o fado, esta jovem fadista.

Guida Fernandes tem 31 anos e canta o fado desde os 16 anos, recebendo aulas de canto, para melhorar a sua perfomance, na Escola de Música de Prado há quatro anos.

A jovem fadista vilaverdense está também inscrita no I Festival Berço ao Fado, organizado pela Associação Guimarães Fado, tendo vencido a primeira fase do concurso e está a um passo da final que se realiza em Março. Para saber mais leia www.facebook.com/Fado-ao-Ber%C3%A7o-135340151292908.

Guida Fernandes dedicou-se ao fado quando, o diretor da escola de musica de vila de prado a acompanhou num evento musical e achou que ela devia levar o fado mais a sério. Desde aí participou em concursos e eventos ligados ao fado.  

Face a este incentivo, Guida Fernandes começou a estudar canto na Escola de Música de Prado para aprimorar os fados de Amália que escutava quando era criança, em casa, na freguesia de Parada de Gatim, onde os pais tinham um velho gravador de bobinas com muitos fados clássicos de Lisboa.

AMÁLIA RODRIGUES NASCEU HÁ 100 ANOS!

PT-TT-DME-AF-001-5125-005_m0001_derivada.jpg

HAVEMOS DE IR A VIANA

Entre sombras misteriosas
Em rompendo ao longe estrelas
Trocaremos nossas rosas
Para depois esquecê-las

Se o meu sangue não me engana
Como engana a fantasia
Havemos de ir a Viana
Ó meu amor de algum dia
Ó meu amor de algum dia
Havemos de ir a Viana
Se o meu sangue não me engana
Havemos de ir a Viana

Partamos de flor ao peito
Que o amor é como o vento
Quem pára perde-lhe o jeito
E morre a todo o momento

Se o meu sangue não me engana
Como engana a fantasia
Havemos de ir a Viana
Ó meu amor de algum dia
Ó meu amor de algum dia
Havemos de ir a viana
Se o meu sangue não me engana
Havemos de ir a Viana

Ciganos, verdes ciganos
Deixai-me com esta crença
Os pecados têm vinte anos
Os remorsos têm oitenta

Composição: Alain Oulman / Pedro Homem de Mello.

83537674_3952934038081932_7395082761271846220_o.jpg

"BEM-VINDA SEJAS AMÁLIA" A VIANA DO CASTELO!

Exposição “Bem-Vinda Sejas Amália” celebra o centenário da artista em Viana do Castelo

Museu do Traje acolhe a mostra entre 23 de Julho e 30 de Agosto

“Bem-Vinda Sejas Amália”, exposição de homenagem a Amália Rodrigues, inaugura no dia 23 de Julho, às 17h30, no Museu do Traje, em Viana do Castelo. Produzida pela Fundação Amália para celebrar o centenário do nascimento de uma das mais importantes figuras da cultura portuguesa do último século, esta mostra itinerante dá a conhecer aos portugueses, de norte a sul, a singularidade de Amália enquanto mulher e artista. Cosmopolita – presença assídua nas mais importantes salas de espectáculo do mundo – e popular no convívio com aqueles que a pretendiam conhecer.

Fotografia 12amaliaviana.jpg

Desenvolvida em quatro módulos, “Bem-Vinda Sejas Amália” dá a conhecer as diversas facetas de Amália. Do eco do sucesso mundial, pelo seu vanguardismo e arrojo artístico, ao recato do seu camarim, não esquecendo as curiosidades menos conhecidas da sua carreira.

A exposição em Viana do Castelo integra o icónico traje de Mordoma que Amália usou nas festas da Senhora da Agonia, em 1998, e que pertence ao Museu do Traje.

Esta iniciativa, patrocinada pela Delta Cafés, está incluída no programa nacional de Comemorações do Centenário do Nascimento de Amália que conta com o Alto Patrocínio do Presidente da República.  

“Delta e Amália são duas marcas que despertam Portugal para a humanidade das emoções, mas também para a intensidade de fazermos com paixão tudo o que mundo espera de nós. E é por isto que a Delta Cafés mantendo a sua tradição de enaltecer e promover a cultura portuguesa não poderia deixar de estar presente numa iniciativa como esta. Pretendemos através da nossa presença recordar a vida e obra de uma das maiores personagens da história do Fado, Amália Rodrigues.”, sublinha Rui Miguel Nabeiro, Administrador do Grupo Nabeiro – Delta Cafés.

“Bem-Vinda Sejas Amália” inaugurou em Braga, passou pela Maia e tem já agendadas  apresentações no Fundão, Odemira, Ourém, Alter-do-Chão, Lagoa, Crato, Portimão, Barcelos, Alcochete, entre outros municípios.   

Sobre a Fundação Amália Rodrigues

Instituída por testamento, a Fundação Amália Rodrigues é uma entidade sem fins lucrativos, de solidariedade e utilidade pública que tem por missão apoiar e contribuir para a inclusão social dos mais desfavorecidos. A Fundação é detentora dos direitos de nome e imagem de Amália Rodrigues e gere a Casa Museu Amália Rodrigues, aberta ao público desde 2001 e a Herdade do Brejão. 

Sobre o Grupo Nabeiro - Delta Cafés

O Grupo Nabeiro - Delta Cafés, líder no seu segmento em Portugal, com mais de 50 anos de história, está atualmente presente em mais de 35 países, espalhados por cinco continentes, estando presente em Espanha, França, Luxemburgo, Angola (Angonabeiro), Suíça, China e Brasil, enquanto que, em outros países, o modelo de negócio baseia-se em parcerias com Distribuidores locais. Com sede em Campo Maior conta com mais de 3.000 colaboradores. O Grupo durante as várias décadas garantiu sempre o seu desenvolvimento e expansão através da inovação, aposta numa forte rede comercial, acompanhando as necessidades dos seus consumidores, nos diferentes mercados. Pretende-se continuar a reforçar a liderança e abertura a novos mercados, pensando globalmente e agindo localmente.

Cartaz Viana do Castelo Final.jpg

AMÁLIA RODRIGUES NASCEU HÁ 100 ANOS!

PT-TT-FLA-SF-001-5640-081_m0001_derivada.jpg

Foto: ANTT

 

A MINHA TERRA É VIANA

 

A minha terra é Viana

Sou do monte e sou do mar

Só dou o nome de terra

Onde o da minha chegar

Ó minha terra vestida

De cor de folha de rosa

Ó brancos saios de Perre

Vermelhinhos de Areosa

 

Virei costas à Galiza

Voltei-me antes para o mar

Santa Marta saias negras

Tem vidrilhos de luar

 

Dancei a gota em Carreço

O Verde Gaio em Afife

Dancei-o devagarinho

Como a lei manda bailar

Como a lei manda bailar

Dancei em a Tirana

E dancei em todo o Minho

E quem diz Minho diz Viana

 

Virei costas à Galiza

Voltei-me então para o sol

Santa Marta saias verdes

Deram-lhe o nome de azul

 

A minha terra é Viana

São estas ruas estreitas

São os navios que partem

E são as pedras que ficam

É este sol que me abrasa

Este amor que não engana

Estas sombras que me assustam

A minha terra é Viana

 

Virei costas à Galiza

Pus-me a remar contra o vento

Santa Marta saias rubras

Da cor do meu pensamento

 

Composição: Pedro Home De Mello / Alain Oulman

BRAGA RECEBE MOSTRA SOBRE AMÁLIA RODRIGUES

Mostra vai percorrer Portugal de Norte a Sul. Exposição “Bem-Vinda Sejas Amália” celebra o centenário da artista

  • Braga acolhe inauguração da mostra no dia 8 de Março, às 17h00, na Casa dos Crivos

A partir do mês de Março, a exposição itinerante “Bem-Vinda Sejas Amália” inicia um périplo pelo país. Produzida pela Fundação Amália para celebrar o centenário do nascimento de uma das mais importantes figuras da cultura portuguesa do último século, esta exposição dá a conhecer aos portugueses, de norte a sul, a singularidade de Amália enquanto mulher e artista. Cosmopolita – presença assídua nas mais importantes salas de espectáculo do mundo – e sensível, no campo a colher flores silvestres.

Fotografia 12amalia.jpg

A mostra desenvolve-se em quatro módulos, mostrando as diversas facetas de Amália. Do eco do sucesso mundial que nem sempre chegou a Portugal, pelo seu vanguardismo e arrojo artístico, ao recato do seu camarim. Não esquecendo as curiosidades menos conhecidas da sua carreira.

A exposição, patrocinada pela Delta Cafés, integra o programa nacional de Comemorações do Centenário do Nascimento de Amália que conta com o Alto Patrocínio do Presidente da República. 

“Delta e Amália são duas marcas que despertam Portugal para a humanidade das emoções, mas também para a intensidade de fazermos com paixão tudo o que mundo espera de nós. E é por isto que a Delta Cafés mantendo a sua tradição de enaltecer e promover a cultura portuguesa não poderia deixar de estar presente numa iniciativa como esta. Pretendemos através da nossa presença recordar a vida e obra de uma das maiores personagens da história do Fado, Amália Rodrigues.”, sublinha Rui Miguel Nabeiro, Administrador do Grupo Nabeiro – Delta Cafés.

A Casa dos Crivos, em Braga, recebe a partir de 8 de Março a primeira etapa do périplo que vai levar Amália a todo o país. “Bem-Vinda Sejas Amália” simbolicamente reproduz o cartaz com que os populares do Brejão a recebiam no seu refúgio de férias.

Municípios já confirmados:

Braga - de 08/03/2020 a 29/03/2020
Maia - de 10/03/2020 a 12/04/2020
Lagoa - de 04/04/2020 a 28/04/2020
Crato - de 14/04/2020 a 02/05/2020
Silves - de 18/04/2020 a 12/05/2020

Fornos de Algodres - de 01/05/2020 a 31/05/2020
Barcelos - de 08/05/2020 a 31/05/2020
Mirandela - 16/05/2020 a 24/05/2020
Vila do Conde - de 08/06/2020 a 27/06/2020
Alcochete - de 03/07/2020 a 31/07/2020
Cascais - de 23/07/2020 a 23/08/2020

Ourém - de 14/08/2020 a 05/09/2020
Odemira - de 21/09/2020 a 10/10/2020
Loulé - de 01/10/2020 a 31/10/2020
Alter do Chão - de 17/10/2020 a 07/11/2020
Vila Nova de Famalicão - de 01/11/2020 a 31/11/2020

Alcácer do Sal - de 27/11/2020 a 18/12/2020

Sobre a Fundação Amália Rodrigues

Instituída por testamento, a Fundação Amália Rodrigues é uma entidade sem fins lucrativos, de solidariedade e utilidade pública que tem por missão apoiar e contribuir para a inclusão social dos mais desfavorecidos. A Fundação é detentora dos direitos de nome e imagem de Amália Rodrigues e gere a Casa Museu Amália Rodrigues, aberta ao público desde 2001 e a Herdade do Brejão.

Sobre o Grupo Nabeiro - Delta Cafés

O Grupo Nabeiro - Delta Cafés, líder no seu segmento em Portugal, com mais de 50 anos de história, está atualmente presente em mais de 35 países, espalhados por cinco continentes, estando presente em Espanha, França, Luxemburgo, Angola (Angonabeiro), Suíça, China e Brasil, enquanto que, em outros países, o modelo de negócio baseia-se em parcerias com Distribuidores locais. Com sede em Campo Maior conta com mais de 3.000 colaboradores. O Grupo durante as várias décadas garantiu sempre o seu desenvolvimento e expansão através da inovação, aposta numa forte rede comercial, acompanhando as necessidades dos seus consumidores, nos diferentes mercados. Pretende-se continuar a reforçar a liderança e abertura a novos mercados, pensando globalmente e agindo localmente.

Capturarcartazamalia.PNG

ONDE ESTÁ O MALOUF?

O malouf é um género musical originário da Península Ibérica que a Tunísia adotou a partir do século XV.

BTL-2015 012

O malouf tem as suas raízes no Al Andaluz, concretamente no território atual de Portugal e Espanha, sendo aparentado com o malouf da Líbia, o Gharnati da Argélia e o Andalusi, de Marrocos.

A sua transferência para o norte de África e consequente declínio do seu uso na Península Ibérica deveu-se naturalmente à reconquista cristã, não sendo contudo inteiramente estranhas à música portuguesa algumas das suas sonoridades.

Com efeito, ao contrário do que por vezes se afirma, o malouf poderá não ter desaparecido por completo entre nós mas antes misturado-se com outros géneros musicais, como sucede com o fado ou outras expressões da música tradicional. Trata-se, na realidade, um tema a analisar mais profundamente pelos musicólogos e historiadores da música.

BTL-2015 014

FADO E FOLCLORE: O QUE TEM A IMAGEM DE ERRADO?

ece71739a53bf9f79c007d8b5a7208a9.jpg

Na imagem temos uma guitarra que, salvo melhor opinião, era desconhecida no Alto Minho... seria o mesmo que levar um alentejano a tocar a viola braguesa ou um açoreano a viola campaniça. Claro que muitos grupos folclóricos até já deixaram de utilizar instrumentos tradicionais o que, entre outros aspectos, não releva a tradição artesanal e não reproduz fielmente a sonoridade... por conseguinte, as duas personagens não combinam!

“FADO VIOLADO” ARRANCA TEMPORADA DO ALL MUSIC FEST, EM MELGAÇO

Cinco propostas musicais, para todos os gostos!

O All Music Fest está de regresso a Melgaço: até maio, o Destino de Natureza Mais Radical de Portugal recebe cinco concertos musicais. O duo português “Fado Violado” abre a temporada dos espetáculos no dia 18 de janeiro, pelas 22h00, na Casa da Cultura.

AMF20_horizontal.jpg

A iniciativa enquadra-se no programa cultural do Município e leva ao concelho um concerto por mês, com propostas para todos os gostos: flamenco e fado, pop, música tradicional e eletrónica, covers e mistura de influências de música latino americana, espanhola, francesa, entre outras.

Fado Violado - 18 de janeiro

Capitão Fausto - 28 de fevereiro

OMIRI - 6 de março

Melgaço Canta Liberdade - 25 de abril

Txiribiti - 16 de maio

O evento arrancou em 2018. Desde então várias bandas e géneros musicais passaram pela Casa da Cultura, nomeadamente Manuel Fúria, Few Fingers, Hourglass, TT Syndicate, Lince, Zurich Dada, Torcido, Noiserv e Hot Air Balloon.

Os bilhetes poderão ser adquiridos na Ticketline ou na Casa da Cultura.

Post_Face (1).jpg

AMF20_cartaz (1).png

RICARDO RIBEIRO CANTA NO FESTIVAL DE FADO DE FAMALICÃO

Fadista atua esta sexta-feira na Casa das Artes, no segundo dia do certame

Ricardo Ribeiro, um dos mais destacados nomes da nova geração do Fado português, é o grande convidado da sexta edição do Festival de Fado de Famalicão que se realiza esta quinta e sexta-feira, no Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão.

Ricardo R_76-Copyright-AdrianoFagundes.jpg

O fadista português sobe ao palco do grande auditório do espaço cultural famalicense no segundo dia do evento, esta sexta-feira, dia 22, num concerto de apresentação do seu novo disco – “Respeitosa Mente”. Um projeto totalmente novo e inédito, diferente daquilo a que o artista nos tem vindo a habituar.

Criado em conjunto com o pianista João Paulo Esteves da Silva e o percussionista norte-americano Jarrod Cagwin, o novo trabalho de Ricardo Ribeiro alcançou a segunda posição do top nacional de vendas, na primeira semana do seu lançamento.

O músico fala “numa nova experiência musical” que tem como base a poesia de vários autores, na sua maioria portugueses, com a “mesma voz, a mesma força e paixão”.

Já a primeira noite do festival, na quinta-feira, dia 21, ficará marcada pelo lançamento de novas vozes do Fado com a grande final do Concurso de Fado Amador, que para além da atuação dos 10 finalistas da iniciativa contará ainda com a atuação da fadista Helena Sarmento.

Aos três primeiros classificados do concurso promovido pela autarquia famalicense serão entregues prémios no valor de 300, 150 e 100 euros. O júri é composto pelo diretor da Casa das Artes, Álvaro Santos, e pelos fadistas famalicenses Patrícia Costa e Joaquim Macedo.

A final do Concurso de Fado Amador decorrerá no Foyer da Casa das Artes, a partir das 21h30, com entrada livre. A atuação do fadista Ricardo Ribeiro, no dia 22, decorrerá no grande auditório, às 21h30. A entrada tem o custo de 15 euros, reduzindo para metade para estudantes e portadores do Cartão Quadrilátero Cultural.

VILAVERDENSES VÃO AOS FADOS AO SABOR DA NOSSA GASTRONOMIA

Restaurante Luena homenageia a ‘alma lusitana’ no Jantar com Fado e Ementa Tradicional Portuguesa

O Restaurante Vila Luena, em Vila Verde, prepara-se para orquestrar um evento que junta dois símbolos da ‘alma lusitana’, o fado e a gastronomia. O Jantar com Fado e Ementa Tradicional Portuguesa vai decorrer amanhã, 16 de novembro, inserido na programação Na Rota das Colheitas, do Município de Vila Verde. A iniciativa tem sido um sucesso e, este ano, conta uma vez mais com a presença de um grupo de visitantes que chegam de Espanha, da Galiza.

rotcollhvv (1).jpg

Os convivas serão recebidos com uma ginjinha, a que se seguem entradas diversificadas e, depois, uma das grandes novidades da ementa: a Sopa de Perdiz à Pimenta. Para o prato principal, as opções são o Bacalhau com Broa ou a Posta Barrosã. Na mesa das sobremesas a oferta é muito variada com Pudim Abade de Priscos, doces típicos, fruta…

Depois, silêncio que se vai cantar o fado! Teresa Baixo e Isa de Castro, mãe e filha, são duas fadistas locais com vários espetáculos em Portugal e no estrangeiro. Preparam-se para ocupar o palco com uma cumplicidade ímpar aliada a um talento imenso para cativar a plateia do primeiro ao último tema.

Homenagear o Fado, Património Imaterial da Humanidade, e promover a gastronomia portuguesa e local são dois dos objetivos do evento, avança Deolinda Pimenta, do Restaurante Vila Luena. A iniciativa pretende também divulgar o concelho de Vila Verde e fomentar este intercâmbio com ‘nuestros hermanos’. “Eles vêm cá, nós também vamos lá [Galiza] a eventos culturais”, afirmou Deolinda Pimenta.

rotcollhvv (2).jpg

LUCÍLIA DO CARMO: UMA AMIGA DE PONTE DE LIMA

Lucília do Carmo nasceu há cem anos em Portalegre. De seu nome completo Lucília do Carmo Nunes de Ascensão – mãe do conceituado fadista Carlos do Carmo – estreou-se em 1937 como fadista no Café Mondego.

75231672_2789287377782718_1631754540715868160_n (2).jpg

Após a passagem por diversos palcos, contracenando inclusive com conceituados fadistas como Fernando Farinha, acabou por criar a sua própria casa de fados, a Adega da Lucília, situada na rua da Barroca, ao Bairro Alto, a qual viria a alterar o seu nome para Faia, uma das mais consagradas casas de fado de Lisboa.

“Travessa da Palha” foi um dos temas que Lucília do Carmo tornou mais populares através da sua interpretação. Mas, o que muitos dos nossos conterrâneos ignoram é o seu afecto às gentes minhotas, traduzido na sua presença constante na “Romaria Limiana” anualmente organizada pela Casa do Concelho de Ponte de Lima, iniciativa que tinha lugar no Parque Florestal de Monsanto, junto ao Estádio de Pina Manique.

Jamais esqueceremos a sua presença afectuosa junto às gentes minhotas – e aqui deixamos estas singelas palavras como preito de homenagem!

FAMALICÃO PROMOVE CONCURSO DE FADO AMADOR

Inscrições para o Concurso de Fado Amador até dia 29 de outubro

Estão abertas as inscrições para mais uma edição do Concurso de Fado Amador de Famalicão.

DSCF0758.jpg

Os interessados têm até ao dia 29 de outubro para se inscreverem para as audições do concurso, através do envio da ficha de inscrição, disponível em www.famalicao.pt, para o email cultura@famalicao.pt ou para o endereço Praça Álvaro Marques, 4764-502, Vila Nova de Famalicão, ou dirigindo-se presencialmente ao balcão de atendimento do Departamento da Cultura da autarquia.   

As audições estão marcadas para a próxima quarta-feira, 30 de outubro, às 18h00, na Casa das Artes.

A final do Concurso de Fado Amador decorrerá no dia 21 de novembro, pelas 21h30, no Café-Concerto do espaço cultural famalicense, no primeiro dia do Festival de Fado.

Ao primeiro classificado do concurso será atribuído um prémio monetário no valor de 300 euros e a possibilidade de atuar num dos principais eventos organizados pelo Município. Ao segundo e terceiro classificados serão atribuídos prémios monetários no valor de 150 e 100 euros, respetivamente.