Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

FALECEU A VIMARANENSE MARTA MENDES, RELIGIOSA DA ALIANÇA DE SANTA MARIA

A 17 de Maio, aos 35 anos de idade e na sequência de uma hemorragia cerebral ocorrida a 13 de Maio, faleceu a irmã Marta Mendes, religiosa da Aliança de Santa Maria, congregação com presença em Fátima desde há anos.

1614_irmarta_asm_2_5ec259aeebfd1.jpg

Nascida em Guimarães, a 29 de Outubro de 1984, a irmã Marta pertencia à Congregação da Aliança de Santa Maria, desde o dia 1 de Janeiro de 2006, tendo professado os seus votos perpétuos a 21 de Novembro de 2015, em Fátima.

Licenciada em Ciências Religiosas pela Universidade Católica Portuguesa, a irmã Marta encontrava-se a terminar o mestrado em Discernimento Vocacional e Acompanhamento Espiritual na Escola de Formadores de Salamanca.

A maior parte do seu serviço à Igreja foi orientado para o trabalho pastoral juvenil e vocacional da sua congregação nas dioceses onde residiu, nomeadamente, Aveiro, Lisboa e Leiria-Fátima. Actualmente, era Mestra de Noviças e fazia parte do Governo-Geral da Aliança de Santa Maria.

“Damos graças a Deus pelo dom que a Irmã Marta foi para a sua família, para a nossa Congregação, para a Igreja e para tantos e tantas que com ela se cruzaram e foram tocados pela sua vida. Estamos certas de que o testemunho do seu amor a Deus, o Amado do seu coração, continuará a iluminar a nossa caminhada de fé”, testemunham as irmãs da Aliança de Santa Maria, que agradecem “todos os gestos de presença amiga e de conforto na fé que nos têm chegado e que também nos sustentam nesta hora”.

Fotografia enviada pela congregação ASM / Fonte: https://www.noticiasdefatima.pt/

REITOR DO SANTUÁRIO DE FÁTIMA APELA AOS PEREGRINOS PARA NÃO SE DESLOCAREM ATÉ AO SANTUÁRIO

"Este é um momento doloroso: o Santuário existe para acolher os peregrinos e não o podermos fazer é motivo de grande tristeza"

12 e 13 de maio devem ser vividos em casa, num clima de oração

Pela primeira vez na sua história o Santuário de Fátima vai celebrar os dias 12 e 13 de maio sem peregrinos nos seus espaços, na sequência das decisões sanitárias impostas pelas autoridades por causa da pandemia provocada pela Covid-19.

IMG_0332.jpg

“Este é um momento doloroso: o Santuário existe para acolher os peregrinos e não o podermos fazer é motivo de grande tristeza; mas esta decisão é igualmente um ato de responsabilidade para com os peregrinos, defendendo a sua saúde e o seu bem-estar”, refere o reitor do Santuário de Fátima numa mensagem dirigida a todos os peregrinos.

"Tomar agora esta decisão dolorosa significa procurar criar condições para podermos retomar, o mais rapidamente possível, as peregrinações a este lugar”, sublinha.

O padre Carlos Cabecinhas deixa mesmo um apelo a todos quantos, ano após ano, se dirigem a Fátima, ou que este ano tinham a intenção de o fazer.

“Neste maio, pedimos-vos que não venhais nos dias 12 e 13, mas que façais esta peregrinação pelo coração e que acompanheis a transmissão das celebrações através dos meios de comunicação social, da internet e das redes sociais”, interpela o reitor.

As celebrações decorrerão no Recinto, que estará encerrado devido às regras sanitárias definidas pelo Governo no contexto da declaração do Estado de Calamidade pública, em articulação com a Conferência Episcopal Portuguesa e que impedem as celebrações religiosas com a presença de fiéis.

Para suprir esta impossibilidade de deslocação dos peregrinos à Cova da Iria, o reitor do Santuário desafia-os a fazerem um caminho espiritual a partir de uma proposta concreta de oração para cada dia, que pode ser encontrada no site do Santuário em www.fatima.pt e nas redes sociais do santuário, a partir desta segunda feira à tarde e, diariamente, até dia 13 de maio.

“Não podemos contar com a vossa presença física, mas gostaríamos de poder contar convosco. Porque não se peregrina só com os pés, mas também com o coração, propomos-vos que façais connosco uma peregrinação pelo coração: uma peregrinação por etapas, do dia 4 ao dia 13; uma peregrinação em que o caminho não é físico, mas interior”, afirma o padre Carlos Cabecinhas, desafiando os peregrinos a acenderem, todos os dias, nas janelas de suas casas, uma vela, um dos actos mais icónicos de Fátima.

“Que, em cada dia, cada um faça um momento de reflexão e oração, de acordo com as propostas que disponibilizaremos; e que, em cada noite, acenda à janela uma vela, até à procissão de velas do dia 12. Faremos, assim, uma bela procissão de velas, difundida por todos os lugares onde viveis e vos encontrais”.

Na mensagem o reitor cumprimenta ainda os vários grupos de peregrinos que tiveram de cancelar a peregrinação a Fátima neste mês de maio, cerca de três centenas e meia, de todo o mundo, incluindo muitos portugueses que se deslocariam a pé e que este ano não o poderão fazer.

“Quero saudar todos aqueles que, habitualmente, ano após ano, se fazem peregrinos de Fátima: sentimos a vossa falta! Mas estaremos unidos na oração comum. Saúdo igualmente todos aqueles que desejariam estar presentes, este ano, aqui no Santuário: rezaremos por todos vós!”

A mensagem termina com um apelo: “Rezemos à Senhora do Coração Imaculado – Nossa Senhora do Rosário de Fátima – pedindo também a intercessão dos Santos Pastorinhos, para que possamos voltar a reunir-nos, em breve, para celebrarmos com alegria a nossa fé e para rezarmos juntos, neste Santuário, por nós e pela humanidade inteira”.

As celebrações com a presença física de peregrinos na Cova da Iria, e em todas as igrejas portuguesas, só serão retomadas no próximo dia 30 de maio. Até lá, o Santuário irá retomar a sua atividade reabrindo já a partir desta segunda-feira os locais de culto, para visita e oração, mas sem celebrações comunitárias e sem a presença física de peregrinos. Também o edifício da Reitoria retomará a sua atividade com os horários habituais, tal como as unidades comerciais que recomeçarão a funcionar.

Os Espaços Museológicos abrem ao público a partir do próximo dia 19 de maio.

Para tornar os espaços do Santuário de Fátima acessíveis à visita dos peregrinos, a instituição adotou um conjunto de medidas de prevenção e de mitigação do risco de contágio, quer para os colaboradores quer para os peregrinos, que devem ser cumpridas na íntegra, como sejam o uso de máscara em espaços fechados, a lavagem frequente das mãos, a manutenção dos distanciamento físico e a monitorização dos acessos aos espaços fechados do Santuário como sejam Basílicas, Capelas e espaços comerciais.

Entre a tarde do dia 12, de tarde e o fim da manhã do dia 13, não será permitido o acesso dos peregrinos a qualquer espaço do Santuário.

Horários de abertura de lugares de culto

Basílica de Nossa Senhora do Rosário || 09h00 às 18h00 (encerra durante a missa das 11h00 e do Ângelus às 12h00)

Basílica da Santíssima Trindade || 10h00 às 18h00

Capela do Santíssimo Sacramento || 9h00 às 20h00

Capela da Reconciliação (com atendimento de confissões) || 09h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00

Mensagem do Pe. Carlos Cabecinhas: https://youtu.be/dKIC1vKDoAA

NOSSA SENHORA FEZ A SUA APARIÇÃO EM PONTE DA BARCA DOIS DIAS ANTES DE APARECER AOS PASTORINHOS NA COVA DA IRIA

O QUE ACONTECEU NO BARRAL A 10 E 11 DE MAIO DE 1917

O protagonista do caso foi um pobre pastorinho, de nome SEVERINO ALVES, de dez anos de idade, filho de uma pobre e virtuosa viúva, e irmão de mais outros seis, todos eles muito tementes a Deus.

18486278_1869750913237540_8170633494994682458_n.jp

No dia 10 de maio de 1917, deviam ser oito horas da manhã, ia esse rapazinho a caminho do monte rezando o terço, como costumava fazer, quando numa ramada próxima da Ermida de Santa Marinha, sentiu um relâmpago que o impressionou.

Dá mais alguns passos, atravessa um portelo e defronta uma Senhora, sentada, com as mãos postas, tendo o dedo maior da mão direita destacado, em determinada direção. O seu rosto era lindo como nenhum outro, toda Ela cheia de luz e esplendor, de maneira a confundir vista, cobrindo-lhe a cabeça um manto azul e o resto do corpo um vestido branco.

Logo que o pequeno vidente a viu, caiu para o lado surpreendido com tal acontecimento.

Readquirindo ânimo, levantou-se, e exclamou: “Jesus Cristo!”. Nesse mesmo instante desapareceu a Visão.

O pároco da localidade, que não parecia ser um espírito que facilmente se dominava por factos, que não parecessem credíveis, ouviu com atenção o rapazinho, não só atendendo á fama de bem comportado, que gozava na localidade, mas atendendo à sinceridade e à precisão com que relatou tudo o que viu. O pároco aconselhou-o, finalmente, a que voltasse ao lugar da Aparição e pedisse a essa Visão que o informasse quem era.

No dia seguinte ao da primeira Aparição, dia 11 de maio de 1917, uma sexta-feira, deviam ser também oito horas da manhã, pois ia soltar as ovelhas e os carneiros a fim de os levar para o monte, sem que sentisse relâmpago algum, quando atravessava o portelo, deparou-se com a mesma Senhora, que estava sentada no mesmo sítio do dia anterior.

Nesse dia, 11 de maio de 1917, o rosto da Aparição desprendia-se em sorrisos. Quando a viu, o pastorinho caiu de joelhos e disse um pouco surpreendido (para não dizer assustado) o que o pároco lhe havia aconselhado: “Quem não falou ontem, que fale hoje”.

Então a Aparição com uma voz que era um misto de rir e cantar, diferente do falar de todos os mortais que tem visto, tranquilizou-o, dizendo-lhe: “Não te assustes, sou Eu, menino”. E acrescentou: “Diz aos pastores do monte que rezem sempre o terço, que os homens e mulheres cantem a ESTRELA DO CÉU, e se apeguem comigo, que hei-de acudir ao mundo e aplacar a guerra”.

Depois de dizer o que fica escrito, sem que a criança tivesse mais tempo que responder a tudo: “Sim, Senhora”, a Visão, olhando para uma ramada, acrescentou: “Que gomos tão lindos, que cachos tão bonitos!”

Mal o rapazinho tinha olhado para a ramada, voltando a cabeça, já a Visão tinha desaparecido. O privilegiado Vidente foi imediatamente avisar do acontecido as mães dos filhos da localidade que estavam no exército. A comoção do pequeno teria sido tamanha que depois destes factos, nunca mais quis voltar sozinho ao sítio da Aparição.

Às perguntas feitas, o rapazinho respondia sempre da mesma maneira: “Se quiserem acreditar, que acreditem, se não quiserem que não acreditem”, e acrescentava: “Eu fiz a minha obrigação, avisando como me mandaram”.

Local da Aparição de Nossa Senhora da Paz.

Texto e fotos: Maria Vilas Boas / https://www.facebook.com/aparicoes.barral/

11113299_503476233138624_8441379087072748993_o.jpg

984193_365277700291812_7594610871589042449_n.jpg

18491648_1869751006570864_856072063076107755_o.jpg

FÁTIMA APRESENTA CHÁ COM ARTE

A segunda temporada da iniciativa "Chá com Arte" terá início já na próxima semana: 11 e 14 de setembro!

Este projeto, resultado de uma parceria entre o Consolata Museu e a sua Liga de Amigos, decorre habitualmente numa das salas da exposição permanente, onde após a degustação de chá e biscoitos, num ambiente intimista,surgirá um momento de tertúlia com convidados especiais de reconhecido mérito do mundo das artes e da cultura.  Uma das particularidades do evento é não haver recurso a imagens projetadas, privilegiando-se a palavra.

cha_c_arte_set19_livro (2).jpg

Assim, no dia 11 de setembro, quarta-feira, pelas 18h00, teremos como convidada especial Elisabete Paiva,Diretora Artística da Materiais Diversos. A partir do tema "Pôr em comum" as nossas diferenças, abordar-se-ão assuntos relacionados com o seu percurso profissional, as artes no mundo atual, bem como o Festival Materiais Diversos a decorrer entre os dias 27 de setembro e 5 de outubro.

https://2019.materiaisdiversos.com/

NOTA BIOGRÁFICA ELISABETE PAIVA

Elisabete Paiva é Directora Artística da Materiais Diversos desde 2015.

Foi entre 2006 e 2014 responsável pelo Serviço Educativo d’A Oficina, em Guimarães, designadamente do Centro Cultural Vila Flor e do Centro Internacional das Artes José de Guimarães. Colocou nesta programação para públicos jovens a experiência artística ao centro de   uma     prática de questionamento sobre o mundo e sobre a relação entre o individual e o colectivo. Neste contexto criou e editou o LURA – jornal de artes e educação e concebeu o Programa Mais Dois – Programa de Aprendizagem em Artes Performativas para o 1º ciclo.

Criou e programou o Serviço Educativo de Guimarães 2012 Capital Europeia da Cultura.

Enquanto produtora independente colaborou com o Teatro O Bando, o Teatro do Vestido, Pedro Sena Nunes e Luís Castro e, entre 2003 e 2005, com o CENTA – Centro de Estudos de Novas Tendências Artísticas, momento fundador da sua actividade actual.Neste contexto        desenvolveu vários projectos artísticos com as comunidades locais, donde se destacam, por serem pioneiros, o Programa de Formação Artística Contínua para o 1º ciclo e o Projecto (R)Existir, com Filipa Francisco, um dos primeiros, a nível nacional, de formação e criação com            reclusos.

Actualmente, lecciona o módulo de Estratégias de Programação, no curso de Gestão e Produção nas Artes Performativas, no Forum Dança, em Lisboa. Leccionou a disciplina de Programação Cultural – Cidade e Território e a disciplina de Públicos das Artes, na Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa, entre 2017 e 2019.

É Mestre em Estudos de Teatro, pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, com a dissertação “Teatro para Crianças: do impulso de jogo ao desejo de ser espectador”, e licenciada em Teatro/ Produção pela Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa.

Já no dia 14 de setembro, sábado, às 16h00, estará connosco Adelino Pais, autor do livro “Poesia & Sonho”.

Adelino Pais nasceu em Canas de Senhorim. Em criança ouvia o avô a ler e declamar textos de grandes poetas, cujos livros se alinhavam com muito carinho, nas estantes da sua biblioteca.

Aos nove anos escreveu a sua primeira poesia que lhe valeu um prémio. Com a mesma idade, declamou a “Cantata de Dido”, de Correia Garção, numa festa escolar. Mantém hoje a paixão pela declamação, elegendo o poema Cântico Negro, de José Régio.

Tendo sido dispensado do serviço militar que estava a cumprir em Coimbra pela morte de seu pai, rumou para Angola. Lá, colaborou em páginas poéticas do jornal de Benguela “O Intransigente” e a Rádio Clube de Benguela, onde António Freire lia os seus poemas com a sua inconfundível voz.

Participando em tertúlias das “Publicações Imbondeiro”, conheceu o poeta angolano Ernesto Lara Filho, irmão da grande poetisa Alda Lara.

Profundo devoto de Nossa Senhora de Fátima, residiu na Cova de Iria onde criou laços e profundas amizades, pelo que fez questão de vir a Fátima apresentar este livro de poesias dispersas, com temas diversos, deixando mensagens à sociedade, sobretudo de Amor.

cha_c_arte_set19 (1).jpg

ELISABETE PAIVA SERVE CHÁ COM ARTE EM FÁTIMA

A segunda temporada da iniciativa "Chá com Arte" terá início já na próxima semana: 11 e 14 de setembro!

Este projeto, resultado de uma parceria entre o Consolata Museu e a sua Liga de Amigos, decorre habitualmente numa das salas da exposição permanente, onde após a degustação de chá e biscoitos, num ambiente intimista,surgirá um momento de tertúlia com convidados especiais de reconhecido mérito do mundo das artes e da cultura.  Uma das particularidades do evento é não haver recurso a imagens projetadas, privilegiando-se a palavra.

Assim, no dia 11 de setembro, quarta-feira, pelas 18h00, teremos como convidada especial Elisabete Paiva, Diretora Artística da Materiais Diversos. A partir do tema "Pôr em comum" as nossas diferenças, abordar-se-ão assuntos relacionados com o seu percurso profissional, as artes no mundo atual, bem como o Festival Materiais Diversos a decorrer entre os dias 27 de setembro e 5 de outubro.

cha_c_arte_set19.jpg

https://2019.materiaisdiversos.com/

NOTA BIOGRÁFICA ELISABETE PAIVA

Elisabete Paiva é Directora Artística da Materiais Diversos desde 2015.

Foi entre 2006 e 2014 responsável pelo Serviço Educativo d’A Oficina, em Guimarães, designadamente do Centro Cultural Vila Flor e do Centro Internacional das Artes José de Guimarães. Colocou nesta programação para públicos jovens a experiência artística ao centro de   uma     prática de questionamento sobre o mundo e sobre a relação entre o individual e o colectivo. Neste contexto criou e editou o LURA – jornal de artes e educação e concebeu o Programa Mais Dois – Programa de Aprendizagem em Artes Performativas para o 1º ciclo.

Criou e programou o Serviço Educativo de Guimarães 2012 Capital Europeia da Cultura.

Enquanto produtora independente colaborou com o Teatro O Bando, o Teatro do Vestido, Pedro Sena Nunes e Luís Castro e, entre 2003 e 2005, com o CENTA – Centro de Estudos de Novas Tendências Artísticas, momento fundador da sua actividade actual.Neste contexto        desenvolveu vários projectos artísticos com as comunidades locais, donde se destacam, por serem pioneiros, o Programa de Formação Artística Contínua para o 1º ciclo e o Projecto (R)Existir, com Filipa Francisco, um dos primeiros, a nível nacional, de formação e criação com            reclusos.

Actualmente, lecciona o módulo de Estratégias de Programação, no curso de Gestão e Produção nas Artes Performativas, no Forum Dança, em Lisboa. Leccionou a disciplina de Programação Cultural – Cidade e Território e a disciplina de Públicos das Artes, na Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa, entre 2017 e 2019.

É Mestre em Estudos de Teatro, pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, com a dissertação “Teatro para Crianças: do impulso de jogo ao desejo de ser espectador”, e licenciada em Teatro/ Produção pela Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa.

Já no dia 14 de setembro, sábado, às 16h00, estará connosco Adelino Pais, autor do livro “Poesia & Sonho”.

Adelino Pais nasceu em Canas de Senhorim. Em criança ouvia o avô a ler e declamar textos de grandes poetas, cujos livros se alinhavam com muito carinho, nas estantes da sua biblioteca.

Aos nove anos escreveu a sua primeira poesia que lhe valeu um prémio. Com a mesma idade, declamou a “Cantata de Dido”, de Correia Garção, numa festa escolar. Mantém hoje a paixão pela declamação, elegendo o poema Cântico Negro, de José Régio.

Tendo sido dispensado do serviço militar que estava a cumprir em Coimbra pela morte de seu pai, rumou para Angola. Lá, colaborou em páginas poéticas do jornal de Benguela “O Intransigente” e a Rádio Clube de Benguela, onde António Freire lia os seus poemas com a sua inconfundível voz.

Participando em tertúlias das “Publicações Imbondeiro”, conheceu o poeta angolano Ernesto Lara Filho, irmão da grande poetisa Alda Lara.

Profundo devoto de Nossa Senhora de Fátima, residiu na Cova de Iria onde criou laços e profundas amizades, pelo que fez questão de vir a Fátima apresentar este livro de poesias dispersas, com temas diversos, deixando mensagens à sociedade, sobretudo de Amor.

cha_c_arte_set19_livro (1).jpg

CENTRO NACIONAL DE CULTURA APRESENTA NO SANTUÁRIO DE FÁTIMA ROTEIRO DO CAMINHO DO NORTE

Centro Nacional de Cultura apresenta no Santuário Roteiros dos Caminhos de Fátima

Iniciativa concretiza em livro a marcação dos três caminhos mais frequentados pelos peregrinos, até ao Santuário de Fátima, com indicações sobre o património cultural e religioso.

geralcnc.png

O Santuário de Fátima acolhe na Sala de Imprensa, no próximo dia 12 de setembro, pelas 15h00, a sessão pública de apresentação dos Roteiros dos Caminhos de Fátima, uma iniciativa do Centro Nacional de Cultura desenvolvida no contexto do Programa Valorizar (Linha de Apoio à Valorização Turística do Interior), apoiado pelo Turismo de Portugal.

Os Roteiros com os três Caminhos de Fátima- Caminho do Tejo (entre Lisboa e o Santuário), Caminho da Nazaré (entre Nazaré e o Santuário) e Caminho do Norte (entre Valença e o Santuário) - têm por finalidade disponibilizar, de forma sistemática, ampla e gratuita, informação completa sobre estes percursos, com destaque para a paisagem, o património, a cultura e as ambiências locais.

Os Roteiros dos Caminhos de Fátima estão impressos em três línguas - Português, Inglês e Espanhol - e apresentam a cartografia associada a cada um dos caminhos bem como conteúdos descritivos sobre cada um dos itinerários.

No final de cada Roteiro há um conjunto de informações sobre o Santuário de Fátima, a que o Centro Nacional de Cultura está intimamente ligado desde a sua criação, que é apresentado como “um lugar emblemático onde a religião e a arte se entrelaçam”. Cada Roteiro apresenta ainda uma descrição dos lugares mais emblemáticos do Santuário, desde as Basílicas à Capelinha, sem ignorar a simbologia de cada um destes espaços.

Os Caminhos de Fátima são uma rede de itinerários religiosos e culturais que partem de diferentes locais e terminam no Santuário de Fátima. Proporcionam a quem os percorre uma verdadeira “espiritualidade”, em ligação com a natureza e as vivências religiosas e culturais.

Têm por finalidade criar condições seguras e aprazíveis para peregrinos e caminhantes que se dirigem ao Santuário de Fátima, evitando as estradas com grande circulação automóvel em favor de caminhos de terra e de pequenas estradas rurais com pouca circulação. Percorrem territórios variados, com grande interesse cultural e paisagístico, e articulam-se com outros itinerários de âmbito nacional e internacional.

Desenvolvidos pelo Centro Nacional de Cultura (entidade titular do projeto e proprietária da respetiva marca), estes Caminhos são implementados em parceria com múltiplas instituições (autarquias, Turismo de Portugal, associações, organismos públicos e entidades civis e religiosas) e em articulação com o Santuário de Fátima, estando disponíveis no site www.caminhosdefatima.org .

Configuram-se como uma rede de itinerários religiosos e culturais no território, podendo articular-se com outros itinerários de âmbito nacional e internacional, como os Caminhos de Santiago ou as Rotas Marianas.

Atualmente, os Caminhos existentes são já utilizados por muitos peregrinos, maioritariamente nacionais, mas também estrangeiros. A dimensão espiritual e religiosa é predominante, mas também têm outras valências. São também utilizados por diversos públicos, com interesses e destinos específicos, sobretudo em troços que revestem de grande interesse cultural e paisagístico para caminhadas locais.

Evento: Apresentação dos Roteiros dos Caminhos de Fátima

Dia: 12 de setembro

Hora: 15h00

Local: Sala de Imprensa do santuário de Fátima

norte.jpg

ESPOSENDENSES VÃO AO SANTUÁRIO DE FÁTIMA

Abertas inscrições para a Festa do Idoso em Fátima

Decorre até ao próximo dia 17 de agosto o prazo de inscrição para a Festa do Idoso do Município de Esposende, que, este ano, terá lugar no dia 11 de setembro.

festa_idoso.jpg

O evento traduz-se no passeio-convívio ao Santuário de Fátima e dirige-se aos idosos residentes no concelho, com idade igual ou superior a 65 anos, pessoas portadoras de deficiência com autonomia, com idade superior a 35 anos, e pessoas que frequentam as Instituições Particulares de Solidariedade Social com valência para a terceira idade. Podem também participar os cidadãos com idade inferior a 65 anos, casados ou a viver em união de facto, bem como os filhos dos idosos inscritos na iniciativa, portadores de deficiência. As inscrições são efetuadas nas Juntas de Freguesia do concelho.

Tal como nas anteriores edições, o programa integra a Eucaristia, na Basílica da Santíssima Trindade, às 12h15, seguida do piquenique nos parques do Santuário, com regresso a casa às 18h30.

Esta iniciativa, que vai já na 24.ª edição, integra o Programa Ativo Mais, desenvolvido no âmbito da Rede Social de Esposende, o qual tem contribuído, de forma efetiva, para a qualidade de vida dos idosos, promovendo o seu bem-estar, a inclusão social e o seu reconhecimento na comunidade. Ao longo de todo o ano e de forma gratuita, a comunidade sénior concelhia tem oportunidade de participar num conjunto muito diversificado de atividades de vária índole, nomeadamente de caráter lúdico, recreativo, musical, cultural e desportivo.

O Programa Ativo Mais permite, por outro lado, fortalecer as parcerias locais, permitindo concertar esforços, otimizar recursos, integrar contributos e complementar a intervenção tendo em vista a promoção de um envelhecimento ativo e saudável.

A este programa está associado o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da ONU, nomeadamente no que se refere à Igualdade de Género (ODS 5), Reduzir as desigualdades (ODS 10), Cidades e Comunidades Sustentáveis (ODS 11), Paz, Justiça e Instituições Eficazes (ODS 16) e Parcerias para a Implementação dos Objetivos de Sustentabilidade (ODS 17).

VIEIRENSES VÃO A FÁTIMA

Passeio de Idosos a Fátima, inscrições abertas.

A Câmara Municipal de Vieira do Minho informa que se encontram abertas as inscrições para o Passeio de Idosos, ao Santuário de Nª Srª de Fátima que se vai realizar, no dia 4 de julho de 2019.

fatima1-1.jpg

As inscrições podem ser feitas até ao dia 20 de Junho na Junta de Freguesia da área de residência, nos Centros Sociais, para os respetivos utentes, ou diretamente na Câmara Municipal.

Refira-se que o passeio destina-se a todos os idosos do concelho, sendo gratuito para quem tem idade igual ou superior a 65 anos e/ou reformados por invalidez ou portadores de doença crónica. Nestas situações, e em caso de necessidade, os idosos podem levar gratuitamente um acompanhante.

Para todos os que não se enquadram em qualquer uma das situações, atrás mencionadas, o valor da inscrição é de 5 euros.

Lembramos, ainda que qualquer informação ou esclarecimento, relativo ao Passeio de Idosos, será prestado pela Câmara Municipal.

SOB A ÉGIDE DA FEDERAÇÃO DO FOLCLORE PORTUGUÊS – GRUPOS FOLCLÓRICOS PEREGRINAM A FÁTIMA

Reitor do Santuário apelou à “urgência da conversão para a comunhão com Deus”

Na homilia da Missa deste domingo, que integrou a 17.ª Peregrinação Nacional do Folclore Português, o reitor do Santuário exortou os peregrinos a um esforço urgente e constante de comunhão com Deus

2019-03-24_Missa_Dominical_2 (2).jpg

Na Missa deste III Domingo da Quaresma, que integrou a 17.ª Peregrinação Nacional a Fátima da Federação do Folclore Português, o reitor do Santuário, padre Carlos Cabecinhas, apresentou a Quaresma como tempo favorável para ”reorientar a vida para Deus”, assumindo a urgência da conversão, com vista à comunhão com Deus.

A partir do Evangelho, onde “Jesus convida à urgência da conversão de vida” e “rejeita a causalidade entre pecado e o castigo”, o sacerdote apresentou o desejo comunhão com Deus como o centro da preocupação da vida de um cristão.

O presidente da celebração apresentou, depois, a parábola da figueira, relatada na Palavra, como uma “ilustração das oportunidades que Deus concede para a conversão”, sublinhando a “abertura de esperança” apresenta no relato.

“Esta parábola, onde se sublinha a paciência e a bondade de Deus, apesar do seu tom ameaçador, tem uma nota de esperança: Jesus confia que a nossa resposta ao Seu apelo à conversão seja positiva e produza frutos”, fez notar o padre Carlos Cabecinhas, ao estabelecer um paralelo entre a figueira e o dia-a-dia.

“Pode acontecer que, durante tempo indeterminado, não demos fruto… Mas Deus espera por nós, confia em nós. Esta paciência não é passiva, porque Ele acredita em nós e oferece-nos os meios e o tempo para a nos aproximarmos Dele.”

Na conclusão, o sacerdote apresentou a Mensagem de Fátima como “reforço” deste apelo à conversão e exortou os peregrinos a um esforço urgente e constante de comunhão com Deus.

A celebração, que decorreu na Basílica da Santíssima Trindade, foi participada pelos milhares de peregrinos que integravam a 17.ª Peregrinação Nacional a Fátima da Federação do Folclore Português.

Numa das preces da Oração dos Fiéis, foi pedido por “todos os que defendem o património cultural e etnográfico”. Foi também apresentada uma prece pelas vítimas do ciclone Idai, que afetou milhares de pessoas em Moçambique.

A coleta feita na celebração destinou-se à Cáritas Portuguesa.

Enquanto decorria a Missa, no Recinto de Oração, os cerca de 4 mil participantes na 8.ª Caminhada da Paz percorriam o Recinto de Oração, em direção à Capelinha das Aparições, para cumprir um momento de oração pela paz no mundo, com consagração a Nossa Senhora dos Caminhantes.

Durante a manhã, o grupo fez um percurso de 5 quilómetros pelas avenidas de Fátima, em redor do Santuário, com a tocha da paz, que foi acesa logo pela manhã, na Capelinha das Aparições.

Fonte: https://www.fatima.pt/

55487978_2364246730261567_3848669500446605312_n.jpg

55495944_2364504466902460_6687989452603654144_n.jpg

"O ANJO DE PORTUGAL" DA ESCULTORA CARVALHEIRA DA SILVA REGRESSA A VILA NOVA DE CERVEIRA

‘O Anjo de Portugal’ enriquece exposição de homenagem a Carvalheira da Silva

Depois de ter integrado as comemorações do Centenário das Aparições de Fátima, o molde da obra ‘O Anjo de Portugal’ de Carvalheira da Silva, regressou a ‘casa’ e encontra-se exposto, a partir de hoje, no Arquivo Municipal de Vila Nova de Cerveira. Peça emblemática acrescenta valor à exposição de homenagem que a Câmara Municipal inaugurou a 1 de outubro, intitulada ‘Contemplação de Arte Sacra’ - Vida e Obra de Carvalheira da Silva, e que pode ser visitada até março de 2019.

IMG_8322

Maria Amélia Carvalheira da Silva é considerada um dos expoentes máximos da arte sacra portuguesa, com raízes na freguesia de Gondarém. Vila Nova de Cerveira faz parte da sua história, pessoal e profissional, integrando o roteiro de obras espalhadas em locais tão icónicos como o Santuário de Fátima e o Vaticano, pelo que a Câmara Municipal concretizou uma vontade antiga de lhe dedicar uma exposição.

“Além de honrar a sua memória, a vida e obra da escultora cerveirense Carvalheira da Silva é demasiado valiosa para cair no esquecimento. Não podemos nem devemos privar os nossos filhos e netos de conhecer a pessoa e de contactar com o seu percurso artístico de sucesso”, realçou o autarca cerveirense Fernando Nogueira, no ato inaugural da exposição, no Dia do Município.

Patente no Arquivo Municipal até março de 2019, a mostra ‘Contemplação de Arte Sacra’ - Vida e Obra de Carvalheira da Silva - apresenta ao público cerca de 20 peças da escultora, um vasto registo informativo e fotográfico da sua carreira, bem como a condecoração "Pro Eclesia et Pontífice" atribuída pela Santa Sé e o Grau de Comendadora da Ordem de Mérito pelo então Presidente da República, Dr. Mário Soares.

Escultora de arte sacra, é em Fátima que tem a parte mais significativa da sua obra, nomeadamente ‘O Anjo de Portugal’, a escultura de Nossa Senhora e todas as Estações da Via-Sacra existentes nos Valinhos, assim como demais esculturas de cariz religioso espalhadas de Norte a Sul de Portugal, bem como em vários países.

Pelas raízes pessoais e profissionais a Vila Nova de Cerveira, Carvalheira da Silva doou à Câmara Municipal o molde da obra em gesso modelado e madeira, ‘O Anjo de Portugal’, cujo original se encontra no monumento construído em 1958, na Loca do Cabeço, a dar a comunhão aos três Pastorinhos de joelhos.

jardim-amc3a9lia-carvalheira-cara

Quem foi Carvalheira da Silva?

Maria Amélia Carvalheira da Silva nasceu em Gondarém, Vila Nova de Cerveira, 4 de Setembro de 1904, e faleceu em Lisboa a 31 de Dezembro de 1998. Foi uma escultora portuguesa.

Foi discípula de Salvador Barata Feyo. Em 1949, venceu o Prémio de Artes Plásticas Mestre Manuel Pereira, com a obra S. João de Deus, em barro policromado, que está exposta na capela do Palácio da Cruz Vermelha. Marcou presença em várias exposições, a título individual, em Portugal e no estrangeiro.[1]

É autora da escultura O Anjo de Portugal, e ainda da escultura de Nossa Senhora e de todas as Estações da Via-Sacra existentes nos Valinhos, em Fátima, assim como demais esculturas de cariz religioso espalhadas de Norte a Sul de Portugal.

Em 1992, recebeu, das mãos do então Cardeal Patriarca de Lisboa, D. António Ribeiro, a condecoração da Santa Sé Pro Eclesia et Pontificia. Em 28 de maio de 1992, foi feita Comendadora da Ordem do Mérito pelo Presidente Mário Soares.

A Câmara Municipal de Lisboa atribuiu o seu nome a um jardim na freguesia das Avenidas Novas.

Fonte: Wikipédia

800px-AnjodePortugal

IDOSOS DE ESPOSENDE CONVIVEM EM FÁTIMA

Festa do Idoso do Município de Esposende com 2000 participantes

Cerca de dois mil idosos do concelho de Esposende participaram, hoje, na Festa do Idoso promovida pelo Município de Esposende, e que, mais uma vez, decorreu no Santuário de Fátima. 

.

Este evento, que se realiza ininterruptamente há já 23 anos, integra o Programa Ativo Mais, desenvolvido no âmbito da Rede Social de Esposende. Edição após edição regista sempre elevada adesão, refletindo a satisfação da comunidade sénior tanto pela iniciativa em si como pelo destino escolhido, local que é do seu inteiro agrado e que reúne todas as condições para acolher tão elevado número de participantes.

O programa integrou, como habitualmente, a celebração da Eucaristia, pelo Arcipreste de Esposende, Padre Delfim Fernandes, na Basílica da Santíssima Trindade. Seguiu-se o piquenique nos parques do Santuário, proporcionando o convívio entre os participantes, alguns dos quais apenas se reveem nesta oportunidade. No regresso a casa, houve ainda tempo para outro momento de convívio no Parque da Senhora da Saúde, nos Carvalhos, onde não faltou alegria e animação.

Esta iniciativa destina-se aos idosos residentes no concelho, com idade igual ou superior a 65 anos, pessoas portadoras de deficiência com autonomia, com idade superior a 35 anos, e pessoas que frequentam as Instituições Particulares de Solidariedade Social com valência para a terceira idade.

O Presidente da Câmara Municipal, Benjamim Pereira, refere que o Município desenvolve, ao longo de todo o ano e de forma totalmente gratuita, um conjunto muito diversificado de iniciativas que contribuem para a qualidade de vida da comunidade idosa do concelho.

Benjamim Pereira garante que “a continuidade da Festa do Idoso não está em causa, na medida em que é das atividades que os idosos mais apreciam, como o têm largamente expressado”. Lembrou que este evento é fruto do envolvimento de várias pessoas e entidades, pelo que expressou agradecimentos às Juntas de Freguesia e Instituições Particulares de Solidariedade Social do concelho, aos Bombeiros Voluntários de Esposende e de Fão e à Delegação de Marinhas da Cruz Vermelha Portuguesa, que asseguraram o apoio à emergência, bem como aos coralistas que solenizaram a celebração eucarística.

.

ESPOSENDE LEVA 2 MIL IDOSOS A FÁTIMA

Município de Esposende leva 2000 idosos a conviver em Fátima

Pelo vigésimo terceiro ano consecutivo, o Município de Esposende vai levar a efeito, na próxima sexta-feira, dia 14 de setembro, a Festa do Idoso, que contará com cerca de 2000 participantes.

.

O evento tem-se traduzido, nos últimos anos, na realização de um passeio-convívio ao Santuário de Fátima. À semelhança das anteriores edições, o programa integra a Eucaristia, na Basílica da Santíssima Trindade, pelas 12h15, seguida do piquenique nos parques do Santuário, estando o regresso a casa previsto para as 18h30.

A Festa do Idoso integra o Programa Ativo Mais, desenvolvido no âmbito da Rede Social de Esposende, e é dirigida aos idosos residentes no concelho, com idade igual ou superior a 65 anos, pessoas portadoras de deficiência com autonomia, com idade superior a 35 anos, e pessoas que frequentam as Instituições Particulares de Solidariedade Social com valência para a terceira idade.

O Programa Ativo Mais proporciona à comunidade sénior do concelho, ao longo de todo o ano e de forma gratuita, um conjunto muito diversificado de atividades de vária índole, contribuindo, de forma efetiva, para a sua qualidade de vida. Além de promover o bem-estar, a inclusão social e o reconhecimento dos idosos na comunidade, este programa permite também fortalecer as parcerias locais, permitindo concertar esforços, otimizar recursos, integrar contributos e complementar a intervenção com vista à promoção de um envelhecimento ativo.

.