Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

PINTORA ALBERTINA SANTOS EXPÕE EM MONÇÃO

A artista plástica Albertina Santos realiza uma exposição de pintura, que estará extante ao público desde 30 de Novembro até ao dia 31 de Janeiro, na Sala de Exposições Temporárias da Casa Museu de Monção/Universidade do Minho.

21740835_816046058573973_591123826622564145_o.jpg

Albertina Santos usa uma paleta de cores vivas, dando preferência à pintura acrílica e ao traço a carvão. A figura humana está sempre presente nos seus trabalhos.

O tempo incomum que vivemos, gerador de múltiplos sentimentos e emoções tantas vezes antagónicos, provoca e estimula a criatividade, conseguindo, por si só, dar sentido à variedade temática desta mostra que não é mais do que uma catarse emocional.

A entrada é livre! 

Horário da Sala de Exposições Temporárias da Casa Museu de Monção/Universidade do Minho: 

De terça a sexta feira: das 10h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30; 

sábado das 14h00 às 19h00; 

domingo e segunda feira: encerrada

NORMAS A RESPEITAR NO ÂMBITO DA PANDEMIA: 

A permanência nas instalações da Casa Museu de Monção/Universidade do Minho está condicionada ao respeito pelas medidas implementadas para proteção de todos, nomeadamente:

  • Manter o distanciamento físico.
  • Seguir as indicações existentes.
  • Usar máscara de proteção durante todo o tempo que permanecer no edifício (a CMM não disponibiliza máscaras para os utilizadores).
  • Lavar e/ou higienizar as mãos.

Capacidade máxima de 5 pessoas na Sala de Exposições Temporárias

A colaboração de todos é fundamental.

pastedImage2.png

ARCOS DE VALDEVEZ INAUGURA VIENAL DE ARTE

Inaugurada a D’Art Vez

Bienal de Arte estará patente ao público até dia 30 de janeiro 2021, na Casa das Artes concelhia, em Soajo e em Sistelo, bem como disponível em várias montras do comércio local de Arcos de Valdevez

258365901_185348990468343_3795497185644020325_n.jp

Foi inaugurada no passado sábado, dia 20 de novembro, na Casa das Artes, a bienal de Arte D’Art Vez, a qual conta com a coordenação de António Aguiar e a participação de 124 artistas e 152 obras expostas na Casa das Artes concelhia, nas montras de vários comércios da Zona Urbana da sede do concelho, na Casa do Povo de Soajo e na Casa do Castelo de Sistelo.

Este ano, para além de querer levar esta mostra para espaços culturais fora de portas da Casa das Artes e da sede do concelho, havia o objetivo de a levar para mais perto da comunidade, objetivo que foi amplamente conseguido através da disponibilização de várias obras em 13 montras do comércio local.

Os trabalhos com as crianças dos infantários voltaram também a ter grande relevo, através da OCA – Oficina da Casa das Artes nos Jardins de Infância Municipais já que a pintura da capa do catálogo é da autoria das crianças envolvidas neste projeto.

João Manuel Esteves, Presidente da Câmara Municipal, fez questão de agradecer a todos os envolvidos na organização desta bienal e o interesse e colaboração de todos os que quiseram nela participar.

Foi com alegria que o autarca viu o objetivo de promover a descentralização cultural ser concretizado.“Para além dos espaços culturais, agora é possível apreciar a arte quando vamos ao comércio local, ou visitamos o concelho. A D’Art vez proporciona a partilha da Cultura”, referiu atestando que o “investimento na cultura é um investimento feito no progresso da sociedade”.

“A D’Art Vez é um evento de referência no panorama das artes plásticas da região e é mais um motivo para visitar Arcos de Valdevez.

No domingo, dia 21 decorreu a inauguração da mostra na Casa do Povo de Soajo. A Inauguração da mostra na Casa Castelo em Sistelo está agendada para dia 28 de novembro, às 16h.

Faça uma visita a estes locais, passeie pelo concelho e aprecie a Arte!

dart vez 13.jpg

dart vez 2021_2.JPG

dart vez 2021_3.JPG

dart vez 2021_6.JPG

dart vez 2021_8.JPG

dart vez 2021_10.JPG

dart vez 2021_11.jpg

ARTESÃOS BARCELENSES MOSTRAM ARTE DO FIGURADO EM LISBOA

O artesanato de Barcelos está presente em Lisboa, através da participação de um conjunto de sete artesãos que participam na NATALIS 2021, que decorre em Lisboa, na FIL- Parque das Nações, de 24 a 28 de novembro.

figuradolx (2).JPG

Durante esse período Carlos Dias, Conceição Messias, Eduardo e Jesus Pias, Irmãos Baraça, Irmãos Mistério Joaquim Messias, e Lukas Fantoches e Marionetas mostram o que de melhor se faz em Barcelos.
A participação destes artesãos enquadra-se no programa municipal SIPAB- Sistema de Incentivo à Promoção do Artesanato de Barcelos -, através do qual o Município apoia a participação dos artesãos barcelenses em certames nacionais e regionais.

figuradolx (1).jpg

PINTOR ARCUENSE MUTES EXPÕE NA ALEMANHA

Mutes convidado a expor em Berlim

A convite da Galeria  Von Zeidler Art Gallery, sediada em Westfalische Str 82 Berlim, (Alemanha), o pintor Arcuense Mutes vai estar presente numa exposição de pintura, no dia 19 de Novembro, a 91 th International Cultural Exchange of Arts.

Nesta mostra Internacional de Arte, participam 54 artistas plásticos oriundos de 14 Países.

Esta é a 15 exposição internacional do autor.

Exposição Berlim.jpg

FUNDAÇÃO DE SERRALVES LEVA A BARCELOS EXPOSIÇÃO SOBRE ÂNGELO DE SOUSA

Serralves mostra Ângelo de Sousa: “Quase tudo o que sou capaz” na Galeria Municipal de Arte de Barcelos

Já está patente na Galeria Municipal de Arte de Barcelos a exposição “Ângelo de Sousa: Quase tudo o que sou capaz”, resultado de uma parceria entre a Câmara Municipal de Barcelos e a Fundação de Serralves. A cerimónia de inauguração contou com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Barcelos, Mário Constantino, da Vereadora da Cultura, Elisa Braga, do Presidente da EMEC, Jorge Cruz, e da Presidente da Fundação Serralves, Ana Pinho.

serr.jpg

Mário Constantino agradeceu a Ana Pinho “a disponibilidade e sensibilidade da Fundação para descentralizar a cultura, permitindo assim que os barcelenses conheçam e usufruam partes significativas do excelente acervo artístico da Serralves”. O autarca fez ainda votos para que estas parcerias possam multiplicar-se.

Por sua vez, Ana Pinho, Presidente da Fundação Serralves, agradeceu o apoio dado pelo Município de Barcelos, salientando a “importância destas exposições itinerantes, enquanto veículos de aproximação de Serralves às comunidades”.

Ângelo de Sousa: desenhos, pinturas e esculturas
A exposição reúne uma seleção de obras da Coleção Serralves que sublinham a importância da contaminação entre disciplinas para a evolução da sua prática artística ao longo da sua carreira. O projeto refuta “a imagem dominante de Ângelo de Sousa como pintor, demonstrando que o desenho e a escultura são não apenas facetas fundamentais da sua obra, como também onde porventura é mais evidente o espírito experimentalista”.

Os trabalhos do artista são caraterizados por uma aparente simplicidade: Ângelo de Sousa tenta obter, nas suas palavras, “o máximo de efeitos com o mínimo de recursos, o máximo de eficácia com o mínimo de esforço, e o máximo de presença com o mínimo de gritos (…). A exposição sublinha esta vontade de trabalhar com elementos simples, ao apresentar algumas das primeiras obras de Ângelo de Sousa, ainda figurativas, mas apontando já para a depuração que viria a caraterizar o artista, lado a lado com os exercícios abstrato-geométricos que o impuseram como um dos maiores estudiosos da cor e da luz”.

A exposição fica patente ao público na Galeria Municipal de Arte, até ao dia 30 de janeiro de 2022, e pode visitar de terça a sexta-feira, das 10h00 às 17h00, e sábados, das 10h00 às12h30 e das 14h00 às 17h30.

Ângelo de Sousa

O artista nasceu em Lourenço Marques a 2 de fevereiro de 1938 e fixou-se no Porto em 1955. Matriculou-se em Belas-Artes, licenciando-se em Pintura com nota máxima de 20 valores.

Viveu e trabalhou na cidade do Porto, onde deu aulas na Escola Superior de Belas-Artes, entre 1962 e 2000, ano em que se jubilou como professor catedrático.

Participou na fundação da Cooperativa Árvore, bem como em inúmeras exposições individuais e coletivas.

BARCELOS EXPÕE FIGURADO DE BARCELOS

Exposição “ Da Tradição à Inovação: Os Novos Rumos do Figurado de Barcelos” no Museu de Olaria

O Museu de Olaria volta a ser a casa do Figurado de Barcelos, essa ancestral arte representativa de uma das atividades artesanais mais importantes do concelho.

barcelostradinov.jpg

Desta vez viaja-se “Da Tradição à Inovação: Os Novos Rumos do Figurado de Barcelos”, exposição que reúne peças de Carlos Dias, Telmo Macedo, Laurinda “Pias” e Eduardo e Jesus “Pias”.

A mostra é inaugurada no próximo sábado, dia 6 de novembro, às 16h00, no Museu de Olaria, e vai estar patente ao público até ao final do mês de junho do próximo ano.

“O Figurado de Barcelos, marca de destaque da região do Minho, tem a identidade assente na tradição. No passado, o Galo de Barcelos ou as obras de Rosa Ramalho foram, em certa medida, disruptivos e uma lufada de ar fresco no panorama artístico nacional. Estes e outros fatores fizeram deles conhecidos e famosos pelo mundo fora, sendo atualmente parte integrante e indissociável do que chamamos tradição. Desta forma, tradição e inovação convivem lado a lado, mantendo viva esta arte. A primeira transporta a aprendizagem do saber-fazer, passando de geração em geração; e ainda as temáticas, que vão guiando as mãos dos artistas em formas e feitios mais ou menos estandardizados. Por outro lado, a audácia e a rebeldia que cada artista fornece às criações trilham e desbravam novos mundos. E ainda, norteiam uma (re)visão estética das obras com base nas idiossincrasias dos artistas e na atualidade do mundo, entre outros aspetos. Sem desprimor pelos dogmas e cânones, não cortam com o passado, apenas o ressignificam com novas dimensões, resultando em assinaturas artísticas distintas". Neste sentido, o Museu de Olaria apresenta a exposição "Da Tradição à Inovação": o figurado de Carlos Dias, Telmo Macedo, Laurinda “Pias”, Eduardo e Jesus “Pias”, onde podemos desfrutar das obras destes ceramistas barcelenses.

Tal como o barro nasce da terra e as figuras brotam das mãos do artista, também este nasce, floresce e amadurece ao longo da sua vida e obra. Desde a aprendizagem no seio familiar, todos eles, em certa medida, beberam do imaginário que preenche o Figurado de Barcelos. E com esta bagagem comum, Carlos Dias, Eduardo “Pias” e Jesus “Pias”, Laurinda “Pias”, e Telmo Macedo decidiram fazer à sua maneira, gizando novas perspetivas e representações sobre o Figurado de Barcelos.

Barristas representados na exposição

Carlos Dias possui uma peculiar visão do mundo, traço que influenciou e guia em definitivo a paleta cromática utilizada. No seu trabalho, vai mesclando o escuro e o claro das pastas, fundindo a dureza do grés e a delicadeza da porcelana. As suas obras são pautadas por linhas modernas e estilizadas.

Telmo Macedo principiou na arte do barro fazendo cascatas, tradição familiar que o enfadava. O seu gosto pela criação levou-o para o figurado. Com ideias próprias e o auxílio paterno, forjou um estilo jovial, dinâmico e de linhas arrojadas, pautado por cores garridas e detalhes curiosos.

Laurinda “Pias” molda com delicadeza e destreza ímpar diferentes tamanhos e figuras, e tem em Santo António a sua predileta. Vagueia noturna por dois caminhos, ora conjugando a pureza da terracota com a faiança, ora banhando as suas criações em inconfundíveis vidrados irisantes.

Eduardo “Pias” e Jesus “Pias” impelem ao grés uma vida fora do habitual. Variam entre contornos pormenorizados, quase esculturais, ou formas divertidas com policromia. Desta forma, imprimem ao Figurado de Barcelos o seu cunho pessoal distintivo, reconfigurando-o em cada obra concebida.

TERRABOURENSE JOÃO MARTINS BARROSO APRESENTA EXPOSIÇÃO NO MUSEU DA GEIRA

No âmbito do projeto de Mestrado em Artes Plásticas -  Especialização em Pintura, da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, encontra-se patente no Museu da Geira uma exposição da autoria do terrabourense João Martins Barroso, evento que conta com apoio e promoção do Município de Terras de Bouro e que já recebeu a visita da Vereadora da Cultura, Dr.ª Ana Genoveva.

IMG_4006.JPG

Subordinada ao tema ““Higia” - Deusa grega da saúde, limpeza e sanidade” a mostra, que poderá ser visitada até ao final do presente ano,  apresenta  uma série de trabalhos que  encarnam a concepção de alteridade tornando-se campo de exploração pictórica. O trabalho reflecte a relação do Eu com o Outro e a consciência da nossa interdependência com o mundo.

João Martins Barroso

Nascido em 1981. Natural de Campo do Gerês, vive entre a serra e a cidade do Porto. Licenciado em Artes Plásticas-Pintura na Escola Superior de Arte e Design frequenta o 2º ano do Mestrado de Pintura na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. Realizou workshops em Técnicas Avançadas de Gravura, ESAD 2003; Fotografia, ESAD 2003; Técnicas Arcaicas de Pintura ESAD 2004; Técnicas de Escultura ESAD 2004. Menção honrosa, V Festival Internacional de Gravura de Évora 2005 com a peça “Oração”; Exposições coletivas: “Internamente” (FBAUP)- Hospital da Perlada, Porto 2018, “Artes e Ruralidades”- Campo do Gerês 2020;; “Mondes hibrides” -Luxemburgo 2014; “Festival Praga”: Guimarães 2006, Évora 2005, Braga 2002, “Caldas Late Nigth”- Caldas da Rainha 2001 Exposições individuais: “Rés da Rua”, Porto 2017.

IMG_4008.JPG

IMG_4010.JPG

IMG_4014.JPG

IMG_4026.JPG

IMG_4031.JPG

IMG_4054.JPG

IMG_4069.JPG

IMG_4071.JPG

IMG_4074.JPG

IMG_4076.JPG

IMG_4079.JPG

IMG_4088.JPG

BARCELOS APRESENTA NA GALERIA MUNICIPAL DE ARTE DESENHOS DE ÂNGELO DE SOUSA

A Fundação Serralves apresenta na Galeria Municipal de Arte, em Barcelos, a exposição “Ângelo de Sousa: Quase tudo o que sou capaz”, uma mostra que vai estar patente ao público a partir do dia 5 de novembro.

barcelrem.jpg

Este projeto reúne uma seleção de desenhos, pinturas e esculturas (obras da Coleção Serralves) que sublinham a importância da contaminação entre disciplinas para a evolução da sua prática artística ao longo da sua carreira. Nesta exposição, refuta-se “a imagem dominante de Ângelo de Sousa como pintor, demonstrando que o desenho e a escultura são não apenas facetas fundamentais da sua obra, como também onde porventura é mais evidente o espírito experimentalista”.

Os trabalhos do artista são caraterizados por uma aparente simplicidade: Ângelo de Sousa tenta obter, nas suas palavras, "o máximo de efeitos com o mínimo de recursos, o máximo de eficácia com o mínimo de esforço, e o máximo de presença com o mínimo de gritos (…). A exposição sublinha esta vontade de trabalhar com elementos simples, ao apresentar algumas das primeiras obras de Ângelo de Sousa, ainda figurativas, mas apontando já para a depuração que viria a caraterizar o artista, lado a lado com os exercícios abstrato-geométricos que o impuseram como um dos maiores estudiosos da cor e da luz”.

Esta iniciativa integra-se no programa de exposições e apresentação de obras da Coleção de Serralves, especificamente selecionadas para os locais de exposição com o objetivo de tornar o acervo acessível a públicos diversificados de todas as regiões do país.

A exposição fica patente ao público na Galeria Municipal de Arte até ao dia 30 de janeiro de 2022 e pode visitar de terça a sexta-feira, das 10h00 às 17h00 e sábados, das 10h00 às12h30 e das 14h00 às 17h30.

angelo-de-sousa.jpg!Portrait.jpg

Ângelo de Sousa

O artista nasceu em Lourenço Marques a 2 de fevereiro de 1938 e fixou-se no Porto em 1955. Matriculou-se em Belas-Artes, licenciando-se em Pintura com nota máxima de 20 valores.

Viveu e trabalhou na cidade do Porto, onde deu aulas na Escola Superior de Belas-Artes, entre 1962 e 2000, ano em que se jubilou como professor catedrático.

Participou na fundação da Cooperativa Árvore, bem como em inúmeras exposições individuais e coletivas.

Morreu em 29 de março de 2011.

BARCELOS EXPÕE ARTE DO FERRO

“ Do Ferro à Arte - Pelas mãos de Júlio Ferreira” no Posto de Turismo

Abre ao público, amanhã (29 de outubro), pelas 17h00, no Posto de Turismo de Barcelos, a exposição “Do Ferro à Arte – Pelas mãos de Júlio Ferreira”.

ferrobarcelos.jpg

A iniciativa pretende dar a conhecer a obra deste artesão, que se dedica à produção de trabalhos em ferro, produzindo peças utilitárias e decorativas de enorme valor artístico.

As suas criações representam maioritariamente profissões, mas Júlio Ferrreira produz todo o tipo de peças, nomeadamente galos de Barcelos, presépios, e artigos utilitários e decorativos para o lar. Apesar da rigidez da matéria-prima, parece não haver limites para a sua criatividade e imaginação.

Natural da freguesia de Cambeses, aventurou-se no artesanato a tempo inteiro, no ano de 1995, por influência da esposa Glória de Jesus, também ela artesã, mas no ramo de bordado de crivo.

Júlio Ferreira tem méritos reconhecidos em todo o país e já obteve um 3.º  lugar no concurso da 9ª Edição do INOVART, promovido pela Adere-Minho, com a obra “Cérebros Alucinados”, peça executada em ferro forjado.

O artesão é mais um bom exemplo da criatividade das gentes de Barcelos, que com a sua veia artística muito contribuem para que o concelho faça parte da Rede das Cidades Criativas da UNESCO, no setor do artesanato e arte popular.

A exposição “Do Ferro à Arte - Pelas mãos de Júlio Ferreira” está patente até 28 de novembro, na sala multimédia do Posto de Turismo de Barcelos, e pode ser visitada de segunda a sexta-feira, das 9h30 às 18h00; aos sábados, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 17h00 e, aos domingos, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 16h00.

A entrada é livre.

CONCURSO “COCA DE MONÇÃO`21”

Cerimónia de entrega de prémios e inauguração da exposição, com apresentação de 40 trabalhos selecionados, realiza-se este sábado, 23 de outubro, pelas 16h00, no Museu Monção & Memórias.

museumon1.jpg

A secular festividade “Corpo de Deus – Coca de Monção” é um dos acontecimentos mais relevantes do calendário cultural do concelho de Monção, tratando-se de uma celebração secular com caraterísticas muito próprias, onde o sagrado e o profano se cruzam.

Nesta festividade, que valoriza a etnografia popular e afirma a identidade coletiva do povo e do território monçanense, os momentos mais relevantes são a procissão solene do Corpo de Deus e a peleja ancestral entre o Cavaleiro S. Jorge, simbolizando o bem, e o Dragão Coca, simbolizando o mal.

Inspirando-se na “Sardinha das Festas de Lisboa”, a autarquia lançou o concurso “Coca de Monção`21”, procurando estimular a participação do público, com o objetivo de reforçar, ainda mais, a iconicidade da Coca de Monção, o dragão mítico monçanense.

Este sábado, 23 de outubro, pelas 16h00, no Museu Monção & Memórias, Rua da Independência, no centro histórico de Monção, realiza-se a cerimónia de entrega de prémios aos vencedores do concurso “Coca de Monção`21”, seguindo-se a inauguração da exposição desta primeira edição.

cartazmon2.png

Bordalo II apadrinhou concurso

Englobada na programação do “Mês do Cordeiro à Moda de Monção”, a exposição mostra uma seleção de 40 trabalhos de autores de várias localidades de Portugal e Espanha, onde são abordadas diferentes formas de interpretação da emblemática figura da Coca, através de múltiplos olhares sobre o mítico dragão monçanense, um dos principais legados da cultura local.

O concurso, apadrinhado pelo artista Bordalo II, contou com o apoio institucional da Caixa de Crédito Agrícola do Noroeste. O júri de premiação foi constituído por David Santos - Noiserv (músico), Afonso Cruz (escritor e artista multidisciplinar), Acácio Viegas (artista visual contemporâneo), Chelo Matesanz (artista e professora) e Sónia Borges (ilustradora).

BARCELOS: MUSEU DE OLARIA RECEBE EXPOSIÇÃO "BONECREIRO"

A Sala da Capela do Museu de Olaria recebe, até 31 de dezembro de 2021, a exposição “Bonecreiro” resultante do trabalho desenvolvido pelos artistas Alberto Berruto, Auréline Caltagirone, Carolina Garfo, Fábio Araújo, Francesco Caruso, Laura Monteiro, José Sottomayor e Maria Luísa Ramires numa residência artística organizada pela POUSIO - Arte e Cultura em parceria com o Museu de Olaria, decorrida entre maio e junho deste ano, em Barcelos.

bonecreibarc (1).JPG

Fomentando a criação e a experimentação interdisciplinar destes artistas emergentes em contacto com os artesãos locais do município, a residência artística procurou fortalecer, assim como dinamizar, a pesquisa e a produção em torno do artesanato e das práticas artísticas de Barcelos, em diálogo com a sua comunidade.

Com curadoria de Ana Bacelar Begonha, "Bonecreiro", que estará patente até ao final do ano, na Sala da Capela do Museu, conta com trabalhos multidisciplinares que vão desde a cerâmica, à serigrafia, à pintura, ao vídeo ou ainda à performance e que se preocupam com reinventar e recontextualizar práticas tradicionais, assim como questionar as dicotomias entre velho e novo, digital e material ou real e ficcional.

A exposição contará também com uma projeção do documentário Bonecreiros (2021), de Alberto Berruto e Francesco Caruso, sobre o processo da residência, na Sala Multiusos do Museu no dia 20 de novembro, às 16h00, para assinalar a semana em que se comemora o Dia Mundial da Criatividade.

A exposição “Bonecreiro” é organizada pela POUSIO -Arte e Cultura em parceria com o Museu de Olaria de Barcelos.

A POUSIO – Arte e Cultura é uma associação que surgiu em 2019 para dar resposta à necessidade de criação de novos contextos de produção artística. Tem como objetivo ligar produtores culturais nacionais - artistas, curadores, museólogos e investigadores - a comunidades social ou culturalmente isoladas no país. Propondo várias formas de contacto, a POUSIO tem como objetivo: evidenciar a importância da arte e da cultura como instrumentos de novas soluções sociais; incentivar a produção artística desafiando-a a conhecer novas realidades, a abrir diálogo com novas comunidades e artistas, a expor a sua experiência; promover a troca de conhecimento e criar uma cultura de serviço - uma cultura que crie novos acessos.

Na cidade de Barcelos, ergue-se o Museu de Olaria, equipamento cultural na área da cerâmica com notoriedade internacional. A contínua missão (estudar, documentar, conservar, e divulgar o património cerâmico) materializou-se num acervo com mais de 10000 itens, e em diversas publicações. Nele podemos encontrar várias tipologias cerâmicas e artefactos dos principais centros oláricos portugueses (passado e presente), países de expressão portuguesa, entre outros. Estas atraem investigadores de vários campos do conhecimento, e ainda, possibilitam uma ampla e periódica oferta expositiva ao público.

A exposição pode ser visitada de terça a sexta-feira, das 10h00 às 17h00 e, aos sábados, domingos e feriados, das 10h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30.

bonecreibarc (2).JPG

BRAGA INAUGURA EXPOSIÇÃO "TERRA DE SONHOS - SER MULHER NA ÍNDIA RURAL"

Terça-feira, dia 12 de Outubro, pelas 18h00, na Praça da República

O Município de Braga convida o vosso órgão de comunicação social a acompanhar a inauguração da Exposição ´Terra de Sonhos – Ser Mulher na Índia Rural´, que terá lugar amanhã, Terça-feira, dia 12 de Outubro, pelas 18h00, na Praça da República. A iniciativa contará com a presença do presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio.

A exposição, promovida pela Fundação “la Caixa” em colaboração com o Município de Braga e a BPI, estará patente até dia 9 de Novembro. Pela mão de Cristina García Rodero, apresenta a singularidade e assimetria do mundo rural da Índia. Através do seu trabalho, a fotógrafa propõe-nos uma forma particular de ver a Índia, um mundo complexo e fragmentado.

Cada fotografia constrói um código visual coerente e, acima de tudo, transcendente. A imagem transforma-se em arte e derrubam-se as barreiras territoriais em prol dos direitos humanos. Neste âmbito inserem-se várias acções da Fundação ”la Caixa”, que mostram a influência das imagens na sensibilidade contemporânea e destacam o papel dos grandes criadores visuais do século XXI na nossa forma de ver o mundo.

Terra de Sonhos.jpg

ARTESÃ CIDÁLIA TRINDADE EXPÕE NA TORRE MEDIEVAL DE BARCELOS

Exposição “Recortes de Inovação numa produção de tradição – O Figurado de Cidália Trindade” na Torre Medieval até novembro

“Recortes de Inovação numa produção de tradição – O Figurado de Cidália Trindade” é o nome da exposição que estará patente entre 8 de outubro a 14 de novembro, na Torre Medieval.

Imagem 1gallbarc.JPG

Cidália Trindade, apesar de gostar da modelagem, tarefa que desempenhava no passado, considerou que o figurado seria o caminho que gostava de percorrer, onde a criatividade e a imaginação não têm limites.

Para além disso, mais desafiante, pois teve de aprender novas técnicas de modelagem e pintura. As primeiras peças que produziu . Enquanto artesã, foram uns presépios  e, como correu bem, achou que devia começar a fazer outras peças, mais variadas e coloridas, tais como, galos, os músicos, as minhotas, os santos, entre outras.

De referir que, Cidália Trindade representa a temática floral num registo singular, no âmbito da produção de figurado.

Gosta de apresentar as suas peças com cores vivas e variadas, feitas a partir de tintas de água, que ela própria mistura até chegar à cor que mais lhe agrada.

Embora o seu percurso na área do figurado de Barcelos, seja, ainda, muito curto, sente-se realizada profissionalmente e nota que o seu trabalho já vai sendo reconhecido e procurado pelo público, principalmente nas feiras de artesanato em que participa.

Este reconhecimento é comprovado pela distinção “Prémio Revelação Artesanato Tradicional” que lhe foi atribuído na 38.ª Mostra Nacional de Artesanato e Cerâmica de Barcelos, em 2021, em face do percurso que tem desenvolvido.

Neste sentido, pretende-se com a presente exposição individual de Cidália Trindade, dar a conhecer o seu trabalho, a sua criatividade e a paixão pela arte, bem como promover esta produção certificada que é o Figurado de Barcelos , o qual constitui um precioso património que muito orgulha os barcelenses.

A exposição pode ser visitada, na Torre Medieval de segunda a sexta-feira, das 10h00 às 18h00 e, aos sábados, domingos e feriados, das 10h00 às 13h00 e das 14h30 às 17h30.

gallba.JPG

CASA DAS ARTES DE FAMALICÃO ACOLHE A COMUNIDADE DE MANOEL DE OLIVEIRA

Exposição «Manoel de Oliveira, a Comunidade» patente no foyer do espaço até dia 26 de janeiro de 2022

A Casa das Artes de Famalicão acolhe, a partir de hoje, 7 de outubro, até 26 de janeiro de 2022, a exposição «Manoel de Oliveira, A Comunidade». Organizada pela Casa do Cinema Manoel de Oliveira - Fundação de Serralves, com curadoria de António Preto, a exposição integra a programação da 6ª edição do «CLOSE-UP – Observatório de Cinema de Famalicão», dedicada ao tema «Comunidade», e as comemorações do 20º aniversário do teatro municipal.

083A1392.JPG

Partindo do acervo documental do realizador português, integralmente depositado em Serralves, a exposição patente na Casa das Artes coloca em diálogo diversos materiais de trabalho, entre eles, guiões, correspondência, fotografias de repérage e de rodagem, recortes de jornal, entre outros documentos, e excertos de filmes representativos do modo como Manoel de Oliveira retratou diferentes comunidades.

O material exposto assegura três perspetivas da comunidade ligadas ao realizador, nomeadamente, o «círculo» de atores que privilegiava, a equipa de rodagem com quem possuía laços estreitos, e sete filmes da sua carreira, onde a temática comunitária se evidencia na película.

Refira-se que a Casa do Cinema Manoel de Oliveira, projeto do arquiteto Álvaro Siza Vieira, é um polo de referência no domínio do cinema, integrado nos espaços da Fundação de Serralves. Além de um centro de documentação e de sessões de cinema que permitem um acesso regular à obra de Manoel de Oliveira, promove exposições temporárias, ciclos de cinema temáticos e monográficos, retrospetivas e conferências, promovendo, através destes, diferentes possibilidades de aproximação ao cinema contemporâneo.

A exposição «Manoel de Oliveira, A Comunidade» está patente no foyer da Casa das Artes e funciona como um prólogo para o episódio seis do CLOSE-UP, que decorre de 16 a 23 de outubro em vários espaços do teatro municipal.

A edição deste ano do CLOSE-UP conta com cerca de 30 sessões de cinema contemporâneo cruzadas com a história do cinema nas obras de Wong Kar-Way e Hong Sang-soo, sob o mote do Cinema Comunidade, incluindo filmes-concerto pelos Sensible Soccers («Douro Faina Fluvial», 1931, e «O Pintor e a Cidade», 1956) e por Filipe Raposo com a Orquestra Sinfónica Portuguesa («Metropolis», de Fritz Lang), assim como filmes comentados por realizadores, jornalistas e académicos, um panorama pela obra de Basil da Cunha, uma masterclasse, sessões especiais, conversas e sessões para famílias e para escolas.

083A1379.JPG

083A1353.JPG

CELORICO DE BASTO NA "EXPOvacaciones" EM BILBAU

Promoção ao turismo de Celorico de Basto esteve em destaque na Feira “Expovacaciones” Tendências e Experiências, em Bilbau, Espanha, de 1 a 3 de outubro, através do Turismo Porto e Norte de Portugal.

IMG-20211002-WA0007.jpg

O vereador do Turismo da Câmara Municipal de Celorico de Basto, Fernando Peixoto, marcou presença no certame para ver de perto este mercado Espanhol sempre muito atrativo para a região. “Estivemos em Bilbau através do Turismo Porto e Norte de Portugal que tem procurado fazer um trabalho de excelência na promoção de todo o território. Foi a primeira vez que nos fizemos representar neste certame mas temos procurado, de forma concertada, estar em todas as feiras, exposições e atividades que tenham por objetivo promover o turismo da região e mais especificamente no meu concelho. O nosso trabalho tem sido árduo mas tem dado frutos com um excedente na procura face à oferta”, disse o autarca.

 Fernando Peixoto sente o turismo como motor impulsionador da economia da região, “um local idílico com um potencial turístico único pela diversidade na oferta e pela forma acolhedora como as nossas gentes recebem quem nos visita. Não podemos descurar os números e estamos convencidos que, cada vez mais, o nosso concelho será o refúgio de muitos e a oportunidade de outros tantos. A confiança de quem trabalha nesta área é cada vez maior, as condições oferecidas, cada vez melhores, e, apesar de ainda faltar limar algumas arestas, como a facilidade de chegar ao interior, o caminho tem sido trilhado para que este setor seja propulsor na economia do concelho”.

Recorde-se que Celorico de Basto viu a sua ecopista a ser galardoada no passado dia 30 de setembro, pela Associação Europeia de Vias Verdes que distinguiu ecopista do Tâmega no 10.º Prémio Europeu de Vias Verdes na categoria de prémio especial concedido para recompensar iniciativas que valorizem a herança ferroviária e/ou iniciativas ou produtos turísticos que promovam o uso de comboios, incluindo o transporte de bicicletas, para aceder às vias verdes, e destinadas a um ou mais desses trilhos. Sinal da importância deste equipamento para quem vive no concelho mas também para quem nos visita.

IMG-20211002-WA0008.jpg

IMG-20211002-WA0012.jpg