Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

JOVEM BAILARINA BRACARENSE DESTACA-SE NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

EUA: Bailarina portuguesa conquista três medalhas de ouro

A bailarina Carolina Costa, de 12 anos, conquistou mais três medalhas de ouro, desta vez num prestigiado concurso de dança, o Ballet Beyond Borders, em Missoula, disputada na cidade do Estado de Montana, nos Estados Unidos da América, confirmando a boa forma.

41854145_531700063939626_1714255553892450304_n.jpg

Carolina Costa obteve o primeiro lugar em todas as categorias em que competiu e viu o nome inscrito entre vencedores da competição, juntando-se a grandes bailarinos de vários países, como Canadá, Coreia do Sul, China, EUA, México, Itália e Roménia, entre outros.

A jovem bailarina destacou-se com as atuações a solo (ballet clássico e contemporâneo) e também em Pas de Deux, com o bailarino Francisco Gomes, de 15 anos, que se revelou na edição de 2018 do Got Talent Portugal, alcançando já este por sua vez o segundo lugar.

37196243_480204009089232_5732822690574630912_n.jpg

Carolina Costa afirmou hoje ao i “estar muito feliz por receber estes prémios, na primeira vez que eu participo numa competição tão especial, que foi uma oportunidade única de partilhar o palco com os bailarinos e as bailarinas que são reconhecidos mundialmente e em cada dia da competição, tanto nas aulas, como durante as atuações, aprendi imenso”.

Carolina Costa nasceu em Braga em outubro de 2006 e com apenas três anos iniciou o seu percurso na dança, integrando aos oito anos a Ent’artes – Escola de Dança de Braga, participando em vários saraus, eventos e espetáculos, com o apoio incondicional dos pais.

Gratidão aos professores

“Agradeço a todos os meus professores do Conservatório Internacional de Ballet e Dança Annarella Sanchez, de Leiria, pela dedicação, carinho e profissionalismo agora de uma forma muito especial ao Professor Enrique Perez Cancio Cantero, que coreografou o solo de contemporâneo com que venci o primeiro lugar nesta categoria”, disse Carolina Costa.

“Quero também dar os parabéns aos meus colegas e amigos do Conservatório, que desde sempre me acompanharam nesta viagem pelas maravilhosas atuações e pelos prémios que receberam”, salientou a jovem bailarina bracarense, que em 2018 estagiou em Moscovo.

A bailarina bracarense mudou-se recentemente da Ent’artes – Escola de Dança de Braga para o Conservatório Internacional de Dança Annarella Sanchez e recebeu no início do mês de junho de 2018 um voto de louvor da Assembleia da República devido aos prémios.

Fonte: https://ionline.sapo.pt/

675179 (1).png

MINHOTOS EM NEWARK RECEBEM ANO NOVO À MODA DO MINHO

A comunidade minhota em Newark prepara-se para receber o Ano Novo 2019. E a festa tem lugar na Casa do Minho, em Newark, no Estado de New Jersey.

47390935_1235475929935275_4631150264752013312_n

A festa vale pela confraternização e cimento das gentes minhotas radicadas nos Estados Unidos da América – mas os produtos endógenos do Minho devem marcar presença mais acentuada e não serem substituídos por produtos de outros países de diferentes culturas. A título de exemplo, o “champanhe” jamais deverá substituir o vinho verde da nossa região!

O BLOGUE DO MINHO endereça a todos os minhotos radicados nos Estados Unidos da América os melhores votos de um Ano Novo de Paz, Saúde e Alegria!

Fotos: Casa do Minho

14368682_691555717660635_238538983303573538_n

49094864_1254470481369153_7820122031302639616_n

49491037_1254470451369156_1528095208674164736_n

49625814_1254470458035822_7334935819439833088_n

JOHN PHILIP SOUSA, UM INSIGNE LUSO-AMERICANO

  • Crónica de Daniel Bastos

No início do mês passado assinalaram-se os 164 anos do nascimento de John Philip Sousa, insigne compositor e maestro de banda luso-americano, do romantismo tardio, popularmente conhecido como “O Rei das Marchas”, como The Stars and Stripes Forever, marcha oficial dos Estados Unidos.

Elmer_Chickering_-_John_Philip_Sousa

John Philip Sousa nasceu em Washington, a 6 de novembro de 1854, terceiro dos dez filhos do português, natural dos Açores, João António Sousa e de uma austríaca, Marie Elisabeth Trinkaus. A sua precoce vocação musical levou a que ainda muito jovem se iniciasse nos estudos musicais, tocando violino, e aprendendo composição musical.

Em 1892, o musicógrafo luso-americano apresentou, em New Jersey, a sua própria banda, a “Sousa Band”, encetando um percurso musical fulgurante. Desde essa data até à década de 1930, realizou mais de quinze mil concertos, sendo que no ocaso do séc. XIX a sua banda representou os Estados Unidos da América na Exposição Universal de Paris.

Antes em 1888, tinha já composto a marcha “Semper Fidelis” que foi adotada como hino da Marinha dos Estados Unidos da América. A 14 de maio de 1897, em Filadélfia, no decurso da inauguração solene de uma estátua de George Washington, primeiro Presidente dos Estados Unidos da América, em que esteve presente o presidente norte-americano dessa época, William McKinley, foi tocada pela primeira vez em público a marcha intitulada The Stars and Stripes Forever (Estrelas e Barras para Sempre), considerada a obra-prima do luso-americano, e que mereceu as honras, por lei do Congresso dos Estados Unidos, de marcha nacional do país.

Afamado compositor e maestro, John Philip Sousa, escreveu também obras poéticas, de ficção, manuais, crónicas jornalísticas e uma autobiografia, tendo inclusivamente idealizado um instrumento de sopro da família dos metais, o Sousafone, uma tuba especial que o executante apoia no ombro para que possa executá-la enquanto anda ou marcha, e que é o maior dos instrumentos de sopro.

John Philip de Sousa, que faleceu no dia 6 de março de 1932, e foi sepultado com honras oficiais em Washington, no Cemitério do Congresso, é meritoriamente uma das figuras luso-americanas de maior destaque na cultura e história norte-americana.

IRMÃOS STEEVE E GARRY GAMEIRO DEIXAM MENSAGEM NO FACEBOOK A AGRADECER O APOIO DOS MONÇAMENSES

Gameiro

Ontem foi sem dúvida um grande dia para nós !!!

Faço questão de deixar aqui um grande abraço à todos os monçanenses que nos apoiaram, a mim e ao meu irmão, durante este campeonato do Mundo de Powerlifting !!!

Muito obrigado ao Município de Monção pela mensagem de carinho e de apoio!

Quanto aos resultados, não poderia ter corrido melhor, pois sagramo-nos ambos pela primeira vez campeões do mundo de Supino Equipado Multiply, em Orlando (U.S.A) !

Garry na categoria de peso -110 com uma barra à 285 quilos e uma tentativa a 300 falhada de pouco e Steeve, na categoria de peso -100 com uma barra à 315 quilos, estabelecendo um novo record luso-francês !!

Foi um orgulho representar Monção nos Estados Unidos e provar que atletas do nosso país também conseguem rivalizar com as nações do mundo inteiro neste desporto de força!!!

Não há segredo nem receita mágica ... esta aventura já começou há mais de 20 anos quando o nosso amigo António Fão Pena nos iniciou no mundo do "ferro", num dos ginásios + emblemáticos de Monção (Ginásio Acrópole), hoje rebaptizado Spartan Gym.

Ontem apenas fomos recompensados pela nossa persistência !!

Aqui está a prova que, com disciplina, garra e força de vontade, tudo é possível.

Agora está na hora de descansar ... até breve amigos e obrigado por tudo !!

STEEVE E GARRY GAMEIRO SAGRAM-SE CAMPEÕES DO MUNDO DE SUPINO EQUIPADO MULTIPLY, NO WPC WORLD CHAMPIONSHIP 2018

Um dia musculado para Monção. Os irmãos Steeve e Garry sagraram-se campeões do mundo de Supino Equipado Multiply, no WPC World Championship 2018, a decorrer em Orlando, Florida, Estados Unidos da América.

Gameiro

Na categoria de peso -110, Garry elevou uma barra de 285 quilogramas (tentativa de 300 falhada por pouco) e Steeve, na categoria de peso -100, estabeleceu um novo record luso-francês com uma barra de 315 quilogramas. Resultados fantásticos para os irmãos Gameiro que muito orgulha Monção.

Na página do Facebook, Steeve e Garry deixaram um grande abraço a todos os monçanenses pelo apoio, uma mensagem de carinho ao Município de Monção e uma palavra especial ao amigo António Fão Pena, pelo incentivo no mundo do “ferro” num dos ginásios mais emblemáticos de Monção (Ginásio Acrópole), rebatizado Spartan Gym.

Referem que “ontem apelas fomos recompensados pela nossa persistência” revelando que “aqui está a prova que, com disciplina, garra e força de vontade, tudo é possível. Agora, acrescentam, “está na hora de descansar” despedindo-se com um “até breve e obrigado por tudo”.

DELEGAÇÃO DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ESTÁ EM FAMALICÃO PARA FOMENTAR PLANO CONJUNTO DE DESENVOLVIMENTO URBANO

Delegação americana está em Famalicão para delinear plano de ação. União Europeia fomenta partilha de experiências entre Famalicão e Fort Collins dos EUA

Uma comitiva de Fort Collins, dos Estados Unidos da América, está desde ontem, 6 de novembro, de visita ao Município de Vila Nova de Famalicão para partilhar conhecimento, experiências e boas práticas no domínio do desenvolvimento e mobilidade sustentável, tendo em vista a formulação de um plano de ação conjunto entre as duas cidades.

AFS_0253

A iniciativa está a ser desenvolvida com o apoio da União Europeia, através do Programa Internacional de Cooperação Urbana (IUC), que conecta cidades de diferentes regiões do globo para compartilharem soluções para problemas em comum, como parte de uma estratégia de longo prazo da União Europeia de fomentar o desenvolvimento urbano sustentável em cooperação tanto com os setores público e privado quanto com grupos comunitários e cidadãos.

Financiadas pela União Europeia, as atividades do IUC darão suporte à obtenção de objetivos políticos tanto a nível local quanto relacionados a importantes acordos internacionais sobre desenvolvimento urbano e mudanças climáticas, como a Agenda Urbana, os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e o Acordo de Paris.

A mobilidade urbana de baixo carbono é a preocupação central das duas cidades, estando a ser desenhadas possibilidades de cooperação em várias áreas como os transportes públicos, o empreendedorismo, o ambiente, a economia circular, entre outras.

Em concreto, nesta primeira abordagem, Fort Collins está interessado em seguir Famalicão no uso do transporte público, nomeadamente através do exemplo do Voltas, dos Passes Sociais e Escolares e das parcerias com os operadores privados, enquanto Famalicão está interessado em aprender com os caminhos abertos por Fort Collins para a promoção de mobilidade de bicicletas.

Entender melhor as estratégias, ações e planos de cada um para um futuro mais sustentável, identificar áreas comuns de exploração, partilhar boas práticas e explorar áreas potenciais para uma colaboração de longo prazo, são os objetivos desta primeira missão que decorre até sexta-feira.

Fort Collins é uma cidade localizada no estado americano do Colorado, no Condado de Larimer. Foi fundada em 1864, e incorporada em 1883. Segundo o censo nacional de 2010, a sua área é de 143,82 km², dos quais 3,3 km² estão cobertos por água. A população é de 165 habitantes (2017).

Esta envolvência de Vila Nova de Famalicão no Programa Internacional de Cooperação Urbana está enquadrada também no processo de Internacionalização do concelho que é um dos grandes desafios assumidos pelo executivo municipal presidido por Paulo Cunha.

AFS_0264

FAMALICÃO PROMOVE DEBATE ACERCA DAS RELAÇÕES ENTRE PORTUGAL E OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

Encontros de Outono reúnem especialistas nas relações internacionais de Portugal com os EUA. Iniciativa promovida pelo Museu Bernardino Machado decorre nos dias 23 e 24 de novembro

“Portugal e os Estados Unidos da América do Norte. Da I República à Democracia Abrilista (1910- 1975)” é o tema que vai reunir, na Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão, nos dias 23 e 24 de novembro, perto de uma dezena de especialistas e investigadores na política externa de Portugal com os Estados Unidos. Trata-se de mais uma edição dos Encontros de Outono, uma iniciativa promovida anualmente pelo Museu Bernardino Machado que tem como objetivo debater e refletir sobre episódios da história nacional e internacional.

Casa das Artes (9)

O tema das relações entre os Estados Unidos e Portugal tem vindo a ser debatido desde o início do ano com um ciclo de conferências dedicadas ao assunto. Ao todo foram promovidas, no Museu Bernardino Machado, nove conferências com a participação de especialistas e investigadores com obra publicada sobre o tema das relações internacionais.

Durante os dois dias dos Encontros de Outono irão realizar-se oito conferências. A primeira começa logo pelas 10h30 do dia 23, com o tema “Uma relação bilateral inevitável, mas desconfiada – Portugal e EUA 1910/1975”, com António José Telo, da Academia Militar, segue-se “Portugal e o Plano Marshall”, com Fernanda Rollo, da Universidade Nova de Lisboa. Pelas 12h10, debate-se “Portugal e os Estados Unidos nos anos 50: A questão de Goa e o acordo dos Açores de 1957”, com Daniel Marcos da Universidade Nova de Lisboa. Pelas 15h30, é a vez de Fernando Martins da Universidade de Évora debater o tema “Realismo e Idealismo nas relações EUA – Portugal durante a presidência de JFK (1961-1963)”, segue-se Aurora Almada e Santos e o tema “Portugal e as Nações Unidas: A questão colonial no após guerra”.

No sábado, a jornada inicia com “o mundo português e os efeitos do Movimento Wilsoniano” com Pedro Aires de Oliveira, da Universidade Nova. Pelas 10h30Bruno Reis do Instituto para as Políticas Públicas e Sociais aborda o tema da “Descolonização (1961-1975)”. Os encontros terminam com a abordagem do jornalista da Agência Lusa, Nuno Simas sobre “Os EUA na revolução portuguesa: da surpresa inicial à “pedra no sapato”com a URSS”.

Para o coordenador científico do Museu Bernardino Machado, o tema escolhido é de grande pertinência. “Num tempo de globalização é natural que a atenção dos cidadãos se volte para os protagonistas internacionais, na procura de sinais do futuro pois o “efeito dominó” de importantes decisões das principais potências mundiais é hoje não apenas uma estratégia política, mas uma inevitável realidade”.

“Desde a queda do bloco soviético, que o neo-liberalismo tende a globalizar-se não apenas do ponto de vista económico, mas também no plano político, religioso e cultural, entre outros e, tem cabido aos EUA o protagonismo nesta mudança paradigmática”, salienta o responsável acrescentando que “neste âmbito é importante revisitar as relações multisseculares – e quase sempre amigáveis – que tivemos com este país desde o século XVIII até ao século XX”.

Também o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, considera o tema “muito interessante e de grande atualidade”. “Ao debatermos as relações de Portugal com os Estados Unidos ao longo dos tempos ficaremos com um maior conhecimento e com uma consciência mais profunda daquilo que nos une e daquilo que nos separa, assim como daquilo que podemos esperar no futuro”.

“As relações de amizade e parceria entre Portugal e os EUA são antigas e mais do que uma aliança militar, política e económica, baseiam-se, desde sempre, nos valores da democracia, liberdade e Estado de Direito”, assinalou ainda o autarca.

Capturar1