Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

FELGUEIRAS: PÃO DE LÓ DE MARGARIDE JÁ É UMA MARCA COLETIVA E SERÁ PRODUTO COM INDICAÇÃO GEOGRÁFICA PROTEGIDA EM BREVE

Este mês de março, o Pão de Ló de Margaride passou a ser uma marca coletiva, passo inicial que irá de encontro ao objetivo final de criação da “Indicação Geográfica Protegia – IGP” do Pão de Ló de Margaride.

image003.png

O fabrico do Pão de Ló ou pão leve, em Margaride, data de há mais de três séculos. O da casa de Leonor Rosa da Silva, a casa mais antiga ainda hoje aberta, data de há um século e meio. Foi no início do século XVIII, há cerca de 300 anos atrás, que uma mulher, de nome Clara Maria, começou o fabrico deste Pão de Ló. A sua Casa, tal como hoje, encontrava-se localizada na freguesia de Margaride, no centro da atual cidade de Felgueiras, factor que deu o nome a este doce tradicional.

O registo como marca nasce da importância cultural deste doce, quer ao nível da sua história, quer pelo que representa na vida dos felgueirenses e visitantes. O Pão de Ló de Margaride constitui-se também como um elo de ligação com o estrangeiro, como forma de levar Portugal até aos emigrantes.

Trata-se de um produto regional, de produção artesanal, carregado de sabor e de história produzido no Concelho de Felgueiras, com caraterísticas únicas. A tradição e as raízes à terra e ao estrangeiro sentem-se ao longo da sua história.

O tradicional doce muito leve, redondo, com um buraco ao centro, envolvido no papel em que foi cozido e tradicionalmente partido e comido à mão constitui-se agora uma marca coletiva.

De marca coletiva a Produto Regional Certificado

O objetivo principal do processo é a criação de marca coletiva e “Indicação Geográfica Protegia – IGP” do produto, que reconheça ao Pão de Ló de Margaride e o seu caráter tradicional e genuíno, tendo em vista a comercialização do mesmo em mercados externos.

A candidatura apresentada pela Associação Empresarial de Felgueiras foi preparada ao longo de vários meses para que pudesse reunir todas as exigências que garantissem sua viabilidade, no âmbito dos fundos do Norte 2020.

O processo de certificação do Pão de Ló de Margaride, abrange todo o concelho de Felgueiras, e respeita um conjunto de normas ao nível do respeito pelo receituário tradicional, métodos de fabrico e embalagem e definição dos ingredientes, entre outros aspetos.

Este processo irá trazer um aporte às empresas do setor auxiliando-as a acelerar o processo de modernização e exportação do seu produto, iniciado há alguns anos. Do ponto de vista dos consumidores, representará uma garantia de que o produto certificado cumpre todas as exigências de fabrico e qualidade.

De acordo com a candidatura proposta pela AEF, foram desenvolvidos um estudo de caracterização do setor e o conhecimento dos mercados internacionais. Os resultados dos trabalhos desenvolvidos irão decorrer até ao final de junho em sessões publicas, na Casa das Torres. Até ao momento foram apresentados a logomarca e o estudo de mercado e do setor.

A Cooperação empresarial e ações de marketing internacionais são outras ações que compõe o plano e devem ser concretizadas ao longo dos dois anos de vigência.

A tradição no mundo online: site e redes sociais
A tradição secular associada ao Pão de Ló de Margaride aliou-se ao novo mundo moderno. A partir de agora, o melhor embaixador das terras de Felgueiras já tem um sítio na Internet.

A apresentação moderna e intuitiva permite ao utilizador conhecer o Pão de Ló de Margaride, as suas características e a história que vem a ser escrita há mais de três séculos. O utilizador poderá ficar também a par de todo o processo de certificação como produto regional, dos estudos, regulamentos e notícias.O Pão de Ló de Margaride tem presença no mundo online, apresentando um website pautado pelo respeito à tradição, mas também pela modernização que o processo de certificação lhe veio atribuir.

Com o objectivo de consolidar a presença online, o novo site está totalmente integrado com as redes sociais: Facebook eInstagram.

A presença no ciberespaço constitui-se como mais um passo na constante melhoria da comunicação com os consumidores, fornecedores, parceiros e visitantes. Agora estar ligado ao Pão de Ló de Margaride é fácil e pode ser feito através de um click.

A Associação Empresarial de Felgueiras já conta 77 anos desde a data da sua fundação. Centra as suas atividades no sector de Atividades de Organizações Económicas e Patronais, visando garantir a excelência na representação dos seus associados, servindo de interlocutor junto das instituições públicas e privadas, satisfazendo as suas necessidades, defendendo os seus interesses e promovendo a sua imagem, com serviços pautados pelo rigor e transparência.

image005.jpg

image007 (1).jpg

LOGO_PLM.png

Pão de Ló de Margaride.jpg

SITE PML.jpg

BOLINHOL DE VIZELA É UMA MARAVILHA DE PORTUGAL

Câmara apresentou candidatura do Bolinhol às 7 Maravilhas Doces de Portugal

A Câmara Municipal de Vizela submeteu uma candidatura ao concurso 7 Maravilhas Doces de Portugal com o objetivo de potenciar o Bolinhol, doce único em Portugal.

Há mais de 130 anos que o Bolinhol faz parte do património gastronómico de Vizela, concentrando em si caraterísticas históricas, culturais e económicas relevantes e que merecem ser preservadas, promovidas e valorizadas. 

Sendo um doce único em Portugal é claramente uma mais-valia do Concelho, que para além de ser um ícone da gastronomia e da cultura vizelense, legado de várias gerações, é um produto significativo para a economia local, com impactos positivos diretos e indiretos.

A candidatura submetida foi, entretanto, aceite pela organização do concurso, sendo que o mesmo decorrerá em sete fases a partir do presente mês de março. O concurso terminará em setembro, esperando-se que o valor do Bolinhol seja devidamente reconhecido.

Com isso, e a par de outras iniciativas, é também objetivo do Município dinamizar e desenvolver em Vizela o produto turístico Gastronomia e Vinhos, considerado estratégico para o Turismo a nível nacional, regional e local, e que se traduz na aposta num triângulo dourado de sabores, sempre tendo por base aquilo que faz parte da identidade do nosso Concelho: o bolinhol, o vinho verde e o bacalhau à Zé do Pipo.

ESPOSENDE SABE A MAR

Março com Sabores do Mar promove Doces e Endógenos de Esposende

Os doces tradicionais e os produtos endógenos do concelho de Esposende estarão em destaque, este fim de semana, dias 9 e 10 de março, no espaço Sabores do Mar. Um vasto programa cultural, está também em destaque na programação deste evento gastronómico.

IMG_20190306_153527_859.jpg

A iniciativa “Março com Sabores do Mar” que este ano assinala a 20.ª edição, proporciona este fim de semana a degustação da doçaria local, assim como permite a aquisição de produtos hortícolas e vinhos produzidos na região, cerveja artesanal e os conceituados queijos e manteigas dos Laticínios das Marinhas.

A 20.ª edição do “Março com Sabores do Mar” fica também marcada, pela edição de um livro, dirigido aos mais novos, onde estão catalogados e explicados os produtos endógenos do concelho e de outra compilação bibliográfica onde estão reunidas as receitas tradicionais da região, com particular destaque para os doces.

IMG_20190306_171553.jpg

No panorama cultural, o programa do evento “Março com Sabores do Mar” compreende, este fim de semana a peça de teatro “Escafandro”, especialmente concebida pelo grupo infantojuvenil Boca de Cena, integrado no Festival de Teatro Amador de Esposende (FestiAma). O espetáculo realiza-se no Auditório Municipal de Esposende no sábado, dia 9, às 21h30, e no domingo, dia 10, às 16h30.

No domingo, entre as 10h00 e as 19h00, realiza-se a habitual Feira de Artesanato de Esposende, na zona envolvente ao espaço Sabores do Mar, no Largo Rodrigues Sampaio.

Esta postura enquadra-se nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030, da Organização das Nações Unidas, nomeadamente Saúde de Qualidade, Educação de Qualidade, Trabalho Digno e Crescimento Económico, Cidades e Comunidades Sustentáveis, Produção e Consumo Sustentáveis, Parcerias para a Implementação dos Objetivos.

IMG_20190306_172654.jpg

VILA VERDE: O MINHO ESTÁ EM ALTA!

Chá de Tília com Citrinos e Biscoitos ‘Pérola’ para nutrir o amor entre a marca Namorar Portugal e o Palácio da Brejoeira!

O amor pela cultura e pela tradição criaram a atmosfera perfeita para um Romance Palaciano. Ontem, 27 de fevereiro, a marca territorial do Município de Vila Verde regressou ao ex-líbris de Monção para continuar a nutrir a relação numa tarde de arte, cultura e amizade.

1 (2)minhalt.jpg

O sumptuoso Palácio da Brejoeira e o ambiente idílico que o rodeia voltaram a criar um magnífico cenário para a apresentação de duas novas linhas de produtos Namorar Portugal. A Tília colhida no próprio Palácio ganhou, este ano, a companhia da laranja, da tangerina e do limão no Chá de Citrinos Palácio da Brejoeira, da empresa Serras Brandas. Para acompanhar, nada melhor que as deliciosas propostas da Pastelaria da Vila, que este ano incidem em pequenos bolos/biscoitos com erva-príncipe.

A iniciativa começou com um passeio pela emblemática Avenida das Tílias e prosseguiu com uma visitada guiada ao palácio. De seguida, a magia da música ao vivo ajudou a enriquecer o programa com a atuação da professora Maria de Menezes, da Academia de Música de Vila Verde, e de um grupo de cavaquinhos. Nota de destaque também para a presença de duas bordadeiras da Aliança Artesanal, entidade que se dedica a preservar, recriar e promover este imenso património imaterial. Alice Augusto e Cristina Lopes estiveram a bordar ao vivo, levando à joia edificada de Monção esta bela e delicada forma de arte que remonta ao século XVII e está na génese da marca Namorar Portugal. Depois da apresentação dos produtos, tempo para degustar as deliciosas propostas apresentadas pelos parceiros Namorar Portugal.

1 (3)minhalt.jpg

Uma tradição que nos fala de amor

A abertura da sessão coube à vereadora da Cultura do Município de Vila Verde. Júlia Fernandes apresentou às dezenas de pessoas presentes no evento a densa e emotiva programação ‘Fevereiro, Mês do Romance’, que se estende ao longo de 38 dias consecutivos com mais de 100 iniciativas. Apresentações de produtos, desfiles de moda, música ao vivo, dança, teatro, workshops, atividades de desporto e natureza… Um programa diversificado, com atividades para agradar a todos os gostos, feitos e faixas etárias, que se estende por todo, mas com maior incidência em Vila Verde… onde o amor acontece! A vereadora da Cultura sublinhou ainda que a marca Namorar Portugal conta já com 70 parceiros que laboram nos mais diversificados setores de atividade (mobiliário, vestuário, eletrónica, calçado, artesanato, acessórios de moda, agroalimentar, merchandising…). Júlia Fernandes exaltou a imensa beleza do património natural e edificado do Palácio da Brejoeira, frisou o excelente trabalho de pintura na embalagem, da autoria da pintora Fátima Mendes, residente na Vila de Prado, e o trabalho desenvolvido pela Aliança Artesanal. Um trabalho que permite manter viva uma tradição que remonta ao século XVII e que “nos fala de amor, de carinho de afeto de ternura, sentimentos mais nobres e que tanto precisamos nos dias de hoje”.

1 (4)minhalt.jpg

Chá de Tília com citrinos e…

De seguida, o representante da marca Serras Brandas, Filipe Temporão, contou como surgiu a inspiração para a nova coleção. “O projeto que nasceu no ano passado e levou-nos a colher tília aqui do palácio. No processo de colheita, em conversa com os funcionários, apercebi-me que havia história na história do chá. A Dona Hermínia Paes [antiga proprietária] costumava servir chá aos trabalhadores com rodelas de laranja. Idealizei uma forma de pegar na caixa, que é bonita, e criar quatro recetáculos. Um tem tília, outro tília com laranja, outro tília com limão e, por último, tília com tangerina”, revelou, enquanto apresentava a sua linha de “tília acitrinada”. Além do chá, deu também a conhecer “umas canecas especiais, um individual de chá”, onde pontua uma pintura do Palácio da Brejoeira e a chancela da marca Namorar Portugal.

Para acompanhar o chá das Serras Brandas surge um produto criado em parceria com a Pastelaria da Vila. ‘Pérola’ é o nome de um pequeno bolo/biscoito que inclui um ingrediente invulgar na pastelaria, a erva-príncipe. “Agora já se pode comer chá”, gracejou Armando Sousa, representante da pastelaria vilaverdense. No final, além das ‘Pérolas’, os presentes puderam também degustar várias propostas criadas pela Pastelaria da Vila inseridas na marca Namorar Portugal, como as Broinhas do Amor, o Pink Cake, os Doces Desejos e o Pão de Ló Água na Boca.

1 (5)minhalt.jpg

O Minho está em alta

Por sua vez, o administrador do Palácio da Brejoeira, Emílio Magalhães, aproveitou o momento para recordar com nostalgia os lanches de primavera e verão nos jardins do palácio com sabor a chá de tília com laranja e bolo caseiro, nos tempos da antiga proprietária, Dona Hermínia Paes. Agradeceu a todos pela presença, mas de forma particular ao Município de Vila Verde pela parceria, à pintora Fátima Mendes pela arte e ao professor Filipe Temporão por ser a grande força deste projeto, sublinhando a importância destes eventos “para promovermos este património ex-líbris do Alto Minho”. Por seu turno, o presidente da Câmara Municipal de Monção, António Barbosa, saudou esta aproximação entre dois concelhos minhotos, frisando que, em termos percentuais, o Minho é a região do país com maior crescimento turístico. O edil sublinhou a importância histórica e cultural do edifício e zona circundante, acrescentando que vê com muito bons olhos esta aproximação dos dois territórios e a entrada de Monção na marca Namorar Portugal através do Palácio da Brejoeira.

1 (6)minhalt.jpg

1 (7)minhalt.jpg

1 (8)minhalt.jpg

1 (9)minhalt.jpg

1 (10)minhalt.jpg

D (10)minhalt.jpg

“ MARAVILHA DO LIMA “ É O NOVO DOCE DE PONTE DE LIMA

Na sequência do concurso Doce Inovação promovido pelo município, em colaboração com a Associação Empresaria e a Escola Superior Agrária, foi aprovado um novo produto típico local, entre uma dezena de concorrentes.

26022019.jpg

Trata-se da Maravilha do Lima, um doce apresentado pela Pastelaria O Farinheiro, na freguesia da Seara, trabalho do seu pasteleiro, Bruno Alves. Natural da freguesia limiana da Refóios, ele trabalha há mais de vinte anos na arte doceira, nos concelhos de Ponte de Lima e Viana do Castelo.

Para melhor conhecer a “ Maravilha do Lima “ conversamos com o fabricante. Bruno explicou que parte do segredo para obter o sabor desejado, foi a utilização de produtos naturais e testes de algumas massas. Assim, o novo doce apresenta-se com uma cobertura de arroz doce, sob a qual surge o desenho a canela com a ponte velha da vila; já o recheio é composto de massa da Pão de Ló fino, creme com leite condensado, uma gelatina de maçã, misturada com mel, sidra e noz crocante.

A nova especialidade minhota, será apresentada no próximo dia 9 de Março, Sábado, ao Eurodeputado da Segurança Alimentar, José Inácio Faria e à nova estrela Michelin de Portugal, o Chef António Loureiro; o parlamentar desloca – se de Bruxelas a Ponte de Lima, para presidir a uma conferência organizada pelo seu gabinete sobre a PAC (Política Agrícola Comum) pós 2020 e Denominações de Origem: o caso do vinho Alvarinho.

Assim, Ponte de Lima dá mais um passo na arte dos doces, depois de num passado recente terem surgido dois outros: as Margaridas, na Bijou, e as Limianas, na extinta Pastelaria S. João. Em tempos mais recuados, há mais de um século (1906), a Vilar havia apresentado as castanholas e bolinhos de Trás – da Matriz, a que se sucedeu os cardeais, já no tempo do actual proprietário.

E, a fechar, mais um registo histórico; Pelos primórdios do século passado, a sede do concelho rivalizava com a vizinha Arcozelo, pois no bairro de Além da Ponte, era referência a pastelaria do galego Thiago Martins Reboredo, onde se destacavam as empadas de marisco, entre outro fabrico de doces e salgados.

Tito Morais / 

https://www.luso.eu/

CABECEIRAS DE BASTO É UM DOCE!

Concurso para a criação do Doce Cabeceirense entra na reta final. Inscrições terminam a 28 de fevereiro

Decorrem até ao dia 28 de fevereiro as inscrições para o Concurso Doce Cabeceirense, iniciativa integrada no programa cultural Mosteiro de Emoções que tem como objetivo reforçar e valorizar o que se fazia no núcleo familiar, principalmente pelos avós, tendo em vista a criação de um doce de Cabeceiras de Basto.

Doce Cabeceirense - imagem promocional.png

Serão admitidos a concurso doces de qualquer tipo, desde que cumpram o estabelecido nas normas de participação, sendo que os critérios de avaliação por parte do júri são a originalidade, a genuinidade, a apresentação, a viabilidade de produção empresarial futura.

Com esta iniciativa pretende-se, igualmente, incentivar a inovação das pastelarias cabeceirenses bem como sensibilizar os agentes económicos e a população para a importância estratégica dos produtos endógenos, em especial o mel, as ervas aromáticas, o vinho verde, o leite, as frutas, designadamente o codorno e outros produtos endógenos, no contexto do desenvolvimento do território de Cabeceiras de Basto.

As normas de participação e a ficha de inscrição encontram-se disponíveis no site da Câmara Municipal em https://cabeceirasdebasto.pt/index.php?oid=20065&op=all.

Durante os meses de março e abril será, assim, desenvolvido o produto para que, no dia 18 de maio, o júri faça a avaliação das propostas a concurso.

A Câmara Municipal volta, assim, a desafiar todos os interessados a inscreverem-se neste concurso, apresentando as suas propostas para criação de um doce de Cabeceiras de Basto.

Os nossos usos, costumes e tradições, os saberes e sabores, bem como as formas de fazer são expressões culturais que devemos preservar em respeito dos nossos ancestrais e em prol das novas gerações.

VIMARANENSES APRENDEM A CONFECCIONAR DOCES... COM AMOR E TRADIÇÃO

Curtir Ciência e confecionar doces. Mais de duas dezenas de participantes na oficina “Guimarães: Amor e Tradição”

A oficina "Guimarães: Amor e Tradição", que decorreu no sábado, 16 de fevereiro, no Curtir Ciência, contou com 24 participantes. Todos eles de olhos e ouvidos atentos às palavras de Catarina Pereira, Diretora da Casa da Memória, que falou sobre as tradições de Guimarães ligadas ao amor (Cantarinha dos Namorados, Bordados e Passarinhas) e às indicações de Cidália Pereira, a doceira de Guimarães que há mais de 40 anos se dedica a manter viva a tradição destes doces figurados.

Catarina Pereira _ Tradicoes.JPG

A oficina em ambiente de cozinha sobre Passarinhas, doces tradicionais e populares de Guimarães, suscitou enorme entusiasmo de pequenos e graúdos que, seguindo as indicações da orientadora, deram asas à imaginação e mostraram as suas capacidades na moldagem das mais diversas figuras em massa de centeio que depois foram cobertas de açúcar em calda e enfeitadas com fitas coloridas.

Cidalia Pereira enfeitar passarinhas.JPG

Cidália Pereira, mais conhecida como «Cidália das Passarinhas», tem mais de 40 anos de dedicação a esta arte e partilhou com as mais de duas dezenas de participantes os segredos desta tradição vimaranense.

Os populares doces feitos com massa de centeio ou de trigo coberta com açúcar e enfeitados com pedacinhos de papel colorido, continuam a ser vendidos na cidade de Guimarães, principalmente em dezembro, por ocasião de Santa Luzia.

Passarinhas _ Moldagem.JPG

De acordo com a tradição, rapazes e raparigas trocavam estes doces como sinal de amor correspondido. Cidália Pereira é uma das poucas doceiras que ainda confecionam e vendem estes doces. Uma oficina diferente que contribui para reforçar a ligação do Curtir Ciência à comunidade e às pessoas e entidades que se empenham na preservação de tradições vimaranenses.

Passarinhas Curtir Ciencia.JPG

VILA VERDE TEM O SABOR DO ROMANCE

Nova linha da Artecouro e Bolo do Mês do Romance para um amor que se vê e se saboreia!

A marca Namorar Portugal continua levar a tradição e cultura vilaverdense a diversos pontos do país. Foi na terça-feira, dia 12 de fevereiro que, pela manhã, a Casa da Memória de Guimarães acolheu a apresentação da nova coleção da Artecouro. Calçado para todas as idades (senhor, senhora, criança, bebé...) e acessórios de moda foram as apostas da empresa vimaranense para a linha 'A Arte a Namorar'. Mais tarde nesse dia, aconteceu o Concurso Bolo Mês do Romance, promovido pela Associação Comercial de Braga (ACB) e inserido na programação ‘Fevereiro, Mês do Romance’, do Município de Vila Verde. A iniciativa ocorreu nas instalações do Município e contou com sete pastelarias vilaverdenses a concurso. Os mestres pasteleiros foram desafiados a criar um amor doce para degustar a dois e não deixaram créditos por mãos alheias, com propostas de fazer crescer água na boa. Estão todos de parabéns, mas no fim só poderia haver um vencedor e, este ano, o lugar mais alto do pódio foi para a Pastelaria Luena. As Pastelarias Babá e Pão D'Oiro receberam menções honrosas.

1 (4)vvnamportdocsab.jpg

Foi na cidade berço que a Artecouro apresentou a nova coleção ‘Arte de Namorar’. Desde que se associou à marca Namorar Portugal a empresa vimaranense tem apresentado coleções que são sinónimo inequívoco de tradição e vanguarda. O volume de negócios continua a aumentar a passos largos e continua a apostar nos acessórios de moda feitos em cortiça e couro, inspirados nos motivos dos Lenços de Namorados, mas o grande destaque deste ano vai para o setor do calçado. Dos bebés aos adultos, todos podem usar calçado com motivos inspirados nos bordados minhotos, como referiu o representante da empresa, Jacinto Teixeira, antes de apresentar nova coleção. Os sapatos para senhor e para rapaz são mais discretos, com um leve apontamento. Já as botas de senhora são mais garridas e coloridas. As tradicionais botas canadianas foram revestidas em pele, “não suja tanto e é mais fácil de lavar”, e receberam um topo felpudo para ficarem “mais confortáveis no inverno”. Também há produtos muito diversificados nas áreas criança e bebé. Porta-chaves, luvas, mochilas e malas para senhora inspirados nos motivos dos Lenços de Namorados. Mais um parceiro Namorar Portugal não dá tréguas à criatividade e continua a merecer destaque pela inovação constante e por criar produtos a pensar em pessoas de todas as idades.

1 (3)vvnamportdocsab.jpg

Um amor mais doce

A Associação Comercial de Braga (ACB) desafiou mestres pasteleiros da região de Vila Verde a traduzir o amor e o carinho em forma de doce no Concurso Bolo Mês do Romance. A iguaria de massa folhada em forma de coração, adornada com uma camada de leite-creme e decorada com frutos vermelhos criada pela Pastelaria Luena sagrou-se vencedora, tornando-se no bolo oficial desta edição do Mês do Romance. As Pastelarias Babá e Pão D'Oiro receberam menções honrosas. Mário Pimenta, representante do estabelecimento que criou o bolo vencedor, disse estar feliz pelo “reconhecimento de um trabalho diário”. Contou ainda que decidiu “inovar” no fabrico de um produto que conta com frutos vermelhos, “facilmente encontrados na região” e que, pela sua cor, fazem alusão à época romântica que se respira em Vila Verde. A alusão ao tema, o sabor, a originalidade, a apresentação e o formato eram os cinco critérios de avaliação no concurso. Presente na sessão, o diretor-geral da ACB elogiou fortemente as pastelarias em competição pela envolvência “nas dinâmicas do próprio concelho” e por apresentarem “uma qualidade intrínseca extraordinária nos seus produtos”. O objetivo do concurso foi cumprido e foram dadas mostras evidentes do talento e da criatividade. Novos produtos foram criados e agora serão comercializados em todos os estabelecimentos participantes. “Para a organização, todas as sete pastelarias são vencedoras”, concluiu Rui Marques.

Por sua vez, o Presidente do Município de Vila Verde, António Vilela, destacou a iniciativa como uma excelente promoção e divulgação dos produtos de Vila Verde, com grandes benefícios para a atividade económica da região. “Este desafio que a ACB nos lançou é também para encontrarem neste processo uma mais-valia, para divulgarem a vossa pastelaria, mas, sobretudo, para poderem crescer no vosso negócio. Esse é o nosso objetivo”, afirmou o edil. “Temos de atrair as pessoas de fora de Vila Verde através e pela pastelaria, pela qualidade que está patente e pela enorme capacidade criativa, estão aqui autênticas obras de arte”, concluiu António Vilela, sublinhando que a gastronomia e a pastelaria são duas das imagens de marca do concelho. A iniciativa, organizada pela ACB e inserida na programação ‘Fevereiro, Mês do Romance’, contou com a participação de sete pastelarias: a Pastelaria Pão D’Oiro, o Grupo S. Salvador, a Pastelaria da Vila, Pastelaria Luena, Pastelaria Pedro, a Chocolate com Pimenta e a Pastelaria Babá. O júri foi constituído por Rui Marques, diretor-geral da ACB, e por chefes locais conceituados, com vasta experiência em cozinha e pastelaria. O chefe pasteleiro Miguel Barbosa, formador do centro de formação da ACB, e o chefe José Vinagre, formador da Escola Profissional Amar Terra Verde, foram a dupla incumbida da tarefa de provar e avaliar todas os bolos em competição.

1 (1)vvnamportdocsab.jpg

1 (2)vvnamportdocsab.jpg

1 (5)vvnamportdocsab.jpg

1 (6)vvnamportdocsab.jpg

1 (7)vvnamportdocsab.jpg

VILA VERDE É UM DOCE QUE SE DERRETE NA BOCA!

Mirtiflor e Claríssima. Um amor que se derrete na boca e deixa o coração mais doce!

Depois de tocar nos corações dos portugueses, ontem, 10 de fevereiro, foi dia de os conquistar pelo estômago, com deliciosas propostas de um amor que se derrete na boca e deixa o coração mais doce.

1 (1)vvnamor.jpg

Pela manhã, foi com um sorriso no rosto e as mãos na pasta de açúcar que os mais novos aprenderam os princípios básicos de decoração de bolos no workshop ‘Vem Decorar o Planeta Terra’, promovido pela Claríssima. Seguido ao almoço, e ainda em clima de sobremesa, a Mirtiflor ensinou a receita e as técnicas de confeção de um delicioso bolo de frutos vermelhos, no workshop ‘Amor Silvestre’. O mirtilo e a Mirtiflor foram, sem dúvida, os protagonistas da tarde com a apresentação do ‘Mel de Mirtilo e Mirtilo Desidratado’, novos produtos criados em parceria com a marca Namorar Portugal.

Com o workshop ‘Vem Decorar o Planeta Terra’, Claríssima conseguiu tornar a arte da decoração de bolos atrativa para as crianças. A empresa de confeção e design de bolos, vastamente conhecida pelas suas receitas originais e absolutamente deliciosas, conquistou todos os participantes que vibraram à medida que se aventuraram na arte da pastelaria. A partilha e a boa disposição foram os ingredientes de sucesso desta iniciativa exclusiva para os mais novos. As formas diferentes, com muita cor, muito sabor e boa dose de doçura foram elementos certeiros na hora de aprender a modelar a pasta de açúcar. Com uma pitada de imaginação e inspirados na natureza e no Planeta Terra, as crianças não deram largas à criatividade e decoraram os bolos de forma encantadora.

1 (2)vvnamor.jpg

Mel de Mirtilos e Mirtilo Desidratado

Um pouco mais tarde, mesmo a tempo do lanche, a Mirtiflor dinamizou o workshop ‘Amor Silvestre’. Florbela Teixeira partilhou uma receita e as técnicas de confeção de um delicioso bolo que junta o sabor do amor e do carinho ao sabor dos frutos vermelhos. O resultado final derreteu corações e conquistou os palatos de todos os que participaram nesta atividade.

De seguida, a empresa de cultivo de frutos silvestres, que conta com uma já diferenciada e diversificada linha de produtos agroalimentares, voltou a apostar numa coleção inovadora e singular com o ‘Mel de Mirtilos e Mirtilo Desidratado’. O fruto tem sido o protagonista de todos os artigos apresentados com a Namorar Portugal. Compota, licor e até vinagre de mirtilos têm sido criados e apresentados nas edições anteriores do Mês do Romance. “O mirtilo é um dos frutos em que apostamos. Este ano, desidratámo-lo e casamo-lo com o mel, o mel é das nossas colmeias, e juntámos a flor de mirtilo. É uma combinação que resulta”, afirmou Fernando Azevedo, acrescentando que o produto encaixa como uma luva no segmento gourmet. “Tem um aspeto que lembra pepitas de ouro no interior do frasco. O frasco é diferente, é um produto gourmet que pode ser usado nos pequenos almoços ou simplesmente quando apetecer”, sublinhou. Um produto singular e original, como frisou Florbela Teixeira: “Realmente não encontram no mercado, é único de Vila Verde e é mais um de qualidade”.

1 (3)vvnamor.jpg

Para comer com os olhos e com a boca

Presente na sessão, a Vereadora da Cultura do Município de Vila Verde, Júlia Fernandes, sublinhou a criatividade de um parceiro de longa data que todos os anos surpreende o público com produtos originais e arrojados à base de mirtilo. Um leque de artigos que encaixa muito bem em qualquer segmento, particularmente no mercado gourmet, e as propostas deste ano não são exceção“A embalagem é lindíssima, realmente muito bem conseguida. E sabemos que o visual é extremamente importante quando vamos adquirir um produto. É extremamente importante para o nosso mercado termos um produto que concilia o aspeto visual belíssimo e a garantia de que é um produto de qualidade, feito na nossa terra” frisou. Júlia Fernandes prosseguiu relembrando que a Mirtiflor já anda há uns anos nestas andanças, é um dos 70 parceiros da marca Namorar Portugal e tem desenvolvido um excelente trabalho. ”A Mirtiflor tem sido um parceiro extremamente ativo e empenhado. Tem acompanhado muito bem as exigências do mercado, tem estado em muitas feiras e lojas… Este produto é, de facto, digno de aparecer nas melhores lojas gourmet do nosso país, por isso, mais uma vez, muitos parabéns e muito sucesso, tem sido um gosto acompanhar o vosso crescimento”, rematou.

1 (4)vvnamor.jpg

1 (5)vvnamor.jpg

1 (6)vvnamor.jpg

1 (7)vvnamor.jpg

ARCOS DE VALDEVEZ PROMOVE GASTRONOMIA E DOÇARIA TRADICIONAL

Promover e valorizar a riqueza da gastronomia de Arcos de Valdevez, é o objetivo do Município para realizar mais um Fim de Semana Gastronómico, nos dias 15, 16 e 17 de Fevereiro.

charutos-ovos.jpg

A Carne da Cachena com Arroz de Feijão Tarreste, acompanhados de uma rica e singular doçaria tradicional, como os Charutos de Ovos com Laranja do Ermelo, o bolo de discos ou o Bolo de Mel, são alguns dos sabores que poderão ser encontrados em Arcos de Valdevez.

51435107_2231249266934359_3881811572636516352_n (3).jpg

FOLAR LIMIANO VAI SER SERVIDO COMO ENTRADA NO SARRABULHO DE LOURES

Chef Victor Lima vai a Loures apresentar esta iguaria

O já conhecido Folar Limiano, uma especialidade de produto salgado produzido em Ponte e Lima será degustado como entrada no Sarrabulho á moda de Ponte de Lima, que no próximo domingo terá lugar no Refeitório Municipal de Loures.

30012019.jpg

Trata – se de uma especialidade regional da responsabilidade do Chef Victor Lima, proprietário da Casa do Folar Limiano, estabelecida na Urbanização da Quinta da Baldrufa, na Rua Salvato Feijó, na sede do concelho.

45665179_2104693909568995_2027002694291423232_n.png

Assim, pelas 12,00 h de 3 de Fevereiro, haverá degustação do Folar Limiano, uma iguaria local cujo recheio é constituído por lombo do cachaço, chouriças de carne e de grelhar, bacon, e algum segredo, tudo molhado com Verde Loureiro selecionado.

O peso médio de cada peça é aproximadamente 650 gramas, e vem acondicionada numa embalagem especial, permitindo assim a sua duração durante dias, sem alterar o sabor e qualidade.

Depois de apresentado em Espanha, Bélgica e França, em Feiras da restauração e convívios de centenas de comensais, designadamente com o Sarrabulho de Ponte de Lima ou o bacalhau de Cebolada como prato escolhido para a refeição, eis que chegou a vez de incluir o Folar Limiano num evento gastronómico limiano, às portas da capital, o município de Loures, para o qual ainda existem alguns lugares disponíveis.

Tito Morais / https://www.luso.eu/

CapturarAlmoçoSarrabulho2019

FOLAR LIMIANO SERVIDO COMO ENTRADA NO SARRABULHO DE LOURES

O já conhecido Folar Limiano, uma especialidade de produto salgado produzido em Ponte e Lima será degustado como entrada no Sarrabulho á moda de Ponte de Lima, que no próximo domingo terá lugar no Refeitório Municipal de Loures.

30012019.jpg

Trata – se de uma especialidade regional da responsabilidade do Chef Victor Lima, proprietário da Casa do Folar Limiano, estabelecida na Urbanização da Quinta da Baldrufa, na Rua Salvato Feijó, na sede do concelho.

45665179_2104693909568995_2027002694291423232_n.png

Assim, pelas 12,00 h de 3 de Fevereiro, haverá degustação do Folar Limiano, uma iguaria local cujo recheio é constituído por lombo do cachaço, chouriças de carne e de grelhar, bacon, e algum segredo, tudo molhado com Verde Loureiro selecionado.

O peso médio de cada peça é aproximadamente 650 gramas, e vem acondicionada numa embalagem especial, permitindo assim a sua duração durante dias, sem alterar o sabor e qualidade.

Depois de apresentado em Espanha, Bélgica e França, em Feiras da restauração e convívios de centenas de comensais, designadamente com o Sarrabulho de Ponte de Lima ou o bacalhau de Cebolada como prato escolhido para a refeição, eis que chegou a vez de incluir o Folar Limiano num evento gastronómico limiano, às portas da capital, o município de Loures, para o qual ainda existem alguns lugares disponíveis.

Tito Morais / https://www.luso.eu/

CapturarAlmoçoSarrabulho2019

APRESENTAÇÃO DO MAIOR BOLO DE MEL DE PORTUGAL JUNTOU CENTENAS DE PESSOAS EM PONTE DA BARCA

Um bolo de mel com 66 metros e 90 centímetros foi hoje apresentado em Ponte da Barca! A iniciativa da Câmara Municipal em parceria com quatro pastelarias locais: Cascata, Caracas, Doce Lima e Liz, vai na sua quarta edição e juntou, em frente aos Paços do Concelho, centenas de pessoas num dia de festa que contou ainda com a animação das rusgas da Associação Magalhães em Movimento e do Rancho Folclórico das Lavadeiras do Paço Lima e do grupo musical Offir Show.

A iniciativa teve ainda uma vertente social, na medida em que toda a receita com a venda do bolo reverteu a favor dos Bombeiros Voluntários de Ponte da Barca.

Capturarbmel.PNG

1bmel.jpg

2bmel.jpg

6bmel.jpg

PONTE DA BARCA APRESENTA MAIOR BOLO DE MEL DE PORTUGAL

É já no próximo domingo (13 de janeiro), a partir das 14h30, em frente aos Paços do Concelho, que Ponte da Barca apresenta o maior Bolo de Mel de Portugal – Bolo à Terras da Nóbrega, numa iniciativa da autarquia barquense que vai já no quarto ano consecutivo e conta com a colaboração de quatro pastelarias locais: Caracas, Cascata, Doce Lima e Liz.

Capturarbolomelpb.PNG

A confeção deverá demorar cerca de seis horas e vai envolver mais de 100 quilos de farinha, 30 litros de mel, 50 quilos de açúcar, mais de 200 ovos e 20 quilos de nozes.

A iniciativa pretende valorizar os ingredientes mais tradicionais do concelho como o mel e as nozes, assim como  dinamizar o comércio tradicional, dando visibilidade às pastelarias do concelho.

CABECEIRAS DE BASTO VAI TER DOCE REGIONAL

Concurso para a criação do Doce Cabeceirense foi apresentado hoje na Casa do Tempo

Foi lançado esta manhã, dia 11 de janeiro, na Casa do Tempo, o Concurso Doce Cabeceirense que tem como objetivo reforçar e valorizar o que se fazia no núcleo familiar, principalmente pelos avós, tendo em vista a criação de um doce de Cabeceiras de Basto.

Concurso para a criação do Doce Cabeceirense foi apresentado hoje na Casa do Tempo.JPG

Estiveram presentes nesta sessão o presidente da Câmara Municipal, Francisco Alves, a vereadora do Turismo, Dra. Carla Lousada, bem como a diretora do Centro de Emprego do Médio Ave, Dra. Helena Chaves.

Coube ao presidente da Câmara dar a conhecer aos presentes os objetivos deste concurso, desafiando todos os interessados a apresentar as suas propostas, designadamente às formandas do Curso de Pastelaria Conventual que terminou no passado mês de dezembro de 2018 e que estiveram presentes nesta sessão de apresentação.

O autarca manifestou o seu desejo de ver muitas ideias/propostas inscritas no concurso, salientando, na oportunidade, que os usos, costumes e tradições, os saberes e sabores, bem como as formas de fazer são expressões culturais que devemos preservar em respeito dos nossos ancestrais e em prol das novas gerações.

São objetivos deste concurso “aliar a memória de uma alimentação de afetos ao uso dos produtos da terra e da tecnologia, reforçando e valorizando o que se fazia no núcleo familiar; incentivar a inovação na pastelaria cabeceirense; sensibilizar os agentes económicos e a população em geral para a importância estratégica dos produtos endógenos, em especial o mel de Basto, as ervas aromáticas, o vinho verde da região de Basto (Cabeceiras de Basto), o leite, as frutas da região e seus derivados, no contexto do desenvolvimento do território de Cabeceiras de Basto; e incentivar a inovação e o empreendedorismo individual ou coletivo, visando o aproveitamento desses produtos para a criação original de um doce ou bolo de matriz local”.

Coube à Dra. Raquel Sampaio, da Academia das Emoções, apresentar as normas de participação do Concurso Doce Cabeceirense que está a ser organizado pela Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto no âmbito do programa cultural ‘Mosteiro de Emoções’ financiado por fundos comunitários, através do Norte 2020.

As inscrições no concurso são gratuitas, estando abertas entre os dias 12 de janeiro e 28 de fevereiro de 2019. Durante os meses de março e abril será, assim, desenvolvido o produto e no dia 18 de maio o júri fará a avaliação das propostas a concurso.

Serão admitidos a concurso doces de qualquer tipo, desde que cumpram o estabelecido nas normas de participação, sendo que os critérios de avaliação por parte do júri são a originalidade, a genuinidade, a apresentação, a viabilidade de produção empresarial futura, entre outros que o júri, fundamentadamente, venha a considerar relevante.

As normas de participação e a ficha de inscrição encontram-se já disponíveis no site da Câmara Municipal em https://cabeceirasdebasto.pt/index.php?oid=20065&op=all.

Na oportunidade, a Dra. Helena Chaves, diretora do Centro de Emprego do Médio Ave, parceiro do Município nesta ação de dinamização do Doce Cabeceirense, felicitou as formandas do Curso de Pastelaria Conventual pela sua presença nesta iniciativa, reforçando as oportunidades, designadamente ao nível do empreendedorismo, que a participação neste concurso pode trazer às formandas.

Coube à vereadora do Turismo, Dra. Carla Lousada, encerrar a sessão, desejando “um bom trabalho e boas ideias” a todos os concorrentes.

MARUPIU: A PASTELARIA DE FAMALICÃO QUE É UM SONHO!

Paulo Cunha elogiou projeto inovador e diferenciador, que atrai novos consumidores ao concelho

Diz o poeta que “o sonho comanda vida”. No caso do casal famalicense Ana Correia e Rui Correia foi a conjugação dos sonhos de ambos que lhes mudou a vida. A Marupiu Pâtisserie nasceu há um ano, na Rua Ernesto Carvalho, na cidade de Famalicão, hoje é a confirmação de um projeto inovador e bem-sucedido, que atrai pessoas de todo o país e do norte de Espanha.

DSC_0697

Rui sonhou com o nome Marupiu e Ana foi atrás do sonho de criar uma pastelaria assente num conceito diferenciador de inspiração francesa. Hoje, são os responsáveis por um projeto único, que mais que uma pastelaria já se tornou uma experiência obrigatória para quem visita a região.

DSC_0885

O arrojo, criatividade e inovação da Marupiu justificaram a visita do presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha, na passada sexta-feira, com a sua inclusão no Roteiro pela Inovação de Famalicão, enquanto projeto comunitário inspirador.

Na montra, os bolos assemelham-se a verdadeiras obras de arte, numa tentação para os sentidos, evocando uma degustação lenta e prazerosa.

E se bem parece, melhor ainda é o sabor. Porque aqui os olhos também comem e ainda antes de provar, já as pessoas estão completamente rendidas à estética das sobremesas apresentadas, depois é saborear tentando prolongar ao máximo a experiência.

Para este Natal, as propostas são sofisticadas e irrepetíveis, com um Tronco de Natal que junta maracujá e amêndoa ao incontornável chocolate, um bolo de framboesas com chocolate rubi – cuja cor vem da própria fava do cacau – um bolo de chocolate e avelã com flocos de ouro comestíveis de três quilates e bolinhas de amêndoa e pinhão, sem glúten.

“Queremos sempre que o cliente viva uma experiência quando come as nossas sobremesas e que a qualidade esteja lá” explica Ana Correia. À arte a à experiência muitas vezes única, os dois empreendedores juntam a qualidade dos produtos. “Não compramos os recheios nem as coberturas, compramos fruta e colocamos pouco açúcar”, acrescenta, adiantando ainda que “tentamos sempre utilizar os produtos locais, porque para além da frescura temos que aproveitar o que temos na nossa região e depois juntamos as vivências que temos, utilizando os sabores da nossa infância, novas experiências, novas conjugações”.

Num conceito totalmente diferenciador, a Marupiu conseguiu fidelizar os clientes e segundo afirma Ana Correia “os que vão, voltam sempre e todas as semanas temos novos clientes”.

Na Marupiu a carta de sobremesas altera várias vezes por ano, para “surpreender os clientes, potenciar os produtos e aproveitar as matérias primas nas melhores condições. É também uma forma de nos motivarmos”, sublinha Rui Correia explicando que “num ano, já é a terceira carta de sobremesas que apresentamos”. “Muitas das sobremesas deixam de estar disponíveis e lançamos novos sabores e novas texturas”.

Paulo Cunha elogiou o arrojo do projeto, assente num conceito inovador que revela que “a qualidade é sempre um caminho seguro”.

O autarca destacou ainda que a Marupiu é “um projeto que reforça a atratividade do concelho. É um projeto ancora importante para o turismo do concelho porque ajuda a trazer para o nosso território novos consumidores”. Neste sentido, Paulo Cunha não escondeu o desejo de “ver este exemplo replicado para que através da excelência e da qualidade se criem condições para a visita ao território”.

Por outro lado, o autarca lembrou que “a marupiu revela que vale sempre a pena ir atras do sonho e das vocações. Nunca devemos desistir dos nossos sonhos, independentemente da nossa formação académica ou curricular”.

Refira-se que a Marupiu é um projeto que foi impulsionado, desde o início, pela Câmara Municipal através Famalicão Made IN, no âmbito do apoio ao surgimento de novos projetos no concelho.

DSC_0897

CERVEIRA É UM DOCE!

Doçaria típica e música natalícia animam este fim-de-semana

O Na’tal Cerveira 2018 prossegue com mais um fim-de-semana atrativo, privilegiando o ambiente familiar. ‘Cerveira Mais Doce’ e ‘Concerto de Natal’ são as duas atividades propostas para comemorar a quadra festiva que se aproxima. Para os mais pequenos, o divertido parque de diversões continua de portas abertas até 6 de janeiro.

CARTAZ CERVEIRA MAIS DOCE

Quem quiser ser envolvido pelo verdadeiro espírito natalício tem de visitar Vila Nova de Cerveira e desfrutar das várias sugestões sui generis da época para todos os gostos e todas as idades.

Os próximos dois fins-de-semana (15 a 16 e 22 a 23) vão fazer crescer ‘água na boca’ com o ‘Cerveira Mais Doce’. Cerca de 10 pastelarias, produtores e instituições do concelho vão tornar este Natal ainda mais saboroso, através da venda direta ao público de doçaria tradicional natalícia, em pleno centro histórico.

Do bolo-rei às rabanadas, dos sonhos aos filhoses. Seja pela apresentação ou pelo aroma adocicado no ar, vai ser difícil resistir a degustar algumas destas iguarias e até aproveitar a oportunidade para fazer algumas encomendas para rechear ainda mais a mesa da Noite da Consoada.

Ainda para este domingo, mantém-se o tradicional Concerto de Natal, na Igreja Matriz, onde as mais belas canções de Natal são interpretadas por três grupos corais. Este ano, a proposta é revisitar alguns dos clássicos natalício pelas vozes do Coro do Centro de Estudos Regionais (CEER) de Viana do Castelo, do Coral Polifónica da Agrupacion Musical do Rosal e do Coral Polifónico de Vila Nova de Cerveira vão revisitar alguns dos clássicos desta época festiva.

Sem esquecer aqueles que mais cibram com o Natal - as crianças e os jovens - uma das novidades desta edição Na’tal Cerveira 2018 é o Na’tal Cerveira Kids. Até 6 de janeiro, o Parque do Centro Coordenador de Transportes está transformado num mágico parque de diversões exclusivamente pensado para fazer sorrir os mais pequenos. São cerca de 10 atrações entre pista de carrinhos de choque, trampolim – “fun jump”, carrossel, pista infantil de barcos, simulador de realidade virtual, jogos tradicionais, jogo de patelas, pista “Dragão” e insufláveis, momentos eletrizantes que serão reconfortados com a presença de roulottes de pão com chouriço, farturas, de pipocas e de algodão doce.

O espaço de diversão infantil funciona de segunda a quinta-feira das 12h30 às 22h00; às sextas, sábados e domingos das 10h00 às 24h00, com exceção do dia 24 de dezembro que estará encerrado, nos dias 25 de dezembro e 1 de janeiro funcionará entre as 14h00 às 24h00, e no dia 31 encontra-se aberto das 12h30 às 24h00.

DOÇARIA EM FAMALICÃO É OBRA DE ARTE

Há bolos que são obras de arte e uma tentação para os sentidos numa pastelaria de Famalicão

Roteiro pela Inovação de Famalicão celebra 1.º aniversário da Marupiu, sexta-feira, 14 de dezembro, pelas 11h00, na Rua Ernesto Carvalho, N.º 139

Os bolos da Marupiu dispensam palavras

Numa lista atualizada das coisas que não pode deixar de fazer em Vila Nova de Famalicão, a visita à pastelaria Marupiu entraria muito provavelmente para o top 10 das sugestões imperdíveis. Cada bolo é uma verdadeira obra de arte e uma tentação para os sentidos, pedindo uma degustação lenta e prazerosa.

A chef pasteleira Ana Correia abriu a Marupiu com o marido Rui Correia há um ano e hoje são presença assídua na comunicação social e um destino obrigatório para quem quer mimar-se a si próprio ou surpreender alguém.

O arrojo, criatividade e inovação da Marupiu são ingredientes que justificam a inclusão do projeto no Roteiro pela Inovação de Famalicão elevando-o à categoria de projeto comunitário inspirador.

VIANENSES COMEM MEIA TONELADA DE BOLO REI

500 quilos de bolo rei à borla engolidos por multidão em Viana

Um bolo rei com cerca de 500 quilos foi este sábado montado ao redor do chafariz da Praça da República, em Viana do Castelo, e depois distribuído por milhares de pessoas que ali se apinharam à espera de receber uma (ou mais) fatias à borla.

image (5)

O doce natalício confecionado por 16 pastelarias locais desapareceu num ápice. Depois de fatiado e oferecido à multidão por uma equipa de 25 pessoas. O evento foi organizado pela Associação Empresarial e Câmara Municipal de Viana do Castelo. E deliciou quem conseguiu provar o bolo típico.

"Vim com o meu filho de propósito ver o bolo rei. Foi a primeira vez. Comi e está muito bom", disse Torcato Cruz, residente em Barroselas, Viana do Castelo.

Já Rosa Caetano Freitas, da Meadela, preferiu apreciar o ambiente festivo que se gerou à volta do bolo. "Costumo vir sempre ao bolo rei. Isto é lindo. É maneira de trazer gente à cidade que precisa de festa", afirmou.

"É o melhor bolo rei de Portugal. Já viram a paixão dos pasteleiros que se ocuparam disto? Além disso é o único bolo rei do país feito com esta dimensão. Há muito bolo rei feito ao comprido, mas este é no formato original e gigante", declarou orgulhoso Sérgio Rodrigues, coordenador da equipa responsável pela confeção, montagem e distribuição. A iniciativa estava marcada para as 16 horas, mas antes disso já o doce estava a postos na praça principal da cidade para ser engolido pela multidão.

Fonte: Ana Peixoto Fernandes / https://www.jn.pt/

image (1)

image (2)

image (3)

image (4)

image (6)

image (7)

image (8)

image