Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

XIX CIRCUITO INTERCLUBES DE TIRO/2021 – TERRAS DE BOURO CONQUISTA 4 LUGARES NOS PÓDIOS

Após um ano de expectativas, arrancou, finalmente, a maior competição regional de tiro aos pratos. O complexo de tiro desportivo da Serra da Cabreira, em Vieira do Minho, com três campos habilitados para a prática de tiro aos pratos, foi o palco da 1ª prova do XIX Circuito Interclubes, na qual participaram cerca de 160 atiradores, agrupados por diversos escalões e categorias.

O Tiro Desportivo de Terras de Bouro marcou presença nos escalões de seniores, masters e sub25, e as performances a nível individual foram francamente positivas:

Fernando Teles - 1º lugar em seniores (1ª categoria) e 2º na classificação geral;

Manuel Cracel Viana - 1º lugar em masters (1ª categoria)

José Luís Loureiro - 2º lugar em seniores (3ª categoria)

José Carlos Costa - 2º lugar em sub25. 

A 2ª jornada ocorrerá no próximo fim de semana, em Salto, Montalegre, e, embora desfalcada devido a obrigações relacionadas com a crise sanitária, a equipa reforçará, com certeza, a sua expectativa de liderança e não deixará de elevar a modalidade de tiro a alvos móveis artificiais a patamares de excelência, fazendo lembrar o tempo em que, no agora inativo Campo de Tiro de Quintela, em Chorense, muitos campeões exibiam a sua extraordinária capacidade de concentração, equilíbrio sensório-motor e perícia técnica.

O mapa da classificação geral pode ser consultado aqui:https://drive.google.com/file/d/1sIL0EPHH2Znl_4bS5ItvHbV-zCebNnn9/view

VM 8.JPG

VM 2.jpg

VM 3.jpg

VM 4.jpg

VM 5.jpg

VM 6.jpg

VM 7.jpg

VM 1.jpg

VII BTT XCO VILA DE MELGAÇO ACONTECE SEM PRESENÇA DE PÚBLICO

Nos dias 17 e 18 de abril

Para garantir todas as condições de segurança emanadas pela DGS. Inscrições terminam amanhã, dia 14 de abril.

Melgaço acolhe no próximo fim de semana, dias 17 e 18 de abril, o VII BTT XCO Vila de Melgaço, prova internacional C2 pontuável para a Taça de Portugal e para o Campeonato do Minho de BTT XCO - POPP Design. Em virtude do contexto pandémico, a prova vai realizar-se sem a presença de público, tendo limite de participação de 450 atletas e, desta vez, apenas na vertente de competição.

XCO_Melgaco2021.jpg

A disputar junto ao Centro de Estágios, a iniciativa será promovida em condições de segurança e no cumprimento das orientações da Direção-Geral da Saúde e das normas concertadas entre esta entidade e a Federação Portuguesa de Ciclismo. A organização adotará as medidas adequadas em caso de infração. «A colaboração de todos é fundamental para que este e outros eventos se realizem.», atenta a organização. As inscrições decorrem até amanhã, 14 de abril.

O programa prevê treinos no sábado, dia 17 de abril, entre as 10h00 e as 17h30, realizando-se a competição no domingo, dia 18. Pelas 9 horas será dada a partida para a primeira corrida (cadetes masculinos e femininos) e pelas 10h15 realiza-se a prova para os atletas dos escalões de juniores (masculinos) e para todas as categorias femininas. Os atletas masters (masculinos) e de paraciclismo (masculino) começarão a competir às 12h15 enquanto a prova rainha, para elites e sub 23 (masculinos), tem início marcado para as 14h30.

«As nossas expetativas são altas. Os tempos são difíceis, imprevisíveis mesmo, mas, garantido as regras sanitárias, é altura de, paulatinamente, retomarmos a atividade e que melhor maneira senão receber em Melgaço uma prova internacional como vai ser o VII BTT XCO. Esta será a primeira competição da época e os atletas estão ansiosos por retomar a atividade. Para além dos nacionais, e uma vez que a prova é internacional, também esperamos atletas oriundos de outros países, embora sabendo-se que há muitas limitações e restrições para circular entre países. Isso vai condicionar, de certa forma, a prova deste ano e a vinda de alguns atletas, mas acredito que vamos ter aqui muitos dos melhores atletas da vertente.», considera o vereador do Desporto, José Adriano Lima.

A prova internacional é pontuável para a Taça de Portugal e para o Campeonato do Minho de BTT XCO - POPP Design e marca o regresso de grandes eventos ao concelho de Melgaço, uma excelente oportunidade para ajudar/contribuir para a dinamização da economia local. «Estamos habituados a acolher grandes eventos e este é mais um que, com certeza, nos vai ajudar a mostrar Melgaço e fazer movimentar, no que for possível, a economia local. Sabemos que os atletas e as equipas vêm cá para disputar a prova, vão passar cá um fim de semana e, mais tarde, podem regressar para conhecer melhor e desfrutar do que temos de bom em Melgaço», atenta José Adriano Lima.

BTT-XCO-MELGACO-2020_1.jpg

INAUGURAÇÃO DA PISTA PERMANENTE DE BTT XCO DE MELGAÇO

A prova internacional, promovida em conjunto pela Associação de Ciclismo do Minho, pelo Município de Melgaço e pela Melsport - Melgaço, Desporto e Lazer EM, contando com o apoio de diversas entidades, inaugurará a Pista permanente de BTT XCO de Melgaço, construída junto ao Centro de Estágios de Melgaço. «Desejamos que a pista seja do agrado de todos os que participarem na competição, mas, também, da população de Melgaço, da região e daqueles que nos podem visitar noutras ocasiões. É uma pista que tem diversos percursos e teve em atenção os diversos níveis e dificuldades. O objetivo é criar um circuito permanente, em que os atletas possam praticar a sua modalidade favorita durante todo o ano e em que a população se possa iniciar no BTT de uma forma fácil.», refere o vereador.

BTT-XCO-MELGACO-2020_2.jpg

CLUBE DE RUGBY DE ARCOS DE VALDEVEZ: FOI POR POUCO!...

No jogo deste fim de semana, defrontaram-se os dois últimos da tabela classificativa do Campeonato Nacional da Honra, C. R. Arcos de Valdevez e R.C. Montemor. Os visitantes levaram a melhor com a vantagem tangencial de um ponto, com um resultado final de 9-10, num jogo muito disputado, e com bons apontamentos.

0086.jpg

O jogo começou como acabou: equilibrado. Em períodos alternados, CRAV e R.C. Montemor dominaram territorialmente e a nível de posse de bola. Em termos estatísticos, terá pendido para o CRAV alguma vantagem neste domínio, mostrando maior iniciativa de jogo e períodos mais prolongados de domínio territorial. No entanto, sensivelmente a meio da primeira parte, o R.C. Montemor marcou um ensaio, aproveitando uma recuperação de bola e desenvolvendo o subsequente contra-ataque, naquele que será o único ensaio do jogo. O CRAV reagiu, procurou tomar conta das operações e chegou mais perto da linha de ensaio. Nesta toada de insistência, a equipa visitante foi obrigada a cometer erros, que valeram ao CRAV a redução para 3-7 por conversão de uma penalidade, que selou o resultado ao intervalo.

Na segunda parte, sentiu-se uma maior pressão ofensiva da equipa da casa. Grande parte do jogo foi disputado no meio-campo da equipa de Montemor, com alguma supremacia dos minhotos. Este esforço valeu-lhe ultrapassar a linha de ensaio por duas vezes, mas sem validação da equipa de arbitragem, que considerou que a bola não foi pousada pelo jogador arcuense envolvido. A esta maior iniciativa de jogo, o R.C. Montemor respondeu com uma defesa muito organizada e muito forte nos despiques individuais, que dificultava a progressão no terreno dos arcuenses, que, apesar das dificuldades, conseguiram inverter o resultado. Beneficiando e duas penalidades, os arcuenses conseguiram, concretizar duas penalidades (9-7) que premiaram o seu esforço e castigaram a equipa alentejana.

No entanto, nos minutos finais do jogo, o R.C. Montemor criou duas ocasiões de muito perigo quase conseguindo o ensaio. Nesse período de reação, a equipa arcuense cometeu uma falta, que foi convertida e ditou a vitória dos visitantes. Já no término do encontro, a reação arcuense esbarrou contra o rigor defensivo da equipa alentejana, e já o grande desgaste dos visitados (foi um jogo muito intenso) não permitia a lucidez necessária para conseguir pontos em tão pouco tempo num jogo tão equilibrado.

Em termos de balanço final, o resultado premiou a organização defensiva do R.C. Montemor e castigou a inexperiência da jovem equipa do CRAV: é um grupo cuja evolução é visível, com uma maior organização coletiva e maior estabilidade nas formações estáticas, mas que nos momentos decisivos não consegue os pontos. No próximo fim de semana, o CRAV deslocar-se-á a casa do S.L. Benfica, que vive um momento menos bom, tendo perdido uma semana antes contra esta mesma equipa do R.C. Montemor por 34-8.

0081.jpg

0095.jpg

0056.jpg

PONTE DA BARCA: MUNICÍPIO AMIGO DO DESPORTO

O município de Ponte da Barca aderiu ao programa “Município Amigo do Desporto”.(MAD) Este é um programa nacional que integra o programa Nacional para a Promoção da Atividade Física, da Direção-Geral da Saúde (DGS), com o apoio da Secretaria de Estado da Juventude e Desporto que se baseia em 3 eixos fundamentais: partilha de boas práticas e de intervenção dos municípios nas práticas de atividades físicas e no desenvolvimento desportivo; formação creditada para os profissionais relacionados com o desporto local e o reconhecimento público de boas práticas, através da atribuição do Galardão “MUNICÍPIO AMIGO DO DESPORTO”.

municipioamigododesportoweb.jpg

O MAD reconhece e avalia os municípios pelas suas boas práticas no âmbito da sua intervenção no contexto do desporto, promovendo a prática regular de atividade física e o desenvolvimento local e nacional.

Assume-se também como uma rede de partilha, que privilegia a monitorização, o reconhecimento e a divulgação de boas práticas no âmbito municipal do desenvolvimento desportivo em Portugal, partindo dos projetos e ações implementados em cada concelho aderente ao programa.

Os interessados (associações, professores, treinadores, técnicos de exercício físico, diretores técnicos) em receber informações acerca das formações que vão ser realizadas ao longo do ano, devem enviar e-mail para desporto@cmpb.pt.

CANOÍSTAS DE VIANA DO CASTELO COMEMORAM 27 ANOS SEMPRE A REMAR

DKC de Viana fez 27 anos. Rafaela Araújo da DKC elegivel para a selectiva interna da FPC - Mundial de C1 Senior de velocidade.

O hastear da bandeira pelos presidentes da Assembleia Geral e pelo Presidente da Direção da DKC de Viana, fez parte das comemorações do vigésimo sétimo aniversário deste clube vianense. Também os atletas fizeram o respectivo treino de água prestando o seu tributo.

IMG_2901.JPG

A Associação juvenil Darque Kayak Clube foi fundada a 5 de Abril de 1994, por um grupo de jovens que com o seu espirito associativo queriam desenvolver a modalidade de canoagem, defender o meio ambiente a aproximar a população do Rio Lima, assim como promover hábitos de vida saudáveis, no âmbito do associativismo voluntario. O sócio fundador e nº 1 e José Américo Vieira de Castro.

Hoje a DKC de Viana impõe-se como uma referencia vianense, nacional e internacional, pelo palmarés competitivo europeu, mundial e olímpico e pelo papel social e de defesa do ambiente que desenvolve há quase três décadas.

Também a  atleta Rafaela Araújo foi elegível para a participar na selectiva interna em C1 sénior, para apuramento continental/mundial, uma vez que cumpre os critérios definidos pela Federação Portuguesa de Canoagem.

A seletiva está aberta à participação nas seguintes classes:

- Feminino : K1 500 / K2 500 /C1 200 /C2 500

- Masculino: C2 1000 / C1 1000 / / K1 200 / K2 1000

Fotos cedidas

O Presidente da DKC de Viana,

Dr. Américo Castro

169281393_516606496028836_5399825673355626161_n -

169990287_2836620933269398_1561766253870231593_n -

IMG_3290.jpg

Seletiva Rafa_0001.jpg

MUNICÍPIO DE ESPOSENDE PROSSEGUE PLANO DE FORMAÇÃO DE AGENTES DESPORTIVOS

A Câmara Municipal de Esposende tem abertas as inscrições para a ação de Formação “Ser Treinador: Tomada de decisão no futebol e futsal”, que decorrerá on-line, nos próximos dias 16 e 17 de abril, orientada por Bruno Travassos.

ação formação.jpg

A ação integra o Plano de Formação de Agentes Desportivos 2021 do Município de Esposende e é dirigida a Treinadores de Futebol e Futsal, Técnicos de Desporto e Professores de Educação Física e outros interessados. No dia 16, realiza-se entre as 19h00 e as 22h00 e, no dia 17, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00, totalizando duas unidades de crédito.

Esta ação de formação estará a cargo de Bruno Travassos, docente e investigador do departamento de Ciências do Desporto da Universidade da Beira Interior e membro do Centro de Investigação CIDESD, onde desenvolve trabalhos de investigação no âmbito da tomada de decisão e análise de jogo no futsal. É ainda autor de um largo número de artigos científicos e livros de âmbito nacional e internacional, treinador de futsal e consultor pedagógico em Academias de Futsal.

As inscrições são efetuadas no site do Município, em www.municipio.esposende.pt/pages/1574, sendo o link de acesso à formação fornecido após o encerramento das inscrições.

O Plano de Formação para 2021 prevê, ainda, a realização de mais quatro ações, nomeadamente nos dias 15 e 16 de maio, a ação “Hidroterapia: a escolha dos melhores exercícios preventivos e corretivos para patologias da coluna”, por Nuno Pereira; no dia 12 de junho, “Ser Treinador: A importância da Comunicação”, por Jorge Silvério; no dia 9 de outubro, “Atividade Física para Idosos”, orientada por Maria Spratley; e, no dia 13 de novembro, a ação “Suporte Básico de Vida e Primeiros Socorros”, ministrada por Júlio Melo.

Promovido no âmbito do Plano Estratégico de Desenvolvimento Desportivo de Esposende (PEDDE), o Plano de Formação de Agentes Desportivos visa dotar os vários agentes locais de mais e melhores conhecimentos, necessário à sua ação junto das crianças e jovens que frequentam os clubes, escolas e academias de formação. Com a implementação de uma Medida de Apoio à Formação, o Município, através de contratos-programa com o associativismo desportivo e com as escolas do concelho, assegura de forma gratuita formação para diversos agentes desportivos do concelho. Através da promoção destas ações de formação, o Município está ainda a contribuir para o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 da ONU.

MUNICÍPIO DE BARCELOS CRIA “CARTA DESPORTIVA MUNICIPAL”

O Município de Barcelos elaborou a “Carta Desportiva Municipal”, documento de elevada importância, que faz o diagnóstico dos equipamentos desportivos do concelho.

Imagem-Site-Município_-1.jpg

Além de uma diferenciação tipológica das instalações desportivas existentes, a “Carta Desportiva Municipal” assume-se como um instrumento que ajudará a delinear estratégias para o futuro, não só no que concerne à prática desportiva federada, mas também ajudará a definir novos caminhos, nomeadamente no que toca aos espaços desportivos recreativos ou formativos, numa perspetiva de corresponder aos anseios e necessidades da população.

Os futuros equipamentos desportivos do concelho devem, por isso, levar em linha de conta a “Carta Desportiva Municipal, documento que assume um papel preponderante e estratégico, quer no ordenamento do território, quer no desenvolvimento sustentável, constituindo um instrumento de suporte à definição de políticas de atuação no âmbito do desporto em Barcelos.

A “Carta Desportiva Municipal” dá bons indicadores relativos aos números praticados no concelho, sendo disso exemplo a chamada “Área Desportiva Útil”, que se cifra em Barcelos nos 5,41 m2 por habitante, índice superior ao valor de referência delineado a nível europeu de 4 m2 de superfície desportiva útil por habitante. Este indicador sugere que, ao nível das instalações desportivas, o concelho está devidamente equipado e bem preparado para a prática desportiva. O concelho conta com 229 instalações desportivas, sendo 195 cobertas e 34 ao ar livre. A maioria – 180 – são equipamentos públicos, 38 estão inseridos em unidades escolares e 49 em instalações privadas.

Quanto à tipologia das instalações desportivas, denota-se uma preponderância por pequenos e grandes campos de jogos.

ARCUENSES DESINSPIRADOS CONTRA ACADÉMICA DE COIMBRA

Na recuperação da terceira jornada da fase final do CN Honra, a equipa do C.R. de Valdevez foi duramente batida em casa por uns categóricos 6-36.

CRAV-AAC-007.jpg

No grupo em que luta pela manutenção no escalão maior do Rugby nacional, os minhotos apresentaram-se de uma forma incaracterística. Com pouca combatividade, sem tomar iniciativas, deixaram-se passivamente surpreender por uma Académica que mostrava querer resolver rapidamente o jogo nos minutos iniciais. Com efeito, procurando fazer circular rapidamente as bolas e atacar junto à linha lateral, os “estudantes” já tinam marcado três ensaios aos 20 minutos de jogo. Depois desse impacto, os arcuenses procuraram tomar conta do jogo. Com mais posse de bola e procurando algum territorial, só mostrava conseguir a progressão com as faltas que eram assinaladas à equipa da Académica nos momentos defensivos. Assim, o jogo entrava numa toada morna, e, aproveitando as faltas da equipa visitante, o CRAV conseguiu converter duas penalidades, que deixaram o resultado em 6-19 ao intervalo.

A segunda parte iniciou com um lampejo do CRAV, que procurou a progressão no terreno com perfurações sistemáticas e movimentos continuados primeiros cinco minutos. Contudo, não passou de um lampejo: o jogo continuou numa toada morna, e num espaço de dez minutos a Académica arrumou a questão com outros três ensaios seguidos, que fixaram o resultado em 6-36. A reação do CRAV foi frouxa, só conseguindo progressão efetiva no terreno com as sucessivas faltas que os conimbricenses cometiam. Assistiu-se a um jogo cada vez mais monótono, observando-se o cansaço das equipas, e o pouco estímulo das equipas em dar mais dinâmica ao jogo: do lado da Académica, o objetivo já tinha sido atingido com os pontos da vitória mais o ponto de bónus ofensivo (por ter marcado mais de três ensaios); do lado do CRAV, a equipa estava quebrada, sem crença em si própria nem vontade de sair de campo de cabeça erguida. 

O próximo jogo do CRAV será também em casa, após uma paragem de duas semanas, em que receberá o R.C. Montemor, num jogo com alguma expectativa, pois ambas as equipas procuram fugir ao último lugar da classificação.

CRAV-AAC-013.jpg

CRAV-AAC-022.jpg

FAMALICÃO: REGULAMENTO DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PROMOÇÃO DO RENDIMENTO DESPORTIVO EM DISCUSSÃO PÚBLICA

A Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão tem a decorrer até ao dia 12 de abril o período de discussão pública do novo Regulamento do Programa Municipal de Promoção do Rendimento Desportivo.

DSC_8958.jpg

O documento encontra -se à disposição do público para consulta pública e para recolha de sugestões, nos Serviços de Atendimento ao Público, durante as horas normais de expediente e no sítio oficial do Município na Internet em https://www.famalicao.pt/discussao-publica

Os interessados devem dirigir, por escrito, as sugestões à Câmara Municipal até ao prazo indicado.

Através do Programa Municipal de Promoção do Rendimento Desportivo a Câmara Municipal de Famalicão pretende promover o desporto e os valores associados ao mesmo, através do reconhecimento e apoio aos atletas de excelência desportiva que pelo seu desempenho se destaquem no panorama nacional e internacional.

Assim, o presente regulamento foi elaborado com o objetivo de alargar as medidas de apoio em vigor no município na área do desporto e assim regulamentar as regras e condições de acesso ao Programa Municipal de Promoção do Rendimento Desportivo, definindo os tipos de apoios e formas da sua concessão, os procedimentos que devem ser cumpridos pelos seus beneficiários e as formas de garantir a conformidade entre os fins visados pelos apoios e a sua efetiva prossecução.

Pretende-se ainda estabelecer critérios gerais de atribuição de apoios em condições de igualdade para todos os atletas beneficiários e a monitorização da aplicação dos apoios concedidos, de modo a garantir o cumprimento princípios gerais da atividade administrativa, isto é, da legalidade, da prossecução do interesse público, da igualdade e da imparcialidade.

CRAV: UMA TARDE DIFÍCIL EM CASCAIS

Na continuação da atualização do calendário do CN Honra, a equipa do C.R. arcos de Valdevez deslocou-se a Cascais. O resultado foi um penalizador 83-10 que espelhou a diferença de rendimento das equipas.

CRAV-019.jpg

No jogo correspondente à segunda jornada da fase final do CN Honra, os arcuenses visitaram o GDS Casais, no encontro em que desde o início não foi difícil perceber o vencedor.

Defrontaram-se em campo duas equipas que lutam por patamares diferentes. Deste modo, objetivos competitivos, potencial e orçamento marcam uma distância entre clubes que vai bem para além da geográfica. Com efeito, o GDS Cascais, que habitualmente disputa o grupo A, onde se decide o campeão nacional, viu-se, este ano, e por força da redistribuição das equipas no grupo de apuramento, numa situação em que se viu forçado a disputar o grupo em que o que está em causa é a manutenção no escalão principal da modalidade. Por todos estes motivos, é mais ou menos evidente que o GDS Cascais tem por objetivo o primeiro lugar do grupo, correspondente ao 7º lugar na classificação geral. Por sua vez o C.R. Arcos de Valdevez é um presumível candidato à manutenção, ou seja, de modo a evitar o último lugar do grupo (que leva a despromoção automática, havendo para o penúltimo um playoff com o segundo classificado da 1ª divisão). Escrevemos aqui “presumível”, porque os responsáveis arcuenses afirmam apenas o objetivo de competir com dignidade, por força das consequências que a pandemia tem tido na equipa, que tem sido completamente desestabilizada por força de incidências várias relacionadas coma Covid19.

Quanto ao jogo, pouco haverá a dizer. O Cascais, com uma equipa mais forte e mais rápida, impôs rapidamente o jogo no seu pack avançado, apostando em circulações de bola muito rápidas. Entrou em campo forte, o CRAV mais passivo, o que fez com que aos cinco minutos de jogo os da casa já tivessem marcado três ensaios consecutivos (19-0). Nos quinze minutos seguintes, o CRAV “acordou” e tentou equilibrar mais o jogo, mas sem grande resultado prático, uma vez que ao intervalo o resultado já ia em 45-10.

Na segunda parte, o jogo pouco mudou. Ambas as equipas aproveitaram o facto de o vencedor já estar definido para realizar todas as substituições, que não alteraram a toada do jogo: 13 ensaios para os da casa contra 1 dos visitantes, que cifrou o resultado final em 83-10.

Para o próximo fim de semana, o CRAV irá recuperar a terceira jornada da fase final e, jogo a realizar em Arcos de Valdevez (sábado 20 de março às 15,30 horas) contra a histórica Associação Académica de Coimbra. Pese o favoritismo dos visitantes, será um jogo bem mais equilibrado, em que os coimbrões terão que dar o seu melhor para deixar os arcuenses vencidos.

CRAV-003.jpg

CRAV-058.jpg

BRAGA INSTITUI PRÉMIO "IGUALDADE DO GÉNERO NO DESPORTO"

Município homenageou árbitra internacional Andreia Sousa

 O Município de Braga distinguiu a árbitra internacional Andreia Sousa com o primeiro troféu ‘Igualdade de Género no Desporto’, numa sessão que decorreu esta Segunda-feira, 8 de Março, no Salão Nobre do Concelho. A cerimónia, contou com a presença de Ricardo Rio presidente da Câmara Municipal de Braga, a vice-presidente Sameiro Araújo, e Cunha Antunes, presidente do Conselho de Arbitragem do Distrito de Braga.

CMB08032021SERGIOFREITAS002151382387.jpg

Durante a homenagem, Sameiro Araújo lembrou o trabalho desenvolvido nos últimos anos na integração e capacitação das mulheres na vertente desportiva. “O trabalho desenvolvido pelo Município de Braga tem sido inexcedível no que diz respeito à utilização de boas práticas na integração da dimensão da igualdade de género, decorrentes das actividades promovidas pela Divisão do Desporto. Trabalhamos diariamente para que todas as mulheres se sintam integradas e apoiadas em todas as áreas, nomeadamente no Desporto”, explicou.

CMB08032021SERGIOFREITAS002151382386.jpg

Por seu turno, Ricardo Rio sublinhou que este é o primeiro ano em que o prémio é entregue e acaba por ser o “reconhecimento” de um trabalho em equipa, envolvendo toda a comunidade. “Este é um prémio não só da Andreia Sousa, mas de todas as mulheres Bracarenses que se dedicam ao seu trabalho e que conseguem, além de tudo o resto, serem desportista reconhecidas”, enalteceu o Autarca.

Andreia Sousa iniciou a sua carreira como árbitra de futebol, na época 2006/2007, no qual integrou os quadros da Associação de Futebol de Braga como árbitra estagiária. Na época 2011/2012 ascendia ao quadro feminino da FPF onde realizou vários jogos dos campeonatos femininos. Na época 2013/2014 ascendeu ao quadro masculino de Árbitros de Elite da AFBraga, no qual teve a possibilidade de arbitrar vários jogos da categoria mais elevada masculina (Pro Nacional) da AFBraga.

No ano de 2016 conseguiu alcançar o maior sonho, ao ser indicada como Árbitra Assistente Internacional FIFA onde, ao pertencer ao quadro FIFA, teve a oportunidade de realizar vários jogos da Liga dos Campeões Feminina, torneios internacionais sub17 e sub19 femininos, bem como jogos amigáveis de selecções. Durante todas essas épocas, esteve também presente em várias finais e jogos decisivos do campeonato feminino da FPF.

Em 2017 foi mãe pela primeira vez, pelo que teve de suspender a sua actividade na arbitragem durante alguns meses, no entanto voltou ao activo após concluir com sucesso as provas físicas e escritas. Durante a época 2019/2020, o Conselho de Arbitragem da FPF, permitiu que as árbitras FIFA estivessem presentes em alguns jogos das competições masculinas, nomeadamente no Campeonato de Portugal. Já nesta época 2020/2021 teve outro marco muito importante na sua carreira, no qual o Conselho de Arbitragem integrou as Árbitras Assistentes FIFA nos quadros masculinos AAC2, permitindo assim a realização de jogos como Árbitras Assistentes na 2ª Liga (Liga Portugal Sabseg).

Neste ano de 2021 sendo mãe pela segunda vez, esteve com a sua minha actividade em suspenso, tendo retomado agora os treinos de forma a voltar ao activo o mais rapidamente possível.

“Com este prémio pretendemos que, em Braga, todas as mulheres tenham conjunturas para tomarem opções na sua vida pessoal e profissional, sem opressões fundamentados em estereótipos de género, e que as mesmas, na sua participação colectiva na sociedade, tenham o mesmo nível de decisão e de reconhecimento”, concluiu Ricardo Rio.

CMB08032021SERGIOFREITAS002151382385.jpg

CÂMARA DE BARCELOS APROVA APOIOS A COLETIVIDADES E A DESPORTISTAS

A Câmara Municipal de Barcelos aprovou, em reunião ordinária de 5 de março, um conjunto de contratos programa de desenvolvimento desportivo com cinco coletividades e seis desportistas, que contêm medidas de apoio à participação e organização de provas de caráter regular, bem como a melhoria de instalações desportivas, num valor global de 363.610,00€.

presibarcel.jpg

Foram aprovados contratos programas com o Basquete Clube de Barcelos, Gil Vicente Futebol Clube, Óquei Clube de Barcelos, PCAND – Paralisia Cerebral Associação Nacional de Desporto, Associação Desportiva Cultural e Recreativa de Silveiros, atletas das modalidades de karaté, todo-o-terreno, motonáutica, boccia, ténis de mesa e biatlo moderno.

Apoios às freguesias, cultura, educação e ação social

Ainda na mesma reunião, o executivo municipal aprovou subsídios a oito freguesias, no valor global de 144.010,00€, destinados a comparticipar em despesas de obras de ampliação e pavimentação da rede viária, arranjo urbanístico, construção de sistemas de drenagem de águas pluviais e de equipamentos públicos.

Foram, também aprovados dois contratos programa na área da cultura: um com a Banda de Oliveira, que inclui uma comparticipação financeira municipal no valor de 47.000,00€; outro com a Associação de Artes de Viatodos, que inclui uma comparticipação financeira municipal no valor de 13.000,00€. Foi, ainda, aprovado um apoio financeiro no valor de 2.500,00€, à Rede de Cidades Criativas da UNESCO, da qual o Município de Barcelos faz parte desde 2017.

Na área da educação, destacam-se as seguintes deliberações: atribuição de apoio financeiro no valor de 200,00€, ao Agrupamento de Escolas Rosa Ramalho, destinado ao reembolso das despesas com comunicações; atribuição de subsídio, no valor de 211,88€, à Associação de Pais de Negreiros, destinado ao pagamento de tarefeira; atribuição de subsídio, no valor de 1.540,61€, à Associação de Pais dos Alunos da Escola de Alvelos; protocolo com a Associação Bandeira Azul da Europa – ano letivo 2020/2021, tendo em vista a participação das escolas candidatas ao programa Eco-Escolhas, da Fundação Europeia de Educação Ambiental, destinado ao pagamento de tarefeira.

Quanto às deliberações na área social, destacam-se as seguintes: atribuição de apoio financeiro à renda de casa de 19 agregados familiares; atribuição de apoio financeiro às refeições escolares de 11 alunos do 1.º ciclo de jardins de infância; a aprovação do acordo de colaboração entre o Município de Barcelos, a Associação Nacional AVC, o Instituto de Saúde S. João de Deus e o ACES Cávado III, relativo ao projeto ProCuidador que corresponde ao alargamento da rede de respostas sociais aos indivíduos e às famílias que se encontram no domicílio numa situação de dependência e/ou incapacidade, capacitando cuidadores informais para prestar cuidados a estas pessoas.

Destaque ainda para a aprovação do pagamento de despesas de juntas de freguesia e de outras entidades, relacionadas com o combate / tratamento do Covid 19, no valor global de 45.384,06€; o aditamento ao acordo de colaboração com o Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana, destinado a prolongar a cedência de habitações deste Instituto aos moradores nos edifícios do Bairro da Fundação Salazar, que se encontram em obras.

ARCOS DE VALDEVEZ: CRAV PROMISSOR NO REINÍCIO DO CAMPEONATO

No sábado 6 de março, em Arcos de Valdevez, o Clube de Rugby local deixou fugir a vitória nos últimos minutos. Com a última jornada disputada a 16 de janeiro, o Campeonato Nacional da Honra de Rugby reiniciou-se com um jogo impróprio para cardíacos.

CRAV_Benfica_082.jpg

À imagem do que acontece com todos os setores, as competições de rugby em Portugal têm vivido um momento atribulado. Apenas a divisão de Honra está em atividade, após uma suspensão de seis semanas, decretada pela Federação Portuguesa de Rugby (FPR) após a unanimidade dos clubes envolvidos.

Com efeito, se o calendário da FPR tivesse sido integralmente cumprido, faltariam apenas quatro jornadas para a conclusão do campeonato. No entanto, o CRAV praticamente não jogou, depois de um terrível mês de dezembro em que a equipa ficou obrigada a isolamento profilático que comprometeu os jogos desse mês. Em janeiro, após vários adiamentos suscitados pelo cenário pandémico, a situação pouco melhorou com apenas um jogo realizado.

O jogo com o S.L. Benfica corresponde deste modo à reposição da primeira jornada da fase final do Campeonato da Honra, que era suposto realizar-se a 9 de dezembro. Claramente favorita, a equipa das águias apresentou-se perante uma equipa da casa ainda a tentar recompor-se de uma época muito difícil, com pesadas baixas no plantel relacionadas com a pandemia e lesões.

O jogo iniciou-se com um sinal positivo dos arcuenses, que impuseram um jogo vivo, de sucessivas penetrações e circulações de bola, que culminaram com um 3-0 na conversão de uma penalidade ao segundo minuto de jogo. Ainda com esta toada dos da casa, o Benfica, na sequência de uma jogada de contra-ataque, materializou com um ensaio o seu forte ascendente nas formações ordenadas que viria a marcar o jogo (3-5). De seguida, o jogo caracterizou-se por algum equilíbrio, onde sobressaía a já assinalada vantagem dos lisboetas nas formações ordenadas, assim como na circulação rápida do jogo à mão. Da sua parte, o CRAV respondeu com um jogo ofensivo menos organizado, aproveitando alguma indisciplina do adversário que cometia muitas faltas. Resultado deste equilíbrio foi o facto de ambas as equipas marcarem 3 pontos na sequência da conversão de penalidades, que ditou como resultado final 6-8 a favor dos visitantes ao intervalo.

Na segunda parte, a equipa do CRAV tentou tomar conta das operações. Na forma aguerrida que a carateriza, procurou impor-se no terreno adversário, o que a fez marcar um ensaio a rondar o minuto 50 (13-8).  Entretanto, o equilíbrio era a nota dominante: a paragem competitiva das equipas condicionou o seu rendimento, dado que cometiam erros com frequência, fossem eles táticos, fossem más opções de jogo. Da parte da equipa da casa, o desacerto nos alinhamentos era flagrante, tendo dificuldade em consolidar a posse de bola, da parte da equipa da casa somavam-se as faltas, quer ofensivas quer defensivas, que não lhe permitiam avançar no terreno.

No entanto, além do equilíbrio, a emoção era dominante: ao minuto 30, a equipa consegue marcar um ensaio, que a faz passar para a frente do marcador (13-15). Cerca de sete minutos depois, o CRAV responde com a conversão de uma penalidade, que suscita uma nova alteração no marcador (16-15). Com toda esta emoção, os nervos eram maiores do que a lucidez. A dois minutos do fim, na sequência de um erro cometido num alinhamento, a equipa minhota perde a bola e as “águias” não se fizeram rogadas: numa jogada rápida circulam a bola e marcam ensaio, ditando como resultado final uma suada vitória do S.L. Benfica por 16-20.

À imagem do que acontece nas outras modalidades, o jogo não teve público. Contudo, os staffs das equipas presentes não deixaram de ver um jogo interessante, que, embora com falhas de ambas as equipas, nunca deixou de ser emocionante.

Desta forma, o CRAV recomeça a época de forma animada e animadora, dando sinais de uma melhoria de rendimento, que se espera ver acontecer já no jogo da próxima jornada, a disputar a 13 de março em Cascais.

CRAV_Benfica_110.jpg

CRAV_Benfica_011.jpg

CRAV_Benfica_015.jpg

CRAV_Benfica_018.jpg

CRAV_Benfica_040.jpg

CRAV_Benfica_042.jpg

CRAV_Benfica_046.jpg

CRAV_Benfica_065.jpg

CRAV_Benfica_076.jpg

MUNICÍPIO DE BARCELOS CONSTRÓI CAMPO DE TREINOS NO COMPLEXO DESPORTIVO DA CIDADE

Câmara avança com construção de campos de treino junto ao Cidade de Barcelos

Está em fase de conclusão o processo de concurso público para a construção de campos de treinos no Complexo Desportivo Cidade de Barcelos. A empreitada, cuja adjudicação está para breve, tem um preço base de 2.348.313,71€ (IVA incluído), verba totalmente a suportar pelo Município.

barcecampostreino.jpg

Com o intuito de criar as melhores condições para a prática desportiva, em especial para os escalões da formação, e atendendo às carências existentes no tocante a espaços disponíveis no concelho, com visibilidade acrescida no clube de futebol com maior projeção do concelho, o Gil Vicente, o projeto implica a construção de dois campos de treino. Estes equipamentos ficarão localizados a norte do Estádio Cidade de Barcelos, numa área de terreno a intervir, propriedade do Município, com cerca de 25 mil m2. Será construído um campo com relva natural e outro em sintético. A empreitada implica também a construção de uma bancada, com cinco filas.

Com esta obra dá-se passos significativos para a futura Cidade Desportiva de Barcelos e abre-se a porta à possibilidade de libertação das instalações do Estádio Adelino Ribeiro Novo, atualmente com poucas condições para a prática desportiva.

A criação das melhores condições para a prática desportiva tem sido uma preocupação do Município que, desde 2015, tem colaborado com várias coletividades do concelho, através da atribuição de apoios financeiros, para a instalação de relvados sintéticos. A este propósito, a Câmara Municipal atribuiu comparticipações financeiras no valor global de 1.350.000,00€ a quase uma dezena e meia de freguesias.

QUEM É JOSÉ MARIA PYRRAIT – DESCENDENTE DE LIMIANOS – FOTÓGRAFO DA NATUREZA E DA VIDA SELVAGEM?

José Maria Pyrrait possui as suas raízes familiares em Ponte de Lima. Foi na Quinta do Ameal, em Refóios do Lima, propriedade que foi do seu avô materno, que passou os melhores momentos da sua infância e adolescência e as melhores e mais fortes raízes e influência.

61162_106906069373811_4154311_n.jpg

Refoios do Lima, é normalmente a sua base para os passeios por terras minhotas, é a origem do seu amor por esta região abençoada pelo verde de uma natureza dona de uma beleza única. Como amante da vida selvagem e da natureza no seu estado mais puro, encontrou no Parque Nacional Peneda Gerês, o palco perfeito para as suas aventuras e para, através da fotografia, registar os momentos mágicos aí vividos

José Maria Pyrrait nasceu em 1965. É treinador de surfistas de competição profissionais, é proprietário também de uma escola de surf na Ericeira dedicada á formação de jovens surfistas.

No passado, dedicou-se á fotografia na área da grande reportagem, jornalismo e viagens. Tem como principais trabalhos, algumas reportagens sobre a guerra civil angolana, acompanhando a guerrilha da UNITA, as eleições na África do Sul quando Nelson Mandela foi eleito a primeira vez, algumas reportagens fotográficas sobre o arquipélago dos Açores, onde viveu 6 anos e vários trabalhos sobre regiões em Portugal continental.

Abandonou a fotografia profissional em 1998, quando se passou a dedicar a tempo inteiro, ao ensino e treino do surf, desporto que pratica há 45 anos, ou seja, desde os 10 anos de idade, na cidade do Rio de Janeiro, onde viveu dos 10 aos 17 anos de idade. Atualmente vive na Ericeira, curiosamente terra de que foram donatários os marqueses de Ponte de Lima e cujo palácio se encontra na vila de Mafra, sede do respectivo concelho.

O BLOGUE DO MINHO tem o privilégio de contar com a sua colaboração através da publicação das suas magníficas fotos que em tudo engrandecem a nossa região e pela qual estamos imensamente gratos. As fotos que junto publicamos de sua autoria são precisamente de Ponte de Lima.

PNPGeresPyrrait (1).jpeg

PNPGeresPyrrait (10).jpeg

PNPGeresPyrrait (16).jpeg

PNPGeresPyrrait (43).jpeg

PNPGeresPyrrait (70).jpeg

PNPGeresPyrrait (71).jpeg

PNPGeresPyrrait (90).jpeg

PNPGeresPyrrait (91).jpeg

PNPGeresPyrrait (95).jpeg

PNPGeresPyrrait (99).jpeg

PNPGeresPyrrait (203).jpeg