Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

PROJETO CULTURAL E TURÍSTICO LEVA ARTISTAS AOS MUNICÍPIOS DO CÁVADO

O consórcio MINHO INOVAÇÃO, constituído pelas Comunidades Intermunicipais do Cávado, Alto Minho e do Ave, lançou mais uma iniciativa de promoção da cultura, dos artistas e do turismo sob a marca “AMAR O MINHO”, com o apoio do Norte 2020 e dos FEEI.

INSTAGRAM_FILIPA MARTINS.jpg

O projeto, inédito em Portugal, cria a maior rede de residências artísticas nos 24 municípios representados pelas três CIM da região, numa estratégia concertada que se destina a reforçar a identidade cultural do Minho e, desta forma a dinamizar o território do ponto de vista artístico e turístico.

O programa inclui artistas, nacionais e estrangeiros, que, até junho de 2021, vão habitar o território do Cávado e recriá-lo em projetos de arte em espaço público, artesanato, fotografia, música, dança e literatura. O Programa de Residências Artísticas foi revisto, em plena pandemia, e adaptado às exigências do combate à propagação do COVID-19, apresentando-se como um caminho para dinamizar a programação cultural neste tempo novo e, em alguns casos, colmatar vazios de programação que acontecerão inevitavelmente nos municípios durante este Verão. A iniciativa procura também responder à situação de emergência social que a comunidade artística está a viver, uma das mais afetadas pela crise pandémica, proporcionando a alguns criadores oportunidades imediatas de trabalho. Alguns dos artistas convidados farão residência em mais do que um município, potenciando pontos de contacto no território.

Assim e neste âmbito a partir do dia 13 de outubro Terras de Bouro acolherá as  “Residências Artísticas”  a quem a escritora e jornalista Filipa Martins dará voz e conteúdos.

CASA DAS ARTES DE FAMALICÃO TEM PROGRAMAÇÃO PARA O ÚLTIMO TRIMESTRE DO ANO

Nenhum Covid matará a esperança de um cidadão cultural. Programação para o último trimestre de 2020 cheia de ânimo

A Casa das Artes de Famalicão tem preparada uma programação para o último trimestre deste incomum ano de 2020 que pretende oferecer aos seus públicos momentos de afloramento de emoções e pretextos para alimentar a esperança, importantes detalhes que vão sucumbindo à ditadura do distanciamento e das consequências da pandemia do Covid-19.

©Filipa_Brito_Pinoquio.jpg

Outubro, novembro e dezembro são, por isso, meses decisivos para a construção da vida de todos os cidadãos e a Casa das Artes quer ver neles entalhada a sua missão cultural, edificando um corpo social revigorado pela esperança da vitória contra um inimigo invisível que nos vem condenando à catalepsia, ao esconder sorrisos e emoções por detrás de uma qualquer máscara.

Outubro arranca com a celebração do Dia Mundial da Música, com BOREALIS ENSEMBLE: ESTE SOM DE O MAR PRAIAR, um projeto musical que junta Sara Braga Simões (soprano), António Carrilho (flautas de bisel), Catherine Strynckx (violoncelo) e Helena Marinho (piano). “Este som de o mar praiar”, verso retirado da Mensagem (1934) de Fernando Pessoa, evoca os sons de um mar inatingível ou utópico, remetendo para uma dimensão essencial da identidade portuguesa, a sua complexa relação com o mar.

Em coprodução com o Teatro Nacional D. Maria II, o Município de Loulé e a Casa das Artes de Famalicão, SEIS MESES DEPOIS: 25 Anos da Companhia Olga Roriz é o espetáculo que esta conceituada companhia de bailado apresenta em Vila Nova de Famalicão, aliás o local mais a norte do país a receber esta produção. Em SEIS MESES DEPOIS, a resiliência dos corpos de mãos dadas recuperam os lugares ao longe, num presente que se escapa por entre os pés. Num pós-Humanidade, SEIS MESES DEPOIS é um futuro próximo, em que – algo humanos, semi-deuses ou heróis – imaginamos a nossa existência em sete personagens ao acaso.

close_up_2020_a3.jpg

A pandemia gerou pandemónio e obrigou a todos reprogramarem as rotinas e planos. Não imune, a Casa das Artes reprogramou a sua dileta Poética da Palavra, com cinco momentos a ocorrerem em outubro e novembro (cinco espetáculos, dos quais quatro são coproduções e dois em estreia). Poética da Palavra evidencia como fundamentais o texto, a palavra, a voz e o trabalho de ator. Neste terceiro capítulo serão apresentados O AMANTE (coprodução) de Harold Pinter, com interpretação de Custódia Gallego e Virgílio Castelo, numa encenação de Albano Jerónimo e Cláudia Lucas Chéu (9 de outubro); VÂNIA (coprodução e estreia), com texto e encenação de Luís Mestre a partir de Anton Tchékhov, David Mamet e Howard Barker e com interpretação de Ana Moreira, António Durães, Belisa Branças, Sílvia Santos e Tânia Dinos (30 e 31 de outubro); PARA ATRAVESSAR CONTIGO O DESERTO DO MUNDO, uma criação dos interpretes Lúcia Moniz e Pedro Lamares, num um exercício de intertexto entre dois poetas Sophia de Mello Breyner Andresen e Jorge de Sena (7 de novembro); AIRBNB E NUVENS (coprodução e estreia), uma radionovela com texto de Luísa Costa Gomes, encenação de Manuel Tur e interpretação de Diana Sá, Eduardo Breda, João Castro, Pedro Almendra e Teresa Arcanjo (14 de novembro, 21h, 75 min); WAKE UP (coprodução), a partir de Wake Up And Smell The Coffee de Eric Bogosian, uma cocriação de António Afonso Parra & Luís Araújo, com interpretação de António Afonso Parra (14 de novembro, 23h, 60 min).

Outro dos diletos momentos da programação anual da Casa das Artes é o Close-Up: Observatório de Cinema de Famalicão que decorre, neste que é o seu 5.º Episódio, entre 10 e 17 de outubro, sob o tema: CINEMA NA CIDADE. Criar ou visualizar cinema é um ato cultural que empolga e faz vibrar os sentidos. O programa gizado para cada episódio do Close-Up agrega uma panóplia de sugestões que permite ao espetador ser induzido em climas sensoriais sublimes.

O AMANTE.jpg

Esta quinta edição do Close-up projeta-se orientada pelas relações do Cinema com a Cidade, no habitual encontro entre ficção e documentário, produção contemporânea e história do cinema.

Um dos destaques do programa são os filmes-concerto, que abrem e encerram a programação, reiterando o trabalho de criação no cruzamento de linguagens, nas sessões de abertura e encerramento: o rock corpulento dos Black Bombaim e a eletrónica de Luís Fernandes, na apresentação de uma banda sonora original e em estreia para A Idade de Ouro, o manifesto surrealista de Buñuel; será a voz de Cristina Branco e as novas formas do fado que sublimarão o encontro dos amantes em The River, poderoso exemplar da filmografia de Frank Borzage, um dos protagonistas da Hollywood clássica.

A música inebriantemente doce de TAINÁ vai desacerbar os dias de pandemia. Esta descendente de indígenas brasileiros não foge das suas realidades, nem finta a solidão, as contradições, os anseios, os impulsos, os desejos, que são comuns a toda a gente, mas que nem todos sabem expressar desta forma. Uma camada doce para a sobremesa dos nossos dias, para nosso deleite a 6 de novembro.

De novo, atravessando o Atlântico desde terras de Vera Cruz, ADRIANA CALCANHOTO traz Margem à Casa das Artes, o disco que fecha a trilogia marítima iniciada com “Maritmo” (1998) o primeiro que explicita a sua paixão pelo mar e “Maré” (2008), seu sétimo disco, que reforça a ambiência oceânica. Um espetáculo marcado para 22 de novembro.

“Próspero ano novo!” um erodido desejo que partilhamos até à exaustão no término da cronologia anual e que ninguém sentiu substantificado em 2020. Pois, bem, a 26, 27 e 28 de novembro, estreia PRÓSPERO na Casa das Artes, um espetáculo de teatro, com tradução, dramaturgia e encenação de Pedro Galiza e interpretação de Jorge Pinto, que emerge a partir de A Tempestade de William Shakespeare, numa Criação Ensemble - Sociedade de Actores, Coprodução Ensemble/Casa das Artes de Famalicão. Trata-se de uma estrutura cenográfica com uma monumental presença, inspirada num dos “Jardins de Acrílico” do pintor e escultor José Rodrigues, um espaço que confina, que desenha um território claro, uma interpretação algo claustrofóbica da ilha perdida de Próspero, mas, ainda assim, um espaço que, ao encarcerar a personagem, liberta o ator.

E por falar em pintura, “JORGE PINHEIRO - DA COLEÇÃO DE SERRALVES EM FAMALICÃO” vai ocupar o Foyer, de 4 de novembro a 23 de fevereiro de 2021. Jorge Pinheiro (Coimbra, 1931) é reconhecido como um dos nomes mais influentes do contexto artístico português da segunda metade do século XX, integrando o célebre grupo “Os 4 vintes” em 1968, juntamente com Ângelo de Sousa, Armando Alves e José Rodrigues.

No último mês deste ano que ficará marcado com destaque nos compêndios da História a programação da Casa das Artes propõe, a 4 de dezembro, PINÓQUIO, uma encenação de Xico Alves. “Tudo o que um sonho precisa é alguém que acredite que ele possa ser realizado.” Numa oficina comum de um homem comum, numa vila comum de Itália, o incomum acontece: este que, até ao momento, era apenas uma marioneta, vive! Pinóquio traz-nos esta história familiar de esperança, através dos olhos juvenis do protagonista que dá o nome a este maravilhoso espetáculo.

A 5 de dezembro, a vez à música com a recolocação do espetáculo Radio Gemini: Closer, com DAVID FONSECA: voz, guitarras, teclados, percussão; acompanhado por Paulo Pereira: teclado, programações, percussão, voz. Vai ser um espetáculo em cima de uma corda bamba entre imagens e sons, tão real e frágil como a vida, mas maior, mais alto e, se tudo correr bem, com confettis!

2020 encerra em termos programáticos com mais uma coprodução da Casa das Artes. No dia 12, sob a cena O PRIMO BASÍLIO, bailado em II atos a partir da notável obra homónima de Eça de Queirós, pela primeira vez desenhada em dança e sustentada pela música de compositores portugueses, pela Dança em Diálogos:  Plataforma Coreográfica, com direção artística de Solange Melo e Fernando Duarte. Através de um bailado de base narrativo/literária, chega agora o momento de celebrar a obra carregada de paixão e intriga, de um dos vultos mais notáveis da literatura portuguesa do século XIX: Eça de Queirós (1845-1900).

Próspero.jpg

SEIS MESES DEPOIS - OLGA RORIZ.jpg

FAMALICÃO REALIZA ROTEIROS CULTURAIS

Anima-te com roteiros turísticos para descobrir Famalicão. Roteiros realizam-se até 30 de agosto com o máximo de 20 participantes

Nem só de boa música, cinema, desporto, artesanato e comida se faz o Anima-te. Até ao dia 30 de agosto, o programa de Verão promovido pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão convida também os famalicenses a descobrirem o património concelhio com uma série de passeios e roteiros pelo território.

É o caso do passeio comentado pelos parques e jardins da cidade, com destaque para a arte pública aí presente e para a observação das flores, arbustos e árvores que compõem a paisagem destes espaços. Neste roteiro propõe-se um passeio pelos parques e jardins que fazem parte da identidade de Vila Nova de Famalicão, compreendendo a razão da sua existência e as intenções dos homens que os idealizaram e construíram. O Anima-te tem também uma proposta de roteiro para os amantes de Arquitetura: um passeio comentado pelas ruas da cidade, com destaque para o edificado e para os elementos arquitetónicos que marcam a paisagem construída de Vila Nova de Famalicão. Ao longo do percurso será explorada a história dos edifícios na sua relação com a construção da cidade e com a vida social, económica e política do concelho.

E porque a arte urbana está cada vez mais presente nas ruas de Famalicão, a Câmara Municipal sugere também o Roteiro das Artes na Cidade. As paredes e murais passaram a locais de representação de lendas, tradições e personalidades e cada uma dessas representações artísticas merece um olhar atento num passeio comentado sobre os elementos de arte urbana e o seu significado.

De Seide São Miguel chega um convite da Casa-Museu de Camilo para participar no percurso pedestre de exploração dos sítios e espaços da vida de Camilo Castelo Branco na freguesia.

Os famalicenses vão ainda ter a oportunidade de observar a variedade de aves que passam pela Paisagem Protegida Local das Pateiras, em Fradelos, e de percorrer trilhos ribeirinhos à volta do projeto “Os Nossos Rios” através da atividade “O Rio não sabe reciclar”, que consiste na recolha de resíduos existentes nas margens dos rios Guisande e Este e que permite acompanhar “in loco” os trabalhos de requalificação e reabilitação das suas margens.

A inscrição nos roteiros deve ser feita com 48 horas de antecedência e deverá ser efetuada através do email  <mailto:famalicaoturismo@famalicao.pt> famalicaoturismo@famalicao.pt ou do telefone 252 317 474, indicando o dia e a hora pretendidos, nome e contacto telefónico. Os roteiros têm a duração de uma hora e podem ter no mínimo 5 participantes e o máximo 20.

Consulte horários e mais informações sobre os roteiros inseridos no programa Anima-te, em www.famalicao.pt/agenda-municipal-famalicao <http://www.famalicao.pt/agenda-municipal-famalicao> .

Calçada da Praceta Cupertino Miranda.jpg

AGENDA CULTURA DE VIANA DO CASTELO - JULHO E AGOSTO

Agenda Cultural de Julho e Agosto_2020_capa.jpg

AGENDA CULTURAL DE JULHO E AGOSTO 2020

EXPOSIÇÕES

Exposições PermanentesA Lã e o Linho no Traje do Alto Minho”, “Traje à Vianesa”, “Oficina e Sala do Ouro

Até 12/07 – Exposição "D. Maria II - 200 anos, uma visita real "

De 23/07 a 30/08 – Exposição “Bem-vinda sejas Amália” – Centenário do Nascimento de Amália Rodrigues

O Museu do Traje acolhe a exposição itinerante “Bem-Vinda Sejas Amália” concebida pela Fundação Amália para celebrar o centenário do nascimento de uma das mais importantes figuras da cultura portuguesa do último século que conta com o Alto Patrocínio de Sua Excelência o Presidente da República. Esta exposição pretende aproximar e levar Amália até às pessoas onde quer que elas estejam, dando a conhecer a todos os portugueses, a sua singularidade enquanto mulher e artista.

Expressa o que pensamos seria a vontade de Amália no ano em que se comemora o centenário do seu nascimento. Em termos conceptuais a exposição está organizada em 4 módulos que procuram dar a conhecer algumas das facetas de uma Amália impossível de ser apresentada e representada a não ser por ela própria.

Local: Museu do Traje (Praça da República)

Org.: Fundação Amália

Apoio: Câmara Municipal de Viana do Castelo

 

Exposição Permanente “A Coleção de Faiança do Museu de Artes Decorativas”

De 19/06 a 2/08 – Exposição “Recantos de Viana: Desenhos de George Loukomski”

O Museu de Artes Decorativas tem patente a exposição “Recantos de Viana: Desenhos de George Loukomski”, com desenhos que datam de 1937 e que espelham os antigos edifícios e motivos arquitetónicos da cidade que fascinavam o artista e arquiteto. George Kreskentevich Loukomski (1884-1952) nasceu em 1884, na cidade russa de Kaluga, no seio de uma família aristocrata. Frequentou arquitetura na Escola de Arte de Kazan, entre 1901 e 1903, e na Academia Imperial de Artes de São Petersburgo, tendo concluído a sua formação de arquiteto em 1915.

Esta mostra reúne a totalidade dos desenhos adquiridos ao artista em 1937, aquando da sua curta passagem por Viana, e revelam não só a personalidade artística do autor, mas a relação privilegiada entre o património e o desenho, com preciosos registos sobre a arte, os monumentos históricos e o quotidiano local. Tornam-se assim documentos importantes no estudo da arquitetura e espaços urbanos da cidade durante o segundo quartel do século XIX.

De 8/08 a 20/09 - Pintar a Festa

“Pintar a Festa” é uma retrospetiva de pintura com a temática das festas da cidade em honra à Romaria da Senhora da Agonia que se realiza, anualmente, no mês de Agosto, em Viana do Castelo. Trata-se de uma exposição comemorativa do Museu de Artes Decorativas de Viana do Castelo que celebra, no corrente mês, 97 anos da sua criação (17 de agosto de 1923). Foi durante as festas da Senhora da Agonia, que o mais antigo museu da cidade abriu as portas ao público, assinalando o evento com duas exposições, uma de pintura e outra de fotografia.

Esta exposição apresenta obras de uma coleção que reúne cerca de três dezenas de pinturas, assinadas por 19 artistas de várias gerações, com percursos e soluções estéticas diferentes, mas une-os, a grande afetividade pela festa e pela cidade, registada na palete de cores quentes que realçam os vários quadros icónicos da Romaria.

Local: Museu de Artes Decorativas (Largo de S. Domingos)

Org.: Câmara Municipal de Viana do Castelo

 

Até 30/09 - “Uma Viagem no Tempo: Navios, Equipamentos e Palamenta”

Até 31/12 - “Campanha São Ruy 1952”

Até 31/12 - “Navios Construídos em Viana do Castelo para a Pesca do Bacalhau”

De 1/08 a 30/08 - Exposição de fotografia “ Sentir os Tapetes - Para a Senhora Passar”

Local: Navio Hospital Gil Eannes (Doca Comercial)

 

Até 31/12 - Galeria dos Campeões
Exposição de Fotografia dos Atletas Vianenses homenageados na Gala do Desporto

Local: Galeria do Interface de Transportes de Viana do Castelo

Org.: Câmara Municipal de Viana do Castelo

 

De 1 a 31/07 - Exposição "15 Poemas Celtas", Pintura de Américo Carneiro

Local: Galeria da Santa Casa da Misericórdia de Viana do Castelo (Praça da República)

 

Exposição “Teatro do Noroeste – CDV 25 Anos”

Curadoria: Paula Anjos

Visitas guiadas para escolas e outros grupos sob marcação.

Local: Teatro Municipal Sá de Miranda.

Informações/Marcações: 258 823 259 / 967 552 988 / geral@centrodramaticodeviana.com

Produção: Câmara Municipal de Viana do Castelo

Apoio: Serviço Educativo do Teatro do Noroeste – CDV

 

De 25/07 a 31/12 - Exposição "A Mão e a Máscara" de Sebastião Peixoto

Exposição da obra gráfica publicada em livros, revistas e jornais

Local: Biblioteca Municipal de Viana do Castelo (Alam. 5 de Outubro)

Org.: Câmara Municipal de Viana do Castelo

 

De 27/07 a 2/09 – Exposição itinerante " Sebastião Salgado. Génesis"

A beleza do planeta em que vivemos - Arte na Rua

Local: Jardim Público

Org.: Fundação “la Caixa”

Apoio: Câmara Municipal de Viana do Castelo

 

De 11/07 a 26/07 - Exposição de fotografia “Viana”, de Alfredo Cunha

Local: Antigos Paços do Concelho – Piso 0 (Praça da República). Abertura dia 11 de julho às 12h00.

Org.: Câmara Municipal de Viana do Castelo

 

De 1/08 a 23/08 – Exposição dos Cartazes Concorrentes ao Concurso “Cartaz Oficial da Romaria da Senhora d’Agonia 2020”

Local: Antigos Paços do Concelho – Piso 0 (Praça da República)

Org.: VianaFestas – Associação Promotora das Festas da Cidade de Viana do Castelo

De 1/08 a 23/08 – “Sentir as Festas d’Agonia”- Exposição de Rua

Local: Várias ruas da cidade

 

Dia 1/08 - MATER - Exposição de fotografia de Rui Carvalho.

local: Estação Viana Shhopping

Org.: Estação Viana Shopping

 

De 29/08 a 13/09 – Exposição “Girassol - Viana do Castelo em 90 Anos de Vida de um Café – 1930-2020”

Local: Antigos Paços do Concelho – Piso 0 (Praça da República)

Org.: Núcleo de Viana do Castelo da EPHEMERA Associação Cultural

 

Dia 15/07 a 1/08 - "Olhar com esperança" - Exposição de Pintura de Lima Viana

Dia 8/08 a 29/08 - Exposição Coletiva

Local: Galeria Barca d’Artes (Rua dos Manjovos, 31)

Org.: Centro Cultural do Alto Minho

 

MOSTRAS / EXPO-FEIRAS

 

Dia 4 e 5/07 e 25 e 26/07 - Viana AutoShow 2020

Feira veículos seminovos e usados.

Local: Campo d’ Agonia, das 10h00 às 19h00
Org.: Associação Empresarial de Viana do Castelo e Câmara Municipal de Viana do Castelo

 

Dia 11/07 e 1/08 – Feira de Antiguidades e Velharias

Local: Campo d’Agonia, a partir das 10h00. Dia 1 de agosto – local a definir.

Org.: Núcleo de Antiquários. Apoio: Câmara Municipal de Viana do Castelo

 

Dia 11/07 e 8/08 – FAM - Feira de Artesanato e Manualidades

Realiza-se no 2.º sábado de cada mês.

Local: a definir, das 10h00 às 18h00.

Org.: Maos – Movimento de Artes e Ofícios.

Apoio: Câmara Municipal de Viana do Castelo

 

Dia 11/07 e 8/08 - Feira de Antiguidades, Velharias e Artesanato de Areosa

Realiza-se no 2.º sábado de cada mês.

Local: Adro da Igreja de Areosa, das 9h00 às 18h00

Org: Junta de Freguesia de Areosa e JArtesãos

Apoio: Fábrica da Igreja de Areosa

 

De 11/07 a 1/08 - 40º Feira do Livro de Viana do Castelo

Dia 18/07 - Apresentação da reedição dos livros “A Torre de Barbela”, de Ruben A., por António Feijó; e “Páginas Minhotas”, de Ruben A.

Local: Sala Couto Viana / Biblioteca Municipal de Viana do Castelo, às 16h00

Dia 25/07 - Lançamento do livro “Arquitectura contemporânea e apontamentos de arquitectura mordenista em Viana do Castelo”, de José Pastor, editado pela Câmara Municipal

Local: Sala Couto Viana / Biblioteca Municipal de Viana do Castelo, às 11h00

Dia 28/07 - Entrega do Prémio Literário Luís Miguel Rocha

Local: Sala Couto Viana / Biblioteca Municipal de Viana do Castelo, às 14h30

Dia 31/07 - Apresentação do livro “Prémio Escolar António Manuel Couto Viana: 2016-2020”, editado pela Câmara Municipal

Local: Varanda da Biblioteca Municipal ou Teatro Municipal Sá de Miranda, às 18h00

Dia 1/08 - Lançamento da revista “A Falar de Viana”, volume 9 (2020), da 2.ª série

Local: Sala Couto Viana / Biblioteca Municipal de Viana do Castelo, às 11h00

Dia 1/08 - Noite de Poesia “Como se desenha uma casa” com Pedro Lamares

Local: Sala Couto Viana / Biblioteca Municipal de Viana do Castelo, às 21h30

Consultar programa específico.

Org.: Câmara Municipal de Viana do Castelo

 

Dia 11/07 e 26/07 - Feira em segunda mão - Darque

Formato Bagageira

Local: Recinto da feira - Darque, das 9h00 às 13h00.

 

De 1/08 a 23/08 – Mostra de Artesanato das Festas d´Agonia

Dia 01 de Agosto, pelas 16,00 horas lançamento da Mostra de Artesanato das Festas d´Agonia que promove artesãos em plataforma "online".

Esta mostra digital vai levar a centenária Mostra de Artesanato das Festas de Nossa Senhora d´Agonia a fazer sentir-se em agosto, exclusivamente "online" para os artesãos do concelho. Este diretório online vai integrar a página oficial festasdagonia2020.com, e permitirá aos artesãos divulgar os seus produtos, arte e contactos.

 

ATIVIDADES INFANTO-JUVENIS

 

De 29/06 a 4/09 - Campos de Férias de Verão - Associação Juvenil de Deão

Para crianças e jovens dos 6 aos 15 anos.

Inscrições e informações: ajdludoteca@gmail.com ou 258730653/932911414

Org.: Associação Juvenil de Deão - AJD

 

Dia 8 e 9/07 - Open Days 2020 - Masterclasses e Ateliês

Violino | Viola d'arco | Violoncelo | Contrabaixo | Flauta | Oboé | Clarinete

Fagote | Saxofone | Trompa | Trompete I Trombone | Tuba | Percussão | Guitarra

Inscrições até 6/07 em www.fam.pt/pt/eventos ou  telef. 258 806 120

Destinatários: Jovens dos 11 aos 16 anos. (Lotação limitada)

Local: Fundação Átrio da Música

Produção: Fundação Átrio da Música | ARTEAM - Escola Profissional Artística do Alto Minho

 

Dia 1/07 - “Uma história de cada vez – A cigarra e a formiga”, de Jean de La Fontaine

Dramatização e encenação de uma história para crianças até aos 12 anos.

Local: Apresentação através das redes sociais da Biblioteca Municipal, às 15h00 (Facebook: https://www.facebook.com/Biblioteca-Municipal-de-Viana-do-Castelo-332216263304/?epa=SEARCH_BOX e Youtube: https://www.youtube.com/results?search_query=biblioteca+municipal+de+viana+do+castelo)

Org.: Câmara Municipal de Viana do Castelo

 

Dia 4/07 - “Sábado com Histórias – João sem medo”, de Irmãos Grimm

Dramatização e encenação de uma história destinada a crianças até aos 12 anos Local: Apresentação através das redes sociais da Biblioteca Municipal, às 10h30 (Facebook: https://www.facebook.com/Biblioteca-Municipal-de-Viana-do-Castelo-332216263304/?epa=SEARCH_BOX e Youtube: https://www.youtube.com/results?search_query=biblioteca+municipal+de+viana+do+castelo)

Org.: Câmara Municipal de Viana do Castelo

 

Dia 8/07 - “Uma história de cada vez – Quem deu um pum”, de Ana Garcia Martins

Dramatização e encenação de uma história destinada a crianças até aos 12 anos Local: Apresentação através das redes sociais da Biblioteca Municipal, às 15h00

(Facebook: https://www.facebook.com/Biblioteca-Municipal-de-Viana-do-Castelo-332216263304/?epa=SEARCH_BOX e Youtube: https://www.youtube.com/results?search_query=biblioteca+municipal+de+viana+do+castelo)

Org.: Câmara Municipal de Viana do Castelo

 

Dia 11/07 - “Sábado com Histórias – Os ursinhos na cama e a grande, grande tempestade”, de Paul Bright

Dramatização e encenação de uma história destinada a crianças até aos 12 anos Local: Apresentação através das redes sociais da Biblioteca Municipal, às 10h30

(Facebook: https://www.facebook.com/Biblioteca-Municipal-de-Viana-do-Castelo-332216263304/?epa=SEARCH_BOX e Youtube: https://www.youtube.com/results?search_query=biblioteca+municipal+de+viana+do+castelo)

Org.: Câmara Municipal de Viana do Castelo


Dia 15/07 - “Uma história de cada vez – Vamos à caça do urso”, de Michael Rosen

Dramatização e encenação de uma história destinada a crianças até aos 12 anos Local: Apresentação através das redes sociais da Biblioteca Municipal, às 15h00

(Facebook: https://www.facebook.com/Biblioteca-Municipal-de-Viana-do-Castelo-332216263304/?epa=SEARCH_BOX e Youtube: https://www.youtube.com/results?search_query=biblioteca+municipal+de+viana+do+castelo)

Org.: Câmara Municipal de Viana do Castelo


Dia 18/07 - “Sábado com Histórias – Na Savana”, de Irena Trevisan e Luna Scortegagna

Dramatização e encenação de uma história destinada a crianças até aos 12 anos.

Local: Apresentação através das redes sociais da Biblioteca Municipal, às 10h30

(Facebook: https://www.facebook.com/Biblioteca-Municipal-de-Viana-do-Castelo-332216263304/?epa=SEARCH_BOX e Youtube: https://www.youtube.com/results?search_query=biblioteca+municipal+de+viana+do+castelo)

Org.: Câmara Municipal de Viana do Castelo

 

Dia 22/07 - “Uma história de cada vez – O Grufalão”, de Julia Donaldson e Axel Scheffler

Dramatização e encenação de uma história destinada a crianças até aos 12 anos.

Local: Sala Couto Viana / Biblioteca Municipal (marcação prévia), às 14h30

Org.: Câmara Municipal de Viana do Castelo


Dia 25/07 - “Sábado com Histórias – A ovelhinha preta”, de Elizabeth Shaw

Dramatização e encenação de uma história destinada a crianças até aos 12 anos.

Local: Apresentação através das redes sociais da Biblioteca Municipal, às 10h30

(Facebook: https://www.facebook.com/Biblioteca-Municipal-de-Viana-do-Castelo-332216263304/?epa=SEARCH_BOX e Youtube: https://www.youtube.com/results?search_query=biblioteca+municipal+de+viana+do+castelo)

Org.: Câmara Municipal de Viana do Castelo

 

Dia 29/07 - “Uma história de cada vez – Quem é o terrível guerreiro na toca da lebre?”, de Marco Di Domenico

Dramatização e encenação de uma história destinada a crianças até aos 12 anos.

Local: Sala Couto Viana / Biblioteca Municipal (marcação prévia), às 14h30

Org.: Câmara Municipal de Viana do Castelo

 

Dia 1/08 - “Sábado com Histórias – A girafa que comia estrelas”, de José Eduardo Agualusa e Henrique Cayatte

Dramatização e encenação de uma história destinada a crianças até aos 12 anos.

Local: Apresentação através das redes sociais da Biblioteca Municipal, às 10h30

(Facebook: https://www.facebook.com/Biblioteca-Municipal-de-Viana-do-Castelo-332216263304/?epa=SEARCH_BOX e Youtube: https://www.youtube.com/results?search_query=biblioteca+municipal+de+viana+do+castelo)

Org.: Câmara Municipal de Viana do Castelo

 

MÚSICA

 

Dia 10 e 24/07 e 7 e 21/08 - Concertos online de AUGUSTO CANÁRIO

Local: página oficial de Facebook de Augusto Canário & Amigos, às 21h30

Org.: Augusto Canário

Apoio: Câmara Municipal de Viana do Castelo

 

Dia 17/07 - Concerto de encerramento de Estágio Arte Sinfónica | Orquestra ARTEAM

Javier Viceiro, Maestro

Local: Claustros do Convento de S. Domingos, às 21h30

Produção: Fundação Átrio da Música | Escola Profissional Artística do Alto Minho

 

Dias 1 e 2/08 - 29º Festival “Jazz na Praça da Erva”

Dia 1 – 1ª Parte - Vasco Dantas Rocha - Jovem pianista; 2ª Parte - Mário Laginha Trio – Mongrel: Mário Laginha (piano), Alexandre Frazão (bateria) e Bernardo Moreira (contrabaixo).

Dia 2 - João Grilo Trio: João Grilo (piano), João Hasselberg (contrabaixo) e João Sousa (bateria)

Local: Teatro Municipal Sá de Miranda, 22h00

Promotor: Câmara Municipal de Viana do Castelo

Produção: Eventos David Martins

 

TEATRO

 

Dia 18/07 - "O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá", de Jorge Amado

Texto: Jorge Amado

Encenação: Tiago Fernandes

Interpretação: Ana Perfeito, Alexandre Calçada, Elisabete Pinto

Criação: Teatro do Noroeste – CDV

Local: Teatro Municipal Sá de Miranda, às 18h00

Apoio: Câmara Municipal de Viana do Castelo / DGArtes

Informações: 967 552 988 ou geral@centrodramaticodeviana.com

Reservas: tmsm@cm-viana-castelo.pt

Entrada Livre, no âmbito da Feira do Livro de Viana do Castelo

 

Oficinas Regulares de Teatro

Ativasénior, Ativajúnior, Ativatodos e Enquanto Navegávamos

Enquanto Navegávamos às Terças - feiras:18h30 – 20h00

ATIVAjúnior às Quartas - feiras: 18h30 – 20h00

ATIVAtodos às Quintas - feiras: 18h30 – 20h00

ATIVAsénior às Terças – feiras (online): 18h30 – 20h00

Local: Café Concerto do Teatro Municipal Sá de Miranda

Org.: Projeto Comunidade do Teatro do Noroeste - CDV

Apoio: Câmara Municipal de Viana do Castelo / DGArtes

Informações: 967 552 988 ou geral@centrodramaticodeviana.com

 

 

FESTAS E ROMARIAS

De 19/08 a 23/08 – Festas de Nossa Senhora d´Agonia

As Festas de Nossa Senhora d´Agonia vão ser sentidas em formato digital, através do site oficial, das redes sociais mas também através da radio e da televisão, além de exposições em ruas emblemáticas da cidade com fotografias dos diferentes quadros da festa.

Consultar pograma específico.

Mais informação:

Telef. +351 258 809 394

http://www.vianafestas.com

vianafestas@vianafestas.com

 

 

OUTRAS ATIVIDADES

 

Dias 3/07 e 17/07 - Concerto Meditativo e Terapêutico com Taças Tibetanas e Gongos

Local: Associação RelaxArt (Rua Arquiteto Ventura Terra, nº. 1 r/c), das 21h00 e 22h00

Org: Associação RelaxArt

Apoio: Câmara Municipal de Viana do Castelo

 

Dia 8/07 - Sessão de Poesia Online "Viana e os poetas da Ribeira Lima"

Online em: https://us04web.zoom.us/j/847252945?pwd=WUFDZ1YvQndWTXRRM1djdGtLa0dUQT09, às 21h00

Org.: Escola Secundária de Monserrate e Biblioteca Virtual de Alto Minho (BIVAM)

 

Dia 18/07 - Festa em Honra de São Bartolomeu dos Mártires, arcebispo sepultado na Igreja de S. Domingos (Monserrate)

Eucaristia presidida pelo Senhor bispo de Viana do Castelo, Dom Anacleto Oliveira.

Dia 16 de Julho, data que se assinala os 430º anos da morte de São Bartolomeu dos Mártires.

Local: Igreja de S. Domingos (Paróquia de Nossa Senhora de Monserrate), às 18h30

Org.: Diocese de Viana do Castelo e Paróquia de Nossa Senhora de Monserrate

Dia 18/07 - São Bartolomeu dos Mártires - 506 Anos

9h00 às 21h30 - Percurso Audiovisual "Bartolomeandros"

ATIVAsénior, ATIVAjúnior, Enquanto Navegávamos, ATIVAtodos

Local: Largo de S. Domingos

22h00 - Projeção no Claustro "Visitações Bartolomeanas"

Texto e encenação de Ricardo Simões.

Local: Igreja de S. Domingos

Produção: Teatro do Noroeste – CDV

 

Dia 18/07 - Comemorações do Centenário do Nascimento do Maestro José Pedro

Apresentação do Programa comemorativo do Centenário

Local: Teatro Municipal Sá de Miranda, às 12h00

Org.: Câmara Municipal de Viana do Castelo e Zé Pedro Associação Musical

 

Dia 25/07 – Dia de Santiago

A data é celebrada em várias cidades pelo mundo em homenagem àquele que foi um dos doze apóstolos de Jesus Cristo. Muitos milhares de peregrinos de todo o mundo deslocam-se por esta altura a Santiago de Compostela para a festa de Santiago. O seu túmulo encontra-se na Catedral de Santiago de Compostela.

MONÇÃO REABRE EQUIPAMENTOS CULTURAIS

Com o selo de garantia “Clean & Safe”, do Turismo de Portugal, abriram ao público Biblioteca Municipal, Arquivo Municipal, Galeria de Arte do Cine Teatro João Verde, Centro Interpretativo do Castro de S. Caetano, Museu do Alvarinho, Núcleo Museológico “Torre de Lapela” e Loja Interativa de Turismo.

MONÇÃOREABERTCULT2020 (1).jpg

Hoje, 1 de julho, a Câmara Municipal de Monção procedeu à reabertura de vários equipamentos municipais encerrados desde meados de março devido ao surto epidemiológico. Com o selo de garantia “Clean & Safe”, do Turismo de Portugal, é retomando a atividade normal com a implementação de algumas medidas de contingência.

Desta forma, tanto os munícipes como os visitantes podem voltar a usufruir dos serviços da Biblioteca Municipal, Arquivo Municipal, Galeria de Arte do Cine Teatro João Verde, Centro Interpretativo do Castro de S. Caetano, Museu do Alvarinho, Núcleo Museológico “Torre de Lapela” e Loja Interativa de Turismo.

Em todos estes espaços é obrigatório, a utilização de máscara, higienização das mãos e distanciamento social de 2 metros. As restantes medidas de contingência, variam de equipamento para equipamento, podendo ser consultadas no portal municipal www.cm-moncao,pt nas áreas dedicadas à cultura, turismo e Alvarinho.

A autarquia monçanense entende que a abertura destas estruturas é fundamental para a regresso à normalização do dia a dia, apelando, contudo, ao imprescindível cumprimento rigoroso de todas as recomendações sanitárias na utilização dos respetivos espaços culturais.

MONÇÃOREABERTCULT2020 (2).jpg

MONÇÃOREABERTCULT2020 (3).jpg

MONÇÃOREABERTCULT2020 (4).jpg

MONÇÃOREABERTCULT2020 (5).jpg

MONÇÃOREABERTCULT2020 (6).jpg

GALIZA / CORUNHA: CEDEIRA REALIZA FESTIVAL DE MÚSICA GALEGO-PORTUGUESA

15, 16 E 17 DE JUNHO CEDEIRA PALACETE MUNICIPAL

Câmara municipal de Cedeira organiza 2ª edição Festival de Música Galego- Portuguesa

A câmara municipal de Cedeira organiza a 2ª edição do Festival de Música Galego- Portuguesa, “Traz outro amigo também” o vindouro fim-de-semana, dias 15, 16 e 17 de junho.

II-festival_música_galego-portuguesa-724x1024 (1).jpg

Além das atividades especificamente musicais, este festival, que na presente edição gira arredor da Lusofonia, programa também umas Jornadas de Língua, nas que participarão: José Luis Fernández (EOI Corunha) com “O Português no Mundo da Comunicação”( 15 de junho 19:00); Maurício Castro “A razons do Reintegracionismo” (16 junho, 12: 00) e Ramón Mariño (USC) “Galego-português, galego e portugués” (17 de junho 12:00).

Simultaneamente a estas jornadas e em colaboração com o Instituto Camões poder-se-á visitar a exposição “Potencial económico da Língua Portuguesa”.

Fonte: Portal Galego da Língua / https://pgl.gal/

xornadas_lingua-724x1024.jpg

CÂMARA DE FAMALICÃO APOIA ASSOCIAÇÕES CULTURAIS E ARTISTAS LOCAIS

Município antecipa apoios e subsídios à cultura

A Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão está a reforçar o apoio às associações culturais do concelho e artistas locais, através da atribuição antecipada de apoios e subsídios referentes à implementação dos planos de atividades anuais ou desenvolvimento de projetos.

Fértil.jpg

As medidas têm sido levadas à apreciação do executivo municipal e já abrangeram várias instituições culturais do concelho.

Neste momento, a autarquia famalicense já transferiu cerca de 420 mil euros para os parceiros culturais locais. A somar a este valor, o município de Famalicão tem apoiado ainda financeiramente os artistas, grupos de música e companhias de teatro, que têm proporcionado online (através das redes sociais) diversos espetáculos ligados à dança, teatro, poesia e literatura e oficinas temáticas. Neste âmbito, a autarquia investiu cerca de 14 mil euros.

“Com a pandemia da Covid 19, as associações culturais e os artistas foram os primeiros a parar e a fechar portas. Foram obrigados e interromper todo o seu trabalho. Apesar de tudo, não baixaram os braços e deram o exemplo à comunidade, continuaram em casa a criar e a oferecer-nos a sua arte”, adianta o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, explicando que “a arte e a cultura foram fundamentais durante o período de confinamento pois ajudaram as pessoas a não se sentirem sozinhas, a terem companhia, a divertirem-se e a continuarem ligadas à cultura”.

Por outro lado, o autarca refere a importância deste apoio do município para a continuidade de muitas instituições e artistas. “Precisamos da cultura e das artes na nossa vida e temos que os apoiar neste momento difícil. Temos que estar a seu lado, para que mais tarde possamos continuar a ter arte e cultura nas nossas vidas”.

Refira-se que durante o período de confinamento, foram promovidos através da página de facebook “Famalicão Comunitário” cerca de 60 eventos culturais, que atingiram mais de 70 mil visualizações. Apesar da área predominante ser a música, também decorreram espetaculos de dança, teatro, poesia/literatura e oficinas temáticas, e foi apresentada uma web série.

MUNICÍPIO DE BARCELOS APOIA INICIATIVAS CULTURAIS

Câmara Municipal aprova apoios sociais e culturais 

A Câmara Municipal de Barcelos aprovou, em reunião ordinária do executivo, realizada no dia 29 de maio, vários acordos de colaboração com ranchos e grupos folclóricos do concelho, que regulamentam os termos e condições da parceria entre a autarquia e as associações folclóricas do concelho. Foram aprovados cinco acordos de colaboração com grupos inscritos na Federação do Folclore Português e que incluem uma comparticipação financeira do Município no valor total de 10.000,00€; 15 acordos de colaboração com grupos folclóricos não federados e que incluem uma comparticipação financeira municipal no valor total de 22.500,00€.

Ainda na mesma reunião, foram aprovadas as seguintes propostas: a atribuição de um subsídio no valor de 50.000,00€ à Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Barcelos, destinado a comparticipar nas despesas de melhoria das infraestruturas daquela Associação; um contrato programa de desenvolvimento desportivo com a Associação Desportiva de Carvalhal, tendo em vista a recuperação do relvado do campo de jogos e que inclui uma comparticipação financeira do Município no valor de 22.000,00€; a atribuição de um subsídio no valor de 10.000,00€ ao Teatro Popular de Carapeços, como comparticipação na aquisição de uma carrinha; a atribuição de um subsídio no valor de 10.000,00€ à Casa do Povo de Alvito, como comparticipação na aquisição de uma carrinha; a atribuição de um subsídio no valor de 2.000,00€ à Associação de Pais e Encarregados de Educação da EB1/JI de Remelhe, como comparticipação nas despeas de remodelação do espaço da Componente de Apoio à Família; a atribuição de um subsídio no valor de 831,00€ ao Agrupamento de Escolas Vale D’Este , como comparticipação nas despesas de transporte de alunos.

Entre as restantes deliberações, destaque para a aprovação das listas da segunda fase para atribuição de bolsas de estudo no ensino superior, contemplando 40 apoios divididos por três escalões e com um valor total de 23.212,80€.

Quanto aos apoios financeiros no âmbito das medidas sociais decorrentes do Covid-19, foram atribuídas e ratificadas comparticipações financeiras no valor global de 39.072,20€, destinado a instituições particulares de solidariedade social e Bombeiros de Barcelinhos.

Por último, foi deliberado autorizar a alocação da verba remanescente do Programa de Apoio à Redução Tarifária, no valor de 172.744,00€, para o estabelecimento de serviços mínimos de transportes coletivos de passageiros no concelho, que permite assegurar o transporte de alunos do 11.º e 12.º anos de escolaridade.

A CULTURA DEVE FAZER PARTE DE NÓS!

  • Crónica de Gonçalo Fagundes Meira

Não estávamos bem, mas lá íamos caminhando. Com visibilidade em algumas áreas de ponta e êxitos a destacar-se na investigação e na ciência em geral; com algumas empresas a adquirir notoriedade no exterior; recuperando alguns dos direitos eliminados por imposição da Troika; com as contas de exercício controladas a “ferro e fogo”; com alguns setores da economia a progredir, com distinção para o turismo, que tem um peso de 14% no PIB, segundo os especialistas; lá fomos caminhando e melhorando a nossa autoestima.

Imagem_1viacastgfm (1).jpg

Desenho da Capela das Almas. Faz parte do espólio da Câmara Municipal de Viana do Castelo. Adquirido a Georgy Lukomsky pelo Município, em 1937

 

Deste Covid-19 é que não estávamos à espera. Tudo se inverteu e, até ver, até deixou de se falar em crise económica – que sempre esteve em cima de nós –, porque importante é salvar vidas, evitando hecatombes como as verificadas em países vizinhos. Da forma como estamos a gerir satisfatoriamente esta crise sanitária já se falou o suficiente, apesar de ainda longe do fim do pesadelo e de não podermos saltar a cerca que na prática, individualmente, criamos. Mas os efeitos desta paralisia do país são já visíveis. Poucos são os setores que iludem consequências de maior ou menor efeito. E um dos que se apresenta de forma mais sombria é o da cultura.

Dirão alguns que erudição não mata a fome e que, importante, é que não falte a refeição na mesa de cada um, porque sem esta ninguém passa. Mas o conhecimento em geral também faz parte das nossas vidas. Cícero, filósofo romano (106/43 a.C), falava dele como sendo o “cultivo do espírito", isto é, tal como um verdejante campo de onde só se faz uma boa colheita a partir de uma melhor sementeira, a alma do Ser Humano só se engrandece na base da sabedoria. Se antes de Cristo a cultura já era parte essencial na vida das pessoas, temos hoje maiores razões para nos preocuparmos com a falta dela.

Agora não podemos usufrui-la, porque o confinamento a isso nos obriga, mas quando podermos ir ao teatro, ao cinema, a espetáculos musicais ou outros, visitar livrarias e exposições, assistir e participar em colóquios e eventos similares é preciso que tudo isso funcione, até porque tudo isto também agita a vida económica. Segundo dados de um Eurobarómetro de 2017, 2,6% da população ativa está empregada em atividades de ordem cultural, apesar de apenas 17% da nossa população se relacionar de bem com a cultura. Ora este é um volume de emprego nada despiciendo, que deve ser preservado, sob pena de regredirmos no saber. Um povo inculto será sempre um povo mais pobre e menos “armado” para se defender.

goncalofagundes@gmail.com

Imagem_1viacastgfm (2).jpg

Desenho da Estátua de Viana, ainda situada no cais junto ao Largo 5 de Outubro. Faz parte do espólio da Câmara Municipal de Viana do Castelo. Adquirido a Georgy Lukomsky pelo Município, em 1937

BARCELOS ARRANCA PROGRAMAÇÃO CULTURAL DE 2020 COM CINEMA INFANTIL

Programação de janeiro 2020 do TGV arranca no dia 2 com cinema infantil. Eduardo Madeira & Manuel Marques trazem “Neverending Tour" ao Theatro Gil Vicente

O Theatro Gil Vicente arranca o ano de 2020 com uma programação especial, tendo como grande destaque do mês de janeiro Eduardo Madeira e Manuel Marques que, no dia 18, às 21h30, trazem ao palco a “Neverending Tour”, um espetáculo em que o público  é convidado a juntar-se às canções interpretadas pelo duo e a participar nas histórias que eles inventam – ou dizem inventar.

Theatro Gil Vicentebr.jpg

O ano começa com cinema infantil com o filme “Como treinares o teu dragão: o mundo secreto” pela Pipocada. Do mesmo estúdio de “Shrek”, “Madagáscar” ou “O Panda do Kung Fu” chega-nos esta aventura protagonizada por guerreiros e os seus dragões que, desde 2010, sobrevoam os corações de milhões de espetadores”. Com entrada gratuita e para maiores de 6 anos.

A sétima arte prossegue com as películas de Jean-Luc Godard, cineasta francês, conhecido por ter sido o precursor no movimento de filmes franceses da Nouvelle vague dos anos 1960, com “Viver a  sua Vida” (7 de janeiro|21h30), “Uma Mulher é uma Mulher” (14 de janeiro|21h30) e “Pedro, o Louco” (21 de janeiro|21h30), todos com entrada paga ( 3,50 - geral |gratuita – sócios da ZOOM), trazidos pela Cineclub ZOOM. E no último dia de janeiro é a vez da curta-metragem “A Lenda do Galo”, do barcelense Carlos Araújo, ser transmitida no cenário do espaço vicentino.

A música preenche cinco dias de programação, a começar com o “Concerto de Boas-Vindas a 2020” pela Banda Musical de Oliveira + Coro da Banda (4 de janeiro|21h30) que prometem proporcionar ao público um momento festivo com muita música e harmonia. O triciclo regressa em janeiro com dois concertos: o primeiro “Sereias”, no dia 9, às 22h00, no TGV,  e, no dia 24, à mesma hora, Filipe Miranda, músico e artista plástico regressa a Barcelos com o seu mais recente disco e que marca mais um importante capítulo na sua carreira. A atuação é no Museu de Olaria, com entrada paga (3,00€). O Ciclo Jazz ao Largo volta ao Gil Vicente com o coletivo  MAU, no dia 10 de janeiro, às 22h, também com o custo de 3,00€. E no dia 11, às 21h30, o Conservatório de Música de Barcelos traz ao Gil Vicente o “Concerto de Ano Novo”, que terá como protagonista a Orquestra Sinfónica do CMB, que apresentará obras de F. Shubert, D. Schostakovitch e J. Strauss. A entrada é gratuita.

O teatro está de volta ao cenário do espaço vicentino no fim de semana 25 e 26 de janeiro. Primeiro, com “Trair pelos dois” pel’O Branselho | Grupo de Teatro da Pousa (25 janeiro|21h30), e depois com “Plastikus” pelo Krisálida Teatro, inserido da rubrica “Em família no TGV” que proporciona às famílias terem uma tarde de domingo por mês dedicada à cultura no Theatro Gil Vicente, de forma gratuita.

Até 25 de janeiro pode ainda visitar a exposição “O Natal com os Fantoches do Lukas”, que evidencia o trabalho desenvolvido pelo Lukas, na arte de construção e manipulação de fantoches, com a exibição de diversos modelos inspirados nos temas do mundo real e imaginário.

Os bilhetes para assistir aos espetáculos no Theatro podem ser adquiridos no local, ou através de reserva por e-mail (tgv@cm-barcelos.pt) ou telefone (253 809 694).

Cartaz TGVbr (1).jpg

A PROMOÇÃO DA LÍNGUA E CULTURA PORTUGUESA NA ESLOVÉNIA

30128522348_0068acc1a9_b

  • Crónica de Daniel Bastos

A conjugação de esforços e sinergias na promoção da língua e cultura lusa no estrangeiro tem permitido ao longo dos últimos anos ampliar a projeção do país no concerto mundial, inclusivamente em nações onde os portugueses não são das principais nacionalidades residentes.

Um desses exemplos encontra-se presentemente na Eslovénia, um estado situado na Europa Central, que faz fronteira com a Áustria, a Hungria, a Itália e a Croácia, onde na última década o altruísmo cultural e o amor pátrio de João Pita Costa têm sido fundamentais para a difusão da língua e cultura portuguesa nesta pequena nação de 2 milhões de habitantes.

Natural da Costa da Caparica e matemático de profissão, João Pita Costa que vive na capital eslovena, Liubliana, há mais de uma dezena de anos, é desse 2014 o editor da revista bilingue luso-eslovena “Sardinha”, uma revista cultural online que tem tido desde o seu aparecimento o apoio da Associação de Amizade Luso-Eslovena,

Através da cooperação com o Instituto Camões, e da articulação com estruturas diplomáticas e associativas lusas, a “Revista Sardinha” tem celebrado o dia de Portugal e das Comunidades em Liubliana, sendo que na primeira edição em 2017 juntou mais de 100 luso-falantes num convívio feito por portugueses para todos.

No ano passado, a prossecução cultural da revista luso-eslovena esteve na base da dinamização de um ciclo de cinema português, onde foi exibido o filme “Alentejo, Alentejo”, de Sérgio Tréfaut. Uma relevante iniciativa que decorreu no espaço Ziferblat, em Liubliana, e que foi antecedida de uma interveção, do professor Alcides Murtinheira, sobre o cante alentejano, género musical classificado há cinco anos como Património Cultural Imaterial da Humanidade.

Já no início deste ano, a contínua promoção da língua e cultura portuguesa na Eslovénia, contribuiu para que se tenha ouvido fado, um dos maiores símbolos da cultura nacional, em Liubliana, na sala de espetáculos Poket Teater Studio, estreitando-se ainda mais os laços luso-eslovenos que tem em João Pita Costa um dos seus mais afincados e genuínos ativistas culturais.

MUSEU DA LÍNGUA PORTUGUESA: A CASA COMUM DA LUSOFONIA

30128522348_0068acc1a9_b

  • Crónica de Daniel Bastos

O Museu da Língua Portuguesa, inaugurado em 2006 na megametrópole brasileira de São Paulo, a maior cidade lusófona do mundo, assume-se desde a primeira década do séc. XXI, como a casa comum da vasta comunidade formada por todos os povos e nações que compartilham a cultura e a língua de Camões.

Desde a sua origem, o único Museu de Língua Portuguesa do mundo tem como missão e objetivos valorizar a diversidade da língua portuguesa, celebrá-la como elemento fundamental e fundador da cultura, e aproximá-la dos falantes do idioma em todo o mundo.

Um idioma que é atualmente dos mais falados à escala planetária, abrangendo a língua oficial de Portugal, Brasil, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Timor-Leste, e que desde 2010 foi sancionado como a terceira língua oficial da Guiné Equatorial. Como destacam os organizadores da obra “A Língua Portuguesa no Mundo - Passado, Presente e Futuro”, a língua de Camões ocupa hodiernamente um dos lugares cimeiros na lista dos idiomas que ostentam uma dimensão mundial, assim como um incomensurável potencial de expansão.

As singulares características linguístico-culturais e a diversidade dos públicos-alvo do Museu de Língua Portuguesa, que praticamente numa década recebeu cerca de quatro milhões visitantes, sofreram um duro revés no ocaso do ano de 2015, quando um incêndio de grandes proporções atingiu o edifício do espaço museológico situado no complexo da Estação da Luz.

No entanto, a enorme onda de solidariedade que se gerou a nível mundial, e em particular lusófona, tem permitido desde a fatídica data encetar um processo sustentado de reconstrução, que está a procurar contribuir decisivamente para o alargamento do estudo, preservação, valorização e divulgação da cultura e língua portuguesa.

Estimando a reabertura do Museu de Língua Portuguesa no próximo ano, os responsáveis da sua reconstrução, de acordo com recentes declarações públicas, asseguram que o espaço museológico será modernizado com várias novidades tecnológicas e interativas, mantendo simultaneamente a sala de exposições temporárias, e a icónica Praça da Língua e o Auditório.

VIZELA VAI TER CASA DA CULTURA

Câmara lança primeira pedra da obra da Casa da Cultura

A Câmara Municipal vai proceder ao lançamento da primeira pedra da obra da Casa da Cultura, no próximo dia 11 de setembro, pelas 17.00h.

matadouro.JPG

A Casa da Cultura será instalada no edifício do antigo matadouro de Vizela na União de Freguesias de Caldas de Vizela (S. Miguel e S. João), nos limites do aglomerado urbano da própria Cidade.

Esta obra vem no seguimento da política de requalificação do centro urbano de Vizela implementado por este Executivo Municipal através do Plano de Ação - Regeneração Urbana Sustentável - RUS, que integra um conjunto de intervenções integradas nos espaços públicos, potenciando a sua atratividade e reforçando a identidade do centro, para que esta não se perca ou sofra descaracterizações, dando uma nova vida a esta área, ao mesmo tempo que potencia a intervenção dos privados.

Neste Plano de Ação destaca-se a obra de requalificação da Praça da República e Jardim Manuel Faria, mas também de todas as artérias adjacentes, tal como a Rua Doutor Abílio Torres, a Av. dos Bombeiros Voluntários, a Rua Doutor Pereira Caldas (Rua da Rainha), a Rua Joaquim Pinto, a Rua Ferreira Caldas, a Av. Eng. Sá e Melo, o parque de estacionamento no Fórum Vizela e ainda a Casa da Cultura.

Na vertente mais sustentável, este Plano integra ainda a requalificação do Parque das Termas, um projeto de fundo para a maior revitalização do Parque das Termas de Vizela das últimas décadas; a requalificação das margens e leito do Rio Vizela; e a criação de uma ciclovia, que fará a ligação da Freguesia de Infias à Marginal Ribeirinha.

Este Plano de Ação - Regeneração Urbana Sustentável - RUS integra um conjunto de intervenções integradas nos espaços públicos, num investimento de cerca e 3,5M€, sendo investimento próprio de 1M€, e que irá tornar irreconhecível o centro urbano de Vizela.

Com a obra da Casa da Cultura, a Câmara Municipal pretende recuperar um edifício centenário, de matriz tradicional construtiva, transformando-o numa Casa da Cultura de Vizela, recuperando o imóvel nas suas características físicas tradicionais e transformando e adaptando o seu interior para atividades culturais a desenvolver em Vizela.

REAL ACADEMIA GALEGA RECLAMA MAIS PORTUGUÊS

A Real Academia reclama máis portugués nas escolas de Galicia "para potenciar a proxección exterior" do galego

O seu presidente, Víctor Freixanes, lamenta a escasa implantación do portugués nos centros educativos galegos.

2019_6_6_61172s740x.jpg

A RAG reivindica o portugués nas escolas galegas, nun seminario internacional da Universidade Federal Fluminense, en Brasil | Fonte: Europa Press

 

A Real Academia Galega lamentou a escasa implantación do portugués nos centros educativos galegos e o seu presidente, Víctor Freixanes, reclamou unha maior presenza deste idioma nas escolas "como lingua irmá" para así "potenciar a proxección exterior" do galego.

Freixanes, xunto a outros académicos como Rosario Álvarez ou Henrique Monteagudo, atópase en Brasil nunha visita institucional para estreitar lazos coa comunidade do ámbito da lusofonía.

O presidente da Academia interveu este xoves nun seminario internacional da Universidade Federal Fluminense onde, ademais de explicar as funcións da institución, abordou a situación do galego ante o espazo de comunicación en lingua portuguesa e nun contexto marcado da globalización.

Alí, advertiu da importancia de apoiarse "na creatividade e na capacidade de comunicación" para aumentar a proxección do idioma, e reiterou que a proximidade do galego e o portugués "debe ser aproveitada".

"O galego non é un idioma local", sinalou, senón que ofrece "un sitio no mundo" e permitirá que os novos creadores poidan "porse en comunicación con centos de millóns de persoas" da man "da gran familia galego-portuguesa". "Temos que reivindicar o portugués nas escolas como lingua irmá. Non para substituír ao galego, senón para apoiarnos nel de cara á proxección exterior".

É por iso que lamentou a "escasa" implantación do idioma luso nos centros galegos, a pesar da aprobación "por unanimidade" da denominada 'Lei Paz Andrade' no Parlamento de Galicia, polo que solicitou unha "estratexia ambiciosa" por parte dos responsables políticos, culturais e institucionais.

"Neste punto é onde temos a obriga de profundar para non perder as oportunidades, incluso facendo pedagoxía social entre nós, porque non todos os galegos e galegas son conscientes desta riqueza", insistiu Freixanes, quen apostou por desenvolver "maiores e mellores comunicacións" cos territorios de fala portuguesa.

Fonte: http://www.galiciaconfidencial.com/

QUEREMOS GALEGO!

Miles de persoas saen á rúa en toda Galicia para gritar 'Máis que nunca, Queremos Galego!'

Unhas 14 localidades de dentro e fóra da comunidade acollen protestas e actos en defensa do idioma 

Miles de persoas percorreron as rúas de toda Galicia con motivo deste 17 de maio para defender a lingua propia e advertir ás administracións públicas que 'Máis que nunca, Queremos galego!'. A pesar do mal tempo, a plataforma en defensa do idioma conseguiu congregar a centenares de persoas nas 14 marchas convocadas para a xornada deste venres, Día das Letras Galegas, co obxectivo de estender aos diferentes municipios a tradicional manifestación que cada ano acolle a cidade de Compostela.

2019051715572813656.jpg

Precisamente, Santiago acolleu unha das mobilizacións principais do día, que estivo apoiada por numerosos representantes do panorama social e político, como a portavoz nacional do BNG, Ana Pontón, o secretario xeral do PSdeG, Gonzalo Caballero, Lidia Senra de En Marea ou Antón Sánchez de Anova, entre outros.  A comitiva saíu da Alameda pasadas as 12.00 horas ao berro de 'Na Galiza, en galego', tras unha pancarta na que se lía 'Máis que nunca, Queremos galego!'.

Sobre a mesma hora, a imaxe repetíase na Coruña, Ferrol, Carballo, Lugo, Burela, Monforte, Ourense, Pontevedra, Vigo, A Estrada, Cangas e Lalín. 

A convocatoria da plataforma Queremos Galego, buscando estender a forza da mobilización a nivel comarcal e achegar os seus consignas aos municipios con motivo das próximas eleccións municipais, chega mesmo máis aló das fronteiras da comunidade, ao celebrarse unha protesta de apoio no Ateneu Roig de Barcelona. 

Na capital galega, centos de persoas percorreron as rúas nun ambiente lúdico e festivo e acompañadas dunha breve tregua das condicións climáticas, coreando consignas e portando pancartas de todo tipo para reivindicar o seu dereito a usar a lingua con normalidade no seu día a día. 

A marcha percorreu a rúa Senra e bordeou a Praza de Galicia antes de introducirse no Casco Antigo compostelán. A pesar de que estaba prevista a súa finalización no Toural, a organización decidiu trasladar o acto final á Praza de Praterías, ante a sede do Museo das Peregrinacións, debido á gran afluencia de simpatizantes que acudiron a apoiar a convocatoria e que superaron as expectativas da plataforma. Alí, representantes de diversas entidades, como 'Defende a Galega', a CIG ou a asociación cultural 'O Galo', entre outras, deron lectura ao manifesto da protesta, que concluíu coa intervención do portavoz da plataforma, Marcos Maceira, e co canto do himno galego por parte de todos os manifestantes.

Estamos ao lado do galego, a democracia e os dereitos humanos. Sen liberdade, igualdade, e xustiza para o galego, a democracia neste país estará moi limitada

10 ANOS DE REIVINDICACIÓN. En declaracións ao comezo da marcha, o portavoz da Mesa e de Queremos Galego, Marcos Maceira, lembrou que se cumpren 10 anos de acción desta entidade na que a cidadanía demostrou coa súa "vontade" que se pode "manter un galego vivo" e "rehabilitar a lingua", en contraposición a unha administración "que está a ser absolutamente contraria" a estes intereses. 

"Vímolo na campaña electoral", denunciou, na que "regresou a agresividade manifesta" cara á lingua coa esixencia da súa "prohibición para o acceso á función pública", o que iría en contra do Estatuto de Autonomía ao representar "o mesmo" que a "eliminación do dereito a ser atendidos en galego". 

"Hoxe o galego é a única lingua de todo o Estado español que perde falantes", criticou Pontón

Nun contexto de eleccións municipais, Maceira lembrou as dificultades para levar unha vida con normalidade usando a lingua galega, en casos como o pago de taxas "porque os bancos non o permiten nas súas xestións", cun 1 por cento de seguros que se poden tramitar neste idioma, ou no ámbito da infancia, estando presente nun 0,6 por cento de xogos e xoguetes, ademais de na xustiza, na sanidade ou a educación.  "O problema é que temos que estar permanentemente mobilizándonos para que os éxitos conseguidos se manteñan", lamentou Maceira, quen advertiu ao presidente da Xunta, Alberto Núñez Feijóo, que ten "dúas opcións: ou é leal a Galicia e por tanto ao galego, como factor de desenvolvemento económico e de cohesión social, ou é leal a Casado e a súa campaña de odio", sinalou. 

"Nós estamos ao lado de Galicia, do galego, a democracia e os dereitos humanos. Sen liberdade, igualdade, e xustiza para o galego, a democracia neste país estará moi limitada".

Lidia Senra (En Marea) esixiu á Xunta "que deixe de poñer paus nas rodas" e poña en marcha "políticas activas"

"ESCRACHE" DO PP. A portavoz nacional do BNG, Ana Pontón, denunciou o "escrache que o PP de Feijóo" mantivo "nos últimos anos á lingua galega", e que impide á sociedade poder usala "con normalidade" e con consecuencias "evidentes".  "Hoxe o galego é a única lingua de todo o Estado español que perde falantes", criticou Pontón, insistindo na ausencia deste idioma nos diarios escritos, nas matemáticas, a redución da edición ou a súa exclusión no 90% das escolas de infantil das cidades. 

Por iso, esixiu "cambios a favor do idioma", pasando por derrogar "o decreto da vergoña" e avanzar "para ter galego nos medios públicos, en xustiza, nas escolas" e, en definitiva, cara a un futuro construído "sobre o orgullo de ter unha identidade". 

Gonzalo Caballero defendeu que Galicia conta cunha "riqueza" e unha "lingua hermosísima" que necesita que a defendan

Nesta liña, Lidia Senra (En Marea) esixiu á Xunta "que deixe de poñer paus nas rodas" e poña en marcha "políticas activas" para protexer os dereitos lingüísticos.  "Porque queremos desenvolver a nosa vida con total normalidade en galego todos os días do ano", insistiu, para reivindicar ademais ao Goberno central que "dun paso adiante" e expoña ás institucións europeas que o galego "sexa lingua oficial tamén no Parlamento europeo".

DEFENDER A "RIQUEZA". Tamén presente na marcha, o secretario do PSdeG, Gonzalo Caballero, defendeu que Galicia conta cunha "riqueza" e unha "lingua hermosísima" que necesita que a defendan e promovan "todos os días", sobre todo nun momento "no que a extrema dereita supón un risco de recentralización" e un "ataque á diversidade".  "Hai moitas formas de celebrar o Día das Letras Galegas e hoxe estamos nas rúas de Santiago de Compostela dicindo que 'Queremos galego'". 

Xunto a el, o deputado socialista Xaquín Fernández Leiceaga celebrou a "vitalidade" da cultura galega e animou a traballar para que "siga sendo vehículo de expresión para centos de miles de persoas no mundo". 

Fonte: https://www.galiciae.com/

Foto: Manifestación en Compostela. LAVANDEIRA JR.

28 DE ABRIL NA ESPANHA: UM PROGRAMA ELEITORAL

40069305_10215750235605308_8210211052982370304_n.jpg

* Crónica de Isabel Rei Samartim

Que galego e português são a mesma língua é uma evidência filológica historicamente enunciada por eruditos galegos e portugueses, mais tarde estudada pela Linguística Românica e, finalmente, formulada com clareza pelos filólogos Celso Cunha e Lindley Cintra em 1984 na sua Nova Gramática do português contemporâneo[1]. A atual divisão concetual em duas “línguas” é um fenómeno político moderno que responde a interesses diferentes do estudo da realidade linguística. O movimento reintegracionista tem lutado, especialmente desde a década de 70 até ao momento atual, pelo direito da população galega a que a nossa língua e cultura sejam respeitadas e promovidas como parte do mundo lusófono.

Esse fenómeno que concetualmente divide galego e português é produto da política peninsular: Primeiro, a criação unilateral do Estado espanhol em 1812, depois o centralismo canovista e a corrupção borbónica que dominou esse Estado e, nos últimos tempos, a longa noite de pedra franquista, onde o galego foi proibido, o progressivo afastamento de um Portugal independente e uma Transição espanhola antigaleguista. O galego-português é uma língua atrapada entre vários Estados. Na parte galega, o distanciamento político de Portugal favoreceu a máfia do localismo isolacionista que hoje vigora nas instituições e couta os nossos direitos, a nossa educação e o nosso desenvolvimento nacional.

Visto que este é um problema político, a solução terá de ser política. Agora que conhecemos, graças à bravura catalã, aonde é que levam os confrontos jurídicos sobre direitos fundamentais no Estado espanhol, a via política revela-se como a única frutífera para a mudança de paradigma linguístico. Neste sentido, em abril de 2019 produz-se um caso inédito na nossa história: Um partido político de âmbito estatal, na sua rama galega, En Común-Podemos, propõe no seu programa eleitoral a identidade galego-portuguesa e toma em consideração uma entidade que vem do movimento popular reintegracionista, a Academia Galega da Língua Portuguesa. Assim pode ler-se nos seus artigos 141 e 145, que reproduzimos a seguir:

  1. 141 Recoñecemento da lingua galega como lingua internacional. Declaración e definición da lingua galega como lingua internacional pola súa conexión co mundo da lusofonía e por compartir a mesma linguacunha comunidade de falantes de máis de 200 millóns de persoas, permitindo a comunicación e interconexión sen necesidade de que exista mediación.
  2. 145 Creación dunha Casa da Lusofonía. Crear a casa da Lusofonía con sede en Galicia como forma de estimular as relacións de Galicia e o Estado español co conxunto de países que integran a lusofonía. Establecer contacto coas institucións precisas para a súa posta en marcha, ademais do Ministerio de Asuntos Exteriores e a AECID, a Xunta de Galicia e o ámbito municipal galego onde se determine a sede para constituir o consorcio para a súa posta en funcionamento. Implicar as institucións relevantes para garantir o desenvolvemento deste proxecto: Consello da Cultura Galega, Real Academia Galega, Academia Galega da Língua Portuguesa, Instituto Galego de Análise e Desenvolvemento Internacional (AGADI).

Naturalmente, depois de quase cinquenta anos de reintegracionismo ativo, estas medidas podem parecer insuficientes e mesmo mal formuladas. Por exemplo, uma voz distante adverte que a marca “Casa da Lusofonia” está atualmente registada, em prevenção da possível usurpação que noutra altura aconteceu com as Galescolas. Falta uma referência explícita à Lei Paz-Andrade. Outros pontos desse mesmo programa empregam a expressão “cooficial”, conceito fantasma que serve para ocultar a verdadeira situação subordinada das línguas do Estado diferentes do castelhano, e, por cima, nomeiam o Instituto Cervantes como referência para o galego sem ter em conta o Instituto Camões.

O programa do Podemos não é perfeito, possivelmente nem seja aproximado, de facto o partido não leva na prática a teoria que expressa no ponto 141. Mas, é um documento acordado, público e comprometedor para o partido. Seria bom que a necessidade não nos deixasse incapazes de perceber o que ele representa: 1) O reconhecimento político, a nível estatal, de todo o movimento reintegracionista, 2) O sucesso da via lusista, que hoje sofre o apartheid linguístico brutal por parte do governo da Xunta e do âmbito editorial e 3) A vontade política, partilhada por boa parte da população, de formar e desenvolver a cidadania galega dentro do espaço internacional lusófono.

Lembremos que este paulatino crescimento das propostas reintegracionistas nos programas eleitorais galegos tem começado nas eleições municipais de 2015, onde os grupos Compostela Aberta e Ourense en Común propuseram claramente a implementação nos seus concelhos da Lei Paz-Andrade, lei autonómica para o aproveitamento dos vínculos com a Lusofonia. Agora, quatro anos mais tarde, vemos que um partido de âmbito estatal propõe também claramente vários pontos nessa mesma linha. O que estão a fazer estes novos partidos é o lógico e o normal, o qual num país como o nosso pode chegar a ser insólito.

Um amigo insiste-me: “Isabel, pode ser oportunismo, não confies”. Só o facto de pensarmos o reintegracionismo como alvo de oportunismos já diz muito do valor político do nosso movimento. Ninguém vê oportunidade num fracasso. Portanto, se for oportunismo, será porque estamos a ter sucesso. Aqui entra no jogo o medo à traição tantas vezes experimentada. O pessoal não quer ser traído, não quer decepcionar-se e tira importância ao facto de ver reconhecido o alvo principal de todo o seu trabalho diário e vital, a identificação linguística de galego e português. Nesse sentido decepcionar-se antes de tempo é como uma vacina, assim as pessoas ficam tranquilas, sem esperar Ítacas, nessa estranha zona de conforto onde domina o apartheid.

Um outro sintoma do valor do reintegracionismo é a sua presença em todas as formações políticas galeguistas. É preciso esperar as Ítacas! O surpreendente é que nenhum dos outros partidos reflete no seu programa eleitoral os objetivos reintegracionistas. Eu, como defensora da língua comum, fico atónita do pouco caso que nos fazem essas formações, algumas delas nada novas e que arrastam uma longa história, mesmo académica, de desencontros com a Lusofonia. Solidarizo-me com as companheiras e companheiros que trabalham nesses âmbitos e veem as suas demandas sistematicamente ignoradas nos objetivos programáticos. É paradoxal que sejam aqueles considerados “afins à Espanha” os que reconheçam abertamente a identidade linguística galego-portuguesa. Mas, o que nos deve espantar de verdade é a falta de reconhecimento dos ditos partidos “soberanistas”.

O programa é um contrato social. Não temos que confiar nos partidos. Aliás, eles dão-nos numerosas provas de não podermos confiar neles. Temos é de trabalhar socialmente sempre. Depois, votar num programa. E, finalmente, exigir e vigiar o cumprimento desse contrato social. O incumprimento do programa é motivo de revogação fulminante, de crítica dura e perda de apoios. Se EC-P somente lançou essas propostas para pescar votos sem intenção de as cumprir, a réplica terá de ser contundente e o fracasso será deles. O que nós podemos fazer é estarmos aí, como sociedade civil, primeiro pressionando para que estas iniciativas existam em todos os partidos, depois exigindo o seu cumprimento uma vez no governo. Assim é como se avançou na aquisição de direitos humanos, sexuais e reprodutivos, assim é como funcionam as manifestações de pensionistas, e assim terá de ser com os direitos ambientais, nacionais e linguísticos. Perdemos os direitos se não os defendemos, e os direitos que ainda não conseguimos há que os reclamar com paciência, constância e inteligência. As Ítacas nunca chegam porque é preciso caminhar. E já sabemos que vamos devagar e sem atalhos.

A cada dia mais gente fora do âmbito reintegracionista sabe da potencialidade da língua portuguesa, os benefícios económicos, culturais e humanos que o seu conhecimento e emprego traz para as gentes galegas. Boa amostra disso foi a aprovação por unanimidade, em março de 2014, da vigorante Lei Paz-Andrade. Agora é preciso que esse reconhecimento tenha o espaço que merece nas instituições galegas, portuguesas e espanholas. Leiamos e comparemos os programas dos partidos para estas eleições estatais e que cada quem tire as próprias conclusões.

[1]A formulação inicial desta evidência linguística foi em 1971 pelo filólogo português Lindley Cintra no seu artigo “Nova proposta de classificação dos dialectos galego-portugueses”, publicado no Boletim de Filologia, 22, p. 81-116, disponível em http://cvc.instituto-camoes.pt/hlp/biblioteca/novaproposta.pdf.

Anexo. Programas para as eleições estatais de 2019:

Fonte: https://pgl.gal/

ACADEMIA DE MÚSICA FERNANDES FÃO DISTINGUE MUNICÍPIO DE PONTE DE LIMA COM CONDECORAÇÃO DE "MÉRITO CULTURAL"

Mérito Cultural para o Município de Ponte de Lima: Proposta da Academia de Música Fernandes Fão

O Município de Ponte de Lima vai ser galardoado pela Academia de Música Fernandes Fão (AMFF) com a atribuição de Mérito Cultural, em reconhecimento do papel ativo que a autarquia assume, no despertar de uma nova consciência quanto à relevância da salvaguarda do património cultural da região.

municipio_sm_1_1024_2500 (1).jpg

Segundo a Academia de Música Fernandes Fão, é dada a conhecer a intenção de atribuição «do Mérito Cultural, em sessão pública a realizar no próximo dia 3 de maio de 2019, data do 30° aniversário» da AMFF.

A atribuição do diploma justificativo do reconhecimento e ainda da Condecoração de Mérito respetiva, é efetuada, «em resultado da avaliação feita pela Direção em funções», admite a AMFF.

A autarquia limiana é já conhecida pelo seu empenho em ações desenvolvidas em prol do património regional, em ações de reabilitação e valorização do património urbano, assim como pela aposta no seu núcleo museológico, e ainda pela atribuição de subsídios ordinários a associações culturais do concelho.

Consciente da importância de impulsionar projetos promovidos pelos diversos atores locais que atuam no concelho de Ponte de Lima, o Município tem vindo a reforçar o apoio técnico e financeiro concedido, dinamizando o leque associativo, e tornando tangível a produção cultural, criando de autênticas dinâmicas conducentes a uma real participação cívica.