Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

REAL ACADEMIA GALEGA RECLAMA MAIS PORTUGUÊS

A Real Academia reclama máis portugués nas escolas de Galicia "para potenciar a proxección exterior" do galego

O seu presidente, Víctor Freixanes, lamenta a escasa implantación do portugués nos centros educativos galegos.

2019_6_6_61172s740x.jpg

A RAG reivindica o portugués nas escolas galegas, nun seminario internacional da Universidade Federal Fluminense, en Brasil | Fonte: Europa Press

 

A Real Academia Galega lamentou a escasa implantación do portugués nos centros educativos galegos e o seu presidente, Víctor Freixanes, reclamou unha maior presenza deste idioma nas escolas "como lingua irmá" para así "potenciar a proxección exterior" do galego.

Freixanes, xunto a outros académicos como Rosario Álvarez ou Henrique Monteagudo, atópase en Brasil nunha visita institucional para estreitar lazos coa comunidade do ámbito da lusofonía.

O presidente da Academia interveu este xoves nun seminario internacional da Universidade Federal Fluminense onde, ademais de explicar as funcións da institución, abordou a situación do galego ante o espazo de comunicación en lingua portuguesa e nun contexto marcado da globalización.

Alí, advertiu da importancia de apoiarse "na creatividade e na capacidade de comunicación" para aumentar a proxección do idioma, e reiterou que a proximidade do galego e o portugués "debe ser aproveitada".

"O galego non é un idioma local", sinalou, senón que ofrece "un sitio no mundo" e permitirá que os novos creadores poidan "porse en comunicación con centos de millóns de persoas" da man "da gran familia galego-portuguesa". "Temos que reivindicar o portugués nas escolas como lingua irmá. Non para substituír ao galego, senón para apoiarnos nel de cara á proxección exterior".

É por iso que lamentou a "escasa" implantación do idioma luso nos centros galegos, a pesar da aprobación "por unanimidade" da denominada 'Lei Paz Andrade' no Parlamento de Galicia, polo que solicitou unha "estratexia ambiciosa" por parte dos responsables políticos, culturais e institucionais.

"Neste punto é onde temos a obriga de profundar para non perder as oportunidades, incluso facendo pedagoxía social entre nós, porque non todos os galegos e galegas son conscientes desta riqueza", insistiu Freixanes, quen apostou por desenvolver "maiores e mellores comunicacións" cos territorios de fala portuguesa.

Fonte: http://www.galiciaconfidencial.com/

QUEREMOS GALEGO!

Miles de persoas saen á rúa en toda Galicia para gritar 'Máis que nunca, Queremos Galego!'

Unhas 14 localidades de dentro e fóra da comunidade acollen protestas e actos en defensa do idioma 

Miles de persoas percorreron as rúas de toda Galicia con motivo deste 17 de maio para defender a lingua propia e advertir ás administracións públicas que 'Máis que nunca, Queremos galego!'. A pesar do mal tempo, a plataforma en defensa do idioma conseguiu congregar a centenares de persoas nas 14 marchas convocadas para a xornada deste venres, Día das Letras Galegas, co obxectivo de estender aos diferentes municipios a tradicional manifestación que cada ano acolle a cidade de Compostela.

2019051715572813656.jpg

Precisamente, Santiago acolleu unha das mobilizacións principais do día, que estivo apoiada por numerosos representantes do panorama social e político, como a portavoz nacional do BNG, Ana Pontón, o secretario xeral do PSdeG, Gonzalo Caballero, Lidia Senra de En Marea ou Antón Sánchez de Anova, entre outros.  A comitiva saíu da Alameda pasadas as 12.00 horas ao berro de 'Na Galiza, en galego', tras unha pancarta na que se lía 'Máis que nunca, Queremos galego!'.

Sobre a mesma hora, a imaxe repetíase na Coruña, Ferrol, Carballo, Lugo, Burela, Monforte, Ourense, Pontevedra, Vigo, A Estrada, Cangas e Lalín. 

A convocatoria da plataforma Queremos Galego, buscando estender a forza da mobilización a nivel comarcal e achegar os seus consignas aos municipios con motivo das próximas eleccións municipais, chega mesmo máis aló das fronteiras da comunidade, ao celebrarse unha protesta de apoio no Ateneu Roig de Barcelona. 

Na capital galega, centos de persoas percorreron as rúas nun ambiente lúdico e festivo e acompañadas dunha breve tregua das condicións climáticas, coreando consignas e portando pancartas de todo tipo para reivindicar o seu dereito a usar a lingua con normalidade no seu día a día. 

A marcha percorreu a rúa Senra e bordeou a Praza de Galicia antes de introducirse no Casco Antigo compostelán. A pesar de que estaba prevista a súa finalización no Toural, a organización decidiu trasladar o acto final á Praza de Praterías, ante a sede do Museo das Peregrinacións, debido á gran afluencia de simpatizantes que acudiron a apoiar a convocatoria e que superaron as expectativas da plataforma. Alí, representantes de diversas entidades, como 'Defende a Galega', a CIG ou a asociación cultural 'O Galo', entre outras, deron lectura ao manifesto da protesta, que concluíu coa intervención do portavoz da plataforma, Marcos Maceira, e co canto do himno galego por parte de todos os manifestantes.

Estamos ao lado do galego, a democracia e os dereitos humanos. Sen liberdade, igualdade, e xustiza para o galego, a democracia neste país estará moi limitada

10 ANOS DE REIVINDICACIÓN. En declaracións ao comezo da marcha, o portavoz da Mesa e de Queremos Galego, Marcos Maceira, lembrou que se cumpren 10 anos de acción desta entidade na que a cidadanía demostrou coa súa "vontade" que se pode "manter un galego vivo" e "rehabilitar a lingua", en contraposición a unha administración "que está a ser absolutamente contraria" a estes intereses. 

"Vímolo na campaña electoral", denunciou, na que "regresou a agresividade manifesta" cara á lingua coa esixencia da súa "prohibición para o acceso á función pública", o que iría en contra do Estatuto de Autonomía ao representar "o mesmo" que a "eliminación do dereito a ser atendidos en galego". 

"Hoxe o galego é a única lingua de todo o Estado español que perde falantes", criticou Pontón

Nun contexto de eleccións municipais, Maceira lembrou as dificultades para levar unha vida con normalidade usando a lingua galega, en casos como o pago de taxas "porque os bancos non o permiten nas súas xestións", cun 1 por cento de seguros que se poden tramitar neste idioma, ou no ámbito da infancia, estando presente nun 0,6 por cento de xogos e xoguetes, ademais de na xustiza, na sanidade ou a educación.  "O problema é que temos que estar permanentemente mobilizándonos para que os éxitos conseguidos se manteñan", lamentou Maceira, quen advertiu ao presidente da Xunta, Alberto Núñez Feijóo, que ten "dúas opcións: ou é leal a Galicia e por tanto ao galego, como factor de desenvolvemento económico e de cohesión social, ou é leal a Casado e a súa campaña de odio", sinalou. 

"Nós estamos ao lado de Galicia, do galego, a democracia e os dereitos humanos. Sen liberdade, igualdade, e xustiza para o galego, a democracia neste país estará moi limitada".

Lidia Senra (En Marea) esixiu á Xunta "que deixe de poñer paus nas rodas" e poña en marcha "políticas activas"

"ESCRACHE" DO PP. A portavoz nacional do BNG, Ana Pontón, denunciou o "escrache que o PP de Feijóo" mantivo "nos últimos anos á lingua galega", e que impide á sociedade poder usala "con normalidade" e con consecuencias "evidentes".  "Hoxe o galego é a única lingua de todo o Estado español que perde falantes", criticou Pontón, insistindo na ausencia deste idioma nos diarios escritos, nas matemáticas, a redución da edición ou a súa exclusión no 90% das escolas de infantil das cidades. 

Por iso, esixiu "cambios a favor do idioma", pasando por derrogar "o decreto da vergoña" e avanzar "para ter galego nos medios públicos, en xustiza, nas escolas" e, en definitiva, cara a un futuro construído "sobre o orgullo de ter unha identidade". 

Gonzalo Caballero defendeu que Galicia conta cunha "riqueza" e unha "lingua hermosísima" que necesita que a defendan

Nesta liña, Lidia Senra (En Marea) esixiu á Xunta "que deixe de poñer paus nas rodas" e poña en marcha "políticas activas" para protexer os dereitos lingüísticos.  "Porque queremos desenvolver a nosa vida con total normalidade en galego todos os días do ano", insistiu, para reivindicar ademais ao Goberno central que "dun paso adiante" e expoña ás institucións europeas que o galego "sexa lingua oficial tamén no Parlamento europeo".

DEFENDER A "RIQUEZA". Tamén presente na marcha, o secretario do PSdeG, Gonzalo Caballero, defendeu que Galicia conta cunha "riqueza" e unha "lingua hermosísima" que necesita que a defendan e promovan "todos os días", sobre todo nun momento "no que a extrema dereita supón un risco de recentralización" e un "ataque á diversidade".  "Hai moitas formas de celebrar o Día das Letras Galegas e hoxe estamos nas rúas de Santiago de Compostela dicindo que 'Queremos galego'". 

Xunto a el, o deputado socialista Xaquín Fernández Leiceaga celebrou a "vitalidade" da cultura galega e animou a traballar para que "siga sendo vehículo de expresión para centos de miles de persoas no mundo". 

Fonte: https://www.galiciae.com/

Foto: Manifestación en Compostela. LAVANDEIRA JR.

28 DE ABRIL NA ESPANHA: UM PROGRAMA ELEITORAL

40069305_10215750235605308_8210211052982370304_n.jpg

* Crónica de Isabel Rei Samartim

Que galego e português são a mesma língua é uma evidência filológica historicamente enunciada por eruditos galegos e portugueses, mais tarde estudada pela Linguística Românica e, finalmente, formulada com clareza pelos filólogos Celso Cunha e Lindley Cintra em 1984 na sua Nova Gramática do português contemporâneo[1]. A atual divisão concetual em duas “línguas” é um fenómeno político moderno que responde a interesses diferentes do estudo da realidade linguística. O movimento reintegracionista tem lutado, especialmente desde a década de 70 até ao momento atual, pelo direito da população galega a que a nossa língua e cultura sejam respeitadas e promovidas como parte do mundo lusófono.

Esse fenómeno que concetualmente divide galego e português é produto da política peninsular: Primeiro, a criação unilateral do Estado espanhol em 1812, depois o centralismo canovista e a corrupção borbónica que dominou esse Estado e, nos últimos tempos, a longa noite de pedra franquista, onde o galego foi proibido, o progressivo afastamento de um Portugal independente e uma Transição espanhola antigaleguista. O galego-português é uma língua atrapada entre vários Estados. Na parte galega, o distanciamento político de Portugal favoreceu a máfia do localismo isolacionista que hoje vigora nas instituições e couta os nossos direitos, a nossa educação e o nosso desenvolvimento nacional.

Visto que este é um problema político, a solução terá de ser política. Agora que conhecemos, graças à bravura catalã, aonde é que levam os confrontos jurídicos sobre direitos fundamentais no Estado espanhol, a via política revela-se como a única frutífera para a mudança de paradigma linguístico. Neste sentido, em abril de 2019 produz-se um caso inédito na nossa história: Um partido político de âmbito estatal, na sua rama galega, En Común-Podemos, propõe no seu programa eleitoral a identidade galego-portuguesa e toma em consideração uma entidade que vem do movimento popular reintegracionista, a Academia Galega da Língua Portuguesa. Assim pode ler-se nos seus artigos 141 e 145, que reproduzimos a seguir:

  1. 141 Recoñecemento da lingua galega como lingua internacional. Declaración e definición da lingua galega como lingua internacional pola súa conexión co mundo da lusofonía e por compartir a mesma linguacunha comunidade de falantes de máis de 200 millóns de persoas, permitindo a comunicación e interconexión sen necesidade de que exista mediación.
  2. 145 Creación dunha Casa da Lusofonía. Crear a casa da Lusofonía con sede en Galicia como forma de estimular as relacións de Galicia e o Estado español co conxunto de países que integran a lusofonía. Establecer contacto coas institucións precisas para a súa posta en marcha, ademais do Ministerio de Asuntos Exteriores e a AECID, a Xunta de Galicia e o ámbito municipal galego onde se determine a sede para constituir o consorcio para a súa posta en funcionamento. Implicar as institucións relevantes para garantir o desenvolvemento deste proxecto: Consello da Cultura Galega, Real Academia Galega, Academia Galega da Língua Portuguesa, Instituto Galego de Análise e Desenvolvemento Internacional (AGADI).

Naturalmente, depois de quase cinquenta anos de reintegracionismo ativo, estas medidas podem parecer insuficientes e mesmo mal formuladas. Por exemplo, uma voz distante adverte que a marca “Casa da Lusofonia” está atualmente registada, em prevenção da possível usurpação que noutra altura aconteceu com as Galescolas. Falta uma referência explícita à Lei Paz-Andrade. Outros pontos desse mesmo programa empregam a expressão “cooficial”, conceito fantasma que serve para ocultar a verdadeira situação subordinada das línguas do Estado diferentes do castelhano, e, por cima, nomeiam o Instituto Cervantes como referência para o galego sem ter em conta o Instituto Camões.

O programa do Podemos não é perfeito, possivelmente nem seja aproximado, de facto o partido não leva na prática a teoria que expressa no ponto 141. Mas, é um documento acordado, público e comprometedor para o partido. Seria bom que a necessidade não nos deixasse incapazes de perceber o que ele representa: 1) O reconhecimento político, a nível estatal, de todo o movimento reintegracionista, 2) O sucesso da via lusista, que hoje sofre o apartheid linguístico brutal por parte do governo da Xunta e do âmbito editorial e 3) A vontade política, partilhada por boa parte da população, de formar e desenvolver a cidadania galega dentro do espaço internacional lusófono.

Lembremos que este paulatino crescimento das propostas reintegracionistas nos programas eleitorais galegos tem começado nas eleições municipais de 2015, onde os grupos Compostela Aberta e Ourense en Común propuseram claramente a implementação nos seus concelhos da Lei Paz-Andrade, lei autonómica para o aproveitamento dos vínculos com a Lusofonia. Agora, quatro anos mais tarde, vemos que um partido de âmbito estatal propõe também claramente vários pontos nessa mesma linha. O que estão a fazer estes novos partidos é o lógico e o normal, o qual num país como o nosso pode chegar a ser insólito.

Um amigo insiste-me: “Isabel, pode ser oportunismo, não confies”. Só o facto de pensarmos o reintegracionismo como alvo de oportunismos já diz muito do valor político do nosso movimento. Ninguém vê oportunidade num fracasso. Portanto, se for oportunismo, será porque estamos a ter sucesso. Aqui entra no jogo o medo à traição tantas vezes experimentada. O pessoal não quer ser traído, não quer decepcionar-se e tira importância ao facto de ver reconhecido o alvo principal de todo o seu trabalho diário e vital, a identificação linguística de galego e português. Nesse sentido decepcionar-se antes de tempo é como uma vacina, assim as pessoas ficam tranquilas, sem esperar Ítacas, nessa estranha zona de conforto onde domina o apartheid.

Um outro sintoma do valor do reintegracionismo é a sua presença em todas as formações políticas galeguistas. É preciso esperar as Ítacas! O surpreendente é que nenhum dos outros partidos reflete no seu programa eleitoral os objetivos reintegracionistas. Eu, como defensora da língua comum, fico atónita do pouco caso que nos fazem essas formações, algumas delas nada novas e que arrastam uma longa história, mesmo académica, de desencontros com a Lusofonia. Solidarizo-me com as companheiras e companheiros que trabalham nesses âmbitos e veem as suas demandas sistematicamente ignoradas nos objetivos programáticos. É paradoxal que sejam aqueles considerados “afins à Espanha” os que reconheçam abertamente a identidade linguística galego-portuguesa. Mas, o que nos deve espantar de verdade é a falta de reconhecimento dos ditos partidos “soberanistas”.

O programa é um contrato social. Não temos que confiar nos partidos. Aliás, eles dão-nos numerosas provas de não podermos confiar neles. Temos é de trabalhar socialmente sempre. Depois, votar num programa. E, finalmente, exigir e vigiar o cumprimento desse contrato social. O incumprimento do programa é motivo de revogação fulminante, de crítica dura e perda de apoios. Se EC-P somente lançou essas propostas para pescar votos sem intenção de as cumprir, a réplica terá de ser contundente e o fracasso será deles. O que nós podemos fazer é estarmos aí, como sociedade civil, primeiro pressionando para que estas iniciativas existam em todos os partidos, depois exigindo o seu cumprimento uma vez no governo. Assim é como se avançou na aquisição de direitos humanos, sexuais e reprodutivos, assim é como funcionam as manifestações de pensionistas, e assim terá de ser com os direitos ambientais, nacionais e linguísticos. Perdemos os direitos se não os defendemos, e os direitos que ainda não conseguimos há que os reclamar com paciência, constância e inteligência. As Ítacas nunca chegam porque é preciso caminhar. E já sabemos que vamos devagar e sem atalhos.

A cada dia mais gente fora do âmbito reintegracionista sabe da potencialidade da língua portuguesa, os benefícios económicos, culturais e humanos que o seu conhecimento e emprego traz para as gentes galegas. Boa amostra disso foi a aprovação por unanimidade, em março de 2014, da vigorante Lei Paz-Andrade. Agora é preciso que esse reconhecimento tenha o espaço que merece nas instituições galegas, portuguesas e espanholas. Leiamos e comparemos os programas dos partidos para estas eleições estatais e que cada quem tire as próprias conclusões.

[1]A formulação inicial desta evidência linguística foi em 1971 pelo filólogo português Lindley Cintra no seu artigo “Nova proposta de classificação dos dialectos galego-portugueses”, publicado no Boletim de Filologia, 22, p. 81-116, disponível em http://cvc.instituto-camoes.pt/hlp/biblioteca/novaproposta.pdf.

Anexo. Programas para as eleições estatais de 2019:

Fonte: https://pgl.gal/

ACADEMIA DE MÚSICA FERNANDES FÃO DISTINGUE MUNICÍPIO DE PONTE DE LIMA COM CONDECORAÇÃO DE "MÉRITO CULTURAL"

Mérito Cultural para o Município de Ponte de Lima: Proposta da Academia de Música Fernandes Fão

O Município de Ponte de Lima vai ser galardoado pela Academia de Música Fernandes Fão (AMFF) com a atribuição de Mérito Cultural, em reconhecimento do papel ativo que a autarquia assume, no despertar de uma nova consciência quanto à relevância da salvaguarda do património cultural da região.

municipio_sm_1_1024_2500 (1).jpg

Segundo a Academia de Música Fernandes Fão, é dada a conhecer a intenção de atribuição «do Mérito Cultural, em sessão pública a realizar no próximo dia 3 de maio de 2019, data do 30° aniversário» da AMFF.

A atribuição do diploma justificativo do reconhecimento e ainda da Condecoração de Mérito respetiva, é efetuada, «em resultado da avaliação feita pela Direção em funções», admite a AMFF.

A autarquia limiana é já conhecida pelo seu empenho em ações desenvolvidas em prol do património regional, em ações de reabilitação e valorização do património urbano, assim como pela aposta no seu núcleo museológico, e ainda pela atribuição de subsídios ordinários a associações culturais do concelho.

Consciente da importância de impulsionar projetos promovidos pelos diversos atores locais que atuam no concelho de Ponte de Lima, o Município tem vindo a reforçar o apoio técnico e financeiro concedido, dinamizando o leque associativo, e tornando tangível a produção cultural, criando de autênticas dinâmicas conducentes a uma real participação cívica.

ESPOSENDE DESCENTRALIZA EVENTOS CULTURAIS

Município de Esposende mantém descentralização de eventos culturais

O Município de Esposende, no âmbito da política de descentralização cultural, vai realizar, ao longo do ano em curso, um conjunto de eventos culturais, de acesso gratuito, nas freguesias do concelho.

O_TEATRO_vai.jpg

O programa inclui espetáculos de teatro, música, dança e etnografia, a desenvolver por grupos e entidades locais, iniciando-se já no próximo sábado, dia 6 de abril, com a atividade “O Teatro vai a… Palmeira de Faro”. A partir das 21h30, no Auditório do Centro Paroquial, o grupo de teatro da Juventude Unida de Marinhas (JUM) leva à cena a peça de teatro “Círculo da Caça”, de Eduardo de Filippo. Este espetáculo decorre do projeto municipal CREARTE (Crescimento da Arte Teatral em Esposende) e integra as comemorações do Dia Mundial do Teatro, que se celebrou a 27 de março.

Em maio, no dia 12, às 21h30, “A Música vai a… Belinho”, no dia 18, às 21h30, “O Teatro vai a… Apúlia” e, no dia 19, às 16h00, “A Dança vai a… Rio Tinto”.

Para junho, estão previstas mais três atividades, nomeadamente no dia 8, às 21h30, “O Teatro vai a… Antas”, no dia 15, às 21h30, “O Teatro vai a… Gandra” e, no dia 16, às 11h00, “A Música vai a… Gandra”. Posteriormente, “A Música vai a… Belinho”, no dia 10 de agosto, às 22h00; no dia 15 de setembro, às 16h00, “A Etnografia vai a… Apúlia”; no dia 12 de outubro, às 21h30, “O Teatro vai a… Curvos” e, por fim, no dia 17 de novembro, às 16h00, “A Etnografia vai a… Gemeses”.

Através do desenvolvimento deste programa descentralizado de atividades, o Município proporcionará à comunidade o acesso a eventos culturais nas suas próprias localidades e a possibilidade de apreciar o trabalho que é desenvolvido a este nível no concelho. De resto, tendo o Município vertido para o seu plano de ação os Objetivos de Desenvolvimentos Sustentável da Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas, está também a contribuir para as metas Educação de Qualidade (ODS 4), Reduzir as desigualdades (ODS 10) e Parcerias para a Implementação dos Objetivos de Sustentabilidade (ODS 17).

Refira-se que, também no âmbito do plano de descentralização cultural, o Município, em parceria com as Juntas de Freguesia, desenvolveu, em 2018, o programa “À Descoberta de…”, através da realização de um conjunto de eventos culturais em todas as freguesias do concelho.

CENTRO DE ESTUDOS REGIONAIS DO ALTO MINHO PROMOVE GASTRONOMIA E CULTURA

X Ciclo de Estudos “Gastronomia e Cultura”: Carlos Fernandes apresenta os restaurantes onde comem os Confrades do Minho

No próximo dia28de março (quinta-feira), Carlos Fernandes apresenta a comunicação “Onde Comem os Confrades do Minho -Guia de restaurantes preferidos para comer bem”, integrada no Ciclo de Estudos “Gastronomia e Cultura”.A conferência tem lugar na Sala Couto Viana da Biblioteca Municipal de Viana do Castelo, às 17.00 horas.

XCicloEstudos_conf_Carlos Fernandes.jpg

Carlos Fernandesédoutorado em Turismo pela Bournemouth University (Reino Unido). É Professor na Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, onde coordenou a Licenciatura em Turismo.Tem participado em diversos projetos internacionais, sendo membro da InternationalInstituteofGastronomy, Culture, ArtsandTourism, da Association for TourismandLeisureEducation e da Confraria dos Gastrónomos do Minho, entre outras associações e instituições. Investigador do Centro de Estudos Transdisciplinares para o Desenvolvimento (CETRAD), tem uma ampla obra publicada, nomeadamente artigos em revistas científicas nacionais e internacionais e livros. 

O Ciclo de Estudos “Gastronomia e Cultura” é organizado pelo Centro de Estudos Regionais, no âmbito das atividades da sua Academia Sénior, e decorre até junho do presente ano. A participação na iniciativa não carece de inscrição, estando aberta a todos os interessados.   

A direção do Centro de Estudos Regionais

Viana do Castelo, 25de março de 2019

CENTRO DE ESTUDOS REGIONAIS: GASTRONOMIA É CULTURA

X Ciclo de Estudos “Gastronomia e Cultura”: Pintura e sabores é o tema da próxima conferência do Ciclo de Estudos “Gastronomia e Cultura”

No próximo dia 14 de março (quinta-feira), Antonieta Morais apresenta a comunicação “Sabores na pintura: um breve roteiro”, integrada no Ciclo de Estudos “Gastronomia e Cultura”, iniciativa do Centro de Estudos Regionais. A conferência tem lugar na Sala Couto Viana da Biblioteca Municipal de Viana do Castelo, às 17.00 horas.

XCicloEstudos_conf_Antonieta.jpg

Antonieta Morais é mestre e doutorada em História da Arte em Portugal. Docente no Instituto Politécnico de Viana do Castelo, desde 1998, tem lecionado em diversos Cursos de Licenciatura e de Mestrado. Como áreas de interesse da sua investigação tem se dedicado a temáticas dentro da história da pintura, da gravura, do traje civil e das artes decorativas.

O Ciclo de Estudos “Gastronomia e Cultura” é organizado pelo Centro de Estudos Regionais, no âmbito das atividades da sua Academia Sénior, decorrendo até junho do presente ano. A entrada é livre.

A direção do Centro de Estudos Regionais

Viana do Castelo, 11 de março de 2019

FAMALICÃO DEBATE ACESSO À CULTURA

Acesso Cultura promove novo debate em Famalicão

No próximo dia 19 de fevereiro, Vila Nova de Famalicão recebe mais um debate promovido pela associação Acesso Cultura.

Acesso Cultura.JPG

“O politicamente correto: uma forma de incluir ou uma nova barreira?” foi o tema escolhido pela associação para esta nova sessão do ciclo de debates, que decorre em simultâneo em mais seis cidades portuguesas: Lisboa, Porto, Funchal, Faro, Évora e Castelo Branco.

A iniciativa decorrerá a partir das 18h30, na Galeria Municipal Ala da Frente, com as intervenções de António Gonçalves, artista plástico, Paula Guerra, do Departamento de Sociologia da Universidade do Porto, Regina Bezerra, Educadora Social do Departamento de Acção Social do Município de Famalicão, e com a moderação de Rosa Moreira, Provedora do Aluno da Universidade Lusíada de Vila Nova de Famalicão.

“Para algumas pessoas, o politicamente correto é sinónimo de consciência, sensibilidade, respeito, boa educação. Para outras, é uma espécie de polícia da linguagem que, em vez de promover a inclusão e a tolerância, torna indivíduos tolerantes em suspeitos, cria um espaço fértil para a libertação de ódios e novas barreiras no relacionamento entre pessoas. O politicamente correto é a favor ou contra a liberdade individual? Ou estaremos a perder o foco?”, escreve a associação sobre o tema deste novo debate.

Recorde-se que a Acesso Cultura é uma associação sem fins lucrativos de profissionais da cultura e de pessoas interessadas em promover a melhoria das condições de acesso – nomeadamente físico, social e intelectual – aos espaços culturais e à oferta cultural, em Portugal e no estrangeiro.

A entrada é livre, sujeita à lotação da sala.

CENTRO DE ESTUDOS REGIONAIS DO ALTO MINHO PROMOVE CICLO DE ESTUDOS "GASTRONOMIA E CULTURA"

Conferência num restaurante abre ciclo de estudos

No próximo dia24de janeiro, noRestaurante Scalla (Praia Norte, Viana do Castelo), às 17.00 horas, tem lugar a primeira conferência do Ciclo de Estudos “Gastronomia e Cultura”, iniciativa do Centro de Estudos Regionais.

49949098_2087321234623654_8819354719701958656_n.jpg

Pedro Pereira, doutor em Antropologia e docente no Instituto Politécnico de Viana do Castelo, apresenta uma comunicação intitulada “Alimentos, comidas e culturas”. Esta apresentação inaugura o conjunto de conferências do ciclo de estudos, cujo programa foi apresentado no passado dia 17 de janeiro, que prevê a intervenção de diversos investigadores. A iniciativa integra ainda visitas de estudo, percursos urbanos e outras iniciativas paralelas. A participação no evento é livre.     

Revista Estudos Regionais

Chamada de artigos para edição de 2019

O Centro de Estudos Regionais publicará, no segundo semestre de 2019, o décimo terceiro volume, da segunda série, da revista Estudos Regionais. Até ao dia 25 de janeiro, o CERaceita a receção de resumos de artigos ou propostas de recensão para apreciação pelo Conselho Editorial. O resumo dos artigos deve ter no máximo 15 linhas (150 palavras), incluir referência ao objeto de estudo, ao enfoque teórico, às fontes ou à sustentação empírica e três palavras-chave.As normas completas para os colaboradores podem ser consultadas na edição nº 12 (2018), nas páginas 258 e 259, ou no sítio www.cer.pt.

A direção do Centro de Estudos Regionais

CENTRO DE ESTUDOS REGIONAIS DO ALTO MINHO APRESENTA CICLO DE ESTUDOS SOBRE GASTRONOMIA E CULTURA

Apresentação do Ciclo de Estudos “Gastronomia e Cultura”

No próximo dia 17 de janeiro, noMuseu de Artes Decorativas, no Largo de S. Domingos, em Viana do Castelo, pelas 17.00 horas, tem lugar aapresentação pública do programa do Ciclo de Estudos “Gastronomia e Cultura”, iniciativa do Centro de Estudos Regionais, que decorrerá entre janeiro e junho de 2019

49720049_2078443588844752_1572132302929002496_n.jpg

O Ciclo de Estudos “Gastronomia e Cultura”, integrado no plano de atividades da Academia Sénior do Centro de Estudos Regionais, é umfórum de partilha de conhecimento e de reflexão, aberto a toda a comunidade. Organizado em torno de um conjunto de conferências e de visitas de estudo, sob a coordenação de José Carlos Loureiro e Pedro Pereira, o ciclo de estudos procura evidenciar a importância patrimonial da gastronomia, analisar os modos de produção e de circulação dos hábitos alimentares e evidenciar especificidades sociais e culturais de diferentes formas de alimentação. 

Na sessão pública, José Carlos Loureiroapresentaráos objetivos do projeto e divulgará o programa integral. O ciclo de estudos de 2019 constitui a décima edição consecutiva desta iniciativa, que tem oferecido à cidade a oportunidade de ouvir investigadores e diferentes atores sociais e culturaissobre as mais diversas temáticas, num fórum de descoberta e partilha de saber, em que a participação é livre. 

A direção do Centro de Estudos Regionais

MONÇÃO DIVULGA ACTIVIDADES CULTURAIS

AGENDA JANEIRO E FEVEREIRO`19

No ano que agora findou, introduzimos algumas novidades na programação cultural do Município e melhoramos algumas iniciativas vindas de anos anteriores. O resultado não podia ser melhor. Promoção da nossa terra no exterior, presença de muito público nos eventos e dinamização económica em todos os setores.

capa agenda

Um ano de grande intensidade que serviu para constatar o forte envolvimento da sociedade monçanense na divulgação dos nossos valores patrimoniais e gastronómicos, bem como a paixão e apego das associações locais pela nossa identidade cultural. Obrigado pelo apoio.

Uma palavra de enorme gratidão também para os empresários e comerciantes que sempre disseram “podem contar connosco” nesta caminhada coletiva de fazermos de Monção um concelho responsivo aos anseios da população local e atrativo aos olhos dos visitantes.

Olhamos para o passado com orgulho, contudo, o nosso objetivo já está focado no presente e futuro. Com mais um ano, carregado de experiência e conhecimento, acreditamos que vamos conseguir melhores resultados.

Como sempre, contamos com os monçanenses para superarmos os desafios emergentes. Este ano, vão ser muitos. Vários investimentos em curso para, em conjunto, cimentarmos a centralidade de Monção no contexto da Euroregião Norte de Portugal – Galiza. Agradecemos a vossa paciência, compreensão e tolerância durante os trabalhos.

A todos os monçanenses, expresso um forte e sentido desejo que 2019 traga felicidade, saúde e trabalho. Que seja um ano extraordinário tanto a nível pessoal como profissional.

Vereador da Ação Social, Cultura e Turismo,

João Rafael de Sousa Oliveira

BRAGA APRESENTA ESTRATÉGIA CULTURAL PARA A PRÓXIMA DÉCADA

Apresentação da Estratégia Cultural de Braga 2020-2030 realiza-se amanhã, Sexta-feira, dia 7 de Dezembro, pelas 11h00, n´A Fundição De Sinos De Braga

O Município de Braga procede à apresentação pública do processo de desenvolvimento da Estratégia Cultural de Braga para o horizonte de 2020-2030, em sessão que terá lugar amanhã, Sexta-feira, dia 7 de Dezembro, pelas 11h00, na ´A Fundição De Sinos De Braga - Serafim Da Silva Jerónimo & Filhos, Lda. (Av. Cidade do Porto nº 154, 4705-084 Braga).

A sessão contará com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, da Vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Braga, Lídia Dias, da Administradora Executiva do Theatro Circo, Cláudia Leite, e da Coordenadora do projecto Braga Cultura 2030, Joana Meneses Fernandes

Esta Estratégia Cultural de Braga pretende reflectir as necessidades actuais e futuras da Cidade e dos seus agentes e responder aos desafios e ambições de uma Cidade que quer fazer da cultura um dos seus pilares de desenvolvimento. Será um primeiro passo para a apresentação da candidatura a Capital Europeia da Cultural 2027.

FAMALICÃO DESPEDE-SE DE 2018 COM MUITA ACTIVIDADE CULTURAL

Casa das Artes arranca a despedida de 2018 com propostas para todos os públicos. Programação de dezembro com ementa bem calórica

A magia dos pássaros de papel, envolvidos pela imensidão literária de Pessoa colados às sonoridades ritmadas de Manel Cruz são os ingredientes que compõem as entradas do menu da programação que a Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão vai servir em dezembro.

Manel Cruz

Nem tudo doces! A ementa do último mês de 2018 na Casa das Artes não está condicionada apenas a iguarias natalinas. Todavia, a programação do maior palco cultural do Município de Vila Nova de Famalicão não deixa de ser bem calórica como ordena uma tradicional dieta para os dias frios.

No dia 1, «Fernando Pessoa em Vila Nova de Famalicão» é o título da exposição de cerâmica, ilustração, pintura e fotografia que vai estar patente no foyer até 31 de janeiro de 2019. Trata-se de uma organização conjunta da Casa das Artes e da Editora Centro Atlântico, que colocará à vista de todos uma coleção de obras de arte concebidas por escultores, pintores, ilustradores e fotógrafos, sobre a obra de Fernando Pessoa.

Pessoa

No total, «Fernando Pessoa em Vila Nova de Famalicão» conta com 20 peças de cerâmica da autoria de Margarida Costa; duas ilustrações de Paulo Buchinho; mais três ilustrações de Mário Linhares; duas pinturas de Cristina Troufa; uma fotografia de André Boto; e mais duas fotografias de Libório Manuel Silva.

A inauguração está marcada para as 16h30.

A estreia de Orizuro traz ao outono tardio de Vila Nova de Famalicão a alegria e leveza dos pássaros primaveris. Esta é uma coprodução da Companhia de Música Teatral e da Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão.

O espetáculo sobe a palco nos dias 1 e 2, às 11h00 e 17h00, num Pequeno Auditório transfigurado em ninho.

“Orizuro” é uma viagem ao mundo dos pássaros. De todos os pássaros, os reais e os imaginários, os das histórias, da poesia, da música, os que nos convidam a voar, os que cantam connosco. Três intérpretes levam bebés e crianças (e com elas os adultos) aos ninhos onde a música nasce com o movimento e traçam caminhos inesperados povoados de sons e imagens.

O orizuru na cultura tradicional japonesa é um símbolo de felicidade e na segunda metade do século vinte, após a bomba de Hiroshima, tornou-se num ícone do desejo de paz. A ideia de "afinação" tem estado presente em grande parte dos trabalhos da CMT, que tem usado a expressão "tuning people, birds and flowers" para se referir à procura, através da experiência artística, da afinação das pessoas com o que as rodeia. São esses os "pássaros" que Orizuro procurará revelar. Ou construir. Vivemos num tempo que precisa da nossa atenção urgente para a necessidade de preservarmos o mundo em que vivemos. Há muitas formas de o fazer. Ensinar a olhar e escutar de forma poética é certamente uma das que faz falta e deve ser promovida desde que nascemos.

Entrada: 4 euros. Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 2 euros.

A noite deste primeiro dia de dezembro conta com o desfile musical de Manel Cruz que surgirá acompanhado no palco do Grande Auditório com Nico Tricot (voz, flauta transversal, teclados, guitarra), Edú Silva (voz, baixo, teclados) e António Serginho (percussão, teclados).

O espetáculo tem início agendado para as 21h30. 

Entrada: 12 euros. Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 6 euros

Manel Cruz tem um percurso artístico que o fez passar pelos Ornatos Violeta, Pluto, SuperNada e, finalmente, no projeto enigmático que foi Foge Foge Bandido. Agora, surge a mostrar recortes, vozes e memórias dessa viagem de 10 anos, desta vez a solo.

Assim são servidas as entradas de uma longa ementa que aguarda ser saboreada sem receios de indisposições de sobredosagens.

Orizuro

A GALIZA, O GALEGO-PORTUGUÊS E A BUSCA POR INDEPENDÊNCIA

Semana passada, entrevistei a professora moçambicana Marisa Mendonça - que assumiu em Outubro a diretoria executiva do Instituto Internacional da Língua Portuguesa (ILLP), vinculado à Comunidade dos Países da Língua Portuguesa (CPLP) - sobre o novo acordo ortográfico. Mas foi inevitável a pergunta sobre como integrar a Galiza na CPLP. Ela me respondeu que o IILP-CPLP vem acompanhando o processo em curso na Galiza, de recuperação e reconhecimento do galego-português.

505485cacb92a961418054347

Diplomática e cautelosa, a professora Marisa disse que aguarda o posicionamento do governo espanhol, uma vez que a CPLP trabalha com Estados e não pode ferir a soberania nacional. E acrescentou: “Sabemos que há uma série de conversações sobre como conduzir esse processo. É necessário dar-se o tempo que a complexidade do processo exige.”

Quase ao mesmo tempo, recebi mensagem de Camilo Nogueira, engenheiro industrial, licenciado em ciências econômicas, deputado três vezes (1981-93 e 1997-99) no Parlamento da Galiza e um mandato no Parlamento Europeu (1999-2004). Segundo Camilo, os nacionalistas galegos reivindicam a identidade entre o galego e o português, o galego-português, e trabalham por esse reconhecimento oficial.

No Parlamento Europeu, Camilo falava em galego “sem qualquer problema, aproveitando a oficialidade do português”. Já, no Congresso espanhol, suas colegas deputadas são proibidas de fazer pronunciamento em galego. “O Estado espanhol nem sequer reconhece o galego-português, negando uma riqueza evidente. (…) Esquece que, através do Brasil, também se fala o galego-português nascido na Galiza histórica.”

Por isso, Camilo não parece muito otimista. Acha que a Galiza deve inspirar-se na Catalunha, no País Basco e na Escócia, e lutar pela independência. “A Galiza quer separar-se de um império europeu.”

Tanto que, quando o encontrei na Galiza, Camilo acabava de voltar de um evento em Barcelona - era uma manifestação dos independentistas catalães, que reunira dois milhões de pessoas para reivindicar o direito de decidir sobre o futuro da Catalunha; o seu direito de autodeterminação para configurar-se como Estado na União Europeia. Recentemente, Camilo esteve de novo em Barcelona, a convite do “partido amigo” Esquerra Republicana de Catalunya, ou Esquerda Republicana da Catalunha (ERC), que poderá governar a província (estado, para nós brasileiros) a partir das próximas eleições.

Seja o movimento social pela regeneração do galego-português, seja a luta pela independência da Galiza, o fato é que entidades como a Associaçom Galega da Língua (AGAL)*, a Academia Galega da Língua Portuguesa (AGLP)** e o Parlamento de Galicia*** terão papel cada vez mais importante neste processo.

Um pouco de história

O movimento nacional galego surgiu no século XIX (1846), como os da maioria dos atuais Estados europeus, ao fio da soberania popular e frente à monarquia Borbon, relata Camilo Nogueira. Apesar do caráter diferenciado da Galiza, as monarquias ou ditaduras espanholas negaram a sua personalidade e o auto-governo.

A língua própria foi proibida na Galiza desde 1500, prossegue Camilo. No entanto, conservava-se em Portugal e se expandia por outros continentes, mantendo-se inequivocamente nas classes populares. Igualmente, evoluía-se o galego-português do Brasil.

A Galiza foi assim marginada, de tal maneira que, se em 1800 tinha cinco vezes mais população que a atual província de Madrid, podendo chegar a ter sete milhões de habitantes, hoje ficou reduzida a três milhões. Entre 1860 e 1920, forçadas pelo poder espanhol, três milhões de pessoas tiveram que emigrar para a América e outro um milhão para países europeus. Apesar de tudo, a Galiza resistiu como nação e hoje tem um perfil econômico relativamente avançado...

Apesar da imposição do castelhano para eliminar a língua galega, esta é conhecida pela quase totalidade da população e falada habitualmente pela maioria, assegura Camilo. O castelhano é conhecido por todos, mas não pode fazer desaparecer o galego, o galego-português.

Durante a Segunda República (1931-1936), os nacionalistas galegos, com o apoio da esquerda republicana estatal, conseguiram um Estatuto de Autonomia, lembra Camilo. “Depois de 40 anos de Ditadura, conseguimos de novo o Estatuto de Autonomia, com uma certa autonomia política e econômica, com o galego como língua oficial, sendo o castelhano co-oficial. Agora, os nacionalistas galegos reivindicam a soberania como Estado na União Europeia.”****

*Associaçom Galega da Língua ( http://www.agal-gz.org/corporativo/ )

**Academia Galega da Língua Portuguesa ( http://academiagalega.org/ )

***Parlamento de Galicia ( http://www.parlamentodegalicia.es/sitios/web/default.aspx )

****Veja mais sobre a Galiza em  http://www.jornaldaslajes.com.br/integra.php?i=1479

Fonte: José Venâncio de Resende / https://www.jornaldaslajes.com.br/