Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

MONÇÃO RECEBEU I CONGRESSO MUNICIPAL DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE

02 (5).JPG

Com a presença de cerca de 160 pessoas, decorreu no passado sábado, dia 6 de abril, durante a manhã, no auditório do Cine Teatro João Verde.

Com organização do Município de Monção, esta primeira edição centrou-se na Perturbação do Espetro do Autismo (PEA), uma perturbação do neurodesenvolvimento, cuja prevalência tem vindo a aumentar no país e no nosso concelho. O público mostrou-se interessado e participativo.

Na sessão de abertura, o Presidente da Câmara Municipal de Monção, António Barbosa, não escondeu a satisfação com a organização do congresso, realçando a grande adesão e recetividade da comunidade monçanense e de outros concelhos do Alto Minho.

Revelando que o Município está atento às preocupações e inquietações da sociedade, priorizando questões essenciais à saúde, igualdade, juventude e educação, António Barbosa enalteceu a pertinência da temática escolhida e lembrou o papel de todos/as na criação de uma comunidade verdadeiramente inclusiva e não discriminatória.

Numa manhã de aprendizagem e partilha de conhecimento, o I Congresso Municipal da Infância e da Juventude contou com a realização de duas mesas redondas: “Desafios da (Neuro)diversidade na Perturbação do Espetro do Autismo” e “Desafios no percurso escolar e na integração profissional”.

Moderado pela enfermeira Sandra Reis, o primeiro painel teve como oradores o pedopsiquiatra, Pedro Caldeira da Silva, o qual explorou os pontos comuns e a diversidade do autismo, a psicóloga, Beatriz Coelho, que apresentou a Fundação AMA Autismo e ajudou os presentes a compreender a PEA, e o terapeuta da fala, João Canossa Dias, cuja intervenção versou a competência social como fonte de bem-estar pessoal, através da inclusão social.

O segundo painel, moderado pelo professor Francisco Alves, teve como oradores o professor Joaquim Meira, explicando os desafios que se colocam à escola na inclusão de crianças e alunos/as com PEA, e a diretora-adjunta do Centro de Emprego do Alto Minho, Sylvie Vilas-Boas, tendo abordado as ofertas do IEFP na inclusão de pessoas com deficiência ou incapacidade no mercado de trabalho.

A sessão de encerramento esteve a cargo da Vereadora da Educação, Saúde e Juventude, Daniela Fernandes, que se mostrou profundamente agradada com a afluência de público e as mensagens transmitidas nas mesas-redondas, fruto da competência dos oradores e moderadores.

Tendo realçado que a temática em análise lhe suscita interesse e dedicação, Daniela Fernandes terminou com um agradecimento, público e sentido, aos moderadores, oradores, convidados, participantes e comunidade em geral.

04 (3).JPG

15 (2).JPG

26.JPG

35.JPG

36.JPG

MONÇÃO REALIZA I CONGRESSO MUNICIPAL DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE

Monção debate “Perturbação do Espetro do Autismo”, abordando diferentes aspetos associados à temática. Aberto à comunidade, decorre no próximo sábado, 6 de abril, no Cine Teatro João Verde.

A Perturbação do Espetro do Autismo (PEA) é uma perturbação do neurodesenvolvimento, cuja prevalência tem vindo a aumentar no nosso país e concelho, caraterizando-se, genericamente, por dificuldades na comunicação e interação social.

De forma a aumentar a literacia da comunidade local em áreas relevantes da infância e juventude, o I Congresso Municipal da Infância e da Juventude, agendado para o próximo sábado, 6 de abril, no Cine Teatro João Verde, vai debruçar-se sobre diferentes aspetos desta temática.

Numa manhã de aprendizagem e partilha de conhecimentos, o I Congresso Municipal da Infância e da Juventude conta com a presença de profissionais de referência nacional, nas suas áreas de ação, aportando um conjunto de conhecimentos clínicos, educacionais e sociais associados à PEA.

Tendo como palco o Cine Teatro João Verde, a sessão de abertura, pelas 09h15, contará com a presença de António Barbosa, Presidente da Câmara Municipal de Monção. A sessão de encerramento estará a cargo de Daniela Fernandes, Vereadora do Pelouro da Educação, Saúde, Juventude e Bem-Estar Animal.

Na I Mesa Redonda: “Desafios da (Neuro)diversidade na Perturbação do Espetro do Autismo”, com moderação de Sandra Reis, Enfermeira, participará Pedro Caldeira da Silva, Pedopsiquiatra, com apresentação da conferência "Que espectro é este? Pontos comuns e diversos no Autismo", Beatriz Coelho, Psicóloga, cuja intervenção visa “Compreender a Perturbação do Espectro do Autismo” e João Canossa Dias, Terapeuta da Fala, que abordará “Competência Social: fonte de bem-estar pessoal, através da inclusão social”.

Com moderação de Francisco Alves, Professor, a II Mesa Redonda, denominada “Desafios no percurso escolar e na integração profissional”, conta com as seguintes intervenções: “Os desafios que se colocam à escola na inclusão de crianças e alunos/as com PEA”, de Joaquim Meira, Professor Aposentado de Educação Especial, e “Na construção do emprego + inclusivo”, de Sylvie Vilas-Boas, Diretora-Adjunta do Centro de Emprego do Alto Minho.

02 (4).jpg

imagem.png

PONTE DE LIMA ACOLHEU CONGRESSO “PONTE DE LIMA: DO NEOLÍTICO À IDADE MÉDIA”

O Município de Ponte de Lima acolheu entre os dias 4 e 5 de março o I Congresso Ponte de Lima: do Neolítico à Idade Média que pretendeu assinalar o início das celebrações dos nove séculos da atribuição do foral de D. Teresa, que antes mesmo do despontar da nacionalidade fez Vila o lugar de Ponte, em 4 de março de 1125.

O evento contou com a presença de vinte e cinco conceituados professores universitários e investigadores das Universidades do Porto, Coimbra, Minho e NOVA de Lisboa, que presentearam Ponte de Lima e todos os presentes com estudos de elevado valor que dão a conhecer novas luzes sobre diversas temáticas da história deste concelho, desde o período mais remoto até à Idade Média, bem como estimulam a reflexão e o debate em torno da preservação e valorização da nossa memória coletiva e do nosso património material e imaterial.

Seguir-se-á um segundo congresso, agendado para os dias 14, 15 e 16 de novembro, cuja temática incidirá sobre os períodos modernos e contemporâneo da história de Ponte de Lima.

congresso_ponte_de_lima_do_neolitico_a_idade_media_1_1_1024_800.jpg

PONTE DE LIMA DÁ INÍCIO À COMEMORAÇÃO DOS NOVE SÉCULOS DE EXISTÊNCIA COM CONGRESSO ALUSIVO À HISTÓRIA DO CONCELHO

Nos dias 4 e 5 de março de 2024 realiza-se o I Congresso Ponte de Lima: do Neolítico à Idade Média que visa celebrar a efeméride dos nove séculos de atribuição do foral de D. Teresa e fomentar o interesse pela História do Concelho nas suas várias dimensões.

Faça a sua inscrição e marque presença neste primeiro congresso que conta com a presença de conceituados investigadores que irão abordar temas relacionados com a génese da vila e do concelho de Ponte de Lima.

O congresso está certificado pelo CENFIPE – Centro de Formação e Inovação dos Profissionais da Educação.

Programa: https://www.cm-pontedelima.pt/cmpontedelima/uploads/writer_file/document/6521/programa_congresso_ponte_de_lima_do_neolitico_a_idade_media.pdf

Inscrição: https://www.cm-pontedelima.pt/pages/1743

417542943_769152158593430_1761584031171412504_n.jpg

PAREDES DE COURA ACOLHE V CONGRESSO DE METEOROLOGIA E ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS

23 e 24_fev | Paredes de Coura

Ao longo de dois dias, 23 e 24 de fevereiro, Paredes de Coura recebe o V Congresso Transfronteiriço de Meteorologia e Alterações Climáticas, reunindo personalidades da academia, investigadores e representantes de ONG’s para discutir uma temática cada vez mais na ordem do dia e a merecer a ponderação de todos nós, contribuindo assim para a reflexão e sensibilização de uma realidade que preocupa cada vez mais as sociedades.

“É urgente alertar e envolver todos os quadrantes da sociedade no debate pela definição de medidas concretas e imediatas para adaptação às alterações climáticas. Não é o planeta que se encontra em risco, mas sim a vida como a conhecemos”, constata Tiago Cunha, vice-presidente da Câmara de Paredes de Coura, reforçando, por isso, que “à escala individual, é necessário entender as consequências concretas da nossa inoperância e repensar os nossos comportamentos diários com impacto no esgotamento de recursos – da alimentação aos bens de consumo, passando pela mobilidade”.

É partindo deste princípio que “o Município de Paredes de Coura apoia consistentemente a realização de congressos de dimensão nacional e internacional (como o congresso CouraVeg, Encontros Com Ciência do Agrupamentos de Escolas de Paredes de Coura, o TREX – TREX – Traditional Fire Training Exchange e WOMANTREX, o Rural Camp, entre outros) que reflitam sobre a emergência da sustentabilidade”, relembra Tiago Cunha, para quem “este congresso, que é realizado pela segunda vez em Paredes de Coura, é um bom exemplo disso e destaca-se porque permite juntar à mesma mesa a comunidade escolar, cientistas, as ONG’s, decisores locais e comunitários, envolvendo e dando voz a todos. A persistência em fazer permanecer a urgência do tema na atualidade é o nosso pequeno contributo para garantir que resgatamos a nossa casa comum”, concluiu.

Sustentabilidade enquanto contributo para a adaptação climática

Este V Congresso Transfronteiriço de Meteorologia e Alterações Climáticas é uma organização conjunta do Município de Paredes de Coura, Cenfipe e Agrupamento de Escolas de Freixo, que durante dois dias reúne diferentes especialistas de Portugal e Galiza, abordando a temática da meteorologia, impactos climáticos e o papel da sustentabilidade na emergência climática.

O tema desta quinta edição é a “Sustentabilidade enquanto contributo para a adaptação climática” e insere-se no 13º ODS (Ação Climática - Adotar medidas urgentes para combater as alterações climáticas e os seus impactos), tendo como meta 13-3, “consciencialização para a educação da população para as alterações climáticas”.

No programa desta edição destacamos as comunicações de Francisco Ferreira, presidente da ONG-Associação Zero, do eurodeputado Francisco Guerreiro, da investigadora física da UTAD, Margarida Liberato, de um investigador físico da Universidade de Vigo – Diego Fernández, do climatologista Mário Marques, e ainda das coordenadoras do projeto meteoescolas em Cuntis (Pontevedra).

De referir a particular importância das comunicações no âmbito de eventos meteorológicos/climáticos extremos no território e também ações/práticas sustentáveis no meio educativo, económico e social face às alterações climáticas que estamos a viver. O congresso está planificado em três painéis, sendo o do dia 23, sexta-feira, mais ligado à forma como empresas, escolas e instituições políticas abordam a sustentabilidade enquanto agentes de ação climática. No dia 24, sábado, o painel da manhã é mais técnico, dedicado à meteorologia, e o painel da tarde mais generalizado, dedicado aos impactos das mudanças climáticas.

Capturarpcou.JPG

PONTE DE LIMA DÁ INÍCIO À COMEMORAÇÃO DOS NOVE SÉCULOS DE EXISTÊNCIA COM CONGRESSO ALUSIVO À HISTÓRIA DO CONCELHO

Nos dias 4 e 5 de março de 2024 realiza-se o I Congresso Ponte de Lima: do Neolítico à Idade Média que visa celebrar a efeméride dos nove séculos de atribuição do foral de D. Teresa e fomentar o interesse pela História do Concelho nas suas várias dimensões.

Faça a sua inscrição e marque presença neste primeiro congresso que conta com a presença de conceituados investigadores que irão abordar temas relacionados com a génese da vila e do concelho de Ponte de Lima.

O congresso está certificado pelo CENFIPE – Centro de Formação e Inovação dos Profissionais da Educação.

Programa: https://www.cm-pontedelima.pt/cmpontedelima/uploads/writer_file/document/6521/programa_congresso_ponte_de_lima_do_neolitico_a_idade_media.pdf

Inscrição: https://www.cm-pontedelima.pt/pages/1743

417542943_769152158593430_1761584031171412504_n.jpg

PONTE DE LIMA DÁ INÍCIO À COMEMORAÇÃO DOS NOVE SÉCULOS DE EXISTÊNCIA COM CONGRESSO ALUSIVO À HISTÓRIA DO CONCELHO

Nos dias 4 e 5 de março de 2024 realiza-se o I Congresso Ponte de Lima: do Neolítico à Idade Média que visa celebrar a efeméride dos nove séculos de atribuição do foral de D. Teresa e fomentar o interesse pela História do Concelho nas suas várias dimensões.

Faça a sua inscrição e marque presença neste primeiro congresso que conta com a presença de conceituados investigadores que irão abordar temas relacionados com a génese da vila e do concelho de Ponte de Lima.

O congresso está certificado pelo CENFIPE – Centro de Formação e Inovação dos Profissionais da Educação.

Programa: https://www.cm-pontedelima.pt/cmpontedelima/uploads/writer_file/document/6521/programa_congresso_ponte_de_lima_do_neolitico_a_idade_media.pdf

Inscrição: https://www.cm-pontedelima.pt/pages/1743

417542943_769152158593430_1761584031171412504_n.jpg

417481063_769152301926749_1686858787332066836_n.jpg

PONTE DE LIMA DÁ INÍCIO À COMEMORAÇÃO DOS NOVE SÉCULOS DE EXISTÊNCIA COM CONGRESSO ALUSIVO À HISTÓRIA DO CONCELHO

Nos dias 4 e 5 de março de 2024 realiza-se o I Congresso Ponte de Lima: do Neolítico à Idade Média que visa celebrar a efeméride dos nove séculos de atribuição do foral de D. Teresa e fomentar o interesse pela História do Concelho nas suas várias dimensões.

Faça a sua inscrição e marque presença neste primeiro congresso que conta com a presença de conceituados investigadores que irão abordar temas relacionados com a génese da vila e do concelho de Ponte de Lima.

O congresso está certificado pelo CENFIPE – Centro de Formação e Inovação dos Profissionais da Educação.

Programa: https://www.cm-pontedelima.pt/cmpontedelima/uploads/writer_file/document/6521/programa_congresso_ponte_de_lima_do_neolitico_a_idade_media.pdf

Inscrição: https://www.cm-pontedelima.pt/pages/1743

CONGRESSO 'PONTE DE LIMA: DA IDADE DO BRONZE À IDADE MÉDIA' INTEGRADO NAS COMEMORAÇÕES DOS 900 ANOS DE PONTE DE LIMA

O I Congresso Ponte de Lima: da Idade do Bronze à Idade Média, inserido no programa das comemorações dos 900 anos de Ponte de Lima, irá realizar-se nos dias 4 e 5 de março, no auditório dos Paços do Concelho.

Este primeiro congresso conta com a presença de conceituados investigadores que irão abordar temas relacionados com a génese da vila e do concelho de Ponte de Lima.

Convidam-se os historiadores, professores, investigadores e a comunidade a juntarem-se a marcarem presença neste congresso cujo programa será divulgado em breve.

icongresso_cartaz_1_1024_800.jpg

BARCELOS MARCOU PRESENÇA NO 1º CONGRESSO NACIONAL E MOSTRA DE CIDADES E VILAS DE CERÂMICA

Barcelos marcou presença no 1.º Congresso Nacional e Mostra de Cidades e Vilas de Cerâmica que se realizou no Centro de Congressos de Aveiro, instalado num edifício emblemático da arquitetura industrial Aveirense, a antiga Fábrica Jerónimo Pereira de Campos, uma fábrica que se dedica à produção de barro vermelho.

barc (1).jpg

O Município barcelense, representado pela Vereadora da Cultura, Maria Elisa Braga, contou com a presença de um stand, tendo levado até Aveiro uma pequena mostra do trabalho desenvolvido no concelho de Barcelos, desde as produções cerâmicas mais caraterísticas no nosso concelho, quer de Olaria, quer de Figurado. Simultaneamente, dois jovens ceramistas do concelho, Telmo Macedo e Daniel Alonso, estiveram a trabalhar ao vivo numa demonstração da vitalidade e da força criativa dos artesãos barcelenses.

O Congresso proporcionou um espaço único para a troca de ideias entre as cidades e vilas de cerâmica em Portugal, bem como a interação com representantes das Associações de Cidades Cerâmicas de toda a Europa, através do Agrupamento Europeu (AeuCC). O evento representou uma oportunidade valiosa para debater o cenário cerâmico em Portugal, discutir estratégias de promoção e preservação do património cerâmico, bem como explorar as iniciativas promovidas por cada município para salvaguardar este importante legado cultural.

Recorde-se que Barcelos faz parte da Associação Portuguesa de Cidades e Vilas de Cerâmicas (APTCVC) desde abril de 2018.

1.ª Cimeira de Presidentes de Câmara da AptCVC

Simultaneamente ao Congresso, decorreu a Cimeira de Presidentes de Câmara da AptCVC, onde esteve em representação do Município, a Vereadora da Cultura.

Esta Cimeira, que contou com a participação das cidades e vilas de cerâmica portuguesas, bem como representantes das Associações de Cidades Cerâmicas do resto da Europa, através do Agrupamento Europeu (AeuCC), foi um momento de partilha e conversas sobre o Portugal cerâmico e o que cada município promove para a sua defesa e salvaguarda futura.

A AptCVC é constituída por 29 municípios portugueses, tendo como fundadores, em 2018, Alcobaça, Aveiro, Barcelos, Batalha, Caldas da Rainha, Ílhavo, Mafra, Montemor-o-Novo, Redondo, Reguengos de Monsaraz, Tondela, Viana do Alentejo, Viana do Castelo e Vila Nova de Poiares,

A APTCVC tem como principais missões a defesa, a valorização e a divulgação do património cultural e histórico cerâmico, o intercâmbio de experiências entre os associados, o estabelecimento de parcerias, a promoção da criação artística e a difusão da cerâmica tradicional e contemporânea.

No final da Cimeira, foi divulgada publicamente a decisão da Direção de entregar a Barcelos a coordenação e realização do II congresso da AptCVC, em 2026, em data ainda a definir.

barc (2).jpg

AMARES ACOLHE CONGRESSO INTERNACIONAL EM ENFERMAGEM NA PESSOA EM SITUAÇÃO CRÍTICA

INSCRIÇÕES ABERTAS: II Congresso Internacional em Enfermagem na Pessoa em Situação Crítica | 22 e 23 de fevereiro

O ISAVE, Instituto Superior de Saúde vai levar a cabo, nos dias 22 e 23 de fevereiro, em colaboração com a ACES Gerês Cabreira, o II Congresso Internacional em Enfermagem na Pessoa em Situação Crítica, em modelo híbrido. O formato presencial terá lugar no Auditório do ISAVE, em Amares, e a transmissão online via zoom.

Um evento inovador que será um reflexo do compromisso da comunidade de Enfermagem na procura de excelência e da atualização científica, ministrado por especialistas renomeados pelo Mundo. Uma oportunidade única de aprender com os melhores e de explorar novas abordagens.

É ainda com satisfação que anunciamos a abertura para a submissão de comunicações livres e pósteres. Ver aqui

Num mundo em constante evolução, é crucial estarmos atualizados e preparados para enfrentar os desafios complexos que a Enfermagem apresenta. Este congresso representa não apenas uma reunião de especialistas brilhantes, mas também um compromisso com a melhoria contínua e a inovação na prática profissional de Enfermagem.

Informo ainda que a inscrição para docentes do ISAVE é gratuita, mas obrigatória, para efeitos de controlo de espaço e deve ser efetuada até dia 18 de fevereiro.

Nesse sentido, segue o link respeitante a todas as informações do evento, disponibilizando-me desde já para quaisquer outros esclarecimentos que, eventualmente, desejem:

https://isave.pt/ii-congresso-internacional-em-enfermagem-na-pessoa-em-situacao-critica/

image002isav.png

AMARES ACOLHE III CONGRESSO LUSO-GALAICO EM GERONTOLOGIA – COMUNIDADES COMPASSIVAS

Numa organização conjunta do ISAVE (através do Instituto Internacional de Gerontologia) e da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico do Porto, vai decorrer em modelo híbridopresencial, nas instalações do Instituto Superior de Saúde, e online – o III Congresso Luso-Galaico em Gerontologia – Comunidades Compassivas.

No dia 23 de novembro, em pré-congresso, terá lugar um workshop sobre “A espiritualidade e as comunidades compassivas” - sendo este com vagas limitadas, com capacidade máxima de 20 pessoas (consoante ordem de inscrição).

No dia 24, durante a manhã, no Painel I – “Saber Envelhecer”, serão discutidas as seguintes temáticas: “Como dar resposta aos desafios associados à longevidade?”, “Envelhecimento ativo e saúde: influencia da Reserva Cognitiva ao longo do processo de envelhecimento” e “Comunidade e redes sociais no processo de envelhecimento”, seguindo-se uma Conversa Aberta – Envelhecer na comunidade e comunidade compassiva.

No período da tarde, no Painel II (“Comunidades Compassivas: que realidade?”), representantes de Comunidades Compassivas oriundas de diversos pontos do país falarão da sua experiência, após o que decorrerá a conferência “O futuro do envelhecimento”.

Participarão no Congresso investigadores, profissionais e representantes de entidades como a Comissão de Proteção ao Idoso, a Universidade de Vigo, a Universidade de Santigago de Compostela, a Universidade Católica, o Instituto Politécnico de Viana do Castelo, a Universidade de Aveiro, o ISAVE e a Associação Compassio.

O Congresso encerrará com a atuação da Ysatuna.

O evento será em modelo híbrido (presencial e online) e deve efetuar a devida inscrição em: https://i2gerontology.com/formulario/

Todas as informações disponíveis em: https://isave.pt/iii-congresso-luso-galaico-em-gerontologia-comunidades-compassivas/

PROGRAMA - GERONTOLOGIA.jpg

VILA PRAIA DE ÂNCORA RECEBEU CONGRESSO DA PEQUENA PESCA

398442058_722874153216046_1908611458382914992_n.jpg

No 2º Congresso da Pequena Pesca, em Vila Praia de Âncora, a Secretária de Estado Teresa Coelho reconheceu que “esta iniciativa, promovida pela Docapesca - Portos e Lotas, S.A. em parceria com a ANP/WWF constitui mais uma prova da vitalidade da Pequena Pesca em Portugal. E o Governo português reconhece o seu importante papel social, económico, ambiental, territorial e cultural.”

Teresa Coelho reforçou ainda a “confiança com que encaramos o presente e o futuro da pesca no nosso país. E, nesse contexto, o Governo mobilizou 21M€ do PRR para modernizar embarcações, tendo em vista garantir mais segurança e eficiência energética. Já no âmbito do Mar2030, todo o setor vai poder contar com um apoio público de 540M€, mais 36M€ face ao pacote financeiro atribuído no âmbito do Mar2020”.

Fonte: Ministério da Agricultura e Alimentação

396330404_722874253216036_6841011350626218920_n.jpg

398446226_722874279882700_4635912845240357850_n.jpg

398448926_722874199882708_5386488991953380536_n.jpg

398867133_722874269882701_2781690495586940795_n.jpg

VILA PRAIA DE ÂNCORA ACOLHEU II CONGRESSO DA PEQUENA PESCA

Secretária de Estado das Pescas, Teresa Coelho, prometeu regressar em breve para fazer o ponto de situação sobre a solução para o Portinho

A pequena pesca foi tema, este sábado, de um congresso, o segundo que se realiza em Portugal, e que teve lugar em Vila Praia de Âncora. Uma ocasião que permitiu uma reflexão multifacetada, reunindo responsáveis dos vários setores ligados à pesca, e que trouxe boas notícias à Vila e ao Concelho, já que a Secretária de Estado das Pescas, Teresa Coelho, prometeu voltar brevemente para fazer o ponto de situação sobre o processo de reconfiguração do Portinho de Vila Praia de Âncora, um assunto que o Presidente da Câmara, Rui Lages, tinha de resto elencado na sua intervenção, que abriu os trabalhos.

CMCaminha-5708.jpg

Teresa Coelho congratulou-se com a sala cheia, no Cineteatro dos Bombeiros Voluntários de Vila Praia de Âncora, considerando um motivo de orgulho, sobretudo com o estado do tempo. A responsável destacou ainda Vila Praia de Âncora e Caminha enquanto zonas com comunidades piscatórias muito importantes no país, porque – disse - têm excelentes produtos, têm excelentes condições, mas também têm tido problemas muito graves, como o Porto de Vila Praia de Âncora. “Estamos a receber contributos das diferentes entidades, estamos a analisá-los, mas ainda este mês ou pelo menos até ao final do ano voltaremos cá para discutir convosco e fazer o ponto de situação, para ver como vamos resolver esta situação do Porto”, prometeu.

Recorde-se que o Estudo de Reconfiguração do Portinho de Vila Praia de Âncora foi apresentado neste mesmo espaço no passado dia 6 de julho, com a participação do Diretor Geral da Direção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos - DRGM, José Simão, e com a Secretária de Estado das Pescas.

Teresa Coelho deu ainda os parabéns aos pescadores e aos seus organismos. Sublinhou que Portugal é uma zona em rendimento máximo sustentável e é a primeira zona da Europa sem sobrepesca – “isto significa que estamos a fazer uma pesca sustentável. Portugal tem tido um comportamento exemplar e isto deve-se a vocês, só acontece porque vocês fazem o vosso trabalho de forma exemplar”.

A governante sublinhou a importância da associação de saberes entre investigação e pesca, que se complementam e se enriquecem, favorecendo a pesca a todos os níveis. Todas as áreas estiveram de resto representadas ao longo do dia, em quatro painéis, que contaram com mais de uma dezena de intervenientes. A intervenção inicial de Sérgio Faias, Presidente da Docapesca, centrou-se aliás na apresentação do Congresso, tendo sublinhado que a pequena pesca é na realidade um tema maior, já que diz respeito a 80 por cento da pesca.

A abertura dos trabalhos coube, como referimos, ao Presidente da Câmara Municipal de Caminha, Rui Lages, que agradeceu a escolha de Vila Praia de Âncora para este Congresso. O autarca sublinhou que a economia local é alicerçada em boa parte na pequena pesca, sustento de muitas famílias e de muitas empresas. Uma situação favorecida pela situação do território de Caminha: “somos um concelho privilegiado em termos geográficos. Somos banhados pelo Oceano Atlântico, onde o primeiro pedaço de terra lusitana encontra o mar. Temos um rio internacional, o rio Minho, e dois rios com uma importância comunitária gigantesca, falo-vos do rio Âncora e do rio Coura. Por isso mesmo estas gentes sempre tiveram uma relação umbilical com a pesca”.

Rui Lages recordou os “bravos pescadores” que se fizeram ao mar na pesca do bacalhau, falou da relação da pesca com o desenvolvimento local, das necessidades económicas e dos inúmeros postos de trabalho. Referiu também problemas para reflexão, como a “elevada burocracia que um patrão tem de enfrentar para lançar as redes ao mar”, ou as exigências e requisitos que a União Europeia impõe - um desafio para se equilibrar sustentabilidade e subsistência.

O Presidente lembrou que, segundo as Nações Unidas, o setor das pescas emprega no mundo mais de 200 milhões de pessoas, mas ao mesmo tempo é cada vez mais difícil aliciar as novas gerações, deixando também estas questões para reflexão.

Rui Lages ainda abordou os dois assuntos que estão no centro das preocupações do Município, por um lado o Plano de Afetação para as Energias Renováveis, que se encontra em discussão pública, referindo que também ele trará novos desafios para as comunidades locais.

Por outro lado, falou do Portinho de Vila Praia de Âncora, questão a que Teresa Coelho responderia. Disse Rui Lages: “já há muito trabalho feito, mas precisa de financiamento. Os meus pescadores sabem que o mar é perigoso e que a tormenta é terrível, mas isso não os impede de se lançarem ao mar. Só queremos mais segurança, para fortalecer esta economia, tão importante”.

O Cineteatro dos Bombeiros Voluntários de Vila Praia de Âncora foi o local escolhido para a realização da segunda edição do Congresso da Pequena Pesca, que como referimos contou com a participação da Secretária de Estado das Pescas, Teresa Coelho, e reuniu responsáveis de vários setores ligados direta e indiretamente às pescas.

Depois da sessão de abertura, em que intervieram o Presidente da Câmara Municipal de Caminha, Rui Lages, o Presidente da Docapesca, Sérgio Faias e a Secretária de Estado das Pescas, Teresa Coelho, decorreu o primeiro painel, sobre “Perspetivas e Valorização da Pequena Pesca”. 

“Mulheres da Pesca” foi o tema do painel seguinte, tendo sido ainda apresentado no período da manhã o projeto “Embarcações movidas a gás natural”.

Os trabalhos foram retomados ao início da tarde, com o painel três, sobre “Desafios da Pequena Pesca Ibero-Americana”, seguindo-se o quarto e último painel deste congresso, sob o tema: “Potencialidades e desafios futuros”.

Com os trabalhos já a aproximarem-se do final, foi feita a entrega dos Prémios Distinção Personalidade do Setor, terminando o congresso com a sessão de encerramento e apresentação da Campanha de Promoção do Pescado Português. Intervieram ainda Teresa Coelho, a Secretária de Estado das Pescas, e Sérgio Faias, Presidente da Docapesca.

No fecho, Teresa Coelho elencou os temas mais discutidos e que merecem um aprofundamento, dizendo que levava deste Congresso um grande “caderno de encargos”.

A segunda edição do Congresso da Pequena Pesca, promovida pela Docapesca, foi uma iniciativa realizada em parceria com o Ministério da Agricultura e da Alimentação, e teve o apoio institucional da Associação Natureza Portugal/WWF e da Câmara Municipal de Caminha. Visou reunir organizações de produtores, associações de armadores, organizações não-governamentais, universidades e centros de investigação, para discutir temas como a valorização da pequena pesca, os seus desafios numa perspetiva ibero-americana, as mulheres na pesca, assim como as potencialidades e desafios futuros que se colocam e colocarão no setor.

CMCaminha-1828.jpg

CMCaminha-1869.jpg

CMCaminha-1880.jpg

III CONGRESSO INTERNACIONAL DE ENOGASTRONOMIA AMAR O MINHO FECHA COM BALANÇO EXTREMAMENTE POSITIVO

Caminha foi palco ativo de dois dias de debate e partilha de experiências e conhecimento

O III Congresso Internacional de Enogastronomia Amar o Minho encerrou no final da tarde de ontem com a presença do Secretário de Estado da Agricultura, Gonçalo Rodrigues, e um sentimento transversal aos diversos participantes: este foi um fórum de extraordinária importância, que trouxe ao concelho de Caminha experiências diversas e permitiu partilhar o que de melhor se está a fazer ao nível das políticas públicas, nas escolas, nas empresas, no setor social, na investigação e no conhecimento, em diversos países. Enogastronomia e Turismo foram, por outro lado, realidades que se tocaram constantemente nas diversas intervenções e temáticas, seja pelo que já está a ser feito, seja pelas potencialidades do território do Minho, num futuro que se exige sustentável e verdadeiramente coeso.

Capturare4 (12).JPG

Durante dois dias, Caminha acolheu congressistas de diversos países e convidados que puderam expor o seu trabalho e a sua experiência e dialogar com a plateia, porque todos os painéis incluíram debate. Na verdade, o congresso estendeu-se muito para além da sala do Museu Municipal de Caminha, sendo transmitido online em simultâneo com os trabalhos.

E este foi o segundo dia, porque no primeiro, os participantes estiveram a trabalhar em Argela, na Incubadora Verde, tendo tido igualmente oportunidade de conhecer este novo equipamento, que transformou a velha escola primária da freguesia, abandonada, num local onde o conhecimento e a ciência são bem-vindos e têm agora o papel principal.

No final da tarde, a comitiva pode ainda visitar e desfrutar do novo Mercado Municipal de Caminha, recém-inaugurado, e que demonstra ser de facto um equipamento polivalente e de excelência.

Regressando ao final dos trabalhos, recorde-se que o tema do Congresso foi “O Futuro Sustentável do Território”, não sendo de estranhar que a temática fosse o foco das diversas intervenções. Gonçalo Rodrigues, que fechou o Congresso, mostrou-se interessado em receber “notas” e/ou conclusões deste Congresso Internacional de Enogastronomia, que possam auxiliar no desenho das políticas, uma vez que não põde acompanhar os trabalhos. Lembrou que o que é nacional é mesmo bom, defendeu práticas sustentáveis, a par da inovação e do Turismo. O governante reforçou a necessidade de fixar as gentes nos territórios, valorizando-os, o que tem de ser conseguido também com a própria valorização das atividades. Gonçalo Rodrigues falou ainda do envolvimento das crianças, as novas gerações, da influência que a família e a escola podem exercer, dando como exemplo a sua própria família e o peso que preferências dos mais novos têm nas decisões.

A escola e a academia em geral estiveram aliás presentes em diversas intervenções, quer se falasse das refeições escolares, dos produtos que sustentam a gastronomia local, da investigação e dos projetos que estão a ser desenvolvidos nas universidades ou até de um novo curso superior, a licenciatura em Gastronomia e Artes Culinárias, que arrancou este ano letivo no IPVC, com todas as vagas preenchidas.

Na sessão de encerramento voltou a intervir o Presidente da Câmara de Caminha, Rui Lages, que agradeceu as diversas participações e disse desde logo que Amar o Minho não é difícil, quando estamos em presença de um território onde gentes, património e sabores de excelência (do rio, mar e terra) são fatores essenciais para um Turismo que se quer seletivo ou de proximidade, onde a questão da sustentabilidade tem de ser entendida em sentido amplo. Numa palavra um Turismo que é responsável, sendo também e em simultâneo sustentado e sustentável.

Rui Lages rejeitou um conceito de Turismo que tem por objeto explorar por explorar, defendendo um Turismo que se promove, que promove os seus produtos e os seus espaços, mas que, ao mesmo tempo, se cuida e cuida das pessoas. Um turismo, acrescentou o Presidente da Câmara de Caminha, que é inclusivo e que envolve agentes públicos, tecido empresarial, escolas e academia e as gentes, sempre as pessoas, sempre em coesão.

Capturare3 (13).JPG

Capturare1 (27).JPG

Capturare6 (5).JPG

Capturare2 (16).JPG

Capturare5 (26).JPG

CAMINHA: SECRETÁRIO DE ESTADO DA AGRICULTURA ENCERRA CONGRESSO INTERNACIONAL DE ENOGASTRONOMIA “AMAR O MINHO”

Capturaragr2.JPG

Em Caminha, o Secretário de Estado Gonçalo Rodrigues encerrou o III Congresso Internacional de Enogastronomia "Amar o Minho", organizado pelo Consórcio Minho Inovação, uma parceria singular entre 24 municípios, instituições de ensino e mais de 940 empresas e associações.

"Encontramos aqui a harmonização perfeita – a gastronomia, o vinho, os produtos endógenos, as raças autóctones, as paisagens, os espaços, o património, as tradições, as pessoas. E o ConsórcioMinhoInovação tem um papel fundamental no cumprimento desta missão, aliando territórios."

"Há, neste evento, muita da nossa ambição, presente nas estratégias e instrumentos financeiros. Transferir conhecimento é empoderar as comunidades, é promover a sustentabilidade como fator de competitividade, é reforçar confiança e garantir coesão territorial e social."

Fonte: Ministério da Agricultura e Alimentação

Capturaragr1 (6).JPG

CAMINHA ESTÁ A ACOLHER O III CONGRESSO INTERNACIONAL DE ENOGASTRONOMIA “AMAR O MINHO”

Caminha está a acolher o III Congresso Internacional de Enogastronomia “Amar o Minho”, centrado no “Futuro Sustentável do Território”. Hoje, o congresso está a decorrer no Museu Municipal de Caminha. Na abertura da sessão, o presidente da Câmara de Caminha, Rui Lages, realçou as qualidades e potencialidades do território do Alto Minho, enquanto território “Suis Géneris”: “as potencialidade que podemos encontrar num espaço geográfico tão pequeno, mas tão diverso são imensas: os nossos produtos endógenos, os nossos vinhos de referência, a nossa cultura gastronómica aliada ao saber de diversas gerações têm contribuído para o desenvolvimento da nossa região, mas se quisermos ser mais competitivos temos de encontrar parceiros que potenciem ainda mais tudo aquilo que de melhor temos. Falo do conhecimento, do conhecimento da ciência e no Minho temos politécnicos e universidades que devem contribuir para maximizar a sabedoria dos nossos antepassados, da nossa cultura popular”.

foto (6).jpg

A sessão de abertura contou ainda com a presença do presidente da Comunidade Intermunicipal do Alto Minho, Manoel Batista, e do presidente da CCDR Norte, António Cunha.

O congresso é organizado pelo Consórcio Minho INovação, com o apoio institucional do CISAS, unidade multidisciplinar de investigação do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC) no âmbito do projeto PA9. Enogastronomia: Sabores, Ofertas e Conhecimento, cofinanciado pelo Norte 2020.

Com a missão “Território Sustentável”, especialistas nacionais e internacionais, investigadores e agentes do território (governantes, chefs e produtores) estão reunidos desde ontem para trocar ideias e experiências, bem como traçar caminhos aos desafios que se colocam atualmente na Enogastronomia.

De facto, o Congresso Internacional de Enogastronomia “Amar o Minho” divide-se em três momentos. O primeiro passou pela visita, ao Alto Minho, de uma comitiva multidisciplinar francesa para aprofundar a gestão das cantinas escolares e a cadeia alimentar em alguns municípios – uma iniciativa inserida no projeto FEAST(Food systems that support transitions to healthy and sustainable diets) e que está a ser dinamizado pela Comunidade Intermunicipal do Alto Minho (CIM Alto Minho) e o IPVC.

Ontem, dia 25, a Incubadora Verde de Argela, acolheu um laboratório de ideias “Minho Food Design Thinking” que juntou chefs, produtores, investigadores, representantes municipais e consumidores, num espaço de inovação e criação para lançar soluções conjuntas para o futuro da gastronomia do Minho.

Hoje, no Museu vão passar os seguintes oradores: Anant Jani, Giorgia Dalla Libera Marchiori, Samuele Tonello, Elsa Chiffard, José Luis Cruz, João Luís de Sousa, Amalia Ochoa, Manuela Vaz Velho, Carlos Fernandes, Alexandre Nuno Vaz Baptista de Vieira e Brito, Alexandre Nuno Vaz Baptista de Vieira e Brito, Carlos Antunes.

A sessão de encerramento contará com a presença do secretário de Estado da Agricultura, Gonçalo Rodrigues.

CapturarCA6 (15).JPG

turismo_moncao01 (2).jpeg

CapturarCA5 (5).JPG

CapturarCA2 (26).JPG

CapturarCA1 (26).JPG

CapturarCA4 (23).JPG