Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

FAMALICÃO: MUSEU BERNARDINO MACHADO RELANÇA CICLO DE CONFERÊNCIAS PARA 2022

Post Rede Sociais.jpg

“Conspirações, Revoltas e Revoluções” é o tema da iniciativa que arranca já a 28 de janeiro

É já no próximo dia 28 de janeiro, que é retomado, no Museu Bernardino Machado, em Vila Nova de Famalicão, o ciclo de conferências “Conspirações, Revoltas e Revoluções na I República”, que foi interrompido devido à pandemia. A primeira conferência tem como tema “O 5 de Outubro de 1910” e conta com a oradora convidada, Ana Paula Pires, doutorada em História, especialidade de História Económica e Social Contemporânea, pela NOVA-FCSH.

Até ao final do ano, serão realizadas nove conferências, mensalmente (com exceção dos meses de julho e agosto) sempre à sexta-feira, e com início marcado para as 19h00. A entrada é livre e dá direito a um certificado de presença. Este evento científico está acreditado para os professores dos grupos disciplinares 200 e 400. Será necessária a apresentação do Certificado Digital COVID ou de comprovativo de realização laboratorial de teste com resultado negativo. Inscrições e mais informações no seguinte link https://bit.ly/cicloconferencias2022mbm

De acordo com o coordenador científico do Museu Bernardino Machado, Norberto Cunha, “a eleição da temática Conspirações, revoltas e revoluções na I República (1910-1926) deve-se a circunstâncias fáceis de reconhecer num mundo contemporâneo onde a violência armada tem sido uma constante nas “nações” e onde não cessam de ser notícia revoluções, revoltas e conspirações que nelas surgem. É verdade que estas modalidades de violência não se confundem com as que ocorreram no século XIX e XX”, explica o responsável, referindo que “o que realmente nos importa com esta temática é em 1º lugar, procurar compreender porque é que os adversários políticos recorrem à violência armada e não à negociação e ao gradualismo politico para solucionar os seus conflitos; em 2º lugar, que conexões podem estabelecer-se entre esses conflitos e as ideias de Estado-nação e de nacionalismo; em 3º lugar, perceber se esses confrontos são uma expressão da evolução social (e, nessa medida, inevitáveis) ou expressão de vontades livres, mais ou menos individuais (e, nessa medida, confrontos evitáveis); em 4º lugar, que motivações--e de que natureza--estiveram na origem das principais revoltas, revoluções e conspirações que ocorreram entre nós, de 1910 a 1926”.

Norberto Cunha refere ainda a ligação entre a temática das conferências e o patrono do Museu Bernardino Machado “que foi não só vítima de algumas dessas revoltas e revoluções (como a  de Mafra, em 1914; a de Sidónio Pais em 1918; a de Maio de 1921; e a do 28 de Maio de 1926) como discorreu e se pronunciou, amplamente, sobre elas, inclusive, no plano doutrinal”.

PROGRAMA

Ciclo de Conferências

"Conspirações, revoltas e revoluções (de 5 de outubro de 1910 a 28 de maio de 1926)”

1 – “O 5 de outubro de 1910”

Conferencista: Ana Paula Pires

Data: 28 de janeiro

Hora: 19h00

Local: Museu Bernardino Machado

 

2 – “O Movimento Revolucionário republicano-radical do capitão Lima Dias (27 de abril de 1913)

Conferencista: Norberto Cunha

Data: 25 de fevereiro

Hora: 19h00

Local: Museu Bernardino Machado

 

3 – “A Revolta de 14 de Maio de 1915”

Conferencista: Luís Bigotte Chorão

Data: 18 de março de 2019

Hora: 19h00

Local: Museu Bernardino Machado

 

4- “Das incursões couceiristas à Monarquia do Norte (1910-1919)”

Conferencista: Miguel Santos

Data:  22 de abril

Hora: 19h00

Local: Museu Bernardino Machado

 

5- “O golpe sidonista de 5 de Dezembro de 1917”

Conferencista: Alves de Fraga

Data:  27 de maio

Hora: 19h00

Local: Museu Bernardino Machado

 

6 - “A revolta de 19 de Outubro de 1921”

Conferencista: António José Queiroz

Data: 24 de junho

Hora: 19h00

Local: Museu Bernardino Machado

 

7 – “A revolta de 18 de Abril de 1925”

Conferencista: Ernesto Castro Leal

Data: 23 de setembro

Hora: 19h00

Local: Arquivo Municipal

 

8 – “A intentona radical de 1 de Fevereiro de 1926”

Conferencista: Manuel Baiôa

Data: 21 de outubro

Hora: 19h00

Local: Arquivo Municipal

 

19 de novembro de 2022 (Arquivo Municipal)

Arnaldo Madureira

 

9 – “A revolução de 28 de Maio de 1926”

Conferencista: Arnaldo Madureira

Data: 19 de novembro

Hora: 19h00

Local: Arquivo Municipal

A FELICIDADE NAS ORGANIZAÇÕES EDUCATIVAS EM DEBATE NA BIBLIOTECA MUNICIPAL DE BARCELOS

“A Felicidade nas Organizações Educativas” é o tema do colóquio ministrado pela formadora Lurdes Neves, que se realiza amanhã (11 de dezembro), entre as 9h30 e as 11h30, na Biblioteca Municipal de Barcelos, via ZOOM, através do seguinte link: https://us02web.zoom.us/j/81894327980?pwd=cWl2R0xSTURIWGhDck5XckZ5Yy9OQT09

Entre outros, vão ser abordados o conceito de felicidade, estratégias e aplicações e aplicações práticas referentes ao livro “Pilares da Felicidade”, da autoria de Lurdes Neves.

A participação é gratuita e as inscrições poderão ser remetidas para sabebarcelos@gmail.com. O público-alvo são professores, educadores e comunidade educativa.

Informações adicionais:

Maria de Lurdes Gomes Neves, licenciada em Psicologia pela Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto, realizou o doutoramento em Psicologia, com especialização em Psicologia da Educação e em Psicologia das Organizações pela mesma faculdade. É docente do ensino superior com colaboração em diversas instituições e autora da marca registada de Coaching para Docentes.

Especialista em formação nas áreas de Liderança, Avaliação de Desempenho, Gestão de Trabalho em Equipa, Gestão de Conflitos, Formação Pedagógica Inicial e Contínua de Formadores, Diagnóstico, Conceção, Avaliação e Gestão da Formação, Motivação, Liderança de Equipas e Coaching com públicos diversificados do setor público como a CMP, IPO ou o Centro Hospitalar de Santo António.

É consultora na área de Gestão de Recursos Humanos e de Liderança e desenvolvimento de competências pessoais e interpessoais em contextos públicos e privados, assim como consultora especializada em recursos humanos, seleção e recrutamento em agrupamentos de escola para o desenvolvimento de liderança estratégica, implementação de autonomia e flexibilidade curricular e diferenciação pedagógica em sala de aula. Foi investigadora no Centro de Psicologia da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto e autora de escalas de perceção de liderança e motivação no trabalho adaptadas a Portugal.

É ainda autora de diversas comunicações e publicações nacionais e internacionais na área da liderança, coaching, mudança organizacional, educação e formação profissional.

CELORICO DE BASTO RECEBEU CONFERÊNCIA COM O TEMA “TURISMO, GASTRONOMIA E VINHOS: UMA VISÃO NO TÂMEGA – CELORICO DE BASTO EM DEBATE”

Decorreu este sábado, 4 de dezembro, no auditório do Centro Cultural Marcelo Rebelo de Sousa, a conferência que procurou mostrar um pouco do muito que Celorico de Basto tem para oferecer ao nível do Turismo, gastronomia e vinhos. Uma iniciativa da Associação Tameobris em parceria com o Município de Celorico de Basto.

_DSC3811.JPG

Maria José Marinho, Vereador do Turismo da Câmara Municipal de Celorico de Basto, impossibilitada de estar presente por motivos pessoais não deixou de observar que “o turismo apresenta-se, neste território, como uma cadeia de valor incalculável onde é preciso trabalhar em rede, numa interligação de sinergias para conseguir imprimir a notoriedade que este concelho precisa tendo em conta os produtos de excelência que aqui existem”. Para a autarca “o caminho a trilhar terá que ser sempre um caminho de união em prol de um bem comum, o crescimento concertado do turismo em todas as suas vertentes.

Esta é a 4 conferência promovida pela entidade Tameobris tendo já decorrido em Penafiel, Marco de Canaveses e Amarante, com término agendado para o início de 2022 em Mondim de Basto, e iniciou com uma apresentação musical a cargo da Academia de Música de Basto.

  Na organização da iniciativa, pela Tameobris, Dinis Cardoso, disse-nos que “ temos 1 ano de existência e decidimos organizar este ciclo de conferências para nos darmos a conhecer e também para conhecermos melhor o território onde pretendemos atuar, nos 5 municípios. Por isso, decidimos pegar no turismo, gastronomia e vinhos, discuti-los e conhecer a realidade de cada concelho”. A seguir, “pretendemos trabalhar lado a lado com o turismo, as camaras municipais, os produtores de vinho para desenvolver uma estratégia de melhor promoção e divulgação deste território”.

Durante a sessão a técnica de Turismo do Município de Celorico de Basto, Maria das Dores Vieira, apresentou as rotas onde o concelho está inserido, a Rota do Românico e a Rota dos Jardins Históricos, a marcas registadas (Celorico de Basto Capital das camélias), as campanhas promocionais internacionais, nacionais e locais, as atividades culturais de maior destaque, os percursos pedestres/pequenas rotas, a ecopista, e todo o valor turístico associado a cada ação, numa discriminação pormenorizada do valor que o turismo tem na região e da notoriedade que vai conseguindo com ações concertadas.

A ação contou também com a apresentação da Escola Profissional Agrícola Eng Silva Nunes, “a mais importante fábrica da região” desde os cursos que leciona, as valências, as ações de divulgação, os fatores de atratividade para os alunos e para a região, à organização interna, à importância na formação de homens e mulheres para um futuro brilhante, “desaproveitado a nível interno, com grande parte destes alunos a ter que emigrar sobretudo para o Luxemburgo, por apresentarem melhores condições para acolher este recursos humanos cheios de potencial” disse o diretor da Escola, Fernando Fevereiro. Isso “tem vindo a contribuir para o desaparecimento dos jovens do interior, e há necessidade urgente de fixar essas populações, temos que mudar a tendência da emigração”.

Os vinhos e o Enoturismo foram representados pela “empresa mais premiada de vinhos verdes da região”, a Quinta de Sta. Cristina, tendo António Pinto, proprietário, apresentado um pouco desta entidade que iniciou atividade em 2002 após perceber “a potencialidade desta sub-região”. António Pinto salientou a importância do trabalho em parceria, “temos que olhar para esta região como um todo, unirmo-nos e perceber que temos à nossa frente um mundo para descobrir, afinal temos todas as condições para, nos próximos 10 anos sermos a melhor região, com os melhores vinhos verdes e o melhor enoturismo”.

António Pinto iniciou com 3 hectares de vinha e com predominância das castas autóctones mas cedo percebeu que “com um microclima excecional” era necessário introduzir outras castas de outras sub-regiões, o alvarinho, o loureiro o avesso… “Não devemos atormentarmo-nos por outras regiões terem mais notoriedade mas devemos promover verdadeiramente esta região pelo seu grande potencial”. Lançou-se no Enoturismo em 2015 e em 2019 já tinham recebido entre 3000 a 4000 pessoas. “Fazemos o nosso produto com toda a qualidade mas é preciso saber vendê-lo e vende-lo bem para poder pagar, e ao ganhar os vinhos, ganha a gastronomia, a hotelaria e toda a comunidade”.

Por fim e não menos importante, o Restaurante Nova vila, por António Sousa, proprietário, fez uma apresentação relativa à gastronomia local com especial enfoque aos pratos que tradicionalmente são concessionados no restaurante. A vitela assada, o cozido à portuguesa, a feijoada, o bacalhau, numa conjugação perfeita entre a gastronomia e os vinhos da região. Referiu ainda que, todas as ações promocionais gastronómicas que o Município participe ou organize, são muito importantes para a divulgação da nossa gastronomia e para a captação de novos clientes.

No final das apresentações os presentes foram sujeitos a debate com várias questões a serem colocadas aos intervenientes.

Esta conferência encerrou com uma pequena mostra algumas iguarias e vinhos da região que puderam ser degustados por todos os participantes.

_DSC3826.JPG

_DSC3842.JPG

_DSC3853.JPG

_DSC3859.JPG

AECT RIO MINHO PROMOVE ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE A VALORIZAÇÃO DO PATRIMÓNIO CULTURAL IMATERIAL

O encontro reúne nove sócios do projeto europeu LIVHES, ao qual pertence o AECT Rio Minho, e pretende discutir a cultura imaterial como elemento de desenvolvimento local.

Sampaio da Nóvoa_IntervençãoAECTRIOMINHO.jpg

O território do Rio Minho transfronteiriço é anfitrião do Encontro Internacional “A Cultura Imaterial como elemento de desenvolvimento local. O património Cultural Imaterial a partir do Rio Minho transfronteiriço”, com a duração de 3 dias. O encontro reúne os nove beneficiários do projeto LIVHES, co-financiado pelo Programa Interreg Sudoe, no qual se engloba o AECT Rio Minho, que tem como principal objetivo o debate sobre a cultura imaterial como elemento de desenvolvimento local e coesão territorial. Ao longo destes 3 dias serão desenvolvidas mesas de discussão técnica do projeto, um encontro de intercâmbio de experiências, terminando com uma visita a casos de património cultural imaterial do território do Rio Minho Transfronteiriço.

O encontro realizou-se na Escola Superior de Ciências Empresariais, ESCE-IPVC, em Valença, durante o dia de hoje (25 de novembro), numa sessão de troca e reflexão de ideias, que se concretizará futuramente num guia prático para a valorização do Património Cultural Imaterial. Na sessão de abertura do Encontro Internacional estiveram presentes o Presidente da Câmara Municipal de Valença, José Carpinteira que deu as boas vindas aos conferencistas e identificou “a existência de um vasto património cultural imaterial no Concelho de Valença e no território transfronteiriço que deve ser preservado, em especial a arte da pesca nas pesqueiras do Rio Minho”, e o Diretor do AECT Rio Minho, Rui Teixeira que destacou “a importância do trabalho desenvolvido pelo AECT Rio Minho na captação de fundos europeus em prol da preservação e valorização do Património Cultural Imaterial do Rio Minho transfronteiriço e no fomento de raízes cada vez mais sólidas neste território, sendo exemplo disso mesmo o presente projeto entre outras iniciativas anteriormente desenvolvidas, designadamente a candidatura A Pesca nas Pesqueiras do Rio Minho ao Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial”. Para conclusão da sessão de abertura foi transmitido um vídeo do Professor António Sampaio da Nóvoa, Embaixador de Portugal na UNESCO, que realçou “a partilha de práticas culturais transfronteiriças ao longo do Rio Minho, e por isso vos quero felicitar por esta iniciativa (...) que vai construindo um caminho de futuro no domínio da cultura”.

O projeto LIVHES é co-financiado pelo Interreg Sudoe, participando 9 entidades públicas, institutos universitários e centros de investigação de Espanha, França e Portugal, e pretende responder a uma necessidade europeia e a um desafio territorial partilhado pelas áreas pouco povoadas do sul da Europa, identificando o Património Cultural Imaterial reconhecido pela Unesco como instrumento de desenvolvimento.

José Carpinteira_IntervençãoAECTRIOMINHO.jpeg

Rui Teixeira_IntervençãoAECTRIOMINHO.jpeg

VIANA DO CASTELO: CENTRO DE ESTUDOS REGIONAIS PROMOVE DEBATE SOBRE "O ESPAÇO DA RELIGIÃO E A RELIGIÃO NO ESPAÇO"

Mesa Redonda: “O espaço da religião e a religião no espaço”

O Centro de Estudos Regionais, o Núcleo Antropologia da Religião/CRIA e o Curso de Licenciatura em Design de Ambientes do IPVC organizam no próximo dia 2 de dezembro (quinta-feira), às 16.00 horas, a mesa redonda “O espaço da religião e a religião no espaço”. A mesa redonda, por videoconferência, contará com a presença de Eugenia Roussou, Anastasios Panagiotopoulos e Joana Martins, sendo moderada por Pedro Pereira.

Espaço_Religião.jpg

Eugenia Roussou apresentará uma comunicação intitulada “Religião e espiritualidade no/como espaço privado, público e remoto: uma comparação luso-grega”; Anastasios Panagiotopoulos tratará o tema “O espaço “secular” entre a religiosidade contemporânea e a sociedade” e Joana Martins “A Terra é o Todo, e o Todo é sagrado: a expressão do espaço no contexto do Paganismo Contemporâneo em Portugal”.

Sobre os conferencistas

Eugenia Roussou é antropóloga e investigadora integrada do Centro em Rede de Investigação em Antropologia (CRIA), Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL). A sua investigação concentra-se na religiosidade contemporânea do sul da Europa (Portugal, Grécia), com um foco especial na chamada espiritualidade "alternativa", pluralismo religioso e criatividade espiritual.

Anastasios Panagiotopoulos é investigador sénior do Centro em Rede de Investigação em Antropologia/FCSH-Universidade Nova de Lisboa. Tem realizado pesquisas sobre a religiosidade afro-cubana em Cuba e na Península Ibérica, bem como sobre a religiosidade e espiritualidade contemporâneas no Sul da Europa.

Joana Martins é licenciada e mestre em Antropologia pelo Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL), trabalhou durante o mestrado sobre movimentos de Paganismo Contemporâneo em Portugal, nomeadamente a vivência e celebração cíclica e a sua relação com questões ecológicas. Atualmente, está a desenvolver uma investigação de doutoramento em Antropologia no Iscte-Instituto Universitário de Lisboa, financiada por uma bolsa de doutoramento da FCT – Fundação para a Ciência e Tecnologia, sobre Paganismo e Bruxaria Contemporânea em Portugal e no Reino Unido e a sua presença e impacto no espaço político e público, principalmente no que toca a questões ambientais e de igualdade de género.

A participação no evento é livre.

A ligação para o encontro é https://videoconf-colibri.zoom.us/j/81641898628?pwd=eHl0dTZveElVYStTK3lpTXdLckZmQT09 (ID da reunião: 816 4189 8628; Senha de acesso: 874452)

Os interessados em obter um certificado de participação devem preencher o seguinte formulário até ao dia 30 de novembro: https://forms.gle/Ht7ULbJ8T5hKsjEA6

Para acompanhe todas as notícias sobre o evento aceda a https://www.facebook.com/estudosregionais ou https://www.instagram.com/cestudosregionais/.

A Direção do Centro de Estudos Regionais

FAMALICÃO: MÁRIO PASSOS ABRE ENCONTROS DE OUTONO

Sexta-feira, 19 de novembro, pelas 09h30

O presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Mário Passos, convida os órgãos de comunicação social para a sessão de abertura dos «Encontros de Outono» do Museu Bernardino Machado, a realizar sexta-feira, dia 19 de novembro, pelas 09h30, na Fundação Cupertino Miranda, em Famalicão.

«Conspirações, revoltas e revoluções em Portugal (1927-1974)» é o tema deste ano dos Encontros de Outono, um colóquio organizado pelo Museu Bernardino Machado, que decorre no auditório da Fundação Cupertino de Miranda, nos dias 19 e 20 de novembro, que inclui palestras realizadas por investigadores da Universidade Nova de Lisboa, Universidade de Paris 8, Universidade de Coimbra, Instituto Universitário de Lisboa e Instituto Politécnico de Setúbal.

Cartaz-Encontros-de-Outono.jpg

FAMALICÃO: ANA PLÁCIDO É TEMA DE CONFERÊNCIA SOBRE A MULHER NO MINHO OITOCENTISTA

Iniciativa que decorre no próximo sábado, 20 de novembro, pelas 16h00, em São Miguel de Seide insere-se no Ciclo de Conferências organizado pelo Consórcio Minho Inovação

“A Mulher no Minho Oitocentista: o caso de Ana Plácido” é o tema da próxima conferência do ciclo “Estórias do Minho – Narrativas no Feminino de uma Geografia Identitária”, que vai decorrer no sábado, 20 de novembro, pelas 16h00, no auditório da Casa de Camilo, em São Miguel de Seide.

FOTO de Ana Plácido.jpg

O ciclo de conferências que arrancou no início de 2020 é organizado pelo Consórcio Minho Inovação, que integra as três Comunidades Intermunicipais do Alto Minho, Cávado e Ave, e que foi criado no âmbito do projeto âncora «PA2. Touring Cultural – Identidade Cultural do Minho», cofinanciado pelo Programa Norte 2020.

Com este Ciclo de Conferências, que está a percorrer os 24 municípios do Minho, pretende-se valorizar um olhar inovador sobre a herança cultural do Minho rememorada no feminino, enquanto sociedade de forte tradição matriarcal, propiciando uma narrativa congregadora de saberes e valores identitários que importam estudar, conhecer, cuidar, preservar, valorizar e divulgar. Para a realização das conferências, são convidadas personalidades académicas com trabalho de investigação de relevo no assunto em análise: “Identidade Cultural do Minho”. Além de fornecer aos participantes os conteúdos sobre os temas propostos, a organização pretende promover uma experiência identitária do território, através da dinamização de um momento cultural ligado a cada uma das conferências.

A conferência de Famalicão estará a cargo de Irene Maria de Montezuma de Carvalho Mendes Vaquinhas, Professora Catedrática da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, e subordinar-se-á ao tema “As mulheres na família e na sociedade do século XIX”. Tendo como ponto de reflexão a figura de Ana Augusta Plácido, a maior especialista da História da Vida Privada em Portugal irá debruçar-se sobre o papel das mulheres do Minho oitocentista, quer ao nível das relações de poder e de afeto no seio familiar, quer no respeitante ao modo como as mulheres podiam ou se deviam comportar em sociedade segundo os padrões, sobretudo morais, da época.

Esta sessão contará com outras duas intervenções. A primeira será realizada por Luciene Marie Pavanelo, da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Brasil, que falará sobre “A mulher “real” do Minho versus as “donzelinhas dos romances”: o retrato de Tomásia, por Camilo Castelo Branco”, com a intenção de apresentar uma imagem positiva de Tomásia, como uma mulher forte, em contraposição ao imaginário romântico de Silvestre. A segunda, da responsabilidade de João Paulo Braga, Investigador do Centro de Estudos Filosóficos e Humanísticos da Universidade Católica Portuguesa, focar-se-á na poesia que Camilo Castelo Branco dedicou a Ana Plácido e que inspirou músicos a comporem trechos musicais de relevante interesse. A sessão será moderada pelo Diretor da Casa de Camilo e do Centro de Estudos Camilianos, José Manuel de Oliveira.

Durante a atividade, acontecerão dois momentos musicais, da responsabilidade de Rui Mesquita, onde se interpretarão composições oitocentistas, e será representado, pela atriz Ana Paula Borges Pinto, o texto «Ana Plácido em São Miguel de Seide», da autoria do escritor A. M. Pires Cabral.

A participação neste evento, seja presencial ou através do Facebook da Casa de Camilo, é gratuita, mas carece de inscrição prévia. Os interessados poderão fazê-lo através do número de telefone 252.309.750 ou do endereço eletrónico geral@camilocastelobranco.org

A MULHER NO MINHO OITOCENTISTA

O caso de Ana Augusta Plácido

Programa

20 de novembro de 2021 – 16h00

São Miguel de Seide – Auditório do Centro de Estudos Camilianos

16h00 – Sessão de abertura

Em representação do Consórcio Minho Inovação:

Júlio Pereira – Primeiro Secretário da CIM Alto Minho

Luís Macedo – Primeiro Secretário da CIM Cávado

Marta Coutada – Primeira Secretária Executiva da CIM Ave

José Manuel de Oliveira – Diretor da Casa de Camilo e do Centro de Estudos Camilianos

Pedro Oliveira – Vereador da Cultura da Câmara Municipal de V. N. de Famalicão

16h10 – Momento musical

Romance – Arthur Napoleon

Piano – Rui Mesquita

Mazurka – E. A. Vianna

Piano – Rui Mesquita

Dança – Diana Leal

16h20 – Conferência

As mulheres na família e na sociedade do século XIX

Irene Maria de Montezuma de Carvalho Mendes Vaquinhas – Doutorada em História e Professora Catedrática da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Investigadora Integrada do Centro de História da Sociedade e da Cultura.

16h50 – Momento teatral

Ana Plácido em São Miguel de Seide

Texto de A.M. Pires Cabral

interpretado pela atriz Ana Paula Borges Pinto

17h00 – Mesa Redonda

Irene Maria de Montezuma de Carvalho Mendes Vaquinhas – Doutorada em História e Professora Catedrática da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Investigadora Integrada do Centro de História da Sociedade e da Cultura.

Luciene Pavanelo – Professora de Literatura Portuguesa da Universidade Estadual Paulista (UNESP), no Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas do Campus de São José do Rio Preto, São Paulo, Brasil.

João Paulo Braga – Docente e Investigador do Centro de Estudos Filosóficos e Humanísticos da Universidade Católica Portuguesa.

José Manuel de Oliveira (Moderação) – Diretor da Casa de Camilo e do Centro de Estudos Camilianos. Investigador do CITCEM da Faculdade de Letras do Porto.

17h30 – Momento musical

Ó fonte que estais chorando – Francisco Lacerda

Piano – Rui Mesquita

Voz – Maria Gil

Valsa Rosa

Piano – Rui Mesquita

Violino – Mariana Domingues

17h45 – Sessão de Encerramento

Pedro Oliveira – Vereador da Cultura da Câmara Municipal de V. N. de Famalicão

PONTE DE LIMA PROMOVE CONFERÊNCIA "TERESA, INFANTA DE LEÃO E CONDESSA DE PORTUCALE"

Conferência "Teresa, infanta de Leão e condessa de Portucale", no Museu dos Terceiros, a 27 de novembro

D. Teresa, a fundadora de Ponte de Lima, será a protagonista da Conferência “Teresa, infanta de Leão e condessa de Portucale”, da autoria do Professor Luís Carlos Amaral, no próximo dia 27 de novembro, no Museu dos Terceiros, às 15h30.

A palestra integra o Ciclo de Conferências “Estórias do Minho – Narrativas no Feminino de uma Geografia Identitária”, no âmbito do projeto âncora “PA2. Touring Cultural – Identidade Cultural do Minho”, cofinanciado pelo Norte 2020 e promovido pelo Consórcio Minho Inovação, que integra as três Comunidades Intermunicipais do Alto Minho, Cávado e Ave.

Esta 19.ª conferência, a realizar em Ponte de Lima, pretende constituir um momento de reflexão sobre a figura de Teresa de Leão, que continua hoje a despertar um significativo interesse, que resulta grandemente do relevante papel que teve na configuração política do Noroeste hispânico, nas décadas que imediatamente antecedem a formação de Portugal. Uma revisitação dos principais momentos do seu governo permitirá compreender melhor a força e a capacidade interventiva que caracterizaram a sua personalidade. 

A conferência irá contar com a participação de um reputado painel de investigadores, constituído por Luís Carlos Amaral, Professor Auxiliar do Departamento de História da Faculdade de Letras da Universidade do Porto e  investigador do CITCEM, por Arnaldo Sousa e Melo, Professor Auxiliar com Agregação do Departamento de História do Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho, e por Maria Joana Costa Gomes, Investigadora do Instituto de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto. A mesa redonda será moderada por Maria Amélia Ribeiro de Carvalho, docente no Instituto de Letras e Ciências Humanas da Universidade do Minho.

Esta sessão contará ainda com a participação do Grupo Vocal Ançable que interpretará trechos musicais do século XII do reino de Leão.

Esta sessão será transmitida on-line através  link: https://www.facebook.com/municipiopontedelima

O Ciclo de Conferências que percorre os 24 municípios do Minho pretende valorizar um olhar inovador sobre a herança cultural do Minho rememorada no feminino, enquanto sociedade de forte tradição matriarcal, propiciando uma narrativa congregadora de saberes e valores identitários que importam estudar, conhecer, cuidar, preservar, valorizar e divulgar. 

Seguem-se ainda, no mês de novembro, uma conferência em Mondim de Bastos, no dia 29, e em dezembro, em Arcos de Valdevez, no dia 4, em Braga, no dia 8, em Paredes de Coura, no dia 10, e em Valença, no dia 11.

A participação nestas sessões é gratuita, contudo solicitamos que a inscrição seja efetuada através do link www.minhoin.com, de forma a procedermos à respetiva reserva.

cartaz (2)teresapl.png

AMARES PROMOVE "ENCONTROS DA PSICOLOGIA"

O Município de Amares vai promover, no próximo dia 17 de novembro, sob o mote "Encontros da Psicologia", um encontro entre técnicos dos projetos de intervenção na área da psicologia, que se encontram a ser desenvolvidos no concelho, por várias entidades. A iniciativa vai decorrer entre as 9:30h e as 13:00h, no Salão Nobre dos Paços do Concelho.

Este evento será dinamizado pelos vários psicólogos que estão na linha da frente das intervenções que estão a ser desenvolvidas e pretende ser um momento de partilha e de conhecimento mútuo entre técnicos de projetos e intervenções psico-sociais. A entrada é livre.

CONFERÊNCIA | “FUGIR DO MUNDO E FUNDAR PORTUGAL - O ‘MARTÍRIO VERDE’ DE SANTA SENHORINHA NO SEU MOSTEIRO DE SÃO JOÃO DE VIEIRA”

A Câmara Municipal de Vieira do Minho, em parceria com o Consórcio Minho Inovação, vai organizar uma conferência subordinada ao tema “Fugir do Mundo e Fundar Portugal - O 'Martírio Verde' de Santa Senhorinha no seu Mosteiro de São João de Vieira”.

Casa_lamas.JPG

Este evento vai decorrer no próximo dia 14 de novembro, pelas 15h30, na Casa da Cultura de Vieira do Minho - Casa de Lamas. Este integra a ação Ciclo de Conferências “Estórias do Minho – Narrativas no Feminino de uma Geografia Identitária” inserida no projeto âncora “PA2. Touring Cultural – Identidade Cultural do Minho”, cofinanciado pelo Norte 2020.

A conferência irá contar com a participação de um reputado painel de investigadores, constituído por José Carlos Lopes de Miranda, professor auxiliar da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Católica Portuguesa; por Aida Sampaio Lemos, professora e investigadora no Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, e Maria Sofia Santos arquiteta, investigadora e professora na Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto. A mesa redonda será moderada por Maria Amélia Ribeiro de Carvalho, docente da Universidade do Minho.

Esta sessão será transmitida on-line através link seguinte: https://pt-pt.facebook.com/vieiradominho.municipio/

Neste Ciclo de Conferências, que percorre os 24 municípios do Minho, pretende-se valorizar um olhar inovador sobre a herança cultural do Minho rememorada no feminino, enquanto sociedade de forte tradição matriarcal, propiciando uma narrativa congregadora de saberes e valores identitários que importam estudar, conhecer, cuidar, preservar, valorizar e divulgar.

JORNADAS INTERNACIONAIS DE ETNOGRAFIA - LEIRIA 2021

Estão abertas as inscrições gratuitas (culturapopular@cm-leiria.pt) para as “Jornadas Internacionais de Etnografia – Leiria 2021” (JIEL 2021) que terão lugar no Auditório do Museu Etnográfico do Freixial, Arrabal, Leiria, no dia 20 de novembro de 2021, numa organização do Município de Leiria / Agromuseu tendo a parceria da Fundação INATEL, a colaboração do CEPAE e várias instituições, na sua maioria de âmbito internacional. 

As jornadas surgem da necessidade de aprofundar o estudo amplo da Etnografia, apresentando fontes de conhecimento de diversas áreas e valências, oriundas de vários lugares do mundo, tendo como base a pesquisa e investigação dos historiadores, antropólogos e investigadores que aprofundam o seu trabalho, incluindo o estudo no terreno, com o intuito de valorizarem, através da pesquisa e registo, as tradições, as tendências e as capacidades dos povos.  

Como tal, o Município de Leiria reúne, nestas Jornadas, um conjunto de estudiosos, aliados a temas de interesse transversal e instituições académicas e culturais com referência mundial.  

A sessão de abertura, pelas 09h30, contará com as intervenções do presidente da Câmara Municipal de Leiria (Gonçalo Lopes), do Presidente do Politécnico de Leiria (Rui Pedrosa), do Presidente da Fundação INATEL (Francisco Madelino), da Presidente da Junta de Freguesia do Arrabal (Helena Brites) e do coordenador das JIEL 2021 (Adélio Amaro).  

Serão três os painéis destas Jornadas, com palestrantes oriundos do Brasil, do Chile, da Grécia, do México e de Portugal (incluindo Açores), abordando os temas: “Olhares Antropológicos: Da Pesquisa ao Terreno”; “Música Tradicional, Processos de Promoção e Salvaguarda” e “Editar a Memória como Construção do Futuro” (painel INATEL). 

As JIEL 2021 são uma aposta forte do Município de Leiria, tendo a parceria da Fundação INATEL e a colaboração de um conjunto de instituições de enorme relevo e forte credibilidade, nomeadamente Politécnico de Leiria; Mosteiro da Batalha / DGPC – Direção Geral do Património Cultural; Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina (Brasil); Sociedade Iberoamericana de Antropologia Aplicada, Salamanca (Espanha); Grupo de Investigación en Mvseus y Patrimonio Iberoamericano (Espanha); Centro do Património da Estremadura (Portugal); Associação Folclórica da Região de Leiria – Alta Estremadura; Museu Etnográfico do Freixial; Casa-Museu da Magueigia, Santa Catarina da Serra; Associação Bajouquense para o Desenvolvimento; Academia de Letras e Artes de Paranapuã, Rio de Janeiro (Brasil); Académi des Lettres et Arts Luso-Suisse (Suíça); Eco Academia de Letras, Ciências e Artes de Terezópolis de Góiás (Brasil) e In/Comparáveis Agência (Brasil).  

Para marcar presença nestas Jornadas é fundamental fazer registo (gratuito), para que a inscrição presencial fique confirmada, através do e-mail culturapopular@cm-leiria.pt

02b.-CARTAZ-GERAL_JORNADAS-ETNOGRAFIA_REDES-SOCIAI

02b.-CARTAZ-PROGRAMA_JORNADAS-ETNOGRAFIA_REDES-SOC

FAMALICÃO: CONSPIRAÇÕES, REVOLTAS E REVOLUÇÕES EM DESTAQUE NOS ENCONTROS DE OUTONO DO MUSEU BERNARDINO MACHADO

«Conspirações, revoltas e revoluções em Portugal (1927-1974)» em debate nos dias 19 e 20 de novembro

«Conspirações, revoltas e revoluções em Portugal (1927-1974)» é o tema deste ano dos Encontros de Outono, um colóquio organizado pelo Museu Bernardino Machado, que decorre no auditório da Fundação Cupertino de Miranda, nos dias 19 e 20 de novembro.

AFS_3216.jpg

As palestras previstas no colóquio serão realizadas por investigadores da Universidade Nova de Lisboa, Universidade de Paris 8, Universidade de Coimbra, Instituto Universitário de Lisboa e Instituto Politécnico de Setúbal. As sessões abordam desde «Reflexões sobre conspirações, revoltas e revoluções contra a Ditadura Militar e o Estado Novo (1927-1974)» pelas palavras de Fernando Rosas, da Universidade Nova de Lisboa, até «As conspirações da oposição republicana no exílio na década de 30. Esperanças e desilusões» por Cristina Clímaco, da Universidade de Paris 8.

A ligação da temática ao Museu, prende-se com o facto de o patrono deste, Bernardino Machado, ter sentido de perto algumas destas revoltas e revoluções na I República, sendo de salientar a revolução de 28 de Maio de 1926 que o levou a renunciar ao exercício do cargo de Presidente da República, e a exilar-se em França, a partir de 1927, de onde combateu a ditadura do Estado Novo no plano doutrinal e liderando a Liga de Paris.

As inscrições para o colóquio já estão abertas e decorrem até ao dia 17 de novembro através do link https://forms.gle/HGNkkGQ28jLbFpuv5 . O evento é aberto ao público em geral, e está certificado como Ação de Longa Duração pelo CFAEVNF - Centro de Formação Associação de Escolas de Vila Nova de Famalicão para os grupos disciplinares de história, geografia, português e economia.

Mais informações no site: www.bernardinomachado.org

RICARDO RIO, PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGA PARTICIPOU NA CONFERÊNCIA SOBRE O FUTURO DA EUROPA WORKSHOP DIGITAL "EDC-LOCAL SOBRE EMPREENDEDORISMO NOS MUNICÍPIOS

Proximidade e participação cívica são elementos determinantes para alcançar Desenvolvimento Sustentável

A proximidade entre as autoridades locais e os cidadãos, a consciencialização cívica e o alinhamento estratégico com as diversas instituições, são os principais factores para que as cidades possam alcançar os Objectivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) e corresponder aos desafios impostos pelas alterações climáticas. A ideia foi defendida por Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, durante a conferência sobre o Futuro da Europa, que decorreu esta Quinta-feira, no âmbito da Semana Europeia das Regiões e das Cidades.

brageuropean (1).jpg

Segundo o Autarca Bracarense, a Europa tem de saber fortalecer o seu compromisso com o Desenvolvimento Sustentável e valorizar o papel das autoridades locais, dando o exemplo de Braga no fomento da participação cívica de cidadãos e instituições.

“Quando falamos de sustentabilidade e alterações climáticas, e de acordo com um estudo da OCDE, 65% dos ODS só podem ser atingidos a nível local e é a nível local que podemos verificar a ponderação e implementação desses mesmos objectivos, tendo em conta o conforto económico e o bem-estar dos cidadãos”, referiu Ricardo Rio num painel onde os participantes foram convidados a dar testemunho das iniciativas desenvolvidas a nível local de forma a fomentar a democracia a nível urbano.

Projectos de nível ambiental como ‘Florestar Braga’, de estímulo ao uso eficiente de energia juntos dos mais jovens como o ‘A minha Escola é Eficiente’, de mobilidade como o ‘School Bus’, ou de intervenção das zonas fluviais como o ‘Projecto Rios’ e a valorização da biodiversidade e dos espaços verdes, foram alguns dos exemplos partilhados pelo Autarca, aos quais os parceiros europeus deram especial atenção. “Precisamos de uma mobilização colectiva para alcançar os objectivos e em Braga temos desenvolvido vários projectos envolvendo jovens, menos jovens, instituições e escolas, E é, principalmente, nas escolas que devemos apostar se queremos construir uma Cidade melhor para o futuro”.

Contributo dos cidadãos no desenvolvimento de políticas é “uma questão cultural”

Questionado sobre quais os aspectos que levam os cidadãos a sentirem-se parte integrante das políticas adoptadas pelas autoridades locais, Ricardo Rio considerou que essa mesma participação tem de ser estimulada colocando todas as ferramentas ao alcance de todos.

“A participação cívica é uma questão cultural. Desde que este Executivo foi eleito, em 2013, sempre incentivamos a participação dos cidadãos através dos diversos Conselhos Municipais de forma a alinharmos planos e perspectivas de futuro. Criámos também o Orçamento Participativo e desenvolvemos várias iniciativas e projectos provenientes da sociedade civil e, assim, conseguimos chegar ao cidadão”, explicou o Autarca, dando ainda o exemplo da estratégia de Braga para ser Capital Europeia da Cultura em 2027, através de um plano de acção com um horizonte temporal até 2030, elaborado em conjunto com as mais variadas instituições.

Para o futuro, Ricardo Rio aponta a sustentabilidade do modelo de governação como um dos principais desafios, sustentando que essa governação terá de ser uma espécie de “contrato de confiança assinado entre as autoridades e os cidadãos, onde eles devem ser ouvidos e, mesmo não estando de acordo com os seus contributos, eles têm de saber que são ouvidos e tidos em consideração e nós, autoridade local, temos a obrigação de prestar contas e darmos a conhecer os resultados das nossas políticas, para que elas possam ser permanentemente avaliadas”.

Além de Ricardo Rio, o painel contou com a participação de Antje Grotheer, vice-presidente do Parlamento de Bremen, na Alemanha, Pehr Granfalk, membro do Conselho Municipal de Solna, na Suécia, e Juhana Vartiainen, presidente da Câmara de Helsínquia, capital da Finlândia.

brageuropean (2).jpg

FAMALICÃO: MOVIMENTAÇÕES OPERÁRIAS EM DESTAQUE NO III CICLO DE CONFERÊNCIAS DO MUSEU DA INDÚSTRIA TÊXTIL

Museu da Indústria Têxtil recebe conferências nos dias 16 de outubro, 13 de novembro e 11 de dezembro

Subordinado ao tema «Percursos e memórias: Indústria e operariado nos séculos XIX – XX», o III Ciclo de Conferências do Museu da Indústria Têxtil da Bacia do Ave (MITBA) decorre ao longo do último trimestre de 2021, com três sessões, divididas pelos dias 16 de outubro, 13 de novembro e 11 de dezembro. Cada uma delas decorre ao sábado à tarde, a partir das  15h00, no MITBA, e inclui a visita guiada a uma unidade museológica famalicense no final da conferência.

AFR_3687.jpg

Tendo como pretensão apresentar alguns dos aspetos mais significativos das movimentações operárias ocorridas na Bacia do Ave naqueles séculos, entre os assuntos abordados serão apresentadas reflexões sobre as lutas reivindicativas do operariado, a questão do trabalho feminino na indústria têxtil e a primeira grande greve operária da região.

O ciclo de conferências inicia com Paula Ramos Nogueira, do Centro de Física da Universidade de Coimbra, a explorar o tema «Mulheres de Fábrica – Apontamentos sobre a feminização da indústria têxtil em Guimarães», a 16 de outubro, que inclui, no final, a visita ao Museu do Automóvel, em Ribeirão.

Já a segunda sessão, a 13 de novembro, terá como assunto «As lutas reivindicativas do operariado bracarense durante a I República (1910-1926)», e contará com a presença de Débora Duarte Val Escadas, doutoranda da Universidade do Minho. Desta vez, a visita será ao Núcleo de Lousado do Museu Nacional Ferroviário.

A terceira, e última conferência, prossegue os estudos das lutas operárias, com «As lutas dos operários têxteis da Bacia do Ave, 1956 -1974», tema que será explorado por José Manuel Lopes Cordeiro, Coordenador Científico do MITBA e professor na Universidade do Minho. A derradeira visita do ciclo, será ao museu anfitrião do Ciclo de Conferências.

Refira-se que as sessões são abertas ao público em geral, sendo necessária inscrição prévia, gratuita, através do link: https://bit.ly/cicloconferenciasmitba. O evento está acreditado pelo Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua, na modalidade de Curso de Formação, para professores, com a duração de 10 horas.

Para mais informações, consulte: www.museudaindustriatextil.org

DSC_4807_2.jpg

BRAGA ACOLHE CONFERÊNCIA “FUNDOS EUROPEUS: O MINHO E A GALIZA”

A iniciativa é presidida pelo Presidente da República, Professor Doutor Marcelo Rebelo de Sousa

A Confederação Empresarial da Região do Minho (CONFMINHO) promove no próximo dia 18 de outubro, pelas 14 horas, no Fórum Altice em Braga, a conferência “Fundos Europeus: O Minho e a Galiza”, onde um conjunto de governantes e entidades apresentarão os apoios às empresas no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) e dos Fundos Comunitários 2030.

O evento é presidido por Sua Excelência o Senhor Presidente da República, Professor Doutor Marcelo Rebelo de Sousa, que já confirmou a presença.

244112182_4362691210435014_7662576383078011934_n.p