Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

CERVEIRENSES DEBATEM "A IMPORTÂNCIA DA PREPARAÇÃO FÍSICA NA PRÁTICA DESPORTIVA"

Treinador Assistente da Seleção A da FPF aborda "A importância da preparação física na prática desportiva"

Ao longo de 2020, a Associação Cerveira Team Running pretende dinamizar um conjunto de conversas temáticas em torno da prática desportiva, convidando oradores especializados. A primeira iniciativa está agendada para este sábado, às 15h00, na Biblioteca Municipal de Vila Nova de Cerveira, com a presença do Treinador Assistente da Seleção A da Federação Portuguesa de Futebol, João Carlos Costa. Entrada livre.

Equipa tecnica FPF.jpg

Com o slogan ‘razões que nos fazem correr’, a equipa Cerveira Team Running tem participado em várias as provas do Norte e Centro do país, subindo por diversas vezes ao pódio. O calendário para 2020 está a ser analisado, havendo já inscrições nalguns dos eventos desportivos de maior prestígio. No entanto, à participação juntam-se outras preocupações subjacentes a uma prática desportiva permanente e de significativa intensidade.

Reconhecido o desporto como parte essencial de um estilo de vida saudável, também é preciso dispor de conhecimento e informação sobre alguns requisitos de vária ordem a ter em conta para uma atividade física correta e eficaz, seja em contexto de lazer ou profissional. Neste sentido, a associação cerveirense considerou fundamental debater estas questões com quem sabe, através da partilha de testemunhos e de experiências.

O Treinador Assistente da Seleção Portuguesa de Futebol vai dar o pontapé de saída a esta iniciativa, abordando "A importância da preparação física na prática desportiva". João Carlos Costa, natural de Valença, conta com um vasto currículo no mundo do futebol, em clubes nacionais e no estrangeiro, tendo como ponto alto a sua integração na Federação Portuguesa de Futebol e a conquista do Euro 2016 e da Liga das Nações 2019.

A primeira conversa temática está agendada para este sábado, 15 de fevereiro, às 15h00, na Biblioteca Municipal de Vila Nova de Cerveira, com entrada livre.

De salientar que a Associação Cerveira Team Running, criada em 2016, alia a prática desportiva à promoção de boas práticas desportivas e ambientais, através de sessões informativas e de sensibilização no terreno.

TERRABOURENSES DEBATEM CONDIÇÃO FÍSICA NO DESPORTO AMADOR

Palestra sobre a condição física no desporto amador decorreu  a 8 de fevereiro

O Salão Nobre dos Paços do Concelho e a Piscina Municipal acolheram, no dia 8 de fevereiro, uma sessão dupla destinada a abordar a condição física no desporto amador.

IMG-20200208-WA0010.jpg

Promovida pela equipa terrabourense JC Team, da palestra constou a apresentação do responsável do departamento de performance XTREMEFIT KSA(ARÁBIA SAUDITA ) e EXOS FITNESS SPECIALIST, Rui Vieira e ainda o Diretor Desportivo da JC TEAM e também EXOS PERFORMANCE SPECIALIST, Nélson Vasconcelos.

IMG-20200208-WA0019.jpg

IMG-20200208-WA0022.jpg

IMG-20200208-WA0032.jpg

IMG-20200208-WA0038.jpg

PONTE DA BARCA DEBATE CONTRIBUTO DA FÍSICA NA CIÊNCIA

"Viagem pelos Tempos e o Tempo das Viagens" trouxe debate à Casa da Cultura por Orfeu Bertolami

Foi na passada quinta-feira, 6 de Fevereiro, que a Casa da Cultura recebeu o Professor Doutor Orfeu Bertolami, Professor Catedrático da Faculdade de Ciência da Universidade do Porto, que abordou inúmeras temáticas relacionadas com o contributo da Física na Ciência.

Capturarpbbarccaviag.PNG

Sob o mote "Viagem pelos Tempos e o Tempo das Viagens", o prestigiado investigador relatou as inovações científicas mais relevantes na evolução da descoberta marítima e do Planeta, terminando com o impacto e as consequências das alterações climáticas no Mundo actual.

A conferência decorreu com o patrocínio da Reitoria da Universidade do Porto, numa estratégia de aproximação da ciência à comunidade civil, como referiu o Presidente da Câmara, Augusto Marinho.

pbarccaa (1)bbar.jpeg

pbarccaa (2)bbar.jpeg

CENTRO DE ESTUDOS REGIONAIS DO ALTO MINHO ORGANIZA CONFERÊNCIA SOBRE HISTÓRIA E UTOPIA

No próximo dia 6 de fevereiro(quinta-feira), no Auditório do Museu de Artes Decorativas (Largo S. Domingos, Viana do Castelo), pelas17.00 horas, tem lugar asegunda conferência do Ciclo de Estudos “Outros Mundos”, iniciativa do Centro de Estudos Regionais.José Carlos Loureiro apresenta a comunicação intitulada “História e Utopia”.

José Loureiro_06022020.jpg

No dia 30 de janeiro, na conferência inaugural, o antropólogo galego Xerardo Pereiro abordou as questões das comunidades indígenas, do turismo e do desenvolvimento, a partir da experiência dos Guna Yala (Panamá). De acordo com o conferencista, os estudos têm evidenciado que na comarca autónoma dos Guna Yala, constituída por cerca de 400 ilhas, as comunidades procuram desenvolver um turismo ordenado, sustentável, e saudável. Para os indígenas o desenvolvimento do turismo é, cada vez mais, uma forma de reforçar o sentimento de comunidade, por isso recusam muitas práticas e formas de usufruto daquele espaço. Depois desta deslocação até à América Central, na próxima conferência procurar-se-á falar de utopia, a partir de um ponto de vista histórico.   

A entrada é livre.

Visita cultural ao Entrudo do Pai Velho

No âmbito do Ciclo de Estudos “Outros Mundos”realizar-se-á uma visita cultural ao Lindoso (Ponte da Barca), para participar no Entrudo do Pai Velho, uma das manifestações do Entrudo mais tradicionais do país. A deslocação decorrerá no dia 25 de fevereiro e visa proporcionar o conhecimento dos usos, costumes e tradições que distinguem a nossa região, um dos propósitos estatutários do Centro de Estudos Regionais.

A direção do Centro de Estudos Regionais

CENTRO DE ESTUDOS REGIONAIS DO ALTO MINHO APRESENTA PRIMEIRA CONFERÊNCIA DO CICLO DE ESTUDOS "OUTROS MUNDOS"

Conferência sobre turismo entre os Guna Yala abre Ciclo de Estudos “Outros Mundos”

No próximo dia 30 de janeiro(quinta-feira), na Sala Couto Viana da Biblioteca Municipal de Viana do Castelo, pelas 17.00 horas, tem lugar a primeira conferência do Ciclo de Estudos “Outros Mundos”, iniciativa do Centro de Estudos RegionaisXerardo Pereiro apresenta a comunicação intitulada “Turismo indígena - O caso dos turistores de Guna Yala (Panamá)”.

Xerardo Pereiro.jpg

A comarca de Guna Yala situa-se num arquipélago, formado por mais de 300 ilhas, na América Central. É uma comunidade autónoma de indígenas, que preserva um idioma próprio e rege-se por legislação específica, baseada na tradição do povo guna. A subsistência da comunidade é assegurada pela agricultura e pesca de autoconsumo e, complementarmente, pelo turismo.

54431913_2215511561828422_2694993052258271232_o.jpg

Xerardo Pereiro é agregado em antropologia pelo ISCTE (Lisboa), doutor em antropologia sociocultural pela Universidade de Santiago de Compostela (Galiza) e doutor em turismo pela Universidade de La Laguna (Canárias, Espanha). Foi investigador visitante na Universidade Complutense de Madrid, na de Milão, no ISCTE (Lisboa), na Universidade de Edimburgo e na de Birmingham, entre outras. Atualmente é professor na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) em Vila Real (Trás-os-Montes e Alto Douro, Portugal). É investigador efetivo do CETRAD (Centro de Estudos Transdisciplinares para o Desenvolvimento) e membro do Departamento de Economia, Sociologia e Gestão da UTAD. Pesquisa sobre antropologia do turismo, relações rural-urbanas, património cultural e turismo. Tem realizado trabalho de campo antropológico nas Astúrias, Galiza, Norte de Portugal e Panamá.  

O Ciclo de Estudos “Outros Mundos”, integrado no plano de atividades da Academia Sénior do Centro de Estudos Regionais, é um fórum de partilha de conhecimento e um espaço de reflexão, aberto a toda a comunidade. Nesse sentido, a entrada é livre.

A direção do Centro de Estudos Regionais

PALESTRA "EDUCAR PARA O DIREITO" DECORREU NA VILA DO GERÊS

No âmbito do Plano Integrado e Inovador de Combate ao Insucesso Escolar do Cávado, o Município de Terras de Bouro,  numa parceria com a CPCJ de Terras de Bouro e o Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro, promoveu a realização de uma palestra alusiva à seguinte temática “Educar para o Direito”.

palger (1).jpg

A sessão, que contou com a presença da Vereadora Drª Ana Genoveva Araújo, realizou-se no dia 15 de janeiro no Auditório Prof.  Dr. Emídio Ribeiro, Vila do Gerês e contou com a participação de 150 alunos do 9º ano e ensino secundário. Este projeto, desenvolvido pela Dra. Paula Varandas, advogada que exerce funções no direito de família há 24 anos, surgiu em 2016  quando esta percebeu que o número de crianças e jovens com problemas na justiça aumentava exponencialmente. Desde então, já fez mais de 500 palestras pelo país todo, em escolas públicas e privadas para uma audiência total que estima em mais de 60 mil estudantes.  A par da justiça penal, o projeto visa assim concretizar objectivos da prevenção geral ao mostrar aos jovens casos reais e a gravidade de condutas ilícitas e respectivas consequências penais. Foram abordados temas como a violência no namoro, o top dos crimes mais cometidos por jovens e as consequências dessas acções. A Dra. Paula Varandas conseguiu cativar a atenção da audiência com a utilização de uma linguagem adequada à população juvenil, sendo que, o feedback dos alunos foi muito positivo. As temáticas apresentadas foram claramente de encontro às expectativas que tinham sido criadas para a palestra.

Esta atividade revelou-se muito pertinente, pois com as recentes alterações das políticas educativas, nomeadamente: perfil do aluno à saída da escolaridade obrigatória, o Dec. Lei 54/2018 referente à Educação Inclusiva, o Dec. Lei 55/2018, referente à autonomia e flexibilidade curricular, à estratégia nacional de educação para a cidadania, a escola precisa diversificar as suas práticas para a promoção do sucesso escolar. O sucesso escolar assenta em três pilares: valores, áreas de competências e princípios. É importante refletir sobre o que é a cidadania e como podemos formar cidadãos responsáveis e ativos.  É importante que os alunos adquiram ferramentas indispensáveis para o exercício de uma cidadania plena, ativa e criativa na sociedade. A realização desta atividade revelou-se perfeitamente enquadrada nestas novas políticas educativas.

palger (2).jpg

palger (3).jpg

palger (4).jpg

palger (5).jpg

palger (6).jpg

“RICARDO JORGE: MÉDICO E ESCRITOR” EM DESTAQUE EM CAMINHA NO PRÓXIMO UMA CONVERSA, UM LIVRO E ÀS VEZES UM FILME

Sessão terá lugar na Biblioteca Municipal de Caminha, dia 25 de janeiro, pelas 15H00

“Ricardo Jorge: médico e escritor” é o destaque do próximo “Uma Conversa, um Livro e às vezes um Filme”. Esta sessão será moderada por Henrique Barros, e terá lugar no dia 25 de janeiro, pelas 15H00, na Biblioteca Municipal de Caminha. A conversa será seguida pelo filme “Zero en Conduit”, de Jean Vigo, no Auditório do Museu Municipal de Caminha, pelas 17H00.

Ricardo_Jorge.jpg

Ricardo de Almeida Jorge foi um médico, investigador e higienista, professor de Medicina e introdutor em Portugal das modernas técnicas e conceitos de saúde pública, que exerceu diversos cargos na administração da saúde, conseguindo uma importante influência política. Foi um ilustre professor, a figura maior da Medicina Social em Portugal e um grande humanista.

Quanto ao moderador desta sessão, Henrique Barros, nasceu em 1957 no Porto. Licenciou-se em Medicina em 1981 pela Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP). Em 1991 adquiriu o título de assistente hospitalar de Gastrenterologia e doutorou-se com uma investigação epidemiológica sobre hepatites víricas. Atualmente, é Professor Catedrático de Epidemiologia na Faculdade de Medicina, presidente do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto, presidente da Associação Internacional de Epidemiologia e Presidente do Conselho Nacional de Saúde. Coordena ainda a Unidade de Investigação em Epidemiologia. É o responsável pelo desenho e implementação das três coortes de base populacional portuguesa, em curso, que seguem adultos (EPiPorto), adolescentes (EPITeen) e recém-nascidos (Geração21). É também o atual diretor do programa doutoral em Saúde Pública Global.

Esta iniciativa é organizada pelos Amigos da Rede de Bibliotecas de Caminha e pela Câmara Municipal de Caminha.

É de referir que os Amigos da Rede de Bibliotecas de Caminha (RBC) tornam-se leitores inscritos nas bibliotecas do concelho de Caminha. O estatuto de Amigo da RBC é formalizado através do preenchimento de um formulário, (com os dados biográficos essenciais e contactos) e da oferta de um livro que reverterá para a coleção da Biblioteca Municipal. A participação no grupo de Amigos da RBC é voluntária, exclui qualquer compensação e cessará no momento em que o Amigo assim o desejar. Através da sua ação, os Amigos RBC pretendem contribuir, de modo particular, para o desenvolvimento das competências e serviços das mesmas e, genericamente, para o progresso cultural da comunidade que estas servem.

Foto: Wikipédia

FAMALICÃO: MUSEU BERNARDINO MACHADO LANÇA NOVO CICLO DE CONFERÊNCIAS PARA 2020

“Conspirações, Revoltas e Revoluções 1891-1926” é o tema da iniciativa que arranca já a 31 de janeiro e decorre até 30 de outubro

As conspirações, revoltas e revoluções que ocorreram em Portugal entre o final do século XIX e o século XX marcaram de forma indelével o rumo do país, tornando-se em acontecimentos nacionais importantes que merecem ser estudados e refletidos para melhor compreender a história.

Imagem Ciclo Conferências 2020.jpg

A isso mesmo se propõe o Museu Bernardino Machado, de Vila Nova de Famalicão, ao longo de 2020, promovendo entre 31 de janeiro e 30 de outubro, o ciclo de conferências “Conspirações, Revoltas e Revoluções 1891-1926”. São nove encontros mensais, dedicados ao debate e reflexão dos vários movimentos de agitação popular e militar que ocorreram durante este período, com a presença de especialistas e investigadores de renome nacional.

O debate do tema encerra em novembro, com os habituais Encontros de Outono e a abordagem da mesma temática, mas durante o período entre 1926 e 1975.

Ao longo do tempo, o país viveu em várias ocasiões episódios de revolta, revoluções e até mesmo conspirações, que provocaram mudanças assinaláveis nos regimes do estado. Foi entre este período histórico (1891-1975) que se deu a queda da monarquia, a implantação da república, a reforma republicana e a instauração do Estado Novo.

De acordo com o coordenador cientifico do Museu Bernardino Machado “a eleição desta temática deve-se a circunstâncias fáceis de reconhecer, um mundo contemporâneo onde a violência armada tem sido uma constante nas “nações” e onde não cessam de ser notícia revoluções, revoltas e conspirações que nelas surgem”.

De resto, o responsável enumera quatro razões fundamentais para o debate desta temática. “O que realmente importa com esta temática é em primeiro lugar, procurar compreender porque é que os adversários políticos recorrem à violência armada e não à negociação e ao gradualismo político para solucionar os seus conflitos; em segundo lugar, que conexões podem estabelecer-se entre esses conflitos e as ideias de Estado-nação e de nacionalismo; em terceiro lugar, perceber se esses confrontos são uma expressão da evolução social (e, nessa medida, inevitáveis) ou expressão de vontades livres, mais ou menos individuais (e, nessa medida, confrontos evitáveis) e em quarto lugar, que motivações – e de que natureza – estiveram na origem das principais revoltas, revoluções e conspirações que ocorreram entre nós, de 1891 a 1975”.

Por outro lado, Norberto Cunha, adianta que o tema “muito a ver com o patrono do Museu, Bernardino Machado, não só porque foi vítima de algumas dessas revoltas e revoluções (como a de Mafra, em 1914; a de Sidónio Pais em 1918; a de maio de 1921; e a do 28 de maio de 1926) como discorreu e se pronunciou, amplamente, sobre elas, inclusive, no plano doutrinal”.

 

Entretanto, Paulo Cunha, destaca o trabalho de “estudo, investigação e reflexão da história de Portugal, promovido pelo Museu Bernardino Machado, salientando que “com estes ciclos de conferências anuais, o Museu tem dado um contributo muito importante para uma melhor compreensão da história nacional”.

PRIMEIRA CONFERÊNCIA REALIZA-SE A 31 DE JANEIRO

Norberto Cunha dá o “tiro de partida” para o ciclo de conferências, lançando o primeiro tema “O 31 de janeiro de 1891”, que vai decorrer precisamente na noite de 31 de janeiro, 129 anos após a revolta que culminou na primeira tentativa para instaurar o regime republicano.

Todas as conferências se realizam pelas 21h30, no Museu Bernardino Machado, sendo de entrada livre.

Os restantes temas são os seguintes: “O Regicídio (1908)”; “Machado Santos e o 5 de Outubro”; “A revolta de 14 de Maio de 1915”; “O 5 de Dezembro de 1917”; “Das incursões monárquicas de 1911 à Monarquia do Norte (1905-1919)”; “A revolta de 19 de Outubro de 1921”; “A revolta de 18 de Abril de 1925” e , por fim, “A Revolução de Maio: entre a reforma republicana e o Estado Novo".

PROGRAMA

Ciclo de Conferências

"Conspirações, revoltas e revoluções (1891-1926)”

 

1 – “O 31 de Janeiro de 1891”

Conferencista: Prof. Doutor Norberto Ferreira da Cunha

Data: 31 de janeiro de 2019

Hora: 21h30

Local: Museu Bernardino Machado

 

2 – “O Regicídio (1908)”

Conferencista: Prof. Doutor António Ventura

Data: 28 de fevereiro de 2019

Hora: 21h30

Local: Museu Bernardino Machado

 

3 – “Machado Santos e o 5 de Outubro”

Conferencista: Prof. Doutor Luís Filipe Reis Torgal

Data: 27 de março de 2019

Hora: 21h30

Local: Museu Bernardino Machado

 

4- “A revolta de 14 de Maio de 1915”

Conferencista: Prof. Doutor Bruno Navarro

Data:  17 de abril de 2019

Hora: 21h30

Local: Museu Bernardino Machado

 

5- “O 5 de Dezembro de 1917”

Conferencista: Coronel Doutor Luís Alves de Fraga

Data:  22 de maio de 2019

Hora: 21h30

Local: Museu Bernardino Machado

 

6 - “Das incursões monárquicas de 1911 à Monarquia do Norte (1905-1919)”

Conferencista: Prof. Doutor Miguel António Santos

Data: 19 de junho de 2019

Hora: 21h30

Local: Museu Bernardino Machado

 

7 – “A revolta de 19 de Outubro de 1921”

Conferencista: Doutor António Queiroz

Data: 10 de julho de 2019

Hora: 21h30

Local: Museu Bernardino Machado

 

8 – “A revolta de 18 de Abril de 1925”

Conferencista: Prof. Doutor Ernesto Castro Leal

Data: 25 de setembro de 2019

Hora: 21h30

Local: Museu Bernardino Machado

 

9 – “A Revolução de Maio: entre a reforma republicana e o Estado Novo"

Conferencista: Prof. Doutor Luís Reis Torgal

Data: 30 de outubro de 2019

Hora: 21h30

Local: Museu Bernardino Machado

Museu bernardino machado (1).JPG

PAULO CUNHA, RUI MOREIRA E BASÍLIO HORTA DEBATEM EM FAMALICÃO "OS CAMINHOS DA DESCENTRALIZAÇÃO"

Cinco autarcas participam no ciclo de conferências do JN, que se realiza domingo, 12 de janeiro, no Rivoli

O presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha, é um dos autarcas convidados da conferência “Os Caminhos da Descentralização”, promovida pelo Jornal de Notícias, que vai decorrer no domingo, dia 12 de janeiro, no grande auditório do Teatro Rivoli, no Porto.

AFS_4984.jpg

Paulo Cunha, que é reconhecidamente um defensor da regionalização, irá debater o tema “A educação como piloto da descentralização?”, pelas 14h30, num painel moderado por Paula Ferreira, editora executiva adjunta do Jornal de Noticias.

Para além de Paulo Cunha, o debate irá contar também com as participações dos presidentes de Câmara do Porto, Rui Moreira; de Setúbal, Maria das Dores Meira; de Sintra, Basílio Horta; e de Évora, Carlos Pinto de Sá.

A Lei-quadro da Descentralização, publicada em 2018, provocou a reação negativa de muitos autarcas, que dizem estar a confundir-se “tarefização” com descentralização. Alguns clamam também pela Regionalização.

É neste âmbito que o Jornal de Notícias convida os autarcas a debater publicamente os caminhos da descentralização em três painéis sobre os temas da Habitação, Saúde, Educação e Financiamento, liderados por autarcas com origens políticas distintas e que têm tomado publicamente posições sobre o tema.

A iniciativa inserida no ciclo de conferências do JN “Praça da Liberdade”, arranca pelas 10h00, com a sessão de abertura a cargo do diretor do Jornal de Notícias, Domingos de Andrade e do presidente da Câmara Municipal de Porto, Rui Moreira. Segue-se o primeiro painel com o tema “Que obrigações públicas na habitação?” na mesa presidida por Maria das Dores Meira, com moderação de Alexandra Figueira, Jornalista JN. O segundo painel é dedicado ao tema “Competências ou tarefas no sector da saúde?”, com mesa presidida por Basílio Horta, e moderação de Inês Schreck, Jornalista JN. Depois da pausa do almoço é a vez de Paulo Cunha debater “A educação como piloto da descentralização?”. Segue-se o painel “Como se financia a descentralização?”, com mesa presidida por Carlos Pinto de Sá e moderação de Rafael Barbosa, Chefe de Redação do JN. Por fim, Rui Moreira debate “Descentralizar para regionalizar?”.

As inscrições são gratuitas, mas obrigatórias até ao dia 10 de janeiro, através do site em jn.pt/conferencias.

FAMALICÃO DEBATE ARQUEOLOGIA

Casa do Território com ciclo de conferências sobre a arqueologia de Famalicão

A Casa do Território, em Vila Nova de Famalicão, acolhe esta sexta-feira, dia 13 de dezembro, a primeira conferência do ciclo “Arqueologia de Famalicão: Património arqueológico e questões de identidade”, promovido pela Câmara Municipal no âmbito do programa de atividades da exposição “6 Mil – das origens a Famalicão”, patente neste espaço até janeiro de 2020.

Ciclo de conferências decorre no âmbito da exposição '6 Mil – das origens a Famalicão'.jpg

A iniciativa decorrerá a partir das 18h00 e contará com as intervenções de Armando Coelho, da Faculdade de Letras da Universidade do Porto (FLUP), sobre “As origens do povoamento e a organização primordial do território”, e de Rui Morais, também docente da FLUP, com o tema “Nas margens de Bracara Augusta: A cidade e o campo”.

Refletir sobre alguns aspetos fundamentais da singularidade do território concelhio de Vila Nova de Famalicão, observando os antecedentes pré-históricos que assinalam as origens do seu povoamento, e enaltecer a importância dos museus de arqueologia para o entendimento das questões de identidade nacional, regional e local, são alguns dos objetivos deste ciclo de conferências.

A entrada na conferência é livre e gratuita.

Recorde-se que a exposição “6 Mil - das origens a Famalicão”, patente na Casa do Território, convida a uma viagem pela história do território de Vila Nova de Famalicão, retratando a evolução do território desde os primeiros vestígios da presença humana até à Idade Média.

SEMINÁRIO GERÊS-XURÊS DECORREU NO MUSEU DE VILARINHO DA FURNA

Tendo por objetivos promover a discussão sobre as oportunidades e problemas existentes no setor e ouvir os principais atores e empresas que atuam neste território, a CIM Cávado em parceria com o Município de Terras de Bouro, com a CIM do Alto Minho e com o INORDE – Orense, promoveu no dia 5 de dezembro o seminário Gerês - Xurês: Turismo de Natureza num espaço Transfronteiriço, evento que decorreu  no Salão do Museu da Geira, Campo do Gerês em Terras de Bouro.

20191205_142820.jpg

A Comunidade Territorial de Cooperação LIMA-LIMIA-CÁVADO é um projeto apoiado pelo POCTEP - Programa de Cooperação INTERREG VA Espanha-Portugal que tem por objetivo promover o desenvolvimento do território no espaço transfronteiriço Norte de Portugal – Galiza, envolvendo diretamente os territórios do Cávado, Alto Minho e Ourense. Um dos objetivos deste projeto é a promoção do turismo de natureza e das suas atividades.

20191205_142821.jpg

20191205_142859.jpg

20191205_143626.jpg

20191205_144057(0).jpg

20191205_144543.jpg

20191205_161303.jpg

20191205_161336.jpg

20191205_161354.jpg

20191205_173509.jpg

MUSEU DE VILARINHO DA FURNA PROMOVE SEMINÁRIO SOBRE O GERÊS-XURÊS

Seminário Gerês-Xurês - Museu de Vilarinho da Furna - 05 de Dezembro

Comunidade Territorial de Cooperação LIMA-LIMIA-CÁVADO é um projeto apoiado pelo POCTEP - Programa de Cooperação INTERREG VA Espanha-Portugal que tem por objetivo promover o desenvolvimento do território no espaço transfronteiriço Norte de Portugal – Galiza, envolvendo diretamente os territórios do Cávado, Alto Minho e Ourense. Um dos objetivos deste projeto é a promoção do turismo de natureza e das suas atividades.

Museu Campo do Gerês 1.JPG

Neste âmbito e com o objeto de promover a discussão sobre as oportunidades e problemas existentes no setor e ouvir os principais atores e empresas que atuam neste território, a CIM Cávado em parceria com o Município de Terras de Bouro, com a CIM do Alto Minho e com o INORDE – Orense, promovem no próximo dia 5 de dezembro o seminário Gerês - Xurês: Turismo de Natureza num espaço Transfronteiriço, que decorrerá no Auditório do Museu de Vilarinho da Furna, Campo do Gerês em Terras de Bouro, entre as 14h00 e as 17h30.   A sessão é gratuita, mas a inscrição obrigatória, devendo ser feita através do link: https://forms.gle/SP5YeyNVNWK8fHZaA .

TERRABOURENSES DEBATEM ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO

Conferência sobre as alterações ao Código do Trabalho a 27 de novembro

A Associação Empresarial do Vale do Homem (AEVH) irá promover no próximo dia 27 de novembro, pelas 19h00, no Salaõ Nobre dos Paços do Concelho, uma sessão destinada a prestar esclarecimentos e elucidar dúvidas eventuais sobre as alterações ao Código do Trabalho. A conferência destina-se a todos os interessados, empresas e particulares, que terão assim ao seu dispor uma reunião de trabalho que será, certamente, muito assertiva sobre a temática em questão.

Capturartbconf.PNG

LUÍS ESTEVES, PRESIDENTE DA CASA DO CONCELHO DE CASTRO DAIRE, LEVA AS “CASAS REGIONAIS EM LISBOA” AO COLÓQUIO INTERNACIONAL PROMOVIDO PELO INATEL E O CENTRO DE ESTUDOS DE ECONOMIA PÚBLICA E SOCIAL (CEEPS)

Casas Regionais em Lisboa em Colóquio Internacional - 18 e 19 NOV - Teatro da Trindade INATEL

CASAS REGIONAIS EM LISBOA é tema apresentado no X Colóquio Ibérico de Economia Social do CIRIEC, I Colóquio Internacional de Economia Social da Fundação INATEL, subordinado ao tema genérico ‘Sustentabilidade do Território, Património e Turismo Social’, a acontecer, nos dias 18 e 19 de Novembro, no Teatro da Trindade em Lisboa.

unnamedluisportugal.jpg

A comunicação está ao encargo de Luís Esteves, nosso conhecido presidente de direção das Casa de Castro Daire em Lisboa, membro do Conselho Nacional da CPCCRD (Confederação Portuguesa das Colectividades de Cultura, Recreio e Desporto) e membro da direção da ACCL (Associação das Colectividades de Lisboa) e sua intervenção intitula-se ‘Casas Regionais em LisboaRepositórios rurais em espaços culturais urbanos’.

O colóquio contará com um primeiro dia, para a participação de especialistas nacionais e internacionais nos temas em apreço e com um segundo dia, para a realização de comunicações por parte de docentes e investigadores provenientes de várias instituições de ensino e investigação, alargando o debate e aprofundando o conhecimento sobre as matérias neste contexto. A abertura cabe aos principais representantes das entidades envolvidas e dos representantes da Comissão Europeia e Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social de Portugal e termina com um concerto Worl Music Concept com Lula Pena (Portugal) e Muzsikás (Hungria).

Luís Esteves dedica a sua investigação de doutoramento, ao fenómeno de estruturas associativas, sem fins lucrativos, do século XX, resultante do fluxo migratório das aldeias para as cidades. Estes espaços urbanos são elementos estruturantes, de identidade e memória, arquivos de herança rural, enriquecedores do património histórico e cultural. Aspiração de ‘reaportuguesar’ Portugal num país idealizado, por meio das atividades realizadas em coletivo de ritos e rituais, por via da recolha do folclore e levantamentos etnográficos dos usos e costumes dos antepassados. Estudo de investigação-ação, inserido num modelo etnográfico que revela as práticas do migrante português como ser intermediário do reconhecimento e transmissão do seu próprio património. Principais atores de promoção e divulgação da cultura tradicional e popular portuguesa na capital lisboeta, incluindo a salvaguarda e produção da documentação geral mais significativa.

Através da análise em campo, as Casas Regionais em Lisboa funcionam como locais de sociabilidade, pontos de encontro, que implicam simultaneamente os modos de interação na vida quotidiana e suas formas de agrupamento permanente cujos estatutos e modos de funcionamento são núcleos geradores de iniciativas próprias, aglutinadores de vontades, universo de dirigentes e dirigidos, possuidores de organogramas semelhantes. O que torna possível a afirmação da singularidade de cada uma destas Casas Regionais como repositório de uma tradição que tem na sua fonte um complexo de valores de património ético comum com o qual os associados se identificam e em torno do qual se mobilizam. São estes valores que fazem a diferença, a defesa de interesses e promoção de temáticas de relevo para as regiões, manifestações evidentes da sociedade organizada, ou seja, como expressão da sociedade civil, fator de estabilização e pacificação de caráter intergeracional que assenta em larga medida nos laços dos afetos que radicam na cultura, valores, modos de ser e de estar. 

AQRRANCOU EM ARCOS DE VALDEVEZ A 1ª SEMANA DA IGUALDADE

Convocar a Diversidade para evocar a Igualdade - 1ª Semana da Igualdade já arrancou. Álvaro Laborinho Lúcio foi o primeiro convidado desta semana

Na passada sexta-feira, 18 de outubro, arrancou a programação da 1ª semana da Igualdade, tendo Álvaro Laborinho Lúcio, juiz-conselheiro jubilado do Supremo Tribunal de Justiça e antigo Ministro da Justiça, vindo a Arcos de Valdevez debruçar-se sob a temática “De que falamos quando falamos de Igualdade?”.

conferencia_Laborinho Lúcio6.JPG

Na abertura desta sessão o Presidente da Câmara Municipal, João Manuel Esteves, destacou a importância desta iniciativa para a sociedade, considerando que a participação das pessoas neste tipo de debates e encontros “é um elemento preponderante no combate à desigualdade”. Um tema que se debate há já 40 anos e está explanado numa exposição patente na Casa das Artes até dia 2 de Novembro, através da disponibilização de 40 cartazes de iniciativas realizadas ao longo destas 4 décadas.

O autarca resumiu o trabalho que o Município tem vindo a desenvolver neste âmbito, por forma a colmatar o desfasamento entre o reconhecimento do direito à igualdade e do respeito pela diferença e a sua concretização real e efetiva, como sendo a aprovação pela Câmara Municipal de um Compromisso para a Igualdade e Não Discriminação.

O Município nomeou uma Conselheira para a Igualdade, a Dra. Manuela de Melo, a qual está a colaborar em diversas iniciativas. No dia 25 de outubro será assinado um protocolo com a CIG – Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género.

O Município está a elaborar o Plano Municipal para a Igualdade e como tal, tem realizado várias sessões da Igualdade dirigidas a públicos estratégicos das áreas do Emprego e Formação; Educação Cultura e Desporto; Ação Social, Saúde e Bem-estar; Violência, Segurança e Justiça, de forma a obter vários contributos para efeito de realização do diagnóstico concelhio.

Perante uma plateia atenta e interessada, Laborinho Lúcio abordou o tema, referindo os principais eixos em que se baseia a Igualdade, nomeadamente a complexidade, a diversidade, a incerteza e o risco, enfatizando ser essencial agir em cooperação e corresponsabilização, bem como ser muito importante termos na nossa sociedade cidadãos informados/críticos e cidadãos ativos.

O programa desta iniciativa dedicada à Igualdade é composto por conferências/debates com oradores conhecidos, passando pelas diversas linguagens musicais e teatrais, integrando ações de formação e de coresponsabilização política, o programa da 1ª Semana VEZ de IGUALDADE pretende chamar a atenção de pessoas de diferentes idades e interesses para os riscos da exclusão baseada na diferença.

Combater o desconhecimento, a desinformação e o medo do “outro” é essencial para construir uma sociedade mais livre e justa. 

A programação da 1ª semana das Igualdade culmina com a conferência/debate “Migrações: inevitáveis e positivas”, proferida pelo Professor Doutor e Ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, no dia 2 de Novembro, pelas 21h30, na Casa das Artes.

Participe!

conferencia_Laborinho Lúcio.JPG

conferencia_Laborinho Lúcio3.JPG

conferencia_Laborinho Lúcio5.JPG

PROFESSOR DA EPATV: PROF. ANTÓNIO CUNHA APRESENTOU “NOMADISMO DA ALMA” NO MUSEU DA GEIRA

O fotógrafo e professor da Escola Profissional Amar Terra Verde (EPATV), António Cunha, apresentou domingo, dia 20 de outubro, no Museu da Geira, o seu livro de fotografias sobre o Parque Nacional da Peneda-Gerês, “Nomadismo da Alma”.

IMG_3157.JPG

Com um título inspirado em Miguel Torga, a apresentação do livro deu maior solenidade à celebração do Dia do Município de Terras de Bouro. Dos 505 anos do Foral de D. Manuel I e à Homenagem ao Padre João Aguiar Campos, autor de alguns poemas incluídos pelo Prof. António Cunha na sua obra.

A apresentação teve lugar no Museu situado em Campo do Gerês, perante várias centenas de pessoas e esteve a cargo do professor Manuel Adelino Cracel Viana, com alguns alunos seus a recitarem poemas de “Nomadismo da Alma” da autoria de João Luís Dias, Ana Maria Dias da Cunha, José Carlos Barros, Luís Vendeirinho e Carlos Pereira. Ainda ecoavam no Museu os excelentes acordes da rejuvenescida, afinada e centenária Banda de Carvalheira que deram mais vida à entrega da Medalha de mérito Ouro ao padre e jornalista João Aguiar Campos, amigo de António Cunha.

Na sessão presidida por Manuel Tibo, presidente do Município, podiam ver-se professores da EPATV, a sua Diretora Pedagógica, Sandra Monteiro, o Diretor Geral, João Luís Nogueira, ex-presidentes de Câmara Municipal de Terras de Bouro (António Afonso e Joaquim Cracel), entre outras individualidades.

António Cunha admitiu que “é um livro de um privilegiado. Primeiro por ser apresentado na homenagem do padre João Aguiar Campos, segundo porque estar associado ao dia do Município e, finalmente, por ser o resultado de duas paixões – fotografia e natureza” e, assim sendo, morar em Terras de Bouro é um enorme privilégio porque estão aqui algumas das mais belas paisagens do país, referiu.

Para António Cunha, nesta era tecnológica, a impressão da fotografia justifica-se porque fotografia impressa ganha, pois, outra dimensão. Ganha outro tempo e desperta outros sentidos. Paramos para ver, para observar, para tocar…. em síntese: paramos para sentir”.

Assim, continuou afirmando que é necessário que, por vezes, invertamos o processo e passemos do digital para o analógico, e uma forma de o fazer é através dos livros. Os livros materializam conhecimentos, pensamentos, ideias, histórias, locais e momentos, tornando-os intemporais e eternos.

Além disso, “fotografar a natureza é gravar momento com uma luz única e irrepetível” – acrescentou o prof. António Cunha que sentiu a dor de escolher entre milhares de fotos feitas ao “longo de mais de uma década”.

No final da sua alocução, António Cunha dedicou o livro ao grupo de caminhadas “Isto é que é lindo?” e pediu aos leitores que aprendam a “olhar a serra, a olhar para as coisas simples da vida”.

No lançamento, Manuel Cracel Viana destacou do autor «o amor pela terra, o sentido estético, a preocupação social e cultural de um homem com um sentido de humor requintado».

O livro «possui a grande capacidade para ter várias leituras» e possui um título de «expressivo significado», por evocar um dos poetas portugueses que mais amou a Serra do Gerês, Miguel Torga.

Manuel Adelino Cracel Viana define o livro como o resultado de uma “sugação sensorial” que recolhe momentos de visão, de odores, de audição e de tato e reflete “um enorme amor à terra com um sentido justo e ambiental”, tendo aludido ainda às caminhadas que proporcionaram estas fotos, como “metáfora da vida” e apresentou as três linhas de leitura possíveis para este livro: as estações do ano, os quatro elementos e as fases do dia. A apresentação destas linhas de leitura foi intercalada pela recitação de poemas inscritos na obra.

“Nomadismo da Alma” – com título extraído do “Diário VIII”, de Miguel Torga – trata-se de um livro sobre a Natureza, com incidência na região do Parque Nacional da Peneda-Gerês, composto por 142 fotografias da autoria de António Cunha, obtidas ao longo de uma década, e 43 textos/poesias de mais sete autores, também eles “amantes desta região”.

ANTÓNIO CUNHA

António Cunha nasceu em Terras de Bouro em 1968 e é Mestre em Ensino de Informática e Pós-graduado em Tecnologias de Informação e Comunicação, especialização em Multimédia.

É docente da escola Profissional Amar Terra Verde (EPATV) há mais de 20 anos e um apaixonado pela Natureza e pelas caminhadas.

O facto de viver perto do coração do Parque Nacional da Peneda-Gerês (PNPG) desenvolveu-lhe a paixão pela fotografia.

«Da conjugação destas duas paixões – natureza e fotografia – resulta um trabalho de registo e de divulgação das belezas naturais do único Parque Nacional existente em Portugal», pode ler-se relativamente ao autor na obra agora lançada.

IMG_3120.JPG

IMG_3124.JPG

IMG_3125.JPG

IMG_3147.JPG

IMG_3153.JPG