Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

FAMALICÃO: CASA DO TERRITÓRIO VAI ACOLHER A CERIMÓNIA DE ENTREGA DO PRÉMIO DE HISTÓRIA ALBERTO SAMPAIO

O Prémio de História Alberto Sampaio vai ser entregue a António Castro Henriques, vencedor da edição de 2021, no próximo dia 1 de dezembro, data do aniversário natalício do historiador que o nomeia, pelas 15 horas, na Casa do Território, no Parque da Devesa.

albertosampaio2021.png

«Midas, Moedas e Mercados: A Economia Política do Primeiro Sistema Monetário Português, 1190-1250» é o título do trabalho apresentado por António Castro Henriques que o júri do prémio, constituído sob a égide da Academia das Ciências de Lisboa, a quem está confiada a direção científica do Prémio, deliberou atribuir a distinção.

Na sua deliberação, o júri considerou-o unanimemente “um excelente ensaio de investigação em história monetária da Idade Média, baseado em fontes arquivísticas exploradas de forma inovadora e que questiona criticamente o conhecimento adquirido”.

Refira-se que o Prémio de História Alberto Sampaio, inicialmente instituído em 1995, destina-se a homenagear e a manter viva a pessoa e obra de Alberto Sampaio, promovendo o desenvolvimento dos estudos científicos e investigação nas áreas ligadas ao seu legado, em especial, nas disciplinas da História Social e Económica. O Município de Vila Nova de Famalicão, através do Arquivo Municipal Alberto Sampaio, em coorganização com os Municípios de Guimarães e Braga, a Sociedade Martins Sarmento e a Academia das Ciências de Lisboa, dinamiza anualmente este prémio

JOVENS CHEFS PROVENIENTES DE TODA A EUROPA VISITAM PONTE DE LIMA

Ponte de Lima vai receber, no dia 25 de novembro, a visita dos jovens Chefs finalistas dos concursos regionais ao European Young Chef Award 2021, que se realizará na cidade de Braga.

cipvv_ext_001_1_1024_800.jpg

O concurso visa juntar os mais dotados jovens Chefs de toda a Europa, num evento dedicado à gastronomia e às suas regiões. A organização do evento está a cargo do Instituto Internacional de Gastronomia, Cultura, Arte e Turismo (IGCAT), em colaboração com instituições de artes culinárias das Regiões de Gastronomia.

No final do concurso, os jovens Chefs, provenientes de toda a Europa, passarão pelo Centro de Interpretação e Promoção do Vinho Verde onde, para além de uma visita guiada ao espaço, será feita uma prova de vinhos de Ponte de Lima com degustação de produtos locais.

PRÉMIO "MINHO STORYTELLING - NOVOS OLHARES SOBRE O MINHO"

Prazo alargado até 31 JAN 2022

O Consórcio Minho IN alargou do prazo de submissão de candidaturas da 2.ª Edição do Prémio “Minho Storytelling – Novos Olhares sobre o Minho”, para 31 de janeiro de 2022.

O 𝗣𝗿𝗲́𝗺𝗶𝗼 “𝗠𝗶𝗻𝗵𝗼 𝗦𝘁𝗼𝗿𝘆𝘁𝗲𝗹𝗹𝗶𝗻𝗴 - 𝗡𝗼𝘃𝗼𝘀 𝗢𝗹𝗵𝗮𝗿𝗲𝘀 𝘀𝗼𝗯𝗿𝗲 𝗼 𝗠𝗶𝗻𝗵𝗼” tem como principais objetivos a valorização do património Minhoto, material e imaterial, e a promoção de criadores das diferentes áreas artísticas.

Este prémio destina-se ao público em geral, sendo possível concorrer de forma individual ou em grupo, nas seguintes áreas de expressão artística:

Conto

Vídeo

Media Art/ Arte Sonora ou Interativa

O Regulamento está disponível para consulta em http://www.minhoin.com

257644648_4965489656815515_7677505746901914606_n.p

257800503_4965489653482182_3505460203654867861_n.p

258867784_4965489636815517_2719475837592211078_n.p

"JARDIM DO DIÁLOGO" É O MAIS VOTADO PELO PÚBLICO DO FESTIVAL INTERNACIONAL DE JARDINS DE PONTE DE LIMA'2021

O “Jardim do Diálogo” é o jardim mais votado pelo público que visitou a edição 2021 do Festival Internacional de Jardins de Ponte de Lima – FIJ sob o tema “As Religiões nos Jardins”.

Jardim do Diálogo.jpg

O “Jardim do Diálogo”, que alcançou 34,6% das preferências do público, representa “um símbolo de diálogo e respeito mútuo entre as diferentes religiões do mundo”. “O jardim é dividido em 7 espaços separados que representam as 7 religiões mais amplamente difundidas em todo o mundo. Pode visitar o jardim islâmico, o jardim cristão, o jardim judeu, o jardim do taoismo, o jardim hindu, o jardim budista e o jardim étnico. Os jardins individuais são simplificações destinadas a cada projeto de jardim específico. Na realidade, cada estilo é muito mais complexo, no entanto, usamos apenas os símbolos principais, elementos básicos e vegetação única para demonstrar os diferentes estilos.

Existem paredes feitas de estacas de madeira que separam cada jardim. A característica importante é que essas paredes estão incompletas, de modo que os jardins não ficam estritamente separados. Isto pretende simbolizar as ideias e valores comuns compartilhados entre as diferentes religiões.

A parte central de todo o desenho deste jardim mostra um elemento que todas as religiões tinham ou têm em comum. A árvore sagrada. Podemos encontrar árvores sagradas em todo o mundo. Existem árvores que representam o símbolo da vida e também o símbolo da conexão entre Deus (Natureza) e um ser humano. Essas árvores foram elogiadas por seus aspectos espirituais, místicos e bioenergéticos. E também, havia a Árvore do Éden. Existem diferentes espécies de árvores sagradas, mas para o nosso jardim, escolhemos uma oliveira como símbolo de paz.

Outro elemento compartilhado por diferentes religiões é o local de contemplação sobre Deus. Cada jardim é composto por um local para sentar e pensar (orar) ou apenas relaxar com vista para a oliveira (paz). Cada estilo de jardim tem uma forma diferente de sentar que reflete os costumes culturais específicos.”

A ideia deste projeto é da autoria de uma Arquiteta paisagista da República Checa, Magda Jandová, em parceria com os Viveiros Adoa, de Vigo – Espanha, que asseguraram a conceção técnica.

O segundo jardim mais votado com 13,9% é proveniente de Itália. “Caixa de Pandora” é da autoria de três arquitetos: Sandro Del Lesto; Silvia Giuffrida e Martina Pappalardo, e reporta-nos para a parábola de Adão e Eva que “comeram o fruto proibido, renunciando para sempre ao Éden. Zeus havia confiado a caixa a Pandora, dizendo-lhe para deixá-la sempre fechada. Porém, motivada pela curiosidade, Pandora desobedeceu a Zeus e, abrindo a caixa, libertou todo o mal do mundo. Antes de a caixa ser aberta, assim como para Adão e Eva, a humanidade vivia livre do mal, do trabalho e da discriminação: os homens eram imortais como os deuses. Depois de abrir a caixa de Pandora, o mundo tornou-se um lugar desolado, escuro e inóspito.”

No âmbito do projeto “ o Festival de Jardins Escolinhas” que acontece em simultâneo ao FIJ, o jardim mais votado pelo júri foi ‘Oração do Anjo da Guarda”, da autoria do Jardim de Infância de Brandara, Agrupamento de Escolas de Arcozelo, da educadora Gabriela Amorim.
O Festival de Jardins Escolinhas tem assumido, cada vez mais, um papel determinante na promoção e sensibilização da comunidade escolar limiana para a arte dos jardins e para os problemas ambientais.

O “Jardim do Diálogo” como o mais votado mantém-se na próxima edição do FIJ, em 2022 com o tema as “Alterações Climáticas”.

Jardim Escolinhas_ (Small).JPG

Jardim mais votado em 2021.jpg

Caixa de Pandora_ 2º.jpg

CONCURSO COCA DE MONÇÃO´21

Trabalhos selecionados estão em exposição no Museu Monção & Memórias, até ao dia 10 de janeiro de 2022.

No âmbito da iniciativa “Mês do Cordeiro à Mesa de Monção”, nos dois últimos fins de semana de outubro, realizou-se a cerimónia de entrega de prémios e a inauguração da exposição do concurso “Coca de Monção`21”, patente ao público, até 10 de janeiro, no Museu Monção & Memórias.

Eva Vieira2.jpg

A exposição mostra uma seleção de 40 trabalhos de autores de várias localidades de Portugal e Espanha, onde foram abordadas diferentes formas de interpretação da emblemática figura da Coca, através de múltiplos olhares sobre o mítico dragão monçanense, um dos principais legados da cultura local.

Apadrinhado pelo artista Bordalo II, o concurso contou com o apoio institucional da Caixa de Crédito Agrícola do Noroeste, sendo o júri de premiação constituído por David Santos - Noiserv (músico), Afonso Cruz (escritor e artista multidisciplinar), Acácio Viegas (artista visual contemporâneo), Chelo Matesanz (artista e professora) e Sónia Borges (ilustradora).

O primeiro prémio (1.000,00 €) foi atribuído a Eva Vieira, com Cocariando”, o segundo (500,00 €) a Cátia Oliveira, com “Festa na Aldeia”, e o terceiro (300,00 €) a Daniela Lopes, com “Como é a música ….Assim é a dança”. A entrega dos prémios esteve a cargo de João Oliveira, Vice-Presidente da Câmara Municipal de Monção, e Júlio Soares, em representação da Caixa de Crédito Agrícola do Noroeste.

Considerando a qualidade dos trabalhos apresentados, o júri decidiu “outorgar” quatro menções honrosas: “Besta de Monção”, de Mariana Gregório, “Elas”, de Maria Almeida”, “Vitral da Coca de Monção”, de Anabela Ferreira, e “Lá vai a Banda”, de Hélder Peleja.

O concurso “Coca de Monção`21”, inspirado na “Sardinha das Festas de Lisboa”, teve como finalidade estimular a participação do público, de forma a reforçar, ainda mais, a iconicidade da Coca de Monção, o dragão mítico monçanense.

exposicao 01.jpg

exposicao 02.jpg

primeiro premio.jpg

segundo prémio.jpg

terceiro prémio.jpg

CONCURSO “COCA DE MONÇÃO`21”

Cerimónia de entrega de prémios e inauguração da exposição, com apresentação de 40 trabalhos selecionados, realiza-se este sábado, 23 de outubro, pelas 16h00, no Museu Monção & Memórias

A secular festividade “Corpo de Deus – Coca de Monção” é um dos acontecimentos mais relevantes do calendário cultural do concelho de Monção, tratando-se de uma celebração secular com caraterísticas muito próprias, onde o sagrado e o profano se cruzam.

Nesta festividade, que valoriza a etnografia popular e afirma a identidade coletiva do povo e do território monçanense, os momentos mais relevantes são a procissão solene do Corpo de Deus e a peleja ancestral entre o Cavaleiro S. Jorge, simbolizando o bem, e o Dragão Coca, simbolizando o mal.

Inspirando-se na “Sardinha das Festas de Lisboa”, a autarquia lançou o concurso “Coca de Monção`21”, procurando estimular a participação do público, com o objetivo de reforçar, ainda mais, a iconicidade da Coca de Monção, o dragão mítico monçanense.

Este sábado, 23 de outubro, pelas 16h00, no Museu Monção & Memórias, Rua da Independência, no centro histórico de Monção, realiza-se a cerimónia de entrega de prémios aos vencedores do concurso “Coca de Monção`21”, seguindo-se a inauguração da exposição desta primeira edição.

Bordalo II apadrinha concurso

Englobada na programação do “Mês do Cordeiro à Moda de Monção”, a exposição mostra uma seleção de 40 trabalhos de autores de várias localidades de Portugal e Espanha, onde são abordadas diferentes formas de interpretação da emblemática figura da Coca, através de múltiplos olhares sobre o mítico dragão monçanense, um dos principais legados da cultura local.   

O concurso, apadrinhado pelo artista Bordalo II, contou com o apoio institucional da Caixa de Crédito Agrícola do Noroeste. O júri de premiação foi constituído por David Santos - Noiserv (músico), Afonso Cruz (escritor e artista multidisciplinar), Acácio Viegas (artista visual contemporâneo), Chelo Matesanz (artista e professora) e Sónia Borges (ilustradora).

CONCURSO “COCA DE MONÇÃO`21”

Cerimónia de entrega de prémios e inauguração da exposição, com apresentação de 40 trabalhos selecionados, realiza-se este sábado, 23 de outubro, pelas 16h00, no Museu Monção & Memórias.

museumon1.jpg

A secular festividade “Corpo de Deus – Coca de Monção” é um dos acontecimentos mais relevantes do calendário cultural do concelho de Monção, tratando-se de uma celebração secular com caraterísticas muito próprias, onde o sagrado e o profano se cruzam.

Nesta festividade, que valoriza a etnografia popular e afirma a identidade coletiva do povo e do território monçanense, os momentos mais relevantes são a procissão solene do Corpo de Deus e a peleja ancestral entre o Cavaleiro S. Jorge, simbolizando o bem, e o Dragão Coca, simbolizando o mal.

Inspirando-se na “Sardinha das Festas de Lisboa”, a autarquia lançou o concurso “Coca de Monção`21”, procurando estimular a participação do público, com o objetivo de reforçar, ainda mais, a iconicidade da Coca de Monção, o dragão mítico monçanense.

Este sábado, 23 de outubro, pelas 16h00, no Museu Monção & Memórias, Rua da Independência, no centro histórico de Monção, realiza-se a cerimónia de entrega de prémios aos vencedores do concurso “Coca de Monção`21”, seguindo-se a inauguração da exposição desta primeira edição.

cartazmon2.png

Bordalo II apadrinhou concurso

Englobada na programação do “Mês do Cordeiro à Moda de Monção”, a exposição mostra uma seleção de 40 trabalhos de autores de várias localidades de Portugal e Espanha, onde são abordadas diferentes formas de interpretação da emblemática figura da Coca, através de múltiplos olhares sobre o mítico dragão monçanense, um dos principais legados da cultura local.

O concurso, apadrinhado pelo artista Bordalo II, contou com o apoio institucional da Caixa de Crédito Agrícola do Noroeste. O júri de premiação foi constituído por David Santos - Noiserv (músico), Afonso Cruz (escritor e artista multidisciplinar), Acácio Viegas (artista visual contemporâneo), Chelo Matesanz (artista e professora) e Sónia Borges (ilustradora).

FAMALICÃO: ANTÓNIO CASTRO HENRIQUES VENCE PRÉMIO DE HISTÓRIA ALBERTO SAMPAIO 2021

Galardão vai ser entregue dia 1 de dezembro, na Casa do Território, em Famalicão

António Castro Henriques é o vencedor do Prémio de História Alberto Sampaio 2021. A cerimónia de entrega do Prémio será realizada no próximo dia 1 de dezembro, data do aniversário natalicio de Alberto Sampaio (nasceu no dia 1Dez.1841) e, de acordo com a rotatividade prevista no Regulamento, terá, este ano, lugar na Casa do Território, em Vila Nova de Famalicão. O trabalho vencedor será publicado, também conforme prevê o Regulamento, na Revista de Guimarães.

Casa do Territóriofam.jpg

O Prémio de História Alberto Sampaio, inicialmente instituído em 1995 pelos Municípios de Guimarães e Vila Nova de Famalicão e pela Sociedade Martins Sarmento, renovado em 2016 e contando a partir de então também com o Município de Braga entre os instituidores “destina-se a homenagear e a manter viva a pessoa e obra de Alberto Sampaio, promovendo o desenvolvimento dos estudos científicos e investigação nas áreas ligadas ao seu legado, em especial, nas disciplinas da História Social e Económica”.

Os instituidores do Prémio Alberto Sampaio congratulam-se com o êxito alcançado pela edição deste ano, “que constituiu um contributo importante para o avanço do conhecimento histórico, agradecem a valiosa e atenta colaboração da Academia de Ciências de Lisboa e felicitam todos os concorrentes e, de um modo especial, o vencedor de 2021, António Castro Henriques”.

O júri, constituído sob a égide da Academia das Ciências de Lisboa, a quem está confiada a direção científica do Prémio, deliberou atribuir o Prémio de 2021 ao investigador António Castro Henriques que apresentou um trabalho com o título “Midas, Moedas e Mercados: A Economia Política do Primeiro Sistema Monetário Português, 1190-1250”.

No entendimento do júri, “trata-se de um excelente ensaio de investigação em história monetária da Idade Média, baseado em fontes arquivísticas exploradas de forma inovadora e que questiona criticamente o conhecimento adquirido. O autor revela maturidade e conhecimento aprofundado sobre os temas que analisa. Trata-se de um estudo sobre a gradual monetização da economia portuguesa do período, analisando o modo como a moeda adquire de forma crescente as funções de numerário, quer como medida de valor, quer como instrumento de troca. Tal ocorreu graças à circulação acrescida de moedas árabes e, sobretudo, dos novos morabitinos cunhados no reinado de D. Sancho I. Ambos os casos ilustram a dupla natureza da moeda, destinada por um lado ao financiamento das funções régias (sobretudo campanhas militares) e, por outro, à satisfação das necessidades do mercado. O ensaio de António Castro Henriques permite ainda um novo entendimento da relação entre a circulação monetária e a evolução dos preços de bens essenciais, ou seja, do poder aquisitivo da moeda em circulação. Neste sentido, discute com novos dados, trabalhados a partir de fontes documentais inéditas, o processo de depreciação da moeda (ou aumento do preço dos bens que com ela se trocam) que não resulta de modificações da quantidade em circulação, mas sim da sua degradação intrínseca.”

O júri congratulou-se ainda com a elevada qualidade da generalidade dos trabalhos admitidos, versando objetos de estudo de alguma forma relacionadas com as temáticas subjacentes ao âmbito do Prémio Alberto Sampaio.

FAMALICÃO: GRANDE PRÉMIO DE ENSAIO EDUARDO PRADO COELHO 2020 COM CANDIDATURAS ABERTAS

Encontram-se abertas, até dia 2 de novembro de 2021, as candidaturas ao Grande Prémio de Ensaio Eduardo Prado Coelho, instituído pela Associação Portuguesa de Escritores com o patrocínio da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão.

DSC_7081.jpg

O Prémio que se destina a galardoar anualmente uma obra de ensaio literário, em português e de autor português, publicada em livro, em primeira edição, no ano anterior ao da sua entrega, tem o valor monetário de 7.500 euros.

De acordo com o Regulamento do Prémio, disponível através do seguinte link https://www.famalicao.pt/grande-premio-de-ensaio-eduardo-prado-coelho, de cada livro publicado em 2020 serão enviados a concurso, pelos meios correntes, cinco exemplares à APE (Rua de São Domingos à Lapa, 17 − 1200-832 Lisboa), destinados aos membros do Júri e à biblioteca, até 2 de Novembro de 2021. Os livros não são devolvidos pela APE.

Refira-se que o Grande Prémio de Ensaio Eduardo Prado Coelho distinguiu desde de 2010 já Victor Aguiar e Silva, Manuel Gusmão, João Barrento, Rosa Maria Martelo, José Gil, Manuel Frias Martins, José Carlos Seabra Pereira, Isabel Cristina Rodrigues, Helder Macedo, Joana Matos Frias e Helena Carvalhão Buescu.

CÂMARA MUNICIPAL DE VIANA DO CASTELO ATRIBUI PRÉMIO AMADEU COSTA

Prémio Amadeu Costa premeia investigação nas áreas dos usos e costumes, artes, tradições vianenses e Romaria d’Agonia

O Prémio Amadeu Costa foi criado pela Câmara Municipal de Viana do Castelo para premiar a investigação nas áreas dos “Usos e costumes, artes e tradições vianenses” e dedicados à “Romaria da Senhora d’Agonia”.

ABELO5509 2premio.jpg

O prémio foi criado “com o objetivo de perpetuar o espírito, a obra e o amor de Amadeu Costa na preservação e valorização da cultura tradicional de Viana do Castelo”, promovendo ainda a leitura das obras do etnógrafo e aprofundando o conhecimento das tradições e romarias do concelho.

Para o Presidente da Câmara, esta iniciativa é marcada pela “emoção” e visa destacar “o enorme trabalho e pesquisa que Amadeu Costa fez a favor comunidade e da cultura vianenses”. “Este prémio, além de ser uma homenagem, visa estimular os mais jovens para que se possam apaixonar pela sua obra, pelos nossos usos e costumes e pela Romaria d’Agonia”, vaticinou.

Já João Lomba da Costa, filho de Amadeu Costa, agradeceu mais esta iniciativa “em prol da defesa da memória” do pai, num momento em que se está a assinalar o centenário do nascimento do etnógrafo.

De acordo com o regulamento, o Prémio Amadeu Costa será promovido anualmente e irá distinguir trabalhos realizados por alunos do ensino secundário e universitário de Viana do Castelo ou frequentar o ensino secundário e universitário no concelho vianense. Será, pois, atribuído um prémio de 3.000 euros à modalidade “Usos e costumes, artes e tradições vianenses” e outro de 3.000 euros à modalidade “Romaria da Senhora d’Agonia”.

As obras apresentadas a concurso têm de ser originais e escritas em língua portuguesa e o júri será constituído por cinco elementos. Os originais devem ser entregues até 30 de maio de cada ano civil e a deliberação será até 30 de julho do mesmo ano. Os resultados serão divulgados a 23 de outubro, dia em que se assinala o nascimento de Amadeu Costa.

Amadeu Alberto Lima da Costa foi etnógrafo, investigador e dinamizador cultural. É uma figura incontornável da cultura tradicional de Viana do Castelo pelo estudo e divulgação que dela realizou ao longo de toda a sua vida. Sempre assumiu o seu amor pela divulgação dos usos e costumes locais, mormente o traje à vianesa, além da organização das Festas em Honra de Nossa Senhora da Agonia, que ajudou a promover durante cerca de trinta anos, enquanto membro da Comissão de Festas.

Nasceu a 23 de outubro de 1920 e faleceu em 30 de março de 1999, em Viana do Castelo. Nascido no bairro da Ribeira, na Rua do Loureiro, troço atualmente denominado Rua Monsenhor Daniel Machado, foi um incansável lutador pela criação de um museu dedicado ao traje regional em Viana do Castelo. No momento da aquisição do edifício do Banco de Portugal para a instalação desse Museu, em 1996, foi ele que organizou a exposição Traje Regional, a primeira que aí se realizou. Também por esta razão, o Museu atribuiu a uma das suas salas o nome de Galeria Amadeu Costa.

Foi condecorado por imensas instituições, destacando-se a medalha de ouro da cidade de Viana do Castelo, com a qual foi agraciado em 1989.

ESPOSENDE ACOLHE CONCURSO DE SALTOS INTERNACIONAL EM HIPISMO

3.º Concurso de Saltos Internacional de Esposende decorre de 10 a 12 de setembro

A terceira edição do Concurso de Saltos Internacional (CSI) de Esposende vai decorrer entre os próximos dias 10 e 12 de setembro.

CSI Esposende21.jpg

O evento é organizado pelo Clube Hípico do Norte, em parceria com a Federação Equestre Portuguesa e a Câmara Municipal de Esposende, sendo que, este ano, por força da situação pandémica, não contempla a entrada de público.

Após o reconhecido sucesso das anteriores edições, o evento encontra-se perfeitamente consolidado no calendário do hipismo internacional. Espera-se, pois, que possa continuar a proporcionar uma experiência desportiva de excelência no território, tanto ao nível da participação e performance desportivas, como na hospitalidade com que Esposende recebe o evento, os participantes e seus familiares, dando um significado especial ao contexto desportivo.

A competição volta a contar com a presença de prestigiados cavaleiros internacionais e também com a elite equestre nacional, totalizando mais de 200 cavaleiros, acompanhados por 750 profissionais de equitação e 70 colaboradores, prevendo-se a realização de cinco competições diárias. As provas decorrem em contínuo ao longo dos três dias, entre as 10h00 e as 18h00. A prova rainha, o Grande Prémio Internacional, realiza-se no dia 12 de setembro (domingo), às 16h00.

Na perseguição da excelência, a organização atribuiu um “prize money” significativo às principais provas do Concurso, dinamizando o espírito competitivo saudável entre os atletas e imprimindo, assim, valor acrescentado à iniciativa.

A organização de um evento desta natureza no concelho de Esposende insere-se na estratégia de alavancar a notoriedade e visibilidade na comunidade equestre internacional, com um efeito subsequente de potenciar a internacionalização de Esposende como destino equestre turístico e desportivo. A articulação organizativa, desportiva e promocional entre o Município e o Clube Hípico do Norte, tem permitido alcançar resultados de excelência, com um significativo impacto na economia local, durante todo o ano.

CAMINHA: ESTAÇÃO FERROVIÁRIA DE LANHELAS FOI OFICIALMENTE ELIMINADA HÁ 10 ANOS!

A Estação Ferroviária de Lanhelas situa-se no troço da Linha do Minho entre Caminha e São Pedro da Torre (Valença), mais precisamente entre o Apeadeiro de Seixas e a Estação Ferroviária de Vila Nova de Cerveira.

SDC10802 minho.JPG

Prevista desde o início dos planos para a construção da Linha do Minho elaborados na década de 1870, a Estação Ferroviária de Lanhelas – originalmente denominada de Lanhellas – foi perdendo importância e veio a ser eliminada da rede ferroviária em 20 de Outubro de 2011.

Esta Estação ferroviária foi pelo Secretariado Nacional de Informação, uma das premiadas com menção honrosa especial, pela sua participação no XIII Concurso das Estações Floridas realizado em 1954.

Foto: João Silvério / https://apeadeirodasvirtudes.blogspot.com/

"BRAGA - MELHOR DESTINO EUROPEU DE 2021" DÁ TEMA AO CONCURSO MUNICIPAL DE FOTOGRAFIA

Inscrições iniciam-se a 6 de Setembro na Fonte do Ídolo

‘Braga – Melhor Destino Europeu de 2021’ é o tema da XVIII Edição do Concurso Municipal de Fotografia. Os concorrentes são desafiados a captar imagens alusivas à bimilenária cidade de Braga com as suas gentes, o seu património, as suas tradições, a sua cultura e a sua história.

Bragaz.jpg

O tema proposto visa essencialmente destacar Braga, eleita o melhor destino europeu em 2021, uma iniciativa da ‘European Best Destinations’, organização sediada em Bruxelas que promove a cultura e o turismo na Europa e distingue, desde 2010, as cidades mais modernas e atractivas para se visitar na União Europeia. Simultaneamente, visa convidar à imaginação e ao olhar peculiar dos concorrentes que poderão deixar-se inspirar nos recantos, nas particularidades, na história, na cultura, nas tradições, nos valores históricos, artísticos, culturais, religiosos e paisagísticos que distinguem a cidade de Braga como um destino de excelência, uma referência turística e o melhor destino europeu em 2021.

Neste enquadramento cada concorrente poderá apontar a objectiva ao geral e ao pormenor, ao material e ao humano, ao exterior e ao interior, aos rituais religiosos, costumes e tradições e outros elementos relevantes desta nobre cidade de Braga e de outros lugares e recantos do Concelho.

Esta edição do concurso de fotografia decorrerá nos dias 8, 9 e 10 de Outubro e contará com o apoio da Empresa Municipal TUB/E.M, que transportará gratuitamente os concorrentes nos vários circuitos da cidade de Braga, apresentando como “bilhete” a câmara fotográfica fornecida pela Câmara Municipal de Braga.

As inscrições, limitadas a 58 concorrentes, iniciar-se-ão no dia 06 de Setembro, na Fonte do Ídolo, no horário de 2ª a 6ª feira, das 09h30 às 13h00 e das 14h00 às 17h30 e Sábados das 11h00 às 17h30.

Ao primeiro prémio, corresponderá uma distinção no valor de 400€, a atribuir em numerário e um diploma, e a cada menção honrosa (duas) corresponderá uma distinção no valor de 200€, a atribuir em numerário e um diploma. Ao “Prémio Especial do Júri” corresponderá uma distinção no valor de 200€, a atribuir em numerário e um diploma.

O concurso, promovido pela Câmara Municipal de Braga, tem o apoio da TUB/EM e a parceria com a Koy Lab - Album Tailoring, empresa sediada em Braga e incluirá a habitual exposição pública, a inaugurar na Fonte do Ídolo, na qual estarão patentes os trabalhos premiados pelo Júri, bem como uma fotografia de cada um dos concorrentes, nos termos do regulamento do concurso.

O regulamento do Concurso está disponível no site do Município em: https://bit.ly/2WMqWL6

PROJETO DA PRAÇA - MERCADO MUNICIPAL DE FAMALICÃO FINALISTA EM PRÉMIO INTERNACIONAL DE ARQUITETURA

Votação em www.loopdesignawards.com/peoples-choice-award-architecture-2021/#architecture-public-buildings-institutional

O projeto de arquitetura da nova Praça – Mercado Municipal de Vila Nova de Famalicão é um dos projetos concorrentes aos The LOOp Design Awards, um dos mais prestigiados e reconhecidos prémios internacionais de arquitetura e design.

Praça Mercado Municipal de Famalicão (1).jpg

Depois de admitido a concurso pelo júri do galardão na categoria Arquitetura - Edifícios Públicos (Architecture | Public Buildings & Institutional),  a votação foi aberta  para o público em geral na plataforma oficial da organização em www.loopdessignawards.com  e o projeto da Praça – Mercado Municipal de Famalicão pode ser votado através diretamente no link: https://www.loopdesignawards.com/peoples-choice-award-architecture-2021/#architecture-public-buildings-institutional.

A LOOP Design Awards é uma plataforma aberta à criatividade e talento mundial para celebrar e homenagear a diversidade criativa com trabalhos exemplares de todo o mundo.

Recorde-se que a Praça Mercado Municipal de Famalicão reabriu portas no passado dia 25 de abril do corrente ano de 2021, totalmente remodelado e modernizado, com um novo conceito de “Praça”, com excelentes condições para quem vende e quem compra, mas também para quem o visita. Mais moderna, mais atrativa, mais funcional, potenciadora de novas experiências e vivências culturais e urbanas, assentes num estilo de vida mais saudável e com mais qualidade, num cruzamento harmónico entre a tradição, modernidade e inovação a Praça é hoje um equipamento incotornável de Vila Nova de Famalicão.

O projeto de arquitetura da Praça é da autoria da equipa de arquitetura da Câmara Municipal, tendo como responsável o arquiteto Rui Pedro.

Praça Mercado Municipal de Famalicão (2).jpg

Praça Mercado Municipal de Famalicão (3).jpg

MUNICÍPIO DE BRAGA PROMOVE CONCURSO DE FOTOGRAFIA

O Município de Braga promove de 1 de Setembro a 30 de Outubro o concurso de fotografia ‘Braga Natural’. A iniciativa visa a valorização do Concelho e a da sua biodiversidade, sensibilizando a população para a importância desta temática.

O concurso prevê a atribuição de três prémios no valor de 150, 250 e 500 euros. As normas de participação no concurso podem ser consultadas através do link: https://bit.ly/3j9QnyB

Mais informações sobre o concurso podem ser obtidas através do telefone 253 202 860 ou do e-mail ambiente@cm-braga.pt

241031122_4698054956892321_8320402567015980023_n.j

CONCURSO “COCA DE MONÇÃO`21”: ENTREGA DE PROPOSTAS TERMINA NO DIA 30 DE AGOSTO

CONCURSO, INSPIRADO NA “SARDINHA DE LISBOA”, TEM COMO OBJETIVO REFORÇAR A ICONICIDADE DO MITICO DRAGÃO MONÇANENSE

A secular festividade “Corpo de Deus – Coca de Monção” é um dos acontecimentos mais relevantes do calendário cultural do concelho de Monção, tratando-se de uma celebração secular com caraterísticas muito próprias, onde o sagrado e o profano se cruzam.

cartazcoca.png

Nesta festividade, que valoriza a etnografia popular e afirma a identidade coletiva do povo e do território monçanense, os momentos mais relevantes são a procissão solene do Corpo de Deus e a peleja ancestral entre o Cavaleiro S. Jorge, simbolizando o bem, e o Dragão Coca, simbolizando o mal.

Inspirando-se na “Sardinha das Festas de Lisboa”, a autarquia lançou o concurso “Coca de Monção`21”, procurando estimular a participação do público, com o objetivo de reforçar, ainda mais, a iconicidade da Coca de Monção, o dragão mítico monçanense.

Entrega de propostas termina no dia 30 de agosto

Individualmente ou em coautoria, as propostas devem ser submetidas até o dia 30 de agosto, segunda-feira, tendo como base a silhueta da forma da Coca, a qual se encontra disponível, juntamente com ficha de participação e as normas do concurso, no website municipal www.moncao.pt

Os trabalhos a apresentar podem ser executados em qualquer técnica digital ou manual sobre papel/cartolina, colagem, fotografia ou objetos tridimensionais, devendo, neste último caso, ser fotografadas e/ou digitalizadas. Os principais requisitos prendem-se com a originalidade e criatividade, bem como com a sua adaptabilidade a diferentes materiais de comunicação.

Com organização da Câmara Municipal de Monção, o patrocinador oficial do Concurso “Monção Coca`21” é o Crédito Agrícola. A ficha de participação e o link com a proposta concorrente devem ser enviadas para o seguinte correio eletrónico: cocademoncao@cm-moncao.pt

Artista Bordalo II apadrinha concurso

Tendo como padrinho o artista Bordalo II, o júri de premiação é constituído por Noiserv (músico), Afonso Cruz (escritor e artista multidisciplinar), Acácio Viegas (artista visual contemporâneo), Chelo Matesanz (artista e professora) e Sónia Borges (ilustradora).

Os vencedores serão anunciados no dia 2 de outubro. Os valores pecuniários são os seguintes: 1º Prémio (1.000,00 €); 2º Prémio (500,00 €) e 3º Prémio (300,00 €). Caso o júri entenda, poderão ser atribuídas menções honrosas.

Ficha de Participação, Normas do Concurso e Silhueta da Coca

https://bit.ly/3uJk7EX.

Envio da ficha de participação e link da proposta

cocademoncao@cm-moncao.pt

padrinhococa.png

juricoca.png

GRUPO DUPLAFACE – COMPANHIA DAS ARTES EM PARCERIA COM JUNTA DE FREGUESIA DE ARCOZELO OBTÉM PRÉMIO AUTÁRQUICO “ARISTIDES DE SOUSA MENDES”

O grupo DUPLAFACE – Companhia das Artes em parceria com a Junta de Freguesia de Arcozelo, obteve o prémio Autárquico "Aristides de Sousa Mendes" na categoria "Artes, Património E Outros Domínios Culturais", com a peça de teatro "Miosótis".

plduplaface (1).jpg

O Prémio Autárquico “Aristides de Sousa Mendes e outros salvadores portugueses - Holocausto, valores universais, humanismo e justiça”, é uma distinção honorífica de âmbito nacional. Segundo a Eurocid - Centro de Informação Europeia Jacques Delors, este prémio destina-se a incentivar de forma continuada, no espaço e no tempo, a adesão simbólica e material do País, através das autarquias locais, a este desiderato, centrado na valorização, nas suas diversas latitudes dos Direitos Humanos.

Na defesa e proteção dos direitos humanos a Junta de Freguesia de Arcozelo, associada ao grupo de teatro DUPLAFACE-Companhia das Artes da S. Cultural da Associação Cultural e Recreativa de Arcozelo, submeteram à candidatura a peça de Teatro “Miosótis”. Apesar de se misturar ficção com a realidade o espetáculo pretende  através das artes de palco, mostrar uma das partes mais cruéis da História do séc. XX. Além da representação, é ainda finalidade experimentar novas formas cénicas e de caracterização, proporcionado desta forma ao espectador um maior realismo.

O texto da peça de teatro “Miosótis” é da autoria José Eduardo Viera Luciano e Susana Maria Vieira Luciano, dois irmãos que integram este grupo e são naturais e residentes nesta freguesia.

Os premiados afirmam “Acreditamos que dada a proximidade entre o público e os atores, através da envolvência e realismo que o espetáculo possui, nomeadamente  através da sua apresentação junto da população mais nova (escolas) esta incitava enquadra-se perfeitamente nos objetivos propostos na candidatura, pois importa passar uma imagem clara, usando uma linguagem simples e “apelativa” para que de facto a história não seja esquecida e possa ser compreendida. Torna-se urgente mostrar o passado, para que se evitem cometer de novo os mesmos erros!”

 O grupo de teatro acima referido, conta já com 14 anos de existência e tem como objetivo nos seus trabalhos e performances usar as artes como forma de sensibilizar e consciencializar  públicos para acontecimentos reais, como forma de os dar a conhecer e fazer com que a mensagem passe de uma forma clara e eficaz. É neste âmbito que surge o espetáculo de teatro “Miosótis” que sendo uma criação original do DUPLAFACE – Companhia das Artes, tem como objetivo retratar o holocausto nazi.

O Município de Ponte de Lima congratula-se pelo feito de grande significado atingido com este importante reconhecimento que acima de tudo honra Ponte de Lima.

plduplaface (2).jpg

plduplaface (3).jpg

CONCURSO BARCELOS FLORIDO 2021 JÁ TEM VENCEDORES

O concurso Barcelos Florido 2021, que contou com 35 participantes, revelou-se como uma das mais competitivas edições deste evento de animação que tem decorado e colorido a cidade de Barcelos entre os meses de abril e julho.

BARCFLOR.jpg

O concurso premiou, este ano, a varanda do edifício da Cooperativa Agrícola de Barcelos, situado na Rua Fernando Magalhães, composta por floreiras marcadas por intensa policromia e equilíbrio de composição. Alzira Alves Costa arrecadou o segundo lugar, com a sua composição situada na Rua Miguel Bombarda e, em terceiro lugar, ficou a composição floral de António Manuel Faria Ribeiro Novo,  situado no Largo da Igreja, em Barcelinhos.

Para além do embelezamento das ruas e praças, o Concurso contribui para o envolvimento das pessoas com o local onde residem e permite uma maior valorização do património arquitetónico e natural. Estas composições são, aliás, elementos destacados nos registos fotográficos de quem visita a cidade e a freguesia de Barcelinhos. Por isso, as varandas floridas constituem já uma marca de identidade de Barcelos, juntamente com os jardins, fatores que incrementam a atratividade da cidade.

Este concurso procura não só implementar a atratividade destas áreas urbanas enquanto espaços de eleição para fruição turística, mas também a valorização estética e ambiental da cidade e “o embelezamento e a decoração das janelas e varandas com flores e plantas naturais".

Durante os últimos três meses, estes locais tornaram-se locais de grande beleza e de um enorme colorido, facto que despertou o interesse de quem nos visita e de quem reside no concelho, tornando estes locais mais acolhedores e aprazíveis.

Para além de uma participação individual, alguns destes concorrentes também integraram o concurso coletivo, no qual foi definido a "Melhor Rua" e o "Melhor Largo". Quanto ao prémio de “Melhor Rua”, a vencedora foi a Rua Miguel Bombarda. Em relação ao “Melhor Largo/Campo”, o premiado é o Largo da Igreja de Barcelinhos.

O concurso Barcelos Florido tem contribuído para edificar Barcelos como cidade-jardim, celebrando o prazer de bem receber, tornando significativa a experiência de visita à cidade e seu envolvente, onde os seus jardins reforçam essa beleza das ruas, rotundas, largos e avenidas, em ações que engrandecem o espaço. Tem sido uma forma de divulgar, ao longo do ano, as ruas, praças e largos de forma relevante contribuindo para a qualidade dos espaços de quem visita Barcelos. As melhores fotos geradas por locais, turistas e peregrinos têm levado Barcelos com cores floridas aos quatro cantos do mundo.

APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS VENCEDORES DO II CONCURSO DE CURTAS-METRAGENS: VIZELA, SEGREDOS DE UM VALE

Realiza-se esta noite, pelas 21.00h, a apresentação dos trabalhos vencedores do II Concurso de Curtas-Metragens: Vizela, segredos de um vale, na Casa da Cultura.

CURTAS A CONCURSO.png

De relembrar que foram avaliados 6 trabalhos do II Concurso de Curtas-Metragens de Vizela, Segredos de um Vale, a saber:

  • A Ilha dos Amores - Ricardo Silva
  • O Quinto Elemento -Pedro Peixoto e Inês Rocha
  • Por favor, volta -Ana Margarida Costa
  • Sobre os tempos da escola - Ana Lima
  • Sons do Vale - João Lages
  • Vizela Ad Aeternum -Turma 10º D da Escola básica e secundária de Infias, Vizela

Na edição deste ano, encontramos várias temáticas, que vão desde narrativas históricas de Vizela, até narrativas mais íntimas e individuais que nos convidam a olhar para Vizela através do olhar e da sensibilidade dos seus autores.

As três melhores curtas-metragens irão receber os seguintes prémios: 1º prémio – 500 euros; 2º prémio- 300 euros; 3º prémio – 150 euros, havendo também lugar à atribuição de prémios de menção honrosa, caso os elementos do júri assim o decidam.

De destacar que o júri deste concurso é constituído por três elementos: uma pessoa nomeada pelo Conselho Municipal de Juventude de Vizela – António Magalhães, um jovem vizelense Mestre na área audiovisual e amante da 7ª arte; uma pessoa da sociedade civil convidada pela organização – Diogo Lopes, ator profissional com uma carreira diversificada na televisão e no teatro; e em representação do Município de Vizela, Jorge Coelho, professor e consultor na área do Turismo.

A realização do II Concurso de Curtas-Metragens: Vizela, segredos de um vale é mais uma atividade que vai ao encontro da estratégia definida no Plano Estratégico de Juventude de Vizela – Juventude em Ação, e tem como objetivo promover a expressão artística e cinematográfica do/as jovens, bem como promover a valorização da identidade e do território de Vizela através de uma linguagem artística e criativa. Ou seja, independentemente dos vencedores deste concurso, é importante valorizar a participação e o empenho de todos os envolvidos nos trabalhos apresentados.

Todas as curtas-metragens podem ser vistas em cm-vizela.pt/curtas-metragens.