Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

FAMALICÃO: CINEMA PARAÍSO – 25 ANOS DE CINEMA AO AR LIVRE

Parque da Devesa_Cinema Paraiso_Agosto.jpg

Iniciativa regressa de 3 de julho a 21 de agosto, com sete sessões gratuitas de cinema ao ar livre

Desde 1999 que o ‘Cinema Paraíso’ traz o cinema ao ar livre para as noites de verão dos famalicenses.

A iniciativa, promovida pelo Cineclube de Joane e Casa das Artes de Famalicão, com o apoio do  Município de Vila Nova de Famalicão, regressa este ano de 3 de julho a 21 de agosto com sete sessões programadas.

A 25.ª edição do Cinema Paraíso arranca a 3 de julho, no anfiteatro ao ar livre do Parque da Devesa, com a exibição do filme “Maestro” (2023) de Bradley Cooper. Segue-se o filme de animação “Patos!”(2023) de Guylo Homsy, no dia 10, e “Os Excluídos” (2023) de Alexander Payne, no dia 17, e depois mais duas sessões no mês de agosto, no dia 14, com a exibição de “Wonka” (2023), um filme de Paul Kink e do “Reino Animal” (2023) no dia 21.

Pelo meio realizam-se sessões descentralizadas, no dia 14 de julho, no adro da igreja de Gemunde, em Outiz, com a exibição de “O Milagre de Milão”(1950) de Vittorio De Sica e em Avidos, no Parque de Merendas, onde é exibido a 21 de julho o filme “O Rapaz e a Garça” de Hayao Miyazaki.

“Propostas diversificadas de cinema popular de várias proveniências e géneros, misturada com um calendário de produção do presente, que não esquece a história do cinema”, refere a organização.

Todas as sessões são de entrada gratuita e o desafio é que o público apareça, traga as pipocas e uma manta e se instale nestas salas de cinema ao ar livre do “Cinema Paraíso”, que projeta luz e histórias a partir das 22h00.

O Cinema Paraíso, que ao longo destes 25 anos já percorreu mais de 40 espaços diferentes do concelho, é uma co-produção do Cineclube de Joane e Casa das Artes de Famalicão, com o apoio do  Município de Vila Nova de Famalicão e do Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA).

Toda a informação sobre a edição deste ano do Cinema Paraíso encontra-se disponível para consulta em www.famalicao.pt.

Fotos_Paraiso_2023 (1).jpg

FESTIVAL INTERNACIONAL DE FOLMES DE TURISMO DA ÁFRICA DISTINGUE VÍDEO “SABERES E SABORES DE PONTE DA BARCA”

448698839_460568220055898_6766753318443112647_n.jpg

Este já é o segundo prémio além fronteiras conquistado pelo vídeo do Município Barquense

O vídeo promocional “Saberes e Sabores de Ponte da Barca” do Município Ponte Da Barca foi recentemente distinguido com o Prémio Silver Award na categoria de Turismo Gastronómico, na 6ª Edição do Festival Internacional de Filmes de Turismo da África. A cerimónia de premiação decorreu em Joanesburgo, África do Sul, no passado dia 14 de junho.

O vídeo de Ponte da Barca destacou-se entre 436 inscrições de 61 países, um feito que deve encher de orgulho todos os barquenses. Esta distinção não só atesta a qualidade da nossa gastronomia, mas também valoriza o nosso património, as nossas gente e a nossa cultura.

Este é o segundo prémio internacional para este vídeo, já que em 2023 também foi o vencedor da 16.ª edição do ART&TUR - Festival Internacional de Cinema de Turismo, na categoria Melhor Filme: Turismo Gastronómico.

A conquista de mais este prémio é de extrema importância para Ponte da Barca, uma vez que eleva o prestígio do concelho a nível internacional e reforça a sua posição como um destino turístico de excelência.

Recorde-se que o festival, fundado em 2019 por Caroline Ungersbock e James Byrne, celebra conteúdos de vídeo inovadores e excecionais relacionados com a indústria do turismo e das viagens, produzidos em todos os continentes e utilizados em diversas plataformas.

O vídeo está disponível para visualização em: https://youtu.be/Y6bdrGZtJbs?t=20

448775848_460568226722564_1750905144152454696_n.jpg

“PODIA TER ESPERADO POR AGOSTO” – FILME DE CESAR MOURÃO, APOIADO PELO MUNICÍPIO ARCUENSE, TEM ESTREIA MARCADA PARA DIA 18 DE JULHO

“Podia ter Esperado por Agosto”, filme rodado em, Soajo, Arcos de Valdevez, com o patrocínio e apoio do Município, é o novo trabalho de César Mourão e conta com a realização e interpretação do próprio.

Este, que se espera que seja o blockbuster do ano 2024, já tem estreia marcada para dia 18 de julho e será certamente um sucesso!

A apresentação tem data marcada para dia 5 de julho em Lisboa!

Do elenco fazem também parte nomes como Kevin Dias, João Reis, Marco Paiva, Dinarte Branco, entre outros.

Este filme é mais uma aposta e investimento do Município na promoção cultural, identitária e turística do concelho, assumindo em definitivo Arcos de Valdevez como um dos principais destinos de filmagem de produções de cinema e televisão em Portugal.

7b09efc9-e020-4e04-8eef-163cf262db1d.jpg

“A FROTA BRANCA” PASSA POR ARCOS DE VALDEVEZ

“White Fleet Suite” de Pamela Morgan com Teófilo Pimentel, Zezé Fernandes, Duane Andrews, Áurea Gomes e Kyle Gryphon

18 de maio, sábado, às 22h00

Os Portugueses pescam ao largo da Terra Nova há séculos. A Frota Branca, em canadiano “White Fleet Suite”, visitava o porto de St. John´s para se abastecer ou para se abrigar das tempestades. Eram sempre bem-vindos: traziam a sua música, os sons da sua língua, vinho, os seus jogos de futebol; relacionamentos eram forjados; amizades duradouras e romances também.

O espetáculo “White Fleet Suite” é assim um tributo a esses navios de madeira e aos seus homens de ferro; uma verdadeira celebração da cultura e da História comum que une Portugal e o Canadá, com composições originais, tradicionais e muitas e emotivas poesias de ambos os lados do Atlântico.

Bilhetes disponíveis a partir do próximo dia 13 de maio, através da bilheteira física da Casa das Artes ou através do contacto geral - 258 520 520 (chamada rede fixa nacional)

Preço - 3€

441179236_833344022153476_4423164293960689869_n.jpg

QUEM FOI O CANTOR E ATOR VIANENSE ÓSCAR DE LEMOS?

Óscar_de_Lemos_no_filme__A_Menina_da_Rádio__(1944).jpg

Óscar de Sousa Lemos (Viana do Castelo, 17 de setembro de 1904 — Lisboa, 10 de dezembro de 1954) foi um ator e cantor português.

Óscar de Lemos nasceu a 17 de setembro de 1904, na Rua Nova de São Bento, freguesia de Santa Maria Maior, em Viana do Castelo, filho natural de Maria das Dores de Sousa, natural da mesma freguesia. Aos 10 anos, instala-se na casa de uns tios, no Porto, para estudar. Na Invicta, assistiu às primeiras sessões de cinema. Mais tarde muda-se para Lisboa, onde frequenta o Liceu Gil Vicente, que abandona para se tornar comerciante, depois perfumista e ainda angariador de seguros.

Figura de uma certa boémia lisboeta, canta e toca gaita-de-beiços na humorística Orquestra Aldrabófona, da Sociedade de Geografia da Trafaria, fazendo sucesso no pioneiro Rádio Clube Português dos anos 30. Foi então recrutado em 1936 para a equipa que acompanharia Jorge Brum do Canto até à ilha de Porto Santo para rodar A Canção da Terra, sendo convidado para interpretar o papel de "Caçarola". O êxito da sua participação nesse filme fá-lo singrar no cinema português durante alguns anos, obtendo grande sucesso em Aldeia da Roupa BrancaJoão Ratão e A Menina da Rádio, onde ficam famosos os seus dotes vocais e artísticos.

Em 1946 afasta-se do cinema. Faleceu aos 50 anos de idade, a 10 de dezembro de 1954, no Hospital de São José, em Lisboa, depois de ter sofrido uma hemorragia cerebral no Rossio. Encontra-se sepultado no Cemitério do Alto de São João, em Lisboa.

Uma reportagem da RTP descreve o ator como detentor de uma personalidade extremamente simpática e possuidor de um sorriso alegre e contagioso.

O seu nome faz parte da toponímia de: Oeiras (freguesia de Barcarena) e Sesimbra (freguesia do Castelo)

Fonte: Wikipédia

Animatografo_N01_11Nov1940_0007.jpg

Revista Animatógrafo. 2ª série, nº 1, 11 de Novembro de 1940

Capturaro1.JPG

Óscar de Lemos e Maria Eugénia em “A Menina da Rádio” 1944

Thumbnail.png

FAMALICÃO: CINEMA PARA VER NA CASA DAS ARTES

Close3.jpg

Close-Up Episódio 8.3

Nos dias 10 e 11 de maio, na Casa das Artes de Famalicão, encerra-se a 8.ª edição do CLOSE-UP – Observatório de Cinema de Famalicão

Sob o mote Infância e Juventude, chegam o aclamado Close, de Lukas Dhont, e uma das obras maiores de Satyajit Ray e da sua trilogia de Apu: O Invicto. O primeiro, é apresentado pela crítica de cinema e jornalista Susana Bessa, e o segundo, comentado por Teresa Garcia, realizadora e diretora da associação Os Filhos de Lumière. O Panda do Kung Fu 4 é a sessão para famílias na tarde de sábado.

Mais informações em closeup.pt

CLOSE

Lukas Dhont

10 de maio, 21h30

Com apresentação de Susana Bessa, crítica de cinema e jornalista

Léo e Rémi têm 13 anos e são inseparáveis. Depois de um Verão de inúmeras aventuras e partilhas, os dois ficam radiantes por terem sido colocados na mesma turma. Mas a sua proximidade é mal interpretada pelos colegas de escola, que os começam a atormentar com insinuações maliciosas sobre serem namorados. Para evitar ser ostracizado, Léo decide afastar-se. Até que, um dia, Rémi desaparece. Vencedor do Grande Prémio do Júri do Festival de Cinema de Cannes 2022 e nomeado para o Óscar de melhor filme internacional, um drama sobre a adolescência assinado pelo belga Lukas Dhont, que escreve o argumento em parceria com Angelo Tijssens, com quem tinha já trabalhado em “Girl” (2018), o seu filme de estreia.

Susana Bessa – Licenciada em cinema e audiovisual e mestre em estudos fílmicos e filosofia, resultado de um adorável acordo inter-universidades pré-Brexit onde partiu o seu tempo entre as aulas sobre Leibniz e sentimento na King’s College ao lado do Thames e o submundo avant-garde interdisciplinar da Goldsmiths College em New Cross, é uma crítica de cinema e jornalista. Aluna dos Berlinale Talents, já escreveu para o Público, Novo, European Film Academy, Mubi Notebook, Senses of Cinema, Film International, Cinea, The Rumpus, entre outros. Escreve sobre tudo um pouco no À Pala de Walsh - de Helke Sander a Herbert Ross. Descobriu-se verdadeiramente no cinema quando viu News from Home de Chantal Akerman, tem uma paixão particular pelo cinema norte-americano feito nos anos 70 e estuda o aborrecimento enquanto instrumento e arma estéticas.

O Invicto2.jpg

O INVICTO

Satyajit Ray

11 de maio, 17h30

Comentado por Teresa Garcia, realizadora e diretora da associação Os Filhos de Lumière

Um comboio atravessa uma ponte sobre o rio. E logo estamos na cidade sagrada de Benares, nas margens do Ganges, onde Apu e os pais recomeçam a vida da família. Apu tem 10 anos e é um aluno curioso e brilhante. Mas o infortúnio obriga a que regresse com a mãe à aldeia natal. Apu ganha uma bolsa para estudar em Calcutá, o que vai obrigá-lo a separar-se da mãe. Neste segundo episódio da "trilogia de Apu" de Satyajit Ray, uma belíssima relação mãe/filho está no centro do filme, em que vemos Apu transmitir à mãe, que se sacrifica para que ele estude, parte do que aprende na escola. O Invicto foi premiado com o Leão de Ouro no festival de Veneza, onde o cineasta decidiu que seria o segundo título de uma trilogia dedicada a Apu. O Invicto é o filme mais belo desta trilogia e uma das obras-primas de Ray.

Teresa Garcia - Finaliza a Escola Superior de Teatro e Cinema (ESTC) na área de montagem em 1988. Colabora, primeiro como anotadora e depois como assistente de realização em filmes de: Jacques Ossang, António Campos, Manoel de Oliveira, Margarida Gil, Serge Roullet, João César Monteiro ou Pierre-Marie Goulet ao longo de vários anos. Faz parte do departamento de cinema e audiovisual da Porto 2001- Capital europeia da Cultura entre 1999 e 2001 onde desenvolve uma programação de cinema intitulada “O Olhar de Ulisses” ao longo de 4 edições (2000 e 2001). Em 2000 funda a associação cultural Os Filhos de Lumière, vocacionada para a sensibilização ao cinema enquanto forma de expressão artística, que coordena ateliers de prática de cinema destinados a crianças e adolescentes, mas também adultos, orientados por cineastas e profissionais de cinema. Entre 2003 e 2014 participa no ciclo de cinema “O Cinema á volta de 5 artes/ 5 artes á volta do cinema” com a Cinemateca Portuguesa para o Festival Temps d’Images promovido em Portugal pela produtora Duplacena. Divide-se actualmente entre a realização, a programação, e a educação ao cinema através da associação Os Filhos de Lumière (projecto europeu CinEd, O Mundo à Nossa Volta/Cinema, cent ans de Jeunesse).

O Panda do Kung Fu4A.jpg

PANDA DO KUNG FU 4

Mike Mitchell

11 de maio, 15h00

Sessão para famílias

Po, o Guerreiro Dragão é escolhido para se tornar o Líder Espiritual do Vale da Paz, o que levanta alguns problemas óbvios. Primeiro, Po sabe tanto sobre liderança espiritual quanto sobre dietas. Segundo, tem de encontrar e treinar um Guerreiro Dragão que o substitua antes de assumir as novas funções. Pior ainda, a malvada e poderosa feiticeira Camaleão, capaz de assumir a forma de qualquer criatura, anda por perto e tem os seus enormes olhos no Bastão da Sabedoria de Po, que lhe daria o poder de ressuscitar os vilões que Po derrotou. Ou seja, Po vai precisar de muita ajuda. Encontra-a na astuta ladra Zhen, uma raposa que tira Po do sério, mas cujas habilidades se revelarão inestimáveis

BILHETEIRA:

Geral: 2 euros

Cartão quadrilátero: 1 euro

Entrada livre: estudantes, seniores, associados de cineclubes

PAREDES DE COURA: “25 DE ABRIL DE 1974 – QUINTA-FEIRA NO LER CINEMA

JJxd2PxkSWQ0dR2T.jpeg

qui_2 maio_21h30 | Centro Cultural

“25 de Abril de 1974, Quinta-feira” é o filme que esta noite, pelas 21h30, vai ser projetado no Centro Cultural de Paredes de Coura no âmbito do Ler Cinema e com a presença do fotógrafo Alfredo Cunha, para nos ajudar a contextualizar todas aquelas imagens por si captadas há 50 anos e que marcam a história do Portugal contemporâneo.

Assim, no âmbito da programação que o Município de paredes de Coura desenhou para assinalar os 50 anos do 25 de Abril, o filme “25 de Abril de 1974, Quinta-feira” é mais uma das muitas propostas que se estendem até final do ano. Musicado por Rodrigo Leão, “25 de Abril de 1974, Quinta-feira” traz-nos a revolução nos seus principais cenários, fotografada por Alfredo Cunha que captou imagens icónicas que perduram até hoje associadas ao acontecimento que mudou a história do nosso país,

Complementarmente, proceder-se-á ao lançamento do livro “25 de Abril de 1974, Quinta-feira”, numa edição Tinta-da-china, com fotografia e coordenação de Alfredo Cunha, textos de Carlos Matos Gomes, Adelino Gomes e Fernando Rosas, e gravuras de Alexandre Farto/Vhils, seguindo-se da visita guiada à exposição no Centro Cultural, que tem também uma extensão no espaço público, no Largo Visconde de Mozelos, junto aos Paços do Concelho.

25 de Abril de 1974, Quinta-feira

No dia 25 de Abril de 1974 (uma quinta-feira, tal como aconteceu este ano de 2024), Alfredo Cunha estava em Lisboa e fotografou a revolução nos seus principais cenários, captando imagens icónicas que perduram até hoje associadas ao acontecimento que mudou a História de Portugal.
Fotografias ALFREDO CUNHA
Música RODRIGO LEÃO
Gravuras ALEXANDRE FARTO/VHILS
Produção e Sonoplastia JOÃO ELEUTÉRIO
Textos LUIS PEDRO NUNES, ADELINO GOMES, CARLOS DE MATOS GOMES, FERNANDO ROSAS
Grafismo PEDRO SERPA
Realização e edição MIGUEL BRUGO
Produtor JUMPCUT
Doc, 39’
Língua Original Português (legendado em inglês)

Fruto do vosso ventre [curta-metragem]
Um filho descobre as antigas cassetes 8mm do seu pai. E, pela primeira vez, vê filmagens anteriores ao seu nascimento, da sua infância e adolescência. Ao vê-las, volta à casa onde cresceu, e começa uma investigação sobre os seus pais, para tentar compreender o trauma que viveu durante toda a sua vida.

Realização FÁBIO SILVA
Cast. CESALTINA TAVARES SILVA E FÁBIO SILVA
Assistente de realização JOÃO PEDRO SOARES
Imagem e edição FÁBIO SILVA
Mistura de som ANDRÉ DE ALMEIDA
Cartaz JOSÉ LEAL
Legendagem LILY CHADWICK
Doc, 20’
Língua Original Português (legendado em inglês)

Revolução (sem) Sangue

No fim de semana, sábado e domingo, pelas 15h00 e 22h00, o Centro Cultural apresenta-nos o drama/histórico “Revolução (sem) sangue”, dirigido por Rui Pedro Sousa.

Até ao dia da Revolução dos Cravos, o histórico 25 de Abril de 1974, os portugueses foram forçados a seguir as regras da ditadura. Mas nesse dia, o regime ditatorial do Estado Novo vigente desde 1933, foi deposto e a história do país entrou num novo capítulo.

O golpe foi preparado pelo Movimento das Forças Armadas (MFA) composto, na sua maioria, por capitães que tinham participado na Guerra Colonial, com o apoio de oficiais milicianos e uma enorme adesão da população, que se recusou a ficar em casa.

Como a resistência do regime foi quase nula, a violência foi pouco significativa. Mas, apesar de pouco se falar nisso, a liberdade custou a vida a cinco pessoas — entre as quais um soldado, um estudante universitário e um funcionário administrativo — surpreendidas pelas balas da DGS (a polícia política criada, em 1969, para substituir a PIDE), durante o cerco ao seu quartel-general.

Com realização de Rui Pedro Sousa, que coescreve o argumento com Amp Rodriguez, o enredo deste filme tem por base factos reais e segue os passos das vítimas entre os dias 24 e 26 de Abril de 1974, com o arranque da Revolução até à data dos seus funerais.

Título original: Revolução (sem) Sangue
Género: Drama/Histórico
Realização: Rui Pedro Sousa
Atores: Dinarte de Freitas, Rui Pedro Silva , João Arrais , São José Correia , Helena Caldeira , Rui Pedro Sousa
Duração (minutos): 103
Classificação: 12 anos

0E0K1b4Eu0hjKS50.jpeg

YMOTION: ESTÁ DADO O PLAY NA 10ª EDIÇÃO DO FESTIVAL DE CINEMA JOVEM DE FAMALICÃO

DSC_0188.JPG

Período para submissão de curtas decorre de 11 de maio a 15 de outubro

A 10.ª Edição do Ymotion – Festival de Cinema Jovem de Famalicão arrancou no passado sábado, numa sessão que juntou atores, cineastas, críticos de cinema e o júri do festival, que tem como madrinha desta edição a atriz Isabela Valadeiro.

O festival vai decorrer de 4 a 7 de dezembro, mas o período para a submissão das curtas-metragens produzidas por jovens dos 12 aos 35 anos acontece entre 11 de maio e 15 de outubro  em www.ymotion.org.

Até lá há diversas iniciativas de promoção do festival e da sétima arte em geral. É o caso do ciclo formativo que começa no próximo dia 13 de maio, composto por seis workshops e masterclasses gratuitas, que decorrem até ao dia 18 de maio com temas como a “Escrita de Argumento para Cinema”, “Introdução à Animação: Da Ideia ao Ecrã”, ou uma “Oficina Prática de Direção de Fotografia” entre outros. As inscrições serão abertas dia 3 de maio.

“O Ymotion não se resume à semana do concurso e há todo um trabalho de promoção, formação e incentivo à participação dos jovens no festival. É o caso do ciclo formativo e do prémio 'Cineasta do Futuro', novidade desta 10ª edição, e que é dirigido aos alunos do 3.º ciclo do Ensino Básico das escolas que integram o Plano Nacional de Cinema, e que os incentiva a explorar o mundo do cinema com entusiasmo e dedicação” apontou Luísa Azevedo, vereadora da Juventude do Município de Famalicão na apresentação do festival.

Esta edição tem nove categorias a concurso: à melhor curta-metragem será atribuído o “Grande Prémio Joaquim de Almeida”, no valor de 2500 euros. Haverá prémios para o melhor filme produzido por estudantes do ensino secundário, melhor documentário, o melhor filme de animação e para o filme preferido do público.  Serão também distinguidas a melhor curta-metragem experimental, a melhor interpretação, o melhor argumento e a melhor direção de fotografia.

Tal como nas edições anteriores, o argumentista e crítico de cinema, Tiago R. Santos, é o presidente do júri da competição, acompanhado por um painel de jurados vindos do universo do cinema, das artes, da literatura e da fotografia: Carla Chambel (atriz e vice presidente da Academia Portuguesa de Cinema), Válter Hugo Mãe (escritor e artista plástico), Paula Lobo Antunes (atriz), Lara Marques Pereira (jornalista de cinema) e Silvana Torricella (realizadora, e argumentista).

Outra das novidades desta 10.ª edição é a realização do documentário "retratos cinematográficos: uma jornada com ymotion", num tributo à história do festival que pretende mostrar os bastidores e as memórias de figuras notáveis homenageadas pelo YMOTION, como António Pedro Vasconcelos, Joaquim de Almeida, Rita Blanco, Lúcia Moniz e Beatriz Batarda, Rodrigo Santoro, Ines de Medeiros, entre outros. Este trabalho será promovido por um grupo de jovens famalicenses, alunos dos cursos de multimédia e audiovisual das escolas secundárias Padre Benjamim Salgado e Camilo Castelo Branco, que assumirão a direção deste documentário co produzido pelo YMOTION.

“Esta iniciativa não só destaca o compromisso do YMOTION com a promoção de talento local, mas também proporcionará uma visão única e apaixonada sobre a evolução do festival ao longo dos anos. Acreditamos que esta abordagem adicionará um toque autêntico e significativo ao 10º aniversário do festival, tornando-o verdadeiramente memorável” acrescentou Luísa Azevedo.

DSC_0241.JPG

Ciclo Formativo Ymotion – Programa e Inscrições

13 de maio, 14h30 (duração 2h) Workshop de Escrita de Argumento para Cinema, com Ricardo Leite Local: Casa da Juventude de Famalicão

14 de maio, 14h30 (duração 2h) Workshop: Introdução à Animação: Da Ideia ao Ecrã, com Laura Gonçalves Local: Casa da Juventude de Famalicão

15 de maio, 14h30 (duração 2h) Masterclass: Financiamento e Angariação de Recursos para Projetos Cinematográficos Jovens, com Manuel Claro Local: Casa da Juventude de Famalicão

16 de maio, 14h30 (duração 2h) Workshop: Som e Banda Sonora no Cinema: Criar Ambientes e Emoções, com Rui Reininho Local: Casa da Juventude de Famalicão

17 de maio, 14h30 (duração 2h) Oficina Prática de Direção de Fotografia, com Jorge Quintela Local: Casa da Juventude de Famalicão

18 de maio, 15h00 (duração 2h) Workshop de Casting para Cinema, com Jo Monteiro Local: Casa da Juventude de Famalicão

As inscrições para o Ciclo Formativo YMOTION 2024 estarão disponíveis a partir do dia 3 de maio no site da Juventude de Famalicão em www.juventudefamalicao.org e no site do festival em www.ymotion.org

DSC_0097.JPG

YMOTION – FESTIVAL DE CINEMA JOVEM DE FAMALICÃO ENTRA NA 10ª EDIÇÃO

Rui Pedro Tendinha, comissário do Ymotion.jpg

Apresentação do festival este sábado, dia 27 de abril, às 16h30, na Casa da Juventude

O Ymotion - Festival de Cinema Jovem de Famalicão prepara-se para entrar na sua 10.ª edição.

As novidades e os principais destaques da edição deste ano do festival, organizado pelo Município de Vila Nova de Famalicão para alavancar o trabalho de jovens cineastas portugueses, são apresentadas este sábado, dia 27 de abril, pelas 16h30, na Casa da Juventude de Famalicão.

Os atores Isabela Valadeiro, Carla Chambel, João Amaral e Lucas Dutra e os jornalistas/críticos de cinema Rui Pedro Tendinha e Tiago Alves são algumas das personalidades da sétima arte que este sábado marcarão presença em Famalicão.

Para além da apresentação do Ymotion’24, a sessão deste sábado ficará ainda marcada pela inauguração da mostra cinematográfica escolar “Juventude em Foco”, com curtas metragens e projetos premiados nas últimas edições do festival, realizadas por estudantes de Multimédia da Escola Padre Benjamim Salgado, de Joane, e do curso de Audiovisual da Escola Camilo Castelo Branco, em Famalicão, que são exemplo do talento emergente do cinema jovem na região.

Será ainda exibido o Making Of do filme “Revolução (Sem) Sangue”, com a presença do realizador Rui Sousa e de parte do elenco do filme.

DSC_8557.jpg

XXIV ENCONTROS DE CINEMA DE VIANA DO CASTELO TÊM LUGAR DE 2 A 14 DE MAIO COM 3 MIL ALUNOS INSCRITOS

GCI_3179 (1).jpg

De 2 a 14 de maio, Viana do Castelo acolhe o XXIV Encontros de Cinema de Viana, iniciativa que reúne diversas atividades para escolas, cineclubistas de Portugal e da Galiza e público em geral, contando já com a inscrição de mais de 3.000 alunos e de centenas de professores de mais de 100 escolas do concelho, da região, do país e até do estrangeiro.

Organizados pela Associação AO NORTE, em parceria com a Câmara Municipal de Viana do Castelo, os Encontros de Cinema estão de volta com uma 24ª edição dedicada à capacidade formativa e pedagógica do cinema. São vários os espaços de partilha e discussão que juntam profissionais, estudantes e público numa celebração do Cinema. Conferências, mesas-redondas, secções competitivas, oficinas, exposições e, acima de tudo, muitos filmes.

Na conferência de apresentação do evento, o Vereador da Cultura e da Educação, Manuel Vitorino, assumiu que este é “um evento marcante na cidade pelas várias dimensões que comporta”, destacando a interligação entre “o binómio cultura e educação”.

“Existe uma intencionalidade pedagógica e da formação de públicos. O cinema é um veículo difusor do estado da arte, da ciência, difusor da cultura nas suas múltiplas dimensões”, indicou, assumindo que este é “um evento muito bem estruturado e que merece ser acarinhado por todos os vianenses, pelos vizinhos da Galiza e por todos os que nos visitam”.

O diretor executivo dos Encontros de Cinema de Viana (ECVC), Rui Ramos, referiu que esta edição acontece “sob a égide dos 30 anos da AO NORTE e dos 50 anos de Abril”. “Os Encontros evoluíram e adaptaram-se ao longo de 24 anos e são agora o único festival, a nível nacional, com um foco na formação para o cinema e na ligação à comunidade educativa”, realçou.

Afirmam-se como uma experiência única no meio cultural da região e do país ao proporcionar um espaço comum de partilha, formação e debate em que confluem estudantes de cinema e das escolas da região, cineclubistas de Portugal e da Galiza e público em geral, enriquecido com a participação ativa de profissionais deste meio artístico. Este espaço de exibição, divulgação e reflexão aposta numa forte ligação aos mais jovens, à convocação de um espectro amplo e plural de públicos e ao estímulo do trabalho criativo sobre a imagem e do seu poder para representar o que nos rodeia.

Nesta edição, os Encontros de Cinema irão dividir-se entre Teatro Municipal Sá de Miranda, Cinema Verde Viana, Escola Superior de Educação e outros locais, devendo toda a programação ser consultada no site http://www.encontrosdecinema.pt.

2024 vai fazer-se de muitos encontros: a 13ª Conferência Internacional de Cinema, o seminário Work in Progress, a mesa-redonda Revoluções no/do Cinema, o curso de Antropologia, Cinema, Educação, o Fórum Cinema e Escola – práticas pedagógicas em Portugal e na Galiza, os Olhares Frontais, o Ação10! Festival de Vídeo Escolar, o Prémio PrimeirOlhar, o ciclo de filmes Escola no Cinema, o Encontro Luso-Galaico de Cineclubes, o filme-concerto A Floresta, Cinema para a Família, exposições, oficinas de formação para professores e alunos, lançamento da 27ª edição da publicação O Filme da Minha Vida e a apresentação pública dos vídeos realizados nas escolas no âmbito dos projetos Histórias na Praça, CINEpoesia e Vamos fazer um filme?.

No dia 4 de maio, às 11h00, o Teatro Municipal Sá de Miranda recebe o Filme Concerto “UMA FLORESTA ANIMADA”, para toda a família. Uma Floresta Animada é um elogio à vida na floresta que aborda temas intemporais como a amizade, a criatividade e a sustentabilidade. Em circulação desde 2009, o Space Ensemble apresentou este espetáculo nas principais salas do país.

A 13ª Conferência Internacional de Cinema acontece de 6 a 10 de maio na Escola Superior de Educação de Viana do Castelo e é um espaço de reflexão e de partilha de experiências visando a construção de uma comunidade internacional de interesses e de divulgação de projetos relacionados com temáticas centrais do cinema e do audiovisual – cinema e escola, cinema: arte, ciência e cultura e fotografia e memória.

Integrado nos programas da Conferência Internacional de Cinema de Viana e dos Olhares Frontais, o Work in Progress (WiP) apresenta e debate projetos de investigação em desenvolvimento no contexto de mestrado e doutoramento da área de cinema, audiovisual e novos média, a 10 de maio, com coordenação de Paulo Cunha (Universidade da Beira Interior).

Também a 10 de maio, acontece o 1.º ENCONTRO Antropologia, Cinema e Educação, no Anfiteatro da Escola Superior de Educação, num projeto desenvolvido pela AO NORTE em colaboração com a Escola Superior de Educação de Viana do Castelo, com a Universidade Rey Juan Carlos, de Madrid, com a Universidade Federal de Pernambuco (EDUMATEC) e em parceria com FUNDAJ – Fundação Joaquim Nabuco, do Brasil, a União de Cineastas, Associação de Documentaristas Espanhóis, a Rede Educar la Mirada, de Espanha, Plano Nacional de Cinema, de Portugal e Associação Olho Largo de Cabo Verde.

Ainda a 10 de maio, o Fórum Cinema e Escola pretende refletir sobre a literacia para o cinema, partilhar experiências e práticas pedagógicas em Portugal e na Galiza e contribuir para criar sinergias entre os projetos de educação para o cinema, os professores, as comunidades educativas e os agentes culturais.

O encontro com a imaginação e a fantasia são uma chave de mudança. Esse é o motor da programação dos Olhares Frontais no ano em que se comemoram os 50 anos de Abril. Este ano, dias 10, 11 e 12 de maio, a paisagem de propostas tem um ponto de partida celebratório e passa por articular filmes de vários géneros, vários anos e várias tipologias. As sessões da competição do “Primeirolhar”, continuam a marcar os Encontros pela reflexão que fazem da produção escolar - primeiros documentários. O júri é constituído por realizadores, investigadores, críticos e profissionais da área do cinema.

A 11 de maio, o Encontro Luso-Galaico de Cineclubes/2024 tem como tema principal os Direitos de Autor, consagrados numa legislação muitas vezes complexa que tem de ser tida em conta por quem programa.

Já dia 14 de maio, a Sala de Ensaios do Teatro Municipal Sá de Miranda acolhe AÇÃO10! Festival de Vídeo Escolar, que tem como principal objetivo promover a prática e a cultura audiovisual em contexto escolar e é aberto a todas as turmas, grupos de alunos ou Clubes de Cinema das escolas portuguesas do Ensino Básico e do Ensino Secundário.

Capturarcine (1).JPG

VIANA DO CASTELO: 24 ANOS A CELEBRAR O CINEMA

Capturarcine.JPG

Os ENCONTROS DE CINEMA DE VIANA estão de volta com uma vigésima quarta edição dedicada à capacidade formativa e pedagógica do cinema. São vários os espaços de partilha e discussão que, entre os dias 2 e 14 de maio, juntam profissionais, estudantes e público numa celebração do Cinema. Conferências, mesas-redondas, secções competitivas, oficinas, exposições, e, acima de tudo, muitos filmes. Um dos principais destaques da programação dos Encontros de Viana é a Conferência Internacional de Cinema, que ocorre de 6 a 10 de maio, na Escola Superior de Educação de Viana do Castelo. Na edição de 2024, a Conferência traz-nos um espaço de reflexão e de partilha de experiências visando a construção de uma comunidade internacional de interesses e de divulgação de projetos relacionados com temáticas centrais do cinema e do audiovisual - cinema e escola, cinema: arte, ciência e cultura, e fotografia e memória. Destaque para a palestra inaugural, Do Cinema como Arte Melancólica, por Maria Brás Ferreira, com moderação de Tomé Quadros, e a mesa-redonda Revoluções no/do cinema, com Gerald Bär, Luís Carlos Gonçalves, Ana Catarina Lima e André Campos.

Integrado nos programas da Con­ferência Internacional de Cinema e com coordenação de Paulo Cunha (UBI), o Work In Progress vai apresentar e debater presencialmente projetos de investigação em desenvolvi­mento no contexto de doutoramento nas áreas do cinema, audiovisual e novos média

Destaque para o Fórum Cinema e Escola, no dia 10 de maio, também na Escola Superior de Educação de Viana do Castelo, um encontro que pretende refletir sobre a literacia para o cinema, partilhar experiências e práticas pedagógicas em Portugal e na Galiza e contribuir para criar sinergias entre os projetos de educação para o cinema, os professores, as comunidades educativas e os agentes culturais.

Nos dias 10, 11 e 12 de maio, o Teatro Municipal Sá de Miranda acolhe mais uma edição dos Olhares Frontais que, segundo o programador, Pedro Sena Nunes, “o motor da programação dos Olhares Frontais, no ano em que comemoramos os 50 anos de Abril, é o encontro com a imaginação e a fantasia como uma chave de mudança. O encontro com o futuro só pode ser feito quando tornamos o passado presente, e os Encontros de Cinema de Viana procuram fazer esse exercício”.

Este ano, a escola internacional convidada é a The Academy of Performing Arts - Film and Television Faculty (VSMU - 1990) e será representada por Radek Ševčík que partilhará as metodologias pedagógicas e uma coleção de curtas-metragens.

A EFA – European Film Academy é uma referência do programa e um farol das Melhores Curtas-Metragens Europeias. Este ano contamos com os filmes de Manuel Muñoz Rivas, Susanna Flock, Robin Klengel, Leonhard Müllner e Michael Stumpf, Flóra Anna Buda, Jorge Cadena e Christian Avilés.

Este ano o destaque vai para o filme “Bom Povo Português” do realizador Rui Simões, que será apresentado pelo crítico António Roma Torres, a longa-metragem documental “Melusinas à Margem do Rio“ da jovem e promissora realizadora Mélanie Pereira que ainda recentemente participou como aluna no PrimeirOlhar. Num diálogo improvável entre filmes, celebramos os 50 anos de Abril com os realizadores: Leonor Noivo, Basil da Cunha, Dimitri Mihajlovic, Miguel Lima, Simão Cayatte e Abi Feijó.

A paisagem de propostas tem um ponto de partida celebratório e passa por articular filmes de vários géneros e anos. Existe um cruzamento de jovens promissores cineastas com o universo de profissionais consagrados. O objetivo é desencadear a renovação e o contínuo desenvolvimento de públicos.

Na programação dos Olhares Frontais, destaque ainda para o Prémio PrimeirOlhar, uma secção competitiva que visa premiar trabalhos realizados por estudantes de cinema ou audiovisuais, provenientes de escolas de Portugal, Galiza, Brasil e outros países de Língua Portuguesa.

Nos Encontros, os estudantes de 1º, 2º e 3º Ciclos e Secundário terão, também, uma secção competitiva através do Ação10! Festival de Vídeo Escolar, a decorrer no dia 14 de maio, no Teatro Municipal Sá de Miranda.

A secção Trabalhos de Casa, dividida em quatro sessões, Cinepoesia 1 e 2, Vamos Fazer Um Filme? e Histórias na Praça, apresenta, no Teatro Municipal Sá de Miranda, nos dias 6, 7, 8 e 9 de maio, os resultados fílmicos de várias iniciativas pedagógicas promovidas, durante o ano letivo, com várias escolas de áreas geográficas próximas e de ciclos escolares distintos.

Os Encontros de Viana abrem, ainda, as portas às escolas na secção Escola no Cinema, com a exibição de vários filmes em sala de cinema e, posteriormente, discutidos na sala de aula. Um incentivo à inclusão do cinema em contextos pedagógicos que, aliás, encontra ressonância nas ações de formação para professores A História do cinema em 40 Sequências, orientada por Felipe M. Guerra, e Filmar e Editar com Telemóvel, por Ana Moreiras.

De 6 a 10 de maio as escolas vão receber as oficinas de formação Stop-Motion (Animação de Recortes), orientada por Carolina Bonzinho e Inês Costa, A História do Cinema, por Felipe M. Guerra, e Histórias na Praça, por Pedro Sena Nunes, uma oficina de criação cinematográfica destinada a alunos do ensino básico e secundário.

Destaque ainda para o Encontro Luso-Galaico de Cineclubes, no dia 10 de maio, que tem como tema principal os Direitos de Autor. Inês Rebanda Coelho vai abordar os direitos que afetam a produção e a distribuição de cinema na Galiza e em Portugal e os filmes em domínio público de diferentes nacionalidades.

No dia 13 de maio, Tiago Manuel, diretor da coleção O Filme da Minha Vida, editada pela AO NORTE, e João Sequeira, o autor de One Of Us, o número vinte e sete da coleção, criado a partir do filme Freaks, de Tod Browning, apresentam o livro e inauguram a exposição com as ilustrações da publicação. No dia 6, no Café Concerto do Teatro Municipal Sá de Miranda, também será apresentado o livro 20 Filmes Fundamentais do Cinema Português, com a presença de Paulo Cunha e Diogo Costa, e a projeção do filme O Movimento das Coisas, de Manuela Serra.

Com curadoria de Filipe Rodrigues, os Encontros inauguram, no dia 7 de maio, na Galeria da Fundação Caixa Agrícola do Noroeste, Atrás Da Tela (Eu Não Sou Nada), uma exposição inspirada no filme Não Sou Nada – The Nothingness Club, de Edgar Pêra. A exposição celebra a rica tradição da interação entre cinema e pintura, e lança um olhar crítico sobre o papel das tecnologias digitais na transformação da experiência visual e na construção da narrativa histórica.

Às famílias será dedicada a programação dos dias 4 e 5 de maio, com o Filme-Concerto Uma Floresta Animada, pelo Space Ensemble, e com um programa de curtas-metragens de Cinema de Animação em colaboração com o CINANIMA, Festival Internacional de Cinema de Animação de Espinho.

Os Encontros de Cinema de Viana, organizados pela Associação AO NORTE em parceria com a Câmara Municipal de Viana do Castelo, são um espaço de partilha e discussão. A pro­moção do cinema, exaltando a sua capacidade pedagógica, é um objetivo que tem guiado a ação de todos os envolvidos na organização e promo­ção destes encontros.

Página WEB dos XXIV ENCONTROS DE CINEMA DE VIANA: http://www.encontrosdecinema.pt

GCI_3166.jpg

GCI_3170.jpg

GCI_3179.jpg

GCI_3183.jpg

GCI_3186.jpg

GCI_3190.jpg

FESTIVAL POLÍTICA REGRESSA A BRAGA COM ESTREIA NACIONAL DO FILME “ONDE ESTÁ O ZECA?”

unnamed (1) (5).jpg

2 A 4 MAIO, CENTRO JUVENTUDE DE BRAGA

Festival Política está de regresso em 2024 com a "Intervenção" como tema central da programação. Em Braga, o Festival Política ocupa o Centro de Juventude de 2 a 4 de maio, com 23 atividades na programação.

Um dos pontos altos da edição de Braga será a estreia nacional do documentário “Onde Está o Zeca?”, um filme de Tiago Pereira com Abel Andrade e um conjunto de amigos. Trata-se de uma coprodução entre A Música Portuguesa A Gostar Dela Própria e o Festival Política.

Onde Está o Zeca?” é um filme dedicado à figura do cantautor Zeca Afonso, mas também à lenda e ao mito que se tornou depois da sua morte, num país que o celebra como símbolo da revolução da liberdade. O documentário conta com a intervenção de dezenas de artistas, como Gil DionísioCantares de Alcáçovas, B. FachadaA Garota NãoLuca ArgelCapicuaFado BichaPierre AderneJoana NegrãoCoro dos AnjosPedro Silva Martins ou Francisco Fanhais.

Para Tiago Pereira, realizador do documentário, “Onde Está o Zeca?” apresenta-se como uma forma de assinalar o aniversário dos 50 anos do 25 de Abril, num reconhecimento de tudo aquilo que ainda falta fazer. “Acima de tudo, este filme não é sobre a palavra de um ‘messias’, mas antes uma reflexão sobre a necessidade de se humanizar: a liberdade nunca pode ser um espaço que desumaniza, porque se assim for perdemos tudo”“Onde Está o Zeca?” quer questionar a herança deixada por Zeca Afonso. “Quando se pergunta onde é que ele está, de certa forma fica no ar a reflexão que o filme precisa. Qual é o mito que cada um de nós construiu sobre esta figura?”, aponta Tiago Pereira.

A programação completa do Festival Política, que combina cinema, performances, música, humor, exposições e conversas de entrada gratuita, será divulgada no dia 23 de abril em conferência de imprensa a acontecer no Centro de Juventude de Braga.

Festival Política de Braga é um conceito da Associação Isonomia, que conta com o apoio da Câmara Municipal de Braga, InvestBraga, Centro de Juventude de Braga, Instituto Português do Desporto e Juventude, Comissão Nacional de Eleições e Parlamento Europeu – Gabinete em Portugal.

Em 2024, após Lisboa (abril) e Braga (maio), o Festival Política terá ainda edições em Loulé (outubro) e em Coimbra (novembro). Ao longo deste mês de abril, Grândola acolhe no Cineteatro Grandolense um ciclo de cinema Festival Política.

Festival Política apresenta-se como o maior evento dedicado aos direitos humanos e cidadania, de entrada gratuita, que decorre em Portugal. No ano passado, o Festival Política totalizou 14 dias de atividades em Lisboa, Braga, Coimbra e Loulé. A programação foi composta por 82 iniciativas, que contaram com mais de cinco mil participantes.

unnamed (11).jpg

VILA PRAIA DE ÂNCORA EVOCA A PESCA DO BACALHAU

Vila Praia de Âncora vai poder assistir, no próximo domingo, dia 14 de abril, pelas 16 horas, no Cineteatro dos Bombeiros Voluntários, à projeção do documentário "MAR MAIOR", de Rui Bela e Senos da Fonseca que estarão connosco, juntamente com os atores que ainda se encontram entre nós, e que nos contam, na primeira pessoa, a história da pesca do bacalhau.

434022688_122112000608259565_9129275618410367766_n.jpg

PAREDES DE COURA APRESENTA O PANDA KUNG FU 4

f1KMT3aQZlETTRjP.jpeg

Os mais novos têm este fim de semana, com duas sessões no sábado e domingo, uma proposta irrecusável com o filme de animação O Panda Kung Fu 4, dirigido por Mike Mitchell e Stephanie Stine.

Po (voz de Jack Black), o mais adorado panda da sétima arte, tem de avançar mais um passo na sua jornada de autoaperfeiçoamento, abandonar o cargo de Grande Dragão Guerreiro e assumir-se como Líder Espiritual do Vale da Paz, algo que ele tem resistência em aceitar, dado o seu défice de atenção e a sua capacidade de liderança ser muito aproximada ao zero.

Quando ele tenta encontrar quem o substitua no cargo de Dragão Guerreiro, conhece a raposa Zhen (Awkwafina) que, apesar das suas enormes aptidões e coragem, não gosta muito da ideia de ser instruída seja para o que for. Mas os dois vão ter de se unir contra a perigosa Camaleão (Viola Davis), uma feiticeira metamórfica que tem como objetivo apoderar-se do Bastão da Sabedoria de Po, de forma a ressuscitar todos os mestres vilões que por ele foram derrotados e, assim, acumular os seus conhecimentos das diversas artes marciais.

Empenhados em proteger o Vale da Paz da tirania da Camaleão, os dois novos amigos vão descobrir que os heróis podem ser encontrados nos lugares mais inesperados e que, muitas vezes, as vulnerabilidades de cada um podem dar espaço a algo muito poderoso.

Título original: Kung Fu Panda 4

Género: Animação/Aventura

Realização: Mike Mitchell, Stephanie Stine

Atores: Ian McShane (Voz), Dustin Hoffman (Voz), Jack Black (Voz), Awkwafina (Voz), Viola Davis (Voz), James Hong (Voz), Bryan Cranston (Voz)

Duração (minutos): 94

Classificação: 06 anos