Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

QUEM É O CELORICENSE RODRIGO DE SOUSA E CASTRO – UM DOS CAPITÃES QUE FOI DO 25 DE ABRIL?

IMG_7426.jpg

Rodrigo Manuel Lopes de Sousa e Castro (Celorico de Basto, 1944) é um antigo militar português. Militar de carreira, integra em 1973 a Comissão Coordenadora do Movimento dos Capitães, na clandestinidade. Participa na elaboração do documento O Movimento das Forças Armadas e a Nação, verdadeiro programa político do Movimento dos Capitães, bem como na organização e desencadeamento da operação militar de 25 de Abril de 1974, a designada Revolução dos Cravos, que culmina com o derrube do regime ditatorial, de 48 anos, de Salazar/Caetano. Coube-lhe o levantamento das forças militares a Norte, que na ordem de batalha dão corpo ao Agrupamento November. Durante o Verão de 1975 é um dos subscritores originais do Documento dos Nove e faz parte, por via disso, do Grupo dos Nove.

Rodrigo Manuel Lopes de Sousa e Castro nasce em Janeiro de 1944, na aldeia do Lugar da Cruz de Baixo, freguesia de Arnoia, concelho de Celorico de Basto. O pai é ferroviário, chefe de estação de Celorico de Basto, a mãe, regente escolar. Rodrigo de Sousa e Castro é o terceiro de sete irmãos. Em 1954 conclui a quarta classe, ingressando em seguida no Colégio de São Gonçalo, em Amarante, já com a ideia de vir a ser oficial do exército. Quando o Director e professor de Inglês, o Padre Ramalho, pergunta aos alunos, um por um, o que queriam ser quando fossem grandes, Sousa e Castro responde-lhe com alma: Quero ser oficial do exército!.

Em 1958, tem o jovem Rodrigo 14 anos de idade, Humberto Delgado passa por Amarante em campanha eleitoral, fardado, em pé num carro a descoberto. Os seus olhares cruzam-se numa rua estreita, com o povo a atirar-lhe flores, as janelas e as sacadas decoradas com colchas e os guardas-republicanos a fazerem-lhe continência. O eclodir da guerra em Angola encontra-o já a fazer o terceiro ciclo, no Liceu D. Manuel II, no Porto. Em 1962, com 18 anos e concluído o 7.º ano, concorre à universidade e é emancipado para poder arranjar trabalho. Concorre a um lugar de escriturário no 1.º Juízo Cível da Comarca do Porto e acaba colocado, mas sempre com a ideia de concorrer à Academia Militar, ou à Escola Naval, o que acaba por acontecer em 1963, sendo admitido.

Por força do conflito em África, é surpreendido pelo encurtamento da duração do curso. Ao ingressar no segundo ano, a classificação entretanto obtida permite-lhe escolher a Arma de Artilharia. No decurso deste ano, nova surpresa: por efeito da intensificação do esforço de guerra, os cursos das armas combatentes – Infantaria, Cavalaria e Artilharia - vêem a sua duração encurtada para três anos, sendo que o 3.º ano encadeia com o final do 2.º, por eliminação do habitual período de férias grandes. Isto significa que, logo em 1966, os cursos das armas combatentes iniciados em 1963, saem para os tirocínios nas respectivas Escolas Práticas.

Em 1966/67, com o posto de alferes cumpre a primeira comissão de serviço em Angola como adjunto do comandante da companhia 1463 do Batalhão de Artilharia 1864 e, após a rendição deste pelo Batalhão de Infantaria 1920, como adjunto do comandante da companhia 1721. Durante este período faz um curso de Comandos no Centro de Instrução de Comandos do Grafanil. Em 1970/1972, já capitão, realiza a segunda comissão de serviço em Moçambique, como comandante da companhia de comando e serviços do Batalhão de Artilharia 2918.

O Movimento dos Capitães e a Revolução de 25 de Abril de 1974

No regresso à Metrópole, em 1973/1974 integra a Comissão Coordenadora do Movimento dos Capitães, na clandestinidade. Em Março de 1974, participa na elaboração do documento O Movimento das Forças Armadas e a Nação, verdadeiro programa político do Movimento dos Capitães, bem como na organização e desencadeamento da operação militar de 25 de Abril. Aqui desempenha a função de oficial-estafeta (eram oito no total - capitães Pedrosa Afonso, António Torres, Rosado da Luz, Veiga Vaz, Sousa e Castro, Candeias Valente, Lopes Francisco e major Luís Arruda), cabendo-lhe o levantamento das forças militares a Norte, que viriam a constituir o Agrupamento November. A madrugada do dia 25 encontra-o já em Lisboa onde, depois de alguns sobressaltos, acaba por se dirigir ao Posto de Comando instalado na Pontinha. Aqui, assistirá à chegada do deposto Marcelo Caetano mas, sobretudo, pela significância do momento, à “tomada” do Posto de Comando por Spínola e a sua entourage.

Em Maio de 1974 faz o curso do sistema de mísseis antiaéreos Crotale, em Paris, e em Março de 1975 é nomeado para o Conselho da Revolução onde permanecerá até ao seu apagamento constitucional em 1982. Durante o Verão de 1975 integra o Grupo dos Nove e em 25 Novembro de 1975, desempenha funções no Posto de Comando instalado no Palácio de Belém, sob o comando directo do Presidente da República, General Costa Gomes.

Do Conselho da Revolução ao regresso à vida civil, passando pela actividade política.

No Conselho da Revolução assume as funções de superintendente para a Extinção da PIDE/DGS e LP, de presidente dos Serviços de Apoio do Conselho da Revolução e de porta-voz até 1980, ano em que é nomeado presidente da Comissão Instaladora do Instituto Damião de Góis da Presidência da República, cargo que exercerá até 1982. Entretanto, ainda em 1980 integra a CNARPE – Comissão Nacional de Apoio à Reeleição do Presidente Eanes, na qualidade de director do Departamento de Informação e Propaganda. Em 1981 é promovido a major. Após a revisão constitucional de 1982 e decorrendo do quadro político da época, apoia activamente o surgimento de uma nova formação política – o PRD, Partido Renovador Democrático - que tem na figura do Presidente Ramalho Eanes a sua alma pater. Recebe a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade, em 10 de Junho de 1985. Em 1986 é director de campanha da candidatura presidencial de Maria de Lurdes Pintasilgo. Dedica-se à gestão comercial e industrial entre 1982 e 2004. É co-autor, em 1999, do programa da SIC A Hora da Liberdade. Em 2000/2001, colabora na produção do programa da SIC Século XX Português. Em 2004 e no âmbito do processo de reconstituição das carreiras dos militares implicados no processo de transição democrática, é promovido a coronel. O despacho é assinado pelo ministro da Defesa Paulo Portas.

Foi presidente da Assembleia Geral da empresa Cacém-Pólis, o maior projecto realizado no âmbito do programa pólis, tendo exercido o cargo a título gratuito. Foi agraciado com a medalha de ouro da sua terra natal, Celorico de Basto, onde existe uma rua com o seu nome tendo inscrito RUA RODRIGO SOUSA E CASTRO - CAPITÃO DE ABRIL.

Foi cabeça-de-lista do PDR por Lisboa às legislativas de 2015.[1]

A 25 de Novembro de 2009 publica Capitão de Abril, Capitão de Novembro, com a chancela da editora Guerra & Paz. Publicou em co-autoria com Joana Pontes e Aniceto Afonso, o livro A HORA DA LIBERDADE , da ed. Bizâncio em Abril de 2012.Tem em projecto a publicação um segundo volume que abarca o período que medeia entre o 25 de Novembro de 1975 e a saída de cena do Conselho da Revolução em 1982.

Fonte: Wikipédia

CELORICO DE BASTO HOMENAGEOU O SEU CAPITÃO DE ABRIL – O CORONEL SOUSA E CASTRO

IMG_7448.jpg

Rodrigo Sousa Castro, natural de Celorico de Basto e um dos Capitães de Abril com um papel crucial nos acontecimentos do 25 de abril de 1974, foi homenageado pela autarquia.

O Coronel Sousa Castro, figura importante de um dos momentos mais marcantes da história contemporânea de Portugal, voltou à sua terra natal onde esteve presente numa iniciativa realizada pelo Centro de Formação de Basto. O evento reuniu cinco autores numa conferência dedicada aos 50 anos do 25 de abril, onde se refletiu sobre o significado e o legado deste marco histórico para a democracia portuguesa.

À margem da conferência, o presidente da Câmara José Peixoto Lima teve a oportunidade de expressar a sua gratidão e reconhecimento ao Capitão Sousa e Castro, oferecendo-lhe uma pintura especial realizada pela artista plástica Mafalda Rocha, autora da coleção "Os Rostos da Democracia". Esta obra de arte, que retrata o rosto do Capitão de Abril natural de Celorico de Basto, agora faz parte do catálogo desta coleção e irá perpetuar a memória e o legado deste herói nacional.

Rodrigo Sousa Castro deixou o seu agradecimento ao Município e referiu que “esta não é uma homenagem a um individuo, mas sim a um grupo de pessoas e às suas famílias que fizeram sacrifícios para a conquista da liberdade”.

Para o Presidente da Câmara, “a homenagem prestada ao Capitão Sousa e Castro é um tributo merecido a um homem cujo compromisso e coragem foram fundamentais para a consolidação dos valores democráticos em Portugal. O seu exemplo continua a inspirar gerações, recordando-nos sempre da importância da liberdade, da justiça e da democracia”. “O município de Celorico de Basto sente-se honrado por poder prestar esta homenagem ao Capitão Sousa e Castro e orgulha-se em contribuir para preservar a memória dos heróis que tornaram possível a conquista dos direitos e liberdades que hoje desfrutamos”, concluiu.

Este acontecimento marcou o arranque da comemoração dos 50 anos do 25 de abril em Celorico de Basto, durante todo o ano terão lugar várias iniciativas que assinalam a passagem desta data importante na história do país.

IMG_7424.jpg

IMG_7426.jpg

CELORICO DE BASTO PROMOVE HAÁBITOS DE LEITURA

24FW4837.JPG

Em Celorico de Basto o Concurso “Leituras no Douro, Tâmega e Sousa” apura alunos para o momento intermunicipal

A festa da leitura e da compreensão escrita iniciou ontem, 09 de abril, no auditório da Escola Básica e Secundária de Celorico de Basto, com o concurso “Leituras no Douro Tâmega e Sousa”.

Neste primeiro dia, as provas foram dirigidas aos alunos do 1º e 2º ciclos tendo sido apurados 3 alunos por ciclo. Os alunos prestaram uma prova de leitura expressiva seguida de interpretação da história tendo-lhes sido pedido que fizessem a alteração do rumo das personagens ou uma mudança do final da história. O 1º ciclo baseou-se na história “o Beijo da palavrinha” de Mia Couto e o 2º ciclo na obra de Inês Pedrosa “A menina que roubava gargalhadas”.

Esta iniciativa veio substituir o concurso nacional de leitura que terminou mas “não encerrou a liberdade criativa de quem olha para a leitura e a interpretação como recursos fundamentais para o desenvolvimento das nossas crianças. Temos uma biblioteca municipal com um acervo literário único e recursos humanos altamente capacitados para ajudar os nossos jovens a fazer as suas escolhas literárias, fomentando a criatividade e a autocritica das nossas crianças”. 

Luís Sousa, Rita Marinho Martins e Vanessa Lopes, foram os alunos apurados para o momento intermunicipal do 1º ciclo, do 2º ciclo seguem para a próxima fase os alunos Guilherme Teixeira, Maria João Marinho e Mariana Pereira.

A deliberação dos alunos apurados foi da responsabilidade de Mário Sousa, da Direção do Agrupamento de Escolas, Fátima Cunha, Bibliotecária da Biblioteca Municipal Marcelo Rebelo de Sousa, e Arménia Madail, professora aposentada de Português.

Amanhã, às 14h00, irá decorrer, no mesmo espaço, o momento municipal para o 3º ciclo e secundário.

A fase intermunicipal decorre no próximo dia 21 de maio, no Marco de Canaveses.

Este concurso é organizado pela Rede Intermunicipal de Bibliotecas do Douro, Tâmega e Sousa, a Biblioteca Municipal Marcelo Rebelo de Sousa e o Município de Celorico de Basto.

24FW4749.JPG

24FW4770.JPG

24FW4815.JPG

24FW4832.JPG

CELORICO DE BASTO COM MOSTRA EDUCATIVA E PROFISSIONAL

Na próxima quinta- feira, 11 de abril, decorre, na Casa da Terra, a VII Mostra Educativa e Profissional, uma iniciativa que tem por objetivo proporcionar aos jovens a oportunidade de conhecer muitas das possibilidades profissionais e educativas após a conclusão do 9º e do 12º ano. 

A iniciativa é promovida pelo Município de Celorico de Basto e é dirigida a todos os alunos do 9º e secundário do concelho e é mostra do interesse contínuo “em dar ao alunos e aos pais, como parceiros indispensáveis neste processo, várias possibilidades para o futuro dos jovens, seja a nível académico seja a nível profissional” disse Maria José Marinho, Vereadora da Educação da Camara Municipal de Celorico de Basto. A autarca acredita que é “preciso envolver toda a comunidade quando está em causa a educação, porque todos, de uma forma ou de outra, contribuem para a formação dos nossos jovens. Os pais têm aqui um papel fundamental na escolha do caminho a seguir, pais participativos e colaborativos têm um impacto significativo no desempenho escolar dos jovens contribuindo, muito diretamente, para o seu sucesso pessoal e profissional”.

Esta mostra educativa e profissional conta com a presença de várias entidades académicas e profissionais que apresentam aos alunos e visitantes no certame as suas especificidades e valências de forma a atrair os alunos. Nesta mostra estará presente o Exército, a Marinha, a Força Aérea, a GNR, a PSP, os Bombeiros, a Associação Empresarial de Celorico de Basto, o IEFP, o CENFIM, o CICCONP, o CFPIC, o CENATEX, o EPALC, a Escola Profissional de Fafe, o CISAVE, a Escola Profissional e Agrícola Eng. Silva Nunes, a Universidade do Minho, a Universidade Católica de Porto, a Universidade Católica de Braga, a Universidade Lusíada, a Universidade Fernando Pessoa, a Universidade da Maia, o Instituto Superior de Serviço Social do Porto, o Instituto Politécnico de Bragança, o Instituto Politécnico de Viana do Castelo, o Instituto Superior de Administração e Gestão, o Instituto Europeu de Estudos Superiores, a Escola de Hotelaria e Turismo do Porto e o Instituto Superior de Ciências Educativas do Douro.

Mostra educativa.png

CELORICO DE BASTO “COZEU O PÃO À MODA ANTIGA” PARA CELEBRAR O DIA NACIONAL DOS MOINHOS

DSC03462.jpg

Foi em ambiente festivo que se celebrou, em Celorico de Basto, o Dia Nacional dos Moinhos, com várias ações sempre com os moinhos como foco.

A manhã do dia 7 de abril iniciou com uma visita ao moinho de Perre (S. Romão do Corgo), de tarde, os moinhos do Bernardo estiveram abertos e a funcionar com a moagem do milho, e o forno da casa do Moleiro foi acesso para “cozer o pão à moda antiga”.

Esta iniciativa atraiu muitos curiosos que assistiram à atividade e colaboram ativamente na mesma. O rancho Folclórico os Amigos do Castelo foi a entidade dinamizadora com elementos do grupo a amassar a massa tal como fazia antigamente. Segundo a técnica de turismo do Município, Dores Vieira, “tudo foi feito como se fazia antigamente, usamos o saber fazer das gentes que usualmente coziam o pão e mostramos aos visitantes estas técnicas tradicionais e ancestrais que acrescentam valor a esta comunidade”.

Todo o ritual inerente a esta técnica foi replicado e deixou muitos dos presentes curiosos e encantados. Depois de juntar a farinha, de trigo, de milho e de centeio, juntou-se o fermento já devidamente embebido em água e sal, a técnica de amassar é um ritual muito próprio que termina com uma cruz no meio da massa e fica a repousar até levedar.

Os presentes desfrutaram de todo este processo e degustaram do bolo de carne. Puderam ainda usufruir dos cantares do rancho, que animou a ação.

Para a Vereadora do município, Maria José Marinho, “esta efeméride é, para este território, muito importante. O nosso património de moinhos é vasto, e teve um papel muito importante na economia local ao longo de séculos. Hoje são espaços que abrem pontualmente, em situações de visitas guiadas, para demonstrações e atividades educativas, e que se encontram devidamente preservados para manter viva a memória e a identidade das nossas gentes”.

DSC03420.jpg

DSC03421.jpg

DSC03424.jpg

DSC03438.jpg

DSC03439.jpg

DSC03479.jpg

DSC03521.jpg

DSC03532.jpg

unnamed (7).jpg

CRIANÇAS DE CELORICO DE BASTO USUFRUEM DE FÉRIAS DE PÁSCOA COM ATIVIDADES DE LAZER

DSC03366.jpg

O Município de Celorico de Basto desenvolve, durante o período de férias da Páscoa, atividades de animação e apoio à família, junto das crianças do pré- escolar de Celorico de Basto.

Esta ação absorve a interrupção letiva da Páscoa e oferece às crianças a oportunidade de desfrutarem do descanso de forma divertida e educativa. Desde passeios ao ar livre, jogos, idas ao parque, desporto, e atividades educacionais tudo foi possível realizar durante este período nos diferentes centros escolares do concelho.

Estas atividades de férias promovidas pelo município são “uma forma das crianças fazerem novos amigos, aprenderem habilidades e terem experiências enriquecedoras enquanto se divertem. Ao mesmo tempo, proporcionam aos pais a tranquilidade de saber que seus filhos estão seguros e bem cuidados durante as férias escolares” assegura Maria José Marinho, Vereadora da Educação da Câmara Municipal de Celorico de Basto. Estas atividades de Páscoa, “são atividades acessíveis a todas as famílias, ajudando a promover a inclusão e a igualdade de oportunidades para todas as nossas crianças”.

Uma prática que oferece benefícios sociais, educacionais e recreativos significativos.

DSC03367.jpg

DSC03369.jpg

CELORICO DE BASTO CELEBRA O DIA NACIONAL DOS MOINHOS

_DSC6482.JPG

Dia 7 de abril, Celorico de Basto vai “cozer pão à moda antiga” na casa do Moleiro, para celebrar o Dia Nacional dos Moinhos.

O Dia Nacional dos Moinhos existe com a intenção de preservar e valorizar este património histórico e cultural. Em Celorico de Basto “existe um valor incalculável de moinhos, que mantêm preservadas as técnicas tradicionais de moagem de cereais e que foram, em tempos, símbolos da agricultura, da economia local e do desenvolvimento das comunidades. Hoje, com o desenvolvimento tecnológico estas técnicas tradicionais de moagem são usadas quase d forma demonstrativa para que o saber fazer não se perca e se perpetue no tempo assim como este património e tudo o que lhe está associado” aferiu o Presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto, José Peixoto Lima.

A celebração do dia Nacional dos Moinhos começa logo pela manhã com a visita ao moinho de Perre, em S. Romão do Corgo. À tarde, a comunidade é convidada a meter “as mãos na massa” com o “cozer do pão à moda antiga”, na Casa do Moleiro, no Parque Urbano do Freixieiro, momento dinamizado pelo Rancho Folclórico de Santa Maria de Canedo.

_DSC6562.JPG

CELORICO DE BASTO EFETUA OBRAS DE VALORIZAÇÃO NOS MOINHOS DE ARGONTIM

DSC03249.jpg

Este elemento patrimonial de interesse relevante tal como está inventariado na carta do Património do PDM, está a sofrer obras após a aprovação da candidatura “Recuperação e valorização dos Moinhos de Argontim” integrada na medida Renovação de Aldeias do PDR2020 submetida pela Junta de Freguesia do Rego com apoio técnico do Município de Celorico de Basto.

A intervenção nos Moinhos de Argontim incide na recuperação e beneficiação do Núcleo Museológico do Planalto da Lameira, assim como a recuperação e beneficiação paisagística e ambiental do Circuito/ Percurso Turístico dos Moinhos de Argontim.

Fazem parte do Circuito/ Percurso Turístico dos Moinhos de Argontim, os moinhos de água existentes, bem como o Núcleo Museológico do Planalto da Lameira. Este circuito localiza-se na Freguesia do Rego, concelho de Celorico de Basto, ao longo do Rio Bugio. Um espaço constituído por vários moinhos, uma serração de madeira movida a água, uma azenha, e um alambique. O Núcleo Museológico do Planalto da Lameira foi instalado no edifício onde outrora funcionou uma serração de madeiras cujo engenho primitivo funcionou movido por roda hidráulica. No interior do edifício é possível observar todo o mecanismo da serração em funcionamento e um limador. O espaço alberga ainda uma moagem de duas mós e uma exposição temática de arqueologia. A exposição patente nesta sala remete, sobretudo, para os aspetos da exploração dos recursos agrícolas em dois grandes momentos: ao longo da Pré-História e na época romana.

A candidatura é financiada pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER) com uma taxa de apoio de 80%. A obra está a ser realizada pela junta de freguesia do Rego com o apoio da Câmara Municipal.

DSC03255.jpg

DSC03258.jpg

DSC03259.jpg

DSC03261.jpg

DSC03263.jpg

DSC03287.jpg

CELORICO DE BASTO: CENTRO CULTURAL DE FERMIL INTEGRA REDE NACIONAL DE ESPAÇOS COWORKING

Junta de feguesia de canedo (7).jpeg

Celorico de Basto distingue-se na criação de ambientes próprios para o trabalho autónomo, devidamente equipados para o networking para que diferentes profissionais possam desempenhar a sua atividade laboral à distância e sem custos adicionais.

O Centro Cultural de Fermil e a sede da junta de freguesia de Canedo de Basto e Corgo são dois espaços geridos respetivamente pela junta de freguesia de Veade, Gagos e Molares e a junta de freguesia de Canedo de Basto e Corgo e contam com salas devidamente apetrechadas e orientadas para este regime de trabalho. Celorico de Basto é um dos três municípios do distrito de Braga que integra esta Rede Nacional promovida pela CCDR-N. A criação destes espaços foi um desafio lançado pela Câmara Municipal às Juntas de Freguesia, na ótica de “criar condições de trabalho para muitos profissionais independentes que não têm um espaço físico para desenvolver a sua atividade. Estes espaços coworking são espaços democráticos, direcionados a vários profissionais de diferentes áreas, onde poderão desenvolver os seus projetos sem o isolamento do trabalho em casa e as distrações naturais dos espaços públicos. Uma necessidade cada vez mais premente considerando que há cada vez mais nómadas digitais a passar pelo nosso concelho e a precisar destes espaços para realizar as suas tarefas profissionais” disse José Peixoto Lima, Presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto.

Em breve, estando em fase final de conclusão, serão disponibilizados mais 2 espaços coworking, um na vila de Celorico de Basto e outro no polo urbano da Mota.

Celorico de Basto distingue-se na criação de ambientes próprios para o trabalho autónomo, devidamente equipados para o networking para que diferentes profissionais possam desempenhar a sua atividade laboral à distância e sem custos adicionais.

O Centro Cultural de Fermil e a sede da junta de freguesia de Canedo de Basto e Corgo são dois espaços geridos respetivamente pela junta de freguesia de Veade, Gagos e Molares e a junta de freguesia de Canedo de Basto e Corgo e contam com salas devidamente apetrechadas e orientadas para este regime de trabalho. Celorico de Basto é um dos três municípios do distrito de Braga que integra esta Rede Nacional promovida pela CCDR-N. A criação destes espaços foi um desafio lançado pela Câmara Municipal às Juntas de Freguesia, na ótica de “criar condições de trabalho para muitos profissionais independentes que não têm um espaço físico para desenvolver a sua atividade. Estes espaços coworking são espaços democráticos, direcionados a vários profissionais de diferentes áreas, onde poderão desenvolver os seus projetos sem o isolamento do trabalho em casa e as distrações naturais dos espaços públicos. Uma necessidade cada vez mais premente considerando que há cada vez mais nómadas digitais a passar pelo nosso concelho e a precisar destes espaços para realizar as suas tarefas profissionais” disse José Peixoto Lima, Presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto.

Em breve, estando em fase final de conclusão, serão disponibilizados mais 2 espaços coworking, um na vila de Celorico de Basto e outro no polo urbano da Mota.

imagem - fermil (1).jpeg

imagem - fermil (2).jpeg

Junta de feguesia de canedo (3).jpeg

CELORICO DE BASTO: CASTELO DE ARNOIA E CENTRO INTERPRETATIVO O CASTELO COM OBRAS DE REABILITAÇÃO

DSC03186.jpg

A intervenção que se encontra a decorrer visa beneficiar o Castelo e toda a sua envolvente assim com reabilitar de forma contundente o Centro Interpretativo do Castelo que serve como espaço de preservação e difusão de conteúdos históricos e arqueológicos alusivos ao Castelo e à antiga Villa de Basto.

A intervenção a ser executada no Castelo assenta na limpeza do espeço interior, na recuperação do gradeamento de acesso à torre de menagem, as estruturas de madeira interiores dessa torre, tal como algumas elementos do vigamento e o próprio deck, cuja estrutura de madeira bem como os perfis metálicos se encontram degradados. Ao mesmo tempo está a ser substituída a bancada exterior que se encontrava em elevado estado de degradação. O centro Interpretativo do Castelo encontra-se em considerável estado de degradação, verificando-se pertinente a sua recuperação. "Estes são espaços têm que ser dignificados e preservados, são o reflexo da nosso história enquanto povo, memórias de uma existência secular que nos engrandece e honra. Estas obras pretendem reabilitar anos de utilização e o desgaste do tempo”disse Domingos Teixeira, Vice-presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto.

 A intervenção no Centro Interpretativo passará por recuperar o pavimento das salas expositivas, bem como recuperar as paredes exteriores e interiores que se encontram fissuradas. Alguns tetos também se encontram degradados e carecem de recuperação.

Já na envolvente do castelo os trabalhos previstos assentam na recuperação e revalorização dos percursos existentes. De forma concreta, a intervenção proposta neste projeto no que se refere ao percurso pedestre consiste na requalificação dos espaços existentes, limpeza do terreno, na área do percurso e na sua envolvente, consolidação dos acessos, em saibro, incluindo a recuperação de algumas das valetas existentes e, componente fundamental, a recuperação de sinalética existente de acordo com as normas internacionais do pedestrianismo, incluindo marcas direcionais, painéis informativos e s mesas interpretativas.

A aldeia do Castelo está inventariada na Carta do Património do PDM como elemento patrimonial de interesse relevante, onde se encontra integrado o Castelo de Arnoia classificado como monumento nacional e único Castelo da Rota do Românico. 

Esta intervenção advém de uma candidatura submetida e aprovada ao Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 (PDR 2020), num investimento superior a 140 mil euros.

DSC03190.jpg

DSC03192.jpg

DSC03200.jpg

DSC03202.jpg

DSC03207.jpg

DSC03211.jpg

CELORICO DE BASTO VIVEU A VIA SACRA AO VIVO

DSC03146.jpg

O momento que simbolizou a Paixão de Cristo desde a condenação à morte na cruz foi hoje interpretado, com entrega e devoção, na igreja paroquial de S. Pedro de Britelo, pelos idosos do Celorico a Mexer.

A Semana Santa é um tempo marcante para os católicos e em Celorico de Basto os idosos que integram o Programa do Município de Celorico de Basto, Celorico a Mexer, voltaram a ser os protagonistas da Via Sacra, percorrendo o percurso de Jesus desde o Pretório até ao Calvário. Entre interpretação, liturgias e cânticos, a via Sacra comoveu os presentes a cada estação.

A assistir à cerimónia esteve o presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto, José Peixoto Lima, que se mostrou emocionado com as interpretações de cada estação. “São momentos com um simbolismo, muito marcantes e comoventes, verdadeiramente interpretados com fé e devoção. Uma cerimónia muito bem orientada e que evidência o trabalho e empenho dos trabalhadores deste programa e o dinamismo dos idosos que participam”. Para José Peixoto Lima, “estes momentos de reflexão preparam-nos para receber a festa da Páscoa e Jesus Ressuscitado”.

A acompanhar o Presidente da Câmara Municipal esteve a vereadora da Ação social, Maria José Marinho e o vice-Presidente da Câmara Municipal, Domingos Teixeira.

A cerimónia foi presidida pelo Pe. Carlos Macedo, pelo Pe. Parcidio Rodrigues, e o Diácono Sérgio Araújo, em estágio pastoral no Arciprestado.

DSC02993.jpg

DSC03005.jpg

DSC03011.jpg

DSC03020.jpg

DSC03127 (1).jpg

3ª EDIÇÃO DO JORNAL “LETRAS DE CÁ” LANÇADA EM CELORICO DE BASTO

imagem1.jpg

Jornal escolar “Letras de Cá” foi ontem distribuído na escola Básica de Gandarela em dia de celebração da atividade de Páscoa – “Mesa da Partilha”.

O jornal “Letras de Cá” esteve simbolicamente disponível no quiosque da escola “Quiosque da Liberdade” e é sinónimo do dinamismo deste estabelecimento de ensino “na criação de dinâmicas inclusivas que envolvem a comunidade escolar com brio e dedicação. Este projeto favorece a interação do aluno com a realidade social, desenvolvendo o seu sentido critico e o desenvolvimento do raciocínio, motivando-o para a participação e o sentido de pertença. Ao mesmo tempo é uma forma de tornar a comunidade escolar informada e participativa em projetos que a todos dizem respeito” disse Domingos Carvalho, Diretor do Agrupamento de Escolas de Celorico de Basto.

Para a Coordenadora da Escola Básica de Gandarela este é um “um projeto que nasceu impregnado de paixão com os alunos e os professores imbuídos no espirito de cidadania vinculado à comunicação, e que permite abrir, em definitivo, as portas à comunidade”.

Este é, de facto, um projeto impregnado de paixão e resiliência que não abre apenas as portas à comunidade “é um projeto que a convida a participar e a sentir a “escola”. Uma escola cada vez mais disponível, atenta e participativa, sempre com os alunos como obras a lapidar, neste que é o maior espaço do conhecimento e do saber. Esta ligação entre a escola e a comunidade acarreta uma multiplicidade de possibilidades e imprime uma responsabilidade crescente e integral, onde todos são visados” palavras de José Peixoto Lima, Presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto.

A apresentação do 3º número do “Letras de Cá” coincidiu com a atividade de Páscoa – “Mesa da Partilha”, e contou com uma atividade cultural associada com momentos referentes à Páscoa e à vida de Cristo com reflexão do padre António Gonçalves.

imagem2 (1).jpg

imagem3 (1).jpg

imagem4 (1).jpg

COMITIVA DE HOUILLES ESTEVE EM CELORICO DE BASTO NA FESTA INTERNACIONAL DAS CAMÉLIAS

420173552_811394081023962_4816992218314882436_n.jpg

Geminado com Celorico de Basto desde 2006, o Município de Houilles procura marcar presença neste concelho de forma a fomentar as relações de intercâmbio cultural entre os dois municípios.

A Festa Internacional das Camélias é um dos momentos mais marcantes da cultura celoricense e é, por isso, um atrativo para “fomentar experiências e vivências marcantes que permitam fortificar esta relação de proximidade entre estas duas culturas” disse José Peixoto Lima, Presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto, aquando da receção da comitiva francesa. “A nossa festa internacional das camélias destaca-se no nosso programa anual de atividades e acerca em si uma multiplicidade de possibilidades que gostaríamos de partilhar de forma consistente com os municípios geminados de forma a atribuir a este certame, ainda mais valor e notoriedade” ressalvou o autarca.

A comitiva de Houilles era composta pela presidente do Comité de Geminação, Alexandra Carlier Cadiou e por mais 5 elementos que ficaram alojados em famílias de acolhimento de Celorico de Basto. Durante a estadia, a comitiva usufruiu de um programa intenso na sua maioria integrado na programação genérica da Festa das camélias. De forma concreta, no sábado participaram no passeio de clássicos pelo concelho e durante a tarde usufruíram das cerimónias de abertura da exposição /concurso de camélias e das mais variadas atividades a decorrer na Quinta do Prado, assim como no desfile de moda para a eleição da rainha e princesas das camélias. No domingo tiveram a oportunidade de desfrutar da caminhada das camélias.

24FW3574.JPG

24FW3577.JPG

74766219-8e89-4df5-af6a-623d2865f6c3.jpg

MUNICÍPIO DE CELORICO DE BASTO ESTABELECE PARCERIAS ESTRATÉGICAS PARA IMPULSIONAR CONHECIMENTO E ECONOMIA EM TORNO DAS CAMÉLIAS

IMG_6801.jpg

No arranque da sua festa internacional, o Município de Celorico de Basto deu um passo significativo na valorização do seu património ao assinar protocolos de colaboração com a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro - UTAD e a Escola Profissional de Fermil - EPAESN.

 Estes acordos visam o desenvolvimento do conhecimento e a dinamização da economia em torno das Camélias, um valor natural e cultural do concelho. Através desta iniciativa articulada, espera-se impulsionar o setor das Camélias em várias vertentes, promovendo a sua valorização e contribuindo para o crescimento económico sustentável do concelho.

Os protocolos estabelecidos incluem a realização de estudos científicos sobre as Camélias, na área da identificação, classificação e boas técnicas de desenvolvimento da planta, a promoção de cursos de formação profissional relacionados com a sua multiplicação, bem como a implementação de iniciativas de valorização turística e comercial deste recurso. Estas medidas visam não apenas aumentar o conhecimento sobre as Camélias, mas também criar oportunidades de emprego e empreendedorismo no setor.

O presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto, José Peixoto Lima, destacou a importância destas parcerias estratégicas, afirmando: "Este é um momento de grande relevância para o nosso concelho. As Camélias são parte integrante da nossa identidade e possuem um potencial económico que está longe de ser explorado em pleno. Ao unirmos esforços com instituições de ensino e formação como a UTAD e a EPAESN, estamos a investir no conhecimento e na inovação, afirmando Celorico de Basto como uma verdadeira Capital das Camélias, criando as bases para um desenvolvimento sustentável, que nos permita mitigar os efeitos da sazonalidade do turismo”.

Por sua vez, o reitor da UTAD, Emídio Gomes, destacou a importância da colaboração entre a academia e as entidades locais: "sabemos do papel que podemos ter no desenvolvimento da região onde estamos inseridos. Ao juntarmos os nossos recursos e conhecimentos estamos a valorizar os recursos endógenos, a fomentar a inovação e contribuímos de forma positiva para a nossa comunidade".

Estas parcerias representam um compromisso conjunto entre o Município de Celorico de Basto, a UTAD e a EPAESN no desenvolvimento de atividades conjuntas com a valorização das Camélias como objetivo central. O momento foi assinalado com a plantação de uma Camélia e a colocação da primeira placa identificativa.

IMG_6791.jpg

IMG_6803.jpg

IMG_6838.jpg

IMG_6841.jpg

IMG_6848.jpg

CELORICO DE BASTO BRILHOU NA HOMENAGEM ÀS CAMÉLIAS

24FW2708.JPG

Visitantes rendidos à maior festa das camélias do país

A XIX Festa Internacional das Camélias levou, este fim-de-semana, milhares de pessoas a Celorico de Basto para assistir às atividades desenvolvidas, sempre com a camélia como fonte de inspiração.

A quinta do Prado foi o epicentro desta festa que está a crescer em dimensão e qualidade. “Não podíamos estar mais satisfeitos, foi um fim-de-semana intenso, com milhares de pessoas a visitar este concelho e a desfrutar de todas as ações desenvolvidas” disse José Peixoto Lima, Presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto. “Temos uma comunidade única e unida em prol de um mesmo objetivo, tonar este património natural e cultural a maior referência deste concelho no mundo, um caminho que vamos trilhando com brio e dedicação”. José Peixoto Lima ressalva a importância da internacionalidade, “esta visibilidade internacional, com a presença de visitantes de várias nacionalidades, com a crescente participação dos espanhóis nas atividades promovidas é para nós motivo de grande orgulho, sobretudo pela forma como se mostram agradados e encantados com a nossa festa”. Um certame que tem vindo a tornar-se uma oportunidade de negócio em várias áreas de desenvolvimento, ”a restauração e alojamento estiveram plenos durante este fim-de-semana com milhares de pessoas a terem que se deslocar aos concelhos limítrofes, sinal da grandiosidade e da atratividade que esta festa demonstra. Uma festa que envolve de facto a comunidade, que foi exímia na decoração de todo o concelho e que levou também a um aumento da dinâmica de negócio do comércio local”. Ao autarca assegura que “não podemos ficar indiferentes a todo este dinamismo criado em volta das camélias, um património que queremos valorizar cada vez mais e acima de tudo, consolidar. A marca Capital das Camélias tem que ser reforçada e o caminho passará, a curto prazo, pela criação de um laboratório vivo de camélias, um projeto que será concretizado em parceria com várias entidades do saber e do conhecimento, projeto esse que tornará este concelho uma referência nacional e internacional e um local de visita, com as camélias como atrativo, durante todo o ano”.

O domingo foi o dia que mais visitantes atraiu ao concelho, com milhares de pessoas a deambular pela quinta do Prado e por toda a vila de Celorico de Basto, para verem de perto as atividades promovidas com destaque para o maior desfile temático de sempre e a mais bela batalha das flores.

A exposição/concurso de camélias contou com a participação de 51 expositores, 23 dos quais estrangeiros. Numa mostra que ressalva a flor e as suas especificidades e o arranjo floral. Este concurso mostra-se cada vez mais atrativo para as associações locais que participam com brio, com mesas que competem de igual modo com os grandes colecionadores, fruto do conhecimento que vão adquirindo ao longo dos anos. Neste concurso foram atribuídos 10 prémios por um júri de referência nacional.

O desfile de moda para a eleição da Rainha e princesas das camélias coroou Marta Leite como rainha, Cláudia Lopes foi eleita a 1ª dama de honor e Viviana Costa a 2ª Dama de Honor, um espetáculo que inebriou o público do primeiro ao último instante. 

Estiveram em exposição 35 murais desenvolvidos pelas juntas de freguesia, associações e coletividades, verdadeiras obras de arte plenas de inspiração e criatividade. O mercado das camélias contou com vários expositores a vender produtos derivados de camélias e destacou os produtos endógenos como o vinho verde.

Uma festa com um forte impulso cultural que abriu com o espetáculo do humorista Herman José, no ano de celebração dos seus 50 anos de carreira.

24FW2670.JPG

24FW2717.JPG

24FW4196.JPG

24FW4197.JPG

24FW4199.JPG

ARTISTAS PLÁSTICOS DE CELORICO DE BASTO INSPIRARAM-SE NAS CAMÉLIAS PARA A CRIAÇÃO DE OBRAS DE ARTE

IMG_6715.jpg

Exposição “as camélias como fonte de inspiração” está patente em Celorico de Basto, no hall de entrada da Câmara Municipal. Com a curadoria da responsabilidade da artista plástica Carminda Andrade, a exposição está oficialmente patente ao público e pode ser visitada até o final do mês de março.

Para a curadora desta exposição, “as peças são criações inspiradas nas camélias e refletem a qualidade dos artistas de Celorico de Basto que se entregam em pleno a este projeto e apresentam obras verdadeiramente inspiradoras para quem as criou mas também, para quem as observa”. Entre quadros, telas, desenhos, esculturas, “são muitas as formas de apresentar arte” disse Carminda Andrade.

Em exposição estão peças de arte da autoria de Carminda Andrade, Vítor Resende, António Salvador, Andrea Silva, Domingos Silva, Lopes Cardoso, Rui Almeida, Olga Carvalho, Andorinha Astuta, Universidade Sénior, e muitos funcionários do município que pintaram desenhos da autoria de Carminda Andrade ou, criaram obras completamente originais.

Uma forma “inspiradora” de envolver os funcionários do município nesta exposição. “A arte tem um papel inclusivo muito vincado, e depende sempre da perceção de cada um” disse José Peixoto Lima, Presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto. O autarca frisou o trabalho de Carminda Andrade, uma artista local “que se entrega em pleno à arte e procura que todos, sem exceção, façam parte do “seu” projeto. Esta exposição é o reflexo da sua entrega e dedicação e mostra que as camélias são um produto carregado de potencial em várias áreas de desenvolvimento, inclusive quando se trata de arte”.

Esta exposição integra um mês de atividades dedicadas às camélias, a fonte de inspiração de cada ação desenvolvida. A visita à exposição é possível de segunda a sexta -feira, no horário de funcionamento da Câmara Municipal.

IMG_6674.jpg

IMG_6701.jpg

IMG_6702.jpg

IMG_6705.jpg

IMG_6707.jpg

CELORICO DE BASTO: ATLETAS DO BECA RECEBERAM TROFÉU DE CAMPEÕES REGIONAIS SUB-18

DSC01462.jpg

Objetivo é competir na 1ª divisão Nacional ao nível dos melhores clubes

Este sábado, 02 de março, no término do jogo frente ao AD Amarante, vencido pelo Beca por 31 bolas a 17, os atletas do Beca receberam a taça de Campeões Regionais Sub-18 da AA de Braga. Mais um momento na consagração de um clube que tem vindo a destacar-se na modalidade e a levar Celorico de Basto pelo mundo.

Para o treinador destes atletas, João Varejão, “esta é só uma pequena etapa, estamos agora a disputar a segunda fase do Nacional e queremos solidificar a nossa presença na 1ª divisão nacional e permitir que os nossos atletas possam competir com os melhores”. O treinador assegura que “quanto melhor for competição, melhor será o crescimento dos atletas dentro da modalidade. Esta etapa da 1ª divisão, segunda fase também está a correr muito bem, em três jogos, três vitórias, e agora queremos ficar nos 4 primeiro para pudermos garantir, em setembro, o arranque na primeira divisão nacional”.

Objetivos corroborados pelos atletas como nos assegurou o Chicão, capitão da equipa, “o nosso lugar é a primeira divisão, temos atletas com muito potencial, e estamos a fazer o nosso percurso, com resultados para atingir esse patamar”.

Para a autarquia celoricense este é mais um resultado de excelência de um clube que tem feito um trabalho “extraordinário na promoção da modalidade e do concelho. O Beca tem feito um caminho notável com resultados, com atletas altamente motivados e com muito potencial. Em 10 anos 10 internacionalizações é obra, mas é obra de um esforço contínuo de todos. Este é também resultado do apoio que esta autarquia dá ao desporto. Os contratos-programa formalizados com as diferentes entidades desportivas têm permitido que os clubes sejam cada vez mais competitivos e aspirem a lugares cimeiros. Aos campeões regionais sub-18 da AA de Braga, as maiores felicidades” disse Maria José Marinho, Vereadora do Desporto do Município de Celorico de Basto. “

O troféu de campeões regionais sub-18 foi entregue pela vereadora do Desporto, pelo presidente da AA de Braga, Manuel Moreira, e pelo diretor do Agrupamento de Escolas de Celorico de Basto, Domingos Carvalho.

DSC01474.jpg

DSC01487.jpg

HIPÓDROMO MUNICIPAL DE CELORICO DE BASTO RECEBEU O I GRANDE PRÉMIO DAS CAMÉLIAS

publico.jpg

A jornada inaugural do Campeonato Nacional de Trote e Galope decorreu este domingo, 03 de março, no hipódromo municipal de Celorico de Basto em Carvalho. O I Grande Prémio das Camélias contou com a presença de centenas de aficionados da modalidade e com uma grande participação de cavaleiros.

Esta é a primeira prova a realizar-se no hipódromo municipal no ano em curso de um total de três provas com a possibilidade de se realizar, segundo o presidente da Associação Portuguesa de Trote e Galope, Helder Barbosa, uma prova do Grande Prémio de Portugal. “Nós projetamos 18 jornadas para este campeonato, para Celorico de Basto estão projetadas 3, esta prova, uma outra que se realizará a 25 de agosto e outro em finais de setembro, outubro. Além destas jornadas queremos trazer uma quarta prova para este hipódromo, uma prova do Grande Prémio de Portugal. Celorico merece ter um Grande Prémio de Portugal”.

Estas provas de hipismo têm ganho cada vez mais aficionados com uma vasta moldura humana por todo o hipódromo. Para a vereadora do Desporto do Município de Celorico de Basto, “esta prova inaugural integra um dos eventos mais marcantes do nosso território, a Festa Internacional das Camélias, e mostra-se uma aposta ganha e cada vez mais apelativa para a população mas também para os cavaleiros que nos visitam nas diferentes competições”. A autarca assegura que este Grande Prémio das Camélias “colocou à prova nosso hipódromo que, apesar das condições meteorológicas que se tem feito sentir, se mostra em perfeito estado para a prática da modalidade”.

Foram disputadas 7 provas a galope e trote, de forma intercalada. Como habitualmente as corridas a galope colocaram o público em êxtase com os jokeys a imprimirem grande velocidade nos cavalos. O trote foi também amplamente disputado com o drive a conduzir o cavalo com a elegância exigida.

Esta primeira prova mostrou que o Hipódromo Municipal é cada vez mais, “um local de referência para a prática da modalidade. Estamos muito satisfeitos com os resultados desta prova, tivemos uma excelente recetividade com muita gente a assistir, mas tivemos também uma participação record de cavaleiros e isso é sinal que estamos a fazer um excelente trabalho na promoção da modalidade e deste espaço em particular” afirmou Jorge Marinho, Presidente da União de Freguesias de Carvalho e Basto (Santa Tecla).

corrida de cavalos.jpg

prémios (2).jpg

prémios.jpg