Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

PONTE DE LIMA: CABRAÇÃO E MOREIRA DO LIMA RESISTE AO COVID-19

CABRAÇÃO E MOREIRA DO LIMA

Largo da Igreja n.º 32

4990 – 670 – Cabração e Moreira do Lima

4-Comunicado COVID-19

A Junta de Freguesia de Cabração e Moreira do Lima, seguindo as orientações emanadas pelo Despacho 2836-A/2020 e as recomendações da Direção Geral de Saúde devido ao COVID-19, deliberou por unanimidade o seguinte:

- A partir da presente data e caso se verifique a necessidade em dar apoio/encaminhamento a todos aqueles que não têm retaguarda familiar suficiente para resolver situações quotidianas do dia-a-dia, principalmente ir à farmácia, para a aquisição de medicamentos ou outros bens de primeira necessidade – Nós vamos...

- Chamar à atenção da população em geral para os falsos profissionais de saúde e de operadoras de telecomunicações (se aparecerem à porta a oferecer os serviços de rastreio ao COVID-19 ou serviços de telecomunicações desconfie e chame a autoridade local GNR)

Contacte os membros do executivo, assim tentaremos satisfazer a sua necessidade o mais rápido possível.

Evite ao máximo as suas saídas de casa! Mantenha-se seguro, por si! Pelos outros!

Agradece-se desde já a compreensão

Cabração e Moreira do Lima, 20 de Março de 2020

O Presidente

Carlos Alberto de Matos Pinheiro

CABRAÇÃO EXORCIZOU O "PINTINHO" HÁ MAIS DE 40 ANOS!

Até meados dos anos setenta do século passado, a freguesia de Cabração, no concelho de Ponte de Lima, ficou famosa pelos rituais de exorcismo que dois párocos ali praticaram.

img256

Este tema mereceu inclusive a publicação de um artigo na edição de 1998 da revista “O Anunciador das Feiras Novas” sob o título “Cabração: o último exorcista”.

O padre Miranda foi o último pároco que ali exerceu tal ofício. Era extraordinária afluência diária de visitantes à localidade. O atendimento era geralmente feito durante a manhã até à hora de almoço. E, no exterior da capela de Nossa Senhora do Azevedo, podia ver-se uma longa fila de automóveis que por vezes chegava às três dezenas.

A pequena capela enchia-se por completo de pessoas que invariavelmente recorriam aos serviços do gentil pároco. Este procurava saber os pecados que condenavam a “alma penada” a encostar-se à criatura que atormentava. E, com umas valentes bofetadas, sempre acompanhadas de algumas preciosidades do nosso mais requintado vernáculo, lá tratava de enviar a alma atormentada para “o alto do monte onde só ouvisse cantar o mocho”

O padre Manuel Lopes Miranda faleceu em 26 de Janeiro de 1978 e foi sepultado em jazigo de família, em Barcelos, no cemitério paroquial de Cristelo, sua terra natal.

Com ele, a prática do exorcismo extinguiu-se na freguesia de Cabração. Resta na memória dos seus habitantes, sobretudo dos menos jovens, a forma como o mesmo era tratado – O “Pintinho”!

GOVERNO RESTITUI EM 1931 OS BENS CULTUAIS E PATRIMONIAIS DA PARÓQUIA DA CABRAÇÃO

Em 17 de Janeiro de 1931, o Governo, através do Ministro da Justiça e dos Cultos, mandou proceder à entrega de bens nos termos do Decreto n.º 11887, e 6 de Julho de 1926, na freguesia de Cabração, concelho de Ponte de Lima, distrito de Viana do Castelo, nomeadamente a igreja paroquial, dependências e objectos de culto, e passal composto de casa de habitação, lojas, terreiro, terra de cultivo, vinha e árvores de fruto.

Refira-se que esta decisão situa-se numa fase de transição da Ditadura Militar instaurada em 1926 para o Estado Novo que se estabelece definitivamente com a aprovação da Constituição de 1933.

Fonte: Arquivo do Ministério das Finanças

Capturarcabr1 (1).PNG

Capturarcabr2 (1).PNG

Capturarcabr3.PNG

Capturarcabr4.PNG

Capturarcabr5.PNG

Capturarcabr6.PNG

Capturarcabr7.PNG

Capturarcabr8.PNG

Capturarcabr9 (1).PNG

Capturarcabr10 (1).PNG

Capturarcabr11.PNG

Capturarcabr12.PNG

Capturarcabr13.PNG

Capturarcabr14.PNG

Capturarcabr15.PNG

Capturarcabr16 (1).PNG

Capturarcabr17 (1).PNG

Capturarcabr18.PNG

Capturarcabr19.PNG

Capturarcabr20.PNG

Capturarcabr21.PNG

Capturarcabr22 (1).PNG

Capturarcabr23 (1).PNG

Capturarcabr24 (1).PNG

Capturarcabr25 (1).PNG

Capturarcabr26.PNG

Capturarcabr27.PNG

Capturarcabr28.PNG

Capturarcabr29.PNG

PONTE DE LIMA: CABRAÇÃO RECLAMOU DO ARROLAMENTO DOS BENS CULTUAIS EFECTUADOS EM 1911

Em 21 de Março de 1916, a Junta de Paróquia de Cabração, do concelho de Ponte de Lima, distrito de Viana do Castelo, apresentou reclamação sobre o arrolamento considerado indevido de 11 inscrições do valor nominal de 100$00 cada, bem como títulos particulares no valor de 131$59.

Capturarr1.jpg

Refira-se que desde a reforma administrativa de 18 de Julho de 1835 foram criadas as juntas de paróquia para se destacarem da estrutura eclesiástica que remonta à Idade Média, muito embora os seus limites geográficos fossem coincidentes com esta. Com a Lei nº 621, de 23 de Junho de 1916, a estrutura civil das juntas de paróquia passaram a designar-se por juntas de freguesia – de filius ecclesiae – que, ironicamente, quer dizer “filho da Igreja”.

Fonte: Arquivo do Ministério das Finanças

Capturarr2.PNG

Capturarr3.PNG

Capturarr4.PNG

Capturarr5.PNG

Capturarr6.PNG

Capturarr7.PNG

Capturarr8.PNG

Capturarr9.PNG

Capturarr10.PNG

Capturarr11.PNG

Capturarr12.PNG

Capturarr13.PNG

Capturarr14.PNG

Capturarr15.PNG

Capturarr16.PNG

Capturarr17.PNG

Capturarr18.PNG

Capturarr19.PNG

Capturarr20.PNG

Capturarr21.PNG

Capturarr22.PNG

Capturarr23.PNG

CABRAÇÃO: DILIGÊNCIAS DE HABILITAÇÃO PARA O CARGO DE FAMILIAR DO SANTO OFÍCIO DE JOÃO AFONSO ESTEVES E DILIGÊNCIAS PARA CASAR DE INÁCIA MARIA DE JESUS

Cargos, funções, actividades: mercador Naturalidade: freguesia de Santa Maria de Cabração, termo de Ponte de Lima, arcebispado de Braga Morada: cidade de São Paulo, bispado do Rio de Janeiro, Brasil.

Por impossibilidade prática de publicar-se o documento na íntegra devido à sua extensão, publicam-se as primeiras páginas.

Fonte: ANTT

PT-TT-TSO-CG-A-008-001-11062_m0001_derivada.jpg

PT-TT-TSO-CG-A-008-001-11062_m0002_derivada.jpg

PT-TT-TSO-CG-A-008-001-11062_m0003_derivada.jpg

PT-TT-TSO-CG-A-008-001-11062_m0004_derivada.jpg

PT-TT-TSO-CG-A-008-001-11062_m0005_derivada.jpg

PT-TT-TSO-CG-A-008-001-11062_m0006_derivada.jpg

PT-TT-TSO-CG-A-008-001-11062_m0007_derivada.jpg

PT-TT-TSO-CG-A-008-001-11062_m0008_derivada.jpg

PT-TT-TSO-CG-A-008-001-11062_m0009_derivada.jpg

PT-TT-TSO-CG-A-008-001-11062_m0010_derivada.jpg

PT-TT-TSO-CG-A-008-001-11062_m0011_derivada.jpg

PT-TT-TSO-CG-A-008-001-11062_m0012_derivada.jpg

PT-TT-TSO-CG-A-008-001-11062_m0013_derivada.jpg

PT-TT-TSO-CG-A-008-001-11062_m0014_derivada.jpg

PONTE DE LIMA: O MEL DA CABRAÇÃO É A SUA MAIOR RESERVA DE OURO!

“O mel desta terra merece ser tam celebrado de nós como he de Horacio o do monte Hymeto” – P. António Carvalho da Costa

Qual monte Hymeto, a Cabração é desde tempos imemoriais uma magnífica colmeia de onde sempre se praticou a apicultura e produziu o melhor mel de toda a região – porventura um dos melhores de todo o país!

DSCF4374.JPG

São numerosas as referências à qualidade do mel da Cabração, porventura o produto que lhe dá mais fama. Na “Corografia portugueza e descripçam topografica do famoso reyno de Portugal...”, P. Antonio Carvalho da Costa narra o seguinte:

“Nossa Senhora da Natividade de Cabração, parece que foi toda, ou parte Couto do Mosteiro de Vitorino, que devia ali ter quinta de criação de gados, o que se infere de uma escritura, que dele se conserva no do Salvador de Braga, para onde se mudou, na qual se diz, que indo El Rei Dom Afonso Henriques à caça de porcos-bravos a esta Freguesia, que é parte da Terra de Arga, acompanhando-o Nuno Velho, Sancho Nunes, Gonçalo Rodrigues, Lourenço Viegas, e outros fidalgos, o Abade de Vitorino lhe deu um jantar junto da Ermida de Azevedo posta no dito monte de Cabração, no fim do qual El Rei lhe demarcou ali um Couto; mas arruinando-se a Capela, Dom Pascoal, Celeireiro em Ponte de Lima d’El Rei Dom Sancho o Primeiro, quis no ano de 1187 devassa-lo com lhe pagarem certos direitos, a que se opôs Dona Sancha Abadessa de Vitorino, e a Justiça mandou se entremeter-se entre o Celeireiro no Couto: hoje o não é, mais que Paróquia com Vigário, que apresentam as freiras do Salvador de Braga: tem oitenta vizinhos. O mel desta terra merece ser tão celebrado de nós, como é de Horácio o do monte Himeto.”

capture1

Localiza-se o monte Hymeto na Ática, a sul de Atenas, na Grécia. Reza a mitologia clássica que estava povoado de abelhas que produziam o mel mais rico e saboroso e a cera mais suave de toda a Grécia, encntrando-se na sua origem a fragância das suas magníficas flores, a tal ponto que os répteis que ali habitavam deixaram de ser venenosos.

DSCF4371 (2).JPG

Isolalada em relação aos grandes aglomerados urbanos e vias de comunicação, a Cabração beneficia de extraordinárias condições ambientais que lhe permitem implementar nomeadamente os melhores projectos turísticos, desportivos e outros cuja actividade humana não coloque em causa a natureza. E, nos tempos que correm, tal desiderato é cada vez mais difícil de alcançar. Não admira, pois, que o mel constitua uma autêntica reserva de ouro, adquirindo uma importância de tal ordem que explica a presença das abelhas no seu próprio brasão.

PTL-cabracao.gif

LIMIANA ALEXANDRA RODRIGUES: A CULINÁRIA É UMA ARTE!

Como recentemente referimos, acaba de ser editado o livro da 6ª edição do concurso “A Mesa dos Portugueses” ( 2017) onde Alexandra Rodrigues – descendente de limianos da Cabração – participou com duas receitas bem minhotas: Bacalhau à Minhota e Torta de Viana.

46470543_10214109968488536_3628047870948540416_n.jpg

Mas o reconhecimento dos seus talentos culinários não se ficam por aí e certamente fariam a delícia dos seus conterrâneos. Em 2016, foi com um doce alentejano que se evidenciou no concurso e, em 2017 ficou entre as 48 melhores receitas.

Em 2018, na 7ª edição do concurso ficou em 2º lugar na categoria de doçaria, cujo livro o livro sairá do prelo em 2020. Nessa ocasião, apresentou uma receita de um bolo de amêndoa, o bolo real, também conhecido como “bolo das festas”, porque usualmente era por ocasião das festas em honra de Nossa Senhora d’Agonia, da Senhora da Bonança em Vila Praia de Âncora e das Feiras Novas de Ponte de Lima que era confeccionado.

Alexandra Rodrigues

Certamente inspirada nos mais requintados sabores da gastronomia minhota, a Chef Alexandra Rodrigues – permitam-nos que ousemos reconhecê-la como tal! – compõe a melhor iguaria culinária como um poeta constrói um poema, o escultor extrai da pedra a mais magnífica escultura, o ourives burila a filigrana – faz dos sabores e paladares da nossa cozinha tradicional a mais requintada obra de arte. Celebremo-la, pois, com o melhor e mais apreciado dos vinhos verdes da nossa região!

11986500_10205252041605900_4453967732088704054_n.jpg

O ANTIGO “CAFÉ GUERRA” EM PONTE DE LIMA ERA O PONTO DE ENCONTRO DAS GENTES DA CABRAÇÃO EM DIA DE FEIRA

O estabelecimento nas vilas de um local de encontro das gentes de uma determinada aldeia ou freguesia em dia de feirar constituiu desde sempre uma das características das feiras e mercados medievais, as quais chegaram até aos nossos dias pela força do costume e tradição.

12193804_193968834269493_1361079369266961922_n

Ainda antes do surgimento da viação mecanizada, vulgo “camionetas” de carreira, apinhadas até ao tejadilho com bagagens e mercadorias, as gentes saíam manhã cêdo das aldeias em ranchos e, uma vez chegadas à bila, lá íam elas à sua vida, cada um para seu lado, tratar dos seus negócios… os mais novos tinham geralmente encontro marcado com os conversados!

Ao longo do dia vendiam e que tinham a vender, contratavam os jornaleiros para os trabalhos domésticos ou da lavoura, procediam ao pagamento quando era o caso e, de tempos a tempos, acorriam ao local de reunião do seu povo para ali deixar as alfaias compradas à guarda de um familiar ou vizinho enquanto de novo regressava à confusão do mercado por entre as tendas dos feirantes. E, chegada a altura do regresso a casa, lá íam todos juntos, tornando mais suave o sacrifício da caminhada.

Entretanto vieram as camionetas de carreira. Quem na feira de Ponte de Lima não se recorda ainda dos velhinhos autocarros do “Cura” aguardando os passageiros junto ao mercado municipal? Seguiu-se a generalização do uso da viatura particular e as gentes da aldeia deixaram de fazer a caminhada a pé… da Cabração a Ponte de Lima distam cerca de treze quilómetros e havia que contar com outros tantos na viagem de regresso!

Mas, o antigo costume manteve-se atá aos nossos dias. Cada localidade possuem o seu ponto de encontro em diferentes sítios da bila.

A título de exemplo, as gentes da Cabração tinham por local de encontro a Torre de S. Paulo, a qual curiosamente exibe um magnífico painel de azulejos da autoria de Jorge Colaço, alusivo à lenda que deu origem ao seu nome – Cabras são, Senhor!

Com o passar do tempo e por razões de comodidade, passaram também a frequentar um café existente nas proximidades, aproveitando para descansar da correria da feira até chegada a hora do regresso a casa. Era o velhinho e já desaparecido Café Guerra que as pessoas da Cabração guardam na memória com saudade dos tempos idos.