Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

PONTE DE LIMA: O MEL DA CABRAÇÃO É A SUA MAIOR RESERVA DE OURO!

“O mel desta terra merece ser tam celebrado de nós como he de Horacio o do monte Hymeto” – P. António Carvalho da Costa

Qual monte Hymeto, a Cabração é desde tempos imemoriais uma magnífica colmeia de onde sempre se praticou a apicultura e produziu o melhor mel de toda a região – porventura um dos melhores de todo o país!

DSCF4374.JPG

São numerosas as referências à qualidade do mel da Cabração, porventura o produto que lhe dá mais fama. Na “Corografia portugueza e descripçam topografica do famoso reyno de Portugal...”, P. Antonio Carvalho da Costa narra o seguinte:

“Nossa Senhora da Natividade de Cabração, parece que foi toda, ou parte Couto do Mosteiro de Vitorino, que devia ali ter quinta de criação de gados, o que se infere de uma escritura, que dele se conserva no do Salvador de Braga, para onde se mudou, na qual se diz, que indo El Rei Dom Afonso Henriques à caça de porcos-bravos a esta Freguesia, que é parte da Terra de Arga, acompanhando-o Nuno Velho, Sancho Nunes, Gonçalo Rodrigues, Lourenço Viegas, e outros fidalgos, o Abade de Vitorino lhe deu um jantar junto da Ermida de Azevedo posta no dito monte de Cabração, no fim do qual El Rei lhe demarcou ali um Couto; mas arruinando-se a Capela, Dom Pascoal, Celeireiro em Ponte de Lima d’El Rei Dom Sancho o Primeiro, quis no ano de 1187 devassa-lo com lhe pagarem certos direitos, a que se opôs Dona Sancha Abadessa de Vitorino, e a Justiça mandou se entremeter-se entre o Celeireiro no Couto: hoje o não é, mais que Paróquia com Vigário, que apresentam as freiras do Salvador de Braga: tem oitenta vizinhos. O mel desta terra merece ser tão celebrado de nós, como é de Horácio o do monte Himeto.”

capture1

Localiza-se o monte Hymeto na Ática, a sul de Atenas, na Grécia. Reza a mitologia clássica que estava povoado de abelhas que produziam o mel mais rico e saboroso e a cera mais suave de toda a Grécia, encntrando-se na sua origem a fragância das suas magníficas flores, a tal ponto que os répteis que ali habitavam deixaram de ser venenosos.

DSCF4371 (2).JPG

Isolalada em relação aos grandes aglomerados urbanos e vias de comunicação, a Cabração beneficia de extraordinárias condições ambientais que lhe permitem implementar nomeadamente os melhores projectos turísticos, desportivos e outros cuja actividade humana não coloque em causa a natureza. E, nos tempos que correm, tal desiderato é cada vez mais difícil de alcançar. Não admira, pois, que o mel constitua uma autêntica reserva de ouro, adquirindo uma importância de tal ordem que explica a presença das abelhas no seu próprio brasão.

PTL-cabracao.gif

LIMIANA ALEXANDRA RODRIGUES: A CULINÁRIA É UMA ARTE!

Como recentemente referimos, acaba de ser editado o livro da 6ª edição do concurso “A Mesa dos Portugueses” ( 2017) onde Alexandra Rodrigues – descendente de limianos da Cabração – participou com duas receitas bem minhotas: Bacalhau à Minhota e Torta de Viana.

46470543_10214109968488536_3628047870948540416_n.jpg

Mas o reconhecimento dos seus talentos culinários não se ficam por aí e certamente fariam a delícia dos seus conterrâneos. Em 2016, foi com um doce alentejano que se evidenciou no concurso e, em 2017 ficou entre as 48 melhores receitas.

Em 2018, na 7ª edição do concurso ficou em 2º lugar na categoria de doçaria, cujo livro o livro sairá do prelo em 2020. Nessa ocasião, apresentou uma receita de um bolo de amêndoa, o bolo real, também conhecido como “bolo das festas”, porque usualmente era por ocasião das festas em honra de Nossa Senhora d’Agonia, da Senhora da Bonança em Vila Praia de Âncora e das Feiras Novas de Ponte de Lima que era confeccionado.

Alexandra Rodrigues

Certamente inspirada nos mais requintados sabores da gastronomia minhota, a Chef Alexandra Rodrigues – permitam-nos que ousemos reconhecê-la como tal! – compõe a melhor iguaria culinária como um poeta constrói um poema, o escultor extrai da pedra a mais magnífica escultura, o ourives burila a filigrana – faz dos sabores e paladares da nossa cozinha tradicional a mais requintada obra de arte. Celebremo-la, pois, com o melhor e mais apreciado dos vinhos verdes da nossa região!

11986500_10205252041605900_4453967732088704054_n.jpg

O ANTIGO “CAFÉ GUERRA” EM PONTE DE LIMA ERA O PONTO DE ENCONTRO DAS GENTES DA CABRAÇÃO EM DIA DE FEIRA

O estabelecimento nas vilas de um local de encontro das gentes de uma determinada aldeia ou freguesia em dia de feirar constituiu desde sempre uma das características das feiras e mercados medievais, as quais chegaram até aos nossos dias pela força do costume e tradição.

12193804_193968834269493_1361079369266961922_n

Ainda antes do surgimento da viação mecanizada, vulgo “camionetas” de carreira, apinhadas até ao tejadilho com bagagens e mercadorias, as gentes saíam manhã cêdo das aldeias em ranchos e, uma vez chegadas à bila, lá íam elas à sua vida, cada um para seu lado, tratar dos seus negócios… os mais novos tinham geralmente encontro marcado com os conversados!

Ao longo do dia vendiam e que tinham a vender, contratavam os jornaleiros para os trabalhos domésticos ou da lavoura, procediam ao pagamento quando era o caso e, de tempos a tempos, acorriam ao local de reunião do seu povo para ali deixar as alfaias compradas à guarda de um familiar ou vizinho enquanto de novo regressava à confusão do mercado por entre as tendas dos feirantes. E, chegada a altura do regresso a casa, lá íam todos juntos, tornando mais suave o sacrifício da caminhada.

Entretanto vieram as camionetas de carreira. Quem na feira de Ponte de Lima não se recorda ainda dos velhinhos autocarros do “Cura” aguardando os passageiros junto ao mercado municipal? Seguiu-se a generalização do uso da viatura particular e as gentes da aldeia deixaram de fazer a caminhada a pé… da Cabração a Ponte de Lima distam cerca de treze quilómetros e havia que contar com outros tantos na viagem de regresso!

Mas, o antigo costume manteve-se atá aos nossos dias. Cada localidade possuem o seu ponto de encontro em diferentes sítios da bila.

A título de exemplo, as gentes da Cabração tinham por local de encontro a Torre de S. Paulo, a qual curiosamente exibe um magnífico painel de azulejos da autoria de Jorge Colaço, alusivo à lenda que deu origem ao seu nome – Cabras são, Senhor!

Com o passar do tempo e por razões de comodidade, passaram também a frequentar um café existente nas proximidades, aproveitando para descansar da correria da feira até chegada a hora do regresso a casa. Era o velhinho e já desaparecido Café Guerra que as pessoas da Cabração guardam na memória com saudade dos tempos idos.

FADISTA LIMIANA DEOLINDA LEONES FALA NA PRIMEIRA PESSOA PARA O BLOGUE DO MINHO

Deolinda Leones é uma popular fadista natural de Cabração, concelho de Ponte de Lima, que acaba de editar um CD em cuja capa não podia faltar a vista panorâmica da vila limiana e a sua ponte românica sobre o rio Lima. A convite do BLOGUE DO MINHO, dá-se a conhecer aos nossos leitores na primeira pessoa, falando sobretudo da sua experiência como artista do fado, apesar de ter nascido numa terra profundamente marcada pelo folclore alegre e esplendoroso que caracteriza o Minho.

20108255_254617905032152_6390776828517044507_n

São, pois, suas as palavras que se seguem:

“Além do meu trabalho, cantar é o que mais gosto de fazer. Era ainda muito pequena e cantava com uns vizinhos que também cantavam e tocavam viola. E assim passava os meus dias quando não tinha escola.

Perto da minha casa, em Lisboa, havia então uma casa típica chamada Arcadas do Rego, onde havia fados aos fins-de-semana. Então, refugiava-me lá para ouvir os fadistas e pedia para cantar... e, tanto pedi que certo dia lá me deixaram cantar. Recordo que cantei à capela, como se diz quando não se tem música. Interpretei então o fado “Povo que lavas no rio” cujo pema é, como se sabe, do grande poeta Pedro Homem de Mello.

Fui então muito ovacionada. E o êxito foi tão surpreendente que, no meio de tantas palmas, dois senhores vieram ter comigo e perguntaram-me:

- Como te chamas miúda?

E, depois de ter-lhes dito o meu nome, questionaram-me de novo:

- Gostas de cantar?

Foi então que confessei: disse-lhes que adoro cantat mas o meu pai não deixa porque diz que as artistas se portam mal.

Foi então que eles prometeram: Vamos falar com o teu pai e tu vai cantar!

E assim sucedeu…

Eu era então uma moça humilde e envergonhada mas, após terem conversado com o meu pai, ele lá me deixou, não sem me presentear com vários ralhetes na presença deles. Vim posteriormente a saber para minha enorme surpresa que, os referidos cavalheiros eram, nem mais nem menos, que Raul Solnado e Raul Indipo!

E assim iniciei a minha carreira artista como cantadeira de fados. A primeira casa onde passei a actuar situava-se no Bairro Alto – bairro que é um verdadeiro alfobre dos maiores fadistas! – mais precisamente O “Viela” na rua das Taipas e era gerida pelo sr. Sérgio. Concluí o meu curso mas, até hoje, não parei jamais de cantar o fado!”

30716119_358645067962768_3628981665558167552_n

Convidamos o leitor a visionar o vídeo https://www.facebook.com/radio.sim/videos/1914369461927832/ a partir de 6:29, numa sua actuação nos estúdios da Rádio Sim

Entretanto, se alguém estiver interessado no seu CD pode mandar mensagem privada através da sua página de facebook em https://www.facebook.com/deoleones?lst=100002115675968%3A1634930443%3A1523008927

O CD é enviado em correio registado logo que o dinheiro esteja na sua conta que indicará através de mensagem.

29695227_10213985576666899_7905038191179416292_n

20664396_262806050880004_3884723954736233413_n

20228490_254391881721421_1714427248989174076_n

15267647_102043353622942_6248161293959972798_n

22687733_290809488079660_375506305986025713_n

27867998_334575010369774_1208864974236331510_n

30516738_2172133119478708_4881009918477336576_n

20664396_262806050880004_3884723954736233413_n

12928227_10207941824776879_4708532834759262642_n

FADISTA LIMIANA DEOLINDA LEONES GRAVA CD COM NOVOS FADOS

Deolinda Leones é uma popular fadista natural de Cabração, concelho de Ponte de Lima. Acaba de editar um CD em cuja capa não podia faltar a vista panorâmica da vila limiana e a sua ponte românica sobre o rio Lima.

12928227_10207941824776879_4708532834759262642_n

Se alguém estiver interessado no seu CD pode mandar mensagem privada através da sua página de facebook em https://www.facebook.com/deoleones?lst=100002115675968%3A1634930443%3A1523008927

O CD é enviado em correio registado logo que o dinheiro esteja na sua conta que indicará através de mensagem.

29695227_10213985576666899_7905038191179416292_n

A QUE CONCELHO – PONTE DE LIMA OU PAREDES DE COURA – PERTENCE A CAPELA DE SANTA RITA?

No limite da área geográfica dos concelhos de Ponte de Lima e Paredes de Coura, mais precisamente entre a Cabração e Romarigães, situa-se a pequena capela de Santa Rita onde as gentes desta última localidade organizam anualmente uma romaria. Consta-se que outrora era a mesma organizada pelos habitantes das duas localidades, tendo a Cabração desistido devido ao seu declínio populacional.

Capturarsantarita

O site oficial da Câmara Municipal de Paredes de Coura não faz qualquer referência ao local nem à capela. Porém, o site da Câmara Municipal de Ponte de Lima situa-a na “aldeia da Cabração” recomendando a visita ao seu miradouro. Afinal de contas, em que ficamos?

JORNALISTA IDALINA CASAL LEMBRA NO JORNAL “ALTO MINHO” TRAGÉDIA DOS FOGOS OCORRIDA NO ANO PASSADO NA CABRAÇÃO

No ano passado, a Freguesia da Cabração, em Ponte de Lima, foi violentamente assolada por enormes fogos que devoraram quase toda a sua floresta e atingiram algumas casas de habitação e barracões agrícolas.

16388230_10154622091954934_3234121089398744264_n.jpg

Nessa ocasião, a jornalista Idalina Casal, do Jornal de Notícias, encontrava-se em serviço de reportagem no local. Seguiu para o Lugar da Escusa onde lavrava a frente de fogo e acabou ela própria cercada pelas chamas.

Na edição de ontem do jornal “Alto Minho”, mais concretamente na coluna de opinião que dá pelo nome “chá das três”, a jornalista publicou um artigo de opinião onde procura fazer o “mea culpa” mas cujo conteúdo possui uma actualidade incrível e merece uma leitura atenta. Não resistimos em publicar o recorte do artigo!

19366380_1520082158053852_6532843788548475245_n.jpg