Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

VETERANOS DA CASA DO MINHO DO RIO DE JANEIRO COMEMORAM 21 ANOS A DANÇAR

Gostaríamos de convidá-los para a comemoração dos 21 anos de sucesso dos nossos Veteranos que mantêm viva as tradições de Portugal, através dos cantos e das danças do Alto Minho!

No cardápio churrasco completo com saladas variadas.

Para dançar o conjunto "Os Amigos do Alto Minho".

O folclore ficará por conta dos nossos Veteranos e do Rancho convidado, os Camponeses de Portugal! Reservas pelos telefones (21) 2225-1820 | (21) 2205-4698 ou pelo email contato@minho.com.br.

Reservas pelos telefones (21) 2225-1820 | (21) 2205-4698 ou pelo email contato@minho.com.br

45132928_1894645210614059_509627320261148672_n

FADO VADIA PELA CASA DO MINHO DO RIO DE JANEIRO

O guitarrista Victor Lopez apresentará no Restaurante Costa Verde, no dia 30 de novembro, uma tradicional noite de Fado Vadio com a sua Guitarra Portuguesa num espaço que remete às Casas Típicas de Lisboa.

No Fado Vadio todos podem cantar a música que tornou-se Patrimônio Mundial Imaterial da Humanidade, sejam profissionais ou amadores.

A finalidade principal é partilhar emoções ao som da Guitarra numa confraternização onde o Fado é a grande atração.

Amor, ciúme, cinzas, lume, saudade, tragédia, dor...cantaremos à meia luz as incomensuráveis histórias do Fado.

Entrada franca, com culinária portuguesa, sem couvert artístico.

Faça já as suas reservas: (21) 2225-1820 | (21) 2205-4698 | (21) 99627-3484 (WhatsApp) | contato@minho.com.br

45504997_1907800132631900_4537328362028269568_n

VETERANOS DA CASA DO MINHO DO RIO DE JANEIRO COMEMORAM 21 ANOS A DANÇAR

Gostaríamos de convidá-los para a comemoração dos 21 anos de sucesso dos nossos Veteranos que mantêm viva as tradições de Portugal, através dos cantos e das danças do Alto Minho!

No cardápio churrasco completo com saladas variadas.

Para dançar o conjunto "Os Amigos do Alto Minho".

O folclore ficará por conta dos nossos Veteranos e do Rancho convidado, os Camponeses de Portugal! Reservas pelos telefones (21) 2225-1820 | (21) 2205-4698 ou pelo email contato@minho.com.br.

Reservas pelos telefones (21) 2225-1820 | (21) 2205-4698 ou pelo email contato@minho.com.br

45132928_1894645210614059_509627320261148672_n

ARRAIAL JUNTA MINHOTOS NO RIO DE JANEIRO

“A boa sardinha assada, caldo verde e o vinho. Só no Arraial Minhoto da Quinta de Santoinho.”

41165905_1828770937201487_1624906988456509440_n

6 de outubro é dia da maior Festa Portuguesa do Brasil! Tradicional festa típica portuguesa, regada a sardinha portuguesa, febras, drumet de frango e linguiças assadas na brasa. Delicie-se também com batatas e cebolas cozidas, feijão manteiga e arroz, e os tradicionais caldo verde e broa de milho. Tudo isso acompanhados de 3 tipos de vinhos servidos bem geladinhos.

Para animar a festa os conjuntos “AMIGOS DO ALTO MINHO” e o “TRIO JOSÉVALDO”. Teremos também um grande show de Folclore com o Rancho Juvenil da Casa do Minho e o Armando Leça da Casa do Porto, a Reguenga do Rio de Janeiro. Além do folclore, o som dos Bombos e Gigantones, e as “Marchas luminosas de Lisboa.

Venha participar do mais genuíno "folclore" da região do Minho. Estamos cá a sua espera!

Reservas e demais informações: (21) 2225-1820 | (21) 2205-4698 / (21) 99627-3484 (WhatsApp) e pelo email contato@minho.com.br

PONTE DE LIMA GEMINA-SE COM A CIDADE DO RIO DE JANEIRO

A geminação entre o Município de Ponte de Lima e a cidade do Rio de Janeiro foi aprovada por unanimidade pelo Executivo de Ponte de Lima.

Fotografia_FotoEngenho_1_1024_1000

Este intercâmbio de cooperação entre Ponte de Lima e o Rio de Janeiro reveste-se de grande importância e simbolismo, face às relações de amizade e cooperação entre os autarcas de ambas as localidades.

Neste contexto, este acordo de geminação a celebrar entre Ponte de Lima e a cidade irmã do Rio de Janeiro, visa o desenvolvimento de programas de cooperação e intercâmbio nas áreas cultural, turística, económica e de património histórico entre ambas, perspetivando-se um movimento de modernidade, renovação e empreendimento.

As relações de intercâmbio e cooperação num mundo globalizado decorrem de vários níveis, permitindo uma maior diversidade cultural, entre outros valores fundamentais para os crescimentos das nações e das nossas regiões.

Recorde-se que o Presidente da Câmara Municipal de Ponte de Lima, Victor Mendes, foi agraciado com a Medalha de Mérito Pedro Ernesto, em agosto de 2016, pela Câmara Municipal do Rio de Janeiro.

A homenagem foi uma iniciativa do Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro, Jorge Filipe, e do Vereador Paulo Pinheiro.

A Medalha de Mérito Pedro Ernesto é a maior homenagem que o Município do Rio de Janeiro presta a quem mais se destaca na sociedade brasileira ou internacional. Esta comenda recebeu este nome em reconhecimento pelo trabalho do Presidente da Câmara Pedro Ernesto, e por isso a sua figura encontra-se estampada nas duas Medalhas que fazem parte do Conjunto oferecido ao autarca Limiano.

Fonte: http://www.cm-pontedelima.pt/

riojaneiro-1-e1446150134318

CASA DO MINHO DO RIO DE JANEIRO ESTEVE EM VIANA DO CASTELO POR OCASIÃO DAS FESTAS DA SENHORA D'AGONIA

Casa do Minho do Rio vai a Viana do Castelo e vê multidão durante festa da Agonia

Perto de um milhão de pessoas estiveram presentes este ano na tradicional festa em honra de Nossa Senhora da Agonia em Viana do Castelo. A festividade, considerada a “Rainha das Romarias de Portugal”, aconteceu de 17 a 20 de agosto e contou, além da diversificada programação, com outro grande atrativo: a edição 2018 homenageou a Casa do Minho do Rio de Janeiro. Agostinho dos Santos, presidente dessa entidade luso-brasileira, foi recebido em Viana pelas autoridades portuguesas na condição de presidente da Comissão de Honra das Festas.

Agostinho_Minho_Viana

O evento ficou marcado por momentos únicos e de emoção, como o Desfile da Mordomia, que apresentou número recorde de participantes; a Festa do Traje, apresentação única de toda a cultura da região; a Procissão ao Mar, que completou 50 anos de realização; e o Cortejo Histórico e Etnográfico, uma verdadeira mostra da história, usos e costumes do Minho.

Programação eclética

A cidade minhota proporcionou várias atividades no âmbito da festa, como a XVII Exposição e Feira de Artesanato, espetáculos e concertos musicais, Grande Feira, a imponente Revista de Gigantones e Cabeçudos, Festival de Grupos Folclóricos, terceira Regata Internacional, Festival de Concertinas e Cantares ao Desafio, Procissão Solene e a colorida apresentação dos Tapetes Floridos.

Um dos momentos mais aguardados pelo público, a Serenata, foi adiada devido à Declaração de Situação de Alerta decretada pelo Governo português, em virtude das elevadas temperaturas no País, já que havia risco de incêndios florestais com consequências graves. Dessa forma, a Serenata foi realizada no dia 25 de agosto, à meia-noite, num grande espetáculo pirotécnico.

O cartaz da Romaria de 2018, de autoria de Helena da Costa Morais Soares e de Sara Moreira da Costa, foi também um ponto alto da festa. O trabalho apresentou como modelo a jovem Maria João Mimoso Soares, que se trajou de mordoma. Em entrevista à nossa reportagem, Maria João contou estar “muito feliz com essa oportunidade e que é uma honra ser um dos destaques na famosa Romaria”.

Cortejo memorável

Utilizando carros alegóricos, trajes folclóricos, muitas cores, música, alegria e até petiscos locais, o Cortejo Histórico e Etnográfico mostrou uma sociedade unida na preservação da sua cultura. Durante um longo desfile, cada freguesia e grupo folclórico teve a oportunidade de revelar o seu passado, a sua arte e a sua forma de ser, tudo num ambiente de muita descontração e seguido de perto por centenas de pessoas.

Presente nessa celebração, o ministro da Cultura de Portugal, Luís Filipe Castro Mendes, elogiou o Cortejo e destacou que essa é uma oportunidade de ver “parte importante dos maravilhosos trajes de Viana e do patrimônio extraordinário da região”.

Já o presidente da Câmara Municipal de Viana, José Maria Costa, referiu ter assistido ao Cortejo com muita alegria e entusiasmo, uma vez que este é um momento magnífico da rainha das romarias, marcado por uma grande participação popular. Este responsável assegurou ainda que a estimativa de visitantes ao longo dos quatro dias de festa foi de 1 milhão de pessoas.

Por sua vez, a vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Viana e presidente da empresa Vianafestas, Maria José Guerreiro, destacou a presença de mais de três mil pessoas somente no Cortejo, que durou mais de duas horas.

Recorde de participantes

O Desfile da Mordomia bateu, este ano, todos os recordes, com a participação de 636 participantes. Pela primeira vez, as inscrições para o Desfile foram feitas através de uma plataforma online, o que permitiu perceber que a idade que garantiu o maior número de inscrições foram os 16 anos, demonstrando o fato de a rainha das romarias ser, cada vez mais, uma festividade que atrai a juventude.

As mais de seis centenas de mulheres participantes são provenientes de Portugal, França, Luxemburgo, Reino Unido e Brasil. De território nacional participaram mulheres de nove distritos: Aveiro, Braga, Castelo Branco, Coimbra, Lisboa, Porto, Setúbal, Viana do Castelo e Viseu.

Segundo fontes, o Desfile da Mordomia é o “cumprimento” da organização da Romaria às entidades oficiais e à população, acontecendo sempre na sexta-feira da festa. As mordomas desfilam pelas principais ruas da cidade, mostrando os mais belos trajes das freguesias de Viana do Castelo. Neste dia, as mordomas usam também variadas peças de ouro, algumas seculares, para admiração de todos aqueles que assistem ao Desfile. Desde 2013 que as mulheres da Ribeira de Viana do Castelo, com os seus trajes de varina, participam também no Desfile da Mordomia, com a mesma postura e orgulho.

Reconhecimento

A nossa reportagem acompanhou Agostinho dos Santos durante o seu deslocamento a Viana do Castelo. Na condição de presidente da Comissão de Honra da Festa, e debaixo de forte calor, Agostinho participou em todos os principais pontos da programação. Acompanhou, a pé, todo o percurso do Desfile da Mordomia, da Procissão Solene e, em terra, da Procissão ao Mar, além de seguir viagem numa embarcação ao lado das autoridades portuguesas. Apesar do cansaço, o presidente da Casa do Minho estava orgulhoso e emocionado com a honraria recebida. Agostinho foi saudado por autarcas, ministros, vereadores e pelos responsáveis religiosos da festa da Agonia. Assistiu na primeira fileira à imponente Festa do Traje, no Centro Cultural de Viana do Castelo, e, da tribuna de honra, ao famoso Cortejo Etnográfico.

Por onde andava, Agostinho encontrava amigos, empresários, membros da comunidade luso-brasileira e nomes ligados ao folclore minhoto. Ouviu diversos elogios sobre a importância da Casa do Minho no cenário de promoção da cultura portuguesa no Brasil.

“Foi muito bom estar em Viana e vivenciar, de uma forma diferente, a festa da Agonia. Poder participar ao lado das autoridades e ver o público reconhecendo o potencial da Casa do Minho no Rio não tem preço. Estou feliz e grato pela oportunidade”, sublinhou Agostinho.

“Agostinho dos Santos é uma pessoa muito querida por nós, já que promove, e bem, a imagem do Minho, em especial a de Viana do Castelo, no Brasil”, sublinhou José Maria Costa.

“Foi importante termos em Viana, durante a festa da Agonia, a presença do senhor Agostinho”, finalizou a vereadora da cultura vianense.

Em visita à Fundação Santoinho, Agostinho dos Santos foi recebido com festa pelo proprietário e empresário Valdemar Cunha, e pela sua família, num encontro de amigos. Valdemar reconhece em Agostinho um defensor contundente da cultura minhota.

“Sei que na Casa do Minho do Rio existe uma grande festa em homenagem à Quinta de Santoinho e isso nos deixa orgulhosos e alegres”, comentou Cunha.

Interesse turístico

A Romaria d’Agonia junta-se à história da igreja d’Agonia. Data de 1674 a história da igreja em honra da padroeira dos pescadores. Na altura, foi edificada uma capela em invocação ao Bom Jesus do Santo Sepulcro do Calvário e, um pouco acima, uma capelinha devota a Nossa Senhora da Conceição.

Hoje, o nome da Santa está associado à rainha das romarias e às múltiplas tradições da maior festa popular de Portugal: a romaria em honra de Nossa Senhora da Agonia, nascida em 1772 da devoção dos homens do mar vindos da Galiza e de todo o litoral português para as celebrações religiosas e pagãs, que ainda hoje são repetidas anualmente na semana do dia 20 de agosto, feriado municipal. A Romaria d’Agonia recebeu em 2013 a Declaração de Interesse para o Turismo.

“A Procissão ao Mar e as ruas da Ribeira, enfeitadas com os tapetes floridos, são testemunhos da profunda devoção religiosa. A etnografia tem o seu espaço nos desfiles do Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, onde se pode admirar os belos trajes de noiva, mordoma e lavradeira, vestidos por lindas minhotas que ostentam peitos repletos de autênticas obras de arte em ouro. A festa continua. Tocam as concertinas e os bombos, dançam as lavradeiras. A grandiosa serenata de fogo de artifício ilumina toda a cidade, começando pela ponte de Gustave Eiffel, passando pelo Castelo de Santiago da Barra, até ao Templo, Monumento de Santa Luzia. É um abraço dos vianenses a todos que nos visitam no mês de agosto”, referiram os responsáveis pela festa.

“A Romaria traz-nos, ano após ano, um variado conjunto de momentos únicos, de festa, tradição e amor à nossa cidade e região. Em 2018, para além de assinalarmos os 140 anos da célebre Ponte Eiffel sobre o Rio Lima, que veio reforçar a união entre ambas as margens do concelho, também esta serve como uma ponte entre a romaria do presente e as festas do passado; este ano recordamos também os 50 anos da Procissão ao Mar. Foi no ano de 1968, que se realizou a primeira Procissão ao Mar em Honra de Nossa Sr.ª d’Agonia, no dia da padroeira, a 20 de agosto. A gênese de um dos momentos de maior fé e devoção da romaria atual surge como resposta à imposição de realizar a Procissão Solene na sexta-feira mais próxima ao dia da Santa. Assim, após a iniciativa do Monsenhor Daniel Machado, de organizar a ida ao mar da imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima em 1962, as gentes da Ribeira tomaram a iniciativa de no dia 20 de agosto de 1968 levarem também a sua Santa ao mar. E assim começou a Procissão ao Mar”, contaram os organizadores.

Ligação com outras cidades

Como forma de aproximar Viana do Castelo de outras cidades do mundo com linhas culturais semelhantes, José Maria Costa assinou, durante a festa da Agonia, um acordo de geminação com o Rio de Janeiro, na presença da vereadora luso-brasileira Teresa Bergher.

“A ideia é apostar no intercâmbio em diversos setores, como no turismo, além de ampliar os laços entre as duas cidades e promover programas e projetos de intercâmbio cultural, artístico, musical e desportivo para desenvolver o conhecimento recíproco de atividades que aproximarão os cidadãos”, revelaram José Maria Costa e Teresa Bergher.

O presidente da Câmara de Viana considera a geminação uma “diplomacia entre cidades irmãs” e afirma ser necessário um aprofundamento do setor turístico, identificando formas de cooperação para que “os cariocas visitem Viana do Castelo”.

Esse acordo de geminação foi também assinado no Rio de Janeiro no último mês de março, na Casa do Minho carioca.

Na opinião de Teresa Bergher o encontro em Viana aconteceu numa “fase excepcional no turismo” do concelho e “tem tudo para que haja uma aproximação entre Viana do Castelo e a cidade maravilhosa”.

Ainda durante a festa da Agonia, o município de Viana assinalou os 20 anos de geminação com Hendaye, na França, numa sessão comemorativa na Sala Couto Viana da Biblioteca Municipal da cidade, com a presença do maire de Hendaye.

Imagens feitas na festa da Agonia deste ano serão tratadas em formato de documentário no Brasil e também numa exposição de fotografias no Rio de Janeiro.

Fonte: Igor Lopes / https://www.mundolusiada.com.br/

RomariaAgonia_Viana

FADO VADIO LEVA MINHOTOS À CASA DO MINHO DO RIO DE JANEIRO

O guitarrista Victor Lopez apresentará no Restaurante Costa Verde, no dia 28 de setembro, uma tradicional noite de Fado Vadio com a sua Guitarra Portuguesa num espaço que remete às Casas Típicas de Lisboa.

No Fado Vadio todos podem cantar a música que tornou-se Patrimônio Mundial Imaterial da Humanidade, sejam profissionais ou amadores.

A finalidade principal é partilhar emoções ao som da Guitarra numa confraternização onde o Fado é a grande atração.

Amor, ciúme, cinzas, lume, saudade, tragédia, dor...cantaremos à meia luz as incomensuráveis histórias do Fado.

Entrada franca, com culinária portuguesa, sem couvert artístico.

Faça já as suas reservas: (21) 2225-1820 | (21) 2205-4698 | (em Casa do Minho do Rio de Janeiro.

40287374_1819973108081270_8375799655904051200_n

NO BRASIL TAMBÉM HÁ MINHOTAS – TÃO FORMOSAS E BELAS COMO AS QUE VIVEM NO MINHO – PORQUE SÃO IGUALMENTE MINHOTAS!

As nossas minhotas que vivem no Brasil, muitas das quais já lá nascidas em virtude de seus antepassados terem para lá emigrado, conservam as feições alegres e meigas da mulher do Minho, a sua beleza genuína, apenas diferindo das suas irmãs portuguesas pelo seu falar doce tão característico da forma dos brasileiros se pronunciarem na língua que nos é comum – o Português!

38472414_1782259908519257_4756193143743840256_n

Mas, vê-las envergando os nossos trajes característicos, exibindo os seus brincos reluzentes e os colares de contas, erguendo os braços ao dançarem o vira e a chula, a rusga e a cana verde, com a mesma chieira com que vemos as moças desfilarem na Romaria de Nossa Senhora d’Agonia – que orgulho sentem os minhotos que vivem do lado de cá do Atlântico!

Tal como canta o popular cantar transmontano Roberto Leal:

No Brasil sou português

Em Portugal sou brasileiro

Lá eu toco guitarra

E aqui toco pandeiro

Às vezes em Lisboa

Ou no Rio de Janeiro

Agora já sei quem sou

Sou português brasileiro

Fotos: Casa do Minho do Rio de Janeiro

20431676_1409807579097827_5735219001630583678_n

24232419_1516906261721291_234885036557838722_n

27459195_1572697982808785_2925866993802145039_n

27540838_1572698029475447_4683048122356227798_n

36489816_1739699239441991_6640990810894499840_n

36725229_1739681332777115_2334276044900532224_n

36767969_1739687216109860_5497431411574964224_n

36791394_1739691992776049_2028941000147206144_n

36812715_1739687872776461_9223050803365806080_n

36831860_1739693706109211_4154766545412685824_n

36836993_1739695072775741_640391087101313024_n

36846128_1739688366109745_5750085259353915392_n

36846143_1739688732776375_6560085794680209408_n

36851068_1739674982777750_48125417789325312_n

40748173_1825558087522772_119437955260481536_n

11222292_892112850867305_4307890546668277329_n

19274845_1368549856556933_3227485463473542_n

QUEM FOI O VIMARANENSE PEDRO MIRANDA MALHEIROS?

Pedro Machado de Miranda Malheiros, o Monsenhor Miranda, (Guimarães, c. 1780 — Rio de Janeiro, 9 de abril de 1838) foi um sacerdote, militar e magistrado luso-brasileiro. Era filho de Paulo de Melo Machado e de Gracia Pereira de Castro e Silva.

40654894_2130389260357488_3657119160250400768_n

Bacharel em Filosofia e doutor em Cânones pela Universidade de Coimbra, foi nomeado monsenhor da Santa Igreja Patriarcal de Lisboa.

Combatente militar contra a invasão dos franceses da península ibérica em 1808, foi sargento-mor do batalhão dos privilegiados voluntários de Nossa Senhora de Oliveira da vila de Guimarães. Depois promovido a major deste batalhão, foi nomeado em 1810 Desembargador do Paço e da Mesa da Consciência e Ordens. Veio para o Brasil junto com a corte de Portugal, onde foi nomeado chanceler-mor do reino do Brasil.

De 1819 a 1821 foi inspetor da colônia de Nova Friburgo, responsável pela construção e organização da mesma.

Acompanhou Dom João VI em seu retorno a Portugal, mas estando seu nome na lista dos proibidos de desembarcar em Portugal por ordem das cortes de Lisboa, retornou ao Brasil.

Proclamada a Independência do Brasil naturalizou-se brasileiro, continuando no exercício de chanceler-mor do Império.

Foi um dos maiores defensores da imigração europeia, tendo atuado em sua promoção e organização dentro do Brasil. Encarregava-se pessoalmente dos imigrantes alemães chegados, sendo inclusive responsável por designar alguns, vistos como prejudiciais, para envio a colônias mais distantes, como foi o caso dos enviados para São João das Missões, no Rio Grande do Sul.

Em 1828 foi nomeado ministro do Supremo Tribunal de Justiça.

Foi sepultado em catacumba da Igreja de Sant'Ana, igreja esta demolida quando da construção da Estrada de Ferro D. Pedro II.

Fonte: Cultura Portuguesa da Índia / https://www.facebook.com/groups/133088186701834/