Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BRASIL: DESCENDENTE DE LIMIANOS PROCURA ANCESTRAIS NA CABRAÇÃO

Estou à procura da Familia Vas e Afonso em Cabraçao, Ponte de Lima. Meu 7º avô Franco Affonso Lima, filho de Jozé Vas e Maria Afonso, casou no Brasil em 16 novembro de 1751 na Sé de Sao Paulo e faleceu em 23 de novembro de 1755 sepultado. Obrigadinaha se puder me ajudar com mais dados no blog sobre os Vas Lima e Afonso. Penso que Lima deve ser pelo Rio Lima? espero respostas.

Idelina Cabral de Assis

Obrito Francisco Afonso Lima.jpg

HOSPITAIS E SAÚDE NO OITOCENTOS: DIÁLOGOS ENTRE BRASIL E PORTUGAL

  • Crónica de Daniel Bastos

Há sensivelmente dois anos, a editora Fiocruz, que concentra a maior parte dos lançamentos da Fundação Oswaldo Cruz, a mais importante instituição de ciência e tecnologia em saúde da América Latina, e uma das principais instituições mundiais de pesquisa em saúde pública, localizada no Rio de Janeiro, lançou o livro “Hospitais e Saúde no Oitocentos: diálogos entre Brasil e Portugal”.

Organizado pelo arquiteto Renato Gama-Rosa, investigador da Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz), e Cybelle Miranda, investigadora da Universidade Federal do Pará (UFPA), o livro é constituído por sete capítulos. Designadamente, “Edifícios da Saúde no Rio de Janeiro Oitocentista” de Inês El-Jaick Andrade, Renato da Gama-Rosa Costa e Éric Alves Gallo; “Hospitais na Belém Oitocentista: classicismo e diálogo entre matrizes luso-brasileiras” de Cybelle Salvador Miranda; “Da Instituição Asilar ao Movimento Antimanicomial: a reconstituição da memória do Hospital Juliano Moreira do Pará” de Emanuella da Silva Piani Godinho e Cybelle Salvador Miranda; “Arquitetura da Saúde como Patrimônio: Hospital D. Luiz I da Benemérita Sociedade Portuguesa Beneficente do Pará” de Cibelly Alessandra Rodrigues Figueiredo; “A Casa da Misericórdia no Contexto da Arquitetura Portuguesa da Saúde na Centúria do Oitocentos em Portugal”  de Joana Balsa de Pinho e Fernando Grilo; “O Hospital da Misericórdia de Fafe e a Contribuição da Benemerência Brasileira em Portugal no Século XIX” de Daniel Bastos; e “A Arquitetura Assistencial em Portugal no Início do Século XX: o Sanatório de Sant’Ana” de Maria João Bonina e Fernando Grilo.

Sessão livro.jpg

O historiador Daniel Bastos (dir.), na sessão de apresentação em junho de 2019, do livro “Hospitais e Saúde no Oitocentos: diálogos entre Brasil e Portugal”, na Santa Casa da Misericórdia de Fafe, acompanhado do arquiteto e urbanista brasileiro Renato Gama-Rosa

 

Ao longo dos sete capítulos do livro, que no decurso dos últimos dois anos foi já apresentado em diversas cidades brasileiras e portuguesas, os cientistas sociais luso-brasileiros revisitam a benemérita rede de dezenas de hospitais e associações de beneficência, que emigrantes portugueses na transição do séc.XIX para o séc. XX construíram em várias localidades brasileiras, principal destino da emigração lusa na época, que originalmente se destinavam à ajuda mútua entre os sócios, membros da comunidade portuguesa, e que ainda hoje são instituições de referência no Brasil e na América do Sul. Assim como o contributo da filantropia dos “brasileiros de torna-viagem”, emigrantes portugueses enriquecidos no Brasil, que no alvorecer do séc. XX estiveram, entre outras obras beneméritas, na base da construção de hospitais nas suas terras de origem, e que na atualidade, numa época tão marcada pela pandemia de coronavírus que afeta o mundo, como é o caso das comunidades portuguesas, não podem deixar de ser recordados como exemplos inspiradores de solidariedade.

O FOLCLORE COMBATE O RACISMO E A XENOFOBIA: NÓS – PORTUGUESES – NÃO SOMOS RACISTAS!

  • Crónica de Carlos Gomes

Mais do que qualquer outra manifestação artística ou desportiva, é o folclore que mais contribui para a amizade e confraternização entre os povos, qualquer que seja a sua identidade nacional, étnica, racial ou cultural. Através da aceitação – e da admiração! – de diferentes culturas, o folclore jamais pretende impor padrões culturais, estabelecer “igualitarismos” que na realidade não existem, estabelecer critérios de superioridade. A diversidade é a sua verdadeira riqueza!

35922660_1749853358428503_3697575518795726848_n.jp

Diversas são as comunidades que se integram na nossa sociedade sem abdicarem da sua identidade cultural. Criam laços de amizade com o povo português e alcançam sucesso profissional. Não existem "povos perfeitos" mas, seguramente, os portugueses estarão longe de serem um povo mau!...

DSCF4969 (2).JPG

De norte a sul de Portugal realizam-se eventos de cariz etnográfico que respeitam a diversidade das culturas dos povos, da sua identidade. Cito, a título de exemplo, o FolkMonção, o ÂncoraFolk e o FolkLoures, sem desconsideração por numerosos outros eventos com a mesma dignidade mas cuja enumeração seria difícil de momento.

DSCF8052

O BLOGUE DO MINHO já manifestou publicamente o seu repúdio por toda e qualquer forma de racismo, como se pode verificar em https://bloguedominho.blogs.sapo.pt/blogue-do-minho-repudia-o-racismo-13964434

Aquilo que temos vindo a assistir – e nos entristece! – nada tem a ver com questões de ordem racial mas simplesmente de manipulação política. E, nesse sentido, apelamos a que todos os grupos folclóricos sejam criativos na organização dos seus eventos, integrando sempre que possível as comunidades imigrantes fixadas nas suas regiões.

- Queremos a paz e jamais deixaremos de nos manipular por oportunistas que procuram pescar em águas turvas!

DSCF4964.JPG

DSCF4966 (2).JPG

Capturarmold

20882960_1924646884451678_1461734178859581960_n.jpg

DSCF4272.JPG

DSCF4208.JPG

Capturar-capoeira.PNG

DSCF4221.JPG

DSCF8087

Capturar18

DSCF1050

CERVEIRA COMEMORA DIA MUNDIAL DA CRIANÇA

Dia Mundial da Criança assinalado com surpresas pelo ar e por terra

Os tempos de pandemia Covid-19 obrigam a ter criatividade, por isso, este ano, a comemoração do Dia Mundial da Criança em Vila Nova de Cerveira foi diferente e especial. Com a grande maioria das 500 crianças do pré-escolar e ensino básico em casa, a Câmara Municipal preparou, em parceria com as associações de pais do concelho, a colaboração dos Bombeiros Voluntários e do Aeroclube de Cerval, um programa recheado de surpresas, porta a porta e nas alturas!

IMG_0583.jpg

Sabemos que o mundo de uma criança é do tamanho dos seus sonhos e fantasias, e a autarquia não quis defraudar as expetativas. Numa verdadeira missão de distribuir sorrisos às crianças, o executivo municipal iniciou este Dia Mundial da Criança com a entrega de kits com ‘miminhos’ pelos três centros escolares – Cerveira, Campos e Covas.

Para aquelas crianças que se encontravam em casa, uma comitiva composta por técnicos da autarquia e membros das associações de pais percorreram as 11 freguesias do território municipal, em viaturas da corporação de bombeiros, com música ambiente que anunciava esta chegada de prendinhas porta a porta (t-shirt ‘Vamos Ficar Todos Bem’, boné, máscaras, balões, gomas, um jogo do galo e um dominó).

Durante o período da tarde, e para complementar esta comemoração, 16 aeronaves ultraleves partiram do Aeródromo de Cerval para sobrevoar vários pontos do concelho, procurando espalhar um pouco de magia pelos ceús.

IMG_0627.jpg

IMG_0637.jpg

IMG-20200601-WA0003.jpg

ISAVE: DOIS PROFESSORES SÃO PREMIADOS NO BRASIL

Dois professores do Instituto Superior de Saúde — ISAVE — com sede em Amares, foram premiados na I Conferência Internacional de Obstetrícia e Neonatologia (I CION 2020) que se realizou nos dias 1 e 2 de maio, na cidade de S. Paulo, Brasil, via skype.

95819861_3729131910491767_8643555691027496960_o.pn

O prémio Florence Nightingale foi entregue a Filipe Vieira Franco e Lígia Eduarda Monterroso por Gustavo Santos, presidente da I CION, por se terem destacado “com maestria, relevância e significância acerca da sua apresentação temática “Desafios do ensino e pesquisa em tempos da pandemia de Covid-19”.

Esta conferência integrou-se no programa 2020 Ano Internacional dos Enfermeiros, Obstetras, Obstetrizes e Parteiras e o prémio homenageia Florence Nightingale (Florença, 12 de maio de 1820 — Londres, 13 de agosto de 1910) enfermeira e escritora britânica famosa por ser pioneira no tratamento a feridos de guerra, durante a Guerra da Crimeia. Ficou conhecida como "A dama da lâmpada", instrumento de iluminação para auxiliar os feridos durante a noite. É considerada a fundadora da enfermagem moderna.

MESTRE JOSÉ MALHOA NASCEU HÁ 165 ANOS

Malhoa-fotoarnfons.jpg

  • Crónica de Carlos Gomes

Passam precisamente 165 anos sobre a data de nascimento do pintor José Malhoa, aquele que foi o pioneiro do Naturalismo em Portugal.

O Mestre José Malhoa nasceu em Caldas da Rainha e, com apenas 12 anos de idade, ingressou na Real Academia de Belas Artes de Lisboa onde sempre se distinguiu pelo seu elevado talento artístico. Presidiu à Sociedade Nacional de Belas Artes e integrou o “Grupo do Leão” – uma tertúlia de artistas que se reunia em Lisboa na cervejaria Leão de Ouro destinada a promover o Naturalismo – tendo sido porventura o pintor português que mais se aproximou do Impressionismo.

Faleceu em 1933 em Figueiró dos Vinhos e encontra-se sepultado no Cemitério dos Prazeres, em Lisboa.

Malhoa-Romaria

Entre as suas magníficas obras, destacamos “A Desfolhada” e “A Caminho da Romaria”, duas pinturas que retratam os modos de vida característicos dos finais de oitocentos na região de Entre-o-Douro-e-Minho. Nelas se distinguem os traços característicos da nossa região, nomeadamente os trajes domingueiros de lavradeira do Alto Minho, os gaiteiros, o gado barrosão e a vinha de enforcado.

Tratam-se de um conjunto de duas telas com seis metros de altura, encomendadas nos finais do século XIX, um abastado emigrante oriundo da região de Aveiro, as quais se destinaram a ornamentar o cimo de uma escadaria do seu faustoso palacete, situado no Bairro Flamengo, na área sul do Rio de Janeiro.

Nos anos oitenta do século passado este prédio foi demolido para dar lugar a modernas construções, mais ao gosto das novas metrópoles, e o seu recheio foi a leilão em praça pública. O representante do Estado português encontrava-se presente mas, talvez por falta de preparação na avaliação das obras, não procedeu à sua arrematação.

As pinturas foram arrematadas por Jaime Afra, um conceituado antiquário de Lisboa com estabelecimento aberto ao público na rua D. João V, perto do Príncipe Real. As telas foram retiradas das respectivas molduras e trazidas para Portugal pela espôsa do antiquário, a srª Isabel Afra.

Durante muitos anos permaneceram expostas no seu estabelecimento, atraindo os olhares curiosos de quem por ali passava como era o nosso caso. Entretanto, por falecimento do seu proprietário, a firma foi extinta e em relação às referidas obras perdemos o rasto…

Anos mais tarde, da srª Isabel Afra, recebemos o mail que a seguir se transcreve:

“Venho por este meio vos contactar pois sou a viúva do Jaime Afra mencionado no vosso texto sobre os incríveis quadros do Malhoa.

Gostaria de vos dizer que os quadros nesse artigo mencionados foram vendidos para a colecção do Antigo Banco BCP, o qual acredito que ainda os tenha.

Melhores cumprimentos,

Isabel Afra

Os nossos agradecimentos”

Entretanto, as duas pinturas do Mestre José Malhoa foram tema de cartazes e de medalhística, não obstante permanecerem ignoradas pelos autores de numerosas obras que versam sobre a vida e obra do artista. Também a revista “O Anunciador das Feiras Novas, de Ponte de Lima e o site “Folclore de Portugal – O Portal do Folclore Português” abordaram esta temática. E, nem o museu que tem o seus nome, em Caldas da Rainha, existe qualquer referência a este respeito. Os dois magníficos quadros do mestre José Malhoa – “A Desfolhada” e “A Caminho da Romaria” – passaram a ficar expostos ao público no átrio do Banco Millenium, na rua Augusta, em Lisboa.

Malhoa-Vindimas

RIO GRANDE DO SUL HOMENAGEIA O LIMIANO CRISTÓVÃO PEREIRA DE ABREU

Homenagem a Cristóvão Pereira de Abreu, Memorial do Tropeirismo é inaugurado na Praça União Constante

8-1-400x240.jpg

Na manhã desta sexta-feira (21 de Fevereiro), o vice-prefeito Paulo Renato Mattos Gomes, representando e Executivo Municipal, participou do descerramento da placa em homenagem a Cristóvão Pereira de Abreu, na Praça União Constante, localizada próxima a Santa Casa de Rio Grande. O “Memorial do Tropeirismo”, foi uma é uma iniciativa do Peão Farroupilha da 6ª Região Tradicionalista, Vitor Lopes Ribeiro, em parceria com o Instituto Histórico e Geográfico de São José do Norte, e contou com o apoio da Prefeitura Municipal do Rio Grande.

Para o vice-prefeito Paulo Renato Mattos Gomes, é importante o trabalho de valorizar grandes personalidades que marcaram a história de Rio Grande. “A história nos conta que Cristóvão Pereira de Abreu aportou em Rio Grande e região e aqui faleceu em 1755. Foi um desbravador que ajudou também a fundar nossa cidade e seus restos mortais se encontram nos arredores da Praça União Constante. O Memorial é um resgate a cultura e a história, para manter acessa a chama desse desbravador, figura tão importante para Rio Grande para toda região. A prefeitura apoiou essa iniciativa, para que a gente possa continuar trabalhando com a história daqueles que foram marcantes na nossa região”, afirmou.

Segundo Vitor Lopes Ribeiro, o tributo a Cristóvão Pereira de Abreu é uma forma de reconhecimento ao Patrono do Tropeirismo e um dos mais importantes tropeiros da história do Rio Grande do Sul. Ele também revelou que o projeto já havia sido proposto por Paixão Côrtes. “Esse projeto foi iniciado no ano de 2011 por um dos grandes nomes do nosso tradicionalismo gaúcho, que foi o Paixão Côrtes, mas acabou sendo engavetado com seu falecimento. E nós demos o desenvolvimento final para essa proposta, que era a placa em memória desse tropeiro, que veio a ser sepultado aqui. Precisávamos, enquanto tradicionalistas, fazer essa homenagem e deixar esse marco na nossa cidade, na nossa região e nosso estado. O evento foi lindíssimo, com várias autoridades. Evento cheio, com muita juventude e cavalarianos. Então tudo que poderíamos ter de melhor aqui hoje, nós tivemos. Fica aqui minha gratidão”, declarou o peão.

Fotos: Richard Furtado

Fonte: http://www.riogrande.rs.gov.br/

15-300x200.jpg

14-300x200.jpg

13-1-300x200.jpg

9-1-300x200.jpg

8-1-300x200.jpg

7-1-300x200.jpg

6-3-300x200.jpg

5-3-300x200.jpg

3-5-300x200.jpg

2-4-300x200.jpg

1-3-300x200.jpg

1-2-1-300x200.jpg

CRISTÓVÃO PEREIRA DE ABREU (1678-1755) – ‘O INVENTOR’ DO RIO GRANDE DO SUL

"Pelo sul brasileiro sediou-se o português Cristóvão Pereira de Abreu, que depois de muitas peregrinações ao longo da costa sul das terras que viriam a ser  lusitanas, ainda que bravamente disputadas com espanhóis,  entre São Vicente e Colônia do Sacramento. Isto lhe valeu a fama de “inventor” do Rio Grande do Sul" (Por Professor Paulo Timm).

PAG-2-painel-antigo.png

Cristovão Pereira de Abreu foi um fidalgo português, de esmerada educação, requintados gostos e ágil palavra ao cair da pena, o que lhe valeu o brilho no registro de vários relatórios ao longo da vida. Nasceu em 13 de julho de 1678 em Ponte de Lima, Portugal, freguesia do Fontão, filho de João de Abreu Figueira e Leonor de Amorim Pereira. Faleceu a 22 de novembro de 1755, aos 77 anos, na Vila de Rio Grande de São Pedro, hoje cidade riograndina. Pelo sul brasileiro sediou-se, depois de muitas peregrinações ao longo da costa sul das terras que viriam a ser  lusitanas, ainda que bravamente disputadas com espanhóis,  entre São Vicente e Colônia do Sacramento. Isto lhe valeu a fama de “inventor” do Rio Grande do Sul.

Teria chegado ao Brasil aos 20 anos de idade, nos idos de 1700, trazido pelo pai, já estabelecido no Rio de Janeiro,    exerceu diversas atividades, antes de se transformar no protótipo do explorador a serviço da Coroa Portuguesa, ora como beneficiário de Cartas Comerciais, que lhe deram o monopólio do couro e do tabaco,  ora como militar, tendo operado na negociação com franceses para a desocupação da cidade do Rio de Janeiro, em guerras contra espanhóis no sul e junto as forças luso-hispânica nas Guerras Guaraníticas 1754-56.

Graças à sua experiência no eixo Colônia-Laguna, com grande relacionamento com populações indígenas,  foi  encarregado  pelo Vice Rei  de levar, como Coronel de Ordenanças,  a frota do brigadeiro José da Silva Paes para fazer o reconhecimento da barra do Rio Grande de São Pedro, onde seria construído o Forte Jesus Maria e José de Rio Grande, a partir de 1737, um dos pontos da conquista das vastidões  riograndenses. O outro ponto, que mais lhe notabilizaria,  proveio de Laguna, núcleo fundado pelo paulista Domingos de Brito Peixoto, em 1676, quem recebeu das autoridades coloniais a patente de guarda-mor, em 1721, para descer pelo litoral ao sul  com objetivo de fundar povoações que garantissem o controle da região e o registro do gado criado à solta nas vacarias pampeanas que se estendiam até o Rio da Prata e que desde 1703 eram levados para o centro do Brasil Colônia. Lá de  desenvolviam-se cidades e  comércios graças ao ciclo do ouro.  Com efeito, em 1725, João Magalhães penetra no Rio Grande com uma frota de 31 lagunistas e em 1732 esta investida resulta na concessão da primeira sesmaria a Manoel Gonçalves Ribeiro na parada das Conchas, junto ao Rio Tramandaí.

Neste ponto iniciou-se um registro de passagem de tropas e mercadorias que, mais tarde. seria transferido para Torres. Cristovam Pereira participou intensamente deste processo, tendo operado como elo de ligação entre os dois pontos (Rio Grande, por mar, Caminho das Praias e por terra, a partir de Rio Grande, Caminho da Serra, passando por  Viamão) creditando-se, inclusive, a ele, um papel pioneiro em Torres: Ele teria construído um  descanso (taipa) das tropas, nesta cidade próximo ao Rio Mampituba,por onde atravessava-se o gado,  tendo, talvez, sido um baluarte do “Potreiro”, em Torres, junto à travessia do Rio, como percebeu Ruschel e sugere Bento Barcelos no seu último livro – “Vale do Mampituba”. Um desenho atribuído a Debret, no início do século XIX, abaixo, ilustra esta passagem.

“O velho Neco,segundo o conselho dos velhos, era um homem abastado (em Torres) . Tinha 80 escravos e enormes extensões de terras no Vale do Mampituba e foi quem mandou construir uma taipa de pedras da Torres do Centro (Morro das Furnas). Em função da temporalidade este escriba não acredita nesta hipótese. (…) O mais provável ainda poderia ter sido construída pelo português Cristóvão Pereira, o primeiro que se tem notícias que passou por aqui e por muito tempo  nos tempos das tropeadas.”

Em tudo isso Cristovam Pereira de Abreu é um constante personagem. Centrado no comércio dos couros em Colônia parece ter se  deslocado para o comércio do tabaco, em 1710, bem como para o transporte de gado, muito provavelmente em decorrência da  precariedade do controle lusitano sobre Colônia, várias vezes ocupada por espanhóis. Isso forçava a saída dos portugueses para o interior do Rio Grande.  Já no ano de sua fundação, em 1680, Colônia foi arrasada , voltando, entretanto, ao controle de Portugal em 1683, para voltar  a cair em mãos espanholas entre 1704 e 1715.  Neste ano, até 1736, mercê de entendimentos entre as duas Coroas, os portugueses a reassumem,  justo quando se inicia a expansão lusitana sobre o território rio-grandense com a concessão de diversas sesmarias no litoral e nas cercanias de Viamão, onde se iniciam as primeiras estâncias , e se expande o contrabando de gado para São Paulo que traria no seu bojo o protagonismo de Cristóvão Pereira e suas passagens por Torres. Registre-se que, mesmo com a abertura, em 1843,  do Caminho da Serra, partindo de Viamão a Lages, o Caminho das Praias deve ter prosseguido com certa desenvoltura visto ter exigido o registro de passagem das tropas em Torres em 1871.

Paulo Timm / https://afolhatorres.com.br/

FALECEU MANUEL BRANCO – PRESIDENTE DA CASA DO PORTO E CANTADOR DO GRUPO FOLCLÓRICO ARMANDO LEÇA

Acabamos de receber via Casa do Minho do Rio de Janeiro a nefasta notícia do falecimento do regionalista portuense Manoel Branco, Presidente da Casa do Porto do Rio de Janeiro e cantador do seu Grupo Folclórico Armando Leça.

93773938_2839313146147256_4466906639429009408_n.jp

Considerado um dos grandes representantes do folclore português no Brasil, Manoel Branco foi um grande folclorista e era um apaixonado pelo folclore português, principalmente da região do Porto e pelo Rancho Típico de Santa Maria da Reguenga.

Refira-se que o Porto é parte integrante da região geo-etnográfica que corresponde à antiga Comarca d’Entre-o-Douro-e-Minho.

SARAPATEL: UMA ESPECIALIDADE DA GASTRONOMIA TRADICIONAL MINHOTA QUE DEU A VOLTA AO MUNDO!

SARAPATEL DE GOA

Talvez o prato culinário mais emblemático de Goa, o Sarapatel tem a sua origem remota em Portugal, mas aqui ganhou, diríamos, uma nova vida, ou utilizando uma gíria atual, um "upgrade", conferido pela sábia utilização de especiarias.

27857864_913318912168735_7935023057982541755_n.jpg

Este é um prato que marca profundamente a identidade goesa, e que está intimamente ligado às memórias e afetos familiares. Não há goês que não o conheça, e que não o aprecie.

Contudo, este prato confeccionado a partir dos miúdos de porco, borrego ou cabrito, e que terá surgido nas comunidades de cristãos-novos de Portugal, não é exclusivo da cultura goesa.

Ele subsiste em Portugal, na Serra de Arga (Minho), no Alto Alentejo (consumido sob a forma de sopa onde é imersa uma fatia de pão e uma rodela de laranja), na Ilha da Madeira (onde incorpora a banana), no Nordeste Brasileiro, em Goa (e onde quer que existam comunidades ou famílias goesas) e, finalmente, em Malaca.

A base é toda a mesma, mas os pormenores fazem as diferenças regionais, existindo também sub-variantes locais.

Em Goa é consumido com arroz branco, ou com sannas (pão de côco).

Cremos também que o Sarapatel é apreciado em Macau, vindo de Goa.

Por fim, diríamos que este é um prato merecedor de uma outra atenção por parte de toda a cultura portuguesa, nomeadamente através de confrarias que promovam o conhecimento, o intercâmbio, a preservação e a divulgação do Sarapatel nas suas variantes europeia, americana e asiática. Como nota de rodapé, notamos por exemplo, que a Sopa de Sarapatel do Alto Alentejo (região de Portalegre) é quase desconhecida...no Alentejo.

E nada casa melhor com o Sarapatel de Goa, do que um bom vinho tinto!

Fonte: https://www.facebook.com/290551081112191/photos/a.290551847778781/1189131084587515/?type=1&theater

DSC08376

SARAPATEL É UMA ESPECIALIDADE DA GASTRONOMIA MINHOTA QUE A EPOPEIA DOS DESCOBRIMENTOS LEVOU ATÉ À ÍNDIA E AO BRASIL

O sarapatel é uma das especialidades da gastronomia tradicional das aldeias da serra d’Arga. Constituindo uma espécie de cabidela feita com as miudezas de cabrito, este prato é especialmente apreciado por ocasião da Romaria ao São João d’Arga que todos os anos se realiza nos dias 28 e 29 de agosto, considerada uma das mais genuínas festas minhotas.

Existe também no Alto Alentejo uma variante do sarapatel, confecionado com carne de borrego e cabrito, incluindo miudezas e vísceras, servido quente sobre finas fatias de pão alentejano.

À semelhança de muitos dos costumes portugueses, também o sarapatel foi levado pelos navegadores da era dos Descobrimentos até terras distantes do Brasil e da Índia Portuguesa, dando aí origem a novas versões e paladares com a introdução de especiarias e outras iguarias.

É atualmente afamado o sarapatel goês, temperado com açafrão, malaguetas, canela, gengibre, cravinho, tamarindo e outras especiarias, tornando-se um verdadeiro símbolo da cultura indo-portuguesa. Mas também no Brasil, em particular na Baía, Pernambuco, Ceará, Rio Grande do Norte e Piauí, o sarapatel é uma das especialidades da sua cozinha tradicional.

O sarapatel é, pois, uma dos pratos típicos da nossa culinária que bem poderia servir de mote para a realização de um grandioso evento gastronómico, servindo à mesma mesa uma especialidade gastronómica que passou a ligar os povos que em três continentes partilham um idioma comum – a Língua portuguesa!

Fonte: https://bloguedominho.blogs.sapo.pt/1906276.html

ARCOS DE VALDEVEZ APRESENTA "AUTOBIOGRAFIA AUTORIZADA" DE PAULO BETTI

"Autobiografia Autorizada" de Paulo Betti na Casa das Artes de Arcos de Valdevez

O espetáculo "Autobiografia Autorizada", de Paulo Betti, sobe ao palco do auditório da Casa das Artes, dia 13 de março, sexta-feira, às 22h00.

paulo Betti.jpg

Neste espetáculo, o ator brasileiro, que ficou conhecido em Portugal pelos papéis desempenhados em telenovelas da TV Globo, Paulo Betti, através de um monólogo, e representando várias personagens, constrói uma viagem emocional e pessoal que, simultaneamente, retrata a infância, a família, a vida rural no interior do estado de São Paulo e a mudança para a cidade. Paulo Betti é o autor do texto e o intérprete desta peça que ele próprio encena, dirigida em conjunto com Rafael Ponzi.

Depois de passar por inúmeras cidades como Sorocaba, São Carlos, Fortaleza, Uberlândia, Brasília, Luanda (Africa), Belém, Salvador, entre outras, este espetáculo apresenta-se no auditório da Casa das Artes, oscilando entre o humor e a emoção, mantendo sempre a mesma dinâmica na forma como o protagonista partilha as suas memórias, envolvendo o público nesta aventura. 

MINHO DESFILA NO BRASIL NO CARNAVAL CARIOCA

O 1º Bloco de Carnaval de Braga já tem data marcada! Enquanto isso, está na hora de aprender o nosso Samba Enredo!!!

78434941_122560202524038_2186047265997586432_n.jpg

SAMBA ENREDO MINHO DE JANEIRO 2020

Enredo: O Brasil Descobriu o Minho

Compositores: André Cabeça e Dudu Linhares

QUE SOLTEM OS GALOS CASAMENTEIROS

O MINHO DE JANEIRO VAI FERVER

ÉS DE BRAGA? ÉS BRASILEIRO?

SAMBA QUE EU QUERO VER

Terra à vista

O Brasil vai descobrir Portugal

Revelar ao coração do Minho

As belezas do meu Carnaval

Nos braços do meu Bom Jesus encontrei

Um cenário de belezas

Capital da Juventude

Minha Roma Portuguesa

TEM VINHO VERDE EM NOITE BRANCA

MOSCATEL EM BANANEIRO

PICA NO CHÃO, PAPAS DE SARRABULHO

VOU ME PERDER NESSE TEMPERO

Com meu martelo na mão

E um fino na outra

Vou curtir meu São João

Chama a Melinha do Braga

Pro jogo ter mais emoção

Estás a ver?

Aqui tem samba de verdade

Do Arco da Porta Nova

À Avenida Liberdade

⁣⁣Patrocínio:

Gutman e Silva Advogados⁣⁣

Zen Presença Digital

Apoio:

Alto Minho Para Todos

DJ Verinha Pinheiro

Contra ponto

Clube do Leitão - A Casa do Torresmo

Salgadinhos Da Carol

ND Eventos

Ver o vídeo aqui

CANTAR DE EMIGRAÇÃO

Este parte, aquele parte

e todos, todos se vão

Galiza ficas sem homens

que possam cortar teu pão

 

Tens em troca órfãos e órfãs

tens campos de solidão

tens mães que não têm filhos

filhos que não têm pai

 

Coração que tens e sofre

longas ausências mortais

viúvas de vivos mortos

que ninguém consolará

 

Rosalía de Castro in Follas Novas. 1880

Tradução: José Niza

PT-TT-EPJS-SF-008-00853_m0001.jpg

PT-TT-EPJS-SF-008-10258_m0001.jpg

PT-TT-EPJS-SF-010-04848-001-006_m0001_derivada.jpg

PT-TT-EPJS-SF-010-04848-002-004_m0001_derivada.jpg

PT-TT-SNI-ARQF-RP-003-29868_m0001_derivada.jpg

PT-TT-SNI-ARQF-RP-003-29870_m0001_derivada.jpg

PT-TT-SNI-ARQF-RP-003-29949_m0001_derivada.jpg

SEC-AG-0307M.jpg

SEC-AG-0308M.jpg

SEC-AG-0309M.jpg

SEC-AG-0311M.jpg

SEC-AG-0316M.jpg

SEC-AG-0404M.jpg

SEC-AG-0405M.jpg

SEC-AG-0406M.jpg

SEC-AG-0407M.jpg

SEC-AG-0408M.jpg

Fonte: ANTT